Lab ccti 050212_div (carlos leite project pp)

541 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
541
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
117
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Lab ccti 050212_div (carlos leite project pp)

  1. 1. laboratório de co-criação em territórios informaislccti um laboratório de co-criação de soluções espaciais (arquitetura, urbanismo, design) junto à comunidade local em territórios informais que permita o desenvolvimento de inovação e protocolos de inclusão social, estruturado como uma OSCIPgrupo de pesquisa (fau.upm I cnpq)megacidades e desenvolvimento sustentávelcarlos leite arq phd universidade presbiteriana mackenzie sao paulocarlos@stuchileite.com www.cidadesinteligentes.blogspot.com© todos os direitos reservados ao autor I sem fins comerciais, apenas acadêmicos
  2. 2. laboratório de co-criação em territórios informais (lccti)laboratório de co-criação de soluções espaciais (arquitetura, urbanismo,design) junto à comunidade local que permita o desenvolvimento deinovação e protocolos de inclusão social: (“diy” “smart informal cities”): 1: mapear potencialidades indicadores susten. de governança indicadores susten. de oportunidades 2: identificar oportunidades 3: comunicar externalidades 4: otimizar práticas criativas 5: implementar um sistema de kit-de-ferramentas de propostas:    ”simcity”: inserção de vazios de convivência + auto-expansão de habitação    sistema do 3. nível: geração de espaços públicos sem remoções    implementar um sistema de fabricação digital de soluções espaciais
  3. 3. Briefing: Objetivos, Missão e VisãoO Laboratório de Co-criação em Territórios Informais, LCCTI, é uma instituição sem fins lucrativos (OSCIP) com oobjetivo de desenvolver soluções espaciais (arquitetura, urbanismo, design) em territórios informais junto àcomunidade local.Ele nasceu do Grupo de Pesquisa Megacidades e Desenvolvimento Sustentável (FAU-UPM I CNPq) em 2011, ao qualmantém vínculo de conteúdo e pessoal, assim como com a Parsons the New School de Nova Iorque.O Laboratório possui o objetivo de gerar conhecimento, inovação e soluções espaciais nas áreas do design,arquitetura e urbanismo especificamente em territórios informais das megacidades.Seu diferencial é atuar dentro da comunidade local e junto dela, desenvolvendo sistemas de co-criação, otimizaçãode práticas criativas “bottom-up” e gerar protocolos de inclusão social nestes territórios, incluindo capacitação dejovens. Ele deve atuar em três focos específicos:•  sistemas comunicação inteligente (“smart informal”)•  sistemas de kit-de-ferramentas de co-criação de soluções espaciais (“toolkits)•  sistemas de fabricação digital de soluções espaciais (fabricação digital)O Laboratório deve ser uma instituição permanente e de estrutura estatutária independente de seus parceirosvinculados que lhe dão suporte de conteúdo e pessoal especializado.Seu objetivo imediato é o trabalho específico junto à comunidade de Heliópolis, São Paulo.Ele deve ter em sua estrutura representantes dos parceiros institucionais, da comunidade local e de especialistasinternacionais, contando com um Conselho Administrativo, Conselho Consultivo e Direção. Para garantir a suaperenidade, independência e profissionalismo, deve contar com uma gestão de captação de recursos e fundos.
  4. 4. © Tuca Vieira
  5. 5. A COMUNIDADE SE TRANSFORMA EM CO-CRIADOR: MAPEAR, ENTENDER O TERRITÓRIO + GERAR CENÁRIOS POSSÍVEIS + SE APROPRIAR DE SEU TERRITÓRIO + OTIMIZAR O SENSO DE COMUNIDADE/PERTENCIMENTO + CENÁRIO 01 CENÁRIO 02 CENÁRIO 03o 3o. nível: espaços de uso coletivo
  6. 6. Hot Spotting Smart Cities: Sao Paulo, New York and Amsterdam heliópolis Smart Informal City © Group Systems: J.Pirone, L. Percifield, C. Bernett  FAU Mackenzie, Sao Paulo Carlos Leite, Charles Vincent, M.I.Villac  Parsons the New School, New York Brian McGrath, Victoria Marshall, Jane Pirone  Amsterdam Academy Rogier  van den Berg, Donald van Dansik  Apoio: SEHAB: Sao Paulo Housing Secretary Elisabete França, Vanessa Padia  Apoio: Associações comunitárias de heliópolis
  7. 7. 1  conceituação SP 02.20112  definição teórica SP NY AMS 08.20113  workshop [mackenzie-heliópolis] SP 16-22.09.20114  workshop feedback’1 [mackenzie] SP 18.10.20115  estúdios [mackenzie parsons amsterdam] SP NY AMS 08-12.20116  apresentações resultados dos estúdios SP NY AMS 12.20117  feedback’2 [heliópolis] SP 02.2012 estúdio international heliópolis: agenda
  8. 8. © Carlos Leiteestúdio international heliópolis: conceituação inicial, 02.2011
  9. 9. © Carlos Leite
  10. 10. © C.Girão / P.Palmaestúdio international heliópolis: in loco, 09.2011
  11. 11. © C.Girão / P.Palmaestúdio international heliópolis: workshop com adolescentes, 09.2011
  12. 12. © www.googlempas.com © Sehab heliópolis: 1,000,0000m2 100.000 pessoas
  13. 13. externalidades existentes: cine favela heliópolis: 6o festival
  14. 14. externalidades existentes: projeto eco heliópolis
  15. 15. externalidades existentes: orquesta sinfônica de heliópolis
  16. 16. estúdio international heliópolis: : workshop 09.2011 © Carlos Leite
  17. 17. Cidades Informais Inteligentes heliópolis Smart Informal City estúdio international heliópolis: : workshop 09.2011 ©Group Following Water: the informal journey
  18. 18. estúdio international heliópolislaboratório de co-criação em territórios informais (lccti)propostas iniciais ✚ implementar um sistema comunicação inteligente (“smart informal”) ✚ implementar um sistema de kit-de-ferramentas de co-criação de soluções espaciais ….. “simcity”: inserção de vazios de convivência + auto-expansão de habitação …...sistema do 3. nível: geração de espaços públicos sem remoções z ✚ implementar um sistema de fabricação digital de soluções espaciais
  19. 19. simcity heliópolis idéias para urbanização de favelas sem remoções TÁTICAS DE OPERAÇÃO DIAGNOSTICAR A MORFOLOGIA DIAGNOSTICAR A FORMA DE CRESCIMENTO CRIAR ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA VERTICALIZAR PLATAFORMA DE PROJETO PLANO PILOTO. A IDÉIA SE ESPALHA PELA COMUNIDADE DANIELA GETLINGER < GUILHERME GALIOTTI < HERMES DA FONSECA LARISSA BRANCO < LORREINE CLÁUDIO < MARCELO MORAES < YARA BAIARDI
  20. 20. É NECESSÁRIO CRIAR ESPAÇOS VAZIOS PARA A COMUNIDADE + = COMO?1_ CONECTANDO AS VIELAS2_ REMOVENDO ALGUMAS CASASNO MEIO DA QUADRA PARA MELHORAR: _ INCIDÊNCIA DE LUZ NATURAL _ VENTILAÇÃO _ CIRCULAÇÃO _ ESPAÇO PÚBLICO
  21. 21. SIMCITY HELIÓPOLIS LABORATÓRIO DE PROJETO URBANO MORADOR SE TRANSFORMA EM CO-CRIADOR > _ MAPEAR, ENTENDER O TERRITÓRIO _ EXPERIMENTAR _ GERAR CENÁRIOS POSSÍVEIS _ FASEARCENÁRIO 01 CENÁRIO 02 CENÁRIO 03
  22. 22. IDÉIAS AÇÕES E MUDANÇAS SE MULTIPLICAM! Fonte: Sehab_ PRIMEIRAS INTERVENÇÕES FUNCIONAM COMO PILOTO._ LOGO, TORNA-SE EVIDENTE QUE AS MUDANÇAS TRAZEM MELHOR QUALIDADE DE VIDA._ A IDÉIA SE ESPALHA PELA COMUNIDADE.
  23. 23. Camila Girãoo 3o nível Patricia de Palma o sistema: otimizar os espaços públicos sem gerar remoções
  24. 24. como podemos criar um espaçopúblico que reforce acapacidade criativa, asrelações sociais, e aindaaproxime as redes informaisem heliópolis, sem que hajanenhuma remoção?
  25. 25. públicoprivadopúblico
  26. 26. Cidades Informais Inteligentes heliópolis Smart Informal Cityo 3o. nível: espaçosde uso coletivo
  27. 27. ✚ implementar um sistema de fabricação digital de soluções espaciais: design, arquitetura, urbanismo © FONTE: SAOPAULO.AASCHOOL.AC.UK exemplos de sistemas de fabricação digital com função social: academia de boxe do garrido
  28. 28. ✚ implementar um sistema de fabricação digital de soluções espaciais: design, arquitetura, urbanismo © FONTE:WIKIHOUSE – OPEN SOURCE DIY KITS TO BUILD A HOUSE exemplos de sistemas de fabricação digital com função social:
  29. 29. laboratório de co-criação em territórios informais I lccti_ briefing_ missão/visão_ estrutura_ viabilidadeheliópolisgrupo de pesquisa_megacidades e desenvolvimento sustentável
  30. 30. indicadores de sustentabilidade urbana I fdc secovi I coord: carlos leite + rafel tello I 2011
  31. 31. governança: novas formas em territórios informais
  32. 32. oportunidades: externalidades emergentes (economia I práticas criativas) em territórios informais
  33. 33. mapear-potencialidades sinalizar- oportunidades otimizar-externalidadesotimizar-práticas-criativas mixar-enfoques- bottomup-topdown territórios informais inteligentesco-criar-possibilidades desenhar-sistemas gerar-indicadores-sustentabilidade-não- formais comunicar-smart-lowtech informalizar-smart-cities
  34. 34. © Hector Vigliecca Archexternalidades e práticas criativas em territórios informais: conexões sócio-espaciais (habi I h.vigliecca)
  35. 35. © Marcos L. Rosa: MICROPLANNING: URBAN CREATIVE PRACTICES, 2011externalidades e práticas criativas em territórios informais: biourban
  36. 36. © Marcos L. Rosa: MICROPLANNING: URBAN CREATIVE PRACTICES, 2011externalidades e práticas criativas em territórios informais: cidades sem fome
  37. 37. © Marcos L. Rosa: MICROPLANNING: URBAN CREATIVE PRACTICES, 2011externalidades e práticas criativas em territórios informais: parque da integração
  38. 38. Arch Marcos Boldarini © Fabio Knollexternalidades e práticas criativas em territórios informais: cantinho do céu (habi I marcos boldarini)
  39. 39. laboratório de co-criação em territórios informaislccti um laboratório de co-criação de soluções espaciais (arquitetura, urbanismo, design) junto à comunidade local em territórios informais que permita o desenvolvimento de inovação e protocolos de inclusão social, estruturado como uma OSCIPgrupo de pesquisa (fau.upm I cnpq)megacidades e desenvolvimento sustentávelcarlos leite arq phd universidade presbiteriana mackenzie sao paulocarlos@stuchileite.com www.cidadesinteligentes.blogspot.com© todos os direitos reservados ao autor I sem fins comerciais, apenas acadêmicos

×