Your SlideShare is downloading. ×
0
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Violência Contra A Criança
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Violência Contra A Criança

15,798

Published on

Palestra proferida na Semana de Enfermagem da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, UEPG e CESCAGE em 14 de maio de 2009.

Palestra proferida na Semana de Enfermagem da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, UEPG e CESCAGE em 14 de maio de 2009.

Published in: Health & Medicine
2 Comments
17 Likes
Statistics
Notes
  • obrigada pelas informações que postaram, ajudou muito.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Fantastico, trabalho com crianças diretamente e seu trabalho ajudou a ampliar meus conhecimento.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total Views
15,798
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
2
Likes
17
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Violência Contra a Criança Dr. Renato van Wilpe Bach Cirurgião Pediátrico Hospital da Criança Pref. João Vargas de Oliveira Instituto Sul Paranaense de Oncologia Santa Casa de Misericórdia Fundação Batavo UTI Geral S/C Ltda. COHP
  • 2. Objetivo da Apresentação • Apresentar clipping de dados – Formação x informação • Apresentar algumas definições • Estimular o debate • Focar necessidade de screening e diagnóstico por parte dos profissionais envolvidos
  • 3. Pressuposto Legal para a Proteção à Infância
  • 4. • Antes de 1989: Código de Menores (apenas 10 anos)
  • 5. Constituição Federal - artigo 227: “É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. § 1º - O Estado promoverá programas de assistência integral à saúde da criança e do adolescente(...)”
  • 6. •Estatuto da Criança e do Adolescente – LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990 –Resultado dos trabalhos da Constituinte –Referência mundial –Proteção integral
  • 7. •Estatuto da Criança e do Adolescente –Direitos e deveres civis à criança •distingue criança (0 a 12 anos) de adolescente (12 a 18 anos) –Direitos à saude, educação, informação, lazer, esporte –Políticas públicas – Conselhos Tutelares –Medidas socioeducativas –Regras sobre adoção
  • 8. Datas A Lei nº 9.970, de 17 de maio de 2000, instituiu o dia 18 de maio como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A finalidade dessa comemoração é sensibilizar e mobilizar a sociedade brasileira. A Lei nº 11.523 instituiu a Semana Nacional de Prevenção da Violência na Primeira Infância, a ser celebrada sempre entre os dias 12 e 18 de outubro. O objetivo é conscientizar a população brasileira sobre a importância do período entre 0 (zero) e 6 (seis) anos para a formação das pessoas.
  • 9. A violência mata 950 000 crianças por ano no mundo
  • 10. A violência mata 950 000 crianças por ano no mundo
  • 11. Violência Contra a Criança  É bastante comum em nosso meio  Independe do estrato social
  • 12. Os agentes promotores de saúde devem entender a dinâmica do processo, reconhecê-lo e intervir apropriadamente
  • 13. Riscos para a criança: –físico –emocional –desenvolvimento
  • 14. Histórico
  • 15. • Jean Jacques Rousseau (Século XVIII) –Exigências de postura remontam ao Renascimento –Corpetes e espartilhos –“Emílio” (1762)
  • 16. –Iluminismo: novo respeito pelo indivíduo –Exercícios e autonomia física •Academias de ginástica no século XIX –Inversão na relação pedagógica no século XX
  • 17. • Ambriose Tardieu (1860) • Drs. Kempe e Silvermann (1962): –quot;Síndrome da Criança Espancada“ (“battered child”), baseados em evidencias radiológicas. • Gordon (1988).
  • 18. quot;todo ato ou omissão praticado por pais, parentes ou responsáveis contra crianças e/ou adolescentes que - sendo capaz de causar dano físico, sexual e/ou psicológico a vítima - implica de um lado, numa transgressão do direito que crianças e adolescentes têm de ser tratados como sujeitos e pessoas em condição peculiar de desenvolvimento“ Maria Amélia Azevedo e Viviane Guerra (USP/SP - 1989)
  • 19. Tipos de Violência
  • 20. Violência Física contra Crianças e Adolescentes quot;Qualquer ação, única ou repetida, não acidental (ou intencional), cometida por um agente agressor adulto (ou mais velho que a criança ou o adolescente), que lhes provoque consequências leves ou extremas como a morte.quot; (Claves - Centro Latino-Americano de Estudos de Violência e Saúde)
  • 21. Abandono quot;Caracteriza-se como abandono a ausência do responsável pela criança ou adolescente. Considera-se abandono parcial a ausência temporária dos pais expondo-a a situações de risco. Entende-se por abandono total o afastamento do grupo familiar, ficando as crianças sem habitação, desamparadas, expostas a várias formas de perigoquot;. (Claves - Centro Latino-Americano de Estudos de Violência e Saúde)
  • 22. Negligência quot;Privar a criança de algo de que ela necessita, quando isso é essencial ao seu desenvolvimento sadio. Pode significar omissão em termos de cuidados básicos como: privação de medicamentos, alimentos, ausência de proteção contra inclemência do meio (frio / calor).quot;
  • 23. Violência doméstica É um padrão de comportamentos físicos, sexuais e/ou psicológicos levados a termo por um convivente íntimo da família, atual ou anterior – soma de comportamentos coercivos destinados a manipular, controlar e dominar o abusado –mulheres são comumente as vítimas
  • 24. Bullying São atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo (bully) ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapaz de se defender. quot;Bullyquot; = quot;valentãoquot;
  • 25. Violência Psicológica: quot;É o conjunto de atitudes, palavras e ações dirigi- das para envergonhar, censurar e pressionar a criança de forma permanente. Ameaças, humilhações, gritos, injúrias, privação de amor, rejeição, etc.quot; (CRAMI - Campinas) (
  • 26. Abuso / Vitimização Sexual quot;Entendemos todo ato ou jogo sexual, relação heterossexual ou homossexual entre um ou mais adultos e uma criança menor de dezoito anos, tendo por finalidade estimular sexualmente a criança ou utilizá-la para obter uma estimulação sexual sobre sua pessoa ou de outra pessoaquot;. (Azevedo e Guerra)
  • 27. Efeitos nas crianças
  • 28. •Violência Doméstica + outros fatores de risco para o desenvolvimento –Pobreza –Ausência do pai –Baixo nível educacional dos cuidadores –Ambiente hostil –Evasão escolar –Falta de áreas recreacionais –Abuso de álcool e drogas –Sequelas de injúria física prévia (pré-natal ou pós-natal)
  • 29. Prevalência de VD durante gravidez: 0.9 a 20.1% (Peedicayil et al, 2004) – aumenta o risco de hemorragia perinatal, TPP e óbito fetal – maior causa de trauma na gravidez (Harner 2004) – maior causa de óbito materno não relacionado ao parto durante a gravidez (Campbell 1995)
  • 30. •Baixo peso fetal: –dano placentário por trauma abdominal repetido –contrações uterinas atípicas –ruptura prematura de membranas –infecção materna (DST) –piora de DM e HAS na gravidez (estresse) –tabagismo e drogadicção
  • 31. Crianças muitas vezes são vítimas inadvertidas –139 crianças – trauma + VD –meio mais comum de injúria: trauma direto –em < 2 anos: apanharam no colo de alguém –39% apanharam ao tentar apartar –9% hospitalização, 2% cirurgias (Christian et al 1997)
  • 32. VD aumenta risco de abuso sexual e físico: –40% das crianças que testemunham atos de VD também são maltratadas –mais comumente o agressor é o mesmo que agride a mãe –mães abusadas mais comumente maltratam os filhos
  • 33. VD aumenta risco de abuso sexual e físico: –pior se a violência inicia na gravidez e é dirigida ao concepto –medo de violência contra si faz as mães tolerarem maltratos aos filhos
  • 34. Os riscos para a criança vítima de violência não são só físicos
  • 35. •Os riscos não são só físicos e dependem: –da idade da criança –do que ela realmente vivenciou / presenciou –severidade e cronicidade da VD –da disponibilidade de adultos que a possam proteger emocionalmente
  • 36. A exposição à violência doméstica rompe as relações entre pais e filhos e impede o pleno exercício da paternidade, causando alterações comportamentais nas crianças mais que a VD per se (Maughan & Cicchetti 2002)
  • 37. Crianças desenvolvem efeitos psicológicos negativos se: – testemunham violência crônica e/ou severa – são mais jovens – se a VD é frequente – se é perpretada proximamente (Knapp 1998):
  • 38. Testemunhar abusos contra a mãe pode ser tão deletério quanto ser abusado (Wright et al 1997) Risco de psicopatologia em crianças oriundas de lares violentos 30-40% (Finkelstein , Yates, 2001) Risco de comportamento violento no futuro (Knapp 1998)
  • 39. Lactentes têm padrões de sono e alimentação alterados pela VD --> baixo ganho de peso – Mutismo, gritos, pesadelos, ansiedade em pré- escolares. P. ex.: chupar polegares, distúrbios miccionais
  • 40. • Escolares: mudança de comportamento, reações inconsistentes, queda no rendimento escolar e queixas somáticas vagas • Adolescentes: expressam raiva, frustração e sentimentos de traição, abandono escolar, abuso de álcool e drogas, perda do controle de impulsos
  • 41. Definições da WHO/OMS Child maltreatment by parents and caregivers in children aged 0-14 Violence occurring in community settings among adolescents
  • 42. Desordem do Estresse Pós-Traumático / PTS Syndrome – Critérios da American Psychiatric Association (DSM-IV 1994): • resposta individual envolve medo, desesperança, horror ou comportamento agitado e/ou desorganizdo • repetições imaginárias, sonhos, fobias, reações desproporcionais, insônia, irritabilidade, explosões de raiva, hipervigilância, paranoia
  • 43. Identificação do problema
  • 44. Identificação do problema • Provedores de cuidado primário: posição única – responsabilidade – desde a gravidez – screening de rotina (AAP 1999) – AAP classificou o abuso contra a mulher como um problema pediátrico – a consulta pediátrica pode ser o único ponto de acesso ao problema da VD – negligência
  • 45. Intervenções
  • 46. Implicações para a prática clínica Objetivos da intervenção terapêutica – promover discussão aberta das experiências da criança – ajudar a criança a entender e lidar com suas reações emocionais à violência, encorajando padrões de comportamento positivo – diminuição/controle de sintomas (Groves, 1999)
  • 47. Implicações para a prática clínica • dilema da intervenção apropriada • o pediatra deve prover a mãe com dados estatísticos e fontes de aconselhamento • nem todas as crianças submetidas à VD precisarão de intervenção terapêutica
  • 48. Dados
  • 49. •Violência física afeta estimados 4 a 6 milhões de pessoas / ano nos EUA •Mais da metade dos homicídios contra mulheres nos EUA •Mais de 3 milhões de crianças testemunham violência / ano nos EUA
  • 50. •Relationship of US Youth Homicide Victims and their Offenders, 1976-1999 –Homicídio é a segunda causa de morte em crianças de 0 a 19 anos (Shelov et al, 2005)
  • 51. Garotas assassinadas –3,6x mais comum ser vítima de membros da família –21,3x mais comum ser vítima de parceiros íntimos
  • 52. Vítimas menores de 10 anos (assassinados): –33x mais comum que vítimas > 10a ser vítima de membros da família –2,4x mais comum ser vítima de alguém conhecido
  • 53. Violência Doméstica: aplicação de um screening de rotina (PVS – Partner Violence Screen) pelos pediatras/enfermeiros em 6380 crianças, apresentou valor preditivo positivo de 91,5% (Rickert et al 2004)
  • 54. 2001 National Youth Risk Behaviour Survey: 17,7% das garotas foram machucadas fisica e intencionalmente pelos “dates” ao longo de uma ano de estudo –3,7% delas eram virgens
  • 55. Exposição a violência doméstica, drogadicção materna e abuso sexual causam impacto indelével na saúde de pré-escolares (Graham-Bermann e Seng, 2005)
  • 56. Estudo sobre profilaxia anti-HIV em 780 vítimas de estupro na África do Sul (idade média 10,5 anos): –10% já eram HIV+ –35% apresentaram-se após 72 horas (Collings, 2005)
  • 57. PTSD (posttraumatic stress disorder) não é previsível por indicadores de severidade do abuso (Collin-Vezina e Herbert, 2005)
  • 58. Fatores de risco para violência sexual entre uma amostra etnicamente variada nos EUA (n=689): –1 em cada 4 jovens urbanas experimentou coerção sexual e/ou tentativa de estupro, regardless of race
  • 59. Crianças internadas com diagnóstico de abuso ou negligência apresentam: –mortalidade maior (4,0 x 0,5%) –estadias mais longas (8,2 x 4,0 dias) –O dobro de custos (US$ 19266 x US$ 9513). –O pagador típico foi o Medicaid (66,5% x 37%) (Rovi, 2004)
  • 60. Homens que abusam de suas parceiras comumente abusam da prole –Problemas relacionados à guarda dos filhos (Silverman 2004)
  • 61. Brigas não-fatais entre adolescentes resultam em perda da capacidade e altos custos para a saúde pública: –14787 estudantes na Irlanda (Borowski 2004)
  • 62. ACE Score (Adverse Childhood Experience) –mede fatores como abuso emocional, dísico e/ou sexual, exposição à violência doméstica, abuso de substâncias, presença de membro da família com atividades criminosas ou mentalmente doente
  • 63. Canadian Incidence Study of Reported Child Abuse and Neglect (CIS) 2003 •4% dos abusos necessitou atendimento médico •1% casos graves
  • 64. Jean-Jacques Rousseau
  • 65. OMS
  • 66. Em Bogotá (Ouvidoria Distrital,2008):  3.500 casos de abuso sexual contra menores de idade  crianças na primeira infância, meninas (mais de 2.800 casos)  782 menores entre cinco e nove anos foram abusadas sexualmente  mais de mil delitos foram cometidos contra meninas entre 10 e 14 anos.
  • 67. Em Bogotá (Ouvidoria Distrital,2008):  590 delitos informados contra meninos:  235 ocorreram entre meninos de 5 e 9 anos  177 meninos entre 10 e 14 anos  Mais de 1.200 dos casos de violência sexual ocorreram no interior do núcleo familiar
  • 68. Em Bogotá (Ouvidoria Distrital,2008):  186 crianças e adolescentes morreram de maneira violenta no país  92 homicídios  34 mortes acidentais  30 suicídios  30 por acidente de trânsito
  • 69. Dados do Brasil
  • 70.  Números da violência contra a infância no Brasil (divulgados por estudo da ONU em 2008):  Em 2004 foram registrados 19.552 casos de violência doméstica, em todo o Brasil, pelo Laboratório de Estudos da Criança (Lacri), da Universidade de São Paulo;  No Brasil, foram identificadas 241 rotas de tráfico de pessoas para exploração sexual (Pestraf)
  • 71.  Números da violência contra a infância no Brasil (ONU):  18,27% das vítimas de homicídio policial em 2000 tinham menos de 18 anos de idade (Ouvidoria de Polícia do Estado de São Paulo)  Na Bahia, onde 82% população é negra, são assassinados 21,8 jovens negros do sexo masculino, (entre 15 e 18 anos) para cada homem branco da mesma faixa etária (SIM/Datasus, 2000).
  • 72. Pesquisa Ibope - Instituto Patrícia Galvão 2006 PERCEPÇÃO E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER Apoio: Fundação Ford e UNIFEM Pesquisa nacional realizada em maio de 2006 -antes, portanto, da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340, de 07/08/06). Aponta percepção de impunidade para violência contra a mulher
  • 73. PESQUISA – SEPO 03/2005 “Violência Doméstica Contra a Mulher” Brasília, março de 2005 O universo da pesquisa foi formado por mulheres com 16 anos ou mais residentes nas 27 capitais brasileiras, totalizando 16.433.682 mulheres de acordo com o IBGE Censo 2000 (anexo 1).
  • 74. PESQUISA – SEPO 03/2005 “Violência Doméstica Contra a Mulher” Pesquisa telefônica entrevistou 815 mulheres com 16 anos ou mais Questionário estruturado com perguntas fechadas:  20 questões sobre violência doméstica contra a mulher  5 questões traçavam o perfil da entrevistada.
  • 75. PESQUISA – SEPO 03/2005 “Violência Doméstica Contra a Mulher” A senhora acha que as mulheres recebem o mesmo tratamento que os homens em nosso país? Freqüência % Sim 45 6% As vezes 99 12% Não 662 81% NS/NR 9 1% Total 815 100%
  • 76. Dados do Brasil PESQUISA – SEPO 03/2005 “Violência Doméstica Contra a Mulher” •53% das mulheres consideram a família o ambiente onde há mais respeito •23% delas são desrespeitadas por familiar(es)
  • 77. Dados do Brasil PESQUISA – SEPO 03/2005 “Violência Doméstica Contra a Mulher”
  • 78. Dados do Brasil PESQUISA – SEPO 03/2005 “Violência Doméstica Contra a Mulher”
  • 79. Dados do Brasil RELATÓRIO DE PESQUISA – SEPO 03/2005 “Violência Doméstica Contra a Mulher”
  • 80. ONGs de proteção à mulher no Brasil http://copodeleite.rits.org.br/apc-aa-patriciagalvao/ http://copodeleite.rits.org.br/apc-aa-patriciagalvao nenhuma no PR
  • 81. Núcleos de estudo em universidades http://copodeleite.rits.org.br/apc-aa-patriciagalvao/ http://copodeleite.rits.org.br/apc-aa-patriciagalvao =101  nenhum no PR
  • 82. OMS Prevenção à Violência Doméstica na Infância Redução de gestações indesejada Redução dos níveis de abuso de álccol e drogas na gravidez Aumentar os níveis de acesso a serviços médicos (pré-natal, puericultura) Programas de saúde da família Educação e treinamento para pais sobre o desenvolvimento normal de crianças e adolescentes, disciplinização não-violenta e resolução de problemas
  • 83. Prevenção
  • 84. OMS Prevenção da Violência nas Comunidades • Programas de prevenção, esclarecimento e combate iniciando na pré-escola • Treinamentos ao longo da vida escolar • Apoio para que adolescentes completem a formação escolar • Reduzir o acesso a álcool para menores – Rigor nas leis, aumento do preço e dos impostos • Restringir o acesso a drogas • Restringir o acesso a armas de fogo
  • 85. OMS Treinamento e Ação Aumento da eficiência do atendimento pré- hospitalar e emergencial reduz: –Risco de morte –Tempo de recuperação –Nível de comprometimento funcional
  • 86. Diferenciação entre trauma de crânio acidental e abusivo em menores de 24 meses: – hemorragia retiniana é mais comum –Bilateral –Fundoscopia é essencial (Bechtel 2004, Laskel, 2004)
  • 87. Dificuldades Diagnósticas •Lesão isolada x múltiplas lesões •Acidentes de repetição •Battered-Child Syndrome •Hemopatias malignas •DST •Abuso sexual •Abandono de tratamento / negligência •Distúrbios psicológicos
  • 88. “the lifetime impact of child sexual abuse accounts for approximately 6% of cases of depression, 6% of alcohol and drug abuse/dependence, 8% of suicide attempts, 10% of panic disorders and 27% of post traumatic stress disorders” OMS
  • 89. O que está sendo feito
  • 90. O que está sendo feito - Programas de prevenção em 47 países - Sete países africanos sancionaram nova legislação protetora com foco especial na violência sexual - Prevenção de bullying na região do Caribe - Linhas telefônicas de socorro estabelecidas em 87 países, em implantação em mais 23 Mr. Paulo Sérgio Pinheiro, Independent Expert for the United Nations Secretary-General’s Study on Violence against Children
  • 91. O que está sendo feito -“World report on child injury prevention”. Geneva: World Health Organization and UNICEF; 2008. -Lançamento do “Global status report on road safety” (June 2009)
  • 92. O que NÃO está sendo feito
  • 93. Morrem 27000 crianças por dia na Terra
  • 94. A maioria dessas morte é EVITÁVEL
  • 95. Falta: Água potável Saneamento básico Segurança alimentar Postos médicos locais Remédios Ações de Prevenção em Saúde
  • 96. Carência de ações de combate: À violência doméstica À violência comunitária À cultura da violência Ao desemprego, subemprego e trabalho escravo Às adicções a drogas e álcool À política belicista de governos e religiões Ao preconceito
  • 97. Carência ?
  • 98. Falta engajar: Você Seus vizinhos, parentes e amigos Sua escola, empresa ou igreja O Brasil O Paraná Ponta Grossa
  • 99. Como?
  • 100. www.thelifeyoucansave.com
  • 101. Peter Singer, 62 anos, Princeton NJ 'Famine, Affluence and Morality', Philosophy and Public Affairs, vol. 1 (Spring 1972) Chapter 8 of Practical Ethics, Cambridge University Press, various editions ’The Singer Solution to Global Poverty’, The New York Times, September 5, 1999 ‘What Should a Billionaire Give - and What Should You?’, The New York Times, December 17, 2006 “The Life You Can Save”, 2009
  • 102. The Life You Can Save – The Pledge Income Bracket Donation Less then At least 1% of your income, getting closer to 5% as your income approaches 105 000 USD 105 000 USD 105 001 USD – 148 00 5% 0 USD 148 001 USD – 383 00 5% of the first 148 000 USD and 10% of the remainder 0 USD 383 001 USD – 600 00 5% of the first 148 000 USD, 10% of the next 235 000 USD and 15% of the remainder 0 USD 600 001 USD – 1 900 5% of the first 148 000 USD, 10% of the next 235 000 USD, 15% of the next 217 000 USD and 20% of the 000 USD remainder 1 900 001 USD – 10 7 5% of the first 148 000 USD, 10% of the next 235 000 USD, 15% of the next 217 000 USD, 20% of the next 00 000 USD 1 300 000 USD and 25% of the remainder 5% of the first 148 000 USD, 10% of the next 235 000 USD, 15% of the next 217 000 USD, 20% of the next Over 10 700 000 USD 1 300 000 USD, 25% of the next 8 800 000 USD and 33.33% of the remainder
  • 103. “Old habits die hard” Ditado inglês
  • 104. O tratado da ONU que proíbe o uso de crianças como soldados em hostilidades foi ratificado por 126 países…
  • 105. … mas (no mínimo) 250 000 soldados- criança participam de guerras neste momento
  • 106. Precisamos decidir... Precisamos optar... ... Entre a civilização e a barbárie.

×