Texto14 P7
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Texto14 P7

on

  • 3,262 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,262
Views on SlideShare
3,262
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
55
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Texto14 P7 Texto14 P7 Document Transcript

  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ O Conhecimento e a Racionalidade Científica e Tecnológica Jorge Barbosa Grupo de Filosofia Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida • Espinho • Janeiro, 2007 Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 1
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ Conteúdos 1- Descrição e Interpretação da actividade cognoscitiva! 3 1.1 Estrutura do acto de Conhecer 3 1.2 Análise Comparativa de duas Teorias Explicativas do Conhecimento 6 O racionalismo cartesiano 6 O Empirismo 10 Apriorismo 15 2. Estatuto do Conhecimento Científico! 20 2.1. Conhecimento vulgar e Conhecimento científico 20 2.2. Ciência e Construção - Validade e Verificabilidade das Hipóteses 23 Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 2
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ 1- DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNOSCITIVA 1.1 Estrutura do acto de Conhecer “A percepção através dos sentidos não depende exclusivamente dos atributos fisiológicos ime- diatos do olho ou do ouvido. Depende, sim, de um contexto muito mais vasto, que envolve a disposição global do indivíduo. No caso da visão isso foi investigado segundo numerosas e diferentes perspectivas, tendo os cientistas demonstrado que a visão requer o movimento acti- vo tanto do corpo como da mente. A percepção visual é, portanto, um acto intencional e não passivo. Um exemplo claro de como a visão opera sempre num contexto vasto e geral é o da pessoa que nasceu cega e, mediante uma operação, adquire subitamente a capacidade de ver. Em tais circunstâncias, a visão clara não é um processo instantâneo, porque tanto o paciente como o médico têm de realizar um árduo trabalho, até que a confusão de impressões visuais despro- vidas de significado possa ser integrada numa “visão” verdadeira. Este trabalho implica, en- tre outras coisas, a exploração dos efeitos dos movimentos do corpo nas experiências visuais ainda frescas e a aprendizagem do relacionamento das impressões visuais de um objecto com as sensações tácteis que foram previamente associadas a ele. Em particular, o que o paciente aprendeu por outras vias afecta fortemente o que ele vê. A disposição global da mente para apreender objectos por vias particulares desempenha um papel no acto de seleccionar e de dar forma ao que é visto. Estas conclusões são confirmadas pela análise neurológica do sistema nervoso. Para se ver algo em absoluto, o lho tem de se lançar em movimentos rápidos que o ajudam a extrair da cena alguns elementos de informação. Sabe-se que o modo pelo qual estes elementos se inte- gram depois numa imagem global, conscientemente percebida, depende em grande parte dos conhecimentos e hipóteses gerais, por parte de quem vê, acerca da natureza da realidade. Di- versas experiências incisivas revelaram que o fluxo de informação proveniente dos níveis ce- rebrais elevados para as áreas de formação de imagens excede, na realidade, a quantidade de informação que chega dos olhos. Isto é, aquilo que se “vê” resulta tanto dos conhecimentos previamente adquiridos como dos dados visuais acabados de receber. Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 3
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ A percepção dos sentidos é, portanto, fortemente determinada pela disposição total da mente e do corpo. Mas, por sua vez, esta disposição relaciona-se, de maneira significativa com a cultu- ra geral e a estrutura social. Do mesmo modo, a percepção através da mente é também gover- nada por todos estes factores. Por exemplo, um grupo de pessoas a passear numa floresta vê e responde de maneira diversa ao ambiente. O lenhador vê a floresta como uma fonte de ma- deira, o artista como algo digno de ser pintado, o caçador como um esconderijo para a caça. Em cada caso, o bosque e as suas árvores individuais são percebidos de modo muito diferente, na dependência da formação e expectativas dos passeantes.” David Bohm e David Peat A experiência do conhecimento é comum a todos os seres humanos. Mas, afinal, o que é co- nhecer? Quem é que conhece? O que é que se conhece? Como se conhece? No texto encontramos tentativas de resposta para estas questões. Todos os seres vivos são dotados de sentidos, isto é, de órgãos que lhes permitem captar, interpretar esses sinais e responder-lhes adequadamente. O conhecimento faz parte dos mecanismos de sobrevivência e adaptação ao meio. No homem o processo de conhecer não é muito diferente dos outros animais mas atinge ní- veis de maior complexidade, permitindo alcançar conhecimentos abstractos, pensar a reali- dade e manipulá-la. O que é que nos diz o texto? (vejamos uma perspectiva a respeito do conhecimento, talvez a mais vulgar e mais fácil de entender, a partir da análise do texto) 1. Afirma que o conhecimento é possível dependendo, em primeiro lugar, da estrutura fisio- lógica dos nossos sentidos - das sensações. Os nossos sentidos recebem e dão significado a determinados estímulos, ignorando outros. Todo o conhecimento tem origem ou cons- titui-se a partir da sensação. 2. As sensações, ou dados dos sentidos, são interpretado por cada indivíduo - o sujeito do conhecimento. Esta interpretação implica uma organização das sensações num todo si- gnificativo que é o conhecimento perceptivo. Assim, o conhecimento perceptivo traduz um primeiro nível de apreensão da realidade. Esta apreensão permite reproduzir na men- te do sujeito a realidade em si mesma. 3. O conhecimento perceptivo implica um sujeito (aquele que conhece) e um objecto (aqui- lo que é conhecido e representado na mente). O sujeito, através dos sentidos, apreende Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 4
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ um conjunto de dados a que confere significado, construindo assim uma representação mental ou objecto (em sentido gnoseológico) 4. O objecto construído pelo sujeito não é uma mera soma dos dados sensoriais apreendi- dos num dado momento; como se diz no texto “aquilo que se vê resulta tanto dos conhe- cimentos previamente adquiridos como dos dados visuais acabados de receber”. Quer isto dizer que o sujeito que conhece atribui um significado aos dados recebidos em fun- ção da sua própria estrutura, das experiências já vividas, dos conhecimentos anteriormen- te adquiridos, dos interesses pessoais, etc.. 5. São todos estes factores (factores de significação perceptiva) que explicam que cada sujei- to possa ter uma visão diferente da mesma realidade. O ser humano não se limita a conhecer perceptivamente a realidade, desta forma imediata e vivencial. Também somo capazes de pensar sobre o vivido, elaborando conhecimentos abstractos que provêm justamente da capacidade de reflectir sobre o que percepcionamos. Assim, construímos leis gerais e teorias acerca da realidade. Com base nes- te conhecimento abstracto e racional, elaboramos modelos explicativos e interpretativos da realidade. É este nível racional do conhecimento, que é espe- cificamente humano, que tornou possível a cons- trução da ciência e da filosofia e a evolução tecno- lógica. Para alguns autores, há uma estrutura invariante no sujeito que determina a construção, a configuração e o sentido do objecto. Para outros autores, esta estrutura da mente que conhe- ce (sujeito gnoseológico) vai-se constituindo ao longo da vida a partir das características bio- lógicas. Para outros ainda, é o objecto que determina a sua própria representação, reservando para o sujeito o paperl de mero receptor considerando o conhecimento como uma tomada de consciência das determinações do objecto. Em conclusão, conhecer é construir representações mentais da realidade; é o sujeito que co- nhece; aquilo que é conhecido é o objecto. Por objecto de conhecimento não se entende a realidade em si mesma mas a sua representação na consciência. O processo de construção do conhecimento exige capacidade de captação sensorial dos dados, capacidade de interpretação Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 5
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ e de organização e capacidade de elaboração racional, no sentido de constituir conceitos, leis gerais e teorias explicativas acerca da realidade (conhecimento racional) 1.2 Análise Comparativa de duas Teorias Explicativas do Conhecimento Ao longo da história da filosofia houve várias tentativas para explicar o modo como o homem conhece as coisas (tipos de objectos que correspondem a seres individuais) que é capaz de conhecer; os filósofos também se preocupa- ram com o alcance, os limites e a validade des- se conhecimento. Desde o início que os filóso- fos se perguntam: qual a origem ou fundamen- to do conhecimento? Até onde podemos co- nhecer? podemos conhecer tudo ou há limites e limitações ao nosso conhecimento? Conhe- cemos a realidade tal como é em si mesma ou o nosso conhecimento é à nossa medida, mol- dado pelo modo como o sujeito é constituído? Estas questões expressam preocupações de natureza gnoseológica e são constantes ao longo da história da filosofia. O modo como se tem respondido a estas questões conduziu à existên- cia de múltiplas teorias explicativas do conhecimento: empirismo, racionalismo, apriorismo, construtivismo, positivismo, materialismo, dogmatismo, cepticismo, relativismo... Vamos estudar três dessas perspectivas: racionalismo, empirismo e apriorismo. O racionalismo cartesiano1 “Assim, porque os nossos sentidos nos enganam algumas vezes, eu quis supor que nada há que seja tal como eles o fazem imaginar. E, porque há homens que se enganam ao raciocinar, até nos mais simples temas de geometria, e ne- les cometem paralogismos, rejeitei como falsas, visto estar sujeito a enganar-me como qualquer outro, todas as razões de que até então me ser- vira nas demonstrações. Finalmente, conside- rando que os pensamentos que temos quando 1 Ler texto em http://jbarbo00.vox.com/library/post/os-princ%C3%ADpios-da-filosofia-descartes.html Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 6
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ acordados nos podem ocorrer também quando dormimos, sem que, neste caso, nenhum seja verdadeiro, resolvi supor que tudo o que até então encontrara acolhimento no meu espírito não era mais verdadeiro do que as ilusões dos meus sonhos. Mas, logo de seguida, notei que, enquanto assim queria pensar que tudo era falso, eu, que as- sim pensava, necessariamente era alguma coisa. E notando esta verdade - eu penso, logo exis- to -, era tão firme e tão certa que todas as extravagantes suposições dos cépticos seriam impo- tentes para a abalar, julguei que a podia aceitar, sem escrúpulos, para primeiro princípio da filosofia que procurava. Depois, examinando atentamente que coisa eu era, e vendo que podia supor que não tinha corpo e que não havia qualquer mundo ou qualquer lugar onde eu existisse; mas que, apesar disso, não podia admitir que não existia; e que, antes pelo contrário, por isso mesmo que pen- sava, ao duvidar da verdade das outras coisas, tinha de admitir como muito evidente e muito certo que existia; ao passo que bastava que tivesse deixado de pensar para não ter já nenhu- ma razão para crer que existia, ainda que tudo o que tinha imaginado fosse verdadeiro; por isso, compreendi que era uma substância, cuja essência ou natureza é apenas o pensamento, que para existir não tem necessidade de nenhum lugar nem depende de nenhuma coisa mate- rial. De maneira que esse “eu”, isto é, a alma pela qual sou o que sou, é inteiramente distinta do corpo, mais fácil mesmo de conhecer do que este, o qual, mesmo que não existisse, não im- pediria que ela fosse o que é. Depois disso, considerei duma maneira geral o que é indispensável a uma proposição para ser verdadeira e certa; porque, como acabava de encontrar uma com esses requisitos, pensei que devia saber também em que consiste essa certeza. E tendo notado que nada há no “eu penso, logo existo” que me garanta que digo a verdade, a não ser que vejo muito claramente que, para pensar, é preciso existir, julguei que podia admitir como regra geral que é verdadeiro tudo aquilo que concebemos muito claramente e muito distintamente; havendo apenas alguma dificuldade em notar bem quais são as coisas que concebemos distintamente. René Descartes O texto que acabámos de ler foi escrito por um filósofo francês do século XVII que se dedicou ao estudo dos problemas do conhecimento e construiu um sistema de índole racionalista. Vi- via-se então, como hoje, numa época de crise e de incerteza que se reflectia nas posições cép- ticas adoptadas pelos contemporâneos de Descartes. Ora, Descartes tinha uma formação ma- temática e desejava fundamentar a existência de um conhecimento verdadeiro. Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 7
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ No texto, extraído do “Discurso do Método”, encontramos as seguintes ideias: 1. Começa por levantar o problema da dúvida em três domínios fundamentais: ✓ Dúvida acerca do conhecimento sensorial ✓ Dúvida acerca da capacidade da razão humana, e ✓ Dúvida quanto à possibilidade de distinguir sonho de realidade 2. Refere a decisão de não aceitar nada como verdadeiro até encontrar uma verdade que re- sista a toda e qualquer dúvida (um conhecimento indubitável). Esta atitude de Descartes é uma forma de garantir a validade absolu- ta de um conhecimento capaz de resis- tir à dúvida mais exagerada. Por isso se considera que a dúvida cartesiana é me- tódica, universal (porque abrange todos os conhecimentos) e voluntária. 3. Enuncia a primeira verdade a que Des- cartes chegou: o “cogito”, ou a existên- cia de um ser pensante (penso. logo existo). Esta primeira verdade vai ser aceite por Descartes que sobre assenta- rá o seu sistema filosófico. Trata-se de uma verdade de natureza puramente racional, ou seja, que depende unicamente do uso da razão humana, e na sua descoberta não foi necessária a contribuição dos sentidos. A exis- tência do cogito é a primeira informação segura a que Descartes chegou depois de deli- beradamente ter posto tudo em dúvida, e encerra o sujeito que conhece em si mesmo, reduzindo-o a ser uma “coisa que pensa” (res cogitans). Duvida ainda da existência dos outros seres humanos e das coisas materiais, incluindo o seu próprio corpo. O objectivo cartesiano de alcançar a verdade começa a cumprir-se no momento da dúvida, no momen- to em que se rompe com o sensível e com o conhecimento até então constituído e se pro- cura a verdade na própria razão. 4. Seguidamente o texto de Descartes define a natureza do cogito afirmando a sua indepen- dência em relação ao corpo e a sua natureza de puro pensamento. Contrariamente ao nosso conhecimento vulgar que nos leva acreditar mais facilmente na existência das coi- sas e do corpo do que na existência da mente, Descartes conclui que o conhecimento des- Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 8
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ ta é mais acessível e é anterior ao conhecimento das coisas corpóreas; o corpo não faz parte da mente e é de outra natureza. 5. Apresenta finalmente o critério de verdade válido para Descartes. Serão aceites como verdadeiras unicamente aquelas ideias que se apresentem à razão como sendo claras e distintas, características que Descartes encontra na apreensão intuitiva e racional da ideia do cogito. A apreensão do cogito fornece o critério de verdade das ideias. Como verificámos, Descartes parte da dúvida e alcança uma primeira verdade por via unica- mente racional. Neste momento da construção do sistema cartesiano, Descartes só admite a existência de um eu, cuja natureza se resume a produzir pensamento. Será que existe alguma coisa fora ou para além do seu eu? Como vai conseguir sair para fora do cogito e demonstrar a existência da realidade material? Descartes não pode basear-se nos sentidos uma vez que os excluíra como fonte viável de co- nhecimento. Só lhe resta reflectir sobre si mesmo e procurar na mente, no cogito, a possibili- dade de provar a existência de algo para além do seu próprio pensamento. O que é que esta reflexão lhe vai permitir descobrir? Diferentes tipos de ideias: ideias que “nasceram comigo” (ideias inatas); outras que vieram de fora (ideias adventícias); outras que forma feitas e inven- tadas por mim (ideias factícias). Ao examinar a natureza das ideias, Descartes valoriza as que são inatas e entre elas descobre a ideia de deus com ser per- feito; como o homem é um ser imperfeito, que não pode por si só criar a ideia de perfeição, esta ideia só pode ter origem no próprio deus que a colocou na nossa mente. Esta ideia ao fazer-nos conceber Deus como um ser perfeito, incapaz de nos enganar, passa a ser a garantia de que o conhecimento construído pela razão é verdadeiro. Assim, além da existência do cogito, Descartes passa a admitir a existência de Deus e a existência do mundo. “A posição epistemológica que vê no pensamento, na razão, a fonte principal do conhecimen- to humano chama-se racionalismo. Segundo ele, o conhecimento só merece na realidade este nome quando é logicamente necessário e universalmente válido. Quando a nossa razão julga que uma coisa tem de ser assim e que não pode ser de outro modo, que tem de ser assim, por- tanto, sempre e em todas as partes, então, e só então, nos encontramos perante um verdadeiro Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 9
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ conhecimento, na opinião dos racionalistas (...) Uma forma determinada do conhecimento serviu evidentemente de modelo à interpretação racionalista do conhecimento. Não é difícil dizer qual: é o conhecimento matemático. Este é, com efeito, um conhecimento predominante- mente conceptual e dedutivo. (...) O pensamento impera com absoluta independência de toda a experiência, seguindo somente as suas próprias leis. Todos os juízos que formula distin- guem-se, além disso, pelas características da necessidade lógica e da validade universal. (...) O racionalismo alcançou maior importância na Idade Moderna em Descartes. Segundo ele, é inato um certo número de conceitos, justamente os mais importantes, os conceitos fundamen- tais do conhecimento. Estes conceitos não procedem da experiência, mas representam um pa- trimónio originário da razão. (É a teoria das ideias inatas). (...) O mérito do racionalismo consiste em ter visto e feito sobressair o significado do factor racio- nal no conhecimento humano. J. Hessen Em resumo: 1. O racionalismo toma a razão como única fonte de conhecimento. 2. Pressupõe a existência de ideias inatas, descobertas por intuição racional, do conheci- mento das quais se deduz todos os outros conhecimentos que devem ser logicamente ne- cessários e universalmente válidos. 3. Para conferir ao conhecimento esse carácter de universalidade e necessidade, toma a ma- temática como modelo a seguir para todos os tipos de conhecimento. 4. Rejeita a experiência como fonte de conhecimento, por considerar que ela é enganadora e conduz a conhecimentos particulares e contingentes (por oposição à universalidade e necessidade próprias do conhecimento racional, construído a partir do modelo matemá- tico do conhecimento). O Empirismo O empirismo opõe ao racionalismo a tese de que todo o conhecimento, incluindo o mais geral e abstracto, tem origem e deriva da experiência. A razão não contém nenhum princípio ou ideia que não derive da experiência, ou seja, não há ideias inatas. Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 10
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ A razão humana antes da experiência é uma “tábua rasa”, uma folha em branco, onde a expe- riência escreve. “Podemos, pois, dividir todas as percepções da mente em duas classes ou tipos, que se distin- guem pelos seus diferentes graus de força e de vivacidade. As menos intensas e vivas são co- mummente designadas pensamentos ou ideias. Ao outro tipo (...) chamemos-lhes impressões (...). Pelo termo impressão si- gnifico todas as nossas percepções mais vivas, quando ouvi- mos, vemos, sentimos, amamos, odiamos, desejamos ou que- remos. E as impressões distinguem-se das ideias, que são as impressões menos intensas, de que temos consciência quando reflectimos sobre qualquer das sensações ou movimentos aci- ma mencionados. David Hume Assim sendo, todas as nossas ideias têm de encontrar uma impressão que lhes corresponda e só é possível a existência de um conhecimento verdadeiro do que é observável; todos os co- nhecimentos que ultrapassem o observável são abusivos ou ilusórios. A indução é uma operação da mente que parte de factos observáveis e alcança um conheci- mento mais geral; esta é a única operação da razão que permite superar o particular e o con- tingente, mas que, ao fazê-lo, só pode alcançar um conhecimento provável. Podemos encon- trar, num empirista do século XX, Bertrand Russell, um exemplo disto mesmo: “O homem que regularmente alimenta o frango acaba um dia por lhe torcer o pescoço, mostrando o quão útil seria ao frango o lançar-se em teorias de maior subtileza acerca das uniformidades do uni- verso.” A verdade é, para o empirismo, a confrontação dos juízos com os factos observáveis que tra- duzem. Os juízos universais obtidos por indução não podem ser confrontados com os factos, uma vez que a observação nunca permite verificar todos os casos, pelo que a sua verdade não é necessária nem universal. Os princípios que, para os racionalistas, estão contidos na razão humana não existem para os empiristas que têm dificuldade em explicar, por exemplo, a existência de um nexo causal ne- cessário entre dois fenómenos que acontecem um depois de outro. Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 11
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ Vejamos como David Hume analisa o assunto: “Para os empiristas como David Hume, todos os nossos conhecimentos provêm da experiência e a razão não possui princípios inatos anteriores à experiência. Mas é preciso, então, explicar porque a todo o momento o nosso espírito se projecta além da experiência imediata. Ao colocarmos leite no fogo, por exemplo, dizemos: o leite vai ferver. A todo o momento, nós fazemos previsões análogas e os nossos juízos excedem a “esfera restrita dos nossos sentidos”. se tomamos a experiência, o dado, por guia único, temos o direito de dizer “o leite ferve” no momento em que o vemos ferver, mas nada nos autoriza anteciparmo- nos ao curso das coisas, a exceder o que nos é dado no momento e a fazer previsões do tipo: o leite vai ferver. Se prevemos alguma coisa, é porque vamos além da experiência presente, em nome de um princípio da razão: o princípio de causalidade. O aquecimento é a causa da ebulição; supo- mos, entre aquecimento e ebulição, uma relação necessária de tal modo que, ao aquecermos o leite, possamos prever que ele vai ferver passados alguns instantes. É pelo facto de admitirmos esta relação necessária que pensamos que o aquecimento necessariamente produzirá a ebuli- ção, que ultrapassamos audaciosamente a experiência presente: o leite vai ferver. Portanto, David Hume, para justificar o seu empirismo integral, depara-se com um problema difícil. É-lhe necessário demonstrar que os próprios princípios da razão, por exemplo, o prin- cípio de causalidade, provêm da experiência. À primeira vista, não se depreende como o princípio de causalidade pode ter origem na expe- riência. É certo que verificamos que o leite ferve, após ter sido levado ao fogo. Comprovamos que ele aquece e depois ferve. Mas não podemos afirmar que ele ferve porque foi aquecido. É verdade que diariamente podemos fazer a mesma comprovação. O aquecimento é sempre se- guido de ebulição. Mas o que verificamos é uma “conjunção constante” e não uma “conexão necessária”, não vemos a acção causal, o “porquê”. (...) E, no entanto, não nos limitamos a dizer que os acontecimentos se sucedem, mas afirmamos que eles se produzem e se determinam uns aos outros, que existem causas e efeitos. Qual será, então, a origem do princípio de causalidade? Hume explica-o a partir do hábito e da associação de ideias. Porque esperamos ver a água a ferver quando a aquecemos? É porque, responde Hume, aquecimento e ebulição sempre esti- Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 12
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ veram associados na nossa experiência passada. Formou-se um hábito deste modo. Quando levamos um líquido ao fogo aguardamos a ebulição porque a nossa experiência passada ha- bituou-nos a isto. Ao dizermos que o leite vai ferver, tiramos “uma conclusão que excede, no futuro, os casos passados” de que já tivemos experiência; é que a imaginação, irresistivelmente arrastada pela força do hábito, passa de um acontecimento dado àquele de ordinário o acompanha. Assim, o passado impulsiona a imaginação que, “como uma galera accionada pelos remos, desliza sem necessidade de novo impulso”. A experiência passada orienta a ima- ginação e esta, adestrada pelo hábito, projecvta-a sobre o acontecimento que está para vir, quando em face do aquecimento. O leite vai ferver. Ao afirmar isto, aparentamos ultrapassar a experiência, mas o que fazemos na realidade é seguir uma tendência criada pelo hábito. Somente o hábito nos faz imaginar uma ligação necessária entre o aquecimento e a dilatação. Tal explicação é puramente psicológica e não traz à ideia de causalidade qualquer garantia objectiva; por outras palavras, Hume explica porque acreditamos na causalidade, mas não mostra a razão pela qual acreditamos. Ele mostra porque esperamos irresistivelmente que se produza a ebulição, quando assistimos ao aquecimento. Mas não demonstra que temos razão em fazê-lo, não justifica logicamente a nossa expectativa. Teoricamente, diz ele, poderia acon- tecer que o leite não fervesse. Pois nada prova que a experiência de amanhã confirmará a de ontem e a de hoje. Teoricamente, nada prova que o leite levado ao fogo não se congelará! Efectivamente, segundo a teoria de Hume, não podemos falar de causas e efeitos, mas apenas de factos que, na nossa experiência passada, se sucederam uns aos outros. Consequentemente, se o princípio de causalidade é apenas um resumo dos nossos hábitos, ele poderá ser desmen- tido pela experiência futura. Em rigor, ele não passa de uma ilusão explicável pela psicologia do habito e da expectativa. Não estamos mais certos de coisa alguma e o empirismo de Hume desemboca num verdadeiro cepticismo.” Huisman & Vergez Podemos agora inventariar as seguintes ideias: 1. Para o empirismo a origem do conhecimento é a experiência. 2. Na razão não existe nada que não tenha a sua origem nas impressões. 3. Todo o conhecimento absolutamente verdadeiro tem como limite o observável. 4. Como todos os nossos conhecimentos gerais partem da experiência que nos dá sempre um conhecimento do particular, é o processo indutivo de inferência que permite alcançar conhecimento universal. Como há uma generalização a todos os casos daquilo que foi Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 13
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ observado apenas em parte, não temos garantia lógica de que as verdades gerais sejam necessárias e universais. Assim, todo o conhecimento universal é apenas uma probabili- dade não sendo impossível que se venha a revelar falso no confronto com a observação de novos dados (experiências futuras). 5. Com base na observação e na experiência apenas podemos afirmar que dois fenómenos se sucedem habitualmente um ao outro. Por isso, Hume conclui ser impossível afirmar que exista uma relação necessária de causa-efeito entre esses dois fenómenos, isto é, nega a existência do princípio de causalidade por não haver uma impressão que lhe corresponda. 6. Do mesmo modo que retira fundamento lógico ao princípio de causalidade, David Hume também exclui do âmbito do conhecimento verdadeiro (justificado logicamente) a afirma- ção de objectos que não sejam dados na experiência, de Deus, por exemplo. 7. Ao negar o carácter de verdade aos conhecimentos gerais e ao estabelecer a experiência como única fonte do conhecimento, o empirismo estabelece limites ao conhecimento, desembocando num cepticismo. O cepticismo é uma posição gnoseológica acerca da va- lidade e do alcance do nosso conhecimento que duvida da possibilidade da razão humana construir um conhecimento verdadeiro. Racionalismo - Descartes Empirismo - David Hume A Origem do Conhecimento A razão - ideias inatas A experiência - impressões Todo o conhecimento absolutamente ver- Todo o conhecimento deriva das impres- dadeiro fundamenta-se em ideias inatas sões. Papel da Razão Fornecer os instrumentos básicos do pen- Recepção e composição dos dados da expe- samento, justificando a verdade e a univer- riência. A origem empírica do conhecimen- salidade do conhecimento com base em to impede a validade universal do conheci- ideias inatas mento, reduzindo-o a uma mera probabili- dade. Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 14
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ Racionalismo - Descartes Empirismo - David Hume Papel dos Sentidos São considerados como fonte de erro; por Têm um papel activo sendo o ponto de par- isso, não são fundamento válido de conhe- tida de todo o conhecimento. Nada existe na cimento razão que não tenha passado primeiro pelos sentidos. Processos de Construção do Conhecimento Intuição racional e dedução Captação sensorial das impressões e indu- ção (fundamentada no hábito) Validade do Conhecimento O conhecimento é necessário e universal Dado que e construído com base na indu- desde que seja intuitivo e dedutivo. ção, o conhecimento universal é uma mera probabilidade. É pouco provável, mas não Só é real a ideia ou o conhecimento que dela impossível, que de premissas verdadeiras for deduzido resulte uma conclusão falsa. Não pode ser afirmada como realmente existente qualquer realidade que não tenha uma impressão correspondente. Apriorismo O filósofo alemão I. Kant (século XVIII) estudou, entre muitas outras matérias filosóficas, a questão do conhecimento. A sua contribuição tem origem na oposição entre as teses racionalistas e empiristas. Inicial- mente com uma formação racionalista, ao tomar conhecimento das teses empiristas de David Hume deu-se conta das limitações de ambas as perspectivas para explicar cabalmente o pro- cesso de conhecimento. A sua análise destas perspectivas levou-o a concluir que: 1. Concordava com o racionalismo quando este valorizava o papel da razão; Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 15
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ 2.Concordava com o empirismo quando este defendia que não pode haver conhecimento sem a participação dos senti- dos enquanto vias de captação dos dados da experiência; 3.Discordava do racionalismo quando este afirmava ser pos- sível conhecer partindo unicamente da razão, pondo de lado os dados sensíveis; 4.Discordava do empirismo quando este reservava à razão um papel passivo de mera recepção e composição das im- pressões. Como explica, então, Kant o conhecimento? “O nosso conhecimento deriva, no espírito, de duas fontes fundamentais: a primeira é o poder de receber as representações (a receptividade das impressões); a segunda, o de conhecer um objecto por meio dessas representações (espontaneidade dos conceitos). Pela primeira, um objecto é-nos dado, pela segunda ele é pensado em relação com essa representação (como simples determinação do espírito). Intuição e conceitos constituem portanto os elementos de todo o nosso conhecimento; de maneira que nem conceitos sem uma intuição que lhes corres- ponda de qualquer maneira, nem uma intuição sem conceitos podem dar um conhecimento. Estes dois elementos são ou puros, ou empíricos; empíricos, quando contêm uma sensação (que supõe a presença real do objecto), e puros, quando à representação não se mistura ne- nhuma sensação. A sensação pode chamar-se a matéria do conhecimento sensível. Por conse- quência, uma intuição pura contém unicamente a forma sob a qual alguma coisa é intuída, e um conceito puro somente a forma do pensamento de um objecto em geral. Só as intuições ou os conceitos puros são possíveis a priori, os empíricos só o são a posteriori. Se chamamos sen- sibilidade à receptividade do nosso espírito, o poder que ele tem de receber representações na medida em que é afectado de uma maneira qualquer, deveremos em contrapartida chamar entendimento ao poder de produzirmos nós próprios representações, ou à espontaneidade do conhecimento. A nossa natureza é constituída de tal modo que a intuição nunca pode ser se- não sensível, isto é, contém apenas a maneira como somos afectados por objectos, ao passo que o poder de pensar o objecto da intuição sensível é o entendimento. Nenhuma destas duas propriedades é preferível à outra. Sem a sensibilidade, nenhum objecto nos seria dado e sem o entendimento nenhum seria pensado. Pensamentos sem conteúdo são vazios, intuições sem conceitos são cegas. É pois tão necessário tornar os seus conceitos sensíveis (ou seja, juntar o Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 16
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ objecto à intuição) como tornar inteligíveis as suas intuições (isto é, submetê-las a conceitos). Estes dois poderes ou capacidades não podem mudar as suas funções. O entendimento nãõ pode intuir nada, nem os sentidos pensar seja o que for. Só da união pode sair o conhecimen- to. Isso não autoriza no entanto que se confundam as suas atribuições; é, pelo contrário, uma grande razão para separá-los e distingui-los cuidadosamente um do outro. Kant Analisando o texto, conclui-se que o nosso conhecimento tem origem em duas faculdades que são ambas fonte de conhecimento, a saber, a sensibilidade e a razão (entendimento). Para Kant, todo o conhecimento tem origem na experiência mas nem todo deriva dela. Quer isto dizer que não podemos conhecer nenhuma realidade sem que os nossos sentidos nos forne- çam informações sobre ela; portanto, a sensibilidade, enquanto capacidade de receber dados dos sentidos, é indispensável para construir o conhecimento. Mas, por outro lado, exige-se que: 1. O sujeito seja dotado dessa sensibilidade e possua a este nível determinadas estru- turas universais que tornam possível a captação dos dados sensíveis localizando-os espácio-temporalmente. 2. Possua ainda uma estrutura racional que pense, organize e unifique os dados da sensibilidade. Esta estrutura destinada a pensar os dados é o entendimento e é constituída por categorias que são também formas diversas de agrupar os dados empíricos. Em Kant o conhecimento resulta de uma síntese entre elementos empíricos e elementos for- mais, puros ou a priori. Estes constituem a estrutura do sujeito de conhecimento, são inde- pendentes da experiência e condição de possibilidade de conhecimento. Assim, contrariamente ao racionalismo cartesiano, Kant afirma que “não podemos intuir nada sem os sentidos”, o entendimento só pode exercer a sua actividade aplicando as catego- rias (forma) aos dados empíricos (matéria). As categorias são meras formas de organizar os dados e, por isso, são vazias de conteúdo. Por outro lado, os dados empíricos não são conhecimento a não ser quando pensados pelas categorias do entendimento: “os sentidos não podem pensar seja o que for; só da união sen- sibilidade/entendimento pode sair o conhecimento”. A forma como compreendemos a realidade resulta de uma combinação dos dados provenien- tes dela com as formas próprias do sujeito. Por isso conhecemos a realidade de um certo Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 17
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ modo que é próprio e específico de todos os seres humanos, por serem todos dotados dessa mesma estrutura de conhecimento. Daqui resulta que não temos nenhuma maneira de saber como será a realidade pensada fora desta estrutura e por isso não podemos conhecer a reali- dade em si mesma. Deste modo Kant superou a oposição sentidos/razão e introduziu na análise do conhecimen- to a perspectiva do sujeito, devendo esta começar pela própria análise das estruturas do sujei- to enquanto condições de possibilidade do conhecimento. Racionalismo Cartesiano Apriorismo Kantiano A Origem do Conhecimento A razão - ideias inatas Todo o conhecimento tem origem nos da- dos empíricos, mas nem todo deriva deles. Todo o conhecimento absolutamente ver- O conhecimento deriva simultaneamente da dadeiro fundamenta-se em ideias inatas razão (entendimento) e da experiência. Sem dados empíricos e sem formas ou categorias do entendimento não há conhecimento. Papel da Razão Fornecer os instrumentos básicos do pen- Fornecer as estruturas (categorias do en- samento, justificando a verdade e universa- tendimento) que permitem organizar os lidade do conhecimento com base em ideias dados dos sentidos. inatas Papel dos Sentidos São considerados como fonte de erro; por Captar os dados que a sensibilidade recebe isso não são fundamento válido de conhe- e situa espácio-temporalmente. cimento Processos de Construção do Conhecimento Intuição racional e dedução O conhecimento resulta da aplicação das categorias aos dados da sensibilidade, orga- nizando-os e unificando-os. Validade do Conhecimento Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 18
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ Racionalismo Cartesiano Apriorismo Kantiano O conhecimento é necessário e universal O conhecimento verdadeiro é possível den- desde que seja intuitivo e dedutivo. Só é real tro dos limites da experiência. A validade a ideia ou o conhecimento que dela for de- universal é conferida pela estrutura racional duzido do sujeito Empirismo - David Hume Apriorismo - Kant A Origem do Conhecimento A experiência - impressões Todo o conhecimento tem origem nos da- dos empíricos, mas nem todo deriva deles. Todo o conhecimento deriva das impres- O conhecimento deriva simultaneamente da sões razão (entendimento) e da experiência. Sem dados empíricos e sem formas ou categorias do entendimento não há conhecimento. Papel da Razão Recepção e composição dos dados da expe- Fornecer as estruturas (categorias do en- riência. A origem empírica do conhecimen- tendimento) que permitem organizar os to impede a validade universal do conheci- dados dos sentidos. mento, reduzindo-o a uma mera probabili- dade. Papel dos Sentidos Têm um papel activo sendo o ponto de par- Captar os dados que a sensibilidade recebe tida de todo o conhecimento. Nada existe na e situa espácio-temporalmente. razão que não tenha passado primeiro pelos sentidos. Processos de Construção do Conhecimento Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 19
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ Empirismo - David Hume Apriorismo - Kant Captação sensorial das impressões e indu- O conhecimento resulta da aplicação das ção (fundamentada no hábito) categorias aos dados da sensibilidade, orga- nizando-os e unificando-os. Validade do Conhecimento Dado que e construído com base na indu- O conhecimento verdadeiro é possível den- ção, o conhecimento universal é uma mera tro dos limites da experiência. A validade probabilidade. É pouco provável, mas não universal é conferida pela estrutura racional impossível, que de premissas verdadeiras do sujeito resulte uma conclusão falsa. Não pode ser afirmada como realmente existente qualquer realidade que não tenha uma impressão correspondente. 2. ESTATUTO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO 2.1. Conhecimento vulgar e Conhecimento científico “O que tenho a dizer sobre a ciência pode ser formulado, muito abreviadamente, do seguinte modo: a ciência não é a digestão dos dados sensoriais que recebemos através dos nossos olhos, ouvidos, etc., e que combinamos de um modo ou de outro, que ligamos através de asso- ciações e depois transformamos em teorias. A ciência é constituída por teorias, que são obra nossa. Nós fabricamos as teorias, saímos com elas pelo mundo, analisamos o mundo activa- mente e vemos qual a informação que podemos extrair, arrancar do mundo. O universo não nos dá qualquer informação se não partirmos para ele com esta atitude interrogativa: nó´s perguntamos ao universo se esta ou aquela teoria é verdadeira ou falsa.” Karl Popper O texto de Popper refere-se a um tipo particular de conhecimento: a ciência. Chama a atenção para o facto Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 20
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ de o cientista não poder partir da observação vulgar para elaborar as teorias. Estas têm de re- sultar da imaginação criador do cientista e só num segundo momento é que se processa a sua validação empírica. A atitude do cientista é sempre activa e de interrogação da realidade pro- curando que ela responda às questões teóricas de modo a permitir concluir se a teoria é ver- dadeira ou falsa. Além da ciência há também o conhecimento vulgar ou senso comum. Vamos agora caracteri- zar cada um destes níveis de conhecimento: “O senso comum é um diabinho que tem mau aspecto. A tirania que exerce sobre o nosso juízo é dissimulada, discreta e anónima. Regularmente diverte-se a enganar-nos. É verdade que a nossa ingenuidade tem poucas desculpas. Numerosos filósofos puseram-nos na defensiva con- tra as insuficiências do senso comum, revelando a sua natureza demasiado rudimentar e de- nunciando os seus estratagemas. (...) Desde o poema de Parménides (século V antes da nossa era), (...) que a opinião comum é submetida a julgamento e pesadamente condenada: “nada há nela que seja verdadeiro ou digno de crédito”, foi assim um dos primeiros a dizer que é preciso não acreditar demasiado nas crenças; a opinião não é a verdade e os nossos sentidos estão repletos de inexactidões. (...) O senso comum é necessariamente insidioso. Ninguém lhe escapa completamente. É aliás o que o define. Certamente seria ridículo negar que o senso comum nos é quotidianamente de uma grande utilidade prática. Aliás a vida corrente encarrega-se de chamar à ordem quem dele seja des- provido, por vezes com uma certa crueza. Ele tem também uma utilidade funcional que nos é essencial. Que seria da actividade do pensamento se não tivéssemos, à partida, uma pequena provisão de preconceitos para alimentar? Que faria o nosso cérebro se não tivesse grão para moer? Sem dúvida, nada de grandioso, mas é forços reconhecer que o domínio de validade do senso comum é muito limitado.” Etienne Klein Quais são então as características do senso comum? Podemos defini-lo como o modo comum, corrente e espontâneo de conhecer adquirido na nossa vivência quotidiana. Permite ao ho- mem resolver os problemas com que se depara no dia-a-dia, adaptar-se o sobreviver. Caracte- rísticas: ✓ Resulta de experiências pessoais e é influenciado pela cultura sendo transmitido de pais para filhos. É um conhecimento empírico e superficial que depende da Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 21
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ experiência quotidiana. Conforma-se com a aparência, com aquilo que se pode comprovar observando sensorialmente as coisas. ✓ É ametódico, assistemático e fragmentário. Adquire-se sem o haver procurado ou estudado, sem a aplicação de um método e sem reflexão. ✓ É um conhecimento ingénuo porque não é crítico, não problematiza nem ques- tiona. ✓ É um conhecimento subjectivo, depende do sujeito que conhece, é uma mera opinião particular. Segundo alguns autores, o conhecimento científico pode partir do senso comum criticado e, segundo outros, tem mesmo de operar uma ruptura pois são duas formas de conhecer total- mente distintas podendo o senso comum constituir-se como um obstáculo ao desenvolvimen- to da ciência. A ciência é um conjunto de teorias construídas para compreender e explicar a realidade. Que características deve ter este conhecimento para ser considerado válido? “O enorme prestígio da ciência explica-se facilmente: deve-se à própria natureza da inteligibi- lidade científica. Efectivamente, no seio do desejo de verdade e de certeza que obceca o nosso espírito, há como uma tripla exigência, um triplo voto, a que a ciência positiva consegue res- ponder de um modo surpreendente. Em primeiro lugar, uma exigência de objectividade: preci- samos de um saber objectivo, que alcance as coisas tal como são e não como gostaríamos que fossem (...), dizendo de outro modo, o saber verdadeiro ultrapassa a opinião. O que quer di- zer que se pretende universal: que é a segunda exigência de que falámos. Precisamos de um saber universalmente válido, capaz de criar o acordo entre os espíritos, susceptível de ser veri- ficado e controlado por outrem. Ao que se acrescenta, em terceiro lugar, uma exigência de cla- reza e racionalidade. O espírito humano não se contente com a simples constatação, com um armazenar e amontoar de dados. A sua intenção última é clarificar os factos, é captar o seu “como” e o seu “porquê”, é explicar e compreender. Compreender é sempre, de uma certa ma- neira, considerar em conjunto, descortinar relações, reduzir a diversidade de dados à unidade de uma ideia ou de uma lei, ou de um simples sistema de ideias e de leis logicamente coerente; em resumo, é sempre introduzir a ordem, unidade, clareza intelígível, na infinita complexida- de dos acontecimentos que compõem o universo”. Dondeyenne Contrariamente ao senso comum, a ciência procura compreender e explicar a realidade, como se diz no texto, o “como” e o “porquê” dos factos através da construção de leis, princí- Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 22
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ pios e teorias que devem ser objectivas, isto é, capazes de dizer adequadamente como as coi- sas que acontecem e serem válidas para todos; deve ainda ser um conhecimento claro e racio- nal, construído através de um método rigoroso e adequado ao seu objecto, constituindo um sistema de conhecimentos coerente e articulado. Senso Comum Ciência Conhecimento empírico que resulta da ex- Conhecimento racional construído metodi- periência quotidiana. camente. Conhecimento ingénuo e acrítico que não Conhecimento reflectido, crítico que ques- se questiona. tiona a sua própria validade. Conhecimento descritivo da aparência das Conhecimento explicativo do “como” e do coisas. “porquê” dos fenómenos. Conhecimento subjectivo, particular e opi- Conhecimento objectivo e universal. nativo. Conhecimento fragmentário, ametódico e Conhecimento unitário, metódico e siste- assistematico. mático. 2.2. Ciência e Construção - Validade e Verificabilidade das Hipóteses Como já vimos, uma das marcas distintivas da ciência é ela ser metódica, parecendo não ser possível construir um conhecimento como a ciência sem se fazer uso de um método de pes- quisa. Ao longo da história da ciência tem havido uma evolução no modo como se entende o método científico e até do modo como se organiza e estrutura esse método. Uma das primeiras perspectivas sobre o método foi a de Francis Bacon, no século XVII, que teorizou o método científico partindo da ideia de que não haveria ciência sem observação, uma vez que esta era o próprio ponto de partida tanto para a formulação das teorias como para a sua verificação posterior. Assim se deu origem a uma perspectiva sobre o método cien- tífico de inspiração empirista e que podemos resumir nas seguintes regras: 1. Observação 2. Formulação de hipóteses; 3. Verificação experimental das hipóteses; Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 23
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ 4. Lei (caso as hipóteses sejam verificadas) Como é claro, neste tipo de método valoriza-se a indução como a operação da razão que per- mite passar de um certo número de casos observado para uma lei universal. Outras perspectivas sobre o método científico valorizavam a dedução. Nestas se inclui o pen- samento de Descartes que, ao considerar as ideias como produção da razão sem necessidade da contribuição dos sentidos, defende poder deduzir das ideias todos os outros conhecimen- tos. Com o aparecimento da física de Galileu (um pouco antes de Descartes), surge uma nova forma de conceber o método científico, valorizando o papel da hipótese e da dedução mate- mática das consequências da hipótese. Dá-se grande relevância à teorização que deve prece- der a formulação da hipótese e ao carácter teórico da própria hipótese. Realça-se o carácter ideal e abstracto da lei científica. “As leis da física galilaica são, com efeito, leis “abstractas”, que sem mais não têm validade para os corpos reais. Sem dúvida que respeitam a uma realidade; mas essa realidade não é a experiência quotidiana; é uma realidade ideal e abstracta. Nós não precisamos que nos lem- brem isto; estamos demasiado habituados a essa abstracção. Precisamos até do contrário: de que nos recordem que o mundo ideal da física matemática não é, para falar verdade, o mundo real.” A. Koyré O papel da observação em ciência é então criticado e suplantado pelo da teorização que deu origem a uma nova perspectiva sobre este tipo de conhecimento e sobre o método da sua construção. Podemos então considerar que a ciência contemporânea, na sequência da proposta originari- amente apresentada por Galileu, inclina-se mais para considerar que o método indutivo não permite alcançar as finalidades que a ciência pretende atingir e propõe, em alternativa, aquilo que se pode designar por método hipotético-dedutivo. Este, como vimos no texto anterior, considera não se poder partir da observação empírica mas de um facto problema surgido no seio de uma teoria. Assim ,podemos dizer que o método hipotético-dedutivo contém os seguintes momentos: 1. Formulação de um problema; 2. Enunciação de uma hipótese; Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 24
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ 3. Dedução das consequências a partir da hipótese; 4. Verificação da hipótese; 5. refutação ou confirmação da hipótese. Há ainda uma outra perspectiva próxima do método hipotético-dedutivo, mas que assume, face à natureza da teoria científica, uma perspectiva mais crítica. Um dos seus representantes é Karl Popper que propõe uma nova definição de ciência como um saber fundamentalmente conjectural, em que a teoria é uma hipótese aceite até à sua falsificação. Não se trata já de ve- rificar experimentalmente a teoria, mas sim de tentar mostrar que ela é falsa; se a teoria resis- tir à falsificação, ela permanece em uso, mas como mera aproximação à verdade. “A crença de que a ciência avança da observação para a teoria é ainda aceite tão firme e am- plamente que a minha rejeição dessa ideia provoca muitas vezes uma reacção de incredulida- de. Já fui até acusado de ser insincero - de negar aquilo de que ninguém razoavelmente pode duvidar. Na verdade porém, a crença de que podemos começar exclusivamente com observações, sem qualquer teoria, é um absurdo, que poderia ser ilustrado pela história absurda do homem que se dedicou toda a vida à ciência natural - anotando todas as observações que podia fazer, legou-as a uma sociedade científica para que as usasse como evidência indutiva. Uma anedo- ta que nos devia mostrar que podemos coleccionar com vantagem insectos, mas não observa- ções. Há um quarto de século, procurei chamar a atenção de um grupo de estudantes de física, em Viena, para este ponto, começando uma conferência com as seguintes instruções: “Tomem lá- pis e papel; observem cuidadosamente e anotem o que puderem observar”. Os estudantes qui- seram saber, naturalmente, o que deveriam observar: “Observem - isto é um absurdo!” De fac- to, não é mesmo habitual usar dessa forma o verbo “observar”. A observação é sempre selecti- va: exige um objecto, uma tarefa definida, um ponto de vista, um interesse pessoal, um pro- blema. (...) O problema “Que vem em primeiro lugar: a hipótese ou a observação?” pode ser solucionado; como também se pode resolver o problema “Que vem em primeiro lugar: a galinha ou o ovo?”. A resposta adequada à primeira pergunta é uma “hipótese anterior”; a resposta apropriada à segunda é “um ovo anterior”. Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 25
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ É verdade que qualquer hipótese particular que adoptemos será precedida de observações - por exemplo, as observações que ela se destina a explicar. Contudo, essas observações pressu- põem a adopção de um quadro de referências - uma teoria. Se as observações “iniciais” têm alguma significação, se provocaram a necessidade de uma explicação, dando origem assim a uma hipótese, é porque não poderiam ser explicadas pelo quadro teórico precedente, o antigo horizonte de expectativas. (...) A nossa inclinação para procurar regularidades e para impor leis à natureza leva ao fenóme- no psicológico do pensamento dogmático ou, de modo geral, do comportamento dogmático: esperamos encontrar regularidades em toda a parte e tentamos descobri-las mesmo onde elas não existem. (...) Está claro que essa atitude dogmática que nos leva a guardar fidelidade às primeiras impres- sões indica uma crença vigorosa; por outro lado, uma atitude crítica, com a disponibilidade para alterar padrões, admitindo dúvidas e exigindo testes, indica uma crença mais fraca. Ora, de acordo com o pensamento de Hume e com a concepção popular, a força de uma cren- ça resulta da repetição, e deve portanto crescer com a experiência, apresentando-se sempre maior nas pessoas menos primitivas. Mas o pensamento dogmático, o desejo incontrolado de impor regularidades e o prazer manifesto com ritos e a repetição, por si só, caracterizam os primitivos e as crianças; a grande experiência e maturidade criam algumas vezes uma atitude de cautela e de crítica, em vez de dogmatismo. (...) Todas as leis e teorias são essencialmente tentativas, conjecturais, hipotéticas - mesmo quando já não é possível duvidar delas. Antes de refutar uma teoria não temos condição de saber em que sentido ela precisa de ser modificada. A afirmação de que o sol continuará a levantar-se e a pôr-se uma vez em cada 24 horas é, proverbialmente, um conhecimento estabelecido pela indução, além de qualquer dúvida razoável. É curioso notar que ainda hoje usamos esse exemplo, que serviu também nos dias de Aristóteles. (...) Enquanto os verificacionistas ou indutivistas tentam em vão demonstrar que as crenças cientí- ficas podem ser justificadas - ou, pelo menos, estabelecidas como prováveis (encorajando as- sim, pelo insucesso dos seus esforços, uma fuga no sentido do irracionalismo), os filósofos do outro grupo descobrimos que na verdade não almejamos nem mesmo a teorias altamente pro- váveis. Admitimos que a racionalidade consiste na atitude crítica e buscamos teorias que, em- bora falíveis, nos permitam progredir, ultrapassando as teorias precedentes: o que significa Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 26
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ que são testadas com maior rigor, se conseguirem resistir a alguns desses testes. Enquanto os verficacionistas lutaram em vão para identificar argumentos positivos válidos que apoiassem a sua posição, do nosso lado satisfazemo-nos com a aceitação de que a racionalidade de uma teoria reside no facto de que podemos preferi-la porque é melhor do que as que a precederam; porque podemos sujeitá-la a testes mais rigorosos - testes que talvez não consigam refutá-las, se tivermos sorte. E também porque podem levar-nos a chegar mais perto da verdade. Karl Popper Método Experimental Método Hipotético- Método Crítico Dedutivo Perspectiva de Popper É de inspiração empirista É de inspiração racionalista É de inspiração racionalista Valoriza a indução amplifi- Valoriza a dedução matemá- Valoriza a produção de teo- cante tica rias enquanto conjecturas acerca da realidade Considera a ciência um co- Considera a ciência um co- Considera a ciência como nhecimento verdadeiro nhecimento verdadeiro uma aproximação à verdade Fases: Fases: Fases: 1. observação 1. problema/teoria pré- Como as leis científicas são via conjecturas, hipóteses de 2. hipótese trabalho e podem ser refuta- 2. observação selectiva 3. experimentação/veri- das a qualquer momento, ficação 3. hipótese Popper substitui a ideia de verificação ou experimenta- 4. lei - universal e neces- 4. dedução das conse- ção pela de falsificação. sária quências da hipótese As teorias científicas devem 5. lei - universal e neces- ser expostas à falsificação e sária o seu carácter de verdade está na capacidade de resis- tência à falsificação. Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 27
  • Jorge Barbosa - http://web.mac.com/jbarbo00/ Grupo de Filosofia • email: grupo-de-filosofia@hotmail.com . Esc Sec. Dr. Manuel Gomes de Almeida - Espinho - http://mgafilosofia.multiply.com/ 28