MARC 21

28,802 views
28,401 views

Published on

Published in: Technology, Travel
2 Comments
24 Likes
Statistics
Notes
  • Olá Renata
    gostaria de agradecer por partilhar este seu trabalho. Estou a desenvolver juntamente com outros bibliotecários a nossa base de dados de autoridades, e a forma exata e simples como apresentou os pontos e a sua Bibliografia é de grande ajuda!
    Obrigada e continuação de um bom trabalho!
    Maria João (Lisboa, Portugal)
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • $ não é simbolo de dólar, se chama cifrão.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
28,802
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,656
Actions
Shares
0
Downloads
742
Comments
2
Likes
24
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

MARC 21

  1. 1. “ JÚLIO DE MESQUITA FILHO” Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília - SP   UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Denise Lourenço dos Santos   Formato Marc               Marília 2007 Orientadora: Prof. Plácida Leopoldina V. A. da Costa Santos.
  2. 2. Introdução <ul><li>O formato MARC 21 é uma das ferramentas, que possibilitam a otimização do serviço de catalogação, facilitando a disseminação e recuperação da informação. </li></ul><ul><li>Esta apresentação o abordará desde a implementação até os dias atuais, incluindo o histórico e definição, bem como o conceito dos formatos concisos, seus elementos e estruturas. </li></ul>
  3. 3. Histórico <ul><li>Década de 60: O MARC se desenvolveu paralelamente ao computador para facilitar a transferência de dados bibliográficos entre sistemas de computadores. </li></ul><ul><li>Em Fevereiro de 1966, na 3ª Conferência sobre catálogos mecanizados, a LC apresentou o “MARC Pilot Project”, experiência com distribuição de fitas magnéticas referente ao acervo de fichas impressas, também conhecido por MARC I, é definido como o formato que estabeleceu a praticabilidade. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Em Dezembro de 1967, na 4ª Conferência, realizada para discutir o Sistema MARC e sua aplicabilidade aos sistemas automatizados de bibliotecas: foi apresentado o MARC II-conjunto de caracteres gráficos para dados bibliográficos. A diferença marcante entre os formatos MARC I e MARC II, ou LC MARC é a estrutura inovadora deste último, mantida até hoje, que apresenta a separação entre diretório, códigos de sub-campos e parágrafos. </li></ul>Histórico
  5. 5. <ul><li>Em Junho de 1968, o Projeto Piloto encerrou suas atividades com um relatório contando a experiência do Projeto: as bibliotecas participantes, a ampliação dos caracteres gráficos e o formato MARC II. </li></ul><ul><li>Em Março de 1969, o formato já estava responsável pelas monografias de língua inglesa catalogados pela LC </li></ul><ul><li>Em 1983, o termo MARC II foi substituído pelo USMARC. </li></ul>Histórico
  6. 6. Sistemas Derivados do MARC <ul><li>Alguns paises desenvolveram seus próprios sistemas de intercâmbio de informações bibliográficas, o que inevitavelmente trouxe diferenças e dificuldades na permuta de informações </li></ul>
  7. 7. <ul><li>MONOCLE: França </li></ul><ul><li>MARC/BR: Bélgica </li></ul><ul><li>IBERMAC: Espanha </li></ul><ul><li>MARC/México: México </li></ul><ul><li>NISSAT: Índia </li></ul><ul><li>MARCIS: Israel </li></ul><ul><li>ANNA MARC: Itália </li></ul><ul><li>JAPAN MARC: Japão </li></ul><ul><li>SWEMARC: Suécia </li></ul><ul><li>NORMARC : Noruega </li></ul><ul><li>UKMARC: Reino Unido </li></ul><ul><li>USMARC: Estados Unidos </li></ul><ul><li>CANMARC: Canadá </li></ul><ul><li>CALCO: Brasil </li></ul><ul><li>INTERMAC: França, Bélgica, Holanda, Suíça e Grã-Bretanha </li></ul>Sistemas Derivados do MARC
  8. 8. <ul><li>Em 1994, pela dificuldade no intercâmbio de informações, iniciou a harmonização, entre o formato USMARC (Estados Unidos) e o CANMARC (Canadá), nomeando: MARC 21. </li></ul>Histórico
  9. 9. <ul><li>As bibliotecas puderam compartilhar os benefícios da catalogação legível por máquina </li></ul><ul><li>A proliferação dos sistemas de computador para bibliotecas mostrou a necessidade de ter uma norma para o intercâmbio de registros MARC 21. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Os pacotes de programação para computadores permitem as bibliotecas ter seu próprio sistema autônomo de circulação ou seu catálogo de acesso público on-line. Muitos destes programas podem ler, armazenar e imprimir registros MARC, os computadores atuais utilizam discos para armazenar informação, podem também gravar e recuperar dados de disquete e copiar registros de discos. </li></ul>
  11. 11. MARC 21
  12. 12. Site: www.loc.gov/marc MARC 21
  13. 13. Formato Marc Condensados Bibliográfico Autoridade Fondos Classificação Comunidade Traduções MARC LITE Bibliográfico Listas de Códigos MARC Paises Áreas Geográficas Idiomas Organizações Relatórios Fontes Conhecendo o MARC Bibliográfico Conhecendo o MARC para entrada de autoridades Informação Geral Perguntas frequentes Fórum Eletrônico MARC Fórum Unicode-MARC MARC em XML MARCXML MODS MADS MARC e FRBR Desenvolvimento do MARC Registros, Sistemas e Ferramentas MARC                    
  14. 14. Formato MARC Registro Legível por Máquina <ul><li>Formato de intercâmbio de dados bibliográficos em forma legível por máquina desenvolvido pela LC . </li></ul><ul><li>Formato de intercâmbio: formato gerado por programa, a partir do formato de armazenamento interno, com o fim de possibilitar a incorporação e interpretação de dados bibliográficos por sistemas e computadores diferentes. </li></ul><ul><li>Registro legível por máquina: significa que um tipo particular de máquina, um computador, pode ler e interpretar os dados contidos em um registro catalográfico. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Tem a função de promover a comunicação da informação, evitando a duplicação de esforços em conseqüência do aumento de permuta de registros. É um formato padrão de armazenagem e troca de registros bibliográficos e informação. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Todo padrão MARC é de acordo com a ISO 2709:1996- Informação e Documentação- Formato para permuta de informação e utiliza para a catalogação as normas do Código de catalogação Anglo-Americano (AACR) e da Classificação Decimal de Dewey (CDD). </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Um registro não pode simplesmente ser datilografado num computador para fazer parte de um catálogo automatizado, são necessários meios para interpretar a informação, através de programas desenvolvidos para formatar, bem como pesquisar e recuperar informações corretamente a informação e disponibilizá-las. </li></ul>Porque um registro MARC é necessário?
  18. 18. Por que um padrão? <ul><li>Pode-se planejar um método próprio de organização de dados, mas dessa forma isola-se a biblioteca, limitando as opções e duplicando o trabalho desnecessariamente. O registro MARC tem a vantagem de ser um padrão amplamente utilizado que tem como finalidade principal promover uma comunicação da informação. </li></ul>
  19. 19. MARC XML <ul><li>É o MARC 21 em ambiente XML, desenvolvido pela Network Development e MARC Standards Office, contempla tanto a forma quanto o conteúdo dos recursos informacionais para ser usado para descrições bibliográficas em ambiente Web, é uma estrutura planejada para ser flexível e extensível, isto é, possibilita a adequação dos campos à necessidade do registro. </li></ul><ul><li>A linguagem XML, em conjunto com o MARC 21, dá condições para construção de uma estrutura para a representação da informação, constituí-se em um sistema que possibilita o compartilhamento dos registros bibliográficos. </li></ul>
  20. 20. XML <ul><li>Conjunto de regras para a criação de linguagens de marcação (tags), ajuda a formatar um documento para torná-lo mais compreensível aos seres humanos, permite que sejam criados códigos ou tags de acordo com a necessidade dos usuários, facilita o gerenciamento, armazenamento e transmissão de dados, via Internet. </li></ul>MARC XML
  21. 21. Exemplo <ul><li>Linguagem XML </li></ul><ul><li><autor> Jorge Amado </autor> </li></ul><ul><li>Linguagem HTML </li></ul><ul><li><b>soldado</b> </li></ul><ul><li>Transforma a palavra “soldado” em “ soldado ”(negrito). </li></ul>
  22. 22. Formatos Concisos <ul><li>O MARC 21 é formado por cinco formatos concisos coordenados: </li></ul><ul><li>MARC 21 para dados bibliográficos </li></ul><ul><li>MARC 21 para dados de autoridade </li></ul><ul><li>MARC 21 para dados de classificação </li></ul><ul><li>MARC 21 para dados de informação comunitária </li></ul><ul><li>MARC 21 para dados de coleção </li></ul>
  23. 23. <ul><li>Cada um dos formatos é publicado separadamente para que a descrição dos campos seja mais detalhada. </li></ul><ul><li>O formato conciso MARC 21 disponibiliza publicações, guias de referência para a definição da designação de conteúdo dos campos, de cada posição dos caracteres nos campos de dados fixos e para definição dos campos de dados variados. </li></ul>Formatos Concisos
  24. 24. Elementos dos Formatos Concisos <ul><li>As características do formato MARC são comuns a todos os formatos concisos, compostas por três elementos: </li></ul><ul><li>Estrutura </li></ul><ul><li>Designadores de conteúdo </li></ul><ul><li>Conteúdo dos elementos que compõem o registro </li></ul>
  25. 25. <ul><li>A estrutura do MARC 21 é o conjunto de elementos que o compõem: </li></ul><ul><li>Líder </li></ul><ul><li>Diretório e </li></ul><ul><li>Campos Variáveis. </li></ul>Elementos dos Formatos Concisos Estrutura
  26. 26. <ul><li>O Líder é o primeiro campo de registro MARC, ele é formado por 24 caracteres e suas informações são identificadas pela localização do caractere e necessárias para o processamento dos dados do registro </li></ul>Elementos dos Formatos Concisos Estrutura Líder
  27. 27. <ul><li>Imediatamente a continuação do líder e antes das tags (etiquetas) se apresenta um bloqueio de dados chamado Diretório, organizado em seqüência numérica, ele nos diz quais etiquetas estão presentes no registro e onde se localizam. </li></ul>Elementos dos Formatos Concisos Estrutura Diretório
  28. 28. <ul><li>Cada registro se divide em unidades chamadas campos variáveis, identificadas por etiquetas de três caracteres numéricos armazenadas no diretório. </li></ul><ul><li>Tem campo para autor, títulos, etc, divididos em sub-campos. </li></ul>Elementos dos Formatos Concisos Estrutura Campos Variáveis
  29. 29. Há dois tipos de Campos Variáveis <ul><li>Campos de controle variável </li></ul><ul><li>Campos de dados variáveis </li></ul>
  30. 30. <ul><li>Os campos de controle variável é estruturado de forma diferente dos campos de dados variáveis. Eles não contêm indicadores de posição nem códigos de sub-campos </li></ul>Estrutura Elementos dos Formatos Concisos Campos Variáveis Campos de controle variável
  31. 31. <ul><li>Contém designadores de conteúdo: Indicadores e códigos de sub-campo, antes dos dados dos campos. </li></ul>Estrutura Elementos dos Formatos Concisos Campos Variáveis Campos de dados variáveis
  32. 32. <ul><li>É cada um dos dois primeiros caracteres do começo dos dados dos campos variáveis, contém valores que interpretam ou adicionam dados no campo. Os valores dos indicadores são interpretados independentemente e podem ser caracteres alfabéticos ou numéricos. </li></ul>Estrutura Elementos dos Formatos Concisos Campos Variáveis Campos de dados variáveis Indicadores de Posição
  33. 33. <ul><li>Dois caracteres que precedem cada dado de um campo que requer manipulação separada. Os códigos de sub-campos consistem em delimitar, são representados no documento pelo símbolo de dólar ($), seguido pelos dados identificadores por caracteres alfabéticos ou numéricos. Os Códigos de sub-campos são definidos independentemente para cada campo, com a finalidade de identificação. </li></ul>Estrutura Elementos dos Formatos Concisos Campos Variáveis Campos de dados variáveis Códigos de Sub-campos
  34. 34. <ul><li>Delimitadores: Na maioria dos programas de computadores o delimitador mais utilizado é símbolo de dólar “$”, mas também são utilizados os parênteses “( )” e o arroba “@”. </li></ul>Estrutura Campos Variáveis Campos de dados variáveis Indicadores de Posição Delimitadores
  35. 35. <ul><li>Sub-campos são os dados dentro de um campo antecedidos pelos delimitadores. </li></ul>Estrutura Campos Variáveis Indicadores de Posição Sub-campos Campos de dados variáveis
  36. 36. <ul><li>A estrutura do formato MARC 21, possibilita que todo campo possa ser repetido, porém, a natureza dos dados impossibilita repetições. Por isso, campos e sub-campos que podem ser repetidos são indicados por (R) e os que não podem por (NR), respectivamente. </li></ul>
  37. 37. <ul><li>Usados para se referir ao conjunto das etiquetas, indicadores e códigos de sub-campo. </li></ul><ul><li>Esses três tipos de designadores de conteúdo são a chave do sistema de notação MARC21. </li></ul>Elementos dos Formatos Concisos Estrutura Designadores de Conteúdo
  38. 38. <ul><li>Definidos por padrões fora dos formatos, são as informações que devem ser armazenadas. </li></ul>Elementos dos Formatos Concisos Estrutura Conteúdo dos Elementos que compõem o registro
  39. 39. Convenções Tipográficas <ul><li>0- O gráfico (0) representa o dígito zero em tags , caracteres de posições fixas, citações e posição de indicadores. </li></ul><ul><li>#- O símbolo gráfico (#) é usado para espaços em branco em códigos de campos e outras situações especiais, quando a existência de um caractere em branco for ambígua. </li></ul><ul><li>$- O símbolo gráfico ($) é usado para delimitar as divisões dos códigos de sub-campos. No texto, códigos de sub-campos são referentes aos sub-campos. $a, por exemplo. </li></ul>
  40. 40. Convenções Tipográficas <ul><li>/- Caractere de posição especifica ou comprimento fixo dos elementos de dados, tais como o do líder, diretório, e campo 008. </li></ul><ul><li>1- O gráfico (1) representa o dígito um. Este caractere deve ser distinto das letras do alfabeto romano. </li></ul><ul><li>|- O gráfico (|) representa um caractere cheio. </li></ul>
  41. 41.   245 1 4 $ a The emperor's new clothes $ c adapted from Hans Christian Andersen and illustrated by Janet Stevens. Formato MARC 21 para dados Bibliográficos Estrutura: 245 etiqueta 1 indicador 1 4 indicador 2 $ delimitador a códigos de subcampo
  42. 42. Registro em Formato MARC
  43. 43. MARC 21 para dados Bibliográficos
  44. 44. <ul><li>Desenvolvido para armazenar informações bibliográficas sobre: </li></ul><ul><li>Livros – materiais textuais que são monografias por natureza </li></ul><ul><li>Recursos Contínuos – Itens textuais com publicação corrente </li></ul><ul><li>Arquivos de Computador – Usados para informações codificadas que só podem ser processadas por máquinas </li></ul><ul><li>Mapas – Todos os tipos de materiais cartográficos, incluindo folhas de mapas e globos impressos </li></ul>MARC 21 para Dados Bibliográficos
  45. 45. <ul><li>Músicas – Impressas, eletrônicas, microforma, etc. </li></ul><ul><li>Registros Sonoros – Registros Sonoros não musicais e musicais. </li></ul><ul><li>Materiais Visuais – mídia projetada, gráficos bidimensionais, artefatos tridimensionais. </li></ul><ul><li>Materiais Mistos – Principalmente de arquivos e coleção de manuscritos de várias formas de material pode ser monografia ou publicações seriadas por natureza. </li></ul>MARC 21 para Dados Bibliográficos
  46. 46. <ul><li>Se diferencia dos outros formatos pelo código no líder 06, cada tipo de registro no marc bibliográfico tem uma identificação especifica. </li></ul><ul><li>Estes tipos de materiais geralmente incluem essas informações: </li></ul><ul><li>Títulos </li></ul><ul><li>Nomes </li></ul><ul><li>Assuntos </li></ul><ul><li>Notas </li></ul><ul><li>Dados de publicação </li></ul><ul><li>Informação sobre a descrição física do ítem </li></ul>MARC 21 para Dados Bibliográficos
  47. 47. <ul><li>O formato MARC 21 para dados bibliográficos tem a mesma estrutura de todos os outros formatos concisos, ou seja, consiste em três componentes: O líder, diretório e campos variáveis. </li></ul><ul><li>Porém as etiquetas que compõem os campos variáveis se diferem em cada formato. </li></ul>MARC 21 para Dados Bibliográficos Estrutura:
  48. 48. <ul><li>0XX- informação de controle, números, códigos. </li></ul><ul><li>1XX- Entradas Principais. </li></ul><ul><li>2XX- Títulos, edição, imprenta. </li></ul><ul><li>3XX- Descrição Física. </li></ul><ul><li>4XX- Série. </li></ul><ul><li>5XX- Notas. </li></ul><ul><li>6XX- Campos de assuntos. </li></ul><ul><li>7XX- Entradas secundárias. </li></ul><ul><li>8XX- Entradas secundárias de série. </li></ul>MARC 21 para Dados Bibliográficos Etiquetas:
  49. 49. <ul><li>9XX- Livres para usos locais: reservados para usos definidos em forma local, tabelas como os números de códigos de barras. As bibliotecas, os distribuidores ou os sistemas locais podem defini-los e usá-los para incluir diversos tipos de informações nos registros. Os grupos X9Xs (09X, 59X, etc) se reservam também para uso local, com exceção do 490. </li></ul>MARC 21 para Dados Bibliográficos Etiquetas:
  50. 50. <ul><li>A notação de XX é freqüentemente usada para fazer referência a um grupo de etiquetas relacionadas </li></ul>MARC 21 para Dados Bibliográficos Etiquetas:
  51. 51. <ul><li>Nos registros MARC se usam com muita frequência 10% das etiquetas, os 90% restante se usam rara ou ocasionalmente. Os bibliotecários que trabalham com registros MARC memorizam com rapidez os números das etiquetas dos campos usados com maior freqüência dos tipos de materiais que catalogam. </li></ul>MARC 21 para Dados Bibliográficos
  52. 52. MARC 21 para dados de Autoridade
  53. 53. <ul><li>O MARC21 para dados de autoridade foi desenvolvido para disponibilizar formas autorizadas de nomes e assuntos para serem usadas nos registros bibliográficos e fornecer pontos de acesso nos catálogos, através da padronização dos nomes. </li></ul>MARC21 para dados de Autoridade
  54. 54. <ul><li>A padronização permite o controle de autoridade, isto é, o estabelecimento de uma única forma para um determinado nome, ou seja, este nome será utilizado sempre que necessário definir um ponto de acesso a ele, sua formulação é baseada na catalogação e nos tesauros, o MARC para autoridade apenas carrega estes títulos para uso do sistema de bibliotecas. </li></ul>MARC21 para dados de Autoridade
  55. 55. <ul><li>Se diferencia dos outros formatos pelo código “z”, no líder 06. </li></ul><ul><li>Um registro de autoridade inclui três componentes básicos: </li></ul><ul><li>Títulos, </li></ul><ul><li>Referências Transversais e </li></ul><ul><li>Notas. </li></ul>MARC21 para dados de autoridade Registro de Autoridade
  56. 56. <ul><li>Padronização da forma autorizada para nome, assunto ou título, usada nos pontos de acesso dos registros bibliográficos. Sua finalidade é descrever os registros para recuperação. </li></ul>MARC21 para dados de autoridade Registro de Autoridade Título
  57. 57. <ul><li>Direcionadas a usuários, é a disponibilização de referências de formas variadas de nomes ou assuntos para a forma autorizada. </li></ul><ul><li>O registro MARC21 para autoridades contém duas etapas de referências transversais que conduzem o usuário de um título desautorizado a um título autorizado ou de um título autorizado a outro </li></ul>MARC21 para dados de autoridade Registro de Autoridade Referências Transversais
  58. 58. <ul><li>Contém informações gerais sobre títulos padronizados ou informações especializadas, tais como citações de fontes consultadas. </li></ul><ul><li>O registro Marc21 para autoridades pode conter notas, que podem ser exibidas em catálogos públicos ou somente para visão em bibliotecas que usam os registros em seu trabalho. </li></ul>MARC21 para dados de autoridade Registro de Autoridade Notas
  59. 59. <ul><li>O formato MARC21 para dados de autoridades como já exposto anteriormente tem a mesma estrutura de todos os outros formatos concisos, ou seja, consiste em três componentes: O Líder, o Diretório e os Campos Variáveis. </li></ul><ul><li>Porém as etiquetas que compõem os campos variáveis se diferem em cada formato. </li></ul>MARC21 para dados de autoridade Estrutura do Marc 21 para dados de Autoridade
  60. 60. Etiquetas <ul><li>0XX Informação de controle, números, códigos </li></ul><ul><li>1XX Títulos (autoridades e referências) </li></ul><ul><li>2XX Complexo veja referências </li></ul><ul><li>3XX Complexo veja referências </li></ul><ul><li>4XX Veja </li></ul><ul><li>5XX Veja também </li></ul><ul><li>6XX Notas </li></ul><ul><li>7XX Entradas secundárias </li></ul><ul><li>8XX Gráficos Alternativos </li></ul><ul><li>9XX Livres para usos locais </li></ul>MARC21 para dados de Autoridade
  61. 61. <ul><li>Paralelos aos designadores de conteúdo há etiquetas, como: 1XX, 4XX e 7XX que podem ajudar a identificar o conteúdo nos campos de autoridade: </li></ul><ul><li>X00 Nomes Pessoais </li></ul><ul><li>X10 Nomes Corporativos </li></ul><ul><li>X11 Nomes de Eventos </li></ul><ul><li>X30 Títulos Uniformes </li></ul><ul><li>X48 Termos Cronológicos </li></ul><ul><li>X50 Termos Tópicos </li></ul><ul><li>X51 Nomes Geográficos </li></ul><ul><li>X55 Termos de gênero/ forma. </li></ul>Etiquetas MARC21 para dados de Autoridade
  62. 62. <ul><li>Como no caso do registro bibliográfico, as bibliotecas vêm compartilhando informações de autoridades por vários anos. Embora as bibliotecas possam manter seus nomes e seus arquivos de autoridades, algumas instituições têm compartilhado a responsabilidade da manutenção dos arquivos de autoridade para diminuir o custo e ampliar a qualidade.Impedindo assim que bibliotecas criem vários registros de autoridades diferentes </li></ul>MARC21 para dados de Autoridade O MARC para dados de Autoridade é compartilhado?
  63. 63. <ul><li>O MARC21 fornece meios padronizados para representação e comunicação de informação autorizada em forma legível por máquina. </li></ul><ul><li>Sem o MARC as bibliotecas não seriam capazes de compartilhar seus dados de autoridades com rapidez uma vez que os sistemas não conseguiriam “conversar” um com o outro. </li></ul><ul><li>O MARC impede uma torre de babel virtual fornecendo especificações técnicas que permitem aos distribuidores de dados de autoridades a comunicação com outros. </li></ul>MARC21 para dados de Autoridade O MARC para dados de Autoridade é compartilhado?
  64. 64. <ul><li>MARC 21 </li></ul><ul><li>para dados de Classificação </li></ul>
  65. 65. Marc 21 para dados de Classificação <ul><li>Desenvolvido para armazenar informações de números de classificação formulados com o esquema de códigos de classificação. </li></ul><ul><li>Se diferencia dos outros formatos pelo código w no líder 06. </li></ul>
  66. 66. <ul><li>Armazena dados sobre: </li></ul><ul><li>Número único </li></ul><ul><li>Extensão de número definido </li></ul><ul><li>Extensão de número de sumário </li></ul>Marc 21 para dados de Classificação
  67. 67. Etiquetas <ul><li>15X – Números de Classificação </li></ul><ul><li>2XX- Referências </li></ul><ul><li>3XX- Referências Transversais </li></ul><ul><li>4XX- Números Inválidos </li></ul><ul><li>5XX- Números Válidos </li></ul><ul><li>6XX- Notas </li></ul><ul><li>7XX- Índice de Termos </li></ul><ul><li>8XX- Localização e Substituição dos gráficos </li></ul>Marc 21 para dados de Classificação
  68. 68. <ul><li>Um registro Marc para dados bibliográficos contém números de classificação nos campos 050- 09X e o registro para dados de autoridade contém números de classificação nos campos 053 (número de classificação da LC), 083 (número da classificação Decimal de Dewey). </li></ul>Marc 21 para dados de Classificação
  69. 69. <ul><li>Marc 21 para dados de Comunidade </li></ul>
  70. 70. <ul><li>Foi desenvolvido para armazenar descrição de recursos não bibliográficos necessários à comunidade. </li></ul><ul><li>Se diferencia dos outros formatos pelo código q no líder 06. </li></ul>Marc 21 para Dados de Comunidade
  71. 71. Armazena dados sobre: <ul><li>Indivíduo </li></ul><ul><li>Organização </li></ul><ul><li>Programa ou serviço </li></ul><ul><li>Evento </li></ul><ul><li>Outros </li></ul>
  72. 72. Etiquetas <ul><li>1XX – Campo de Nomes Primários </li></ul><ul><li>2XX – Campos de Títulos e Endereços </li></ul><ul><li>3XX – Descrição Física, Horas,etc </li></ul><ul><li>4XX – Indicação de Série </li></ul><ul><li>5XX – Notas </li></ul><ul><li>6XX – Assuntos </li></ul><ul><li>7XX – Entrada secundária </li></ul><ul><li>8XX – Gráficos de Localização e Substituição </li></ul>Marc 21 para Dados de Comunidade
  73. 73. Marc 21 Holdings
  74. 74. <ul><li>Desenvolvido para armazenar informações de coleção. </li></ul><ul><li>Se diferencia dos outros formatos pelo código no líder 06. </li></ul>Marc 21 Holdings
  75. 75. Armazena dados sobre: <ul><li>Ítem de parte única: ítem completo em uma parte física única: mapa, livros de um volume, arquivo de computador. (líder/06, código x). </li></ul>
  76. 76. <ul><li>Item de Várias partes: </li></ul><ul><li>Item com número finito de partes físicas separadas: jogos de mapas, enciclopédia de dez volumes. (líder/06, código v). </li></ul>Armazena dados sobre: Marc 21 Holdings
  77. 77. <ul><li>Item seriado: </li></ul><ul><li>Ítem emitido em partes sucessivas em intervalos regulares ou irregulares e destinado para ser continuado indefinidamente: Jornal, serviço de atualização seriada à folhas removíveis. </li></ul>Armazena dados sobre: Marc 21 Holdings
  78. 78. Estes dados geralmente incluem: <ul><li>Informação específica da cópia de um item </li></ul><ul><li>Informação peculiar à organização da coleção </li></ul><ul><li>Informação necessária para processamento local, manutenção, ou preservação do item </li></ul><ul><li>Informação sobre a versão. </li></ul>Marc 21 Holdings
  79. 79. <ul><li>O Marc 21 Holding é ligado ao Marc 21 para dados Bibliográficos pelo campo 04 do Marc 21 Holding. </li></ul>Marc 21 Holdings
  80. 80. Conclusão <ul><li>Conclui-se através desta pesquisa que o Formato MARC, é uma ferramenta tecnológica criada através da interdisciplinaridade da Ciência da Informação com a Ciência da Computação, formada por cinco formatos concisos que completam um ao outro e permitem que programas consigam ler e interpretar os dados registrados, auxiliando no trabalho do catalogador, uma vez que possibilita a centralização e a cooperação da catalogação, oferecendo suporte a partir da padronização e facilitando na disseminação e recuperação de itens, que é o principal objetivo da criação de representação para a informação. </li></ul>
  81. 81. Referência BARBOSA, A.P. Novos rumos da catalogação . Rio de Janeiro: BNG/Brasilart, 1978. 245 p.   Entendendo o MARC registro de autoridade. Disponível em: http://www.loc.gov/marc/uma/. Acesso em 31-8-2007.   FLAMINO, A . N. MARCXML : um padrão de descrição para recursos informacionais em Open Archives. 2006. 164 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista- UNESP, Marília. 2006.   FURRIE, B. Understanding MARC Bibliographic : Machine readable cataloging.6.ed. McHenry: Follet Software, 2000. Disponível em: http://www.loc.gov/marc/umb. Acesso em: 20-8-07.   Introdução Geral ao formato conciso. Disponível em: http://www.loc.gov/marc/authority/ecadintr.html. Acesso em 31-8-2007.   Introdução ao formato de autoridades. Disponível em: http://www.loc.gov/marc/concise/concise.html#general_intro. Acesso em 31-8-2007.   MARCS Standards. Disponível em: http://www.loc.gov/marc/. Acesso em: 20-8-07.   MONTEIRO, C. S. Sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados . 2003. 172 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biblioteconomia) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista- UNESP, Marília.2003.   PRATES DE OLIVEIRA, ZitaGROPOSO PAVãO, CaterinaSILVA BORGES DA COSTA, Janise; CAREGNATO, Lais. O uso do campo MARC 9XX para controle bibliográfico institucional. Ciência da Informação , Brasília, DF, 33.2, 10 12 2004. Disponível em: <http://www.ibict.br/cionline/viewarticle.php?id=138>. Acesso em: 03 11 2007.     RAY, E. Y. Aprendendo XML . Rio de Janeiro. Campus, 2001. 372 p.   SANTOS, G. C.; RIBEIRO, C. M. Acrônimos, siglas e termos técnicos : arquivística, biblioteconomia, documentação, informática. Campinas: Editora Átomo, 2003. 277 p.   SIQUEIRA, M. A .; SANTOS, P. L. V. A . C. A versão em XML do MARC21 e as formas de representação descritivas em Ciência da Informação. In: VIDOTTI, S. A . B. ( Coor.). Teconologia e conteúdos informacionais . São Paulo: Polis, 2004. p. 95-111.   SANTOS, P. L. V. A . C.; FLAMINO, A . N. MARC21 e XML como ferramentas para consolidação da catalogação cooperativa automatizada: uma revisão de literatura. In: VIDOTTI, S. A . B. ( Coor.). Teconologia e conteúdos informacionais. São Paulo: Polis, 2004. p. 113-138.
  82. 82. “ JÚLIO DE MESQUITA FILHO” Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília - SP   UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Denise Lourenço dos Santos   Formato Marc               Marília 2007 Orientadora: Prof. Plácida Leopoldina V. A. da Costa Santos.

×