Your SlideShare is downloading. ×
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Jean piaget PPT
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Jean piaget PPT

8,177

Published on

Published in: Education
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
8,177
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
312
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Jean Piaget 1896 – 1980 Genebra Epistemologia GenéticaO Nascimento da Inteligência
  • 2. Epistemologia Genética• “o conhecimento não poderia ser concebido como algo predeterminado nas estruturas internas do indivíduo, pois que estas resultam de uma construção efetiva e contínua, nem nos caracteres preexistentes do objeto, pois que estes só são conhecidos graças à mediação necessária dessas estruturas; e estas estruturas os enriquecem e enquadram (pelo menos situando-os no conjunto dos possíveis). “
  • 3. Cognição• Ato biológico que visa a adaptação ao meio• Tende ao equilíbrio e à organização• Não se separa do todo do org
  • 4. Epistemologia Genética• método capaz de oferecer os controles e, sobretudo, de retornar às fontes, portanto à gênese mesma dos conhecimentos de que a epistemologia tradicional apenas conhece os estados superiores, isto é, certas resultantes. O que se propõe a epistemologia genética é pois pôr a descoberto as raízes das diversas variedades de conhecimento, desde as suas formas mais elementares, e seguir sua evolução até os níveis seguintes, até, inclusive, o pensamento científico.
  • 5. Epistemologia Genética• É interdisciplinar• não existem jamais conhecimentos absolutos.• tudo é gênese: “afirmar a necessidade de recuar à gênese não significa de modo algum conceder um privilégio a tal ou qual fase considerada primeira, absolutamente falando: é, pelo contrário, lembrar a existência de uma construção indefinida e, sobretudo, insistir no fato de que, para compreender suas razões e seu mecanismo, é preciso conhecer todas as suas fases, ou, pelo menos, o máximo possível. “
  • 6. Epistemologia Genética• “se encontrará nestas páginas a exposição de uma epistemologia que é naturalista sem ser positivista, que põe em evidência a atividade do sujeito sem ser idealista, que se apóia também no objeto sem deixar de considerá lo como um limite (existente, portanto, independentemente de nós, mas jamais completamente atingido) e que, sobretudo, vê no conhecimento uma elaboração contínua: é este último aspecto da epistemologia genética que suscita mais problemas e são estes que se pretende equacionar bem assim como discutir exaustivamente.”
  • 7. Epistemologia Genética• PSICOGENESE De uma parte, o conhecimento não procede, em suas origens, nem de um sujeito consciente de si mesmo nem de objetos já constituídos (do ponto de vista do sujeito) que a ele se imporiam. O conhecimento resultaria de interações que se produzem a meio caminho entre os dois, dependendo, portanto, dos dois ao mesmo tempo, mas em decorrência de uma indiferenciação completa e não de intercâmbio entre formas distintas. De outro lado, e, por conseguinte, se não há, no início, nem sujeito, no sentido epistemológico do termo, nem objetos concebidos como tais, nem, sobretudo, instrumentos invariantes de troca, o problema inicial do conhecimento será pois o de elaborar tais mediadores.”
  • 8. Epistemologia Genética• Com efeito, o instrumento de troca inicial não é a percepção, como os racionalistas demasiado facilmente admitiram do empirismo, mas, antes, a própria ação em sua plasticidade muito maior.• Se existe uma indiferenciação entre o sujeito e o objeto ao ponto que o primeiro não se conhece nem mesmo como fonte de suas ações, por que seriam elas centradas no corpo próprio ao passo que a atenção estaria fixada no exterior? O termo "egocentrismo radical" de que nos valemos para designar esta centração pode, ao invés, parecer evocar um eu consciente (e é ainda mais o caso do "narcisismo" freudiano ao passo que se trata de um narcisismo sem Narciso). De fato, a indiferenciação e a centração das ações primitivas importam ambas em um terceiro aspecto que lhes é geral: elas ainda não estão coordenadas entre si.
  • 9. Epistemologia Genética• BIOGENESE: AUTO-REGULACAO• ONTOGENESE REPETE A FILOGENESE• tendência intrínseca ao equilíbrio• no curso da gênese, o conhecimento procede• Acomodacao e assimilacao
  • 10. filogênese
  • 11. ontogênese
  • 12. O Nascimento da Inteligência• A construção do conhecimento ocorre quando acontecem ações físicas ou mentais sobre objetos que, provocando o desequilíbrio, resultam em assimilação ou, acomodação e assimilação dessas ações e, assim, em construção de esquemas ou conhecimento. Em outras palavras, uma vez que a criança não consegue assimilar o estímulo, ela tenta fazer uma acomodação e após, uma assimilação e o equilíbrio é, então, alcançado.
  • 13. • Esquema:- um arquivo de dados na nossa cabeça. Os esquemas são análogos às fichas deste arquivo, ou seja, são as estruturas mentais ou cognitivas pelas quais os indivíduos intelectualmente organizam o meio. São estruturas que se modificam com o desenvolvimento mental e que tornam-se mais refinadas à medida em que a criança torna-se mais apta a generalizar os estímulos. - os esquemas cognitivos do adulto são derivados dos esquemas sensório-motores da criança e, os processos responsáveis por esses mudanças nas estruturas cognitivas são assimilação e acomodação.
  • 14. • Assimilação:• É o processo cognitivo de colocar (classificar) novos eventos em esquemas existentes. É a incorporação de elementos do meio externo (objeto, acontecimento, ...) a um esquema ou estrutura do sujeito. Em outras palavras, é o processo pelo qual o indivíduo cognitivamente capta o ambiente e o organiza possibilitando, assim, a ampliação de seus esquemas. Na assimilação o indivíduo usa as estruturas que já possui.
  • 15. • Acomodação:• É a modificação de um esquema ou de uma estrutura em função das particularidades do objeto a ser assimilado. A acomodação pode ser de duas formas, visto que se pode ter duas alternativas: Criar um novo esquema no qual se possa encaixar o novo estímulo, ou• Modificar um já existente de modo que o estímulo possa ser incluído nele.• Após ter havido a acomodação, a criança tenta novamente encaixar o estímulo no esquema e aí ocorre a assimilação. Por isso, a acomodação não é determinada pelo objeto e sim pela atividade do sujeito sobre este, para tentar assimilá-lo. O balanço entre assimilação e acomodação é chamado de adaptação.
  • 16. • Equilibração:É o processo da passagem de uma situação de menor equilíbrio para uma de maior equilíbrio. Uma fonte de desequilíbrio ocorre quando se espera que uma situação ocorra de determinada maneira, e esta não acontece.
  • 17. Inteligência• é o mecanismo de adaptação do organismo a uma situação nova e, como tal, implica a construção contínua de novas estruturas. Esta adaptação refere-se ao mundo exterior, como toda adaptação biológica. Desta forma, os indivíduos se desenvolvem intelectualmente a partir de exercícios e estímulos oferecidos pelo meio que os cercam. A inteligência humana pode ser exercitada, buscando um aperfeiçoamento de potencialidades, que evolui "desde o nível mais primitivo da existência, caracterizado por trocas bioquímicas até o nível das trocas simbólicas" (Ramozzi-Chiarottino apud Chiabai: 1990: 3).
  • 18. • Não existe estrutura sem gênese, nem gênese sem estrutura” (Piaget).• A estrutura de maturação do indivíduo sofre um processo genético e a gênese depende de uma estrutura de maturação.• o indivíduo só recebe um determinado conhecimento se estiver preparado para recebê-lo.• dois pólos da atividade inteligente: assimilação e acomodação. É assimilação na medida em que incorpora a seus quadros todo o dado da experiência ou ëstruturação por incorporação da realidade exterior a formas devidas à atividade do sujeito (Piaget, 1982). É acomodação na medida em que a estrutura se modifica em função do meio, de suas variações. A adaptação intelectual constitui-se então em um "equilíbrio progressivo entre um mecanismo assimilador e uma acomodação complementar" (Piaget, 1982).
  • 19. Epistemologia Genética• O desenvolvimento do indivíduo inicia-se no período intra-uterino e vai até aos 15 ou 16 anos. Piaget diz que a embriologia humana evolui também após o nascimento, criando estruturas cada vez mais complexas. A construção da inteligência dá-se portanto em etapas sucessivas, com complexidades crescentes, encadeadas umas às outras. A isto Piaget chamou de “construtivismo sequencial”.• A seguir os períodos em que se dá este desenvolvimento motor, verbal e mental.
  • 20. Período Sensório-Motor - do nascimento aos 2 anos,aproximadamente. A ausência da função semiótica é a principalcaracterística deste período. A inteligência trabalha • .através das percepções (simbólico) e das ações(motor) através dos deslocamentos do próprio corpo.É uma inteligência iminentemente prática. Sualinguagem vai da ecolalia (repetição de sílabas) àpalavra-frase ("água" para dizer que quer beber água)já que não representa mentalmente o objeto e asações. Sua conduta social, neste período, é deisolamento e indiferenciação (o mundo é ele).
  • 21. dos 2 anos aos 4 anossurge a função semiótica que permite o surgimento da linguagem,do desenho, da imitação, da dramatização, etc.. Podendo criarimagens mentais na ausência do objeto ou da ação é o período dafantasia, do faz de conta, do jogo simbólico. Com a capacidade de • .formar imagens mentais pode transformar o objeto numa satisfaçãode seu prazer (uma caixa de fósforo em carrinho, por exemplo). Oindivíduo “dá alma” (animismo) aos objetos ("o carro do papai foidormir na garagem"). A linguagem está a nível de monólogocoletivo, ou seja, todos falam ao mesmo tempo sem que respondamas argumentações dos outros. Sua socialização é vivida de formaisolada, mas dentro do coletivo. Não há liderança e os pares sãoconstantemente trocados.
  • 22. 4 anos aos 7 anos, aproximadamente. Já existe um desejo de explicação dos fenômenos. É a “idade dos porquês”, pois o indíviduo pergunta o tempo todo. Distingue a fantasia do real, podendo dramatizar a• fantasia sem que acredite nela. Seu pensamento continua . centrado no seu próprio ponto de vista. Já é capaz de organizar coleções e conjuntos sem no entanto incluir conjuntos menores em conjuntos maiores (rosas no conjunto de flores, por exemplo). Quanto à linguagem não mantém uma conversação longa mas já é capaz de adaptar sua resposta às palavras do companheiro. Os Períodos Simbólico e Intuitivo são também comumente apresentados como Período Pré-Operatório.
  • 23. Período Operatório Concreto - dos 7 anos aos 11 anos,aproximadamente. É o período em que o indivíduo consolida as conservações denúmero, substância, volume e peso. Já é capaz de ordenarelementos por seu tamanho (grandeza), incluindo conjuntos, • .organizando então o mundo de forma lógica ou operatória. Suaorganização social é a de bando, podendo participar de gruposmaiores, chefiando e admitindo a chefia. Já podem compreenderregras, sendo fiéis a ela, e estabelecer compromissos. Aconversação torna-se possível (já é uma linguagem socializada),sem que no entanto possam discutrir diferentes pontos de vistapara que cheguem a uma conclusão comum.
  • 24. dos 11 anos em diante. É o ápice do desenvolvimento da inteligência ecorresponde ao nível de pensamento hipotético-dedutivoou lógico-matemático. É quando o indivíduo está apto para • .calcular uma probabilidade, libertando-se do concreto emproveito de interesses orientados para o futuro. É,finalmente, a “abertura para todos os possíveis”. A partirdesta estrutura de pensamento é possível a dialética, quepermite que a linguagem se dê a nível de discussão para sechegar a uma conclusão. Sua organização grupal podeestabelecer relações de cooperação e reciprocidade.

×