COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro

on

  • 7,859 views

Como o Cérebro Aprende de Sousa A. David, 2ª ed.

Como o Cérebro Aprende de Sousa A. David, 2ª ed.
Adaptado para apresentação na disciplina de Colóquios II, PPGECIM/ULBRA-2012.

Statistics

Views

Total Views
7,859
Views on SlideShare
7,843
Embed Views
16

Actions

Likes
5
Downloads
406
Comments
0

1 Embed 16

http://www.profmarcos.com.br 16

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro Presentation Transcript

  • ULBRA/PPGECIMCOLOQUIOS DE PESQUISA II 2012/2 Prof. Dr. Arno Bayer Aluno Marcos ReisCoord. Prof. Dr. Renato dos Santos BancaDr. Jutta Cornelia Reuwsaat Justo Dr. Paulo Tadeu Dr. Tania Renata Prochnow
  • INTRODUÇÃO• Educadores com seus “fundamentos cognitivos” elaboram seus “planos deensino” segundo “técnicas pedagógicas” a partir de informações depesquisadores/educadores que tentam entender e explicar o cérebro observandoo comportamento externo do indivíduo...• Os anos noventa é a década do cérebro, foi fundamental para o grandedesenvolvimento de tecnologias, produções científicas e investimentos.• “O conhecimento não só se transmite do mestre ao estudante, mas é transformadona mente do estudante graças à mediação entre cultura e sociedade.”• “A sala de aula é um laboratório onde se encontram e interagem os processos deensino e aprendizagem.”• “À medida que descobrimos mais sobre como aprende o cérebro, podemos elaborarestratégias que sejam mais eficiente, efetiva e divertida para o processo de instrução eaprendizagem.”
  • INSTRUMENTOS DE MEDIDAS• Tomografias por Emissão de Pósitrons (TEP), que detecta os açucares(isótopos radioativos) injetados nos pacientes para rastrear o fluxo sanguíneos nocérebro – indicador de atividade cerebral;• Imagens de Ressonância Magnética (IRM), que são geradas usando ondas deradio para alterar o alinhamento dos átomos do corpo em um campo magnético;• Imagens de Ressonância Magnéticas Funcional (IRMf), revela a atividadecerebral medindo o fluxo sanguineo – produzem multiplas imagens por segundo;• Magnetoencefalografia (MEG), produz até 4000 medidas magnéticas do cérebropor segundo;• Substâncias Químicas Neurotransmissoras.
  • ALGUMAS IDÉIAS INICIAIS - I•“Os mestres esperam que seus estudantes recordem de forma permanente o que seensina [...] é interessante saber que as duas estruturas do cérebro que se encarregamda memória a longo prazo estão localizadas no sistema emocional.”•“Acredita-se que a quantidade de possíveis conexões de sinapse no cérebro humanoseja aproximadamente 1.000.000.000.000.000 (um quatrilhão) [...] permite processaros dados que entram continuamente através dos sentidos; armazenar décadas derecordações, rostos e lugares.”•“Descobertas recentes comprovaram que os neurônios se regeneram por quase todocérebro, menos no hipocampo.”•“As células do cérebro consomem (combustível) oxigênio e glicose...• “O limite para adquirir a capacidade de falar se inicia pouco tempo depoisdo nascimento e se encerra nos dez ou onze anos. Depois dessa idade aaprendizagem de qualquer língua se torna muito mais difícil.” (DIAMOND E HOPSON,1998 apud SOUSA, 2002, p. 24)
  • ALGUMAS IDÉIAS INICIAIS - II• “[...] As tendências genéticas para inteligência, a sociabilidade, aesquizofrenia e a agressão podem ser acelerada ou moderada pelas respostasdos pais e outras influencias do meio.” (REISS, NEIDERHEISER, HETHERINGTON E PLOMIN, 2000apud SOUSA, 2002, p. 26)• (antigamente) Como havia poucas distrações alternativas, a escola era únicainfluencia importante na vida das crianças.• (no ambiente hoje) As crianças se acostumaram a trocas sensoriais e emocionaisrápidas, respondem participando em todo tipo de atividade de curta duração em suacasa e em shopins.• Adolescentes tem dificuldade de se concentrar em períodos longos e se distraem eaborrecem facilmente. Não encontram novidades e/ou relevância no que estãoaprendendo.• Agora (séc. XXI) que temos conhecimento científico sobre o cérebro, devemosreconsiderar como proceder nas escolas e em sala de aula.
  • ALGUMAS IDÉIAS INICIAIS - III• O cérebro é um órgão vivo composto por átomos e moléculas que esta no interiordo crânio. Já a mente é muito mais que isso, transcende a cabeça e funciona em todocorpo.• Quase todos anos substituímos todos os átomos do cérebro – porém apersonalidade, suas recordações, esperanças e sonhos permanecem intactos esobrevivem a esta renovação completa do corpo físico.• Entre as qualidades da mente esta sua habilidade de estar consciente de simesma (consciência), de entender seu lugar no planeta, o tempo e de usar alinguagem para criar representações abstratas.• “O funcionamento e aprendizagem do cérebro não pode ignorar o conhecimentode que a mente pode fazer muito mais do que alguém possa explicar.” (DAMÁSIO, 1999 apudSOUSA, 2002, p. 29)
  • MODELO DO PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÃO1. Informação do meio ambiente (Tálamo - Sistema Límbico e Sistema de Ativação Reticular (Registro sensório));2. Sentidos são recusados ou aceitos para processar em maior profundidade – segundo experiências anteriores;3. Memória imediata elimina ou aceita a informação – segundo experiências anteriores;4. Memória operativa elimina ou da sentido e significado as informações (Amígdala);5. Memória de longo prazo, segundo sistema cognitivo de valores (Hipocampo);6. Concepção de si mesmo como ser;7. Memória de longo prazo compõem as experiências anteriores.
  • A MEMÓRIA• Grande parte das evidencias recentes sobre a memória considera um modelo deprocessamento paralelo. Ou seja, muitas informações são processadas rápida esimultaneamente, percorrendo rotas diferentes para entrar e sair do sistema.As recordações são dinâmicas e dispersas, o cérebro tem a capacidade de trocar suaspropriedades como resultados de sua experiência.• A emoção é uma força poderosa e incompreendida que afeta a aprendizagem e amemória. [...] antes que os estudantes dediquem atenção a aprendizagem cognitivadevem sentir-se fisicamente e emocionalmente seguros.• A emoção é resultado da nossa percepção dos nossos sentidos associados asnossas experiências passadas com importância maior que a nossaracionalidade.• “A memória operativa pode manejar somente alguns poucos elementos aomesmo tempo [...] para aumentar estas memória devemos realizar testes dememorização [...] aumentar o numero de elementos mediante agrupamentode informações.” (MILLER, 1956 apud SOUSA, 2002, p. 45)
  • FATORES QUE DETERMINAM A MEMÓRIA• É mais provável que a informação será armazenada se tiver sentido ousignificado;• Para a pessoa que aprende possa recordar estas informações no futuro, primeirodeve armazenar;• A informação que tem um valor para sobrevivência é armazenada deimediato;• As experiências emocionais também podem ser armazenadas permanentemente.• Isto tem sentido? O que a pessoa que aprende conhece? A sua visão dofuncionamento do mundo! (facilmente compreendido)• Isto tem significado? Esta informação é relevante para a pessoa que aprende?Com que fim devo lembrar desta informação? As suas experiências de vida!(experiências passadas)• “[...] a maior perda de informação ocorre entre as 18 e 24 horas seguintes aaquisição da mesma, uma pausa de 24 horas é tempo razoável para determinar se ainformação foi transferida para a memória de longo prazo.
  • MEMÓRIA – ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES• A memória de longo prazo se refere ao processo de armazenar e resgatar asinformações – armazenamento a longo prazo se refere ao local no cérebro onde ainformação é armazenada.• Este processo de construção e armazenamento de informações é controlado pelosistema cognitivo de valores – que é o modo como vemos o mundo.• O conceito de si mesmo esta intimamente ligado as emoções – positivas ounegativas (auto-estima).• Estas experiências produzem reações emocionais fortes (amígdala cerebral).
  • MEMÓRIA A LONGO PRAZO – “CONSTRUÇÃO” - I• Foi descoberto vários processos que ocorrem simultaneamente no cérebro;• Estes processos interagem e juntos pode-se afirmar algumas hipóteses, ex.: 1. Os sentidos provocam impulsos que viajam pelo axônio e sinapse liberando substâncias químicas neurotransmissoras; 2. Quando a mensagem entra nos neurônios, ocorre uma série de reações eletroquímicas que causa uma reação no segundo neurônio gerando um sinal – o “disparo”; 3. Este faz com que outros pontos de conexão (receptores) também “disparem”; 4. Esta seqüência forma um padrão de conexão neuronais que “disparam” ao mesmo tempo; 5. Esta duração é muito breve e as informações se perdem; Se o segundo neurônio não receber estimulo ficara em alerta durante horas ou dias;
  • MEMÓRIA A LONGO PRAZO – “CONSTRUÇÃO” - II6. Formou-se uma percepção ao estímulo externo, que passa rapidamente, pois somos bombardeado por milhares de eventos semelhantes todo dia;7. Se este padrão volta a se repetir durante o período de espera (alerta) – condicionado por ensaios e exercícios – aumenta a tendência que o grupo associado de neurônios se disparem ao mesmo tempo;8. Quanto mais disparam mais sensíveis tornam-se – este processo é chamado de potencialização a longo prazo;9. Finalmente os disparos sucessivos potencializam formando um “caminho” de memória e estes processos individuais associam-se aos demais já existentes entre os neurônios – formando uma rede;10. Portanto quando um neurônio dispara “toda rede se fortalece”;
  • MEMÓRIA A LONGO PRAZO – “CONSTRUÇÃO” - III  Quanto mais conexões se faz - maior o entendimento e mais significado terá - ajudando o estudante com a aprendizagem, assim será mais provável que torne-se de longo prazo (seria o “aluno inteligente?”)Obs.: Já existe em testes drogas que aumenta a capacidade dos neurônios seconectarem e manterem estas conexôes ativas, formando redes muito rápidas eeficazes. (Helicon Therapeutics e Cortex Pharmaceuticals) Fonte: http://youtu.be/KdFSdOrBRiM
  • SINAPSE• A sinapse, atuando em circuitos neuronais envolvidos na cognição, emoções e nosníveis hormonais (stress) amplifica memórias associadas com o estado (social).Mudanças na força das ligações sinápticas excitatórias no hipocampo, amígdala emesencéfalo (de roedores) representam um substrato celular de experiência orientadasobre comportamento (social observado).• Dendritos são filtros que transformam e calculam o “começo” das entradassinápticas – podem implementar operações aritméticas básicas (sinapse individual emum neurônio do hipocampo). Regula a quantidade de entrada que cada “ramo” recebe(regula as informações – previsto em 1964 – neurotransmissores de sinapseindividual).• Dendritos em uma dimensão espacial com sinapse ativada (por toda “árvore)utilizam as mesmas regras de integração, a mesma lógica? Regiões distintasamplificam entradas sinápticas em seqüência temporais com “integração multiplas”.• O sistema nervoso de “Caenorhabditis elegans” é minúscula, possuiaproximadamente 300 neurônios;
  • ETAPAS E TIPOS DE MEMÓRIA• TEMPORÁRIA: Imediata e Operativa;• LONGO PRAZO:  Memória não declarativa (implícita):  Processual: Como fazer algo – reflexo, retorno automático – ler, resolver problemas.  Capacidade motora: habilidades motoras do cotidiano – inconsciente.  Emocional: instantânea e essencial – registra experiências emocional significativas.  Memória declarativa: consciente e explicita – nomes, dados, musicas e objetos (hipocampo).  Semântica: palavras, ações, rostos – as vezes isolados.  Episódica: auto-biográfica - eventos da vida pessoal.“Podemos aprender algo por um minuto e logo esquecermos para sempre...”“As pessoas muitas vezes oportunizam a aprendizagem que teveram sucesso eevitam aqueles que produziram um fracasso.” (SOUSA, 2002, p. 55)
  • APRENDIZAGEM E MEMORIZAÇÃO (aprender ≠ memorizar)Aprendizagem: Envolve o cérebro em processos neuronais e desenvolvimento de redes proporcionando aaquisição de informações e habilidades – nem sempre envolve memorização a longo prazo.Memorização: Exige atenção consciente, deve construir “fronteiras” conceituais que tenham sentido esignificado para que a informação forme uma rede de memória de longo prazo. RETENÇÃO DURANTE O PERIUDO DE APRENDIZAGEM (SOUSA, 2002, p. 91)
  • ATIVIDADE CEREBRAL E HABILIDADE MOTORA• A habilidade não é armazenada enquanto esta praticando e o cérebro demoraaproximadamente 6 horas para armazenar ou descartar a aprendizagem;• A prática correta (exata) leva a perfeição – o cérebro designa maior quantidade deneurônios para gerenciar as habilidades motoras ensaiadas (treinadas). (SCHLAUG, JANCKE,HUANG E STEINMETZ, 1995 apud SOUSA, 2002, p. 98) A IMPORTANCIA DE DORMIR PARA A APRENDIZAGEM E A MEMÓRIA• A informação é codificada noscentros de memória de longoprazo durante o sono.• Somente durante a etapa demovimento ocular (MOR) ocorreo processo de armazenamento.• MOR e NMOR – REM e NREM – PARADOXAL(eletroencefalograma (EEG))
  • A INTELIGÊNCIA MULTIPLA E A CAPACIDADE DE RECORDAR• A inteligência é uma combinação de habilidades e capacidades variadas.• Inteligência é a capacidade que o individuo tem para usar uma habilidade aprendida,criar produtos e resolver problemas... (GARDNER, 1983 apud SOUSA, 2002, p. 106)• OITO INTELIGÊNCIAS: musical, lógico matemática, espacial, corporal sinestésica, lingüística, interpessoal, intrapessoal e naturalista.• “[...] Podemos aceitar que o melhor ensino e a melhor aprendizagem ocorrequando usamos a maior variedade de métodos possíveis para facilitar aaprendizagem dos estudantes.” (KAGAN E KAGAN, 1998 apud SOUSA, 2002, p. 107)• Inteligência é a velocidade de aprendizagem. Significa a quantidade de unidadede tempo necessário para adquirir uma informação ou habilidade a um nível que podeser utilizado para resolver problemas corretamente (eficiência neuronal -agrupamento).•Recordação: “É o processo que se envia sinais ou indicações a memória delongo prazo, para buscar ou recuperar informações [...] codificar e enviar paramemória operativa.” (SCHACTER, 1996 apud SOUSA, 2002, p. 108) o Sinal insuficiente; o O contexto; o Estado de ânimo; o O sistema de armazenamento.
  • EFEITO DAS EXPERIENCIAS ANTERIORES• As experiências vividas afetam a capacidade de agrupamentos;• Agrupamentos associados as experiências passadas ajudam a memória operativa aprocessar e recordar os elementos;• O agrupamento é um método muito eficiente para aumentar a capacidade damemória operativa – forma outras conexões neuronais;• Não existem limites da quantidade de elementos que podem ser combinados emgrupos – depende da relação com experiências passadas (mais importantes e significativas);• Recordações mais antigas podem ser modificadas e distorcidas por novas aquisiçãode informações, a memória pode “fabricar informação” que falta;• Nenhum individuo armazena 100% das experiências;
  • A TRANSFERÊNCIA -IPrograma de Ensino:  É uma expectativa e uma parte que integra o processo de aprendizagem;  Os mestres vão intuitivamente em busca das experiências anteriores dos estudantes para fazer a aprendizagem mais compreensível e pertinente;  A longo prazo espera-se que os estudantes transfiram os conhecimentos e habilidades aprendidas na escola a suas rotinas diárias, trabalhos e atividades extracurriculares.• Quanto mais conexões podem fazer osestudantes entre o que aprenderamanteriormente e os novos conhecimentos,mais capazes serão de captar o sentido e osignificado.• A transferência é provocada com maiorfreqüência pelo ambiente que de modoconsciente pelo aluno – os mestres sãoquem provoca a transferência nosestudantes.
  • A TRANSFERÊNCIA - II• O desenvolvimento de arquivos na memória de longo prazo é uma habilidadeaprendida que pode envolver uma série de conexões muito fraca até uma série deredes bem organizadas.• A transferência é produzida por semelhança entre a situação a qual algo seaprende e a situação ao qual esta aprendizagem poderia transferir.• O comportamento transferido em um ambiente é recuperado em ambientesemelhante (simuladores).• Quando recuperamos uma informaçãomuito específica temos dificuldade edemoramos a encontrá-la. As diferenças éque vão trazê-las a memória operativa.• Quanto mais conexões puderem fazer osestudantes entre o que aprenderamanteriormente e os novos conhecimentos,mais capazes serão de captar o sentido e osignificado.
  • A TRANSFERÊNCIA - III• “Quanto mais aprendemos, mais podemos aprender.” (Sousa, 2002, p. 148)• A transferência é provocada com maior freqüência pelo ambiente que de modoconsciente pelo aluno – os mestres são quem provoca a transferência nos estudantes.• O desenvolvimento de arquivos na memória de longo prazo é uma habilidadeaprendida que pode envolver uma série de conexões muito fraca até uma série deredes bem organizadas.• A transferência é produzida por semelhança entre a situação a qual algo seaprende e a situação ao qual esta aprendizagem poderia transferir.
  • A TRANSFERÊNCIA - IV• Os atributos essenciais das características que fazem que uma idéia seja diferente detodas as outras são os indicadores de diferença que os estudantes usam como partedo processo de armazenamento.• Cada vez que uma ação esta associado a sensações se “conectam”– estãoassociados, unidos – de modo que a recordação de um traz espontaneamente o outro.• “Una transferencia significativa y eficiente se produce solamente siensenãmos a lograrla.” (Sousa, 2002, p. 149)
  • OS EMISFÉRIOS - I• Na década de 50 (séc. XX) foi implementado a técnica de cortar o corpo calosocomo tratamento a ataques de epilepsia... Parece que nenhum dos hemisfério sabe queo outro faz ou atua. “[...] segundo Sperry, "cada um com memória própria,disputando o controle’.” (GAZZANIGA, 1967 apud SOUSA, 2002, p. 171)• A demonstração de que o cérebro esquerdo (hemisfério lógico) e direito (hemisfériointuitivo) tem funções distintas proporcionou o Nobel de medicina em 1981 paraSperry.• O hemisfério esquerdo contém mais matéria cinza (neurônios) enquanto que odireito contém mais branca (astrócitos).• A maior densidade do hemisférioesquerdo pode “processar” melhor umatarefa intensa e detalhada.•O Hemisfério direito possuineurônios com axônio mais longo comconexões mais amplas (distantes).
  • OS EMISFÉRIOS - II• As pesquisar modernas confirmam que cadahemisfério tem seu grupo de atividades.• O corpo caloso faz a comunicação doshemisférios que trabalham juntos,simultaneamente.• Existe harmonia entre os hemisférios e secomplementam em quase todas atividades.• Na maioria das pessoas um hemisfério podeser mais ativo que outro – somente varia ograu de atividade.• “A maioria das pessoas tem umhemisfério dominante. Estepredominância afeta a personalidade,habilidades e estilo de aprendizagem doindivíduo.” (SOUSA, 2002, p. 174)
  • OS EMISFÉRIOS - III• A inteligência e a habilidade de aprender tem que ser construída edesenvolvida,...• Em testes (com PET e fMRI) confirmaram que homens e mulheres utilizamdiferentes áreas do cérebro para desempenhar tarefas semelhantes.• De modo insignificante esta comprovado que em média os homens tem mais matériacinza (neurônios) no hemisfério esquerdo que as mulheres.• “Os cérebros de meninos e meninas são organizado de maneira muitodiferente desde cedo e durante os anos de formação, o que resulta emdiferentes estilos de aprendizagem.” (SOUZA, 2002, p. 178)
  • AS ESCOLAS E A PREDOMINÂNCIA HEMISFÉRICA - I• Sousa afirma que as escolas (principalmente secundária) estão estruturadas paraestimular o hemisfério esquerdo pois:  Estão estruturados em função de horários;  Preferindo os fatos e as normas e padrões de instrução;  Fornecendo predominantemente instrução verbal;• (alunos com predominância do hemisfério direito) “[...] não sente-se confortável -tendo como dominante o hemisfério direito - parecendo então, o ambienteescolar hostil [...]” (SOUSA, 2002, p. 180)
  • AS ESCOLAS E A PREDOMINÂNCIA HEMISFÉRICA - II• Estudos recentes comprovam que homens e mulheres utilizam o cérebro de mododiferente para resolver o mesmo problema.• Porém quando investigado sobre o desenvolvimento de matemática superiores, asdiferenças tornam-se insignificantes.• Ou seja, o comportamento genético inato é menos importante do que seimaginava. (DEHAENE, SPELKE, PINEL, STANESCU y TSIVKIN, 1999 apud SOUSA, 2002)• As “forças” sociais e culturais tem influência predominante .• Assim, ambos os sexos tem capacidade semelhante para triunfar nas ciências(na matemática).• O ensino com o computador não teve histórico cultural que distinguissem homensde mulheres; e este fato na educação colocou os homens em igualdade com asmulheres; os exames nacionais (EUA) mostram que a diferença entre sexo (média denotas) esta em torno de 1%. (National Center for Education Statistics, Digest of Education, 1997, 1998)
  • HABILIDADES A FALA• “A capacidade do cérebro paradesenvolver a linguagem faladacom incrível rapidez e precisão éo resultado de programaçãogenética. Uma ou mais regiõescerebrais especializadas estãoenvolvidos neste tarefa.• Mas não há regiões cerebraisespecializadas em ler. De fato, aleitura é, provavelmente, a tarefamais difícil que exigimos docérebro. A leitura é umfenômeno relativamente novo nodesenvolvimento dahumanidade.” (SOUSA, 2002, p. 187)
  • AS ARTES• “A música: parece que certas estruturas do córtex auditivo responder apenas aostons musicais.• A dança: uma parte do cérebro e da maior parte do cerebelo são dedicados a iniciare a coordenação de todas as Movimentos desde uma corrida velóz à oscilação dosbraços.• O teatro: certas áreas especializadas do cérebro estão concentrados nas aquisição dalinguagem falada e recurso ao sistema límbico para fornecer o componente emocional.• Artes visuais: o sistema de processamento óptico interno pode se lembrar de coisastão facilmente quanto criar fantasias reais.” (SOUSA, 2002, p. 220)• “A aprendizagem de artes melhora a qualidade da experiência humana aolongo da vida de uma pessoa.” (SOUSA, 2002, p. 221)
  • AS ARTES O Ensino das Artes Estimula o desenvolvimento cognitivo• A percepção dos vínculos;• A atenção das nuances;• A perspectiva de que os problemas podem ter multiplas soluções e asperguntas podem ter muitas respostas;• A capacidade de trocar de objetivo durante o processo;• Permite tomar decisões quando não existe regras;• Utilizar a imaginação como fonte de conhecimento;• Aceitar trabalhar com limitações;• A capacidade de ver o mundo do ponto de vista estético.• ([...] declara De Masi que o principal valor que sustenta seu trabalho é a estética. A estética - afirma - é a disciplina que dá sentido às coisas [...]Hoje temos objetos tecnologicamente perfeitos e, portanto, à perfeição tecnológica queremos somar a excelência estética, o belo.)
  • AS ARTES - MUSICA• As pesquisas comprovam, a muito, que a musica afeta a pressão sanguínea, o pulso e aatividade elétrica muscular.• Recentemente evidenciou-se que a música pode ajudar a gerar e fortalecer conexõesdas células cerebrais do córtex.• Em 1993 foi apresentado na televisão que 84estudantes universitários após ouvirem uma “sonatapara dois pianos” tiveram a percepção espaçotemporal melhorada (temporariamente) – acapacidade de formar imagens mentais de objetosfísicos ou de visualizar padrões de tempo e espaço.• “[...] o que levou Shaw a sugerir que existe umabase neurológica do "efeito Mozart".” (MUFTULER,BODNER, SHAW y NALCIOGLU, 1999 apud SOUSA, 2002, p. 230)
  • AS ARTES VISUAIS• O hemisfério esquerdo especializa-se em decodificar a informação verbal e o direito acodificação visual.• O processo de formação de imagens é a visualização mental de objetos, eventos eoutros elementos relacionados a nova aprendizagem, representando uma maneiraimportante de armazenar informações no cérebro.• A explicação fisiológica do cérebro desenvolver a função da imaginação e meditaçãoainda é um mistério.• Uma imagem mental é uma representação gráfica de algo físico ou de umaexperiência.• Algumas pessoas tem mais habilidades para formar imagens mentais complexasque outras – a busca destas imagens é resultado da “integração hemisférica” que podeser desenvolvida e melhorado o poder de retenção.• Obs.: Imagens ativam o córtex visual, como se os olhos estivessem processando a realidade.(KOSSLYN y otros, 1999 apud SOUSA, 2002, p. 234)
  • AS ARTES VISUAIS• “A criação de esquemas mentais é uma forma especial de formar asimagens – originou-se quando os hemisférios cerebrais tornaram-se conhecidos nadécada de 1970. Esta linguagem combina imagens com processos para mostrar arelação entre os conceitos e como ele liga com uma idéia-chave.” (BUZAN, 1989 y HYERLE,1996 apud SOUSA, 2002, p. 235)• Buzan e a técnica “MindMap” – mapas mentais; Hyerle – livro refere-se ao pensamento visual,organizadores gráficos e mapas conceituais.
  • O MOVIMENTO E O CÉREBRO• “Estudos têm mostrado que sinais cerebrais viajam para várias áreas do cérebro,estimulando a atenção, percepção, memória espacial e funções cognitivas do lobofrontal (as mesmas áreas que são ativadas durante o aprendizado).” (MIDDLETON ySTRICK, 1998 apud SOUSA, 2002, p. 236) MOVIMENTO INFLUENCIA AS FUNÇÕES COGNITIVAS (PATTERSON, 1997 apud SOUSA, 2002, p. 238)• O exercício físico aumenta o nível de oxigênio do cérebro (combustível); Envolvemmais estímulos sensórias, que provavelmente mantenham atenção dos estudantes por umperíodo mais longo de tempo.• Estimulam outras capacidades mentais, como habilidades musicais ou visuais,melhorando a percepção sensorial – desenvolvendo experiências anteriores queoportunizam conexões.• Estimulam o hemisfério direito e ajudam os estudantes a perceber os conceitos em suatotalidade.
  • O CÉREBRO PENSANTE - I• “É mais fácil de descrever do que definir pensamento.” (SOUSA, 2000, p. 252)• Ao pensamento incluímos: desenvolver conceitos; usar palavras; resolverproblemas, abstrair, intuir e prever.• Quanto a aprendizagem incluímos: a memória; a criatividade; a comunicação; alógica e a generalização.• Quando e como usamos este conhecimento definirá o sucesso ou fracasso da nossainteração com o mundo.• Diferentes níveis de pensamento exigem diferentes comportamentos do cérebro:  Perguntas simples são encontradas em uma lista de informações;  Perguntas compostas exigem comparações de respostas simples, classificação de diferenças;  Perguntas complexas exige recuperação e processamento de grande quantidade de informação - necessita a elaboração de uma opinião (produzir conhecimento).
  • O CÉREBRO PENSANTE - II• Nos problemas complexos são identificado grande atividades no córtex frontal.• O cérebro tem desenvolvido diferentes mecanismos para abordar diferentes situações,tais como:  A racionalidade;  A identificação de modelos e padrões;  A elaboração de imagens e aproximações;• Estas são as formas como o pensamento permite ao individuo trabalhar com conceitos,problemas ou decisões.• As representações estão associadas a inúmeras informações em um sistema de arquivosordenados e armazenados a longo prazo – associação e padrões do pensamentohumano. Ex. “férias”, “praia”, “décimo terceiro salário”, etc. (RESTAK, 1988 apud SOUSA, 2002, p. 253)• “Se nós gostamos do que estamos aprendendo, é mais provável que ficamosinteressados e apelamos as nossas faculdades intelectuais superiores.” (SOUSA, 2002, p.253)• As emoções são controladas pela amígdala sobrepondo-se a faculdade intelectualsuperior , permitindo-a existir ou não.
  • O CÉREBRO E A RAZÃO• Quais as habilidades necessárias para o cérebro trabalhar com pensamentossimples ou complexos?• Ensinar a pensar!• “[...] Há cada vez mais evidências de que o cérebro humano ao nascer tem todosos componentes e organização neural e sensorial necessária para sobreviver comsucesso em seu ambiente.” (SOUSA, 2002, p. 254)• O cérebro humano consegue distinguir um rosto em milhares, em uma multidão;aprender línguas; apresentar um resultado analisando inúmeros dados rapidamente;diante de eventos importantes a sobrevivência tomar atitudes racionais, corretas.• “Todas as evidências sugerem que no cérebro humano é desenvolvida a razão(raciocínio).” (ibid)• O cérebro tem capacidade de raciocinar em níveis superiores - ao aluno faltadesenvolver a habilidade de utilizar estas capacidades.
  • ENSINAR A PENSAR?• É impossível ensinar o cérebro de alguém a pensar, podemos ajudá-lo a organizaras informações para facilitar um processamento mais complexo.• Os cursos superiores exigem a “aquisição da informação” (avaliação por repetição ememorização) ao invés do raciocínio mediante análise e síntese.• A repetição de uma resposta correta é mais importante que o processo que foidesenvolvido para se chegar a resposta – nota-se o Construcionismo de Papert!?• “[...] estão ensinando como organizar as informações de modo a facilitar epromover o pensamento de ordem superior.” (SOUSA, 2002, p. 255)• Os educadores que trabalham no processo ensino-aprendizagem consideram que seusalunos tem um recipiente a preencher – ensinam como pensar.• “[...] aceitar que estamos desenvolvendo habilidades para facilitar o raciocínio -coloca o professor em sua posição correta que é a de orientar os alunos a utilizarmais eficazmente as suas habilidades inatas e processos mentais.” (ibid)
  • DIMENSÕES DO PENSAMENTO• O desenvolvimento de um modelo é eficaz quando, dentro de uma probabilidade,consegue alcançar o objetivo desejado – “predizer um comportamento”.• O modelo que descreve as dimensões do pensamento, comumente utilizadas:  Considera os processos básicos: observar; encontrar padrões e generalizar; chegar a conclusões baseado em padrões; avaliar conclusões baseado em observações.  As conclusões devem basear-se nas evidencias;  os padrões nos ajudam a hipotetizar, inferir e predizer.  Conhecimento especifico dentro de um determinado campo;  Metacognição (conhecimento de seus próprios processos mentais);  Dimensão efetiva (emoção, descobrimento de suas capacidades e seus pensamentos na capacidade de resolver problemas, por si próprio).• “Em minha opinião, um modelo cognitivo conhecido há várias décadas podemrepresentar a nossa melhor ferramenta para melhorar o nível de capacidadeintelectual dos nossos alunos.•Um dos modelos mais duráveis ​e úteis foi criado por Benjamin Bloom em 1950.”(SOUSA, 2002, p. 257)
  • TAXONOMÍA DE BLOOM• Nesta segunda edição o autor justifica - por não existir mudanças significativas - o fatoque o ensino (EUA) é baseado em avaliação dos resultados dos exames nacionais, onde aresponsabilidade é da escola e do mestre. Não existindo progresso no programaeducacional quanto as habilidades mentais – o mesmo sente-se confortável em mantersuas informações e opiniões.• Originalmente a Taxonomia dos objetivos Educacionais – Taxonomia de Bloom –contemplava somente o domínio cognitivo em seis níveis do raciocínio (amplamenteadotada).• Hoje mais ampla contempla o aspecto cognitivo (aprendizagem intelectual); o afetivo(sensibilização e gradação de valores); e psicomotor (execução de tarefas que envolvemos “movimentos”)• A lista esta organizada do mais simples (ter informação) ao mais complexo (julgamento,opinião, sobre o valor e importância das idéias). (BLOOM, 1976 apud SOUSA, 2002, p. 258)
  • TAXONOMÍA DE BLOOM
  • REFERENCIAS• FERRAZ, Ana P. C. M. BELHOT, Renato Vairo. Taxonomia de Bloom: revisãoteórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivosinstrucionais. Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010. Disponível emhttp://www.scielo.br/pdf/gp/v17n2/a15v17n2.pdf, acessado em outubro de 2012.• SOUSA, David A. Cómo Aprende el Cerebro: una guia para el maestro en laclase. California. Ed. Thousand Oaks: Corwin Press, 2ª Ed., 2002.• Understanding the Human Brain. SCIENCE. 4 november 2011, Vol. 334.Disponível emhttp://www.sciencemag.org/content/334/6056/567.summary?sid=469fcfed-05a6-4908-88c8-8344a6a34916, acessado em outubro de 2012.• Usando a Taxonomia de Bloom para planejar uma aula. Taxonomia de Bloom: umnovo olhar sobre uma velha corrente. Programa de Pós-Graduação em Neurociências.Disponível emhttp://www.ufrgs.br/ppgneuro/index.php?option=com_content&view=article&id=40&Itemid=41, Acessado outubro de 2012.
  • ANEXOS
  • ALGUMAS PARTES DO CÉREBRO - ILobo Frontal: se ocupa de planejar e pensar;Lobo Temporal: se encarrega de processar os sons e fala; (fig. 1)Lobo Occipital: se usa quase exclusivamente para processar imagens visual;Lobo Parietal: se ocupa principalmente da orientação, dos cálculos e certos tipos de pensamento racional;Córtex Motora: controla o movimento do corpo e em conjunto com o cérebro coordena a aprendizagem dehabilidades motora. (fig. 2)Tronco Cerebral: parte mais antiga e profunda do cérebro (cérebro réptil), controla e supervisiona as funçõesvitais do corpo – contém o sistema de ativação reticular (RAS) que é responsável por manter o cérebro emalerta.Sistema Límbico: estão duplicadas em cada hemisfério do cérebro (cérebro mamífero), controla as emoções epermita a interação com a razão. É importantíssimo para o processo de aprendizagem e da memória. O Tálamo: É centralizada toda informação sensória do cérebro (exceto o olfato) e posteriormente distribuída para outras partes para seu processamento. O Hipocampo: tem função importante para a aprendizagem e conservação de informações da memória ativa, através de sinais elétricos até a memória de longo prazo – demora dias ou meses. Constantemente revisa a informação transmitida a memória ativa e compara com as experiências armazenadas – processo fundamental para criação de significado. (fig. 3) A Amígdala: esta anexa ao hipocampo e cumpre função importante as emoções em especial ao temor – estímulos elétricos aplicado neste local causa ira, raiva (temor ou prazer em algumas vezes). Pesquisas (TEP) evidenciam que esta parte codifica uma mensagem emocional e se esta relacionado a uma recordação é armazenada na memória de longo prazo. O componente emocional é recuperado sempre que lembra de um evento. (Squire e Kandel, 1999) (fig. 5)Hemisférios Cerebrais: os nervos do lado esquerdo do corpo cruzam o hemisfério direito, e os do direitocruzam o hemisfério esquerdo. Os hemisférios estão conectados por um cabo grosso que contém 250 milhões defibras nervosas chamadas Corpo Caloso – é utilizado para comunicar-se entre os hemisférios e coordenaratividades.(fig. 4)
  • ALGUMAS PARTES DO CÉREBRO - IICórtex: camada (seis camadas) rica em células neuronais, composta de 10.000 milhas de fibras conectoras porpolegada cúbica – córtex tem a espessura de aproximadamente 3 cabelo humanos, e é onde ocorre a maioria dasatividades (raciocínio, memória, fala e movimento muscular são controlados por esta área).O Lobo Frontal: ou Córtex Frontal, é o controle efetivo do cérebro, supervisiona os níveis mais alto de raciocínio,resolução de problemas e controla os excessos do sistema emocional – controla nossas vontades e/ou nossapersonalidade – e a memória operativa. (Smith e Jonides, 1999)O Cérebro: é a área que coordena todos os movimentos, tem função importante na aprendizagem, realização ecoordenação das capacidades motoras – armazena a memória dos movimentos mecânicos. Coordena e harmonizanossos pensamentos, emoções, sentidos e recordações. (Leonard, 1999)Células Cerebrais: o cérebro esta composto por um trilhão de células de pelo menos dois tipos conhecido –células nervosas (neurônios) e células gliais (astrocitos). (fig. 6) Um décimo são neurônios (aproximadamente 100 bilhões). Os neurônios são o núcleo operacional do cérebro e de todo o sistema nervoso – possuem milhares de dezenas de ramificações (dendritos). Cada neurônio pode ter até 10.000 ramificações de dendritos. Dendritos: recebem impulsos elétricos de outros neurônios e os transmite através de uma fibra larga chamada axônio. Quanto mais complexo a habilidade requerida por uma ação, mais dendritos tem os neurônios – permitindo mais conexões, possibilitando mais aprendizagem. (fig. 7) Axônio: fibra larga que conecta os neurônios, revestida pelas barra de mielina. Barra de Mielina: capa que rodeia (protege, isola) os axônios aumentando a velocidade de transmissão do impulso (eletroquímico) – um neurônio podendo transmitir entre 250 a 2500 impulsos por segundo. Sinapse: é a separação entre um neurônio e outro onde ocorre a conexão (milionésimos de polegada). A aprendizagem ocorre quando faz-se a troca de uma sinapse, ocorrendo a influencia de um neurônio sobre outro. Substâncias Neurotransmissoras: encontrada quase 100 substâncias diferentes no cérebro. (fig. 8)O restante são células astrocitos que servem como filtro protegendo os neurônios de substâncias daninhas.(Maiken, 1999).