Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this document? Why not share!

Like this? Share it with your network

Share

Material oficinas inglês

  • 4,919 views
Uploaded on

Material utilizado no encontro PIP para os profressores de inglês do estado de MG.

Material utilizado no encontro PIP para os profressores de inglês do estado de MG.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • PRETTY COOL!!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
4,919
On Slideshare
4,919
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
94
Comments
1
Likes
3

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 1 SEE-MG - PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA DISCIPLINA INGLÊS – SETEMBRO DE 2010 Gêneros textuais: objetos de ensino no CBC de Minas Gerais. Abordagem comunicativa via gêneros textuais O que são gêneros textuais? Colocado de uma maneira bem simples, gêneros são as nossas ações pela linguagem. Agimos para ler uma notícia de jornal, um anúncio publicitário, um conjunto de instruções, uma bula, uma receita etc. Ouvimos um noticiário pela TV ou pelo rádio, uma música, um jingle de propaganda eleitoral etc. Trocamos de estação ou de canal se o assunto não nos interessa. Em nossas interações orais, conversamos, passamos um recado ou um conjunto de instruções, contamos uma piada, debatemos sobre um tema. Podemos, ainda, escrever um bilhete, uma carta, um e-mail, um cartão postal, um ensaio, um relatório, um depoimento, um artigo acadêmico etc. Assim, agimos, tanto na modalidade oral quanto na escrita, por meio de gêneros. Nas palavras de Bakhtin (1997, p. 169), “se não existissem os gêneros do discurso [gêneros textuais] e se não os dominássemos, se tivéssemos de criá- los pela primeira vez no processo da fala, se tivéssemos de construir cada um de nossos enunciados, a comunicação verbal seria quase que impossível.” Para reflexão e debate Faça cinco listas: (1) dos gêneros que você utiliza no seu dia a dia; (2) dos gêneros presentes em seu livro didático (LD); (3) dos gêneros que podem aparecer no LD de geografia e no de história; (4) dos gêneros presentes na academia; (5) dos gêneros presentes na publicidade. Discuta com um(a) colega. O que suas listas têm em comum? Como elas se diferem? Mais um desafio: Onde circulam estes gêneros? Alguns conceitos mais acadêmicos sobre gêneros textuais Os textos são produtos da linguagem em funcionamento permanente nas formações sociais: em função de seus objetivos, interesses e questões específicas, essas formações elaboram diferentes espécies de textos, que apresentam características relativamente estáveis (justificando-se que sejam chamados de gêneros de texto (BRONCKART, 2003, p. 137). Gêneros não são apenas formas. Gêneros são formas de vida, modos de ser. São frames para a ação social. São ambientes para a aprendizagem. São os lugares onde o sentido é construído. Os gêneros moldam os pensamentos que formamos e as comunicações através das quais interagimos. Gêneros são os lugares familiares para onde nos dirigimos para criar ações comunicativas inteligíveis uns com os outros e são modelos que utilizamos para explorar o não-familiar. (BAZERMAN, 2006, p.23). Gêneros de textos são as diferentes "espécies" de texto, escritos ou falados, que circulam na sociedade, reconhecidos com facilidade pelas pessoas. Por exemplo: bilhete, romance, poema, sermão, conversa de telefone, contrato de aluguel, notícia de jornal, piada, reportagem, letra de música, regulamento, etc. (Caderno 2 do CEALE, pág. 30)
  • 2. 2 Os gêneros são textos da vida diária com padrões sócio-comunicativos característicos definidos por sua composição, objetivos enunciativos e estilo, realizados por forças históricas, sociais, institucionais e tecnológicas. (MARCUSCHI, 2006, p. 29). Um gênero compreende uma classe de eventos comunicativos, cujos membros compartilham os mesmos propósitos comunicativos. Tais propósitos são reconhecidos pelos membros especialistas da comunidade discursiva de origem e, portanto, constituem o conjunto de razões para o gênero. Essas razões moldam a estrutura esquemática do discurso e influenciam e impõem limites à escolha de conteúdo e de estilo (SWALES, 1990:58). O que são, então, os tipos de texto? Tipos de texto (tipologia de texto ou tipos textuais) são as diferentes sequências linguísticas que ocorrem no interior dos gêneros. Em geral, abrangem categorias conhecidas como a narração, a argumentação, a exposição, a descrição, a injunção. Por exemplo, em uma fábula, a sequência narrativa é a mais comum, ao passo que, em um artigo de opinião, a argumentação se faz mais presente. “[Os] tipos textuais constituem modos discursivos organizados no formato de sequências estruturais sistemáticas que entram na composição de um gênero” (Marcuschi 2002:25) Para reflexão e debate Em quais gêneros a sequência narrativa é a mais evidente na tessitura do texto? E em quais são mais comuns a sequência injuntiva? E em quais encontramos a sequência expositiva? E em quais, a sequência descritiva aparece com mais frequência? E o que são os domínios discursivos ou esferas sociais? Domínio discursivo indica instâncias discursivas (por exemplo: discurso jurídico, discurso jornalístico, discurso religioso etc.). Não abrange um gênero em particular, mas dá origem a vários deles, já que os gêneros são institucionalmente marcados. Constituem práticas discursivas nas quais podemos identificar um conjunto de gêneros textuais que às vezes lhe são próprios ou específicos como rotinas comunicativas institucionalizadas e instauradoras de relações de poder. (MARCUSCHI, 2008, p. 155). O quadro da próxima página sintetiza o que discutimos sobre os três conceitos “domínio discursivo”; “gêneros textuais” e “tipos de textos”. Por que, então, fazer dos gêneros o nosso objeto de ensino? Em linhas gerais, usamos gêneros diversificados no ensino de inglês, pois nos comunicamos através deles, sendo eles, pois, os meios pelos quais o aluno de L2 tem a oportunidade de vivenciar situações reais de comunicação no âmbito da sala de aula. Pela abordagem via gêneros, textos que circulam socialmente em jornais, revistas e na internet, por exemplo, são o nosso objeto de ensino, afastando-nos da perspectiva dos textos criados para fins didáticos (pretextos). Como afirma Marcuschi (2005, p.35), “o trabalho com gêneros textuais é uma extraordinária oportunidade de se lidar com a língua em seus mais diversos usos autênticos no dia-a-dia”. Afirma ainda que “quando ensinamos a operar com um gênero, ensinamos um modo de atuação sócio-discursiva numa cultura e não um simples
  • 3. 3 modo de produção textual” (MARCUSCHI; 2006, p.25). Lopes Rossi (2005:80) esclarece que o conhecimento sobre os gêneros “proporciona o desenvolvimento da autonomia do aluno no processo de leitura e produção textual como uma consequência do domínio do funcionamento da linguagem em situações de comunicação, uma vez que é por meio dos gêneros discursivos que as práticas de linguagem incorporam-se nas atividades dos alunos”. Conhecimento sobre organização textual Práticas discursivas nas quais se pode identificar diferentes gêneros Domínios textuais (MARCUSCHI, 2002). discursivos/ Exemplos de domínios discursivos: Esferas sociais Domínio ou discurso acadêmico, discurso jornalístico, discurso publicitário, discurso religioso, discurso jurídico, discurso literário, discurso epistolar etc. Gêneros Realizações linguísticas que cumprem certas funções em textuais determinadas situações sociocomunicativas. Podem conter um ou mais tipos de textos (MARCUSCHI, 2002). Exemplos de gêneros textuais: Tese, dissertação, artigo científico, resenha, artigo de opinião, editorial, anúncio publicitário, novena, conto, poema, carta, email, receita, conversa telefônica, bula de remédio, guias turísticos, conversas informais, conversas telefônicas, recados etc. Tipos de Sequências linguísticas que ocorrem no interior dos gêneros. textos Exemplos de tipos de texto: Narração (predomínio de sequências temporais), descrição (predomínio de sequências de localização), exposição (predomínio de sequências analíticas), argumentação (predomínio de sequências contrastivas explícitas), injunção (predomínio de sequências imperativas) (MARCUSCHI, 2002, p.29). FONTE: Adaptado de SEEMG, 2006, p. 15. Bibliografia recomendada MARCUSCHI, L.A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. 2ed. SP: Parábola Editorial, 2008
  • 4. 4 Como se dá a transposição didática? Como utilizamos a abordagem via gêneros no ensino de L2? Transpomos o referencial teórico sobre gêneros no processo de desenvolver as TRÊS capacidades de linguagem: a de ação, a discursiva e a linguístico- discursiva (Bronckart, 2003) na leitura, na escrita, na compreensão oral e na fala em inglês como L2. Criamos, então, um procedimento didático que denominamos “learning cycle”. (Veja o diagrama na próxima página). Fazemos uso do “learning cycle” para o desenvolvimento das três capacidades, numa sequência que usualmente parte das habilidades receptivas (leitura e compreensão oral) para as produtivas (escrita e produção oral) em torno de um mesmo assunto. (Veja o diagrama na próxima página). O assunto do “learning cycle” deve ser de interesse do aluno e deve refletir os problemas do mundo contemporâneo para facilitar o debate sobre responsabilidade social, contribuindo, assim, para a formação cidadã do aluno do Ensino Fundamental. Pelo “learning cycle”, os tópicos e habilidades do CBC relativos aos cinco temas são explorados, discutidos e sistematizados. Temas do CBC
  • 5. 5 Learning Cycle Debate: Que projetos podem ser propostos para o desenvolvimento do letramento crítico do aluno do EF? Temos de nos lembrar que as ações educativas na sala de aula de inglês devem se preocupar com a formação de sujeitos críticos, capazes de agir conscientemente para transformar a sociedade. Nossos alunos têm de assumir sua responsabilidade social frente aos problemas que nos afligem: injustiças, discriminação, desigualdades socias e econômicas, aquecimento global etc. Debate: Que ações educativas podemos assumir para o desenvolvimento digital de nossos alunos do EF? O que acham desta chamada: “less downloads, more uploads”?
  • 6. 6 24 de Setembro de 2010 – Avaliação Gêneros textuais: Objetos de ensino e de AVALIAÇÃO no CBC de Minas Gerais. O CBC: Tópicos e habilidades dos 05 temas configuram-se como a matriz de referência para todos os tipos de avaliação (a diagnóstica e a auto-avaliação, por exemplo) e para os instrumentos avaliativos como a múltipla-escolha (banco de itens), os projetos desenvolvidos, a criação de textos de gêneros diversificados, a produção de podcasts, de vídeos, de e-books etc. no processo de aprender inglês como L2 e de formar o aluno para assumir sua responsabilidade social (formação-cidadã). CBC: Matriz de referência para o ensino-aprendizagem e avaliação de inglês no Ensino Fundamental. Reflexão O que é avaliar? Avaliar significa identificar o que o aluno sabe, o que ele não sabe e os diferentes fatores que contribuem para os resultados observados A avaliação diagnóstica tem como função básica acompanhar o desenvolvimento do aluno identificando o "aprendido" e o "não aprendido", fornecendo informações fundamentais para o professor interpretar o estágio de desenvolvimento do aluno e mapear os aspectos para os quais deve direcionar a intervenção pedagógica. Sua principal finalidade é dar suporte ao planejamento das aulas e ao atendimento aos alunos. Neste sentido, a avaliação deixa de ser um procedimento de verificação do conhecimento e passa a ser uma ação processual e dinâmica de intervenção contínua no processo de construção do conhecimento, inerente à própria aprendizagem. É interativa e mediadora, pois, ao mesmo tempo em que avalia, propicia também o aprender. Debate: Tendo em vista o que foi discutido sobre o processo de ensino e aprendizagem, o que devemos avaliar em inglês, como devemos avaliar? para que vamos avaliar? Avaliação da aprendizagem na Rede Estadual de Ensino O PAAE é um Programa de Avaliação da Aprendizagem Escolar que oferece suporte didático pedagógico e informações diagnósticas que viabilizam uma gestão curricular de acordo com o estágio de desenvolvimento dos alunos e ao Currículo Básico Comum. Sua finalidade • Realizar diagnósticos progressivos da aprendizagem escolar em relação aos conteúdos do CBC • Gerar informações para a auto-avaliação do professor e da escola. • Oferecer subsídios para intervenções que promovam a melhoria da aprendizagem, da prática docente e do ensino.
  • 7. 7 O PAAE compreende três avaliações com objetivos diferenciados. (1) Avaliação Diagnóstica (2) Avaliação Contínua (3) Auto-avaliação do aluno A Avaliação Diagnóstica é uma avaliação feita pela escola, com critérios e cronograma definidos pela SEE. Seus resultados fornecem informações sobre a evolução da aprendizagem dos alunos, a produtividade das atividades curriculares e a qualidade do trabalho escolar. Sua função é diagnóstico-formativa. A avaliação contínua é uma avaliação para a gestão pedagógica da escola e a gestão curricular da sala de aula. Seu objetivo é oferecer informações que orientem o planejamento e re-planejamento contínuo das atividades didáticas de forma a criar condições mais efetivas de aprendizagem, fundamentadas em diagnósticos também contínuos. Deve ser realizada de acordo com o andamento das aulas e o sequenciamento dos conteúdos curriculares. A Avaliação Contínua é opcional para o professor. Ele pode utilizar o Banco de Itens para gerar as provas bimestrais de acordo com os tópicos/habilidades do CBC que trabalhou. A auto-avaliação do aluno: Por assumir a responsabilidade pela sua própria aprendizagem, o aluno deve ser incentivado a se auto-avaliar para se conscientizar sobre o que já aprendeu e o que ainda deve aprender. Instrumentos para a auto- avaliação dos alunos: diários (logs), tabelas que listam os conteúdos desenvolvidos com as opções SIM – NÃO para as reflexões dos alunos; verificação dos contratos de aprendizagem etc. BANCO DE ITENS: um instrumento de melhoria da qualidade do ensino. Constitui-se um suporte didático-pedagógico criado pela Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais com o objetivo de gerar diagnósticos contínuos das aprendizagens dos alunos e subsidiar intervenções pedagogicamente fundamentadas. Debate: OS ITENS DE AVALIAÇÃO (que serão mostrados nos slides). O que eles avaliam? Eles correspondem ao que você ensina? Que sugestões você gostaria de colocar em relação aos itens de avaliação? Debate: Como você avalia os seus alunos? Utliza a avaliação diagnóstica como um instrumento para nortear as suas ações de ensino? Você acha que o aluno deve participar de seu próprio processo de avaliação? Debate: Como adequar o processo de aprendizagem pelos livros do PNLD (Links e Keep in Mind) ao CBC de Minas Gerais e ao processo avaliativo pelos itens de avaliação? Last, but not least: You should access the CVR-MG more frequently. The resources posted at STE are essential to your teaching practice.