Your SlideShare is downloading. ×
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE.

4,915

Published on

Mesa-redonda …

Mesa-redonda
‘Consumo alimentar, obesidade e regulação da publicidade de alimentos no Brasil’
São Paulo, Faculdade de Saúde Pública da USP, 17-12-2010

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,915
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
90
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Obesidade e consumo de alimentos no Brasil: uma análise das pesquisas de orçamentos familiares do IBGE. Carlos A. Monteiro (carlosam@usp.br) Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde Universidade de São Paulo Mesa-redonda ‘ Consumo alimentar, obesidade e regulação da publicidade de alimentos no Brasil’ São Paulo, Faculdade de Saúde Pública da USP, 17-12-2010
  • 2. Obesidade e consumo de alimentos no Brasil
    • Tendência secular da obesidade
    • Mudanças no padrão de alimentação
    • Alimentos ultraprocessados e obesidade
    • Implicações políticas
  • 3. http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2008_2009_encaa/pof_20082009_encaa.pdf
  • 4. Evolução da obesidade e do excesso de peso Brasil: 1975-2009 Homens adultos (> = 20 anos) OBESOS COM EXCESSO DE PESO % (IMC >= 30) (IMC >= 25)
  • 5. Evolução da obesidade e do excesso de peso* Brasil: 1975-2009 Adolescentes (10-19 anos) do sexo masculino OBESOS % COM EXCESSO DE PESO *: IMC-para-idade, critérios OMS
  • 6. Evolução da obesidade e do excesso de peso* Brasil: 1975-2009 OBESOS % COM EXCESSO DE PESO *: IMC-para-idade, critérios OMS Crianças (5-9 anos) do sexo masculino
  • 7. Obesidade e excesso de peso em homens adultos nas 26 capitais de estados e DF OBESIDADE: 13 anos! EXCESSO DE PESO: 12 anos! % Quantos anos para alcançar os EUA? Sources: VIGITEL for Brazil (http://portal.saude.gov.br/) and BRFSS for USA 27.1 64.2
  • 8. Alimentos com variação significativa no total de calorias adquiridas. Áreas metropolitanas: 1987-2009. PONTOS PERCENTUAIS Fontes: POF 1987-8 e POF 2008-9 COMIDA PRONTA EMBUTIDOS E QUEIJOS ÓLEOS/AÇÚCAR/FARINHAS
  • 9. Alimentos com variação significativa no total de calorias adquiridas. Áreas metropolitanas: 1987-2009. PONTOS PERCENTUAIS Fontes: POF 1987-8 e POF 2008-9 COMIDA PRONTA EMBUTIDOS E QUEIJOS ÓLEOS/AÇÚCAR/FARINHAS G1 : Alimentos não ou minimamente processados G2 : Ingredientes culinários G3 : Alimentos ultra-processados (prontos para consumo)
  • 10. Alimentos com variação significativa no total de calorias adquiridas. Áreas metropolitanas: 1987-2009. PONTOS PERCENTUAIS COMIDA PRONTA EMBUTIDOS E QUEIJOS ÓLEOS/AÇÚCAR/FARINHAS G1 : Alimentos não ou minimamente processados G2 : Ingredientes culinários G3 : Alimentos ultra-processados (prontos para consumo) Alimentação traditional
  • 11. Alimentos com variação significativa no total de calorias adquiridas. Áreas metropolitanas: 1987-2009. PONTOS PERCENTUAIS COMIDA PRONTA EMBUTIDOS E QUEIJOS ÓLEOS/AÇÚCAR/FARINHAS G1 : Alimentos não ou minimamente processados G2 : Ingredientes culinários G3 : Alimentos ultra-processados (prontos para consumo) Alimentação traditional ‘ Fast-food’
  • 12. 1987 2009 G2 G2 G1 G1 G3 G3 Participação (%) no total de calorias adquiridas por domicílios urbanos brasileiros (1987-2009) Ingredientes culinários 36,9% Alimentos não ou minimamente processados 43,9% Alimentos ultra- processados 19,2% Ingredientes culinários 30,5% Alimentos ultra- processados 29,6% Alimentos não ou minimamente processados 39,9%
  • 13. O que há de errado com alimentos ultraprocessados ( AUP) ?
    • Em seu conjunto, quando comparados com alimentos minimamente processados + ingredientes culinários, AUP têm mais açúcar, mais gordura saturada, mais sódio e menos fibra, características que aumentam o risco de várias doenças crônicas.
    • AUP induzem ao consumo excessivo de calorias e ao aumento do risco de obesidade por meio de vários mecanismos .
  • 14. Mecanismos que ligam AUP ao excesso de consumo de calorias e à obesidade
    • Densidade energética (todos AUP)
    • Calorias líquidas (refrigerantes)
    • Hiper-palatabilidade (todos AUP)
    • Porções gigantes (vários AUP)
    • Conveniência (todos AUP)
    • Marketing agressivo (a maioria dos AUP)
  • 15. Densidade energética consumo calorias obesidade “ Here we review a series of studies demonstrating that the energy density of foods is a key determinant of energy intake ” Prentice AM & Jebb AS. Obes Rev . 2003: 4:187-94 1.6 kcal/g 2.6 kcal/g/
  • 16. Refrigerante consumo calorias obesity “ In a meta-analysis of 88 studies we found clear associations of soft drink intake with increased energy intake and body weight.” Vartanian, Schwartz, and Brownell Am J Public Health 2007; 97(4): 667-75.
  • 17. “ AUP são feitos para serem hiper-palatáveis (adição de açúcar, gordura, sal, monoglutamato de sódio etc)” …).”’ Hiper-palatabilidade consumo calorias obesity
  • 18. Porções gigantes consumo calorias obesity “ Strong evidence documents a positive relationship between portion size and body weight.” Report of the DGAC on the Dietary Guidelines for Americans 2010 Ingredientes muito baratos (oleos/gorduras, açúcar, amido, sal, etc) nos AUP tornam possível estratégias de marketing como as porções gigantes.
  • 19. AUP podem ser consumidos em qualquer lugar a qualquer hora, fazendo qualquer outra coisa! Conveniência consumo calorias obesidade “ Strong and consistent evidence indicates that children and adults who eat fast food are at increased risk of obesity” Report of the DGAC on the Dietary Guidelines for Americans 2010
  • 20. O marketing agressivo dos AUP promove/ reforça o consumo de calorias líquidas, de porções gigantes, a hiper-palatabilidade, e modos não saudáveis de comer
  • 21. O marketing agressivo reforça a hiper-palatabilidade dos AUP É dificil resistir a um Bono . Escolha o sabor e entregue-se!
  • 22. O marketing agressivo reforça a hiper-palatabilidade dos AUP
  • 23. O marketing agressivo mudou as normas sociais relativas ao tamanho de porções dos AUP !
  • 24. O marketing agressivo dos AUP reforça modos não saudáveis de comer!
  • 25. O marketing agressivo e anti-ético dos AUP chega às crianças misturando diversão e comida
  • 26. AUP: usando diversão pare vender! * * Marketing foods to kids: using fun to sell; the appeal of crazy colors, flavors, and more. Consumer Research Magazine 01 March 2002
  • 27. O marketing agressivo dos AUP agora prioriza os países emergentes com produtos desenhados especialmente para famílias de baixa renda!
  • 28. O marketing agressivo dos AUP alcança famílias de baixa renda em economias emergentes usando vendedoras ambulantes recrutadas na própria comunidade oferecendo produtos em embalagens menores (“mais acessíveis”) e “fortificados” com micro-nutrientes micronutrients (“popularly positioned products”)
  • 29. All Aboard for Ice Cream: Nestle Peddling Junk Food on Amazon River to Reach Brazil’s Slums http://blogs.alternet.org/appetiteforprofit/2010/06/20
  • 30. Venda de AUP em ônibus urbanos do Rio de Janeiro
  • 31.  
  • 32. De um press release da Nestlé: Vevey, February 21, 2008 “ Popularly positioned products (PPPs). Products aimed at lower income consumers in the developing world, will continue to grow strongly in 2008 and beyond. Nestlé PPPs, which mostly consist of dairy products, Nescafé and Maggi culinary products, grew by over 25% to reach around CHF 6 billion in sales in 2007 . The overall market for such products in Asia, Africa and Latin America is estimated at over CHF 80 billion.”
  • 33. Investimentos no marketing de alimentos estão concentrados em AUP não por acaso!
    • AUP são ou parecem “únicos”, tornando-se assim “produtos de marca”.
    • AUP permitem grande margem de lucro (ingredientes baratos)
    • AUP são controlados por poucas corporações transnacionais com presença mundial.
  • 34. A reformulação de produtos é solução para os AUP ?
    • Algumas características desfavoráveis – excesso de sódio e presença de gorduras trans – podem e devem ser eliminadas pela indústria de alimentos.
    • Outras – excesso de açúcar livre e gordura em geral – são mais problemáticas e os produtos reformulados (versões “premium” ou “light”) são usualmente ainda nao saudáveis.
    • As características que os ligam ao “comer demais” e à obesidade – alta densidade energética, hiper-palatabilidade, presença ubíqua, conveniência e marketing agressivo – são intrínsecas a esses produtos, sejam eles convencionais, sejam eles versões reformuladas.
  • 35. A reformulação de produtos é solução para os AUP ?
    • Pelo menos no que concerne à prevenção da obesidade, a única solução são ações públicas efetivas para deter ou reverter o crescimento do consumo de AUP !
  • 36.
    • Ações públicas efetivas para deter ou reverter o crescimento do consumo de AUP não podem prescindir de:
    • Regulação do marketing de AUP e
    • Revisão das políticas fiscais sobre alimentos
  • 37.  
  • 38. Pepsi Twist contém muito açúcar e, se consumido em grande quantidade, aumenta o risco de obesidade e cárie dentária”; c Ruffles contém muita gordura saturada e, sódio, e se consumido em grande quantidade, aumenta o risco de diabetes, doença do coração e pressão alta.
  • 39. Gomes FS, Castro IRR, Monteiro CA. Publicidade de alimentos no Brasil: avanços e desafios. Ciência e Cultura, v. 62, p. 48-51, 2010 Monteiro CA, Castro IRR. Por que é necessário regulamentar a publicidade de alimentos. Ciência e Cultura, v. 61, p. 56-59, 2009. Para saber mais ...
    • sobre alimentos ultra-processados: www.wphna.org
    • sobre a resolução da ANVISA:
    http://www.alana.org.br/CriancaConsumo/AcaoJuridica.aspx?v=1&id=55

×