• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
As universidades e os MOOCs
 

As universidades e os MOOCs

on

  • 1,005 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,005
Views on SlideShare
275
Embed Views
730

Actions

Likes
0
Downloads
8
Comments
0

2 Embeds 730

http://www.educacaoparamilhares.com.br 725
http://3482544091038793452_3cd694608f828a55419602ef6e7dc694983bdc87.blogspot.com 5

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    As universidades e os MOOCs As universidades e os MOOCs Presentation Transcript

    • AS UNIVERSIDADES E OS MOOCS Nos últimos posts deste blog mostramos como ocorreu ao longo dos últimos séculos a geração e a transmissão do conhecimento. Passamos da biblioteca de Alexandria, aos mosteiros, depois rapidamente pelas universidades e antecipamos a nova era da internet rumo à ubiquidade. Hoje voltamos discutir o atual papel das universidades diante dos MOOCS, contando com a inestimável contribuição do Professor Luiz Carlos Lobo, consultor sênior da UNASUS
    • AS UNIVERSIDADES E OS MOOCS Vejamos o que diz o Professor Lobo: • Os MOOCs já são considerados por muitos uma "disruptive technology" , ou seja, uma tecnologia que muda totalmente um campo ou setor da sociedade. Assim foi com o MP3 e i-tunes praticamente destruindo a industria fonográfica , ou a internet abalando o setor de jornais e revistas (a Newsweek foi vendida o ano passado por US$1 !!). Por outo lado Li Yuan e Stephen Powell num trabalho públicado em "CETIS Analytics Series: Infrastructure and Tools for Analytics " dizem que os cMOOs não mudam o processo ensino-aprendizagem sendo uma " technology-enriched traditional teacher-centred instruction" • Mesmo assim,Gary King (Harvard) e Maya Sen (Rochester) em seu simpósio sobre "The Troubled Future of Colleges and Universities, incluem os MOOCs. ente uma das 4 ameaças ao sistema de educação superior americano:
    • AS UNIVERSIDADES E OS MOOCS • Ataque 1 - Internet, com a democratização e universalização do acesso ao conhecimento. Lembremo-nos que colégio vem de co-legere (ler juntos) numa época de poucos livros onde alunos e professores (a primeira etapa de um professor na Inglaterra era "reader") se reuniam para ler e comentar o conhecimento obtido em livros. Dai surgiu a ideia dos "colleges" e dos campus residenciais universitários ingleses e, depois, americanos. Discutese mesmo a importância e o alto custo de criar e manter bibliotecas em todas as universidades, já que se pode agora ter acesso às universidades que detém grandes coleções e que se pode acessar repositórios e bibliotecas centrais como a NLM e a biblioteca do congresso americano.
    • AS UNIVERSIDADES E OS MOOCS • Ataque 2 - Educação a distância obrigando a universidades tradicionais a criar extensões e a oferecer cursos "on-line" . Acredita-se que pelo menos 20% dos estudantes universitários americanos tenham interagido com ao menos 1 curso a distância e 9% dos estudantes tenham realizado toda a sua formação desta maneira. No entanto, de regra, os cursos a distância não inovam sob o ponto de vista pedagógico, sendo que muitos nada mais são que aulas a distância totalmente centradas no professor (vide Khan Academy)
    • AS UNIVERSIDADES E OS MOOCS • Ataque 3 - Altos custos das universidades americanas, Veja no gráfico abaixo a diferença de custo por alunos das universidades nos Estados Unidos. As universidades privadas aparecem como as de menores custos para o aluno, desde que não desenvolvem atividades de pesquisa e extensão.
    • AS UNIVERSIDADES E OS MOOCS • A Universidade de Phoenix, com mais de 500.000 alunos, representa essa ameaça (não sei se verdadeira porque os alunos que podem pagar de 50 a 100.000 dólares por ano de matrícula ainda irão para as universidades americanas da "ivy league" como Harvard, Yale, MIT e Stanford; mas isso só faz aumentar o "gap" cultural do país, tanto mais que as bolsas pagas pelo governo federal e pelos estados para pobres e minorias estão diminuindo seguidamente) Creio que as 1.200 universidades privadas nos EEUU atendem a um público que não teria como custear seus estudos de outro modo.
    • AS UNIVERSIDADES E OS MOOCS • No Brasil, as universidades e aglomerados empresariais da educação têm um número cada vez maior de alunos e contam com a simpatia e apoio do governo (o MEC anuncia a possibilidade de se criar novas escolas de medicina no país, mas sempre do setor privado !!). As avaliações feitas pelo MEC dos graduandos de cursos superiores raramente têm resultados concretos e a população está interessada em que o filho obtenha um diploma, sem se interessar pela qualidade do aprendizado auferido pelo aluno (lembre-se que quando Flexner publicou seu relatório sobre a situação da educação médica nos EEUU mais de 100 escolas foram fechadas pelo clamor de um povo preocupado com a qualidade da atuação desses profissionais mal formados.
    • AS UNIVERSIDADES E OS MOOCS • .No Brasil as famílias mandam seus filhos que não conseguiram classificação num vestibular, ou no ENEM, estudar na Bolívia ou, se tem filiação a movimento sociais, em Cuba) • Tanto aqui, como nos EEUU, as universidades privadas não custeiam, geralmente, pesquisas, cursos de pós-graduação e atividades de extensão na comunidade, tendo, pois, custos significativamente menores.
    • AS UNIVERSIDADES E OS MOOCS • Ataque 4 - MOOCs como o coursera, edX, udacity, udemy, futurelearning, oferecendo cursos gratuitos de acesso aberto a alunos interessados e em qualquer região do mundo (apesar dos cursos serem em inglês - a Fundação Lemman está traduzindo alguns - brasileiros estão entre os 3 ou 4 grupos nacionais mais assíduos). • Com os MOOCs temos que ter a possibilidade de aceitar um grande número de alunos (em Outubro o Coursera tinha mais de 5 milhões de inscrições feitas globalmente em seus quase 500 cursos) e acompanhar sua trajetória nos mesmos. • Não obstante, são de regra cursos ainda centrados no professor, com data para inscrição, começo e fim, datas para avaliações e realização de fóruns,etc. Há uma desistência grande do alunos ao longo do curso; mas um professor de Stanford teve 35.000 alunos inscritos em seu curso, dos quais 20%, ou 7.000 terminaram. Mas comparados com os 50 ou 100 alunos de seu curso regular é um sucesso extraordinário.
    • PROBLEMAS DOS MOOCS CERTIFICAÇÃO E AUTENTICAÇÃO • Um dos problemas dos MOOCs é a certificação dos alunos e isso terá que ser resolvido (certificação digital?). Mas o importante é que a Coursera já é assediada por empresas querendo indicação de alunos com bons resultados em determinados cursos. A participação de empresas como o Google e a Microsoft em MOOCs indica claramente a importância que dedicam a essa iniciativa. • O reitor de Stanford dizia que os MOOCs eram um "tsunami" e que as universidades teriam que aprender a conviver com eles. E eu acho que isso deve ser uma reflexão séria de qualquer reitor e de qualquer universidade no mundo. • Se os MOOCs são uma ameaça sem propor grandes inovações pedagógicas, além da oferta de cursos "on-line" gratuitos e abertos a qualquer um, imagine-se quando se passar a oferecer cursos mais inovadores ainda, como cursos de auto-instrução onde o aluno começa quando quiser, interage com oportunidades aprendizagem oferecidas quando quiser, como e quantas vezes quiser, auto-avalia-se quando achar ter atingido os objetivos do curso e buscar um certificado por uma instituição credenciadora. E isso não deve estar muito distante no horizonte.."