Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this document? Why not share!

Like this? Share it with your network

Share

1° ciclo de seminarios

  • 818 views
Uploaded on

Programação do 1° Ciclo de Seminários em Consciência, Cidadania Socioambient

Programação do 1° Ciclo de Seminários em Consciência, Cidadania Socioambient

More in: Travel , Business
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
818
On Slideshare
802
From Embeds
16
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 16

http://redeeconsciencia.blogspot.com 14
http://www.redeeconsciencia.blogspot.com 2

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Universidade Federal Fluminense (UFF) Instituto de Geociências - Departamento de Análise Geoambiental (IGEO/GAG) Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental (PGCA) Tópicos Especiais em Ciência Ambiental (PGCA) e Rede EConsCiência (UFF/IGEO/GAG) Convidam a Comunidade Acadêmica da UFF para o: 1° Ciclo de Seminários em Consciência, Cidadania Socioambiental e Ecodesenvolvimento Os interessados em participar devem enviar email até 29 de outubro para Profa. Patricia Almeida Ashley – profpatricia@vm.uff.br com cópia para ecocidades@gmail.com. Auditório com vagas limitadas, com prioridade de vagas aos integrantes do PGCA. Será enviada declaração de participação pela Rede EConsCiência e PGCA constando da respectiva carga horária correspondente à participação no Ciclo de Seminários. Dia 03/11 – Horário: 14h às 16h Ambientalização e politização do consumo e da vida cotidiana: Um estudo sobre as compras de alimentos orgânicos Tema da dissertação premiada como melhor dissertação do ano pela Associação Nacional de Pós- Graduação em Ambiente e Sociedade – ANPPAS, pelo Programa de Pós-Graduação em Agricultura, Desenvolvimento e Sociedade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, sob orientação da Profa. Dra. Fátima Portilho. Resumo: As práticas que podem caracterizar uma possível ambientalização e politização do consumo surgem com a percepção do impacto dos padrões e níveis de consumo no meio ambiente global. Com isso, a partir da década de 1990, determinadas práticas de consumo passaram a ser reconhecidas como sendo social e ambientalmente responsáveis. A pesquisa teve como objetivo geral refletir sobre os processos de ambientalização e politização do consumo e da vida cotidiana no âmbito da sociedade brasileira contemporânea, enfatizando o multifacetado campo da alimentação. Desta forma, as práticas de compra de alimentos orgânicos, especialmente daqueles indivíduos que não estão organizados coletivamente em movimentos sociais configuraram o objeto de pesquisa. A principal justificativa para seu desenvolvimento era a lacuna existente nas ciências sociais brasileiras no que se refere aos estudos sobre as perspectivas dos consumidores enquanto atores sociais e os diferentes usos que fazem de suas práticas de consumo, em especial seu uso político. Os problemas centrais incluíam questões como: as práticas de compra de alimentos orgânicos são percebidas e experimentadas pelos consumidores como uma forma de ação política? De que maneiras os consumidores lidam com os discursos e cobranças de responsabilidades pela crise ambiental? Ao procurar respondê-las, através de uma etnografia das práticas de compra de alimentos orgânicos na cidade de Nova Friburgo/RJ e da realização de entrevistas em profundidade com consumidores, a pesquisa identificou um aumento da autonomia política individual no encontro das esferas pública e privada que se dá no campo do consumo. A compra de alimentos orgânicos é percebida e utilizada como um repertório de ação política “romântico-individualista” na esfera pública. Estas práticas se mostram capazes de alimentar pontes com a cidadania, abrindo possibilidades para a emergência de novos períodos de engajamento coletivo em um contexto de reflexividade social e sociedade de risco global. Conferencista: Marcelo Castañeda Doutorando e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Agricultura, Desenvolvimento e Sociedade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (CPDA/UFRRJ) e Cientista Social pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Trabalha com a temática do consumo, enfatizando questões relacionadas à crise ambiental, alimentação, ação política e práticas de compra. Atualmente, desenvolve pesquisa sobre a Internet, com atenção voltada para avaliação das políticas públicas de acesso, com ênfase nas comunidades populares.
  • 2. Dia 05/11 – Horário: 14h às 17h Responsabilidade Social em Contexto de Mudança: De empresas e organizações para redes, mercados e territórios Resumo: No contexto do estado da arte do conceito e modelos de responsabilidade social corporativa no Brasil e literatura internacional, Ashley (2005a, 2005b) aponta que o conceito carece de viabilização para a sua difusão pelas empresas de todos os portes, enquanto não forem desenvolvidas condições institucionais e de mercado favoráveis para o desenvolvimento do que denomina mercados responsáveis. A maioria das pesquisas em responsabilidade social corporativa – RSC situa-se nas áreas de conhecimento de Administração de Empresas ou de Engenharia de Produção e focaliza a análise ao nível da empresa – firm level como centro da questão da RSC a ser baseada em voluntarismo de iniciativas e práticas empresariais e na busca de inovações na forma de modelos e ferramentas de gestão. Serão apresentados resultados parciais pesquisa em andamento em cooperação internacional com o International Institute of Social Studies da Erasmus University Rotterdam. Observando-se as políticas públicas da União Européia, o foco é ainda na voluntariedade das iniciativas empresariais, apesar do debate em andamento para um maior avanço nas condições institucionais que estejam alinhadas com a sustentabilidade e responsabilidade social como paradigma para produção e consumo nas relações de mercado. A presente proposta contempla uma inovação conceitual e operacional em tecnologias de gestão diante do meio ambiente e desafios urbano e rural, a partir da proposta de reorientação, transição e reposicionamento do conceito de responsabilidade social empresarial e organizacional para um novo conceito de responsabilidade social territorial multiatores, por meio de articulação interinstitucional de redes de governança e responsabilidade social coletiva de agentes interessados (stakeholders) em um determinado território orientado para o ecodesenvolvimento. Conferencista: Patricia Almeida Ashley Professora Adjunta III do Departamento de Análise Geoambiental do Instituto de Geociências da Universidade Federal Fluminense, em Niteroi, Rio de Janeiro, Brasil, Pós-Doutoranda e Titular da Cátedra Prince Claus Chair in Development and Equity junto ao International Institute of Social Studies of Erasmus University Rotterdam (Set 2009-Ago 2011), em Haia, Holanda. Líder do grupo de pesquisa Rede EConsCiência – Educação, Políticas e Tecnologias em Consciência, Cidadania Socioambiental e Ecodesenvolvimento (UFF/IGEO/GAG). Dia 19/11 – Horário: 10:30h às 12:00h A insustentabilidade de projetos de desenvolvimento de turismo de base comunitária Resumo: Acredita-se que na última década aproximadamente 10 bilhões de dólares foram investidos em projetos de desenvolvimento comunitário na America Latina e África. Parte incerta do mesmo foi aplicado diretamente em TBC, porém não há resultados mensuráveis evidenciando o sucesso dos mesmos. Ao contrario, a literatura aponta fortemente para os insucessos, onde há questões criticas quanto a processos metodológicos de desenvolvimento propriamente dito envolvendo todos os elementos da cadeia de valor locais , bem como agencias de desenvolvimento, mercado e as próprias comunidades. Neste contexto e diante da crise econômica de 2009, algumas perguntas foram feitas, porém respostas não surgiram. Tal realidade torna-se preocupante ao futuro dos investimentos sociais na área do turismo comunitário na America do Sul, onde o Brasil pode tem um papel fundamental. Conferencista: Eduardo Jorge Costa Mielke Doutor em turismo pelo Programa de Doutorado em Gestión y Desarrollo Turístico Sostenible pela Universidad de Málaga (Espanha, 2007), Depto de Economía y Política, Mestre em Ciências Florestais (área de concentração Economia Florestal) pela Universidade Federal do Paraná (2002) e graduado em Engenharia Agronômica (1999) pela mesmo instituição. Desde 2001 tem experiência no trabalho com empresas de economia social atuando principalmente nos seguintes temas: planejamento e desenvolvimento turístico de base local, cooperativismo, associativismo, turismo rural e interação entre atores sociais. Autor do Livro Desenvolvimento Turístico de Base Comunitária (ed. Átomo & Alínea).
  • 3. Dia 26/11 – Horário: 15:30h às 17:00h Políticas Públicas, Governação e Desenvolvimento Regional Resumo: Os modelos contemporâneos de gestão pública, privada e do terceiro setor estão diante de desafios de ações coordenadas e orientadas para o desenvolvimento regional em bases sustentáveis, articulando políticas públicas do governo e políticas empresariais e de organizações da sociedade civil. Nesse contexto, os conceitos de redes sociais, capital social e modelos sustentáveis de desenvolvimento regional emergem como fundamentação para as políticas públicas e de governação cooperativa no âmbito de território regional orientados para a sustentabilidade. Serão apresentadas as linhas e projetos de pesquisa iniciados com apoio do Programa Jovens Pesquisadores e FAPERJ, convidando-se discentes e docentes para a cooperação científica. Um dos projetos, com apoio do Programa UFF/PROPPI/Jovens Pesquisadores e FAPERJ - Administração Pública e Desenvolvimento Local: a relação entre participação social e desempenho governamental nas políticas públicas de saúde na Cidade de Volta Redonda, RJ - enfoca a dinâmica da relação entre cultura política participativa e associativista comunitária (cidadãos, conselhos, empresas, associações, etc.) da Cidade de Volta Redonda com o comportamento e desempenho institucional governamental, desenvolvido pela Prefeitura da Cidade de Volta Redonda, a partir dos anos 1990. A pesquisa propõe-se investigar que modelos de arranjos institucionais e de redes sociais de parcerias vêm sendo construídos no município de Volta Redonda entre atores públicos e privados, que tem vindo a colaborar na qualidade das políticas públicas de saúde da cidade, ou aqueles movimentos da sociedade que podem ser potencializados no desenvolvimento e/ou no fortalecimento da capacidade e da excelência na Administração Pública Municipal, em particular na área da saúde. Conferencista: Maria Alice Chaves Nunes Costa Professora Adjunta da Universidade Federal Fluminense, lotada na Escola de Ciências Humanas e Sociais de Volta Redonda. Líder do Grupo de Pesquisa Políticas Públicas, Governação e Desenvolvimento Regional. É Pós-Doutorada pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (Portugal), Montfort University (EUA) e Vanderbilt University (EUA). Doutora em Planejamento Urbano pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestre em Ciência Política, MBA em Gestão pela Qualidade Total e Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense. Tem experiência na área de políticas públicas, com ênfase em desenvolvimento local e estratégia de redes sociais de parcerias. Interesses: Ciência Política; Sociologia Política e Econômica; Políticas Públicas (trabalho e geração de renda, saúde, educação, meio ambiente) e Responsabilidade Social das Empresas. Elaboração, desenvolvimento e avaliação de políticas sociais.