Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA

on

  • 124,295 views

Saiba como o profissional de limpeza deve atuar e os cuidados que deve ter durante o trabalho de desinfecção de superfícies em locais onde são prestados serviços de saúde.

Saiba como o profissional de limpeza deve atuar e os cuidados que deve ter durante o trabalho de desinfecção de superfícies em locais onde são prestados serviços de saúde.

Statistics

Views

Total Views
124,295
Views on SlideShare
124,262
Embed Views
33

Actions

Likes
12
Downloads
1,225
Comments
3

4 Embeds 33

https://www.cursosonlinecursos.com.br 14
https://cursosrapidosonline.com.br 9
https://cesbonline.com.br 8
https://www.xn--cursosonlinedaeducao-7yb1g.com.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA Presentation Transcript

  • Segurança do Paciente em Serviços de Saúde LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES de Super ícies Limpeza e Desinfecção Segurança do Paciente em Serviços de Saúde
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISASegurança do paciente em serviços de saúde:limpeza e desinfecção de superfícies Brasília, 2010
  • Copyright © 2010 Agência Nacional de Vigilância Sanitária.Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total dessa obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens dessa obra é da área técnica.A Anvisa, igualmente, não se responsabiliza pelas idéias contidas nessa publicação.1ª edição – 2010Elaboração, distribuição e informações: Revisão técnica externa:AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Adriana Cesário – Hospital Umimed – PESIA Trecho 5, Área Especial 57 Ana Paula Capinzaiki Silveira Martins – Secretaria de Saúde do DistritalCEP: 71205-050 Brasília – DF Federal – DFTel.: (61) 3462-6000 Carla Assad – Companhia Municipal de Limpeza Urbana – COMLURBHome page: www.anvisa.gov.br Claudia Benjamim Moreira Borges – Secretaria de Saúde do Distrital Federal – DFCoordenação Técnica: Claudia Dutra Andrino – Secretaria de Saúde do Distrital Federal – DFFabiana Cristina de Sousa Glória Costa – Companhia Municipal de Limpeza Urbana – COMLURBHeiko Thereza Santana Maria da Conceição Lira – Universidade Federal de Pernambuco – PE Rogério da Silva Lima – Organização Pan-Americana da Saúde- OPAS/OMSRedação: – BrasilAdriana Cesário – Hospital Unimed – PE Sylvia Lemos Hinrichsen – Universidade Federal de Pernambuco – PECarla Assad – Companhia Municipal de Limpeza Urbana – Comlurb Valeska Stempliuk – Organização Pan-Americana da Saúde – OPAS/OMS –Elenildes Silva Amorim – Anvisa WDCElisabete Reinehr Pontes – Instituto de Cardiologia de Porto Alegre – RSErci Maria Onzi Siliprandi – Instituto de Cardiologia de Porto Alegre – RS CapaFabiana Cristina de Sousa – Anvisa Camila Medeiros Contarato BurnsGizelma de Azevedo Simões Rodrigues – Hospital Sírio-Libanês – SP Projeto Gráfico e DiagramaçãoGlória Costa – Companhia Municipal de Limpeza Urbana – Comlurb All Type Assessoria Editorial LtdaHeiko Thereza Santana – AnvisaMaria da Conceição Lira – Universidade Federal de Pernambuco – PE Ilustrações:Maria Keiko Asakura – Hospital do Coração – SP Paulo Roberto Gonçalves CoimbraRosa Aires Borba Mesiano – AnvisaSilvana Torres – Assessoria e Treinamento em Serviços de Saúde Fotos:Sylvia Lemos Hinrichsen – Universidade Federal de Pernambuco – PE AudioVisual – Anvisa Almir WanzellerRevisão técnica – Anvisa: José Carlos de Jesus GomesMagda Machado de Miranda Luiz Henrique Alves PintoRegina Maria Goncalves BarcellosSandro Martins Dolghi Agradecimentos:Rosa Aires Borba Mesiano Companhia Municipal de Limpeza Urbana – COMLURB – RJ Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação – DF Hospital Municipal Souza Aguiar – RJ Organização Pan-Americana da Saúde Ficha CatalográficaBrasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies/Agência Nacional de Vigilância Sani-tária. – Brasília: Anvisa, 2010. 116 p. – ISBN 1. Vigilância Sanitária. 2. Saúde Pública. I. Título.
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesSIGLÁRIOANVISA – Agência Nacional de Vigilância SanitáriaCA – Certificado de AprovaçãoCAT – Comunicação de Acidente de TrabalhoCC – Centro CirúrgicoCFT – Comissão de Farmácia e TerapêuticaCME – Centro de Material e EsterilizaçãoCNPJ – Cadastro Nacional de Pessoa JurídicaCNBS – Conselho Nacional de BiossegurançaCTNBio – Comissão Técnica Nacional de BiossegurançaCO – Centro ObstétricoCPM – Comissão de Padronização de MateriaisDCCA – Ácido DicloroisocianúricoDNA – Ácido DesoxirribonucleicoDML – Depósito de Material de LimpezaDORT – Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao TrabalhoEAS – Estabelecimentos Assistenciais de SaúdeEPC – Equipamentos de Proteção ColetivaEPI – Equipamento de Proteção IndividualFISPQ – Ficha de Informação de Segurança de Produtos QuímicosHIV – Vírus da Imunodeficiência HumanaHS – High SpeedINCQS – Instituto Nacional de Controle de Qualidade em SaúdeLER – Lesão por Esforço RepetitivoMRSA – Staphylococcus aureus Resistente à MeticilinaNR – Norma RegulamentadoraPGRSS – Programa de Gerenciamento de Resíduos em Serviços de SaúdePPD – Derivado Proteico PurificadoPVC – Cloreto de PolivinilaRDC – Resolução da Diretoria ColegiadaRPM – Rotação Por MinutoSCIH – Serviço de Controle de Infecção HospitalarSESMT – Serviço de Medicina e Segurança do TrabalhoTCCA – Ácido TricloroisocianúricoUF – Unidade FederativaUHS – Ultra High SpeedUTI – Unidade de Terapia IntensivaVRE – Enterococos resistente à vancomicina 3
  • SUMÁRIOSIGLÁRIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3APRESENTAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13Capítulo 1O ambiente e a transmissão de infecções relacionadas à assistência à saúde . . . . . . 151.1 Fatores que favorecem a contaminação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161.2 Prevenção da transmissão de infecções relacionadas à assistência à saúde . . . . . . . . . . 17Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18Capítulo 2Classificação de áreas em serviços de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192.1 Áreas dos serviços de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22Capítulo 3O serviço de limpeza e desinfecção de superfícies . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233.1 Conceito, objetivos e finalidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243.2 Princípios básicos para a limpeza e desinfecção de superfícies em serviços de saúde . . . . . . 25 3.2.1 Princípios gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27Capítulo 4Recursos humanos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 294.1 Atribuições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 304.2 Atribuições administrativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 4.2.1 Quanto à apresentação pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 4.2.2 Quanto às normas institucionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 314.3 Atribuições técnicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 4.3.1 Líderes, supervisores ou encarregados de limpeza e desinfecção de superfícies . . . . . 31 4.3.1.1 Quanto à aquisição de produtos saneantes . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 4.3.1.2 Quanto aos equipamentos e materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 4.3.1.3 Quanto aos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC): . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 4.3.1.4 Outras atribuições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
  • 4.3.2 Profissionais de limpeza e desinfecção de superfícies . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 4.3.2.1 Quanto aos equipamentos, materiais e instalações . . . . . . . . . . . . . 34 4.3.2.2 Quanto à preservação ambiental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 4.3.2.3 Quanto à utilização de produtos saneantes . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 4.3.2.4 Quanto ao recolhimento dos resíduos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 4.3.2.5 Quanto aos EPI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 4.3.2.6 Quanto aos processos de limpeza e desinfecção de superfícies . . . . . . . . 354.4 Atribuições que não competem ao profissional de limpeza e desinfecção de superfícies . . . . 354.5 Perfil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 4.5.1 Perfil da equipe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 4.5.2 Perfil profissional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 4.5.3 Perfil comportamental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 384.6 Capacitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 4.6.1 A NR 32 e a capacitação contínua preventiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 4.6.2 Capacitação técnica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 4.6.3 Capacitação técnica e preventiva: participação da equipe multidisciplinar . . . . . . . 40 4.6.4 A capacitação e a terceirização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41Capítulo 5Produtos saneantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 435.1 Legislações e critérios de compra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 445.2 Principais produtos utilizados na limpeza de superfícies . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 5.2.1 Sabões e detergentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 465.3 Principais produtos utilizados na desinfecção de superfícies . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 5.3.1 Álcool . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 5.3.2 Compostos fenólicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 5.3.3 Compostos liberadores de cloro ativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 5.3.3.1 Inorgânicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 5.3.3.2 Orgânicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 5.3.4 Compostos quaternários de amônio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 5.3.5 Monopersulfato de potássio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 5.3.6 Oxidantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 5.3.6.1 Ácido peracético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50Capítulo 6Equipamentos e materiais utilizados na limpeza e desinfecção de superfícies . . . . . . 516.1 Equipamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
  • 6.1.1 Máquinas lavadoras e extratoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 6.1.2 Máquinas lavadoras com injeção automática de solução . . . . . . . . . . . . . . . 52 6.1.3 Aspiradores de pó e líquidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 6.1.4 Enceradeiras de baixa rotação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 6.1.5 Enceradeiras de alta rotação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 536.2 Materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 6.2.1 Conjunto mop . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 6.2.1.1 Cabo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 6.2.1.2 Luva do tipo cabeleira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 6.2.1.3 Luva do tipo cabeleira plana – Função úmida . . . . . . . . . . . . . . . . 54 6.2.1.4 Luva do tipo cabeleira plana – Função pó . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 6.2.1.5 Conjunto mop x pano para limpeza de piso e rodo: vantagens e desvantagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 6.2.2 Rodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 6.2.3 Panos para limpeza de mobília e pisos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 6.2.4 Baldes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 6.2.5 Kits para limpeza de vidros e tetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 6.2.6 Escadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 6.2.7 Discos abrasivos para enceradeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 6.2.8 Escova de cerdas duras com cabo longo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 6.2.9 Carro funcional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 6.2.10 Carros para transporte de resíduos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 6.2.11 Placa de sinalização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60Capítulo 7Limpeza e desinfecção de superfícies . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 617.1 Limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 627.2 Processos de limpeza de superfícies . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 7.2.1 Limpeza concorrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 7.2.2 Limpeza terminal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 637.3 Técnicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 7.3.1 Técnica de dois baldes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 7.3.1.1 Varredura úmida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 7.3.1.2 Ensaboar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 7.3.1.3 Enxaguar e secar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 7.3.1.4 Passo a Passo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 7.3.1.5 Outros aspectos da limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 7.3.2 Técnica de limpeza de piso com mop . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
  • 7.3.2.1 Passo a Passo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67 7.3.2.2 Recomendações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68 7.3.3 Limpeza com máquinas de rotação – Enceradeiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68 7.3.4 Limpeza com máquinas lavadoras e extratoras automáticas . . . . . . . . . . . . . . 69 7.3.5 Limpeza com máquina de vapor quente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 697.4 Desinfecção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 7.4.1 Técnica de desinfecção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 7.4.1.1 Técnica de desinfecção com pequena quantidade de matéria orgânica . . . . 70 7.4.1.2 Técnica de desinfecção com grande quantidade matéria orgânica . . . . . . 707.5 Limpeza e desinfecção de superfícies das áreas internas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 727.6 Limpeza de superfícies das áreas externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77Capítulo 8Produtos e sistemas utilizados no tratamento de pisos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 798.1 Ceras lustráveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 808.2 Ceras semilustráveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 808.3 Ceras autobrilhantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 808.4 Ceras impermeabilizante High Speed – HS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 808.5 Ceras Ultra High Speed – UHS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 818.6 Etapas do tratamento de pisos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 8.6.1 Preparação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 8.6.2 Acabamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 8.6.2.1 Selamento das porosidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 8.6.2.2 Impermeabilização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 8.6.2.3 Polimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 8.6.3 Manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 828.7 Definição do produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84Capítulo 9Higienização das mãos em serviços de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 859.1 Indicações – Higienização das Mãos com Água e Sabonete Líquido . . . . . . . . . . . . . . 86 9.1.1 Técnica “Higienização simples das mãos com água e sabonete” . . . . . . . . . . . . 86 9.1.2 Passo a Passo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 869.2 Indicações – Higienização das mãos com preparação alcoólica para as mãos . . . . . . . . . 89 9.2.1 Técnica “Fricção Antisséptica das Mãos” (com preparações alcoólicas) . . . . . . . . . 899.3 Outros aspectos da higienização das mãos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 929.4 Recomendações para dispensadores de sabonete e antissépticos . . . . . . . . . . . . . . . 92
  • 9.5 Considerações da Anvisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94Capítulo 10Medidas de biossegurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9510.1 Os riscos a que estão expostos os profissionais de limpeza e desinfecção de superfícies em serviços de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 10.1.1 Risco biológico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 10.1.1.1 Classificação de risco de agentes biológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 10.1.2 Risco químico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 10.1.2.1 Recomendações para produtos químicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 10.1.2.1.1 Na aquisição do produto químico . . . . . . . . . . . . . . . 97 10.1.2.1.2 Prerrogativas para o uso do produto . . . . . . . . . . . . . . 98 10.1.2.1.3 EPI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 10.1.2.1.4 Proibições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 10.1.3 Risco de natureza físico-química . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 10.1.4 Risco tóxico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 10.1.5 Drogas citotóxicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 10.1.6 Risco ergonômico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9910.2 Material perfurocortante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9910.3 Sinalização de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9910.4 Equipamentos de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 10.4.1 Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e Uniforme . . . . . . . . . . . . . . . . 99 10.4.1.1 Luvas de borracha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 10.4.1.2 Máscaras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 10.4.1.3 Óculos de proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 10.4.1.4 Botas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 10.4.1.5 Sapatos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 10.4.1.6 Avental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 10.4.1.7 Gorro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 10.4.2 Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 10.4.3 Aquisição de novos equipamentos de proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10310.5 Proteção ambiental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 10.5.1 Limpeza concorrente e terminal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 10.5.2 Programa de Gerenciamento de Resíduos em Serviços de Saúde (PGRSS) . . . . . . . 103 10.5.3 Sistema de ventilação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10310.6 Saúde ocupacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 10.6.1 Imunização do profissional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 10.6.2 Ações emergenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
  • 10.6.2.1 Acidentes com material perfurocortante ou contato com sangue e outros fluidos corporais em mucosa ou pele não íntegra . . . . . . . . . . 104 10.6.2.2 Respingo em pele íntegra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 10.6.2.3 Derramamento ou extravasamento com contaminação ambiental . . . . . . 104 10.6.2.3.1 Conteúdo mínimo do kit para químico perigoso . . . . . . . . 104 10.6.2.3.2 Passo a passo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10510.7 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106GLOSSÁRIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107ANEXOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .109ANEXO I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 Roteiro de Observação Diária/Semanal – Condições de Limpeza e Conservação . . . . . . . . 110ANEXO II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 Roteiro de Observação Diária/Semanal – Biossegurança Durante os Procedimentos . . . . . . 111ANEXO III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 Roteiro de Observação Diária/Semanal – Resíduos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112ANEXO IV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 Formulário Troca de EPI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113ANEXO V . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 Formulário de Solicitação de Serviços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114ANEXO VI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 Modelo de Etiqueta para Saneantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
  • A P R E S E N TA Ç Ã OAs infecções relacionadas à assistência à saúde representam um risco substancial à segurança dopaciente em serviços de saúde. Há evidências mostrando que vários patógenos como Staphylo-coccus aureus resistente à meticilina, Enterococos resistente à vancomicina e outros contami-nam superfícies e equipamentos (bombas de infusão, barras protetoras das camas e estetoscópioe outros) mais frequentemente manuseados pelos profissionais e pacientes.Sendo assim, falhas nos processos de limpeza e desinfecção de superfícies podem ter como con-sequência a disseminação e transferência de microrganismos nos ambientes dos serviços de saú-de, colocando em risco a segurança dos pacientes e dos profissionais que atuam nesses serviços.No sentido de contribuir com a correta limpeza e desinfecção de superfícies em serviços de saú-de, a Anvisa publica o presente manual, disponibilizando informações atualizadas sobre o tema.Espera-se que essa publicação proporcione aos gestores públicos, administradores, educadores,líderes, supervisores e encarregados de limpeza e desinfecção de superfícies e profissionais desaúde, melhor uso e aprimoramento desses processos, de forma a racionalizar esforços, recursose tempo, garantindo, assim, a segurança de pacientes e profissionais. Dirceu Raposo de Mello Diretor da Anvisa 11
  • INTRODUÇÃOA limpeza e a desinfecção de superfícies são elementos que convergem para a sensação de bem--estar, segurança e conforto dos pacientes, profissionais e familiares nos serviços de saúde. Cor-robora também para o controle das infecções relacionadas à assistência à saúde, por garantir umambiente com superfícies limpas, com redução do número de microrganismos, e apropriadaspara a realização das atividades desenvolvidas nesses serviços.O ambiente é apontado como importante reservatório de microrganismos nos serviços de saú-de, especialmente os multirresistentes. Ainda, a presença de matéria orgânica favorece a proli-feração de microrganismos e o aparecimento de insetos, roedores e outros, que podem veicularmicrorganismos nos serviços de saúde.Dessa forma, o aparecimento de infecções nos ambientes de assistência à saúde pode estar rela-cionado ao uso de técnicas incorretas de limpeza e desinfecção de superfícies e manejo inade-quado dos resíduos em serviços de saúde.Assim, o Serviço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies em Serviços de Saúde apresenta rele-vante papel na prevenção das infecções relacionadas à assistência à saúde, sendo imprescindívelo aperfeiçoamento do uso de técnicas eficazes para promover a limpeza e desinfecção de super-fícies. 13
  • Capítulo 1O ambiente e a transmissãode infecções relacionadas àassistência à saúde Ad r ian a C esár i o Mar ia d a C o n ceição Lira Sylvia Lem o s Hin r ich se n
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAAtualmente, o ambiente em serviços de saúde 1.1 Fatores que favorecem atem sido foco de especial atenção para a mini- contaminaçãomização da disseminação de microrganismos,pois pode atuar como fonte de recuperação Dentre os fatores que favorecem a contamina-de patógenos potencialmente causadores de ção do ambiente dos serviços de saúde, citam-infecções relacionadas à assistência à saúde, -se (GARNER, 1996; OLIVEIRA, 2005):como os microrganismos multirresistentes.Segundo Rutala (2004), as superfícies limpas ƒƒ Mãos dos profissionais de saúde em conta-e desinfetadas conseguem reduzir em cerca de to com as superfícies.99% o número de microrganismos, enquanto ƒƒ Ausência da utilização de técnicas básicasas superfícies que foram apenas limpas os re- pelos profissionais de saúde.duzem em 80%. ƒƒ Manutenção de superfícies úmidas ou mo- lhadas.As superfícies carreiam um risco mínimo de ƒƒ Manutenção de superfícies empoeiradas.transmissão direta de infecção, mas pode con- ƒƒ Condições precárias de revestimentos.tribuir para a contaminação cruzada secun- ƒƒ Manutenção de matéria orgânica.dária, por meio das mãos dos profissionais Há evidências da existência da transmissão dede saúde e de instrumentos ou produtos que infecções por rotavírus e Candida spp. pelopoderão ser contaminados ao entrar em con- meio ambiente, pois o período de sobrevivên-tato com essas superfícies e posteriormente, cia no meio ambiente do rotavírus é maior quecontaminar os pacientes ou outras superfícies 12 dias, e o da Candida spp., de horas. Já o ví-(ANSI/AAMI, 2006). rus da imunodeficiência humana (HIV) con- segue sobreviver em superfície com matériaAssim, a higienização das mãos dos profissio- orgânica ressequida até três dias, e o vírus danais de saúde e a limpeza e a desinfecção de hepatite, nas mesmas condições, até uma se-superfícies são fundamentais para a prevenção mana (HINRICHSEN, 2004).e redução das infecções relacionadas à assis-tência à saúde. Portanto, a presença de sujidade, principal- mente matéria orgânica de origem humana, pode servir como substrato para a proliferação de microrganismos ou favorecer a presença de vetores, com a possibilidade de transportar passivamente esses agentes (PELCZAR, 1997; FERNANDES et al., 2000). Sendo assim, toda área com presença de matéria orgânica deverá ser rapidamente limpa e desinfetada, indepen- dentemente da área do hospital.16
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesStaphylococcus aureus resistente à meticilina ƒƒ evitar atividades que favoreçam o levanta-(MRSA, methicillin-resistant Staphylococcus mento das partículas em suspensão, comoaureus) e Enterococos resistente à vancomi- o uso de aspiradores de pó (permitidos so-cina (VRE, vancomycin-resistant enterococci) mente em áreas administrativas);são capazes de sobreviver dias ou até semanas ƒƒ não realizar a varredura seca nas áreas in-nas superfícies de ambientes de serviços de ternas dos serviços de saúde;saúde (BOYCE, 2007). Estudos têm demons- ƒƒ as superfícies (mobiliários em geral, pisos,trado a presença de microrganismos multir- paredes e equipamentos, dentre outras) de-resistentes aos antimicrobianos em superfí- vem estar sempre limpas e secas;cies de leitos e equipamentos, após limpeza ƒƒ remover rapidamente matéria orgânica dase desinfecção inapropriadas (NOSKIN et al., superfícies;2000; RAY et al., 2002; SAMPLE et al., 2002; ƒƒ isolar áreas em reformas ou em construção,DENTON et al., 2004). Ressalta-se, portanto, utilizando tapumes e plástico.a importância da elaboração de protocolosrigorosos de limpeza e desinfecção de super-fícies, pelos serviços de saúde, para o contro- Nota: No caso de reformas internas nas proxi-le desses microrganismos. midades de áreas críticas de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde (EAS) deve-se realizarAlém dos microrganismos multirresistentes, o isolamento da obra por meio de barreirasoutros de relevância epidemiológica nas in- herméticas devido à grande quantidade de de-fecções relacionadas à assistência à saúde es- tritos, poeira e fungos (ABNT, 2005).tão ligados à contaminação ambiental comoClostridium difficile, Legionella e Aspergillus. Esses procedimentos visam evitar a formação ou piora de processos alérgicos, surtos de as-1.2 Prevenção da transmissão de pergiloses e a disseminação de determinadas doenças (tuberculose e outras). No sentido de evitar fontes de fungos é impor- tante retirar vasos com flores e plantas dos quar- tos ou áreas assistenciais dos serviços de saúde. Além da limpeza e desinfecção, a instituição das medidas de precauções também é impor- tante na prevenção da transmissão de infec-infecções relacionadas à assistência ções relacionadas à assistência à saúde, de-à saúde vendo ser adotadas, quando necessárias, pelosAs medidas utilizadas para diminuir a interfe- profissionais de saúde e de limpeza e desinfec-rência do ambiente nas infecções relacionadas ção de superfícies em serviços de saúde.à assistência à saúde envolvem (HINRICH-SEN, 2004; ASSAD & COSTA, 2010): 17
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAReferências bibliográficasAmerican National Standard Association for the advancement of medical Instrumentation – ANSI/AAMI. ST 79:2006. Disponível em: http://marketplace.aami.org/eseries/scriptcontent/docs/Preview%20Files%5CST790607-preview.pdf. Acesso em: maio 2008.ASSAD, C.; COSTA, G. Manual Técnico de Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospitalares e Manejo deResíduos. Rio de Janeiro: IBAM/COMLURB, 2010. 28 p. Disponível em: http://comlurb.rio.rj.gov.br/download/MANUAL%20DO%20FUNCIONÁRIO%202%20-%20HOSPITALAR.pdf. Acesso em: janeiro 2009.ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7256. Tratamento de ar em estabelecimentosassistenciais de saúde (EAS) – requisitos para projetos e execução de instalações. Rio de Janeiro, 2005.Boyce, J.M. Environmental contamination makes an important contribution to hospital infection. J Hosp Infect,v. 65, p.50-54, 2007.DENTON, M.; WILCOX, M.H.; PARNELL, P.; GREEN, D.; KEER, V.; HAWKEY, P.M.; EVANS, I.; MURPHY, P.Role of environmental cleaning in controlling an outbreak of Acinetobacter baumannii on a neurosurgical intensivecare unit. J Hosp Infect., v.56, p. 106-110, 2004.FERNANDES, A.T. et al. Infecção Hospitalar e suas interfaces na Área da Saúde. São Paulo: Atheneu, 2000.GARNER, J.S. The hospital infection control practices advisory committee. Guideline for isolation precautions inhospital. Infect. Control Hosp. Epidemiol., v.17, p. 54-80, 1996.HINRICHSEN, S.L. et al. Limpeza Hospitalar: Importância no Controle de Infecções. In: HINRICHSEN, S.L.Biossegurança e Controle de Infecções. Risco Sanitário Hospitalar. Rio de Janeiro: Medsi, 2004, p. 175-203.NOSKIN, G.A.; BEDNARZ, P.; SURIANO, T.; REINER, S.; PETERSON, L.R. Persistent contamination of fabriccovered furniture by vancomycin-resistant enterococci: implications for upholstery selection in hospitals. Am JInfect Control, v.28, p.311-313, 2000.OLIVEIRA, A. Infecções Hospitalares, Epidemiologia, Prevenção e Controle. Rio de Janeiro: Medsi, 2005. p. 290.PELCZAR, M.J. et al. Microbiologia, conceitos e aplicações. São Paulo: Makron Books, 1997.Ray A.J; Hoyen C.K; Das S.M; Taub, T.F; Eckstein, E.C; Donskey, C.J. Nosocomial transmission ofvancomycin-resistant enterococci from surfaces. JAMA, v. 287, p. 1400-1401, 2002.RUTALA, W.A.; WERBER, D.J. The benefits of surface disinfection. American Journal Infection Control, v.32, p.226-231, 2004.SAMPLE, M.L.; GRAVEL, D.; OXLEY, C.; BALDWIN, T.; GARBER, G.; RAMOTAR, K. An Outbreak ofVancomycin-Resistant Enterococci in a Hematology–Oncology Unit: Control by Patient Cohorting and TerminalCleaning of the Environment. Infection Control and Hospital Epidemiology, v.23, p.468 – 469, 2002.18
  • Capítulo 2C lassificação de áreas emserviços de saúde Mar ia K eiko Asaku ra
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAA evolução tecnológica aplicada à medicinavem revolucionando a arquitetura dos servi-ços de saúde, que tem sido modificada visandoà melhoria do atendimento ao paciente (MU-NHOZ & SOARES, 2000). Para se adequaremàs novas tecnologias, muitos serviços de saúdenecessitaram de reformas ou ampliação dasáreas construídas, resultando em construçõesque nem parecem estabelecimentos de assis-tência à saúde. A aparência do ambiente pro-porcionada pela limpeza é um importante cri-tério de qualidade de atendimento do serviçode saúde. 2.1 Áreas dos serviços de saúdeConsiderando-se a variedade das atividadesdesenvolvidas em um serviço de saúde, há As áreas dos serviços de saúde são classifi-necessidade de áreas específicas para o de- cadas em relação ao risco de transmissão desenvolvimento de atividades administrativas e infecções com base nas atividades realizadasoperacionais. São exemplos dessas atividades: em cada local. Essa classificação auxilia emreceber o paciente e sua família no momento algumas estratégias contra a transmissão deda internação; acomodar o paciente; realizar infecções, além de facilitar a elaboração deexames de rotina e exames diagnósticos inva- procedimentos para limpeza e desinfecção desivos e realizar procedimentos cirúrgicos sim- superfícies em serviços de saúde.ples ou de alta complexidade. O objetivo da classificação das áreas dos ser- viços de saúde é orientar as complexidades, a minuciosidade e o detalhamento dos serviços a serem executados nesses setores, de modo que o processo de limpeza e desinfecção de superfícies esteja adequado ao risco. Portanto, a definição das áreas dos serviços de saúde foi feita considerando o risco potencial para a transmissão de infecções, sendo classi- ficadas em áreas críticas, semicríticas e não- -críticas (YAMAUSHI et al., 2000; BRASIL, 2002; APECIH, 2004), conforme descrito a seguir:20
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesƒƒ Áreas críticas: são os ambientes onde exis- ƒƒ Áreas semicríticas: são todos os comparti- te risco aumentado de transmissão de in- mentos ocupados por pacientes com doen- fecção, onde se realizam procedimentos de ças infecciosas de baixa transmissibilidade risco, com ou sem pacientes ou onde se en- e doenças não infecciosas. São exemplos contram pacientes imunodeprimidos. São desse tipo de área: enfermarias e aparta- exemplos desse tipo de área: Centro Cirúr- mentos, ambulatórios, banheiros, posto de gico (CC), Centro Obstétrico (CO), Unida- enfermagem, elevador e corredores. de de Terapia Intensiva (UTI), Unidade de ƒƒ Áreas não-críticas: são todos os demais Diálise, Laboratório de Análises Clínicas, compartimentos dos estabelecimentos as- Banco de Sangue, Setor de Hemodinâmica, sistenciais de saúde não ocupados por pa- Unidade de Transplante, Unidade de Quei- cientes e onde não se realizam procedimen- mados, Unidades de Isolamento, Berçário tos de risco. São exemplos desse tipo de de Alto Risco, Central de Material e Este- área: vestiário, copa, áreas administrativas, rilização (CME), Lactário, Serviço de Nu- almoxarifados, secretaria, sala de costura. trição e Dietética (SND), Farmácia e Área suja da Lavanderia. Atualmente, essa classificação é questiona- da, pois o risco de infecção ao paciente está relacionado aos procedimentos aos quais ele é submetido, independentemente da área em que ele se encontra. Entretanto, essa classifica- ção pode nortear o líder, supervisor ou encar- regado do Serviço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies em Serviços de Saúde na divi- são de atividades, dimensionamento de equi- pamentos, profissionais e materiais. 21
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAReferências bibliográficasAPECIH – Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar. Monografia: Limpeza, Desinfecçãode Artigos e Áreas Hospitalares e Anti-sepsia, São Paulo 2004.BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº. 50, de 21 de fevereirode 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetosfísicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Diário Oficial da União [da União da República Federativa doBrasil], Brasília, 20 mar. 2002.MUNHOZ, M.M; SOARES, F. Arquitetura Hospitalar. In FERNANDES, A.T. editor. Infecção Hospitalar e suasinterfaces na área da saúde. São Paulo: Atheneu, 2000. p.1278-1286.YAMAUSHI, N.I; LACERDA, R.A; GABRIELLONI, M.C. Limpeza Hospitalar. In: FERNANDES, A.T. editor.Infecção Hospitalar e suas interfaces na área da saúde. São Paulo: Atheneu, 2000. p.1141-1155.22
  • Capítulo 3O servi ço de limpe z a edesinfec ção de superfícies Ad r ian a C esár i o Mar ia d a C o n ceição Lira Sylvia Lem o s Hin r ich se n
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAA limpeza e desinfecção de superfícies em ser- O Serviço de Limpeza e Desinfecção de Super-viços de saúde são elementos primários e efi- fícies em Serviços de Saúde deverá contribuircazes nas medidas de controle para romper a para prevenir a deterioração de superfícies,cadeia epidemiológica das infecções. objetos e materiais, promovendo conforto e segurança aos pacientes, acompanhantes eO Serviço de Limpeza e Desinfecção de Su- aos funcionários, por intermédio de um meioperfícies em Serviços de Saúde visa garantir limpo. Deverá também sempre considerar aaos usuários dos serviços de saúde uma per- importância de manter as superfícies limpasmanência em local limpo e em ambiente com (diminuindo o número de microrganismosmenor carga de contaminação possível, con- dessas) com otimização de custos.tribuindo com a redução da possibilidade detransmissão de infecções oriundas de fontes Atualmente, o interesse por parte dos profis-inanimadas. sionais de saúde nas áreas de apoio, incluindo o Serviço de Limpeza e Desinfecção de Super-3.1 Conceito, objetivos e finalidades fícies em Serviços de Saúde, deve-se à atual percepção da existência do ambiente e de suaO Serviço de Limpeza e Desinfecção de Su- importância na prevenção de infecções rela-perfícies em Serviços de Saúde compreende a cionadas à assistência à saúde.limpeza, desinfecção e conservação das super-fícies fixas e equipamentos permanentes dasdiferentes áreas.Tem a finalidade de preparar o ambiente parasuas atividades, mantendo a ordem e conser-vando equipamentos e instalações, evitandoprincipalmente a disseminação de microrga-nismos responsáveis pelas infecções relacio-nadas à assistência à saúde.As superfícies em serviços de saúde compreen-dem (BRASIL, 1994; PREFEITURA..., 2006):mobiliários, pisos, paredes, divisórias, portase maçanetas, tetos, janelas, equipamentos paraa saúde, bancadas, pias, macas, divãs, suportepara soro, balança, computadores, instalaçõessanitárias, grades de aparelho de condiciona-dor de ar, ventilador, exaustor, luminárias, be-bedouro, aparelho telefônico e outros.24
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies ƒƒ Proceder à frequente higienização das mãos. ƒƒ Não utilizar adornos (anéis, pulseiras, re- lógios, colares, piercing, brincos) durante o período de trabalho. ƒƒ Manter os cabelos presos e arrumados e unhas limpas, aparadas e sem esmalte. ƒƒ Os profissionais do sexo masculino devem manter os cabelos curtos e barba feita. ƒƒ O uso de Equipamento de Proteção Indivi- dual (EPI) deve ser apropriado para a ativi- dade a ser exercida. ƒƒ Nunca varrer superfícies a seco, pois esse ato favorece a dispersão de microrganis- mos que são veiculados pelas partículas de pó. Utilizar a varredura úmida, que pode ser realizada com mops ou rodo e panos de limpeza de pisos. ƒƒ Para a limpeza de pisos, devem ser seguidas as técnicas de varredura úmida, ensaboar,O Serviço de Limpeza e Desinfecção de Super- enxaguar e secar.fícies em Serviços de Saúde poderá ser próprio ƒƒ O uso de desinfetantes ficam reservadosou terceirizado pelo serviço de saúde. Sendo apenas para as superfícies que contenhampróprio ou terceirizado, é importante que o matéria orgânica ou indicação do Serviçonúmero de profissionais atenda à demanda de de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH).trabalho em todos os turnos, buscando a exce- ƒƒ Todos os produtos saneantes utilizados de-lência dos serviços prestados nos serviços de vem estar devidamente registrados ou noti-saúde. ficados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).3.2 Princípios básicos para a limpeza ƒƒ A responsabilidade do Serviço de Limpezae desinfecção de superfícies em e Desinfecção de Superfícies em Serviçosserviços de saúde de Saúde na escolha e aquisições dos pro- dutos saneantes deve ser realizada conjun-3.2.1 Princípios gerais tamente pelo Setor de Compras e HotelariaOs princípios básicos para a limpeza e desin- Hospitalar (SCIH).fecção de superfícies em serviços de saúde são ƒƒ É importante avaliar o produto fornecidoa seguir descritos (APECIH, 2004; HINRI- aos profissionais. São exemplos: testes mi-CHSEN, 2004; MOZACHI, 2005; TORRES & crobiológicos do papel toalha e sabonete lí-LISBOA, 2007; ASSAD & COSTA, 2010): quido, principalmente quando se tratar de fornecedor desconhecido. 25
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAƒƒ Deve-se utilizar um sistema compatível entre equipamento e produto de limpeza e desinfecção de superfícies (apresentação do produto, diluição e aplicação).ƒƒ O profissional de limpeza sempre deverá certificar se os produtos de higiene, como sa- bonete e papel toalha e outros são suficientes para atender às necessidades do setor.ƒƒ Cada setor deverá ter a quantidade neces- sária de equipamentos e materiais para lim- peza e desinfecção de superfícies.ƒƒ Para pacientes em isolamento de contato, recomenda-se exclusividade no kit de lim- peza e desinfecção de superfícies. Utilizar, preferencialmente, pano de limpeza des- cartável. minhados à lavanderia para processamentoƒƒ O sucesso das atividades de limpeza e de- ou lavados manualmente no expurgo. sinfecção de superfícies depende da garan- ƒƒ Os discos das enceradeiras devem ser lava- tia e disponibilização de panos ou cabelei- dos e deixados em suporte para facilitar a ras alvejados e limpeza das soluções dos secagem e evitar mau cheiro proporciona- baldes, bem como de todos equipamentos do pela umidade. de trabalho. ƒƒ Todos os equipamentos deverão ser limposƒƒ Os panos de limpeza de piso e panos de a cada término da jornada de trabalho. mobília devem ser preferencialmente enca- ƒƒ Sempre sinalizar os corredores, deixando um lado livre para o trânsito de pessoal, enquanto se procede à limpeza do outro lado. Utilizar placas sinalizadoras e manter os materiais organizados, a fim de evitar acidentes e poluição visual. ƒƒ A frequência de limpeza das superfícies pode ser estabelecida para cada serviço, de acordo com o protocolo da instituição. ƒƒ A desinsetização periódica deve ser reali- zada de acordo com a necessidade de cada instituição. O cronograma semestral para a desinsetização deve estar disponível para consulta, assim como a relação dos produ- tos utilizados no decorrer do semestre.26
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesReferências bibliográficasAPECIH – Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar. Monografia: Limpeza, Desinfecçãode Artigos e Áreas Hospitalares e Anti-sepsia. São Paulo, 2004.ASSAD, C.; COSTA, G. Manual Técnico de Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospitalares e Manejo deResíduos. Rio de Janeiro: IBAM/COMLURB, 2010. 28 p. Disponível em: <http://comlurb.rio.rj.gov.br/download/MANUAL%20DO%20FUNCIONÁRIO%202%20-%20HOSPITALAR.pdf>. Acesso em: janeiro 2009.BRASIL. Ministério da saúde. Coordenação de Controle de Infecção. Processamento de Artigos e Superfícies emEstabelecimentos de Saúde. Brasília, 1994.HINRICHSEN, S.L. et al. Limpeza Hospitalar: Importância no Controle de Infecções. In: HINRICHSEN, S.L.Biossegurança e Controle de Infecções. Risco Sanitário Hospitalar. Medsi: Rio de Janeiro, 2004. pp. 175-203.MOZACHI, N. O Hospital: Manual do Ambiente Hospitalar. Curitiba: Os Autores, 2005.PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO – SP. Secretaria Municipal de Saúde. Comissão de Controle deInfecção – CCI – SMS. Limpeza e Desinfecção de Superfícies em Serviços de Saúde. Ribeirão Preto; SMS-RP, 2006.Disponível em: <http://www.saude.ribeiraopreto.sp.gov.br/ssaude/comissao/desin/i16limpdesinfecsuperficie.pdf>.Acesso em: dez.2008.TORRES, S.; LISBOA, T. Gestão dos Serviços de Limpeza, Higiene e Lavanderia em Estabelecimentos de Saúde.São Paulo: Sarvier, 3 ed., 2008. 27
  • Capítulo 4Recursos humanos Silvan a To r r es
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA4.1 Atribuições sites educativos. Vale à pena contemplar essa ferramenta em futuros planejamentos de edu-As atribuições da equipe do Serviço de Lim- cação continuada que, além de ser uma práticapeza e Desinfecção de Superfícies em Serviços contemporânea, facilita as necessárias revisõesde Saúde podem variar de acordo com a área e sistemáticas.as características do local onde a limpeza serárealizada, além do modelo de gestão em vigor Ressalta-se que uma atribuição por si só podeaplicado ao serviço em questão. não ser esclarecedora e não dar todas as respos- tas para um determinado tipo de procedimen-Embora as atribuições possam apresentar va- to: Quais os equipamentos de proteção indivi-riações entre diferentes instituições, o objetivo dual necessários para esse processo de limpeza?alvo deve ser comum, ou seja, a remoção de O que deve ser limpo? Onde limpar? Quandosujidades de superfícies do ambiente, mate- limpar? Em qual horário? Quais equipamentosriais e equipamentos, mediante a aplicação e e materiais utilizar? Onde encontrar?ação de produtos químicos, ação física, aplica-ção de temperatura ou combinação de proces- Daí a necessidade de um embasamento pré-sos. Ao limpar superfícies de serviços de saú- vio, por meio de treinamentos de capaci-de, pretende-se proporcionar aos usuários um tação, também acompanhados de manuaisambiente com menor carga de contaminação técnicos.possível, contribuindo na redução da possibi-lidade de transmissão de patógenos oriundos 4.2 Atribuições administrativasde fontes inanimadas, por meio das boas prá-ticas de limpeza e desinfecção de superfícies 4.2.1 Quanto à apresentação pessoal(TORRES & LISBOA, 2007). ƒƒ Apresentar-se com uniforme completo, limpo, passado, sem manchas, portando aA clareza das atribuições tem papel funda- identificação do funcionário.mental para seu cumprimento e, para tanto,se faz necessário um manual contendo todasas tarefas a serem realizadas, especificadas porcargo. O manual deve ser apresentado e estarà disposição de todos os colaboradores paraconsulta no local de trabalho, em local de fácilacesso. Sua revisão deve ser periódica e sem-pre que houver mudança de rotinas.A informatização do manual viabiliza treina-mentos de capacitação técnica, mais práticos emotivadores, possibilitando inserções de ilus-trações, fotos, esquemas, links para filmes ou30
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesƒƒ Utilizar calçados profissionais: fechados, ƒƒ Cumprir tarefas operacionais estabelecidas impermeáveis e com sola antiderrapante. previamente em suas atribuições designadas.ƒƒ Manter cabelos penteados e presos. ƒƒ Participar de programas ou campanhasƒƒ Manter unhas curtas, limpas, sem esmalte institucionais que contribuam para a mini- ou unhas postiças. mização de riscos ocupacionais, ambientaisƒƒ Desprover-se de adornos (BRASIL, 2005), e que estimulem a responsabilidade social, como pulseiras, anéis, brincos, colares e como, por exemplo, programas de biosse- piercing. gurança, prevenção de incêndio, campanhaƒƒ Manter higiene corporal. de vacinação e outros.4.2.2 Quanto às normas institucionais 4.3 Atribuições técnicasƒƒ Apresentar-se no horário estabelecido no contrato de trabalho. Todas as atribuições técnicas serão descritas aƒƒ Comunicar e justificar ausências. seguir.ƒƒ Respeitar clientes internos e externos à ins- tituição: superiores, colegas de trabalho, 4.3.1 Líderes, supervisores ou encarregados pacientes, visitantes e outros. de limpeza e desinfecção de superfíciesƒƒ Adotar postura profissional compatível 4.3.1.1 Quanto à aquisição de produtos com as regras institucionais: saneantes –– falar em tom baixo. ƒƒ Utilizar somente produtos saneantes pa- –– evitar gargalhadas. dronizados, na concentração e tempo reco- –– evitar diálogos desnecessários com mendados pelo fabricante e SCIH. clientes, sem que seja questionado pre- ƒƒ Avaliar junto ao fabricante a compatibilida- viamente. de do tipo de superfícies com o produto a –– não fumar e não guardar ou consumir ser empregado, a fim de preservar a integri- alimentos e bebidas nos postos de traba- dade do mobiliário, de revestimentos e dos lho (BRASIL, 2005). equipamentos pertencentes ao patrimônio institucional. Orientar os funcionários so- bre qual produto utilizar em cada tipo de superfície e quando utilizá-lo. ƒƒ Oferecer sabão ou detergente para realizar os processos de limpeza, restringindo o uso de desinfetantes apenas para situações es- pecíficas recomendadas pelo SCIH. ƒƒ Padronizar a aquisição de detergentes com tensoativo biodegradáveis que atendam à legislação pertinente e suas atualizações (BRASIL, 1988). 31
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA4.3.1.2 Quanto aos equipamentos e materiais 4.3.1.3 Quanto aos Equipamentos de Proteçãoƒƒ Providenciar a aquisição de equipamentos Individual (EPI) e Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC): e materiais necessários para a realização de boas práticas de limpeza que atendam às ƒƒ Adquirir EPI com certificação de aprova- exigências ergonômicas e que preservem a ção, pois se refere ao CA. do Ministério do integridade física do trabalhador (­ RASIL, B Trabalho e disponibili­zá-los em quantidade 2005), como a disponibilização de car- suficiente para uso e reposição (BRASIL, ros funcionais em número suficiente para 2005). que todos os colaboradores tenham acesso ƒƒ Capacitar ou direcionar a capacitação sobre quando precisarem. EPI para um profissional que esteja habi-ƒƒ Fornecer equipamentos e materiais aprova- litado para desenvolver treinamentos com dos previamente pelo SCIH. abordagens como: tipos, onde e quandoƒƒ Capacitar os profissionais de limpeza e utilizar, importância da utilização, técnicas desinfecção de superfícies a operar e zelar de utilização correta e adequada, riscos da pela manutenção dos equipamentos e ma- não utilização e outros. teriais pertencentes ao serviço. ƒƒ Supervisionar o uso correto dos EPI.ƒƒ Substituir os equipamentos que possam re- ƒƒ Providenciar e disponibilizar Equipamen- presentar risco à integridade física do pro- tos de Proteção Coletiva (EPC) e orientar fissional de limpeza ou que não atendam às os colaboradores para sua utilização. necessidades do serviço.A análise de alguns critérios auxilia no mo-mento da aquisição de um novo equipamen-to:ƒƒ Nível mínimo de ruídos.ƒƒ Uso de equipamentos industriais e nunca domésticos.ƒƒ Consumo mínimo de energia e água, pre- servando assim, os recursos ambientais na- turais esgotáveis.ƒƒ Possibilidade de manutenção ou reposição rápida quando danificados.ƒƒ Compatibilidade com as áreas às quais se pretende utilizá-los.ƒƒ Qualidade e tecnologia adequadas e compa- tíveis com revestimentos institucionais e que não ofereçam riscos à saúde ocupacional.ƒƒ Preferencialmente com referências de utili- zação em outro serviço de saúde.32
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies4.3.1.4 Outras atribuiçõesƒƒ Focar suas ações em consonância com a missão, visão, filosofia e objetivos da ins- tituição.ƒƒ Participar e acompanhar os processos sele- tivos da equipe de limpeza e desinfecção de superfícies por meio de estabelecimento de requisitos pertinentes ao cargo, participa- ção em entrevistas e avaliações.ƒƒ Planejar, coordenar, implementar e supervi- sionar as atividades pertinentes ao serviço.ƒƒ Dimensionar pessoal, equipamentos, uten- sabonete líquido e preparações alcoólicas sílios e materiais de limpeza e desinfecção para as mãos e outros. de superfícies. ƒƒ Estender e implementar programas ins-ƒƒ Desenvolver e implementar programas de titucionais de racionamento de recursos educação contínua sobre processos de lim- naturais, como hídricos e energéticos, para peza e desinfecção de superfícies e conser- o Serviço de Limpeza e Desinfecção de Su- vação. A principal vantagem da educação perfícies em Serviços de Saúde. contínua está no fato de possibilitar uma ƒƒ Encaminhar os resíduos poluidores para intervenção no momento em que o erro o setor de manutenção, tais como pilhas, acontece, por meio da orientação e acom- lâmpadas fluorescentes e outros decorren- panhamento, possibilitando que falhas téc- tes da manutenção. Quanto aos demais re- nicas sejam corrigidas imediatamente após síduos, acondicionar, manejar, armazenar e sua ocorrência, ao invés de aguardar um encaminhar para o destino que conste no cronograma preestabelecido de reciclagem Plano de Gerenciamento de Resíduos em programada. Serviços de Saúde (PGRSS) da instituição.ƒƒ Planejar supervisão contínua das ativida- ƒƒ Interferir nos processos de limpeza e desin- des de limpeza de forma que os três turnos fecção de superfícies com o objetivo de agi- de trabalho sejam assegurados. lizar as atividades, por meio de ações comoƒƒ Realizar avaliações de desempenho. remanejamento, substituições e orienta-ƒƒ Estabelecer o cronograma de periodicida- ções, sempre que necessário. de e de frequência dos diferentes tipos de ƒƒ Criar interfaces com os serviços relaciona- limpeza em todos ambientes e superfícies dos direta ou indiretamente com o Serviço sob responsabilidade da equipe de limpeza de Limpeza e Desinfecção de Superfícies e desinfecção. em Serviços de Saúde, a fim de promover aƒƒ Liberar apartamentos ou enfermarias, após integração e a harmonia, por meio de alian- vistoria. ças que possam fortalecer a cumplicidadeƒƒ Dimensionar e disponibilizar os materiais entre diferentes serviços almejando objeti- de reposição: papel toalha, papel higiênico, vos comuns. 33
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAƒƒ Definir com a chefia de setor, tempo neces- sário e ideal para concluir as limpezas ter- minais por desocupação. Ainda, por meio de um cronograma, definir horários e datas para as terminais programadas.ƒƒ Encaminhar notificações de manutenção ao serviço específico.ƒƒ Desenvolver indicadores de qualidade do serviço, de pessoal, de equipamentos e ma- teriais, assim como do cumprimento dos cronogramas de frequências dos diferentes tipos de limpeza de superfícies, como for- ma de avaliação dos serviços prestados.ƒƒ Realizar diagnóstico dos colaboradores basean­ do-se nas necessidades de cada membro da equipe, que poderá resultar em estratégias efetivas de motivação (HEL- LER, 1998).4.3.2 Profissionais de limpeza edesinfecção de superfícies 4.3.2.2 Quanto à preservação ambiental4.3.2.1 Quanto aos equipamentos, materiais e ƒƒ Utilizar racionalmente recursos como águainstalações e energia, evitando desperdícios e colabo-ƒƒ Zelar por equipamentos e materiais do ser- rando com programas internos de preser- viço durante e após sua utilização, obede- vação ambiental e responsabilidade social. cendo as regras de utilização, limpeza ou ƒƒ Segregar produtos poluidores como pilhas, desinfecção, de acordo com a necessidade baterias, lâmpadas fluorescentes e outros, e guardar em local designado após a utili- em recipientes próprios pré-designados no zação. PGRSS da instituição, quando esses não es-ƒƒ Notificar mau funcionamento ou extravios tiverem sido acondicionados pelo gerador de equipamentos e materiais, em impresso em local apropriado. Posteriormente, enca- próprio ou intranet. minhar ao setor de manutenção ou confor-ƒƒ Notificar danos em mobiliário, acessórios, me PGRSS da instituição. instalações e revestimentos que necessitem de reparo ou substituição, em impresso 4.3.2.3 Quanto à utilização de produtos próprio. saneantesƒƒ Realizar a limpeza de materiais e equipa- ƒƒ Utilizar somente produtos saneantes pa- mentos após sua utilização, em salas pró- dronizados, na concentração e tempo reco- prias designadas na instituição para esse mendados pelo fabricante e SCIH. fim.34
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesƒƒ Utilizar somente produtos que estejam em embalagens rotuladas e dentro do prazo de validade.ƒƒ Utilizar rotineiramente sabão ou detergen- te para os processos de limpeza de super- fícies, sendo os desinfetantes restritos às situações específicas como, por exemplo, presença de matéria orgânica e microrga- nismos multirresistentes.ƒƒ Não misturar produtos saneantes, exceto quando indicado pelo fabricante, pois essas misturas podem ser perigosas quando inala- das, causam danos ao meio ambiente e seus princípios ativos podem ser neutralizados e inativados. Preparar soluções somente para uso imediato, evitando armazenamento por longos períodos. 4.3.2.6 Quanto aos processos de limpeza e desinfecção de superfícies4.3.2.4 Quanto ao recolhimento dos resíduos ƒƒ Comunicar ao líder do serviço as interfe-ƒƒ Recolher sacos de resíduos dos recipien- rências ou questionamentos de outros pro- tes próprios quando 80% de sua capaci- fissionais nas rotinas realizadas. dade estiverem preenchidos ou sempre ƒƒ Realizar a limpeza e a desinfecção de su- que necessário, evitando coroamento ou perfícies do ambiente que contenham ma- transborde. Nesse caso, uma frequência téria orgânica. de recolhimento deve ser estabelecida, ƒƒ Realizar as limpezas concorrente, terminal de acordo com o volume gerado em cada e imediata de áreas internas e externas per- unidade. tencentes ao serviço de saúde em questão,ƒƒ Transportar os resíduos recolhidos em car- que estejam sob responsabilidade do Servi- ros próprios, mantendo a tampa fechada ço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies sem que haja coroamento, não sendo per- em Serviços de Saúde. mitido que os sacos encostem-se ao corpo do profissional ou que sejam arrastados. 4.4 Atribuições que não competem ao profissional de limpeza e4.3.2.5 Quanto aos EPI desinfecção de superfíciesƒƒ Utilizar EPI apenas para a finalidade a que se destinam, responsabilizando-se pela lim- ƒƒ Recolhimento de perfurocortantes de lo- peza, guarda e conservação, substituindo- cais inadequados, como por exemplo, lei- -os quando houver qualquer alteração que tos de pacientes, pisos, bancadas e outros. os tornem impróprios para uso. De acordo com a Norma Regulamentadora 35
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA 32 – NR 32 (BRASIL, 2005), devem ser res- materiais relacionados à assistência ao pa- ponsabilizados pelo descarte de perfuro- ciente. cortantes, somente os trabalhadores que os ƒƒ Atendimento de telefone ou campainha de utilizarem, estando, portanto, os profissio- quarto ou enfermarias durante o período nais de limpeza e desinfecção, isentos dessa de internação de pacientes. Vários proble- responsabilidade. mas são gerados quando a equipe de lim-ƒƒ Fechamento de coletores de perfurocor- peza e desinfecção de superfícies assume tantes. O fechamento de coletores está sob indevidamente essa tarefa, tais como: a responsabilidade de quem manipula e –– Perda de tempo com a retirada de luvas descarta os perfurocortantes, não cabendo para atender telefone ou campainha; ne- essa tarefa à equipe de limpeza e desinfec- cessidade de higienização das mãos após ção de superfícies. retirada de luvas; dirigir-se ao posto deƒƒ Retirada de materiais ou equipamentos enfermagem quando for necessário que provenientes da assistência ao paciente nos algum recado seja dado. quartos, enfermarias ou qualquer outra –– Quando o funcionário não retira as lu- unidade, antes de realizar a limpeza, seja vas ou não realiza a higienização das concorrente ou terminal. São exemplos: mãos, há a contaminação do telefone ou bolsas ou frascos de soro, equipos, bom- campainha, por meio das mãos. bas de infusão, comadres, papagaios, reci- Portanto, nada justifica qualquer um dos dois pientes de drenagens e outros. Essas tarefas tipos de condutas, já que não faz parte das cabem à equipe de enfermagem, já que são atribuições da equipe de limpeza e desinfecção de superfícies. ƒƒ Realização de processos de controle de pragas, como desinsetização, desratização, descupinização, e outros. O controle integrado de pragas deve ser reali- zado por empresa e profissionais especializa- dos. ƒƒ Compra de EPI com recursos próprios. Os EPI devem ser fornecidos gratuitamente pelo empregador e nunca pelo empregado (BRASIL, 1978). ƒƒ Realização de limpeza do leito do pacien- te, enquanto o mesmo encontra-se ocupa- do. Essa tarefa compete à enfermagem, já que a manipulação indevida na cama pode causar prejuízos à saúde do paciente, como, por exemplo, deslocamento de drenos e ca- teteres.36
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies4.5 Perfil profissionais da instituição.4.5.1 Perfil da equipe Segundo Taraboulsi (TARABOULSI, 2003), asEmbora as oportunidades de cursos específi- habilidades e a formação não são suficientescos nessa área sejam limitadas, os líderes do em situações práticas, onde se deve encontrarserviço, assim como supervisores e encarre- uma saída ou contornar situações inesperadasgados, devem se mobilizar no sentido de par- e difíceis. Surge então outro diferencial profis-ticipar de congressos, simpósios, encontros sional, a atitude. Segundo o autor, profissio-regionais, acompanhar publicações, realizar nais com atitude são imprescindíveis na linhaintercâmbio institucional, contribuir para a de frente do comando de equipes, pois têmpesquisa e fomentar a produção científica. iniciativa e espontaneidade para agir no mo- mento certo e solucionar o problema, possibi-Através de esforços individuais e pró-ativida- litando que as promessas de qualidade sejamde, consegue-se elevar o grau de conhecimen- cumpridas com sintonia entre o que é espera-to e evidências científicas para esse represen- do pela alta administração que esse profissio-tativo segmento de mercado. A capacitação nal está autorizado a fazer.profissional é fundamental para que o gestorsinta-se seguro e capaz de transmitir informa- Características como liderança, flexibilidade,ções embasadas para sua equipe. pensamento estratégico, bom relacionamento, ética, imparcialidade, bom senso e honestida-Com a franca expansão dos processos de cer- de são esperados de um líder, seja ele gerente,tificação, não existe espaço para profissionais supervisor ou encarregado do serviço, poisacomodados que aguardam boas oportuni- todos têm responsabilidade frente ao corpodades de crescimento sem nada fazerem para operacional.reverter o quadro; esses estão fadados à subs-tituição. Já para a equipe operacional, o ensino fun- damental completo com disponibilidade eSendo assim, torna-se imprescindível a existên- compromisso de continuidade dos estudoscia de profissionais qualificados e com grande vem sendo cada vez mais exigido, visto quebagagem de experiências nesse segmento. a ausência de alfabetização dificulta e re- tarda os treinamentos, além de inviabilizar4.5.2 Perfil profissional determinadas práticas que podem expor oPara o líder da equipe, as exigências quanto à trabalhador a riscos desnecessários, como,sua formação são isoladas, não existindo um por exemplo, a leitura de rótulos de produ-perfil padrão definido. Entretanto, a tendência tos saneantes antes de sua utilização. Cabedo padrão de exigência é de nível de forma- às instituições oferecerem condições queção universitária com diferencial técnico, que possibilitem essa categoria dar continuidadecontribua de forma mais abrangente nas ne- aos estudos por meio de horários especiaiscessárias interfaces do serviço com os demais de trabalho. 37
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA4.5.3 Perfil comportamental (BRASIL, 2005), da capacitação técnica neces-Antes de colocar regras de conduta e postu- sária para qualquer atividade desenvolvida pelora aos colaboradores, a liderança deve avaliar trabalhador do segmento de limpeza e desin-seu próprio perfil, pois, na maioria das vezes, fecção em superfícies em serviços de saúde.a equipe é o reflexo do líder e o treinamentonão terá êxito. Como nem sempre líderes têm 4.6.1 A NR 32 e a capacitação contínuaciência dos próprios defeitos, faz-se necessário preventivauma avaliação da alta administração de seus A NR 32 (BRASIL, 2005) volta-se exclusiva-gestores. mente para a segurança do trabalhador de ser- viços de saúde, independentemente da funçãoAlgumas atitudes e postura são esperadas de que exerça. Tem-se aqui um grande avançoambos, tanto do líder como dos demais cola- para a saúde ocupacional e ao mesmo tempoboradores: um grande desafio para os gestores do Serviçoƒƒ Higiene corporal e boa apresentação pes- de Limpeza e Desinfecção de Superfícies em soal. Serviços de Saúde, pois trata-se de um seg-ƒƒ Discrição com relação a assuntos internos, mento com trabalhadores com baixa escola- que só dizem respeito à instituição e ao ser- ridade e na maioria das vezes com formação viço. rudimentar, salvo exceções.ƒƒ Gentileza, educação e respeito com clientes internos e externos. Os líderes devem se empenhar para conscien-ƒƒ Colaboração. tizá-los quanto aos riscos a que estão expostosƒƒ Interesse em novos aprendizados e por no- diariamente, oferecendo treinamentos teóri- vas oportunidades. cos e práticos de fácil compreensão. Recursosƒƒ Postura profissional frente a pacientes, visi- como cartilhas, cartazes, dinâmicas de grupo, tantes e demais colaboradores. peças teatrais e outros podem auxiliar na re- tenção do aprendizado, mais do que explana-4.6 Capacitação ções teóricas monótonas. A teoria ministrada de forma ilustrada, combinada com muitosA NR 32 (BRASIL, 2005) coloca a capacitação exemplos práticos e filmes de impacto emo-contínua como item obrigatório para todas as cional, costuma trazer bons resultados.categorias profissionais, tendo como objetivoprincipal a segurança e proteção do trabalha- É importante lembrar que a abordagem sobredor com relação aos riscos inerentes a sua fun- riscos e formas de prevenção deve ser feitação, por meio de treinamentos que os cons- por profissionais familiarizados com os riscoscientizem e os preparem para agir de forma inerentes aos agentes biológicos, e, portanto,segura frente aos riscos ocupacionais. habilitados para realização desse tipo de trei- namento, como enfermeiros do trabalho e deEntretanto, é necessário distinguir a capaci- controle de infecção. Enfim, é importante quetação voltada para riscos exigida pela NR 32 o líder tenha consciência de que nem sempre38
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesestá preparado para essa incumbência e é pre- e radiações ionizantes, além de atividadesciso delegar essa função. com resíduos.Outros pontos devem ser considerados ao pla- 4.6.2 Capacitação técnicanejar esse treinamento: Não raro, nos deparamos com colaboradores do Serviço de Limpeza e Desinfecção de Su-ƒƒ Os treinamentos devem ser planejados para perfícies em Serviços de Saúde que iniciam que ocorram durante o período da jornada suas atividades antes mesmo que o treina- de trabalho dos profissionais de limpeza e mento tenha sido realizado, o que é arrisca- desinfecção de superfícies. do, pois o treinamento pode acontecer tardeƒƒ A comprovação dos treinamentos é obri- demais. Temos aí um grande fator de risco gatória, devendo constar em documento para esse trabalhador, inexperiente e des- comprobatório: data; carga horária; con- preparado que, na maioria das vezes, nunca teúdo programático; nome e formação ou trabalhou em serviços de saúde e, portanto, capacitação do instrutor; nome e assinatura não tem conscientização sobre os riscos que dos trabalhadores capacitados. estarão expostos, sem que ocorra capacitaçãoDentre os assuntos a serem explorados no con- prévia.teúdo programático, deve ser contemplado: Tanto a capacitação técnica como a preven-ƒƒ Treinamento sobre mecânica corporal cor- tiva deve ser inicial e continuada, evitando o reta na movimentação de materiais e equi- “quebra galho” do colaborador inexperiente, pamentos, de forma a preservar a saúde e até que o dia do treinamento aconteça, pois integridade física. pode levar a danos irreparáveis na sua forma-ƒƒ Dados disponíveis sobre riscos potenciais ção inicial, já que é levado a “aprender” com para a saúde. funcionários antigos, portadores de vícios téc-ƒƒ Medidas de controle que visem à minimi- nicos, que podem ser incorporados a sua prá- zação da exposição aos agentes biológicos. tica diária, mesmo após o treinamento, pois osƒƒ Utilização de EPI e EPC. primeiros ensinamentos, geralmente, não sãoƒƒ Medidas para prevenção de acidentes e in- esquecidos. cidentes.ƒƒ Medidas a serem adotadas pelos profissio- Portanto, a admissão de um colaborador deve nais de limpeza e desinfecção de superfí- ser planejada e não deve ser concretizada an- cies, no caso de ocorrência de acidentes ou tes que seja assegurada uma capacitação ime- incidentes. diata.ƒƒ Modo de operação de qualquer equipa- mento e seus riscos, antes da utilização. O conteúdo programático deve abordar todasƒƒ Abordagem de risco e prevenção aos profis- as técnicas que serão desempenhadas pelo co- sionais de limpeza e desinfecção de super- laborador de forma teórica e prática para que fícies expostos aos riscos químicos, físicos a assimilação não seja prejudicada. 39
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA4.6.3 Capacitação técnica e preventiva: citações auxiliam a fixação do aprendizado,participação da equipe multidisciplinar além de promover maior motivação do profis-A prática tem demonstrado que a multidisci- sional que está sendo capacitado.plinaridade envolvida e integrada nas capa-Quadro 1 – Contribuição da equipe multiprofissional nas capacitações para a equipe de Limpezae Desinfecção de Superfícies em Serviços de Saúde. Profissionais Abordagens Líder ou supervisor Postura; técnicas de limpeza; apresentação de materiais e equipamentos e técnicas de utilização. Enfermeiro do Trabalho Prevenção e controle de doenças ocupacionais; orientação sobre vacinação e programa de prevenção de riscos de acidentes, incluindo a utilização de EPI e EPC. Farmacêutico Produtos químicos. Gerente de hotelaria Interfaces do Serviço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies com a Hotelaria. Recursos humanos Políticas institucionais; benefícios e direitos e deveres. Psicólogo Dinâmicas de grupo; técnicas de relaxamento e integração. Fisioterapeutas/Profissional de Educação Física Ginástica laboral. Médico ortopedista Lesão por Esforço Repetitivo (LER) ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) e prevenção de problemas posturais. Nutricionista Alimentação saudável. SCIH Medidas de precaução; higienização das mãos; papel do SCIH na prevenção e controle das infecções em serviços de saúde; interface do SCIH com o Serviço de Limpeza e Desinfecção de superfícies em Serviços de Saúde. Gestor de qualidade Contribuição do Serviço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies para a qualidade de serviços institucionais.4.6.4 A capacitação e a terceirização Mesmo que todas as atribuições relativas aoSegundo a NR 32 (BRASIL, 2005), em casos serviço terceirizado estejam descritas em umde terceirização do serviço, a responsabilidade contrato de trabalho, cabe ao contratante cer-pela capacitação dos profissionais do Serviço tificar-se de que a capacitação está sendo rea-de Limpeza e Desinfecção de Superfícies em lizada e de como é realizada. Ainda, deve co-Serviços de Saúde é solidária entre as duas laborar quando necessário nessa capacitação,empresas, contratante e contratada e, portan- estabelecendo uma sólida parceria com verda-to, ambas têm a mesma responsabilidade e po- deira responsabilidade compartilhada.dem ser alvos de fiscalização.40
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesReferências bibliográficasBRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Vigilância Sanitária. Portaria nº 15, de 23 de agosto de 1988. Estabelecenormas para registro dos saneantes domissanitários com ação antimicrobiana. Diário Oficial da União [daRepública Federativa do Brasil], Brasília, 05 set. 1988.BRASIL. Ministério do Trabalho e do Emprego. Norma Regulamentadora nº 6. Portaria GM/MTE n° 3.214, de 8 dejunho de1978, que aprova as Normas Regulamentadoras – NR – do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leisdo Trabalho, relativas a Segurança e Medicina do Trabalho. Diário Oficial da União [da República Federativa doBrasil]. Brasília, 06 jul. 1978.BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria GM/MTE n° 485, de 11 de novembro de 2005, de 11 denovembro de 2005 – Aprova a Norma Regulamentadora nº 32, que versa sobre a Segurança e Saúde no Trabalho emEstabelecimentos de Saúde. Diário Oficial da União, [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 16 nov. 2005.HELLER, R. Motivating People. Londres: Dorling Kindersley, 1998.TARABOULSI, F.A. Administração de Hotelaria Hospitalar. São Paulo: Atlas, 2003.TORRES, S.; LISBOA, T. Gestão dos Serviços de Limpeza, Higiene e Lavanderia em Estabelecimentos de Saúde.São Paulo: Sarvier, 3 ed., 2008. 41
  • Capítulo 5Produtos saneantes Elen ild es Silva Am o r im Elisab et e R ein ehr Er ci Mar ia On zi Silip r andi R o sa Air es B o r b a Mesiano
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAPara que a limpeza atinja seus objetivos, tor- ção de produtos saneantes os seguintes itens:na-se imprescindível a utilização de produtossaneantes, como sabões e detergentes na dilui- ƒƒ A natureza da superfície a ser limpa ou de-ção recomendada. sinfetada e o seu comportamento perante o produto.Em locais onde há presença de matéria orgâ- ƒƒ A possibilidade de corrosão da superfície anica, torna-se necessária a utilização de outra ser limpa.categoria de produtos saneantes, que são os ƒƒ Tipo e grau de sujidade e a sua forma dechamados desinfetantes. eliminação. ƒƒ Tipo e contaminação e a sua forma de eli-Para que a desinfecção atinja seus objetivos, minação (microrganismos envolvidos comtorna-se imprescindível a utilização das técni- ou sem matéria orgânica presente).cas de limpeza e posteriormente, utilização de ƒƒ Recursos disponíveis e métodos de limpezadesinfetante especificado pelo SCIH. adotados. ƒƒ Grau de toxicidade do produto.A responsabilidade na seleção, escolha e aquisi- ƒƒ Método de limpeza e desinfecção, tipos deção dos produtos saneantes deve ser do SCIH, máquinas e acessórios existentes.conjuntamente com o Serviço de Limpeza e ƒƒ Concentração de uso preconizado pelo fa-Desinfecção de Superfícies em Serviços de Saú- bricante.de ou Hotelaria Hospitalar, assim como do re- ƒƒ Segurança na manipulação e uso dos pro-presentante do Setor de Compras da instituição. dutos. ƒƒ Princípio ou componente ativo.Na aquisição de saneantes, deverá existir um ƒƒ Tempo de contato para a ação.sistema de garantia de qualidade que atenda ƒƒ Concentração necessária para a ação.aos requisitos básicos exigidos pela legislação ƒƒ Possibilidade de inativação perante matériaem vigor. Atenção deve ser dada à avaliação orgânica.da real necessidade do produto saneante, evi- ƒƒ Estabilidade frente às alterações de luz,tando o uso indiscriminado desse produto em umidade, temperatura de armazenamentoserviços de saúde. Quando necessária a utili- e matéria orgânica.zação do produto saneante, deve-se levar em ƒƒ Temperatura de uso.consideração a área em que será utilizado o ƒƒ pH.determinado princípio ativo, infraestrutura ƒƒ Incompatibilidade com agentes que podeme recursos humanos e materiais disponíveis, afetar a eficácia ou a estabilidade do produ-além do custo do produto no mercado. to como: dureza da água, sabões, detergen- tes ou outros produtos saneantes.5.1 Legislações e critérios de compra ƒƒ Prazo de validade para uso do produto. Ainda, deve ser exigido do fornecedor a com-Segundo o Ministério da Saúde (BRASIL, provação de que o produto está notificado ou1994), devem ser considerados para a aquisi- registrado na Anvisa com as características44
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesbásicas de aprovação e, se necessário, no caso limpeza em geral e afins. Já os produtos de ris-de produtos com ação antimicrobiana, laudo co 2 compreendem os saneantes que apresen-de testes no Instituto Nacional de Controle de tam pH na forma pura menor ou igual a 2 ouQualidade em Saúde (INCQS) ou demais la- maior ou igual a 11,5, possuam característicasboratórios acreditados para essa análise, e fi- de corrosidade, atividade antimicidiana, açãonalmente, o laudo técnico do produto. desinfestante, sejam à base de microrgani- mos viáveis ou contenham em sua fórmula osA Lei nº. 6.360, de 23 de setembro de 1976 ácidos inorgânicos: fluorídrico (HF), nítrico(BRASIL, 1976) dispõe sobre a vigilância sa- (HNO3), sulfúrico; ou (H2SO4) seus sais quenitária a que ficam sujeitos os medicamentos, as liberem nas condições de uso dos produtos.as drogas, os insumos farmacêuticos e correla- Esse grupo de produtos necessita ser registra-tos, cosméticos, saneantes e outros produtos. do junto à Anvisa.Só poderão produzir, fabricar, importar e dis-tribuir produtos saneantes as empresas com O registro e a notificação dos produtos sane-autorização de funcionamento concedida pela antes têm validade por cinco anos podendo serAnvisa e cujos estabelecimentos tenham sido renovado.Todos os produtos saneantes deverãolicenciados pelo órgão sanitário das Unidades ser formulados com substâncias que não apre-Federadas em que se localizam. sentem efeitos comprovadamente mutagênicos, teratogênicos ou carcinogênicos em mamíferosDe acordo com a Resolução da Diretoria Co- e devem atender às legislações específicas. Res-legiada – RDC da Anvisa nº. 184, de 22 de ou- saltamos que a legislação sanitária se aplica atubro de 2001 (BRASIL, 2001), entende-se por produtos nacionais e importados.produtos saneantes e afins mencionados no art.1º da Lei nº. 6.360, de 23 de setembro de 1976 As legislações RDC 40, de 05 de junho de 2008(BRASIL, 1976), as substâncias ou preparações (BRASIL, 2008), e a RDC nº. 14, de 28 de fe-destinadas a limpeza, desinfecção, desinfesta- vereiro de 2007 (BRASIL, 2007), ambas har-ção, desodorização/odorização de ambientes monizadas no Mercosul, tratam da notificaçãodomiciliar, coletivos e/ou públicos, para utiliza- e do registro de produtos saneantes respecti-ção por qualquer pessoa, para fins domésticos, vamente. A primeira aprova o regulamentopara aplicação ou manipulação por pessoas ou técnico para produtos de limpeza e afins e aentidades especializadas, para fins profissio- segunda, os produtos com ação antimicrobia-nais. Essa mesma legislação classifica esses pro- na. Quanto ao registro, os desinfetantes paradutos como de risco 1 e risco 2. artigos semicríticos e os esterilizantes con- tinuam seguindo as orientações contidas naOs produtos de risco 1 apresentam pH na for- Portaria 15, de 23 de agosto de 1988 (BRASIL,ma pura maior que 2 e menor que 11,5 sen- 1988), ou suas atualizações como a Resoluçãodo necessária sua notificação junto à Anvisa. GMC no 19/10, do Mercosul, que se encontraNesse grupo estão incluídos os produtos de em fase de internalização, na Anvisa. 45
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISANo rótulo dos produtos saneantes deverá ou potássio) e uma gordura vegetal ou animal.constar: o nome do produto; modo de utili-zação, destacando o tempo de contato do pro- O detergente é um produto destinado à limpe-duto; precauções de uso quanto à toxicidade za de superfícies e tecidos através da diminui-e necessidades de uso de EPIs; restrições de ção da tensão superficial (BRASIL, 2007).uso; composição do produto; teor de princí-pio ativo descrito em percentagem (%); frases Os detergentes possuem efetivo poder de lim-relacionadas ao risco do produto; prazo de peza, principalmente pela presença do surfac-validade; data de fabricação; lote e volume; tante na sua composição. O surfactante mo-informações referentes à empresa fabricante, difica as propriedades da água, diminuindo acomo nome da empresa, endereço e Cadastro tensão superficial facilitando a sua penetraçãoNacional de Pessoa Jurídica (CNPJ); nome do nas superfícies, dispersando e emulsificando aresponsável técnico e número do seu registro sujidade.no Conselho de Classe e número do registrodo produto na Anvisa. O detergente tem a função de remover tanto sujeiras hidrossolúveis quanto aquelas não so-No caso de produtos de risco 1, que são noti- lúveis em água.ficados, haverá a expressão “Produto SaneanteNotificado na Anvisa”, seguido do número do 5.3 Principais produtos utilizados naprocesso que originou a notificação. desinfecção de superfíciesDeve ser solicitado ao fornecedor, fabricante 5.3.1 Álcoolou distribuidor, o número da autorização de Os alcoóis etílico e o isopropílico são os prin-funcionamento da empresa titular do produto cipais desinfetantes utilizados em serviços de(empresa que registrou/notificou o produto na saúde, podendo ser aplicado em superfícies ouAnvisa) e a Ficha de Informação de Segurança artigos por meio de fricção.de Produtos Químicos (FISPQ), que deve seranalisada em conjunto com o Serviço de Me- ƒƒ Características: bactericida, virucida, fun-dicina e Segurança do Trabalho (SESMT). gicida e tuberculocida. Não é esporicida. Fácil aplicação e ação imediata.5.2 Principais produtos utilizados na ƒƒ Indicação: mobiliário em geral.limpeza de superfícies ƒƒ Mecanismo de ação: desnaturação das proteínas que compõem a parede celular5.2.1 Sabões e detergentes dos microrganismos.O sabão é um produto para lavagem e limpeza ƒƒ Desvantagens: inflamável, volátil, opaci-doméstica, formulado à base de sais alcalinos fica acrílico, resseca plásticos e borrachas;de ácidos graxos associados ou não a outros ressecamento da pele.tensoativos. É o produto da reação natural por ƒƒ Concentração de uso: 60% a 90% em solu-saponificação de um álcali (hidróxido de sódio ção de água volume/volume.46
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies mendado seu uso em berçários. É poluente ambiental. Proibido sua utilização em áreas de contato com alimentos devido à toxici- dade oral. ƒƒ Concentração de uso: usar conforme reco- mendação do fabricante. 5.3.3 Compostos liberadores de cloro ativo 5.3.3.1 Inorgânicos Os compostos mais utilizados são hipocloritos de sódio, cálcio e de lítio. ƒƒ Características: bactericida, virucida, fun- gicida, tuberculicida e esporicida, depen- dendo da concentração de uso. Apresen- tação líquida ou pó; amplo espectro; ação rápida e baixo custo. ƒƒ Indicação: desinfecção de superfícies fixas.5.3.2 Compostos fenólicos ƒƒ Mecanismo de ação: o exato mecanismoOs compostos fenólicos sintéticos compreen- de ação ainda não está completamente elu-dem o hidroxidifenileter, triclorodifenileter, cidado.cresóis, fenilfenol e outros. Estão em desuso, ƒƒ Desvantagens: instável (afetado pela luzdevido à toxicidade. solar, temperatura >25ºC e pH ácido). Ina- tivo em presença de matéria orgânica; cor-ƒƒ Características: bactericida, virucida, mi- rosivo para metais; odor desagradável, e cobactericida e fungicida. Não é esporicida. pode causar irritabilidade nos olhos e mu- Apresenta ação residual. Pode ser associa- cosas. do a detergentes. ƒƒ Concentração de uso: desinfecção 0,02% aƒƒ Indicação: superfícies fixas e mobiliários 1,0%. em geral.ƒƒ Mecanismo de ação: agem rompendo a pa- 5.3.3.2 Orgânicos rede das células e precipitando as proteínas Os ácidos dicloroisocianúrico (DCCA) e tri- celulares. Em baixas concentrações inati- cloroisocianúrico (TCCA) são exemplos de vam as enzimas, interferindo no metabolis- compostos desse grupo. mo da parede celular.ƒƒ Desvantagens: Com o uso repetido, pode ƒƒ Características: bactericida, virucida, causar despigmentação da pele e hiper- fungicida, tuberculicida e esporicida, de- bilirrubinemia neonatal, não sendo reco- pendendo da concentração de uso. Apre- 47
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA sentação em pó. Mais estável que o cloro minutos de exposição em concentração de inorgânico. 3%.ƒƒ Indicação: descontaminação de superfí- ƒƒ Concentração: 1%. A cor do produto dimi- cies. nui à medida que diminui a concentraçãoƒƒ Mecanismo de ação: o exato mecanismo (BASSO, 2004). de ação ainda não está completamente elu- cidado. 5.3.6 Oxidantesƒƒ Concentração de uso: 1,9% a 6,0%, com tempo de ação conforme comprovado pelo 5.3.6.1 Ácido peracético fabricante. ƒƒ Características: é um desinfetante para su- perfícies fixas e age por desnaturação das5.3.4 Compostos quaternários de amônio proteínas, alterando a permeabilidade daAlguns dos compostos mais utilizados são os parede celular, oxidando as ligações sulfi-cloretos de alquildimetilbenzilamônio e clore- dril  e sulfúricas em proteínas e enzimas.tos de dialquildimetiamônio. Tem uma ação bastante rápida sobre os mi- crorganismos, inclusive sobre os esporosƒƒ Características: bactericida, virucida (so- bacterianos em baixas concentrações de mente contra vírus lipofílicos ou envelo- 0,001 a 0,2%. É efetivo em presença de ma- pados) e fungicida. Não apresenta ação tu- téria orgânica. Apresenta baixa toxicidade. berculicida e virucida. É pouco corrosivo e ƒƒ Indicação: desinfetante para superfícies. tem baixa toxicidade.ƒƒ Indicação: superfícies fixas, incluindo am- biente de nutrição e neonatologia (sem a presença dos neonatos).ƒƒ Mecanismo de ação: inativação de enzi- mas produtoras de energia, desnaturação de proteínas e quebra da membrana celular.ƒƒ Desvantagens: pode ser inativado em pre- sença de matéria orgânica.ƒƒ Concentração: há várias formulações, de acordo com o fabricante.5.3.5 Monopersulfato de potássioƒƒ Características: amplo espectro. É ativo na presença de matéria orgânica; não corrosi- vo para metais.ƒƒ Indicação: desinfetante de superfícies.ƒƒ Desvantagens: reduz a contagem mico- bacteriana em 2 a 3 log10, somente após 5048
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesƒƒ Desvantagens: é instável principalmente ƒƒ Concentração: como desinfetante para su- quando diluído, corrosivo para metais (co- perfícies é utilizado em uma concentração bre, latão, bronze, ferro galvanizado) e sua de 0,5%. O tempo de contato será aquele atividade é reduzida pela modificação do indicado no rótulo. pH. Causa irritação para os olhos e para o Nota: Pode ser utilizado em associação com o trato respiratório. peróxido de hidrogênio.Quadro 2 – Produtos de Limpeza e Desinfecção de Superfícies em Serviços de Saúde. PRODUTOS DE LIMPEZA/ INDICAÇÃO DE USO MODO DE USAR DESINFECÇÃO Água Técnica de varredura úmida ou retirada de pó Água e sabão ou detergente Limpeza para remoção de sujidade Friccionar o sabão ou detergente sobre a superfície Água Enxaguar e secar Álcool a 70% Desinfecção de equipamentos e Fricções sobre a superfície a ser superfícies desinfetada Compostos fenólicos Desinfecção de equipamentos e Após a limpeza, imersão ou fricção. superfície Enxaguar e secar Quaternário de amônia Desinfecção de equipamentos e Após a limpeza, imersão ou fricção. superfícies Enxaguar e secar Compostos liberadores de cloro Desinfecção de superfícies não- Após a limpeza, imersão ou fricção. ativo metálicas e superfícies com matéria Enxaguar e secar orgânica Oxidantes Desinfecção de superfícies Após a limpeza, imersão ou fricção. Ácido peracético (associado ou não Enxaguar e secar a peróxido de hidrogênio) 49
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAReferências bibliográficasBASSO, M; ABREU, E.S. Limpeza, desinfecção de artigos e áreas hospitalares e anti-sepsia. 2 ed. São Paulo:APECIH – Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2004. p18-33.BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 184, de 22 de outubro de2001. Altera a Resolução 336, de 30 de julho de 1999. Diário Oficial da União [da União da República Federativado Brasil], Brasília, 23 out. 2001.BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 40 de 05 de junhode 2008. Aprova o Regulamento técnico para Produtos de Limpeza e Afins harmonizado no âmbito do Mercosulatravés da Resolução GMC nº 47/07. Diário Oficial da União [da União da República Federativa do Brasil],Brasília, 06 jun. 2008.BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 14, de 28 de fevereiro de2007. Aprova o Regulamento Técnico para Produtos Saneantes com Ação Antimicrobiana harmonizado no âmbitodo Mercosul através da Resolução GMC nº 50/06. Diário Oficial da União [da União da República Federativa doBrasil], Brasília, 05 mar. 2007.BRASIL. Ministério da saúde. Coordenação de controle de Infecção. Processamento de Artigos e Superfícies emEstabelecimentos de Saúde. Brasília, 1994.BRASIL. Ministério da saúde. Lei nº 6.360, de 23 de setembro de 1976. Dispõe sobre a vigilância sanitária a queficam sujeitos os medicamentos, as drogas, os insumos farmacêuticos e correlatos, cosméticos, saneantes e outrosprodutos, e dá outras providências. Diário Oficial da União [da República Federativa do Brasil], Brasília, 24 set.1976.BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Vigilância Sanitária. Portaria nº 15, de 23 de agosto de 1988. Estabelecenormas para registro dos saneantes domissanitários com ação antimicrobiana. Diário Oficial da União [daRepública Federativa do Brasil], Brasília, 05 set. 1988.50
  • Capítulo 6Equipamentos e materiaisutili zados na limpe za edesinfec ção de superfícies C ar la Assad Elisab et e R ein ehr Er ci Mar ia On zi Silip r an di Gló r ia C o sta
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAA utilização correta dos equipamentos e ma- em uma única operação, não interferindo noteriais utilizados na limpeza e desinfecção de tráfego local, permitindo a lavagem de pe-superfícies, além de reduzir o custo da mão quenas e grandes áreas (HINRICHSEN, 2004;de obra, aumenta o rendimento dos produtos TORRES & LISBOA, 2008).e, consequentemente, pode ocorrer a reduçãode custos. São exemplos de equipamentos e 6.1.2 Máquinas lavadoras com injeçãomateriais: máquinas lavadoras e extratoras; automática de soluçãomáquinas lavadoras com injeção automática A solução é injetada automaticamente no piso,de solução; aspiradores de pó e líquidos; con- promovendo a remoção de sujeiras impregna-junto mop; rodos; kits para limpeza de vidros das nas superfícies com uso de disco próprioe tetos; baldes; panos de limpeza de pisos; es- (HINRICHSEN, 2004; TORRES & LISBOA,premedor; polidoras; discos abrasivos; carros 2008).para transporte de resíduos e outros. Para esse tipo de equipamento, é necessária6.1 Equipamentos a posterior sucção da água da superfície por meio de aspiradores de água ou retirada ma-6.1.1 Máquinas lavadoras e extratoras nual. Adapta-se com facilidade a pequenas eAs máquinas lavadoras e extratoras podem médias áreas.economizar tempo, movimento e energia. 6.1.3 Aspiradores de pó e líquidosAs máquinas de última geração permitem a Existem disponíveis no mercado aspiradoreslavagem tanto de pequenas quanto de grandes de pó e líquidos. A necessidade do serviço éáreas, pela simples substituição de escovas de que irá determinar os tipos que deverão serdiferentes tamanhos, dependendo da extensão adquiridos, assim como suas capacidades.da área a ser lavada. É importante lembrar que quem utiliza o as-As máquinas lavadoras e extratoras esfregam, pirador de pó e líquido para as duas funçõeslimpam, succionam a solução do piso e secam deve sempre trocar o filtro com o pó que foi aspirado antes de utilizá-lo como aspirador de líquidos, assim como deve ser devidamente seco após aspirar líquidos, antes de utilizá-lo como aspirador de pó. O ideal é que o serviço tenha os dois tipos de aspiradores, evitando o seu uso incorreto. O uso do aspirador de pó deve ser restrito a áreas administrativas, pois pode desencadear surtos de aspergilose em pacientes (HINRICHSEN, 2004; TORRES & LISBOA, 2008).52
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies 6.1.4 Enceradeiras de baixa rotação São utilizadas para fazer remoção de sujidade (quando utilizadas com produtos químicos). 6.1.5 Enceradeiras de alta rotação São específicas para dar brilho em resinas acrílicas especiais, gerando filmes mais duros. 6.2 Materiais 6.2.1 Conjunto mop Há vários tipos de mops no mercado que aten- dem às diferentes necessidades do Serviço de Limpeza e Desinfecção em Serviços de Saúde. O conjunto MOP é formado por cabo, arma- ção ou haste ou suporte e luva ou refil. 53
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA6.2.1.1 Cabo A durabilidade da cabeleira do mop depende-O cabo poderá ser fabricado em alumínio, rá da devida conservação, após utilização.PVC ou madeira, desde que esteja bem poli-do. Deverá possuir comprimento mínimo de 6.2.1.3 Luva do tipo cabeleira plana – Função1,40 cm de forma a garantir postura ergono- úmidamicamente correta para o profissional. As luvas do tipo cabeleira plana (função úmi- da) podem ser fabricadas em microfibra, algo- dão, rayon ou sintético (misto), nos modelos ponta cortada ou ponta dobrada. A cabeleira plana pode ser adaptada em arma- ção ou suporte ou haste articulada que permi- te realizar manobras de limpeza com agilida- de e maior facilidade, devendo estar presa em cabo de alumínio ou de PVC, de no mínimo 1,40 cm de comprimento. A luva do tipo cabeleira plana (função úmida) é indicada para utilização nas técnicas de lim-6.2.1.2 Luva do tipo cabeleira peza de pisos e paredes, proporcionando redu-Pode-se encontrar no mercado, luvas do tipo ção de tempo nas atividades. Apresenta açãocabeleira, fabricadas em microfibra, algodão, eficaz em atividades nas quais a ação mecânicarayon ou sintético (misto), nos modelos ponta é necessária.cortada ou ponta dobrada. São indicadas paraensaboar superfícies. 6.2.1.4 Luva do tipo cabeleira plana – Função pó É indicada na remoção de sujidade e detritosA cabeleira do conjunto MOP pode ser adap- que não estejam aderidos ao piso. Recomen-tada em armação ou suporte ou haste articu- da-se que tenha a função eletrostática paralada que permite a realização de manobras de que não haja levantamento ou espalhamentolimpeza com agilidade e maior facilidade, de- de pó durante a limpeza.vendo estar presa em cabo de alumínio ou dePVC, de no mínimo 1,40 cm de comprimento. 6.2.1.5 Conjunto mop x pano para limpeza de piso e rodo: vantagens e desvantagensA luva do tipo cabeleira deverá ser utilizada Vantagenssomente para retenção e absorção de líqui-dos. Não deverá ser utilizada na realização de ƒƒ Substitui o pano de limpeza de pisos.técnicas de limpeza que exigem ação mecâ- ƒƒ Elimina o contato manual do profissionalnica, pois não demonstra eficácia nessas ati- durante a torção dos fios de cabeleira pelavidades. compressão no balde espremedor.54
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesƒƒ Pode reduzir o risco de acidentes ocupacio- ƒƒ Tempo e custo do reprocessamento da ca- nais com perfurocortantes. beleira na lavanderia.ƒƒ Pode aumentar a produtividade quando ƒƒ Desperdício de produtos saneantes (nem comparado ao pano para limpeza de piso, toda a solução é utilizada) e seu descarte na proporcionando postura ergonômica cor- rede de esgoto. reta do profissional de limpeza, evitando ƒƒ Alteração da concentração de produtos sa- movimentos repetitivos de esforço e des- neantes da solução após o primeiro enxá- gaste de energia pela flexão do tronco e tor- gue. ção do pano de limpeza (YAMAUSHI et al., ƒƒ A água do enxágue não é mais considerada 2000). limpa após o primeiro enxágue do mop. ƒƒ Dificuldade de manuseio acarretando es- forço físico na utilização do espremedor e do equipamento e do mop molhado devido ao peso, podendo gerar afastamentos por problemas ergonômicos.Desvantagensƒƒ Possui uma ação mecânica reduzida que não garante a qualidade da limpeza, se 6.2.2 Rodos comparado com a ação das fibras abrasivas Os rodos devem ser do tipo profissional, apre- ou esfregões. sentando cabos (mínimo 1,60 cm) e base comƒƒ Dificulta a secagem do piso, deixando-o lâmina de maior extensão (mínimo 0,60 cm), úmido com risco de queda dos transeuntes. que permitem maior abrangência da área a serƒƒ Requer contato manual do profissional na limpa, possibilitando maior produtividade com sua substituição. menor tempo e desgaste físico diminuído. 55
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAAs novas lâminas de borracha permitem que, 6.2.5 Kits para limpeza de vidros e tetossimultaneamente, os líquidos sejam puxados e São compostos por cabos metálicos reguláveisa área fique seca, além de possuírem borracha com lâminas de borracha substituíveis e cabosesponjosa dupla que se acomoda às irregulari- para lavagem com luvas, também substituí-dades do piso. veis.6.2.3 Panos para limpeza de mobília e A luva do tipo cabeleira plana (função úmida)pisos ou rodo com pano de limpeza de pisos podeOs panos devem ser exclusivos do setor e se- executar a mesma função.parados para mobília, piso e parede. Ainda,devem estar sempre limpos e alvejados.6.2.4 BaldesRecomenda-se o uso de baldes de cores di-ferentes. Devem ser utilizados, preferencial-mente, os confeccionados por materiais quenão corroam no decorrer do tempo ou queprovoquem ruídos. 6.2.6 Escadas Devem possuir plataforma de apoio para ga- rantir maior segurança ao usuário e dispositi- vos laterais para suporte de materiais.56
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies6.2.7 Discos abrasivos para enceradeiraHá no mercado uma variedade de discos, de-senhados e construídos com o intuito de for-necer um contínuo e apropriado contato coma superfície do piso.São utilizados na limpeza e polimento de cerase acabamentos acrílicos. A cor do disco defineo nível de abrasividade e a indicação de uso, deacordo com o grau de dificuldade da limpeza.Por exemplo, os mais escuros são mais abrasi-vos, sendo utilizados para remoção de ceras.6.2.8 Escova de cerdas duras com cabo longoDeve apresentar cabo (mínimo 1,60 cm), sen-do utilizadas exclusivamente na limpeza pesa-da de pisos de banheiros. É útil na retirada desujidades, lodo e crostas de azulejos. Assim, todo material de limpeza e desinfecção de superfícies deve ser transportado em carros funcionais, facilitando a segurança do trans- porte. Deve-se atentar para a limpeza e orga-6.2.9 Carro funcional nização do carro funcional.A finalidade do carro funcional é reunir, trans-portar e estar abastecido de materiais necessá- Em locais de pouco acesso pode ser utilizado orios à limpeza, desinfecção e conservação de balde espremedor.um determinado espaço.São carros com rodízios, revestidos de borrachaou material similar, constando de espremedorpara cabeleira dos mops, estando adaptável abaldes (cores diferentes) ou balde modular comdivisor de águas. Pode ainda possuir suportepara rodos, conjunto MOP, placa de sinaliza-ção, pá coletora e local para transporte de ma-terial de limpeza necessário ao serviço. 57
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA6.2.10 Carros para transporte de resíduosPodem ser confeccionados em aço inoxidável,plástico e fibra de vidro.Os carros que realizam o armazenamento e otransporte dos resíduos gerados nos setoresdevem ser de fácil manuseio, impermeável, defácil lavagem e de uso exclusivo para a função.O tamanho do carro a ser utilizado pelo servi-ço de saúde dependerá do volume de resíduosgerados.58
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies6.2.11 Placa de sinalizaçãoApresentam desenhos ou inscrições que per-mitem aos transeuntes identificar a situação daárea delimitada (piso escorregadio, área inter-ditada para reforma e outros). 59
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAReferências bibliográficasHINRICHSEN, S.L. et al. Limpeza Hospitalar: Importância no Controle de Infecções. In: HINRICHSEN, S.L.Biossegurança e Controle de Infecções. Risco Sanitário Hospitalar. Medsi: Rio de Janeiro. 2004. pp. 175-203.YAMAUSHI, N.I.; LACERDA, R.A.; GABRIELLONI, M.C. Limpeza Hospitalar. In: FERNANDES, A.T.;FERNANDES, M.O.V.; FILHO, N.R. Infecção hospitalar e suas interfaces na área da saúde. São Paulo: Atheneu,2000. p.1141-1155.TORRES, S.; LISBOA, T. Gestão dos Serviços de Limpeza, Higiene e Lavanderia em Estabelecimentos de Saúde.São Paulo: Sarvier, 3 ed., 2008.60
  • Capítulo 7L impez a e desinfec ção desuperfícies C ar la Assad Elisab et e R ein ehr Er ci Mar ia On zi Silip r an di Gló r ia C o sta
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA7.1 LimpezaA limpeza consiste na remoção das sujidadesdepositadas nas superfícies inanimadas utili-zando-se meios mecânicos (fricção), físicos(temperatura) ou químicos (saneantes), emum determinado período de tempo (BASSO,2004). Independentemente da área a ser higie-nizada, o importante é a remoção mecânicada sujidade e não simplesmente a passagem depanos úmidos para espalhar a sujidade.O uso de desinfetantes limita-se à presença dematéria orgânica, utilizando-se o tratamentoda superfície estabelecido pelo SCIH. A es-colha das técnicas de limpeza e desinfecçãoestá diretamente relacionada ao tipo de super-fície a ser higienizada, a quantidade e o tipode matéria orgânica presente (SEHULSTER &CHINN, 2003). auxiliando as chefias na solicitação de conser- tos e reparos necessários.7.2 Processos de limpeza desuperfícies Nesse procedimento estão incluídas a limpeza de todas as superfícies horizontais, de mobi-Os processos de limpeza de superfícies em liários e equipamentos, portas e maçanetas,serviços de saúde envolvem a limpeza concor- parapeitos de janelas, e a limpeza do piso erente (diária) e limpeza terminal. instalações sanitárias.7.2.1 Limpeza concorrente Ressalta-se que a unidade de internação doÉ o procedimento de limpeza realizado, dia- paciente é composta por cama, criado-mudo,riamente, em todas as unidades dos estabele- painel de gases, painel de comunicação, su-cimentos de saúde com a finalidade de limpar porte de soro, mesa de refeição, cesta para lixoe organizar o ambiente, repor os materiais de e outros mobiliários que podem ser utilizadosconsumo diário (por exemplo, sabonete lí- durante a assistência prestada nos serviços dequido, papel higiênico, papel toalha e outros) saúde.e recolher os resíduos, de acordo com a suaclassificação. Ainda, durante a realização da A limpeza da unidade de internação do pa-limpeza concorrente é possível a detecção de ciente deve ser feita diariamente ou sempre quemateriais e equipamentos não funcionantes, necessária, antecedendo a limpeza concorren-62
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícieste de pisos. Merece maior atenção, a limpeza Atualmente, devido à prevalência de micror-das superfícies horizontais que tenham maior ganismos multirresistentes e do papel do am-contato com as mãos do paciente e das equi- biente na manutenção e propagação desses,pes, tais como maçanetas das portas, telefones, tem-se adotado como medida de precaução nainterruptores de luz, grades de camas, chama- disseminação desses microrganismos a inten-da de enfermagem e outras (SEHULSTER & sificação da limpeza e desinfecção das superfí-CHINN, 2003). cies nas trocas de turno. Por exemplo, nas áre- as de isolamento de contato, deve-se realizar aA distribuição das tarefas da limpeza na área limpeza concorrente (a cada troca de plantãopróxima ao paciente depende da rotina e pro- ou duas vezes ao dia), principalmente nos lo-cedimentos da instituição. Em alguns serviços cais de maior contato das mãos do paciente ede saúde, por exemplo, a equipe de enferma- dos profissionais de saúde.gem é responsável pela limpeza e desinfecçãode determinados equipamentos para a saúde Na limpeza concorrente de piso de corredores(respiradores, monitores, incubadoras, den- deve-se dar preferência aos horários de menortre outros). Outras instituições conferem essa movimento. Em caso de uso de máquinas, de-atribuição ao profissional de limpeza e desin- vem ser utilizados os mesmos procedimentosfecção de superfícies, tornando assim impres- da limpeza concorrente de piso.cindível a capacitação específica desse profis-sional para essas atividades.Quadro 3 – Frequência de Limpeza Concorrente. CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS FREQUÊNCIA MÌNIMA Áreas críticas 3x por dia; data e horário preestabelecidos e sempre que necessário. Áreas não-críticas 1x por dia; data e horário preestabelecidos e sempre que necessário. Áreas semicríticas 2x por dia; data e horário preestabelecidos e sempre que necessário. Áreas comuns 1x por dia; data e horário preestabelecidos e sempre que necessário. Áreas externas 2x por dia; data e horário preestabelecidos e sempre que necessário.7.2.2 Limpeza terminal áreas críticas (YAMAUSHI et al., 2000; PRE-Trata-se de uma limpeza mais completa, in- FEITURA..., 2007). Em áreas semicríticas ecluindo todas as superfícies horizontais e não críticas o período máximo é de 30 dias.verticais, internas e externas. É realizada naunidade do paciente após alta hospitalar, É importante que o formulário para confir-transferências, óbitos (desocupação do local) mação da conclusão da limpeza terminal sejaou nas internações de longa duração (progra- preenchido por parte da chefia do setor. Essemada). As programadas devem ser realizadas formulário auxilia também na programaçãono período máximo de 15 dias quando em da terminal, sinalizando impedimentos para 63
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAa realização ou conclusão dessa. Nesse caso, o superfícies que contenham matéria orgânica.chefe do setor deverá justificar o impedimento Ainda, poderá ser utilizado na desinfecção deda terminal programada. áreas de isolamento de contato. Em caso de surtos, recomenda-se o uso de desinfetantesO procedimento inclui a limpeza de paredes, em toda a extensão da superfície da área ondepisos, teto, painel de gases, equipamentos, está ocorrendo o surto na unidade do pacientetodos os mobiliários como camas, colchões, (HINRICHSEN, 2004).macas, mesas de cabeceira, mesas de refeição,armários, bancadas, janelas, vidros, portas, E importante o estabelecimento de um cro-peitoris, luminárias, filtros e grades de ar con- nograma com a definição da periodicidadedicionado (YAMAUSHI et al., 2000). da limpeza terminal com data, dia da semana e horários, conforme a criticidade das áreasNesse tipo de limpeza deve-se utilizar máqui- (PREFEITURA..., 2006), não se limitando aosnas de lavar piso (realizando-se movimentos quartos ou salas cirúrgicas. A limpeza termi-“oito deitado” e unidirecional), cabo regulável nal de postos de enfermagem, expurgos, de-com esponjas sintéticas com duas faces para pósito de material de limpeza (DML) e salaparede e os kits de limpeza de vidros e de teto. de utilidades devem ser programadas consi- derando horários de menor fluxo ou que nãoAs paredes devem ser limpas de cima para bai- prejudique a dinâmica do setor ou a qualidadexo e o teto deve ser limpo em sentido unidire- da limpeza. Essa programação (cronograma)cional (HINRICHSEN, 2004). deve ser confirmada por meio da assinatura do chefe do setor e do responsável pela equipeO uso de desinfetantes deverá ser restrito a de limpeza e desinfecção de superfícies.Quadro 4 – Frequência de Limpeza Terminal Programada. CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS FREQUÊNCIA Áreas críticas Semanal (data, horário, dia da semana preestabelecido). Áreas não-críticas Mensal (data, horário, dia da semana preestabelecido). Áreas semicríticas Quinzenal (data, horário, dia da semana preestabelecido). Áreas comuns (Data, horário, dia da semana preestabelecido).7.3 Técnicas e desinfecção de superfícies, evitando idas e vindas para trocas de água e limpeza do pano7.3.1 Técnica de dois baldes no expurgo.Envolve a limpeza com a utilização de panosde limpeza de piso e rodo. Os seguintes passos são envolvidos nessa técni- ca de limpeza (ASSAD & COSTA, 2010): varre-Facilita o trabalho do profissional de limpeza dura úmida, ensaboar, enxaguar e secar.64
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies7.3.1.1 Varredura úmidaTem o objetivo de remover o pó e possíveisdetritos soltos no chão, fazendo uso de panoúmido e rodo. Esses resíduos não podem serlevados até a porta de entrada, devendo ser re-colhidos do ambiente com o auxílio de pá.Deve-se iniciar a limpeza pelos cantos e deforma profissional e educada, para que quemesteja no local possa perceber e colaborar, li-berando o espaço.Nessa etapa, os dois baldes conterão apenaságua.7.3.1.2 EnsaboarÉ a ação de fricção com sabão ou detergentesobre a superfície com a finalidade de remo- ƒƒ Recolher os sacos contendo resíduos do lo-ção de toda sujidade. Nessa etapa, um dos cal, fechá-los e depositá-los no saco “ham-baldes conterá água, e outro, sabão ou deter- per” do carro funcional ou diretamente nogente. carro de coleta interna. ƒƒ Realizar a limpeza da unidade do paciente,7.3.1.3 Enxaguar e secar incluindo as maçanetas das portas. AtentarTem a finalidade de remover o sabão ou de- para as etapas: retirada de pó; ensaboar; en-tergente. Nessa etapa, os dois baldes conterão xaguar e secar.apenas água. ƒƒ Iniciar a limpeza do piso, mergulhando o pano de limpeza de piso limpo em um bal-7.3.1.4 Passo a Passo de contendo apenas água, torcendo suave-ƒƒ Colocar o material necessário no carro fun- mente e envolvendo no rodo. cional. Estacioná-lo no corredor, ao lado ƒƒ Iniciar a varredura úmida pelos cantos (do da porta de entrada do quarto/enfermaria/ fundo para a porta de entrada), com movi- unidade (nunca obstruir a passagem de mentos firmes e contínuos, a fim de remo- transeuntes). ver as partículas maiores do piso (migalhas,ƒƒ Cumprimentar o paciente e explicar o que papéis, cabelo e outros). será feito. ƒƒ Recolher as partículas maiores do piso comƒƒ Colocar os EPI apropriados para a realiza- a pá. Nunca direcionar os resíduos para o ção da limpeza. Preferencialmente, as luvas banheiro. de quarto e banheiro devem ter cores dis- ƒƒ Enxaguar o pano em outro balde contendo tintas. apenas água limpa. 65
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAƒƒ Mergulhar o pano de limpeza de piso limpo ƒƒ A limpeza de um ambiente deve ser iniciada em um balde contendo solução de água e pela coleta de lixo e, posteriormente, de­ e- v sabão ou detergente, torcendo suavemente se realizar a varredura úmida, iniciando-se e envolvendo no rodo. pelos cantos.ƒƒ Repetir a operação quantas vezes forem ne- ƒƒ Recomenda-se a utilização de um pano cessárias. A água do balde também deve ser para mobília e outro, para o piso (tama- trocada sempre que houver necessidade. nhos de panos diferentes e baldes de coresƒƒ Enxaguar o piso, mergulhando um pano diferentes). limpo em balde contendo apenas água lim- ƒƒ A água e a solução dos baldes deverão ser pa e secar o piso. Repetir a operação quan- trocadas sempre que necessário. Os panos tas vezes for necessário. devem estar alvejados.ƒƒ Realizar a limpeza do banheiro (Quadro 6). ƒƒ O kit de limpeza (pano para mobília, panoƒƒ Repor produtos de higiene: papel higiêni- para piso ou mop úmido, baldes, pá, rodo, co, papel toalha, sabonete líquido e outros. entre outros) é exclusivo do setor; no casoƒƒ Recolher o material utilizado no local, or- de isolamento de contato, o kit é exclusivo ganizando o ambiente. dessa área.ƒƒ Encaminhar os panos utilizados na limpe- ƒƒ Deve-se estar atento para não se usar luvas za, preferencialmente, para processamen- para abrir ou fechar portas e não deixar to na lavanderia ou lavá-los manualmente materiais de limpeza nos quartos ou ba- no expurgo. Desprezar a água do balde em nheiros. local específico. Nunca utilizar lavatórios/ ƒƒ Durante a realização da limpeza terminal, pias ou banheiro do paciente para esse fim. deve-se iniciar pela varredura úmida e re-ƒƒ Lavar e secar os recipientes para resíduos, tirada de lixo; deixar o piso do banheiro de repor os sacos e retorná-los ao local de ori- molho e, em seguida, proceder à limpeza gem. do mobiliário e do teto e paredes; lavar oƒƒ Realizar check list dos procedimentos rela- banheiro e, por último, realizar a limpeza tivos à limpeza concorrente. de todos os pisos.ƒƒ Avisar o paciente ou acompanhante sobre o ƒƒ Ao finalizar a limpeza de um setor, todo término da limpeza. material deve ser recolhido e levado ao ex-ƒƒ Se necessário, reabastecer carro funcional purgo para limpeza e desinfecção. com os materiais necessários.ƒƒ Recolher o material utilizado no local, or- ganizando o ambiente.7.3.1.5 Outros aspectos da limpezaƒƒ Ao chegar a uma unidade, o profissional de limpeza deve identificar prioridades, como abastecimento de papel toalha e troca de refil de sabonete.66
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies ƒƒ Realizar a limpeza da unidade do paciente, incluindo as maçanetas das portas. Atentar para as etapas: retirada de pó; ensaboar; en- xaguar e secar.ƒƒ A técnica a ser adotada pelo serviço de saú- ƒƒ Remover as partículas menores (migalhas, de poderá ficar a critério do gestor (respon- papéis, cabelo e outros) com o mop. Nunca sável técnico), com aprovação do SCIH. direcionar os resíduos para o banheiro. ƒƒ Recolher as partículas maiores do piso com7.3.2 Técnica de limpeza de piso com mop a pá. Nunca direcionar os resíduos para o banheiro.7.3.2.1 Passo a Passo ƒƒ Mergulhar o mop úmido (do conjuntoƒƒ Colocar o material necessário no carro fun- mop) em um dos baldes contendo solução cional. Estacioná-lo no corredor, ao lado de água e sabão ou detergente. da porta de entrada do quarto/enfermaria/ ƒƒ Retirar o mop da solução, colocando sua unidade, tendo o cuidado de não obstruir a cabeleira em base própria para torção. passagem de transeuntes. ƒƒ Tracionar a alavanca com o objetivo de re-ƒƒ Cumprimentar o paciente e explicar o que tirar o excesso de água do mop sem contato será feito. manual.ƒƒ Colocar os EPI apropriados para a realiza- ƒƒ Retirar o mop da base de torção e iniciar a ção da limpeza. Preferencialmente, as luvas limpeza. de quarto e banheiro devem ter cores dis- ƒƒ Iniciar a limpeza pelos cantos, do fundo para tintas. a porta de entrada, passando o mop em mo-ƒƒ Recolher os sacos contendo resíduos do lo- vimento de “oito deitado” com movimentos cal, fechá-los e depositá-los no saco “ham- firmes e contínuos. Enxaguar o mop em um per” do carro funcional ou diretamente no segundo balde (do sistema mop) contendo carro de coleta interna. água limpa para enxágue. 67
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAƒƒ Repetir a operação quantas vezes forem ne- ficar impregnadas e mais difíceis de serem cessárias. A água do balde deve ser trocada removidas posteriormente; para esses casos, sempre que houver necessidade. utilizar uma fibra mais abrasiva no local.ƒƒ Recolher o material utilizado no local, or- ƒƒ O funcionário deve manter a coluna reta ganizando o ambiente. durante o desenvolvimento de toda a téc-ƒƒ Realizar a limpeza do banheiro (Quadro 6). nica de limpeza.ƒƒ Repor produtos de higiene: papel higiêni- ƒƒ A prensa utilizada para torcer o mop pode co, papel toalha, sabonete líquido e outros. ser utilizada para se obter vários graus deƒƒ Recolher o material utilizado no local, or- torção: leve, moderada e intensa. Para dei- ganizando o ambiente. xar o piso quase que completamente secoƒƒ Encaminhar os panos utilizados na limpeza deve-se realizar uma forte torção da prensa. preferencialmente para processamento na lavanderia ou lavá-los manualmente no ex- 7.3.3 Limpeza com máquinas de rotação – purgo. Desprezar a água do balde em local Enceradeiras específico. Nunca utilizar lavatórios/pias Consiste no sistema de lavagem do piso com ou banheiro do paciente para esse fim. equipamento semelhante à enceradeira domés-ƒƒ Lavar os recipientes para resíduos, repor os tica, que possuem escova, suporte para discos sacos e retorná-los ao local de origem. e discos de diversas cores, cada qual com umaƒƒ Realizar check list dos procedimentos rela- finalidade, desde lavar o piso até lustrar. tivos à limpeza concorrente.ƒƒ Avisar o paciente ou acompanhante sobre o Para esse sistema há necessidade da remoção término da limpeza. do sabão ou detergente com sujidade comƒƒ Se necessário, reabastecer carro funcional com os materiais necessários.7.3.2.2 Recomendaçõesƒƒ Não abrir ou fechar portas com mãos en- luvadas.ƒƒ Não esquecer materiais e equipamentos de limpeza nos quartos ou banheiros.ƒƒ Os baldes devem ser lavados e secos antes de nova utilização.ƒƒ O uso de desinfetante é restrito para su- perfícies que contenham matéria orgânica (sangue ou fluidos corpóreos).ƒƒ A revisão da limpeza deve ser feita nos três períodos: manhã, tarde e noite.ƒƒ Não deixar manchas ou sujidades incrus- tadas para a limpeza terminal, pois podem68
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesrodo e os repetidos enxágues com água limpa, Essas máquinas são utilizadas para limpeza deempregando-se também, pano de limpeza de pisos com a vantagem da alta produtividade,piso e rodo ou mops úmidos. qualidade na limpeza e menor esforço e risco para o trabalhador.Tem como principal desvantagem a baixa pro-dutividade do sistema e a sobrecarga ergonô- 7.3.5 Limpeza com máquina de vapormica dos profissionais. quente São máquinas que abastecidas de água forne-7.3.4 Limpeza com máquinas lavadoras e cem vapor quente que pode ser aplicado para aextratoras automáticas limpeza direta de praticamente todas as super-Consiste no método de lavagem e enxágue do fícies fixas, sem necessidade de produto sane-piso no mesmo procedimento. São máquinas de ante, enxágue e secagem. Não deve ser consi-lavar tipo enceradeiras que possuem um reserva- derado como produto esterilizante por atingirtório para o detergente que é dosado diretamen- alta temperatura sob vapor. Os equipamentoste nas escovas localizadas na sua parte anterior existentes no mercado apresentam problemaque fazem a limpeza, e em sua parte posterior é da pequena duração da emissão do vapor e arealizado o enxágue e a aspiração da água, cole- necessidade de tempo prolongado para formá-tado noutro reservatório para a água suja. -lo novamente, tornando o processo de limpeza muito lento (YAMAUSHI et al., 2000). É bom lembrar que esse tipo de limpeza atra- vés de jatos de vapor d’água forma uma nuvem de vapor, colocando em suspensão partículas (aerossóis), que podem ser inaladas pelos fun- cionários, em unidades com pacientes com tu- berculose, representa um risco à saúde desses profissionais, devendo, portanto, ser evitado (BASSO, 2004). Independentemente dos métodos de limpeza e equipamentos utilizados, todos devem ser lavados diariamente após o uso. 7.4 Desinfecção A desinfecção é o processo físico ou químico que destrói todos os microrganismos pato- gênicos de objetos inanimados e superfícies, com exceção de esporos bacterianos (BRASIL, 69
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA1994). Tem a finalidade de destruir microrga- 7.4.1 Técnica de desinfecçãonismos das superfícies de serviços de saúde,utilizando-se solução desinfetante. É utilizado 7.4.1.1 Técnica de desinfecção com pequenaapós a limpeza de uma superfície que teve con- quantidade de matéria orgânicatato com matéria orgânica. Definem-se como Nas superfícies onde ocorrer um pequenomatéria orgânica todas as substâncias que con- derramamento de substâncias corporais outenham sangue ou fluidos corporais. São exem- sangue, incluindo respingos, deve-se:plos: fezes, urina, vômito, escarro e outros. ƒƒ Remover a matéria orgânica com papelSegundo os Centros de Controle e Prevenção toalha ou pano e proceder à limpeza, utili-de Doenças (Centers for Disease Control and zando a técnica de dois baldes.Prevention – CDC), o tratamento de super- ƒƒ Se piso ou paredes:fícies com matéria orgânica difere de acordo –– Realizar, primeiramente, a limpeza comcom o local e o volume do derramamento, sabão ou detergente na superfície a sersendo dividida em duas técnicas de desinfec- desinfetada, com o auxílio do rodo oução: com pequena quantidade e com grande mop.quantidade de matéria orgânica (CDC, 2003). –– Enxaguar e secar. –– Após a limpeza, aplicar o desinfetanteSempre que houver presença de matéria orgâ- na área que foi retirada a matéria orgâ-nica em superfícies, essa deverá ser removida. nica, deixando o tempo necessário paraA seguir, realizar a limpeza e, posteriormente, ação do produto (seguir orientação doa desinfecção. É imprescindível que o local seja fabricante). Se necessário, realizar enxá-rigorosamente limpo antes da desinfecção. gue e secagem. ƒƒ Se mobiliário:Os fatores que influenciam a escolha do pro- –– Realizar limpeza com sabão ou deter-cedimento de desinfecção das superfícies do gente na superfície a ser desinfetada,ambiente são (BRASIL, 1994): com o auxílio de panos de mobília.ƒƒ Natureza do item a ser desinfetado. –– Após limpeza do mobiliário, realizar aƒƒ Número de microrganismos presentes. fricção com álcool a 70% ou outro de-ƒƒ Resistência inata de microrganismos aos sinfetante definido pelo SCIH. efeitos do germicida.ƒƒ Quantidade de matéria orgânica presente. 7.4.1.2 Técnica de desinfecção com grandeƒƒ Tipo e a concentração do germicida usado. quantidade matéria orgânicaƒƒ Duração e a temperatura do contato com o ƒƒ Remover a matéria orgânica com auxílio germicida. do rodo e da pá.ƒƒ Especificações e indicações de uso do pro- ƒƒ Desprezar a matéria orgânica, líquida, no duto pelo fabricante. esgoto sanitário (tanque do expurgo ou vaso sanitário) Caso a matéria orgânica es-70
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies teja no estado sólido, acondicionar em saco plástico, conforme PGRSS. Utilizar EPI apro- priado.ƒƒ Proceder à limpeza, utilizando a técnica de dois baldes.ƒƒ Seguir os mesmos passos indicados na Técnica de desinfecção com pequena quantidade de matéria orgânica.Figura 1 – Limpeza de superfície sem presença de matéria orgânica. REMOVER O EXCESSO DO PÓ COM ÁGUA (VARREDURA OU RETIRADA DO PÓ) ENSABOAR A SUPERFÍCIE COM SABÃO OU DETERGENTE ENXAGUAR A SUPERFÍCIE COM ÁGUA SECAR CUIDADOSAMENTE 71
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAFigura 2 – Limpeza de superfície com presença de matéria orgânica. REMOVER A MATÉRIA ORGÂNICA COM PAPEL ABSORVENTE (PEQUENA QUANTIDADE) OU PÁ (GRANDE QUANTIDADE) REMOVER O EXCESSO DO PÓ COM ÁGUA (VARREDURA OU RETIRADA DE PÓ) ENSABOAR A SUPERFÍCIE COM SABÃO OU DETERGENTE ENXAGUAR A SUPERFÍCIE SECAR CUIDADOSAMENTE PISOS E PAREDES MOBILIÁRIOS APLICAR APLICAR ÁLCOOL 70%, DESINFETANTE APROPRIADO UNIDIRECIONAL, POR TRÊS VEZES CONSECUTIVAS COM OUTRO DESINFETANTE INDICADO PELO SCIH7.5 Limpeza e desinfecção de lógica; Capela Mortuária; Centro de Materialsuperfícies das áreas internas e Esterilização; Hemodiálise; Lactário; Centro de Tratamento de Queimados (CTQ); Necro-A fim de facilitar o processo de limpeza e de- tério; Laboratório; Expurgo; Abrigo de Lixo;sinfecção de superfícies em serviços de saú- Ambulatório; Enfermarias; Quartos; Salas dede, as áreas internas envolvem, dentre ou- Espera; Administração; Estar Médico e detras: Centro Cirúrgico; Salas Cirúrgicas; UTI; Enfermagem; Centro de Estudos; CorredoresEmergências; Unidade Coronariana; Doenças serviço de processamento de roupas de servi-Infecto-Parasitárias; Posto de Enfermagem; ços de saúde.Berçários; Medicina Nuclear; Anatomia Pato-72
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesQuadro 5 – Limpeza e Desinfecção de Superfícies em Serviços de Saúde. EQUIPAMENTO TÉCNICA ATUAÇÃO Unidade do paciente: Limpeza e/ou Desinfecção Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente. cama (colchão, pés e Friccionar com álcool a 70% ou outro desinfetante cabeceira), mesa, suporte indicado pelo SCIH, após alta do paciente. de soro, lixeira, escada, Recomenda-se a utilização de cores diferentes de luvas biombos, braçadeira para a realização da limpeza de pisos e mobiliários. colchão e cabeceira Paredes Limpeza e/ou Desinfecção Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente. Utilizar movimento unidirecional (de cima para baixo). Lixeiras Limpeza e/ou Desinfecção Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente. Escada Limpeza e/ou Desinfecção Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente. Teto Limpeza Utilizar o pano úmido para retirada de pó Varredura úmida Piso Limpeza e/ou Desinfecção Diariamente – varredura úmida, ensaboar, enxaguar e secar (sempre iniciando pelos cantos e conduzindo de forma que não atrapalhe o trânsito). Semanalmente – lavar com máquina utilizando-se sabão ou detergente. Encerar com cera acrílica e polir, conforme necessidade. Notas: Na presença de matéria orgânica, retirar o excesso com papel toalha ou com auxílio de rodo e pá; realizar a limpeza e proceder à técnica de desinfecção. Máscara e óculos de proteção devem ser utilizados. Janelas, vidraças, portas e Limpeza e/ou Desinfecção Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente luminárias Telefone Limpeza e/ou Desinfecção Na presença de sujidade, limpar com pano úmido em água limpa e secar. Friccionar com álcool a 70% ou utilizar outro desinfetante definido pelo SCIH. Saboneteira Limpeza e/ou Desinfecção Interior e exterior – Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente. Friccionar com álcool a 70% ou utilizar outro desinfetante definido pelo SCIH. Trocar refil sempre que necessário. Papeleiras Limpeza e/ou Desinfecção Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente. Enxaguar e secar. Friccionar com álcool a 70% ou utilizar outro desinfetante definido pelo SCIH. Abastecer sempre que necessário. Bancadas e prateleiras Limpeza e/ou Desinfecção Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente. Enxaguar e secar. Friccionar com álcool a 70% ou utilizar outro desinfetante definido pelo SCIH. 73
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA EQUIPAMENTO TÉCNICA ATUAÇÃO Expurgo Limpeza e/ou Desinfecção Lavar no final do expediente com água e sabão ou detergente; enxaguar, secar e finalizar com solução desinfetante. Manter organizado. Armários e escaninhos Limpeza e/ou Desinfecção Realizar a limpeza das partes interna e externa com água e sabão ou detergente. Enxaguar e secar. Friccionar com álcool a 70% ou utilizar outro desinfetante definido pelo SCIH. Geladeiras Limpeza Realizar a limpeza das partes interna e externa com água e sabão ou detergente. Secar bem com pano limpo. Berço acrílico e berço fixo Limpeza e/ou Desinfecção Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente. (utilizar a técnica de Enxaguar e secar. limpeza e/ou desinfecção) Friccionar com álcool a 70% ou utilizar outro desinfetante definido pelo SCIH. Não utilizar álcool no acrílico. Incubadora Limpeza e/ou Desinfecção Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente. Enxaguar e secar. Friccionar parte metálica e o revestimento do colchão com álcool a 70% ou utilizar outro desinfetante definido pelo SCIH. Notas: Outras ações deverão ser realizadas pela enfermagem. Não utilizar álcool no acrílico. Proteção bate maca Limpeza Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente. Enxaguar e secar. Lavatórios/pias Limpeza Lavar com água e sabão ou detergente. Enxaguar e secar. Contêiner Limpeza e/ou Desinfecção Levar o contêiner para uma área externa própria para lavagem de contêiner. Lavar interna e externamente com água e sabão ou detergente. Enxaguar e realizar desinfecção. Abrigo de lixo Limpeza e/ou Desinfecção Lavar interna e externamente com água e sabão ou detergente. Enxaguar e realizar desinfecção. Tanque Limpeza e/ou Desinfecção Lavar com água e sabão ou detergente. Enxaguar e realizar desinfecção. Elevador Limpeza Paredes – realizar limpeza com água e sabão ou detergente, utilizando movimento unidirecional, de cima para baixo. Enxaguar e secar. Piso – Realizar limpeza com água e sabão ou detergente. Enxaguar e secar. Foco de luz Limpeza Realizar limpeza com pano úmido.74
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies EQUIPAMENTO TÉCNICA ATUAÇÃO Mesa cirúrgica Limpeza e/ou Desinfecção Retirar excesso de secreções com papel toalha ou pano (utilizar a técnica de velho. Acondicionar no lixo conforme PGRSS. limpeza e/ou desinfecção) Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente. Enxaguar e secar. Friccionar parte metálica e o colchão com álcool a 70% ou utilizar outro desinfetante definido pelo SCIH. Bebedouros Limpeza e/ou Desinfecção Realizar a limpeza com água e sabão ou detergente. Enxaguar e secar. Friccionar com álcool a 70% ou utilizar outro desinfetante definido pelo SCIH.Quadro 6 – Limpeza de banheiros e vestiários. EQUIPAMENTO TÉCNICA ATUAÇÃO Paredes, boxe e azulejos Limpeza e/ou Desinfecção Lavar com água e sabão ou detergente, utilizando movimentos unidirecionais, de cima para baixo. Enxaguar e realizar desinfecção. Se necessário, utilizar escova para remover crostas dos rejuntes. Portas e Portais Limpeza Limpar com água e sabão ou detergente, utilizando movimentos unidirecionais, de cima para baixo. Evitar a utilização de produtos abrasivos. Piso Limpeza e/ou Desinfecção Lavar com água e sabão ou detergente Enxaguar e secar Notas: Na presença de matéria orgânica, retirar o excesso com papel toalha ou com auxílio de rodo e pá; realizar a limpeza e proceder à técnica de desinfecção. Máscara e óculos de proteção devem ser utilizados. Limpeza de Espelhos Limpeza Limpar com pano úmido ou limpa-vidros e secar. Armários e escaninhos Limpeza e/ou Desinfecção Realizar a limpeza das partes interna e externa com água e sabão ou detergente. Enxaguar e secar. Friccionar com álcool a 70% ou utilizar outro desinfetante definido pelo SCIH. Louças sanitárias e Limpeza e/ou Desinfecção Vaso sanitário: tampar, acionar a descarga. Lavar com descarga água e sabão ou detergente, com auxílio de escovinha. Enxaguar e realizar desinfecção. Descarga: lavar com água e sabão ou detergente. Enxaguar e realizar desinfecção. Lavatórios/pias e torneiras Limpeza e/ou Desinfecção Lavar com água e sabão ou detergente. Enxaguar e secar. 75
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA7.6 Limpeza de superfícies das áreas sinfecção de superfícies em serviços de saúde,externas as áreas internas envolvem, dentre outras: pá- tios, jardins, estacionamentos, garagens e cal-A fim de facilitar o processo de limpeza e de- çadas.Quadro 7 – Limpeza das Áreas Externas. EQUIPAMENTO TÉCNICA ATUAÇÃO Portões de ferro e grades Limpeza Limpar com pano úmido. Lavar com água e sabão ou detergente. Ralos e calhas Limpeza Retirar todos os detritos existentes. Lavar com água e sabão ou detergente, utilizando EPI apropriado Pisos Varredura Varrer com vassoura de piaçava. Pisos Lavagem por processo Ensaboar e enxaguar mecânico Placas de sinalização, Limpeza Limpar com pano úmido e secar. extintores e caixas de incêndio76
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesReferências bibliográficasASSAD, C.; COSTA, G. Manual Técnico de Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospitalares e Manejo deResíduos. Rio de Janeiro: IBAM/COMLURB, 2010. 28 p. Disponível em: <http://comlurb.rio.rj.gov.br/download/MANUAL%20DO%20FUNCIONÁRIO%202%20-%20HOSPITALAR.pdf>. Acesso em: janeiro 2009.BASSO M, ABREU ES. Limpeza, desinfecção de artigos e áreas hospitalares e antissepsia. 2 ed. São Paulo:APECIH – Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2004. p.18-33.BRASIL. Ministério da saúde. Coordenação de controle de Infecção. Processamento de Artigos e Superfícies emEstabelecimentos de Saúde. Brasília, 1994.Centers for Disease Control and Prevention – CDC. Guidelines for environmental infectioncontrol Health-Care facilities. Centers for Disease Control and Preventing; 2003. Disponível em <http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/rr5210a1.htm>. Acesso em: 6 nov. 2007.HINRICHSEN, S.L. et al. Limpeza Hospitalar: Importância no Controle de Infecções. In: HINRICHSEN, S.L.Biossegurança e Controle de Infecções. Risco Sanitário Hospitalar. Medsi: Rio de Janeiro. 2004. pp. 175-203.PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE – RS. Secretaria Municipal de Saúde. Coordenadoria Geralde Vigilância em. Manual de orientação para controle da disseminação de Acinetobacter sp resistente acarbapenêmicos no município de Porto Alegre.Porto Alegre, 2007. p.25-28. Disponível em: <http://www.saude.rs.gov.br/dados/125070290413612507025887571207316429256MANUAL%20ACINETOBACTER.pdf>. Acessoem: fev. 2008.PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO – SP. Secretaria Municipal de Saúde. Comissão de Controle deInfecção – CCI – SMS. Limpeza e Desinfecção de Superfícies em Serviços de Saúde. Ribeirão Preto; SMS-RP, 2006.Disponível em: <http://www.saude.ribeiraopreto.sp.gov.br/ssaude/comissao/desin/i16limpdesinfecsuperficie.pdf>.Acesso em: dez.2008.SEHULSTER, L.; CHINN, R.Y.W. Guidelines for environmental infection control Health-Care facilities. Centersfor Disease Control and Preventing, Jun. 2003. Disponível em <http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/rr5210a1.htm>. Acesso em 06 nov. 2007.YAMAUSHI, N.I.; LACERDA, R.A.; GABRIELLONI, M.C. Limpeza Hospitalar. In: FERNANDES, A.T.;FERNANDES, M.O.V.; FILHO, N.R. Infecção hospitalar e suas interfaces na área da saúde. São Paulo: Atheneu,2000. p.1141-1155. 77
  • Capítulo 8Produtos e sistemasutili zados no tratamento depisos Elen ild es Silva Am o r im Elisab et e R ein ehr Er ci Mar ia On zi Silip r andi
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA8.1 Ceras lustráveis 8.3 Ceras autobrilhantesSão ceras formadas com produtos que pos- São as ceras que possuem polímeros acrílicossuem na sua composição carnaúba, sendo co- que formam um filme duro, porém de médianhecidas como ceras à base de água ou emul- resistência através da fusão dos componentessionáveis. sólidos. Não contém ceras moles na sua com- posição, sendo que sua formulação é de 70%São chamadas “ceras moles”, com baixíssima de polímeros acrílicos e 30% de substânciasresistência, pois suas partículas não formam o sólidas em equilíbrio.filme para a proteção do piso ao tráfego contí-nuo, ao atrito do calçado e as sujidades como Suportam média resistência e sua manutençãopoeiras, bem como não resistem à limpeza é mais fácil que as ceras moles, não necessi-constante com sabão ou detergentes, tornan- tando ser lustrada devido ao filme duro quedo-se necessárias as reaplicações frequentes. é mais resistente aos riscos, ranhuras e man-Não são antiderrapantes. chas. São consideradas antiderrapantes.Necessitam serem sempre lustradas após a São indicadas para os pisos em geral tais comosecagem com as enceradeiras industriais de paviflex, mantas vinílicas, granitos, mármo-baixa rotação, low speed, que operam de 150 a res, superfícies emborrachadas, plurigomas,200 rotações por minuto (rpm), pois somente lajotas não vitrificadas, ardósia, cimento quei-dessa forma produzem brilho. O custo da mão mado e concreto.de obra é elevado pelas dificuldades de manu-tenção do sistema. 8.4 Ceras impermeabilizante High Speed – HS8.2 Ceras semilustráveis São ceras compostas por polímeros acrílicos,São ceras formadas por produtos de composi- que contem mistura de elementos como polie-ção mista, ou seja, sua formulação é composta tileno e poliuretano, com partículas menorespor carnaúba associada a polímeros acrílicos que formam um filme duro de alta resistência,sintéticos. nivelando o piso e dando brilho, comportan- do o polimento e restauração com as encera-Os polímeros acrílicos possuem maior dureza, deiras de alta rotação, (High Speed – HS), quesão mais resistentes à água e formam filmes operam entre 1.000 a 1.600 rpm, acentuando oaderentes. Possuem média resistência ao trá- brilho molhado.fego, ao atrito das sujidades dos calçados e nãosão antiderrapantes. Necessitam do polimento São sistemas compostos variavelmente porcom as enceradeiras industriais de baixa rota- produtos como: removedor, base seladora,ção. impermeabilizante, restaurador e detergente80
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciespara limpeza diária indicados pelo fornecedor. 8.6 Etapas do tratamento de pisosAinda, são altamente resistentes ao tráfego Após o mapeamento da área, levantamentointenso, de grande resistência, durabilidade e das características do ambiente e a identifica-antiderrapantes. ção do tipo de piso a ser tratado e definido o tipo de sistema adequado a esse piso, seguemEsses produtos são indicados para pisos como três etapas básicas para todos e qualquer tipogranito, mármore, borracha, paviflex, mantas e tratamento a ser aplicado:vinílicas, plurigoma, lajotas não-vitrificadas,ardósia, granilite, cimento, concreto, dentre ƒƒ Preparaçãooutros (LUCCHIN & MOZACHI, 2005). ƒƒ Acabamento –– Selamento das porosidades8.5 Ceras Ultra High Speed – UHS –– Impermeabilização –– PolimentoSão ceras elaboradas a partir de emulsões de ƒƒ Manutençãopoliuretano, apresentando maior flexibilidade,embora extrema resistência à penetração. Re- 8.6.1 Preparaçãopresentam o que há de mais moderno no mer- Considerada a etapa mais importante na im-cado e são indicadas para o polimento com plantação do sistema de tratamento de pisos,as enceradeiras de alta rotação (Ultra high independentemente do tipo de cera que seráspeed- UHS), ou seja, acima de 1.600 rpm. Os utilizado, por concentrar os procedimentosacabamentos UHS são termoplásticos, conse- onde todos os cuidados devem ser muito bemguindo-se a restauração da película por meio observados para garantir o excelente resultadode fusão térmica. O calor gerado no polimen- final no tratamento de piso.to promove uma microfusão na superfície dofilme, a qual se recompõe, preenchendo as fis- O primeiro procedimento da etapa da pre-suras profundas. paração consiste na retirada das impurezas do piso (cera velha, sujidades, gordura, terra,Essas ceras apresentam excelente resistência tintas ressequidas ou qualquer outro tipo deao tráfego intenso, manutenção fácil, com resíduo). Deve ser feito com removedor, dequalidade e durabilidade. preferência a base de solventes, na diluição e no tempo recomendado pelo fornecedor paraSão indicadas para pisos como granito, már- a remoção, com a utilização da enceradeira in-more, borracha, paviflex, mantas vinílicas, dustrial com o disco preto.plurigoma, lajotas não vitrificadas, ardósia,granilite, cimento, concreto, etc. (LUCCHIN O segundo procedimento consiste no enxágue& MOZACHI, 2005). do removedor, parte mais importante de todo o tratamento, que deverá ser repetido quantas 81
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAvezes forem necessárias, com água limpa, até a última camada do selador, variando de três aremoção completa dos resíduos do removedor. cinco camadas, dependendo das característi- cas do tráfego local. Da mesma forma que aSe os enxágues não forem bem feitos poderá base seladora é de extrema importância à ob-comprometer por completo o tratamento do servância do tempo de secagem entre a aplica-piso. O removedor poderá atacar a cera nova, ção de cada camada.ocasionando manchas ou rachaduras. No caso das ceras a base de carnaúba ou mis-O último procedimento da preparação con- tas serão aplicadas de uma a duas camadas,siste em aguardar o tempo de secagem do após a lavagem do piso.piso, que deverá estar totalmente seco, atin-gindo seu estado original. Se houver residual 8.6.2.3 Polimentode umidade no piso o tratamento poderá fi- Após o período de secagem as ceras de car-car opaco. naúba e sintéticas deverão ser polidas com as enceradeiras industriais de baixa rotação com8.6.2 Acabamento discos claros (branco ou bege). Dentre os sis- temas de tratamento de piso com ceras imper-8.6.2.1 Selamento das porosidades meabilizantes o polimento é o procedimentoConsiste em um procedimento utilizado so- responsável em aumentar o nível de resistên-mente nos tratamentos de piso com ceras im- cia da cera onde são utilizadas as enceradeiraspermeabilizantes acrílicas com a finalidade de de alta rotação com o disco “pelo de porco”.vedar os poros, fazer o nivelamento do piso eproporcionar brilho. O número de camadas 8.6.3 Manutençãodepende do produto, tráfego e desgaste do A manutenção do sistema de tratamento dopiso, normalmente de duas a três camadas de piso com ceras impermeabilizantes é impor-base seladora. tante por proporcionar maior durabilidade, resistência e brilho ao piso. Está dividida emImportante que seja observado o tempo de se- conservação diária e periódica.cagem entre as camadas, tempo recomendadopelo fornecedor, que poderá variar conforme Na conservação diária, o piso deverá ser lavadoa umidade relativa do ar, caso contrário pode- com produtos que não agridam o tratamento,rá ter problemas de aderência dos produtos ao podendo acarretar manchas ou até removê-lo.piso. Também o sentido das camadas deverá Dependendo do tráfego e grau de sujidade po-ser contrário ao anterior para cobrir possíveis derá exigir lavagem convencional e o polimen-falhas e desnivelamento. to com as enceradeiras de alta rotação.8.6.2.2 Impermeabilização A utilização do mop pó para a remoção dasConsiste no procedimento de aplicação das sujidades soltas pelo piso, tais como pó, areias,ceras impermeabilizantes após a secagem da terra, grãos é recomendado para evitar as ra-82
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesnhuras no piso, além da manutenção facilitada Áreas pequenas ou com obstruções não sãoda limpeza. Esse procedimento deverá ser uti- propícias, pois não permitem a mobilidade dalizado sempre antes da varredura úmida. lustradora.A definição da necessidade da manutenção Nos centros cirúrgicos e obstétricos, o trata-periódica está relacionada à necessidade de mento de piso não é recomendado, uma vezreaplicação do impermeabilizante para repor que podem interferir com a condutibilidadeo que foi desgastado pelo tráfego e pelo poli- desse (BASSO, 2004). Ainda, a presença demento do piso. maior umidade do piso, como, por exemplo, nos lavabos para escovação das mãos, o trata-Na conservação periódica será necessária a mento de piso pode torná-lo mais escorregadio.lavagem do piso com disco apropriado, ver-melho ou verde, com solução detergente. Apesar das dificuldades relacionadas, é fre-Após o tempo de secagem deverá ser reapli- quente a utilização das ceras impermeabili-cado o impermeabilizante e realizado o poli- zantes em pisos de serviços de saúde devido asmento com o disco “pelo de porco” em toda suas vantagens em relação às ceras naturais ea área lavada. sintéticas que necessitam de uma manutenção mais frequente. Sua importância está relacio-8.7 Definição do produto nada aos seguintes fatores:A escolha do produto para o tratamento do ƒƒ Proteção: maior vida útil do piso devido àspiso é de fundamental importância, pois está agressões geradas pelo tráfego ocorrer so-relacionada ao tipo de piso, às características bre o filme da cera, evitando seu desgastedo tráfego, à resistência aos produtos sanean- natural.tes utilizados no procedimento de limpeza, às ƒƒ Limpeza: maior facilidade de higiene dos pi-condições de implantação e conservação, ao sos com tratamento impermeabilizantes estáresultado desejado e ao custo do investimento relacionada à diminuição da porosidade,inicial e de manutenção. evitando a penetração das sujidades e con- sequente proliferação de microrganismos.As etapas de remoção e acabamento das ceras ƒƒ Segurança: maior poder antiderrapante dasimpermeabilizantes, devido ao tempo de se- ceras acrílicas impermeabilizantes.cagem, se tornam mais difíceis em quartos de ƒƒ Beleza: maior nível de brilho ocasionandopacientes pela necessidade de ocupação ime- o embelezamento do ambiente, tornando-diata não permitindo por completo os proces- -o mais bonito e agradável aos pacientes esos de tratamento. Já nas áreas críticas, como as equipes, bem como contribuindo com aemergências e UTI, tanto a implantação como imagem do serviço de saúde.as conservações se tornam complicadas devi- ƒƒ Mão de obra: maior produtividade dos fun-do à dificuldade de interdição, ao alto tráfego, cionários pela facilidade de limpeza diáriaalém da demora do tempo de secagem. do piso, maior durabilidade do tratamento 83
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA e consequente menor manutenção, redu- Em qualquer processo de limpeza ou trata- zindo, dessa forma, o custo com a mão de mento de pisos é primordial que os profissio- obra ou disponibilizando-a para outras ati- nais de limpeza e desinfecção de superfícies vidades. em serviços de saúde utilizem os EPI e outros equipamentos que se fizerem necessários para proteção e segurança.Referências bibliográficasBASSO M.; ABREU E.S. Limpeza, desinfecção de artigos e áreas hospitalares e antissepsia. São Paulo: APECIH– Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2004. p.18-33.LUCCHIN, L.R.W.; MOZACHI, N. Limpeza e desinfecção de áreas hospitalares. In: SOUZA, V.H.S.; MOZACHI,N. (Eds). O hospital: manual do ambiente hospitalar. Curitiba: Os Autores, 2005. p.549-604.84
  • Capítulo 9Higienização das mãos emserviços de saúde Fab ian a C r ist in a d e So u sa Heiko Th er eza San t ana
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAA higienização das mãos é a medida individu- nização com água e sabonete quando as mãosal mais simples e menos dispendiosa para pre- não estiverem visivelmente sujas (BRASIL,venir a propagação das infecções relacionadas 2007; BRASIL, 2009).à assistência à saúde. Recentemente, o termo“lavagem das mãos” foi substituído por “higie- 9.1 Indicações – Higienização dasnização das mãos”, englobando a higienização Mãos com Água e Sabonete Líquidosimples, a higienização antisséptica, a fricçãoantisséptica e a antissepsia cirúrgica das mãos. ƒƒ Quando as mãos estiverem visivelmente sujas ou contaminadas com sangue ou ou-As mãos do profissional de limpeza e desin- tros fluidos corporais.fecção de superfícies podem ser higienizadas ƒƒ Ao iniciar o turno de trabalho.utilizando-se: água e sabonete (associado ou ƒƒ Antes e após remoção de luvas.não a antisséptico) e preparação alcoólica para ƒƒ Antes e após uso do banheiro.as mãos. ƒƒ Antes e depois das refeições. ƒƒ Após término do turno de trabalho.Recentemente, o uso de preparação alcoólica ƒƒ Após várias aplicações consecutivas de pro-para as mãos tem sido estimulado nos serviços duto alcoólico para as mãos.de saúde, pois o álcool reduz a carga microbia-na das mãos. A utilização de preparação alco- 9.1.1 Técnica “Higienização simples dasólica apropriada para as mãos (sob as formas mãos com água e sabonete”gel, solução e outras) pode substituir a higie- Duração do Procedimento: 40 a 60 segundos.9.1.2 Passo a Passo Figura 1. Abrir a torneira e molhar as mãos, Figura 2. Aplicar na palma da mão quantidade evitando encostar-se a pia. suficiente de sabpnete líquido para cobrir todas as superfícies das mãos (seguir a quantidade recomendada pelo fabricante).86
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies Figura 3. Ensaboar as palmas das mãos, Figura 4. Esfregar a palma da mão friccionando-as entre si. direita contra o dorso da mão esquerda entrelaçando os dedos e vice-versa. Figura 5. Entrelaçar os dedos e friccionar os Figura 6. Esfregar o dorso dos dedos de uma espaços interdigitais. mão com a palma da mão oposta, segurando os dedos, com movimento de vai-e-vem e vice-versa. 87
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA Figura 7. Esfregar o polegar direito, com Figura 8. Friccionar as polpas digitais e o auxílio da palma da mão esquerda, unhas da mão esquerda contra a palma da utilizando-se movimento circular e vice-versa. mão direita, fechada em concha, fazendo movimento circular e vice-versa. Figura 9. Esfregar o punho esquerdo, com o Figura 10. Enxaguar as mãos, retirando os auxílio da palma da mão direita, utilizando resíduos de sabonete, no sentido dos dedos movimento circular e vice-versa. para os punhos. Evitar contato direto das mãos ensaboadas com a torneira.88
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies 9.2 Indicações – Higienização das mãos com preparação alcoólica para as mãos ƒƒ Ao iniciar o turno de trabalho. ƒƒ Antes e após remoção de luvas. ƒƒ Antes e após uso do banheiro. ƒƒ Antes e depois das refeições. ƒƒ Após término do turno de trabalho. 9.2.1 Técnica “Fricção Antisséptica das Mãos” (com preparações alcoólicas) FIGURA 12. Secar as mãos com papel- toalha descartável, iniciando pelas mãos e ƒƒ Duração do Procedimento: 20 a 30 segun- seguindo pelos punhos. Desprezar o papel- dos. toalha na lixeira para resíduos comuns.Importante:ƒƒ Antes de iniciar a técnica, retirar acessórios (anéis, pulseiras, relógio), se necessário, uma vez que sob esses objetos acumu­am- l se microrganismos.ƒƒ No caso de torneiras com contato manu- al para fechamento, sempre utilize papel-­ toalha.ƒƒ O uso coletivo de toalhas de tecido é con- traindicado, pois estas permanecem úmi- das, favorecendo a proliferação bacteriana.ƒƒ Deve-se evitar água muito quente ou muito fria na higienização das mãos, a fim de pre- venir o ressecamento da pele. 89
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAPasso a Passo Figura 1. Aplicar na palma da mão Figura 2. Friccionar as palmas das mãos entre quantidade suficiente do produto para si. cobrir todas as superfícies das mãos (seguir a quantidade recomendada pelo fabricante). Figura 3. Friccionar a palma da mão Figura 4. Friccionar a palma das mãos entre si direita contra o dorso da mão esquerda com os dedos entrelaçados. entrelaçando os dedos e vice-versa.90
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies Figura 5. Friccionar o dorso dos dedos de Figura 6. Friccionar o polegar direito, com uma mão com a palma da mão oposta, o auxílio da palma da mão esquerda, segurando os dedos e vice-versa. utilizando-se movimento circular e vice-versa. Figura 7. Friccionar as polpas digitais e unhas Figura 8. Friccionar os punhos com da mão esquerda contra a palma da mão movimentos circulares. direita, fazendo um movimento circular e vice-versa. Figura 9. Deixar as mãos secarem naturalmente. 91
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAImportante: 9.4 Recomendações para dispensadores de sabonete eƒƒ Para evitar ressecamento e dermatites, antissépticos não higienize as mãos com água e sabone- te imediatamente antes ou depois de usar Nos serviços de saúde, recomenda-se o uso de uma preparação alcoólica. sabonete líquido, preferencialmente tipo refil,ƒƒ Não higienize as mãos com preparação al- devido ao menor risco de contaminação do coólica após higienização das mãos com produto. água e sabonete. A preparação alcoólica não é complemento para a higienização das Em um estudo desenvolvido pela Universida- mãos. de Federal de Minas Gerais (SERUFO, 2007),ƒƒ Depois de higienizar as mãos com pre- com o apoio da Anvisa, foram analisadas 1.196 paração alcoólica, deixe que elas sequem amostras de sabonetes líquidos e anti-sépticos completamente (sem utilização de pa­ el- p coletados em hospitais brasileiros da rede sen- toalha). tinela. Destas, 9,4% (112/1196) estavam conta- minadas, sendo que os sabonetes líquidos res-9.3 Outros aspectos da higienização ponderam por 30,2% das amostras recebidasdas mãos (361/1196) e 83% das amostras contaminadas (93/112). Os tipos de dispensadores mais uti-Na higienização das mãos, observar ainda as lizados para os sabonetes líquidos foram osseguintes recomendações (CDC, 2002; WHO, reutilizáveis, destacando-se as saboneteiras,2009): os frascos improvisados e as almotolias recar- regáveis. Nesse estudo não foram detectadosƒƒ Mantenha as unhas naturais, limpas e cur- microrganismos nos produtos originais e cole- tas. tados antes do manuseio no local, podendo-seƒƒ Não use unhas postiças. inferir que as contaminações não decorreramƒƒ Evite o uso de esmaltes nas unhas. de falhas no processo de fabricação e sim du-ƒƒ Não usar anéis, pulseiras e outros adornos. rante o processo de manipulação ou uso, o queƒƒ Aplique creme hidratante nas mãos (uso aponta a necessidade de aprimorar o proces- individual), diariamente, para evitar resse- so interno de dispensação e manuseio desses camento na pele. produtos.ƒƒ A preparação alcoólica para as mãos não deve ser utilizada como complemento para Assim, antes da compra de produtos para hi- a higienização das mãos. gienização das mãos, devem-se avaliar os dis-92
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciespensadores de produtos de vários fabricantes mãos. Escolher, preferencialmente, os dopara assegurar seu correto funcionamento, tipo refil. Nesse caso, a limpeza internafacilidade de limpeza, liberação de volume su- pode ser feita no momento da troca do refil.ficiente do produto e existência de dispositivoque não favoreça a contaminação do produto. 9.5 Considerações da AnvisaPara evitar a contaminação do sabonete lí- Na aquisição de produtos destinados à hi-quido e do produto antisséptico, têm-se as se- gienização das mãos deve-se verificar se es-guintes recomendações: ses estão registrados na Anvisa, atendendo às exigências específicas para cada produto.ƒƒ Os dispensadores devem possuir dispositi- A firmação da legalidade do produto poderá vos que facilitem seu esvaziamento e pre- ser feita consultando o site da Anvisa ou soli- enchimento. citando ao fornecedor, a comprovação do seuƒƒ No caso dos recipientes de sabonete líqui- registro/notificação. do e antisséptico ou almotolias não serem descartáveis, deve-se proceder à limpeza Não devem ser aplicados nas mãos sabões e desses com água e sabão ou detergente (não detergentes registrados na Anvisa como sa- utilizar o sabonete restante no recipiente) e neantes, de acordo com a Lei n°. 6.360 de 23 secagem, podendo ser seguida de desinfec- de setembro de 1976 (BRASIL, 1976) e a RDC ção com álcool etílico a 70% (rinsagem), no nº. 40, de 5 de junho de 2008 (BRASIL, 2008), mínimo uma vez por semana. uma vez que são destinados apenas às superfí-ƒƒ Não se deve completar o conteúdo do reci- cies inanimadas. piente antes do término do produto, devido ao risco de contaminação. Outras informações sobre o tema higienizaçãoƒƒ Para os produtos não utilizados em reci- das mãos se encontram no manual “Segurança pientes descartáveis, devem-se manter os do Paciente em Serviços de Saúde – Higieni- registros dos responsáveis pela execução zação das mãos” (BRASIL, 2009), disponível das atividades e a data de manipulação, en- no endereço: http://www.anvisa.gov.br. vase e de validade da solução fracionada.ƒƒ A validade do sabonete, quando mantida na embalagem original, é definida pelo fa- bricante e deve constar no rótulo.ƒƒ Deve-se optar por dispensadores de fácil limpeza e que evitem o contato direto das 93
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAReferências bibliográficasBRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Higienização das mãos em serviços de saúde. Brasília, 2007.BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do Paciente em Serviços de Saúde – Higienizaçãodas mãos. Brasília, 2009.BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 40 de 05 de junhode 2008. Aprova o Regulamento técnico para Produtos de Limpeza e Afins harmonizado no âmbito do Mercosulatravés da Resolução GMC nº 47/07. Diário Oficial da União [da União da República Federativa do Brasil],Brasília, 06 jun. 2008.BRASIL. Ministério da saúde. Lei nº. 6.360, de 23 de setembro de 1976. Dispõe sobre a vigilância sanitária a queficam sujeitos os medicamentos, as drogas, os insumos farmacêuticos e correlatos, cosméticos, saneantes e outrosprodutos, e dá outras providências. Diário Oficial da União [da República Federativa do Brasil], Brasília, 24set.1976.CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION – CDC. Guideline for Hand Hygiene in Health-CareSettings: recommendations of the Healthcare Infection Control Practices Advisory Committee and the HICPAC/SHEA/APIC/IDSA Hand Hygiene Task Force. MMWR 2002; 51(No RR-16). p.1-45.WORLD HEALTH ORGANIZATION – WHO. Guidelines on Hand Hygiene in Health Care. Clean Care is SaferCare. Geneva: WHO, 2009.SERUFO, J. C. et al. Avaliação da dinâmica de contaminação extrínseca de sabonetes líquidos e anti-sépticosno processo de uso em hospitais brasileiros da rede sentinela. Relatório técnico. Belo Horizonte: Fundep/Anvisa,2007. 29 p. Disponível em: <https://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/anti_septicos_final.pdf>94
  • Capítulo 10Medidas de biossegurança Gizelm a d e Azeved o Sim õ es R o d r ig u es
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAO termo biossegurança corresponde ao con- O profissional de limpeza e desinfecção dejunto de ações voltadas para prevenção, eli- superfícies em serviços de saúde está expostominação de riscos inerentes às atividades de a riscos e o objetivo das medidas de biossegu-pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento rança é identificar riscos à saúde e ao meio am-tecnológico de serviços, visando à saúde do biente decorrentes da exposição à matéria orgâ-homem, dos animais, à preservação do meio nica e aos agentes biológicos e do manuseio deambiente e à qualidade dos resultados (COS- produtos químicos e materiais perigosos.TA, 2000; HIRATA & FILHO, 2002). A utilização de precauções básicas auxilia osA biossegurança no Brasil surgiu por meio de profissionais nas condutas técnicas adequa-legislação específica, a Lei nº 8.974, de 5 de das à prestação dos serviços, por meio dojaneiro de 1995 (BRASIL, 1995), para regu- uso correto de EPI, de acordo com a NR n° 6,lar o uso das técnicas de engenharia genética da Portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978e liberação no meio ambiente de organismos (BRASIL, 1978). Essas medidas devem gerargeneticamente modificados – OGM (VAL- melhorias na qualidade da assistência e dimi-LE & TELLES, 2003). Posteriormente, a Lei nuição de custos e infecções.n° 11.105, de 24 de março de 2005 (BRASIL,2005), estabeleceu as normas de segurança e Ao Serviço de Limpeza e Desinfecção de Su-mecanismos de fiscalização de atividades re- perfícies em Serviços de Saúde competem oslacionadas à OGM e seus derivados, criou o procedimentos para a remoção de sujidades,Conselho Nacional de Biossegurança (CNBS) detritos indesejáveis e microrganismos pre-e reestruturou a Comissão Técnica Nacional sentes em qualquer superfície, visando manterde Biossegurança (CTNBio). o ambiente dentro dos padrões estabelecidos pelos serviços de saúde.Na área da saúde, esse tema suscita reflexõespor parte dos profissionais, uma vez que estão As medidas de biossegurança em serviços demais suscetíveis a contrair doenças advindas saúde evitam os riscos inerentes ao uso de pro-de acidentes de trabalho, através de procedi- dutos químicos e materiais biológicos. Tem amentos que envolvem riscos biológicos, quí- finalidade de minimizar os riscos envolvidosmicos, físicos e ergonômicos (BOLICK, 2000; no uso desses materiais, pelos profissionais daMASTROENI, 2004). instituição. Incluem procedimentos para aqui- sição, armazenamento, transporte e manuseioOs profissionais que prestam assistência di- desses produtos.reta à saúde ou manipulam material biológi-co no seu cotidiano devem ter conhecimento As medidas de biossegurança podem ser isola-suficiente acerca de biossegurança para uma das ou estar inseridas em um plano de preven-prática eficaz e segura (CARVALHO, 1999; ção e controle de riscos biológicos, químicos eCOSTA & COSTA, 2003). materiais perigosos.96
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies10.1 Os riscos a que estão expostos de. Apresenta grande poder de transmissi-os profissionais de limpeza e bilidade de um indivíduo a outro. Podemdesinfecção de superfícies em causar doenças graves ao ser humano, paraserviços de saúde as quais não existem meios eficazes de pro- filaxia ou tratamento.10.1.1 Risco biológicoRisco Biológico é a probabilidade da exposição 10.1.2 Risco químicoocupacional a agentes biológicos. São agentes Os riscos químicos dependem da reatividadebiológicos os microrganismos, geneticamente do produto e, portanto, não é possível estabe-modificados ou não; as culturas de células; os lecer uma regra geral que garanta a segurançaparasitas; as toxinas e os príons encontrados no manuseio de todas as substâncias químicas.em sangue, fluidos corpóreos, meios de cultu-ras e espécimes clínicos. As propriedades físico-químicas, reatividade, toxicidade, condições de manipulação, possi-10.1.1.1 Classificação de risco de agentes bilidade de exposição do trabalhador, vias debiológicos penetração no organismo e disposições finaisOs agentes biológicos são classificados em do produto são variáveis que devem ser consi-(BRASIL, 2005): deradas no estabelecimento do risco.ƒƒ Classe de risco 1: baixo risco individual 10.1.2.1 Recomendações para produtos para o trabalhador e para a coletividade, químicos com baixa probabilidade de causar doença 10.1.2.1.1 Na aquisição do produto químico ao ser humano. É de responsabilidade da Segurança do Traba-ƒƒ Classe de risco 2: risco individual modera- lho: do para o trabalhador e com baixa probabi- lidade de disseminação para a coletividade. ƒƒ Identificação do risco atribuído ao produto Podem causar doenças ao ser humano, para em função do uso. as quais existem meios eficazes de profila- ƒƒ Elaboração da ficha técnica, conforme mo- xia ou tratamento. delo padronizado, baseada nas informa-ƒƒ Classe de risco 3: risco individual elevado ções do fabricante e na legislação vigente. para o trabalhador e com probabilidade de ƒƒ Identificação dos profissionais sob risco. disseminação para a coletividade. Podem ƒƒ Determinação da necessidade de EPC e EPI. causar doenças e infecções graves ao ser ƒƒ Avaliação da área física para armazena- humano, para as quais nem sempre existem mento e manuseio do produto: condições meios eficazes de profilaxia ou tratamento. de estocagem, ventilação, proximidade deƒƒ Classe de risco 4: risco individual elevado produtos não compatíveis. para o trabalhador e com probabilidade ƒƒ Elaboração de parecer quanto aos riscos elevada de disseminação para a coletivida- envolvidos. 97
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA10.1.2.1.2 Prerrogativas para o uso do ƒƒ Utilização de produtos saneantes fora doproduto período de validade.ƒƒ Treinamento do usuário e disponibilização ƒƒ Manuseio do produto saneantes sem o uso da ficha técnica no local de uso: Unidade de EPI apropriados. usuária e Segurança do Trabalho. ƒƒ Armazenamento conjunto de produtos sa-ƒƒ Identificação da embalagem do produto neantes incompatíveis. e do subproduto decorrente de diluição – nome e data de validade: Unidade usuária. 10.1.3 Risco de natureza físico-químicaƒƒ Disponibilização de EPI e de orientações Considera como risco de natureza físico-quí- escritas quanto ao uso correto: Unidade mica a capacidade de o produto reagir com usuária e Segurança do Trabalho. outra substância, produzindo fenômenos fí-ƒƒ Determinação da forma de descarte do sicos como calor, combustão ou explosão ou, produto e das embalagens vazias – Servi- ainda, produzindo outra substância tóxica. Na ço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies avaliação dos riscos devidos à natureza física, em Serviços de Saúde, conforme PGRSS. devem ser considerados os parâmetros de di- fusão e inflamabilidade.10.1.2.1.3 EPIƒƒ Há obrigatoriedade de uso determinado na 10.1.4 Risco tóxico ficha técnica do produto químico perigoso. Toxicidade é a capacidade inerente de umaƒƒ Avental impermeável. substância produzir efeitos nocivos a um or-ƒƒ Luvas resistentes ao produto, preferencial- ganismo vivo ou ecossistema. mente de punho longo.ƒƒ Óculos de proteção. Risco tóxico é a probabilidade de o efeito no-ƒƒ Protetor respiratório: respirador valvulado civo acontecer nas condições de uso da subs- classe P2 com carvão (PFF2-VO). tância. É dependente das propriedades físico- –– Uso individual. -químicas, vias de penetração no organismo, –– Identificação na parte interna da másca- dose, alvos biológicos, capacidade orgânica de ra com nome e data. eliminação e efeitos sinergísticos com outros –– Guarda em saco plástico fechado. agressores.10.1.2.1.4 Proibições 10.1.5 Drogas citotóxicasƒƒ Mistura de produtos saneantes/químicas As drogas medicamentosas são padroniza- não previamente autorizados. das pela Comissão de Farmácia e Terapêuticaƒƒ Reaproveitamento de embalagens vazias (CFT), sendo as políticas de armazenamento, com produtos saneantes diferentes do ró- transporte, manuseio, administração e des- tulo original. carte das drogas citotóxicas estabelecidas peloƒƒ Alteração na proporção da diluição preco- Serviço Técnico da Farmácia Oncológica da nizada. instituição.98
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesEssas drogas são manipuladas em ambienteexclusivo, com acesso restrito e equipado comCabine de Segurança Biológica Classe II B2,por profissionais do Serviço de Farmácia comtreinamento específico e com uso de EPI.10.1.6 Risco ergonômicoEntende-se por risco ergonômico qualquer fa-tor que possa interferir nas características psi-cofisiológicas do trabalhador, causando des-conforto ou afetando sua saúde. São exemplosde risco ergonômico: o levantamento de peso,ritmo excessivo de trabalho monotonia, repe- sangue e fluidos corpóreos e/ou a patógenostitividade e postura inadequada de trabalho. respiratórios é essencialmente prevenida por meio da prática de medidas de precaução, in-10.2 Material perfurocortante cluindo cuidados com material perfurocor- tante, EPI e EPC, normatizados pelo SCIH eEnvolve qualquer material com capacidade de pela Segurança do Trabalho.corte ou perfuração da pele que deve ser ma-nuseado com máximo cuidado e descartado Os EPI devem ser utilizados pelos profissio-em recipiente rígido, impermeável e resistente nais, durante a execução de procedimentosà punção. O recipiente de descarte deve estar que possam provocar contaminação da roupadisponível próximo à área de uso, em suportes com sangue e fluídos corpóreos ou por pató-apropriados, preferencialmente na unidade de genos que se transmitem por contatoatendimento ao paciente. Não deve ultrapas-sar o seu limite de preenchimento. É proibi- A instituição é responsável pelo fornecimen-do o reencape de agulhas e o descarte desses to de EPIs apropriados e em quantidade sufi-materiais em lixo comum. O recolhimento e ciente aos profissionais do Serviço de Limpezadestino final são realizados conforme PGRSS. e Desinfecção de Superfícies em Serviços de Saúde. A aquisição de EPI deverá ser precedi-10.3 Sinalização de segurança da de testes operacionais e checagem do Cer- tificado de Aprovação (CA).No Brasil, a simbologia de segurança é norma-tizada na NR n° 26, da Portaria GM n° 3.214, 10.4.1 Equipamentos de Proteçãode 08 de junho de 1978 (BRASIL, 1978). Individual (EPI) e Uniforme EPI é todo dispositivo de uso individual utiliza-10.4 Equipamentos de segurança do pelo trabalhador, destinado a prevenir riscos que podem ameaçar a segurança e a saúde doAs medidas de prevenção para a exposição a trabalhador. Para ser comercializado, todo EPI 99
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAdeve ter CA emitido pelo Ministério do Traba- As mãos dos profissionais de limpeza e desin-lho e Emprego (MTE), conforme estabelecido fecção de superfícies devem ser lavadas antes ena NR n° 6 do TEM (BRASIL, 2008). após o uso de luvas. Após a utilização, as luvas devem ser lavadas e desinfetadas.10.4.1.1 Luvas de borrachaDevem ser utilizadas por todo profissional du- Quando estiver com luvas não se deve tocarrante execução de procedimentos de limpeza e em maçanetas, portas, telefones, botões de ele-desinfecção de superfícies em serviços de saúde. vadores e outros locais.Ainda, devem ser confeccionadas com mate- Ao usar luvas deve-se segurá-las pelo lado in-rial resistente e possuir cano longo ou curto terno, calçando-se sem tocar na face externa.para proteção das mãos e proteção parcial de Ao se retirá-las, deve-se segurá-las pela faceantebraços. externa sem tocar a pele.Recomendam-se a utilização de cores diferen- 10.4.1.2 Máscarastes de luvas de borracha (ASSAD & COSTA, A máscara cirúrgica deverá ser usada nas si-2010), como luvas de cor clara e de cor escura tuações:(um ou dois tons acima da cor clara): ƒƒ Sempre que houver possibilidade de res-ƒƒ Luvas de cor escura: usadas na limpeza e pingos de material biológico ou produtos desinfecção de superfícies onde a sujidade químicos em mucosas do nariz e boca. é maior (Exemplos: pisos; banheiro; rodí- ƒƒ Sempre que o profissional entrar em quarto zios de mobiliários; lixeiras; janelas; tubu- de paciente com patologias de transmissão lações na parte alta).ƒƒ Luvas de cor clara: usadas na limpeza e de- sinfecção de mobiliários (Exemplos: camas, mesas, cadeiras, paredes, portas e portais, lavatórios/pias).100
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies zadas acima do nível da cabeça, e que haja risco de respingos, poeira ou impacto de partículas. respiratória por gotículas (exemplos: me- ningites bacterianas, coqueluche, difteria, Devem ser lavados e desinfetados após o uso. caxumba, influenza). Em áreas nas quais a utilização seja recomendada pelo SCIH. 10.4.1.4 Botasƒƒ Ambientes com odor fétido. As botas (material impermeável, com canoƒƒ Limpeza e desinfecção de superfícies em alto e de solado antiderrapante) estão reco- áreas de construção e reformas para evitar mendadas para a proteção dos pés e parte das a inalação do pó. pernas durante atividades com água e produ-Em área de isolamento para aerossóis (exem- tos químicos e, ainda, para evitar quedas.plos: bacilo da tuberculose) estão indicadas asmáscaras de proteção respiratória, tipo respi-rador, para partículas, com eficácia mínima nafiltração de 95% de partículas de até 0,3m (más-caras do tipo N95, N99, N100, PFF2 ou PFF3).10.4.1.3 Óculos de proteçãoOs óculos de proteção devem ser utilizadosdurante o preparo de diluição não-automática,quando da limpeza de áreas que estejam locali- 10.4.1.5 Sapatos O uso de sapatos é recomendado durante todo o período de trabalho, com exceção nos mo- mentos de lavação de piso, nos quais deverão ser utilizadas as botas. 101
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA10.4.1.6 AventalDeve ser utilizado durante a execução de proce-dimentos que possam provocar ­ ontaminação cda roupa com sangue e fluidos corpóreos eprodutos químicos ou contaminados. Para as demais áreas do serviço de saúde, re- comenda-se que as profissionais de limpeza eO avental deve ser impermeável, podendo ser desinfecção de superfícies mantenham os ca-usado por cima do uniforme, é recomendado belos presos e arrumados. Para os profissio-para a realização de atividades com risco de nais do sexo masculino são imprescindíveisrespingos. Pode ser processado pela lavande- cabelos curtos e barba feita.ria após realização do procedimento de limpe-za e desinfecção. 10.4.2 Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC)Após o uso, deve ser retirado com técnica cor- Os EPCs visam à proteção de acidentes comreta, sem ter contato com a parte externa, e em pacientes, funcionários e visitantes. Consis-seguida deve-se fazer a desinfecção. tem de placas ilustrativas (que permitem aos transeuntes identificar a situação da área deli-Em áreas especiais onde exista risco de radia- mitada), cones de sinalização e fitas demarca-ções é necessário o uso de dosímetro, avental e tórias (sinalização e delimitação de área), fitacolar de chumbo ou similar. antiderrapante (para evitar quedas e escorre- gamento, especialmente em rampas e esca-10.4.1.7 Gorro das), barreira plúmbica (ao redor do leito doO gorro deve ser usado em área especiais nas paciente), coletores de materiais perfurocor-quais são exigidas a paramentação completa tantes, sinais de perigo, sinalização com ins-por parte dos profissionais da instituição. truções de segurança ou que indicam direção.102
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesAinda, envolve lava olhos, Cabine de Seguran- 10.5.2 Programa de Gerenciamento deça Biológica e outros. Resíduos em Serviços de Saúde (PGRSS) O PGRSS descreve as ações relativas ao ma-10.4.3 Aquisição de novos equipamentos nejo de resíduos e envolve segregação, acon-de proteção dicionamento, coleta, armazenamento, trans-A aquisição de novos equipamentos de pro- porte, tratamento e disposição final.teção deve ser realizada conforme as regrasda Comissão de Padronização de Materiais Devem ser considerados nesse programa as(CPM), que é responsável pela verificação da características e riscos dos resíduos, as açõesdocumentação legal do produto e encaminha- de proteção à saúde e ao meio ambiente e osmento para testes operacionais. A Segurança princípios da biossegurança visando o empre-do Trabalho deve coordenar os testes e dis- go de medidas técnicas, administrativas e nor-ponibilizar orientações específicas. A aprova- mativas para prevenção de acidentes.ção do produto será da responsabilidade dousuário, Segurança do Trabalho e CPM. Para 10.5.3 Sistema de ventilaçãotodo produto será elaborada ficha técnica com O sistema de ventilação deve ser exclusivo ea estratificação do risco, orientações para ar- com pressão negativa em áreas de atendimen-mazenamento, uso e descarte, identificação to a pacientes com doenças de transmissãoda necessidade de uso de EPI e ações emer- por aerossóis (Exemplo: tuberculose), sendo ogenciais em casos de acidentes. A ficha técnica sistema controlado pelo Serviço de Engenha-será afixada no local de uso, após capacitação ria em Serviços de Saúde.do usuário. 10.6 Saúde ocupacional10.5 Proteção ambiental A saúde ocupacional é de responsabilidade10.5.1 Limpeza concorrente e terminal da Medicina do Trabalho, sendo normatizadoA limpeza concorrente e terminal nas unida- pelo SCIH.des dos serviços de saúde é executada peloServiço de Limpeza e Desinfecção de Superfí- 10.6.1 Imunização do profissionalcies em Serviços de Saúde, sendo normatizado ƒƒ Na admissão: vacinas do Calendário Na-pela SCIH. Os procedimentos para essas ativi- cional de Vacinação do Adulto e do Idoso:dades estão descritas no Capítulo 7. difteria e tétano, sarampo, caxumba e ru- béola além de vacina contra hepatite B, emDeve ser realizada com equipamentos e ma- funcionários não imunes.teriais corretos e os profissionais devem exe- ƒƒ Anualmente: vacina contra influenza.cutar os procedimentos de acordo com o ƒƒ Controle de tuberculose:treinamento específico, atentando durante a –– Na admissão: realização de PPD.realização de todo o procedimento, para as –– Anualmente: repetição do PPD paramedidas de precaução. profissionais negativos. 103
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAƒƒ Afastamento das atividades do profissional da ficha de Notificação de Eventos Adversos com doença infectocontagiosa ou doença ou de acordo com a padronização da insti- debilitante que aumente a susceptibilidade tuição. a agentes biológicos. ƒƒ Pequenas quantidades: devem ser removi-10.6.2 Ações emergenciais das com o uso de papel-toalha e descartadas conforme recomendado na ficha técnica.10.6.2.1 Acidentes com material ƒƒ Grandes quantidades: devem ser retiradasperfurocortante ou contato com sangue e com isolamento da área. Um kit emergen-outros fluidos corporais em mucosa ou pele cial deverá estar disponível em todas as áre-não íntegra as de risco, para uso do Serviço de LimpezaNos casos de acidentes com material perfuro- e Desinfecção de Superficies em Serviços decortante ou contato de sangue e outros fluidos Saúde. O kit deve conter máscara cirúrgica,corporais em mucosa ou pele não íntegra, o pro- protetor respiratório para aerossóis, máscarafissional deve ter atendimento imediato na Me- para particulados, óculos de proteção, luvasdicina do Trabalho ou no Pronto Atendimento de borracha com cano longo, avental imper-para determinação do risco biológico e estabe- meável, compressas absorventes, e outros,lecimento de conduta, conforme protocolo e além da descrição do procedimento. Açõesfluxo estabelecidos pelo SCIH da instituição. específicas, para produtos específicos sãoOs acidentes com perfurocortantes deverão ser determinadas na ficha técnica, que deve sermonitorados por indicadores e discutidos com consultada em situações de acidente. Todoos profissionais dentro do serviço de saúde. derramamento deve ser notificado por meio de impresso próprio (Ficha de Notificação10.6.2.2 Respingo em pele íntegra de Eventos Adversos) da instituição.Nos casos de respingo em pele íntegra, lavarabundantemente em água corrente. Na pre- 10.6.2.3.1 Conteúdo mínimo do kit parasença de sintomas, o profissional deve ser en- químico perigosocaminhado à Medicina do Trabalho. ƒƒ Máscara (respirador valvulado com car- vão)10.6.2.3 Derramamento ou extravasamento ƒƒ Óculos de proteçãocom contaminação ambiental ƒƒ Luvas de borracha de cano longoNos casos de derramamento ou extravasa- ƒƒ Avental impermeávelmento de qualquer quantidade de material ƒƒ Propé plásticoque leve à contaminação ambiental, deve ƒƒ Sacos plásticos (com simbologia de quími-haver o acionamento do Serviço de Limpeza co perigoso)e Desinfecção de Superfícies em Serviços de ƒƒ Pá e escovaSaúde para o isolamento e limpeza e desin- ƒƒ Impressofecção da área. O kit emergencial deverá serutilizado e o acidente notificado por meio104
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies10.6.2.3.2 Passo a passo 1991) e podem ser provocados por agentesƒƒ O funcionário da limpeza e desinfecção de biológicos, ergonômicos ou mecânicos. superfícies é acionado, após um acidente com químico perigoso. Podem ser evitados por meio da instituição deƒƒ Dirige-se ao DML, retira o kit de acidente medidas preventivas que visem à segurança do para químico perigoso. funcionário durante suas atividades rotineiras,ƒƒ Paramenta-se corretamente (avental im- como: permeável, óculos, máscara, bota plástica descartável, luvas de borracha). ƒƒ Não substituir as escadas por cadeiras,ƒƒ Vai até o local do acidente e areja o ambiente. usando-as apenas em superfícies planas.ƒƒ Recolhe a substância com compressas ab- ƒƒ Não manusear equipamentos elétricos com sorventes, ou em caso de pó, use a pá pe- as mãos molhadas. quena presente no kit. ƒƒ Não misturar produtos de limpeza e desin-ƒƒ Descarta em saco para químico perigoso fecção de superfícies. ou em caixa para perfurocortante, quando ƒƒ Utilizar cintos de segurança para a limpeza necessário. de janelas e vidros.ƒƒ Lacra o saco. ƒƒ Proteger as tomadas elétricas de paredesƒƒ Transporta o saco distante do corpo, segu- molhadas. rando na parte superior do saco e encami- ƒƒ Não correr nas dependências dos serviços nha para área de armazenamento temporá- de saúde. rio. ƒƒ Manter postura adequada para evitar pro-ƒƒ Repõe o material do kit que foi utilizado blemas de coluna. durante o acidente. ƒƒ Não levar ou levantar objetos muito pesa-ƒƒ Encaminha o impresso do acidente para ser dos sem ajuda. preenchido. ƒƒ Obedecer aos horários de intervalos a fim de prevenir o estresse.10.7 Considerações finais ƒƒ Notificar os acidentes após a ocorrência. ƒƒ Utilizar EPI e EPC sempre que necessário.Os acidentes de trabalho são aqueles que ƒƒ Receber as vacinas recomendadas.ocorrem pelo exercício do trabalho a servi- Os profissionais, quando acidentados, devemço da empresa ou pelo exercício do trabalho comunicar seus acidentes em formulário pró-dos segurados, provocando lesão corporal ou prio, denominado Comunicação de Acidenteperturbação funcional que cause a morte ou de Trabalho (CAT), no prazo de 24 horas, ea perda ou a redução permanente ou tempo- encaminhá-lo aos setores competentes.rária da capacidade para o trabalho (BRASIL, 105
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAReferências bibliográficasASSAD, C.; COSTA, G. Manual Técnico de Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospitalares e Manejo deResíduos. Rio de Janeiro: IBAM/COMLURB, 2010. 28 p. Disponível em: http://comlurb.rio.rj.gov.br/download/MANUAL%20DO%20FUNCIONÁRIO%202%20-%20HOSPITALAR.pdf. Acesso em: janeiro 2009.Bolick, D. Segurança e controle de infecção. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, 2000.BRASIL, Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Cartilha de Proteção Respiratória contra AgentesBiológicos para Trabalhadores de Saúde. Brasília, 2008.BRASIL. Lei n° 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dáoutras providências. Diário Oficial da União [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 25 jul.1991.BRASIL. Lei n° 8.974, de 05 de Janeiro de 1995. Regulamenta os incisos II e V do parágrafo 1º do art. 225 daConstituição Federal, estabelece normas para o uso das técnicas de engenharia genética e liberação no meioambiente de organismos geneticamente modificados, autoriza o Poder Executivo a criar, no âmbito da Presidênciada República, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança, e dá outras providências. Diário Oficial da União[da República Federativa do Brasil]. Brasília, 06 jan.1995.BRASIL. Lei n° 11.105, de 24 de março de 2005. Regulamenta os incisos II, IV e V do § 1o do art. 225 daConstituição Federal, estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvamorganismos geneticamente modificados – OGM e seus derivados, cria o Conselho Nacional de Biossegurança –CNBS, reestrutura a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CTNBio, dispõe sobre a Política Nacionalde Biossegurança – PNB, revoga a Lei no 8.974, de 5 de janeiro de 1995, e a Medida Provisória no 2.191-9, de23 de agosto de 2001, e os arts. 5o, 6o, 7o, 8o, 9o, 10 e 16 da Lei no 10.814, de 15 de dezembro de 2003, e dá outrasprovidências. Diário Oficial da União [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 28 mar.2005.BRASIL. Ministério do Trabalho e do Emprego. Normas Regulamentadoras – NR. Portaria GM/MTE n° 3.214, de8 de junho de 1978, que aprova as Normas Regulamentadoras – NR – do Capítulo V, Título II, da Consolidação dasLeis do Trabalho, relativas a Segurança e Medicina do Trabalho. Diário Oficial da União [da República Federativado Brasil]. Brasília, 06 jul. 1978.BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria GM/MTE n° 485, de 11 de novembro de 2005, de 11 denovembro de 2005 – Aprova a Norma Regulamentadora nº 32, que versa sobre a Segurança e Saúde no Trabalho emEstabelecimentos de Saúde. Diário Oficial da União, [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 16 nov. 2005.Carvalho, P.R. Boas Práticas Químicas em Biossegurança. Rio de Janeiro: Interciência, 1999.CostA, M.A.F, Costa, M.F.B. Biossegurança de A a Z. Rio de Janeiro: Papel Virtual, 2003.Costa, M.A.F. Qualidade em Biossegurança. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2000.Hirata M.H; Filho J.M. Manual de Biossegurança. São Paulo: Manole, 2002.Mastroeni, M.F. Biossegurança aplicada a laboratórios e serviços de saúde. São Paulo: Atheneu, 2004.Bioética & Biorrisco: Abordagem Transdisciplinar. Rio de Janeiro: Interciência, 2003. 417p.106
  • G LO S S Á R I O
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAƒƒ Desinfecção: remoção de agentes infecciosos, na forma vegetativa, de uma superfície inerte, mediante a aplicação de agentes químicos ou físicos.ƒƒ Desinfetante: são agentes químicos capazes de destruir microrganismos na forma vegetativa em artigos ou superfícies, sendo divididos segundo seu nível de atividade em: alto nível, mé- dio nível ou nível intermediário e baixo nível.ƒƒ Detergente: todo produto que possui como finalidade a limpeza e que contém na sua for- mulação tensoativos que reduzem a tensão superficial da água, facilitando sua penetração, dispersando e emulsificando a sujidade.ƒƒ Limpeza: consiste na remoção das sujidades mediante aplicação de energias química, mecâ- nica ou térmica em um determinado período de tempo. Pode ser: –– Química – ação de produtos saneantes com a finalidade de limpar por meio da proprieda- de de dissolução, dispersão e suspensão da sujeira. –– Mecânica – ação física aplicada sobre a superfície para remover a sujeira resistente à ação do produto químico (esfregar, friccionar, escovar). –– Térmica – ação do calor que reduz a viscosidade da graxa e da gordura, facilitando a re- moção pela ação química.ƒƒ Medicina do Trabalho: especialidade médica que se ocupa da promoção, preservação e mo- nitoramento da saúde do trabalhador. Executa ações preventivas e emergenciais.ƒƒ Produtos Saneantes: substâncias ou preparações destinadas a higienização, desinfecção ou desinfestação domiciliar, em ambientes coletivos e/ou públicos, em lugares de uso comum e no tratamento de água.ƒƒ Serviço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies em Serviços de Saúde: executa ações de limpeza/desinfecção preventivas e emergenciais no ambiente dos serviços de saúde.ƒƒ Serviços de Saúde: estabelecimento destinado ao desenvolvimento de ações de atenção à saúde da população em regime de internação ou não, incluindo a atenção realizada em con- sultórios e domicílios.ƒƒ Risco Biológico: risco determinado pela exposição a agentes biológicos por inalação, conta- to ou manuseio (direto ou indireto) de sangue e fluidos corpóreos.108
  • ANEXOS
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAANEXO IRo t e i ro d e O b s e r va ç ã o D i ári a/Semanal – C ond i çõ es d e Li mpezae Co nse rv a ç ã o ROTEIRO DE OBSERVAÇÃO DIÁRIA/SEMANAL OBJETIVO: LOCAL: CONCEITO DE AVALIAÇÃO – DE 1 A 10: DATA: RESPONSÁVEL TÉCNICO: OBSERVAR: CONDIÇÕES DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO ÁREAS: INTERNA E EXTERNA DO ESTABELECIMENTO ASSISTENCIAL DE SAÚDE Calçada; jardim; fachada; pintura, portas; janelas; vidros; tetos; piso; rodapé; paredes (pintura lavável e ou cerâmica com pouco rejunte); testeiras e frontispício de pias, balcão, torneiras (de pedal e/ou fotossensível); pontos de luz/lustres (sem reentrâncias ou manutenção de sujeira que neles se acumula); interruptores (sem reentrâncias); mobiliário (lavável); rejuntes de cerâmica; rejuntes de pisos; rejuntes de bate-maca; objetos de decoração (com design liso, sem reentrâncias que permitam o acúmulo de microrganismos); equipamentos; existência de área úmida ou molhada sem manutenção adequada e outros. Para os casos de manutenção, tais como rejuntes, torneira vazando e entupimentos, a responsabilidade é da equipe de manutenção predial. A equipe de limpeza e desinfecção de superfícies colabora com as informações, a fim de agilizar o reparo. Observações: AMPLIAR OBSERVAÇÕES NAS DIVERSAS ÁREAS: Banheiros de funcionários e pacientes Cantina e restaurante Recepção Emergência Bloco cirúrgico Sistemas de filtro de ar-condicionado (manutenção) Elevadores Auditório Consultórios Sala de espera Apartamentos Corredores Escadas Almoxarifado Centro de Material e Esterilização Rouparia Necrotério Laboratório Vestiário de funcionários Farmácia Estacionamento (presença de coleções de água, exposição ao sol ou chuva, presença de mato ou possibilidade de ratos, lixo, distância até a entrada da recepção) Observações:110
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesANEXO IIRo t e i ro d e O b s e r va ç ã o D i ári a/Semanal – B i o s s eg urançaDura nt e o s P ro c e d i m e n t o s ROTEIRO DE OBSERVAÇÃO DIÁRIA/SEMANAL OBJETIVO: Aspectos de biossegurança LOCAL: CONCEITO DE AVALIAÇÃO – DE 1 A 10: DATA: RESPONSÁVEL TÉCNICO: OBSERVAR: CONDIÇÕES TÉCNICAS DURANTE PROCEDIMENTOS Uso adequado de EPI, seguimento das normas de biossegurança na rotina diária em todas as atividades de risco; dispensadores de preparação alcoólica para as mãos e sabonete líquido (funcionando apropriadamente, com devido conteúdo); existência de suporte para papel toalha; dispensadores de papel toalha (funcionando apropriadamente, com papel); condições das torneiras (respingando e com panos no balcão); acondicionamento correto do material perfurocortante; recipientes de resíduos cheios e sem a devida seleção (contaminado e comum) e outros. Observações: AMPLIAR OBSERVAÇÕES: Execução de procedimentos sem uso correto de EPI (Exemplos: uso incorreto de máscara, sem cobrir nariz e boca, pendurada no pescoço; uso de máscaras sem identificação); presença de soluções de contiguidade ou ferimentos; não cumprimento das indicações de higienização das mãos; uso de propés fora do ambiente indicado; alimentar-se em áreas não permitidas e outros Nota: O líder ou encarregado de serviço deve evitar chamar a atenção do profissional de limpeza e desinfecção de superfícies de forma rude e incorreta. Deve, ainda, sempre mostrar a forma correta de execução de um determinado procedimento. 111
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAANEXO IIIRo t e i ro d e O b s e r va ç ã o D i ári a/Semanal – R es í duo s ROTEIRO DE OBSERVAÇÃO DIÁRIA/SEMANAL OBJETIVO: Aspectos de acondicionamento, coleta, transporte, armazenamento, transporte pela empresa coletora e disposição final de resíduos produzidos nos serviços de saúde. LOCAL: CONCEITO DE AVALIAÇÃO – DE 1 A 10: DATA: RESPONSÁVEL TÉCNICO: OBSERVAR: ACONDICIONAMENTO E DESTINO DOS RESÍDUOS No bloco cirúrgico No bloco obstétrico No berçário Na emergência, salas e/ou locais onde foram realizados curativos Nos apartamentos Se está havendo a devida seleção entre resíduos contaminado e comum Como os funcionários estão manuseando os resíduos Se usam EPI corretamente Como estão as condições dos recipientes de resíduos Como está sendo feita a coleta do resíduo contaminado Como está sendo feita a coleta do resíduo comum Se o destino final dos resíduos está sendo realizado corretamente Observações:112
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfíciesANEXO IVFo r m ul á r i o Tro c a d e E P I FORMULÁRIO TROCA DE EPI Plantão: Luva Avental Rubrica Nome do Empregado Registro Data Motivo (tamanho) (assinalar x) Empregado 113
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAANEXO VFo r m ul á r i o d e S o l i c i t a ç ã o de Serv i ço s Divisão: FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE SERVIÇOS Unidade: Setor: 1 – DADOS DO SERVIÇO A SER EXECUTADO: Serviço solicitado: Responsável pela solicitação: Data e hora do serviço solicitado: ________/______/_______ às ____________ horas Solicitação recebida por:2 – DADOS DA EXECUÇÃO DO SERVIÇO: DATA DA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOSSERVIÇOS EXECUTADOSArmário internoArmário externoLumináriaSaída de arVentiladoresLimpeza de portaArmárioVidraçaMobíliaJanela/persianaLavagem de pisoPolimento de pisoParede/rodapé/tetoCama (colchão/cabeceira/pés/grades/braçadeiras)BiombosEscadinhaSuporte de soroBanheiroRecipientesColetores de resíduosOutrosResponsável pela execução dos serviçosObs.:114
  • Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies 3 – PARECER DO SERVIÇO EXECUTADO SERVIÇO DATA DA SATISFATÓRIO? ASSINATURA RESPONSÁVEL PELO SETOR EXECUÇÃO SIM NÃO ____/____/____ ____/____/____ ____/____/____ ____/____/____ Obs.: Indicar o que pode ser melhorado Ciente – Gerência/Divisão DATA LEITOS 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Observações: 115
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISAANEXO VIM o d e l o d e E t i q u e t a p a ra Saneantes NOME DO PRODUTO NOME COMERCIAL AUTORIZAÇÃO ANVISA COMPOSIÇÃO PRODUTO CONCENTRADO Nº DO LOTE VALIDADE PRODUTO DILUÍDO DILUIÇÃO DE USO DATA HORA VALIDADE PRODUTO + (H2O – ML) NOME DO RESPONSÁVEL MATRÍCULA116
  • Segurança do Paciente em Serviços de Saúde LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES de Super ícies Limpeza e Desinfecção Segurança do Paciente em Serviços de Saúde