• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Íntegra do relatório sobre acidentes de trânsito
 

Íntegra do relatório sobre acidentes de trânsito

on

  • 5,980 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,980
Views on SlideShare
5,942
Embed Views
38

Actions

Likes
1
Downloads
108
Comments
0

1 Embed 38

http://jconline.ne10.uol.com.br 38

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Íntegra do relatório sobre acidentes de trânsito Íntegra do relatório sobre acidentes de trânsito Document Transcript

    • Pesquisa sobre a associação entre o consumo de álcoole os acidentados de trânsito nas cinco regiões brasileiras
    • Presidente da República:Dilma Vana RousseffVice-Presidente:Michel TemerMinistro da Saúde:Alexandre Rocha Santos PadilhaSecretário de Vigilância em Saúde:Jarbas Barbosa da Silva JúniorCoordenação-Geral de Vigilância deAgravos e Doenças não Transmissíveis:Otaliba Libânio de Moraes Neto Catalogação na fonte: Biblioteca do Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães M518l Melcop, Ana Glória Toledo. O consumo de álcool e os acidentes de trânsito: pesquisa sobre a associação entre o consumo de álcool e os acidentados de trânsito nas cinco regiões brasileiras / Ana Glória Toledo Melcop, Denise Maria Maia Chagas, Djalma Agripino Filho. — Recife: CCS Gráfica e Editora, 2011. 127 p.: il., tabs. 1. Acidentes de trânsito. 2. Consumo de Bebidas Alcoólicas. 3. Estradas - análise. 4. Brasil. I. Chagas, Denise Maria Maia. II. Agripino Filho, Djalma. III. Título. CDU 614.8 Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.
    •  Ficha técnica Brasília: Alexandre Alberto Freire Jorge Myriam Hecht Garcia São Paulo: Ana Cláudia M. Lacerda de Melo Coordenação Geral: Daniella Piconez Trigueiros Ana Glória Toledo Melcop Denise Maria Maia Chagas Curitiba: Gilliatt Hanois Falbo Maria Angélica Curia Cerveira Vera Lídia Alves de Oliveira Assessoria Técnica: Ana Paula Sóter Coordenadores Pontuais: Antônio Nery Filho Djin More José Carlos Soares Escobar Renata Barreto Fernandes de Almeida Malu Marques Melcop Epidemiologista: Djalma Agripino de Melo Filho Coordenação Laboratorial: Cerpe Diagnósticos Redação: Luciano Flávio Freitas de Almeida Ana Glória Toledo Melcop Mari Ângela Hernandes Baptista Denise Maria Maia Chagas Kátia da Cunha Cavalcanti Djalma Agripino de Melo Filho Revisão Crítica: Coordenação de Convênios e Contratos: Tatiana Portela José Mendes da Silva Maria da Salete Galindo Romão Coordenadores Locais: Marta Bezerra Batista Manaus: Cleinaldo de Almeida Costa Projeto gráfico e diagramação: Ricardo Juma Gomes Tríade design Fortaleza: Patrocinadores: Lucienne de Andrade Ministério da Saúde – Secretaria de Vigilância Regina Stella Façanha Cymrot em Saúde Solange Rodrigues Fernandes Prefeitura do Recife – Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife Recife: Ebrivaldo Gonçalves Cavalcanti Júnior Parceiros: Gustavo Paranhos Centro de Prevenção às Dependências Ricardo Lyra de Oliveira Centro de Estudos e Terapia do Abuso de Drogas Via e Veículo – CETAD/UFBA Alda Roberta Lemos Campos Instituto RAID Ebrivaldo Gonçalves Cavalcanti Júnior Departamento de Trânsito de Pernambuco Mariana M. Lacerda de Melo – DETRAN/PE
    • AgradecimentosNossos sinceros agradecimentos a:Agnaldo Gomes da Costa – Ex-secretário de Saúde do Estado do AmazonasAgostinho Jorge Maia de Sousa – Companhia de Trânsito e Transportes Urbanos do RecifeCarlos Alberto Soares Padilha – Ex-diretor da Companhia de Trânsito e Transportes Urbanos doRecifeEdson da Costa Lira – Ex-gestor do Instituto de Criminalística de PernambucoFabíola de Aguiar Nunes – Ex-secretária de Saúde do Distrito FederalGeraldo André Scarpellini Vieira – Ex-secretário de Segurança Pública do Estado do AmazonasGerson Pena – Ex-secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da SaúdeGilberto Berguio Martins – Ex-secretário de Saúde de CuritibaGustavo Couto – Secretário de Saúde do RecifeHideaki Kamata – Ex-diretor do Instituto Médico Legal de São PauloJanuário Montone – Secretário de Saúde da cidade de São PauloJoão Ananias Vasconcelos Neto – Ex-secretário de Saúde do Estado do CearáJoão Lyra Neto – Ex-secretário de Saúde e vice-governador do Estado de PernambucoJoão Paulo Lima e Silva – Ex-prefeito do Recife e deputado federalJosé Gomes Temporão – Ex-ministro da Saúde do BrasilJosé Zito Albino Pimentel – Perito criminal especial do Instituto de Criminalistíca de PernambucoLuiz Fernando Delazare – Ex-secretário de Segurança Pública do Estado do ParanáOdeni de Almeida – Chefe de gabinete da Secretaria de Saúde da cidade de São Paulo
    •  Odorico Monteiro de Andrade – Secretário de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde Renilson Rehen – Ex-secretário Adjunto de Saúde do Estado de São Paulo Roberto das Chagas Monteiro – Ex-secretário de Segurança Pública e da Defesa Social do Estado do Ceará Rômulo Maciel Filho – Presidente da HEMOBRÁS Servilho Paiva – Ex-secretário de Defesa Social do Estado de Pernambuco Valmir Lemos de Oliveira – Ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal Nosso agradecimento especial a Antônio Carlos Figueira, ex-presidente do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP e atual secretário de Saúde de Pernambuco.
    • IndiceComentário inicial sobre trânsito, bebidas alcoólicas e as desigualdades no Brasil 9Apresentação 11Justificativa 13Parte I - Perfil e gravidade das vítimas e as caracterizaçõesdos acidentes de trânsito no Brasil 171. Objetivos 172. Processo Metodológico 172.1. Instrumentos para a Coleta de Dados 192.2. Área do Estudo 202.3. Universo do Estudo 212.4. Desenho do Estudo 222.5. Elenco das Variáveis 222.6. Coleta dos Dados 252.7. Coleta de Sangue e Análise Laboratorial 262.8. Processamento dos Dados 292.9. Plano de Descrição e Análise 292.10. Considerações Éticas 303. Análise dos Dados 303.1. Caracterização do Universo de Estudo 303.2. Características Gerais das Vítimas 323.3. Características Gerais dos Acidentes 363.4. Quanto aos Pedestres (Atropelamentos) 45
    •  3.5. Quanto aos Ciclistas 46 3.6. Quanto aos Motociclistas 46 3.7. Quanto aos Motoristas 46 3.8. Quanto aos Passageiros 47 3.9. Consumo de Álcool e Outras Drogas 50 3.9.1. Prevalência do Uso de Bebidas Alcoólicas 50 3.9.2. Perfil das Vítimas Consumidoras de Álcool 54 3.9.3. Perfil das Vítimas com Alcoolemia Positiva 57 3.9.4. Prevalência de Alcoolemia 59 3.9.5. Validade dos Parâmetros Clínicos em Relação à Alcoolemia 64 3.9.6. Prevalência de Consumo de Medicamentos e Drogas Ilícitas 64 3.9.7. Gravidade da Vítima 65 Parte I.a – Consumo de álcool e gravidade das vítimas atendidas em serviços de emergências e nos Institutos Médico Legais – Estudo de Caso Controle 69 1. Apresentação 69 2. Objetivos 69 2.1. Objetivos Específicos 70 3. Procedimentos Metodológicos 70 3.1. Tamanho Amostral 70 3.2. Desenho do Estudo 71 3.3. Processamento dos Dados 71 3.4. Plano de Descrição e Análise 72 4. Análise dos Dados 72 5. Conclusão 76 Parte II – Perfil dos acidentes de trânsito segundo características das vias e dos veículos na cidade do Recife 77 1. Justificativa 77
    • 2. Objetivos 793. Processo Metodológico 803.1. Instrumentos para Coleta de Dados 813.2. Área e Universo do Estudo 813.3. Desenho do Estudo e Elenco de Variáveis 813.4. Coleta de Dados 843.5. Processamento de Dados 863.6. Plano de Descrição e Análise 864. Análise de Dados 864.1. Perfil dos Acidentes 864.2. Perfil dos Acidentados 924.2.1. Motoristas 934.2.2. Passageiros de Automóveis e Similares 974.2.3. Motociclistas 994.2.4. Passageiros de Motocicletas 1034.2.5. Ciclistas 1054.2.6. Pedestres 107Conclusões e Recomendações 111Equipes de apoio 121Bibliografia 125
    • 
    • Comentário inicial sobre trânsito, bebidas alcoólicas e asdesigualdades no BrasilO trânsito é, ou deveria ser, uma verdadeira escola de cidadania e de democracia. Um espaço deconvivência e de igualdade entre todos os usuários das vias públicas.Entretanto, esse espaço de circulação de pessoas e de veículos oferece-se no Brasil como palcopara as relações de poder e de conflitos, evidenciando as desigualdades da nossa sociedade. Étambém no trânsito que muitas pessoas têm perdido a vida e parte importante dessas mortes estáligada ao consumo de álcool. Aqui, a noção de trânsito como “um pacto de confiança” entre des-conhecidos que seguem regras para uma convivência segura, está longe de ser realidade.Dentre as explicações para as relações de poder e de conflitos no trânsito destaca-se a ambigui-dade com que o veículo e a bebida são tratados no Brasil e no mundo. Beber e dirigir são símbolosde conquista social. O carro e a bebida têm a representação simbólica de sucesso, de status, deliberdade, de poder.Culturalmente, o comportamento na rua é reflexo das diferenças sociais do Brasil. A rua é vistacomo um espaço hierarquizado onde os mais fortes são os que estão motorizados, e dentre estes,os que têm veículos mais potentes. O carro, além de ser um meio de locomoção, passou a seruma extensão do corpo e da personalidade do motorista. A cultura do automóvel é tão forte quevem, historicamente, se sobrepondo às pessoas, afetando, inclusive, a construção da identidadepessoal. Assim, o automóvel dá a seus proprietários um lugar diferenciado em relação aos outrosatores do trânsito - pedestres, passageiros, ciclistas e motociclistas - sobretudo na disputa pelosespaços públicos e pela apropriação de lugares.Do lado de fora do automóvel está a maioria da população brasileira que ainda não tem condi-ções financeiras para ter aquele bem de consumo. Esse grande número de pessoas sem carro,sem informações adequadas e sem condições seguras para transitar, enquanto pedestres, pare-cem cidadãos de “segunda categoria”, sem a garantia de todos os seus direitos de ir e vir pelascidades.
    • 10 Segundo o antropólogo Roberto DaMatta em seu estudo sobre o comportamento do brasileiro no trânsito, “num sentido marcadamente aristocrático, fruto de uma matriz que foi muito pouco discutida entre nós, a obediência à lei exprime inferioridade e subordinação social. Deste modo, a atitude geral é a suposição de que os sinais e faixas podem, e devem ser, num dado limite e com certo risco, contornados e evitados, o que tem consequências geralmente fatais”. Ele sugere: “Em qualquer campanha seria preciso indicar com força e precisão o papel da lei como elemento nive- lador e não hierarquizante...”, garantindo uma situação de igualdade de todos os usuários desse espaço público. Em relação às bebidas alcoólicas, seu consumo sempre foi e é estimulado. É a droga mais utili- zada em todo o mundo e pode, dependendo da dose, frequência e circunstância, ser consumida sem problemas. Entretanto, uma fração importante da população substitui esse uso recreativo por outros, chamados “de risco” ou “prejudicial”, que podem acarretar graves consequências físicas, psicológicas e sociais. Estudos revelam que o uso do álcool provoca e reforça os comportamentos de transgressão, de agressividade e de risco no trânsito. Não é intenção nossa questionar a liberdade de todo e qualquer cidadão, o direito de ir e vir, nem tampouco o direito ao estado alterado de consciência. Mas jamais, por esta razão admitir, o com- prometimento da sua vida e da vida de outros. A segurança e a igualdade no trânsito são de com- petência do Estado e de todos os cidadãos. Por isso a importância da ação do Governo Federal na implementação da Lei 11.105 (mais conhecida como Lei Seca), que altera o Código Brasileiro de Trânsito, tratando com o rigor necessário quem beber e dirigir. E nesse sentido, incentivamos a adoção de políticas educacionais que privilegiem a conscientização dos cidadãos para que o trânsito seja encarado como um local de direitos e responsabilidades iguais, regido por normas rígidas, estabelecidas para o bem comum e não para favorecer a um ou a outro. Pois acreditamos que a educação é o elo que falta neste complexo emaranhado de fatores que faz do trânsito em nosso país um desafio diário de sobrevivência.
    • 11ApresentaçãoUma das mais importantes iniciativas legais adotadas ultimamente no Brasil, a Lei 11.705 - conhe-cida popularmente como a Lei Seca - em vigor desde 2008 - vem se mostrando tão positiva que jáindica a necessidade não só de ser mantida, mas principalmente de ser aprimorada. O que signifi-ca dizer que é urgente potencializar as ações de fiscalização e inovar nos programas de educaçãoe prevenção, além de incentivar as pesquisas para conhecer e reduzir a violência e os acidentesnas vias públicas brasileiras.Com esse intuito, um convênio de cooperação técnica e financeira foi firmado entre o Ministérioda Saúde/Secretaria de Vigilância em Saúde e o Instituto de Medicina Integral Fernando Figueira(IMIP) em 2008 para o desenvolvimento de uma pesquisa sobre a associação entre o consumode álcool e os acidentados de trânsito atendidos nos principais Hospitais de Referência paraTraumas e nos Institutos Médico Legais das cidades de Manaus, Fortaleza, Recife, Brasília, SãoPaulo e Curitiba.No mesmo ano, com a proposta de ampliar o estudo, foi efetivado outro convênio de cooperaçãotécnica e financeira, entre a Prefeitura do Recife/Companhia de Trânsito e Transporte Público do Re-cife – CTTU e o IMIP para verificar a relação entre a gravidade dos acidentes de trânsito e o consu- ,mo de álcool pelas vítimas, avaliando as condições das vias e dos veículos na cidade do Recife.A soma dos dois convênios tornou o presente estudo inédito no Brasil. Pela primeira vez foraminvestigados os três fatores que determinam os acidentes de trânsito: o indivíduo, a via e o veículo.Porém não foi só isso que determinou seu ineditismo. A metodologia adotada, com a coleta dedados feita de forma simultânea nos hospitais, nos IMLs e nas vias públicas no momento em queos acidentes ocorriam, também possibilitou que os dados fossem mais fiéis à realidade, retratandode forma mais eficiente as vítimas e as cenas dos acidentes.Para viabilizar a execução deste estudo foi firmada uma parceria entre o Centro de Prevenção àsDependências, o Instituto Raid e o Centro de Estudos e Terapia do Abuso de Drogas/UFBA – socie-dades civis sem fins lucrativos com larga experiência em pesquisas nas áreas de trânsito e drogas.Foram essas entidades as responsáveis pelo 1º Levantamento do Impacto do Uso de Álcool e
    • 1 outras Drogas em Vítimas de Acidentes de Trânsito no ano de 1997, documento que serviu de base e de inspiração para a estruturação do estudo atual. Destacamos o empenho dos secretários estaduais e municipais de Saúde e de Segurança Pública, diretores e equipes de plantão dos serviços envolvidos, que “arregaçaram as mangas” e contribuí- ram da melhor forma possível, e das centenas de estudantes dos cursos de Medicina, Engenharia, Urbanismo, Psicologia, Direito, entre outros, que “invadiram” os hospitais, IMLs, avenidas e ruas em busca de informações acerca dos acidentados, dos veículos envolvidos e das condições das vias públicas. Os achados foram muitos e significativos, por isso são apresentados em duas partes. Na Parte 1 apresentamos o perfil das vítimas e as caracterizações dos acidentes, assim como o consumo de álcool e a gravidade das vítimas de acidentes de trânsito atendidas em serviços de emergência e nos Institutos Médico Legais. E na Parte 2 abordamos as condições das vias e dos veículos e a contribuição ou não desses elementos para o desfecho dos acidentes. O Ministério da Saúde, interlocutor atento e permanente deste trabalho junto a outros ministérios e aos gestores estaduais e municipais, possivelmente incorporará às suas resoluções as importantes descobertas para a redução da insegurança e da violência e, consequentemente, para a diminui- ção do número de acidentados e mortos em acidentes de trânsito no Brasil. Esse é o principal desejo e motivação das instituições e profissionais envolvidos na pesquisa Asso- ciação entre o Consumo de Álcool e os Acidentes de Trânsito aqui apresentada.
    • 1JustificativaEm quase todo o mundo os acidentes de trânsito são um problema de grandes proporções. Nãoà toa, organismos internacionais como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a OrganizaçãoMundial da Saúde (OMS), assim como os governos e entidades civis vêm se preocupando com ofato e dedicando parte de seus investimentos na redução da morbimortalidade por Acidentes deTrânsito (AT).Vamos aos números: os acidentes de trânsito constituem a 10ª causa de morte e a 1ª entre ascausas externas, correspondendo a 2,3% de todas as mortes no mundo. Isso significa que, aproxi-madamente, 1.171.000 pessoas morrem anualmente no trânsito, sem contabilizar o grande númerode casos de pessoas sequeladas e com inaptidão para comandarem de forma independente suasvidas.As estatísticas mostram que, do total geral das mortes no trânsito, apenas 12,1% ocorrem nos paísesdesenvolvidos. Já os países em desenvolvimento respondem pela grande parcela: nada menos que87,9% dos acidentes com vítimas fatais. Entre esses países, o Brasil tem dado uma efetiva e infelizcontribuição. Até 2008 a média anual era de mais de 1,5 milhão de acidentes de trânsito no país, en-volvendo aproximadamente 7,5 milhões de pessoas. Essa contabilidade resultava em 400 mil feridose outros 35 mil mortos a cada ano.Alguns estudos divulgados pela Organização Mundial da Saúde em 2007 revelaram que o consu-mo de álcool era o maior responsável por essa elevada mortalidade em todo o mundo, sendo queo Brasil apresentava, até então, a maior taxa, como pode ser observado na Figura 1.
    • 1 Figura 1: Distribuição de países pelo percentual de acidentes de trânsito relacionados ao consumo de álcool Fonte: Drinking and Driving: an international good practice manual - WHO -2007 Adequando-se às tendências mundiais de políticas voltadas à redução de mortes no trânsito e de controle do consumo de álcool por motoristas, o governo brasileiro passou a investir, a partir de 2008, nos aspectos legais e repressivos, bem como em atividades educativas e preventivas e em pesquisas para conhecer e melhorar a situação do trânsito no país. Entre as ações de maior impacto pode-se citar a mudança no Código Brasileiro de Trânsito (Lei 9.503, de 1997), que teve início em fevereiro de 2008 com a Medida Provisória 451, que original- mente versava sobre a proibição da venda de bebidas alcoólicas nas rodovias federais. Por pressão política e popular, a MP foi alterada, passando a absorver novas redações de artigos relacionados ao álcool. A MP 451, agora aprovada e em vigor sob a Lei nº 11.705 - Lei Seca, admite um índice de tolerância de 0,2 gramas de etanol por litro de sangue (0,2 g/l) do condutor de veículos. Ao compararmos os limites de concentração de álcool no sangue permitidos pelos diversos países, percebemos que a legislação adotada no Brasil pode ser considerada rígida em rela-
    • 1ção a beber e dirigir. Mas, ao contrário do que acontece em alguns países desenvolvidos, a leibrasileira não trata de forma diferenciada os motoristas profissionais, os motociclistas e nem apopulação jovem, sendo esses dois últimos as principais vítimas e vilões do trânsito. Veja noquadro 1.A legislação brasileira prevê dois tipos de punição: para infração (perda do direito de dirigir, multade R$ 957,00 e apreensão do veículo), motoristas flagrados excedendo o limite de 0,2 gramas deálcool; e para crime (detenção de até três anos) motoristas com alcoolemia acima de 0,6 gramasde álcool por litro de sangue, visando diminuir a acidentalidade decorrente do uso do álcool peloscondutores.Quadro 1: Limites de Concentração de Álcool no Sangue - CAS1. Não há limite; 2. consumo de álcool é proibidoFonte: On Dwi laws in other countries. NHTS, March 2009.
    • 1 Em relação à acidentalidade no trânsito relacionada ao consumo de bebidas alcoólicas é importan- te eliminar a conotação fortuita e casual do termo, compreendendo-a em uma dimensão de previ- sibilidade e, portanto, passível de ser prevenida e evitada. Neste sentido consideramos o acidente de trânsito motivado pelo consumo de álcool e outras drogas como violência. É importante ressal- tar que não é essa a percepção que domina o debate em saúde pública. A Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde1 consideram que os acidentes não são intencionais, portanto, não poderiam ser caracterizados como violência. Entendemos, porém, que a intenção não define necessariamente um ato como violento. A sociedade produz estruturas de violência. Há valores e padrões de conduta que não são percebidos como sendo violentos pelos seus atores, mas que causam sofrimento, dor e morte. Dirigir um carro sob efeito de álcool ou de outras drogas é um exemplo desse tipo de violência. É importante considerar o impacto que a Lei Seca gerou e tem gerado na redução dos índices de acidentes de trânsito. De acordo com o levantamento do Ministério da Saúde divulgado em 18 de junho de 2010, as mortes provocadas por acidentes de trânsito caíram 6,2% no período de 12 me- ses após a Lei Seca, quando comparadas aos 12 meses anteriores à Lei. Esse índice representa 2.302 mortes a menos em todo o país, reduzindo de 37.161 para 34.859 o total de óbitos causados pelo trânsito. Outro indicador analisado pelo Ministério da Saúde foi a taxa de mortalidade, que é o risco de morrer em acidentes de trânsito no Brasil. A taxa é calculada pela divisão do número de óbitos no trânsito em cada grupo de 100 mil habitantes. Nesse indicador, o país registra redução de 7,4% no ano posterior à Lei Seca em comparação ano anterior à Lei. A taxa caiu de 18,7 mortes por 100 mil habitantes para 17,3 por 100 mil habitantes. A redução das internações e dos óbitos ocorridos no trânsito mostra que a nova legislação vem protegendo e defendendo a vida. Assim como o Código Brasileiro de Trânsito, a Lei Seca tem sido muito importante para a prevenção dos acidentes de trânsito. Neste contexto, a presente pesquisa Associação entre o Consumo de Álcool e os Acidentes de Trânsito aparece como mais um instrumento de reforço ao enfrentamento da violência e acidentes de trânsito. 1 Projeto de Vigilância de Violências e Acidentes – VIVA, 2009.
    • 1Parte IPerfil e gravidade das vítimas e as caracterizações dos acidentes detrânsito no Brasil1. ObjetivosO objetivo central desse estudo foi analisar o consumo de álcool e o perfil das vítimas de aci-dentes de trânsito atendidas em serviços de emergência e Institutos Médico Legais de Manaus,Fortaleza, Recife, Brasília, São Paulo e Curitiba.Objetivos específicos:• Caracterizar as vítimas segundo variáveis demográficas, sociais e clínicas;• descrever os acidentes ocorridos em uma semana típica segundo circunstâncias, tipo e ca- racterísticas da vítima envolvida (pedestre, motorista, motociclista, ciclista e passageiro);• estabelecer o perfil das vítimas segundo consumo de álcool ou outras drogas no momento anterior ao acidente;• determinar a prevalência de uso de bebidas alcoólicas e de alcoolemia positiva;• mensurar a taxa de letalidade nas primeiras 24 horas após o acidente; e• verificar a associação entre o consumo de álcool e a gravidade da vítima.2. Processo metodológicoPara a realização deste estudo foi desenvolvido um inquérito epidemiológico com vítimas deacidentes de trânsito nas cidades de Manaus, Fortaleza, Recife, Brasília, São Paulo e Curitibano período de 22 a 28 de maio de 2009. A opção por essas cidades foi feita por apresentaremos maiores números, em valores absolutos, de acidentes de trânsito nas suas respectivas
    • 1 regiões, segundo dados do Ministério das Cidades em 2006 (época em que o projeto foi ela- borado). Por critérios operacionais, tais como a existência de uma articulação entre o IMIP e a Prefeitura do Recife/Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife – CTTU e o interes- se desse órgão em conhecer melhor os problemas de trânsito da cidade, Recife foi incluído no estudo como Caso Controle. Para a condução do estudo foi constituída uma Coordenação Geral composta por duas co- ordenadoras e três assessores, todos profissionais com experiências nas áreas de pesquisa, consumo de drogas e trânsito. Na fase inicial foram solicitadas e posteriormente realizadas au- diências com os secretários estaduais e/ou municipais de Saúde e de Segurança Pública dos estados/cidades escolhidos. O objetivo foi apresentar, discutir e estabelecer parcerias com os gestores públicos, além de solicitar autorização para a realização da pesquisa nos principais hospitais de referência para traumas e nos Institutos de Medicina Legal. Com as parcerias fir- madas, foi possível incorporar ao estudo questões de interesse dos estados e dos municípios. Na ocasião foi assinado o “Termo de Cooperação” entre o IMIP e os governos estaduais e municipais (Anexo 1). Em cada local foi composta uma equipe formada por um coordenador, um ou dois assistentes de coordenação e acadêmicos entrevistadores para atuarem desde a fase preparatória até a coleta de dados. O número e o perfil dos estudantes que participaram da pesquisa variaram entre as cidades, atendendo às especificidades locais. Ao final, contou-se com a colaboração de 218 estudantes, com a seguinte distribuição por cidade: 39 em Manaus; 23 em Fortaleza; 48 em Recife; 27 em Brasília; 50 em São Paulo e 31 em Curitiba. Esses estudantes encontravam- se fazendo os cursos de Medicina e Enfermagem e tinham experiência prévia de estágios nos serviços de emergência e/ou nos Institutos Médico Legais. Além desses critérios, a seleção dos estudantes também considerou a experiência em pesquisa; o domínio dos objetivos e metodologia da pesquisa; a capacidade de iniciativa; a responsabilidade; a postura ética; a responsabilidade e habilidade na abordagem do paciente, experiência na aplicação da Escala de Traumas e na coleta de sangue, verificadas em situações reais ou simuladas durante as Oficinas de Formação dos Entrevistadores (Anexo 2). As Oficinas de Seleção e de Formação dos Entrevistadores foram realizadas pelas equipes de coordenação geral e locais, num período de três dias, correspondendo a 24 horas em cada cidade, conforme cronograma estabelecido.
    • 12.1 Instrumentos para a coleta de dadosForam elaborados três questionários (Anexo 3), fechados e sem identificação, para a coleta de da-dos com as vítimas de acidentes de trânsito atendidas nas principais emergências e nos InstitutosMédico Legais, além do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido – TCLE (Anexo 4), a saber:• 1 questionário para as vítimas atendidas nos serviços emergenciais das cidades de Manaus, Fortaleza, Brasília, São Paulo e Curitiba com o propósito de caracterizar o perfil dos acidentados e dos acidentes;• 1 questionário para as vítimas atendidas nos serviços emergenciais na cidade do Recife – Caso Controle – com o objetivo de verificar a associação entre o consumo de álcool e a gravidade da vítima (Escala de Severidade das Lesões);• 1 questionário para as vítimas fatais encaminhadas aos Institutos Médico Legais das seis cida- des;• Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.O informante preferencial do questionário foi o próprio acidentado, desde que apresentasse condi-ções físicas e emocionais para responder às questões formuladas. Na impossibilidade de aplicaçãodo questionário com o acidentado, buscou-se aplicá-lo com familiares ou acompanhantes. Antes dacoleta de dados dava-se o momento de aproximação e de abordagem das vítimas e/ou dos familia-res, momento em que o entrevistador apresentava-se e fazia uma breve exposição dos objetivos e dametodologia da pesquisa, passando confiança, seriedade e serenidade. Havendo concordância emparticipar da pesquisa, eram solicitadas a leitura e a assinatura do TCLE. Nos casos de não concor-dância, eram anotados os motivos e os questionários entravam na pesquisa como “recusa”.Aos indivíduos com idade igual ou maior a 13 anos, foi solicitada amostra de sangue para a do-sagem de alcoolemia. A coleta de amostras de sangue foi feita de acordo com as normas deBoas Práticas de Laboratório (BPL) considerando aspectos de biossegurança e de validação deamostras incluindo a escolha dos materiais usados na coleta, a conservação e o transporte dasamostras. No item 2.7 (Coleta de Sangue e Análise Laboratorial), estão detalhados todos os pro-cedimentos.Também compuseram os instrumentos da pesquisa um Livro de Ocorrências, em que os estu-dantes registravam as dificuldades e/ou problemas ocorridos durante o plantão e uma Folha
    • 0 de Presença, em que assinavam e informavam a hora de chegada e saída do plantão. Também constava uma Planilha de Acompanhamento, na qual diariamente eram informados a quanti- dade de vítimas que deram entrada nos serviços, o número de questionários respondidos e o número de amostras de sangue coletadas. Para validação desses instrumentos, da forma de abordagem e da estruturação e funciona- mento da pesquisa para a coleta de dados, foi realizado um teste piloto nas cidades de Ma- naus e Recife, entre os dias 24 e 30 de abril. A escolha pela cidade de Manaus para realização do teste piloto deveu-se à necessidade de testar toda a logística da coleta de dados – desde a aplicação do questionário junto às vítimas, bem como a coleta de sangue (naquelas que per- mitissem), o recolhimento das amostras e seu envio para o laboratório responsável pela análise de alcoolemia – visto ser Manaus a cidade de mais difícil acesso, no contexto da pesquisa. E Recife, para avaliação e validação das informações coletadas sobre a via e o veículo. 2.2 Área do estudo O estudo foi desenvolvido em seis capitais: Manaus, Fortaleza, Recife, Brasília, São Paulo e Curitiba, representativas das grandes regiões brasileiras. A opção por essas cidades foi feita por apresentarem o maior número absoluto de acidentes de trânsito. Em cada uma delas, ex- ceto São Paulo, foram selecionados dois serviços de emergência e um Instituto Médico Legal (IML). Em São Paulo, três serviços de emergência e três IMLs participaram da pesquisa. No Quadro 2 estão descritos os nomes dos serviços e sua natureza por cidade. Os serviços de emergência e os Institutos Médico Legais selecionados em cada uma das macrorregiões bra- sileiras constituem locais de referência para onde são encaminhadas as vítimas de acidentes de trânsito e, além disso, são responsáveis pelo maior número desses atendimentos. Nesse sentido, a descrição e análise dos casos procedentes deles encontram-se muito próximas do que se pode chamar de “perfil brasileiro das vítimas de acidentes de trânsito atendidas em hospitais públicos e de referência”.
    • 1Quadro 2: Participação e natureza dos serviços em cada cidade2.3 Universo do estudoFizeram parte do estudo todas as vítimas de acidentes de trânsito ocorridos entre zero hora do dia22 de maio de 2009 até 24 horas do dia 28 de maio de 2009 que foram atendidas nos serviços deemergência e nos Institutos Médico Legais selecionados pela pesquisa. O período escolhido cor-responde a uma semana: 22/5 (sexta-feira), 23/5 (sábado), 24/5 (domingo), 25/5 (segunda-feira),26/5 (terça-feira), 27/5 (quarta-feira) e 28/5 (quinta-feira). Tomou-se o cuidado de escolher umasemana mais ou menos típica, que não envolvesse eventos que elevassem ou diminuíssem tem-porariamente o número dos acidentes de trânsito, como, por exemplo, festas tradicionais e férias.
    •  Para avaliar os óbitos ocorridos nas primeiras 24 horas após o acidente, o período de estudo foi acrescido de mais um dia (24 horas), com o propósito de garantir um intervalo de tempo mínimo para observação de cada uma das vítimas. A composição do universo da pesquisa e as respectivas perdas (por recusas) por cidades estão descritas no Quadro 3. Quadro 3 – Vítimas abordadas e recusas 2.4 Desenho do estudo Foram conduzidos dois desenhos de estudo: um descritivo, com o propósito de caracterizar o perfil das vítimas e dos acidentes; e outro, caso controle, com o objetivo de verificar a associação entre o consumo de álcool e a gravidade da vítima. Numa primeira configuração, foram considerados casos os óbitos ocorridos até 24 horas do acidente, e controles, os sobreviventes nesse mesmo intervalo de tempo. Em outra perspectiva, classificaram-se como casos as vítimas que obtiveram valor menor do que 13 na Escala de Glasgow (usada para classificar o trauma cranioencefálico) e controle, as vítimas com valores entre 13 e 15. Em ambas as situações, considerou-se como expo- sição a alcoolemia positiva. 2.5 Elenco das variáveis No Quadro 4 encontram-se descritas as variáveis do estudo: características gerais das vítimas e dos acidentes; perfis específicos de pedestres, motociclistas, motoristas, ciclistas e passageiros; consumo de álcool e outras drogas e gravidade da vítima.
    • Quadro 4: Elenco das variáveis
    • 
    • 2.6 Coleta dos dadosPara viabilizar a coleta ininterrupta de dados nos serviços de emergência, estabeleceu-se umaescala de plantões com 12 horas de jornada por dupla de estudantes de Medicina e/ou Enferma-gem de segunda a quinta-feira. Na sexta-feira e no fim de semana, os plantões eram feitos portrês estudantes em função do aumento do número de atendimentos nas referidas emergências. János Institutos de Medicina Legal, a coleta se desenvolveu com apenas um estudante com plantãodas 7h às 19h, horário de realização das necropsias, com exceção do IML – Centro de São Pauloe de Curitiba, que funcionam 24 horas. Nesses IMLs a escala de plantão foi de 12 horas e tinha acobertura apenas de um estudante/entrevistador. Estes estudantes foram coordenados e supervi-sionados pela coordenação local (coordenador e assistente de coordenação).O processo de coleta de dados foi dividido em três momentos: o primeiro momento foi caracteri-zado pela observação/identificação das vítimas de acidentes de trânsito e/ou seus familiares nasemergências e nos IMLs. Fazia parte das atividades do entrevistador observar as pessoas, oscomportamentos, as situações e os contextos. Consideramos a observação (atenção minuciosa ecuidadosa) parte ativa do processo de coleta de dados e o “olhar sensível” uma das competênciasfundamentais do pesquisador. O segundo momento foi identificado como o momento do encontroentre o entrevistador e o entrevistado, ocasião da aproximação, da apresentação, da abordagem.Momento de dizer quem é, o que faz e o que representa e, principalmente, os objetivos, a meto-dologia e o sigilo da pesquisa. Talvez esse seja o momento mais delicado do processo, pois équando os interesses e sentimentos entre os dois (entrevistado e entrevistador) são diferentes: um,inseguro, desconfiando e sofrendo as dores e consequências do acidente, e o outro, curioso, se-guro e ansioso para começar a coleta de informações. O terceiro e último é, de fato, o momento daentrevista e da coleta de sangue. É a ocasião para perguntar, mas também para ouvir. É necessárioque o entrevistador tenha domínio da situação e que seja objetivo, empático, paciente, respeitadore ético.Em alguns casos o processo descrito acima se iniciava depois de o entrevistador acompanhar aequipe médica no atendimento à vítima, nas emergências. Observando e anotando os exames eos resultados/escores da Escala de Trauma e da Escala de Severidade das Lesões (no Recife) erealizando a coleta de sangue até duas horas após a chegada da vítima ao hospital. No IML, oentrevistador acompanhava o médico perito e o auxiliar de necropsia. A esse último era solicitadaa coleta de sangue das vítimas fatais.
    •  Os procedimentos da coleta de dados, realizados pelos entrevistadores, nas emergências e nos IMLs seguiram, na maioria dos casos, o fluxograma abaixo: 2.7 Coleta de sangue e análise laboratorial Os entrevistadores, além do conhecimento prévio do procedimento de coleta de sangue, receberam a capacitação necessária para realização desse ato com as vítimas de acidentes de trânsito atendidas nas principais emergências das cidades de Manaus, Fortaleza, Recife, Brasília, São Paulo e Curitiba.
    • A coleta foi realizada nos acidentados com idade maior ou igual a 13 anos mediante a autorizaçãodas vítimas e/ou dos seus familiares (nos casos de menores de 18 anos, pacientes graves e in-conscientes e nas vítimas fatais).Para a coleta de sangue foram utilizadas as regras de biossegurança recomendadas interna-cionalmente para o pessoal médico e paramédico durante o manuseio de amostras biológicaspotencialmente infectantes (ex: HIV, hepatites e outros), para todo o material pérfuro-cortante(agulhas), resíduos originários da coleta (algodão, sangue e seringa) e luvas de procedimen-tos. A coleta foi feita de acordo com as normas de Boas Práticas de Laboratório (BPL). Abaixoseguem as orientações para execução dos procedimentos fundamentais para a garantia dosresultados confiáveis. Qualquer procedimento incorreto implicou na invalidação de resultado daanálise laboratorial.Coleta de Sangue de Indivíduos Vivos• Preparar todo o material de coleta (tubo de coleta a vácuo fluoretado, seringa com agulha, gar- rote, curativo, etc.) antes da sua realização;• identificar o tubo de coleta adequadamente;• não utilizar soluções alcoólicas (etanol ou isopropanol) para a limpeza do local a ser puncionado. Utilizar, para este fim, algodão ligeiramente umedecido com soro fisiológico (solução salina);• colocar o garrote em torno do braço (cerca de 5cm acima da dobra do cotovelo) não comprimindo muito, nem durante muito tempo, e realizar a punção venosa introduzindo a agulha na veia me- diana (basílica ou cefálica) localizada na dobra do cotovelo. Aspirar sangue com seringa de 5ml. Coletar o volume discriminado no tubo a ser utilizado (4ml) de sangue. Finalizada a coleta, retirar o garrote e, em seguida, a agulha. Comprimir o local puncionado com o curativo (blood stop); e• após a coleta, transferir imediatamente a amostra para o tubo de coleta a vácuo fluoretado (tam- pa cinza) inserindo a agulha da seringa na rolha de borracha do tubo, deixando o sangue fluir normalmente para dentro dele. Homogeneizar a amostra delicadamente 5 vezes, por inversão. OBS: não destampar o tubo de coleta.Coleta de Sangue de Indivíduos Mortos• Solicitar ao auxiliar de necropsia para aspirar o conteúdo da cavidade cardíaca (ventrículo direi- to) ou veia femural (sangue venoso).
    •  com seringa de 5 ml; • transferir para o tubo de coleta a vácuo contendo fluoreto (tampa cinza) e homogeneizar, por inversão, cinco vezes. OBS: não destampar o tubo de coleta. • Alternativamente pode ser utilizada a veia cava. Identificação das Amostras de Sangue • Observar cautelosamente a lógica de identificação das amostras com vistas à segurança dos elementos envolvidos: questionário e tubo contendo sangue (vivos e mortos). • Lembrar-se de que o sistema proposto compreende duas etiquetas individuais, pré-impressas e sequenciadas por condição de vítima e de localidade. • Nas etiquetas do IML colocar a condição da vítima: morta. Acondicionamento das Amostras de Sangue Fluoretado • Acondicionar os tubos etiquetados na geladeira do serviço. • Caso não seja possível o uso da geladeira do serviço, acondicionar na caixa de isopor com gelo reciclável, disposta em local determinado de cada serviço. • As amostras devem ser mantidas em ambiente refrigerado de apoio à pesquisa em cada servi- ço, no período diário de coleta (geladeira ou caixa de isopor). • Manter a caixa de isopor sempre refrigerada. Colocar três blocos de gelo reciclável para cada caixa de isopor pequena e quatro blocos de gelo reciclável para caixas de isopor médias. • Para reduzir a temperatura do ambiente (caixa de isopor), cobrir o conteúdo (amostras e gelo reciclável) com folhas de jornal dobradas. • O representante do laboratório deverá suprir as coordenações locais com todo o material para a coleta de sangue e de conservação das amostras, assim como também deverá passar duas vezes ao dia para fazer o recolhimento e o encaminhamento das amostras ao Laboratório Cerpe. Todas as amostras de sangue foram analisadas pelo Laboratório Cerpe (PE) em parceria com o Laboratório Toxicom (SP), este incumbido de definir as condições analíticas que melhor atendes- sem aos objetivos e características deste inquérito epidemiológico. Foi feita a opção pela análise cromatográfica. As amostras foram tratadas com desproteinizante à base de tungstato de sódio e
    • sulfato de cobre, sendo em seguida centrifugadas, e o sobrenadante límpido foi injetado em colunacromatográfica de metilsilicone de 30 metros x 0,55 milímetros x 2,65 milimicra e quantificadas porpadronização interna com n-propanol.As análises de álcool etílico foram quantificadas pela cromatografia gasosa, sendo que os limitesde detecção determinados foram os seguintes: 0 (zero); 0,1 a 0,2; 0,3 a 0,6 e acima de 0,6g/l.2.8 Processamento dos dadosAntes do processamento, com o objetivo de corrigir possíveis inconsistências na fase de aplicação,os questionários foram revisados, um a um, e, posteriormente, as questões foram codificadas poruma equipe de técnicos treinados. A partir da dupla digitação, avaliou-se a confiabilidade e cons-truiu-se um banco de dados no Epiinfo for Windows versão 3.5.1 (2008).A crítica aos dados, fase conhecida como “limpeza do banco de dados”, teve como finalidade adetecção de inconsistências tanto das respostas fornecidas pelos entrevistados, quanto de codifi-cação, por parte do revisor. Avaliaram-se as duplicações de casos entre dois hospitais da pesquisae entre hospital e IML. Após a confirmação dessa duplicidade, um só questionário foi considerado,no qual se encontravam as informações mais completas possíveis. As incoerências foram avalia-das, uma a uma, e corrigidas no banco e também nos questionários. Finalmente, eliminaram-se osquestionários (parcialmente preenchidos) que se referiam a casos que se recusaram a participarda pesquisa.O procedimento de análise dos dados foi realizado com a utilização do SPSS (versão 13).2.9 Plano de descrição e análiseNa fase descritiva, os dados foram resumidos em frequências absolutas e relativas (proporções)e apresentados em tabelas e figuras. Na descrição do consumo de álcool, construiu-se a preva-lência de uso e a prevalência da alcoolemia positiva. Em ambos os casos, os numeradores foramformados pelas vítimas que consumiram álcool antes do acidente (primeiro caso) e pelas vítimascom alcoolemia positiva (segundo caso). Quanto aos denominadores, eles se referem ao númerode vítimas em cada uma das categorias avaliadas.No caso controle, calculou-se a razão de produtos cruzados (OR) e testou-se a hipótese de asso-ciação entre alcoolemia e gravidade do trauma por meio do X2. A probabilidade máxima de erro depara rejeição da hipótese nula foi de 5%.
    • 0 2.10 Considerações éticas Este projeto foi elaborado de acordo com a Declaração de Helsinque e as normas e resoluções da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa do Conselho Nacional de Saúde CONEP/CNS. Foi encaminhado e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos do IMIP/MS e por todos os centros envolvidos na pesquisa (Hospitais e Institutos Médico Legais) onde foram obtidas as respectivas cartas de anuência. Uma das questões éticas importantes é o processo de consentimento, que não se limita apenas ao reconhecimento e cumprimento de direitos e deveres dos investigadores para com os participan- tes. O processo de consentimento é o reconhecimento de uma relação de co-responsabilidade, de co-presença ética entre o pesquisador e o pesquisado baseada no compartilhamento de infor- mações e na confiança recíproca (Goldim, 2002). Esse processo inclui o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e é, evidentemente, mais amplo que aquele. O consentimento livre e informado é um dever moral dos investigadores para com os participantes (Clotet, 1995). É um dever jurídico. Os investigadores devem disponibilizar informações adequadas sobre todos os procedimentos e sobre riscos e benefícios e devem reconhecer, respeitar e garantir a voluntariedade do participan- te. Isto é, a decisão consciente de decidir participar ou não da realização do estudo (dentro do possível, livre de pressões externas e outros interesses) e ausentar-se dele sem a necessidade de justificativa e de qualquer prejuízo pessoal. Algumas vezes ocorre uma confusão entre o processo de consentimento propriamente dito e o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). O termo deve conter as informações objetivas sobre o projeto, sobre os direitos dos participantes e as informações sobre os investigadores, os coordenadores e sobre as instituições envolvidas. O TCLE apenas documenta a autorização dada ao final do processo de consentimento, entretanto não o substitui. 3. Análise dos dados 3.1. Caracterização do universo de estudo O universo do estudo foi constituído de 1.248 vítimas de acidentes de trânsito ocorridos em um período de sete dias (uma semana), compreendido entre zero hora do dia 22 de maio de 2009 até 24 horas do dia 28 de maio de 2009, atendidas nos serviços de emergência, integrantes da pes-
    • 1quisa, nas cidades de Manaus, Fortaleza, Recife, Brasília, São Paulo e Curitiba. A participação dosacidentados de cada cidade variou entre 12,8%, em Manaus, e 21,4% em Curitiba. Os hospitais deemergência contribuíram com 94,8% do total de vítimas e 5,2% procederam dos Institutos MédicoLegais (Tabela 1). Nas primeiras 24 horas após o acidente, ocorreram 74 óbitos e em 88% deles oscorpos foram encaminhados diretamente para o IML. Nos outros 12% o desfecho fatal verificou-seem hospitais com posterior remoção do corpo para o IML (Tabela 2).Tabela 1. Acidentados por cidade e tipo de serviço
    •  Tabela 2. Procedência dos óbitos 3.2. Características gerais das vítimas A proporção de vítimas é maior no sexo masculino no conjunto das capitais e em cada uma das cidades isoladamente. A razão de casos entre o sexo masculino e o feminino é aproximadamente de 4:1 em Fortaleza e no Recife; de 3:1 em São Paulo e Curitiba; e de 2:1 em Manaus, Brasília e no conjunto das capitais (Tabela 3). Tabela 3. Acidentados por sexo e cidade A proporção de acidentados não se distribuiu de forma homogênea entre as diversas faixas etárias no conjunto das cidades e em cada uma das cidades isoladamente. No conjunto das capitais, ob- servou-se uma maior concentração na faixa entre 20 e 29 anos (38,4%), seguida pelas faixas entre 30 e 39 anos (20,3%) e entre 40 e 49 anos (11,3%), que juntas perfazem um total de aproximada- mente 70%. Essa concentração, quando se considerou cada cidade separadamente, oscilou entre 65,9% em Curitiba e 75,7% no Recife (Tabela 4).
    • Tabela 4. Acidentados por faixa etária e cidadeHouve uma maior concentração de vítimas classificadas como morena ou parda em Manaus, For-taleza, Recife, Brasília e no conjunto das capitais, enquanto em São Paulo e Curitiba a maior pro-porção dos acidentados procedeu da raça/cor branca (Tabela 5).Tabela 5. Acidentados por raça/cor e cidadeEm relação ao estado civil, no conjunto das cidades e em cada uma delas isoladamente, exceto noRecife, a maior proporção das vítimas era solteira (Tabela 6).
    •  Tabela 6. Acidentados por estado civil e cidade Observou-se, em Manaus, Fortaleza, Brasília, Curitiba, bem como no conjunto das cidades, uma maior proporção de vítimas que haviam cursado até o ensino de 2º grau ou médio. No Recife e em São Paulo, uma maior concentração foi verificada no ensino de 1º grau ou fundamental (Tabela 7). Tabela 7. Acidentados por escolaridade e cidade Quanto à ocupação, a maioria era de desempregados ou desocupados, estudantes e motociclis- tas e ciclistas de entregas rápidas (Tabela 8).
    • Tabela 8. Número de acidentados por ocupação* e cidade*15 mais frequentes entre as ocupações informadasEntre as vítimas, 41 delas informaram ser portadoras de deficiência (3,3%). Essa proporção foimaior em Curitiba (4,1%) e menor em São Paulo (2,4%) (Tabela 9). No conjunto das cidades, a ce-gueira foi a deficiência mais frequente, seguida da deficiência mental (Tabela 10).
    •  Tabela 9. Proporção de portadores de deficiência entre acidentados por cidade Tabela 10. Portadores de deficiência segundo tipo e cidade (*) 1 acidentado informou ser portador de dois tipos de deficiência 3.3. Características gerais dos acidentes No conjunto das capitais, observaram-se as maiores proporções de vítimas no domingo (18,2%), sábado (17,4%) e sexta-feira (15,5%). Além disso, detectou-se diferença entre as proporções de acidentados por dia da semana no conjunto das capitais e, isoladamente, no Recife e em São Pau- lo. Nas outras capitais, essa distribuição foi homogênea (Tabela 11).
    • Tabela 11. Acidentados por dia da semana e cidadeNo conjunto das capitais e em cada uma delas isoladamente, exceto São Paulo, observou-se umamaior concentração de vítimas procedentes de acidentes ocorridos das 16 às 18h. Em São Paulo,a proporção foi um pouco maior das 20h às 22h (Tabela 12).Tabela 12. Acidentados por horário de ocorrência e cidadeHouve uma maior concentração de acidentados no período vespertino (13h às 18h) no conjuntodas capitais e em cada cidade isoladamente. Em Manaus, Fortaleza, Brasília e Curitiba, no períodomatutino, registrou-se a segunda maior proporção de vítimas, enquanto em São Paulo e no Recife,essa posição foi ocupada pelo período noturno (Tabela 13).
    •  Tabela 13. Acidentados por turno de ocorrência e cidade No conjunto das cidades, os tipos de acidente mais frequentes foram a colisão, com 410 ocorrên- cias (34,1%), seguida pela queda, com 261 ocorrências (21,7%), e atropelamento, com 246 ocor- rências (20,5%). A colisão foi o acidente mais frequente em cada uma das cidades isoladamente, exceto em Fortaleza, onde a queda ocupou a primeira posição. O atropelamento apresentou a segunda maior frequência em Manaus, Brasília e São Paulo. Já no Recife e em Curitiba, a queda foi o acidente com a segunda maior frequência (Tabela 14). Tabela 14. Tipo de acidente e cidade Nos quatro períodos de tempo avaliados, a colisão foi o acidente mais frequente, seguida pela queda, nos períodos vespertino e noturno, e pelo atropelamento, durante a manhã. Na madru-
    • gada, observou-se, na segunda posição, a mesma proporção de atropelamentos e quedas(Tabela 15).Tabela 15. Tipo de acidente e turnoA colisão foi o acidente mais frequente entre as vítimas de ambos os sexos. A segunda posição foiocupada pela queda no sexo masculino e pelo atropelamento no sexo feminino (Tabela 16).Tabela 16. Tipo de acidente e sexoNas faixas etárias mais extremas, o atropelamento foi o acidente mais frequente, atingindo cerca de52% das vítimas com 60 e mais anos, 47% das vítimas com idade até 9 anos e 31% dos acidenta-dos na faixa etária entre 50 e 59 anos. A colisão foi mais frequente nas vítimas com idade entre 10e 49 anos (Tabela 17).As vítimas com menor escolaridade, analfabetas e as que declaram só saber ler e escrever, so-freram proporcionalmente mais atropelamentos do que as mais escolarizadas, nas quais a maiorproporção recaiu sobre as colisões seguidas pelas quedas (Tabela 18).
    • 0 Tabela 17. Tipo de acidente e faixa etária Tabela 18. Tipo de acidente e escolaridade No conjunto das cidades, a maior proporção das vítimas foi removida do local do acidente pelo SAMU (37,6%), seguido pelos automóveis particulares (22,1%) e Corpo de Bombeiros (15,3%). Em Manaus, Recife e Curitiba, o SAMU removeu a maior proporção das vítimas, enquanto em Brasília
    • 1e em Fortaleza, essa atividade coube, respectivamente, aos bombeiros e aos motoristas de auto-móveis particulares. Em São Paulo, a proporção de vítimas removidas pelo SAMU e por automóveisparticulares foi semelhante, respectivamente 30,9% e 30% (Tabela 19).Tabela 19. Remoção da vítima do local do acidente por cidadeObservou-se uma concentração de vítimas cuja procedência imediata foi a casa (37,6%), o trabalho(25,8%) e o lazer (25,1%) no conjunto das cidades. A casa foi o local de onde procederam mais fre-quentemente as vítimas das cidades do Recife, Brasília, São Paulo e Curitiba. Já em Manaus e emFortaleza, a proporção das vítimas que vinham de casa ou do trabalho foi semelhante (Tabela 20).Tabela 20. Procedência imediata da vítima antes do acidente por cidade
    •  No conjunto das cidades, os motociclistas constituíram a maior proporção das vítimas (40,1%). Quando se considerou cada cidade isoladamente, esse valor oscilou entre 36,3% em Manaus e 45,2% em Fortaleza. Se ao total de motociclistas forem acrescidas as vítimas que eram passageiras de motocicleta, a proporção de vítimas que estavam sobre motocicletas se eleva para 51,4% no total das cidades e oscila entre 46,1% em São Paulo e 55,7% em Fortaleza. Destaca-se, isolada- mente, em segunda posição, o número de pedestres entre as vítimas do conjunto das cidades e, isoladamente, de Manaus, São Paulo e Curitiba. Em Fortaleza e em Brasília, a segunda posição foi ocupada pelos ciclistas (18,4%) e pelos motoristas (16,0%), respectivamente (Tabela 21). Quando se consideram separadamente os turnos de ocorrência dos acidentes, as maiores proporções de vítimas também foram os motociclistas e os pedestres (Tabela 22). Tabela 21. Condição da vítima na hora do acidente por cidade Tabela 22. Condição da vítima na hora do acidente e turno
    • Dentre as vítimas do sexo masculino, verificou-se uma maior frequência de motociclistas (50,9%)e no sexo feminino, de passageiras de motocicletas (24,8%). Os pedestres em ambos os sexosocuparam a segunda posição (Tabela 23).Tabela 23. Condição da vítima na hora do acidente e sexoHouve uma maior concentração de pedestres entre as vítimas com idade até 9 anos e com 50 emais anos e de motociclistas entre os acidentados na faixa etária entre 20 e 49 anos. Entre os ado-lescentes, a maior frequência (27%) recaiu sobre os passageiros de motocicleta (Tabela 24).Tabela 24. Condição da vítima na hora do acidente e faixa etáriaConsiderando a categoria raça/cor, em cada uma delas, exceto entre os índios, os motociclistas eos pedestres foram as vítimas mais frequentes. Dentre os índios, havia dois pedestres, dois ciclis-tas e um motociclista (Tabela 25).
    •  Tabela 25. Condição da vítima na hora do acidente e raça/cor Dentre as vítimas com menos escolaridade, analfabetas e que informaram só saber ler e escrever, a maior frequência observada foi de pedestres, enquanto nas de maior escolaridade, a proporção maior foi de motociclistas e motoristas (Tabela 26). Tabela 26. Condição da vítima na hora do acidente e escolaridade
    • 3.4. Quanto aos pedestres (atropelamentos)Cerca de 82% dos atropelamentos, no conjunto das cidades, envolveram automóvel particular oumotocicleta e assemelhados. Em cada uma das cidades isoladamente houve uma maior concen-tração de automóveis particulares envolvidos nos atropelamentos e a proporção oscilou entre 40%,no Recife, e 61%, em Curitiba (Tabela 27).Tabela 27. Veículo envolvido em atropelamento por cidade
    •  3.5. Quanto aos ciclistas No conjunto das cidades, a quase totalidade (98,5%) das vítimas que guiavam bicicleta estava sem capacete na ocasião do acidente. Esse comportamento também foi observado em cada uma das cidades separadamente (Tabela 28). Tabela 28. Uso do capacete por ciclistas e cidade 3.6. Quanto aos motociclistas Considerando o conjunto das cidades, cerca de 87% das vítimas que conduziam motocicleta usa- vam capacete no momento do acidente. Essa proporção de uso oscilou entre 65,1%, em Fortaleza, e 98,1%, em Curitiba (Tabela 29). Tabela 29. Uso do capacete por motociclistas e cidade 3.7. Quanto aos motoristas Cerca de 89% das vítimas que eram motoristas estavam conduzindo automóvel particular no mo- mento do acidente. Essa proporção oscilou entre 75%, nas cidades de Fortaleza e Recife, e 96,3%, em Brasília (Tabela 30).
    • Tabela 30. Tipo de veículo conduzido pelo motorista e cidadeAproximadamente 74% dos motoristas usavam cinto de segurança na ocasião do acidente. Essaproporção de uso foi maior em Brasília (89,3%) e menor no Recife (57,1%) (Tabela 31).Tabela 31. Uso do cinto de segurança por motoristas e cidade3.8. Quanto aos passageirosNo conjunto das cidades, a maior proporção de passageiros estava em motocicletas e asseme-lhados (47,5%), seguida pelos automóveis particulares (32,3%). Em Manaus, Fortaleza, Recife eCuritiba, os passageiros estavam em maior frequência em motocicletas, enquanto em Brasília eSão Paulo, estavam em automóveis (Tabela 32).
    •  Tabela 32. Tipo de veículo em que o passageiro se encontrava na hora do acidente e cidade Cerca de 46% dos passageiros estavam na garupa de motocicletas, 21% no banco traseiro e 17% no banco da frente de veículos. Destaca-se ainda que 10% se encontravam em transporte coletivo. Em Manaus, Fortaleza, Recife e Curitiba, os passageiros estavam mais frequentemente na garupa de motocicletas, enquanto que em Brasília e São Paulo estavam no interior de veículos (Tabela 33).
    • Tabela 33. Lugar ocupado pelo passageiro na hora do acidente por cidadeApenas 22% dos passageiros estavam usando cinto de segurança no momento do acidente. A pro-porção de uso foi maior em Curitiba (36%), seguida de São Paulo (30%) e Brasília (23%) (Tabela 34).Tabela 34. Uso de cinto de segurança pelo passageiro (veículo) na hora do acidente por cidadeTabela 35. Uso de capacete pelo passageiro de motocicleta ou bicicleta na hora do acidente por cidade
    • 0 3.9. Consumo de álcool e outras drogas 3.9.1. Prevalência do uso de bebidas alcoólicas No conjunto das cidades, a prevalência de uso de bebidas alcoólicas foi de aproximadamente 25%. A maior delas foi verificada no Recife (36%) e a menor em Brasília (14,2%). A razão entre essas prevalências foi aproximadamente 2,5 (Figura 2). Nessa situação, a prevalência entre homens foi quase o dobro da observada em mulheres (Figura 3). Em relação à faixa etária, as maiores preva- lências foram verificadas entre os 30 e os 39 anos e entre os 50 e os 59 anos (Figura 4). Figura 2: Prevalência (%) de uso de bebida alcoólica por cidade Figura 3: Prevalência (%) de uso de bebida alcoólica por sexo Figura 4: Prevalência (%) de uso de bebida alcoólica por faixa etária (em anos)
    • 1As maiores prevalências de uso de bebida alcoólica foram verificadas entre passageiros de bicicle-ta (42,9), passageiros de ônibus (36,8%), ciclistas (31,7) e pedestres (30,9) (Figura 5). Em relaçãoao tipo de acidente, a maior prevalência de uso ocorreu entre as vítimas de capotamento (41,7%),seguida pela queda (33,9%) e o atropelamento (30,6%) (Figura 6).Figura 5: Prevalência (%) de uso de bebida alcoólica segundo condição da vítimaFigura 6: Prevalência (%) de uso de bebida alcoólica por tipo de acidenteEm relação ao dia da semana, observaram-se as maiores prevalências no fim de semana: domin-go (42,2%), sábado (37,0%) e sexta-feira (22,3%). Destaca-se que a maior prevalência registrada(domingo) é quatro vezes maior do que a menor, verificada na terça-feira (10,2%) (Figura 7). Asprevalências de uso de bebidas em vítimas de acidentes ocorridos na madrugada e à noite são,respectivamente, 5,5 e 4 vezes maior do que a verificada no período matutino (Figura 8).
    •  Figura 7: Prevalência (%) de uso de bebida alcoólica por dia da semana Figura 8: Prevalência (%) de uso de bebida alcoólica por turno A maior prevalência de uso de bebidas alcoólicas ocorreu até 2 horas antes do acidente (Figura 9). Em relação ao tipo e à quantidade, o consumo de cerveja e de 1 a 2 doses de bebida destilada foram mais prevalentes (Figuras 10 e 11). Figura 9: Prevalência (%) de uso de bebida alcoólica por tempo de consumo
    • Figura 10: Prevalência (%) de uso de bebida alcoólica por tipoFigura 11: Prevalência (%) de uso de bebida alcoólica por quantidadeHouve 78 vítimas com história de acidente anterior sob uso de álcool, o que corresponde a umaprevalência global de 6,7%, que oscilou entre 11,1% em Fortaleza e 3,6% em Brasília (Tabela 36).Tabela 36. História de acidente anterior sob uso de álcool
    •  3.9.2. Perfil das Vítimas Consumidoras de Álcool No conjunto das cidades, 312 vítimas (25% do total) consumiram bebida alcoólica antes do acidente. Des- se total, 86% eram do sexo masculino e 43% estavam na faixa etária entre 20 e 29 anos (Figura 12). Figura 12 - Distribuição das vítimas que consumiram bebida alcoólica por sexo e faixa etária Trinta e seis por cento das vítimas eram motociclistas, seguidos pelos pedestres (19%) e ciclistas (14%). Em relação aos tipos de acidente, 29% das vítimas que consumiram álcool sofreram queda, 25% estavam em veículos que colidiram e 23% foram atropeladas. A maior parte sofreu acidentes no final de semana: 31% no domingo, 28% no sábado e 14% na sexta-feira. Em relação ao turno, 37% sofreram acidentes à noite e 28% na madrugada (Figura 13).
    • Figura 13 - Distribuição das vítimas que consumiram bebida alcoólica por condição, tipo de acidente e diae turno de ocorrênciaEm relação ao tempo de consumo, 59% informaram ter consumido álcool até duas horas antes doacidente. Quanto ao tipo de bebida, 57% consumiram cerveja ou chope, seguido da aguardente(17%) e do uísque, rum e similares (7%). Em relação à quantidade, 42% consumiram até duas do-ses e 21%, dez ou mais doses (Figura 14).
    •  Figura 14 - Distribuição das vítimas que consumiram bebida alcoólica por tempo de consumo, tipo e quantidade
    • 3.9.3. Perfil das Vítimas com Alcoolemia PositivaA Tabela 37 descreve a proporção de vítimas que autorizou a coleta de sangue para avaliação daalcoolemia. No conjunto, essa proporção foi de aproximadamente 73% e oscilou entre 85,8%, emCuritiba, e 57,5%, em Fortaleza. A média de tempo (em horas) decorrido entre o acidente e a coletade sangue para avaliação da alcoolemia foi de 4,6 horas.Tabela 37. Coleta de sangue para mensurar alcoolemia em vítimas de 13 e mais anos de idadeNo conjunto das cidades, a alcoolemia foi positiva em 214 vítimas. Desse total, 83% eram do sexomasculino e 40% estavam na faixa etária entre 20 e 29 anos (Figura 15).Figura 15 - Distribuição das vítimas com alcoolemia positiva por sexo e faixa etáriaTrinta e quatro por cento das vítimas com alcoolemia positiva eram motociclistas, seguidos pelospedestres (27%) e ciclistas (11%). Em relação aos tipos de acidente, 32% foram atropelamentos,25% estavam em veículos que colidiram e 22% sofreram queda. A maior parte das vítimas sofreu
    •  acidentes no final de semana: 28% no domingo, 28% no sábado e 14% na sexta-feira. Em relação ao turno, 35% sofreram acidentes à noite e 27% na madrugada (Figura 16). Figura 16 - Distribuição das vítimas com alcoolemia positiva por condição da vítima, tipo de acidente, dia e turno de ocorrência Em relação ao tempo de consumo, 71% informaram ter consumido álcool até duas horas antes do aciden- te. Quanto ao tipo de bebida, 51% consumiram cerveja ou chope, seguido da aguardente (20%) e de mais de um tipo de bebida (19%). Em relação à quantidade, 32% consumiram até duas doses (Figura 17).
    • Figura 17 - Distribuição das vítimas com alcoolemia positiva por tempo de consumo, tipo e quantidade debebida consumida3.9.4 Prevalência de AlcoolemiaNo conjunto das cidades, a prevalência de alcoolemia foi de aproximadamente 27%. A maiordelas foi verificada em Fortaleza (36,5%) e a menor em Brasília (16,3%). A razão entre essasprevalências foi de aproximadamente 2,24 (Figura 18). Nessa situação, a prevalência entre ho-mens foi uma vez e meia da observada em mulheres (Figura 19). Em relação à faixa etária, asmaiores prevalências foram verificadas entre 50 e 59 anos (32,6%) e entre 40 e 49 anos (32,4%)(Figura 20).
    • 0 Figura 18: Prevalência (%) de alcoolemia positiva por cidade Figura 19: Prevalência (%) de alcoolemia positiva por sexo Figura 20: Prevalência (%) de alcoolemia positiva por faixa etária As maiores prevalências de alcoolemia positiva foram verificadas entre pedestres (43,3%), pas- sageiros de bicicleta (40,0%) e passageiros de automóvel (32,1%) (Figura 21). Em relação ao tipo de acidente, a maior prevalência de alcoolemia positiva ocorreu entre as vítimas de capotamento (46,2%), seguido pelo atropelamento (41,6%) (Figura 22).
    • 1Figura 21: Prevalência (%) de alcoolemia positiva por condição da vítimaFigura 22: Prevalência (%) de alcoolemia positiva por tipo de acidenteNo fim de semana verificaram-se as maiores prevalências de alcoolemia positiva: domingo (44,5%),sábado (34,1%) e sexta-feira (22,2%). Destaca-se que a maior prevalência registrada (domingo) équatro vezes maior do que a menor, verificada na terça-feira (11,7%) (Figura 23).Figura 23: Prevalência (%) de alcoolemia positiva por dia da semana
    •  As prevalências de alcoolemia positiva em vítimas de acidentes ocorridos na madrugada e à noite são, respectivamente, 4,4 e 3,4 vezes maiores do que as verificadas no período matutino (Figura 24). As víti- mas cuja procedência foi o lazer apresentaram a maior prevalência de alcoolemia positiva (Figura 25). Figura 24: Prevalência (%) de alcoolemia positiva por turno Figura 25: Prevalência (%) de alcoolemia positiva por procedência da vítima A maior prevalência de alcoolemia positiva ocorreu nas vítimas que afirmaram consumir bebidas alcoólicas até 2 horas antes do acidente (82,3%) (Figura 26). Em relação ao tipo e à quantidade, o consumo de uísque, rum e similares (85,7%), seguido pela aguardente (76,3%), e de 6 a 9 doses de bebida foram mais prevalentes (Figuras 27 e 28). Figura 26: Prevalência (%) de alcoolemia positiva por tempo de consumo de bebida
    • Figura 27: Prevalência (%) de alcoolemia positiva por tipo de bebidaFigura 28: Prevalência (%) de alcoolemia positiva por quantidade consumida de bebidaEntre as vítimas com alcoolemia positiva, a maior prevalência foi observada na faixa acima de 0,6g/l. No conjunto das cidades, a prevalência vinculada a essa faixa foi de aproximadamente 19% eoscilou entre 28,6% em Fortaleza e 12,5% em Brasília (Tabela 38).Tabela 38. Prevalência (%) de alcoolemia por cidade
    •  3.9.5. Validade dos Parâmetros Clínicos em Relação à Alcoolemia Na Tabela 39 e Figura 29 estão descritos os valores que mensuram a validade dos parâmetros clí- nicos em comparação com o padrão-ouro alcoolemia. Observou-se que a informação sobre “uso de bebida alcoólica” antes do acidente tem maior sensibilidade e um maior valor preditivo negativo do que o “hálito alcoólico”, embora esse sinal seja mais específico e tenha um maior valor preditivo positivo do que a informação. Tabela 39. Comparação entre parâmetros clínicos e alcoolemia Figura 29. Validade dos parâmetros clínicos em relação à alcoolemia 3.9.6. Prevalência de Consumo de Medicamentos e Drogas Ilícitas A prevalência de uso de medicamentos no conjunto das cidades foi de 4,6% e oscilou entre 11,4%, em Brasília, e 6,1%, no Recife. No total, os tranquilizantes e os antidepressivos foram os mais con-
    • sumidos (Tabela 40). Em relação ao consumo de drogas, a maior proporção de uso foi da maconha(0,9%) (Tabela 41).Tabela 40. Prevalência (%) de uso de medicamentos (nas últimas 24 horas) entre as vítimas por cidadeTabela 41. Prevalência (%) de uso de drogas ilícitas (nas últimas 24 horas) entre as vítimas por cidade3.9.7. Gravidade da VítimaO atual estudo preocupou-se também em identificar fatores de risco para a gravidade do traumaem vítimas de acidentes de trânsito; verificar o efeito independente do consumo de álcool na ocor-rência de trauma grave, avaliado pela Escala de Glasgow em vítimas de acidentes de trânsito; e
    •  analisar o efeito independente do consumo de álcool na ocorrência de óbito nas primeiras 24 horas após o acidente, em vítimas de acidentes de trânsito. A alcoolemia positiva constituiu fator de risco para determinar o grau de gravidade, avaliado pela Escala de Glasgow, em que se encontrava a vítima nas duas primeiras horas de sua chegada ao hospital ou nos Institutos Médico Legais. As vítimas com alcoolemia positiva têm uma chance aproximadamente cinco vezes maior de sofrer um trauma moderado ou grave do que aquelas com alcoolemia negativa (OR=4,72; IC95% 2,93-7,61; p<0,0001) (Tabela 42 e Figura 30). Tabela 42. Associação entre alcoolemia e gravidade do acidente pela Escala Glasgow nas primeiras duas horas do atendimento hospitalar (I) * Trauma moderado ou grave; ** Trauma leve Figura 30. Proporção de casos com alcoolemia positiva entre vítimas avaliadas pela Escala Glasgow nas primeiras duas horas após a chegada ao hospital
    • No período de observação de 24 horas, foram registrados 74 óbitos, o que corresponde a uma taxade letalidade de aproximadamente 6%, que oscilou entre 10%, em São Paulo, e 3,1%, em Manaus.O sexo masculino apresentou o maior número de óbitos e a maior letalidade. As faixas etárias nasquais se verificou maior número de óbitos foram as situadas entre 30 e 39 anos (com 17) e 40 e 49(também com 17), embora a letalidade tenha sido maior nesta última. O maior volume de óbitosesteve vinculado aos atropelamentos (29 eventos) e às colisões (24 eventos), embora a letalidademaior tenha sido observada nos capotamentos. Em relação à condição da vítima, a maior quanti-dade de óbitos foi verificada nos pedestres e motociclistas. Quanto à letalidade, ela foi maior entreos pedestres e motoristas (Tabela 43).Tabela 43. Número de óbitos e taxa de letalidade (nas primeiras 24 horas)A alcoolemia positiva constituiu fator de risco para determinar o grau de gravidade avaliado pelaletalidade nas primeiras 24 horas após o acidente. As vítimas com alcoolemia positiva têm umachance aproximadamente cinco vezes maior de morrer nas primeiras 24 horas do que aquelas comalcoolemia negativa (OR=4,54; IC95% 2,53-8,17; p<0,0001) (Tabela 44 e Figura 31).
    •  Tabela 44. Associação entre alcoolemia e situação da vítima após 24 horas do acidente (I) Figura 31. Proporção de casos de alcoolemia positiva entre óbitos e sobreviventes nas primeiras 24 horas após o acidente
    • Parte I.aConsumo de álcool e gravidade das vítimas atendidas em serviços deemergências e nos Institutos Médico Legais - Estudo de Caso Controle-1. ApresentaçãoEstá comprovado que o consumo de álcool, mesmo em quantidade relativamente pequena, au-menta o risco de envolvimento em acidentes, tanto para condutores como para pedestres. Alémde provocar a deterioração de funções indispensáveis à segurança ao volante, como a visão e osreflexos, o álcool diminui também a capacidade de discernimento, estando em geral associado aoutros comportamentos de alto risco, como excesso de velocidade e inobservância dos equipa-mentos de segurança.Em muitos países, as pesquisas revelam que uma proporção considerável de motoristas, moto-ciclistas e pedestres apresenta uma concentração de álcool no sangue suficiente para alterar acapacidade de utilização das vias de circulação.Embora o perfil das vítimas de acidentes de trânsito, e entre elas as que consumiram bebidas alco-ólicas, varie ligeiramente de uma cidade para outra, um grande número de fatores aumenta o riscode acidentes envolvendo álcool.Com o objetivo de investigar os fatores de risco foi desenvolvido o Estudo sobre o Consumo deÁlcool e Gravidade do Trauma nas Vítimas de Acidentes de Trânsito nos Serviços de Emergênciase nos Institutos Médico Legais.2. ObjetivosAvaliar o impacto do consumo de álcool na gravidade das vítimas de acidentes de trânsito atendi-das em serviços de emergência e Institutos Médico Legais de Manaus, Fortaleza, Recife, Brasília,São Paulo e Curitiba.
    • 0 2.1. Objetivos específicos: • Identificar fatores de risco para a gravidade do trauma em vítimas de acidentes de trânsito; • verificar o efeito independente do consumo de álcool na ocorrência de trauma grave, avaliado pela Escala de Glasgow, em vítimas de acidentes de trânsito; e • analisar o efeito independente do consumo de álcool na ocorrência de óbito nas primeiras 24 horas após o acidente, em vítimas de acidentes de trânsito. 3. Processo metodológico A metodologia, os instrumentos de coleta de dados, a área e o universo de estudo, o processo de coleta de dados, a coleta de sangue e a análise laboratorial, bem como as considerações éticas encontram-se descritas no item 2 da Parte 1 – Perfil e gravidade das vítimas e as caracterizações dos acidentes de trânsito no Brasil (página 17 à página 30). Aqui serão detalhados os outros itens metodológicos pertinentes ao estudo de caso. 3.1 Tamanho amostral O tamanho amostral deste estudo foi calculado a posteriori, tomando-se como parâmetros os resultados encontrados na análise dos dados do estudo de corte transversal realizado inicialmente. Segundo esses dados, 112 vítimas apresentaram trauma moderado ou grave, avaliado pela Escala de Glasgow (< 13), e 1.090 sofreram trauma leve (EG entre 13 e 15). Nas primeiras 24 horas de observação após o acidente, ocorreram 74 óbitos e 1.174 vítimas sobreviveram nesse intervalo de tempo. Considerando um nível de significância de 95%, um poder de 80%, uma estimativa de frequência da exposição (alcoolemia positiva) de 57% nos casos e 22% nos controles e uma razão de 3 controles para 1 caso, seriam necessários 22 casos e 66 controles para detectar uma associação, caso ela existisse, entre o desfecho (gravidade do trauma) e a alcoolemia. Em relação ao desfecho óbito nas primeiras 24 horas, a quantidade seria de 23 óbitos e 69 controles, considerando uma frequência da exposição (alcoolemia positiva) de 58% nos casos e 23% nos controles. Com o propósito de aumentar a precisão e também avaliar o efeito de outras variáveis sobre o desfecho, o número de ca- sos e controles da primeira configuração analítica foi 112 e 1.090 e da segunda, 74 e 1.174, respectivamente.
    • 13.2 Desenho do estudoDesenvolveu-se um caso controle no qual a variável dependente, gravidade do trauma, foi cate-gorizada de duas formas. Na primeira, as vítimas foram avaliadas pela Escala de Glasgow nasprimeiras duas horas de atendimento, e classificadas em duas categorias: trauma moderado ougrave (caso), quando o valor da escala foi abaixo de 13, e trauma leve (controle), quando esse valorficou entre 13 e 15. Todos os óbitos foram enquadrados na primeira categoria. Na segunda formade categorização da variável-resposta, as vítimas foram separadas em dois grupos. O primeiroconstituído pelos óbitos ocorridos nas primeiras 24 horas após o acidente (caso) e o segundo,pelos sobreviventes (controle) nesse intervalo de tempo.A variável independente foi a alcoolemia (quantidade de álcool presente na corrente sanguínea),medida em gramas de álcool/litro de sangue e categorizada em presente e ausente (não detecção)e também em: zero (não detecção), 0,1 a 0,2; 0,3 a 0,6 e mais de 0,6 g/l e categorizada em positiva(exposto) e negativa (não exposto). As covariáveis encontram-se descritas no Quadro 5. O tipo deacidente foi classificado segundo o Código Brasileiro de Trânsito. Consideraram-se equipamentosde segurança o cinto, usado pelos motoristas e passageiros de automóveis, e o capacete, usadopelos motociclistas, ciclistas e passageiros de moto ou bicicleta.Quadro 53.3 Processamento dos dadosAntes do processamento, com o objetivo de corrigir possíveis inconsistências na fase de aplicação,os questionários foram revisados, um a um, e, posteriormente, as questões foram codificadas por
    •  uma equipe de técnicos treinados. A partir da dupla digitação, avaliou-se a confiabilidade e cons- truiu-se um banco de dados no Epiinfo for Windows versão 3.5.1 (2008). A crítica aos dados, fase conhecida como “limpeza do banco de dados”, teve como finalidade a de- tecção de inconsistências tanto das respostas fornecidas pelos entrevistados, quanto de codificação, por parte do revisor. Avaliaram-se as duplicações de casos entre dois hospitais da pesquisa e entre hospital e IML. Após a confirmação dessa duplicidade, um só questionário foi considerado, no qual encontravam-se as informações mais completas possíveis. As incoerências foram avaliadas, uma a uma, e corrigidas no banco e também nos questionários. Finalmente, eliminaram-se os questionários (parcialmente preenchidos) que se referiam a casos que se recusaram a participar da pesquisa. O procedimento de análise dos dados foi realizado com a utilização do SPSS (versão 13). 3.4 Plano de descrição e análise Realizou-se inicialmente análise univariada com as variáveis consideradas descritas no Quadro 5, calculando-se as razões de produtos cruzados (OR) e seus respectivos intervalos de confiança. Utilizou-se o teste qui-quadrado (χ2) para testar a hipótese de homogeneidade de proporções, comparando-se as frequências das exposições nos casos e controles. Para a análise multivariada foram utilizados procedimentos de regressão logística cuja variável dependente foi a gravidade do trauma. Todas as variáveis de exposição com valor de p ≤ 0,20 foram selecionadas para o modelo. Foram estimadas as razões de produtos cruzados odds ratio (OR) brutos e ajustados e os respec- tivos intervalos de 95% de confiança para as variáveis que permaneceram no modelo. A probabili- dade máxima de erro para rejeitar a hipótese nula em todas as situações foi de 5%. 4. Análise dos dados Avaliação da Gravidade do Trauma Na análise univariada, as variáveis faixa etária, dia e turno de ocorrência e tipo do acidente, con- dição da vítima, alcoolemia e utilização de equipamentos de segurança (cinto ou capacete) mos- tram associação estatisticamente significante com a gravidade da vítima, avaliada pela Escala de Glasgow (Tabela 45). Quando se analisou como desfecho o óbito nas primeiras 24 horas após o acidente, verificou-se que apenas as variáveis faixa etária, tipo de acidente, condição da vítima e alcoolemia se associaram de forma estatisticamente significante a esse evento (Tabela 46).
    • Tabela 45. Análise univariada da gravidade das vítimas de acidente de trânsito, avaliada pela Escala Glasgow,atendidas em serviços de emergência e Institutos Médico Legais de seis capitais segundo dados sociodemo-gráficos, circunstâncias do acidente, uso de equipamentos de segurança e alcoolemia. Brasil, 2009a) Glasgow = < 13 (moderado e grave); b) Glasgow = 13 e 15 (leve)
    •  Tabela 46. Análise univariada da gravidade, avaliada pela ocorrência de óbito nas primeiras 24 horas após o acidente, das vítimas de acidente de trânsito atendidas em serviços de emergência e Institutos Médico Legais de seis capitais segundo dados sociodemográficos, circunstâncias do acidente, uso de equipa- mentos de segurança e alcoolemia. Brasil, 2009 a) Óbito nas primeiras 24 horas após o acidente; b) Sobrevivente nas primeiras 24 horas após o acidente No modelo de regressão logística, quando se ajustaram os fatores de confusão, as variáveis iden- tificadas como fatores de risco para a ocorrência de trauma mais grave, avaliado pela Escala Glas- gow, foram o atropelamento, o capotamento e a colisão; a alcoolemia positiva e o não uso de equipamentos de segurança. A alcoolemia positiva apresentou a maior força de associação (OR= 3,84; IC95% 1,79 - 8,26; p=0,001) com o desfecho (Tabela 47).
    • Quando o desfecho, no modelo de regressão logística, foi o óbito nas primeiras 24 horas, verificou-seque as vítimas de atropelamento, capotamento e colisão ou as que apresentam alcoolemia positivatêm, respectivamente, uma chance sete e nove vezes maior de morrer nas primeiras 24 horas do que asvítimas de abalroamento, queda e choque ou que apresentam alcoolemia negativa (Tabela 48). Não sepode deixar de destacar a possibilidade de o tamanho amostral ter sido insuficiente para detectar umaassociação entre uso de equipamentos de segurança e a ocorrência de óbito nas primeiras 24 horas.Tabela 47. Resultados da regressão logística tendo como variável-resposta a gravidade das vítimas deacidente de trânsito, avaliada pela Escala Glasgow (< 13 em relação a 13 e 15)a Ajustado pelas demais variáveis da tabela
    •  Tabela 48. Resultados da regressão logística tendo como variável-resposta a gravidade das vítimas de acidente de trânsito, avaliada pela ocorrência de óbito nas primeiras 24 horas após o acidente. a Ajustado pelas demais variáveis da tabela 5. Conclusão O modelo de regressão logística revelou que o atropelamento, o capotamento e a colisão e a alcoo- lemia positiva constituem fatores de risco para a gravidade do trauma, seja ele avaliado pela Escala de Glasgow ou pela ocorrência de óbito nas primeiras 24 horas. Já o não uso de equipamentos de segurança só constituiu fator de risco para o primeiro desfecho.
    • Parte IIPerfil dos acidentes de trânsito segundo características das vias edos veículos na cidade do Recife1. JustificativaComo as demais cidades brasileiras, Recife apresenta um grave problema social e de saúde, quesão os acidentes de trânsito. No ano de 2009, registrou 8,636 acidentes de trânsito, com 2,912vítimas e 62 mortes. Além dos acidentes, o trânsito do Recife apresenta outros problemas, entre osquais citamos o aumento da frota de veículos, os engarrafamentos diários, a manutenção das ruase avenidas, o sistema de transporte público deficitário, a pouca acessibilidade para os portadoresde necessidades especiais, a imprudência e o desrespeito dos motoristas e pedestres às normasdo trânsito.Vários fatores contribuem para o aumento do número de vítimas do trânsito nas cidades brasilei-ras, principalmente a utilização dos meios de transportes individuais que expõem os usuários casoos veículos não tenham e/ou não estejam utilizando os equipamentos de proteção individual, deacordo com Liberatti (2000). É bem verdade que algumas ações são realizadas com o objetivo deaperfeiçoar as condições de segurança dos veículos, principalmente dos automóveis de “luxo”,sobretudo ao que se refere às inovações tecnológicas que vêm sendo implementadas. Dentre elas,podemos destacar e melhoria nos sistemas de freios, direção e amortecimento dos veículos, pneusantiderrapantes, motores potentes, parabrisas com vidros mais resistentes, cintos de segurançaem todos os bancos, barras laterais nos veículos bem como os air bags em todos os lugares doautomóvel.Segundo Ferraz, Fortes & Simões (1999), em geral, a associação de vários fatores podem serapontados como causadores de acidentes de trânsito, sendo estes relativos aos usuários, aos veí-culos, às vias, às condições ambientais e aos fatores institucionais e sociais, conforme se segue:a) Fator humano
    •  São considerados a educação e o preparo do cidadão (condutores e pedestres) para o trânsito por meio do conhecimento e respeito à legislação, treinamento para aquisição de habilidades, uso de equipamentos de segurança etc. Também são consideradas as condições físicas e psicológicas das pessoas, como a idade, uso de álcool ou drogas, fatores emocionais etc. b) Fator veicular Os aspectos relevantes aqui são os equipamentos de segurança, potência do motor, estabilidade etc., e as condições de manutenção e conservação dos veículos (motores, pneus, freios, etc.). c) Fator viário O principal fator na atuação da engenharia tem como aspectos interferentes a sua geometria (lar- gura, declividade, superelevação, tipos de interseção, etc.), sinalização (horizontal e vertical, visi- bilidade e conservação), regulamentação e uso da via (mão simples ou dupla, hierarquização, es- tacionamento, etc.), pavimentação (tipo, drenagem e conservação), assim como o fluxo de tráfego (quantidade e composição da frota de veículos, conflitos de tráfego). d) Fator ambiental É aquele relativo às condições do tempo e visibilidade (chuva, neblina, fumaça, etc.) e também aspectos de uso e ocupação do solo em área comercial ou residencial, polos geradores de tráfego, etc. e) Fator institucional Engloba a regulamentação das leis (legislação) e o policiamento (fiscalização). Os acidentes de trânsito são resultantes da combinação desses diversos fatores que podem ser agrupados em três grandes categorias chamadas de componente humano, componente veicular e componente viário-ambiental. Segundo Austroads (1994), apud Tedesco, T.G. (2004), o componente humano é responsável por 95% dos acidentes de trânsito, enquanto o componente viário-ambiental e o componente veicular aparecem como fatores contribuintes, respectivamente, de 28% e 8% do total de acidentes. Esses percentuais levam em consideração a interação de fatores, em que 24% resultam da inte- ração do componente humano com o viário-ambiental e 4% da interação do componente humano com o veicular. Os fatores viário-ambiental e veicular sozinhos são responsáveis por 4% da respon-
    • sabilidade sobre a ocorrência de acidentes, cada um, e ao fator humano é atribuído, isoladamente,67% das causas, conforme esquema apresentado na figura 32. De acordo com a figura, percebe-se que não ocorre a interseção dos três fatores contribuintes do acidente, porém, é sabido que épossível ocorrer.Figura 32. Influência dos componentes nos acidentes de trânsitoFonte: Tedesco, 2004Esta parte do trabalho foi dedicada a verificar as condições das vias e veículos e a contribuição ounão desses elementos para o desfecho dos acidentes de trânsito na cidade do Recife.2. ObjetivosDescrever o perfil dos acidentes de trânsito ocorridos no Recife das 19h do dia 22 de maio de 2009e às 19h do dia 07 de junho do mesmo ano, segundo características da vítima, via e veículo.Objetivos específicos:• Caracterizar os acidentes segundo veículo envolvido, dia, turno e tipo de acidente;• determinar a proporção de motoristas, motociclistas e ciclistas que consumiram álcool;
    • 0 • descrever a situação dos equipamentos dos veículos envolvidos; • caracterizar os acidentes segundo cenário de ocorrência, incluindo características da via; • descrever as vítimas segundo sexo, idade e procedência; • caracterizar o grau de vitimização e a prestação do prontoatendimento; • identificar as características dos envolvidos segundo sinais de embriaguez e avaliação da alco- olemia; e • traçar o perfil dos motoristas e condutores segundo a infração cometida. 3. Processo metodológico Para a realização dos objetivos propostos foi desenvolvido um estudo transversal sobre os aciden- tes de trânsito ocorridos no período de 22 de maio a 07 de junho de 2009 na cidade do Recife. Os pontos de coleta de dados foram os locais – vias públicas – onde ocorrem os diversos acidentes de trânsito. A equipe de coleta de dados foi formada por 52 coletadores estudantes dos cursos de Engenha- ria, Arquitetura, Urbanismo, Psicologia, Direito, entre outros, auxiliados pela equipe de agentes de trânsito da CTTU e Detran-PE e peritos do Instituto de Criminalística, com a coordenação de campo formada por três profissionais. Todos os coletadores foram exaustivamente capacitados pela coordenação geral da pesquisa, pelo diretor de operações da CTTU e um perito do IC em oficina de 16 horas de formação (anexo 5). Também fez parte do treinamento o teste piloto. A formação constou de: • Conhecimento dos objetivos e da metodologia da Pesquisa Via e Veículo; • conhecimento do funcionamento dos diversos órgãos que atuam no trânsito: Ciods, Detran-PE, CTTU e IC e uma visita prévia a estas instituições; • conhecimento teórico sobre o trânsito do Recife; Legislação e Código de Trânsito; Sistema Viá- rio; Sinalização; Fiscalização e Policiamento; Perícia Técnica, entre outros; • familiaridade com os instrumentos de coleta de dados;
    • 1• participação no teste piloto; e• questões técnicas e éticas.3.1 Instrumentos para a coleta de dadosForam elaborados três questionários fechados e sem identificação para a coleta de informações deacordo com o tipo de automóvel, bicicleta e motocicleta (Anexo 6).Os questionários foram divididos em 4 blocos. Cada um deles correspondendo aos elementospresentes na “cena do acidente”, a saber:• 1º bloco: Identificação do Acidente;• 2º bloco: Caracterização das Vítimas;• 3º bloco: Caracterização do Veículo;• 4º bloco: Caracterização da Via.O informante foi sempre o agente de trânsito (CTTU e Detran-PE) ou o perito do Instituto de Cri-minalística, por isso não foi necessário o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido – TCLE. Apresença do perito do IC acontecia quando no acidente havia vítimas, principalmente, fatais.Também fez parte dos instrumentos de pesquisa um Livro de Ocorrências, em que os cole-tadores registravam todas as dificuldades e/ou problemas ocorridos durante o seu turno detrabalho e uma Folha de Presença, em que assinavam e informavam a hora de chegada e saídado plantão.3.2 Área e universo do estudoO estudo foi desenvolvido na cidade do Recife, e fizeram parte todos os acidentes de trânsito, esuas respectivas vítimas, ocorridos na cidade no período compreendido entre zero hora do dia 22de maio de 2009 até 24 horas do dia 7 de junho de 2009.3.3 Desenho do estudo e elenco de variáveisFoi conduzido um desenho de corte transversal no qual se avaliaram as variáveis descritas noQuadro 06.
    •  Quadro 06: Elenco de Variáveis
    • 
    •  3.4 Coleta de dados A coleta de dados foi estruturada para acompanhar todas as ocorrências de acidentes de trânsito, com ou sem vítimas, na cidade do Recife. A coleta foi ininterrupta durante o período compreendido entre zero hora do dia 22 de maio até 24 horas do dia 7 de junho de 2009. Fizeram parte do estudo os acidentes de trânsito registrados pelo Centro Integrado de Operações de Defesa Social da Secretaria de Defesa Social do Estado de Pernambuco (Ciods), pela Compa- nhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU), pelo Instituto de Criminalística do Governo do Estado (IC), SAMU e órgãos responsáveis, no município, pela fiscalização dos acidentes e o socorro de suas vítimas. Para viabilizar a coleta, estabeleceu-se uma escala de plantão com 12 horas de jornada para cada equipe de coletadores. Os plantões foram feitos nos órgãos envolvidos com a fiscaliza- ção e operação de trânsito. Desta forma, as equipes foram distribuídas no Ciods e na Central do SAMU – locais onde são recebidas e registradas todas as ligações telefônicas solicitando atendimento para eventos violentos; na CTTU e no IC – onde os agentes de plantão e peritos recebem o comunicado do Ciods e dirigem-se para os locais (ruas e avenidas) em que ocor- reram os acidentes. Os coletadores de plantão no Ciods e no SAMU anotavam os chamados de atendimento - local, dia, hora do acidente de trânsito e pessoas envolvidas – e repassavam as informações para as equipes de plantão no IC e na CCTU. No acordo firmado anteriormente, um coletador da pesquisa acompanhava a equipe de agentes de trânsito e outro a equipe de peritos. Como foram formadas sete equipes, tornou-se necessária a contratação de 52 coletadores para dar cobertura no período de coleta de dados. Um coletador era conduzido na viatura da CTTU e outro na do IC, onde normalmente vão dois profissionais dessas instituições para o local do acidente. Chegando ao local, o coletador observava toda a cena do acidente: pessoas envolvidas; número, perfil e estado das vítimas; situação da via e/ou dos veículos envolvidos, e fazia todas as anota- ções no questionário a partir das informações dos agentes de trânsito da CTTU e/ou do perito do IC. A presença do IC só se fazia necessária quando havia vítima. O coletador acompanhava todos os procedimentos até o desfecho final: encaminhamento/atendimento das vítimas, teste de alco- olemia (quando solicitado) e/ou liberação das pessoas envolvidas. Em algumas situações mais
    • complicadas, entre elas o consumo de álcool por parte do condutor do veículo, o coletador deviaacompanhar a equipe da CTTU à delegacia ou ao IML.A decisão do coletador de só obter as informações com os agentes e peritos deveu-se a umaquestão legal e ética, uma vez que eles precisavam de autorização para entrar/periciar os veículosprivados e para abordar seus proprietários.Os procedimentos da coleta de dados, realizados pelos coletadores nas ruas e avenidas, locaisonde ocorrem os acidentes, seguiram, na maioria dos casos, o fluxograma abaixo:
    •  3.5 Processamento de dados Antes do processamento, com o objetivo de corrigir possíveis inconsistências na fase de aplicação, os questionários foram revisados, um a um, e, posteriormente, as questões foram codificadas por uma equipe de técnicos treinados. A partir da dupla digitação, avaliou-se a confiabilidade e cons- truiu-se um banco de dados no Epiinfo for Windows versão 3.5.1 (2008). A crítica aos dados, fase conhecida como “limpeza do banco de dados”, teve como finalidade a detecção de inconsistências tanto das respostas, fornecidas pelo entrevistado, quanto de codifi- cação, por parte do revisor. As incoerências foram avaliadas uma a uma, e corrigidas no banco e também nos questionários. Finalmente, eliminaram-se os questionários (parcialmente preenchi- dos) que se referiam aos casos que se recusaram a participar da pesquisa. O procedimento de análise dos dados foi realizado com a utilização do SPSS (versão 13). 3.6 Plano de descrição e análise Os dados foram resumidos em frequências absolutas e relativas (proporções) e apresentados em tabelas e figuras. 4 Análise dos dados O universo do estudo foi constituído de 938 acidentes de trânsito ocorridos na cidade do Recife e Região Metropolitana, em um período de 16 dias compreendido entre as 19h do dia 22 de maio de 2009 até às 19h do dia 07 de junho de 2009. Do total de ocorrências, a maioria dos acidentes envolveu automóveis e similares (763), seguidos de motocicletas (158) e, por último, bicicletas (17). 4.1. Perfil dos acidentes A maioria dos acidentes aconteceu no fim de semana (entre a sexta-feira e o domingo ocorreram 53,3% dos acidentes envolvendo automóveis e similares, 51,9% envolvendo motocicletas e 64,7% envolvendo bicicletas). Já o turno em que eles ocorreram variou de acordo com o veículo. Entre os acidentes envolvendo automóveis e similares, a maioria (64,7%) ocorreu pela manhã ou à tarde. Os que envolveram motocicletas, idem: 63,6%. Já os acidentes envolvendo bicicletas tiveram maior prevalência de noite ou de madrugada: 52,9% dos casos (Tabela 49).
    • As colisões foram o tipo mais frequente de acidentes envolvendo os diversos tipos de veículos:60,4% com automóveis e similares; 52,2% com motos; e 76,4% com bicicletas.Tabela 49. Acidentes segundo dia, turno e tipo. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009Os acidentes ocorridos no período da coleta de dados envolveram 1.297 pessoas. Destas, 394(30,4%) foram vítimas (fatais e não fatais), de acordo com a tabela 50. Chamaram a atenção osacidentes de motos, em que a grande maioria dos envolvidos foi vítima (180).No que diz respeito à condição das vítimas na hora do acidente, foram classificadas como fatais enão fatais. Entre as não fatais, a maioria foi de motociclistas (32%) seguidos pelo grupo de moto-ristas (30,1%). Cotejando as vítimas fatais, destacaram-se com o maior percentual os motociclistas(31,3%) seguidos de passageiros de motos (25,1%) e logo depois os pedestres e os motoristas(ambos com 12,5%), como pode ser visualizado na Tabela 51.
    •  Tabela 50. Quantidade de pessoas e vítimas envolvidas nos acidentes de trânsito. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009 Tabela 51. Condição das vítimas na hora do acidente. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009
    • Quanto aos equipamentos de segurança dos automóveis envolvidos nos acidentes verificou-se afalta de cinto de segurança em pelo menos um dos assentos em 7,5% dos casos. Cerca de 91,7%dos automóveis não possuíam air bag e 32,6% não possuíam protetores de cabeça nos bancostraseiros. Em relação aos pneus, 6,4% dos automóveis apresentaram pelo menos um pneu emcondição precária. Em 3,5% faltava o espelho retrovisor e 1% não possuía extintor de incêndio(Tabela 52).Tabela 52. Avaliação dos equipamentos de segurança em automóveis envolvidos nos acidentes. Recife, 22de maio - 7 de junho de 2009
    • 0 Registramos que não foi possível fazer a verificação desses equipamentos em 136 veículos por di- versos motivos, entre os quais destacamos a “fuga” de um dos veículos envolvidos nos acidentes. Quando a equipe da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife - CTTU, acompanhada de um coletador da pesquisa, chegou ao local, a cena do acidente havia sido desfeita. Um dos possíveis motivos sugeridos pelos agentes de trânsito foi a falta de documentos do veículo e/ou do condutor. Na avaliação feita nos equipamentos das motocicletas registrou-se que 11% não possuíam bu- zina; 9% encontravam-se sem a lanterna traseira; 13,2% não tinham luz de freio; 13,2% apresen- tavam os pneus em condições precárias e 14,6% registravam ausência de espelhos retrovisores (Tabela 53). Tabela 53. Avaliação de equipamentos em motocicletas e similares envolvidos em acidentes. Recife, 22 de maio – 7 de junho de 2009 Quanto ao cenário, 59% dos acidentes com veículos ocorreram ao longo de vias, assim como 62,6% dos acidentes com motocicletas e 88,2% dos que envolveram bicicletas. A maioria dos aci- dentes, com todos os tipos de condução, foram registrados em vias arteriais de trânsito com mão dupla (Tabela 54).
    • 1Tabela 54. Acidentes segundo cenário do local de ocorrência. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009Em relação aos fatores viários, foi registrada a boa situação em que as vias se encontravam (79,1%),com o pavimento tipo asfalto (83,9%) e com a iluminação adequada. Um dos fatores preocupantesfoi a superfície das vias, que se encontravam molhadas ou alagadas em 35% dos casos de aciden-tes de trânsito (Tabela 55). Os fatores ambientais, entre eles a condição do tempo e a visibilidade,também se encontravam em situações consideradas boas.
    •  Tabela 55. Acidentes segundo características das condições de ocorrência. Recife, 22 de maio – 7 de junho de 2009 4.2. Perfil dos acidentados Dezesseis pessoas (3,8%) morreram vítimas dos acidentes pesquisados. Na maioria dos casos, nove óbitos (60% do total), a vítima estava utilizando moto ou similares, sendo cinco condutores e quatro passageiros. Em relação aos automóveis, dois eram motoristas e um era passageiro, to- talizando três vítimas fatais (20%). Duas pessoas (13%) foram a óbito por atropelamento. As duas últimas vítimas fatais estavam de bicicleta (7%). Os acidentes aconteceram em todos os dias da semana, com leve concentração nas sextas, sába- dos e domingos. Nos turnos onde o fluxo de veículos em circulação é maior, pela manhã e à tarde, foi notado um número mais alto de ocorrências.
    • 4.2.1. MotoristasOs motoristas de automóveis e similares envolvidos nos acidentes eram em sua maioria do sexo masculi-no (79,3%), enquanto que 20,7% eram do sexo feminino (Tabela 56). Duas pessoas foram a óbito. Mais dametade (52,5%) estava em atividade de trabalho, em comparação com 29,9% que estava em lazer. Dasvítimas que estavam em atividade de trabalho, 28,9% não tinham a carteira de trabalho assinada.A faixa etária de maior prevalência dos motoristas envolvidos nos acidentes foi entre 30 e 39 anos,com aproximadamente 29% dos casos, seguida da faixa compreendida entre 20 e 29 anos, com25,9%. Cerca de 21,7% tinham entre 40 e 49 anos. Um (0,1%) dos motoristas envolvidos tinha me-nos de 17 anos, sendo vítima fatal do acidente.Tabela 56. Características dos motoristas envolvidos em acidentes de trânsito segundo sexo, idade e pro-cedência. Recife, 22 de maio – 7 de junho de 2009
    •  O veículo mais envolvido nos acidentes foi o automóvel particular (70,6%), seguido de ônibus (7,8%) e de caminhão (6,4%), conforme demonstrado na Tabela 57. Ressalta-se a proporção relativamente alta de ônibus envolvidos, levando-se em consideração que a frota de ônibus corresponde a ape- nas 1% do total de veículos que circulam na cidade. Tabela 57. Características dos motoristas envolvidos em acidentes de trânsito segundo tipo de veículo que conduzia e habilitação. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009 Dentre os motoristas envolvidos nos acidentes, 18,2% foram vítimas e, entre essas, duas foram fatais. O uso do cinto de segurança no momento do acidente foi registrado em 93,4% do total das vítimas que se encontravam em automóvel, caminhonete e utilitários, na condição de motorista.
    • Cerca de 6,6% não utilizavam esse equipamento de uso obrigatório (Tabela 58).Tabela 58. Características dos motoristas envolvidos em acidentes de trânsito segundo vitimização e assis-tência à saúde. Recife, 22 de maio – 7 de junho de 2009
    •  A maioria das vítimas foi removida pelo SAMU e Corpo de Bombeiros (67,2%), seguido do carro particular (27,7%). O tempo decorrido entre o acidente e a chegada do atendimento pré-hospitalar ao local foi maior do que 30 minutos (28,7%). Dentre as infrações, 45% dos motoristas cometeram desobediência mantendo distância insuficien- te entre os veículos (Tabela59). Entre os motoristas, 44,7% foram responsabilizados pela ocorrência do acidente segundo os agentes de trânsito da CTTU (Tabela 60). A infração mais cometida pelos motoristas de automóveis e similares foi o desrespeito à distância mínima entre os veículos, registrada em 45% dos casos. Tabela 59. Infrações cometidas pelos motoristas envolvidos em acidentes. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009 Tabela 60. Motoristas segundo responsabilização pelo acidente de trânsito. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009
    • 4.2.2. Passageiros de Automóveis ou SimilaresEntre os passageiros envolvidos nos acidentes com automóveis ou similares, a maioria foi do sexofeminino: 58,8%. A maior parte das vítimas (41%) tinha entre 20 e 29 anos (Tabela 61). Dos 51 pas-sageiros atendidos, apenas um foi a óbito. A remoção das vítimas foi feita pelo SAMU em 48,7%dos casos, e pelos Bombeiros em outros 23,14% (Tabela 61). Verificou-se ainda que em 31% dosacidentes, o atendimento foi feito num espaço de tempo entre 21 e 30 minutos. Em apenas 6,9%dos casos o tempo excedeu os 30 minutos e esse tempo foi menor que 10 minutos em 20,7%.Outra importante descoberta foi de que 37,5% dos passageiros acidentados não estavam usandoo cinto de segurança no momento do acidente, sendo que 45,8% deles estavam sentados no ban-co dianteiro e 39,6% estavam no banco traseiro (Tabela 62).Tabela 61. Características dos passageiros de automóveis ou similares envolvidos em acidentes de trânsitosegundo sexo e idade. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009
    •  Tabela 62. Características dos passageiros de automóveis ou similares envolvidos em acidentes de trânsito segundo vitimização e assistência à saúde. Recife, 22 de maio – 7 de junho de 2009
    • 4.2.3. MotociclistasCom relação aos 158 motociclistas envolvidos em acidentes no período pesquisado, 97,5% eramhomens. Mais da metade deles (54,2%) tinha entre 20 e 29 anos. No momento do acidente, 46,3%deles vinha de alguma atividade relacionada ao lazer e outros 42,4% estavam vindo do trabalho(Tabela 63).Tabela 63. Características dos motociclistas envolvidos em acidentes de trânsito segundo sexo, idade eprocedência. Recife, 22 de maio – 7 de junho de 2009
    • 100 Do total dos motociclistas, 28,9% eram motociclistas profissionais e 32,4% não tinham carteira assinada, mas 90,5% tinham carteira de habilitação. Cinco, do total de vítimas, foram a óbito (Tabela 64). Tabela 64. Características dos motociclistas envolvidos em acidentes de trânsito segundo ocupação e habilitação. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009 Segundo a pesquisa, 94,6% dos motociclistas usavam capacete no momento do acidente. O aten- dimento médico foi feito no local em 14 casos e outros 116 foram removidos. Entre os meios de remoção, o SAMU foi o mais presente: 53,2% das ocorrências, seguido pelos Bombeiros, 40,2%. Já o tempo entre o acidente e o atendimento pré-hospitalar foi na sua maioria entre 21 e 30 minutos (Tabela 65).
    • 101Tabela 65. Características dos motociclistas envolvidos em acidentes de trânsito segundo vitimização eassistência à saúde. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009
    • 10 A infração mais cometida (29,4%) foi o excesso de velocidade (Tabela 66). Quase a metade (49,3%) dos motociclistas se declarou responsável pelo acidente (Tabela 67). Tabela 66. Infrações cometidas pelos motociclistas envolvidos em acidentes. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009 Tabela 67. Motociclistas segundo responsabilização pelo acidente de trânsito. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009
    • 104.2.4. Passageiros de MotocicletasEntre os passageiros de motocicletas envolvidos em acidentes no período estudado, quatro forama óbito (Tabela 69). A maioria das vítimas dos acidentes era do sexo masculino (52,5%) e 62,9%tinham entre 20 e 29 anos (Tabela 68).Quanto ao atendimento às vítimas, chamou a atenção o fato de que em 28,6% das ocorrências oatendimento demorou mais de 30 minutos (Tabela 69).No momento do acidente 5,6% das vítimas não usavam capacete.Tabela 68. Características dos passageiros de motocicletas ou similares envolvidos em acidentes de trân-sito segundo sexo e idade. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009
    • 10 Tabela 69. Características dos passageiros de motocicletas ou similares envolvidos em acidentes de trân- sito segundo vitimização e assistência à saúde. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009
    • 104.2.5. CiclistasA pesquisa indicou que a grande maioria (82,4%) dos ciclistas envolvidos em acidentes de trânsitoera do sexo masculino. Grande parte (38,4%) estava na faixa etária entre 20 e 29 anos (Tabela 70).E um ciclista acidentado no período pesquisado veio a óbito.Importante notar que nenhuma das vítimas usava capacete na hora do acidente. E que a maioriados ciclistas vinha do trabalho (64,4%) na hora em que ocorreu o acidente (Tabela 69).Quanto ao atendimento, 69,2% foram removidos pelo SAMU, e em 38,4% dos casos o socorrolevou mais de 30 minutos para chegar (Tabela 71).Tabela 70. Características dos ciclistas envolvidos em acidentes de trânsito segundo sexo, idade e proce-dência. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009
    • 10 Tabela 71. Características dos ciclistas envolvidos em acidentes de trânsito segundo vitimização e assis- tência à saúde. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009
    • 104.2.6 – PedestresTambém entre os pedestres envolvidos em acidentes de trânsito, a maioria era do sexo masculino:69,4%. Segundo a pesquisa, 27,6% tinham entre 30 e 39 anos (Tabela 72). Dos 38 acidentes, doisforam fatais (Tabela 73).O SAMU e o Corpo de Bombeiros foram responsáveis por 91,3% dos atendimentos aos pedestresacidentados no período pesquisado e o tempo entre o chamado e o atendimento pré-hospitalar foide 21 a 30 minutos (Tabela 73).A “infração” mais cometida pelos pedestres foi o consumo de álcool, segundo os agentes de trân-sito (Tabela 74), e eles também foram, na sua maioria, responsáveis pelos acidentes (Tabela 75).Tabela 72. Características dos pedestres envolvidos em acidentes de trânsito segundo sexo e idade. Reci-fe, 22 de maio - 7 de junho de 2009
    • 10 Tabela 73. Características dos pedestres envolvidos em acidentes de trânsito segundo vitimização e assis- tência à saúde. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009 Tabela 74. Infrações cometidas pelos pedestres envolvidos em acidentes. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009
    • 10Tabela 75. Pedestres segundo responsabilização pelo acidente de trânsito. Recife, 22 de maio - 7 de junhode 20094.3 Consumo de ÁlcoolA abordagem e a avaliação sobre o consumo de álcool pelos condutores e pedestres foramfeitas pelos agentes de trânsito da CTTU sob a observação dos coletadores da pesquisa. Aavaliação incluiu dois momentos: um relacionado aos aspectos comportamentais e físicos e,outro, à realização do teste de alcoolemia feito por meio de etilômetro (mais conhecido comobafômetro).Segundo a avaliação relacionada aos aspectos comportamentais e físicos, 10,6% dos condutores(motoristas, motociclistas e ciclistas) e 35,7% dos pedestres apresentavam sintomas e sinais deque tinham consumido algum tipo de bebida alcoólica de acordo com a Tabela 76. Chamou a aten-ção o grande percentual de ciclistas e pedestres que aparentavam ter consumido álcool.Tabela 76. Acidentes segundo consumo de álcool pelo motorista ou condutor do veículo e pedestre. Reci-fe, 22 de maio - 7 de junho de 2009O uso do etilômetro não foi solicitado para o teste da alcoolemia na maioria dos casos. Quandosolicitadas, boa parte das pessoas envolvidas nos acidentes se negaram a fazer o teste. Tambémhouve uma pequena tentativa para que os pedestres fizessem uso do instrumento, o que também
    • 110 não foi uma atuação considerada bem sucedida. Os agentes de trânsito da CTTU não investiram nessa tentativa, usando como justificativa a ausência de legislação apropriada. Na Tabela 77 vê-se o resultado da alcoolemia feita no local da cena com algumas das pessoas envolvidas nos aciden- tes de trânsito. Tabela 77. Uso de bafômetro pelos motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres que apresentaram sinal de embriaguez. Recife, 22 de maio - 7 de junho de 2009 Do total dos motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres que apresentavam sinais de embria- guez, apenas 39% atenderam à solicitação de fazer o teste de alcoolemia. A maioria (61%) não concordou em fazer o teste (Tabela 77). Entre os que fizeram, os motociclistas comprovaram o maior percentual de alcoolemia positiva (74,8%), seguidos pelos motoristas (65,9%).
    • 111Conclusões e RecomendaçõesAs pesquisas que acabamos de apresentar oferecem importantes elementos para se pensar notrânsito e nos fatores que contribuem direta e indiretamente para a ocorrência de acidentes: o in-divíduo, a via e o veículo. Boa parte das análises foi incluída ao longo dos capítulos que compõemeste trabalho. De toda forma, reservamos este espaço para uma síntese do trabalho e, logo emseguida, algumas recomendações, sobretudo quanto ao objetivo final da investigação – sugestõespara avaliar, consolidar, ampliar e/ou mudar as políticas públicas relacionadas ao consumo de be-bidas alcoólicas, as violências e os acidentes de trânsito.SINOPSEPerfil e gravidade das vítimas e as caracterizações dos acidentes de trânsito no Brasil• O estudo reuniu 1.248 vítimas de acidentes de trânsito ocorridos entre zero hora do dia 22 de maio e 24 horas do dia 28 de maio de 2009 atendidas nos serviços de emergências e nos Ins- titutos Médico Legais das cidades de Manaus, Fortaleza, Recife, Brasília, São Paulo e Curitiba. Deste total, 74 vítimas foram a óbito.• A contribuição de cada cidade para o conjunto da amostra foi de 160 (12,8%) em Manaus; 240 (19,2%) em Fortaleza; 197 (15,8%) em Recife; 175 (14,0%) em Brasília; 209 (16,7%) em São Paulo e 267 (21,4%) em Curitiba.• As características principais das vítimas dos acidentes revelaram um perfil em que prevaleceram os homens (74,2% eram do sexo masculino), jovens (38,4% estavam na faixa etária entre 20 a 29 anos), com escolaridade média (43,0% cursaram até o 2º grau ou médio), solteiros (55,4%), morenos ou pardos (56,5%), e na sua maioria desempregados ou desocupados seguidos por estudantes, motociclistas e ciclistas de entregas rápidas.• Houve uma maior concentração de vítimas no fim de semana: domingo (18,2%), sábado (17,4%) e sexta-feira (15,5%) e o horário em que se registrou o maior percentual de ocorrência foi das 16 às18h.
    • 11 • O tipo de acidente predominante para o conjunto das cidades foi a colisão (34,1%), seguido pela queda (21,7%) e pelo atropelamento (20,5%). O atropelamento apresentou a segunda maior fre- quência em Manaus, Brasília e São Paulo. No Recife e em Curitiba, a queda foi o acidente com a segunda maior frequência. A colisão foi o acidente mais frequente entre as vítimas de ambos os sexos. A segunda posição foi ocupada pela queda, no sexo masculino, e pelo atropelamento, no sexo feminino. Nas faixas etárias mais extremas, o atropelamento foi o acidente mais frequente, atingindo cerca de 52% das vítimas com 60 e mais anos, e 47% das vítimas com idade até 9 anos. A colisão foi mais frequente nas vítimas com idade entre 10 e 49 anos. • As vítimas com menor escolaridade, analfabetas e as que declararam só saber ler e escrever sofreram, proporcionalmente, mais atropelamentos que as escolarizadas, nas quais a maior proporção recaiu sobre colisões. • A maior proporção das vítimas foi removida pelo SAMU (37,6%), seguida pelos automóveis particulares (22,1%) e o Corpo de Bombeiros (15,3%). • Em relação à condição dos acidentados na hora do acidente, os motociclistas constituíram a maior proporção das vítimas (40,1%). Se ao total de motociclistas forem acrescidas as vítimas que eram passageiras de motocicleta, a proporção de vítimas que estavam sobre motocicletas se eleva para 51,4% no total das cidades. Na segunda posição ficaram os pedestres e os ciclis- tas. Cerca de 82% dos pedestres, no conjunto das cidades, foram atropelados por automóvel particular (49,8%), motocicleta (32%) e ônibus (4,9%). • O uso de equipamentos de segurança entre os acidentados apresentou valores percentuais bastante aquém dos desejáveis: 98,5% das vítimas que guiavam bicicleta e 13,6% das vítimas que conduziam motocicleta não usavam capacete no momento do acidente; e 26% dos moto- ristas e 78% dos passageiros dos automóveis estavam sem o cinto de segurança. Perfil das vítimas consumidoras de álcool • No conjunto das cidades, 312 vítimas (25% do total) consumiram bebida alcoólica antes do aci- dente, sendo 86% do sexo masculino e 24% feminino. Além disso, 43% estavam na faixa etária entre 20 e 29 anos. • Em relação à condição/posição das vítimas na hora do acidente: 36% das vítimas eram motoci- clistas, seguidos pelos pedestres (19%) e ciclistas (14%).
    • 11• Os tipos de acidente mais frequentes entre as vítimas que consumiram álcool foram: 29% sofre- ram queda, 25% estavam em veículo que colidiu e 23% foram atropeladas.• A concentração de acidentes ocorreu no fim de semana: 31% no domingo, 28% no sábado e 14% na sexta-feira e à noite (37%) e na madrugada (28%).• Do total das vítimas, 57% disseram ter consumido cerveja ou chope, seguido de aguardente (17%) e de uísque, rum e similares (7%). E 59% informaram ter consumido esses tipos de bebida até duas horas antes do acidente.Perfil das vítimas com alcoolemia positiva• Para a realização de teste para detecção de álcool, foi solicitada a coleta de amostra de sangue às vítimas com idade igual ou maior a 13 anos. Obteve-se um percentual de 73%, que oscilou entre 85,8% em Curitiba e 57,5% em Fortaleza.• A média de tempo (em horas) decorrido entre o acidente e a coleta de sangue para avaliação da alcoolemia foi de aproximadamente 4,6 horas.• No conjunto das cidades, a alcoolemia foi positiva em 214 vítimas. Desse total, 83% eram do sexo masculino e 40% estavam na faixa etária entre 20 e 29 anos.• Condição/posição da vítima na hora do acidente: 34% motociclistas, seguidos pelos pedestres (27%) e ciclistas (11%).• Os tipos de acidentes mais frequentes foram o atropelamento (32%), a colisão (25%) e a queda (22%).• A maior concentração foi no fim de semana: domingo (28%); sábado (28%) e sexta-feira (14%). Os turnos foram noite (35%) e madrugada (27%).• Do total das vítimas, 71% informaram ter consumido álcool até duas horas antes do acidente e ter bebido cerveja ou chope, seguidos pela aguardente. E quanto à quantidade consumida, 32% informaram “até duas doses”.Prevalência de alcoolemia positiva• No conjunto das cidades, a prevalência de alcoolemia positiva foi de aproximadamente 27%. A maior delas foi verificada em Fortaleza (36,5%) e a menor em Brasília (16,3%).
    • 11 • A prevalência entre homens foi uma vez e meia da observada em mulheres. • Em relação à faixa etária, as maiores prevalências foram verificadas entre 50 e 59 anos (32,6%) e entre 40 e 49 anos (32,4%). • Em relação ao tipo de acidente, a maior prevalência de alcoolemia positiva ocorreu entre as vítimas de capotamento (46,2%), seguido pelo atropelamento (41,6%). • No fim de semana verificaram-se as maiores prevalências de alcoolemia positiva: domingo (44,5%), sábado (34,1%) e sexta-feira (22,2%). • A maior prevalência de alcoolemia positiva ocorreu nas vítimas que afirmaram consumir bebidas alcoólicas até 2 horas antes do acidente (82,3%). • Quanto ao tipo e à quantidade, o consumo de uísque, rum e similares (85,7%), seguido pela aguardente (76,3%), e de 6 a 9 doses de bebida foram mais prevalentes. • Entre as vítimas com alcoolemia positiva, a maior prevalência foi observada na faixa acima de 0,6 g/l. Gravidade da vítima • A alcoolemia positiva constitui fator de risco para determinar o grau de gravidade, avaliado pela Escala de Glasgow, em que se encontrava a vítima nas duas primeiras horas de sua chegada ao hospital ou nos Institutos Médico Legais. As vítimas com alcoolemia positiva têm uma chance aproximadamente cinco vezes maior de sofrer um trauma de moderado ou grave do que aque- las com alcoolemia negativa (OR=4,72; IC95% 2,93-7,61; p<0,0001). • A alcoolemia positiva constituiu fator de risco para determinar o grau de gravidade avaliado pela letalidade nas primeiras 24 horas após o acidente. As vítimas com alcoolemia positiva têm uma chance aproximadamente cinco vezes maior de morrer nas primeiras 24 horas do que aquelas com alcoolemia negativa (OR=4,54; IC95% 2,53-8,17; p<0,0001). • O modelo de regressão logística revelou que o atropelamento, o capotamento e a colisão e a alcoolemia positiva constituem fatores de risco para a gravidade do trauma, seja ele avaliado pela Escala de Glasgow ou pela ocorrência de óbito nas primeiras 24 horas. Já o não uso de equipamentos de segurança só constituiu fator de risco para o primeiro desfecho.
    • 11Perfil dos acidentes de trânsito segundo características das vias e dos veículos na cidade doRecife• Todas as informações coletadas sobre as vias e os veículos na cidade do Recife foram repassa- das pelos agentes de trânsito da CTTU ou pelos técnicos do IC.• Em um período de 16 dias, compreendido entre as 19h do dia 22 de maio e as 19h do dia 07 de junho de 2009, ocorreram 936 acidentes de trânsito nas ruas e avenidas da cidade do Recife. A maioria dos acidentes aconteceu envolvendo automóveis e similares (763), seguida de motoci- cletas (158) e, por último, bicicletas (17).• Também houve uma maior concentração dos acidentes nos fins de semana (entre a sexta-feira e o domingo).• O tipo de acidente mais frequente foi a colisão envolvendo os diversos tipos de veículos: 60,4% de automóveis e similares; 52,2% de motos; e 76,4% de bicicletas.• O número de pessoas envolvidas nestes acidentes foi de 1.297 pessoas. Destas, 394 (30,4%) foram vítimas (fatais e não fatais). Do total geral das pessoas envolvidas, pelo menos 235 pes- soas (18,1% considerando apenas o condutor) evadiram-se após o acidente tornando impossí- vel obter informações sobre as mesmas.• Em relação à condição da vítima na hora do acidente, entre as não fatais, a maioria foi de moto- ciclistas (32%) seguidos pelo grupo de motoristas (30,1%). Entre as vítimas fatais, o maior per- centual foi de motociclistas (31,3%) seguidos de passageiros de motos (25,1%) e logo depois os pedestres e os motoristas (ambos com 12,5%).• Quanto aos equipamentos de segurança: cerca de 91,7% dos automóveis não possuíam air bag; 32,6% não possuíam protetores de cabeça nos bancos traseiros e em 7,5% dos casos faltava cinto de segurança em pelo menos um dos assentos. Em relação aos pneus, 6,4% dos automóveis apresentaram pelo menos um pneu em condição precária. Em 3,5% faltava o espe- lho retrovisor e 1% não possuía extintor de incêndio. Na avaliação feita nos equipamentos das motocicletas registrou-se que 11% não possuíam buzina; 9% encontravam-se sem a lanterna traseira; 13,2% não tinham luz de freio; 13,2% apresentavam os pneus em condições precárias e 14,6% registravam ausência de espelhos retrovisores.
    • 11 • Não foi possível fazer a verificação desses equipamentos em 136 veículos por diversos motivos, entre os quais destacamos a “fuga” de um dos veículos envolvidos nos acidentes. • Quanto ao cenário, 59% dos acidentes com veículos ocorreram ao longo de vias, assim como 62,6% dos acidentes com motocicletas e 88,2% dos que envolveram bicicletas. A maioria dos acidentes, com todos os tipos de condução, foi registrada em vias arteriais de trânsito com mão dupla. • Em relação aos fatores viários, foi registrada a boa situação em que as vias se encontravam (79,1%), com o pavimento tipo asfalto (83,9%) e com a iluminação adequada. Um dos fatores preocupantes foi a superfície das vias, que se encontravam molhadas ou alagadas em 35% dos casos de acidentes. • Os fatores ambientais, entre eles a condição do tempo e a visibilidade, também se encontravam em situações consideradas boas. Perfil dos acidentados • Do total de pessoas envolvidas nos acidentes de trânsito, 394 (30,4%) tornaram-se vítimas. Des- sas, dezesseis pessoas (3,8%) morreram. Na maioria dos casos de óbitos, nove vítimas (60% do total) estavam utilizando moto; três (20%) estavam em automóveis; duas (7%) estavam de bicicletas e as outras restantes (13%) foram atropeladas. • Em relação ao sexo, a maioria das vítimas (fatais e não fatais) era do sexo masculino, sen- do 79,3% dos motoristas de automóveis; 97,5% dos motociclistas; 52,5% dos passageiros de moto; 82,4% dos ciclistas; e 69,4% dos pedestres. A predominância do sexo feminino encontra- va-se na condição de passageiro dos automóveis (58,8%). • A faixa etária de maior prevalência dos motoristas e pedestres envolvidos nos acidentes foi entre 30 e 39 anos, enquanto a prevalência da faixa etária dos motociclistas e ciclistas e dos passa- geiros de automóveis, motos e bicicletas foi entre 20 a 29 anos de idade. • Quanto à procedência das vítimas, 52,5% dos motoristas, 42,4% dos motociclistas e 64,4% dos ciclistas estavam em atividade de trabalho. Desses, 28,9% dos motoristas e 32,4% dos motoci- clistas e ciclistas não tinham carteira de trabalho assinada. E 9,5% dos motociclistas não tinham carteira de habilitação.
    • 11• Em relação aos equipamentos de segurança: 6% dos motoristas e 37,5% dos passageiros não usavam cinto de segurança na hora do acidente; 5,4% dos motociclistas e 5,6 dos pas- sageiros de moto se encontravam sem capacete e nenhum ciclista e garupa de ciclista usava capacete.• A infração mais cometida pelos motoristas de automóveis e similares foi o desrespeito à dis- tância mínima entre os veículos e em relação aos motociclistas foi o excesso de velocidade, segundo as informações dos agentes de trânsito.• A utilização dos serviços de atendimento pré-hospitalar para remoção das vítimas de acidentes de trânsito, apesar de ter a maior presença do SAMU e do Corpo de Bombeiros, apresentou comportamento diferenciado entre as vítimas, a saber: 67,2% dos motoristas; 71,7% dos pas- sageiros de automóvel; 93,4% dos motociclistas; 100% dos passageiros de moto; 92,3% dos ciclistas e 91% dos passageiros de bicicleta foram removidos pelo SAMU e Corpo de Bombei- ros, seguido da remoção em carro particular.• O tempo decorrido entre o acidente e a chegada do atendimento pré-hospitalar ao local variou entre 21 a 30 minutos para os pedestres, motociclistas e passageiros de automóvel e de moto, e mais de 30 minutos para os motoristas e ciclistas.Consumo de Álcool• Para verificação da alcoolemia, foi solicitado pelos agentes de trânsito o uso do etilômetro. En- tretanto, esta solicitação não foi feita à maioria das pessoas e, quando solicitada, boa parte se negou a fazer o teste. Também houve uma pequena tentativa para que os pedestres fizessem uso do instrumento.• Das 1.062 pessoas envolvidas nos acidentes de trânsito na cidade do Recife a que os agentes de trânsito tiveram acesso, apenas a 102 (9,6%) foi solicitado o uso do bafômetro.• Das 102 pessoas que foram solicitadas a fazer uso do bafômetro, só 39% concordaram em fazer o teste. Entre estas, os motociclistas apresentaram o maior percentual de alcoolemia po- sitiva (74,8%), seguidos dos motoristas (65,9%).• Entretanto, 10,6% dos condutores (motoristas, motociclistas e ciclistas) e 35,7% dos pedestres apresentavam sintomas e sinais de que tinham consumido algum tipo de bebida alcoólica.
    • 11 RECOMENDAÇÕES Acreditamos que os resultados expostos neste trabalho não apenas assinalam as necessidades como também acenam para as prioridades que devem ser consideradas e incorporadas nas polí- ticas para a diminuição dos acidentes de trânsito no Brasil. Resumimos em sete tópicos ou reco- mendações as contribuições mais significativas que conseguimos abstrair a esse respeito. • Integrar as políticas públicas e comprometer a sociedade. Parece ter se esgotado a ênfase dada aos acidentes de trânsito como um problema de segurança e/ou de saúde pública. O trânsito e os seus acidentes constituem um sério problema para as políticas públicas em geral e para a sociedade abrangente. Eles são permeados por questões políticas, econômicas, so- ciais e culturais e se relacionam com a subjetividade humana, com as relações de poder e de conflitos, evidenciando as desigualdades e as contradições da nossa sociedade. Portanto, o trânsito tem de ser visto e pensado a partir da integração das políticas de educação e cultura, de segurança e justiça, de saúde, de ecologia, de economia, de engenharia, entre outras. E como espaço de igualdade, de cidadania e de democracia. • Considerar o consumo de bebidas alcoólicas pelos diversos atores do trânsito. Foi evidencia- do neste estudo o equívoco em tratar com quase total exclusividade o problema do consumo de bebidas alcoólicas apenas pelos condutores de veículos. Está cientificamente comprovado que o álcool não combina com direção e que o veículo torna-se uma arma poderosa nas mãos de um condutor alcoolizado para matar ou morrer. A legislação brasileira atual está correta em punir severamente os motoristas que dirigem com determinado nível de alcoolemia. Entretanto, é necessário considerar os outros atores do trânsito: pedestres, ciclistas e passageiros que, sob efeito do álcool, arriscam igualmente as suas vidas nas vias públicas, uma vez que não têm conhecimentos necessários sobre os riscos causados pela bebida. O atropelamento é uma das principais causas de morte no trânsito e na maioria das vezes é o pedestre que está alcoolizado e se coloca em situação de risco por não ter condição de avaliar a distância e a velocidade dos veículos, também pela falta de equipamentos de segurança e de orientação adequada. Outras ocorrências foram descritas ao longo deste relatório e corroboram com a necessidade de inter- venções educativas sobre álcool, trânsito e seus diversos usuários. • Avaliar melhor as condições dos veículos e das vias. Outro erro visto neste estudo é o papel preponderante dado aos fatores humanos nas análises dos acidentes de trânsito. É incontestá- vel que a imprudência, a imperícia, o estresse, a transgressão, o consumo de drogas e a fadiga,
    • 11 entre outros fatores humanos, contribuem direta e indiretamente para o desfecho do acidente de trânsito. Porém é preciso avaliar também as condições das vias de circulação e as condições dos veículos. Raros são os estudos nacionais e internacionais que abordam os três fatores que determinam o acidente: o indivíduo, a via e o veículo. Com a decisão política dos gestores pú- blicos de reduzir a violência e os acidentes nas vias públicas é necessária e urgente a realização de estudos mais abrangentes que contemplem os três fatores e que impliquem igualmente, não só os cidadãos brasileiros, como também as indústrias automobilísticas e os governos federal e estaduais, na melhoria e na segurança dos veículos e das vias de circulação: ruas, avenidas, estradas e BRs. Como vimos, este estudo apresentou algumas sérias deficiências na avaliação dos fatores vias e veículos.• Investir na formação dos agentes de trânsito. A pesquisa reforça a necessidade do investimen- to na formação ampla dos agentes de trânsito para que de fato consigam transcender a função repressora e passem a ocupar um lugar de respeito e a exercer a autoridade que lhes compete. É também preciso uma maior disposição e comprometimento para o exercício da função. A aplicação da Lei 11.705, em algumas situações, exige alguns desdobramentos como ida à de- legacia, ao IML, etc., que nem sempre são cumpridos pelos agentes. É preciso entender melhor o baixo índice de solicitação do uso do etilômetro, pelo menos no período da realização deste estudo.• Dedicar maior atenção ao uso de equipamentos de segurança. A educação e a fiscalização são elementos necessários para que não se deixe passar despercebido um assunto dos mais importantes para o trânsito: os equipamentos de segurança. Começando pelo item mais básico de todos, que é o cinto de segurança. Item essencial para assegurar a integridade física de todos os que estão no automóvel e cujo uso, por lei, é obrigatório. Vimos que boa parte das vítimas de acidentes, neste estudo, não usavam o cinto, estando na condição de motorista ou de passageiro. Um item também básico, essencial e obrigatório é o capacete para motociclis- tas, ciclistas e passageiros. Também registrou-se neste trabalho um percentual considerável de vítimas que não fazia uso desses equipamentos no momento do acidente.• Priorizar a formação/educação do pedestre. Como não existem acessórios ou equipamentos que protejam os pedestres, eles precisam aprender a caminhar com segurança no trânsito. É necessário que sejam informados e educados para seguirem algumas regras básicas de comportamento, entre elas o respeito às placas, faixas e sinalizações. Por outro lado, também
    • 10 é preciso o investimento na construção de equipamentos de proteção nas cidades, como ilhas de retenção, passarelas, faixas de pedestres, entre outros, e principalmente, calçadas seguras e conservadas. • Por fim, aperfeiçoar o atendimento pré-hospitalar. É incontestável o avanço, a qualidade e a importância do serviço pré-hospitalar no atendimento às vítimas de acidentes de trânsito. Entre- tanto, é importante avaliar o tempo igual ou superior a 30 minutos decorrido entre a chamada e a chegada do serviço ao local do acidente. Sem colocar em xeque a qualidade, a rapidez no atendimento também é vital. Encerramos este relatório chamando a atenção para a necessidade de pesquisas complementares que possam auxiliar em intervenções mais adequadas para a diminuição das mortes e sequelas decorrentes dos acidentes de trânsito no Brasil. Neste estudo foi empreendida uma primeira aproxi- mação com os fatores que direta e indiretamente contribuem para o acidente: o indivíduo (vítima), a via e o veículo. As informações e recomendações extraídas do inquérito ficarão, por certo, enrique- cidas com a continuidade das investigações, incluindo-se uma abordagem qualitativa com grupos focais e entrevistas em profundidade com as pessoas envolvidas nos acidentes, assim como com as vítimas. Apesar das limitações que enfrentamos, estamos confiantes de que este estudo oferecerá uma contribuição positiva para os gestores da saúde e do trânsito e para a sociedade brasileira como um todo. O Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira – IMIP espera, a partir de agora, colaborar com os estados e municípios nos desdobramentos deste trabalho, colocando-se à disposição para a discussão dos resultados e a busca conjunta de alternativas que melhorem a qualidade do trânsito no país.
    • 11Equipes de apoio Renato Sant’Ana Albuquerque Roger Beraldo Vieira Rubem Alves da Silva Neto Thabata Arnaud Rocha Chagas Tiago Magalhães Cardoso Vanderley Kreyne Queiroz Gomes Vitor Emanuel Pires MontenegroEquipe de Entrevistadores Fortaleza:Manaus: Alisson Salatiek Ferreira de FreitasAdalberto Caoru Haji Junior Alysson Freitas de SalesAdam Lavor Litaiff Anuzia Lopes SaundersAlex Gonçalves Sá Caio Fábio Miranda de OliveiraAlexandre Alan de A. Costa Camila de Lima BoaretoAline Lury Hada Carla Vieira Campos RosaAluylson Ávila da Silva Claudia Miranda de OliveiraAna Carolina Lopes Belém Fabiana Aguiar Carneiro SilvaAna Carolina Ribeiro do Amaral Scariot Joelma Freire FerreiraAndré Luiz Scariot Laysa Mineelle Távora de BritoAndréa Guerreiro Machado Lueyna Silva CavalcanteClaudia Cristina Conde Holanda Marina Barros FrançaDanilo Monteiro Vieira Monalisa Emilenne Nunes RibeiroDiego Henrique Lopes Pires Orietha dos Reis SantiagoDiego Monteiro de Carvalho Vitor Sarmento MesquitaDouglas Muniz Dias Yarla Cristine Santos Jales RodriguesFidel Silveira LealJean-Michel Dössegger Recife:João Marcelo Rodrigues Genu Hospitais e IMLJoão Pedro Gonçalves Figueira Adeline Juvêncio de SiqueiraJoão Pedro Gonçalves Figueira Adriana Morgon KrymLetícia Suzue O. Kabashima Alice Abath LeiteLorraine Atala Alida Suellen Gimenes de Oliveira NalonLuciane Sayuri Neves de O. Hagiwara Aline Jurema Gesteira CostaLuiz Fernando Junges Filho Álvaro Gonçalves da Costa Lima NetoLuiziane Maria da Silva Alves Amanda Queiroz da Mota SilveiraMarcelo Henrique dos Santos Antônio José Oliveira de Albuquerque QueirozMarcelo Lins Gomes Brasil Caio Maciel de AlbuquerqueMarco Rodrigo Valdívia Sanz Camila Barbosa Lyra de OliveiraPaulo Eugênio do Val Tavares Carlos Diego Alves BernardoPaulo Inácio Alves Ramos Diniz Carolina Albanez de Albuquerque da Cunha AndradePhilippo Maciel Brasil Carolina Lima Coelho TeixeiraRebeca Aparecida dos Santos Di Tommaso Dafne Barcala Coutinho do Amaral Gómez
    • 1 Daniela Raposo Vieira de Oliveira Alisson Nascimento da Silva Eduardo Vieira Akel Anderson Sousa Moreira Everdelina Vanessa Andrada de Souza Andréa de Brito Feitosa Francisco Candido Monteiro Cajueiro Andreza Cristina de Almeida Santos Gabriela Ferreira Lima Antônio de Pádua César da Silva Giovanna Araújo Nunes de Souza Clarissa Ribeiro Souza de Faria Neves Guilherme da Conti Oliveira Sousa Claudia Verônica Pinto Soares Gustavo Carvalho Barbosa e Silva Cristiana Menezes Almeida Hudson Felipe Oliveira de Vasconcelos Cynthia Maria Gomes de Biase Igor Pelinca Calado Deysyelle Pereira Basílio Isabella Veloso Chaves Ferreira Deyvison Douglas de Melo Julyanne Luize de Lima Rios Diego Anderson Ferreira Coutinho Kaio Santos Soares Eliane Pereira Santos Laís Moreira Medeiros Ericka Paz de Melo Leonardo Pontual Lima Fabíola Barbosa Ramos Lícia Moreira Medeiros Fabrício Souza Landim Lídia Cardoso de Siqueira Fernanda Torres y Pla Trevas Luisa Pessoa Rocha de Medeiros Filipe Henrique de Souza Nogueira Manuela Tenório Cardoso Geovana Melo de Góes Araújo Marcela Austregésilo de Medeiros Gilka Melo Góis Albuquerque Maria Fernanda Veloso Chaves Ferreira Irandir Luiz de Lima Maria Lúcia de Mendonça Barbosa José Lamir Soares de Verçosa Mariana Matozo de Albuquerque Juliana Maria Moura Nascimento Silva Marina de Farias Vieira Kátia Cavalcante Feliciano Nadja Teles Linhares Krishna Araújo Ribeiro Pessoa Nicole Barbosa Rodrigues dos Santos Laura Cavalcanti Freire Priscila Georgete Camelo de Valois Correia Leonildo Pereira de Souza Rafael Albanez de Albuquerque da Cunha Andrade Lia Maia Maciel Rebeca Gonelli Gonçalves Luciana Lins de Carvalho Rocha Renata Hirschle Galindo Maíra Darlen de Figueiredo Lira Ricardo Cavalcante Maranhão Malu Marques Melcop Sophia Vecenzzi Zanatta Valentini Márcia de Mello Silva Tamashy Oliveira Costa Fava Maria Lucia Freire Thiago Canto Iunes de Souza Marília Gabriella Torres de Andrade Tiago Cerqueira Lima Nogueira Marylia Paula de Lima Vasconcelos Maryvânia Patrícia de Lima Vasconcelos Via e Veículo Otávio Alexandre da Silva Adrianne Pereira Soares Silva Patrícia de Freitas Adriano dos Santos Rodrigues Renata Barreto Fernandes de Almeida Agildo Borges de Medeiros Sobrinho Renata Lima de Oliveira Alda Maria Tavares de França Saint-Claer Celestino Angeiras Aline Albuquerque Sampaio Sergio Luiz de Oliveira Dupont Junior
    • 1Tamy de Paula Souza Cinthia Pires VelanoTarcilla Sousa Moreira Daphnne C. VeraTatiana dos Santos Cabral Eliana A. I. CanutoThames Bruno Bezerra Cavalcanti Fabiana dos SantosTiago Rivail Bione Sales Alves Fabricio Fornazzaro Felipe Zuchini MunizBrasília: Fernanda Yumi KonnoAdilson de Souza Jorge Fernando A. IrahaAlaine Alves Bezerra Fernando Scapucin RamalhoAlanderson Alves Bezerra Gisele Cristine StoraiAmanda Almeida da Silva Graziele Lima NobregaAna Carla Sousa da Silva Heloisa Mussato F. da CruzCaroline de Santana Barbosa Henrique BrognaClarice Moreira da Silva Neta Henrique C. CassianoConsuelo Ferreira Sabiá Henrique Cesar BerniDébora Tavares da Silva Veras Janaina Cruz SilvaEdianny dos Reis Silva Jaqueline Fugita da SilvaEmanuella Crizy Magalhães Vieira João Guilherme BertacchiFlávia Cristina Marcelino Lara João Paulo S. DomeniFlorentino Resende Lopes Jucilene Pereira da SilvaGardênya Virgínia de Medeiros Araújo Juliene Cezario da SilvaJordecina Kadige Granca Mariano Jussara Carvalho dos SantosJosiana Glaêe Moura Borges Leticia Cavalcanti LimaKaísa Raiane dos Santos Silva Luis Roque Guidi JuniorKatiuscia Ribeiro da Silva Duailibe Luiza Hama AlvesLauro Alexandre Mendes Luzinete Quintino da FonsecaLorraine Hellen Gomes Ferreira Mara Regina Fonseca KassugaLuana Dias da Cunha Marco Antonio Real dos SantosMarília Mirelle Reis Costa Maria do Socorro DantasPollyana Barreira Parente Marilia Dias SilvaRailene Maia de Oliveira Araujo Murilo Renato M. MachadoTatiany Bernardes Rabelo Paulo Rodrigues AndradeZíphora Phierina Rodrigues Fragoso Rafael Latorraca Ricardo Soares GuimaraesSão Paulo: Rita de Cassia da Silva MeloAmanda C. Cadamuro Roberto Jorge SalomãoAna Paula Cardoso de Oliveira Rodrigo M. GarciaAndrea Grieco Rubia Cristina MattosAngela S. de L. Ribeiro Samirah Hosney Mahmoud MohamedAurora Moreira Martinez Simone Maria ConceiçãoCarla Ribeiro de Souza Thiago Fernandes N. LimaCarolina Zen Jannes Vanessa Oliveira dos Santos
    • 1 Vitor Asseituno Morais Maria Lúcia Freire Curitiba: Mariana Matoso de Albuquerque Adriano Ademir Strugala Renata Barreto Fernandes de Almeida Alithéia Karla da Silva Renata Hirschle Galindo Andrea Orrico Camacho Rúbia de Oliveira Patú Bruna Martins Dzivielevski Sofhia Vecenzzi Zanatta Valentini Carla Fabiane da Costa Tarcilla Sousa Moreira Dayane Reinhardt Scuissiato Tiago Cerqueira Lima Nogueira Donata Franciele Cruz Ewerson Luiz Cavalcanti e Silva Fernanda de Carvalho e Silva Trevisan Equipe de Epidemiologia: Fernanda Stella Ferreira Martins Felipe Machado Duarte Graziela Giacometti Fermino Maria Lindomar da Silva Guilherme Antônio da Rosa Falcão Ingrid Arana Rodrigues João Augusto Nocera Paulin Digitação: João Felippe Mendes Juliana Maria Trevisan Maranho Valdisia Teles da Costa Letícia Mayer Alves da Silva Antônio Djair Agripino de Melo Mariana Costa Moura Mariana Letícia Padilha Diagramação e Arte dos questionários e manuais: Mayra Galindo de Almeida Pinto Paola Tamara Silva Zakszewski Clarissa Sóter Paula Cristina dos Santos Brodiziak Raquel Yukie Casado Simone Colxa Noveli Apoio: Soraia Cristina Pires Luís Roberto de Barros Tânia da Silva Vieira Gledson Oliveira de Araújo Valentina Chiara Bistoufi do Amaral Safira Lacerda Costa Codificadores: Andrew Morais Carlos Diego A. Bernardo Carlos Alberto Duarte de Souza Clarissa Ribeiro Souza de Faria Neves Daniela Raposo Vieira Fabíola Barbosa Ramos Francisco Candido Monteiro Cajueiro Juliana Rodrigues de Lima Lucena Lia Maia Maciel Maria Lúcia Barbosa
    • 1Bibliografia• ANDRADE, S. M.; SOARES, D. A.; BRAGA, G. P MOREIRA, J. H.; BOELHO, F. M. N. Comportamento de .; risco para acidentes de trânsito: um inquérito entre estudantes de medicina na região sul do Brasil. Revista Associação Médica Brasileira, v. 49, n. 4, p. 439- 444, 2003.• BARQUÍN, J.; LUNA, J. D.; HERNANDÉZ, A. F. A controlled study of the time-course of breath alcohol concentration ofter moderate ingestion of ethanol following a social drinking session. Forensic Science International, v. 15, p. 230-235, 2008.• BENINCASA, M.; REZENDE, M. M. Percepção de Fatores de Risco e de Proteção para Acidentes de Trân- sito. Boletim de Epidemiologia, v. LVI, n. 125, p. 241-256, 2006.• BLINCOE, L & Cols. The economis impact of motor vehicle crashes, 2000. Washington, DC, Dept of trans- portation, 2002.• BRASIL, P.D.R. Código de Trânsito Brasileiro – Lei 11.705 de 19 de junho de 2008. Diário Oficial da Repú- blica Federativa do Brasil, 2008.• BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa Envolvendo Seres Humanos. Resolução 196/96. Diário Oficial da união 16/10/1996.• BRASIL. Resolução RE nº 899. Guia para validação de métodos analíticos e bioanalíticos. IN: Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial da União, Brasília, 2003.• CALAFAT FAR, A.; ROIG, D. A; JEREZ, M. J.; FRANZKE, N. T. B. Relación del consumo de alcohol y drogas de los jóvenes españoles con la siniestralidad vial durante la vida recreativa nocturna en tres comunidades autónomas en 2007. Revista Espanhola Salud Pública, n. 3, p. 126-9 2008.• CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Motor vehicle safety - A 20th century public health achievement. MMWR, 1999.• CENTRO DE PREVENÇÃO ÀS DEPENDÊNCIAS. Sem Preconceitos: um guia sobre o consumo de drogas para profissionais, usuários e curiosos. Recife, Centro de Prevenção às Dependências, 2002.• CHALUB, M.; TELLES, L. B. Álcool, Drogas e Crime. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 28 (Supl II), p. S69- 73, 2006.• CLOTET, J ET AL. Consentimento informado e a sua adequação na assistência e pesquisa no Brasil. 1.ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000.• CLOTET, J ET AL. O Consentimento informado nos Comitês de Ética em pesquisa e na prática médica: conceituação, origens e atualidade. Bioética. P 51-59, 1995. .• DaMATTA, R.; VASCONCELLOS, J.G. e PANDOLFI, R. Fé em Deus e pé na tábua ou como e por que o trânsito enlouquece no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.
    • 1 • DETRAN/PE – Frota de veículos registrados – 2010 a 2011. • DETRAN/PE & INSTITUTO RAID. Pesquisa sobre o consumo de álcool e condução de veículos. Recife, 1996. • DETRAN/PE & INSTITUTO RAID. Pesquisa sobre o impacto do uso de álcool e outras drogas nas vítimas de violência e de acidentes de trânsito no período de carnaval. Recife, 1997. • DETRAN/PE & INSTITUTO RAID. Pesquisa sobre o uso de álcool e outras drogas nas rodovias do estado de Pernambuco. Recife, 1997. • EENSOO, D.; PAAVER, M.; HARRO, M.; HARRO, J.Predicting drunk driving: contribution of alcohol use and related problems, traffi c behaviour, personality and platelet Monoamine Oxidase (MAO) activity. Alcohol & Alcoholism, v. 40, n. 2, p. 140-6, 2005. • ESCOHOTADO A. Historia general de las drogas. 3a ed., Madrid, Espasa, 2000. • ESCOHOTADO A. Historia elemental de las drogas. Barcelona, Anagrama, 1996. • FERREIRA, S. E.; MELLO, M. T; FORMIGONI, M. L. O.. O efeito de bebidas alcoólicas pode ser afetado pela combinação com bebidas energéticas? Um estudo com usuários. Revista Associação Médica Brasileira, v. 50, n. 1, 2004. • GALDURÓZ, J.C.F.; CAETANO, R. Epidemiologia do uso de álcool no Brasil. Revista Brasileira de Psiquia- tria. N.262004. p. 3-6. • GOLDIM, J.R. O consentimento informado numa perspectiva além da autonomia. Revista AMRIGS, v. 46, n. 3,4 p. 109-116, 2002. • IPEA/ANTP Impactos sociais e econômicos dos acidentes de trânsito nas aglomerações urbanas brasilei- . ras. Brasília: Relatório Executivo, 2003. • KAPLAN, C. P; NAH, G.; PÉREZ-STABLE, E. J. Problemas relacionados con el consumo de alcohol en jóvenes de la provincia de Jujuy, Argentina. Salud Publica México. v. 50, p. 300-7, 2008. • MACIEL, C.; KERR-CÔRREA, F. Complicações psiquiátricasdo uso crônico do álcool: síndrome de absti- nência e outras doenças psiquiátricas. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 28 (supl. I), p. 47-50, 2006. • MARGOLIS LH & Cols. Alcohol and motor vehicle – related deaths of children as passemgers, pedestrians, and bicyclists. JAMA, 2000. • MARLATT, A. G. Redução de Danos: estratégias práticas para lidar com comportamentos de alto risco. Porto Alegre, Artes Médicas, 1999. • MAURER, H. H. Current role of liquid chromatography-mass spectrometry in clinical and forensic toxicolo- gy. Analytical and Bioanalytical Chemistry, 2007. • MEDEIROS, G. W; MASCARENHAS, M. A. Relação do consumo de álcool e acidentes de trânsito. Revista Ciência em Movimento nº 20; 2008. • MELCOP A.G.; OLIVEIRA, E.M. Álcool e trânsito. Recife: Ministério da Justiça /CONFEN, 1997. , • MELCOP A.G.; OLIVEIRA, E.M. NERY FILHO; A. MEDINA, M.G;. Impacto do uso de álcool e outras drogas , em vítimas de acidentes de trânsito. Brasília: ABDETRAN, 1997.
    • 1• MINISTÉRIO DA SAÚDE. Redução da morbimortalidade por acidentes de trânsito: mobilizando a socieda- de e promovendo a saúde. MS; Brasília, 2006.• MINISTÉRIO DA SAÚDE. Vigitel Brasil 2007: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crôni- cas por inquérito telefônico. MS, Brasília, 2009.• MINISTÉRIO DA SAÚDE. Viva: vigilância de violências e acidentes. MS, Brasília, 2009• MINISTÉRIO DAS CIDADES. DENATRAN, 2010.• MODELLI, M.E. S.; PRATESI, R.; TAUIL, P L. Alcoolemia em vítimas fatais de acidentes de trânsito no Dis- . trito Federal, Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 42,n. 2, p., 2008• MODERNELL, R. Cinco mil anos de loucura no trânsito. Quatro Rodas. v. 3121989. P 44-49. .• NERY FILHO, A, MEDINA, M.G. Estudo da alcoolemia numa amostra da população urbana de Salvador. CETAD, Bahia, 1995.• ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Beber e Dirigir: manual de segurança de trânsito para profissionais de trânsito e de saúde. Genebra, Global Road Safety Partnership, 2007.• ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Global Status Report on Alcohol. Geneva: OMS, 2004• PEDEN, M. et al. World report on road traffic injury prevention. World Health Organization, 2004.• QUILAN KP & Cols. Characteristics of child passenger deaths and injuries involving drinking drivers. JAMA, Abstract, 2000;• SEIBEL, Sérgio. Dependência de Drogas. São Paulo, Editora Atheneu, 2010.• SILVA, J.M.R. Análise das ações preventivas executadas pelo DETRAN/AM na cidade de Manaus durante o carnaval dos anos de 2007 e 2008: um estudo de caso. (tese de mestrado), Universidade do Estado do Amazonas, 2008.• SILVEIRA, DARTIU E MOREIRA, FERNANDA. Panorama Atual de Drogas e Dependências. São Paulo, Edi- tora Atheneu, 2006.• TOSCANO A. Um breve histórico sobre o uso de drogas. In: Dependência de Drogas. São Paulo, Atheneu, 2000.• TRAFIIC SAFETY FACTS, 1998. Washington, DC, Dept of transportation, 1999.• VASCONCELLOS, E.A. Transporte e meio ambiente: conceito e informações para análise de impacto. São Paulo: Autor, 2006.• VASCONCELLOS E. A. Transporte urbano, espaço e equidade – análise das políticas públicas. São Paulo, Unidas, 1996.• VASCONCELLOS E.A. O que é trânsito. São Paulo, Brasiliense , 1998.
    • 1