Your SlideShare is downloading. ×
0
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Rafael klappenbach cases i associats
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Rafael klappenbach cases i associats

75

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
75
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. FLUJOSDETRABAJO ENLASEMPRESAS PERIODÍSTICAS RafaelKlappenbach rafaelk@cases-assoc.com cases i associats
  • 2. OPTIMIZACIÓNDELOS FLUJOSDETRABAJO ENLASEMPRESAS PERIODÍSTICAS cases i associats InstitutodePrensadelaSIP BuenosAires,julio29de2012
  • 3. NOTICIA cases i associats
  • 4. ¿QUÉES NOTICIA? P: cases i associats
  • 5. CONTENIDOSQUE ESTÁNDISPONIBLES ENVARIOSSITIOS R: cases i associats
  • 6. ¿YQUÉES CONTENIDO? P: cases i associats
  • 7. periodista Publicaciones de referencia Publicaciones populares Publicaciones de interés general lectores { Valores editoriales importante interesante contenido relevante no relevante hecho = VALORES DE LA MARCA cases i associats
  • 8. tiempo profundidadhecho CICLODELCONTENIDO Flashes Livereporting Consolidaediciónimpresay unappenriquecido Másdetalles Primerasreacciones Agregavalor Consolidaedicióndigital cases i associats
  • 9. tiempo profundidadhecho Flashes Livereporting Consolidaediciónimpresay unappenriquecido Másdetalles Primerasreacciones Agregavalor Consolidaedicióndigital Lapropiarepercusiónse transformaennoticia AUDIENCIAYREDESSOCIALES cases i associats CICLODELCONTENIDO
  • 10. tiempo profundidadhecho Flashes Livereporting Másdetalles Consolidaedicióndigital Agregavalor Consolidaediciónimpresay unappenriquecido +Livereporting +Másdetalles AUDIENCIAYREDESSOCIALES Larepercusiónenelentornodigital reconduceelciclodecontenido. Larelevanciadeestecontenidoseda porelabordajeyelenfoquepropios,o seaporlosvaloresdelamarca. cases i associats CICLODELCONTENIDO
  • 11. tiempo profundidadhecho Flashes Livereporting Másdetalles Primerasreacciones Agregavalor Consolidaedicióndigital Consolidaediciónimpresay unappenriquecido +Livereporting +Másdetalles AUDIENCIAYREDESSOCIALES cases i associats CICLODELCONTENIDO
  • 12. tiempo profundidadhecho cases i associats CICLODELCONTENIDO ESTADOSOB CENSURAHÁ 229 DIAS.PÁG. A10 Planeta Carvão vegetal até 2013 0h Lula recua e muda plano de direitos humanos IsraelrejeitapressãodosEUA, Hillaryprotestaecrisepiora Palestinos realizam ‘dia de fúria’ em Jerusalém, enquanto Lula, na Cisjordânia, vê disposição para diálogo Fora do cargo, Dilma poderá ir a inaugurações TRE cassa Arruda por infidelidade Aéreas podem ter até 49% de capital externo CELSO MING PAULO VANNUCHI MINISTRO DE DIREITOS HUMANOS “Só publicaremos novamente o programa após construir largos consensos” JULIO MESQUITA 1891 - 1927 RUY MESQUITA Diretor Tempo na capital 26˚ Máx. 17˚ Mín. Solemuitas nuvensem SãoPaulo HOJE: 78 PÁGINAS * VER TABELA NA PÁGINA A3 DANIEL PIZA ROBERTO DAMATTA A crise nas relações entre EUA e Israel ampliou-se ontem, empanando a visita do presidente Lula ao Oriente Médio, relataocorrespondenteemNovaYork, Gustavo Chacra. O governo america- nocancelouaviagemdeseuenviadoes- pecial à região por causa da decisão is- raelense de manter a construção de ca- sas em Jerusalém Oriental. A região é reivindicadapelospalestinos,quereali- zaram protesto violento na cidade e fo- ram reprimidos. A Casa Branca exigiu queIsraelrecuasse,easecretáriadeEs- tado, Hillary Clinton, cobrou prova de queopaísquerapaz.Opremiêisraelen- se, Binyamin Netanyahu, porém, insis- tiu na construção e negou estar torpe- deando o diálogo com os palestinos. Diante do mal-estar, Hillary reafirmou “o absoluto compromisso com a segu- rança de Israel”, e Netanyahu se disse “comprometido com a paz”. Enquanto isso, Lula encontrou-se com o governo palestino – que, na avaliação do Itama- raty, ainda confia no diálogo, informa a enviadaespecialDeniseChrispimMa- rin. INTERNACIONAL / PÁGS. A12 a A14 Caderno2 A hora de Warhol Mostra na Estação Pinacoteca reunirá 170 obras do artista O presidente Lula mandou alterar vá- rios pontos do decreto que instituiu o terceiroProgramaNacionaldeDireitos Humanos,objetodecríticasgeneraliza- das.Serãomodificadosoartigoquelega- lizaoaborto,oquevetasímbolosreligio- sos em locais públicos e o que prevê a necessidade de ouvir invasores de ter- ras no cumprimento de decisões judi- ciais sobre conflitos agrários. O minis- tro Paulo Vannuchi (Direitos Huma- nos)dissequeéumanovafasedediálo- go sobre o programa. NACIONAL / PÁG. A7 Cinismo e indignação No Brasil, ser puro é perigoso e a canalhice não produz vergonha, mas indignação! CADERNO2 / PÁG. D14 Manipulação do câmbio Pela primeira vez, EUA usam o argu- mento de que a China faz jogo sujo no comércio com política cambial. A ofensiva tem viés protecionista. ECONOMIA / PÁG. B2 A Advocacia-Geral da União avalia que, mesmoforadogovernoapartirdeabril, apresidenciáveldoPT,DilmaRousseff, poderáiraeventosoficiaiscomopresi- dente Lula até julho. Medida é legal, di- zemministrosdoTSE.NACIONAL/PÁG.A4 Esportes O desafio de Assunção Na Libertadores, Corinthians encara o Cerro Porteño, no Paraguai, às 21h50 Apagões emSP dão multade R$ 3,2 milhões G Justificativa O rito da provocação É assim que se fazem e assim que se devolvem provocações: na bola, no correr do jogo e, com humor, nas comemorações. ESPORTES / PÁG. E2 DAN BALILTY/AP NOTAS & INFORMAÇÕES Por que retaliar os EUA O Brasil não podia esperar indefini- damente demonstração de boa vontade de Washington. PÁGINA A3 G Brasil silencia sobre Cuba O Brasil não criticou a situação dos direitos humanos em Cuba e no Irã nas sessões da ONU sobre esses casos nos últimos dias, relata o cor- respondente em Genebra, Jamil Chade. INTERNACIONAL / PÁG. A14 Sistema do Enem tem mais uma falha VIDA / PÁG. A19 METRÓPOLE / PÁG. C7 Tiger Woods diz que volta ao golfe em abril SERGIO CASTRO/AE Confronto. Policiais israelenses imobilizam manifestante palestino: no dia mais violento em meses, conflitos deixaram mais de 100 feridos Agrícola Pimentas. Fazenda em Salto cultiva da dedo-de-moça à mais ardida do mundo Perigo. Trecho urbano da Dutra em Guarulhos está entre os 15 mais críticos. METRÓPOLE / PÁG. C1 Proposta enviada pelo governo ao Congresso amplia de 20% para 49% o limite de capital estrangeiro nas companhiasaéreasbrasileiras.Otex- to facilita a autorização e a cassação de licenças. ECONOMIA / PÁG. B1 ESPORTES / PÁG. E4 OTribunalRegionalEleitoraldoDistri- to Federal cassou ontem o mandato do governador José Roberto Arruda – que sedesfilioudoDEMemdezembro–por infidelidadepartidária.OTREnãoindi- cou quem deve assumir, já que o vice renunciou.AdefesadeArruda,queestá preso,avaliarecorreraoTribunalSupe- rior Eleitoral. NACIONAL / PÁG. A8 O ministro Carlos Minc (Meio Ambiente) quer prazo até 2013 para que siderúrgicas deixem de usar carvão vegetal de áreas nativas do Cerrado. Segundo ele,odesmate“estábeirandoo descontrole”. VIDA / PÁG. A20 %HermesFileInfo:A-1:20100317: Quarta-feira 17 DE MARÇO DE 2010 R$ 2,50* ANO 131. Nº 42519 EDIÇÃO DE estadão.com.br 7 8 9 10 11 12 A FORÇA DO PARTIDO AFAXINAÉTICACHEGAAOFIM. QUEMMANDA,AFINAL?Un texto Heniet volorum et eosse dolendite nonet omnihil molla numquossimus con nonsequis consequ iandist, odis maio. TEXTO JOAO PIRES GUSTAVOLOYOLA “BCESTÁMAIS TRANQUILO QUEOMERCADO” + ENTREVISTA CASUARINA GRUPODESAMBA FAZLANÇAMENTO DONOVOCD + RIO SHOW DIÁRIODE UMAVIAGEM PELOFUTEBOL ARGENTINO + A MAIS 30 .09. 2011
  • 13. Cadaplataformatienesuspropias características. Cadaunadebepreservarsustandard dereconocimiento. Encadaunasedebeofrecerlamejor experienciaenfuncióndeestas características. cases i associats
  • 14. 2006 - THE INDEPENDENT “No news today” el diario se incorpora a RED, una marca creada por Bono Vox para apoyar el Global Fund to Fight Aids cases i associats
  • 15. 2010 - THE INDEPENDENT “A gadget to die for?” El día en que el iPad llega a las tiendas del Reino Unido, el diario denuncia las condiciones de trabajo en las fábricas asiáticas de productos electrónicos. 2012 cases i associats
  • 16. 1996 - CORREIO BRAZILIENSE “El juego de la mentira” Para comprender el lío de Clinton con la becaria. 2000 - CORREIO BRAZILIENSE Elecciones: “Quién ha salido bien parado Y quién no” cases i associats
  • 17. 1999 - CORREIO BRAZILIENSE Un día trágico en Río de Janeiro: un apagón, una inundación e incendio en el aeropuerto. 1998 - CORREIO BRAZILIENSE Brasil llega a las semifinales del Mundial. Pero la copa solo llegará en el 2002... cases i associats
  • 18. 2002 - CORREIO BRAZILIENSE “blablabla” Conversaciones de paz en el Medio Oriente entre EUA, EU y Russia FUTEBOL EXEMPLAR DEASSINANTE w w w . c o r r e i o w e b . c o m . b r Preço:R$ 1,50 Número 14.207 Nesta edição:98 páginas CORREIO BRAZILIENSE QUINTA-FEIRA Brasília,Distrito Federal,11 de abril de 2002 CLASSIFICADOS:342-1000 . ASSINATURA/ATENDIMENTOAOLEITOR:342-1111 . assinante@correioweb.com.br . www.correioweb.com.br/assinaturas . GRITAGERAL:342-1166 LONDRES,1808,HIPÓLITO JOSÉ DA COSTA BRASÍLIA,1960,ASSIS CHATEAUBRIAND BLABLABLÁ TOTAL: 16.803 Imóveis 7.719 Veículos 6.070 Empregos 513 Diversos 2.501 CLASSIFICADOS Divasdepapel Mostrareúneimagensdepin-ups,mulheresdementiraquemarcaramoséculoXX COISAS DAVIDA,PÁGINA 3 PARA HOMENS COLORIDAS, BELAS E CONFORTÁVEIS, HÁ NOVIDADES NO MERCADO DE CUECAS COISAS DAVIDA,PÁGINAS 4 E 5 TEATRO CELULARI E CACÁ CARVALHO ENCENAM SAMUEL BECKETT NA MARTINS PENA PÁGINA 32 Reunidos em Madri com o secretário de Estado dos Estados Unidos, Colin Powell, representantes da União Européia, da ONU e da Rússia conseguiram conversar muito e não decidir nada. O objetivo era encontrar saídas para a guerra entre Israel e palestinos no Oriente Médio.Todos lavaram as mãos. Agora, Powell tem de ir a Jerusalém arrancar um cessar-fogo. Será difícil. Em Haifa, cidade ao norte de Israel, atentado cometido por um palestino matou nove israelenses. TEMA DO DIA, PÁGINAS 6 A 10 EQUIPES DE RESGATE RETIRAM O CORPO DE VÍTIMA DO ATENTADO EFETUADO POR UM HOMEM-BOMBA PALESTINO NUM ÔNIBUS EM HAIFA, NORTE DE ISRAEL. NOVE PASSAGEIROS MORRERAM, ALÉM DO SUICIDA, E 13 FICARAM FERIDOS C M Y K C M Y K ADMINISTRAÇÃO Privatizaçãode cemitérioeleva preçosem300% Enterrarumparenteficoumaisca- ro nos seis cemitérios do Distrito Fe- deral. Quem gastava R$ 329,83 com umsepultamentoterádedesembol- saratéR$915pelotúmulomaissim- ples. A nova tabela de preços come- çou a valer ontem e pegou de sur- presa os brasilienses. Houve muitas reclamações contra o reajuste. PÁGINA 14 ABORTOBRASILIENSES RECORREM AO PRÓ-VIDA PARA ABORTAR FETOS MALFORMADOS PÁGINAS 18 A 20 COPA DO BRASIL BRASILIENSEVENCEOFLUPOR1XO E AGORA PODE EMPATAR NO RIO PÁGINA 40 NA EUROPA RONALDO SERÁ O TITULAR, HOJE, EM JOGO DA INTER PÁGINA 39 SUCESSÃO OPFLdizestar “nolimite” comRoseana A ‘‘greve’’ do PFL esta semana, que paralisou a pauta de votações da Câmara, pode ter sido a última demonstração de solidariedade com a ex-governadora e presiden- ciável Roseana Sarney. Os pefelistas querem vê-la explicar definitiva- mente o envolvimento nos escân- dalos da Sudam. PÁGINAS 22 E 23 ECSTASYADOLESCENTE É PRESO EM CASA, NA ASA SUL, COM 50 COMPRIMIDOS DA DROGA DA MODA EM BRASÍLIA PÁGINA 16 Reprodução Gili Nechushtan /AFP   cases i associats
  • 19. eje Page 28. En 80 ans, il s’en est passé des choses chez Ricard. 1932 - 2012. L’ A B U S D ’ A L C O O L E S T D A N G E R E U X P O U R L A S A N T É . À C O N S O M M E R A V E C M O D É R A T I O N .E C M O D É RICARDESTUNEMARQUEENREGISTRÉEDE PERNOD-RICARDS.A.–FRANCE2012 (Publicité) COMMENT DEVIENT-ON MOHAMED MERAH Au Sénégal, Sall pourrait détrôner Wade Second tour dimanche de la présidentielle. PAGE 10 Affaire Bettencourt: de Maistre écroué L’expert-comptable de l’héritière de L’Oréal a été placé en détention provisoire. PAGES 16-17 Degas, corps et femmes Le peintre a consacré une large part de son art au nu. Exposition à Orsay. PAGES 24-25 Le verdict du juge Thiel Le magistrat antiterroriste livre un bilan amer du quinquennat Sarkozy et cosigne une BD. CAHIER CENTRAL leMagPAGES 2-9 TF1.DR •1,50 EURO. PREMIÈRE ÉDITION NO9601 SAMEDI 24 ET DIMANCHE 25 MARS 2012 WWW.LIBERATION.FR IMPRIMÉ EN FRANCE / PRINTED IN FRANCE Allemagne 2,20 €, Andorre 1,50 €, Autriche 2,80 €, Belgique 1,60 €, Canada 4,50 $, Danemark 26 Kr, DOM 2,30 €, Espagne 2,20 €, Etats-Unis 5 $, Finlande 2,60 €, Grande-Bretagne 1,70 £, Grèce 2,60 €, Irlande 2,35 €, Israël 19 ILS, Italie 2,20 €, Luxembourg 1,60 €, Maroc 16 Dh, Norvège 26 Kr, Pays-Bas 2,20 €, Portugal (cont.) 2,30 €, Slovénie 2,60 €, Suède 23 Kr, Suisse 3 FS, TOM 410 CFP, Tunisie 2,20 DT, Zone CFA 1 900 CFA. cases i associats
  • 20. cases i associats Libération comunica en carta a su lector que el viernes saldrá con una edición excepcional con 3 bloques e 3 portadas en uno solo cuaderno. Así lo exigen las noticias: - La guerra en Libia - La actualidad - El desastre nuclear en Japón
  • 21. cases i associats Guerra en Libia: Información general: Tsunami
  • 22. 2010 - FRANKFURTER ALLGEMEINE Francia extradita a los gitanos rumanos. El diario afirma irónicamente: “Esta medida puede perjudicar la salud de Europa” 2010-FRANKFURTER ALLGEMEINE París defiende la extradición de los gitanos y el diario sigue con la ironía: “Sin alas, mejor un casco” cases i associats
  • 23. LASCOSASSON LOQUESON... cases i associats
  • 24. cases i associats Méxicotambém reata relaçõescom Honduras Umclássicodecara novanoPacaembu Milionáriosmiram asuplêncianoSenado No palanque, Lula oferece asilo a iraniana condenada 17 ex-colônias africanas ainda sãodependentes Dilma diz que é preciso ‘racionalizar o Estado’ Fatiado Tesouronos recursosdo BNDES crescemaisde 500% Proporção de dinheiro federal passa de 6% em 2001 para 40% em 2009 Copa 2014: desperdício à vista ESTADOSOB CENSURAHÁ 366 DIAS.PÁG. A15 DOMINGO Tempo na capital 25˚ Máx. 17˚ Mín. Chovea partirda tarde 224 PÁGINAS * VER TABELA NA PÁG. A3 TIRAGEM: 320.236 O presidente Lula disse, em comício com Dilma Rousseff em Curitiba, que oferecerá abrigo à iraniana Sakineh Ashitiani, condenada à morte por ape- drejamentoemrazãodesupostoadulté- rio.Apósterditoquenãopoderiainter- ferir porque seria “avacalhação”, Lula declarou que, se Sakineh “está causan- do incômodo” no Irã, “nós a recebería- mos” no Brasil. Dizendo que “só Deus” podetirar a vida, Lula afirmou que ape- laria ao “amigo” Mahmoud Ahmadine- jad, presidente do Irã. NACIONAL / PÁG. A8 Há 50 anos, 17 países africanos obti- nhamsua independência das potências europeias.GovernoscomoodeSenegal e o de Benin preparam eventos polêmi- cosparacomemorar,relataocorrespon- denteemGenebra,JamilChade.Maso continente continua dependente eco- nomicamente. INTERNACIONAL / PÁG. A16 NUDEZ COMO DIVERSÃO Ementrevista aoEstado, a candida- taàPresidênciaDilmaRousseff(PT) disse que é possível conciliar gastos públicoseinvestimentos.Maselade- fende a “racionalização do Estado”, compresençamaisfortedosetorpri- vado.“OBNDESnãoprecisateresse tamanho.” NACIONAL / PÁGS. A12 e A13 Internet “Nós não vamos substituir o setor privado. Até porque não dá.” JULIO MESQUITA 1891 - 1927 RUY MESQUITA Diretor FABIO MOTTA/AE Presente nos grandes negócios fecha- dos no País nos últimos meses, o BN- DESdepende cada vez mais do Tesou- ro,informaLuAikoOtta.Aproporção de recursos dos cofres federais, que era de 6% em 2001, chegou a 40% em 2009, num total de R$ 144,3 bilhões, um salto de 566%. A fatia deverá ser ainda maior neste ano, porque foram injetadosmaisR$80bilhõesdedinhei- ropúblico.Para fortalecer o BNDES,o Tesouro emitiu títulos pelos quais pa- ga taxa de mercado, mas esse dinheiro é emprestado pelo banco pela Taxa de JurosdeLongoPrazo,bemmaisbaixa. Adiferençaconfigurasubsídio, banca- do pelos cofres federais e cujo valor é desconhecido. ECONOMIA / PÁG. B1 A moda de se exibir em câme- ras na internet vem crescen- do entre jovens brasileiros. Todas as noites é possível encontrar câmeras transmitindo ao vivo, pelo Twitter, cenas de adolescentes que, sem serem forçadas, mostram o cor- po em busca de audiência. Nem as autoridades sabem como lidar com o fenômeno. METRÓPOLE / PÁG. C1 ANDRE LESSA/AE Paulistânia Clô é 100% São Paulo IreneRavachese vêcomoacarada cidade.Pág. C8 FERNANDOHENRIQUECARDOSO Caraoucoroa? O voto decidirá entre dois modelos de sociedade. Um mais centraliza- dor e burocrático, outro mais com- petitivo e meritocrático. ESPAÇO ABERTO / PÁG. A2 INTERNACIONAL / PÁG. A18 VISÃO GLOBAL Mais uma iraniana Agora é Sakineh que nos lembra da intolerá- vel repressão, escreve Azar Nafisi. INTERNACIONAL / PÁG. A22 23h15 Escola: reserva antecipada NOTAS & INFORMAÇÕES Negócio de oportunidade Causa estranheza a Caixa ser a fonte de empréstimo de R$ 2 bi- lhões para a Petrobrás. PÁG. A3 NACIONAL / PÁG. A4 C2DOMINGO A inglesa Liz Calder conta como idealizou a Festa Literária de Paraty A mulher por trás da Flip Candidatas a financiamentos de R$ 4,8 bilhões do BNDES, as obras dos estádios para a Copa de 2014 reúnem indíciosdesuperfaturamento,desper- dício de recursos e negócios arrisca- dos para os cofres públicos, informa a repórter Marta Salomon. Até sexta- feira,oComitêOrganizadorcontabili- zava o início das obras em apenas me- tadedas12arenaspré-selecionadaspa- ra o Mundial. O palco de São Paulo segue indefinido. ESPORTES / PÁG. E8 aliás,O caso dos documentos vazados retrata a crise da inteligência dos EUA, diz o premiado repórter Tim Weiner DORA KRAMER Luiz Felipe Scolari tenta a primeira vitória na volta ao Palmeiras. Adil- sonBatistaestreianoCorinthians.O duelo dos treinadores é a atração do clássico de hoje.ESPORTES / PÁG. E1 Classificados ofertas Ana Carla Oliveira mudou Maria Clara de escola após ter se arrependido; para os pais, o processo de escolha costuma ser angustiante – são muitos os fatores a serem considerados. Os melhores colégios de SP já têm reservas para 2014. VIDA / PÁG. A24 13.696 Ronda ostensiva O PT, que mal consegue se manter na legalidade, é que se arvora em patrulheiro dos limites da liberdade de expressão. NACIONAL / PÁG. A8 MARCOSDEPAULA/AE 86 páginas %HermesFileInfo:A-1:20100801: 1 DE AGOSTO DE 2010 R$ 4,00* ANO 131. Nº 42656 EDIÇÃO DE estadão.com.br 7 8 9 10 11 12 AMIR KHAIRMARIA RITA KEHL ESTADOSOB CENSURAHÁ 372DIAS.PÁG. A16 Tempo na capital 22˚ Máx. 8˚Mín. Sole diminuição denuvens 120 PÁGINAS (26 DE CLASSIFICADOS) * VER TABELA NA PÁGINA A3 MudaperfilimobiliáriodeSP ‘CarreiradeKakácorreurisco’ Justiça tributária O Brasilprecisa reduzirasdisparida- destributárias. Quem ganhaaté dois saláriosmínimos paga 49%em tribu- tose,acimade30 salários,26%. ECONOMIA / PÁG. B2 8% Chávez envia representante à posse na Colômbia YOANI SÁNCHEZ Ibopemantém diferençade 5pontosa favordeDilma Petista aparece com 39% das intenções de voto, contra 34% do tucano, que lidera no Sul do País Educação sentimental Mais que qualquer escritor, a geração de meninos compositores dos festi- vais de MPB fez a educação sentimen- tal de quem tem hoje mais de 50. C2+MÚSICA / PÁG. D16 SÁBADO Só resta a sombra do líder O regresso de Fidel Castro, em vez de despertar o temor que faz tremer até os bravos, desperta, quando muito, terna compaixão. INTERNACIONAL / PÁG. A20 Festa por Adoniran Com ajuda de alimentos, persiste a inflação zero JULIO MESQUITA 1891 - 1927 RUY MESQUITA Diretor Salário médio inicial sobe 27% em sete anos G O governo da Venezuela aumentou a compra de alimentos brasileiros para conter o desabastecimento no país, a pouco mais de um mês da eleição. Só a venda de açúcar subiu 700% no primeiro semestre ante igual período de 2009. Nos mercados subsidiados pelo gover- no, costuma faltar todo tipo de produto básico. INTERNACIONAL / PÁG. A18 ‘Síndromedafaltade celular’jáafetausuários Durante a pane, Gol priorizou voos fretados O presidente eleito da Colômbia, Juan Manuel Santos, toma posse hoje, mas, antesmesmodeassumirocomandodo país, já havia começado a negociar a re- composição das relações diplomáticas comaVenezuelaeoEquador,informaa enviada especial Tânia Monteiro. Via portador especial, ele encaminhou car- taaHugoChávezeRafaelCorreaconvi- dando-os para a cerimônia de posse. O governo venezuelano informou ontem queochancelerchavistaNicolasMadu- ro vai à festa da posse, em Bogotá. Para Santos,oacenosignificaqueaVenezue- la quer negociar o reatamento com o novo governo. INTERNACIONAL / PÁG. A19 Sabático O enigma da poesia FerreiraGullar eseu novolivro,Em AlgumaParteAlguma Concebida para surpreender, apresentação de bailarinos simula o ‘Trem das Onze’ para celebrar Adoniran Barbosa, na Estação da Luz. METRÓPOLE / PÁG. C7 WERTHER SANTANA/AE ECONOMIA / PÁG. B4 é a intenção de voto na candidata do PV, Marina Silva ECONOMIA / PÁGS. B1 e B3 Emcrise,Venezuela compramais alimentosbrasileiros 0h15 NOTAS & INFORMAÇÕES A desmoralização do Enem O vazamento de dados de candida- tos confirma que pouca coisa fun- ciona bem na educação.PÁG. A3 Estadinho Vilões em ação Eles dominam a cena em Meu Malvado Favorito EsportesEsportes VIDA / PÁG. A26 METRÓPOLE / PÁG. C6 De molho.De molho. Kaká deixaKaká deixa hospital nahospital na Bélgica ondeBélgica onde teve o joelhoteve o joelho operadooperado C2+música Popular e erudito Francis Hime, Fábio Zanon e Nelson Ayres falam sobre concerto Robert Crumb na Flip. PÁG. S5 JULIEN WARNAND/EFE PesquisadoIbopefeitaparaoEstado e a TV Globo, encerrada horas antes doprimeirodebateentreospresiden- ciáveis, aponta Dilma Rousseff (PT) com 39% das intenções de voto, cinco pontosporcentuaisàfrentedotucano José Serra (34%) – a margem de erro é de dois pontos, para cima ou para bai- xo.Oresultadoéomesmodapesquisa doIboperealizadaumasemanaantes. Marina Silva (PV) é a preferida de 8%. A rejeição ao tucano atinge 24%, con- tra 19% de Dilma. Ela lidera por 38% a 28% entre eleitores com renda fami- liardeatéumsaláriomínimo.Nafaixa decincosaláriosoumais,apetistaapa- rece com 40%, e Serra, com 36%. O tucanovaimelhornoSuldoPaís,onde liderapor42%a34%.OIbopetambém mediu a expectativa de vitória – para 47%, a petista será eleita, e 32% apos- tam em Serra. NACIONAL / PÁG. A4 Afaltadeterrenoseosentraveslegais estãomudandooperfilimobiliárioem São Paulo. Pela primeira vez, a Região Metropolitana (as cidades do ABCD, alémdeOsascoeGuarulhos)estácon- centrandomaislançamentosdoquea capital. No caso dessas cidades, 30% dos compradores são paulistanos que resolvem migrar. Os imóveis chegam acustaraté30%menosquenacapital. Para urbanistas, a tendência piora os deslocamentos. METRÓPOLE / PÁG. C1 Kakáquaseencerrouacarreiraporter atuado com lesão na Copa do Mundo, disse um dos médicos que participa- ramdacirurgia nojoelhoesquerdodo jogador, na Bélgica. O médico da sele- ção, José Luiz Runco, negou o risco e afirmouqueocolegaquis“tirarprovei- to” de ter operado Kaká. PÁGS. E1 e E2 Ricardo Gomes. O técnico não teve ocontratorenovadocomoSãoPaulo. O clube procura substituto.PÁG. E3 %HermesFileInfo:A-1:20100807: 7 DE AGOSTO DE 2010 R$ 2,50* ANO 131. Nº 42662 EDIÇÃO DE estadão.com.br 7 8 9 10 11 12 ESTADOSOB CENSURAHÁ 229 DIAS.PÁG. A10 Planeta Carvão vegetal até 2013 0h Lula recua e muda plano de direitos humanos IsraelrejeitapressãodosEUA, Hillaryprotestaecrisepiora Palestinos realizam ‘dia de fúria’ em Jerusalém, enquanto Lula, na Cisjordânia, vê disposição para diálogo Fora do cargo, Dilma poderá ir a inaugurações TRE cassa Arruda por infidelidade Aéreas podem ter até 49% de capital externo CELSO MING PAULO VANNUCHI MINISTRO DE DIREITOS HUMANOS “Só publicaremos novamente o programa após construir largos consensos” JULIO MESQUITA 1891 - 1927 RUY MESQUITA Diretor Tempo na capital 26˚ Máx. 17˚ Mín. Solemuitas nuvensem SãoPaulo HOJE: 78 PÁGINAS * VER TABELA NA PÁGINA A3 DANIEL PIZA ROBERTO DAMATTA A crise nas relações entre EUA e Israel ampliou-se ontem, empanando a visita do presidente Lula ao Oriente Médio, relataocorrespondenteemNovaYork, Gustavo Chacra. O governo america- nocancelouaviagemdeseuenviadoes- pecial à região por causa da decisão is- raelense de manter a construção de ca- sas em Jerusalém Oriental. A região é reivindicadapelospalestinos,quereali- zaram protesto violento na cidade e fo- ram reprimidos. A Casa Branca exigiu queIsraelrecuasse,easecretáriadeEs- tado, Hillary Clinton, cobrou prova de queopaísquerapaz.Opremiêisraelen- se, Binyamin Netanyahu, porém, insis- tiu na construção e negou estar torpe- deando o diálogo com os palestinos. Diante do mal-estar, Hillary reafirmou “o absoluto compromisso com a segu- rança de Israel”, e Netanyahu se disse “comprometido com a paz”. Enquanto isso, Lula encontrou-se com o governo palestino – que, na avaliação do Itama- raty, ainda confia no diálogo, informa a enviadaespecialDeniseChrispimMa- rin. INTERNACIONAL / PÁGS. A12 a A14 Caderno2 A hora de Warhol Mostra na Estação Pinacoteca reunirá 170 obras do artista O presidente Lula mandou alterar vá- rios pontos do decreto que instituiu o terceiroProgramaNacionaldeDireitos Humanos,objetodecríticasgeneraliza- das.Serãomodificadosoartigoquelega- lizaoaborto,oquevetasímbolosreligio- sos em locais públicos e o que prevê a necessidade de ouvir invasores de ter- ras no cumprimento de decisões judi- ciais sobre conflitos agrários. O minis- tro Paulo Vannuchi (Direitos Huma- nos)dissequeéumanovafasedediálo- go sobre o programa. NACIONAL / PÁG. A7 Cinismo e indignação No Brasil, ser puro é perigoso e a canalhice não produz vergonha, mas indignação! CADERNO2 / PÁG. D14 Manipulação do câmbio Pela primeira vez, EUA usam o argu- mento de que a China faz jogo sujo no comércio com política cambial. A ofensiva tem viés protecionista. ECONOMIA / PÁG. B2 A Advocacia-Geral da União avalia que, mesmoforadogovernoapartirdeabril, apresidenciáveldoPT,DilmaRousseff, poderáiraeventosoficiaiscomopresi- dente Lula até julho. Medida é legal, di- zemministrosdoTSE.NACIONAL/PÁG.A4 Esportes O desafio de Assunção Na Libertadores, Corinthians encara o Cerro Porteño, no Paraguai, às 21h50 Apagões emSP dão multade R$ 3,2 milhões G Justificativa O rito da provocação É assim que se fazem e assim que se devolvem provocações: na bola, no correr do jogo e, com humor, nas comemorações. ESPORTES / PÁG. E2 DAN BALILTY/AP NOTAS & INFORMAÇÕES Por que retaliar os EUA O Brasil não podia esperar indefini- damente demonstração de boa vontade de Washington. PÁGINA A3 G Brasil silencia sobre Cuba O Brasil não criticou a situação dos direitos humanos em Cuba e no Irã nas sessões da ONU sobre esses casos nos últimos dias, relata o cor- respondente em Genebra, Jamil Chade. INTERNACIONAL / PÁG. A14 Sistema do Enem tem mais uma falha VIDA / PÁG. A19 METRÓPOLE / PÁG. C7 Tiger Woods diz que volta ao golfe em abril SERGIO CASTRO/AE Confronto. Policiais israelenses imobilizam manifestante palestino: no dia mais violento em meses, conflitos deixaram mais de 100 feridos Agrícola Pimentas. Fazenda em Salto cultiva da dedo-de-moça à mais ardida do mundo Perigo. Trecho urbano da Dutra em Guarulhos está entre os 15 mais críticos. METRÓPOLE / PÁG. C1 Proposta enviada pelo governo ao Congresso amplia de 20% para 49% o limite de capital estrangeiro nas companhiasaéreasbrasileiras.Otex- to facilita a autorização e a cassação de licenças. ECONOMIA / PÁG. B1 ESPORTES / PÁG. E4 OTribunalRegionalEleitoraldoDistri- to Federal cassou ontem o mandato do governador José Roberto Arruda – que sedesfilioudoDEMemdezembro–por infidelidadepartidária.OTREnãoindi- cou quem deve assumir, já que o vice renunciou.AdefesadeArruda,queestá preso,avaliarecorreraoTribunalSupe- rior Eleitoral. NACIONAL / PÁG. A8 O ministro Carlos Minc (Meio Ambiente) quer prazo até 2013 para que siderúrgicas deixem de usar carvão vegetal de áreas nativas do Cerrado. Segundo ele,odesmate“estábeirandoo descontrole”. VIDA / PÁG. A20 %HermesFileInfo:A-1:20100317: Quarta-feira 17 DE MARÇO DE 2010 R$ 2,50* ANO 131. Nº 42519 EDIÇÃO DE estadão.com.br 7 8 9 10 11 12
  • 25. cases i associats “Os relatórios financeiros de fornecedores... ... ou contas a pagar não possibi- litam o confronto dos saldos contábeis com os controles au- xiliares destas contas. Em virtu- de da impossibilidade deste con- fronto, não foi possível concluir sobre a adequação dos saldos registrados nestas rubricas em 31 de dezembro de 2006.” “... O registro da movimenta- ção dos ingressos vem sendo realizado de forma sintética e não analítica (por contrato), o que impossibilita a constatação da adequação dos saldos regis- trados nestas rubricas em 31 de dezembro de 2006.” “... A cooperativa realizou operações comerciais com ter- ceiros. Entretanto, a atividade desenvolvida para estes tercei- ros não está abrangida no obje- to social previsto no estatuto da cooperativa.” Nacional TRECHOS G Procurado pela reportagem do Estado, o ex-ministro da Casa Ci- vil José Dirceu delegou a tarefa de responder às acusações do corretor de valores Lúcio Funaro a seu advogado, José Luís de Oliveira Lima. “(Funaro) É uma pessoa com a qual o ministro jamais teve qual- quer contato pessoal, telefônico ou por terceiros e essas afirma- ções são levianas, desprovidas de qualquer documento”, decla- rou o advogado. “Esse senhor não merece credibilidade.” Em nota, o Grupo Almeida Jú- nior afirmou que, por ser sócio majoritário do Shopping Neuma- rkt, tinha preferência na compra quando o Portus decidiu, em 2004, vender sua participação no empreendimento. O fundo de pen- são dos servidores do setor por- tuário fundo detinha 20% das fra- ções ideais do shopping. “Os valores da oferta foram objeto de avaliação independente promovida pela própria Portus e os empreendedores exerceram seu legítimo direito de preferên- cia”, informa o texto da nota divul- gada ontem. Por intermédio de sua assesso- ria de imprensa, a corretora ASM Asset Management limitou-se a declarar que as afirmações de Funaro são irresponsáveis e le- vianas. A assessoria da Direção Nacio- nal do PT avisou que o tesoureiro do partido, João Vaccari Neto, não vai se pronunciar sobre as denúncias envolvendo fundos de pensão. O advogado do tesoureiro, Luiz Flávio D’Urso, não respondeu aos telefonemas feitos pela re- portagem. / R.R. Oposição articula CPI para tentar desgastar tesoureiro do PT Fausto Macedo Auditoria independente aponta “fragilidadenoscontroles inter- nos” , “retenções técnicas sem identificação de documentos”, “prática administrativa que im- possibilitaanálisedoINSSelibe- raçãodeescrituras”,“tributosfe- derais sujeitos a questionamen- tos” e outros problemas nas de- monstrações contábeis da Coo- perativaHabitacionaldosBancá- rios (Bancoop), alvo de investi- gação da promotoria criminal. Aperícia,contratadapelapró- pria Bancoop em cumprimento aacordocomoMinistérioPúbli- co,abrangeuobalanço patrimo- nial da cooperativa, relatórios desobras e perdas, mutações do patrimônio líquido e fluxos de caixa referentes aos exercícios de 2005, 2006, 2007 e 2008. Para o advogado Valter Pica- zio Jr., que defende 18 entidades decooperadossupostamentele- sados por fraudes, a auditoria “é umaconfissãodapráticadeocor- rênciasgravesdegestão,temeri- dades administrativas”. “Ascontasrelativasatodoses- ses exercícios foram aprova- das”, rechaça Pedro Dallari, ad- vogadodaBancoop.“Namedida em que uma empresa de audito- ria examina o balanço e dá a sua aprovação é porque não consta- tou irregularidades, mesmo que possa fazer alguma recomenda- ção ou ressalva”. Ostécnicosconsideraramare- levânciadossaldos,ovolumede transaçõeseosistemacontábile de controles internos. Avalia- ram práticas e estimativas mais representativas adotadas pela administração da Bancoop. “Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre es- tas demonstrações contábeis”, assinala a Terco Grant Thorn- ton, que cuidou da auditoria. A análise das operações de 2008 destaca que “a realização dos valores a receber é incerta e dependerá do sucesso do desfe- cho das negociações e ações de cobrança em andamento”. O documento informa que a cooperativa realizou operações comerciaiscomterceirosenvol- vendo a prestação de serviços de construção civil – é citada a Empresa Municipal de Urbani- zação (Emurb). “Entretanto, a atividade desenvolvida para es- testerceiros não está abrangida no objeto social previsto no es- tatutodacooperativa,emvirtu- de da possibilidade da ocorrên- cia de perdas ou por eventuais impostosincidentes”,dizorela- tório. ValterPicazioJr.avaliaaaudi- toria como “documento incon- troverso, que aponta inúmeras ilegalidades”. “Se há irregularidades na ges- tão a empresa de auditoria não emite parecer favorável”, retru- ca Pedro Dallari, da Bancoop. “Uma auditoria aprova ou rejei- taascontas.Todososexercícios da Bancoop foram aprovados. As contas, desde 2005, foram aprovadasduasvezesacadaano, pela empresa de auditoria e, de- pois, pela assembleia geral dos cooperados.” Dallariressaltaa“absolutatrans- parência”dacúpuladaBancoop. “Os relatórios de auditoria são encadernados e encaminhados aos cooperados. São informa- çõespúblicas.Ofatodeoscoope- rados terem acesso a esses da- dosdeauditoriaepoderemfazer críticasmostraa lisurae atrans- parência da cooperativa.” Perícia vê ‘problemas contábeis’ na Bancoop PEDRO DALLARI: “As contas relativas a todos esses exercícios foram aprovadas” ADVOGADO DA BANCOOP Cronologia. Entenda a prisão de José Roberto Arruda Advogadode Dirceuvê acusaçãoleviana estadão.com.br/e/a4 Rodrigo Rangel / BRASÍLIA Em depoimentos prestados ao Ministério Público Federal em2005, ocorretor de valores Lúcio Bolonha Funaro acusou odeputadocassadoeex-minis- tro da Casa Civil José Dirceu de ter se beneficiado pessoal- mente em negócios fechados porfundosdepensãosobcon- trole do PT. Funaro afirma que, em duas operações do Portus – fundo de pensão dos servidores do setor portuário–,DirceueoPTteriam recebido, “por fora”, comissões deR$5,5milhões,valorsuperior ao divulgado na época. Nos depoimentos, Funaro aponta o atual tesoureiro do PT, JoãoVaccariNeto,comorespon- sável por gerenciar os negócios dos fundos de pensão ligados ao partido.Vaccariéalvodeumpe- dido de quebra de sigilo bancá- rio,feitopelopromotorJoséCar- losBlat,por suspeitadeenvolvi- mentoemumsupostodesviode recursosdaCooperativaHabita- cional dos Bancários (Bancoop) para o PT. Investigado por participação noescândalodomensalão,Funa- ro mantém há quatro anos acor- do de delação premiada com o Ministério Público Federal. Nos depoimentos, aos quais o Esta- do teve acesso, ele detalha as operações que teriam beneficia- doDirceueoPTecausadoprejuí- zosmilionáriosafundosdepen- são como o Portus e o Petros, dos funcionários da Petrobrás. Os personagens citados pelo corretorsãoosmesmosquepro- tagonizaram o escândalo do mensalão. Em novembro de 2005, Funaro se refere a Vaccari como homem de confiança de DirceueDelúbioSoares,otesou- reiro do mensalão. Shopping. Um dos negócios a queocorretorserefereéavenda deaçõesdeumshoppingnacida- decatarinensedeBlumenau.Fu- naroafirmaqueoPortusvendeu sua participação no Shopping Neumarkt justamente no mo- mentoemqueoativoestavame- lhorando sua rentabilidade e que o negócio foi fechado “com ointuitodereceberrecursospa- ra o ministro José Dirceu”. DeacordocomFunaro,atran- sação foi fechada com uma offshore (empresa sediada em paraíso fiscal) de propriedade do sócio majoritário do shop- ping. O Neumarkt pertence ao Grupo Almeida Júnior, dono de quatroshoppingsemSantaCata- rina.“Paracomprovarapéssima operaçãodofundobastaverque o comprador, após dar uma ínfi- ma entrada, pagaria o restante do saldo devedor apenas com os dividendosdascotascompradas da Fundação Portus”, declarou Funaro. A transação se deu em 2004, um ano antes de estourar o escândalo do mensalão petis- ta. O grupo Almeida Júnior con- firmaonegócio,masnegaterda- do propina a Dirceu e ao PT. Pedágio. Para adquirir as ações doPortusemcondiçõesfacilita- das, prosseguiu Funaro, o pedá- gioeradeR$500mil.Odinheiro deveria ser entregue a represen- tantes deDirceue do PT – o cor- retorafirmaqueadireçãodofun- do, na ocasião, já estava a cargo deindicadosdoex-ministro.Diz queelepróprioseinteressoupe- lo negócio, “financeiramente muitoatraente”,masdesistiuao saber que era preciso pagar a su- posta propina, que nos depoi- mentosele chama de “porfora”. Na mesma época, em 2004, diz o corretor, o Portus vendeu uma participação em outro em- preendimento imobiliário, des- sa vez em Joinville (SC). Nesse negócio, o “por fora” teria sido de R$ 5 milhões. Ao se referir a outras transa- çõesqueteriamporobjetivofavo- receroPT,elesugeriuaosprocu- radores “intensa investigação” sobreacorretoraASMAssetMa- nagement, com sede no Rio. Ele lança suspeitas, em especial, so- breumfundodedireitoscreditó- riossubscrito“emquasesuatota- lidade” pelos fundos de pensão ligados ao partido. Corretor acusa Dirceu e PT de ganhar ‘por fora’ R$ 5,5 mi de fundo de pensão G Protesto Pelo menos um terço dos cooperados afirma que não recebeu o imóvel e menos da metade dos empreendimentos foi concluída G Defesa Trabalho, contratado pela própria cooperativa, aponta “fragilidade nos controles internos” e várias outras falhas estadão.com.br JF DIORIO/AE–23/2/2010 Clarissa Oliveira Diantedasériededenúnciasque envolvem o novo tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, a oposi- ção já começa a propor que seja aberta uma investigação sobre o petista e a Cooperativa Habita- cional dos Bancários (Bancoop) no Congresso Nacional. Parlamentares admitem que as chances de instalar uma Co- missão Parlamentar de Inquéri- to (CPI) são mínimas em ano eleitoral. Ainda assim, insistem no discurso de que uma apura- çãosefaznecessária.“Essasacu- sações se arrastam desde 2006. Se não conseguimos avanços poroutrasvias,ocaminhocorre- toéainvestigaçãocongressual”, diz o líder do DEM no Senado, José Agripino Maia (RN). Na Assembleia Legislativa paulista, os partidos estão na fa- sedeescolhadosnomesqueirão compor a CPI da Bancoop. O mais provável é que a comissão sejapresididapelodeputadoSa- muel Moreira (PSDB), seguindo a tradição da Casa de entregar o posto ao autor do requerimento de criação da comissão. Moreira apresentou o pedido de abertura da CPI da Bancoop em 2008. Mas a instalação só foi autorizadapelopresidentedaAs- sembleia, deputado Barros Mu- nhoz (PSDB), no último dia 9. A contar da data de publicação do ato no Diário Oficial, ocorrida nodia10,ospartidostêmumpra- zo de quinze dias para definir a listadeintegrantesdacomissão. Dirceu. Acusado de ter se beneficiado em negócios do PT INFOGRÁFICO/AEFONTE: ENTIDADES DE COOPERADOS DA BANCOOP O TAMANHO DO ROMBO l Caso Bancoop também é alvo de inquérito civil da Promotoria do Patrimônio Público e Social 3.000 não receberam o imóvel 5.600 receberam, mas estão com dificuldades (imóveis inacabados e problemas de documentação) 46 8.600 EMPREENDIMENTOS COOPERADOS 5 inacabados e transferidos para outras construtoras 9 inacabados 13 descontinuados (houve lançamento, mas as obras não foram iniciadas) 18 empreendimentos concluídos 1 em obra R$ 100miDESVIADOS Na mira. Em depoimentos ao Ministério Público Federal, Lúcio Bolonha Funaro aponta personagens do escândalo do mensalão e afirma que tesoureiro petista, João Vaccari Neto, seria responsável por gerenciar negócios do partido ligados ao setor %HermesFileInfo:A-4:20100316: A4 TERÇA-FEIRA, 16 DE MARÇO DE 2010 O ESTADO DE S. PAULO 1.O que governo vai fazer? Vai bloquear R$ 21,8 bilhões do Orça- mento para garantir o cumprimento da meta de superávit primário 2.Por que será feito o bloqueio? O bloqueio das ver- bas orçamentárias será feito porque a receita líquida ficará R$ 17,77 bilhões abaixo do previsto, em R$ 712,8 bilhões 3.De onde vem a pressão? Com o reajuste dos benefícios acima do salário mínimo, o déficit da Previdência chegará a R$ 47 bilhões – R$ 3,968 bilhões aci- ma do estimado. 4.Quanto será o gasto com pessoal? Os gastos com pessoal serão de R$ 167,57 bilhões, menos que os R$ 168,97 bilhões calcula- dos inicialmente Adriana Fernandes Renata Verissimo / BRASÍLIA Depois de enfrentar sucessivas quedas de receitas ao longo de 2009, a Receita Federal conse- guiuobternoprimeirobimestre recorde histórico na arrecada- çãodeimpostos e contribuições federais,consolidandooproces- soderecuperaçãoiniciadonofi- nal do ano passado. Pelaprimei- ravez,depoisdacrisefinanceira, a arrecadação acumulada em 12 meses voltou a registrar cresci- mentoainda pequeno,de0,21%, mas suficiente para o governo projetar um ganho de receita de 12%,acimadainflação,esteano. Nos dois primeiros meses de 2010, entraram R$ 126,56 bi- lhões para os cofres do Fisco. O resultadomostraumcrescimen- to real (acima da inflação medi- dapeloIPCA)de13,46%emrela- ção ao primeiro bimestre de 2009, considerado o período mais crítico de impacto da crise financeira internacional na eco- nomia brasileira. No ano passa- do, o país estava em recessão no primeiro trimestre. Em fevereiro, de acordo com dadosdivulgadosontempelaRe- ceita, a arrecadação foi recorde para o mês e somou R$ 53,54 bi- lhões,comaltade13,23%. Emja- neiro,aarrecadaçãotambémfoi, mas ainda não revertia a queda acumulada nos últimos 12 me- ses.Atéjaneiro,asreceitasadmi- nistradas pela Receita acumula- vamumaquedade0,62%,rever- tendo em fevereiro para um ga- nhode0,21%.OsecretáriodaRe- ceita Federal, Otacílio Cartaxo, garantequeoprimeirobimestre marca o início da recuperação plena da arrecadação. “O resultado do bimestre ze- rou as perdas acumuladas no ano passado, que foram seve- ras”, comentou. As receitas do governocomtributosfoiumdos últimos indicadores econômi- cos a reagir à saída da crise. Além da recuperação da ativi- dadeeconômicaeoiníciododes- montedasreduçõesdoIPI,con- cedidasduranteacrise,aarreca- dação do bimestre foi reforçada pelo pagamento antecipado de ImpostodeRendadaPessoaJurí- dica(IRPJ)edaContribuiçãoSo- cial sobre o Lucro Líquido (CSLL). Receita Federal já arrecada mais do que antes da crise Economia Hidrelétrica polêmica Usina de Belo Monte vai a leilão no dia 20 de abril PARAENTENDER Decisão de conselho da Anatel Aprovado projeto de Emília Ribeiro, que determina desbloqueio de celular gratuito Governo bloqueia R$ 21,8 bilhões do Orçamento no maior corte da era Lula Objetivo da medida, segundo o Ministério do Planejamento, é garantir o cumprimento da meta de superávit primário de 3,3% do PIB INDICADORES VAR. (%) COTAÇÃO DÓLAR 1 1,19 R$ 1,7860 EURO 1 0,25 R$ 2,4320 BOVESPA 1 0,04 69.697,33 pontos Pág.B4 Pág.B16 estadão.com.br Primeiro bimestre tem recorde histórico na arrecadação: alta de 13,5%; no acumulado de 12 meses, alta é de 0,21% Pág. B13 Edna Simão / BRASÍLIA Nomesmodiaemquea Recei- ta informou que a arrecada- çãobateurecordenoprimeiro bimestre,oministrodoPlane- jamento, Paulo Bernardo, anunciou que serão bloquea- dos R$ 21,805 bilhões do orça- mentodesteano.Oajusteéne- cessário para adequar as des- pesas com a previsão de arre- cadação de impostos prevista naLeideDiretrizesOrçamen- tárias (LDO), que está muito acima das novas projeções de receita feitas pelo governo. O bloqueio de recursos – o maior feito no governo Lula, se- gundoBernardo–temcomoob- jetivo mostrar compromisso, mesmo em um ano eleitoral, com o cumprimento da meta de superávitprimárioequivalentea 3,3%doPIBnesteano.Ouseja,é uma medida de cautela, disse. “Temosquecumprirumsupe- rávitprimárioeestamosajustan- do as despesas para chegar ao equilíbrio de que precisamos”, explicou. Para o ministro, essa projeção mais “dura” e “conser- vadora” minimiza erros e possi- bilita a liberação de orçamento nodecorrerdoano,seasituação se modificar. O governo já anunciou que cumpriráameta fiscaldeste ano semrecorreraosartifícioscontá- beis que utilizou no ano passa- do,comooabatimentodegastos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O minis- tro, no entanto, não descarta a possibilidade de abater até R$ 33,538 bilhões do cálculo para cumprimento da meta. Se isso acontecer, o superávit primário pode chegar a 2,33% do PIB que, mesmo assim, o compromisso será dado por cumprido. O economista da consultoria Tendências Felipe Salto avalia que a dedução de investimentos dametadosuperávitprimáriose- ráessencialparaocumprimento da meta fiscal, porque o ajuste noOrçamentoestáconcentrado em redução da estimativa de ar- recadação–enãoemcortesefeti- vos de gastos. “O governo deu umaboasinalização,masnãose- rá suficiente para cumprir a me- tasemabatimento”,disseSalto. Somentea previsãodearreca- dação menor do que a prevista na Leio Orçamentária responde por 81,5% dos R$ 21,805 bilhões que estão sendo bloqueados. Na LDO, aprovada no final do ano passado, a previsão era que a re- ceita líquida fechasse 2010 em R$730bilhões. Esse número,no entanto,foirevisadoontempara R$ 712,8 bilhões. OutrosR$3,968bilhõesforam bloqueados devido à perspecti- va de um déficit maior da Previ- dência Social, que deve atingir R$ 47 bilhões. SegundoPauloBernardo,odé- ficit será maior que o previsto por causa do reajuste dado este ano para as aposentadorias com valor acima de um mínimo. Bernardofezquestãodedesta- car que não haverá bloqueio nos investimentosdoPAC,naeduca- ção e saúde. As áreas que serão afetadas só serão conhecidas no final do mês. Mas assim como aconteceu em anos anteriores, as emendas dos parlamentares, que neste ano somam R$ 15,894 bilhões, deverão sofrer mais com a limitação do governo. Uma boa notícia é que as des- pesasprevistascompessoaltive- ram uma ligeiraqueda. Na LDO, a previsão era de R$ 168,976 bi- lhões. Agora, esse número re- cuou para R$ 167,570 bilhões. SERGIODUTTI/AE–16/6/2008 RICARDO MORAES / REUTERS *Receitas administradas pela Receita Federal do Brasil EM RECUPERAÇÃO Arrecadação acumulada* INFOGRÁFICO/AE VARIAÇÃO ANTE 12 MESES ANTERIORES 2009 MAR 2010 JAN 0,21% FEV Desempenho dos principais tributos – fevereiro de 2010 Cofins/ Pis-Pasep Receita previdenciária Cide-Combustíveis IR na fonte- Rendimentos do Trabalho IOF IPI (exceto vinculado à importação) Imposto de Importação / IPI IR pessoa física IRFonte-rendimentosderesidentesnoexterior IR Fonte – outros rendimentos IR fonte – rendimentos de capital IRPJ / CSLL Outras receitas administradas 12.718 16.829 680 4.183 1.897 1.832 2.093 612 489 424 1.113 7.816 1.367 IMPOSTOS EM MILHÕES DE REAIS VARIAÇÃO REAL EM % 25,39 11.17 1.748,85 13,86 23,75 18,77 8,01 17,97 - 6,47 -12,92 -20,49 -12,65 -124,46 FONTE: RECEITA FEDERAL -7 -6 -5 -4 -3 -2 -1 0 1 & NEGÓCIOS Cofres fechados. ‘Temos de cumprir um superávit primário’, disse Paulo Bernardo %HermesFileInfo:B-1:20100319: B1 SEXTA-FEIRA, 19 DE MARÇO DE 2010 O ESTADO DE S. PAULO 7 8 9 10 11 12 FELINOSSILVESTRESBRASILEIROS 20 onçasapareceram em áreas urbanas de SP e MG nos últimos dois anos 200 animaissilvestres vivem na Associação Mata Ciliar, em Jundiaí, especializada em reintegrá-los à natureza. Desses, 64 são felinos 3 câmerasmonitoram as onças Anhanguera e Goiabeira, 24 horas por dia. Biólogos estudam o seu comportamento 4 filhotesé quanto uma onça-parda fê- mea pode gerar a cada gestação. Eles ficam com a mãe até completarem 2 anos 350 km²é a extensão da Área de Proteção Permanente Jundiaí- Cabreúva, um dos últimos re- manescentes de Mata Atlânti- ca na região 14milhõesde metros quadrados de área rural em Cabreúva se transformaram em áreas urbanas CONSERVAÇÃO Ursos são transferidos para o sul do Brasil Os ursos-de-óculos (Tremarctos ornatus) Sara e Ney, do Parque Ecológico de São Carlos, a 230 quilômetros da capital, estão de mudança. Os dois, nascidos em julho de 2009, vão para o zoo de Porto Alegre. “Sara até tem um futuro marido à sua espera”, disse Fernando Magnani, biólo- go do parque. A transferência é necessária para a preservação da espécie. CLIMA Ilhas Maldivas podem estar em crescimento As Maldivas, que se torna- ram símbolo do perigo do aquecimento global, com a ameaça de desaparecimento, podem estar aumentando de tamanho. Paul Kench, geólo- go da Universidade de Aukland, na Nova Zelândia, estuda o arquipélago. “Elas são como um organismo vi- vo, mudando constantemen- te”, disse Kench à revista ale- mã Der Spiegel. / ANDREA VIALLI 1. O que é o projeto Água na Jarra? É uma iniciativa para incentivar a substitui- ção da água engarrafada pe- la água tratada pela conces- sionária pública e filtrada, servida em recipientes reuti- lizáveis. O foco é promover essa troca em restaurantes, eventos, empresas e tam- bém estimular as pessoas a adotarem esse hábito no seu dia a dia. 2. Quais são os proble- mas relacionados ao consumo de água engarrafada? Os problemas estão relaciona- dos à forma como essa água chega até o consumidor. Para produzir a garrafa são gerados impactos ambientais relevan- tes, além dos efeitos indiretos gerados pelo transporte da água engarrafada e pelo descar- te da embalagem. Mesmo que essa garrafa seja reciclada, o impacto ainda é grande. 3. Os restaurantes estão aderindo à causa? Alguns restaurantes aderiram e outros estão em processo de adesão. A aceitação dos clientes à água servida na jarra é surpreenden- te. Procuramos estabelecimen- tos e chefs sensíveis à causa ambiental. No site aguanajarra. com.br damos visibilidade a esses estabelecimentos, no nos- so guia de restaurantes. economista e criadora da iniciativa “Água na Jarra” Atitude correta é isolar área e acionar resgate PLANETA Letycia Janot, G Panorama Condomínioavançaemhábitatdeonça Rápida expansão de cidades do interior de São Paulo leva ao crescimento do número de aparições de felinos e lobos em áreas urbanas G Onça-parda Puma concolor, também conhecida como suçua- rana (acima). Pode pesar 75 kg, vive nas Américas e está ameaçada de extinção por causa da perda do seu hábitat. G Gato- mourisco Herpailurus yagoua- roundi. Por causa de seu pequeno porte (mede até 70 cm) o felino (esq.) é muito con- fundido com o gato doméstico. G Gato-palheiro Leopardus colocolo. Também conheci- do como gato-dos-pampas, é pequeno (até 6 kg) e tem hábitos noturnos. É o menos estudado dos felinos silvestres que vivem no Brasil. Sua pelagem é cinzenta, com as patas escuras. G Jaguatirica Leopardus pardalis. Felino (à direita) de médio porte, chega a pesar até 16 kg. Animal soli- tário e de hábitos noturnos, a jaguatirica aparece em to- dos os biomas do Brasil. O que fazer ao se deparar com umaonçanoquintaldecasa?Es- pecialistas ouvidos pelo Estado afirmam que a melhor maneira deagirémanteracalmaedeixar o caminho livre para que o ani- mal tente voltar para o lugar de onde veio. Em seguida, acione a ajudadaPolíciaMilitarAmbien- tal, do Corpo de Bombeiros ou do zoológico mais próximo. “A atitude mais correta é iso- laraáreaondeaonçaestáepedir oresgate.Apiorcoisaasefazeré atrair vizinhos e curiosos para perto, pois isso faz com que o animal se sinta acuado”, diz Ro- gério Cunha De Paula, do Cen- tro Nacional de Conservação e PesquisadeMamíferosCarnívo- ros(Cenap).Eleexplicaqueaon- ça-parda, a mais avistada em áreas urbanas, dificilmente ata- cao serhumano. “Ela temmedo do homem. Seu instinto será sempre o de fuga.” Deacordocom o biólogoFeli- peFeliciani, daAssociaçãoMata Ciliar, as onças-pardas são ani- mais de andar silencioso e hábi- tosnoturnos.“Essesanimaises- tão tendo de percorrer distân- cias cada vez mais longas para encontraralimento”,diz.Por is- so, ele recomenda evitar cons- truir galinheiros e outros cria- dourosde aves próximos aáreas de remanescentes de mata. Código florestal. Para Fernan- do Azevedo, pesquisador da ONG Pró-Carnívoros, a apari- ção de onças tende a se tornar ainda mais frequente à medida em que ocorrem desmatamen- tos.Eletemequeaflexibilização do Código Florestal, aprovada por comissão especial na Câma- ra dos Deputados, agrave mais o problema nos próximos anos. “Se essas alterações passarem a valer,seráumdurogolpenaspo- pulaçõesdeonças,queperderão ainda mais seus hábitats.”/ A.V. G Faça a sua parte Nunca compre animais silvestres, pois isso estimula a ação de criminosos que traficam e maltratam esses bichos. Leia. Curso ensina a fazer moda com sustentabilidade TRÊS PERGUNTAS PARA... FELIPE FELICIANI BIÓLOGO DA ONG MATA CILIAR “A reintegração de um animal como uma onça-parda no ambiente não é simples. As fêmeas se reintegram mais facilmente, mas os machos brigam por território.” CRISTINA ADANIA DOUTORA EM FELINOS PELA USP “O avanço dos condomínios residenciais reduz o hábitat dos animais, pois as poucas áreas com mata nativa que ainda restam estão sendo suprimidas. Os bichos não têm para onde ir.” Andrea Vialli Em uma manhã de segunda-fei- ra,emsetembrode2009,Anhan- guera parou o trânsito. A onça- parda,ummacho,foiatropelada na altura do km 71 da rodovia de mesmo nome. Quebrou cani- nos, sofreu contusões e hoje é monitorada 24 horas por veteri- nários. Aguarda a chance de vol- tar à natureza. Sua história se assemelha à de Goiabeira, outra onça-parda. O felino foi encontrado no quintal de uma casa em Jundiaí (SP). Acuado por humanos, subiu em uma goiabeira e ali ficou até ser capturado pelo Corpo de Bom- beiroselevadoàAssociaçãoMa- ta Ciliar, que mantém o Centro BrasileiroparaConservaçãodos Felinos Neotropicais e abriga também Anhanguera. Oaceleradoprocessodeurba- nização de regiões do interior paulista, como Jundiaí, Vinhe- do,LouveiraeCampinas,estáfa- zendocomqueumacenainusita- da se torne cada vez mais co- mum: a aparição de onças em áreasurbanas.Apenasnosúlti- mos dois meses, três onças- pardasapareceramnessasre- giões. E, no último fim de se- mana, também dois lobos- guarás. Segundo informações do CentroNacionaldeConser- vação e Pesquisa de Mamí- ferosCarnívoros(Cenap), ligado ao Ministério do MeioAmbiente,nosúlti- mos três anos tem ocorrido uma mé- dia de três apari- ções de onças em áreas ur- banizadas a cada dois meses. “Nos meses de inverno, espe- cialmente entre julho e setem- bro, esses encontros se tornam maisfrequentes.Hámuitasquei- madas, o que provoca um deslo- camentomaiordosanimais”,ex- plica Rogério Cunha de Paula, analistaambientaldoCenap.Se- gundo a ONG Pró-Carnívoros, nos últimos dois anos foram re- gistradas20 aparições deonças- pardas em áreas urbanas de São Paulo e Minas Gerais. “Os ani- mais estão encurralados”, resu- meFernandoAzevedo,pesquisa- dor da Pró-Carnívoros. Condomínios. Além das queimadas,aexpan- sãodoscondomí- nios residen- ciais–muitoscomapeloecológi- co–edoscanaviaisestáreduzin- do o hábitat dos animais. “É um problema sério. Em 12 anos de atividades,nuncahavíamosrece- bidochamadospararesgataron- ças. Há um ano isso se tornou comum”, diz Cristina Adania, coordenadora de fauna da Asso- ciação Mata Ciliar. Doutora em felinospelaUniversidadedeSão Paulo (USP), a veterinária criti- ca a expansão dos condomínios que avançam sobre áreas rema- nescentes de Mata Atlântica. “Aspessoas querem viver próxi- masànatureza,masseassustam quandosedeparamcomumma- caco ou onça no quintal. São os bichos que estão em uma encru- zilhada”, diz Cristina. “As pou- cas áreas verdes que sobraram viraram jardins particulares dos condomínios”, critica. A Secretaria do Meio Am- biente de São Paulo, quecompartilhacomosmunicí- pios o licenciamento ambiental dos condomínios, minimiza o problema. “A maioria dos em- preendimentos usa áreas degra- dadas,ondeapaisagemjáfoimo- dificada, evitando ao máximo a supressão da vegetação”, diz ClaudiaSchaalmann,especialis- ta em fauna da Coordenadoria deBiodiversidadeeRecursosNa- turais da secretaria. Ela adverte, porém, que é preciso que os em- preendimentos monitorem a fauna e implantem corredores que facilitem o deslocamento dos animais. estadão.com.br/planeta RONALD ZAK/AP PLUMAGEM } DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO G Risco Flamingo (Phoenicopterus spp) se refresca no zoológico de Viena, na Áustria. A ave chega a medir 1,5 m de comprimento. Estrada. A onça Anhanguera aguarda a soltura Engajada. Letycia incentiva a troca de garrafa por filtros estadão.com.br De mudança. Ursos estão chegando à idade de reprodução FOTOS: TIAGO QUEIROZ/AE %HermesFileInfo:A-26:20100801: A26 Vida DOMINGO, 1 DE AGOSTO DE 2010 O ESTADO DE S. PAULO
  • 26. cases i associats CLARÍN ARGENTINA PRENSALIBRE GUATEMALA Contenidodeúltimahora yserviciosenunsitioweb pensadopara smartphones. Eldiseñoseadaptaala resoluciónytamañode losdispositivos.
  • 27. cases i associats MILENIO MÉXICO Aplicacionesnativasque permitenleerlosmismos contenidosdelaweb.
  • 28. cases i associats MILENIO MÉXICO Aplicacionesnativasque permitenleerlosmismos contenidosdelaweb.
  • 29. cases i associats OGLOBOAMAIS BRASIL Contenidosproducidosexclusivamente paraelaplicativo. Disponibledelunesaviernesalas18h.
  • 30. Monitoreo realizado durante cuatro días, de lunes a jueves. Fueron excluídos los materiales especiales trabajados con anterioridad. Contenidofirmadoenlahomepage 08:00 14:00 20:00 ELPAÍS NYTIMES TELEGRAPH CORRIEREESTADÃO 90% 100% 80% 34% 85% 94% 78% 29% 87% 96% 81% 29% 56% 35% 76%
  • 31. Reunión de la mañana 10:00 14:3012:30 Reunión de portada 17:007:00 Edición sobre las premaquetas 18:00 Cierre de algunas secciones 20:30 Cierre 23:00 primeras decisiones sobre el papel { pico de producción desmovilización de algunas áreas. Trabajo intenso en otras Orientaciónalproductoimpreso Elcicloacostumbraaserde18-19horas Ritmos y flujos de trabajo
  • 32. Reuniónde coordinacióncon loseditores 14:30 Reunión de portada 17:007:00 18:00 Cierre de algunas secciones de papel 20:30 Cierre del papel 23:30 Reunión de la mañana con algunos coordinadores 10:00 Optimizaciónconfocomultiplataforma Reunión de coordinación con presencia de algunos editores 12:30 Ritmos y flujos de trabajo Reuniónde planificaciónde contenidoscon focoenlo DIGITAL Reuniónde planificación confocoenel IMPRESO
  • 33. cases i associats Amododeconclusión(x6)
  • 34. cases i associats Mejorenfocarseenelciclodelcontenido queenlasplataformas Distribuircontenidossegúnlas característicasdecadaplataforma Buscaralinearelworkflowdela redacciónconelciclodelcontenido Laproduccióndelaredaccióndebeseragnóstica Editarnoescerrarpáginas.Laediciónesunprocesocontinuoqueempiezaenlaagenda Atenderallectorendiferentesmomentosyatravésdedistintosmedios 1 2 3
  • 35. cases i associats Invertirencalidadparaelmundodigital escuestióndepesosodeprocesos Elpeligroesqueelpapelpierdacalidad;el desafíoeslograrallíperiodismopremium Ladificultadesmásculturalquede organización;elcambiodebeprovocarse Nuestrodiferencialestáenperiodismopapel.Olocompramosnuevooloreenfocamos Lasredaccionesseacomodan;sólouncambiodesdelacúpulalograráreconvertirlas Losmediosdigitalesseasemejaránmásalperiodistmofast-food;elpapelal periodismogourmet 4 5 6
  • 36. cases i associats muchasgracias RafaelKlappenbach rafaelk@cases-assoc.com

×