Grupo 5 inteligencia coletiva 1 sem 2013 v3

598 views

Published on

Trabalho à ser apresentado ao professor Mateus Tavares da Silva Cozer, dia 13/04/2013.
Grupo 5 INTELIGÊNCIA COLETIVA

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
598
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
32
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Grupo 5 inteligencia coletiva 1 sem 2013 v3

  1. 1. Bruno Yamashita Esther Abe Larissa Cintra Rafael Dorigom Lucas Calazans
  2. 2. AgendaInteligência Coletiva Inclusão Digital  Introdução  CSCW  Importância da Inclusão Digital  Groupware  CDI  Workflow  C.E.S.A.R.  CMS  Casa de cultura digital  LMS  Comunidades Online Web 2.0Redes Sociais  Twitter  GroundReport  Foursquare  Kickstarter  Meetup  Quora  Facebook  Hunch  Tumblr
  3. 3. Inteligência ColetivaPierre Lévy• Filósofo francês• Doutorado em Sociologia e em Ciências da Informação e da Comunicação• Professor titular da cadeira de Pesquisa em Inteligência Coletiva, da Universidade de Ottawa, no Canadá.• Seus livros já foram publicados em mais de 20 países
  4. 4. Inteligência ColetivaSegundo Pierre Lévy• “Ela só progride quando há cooperação e competição ao mesmo tempo”• “Elas podem ser melhor compartilhadas quando aumentadas e transformadas por sistemas técnicos e externos ao organismo humano” explicando a respeito das redes sociais.• “O ciberespaço é a principal fonte para a criação coletiva de idéias, de forma que elas sejam usadas para o bem de todos, através da cooperação intelectual”, conclui Lévy, após 90 minutos de palestra do dia 29 de agosto no Brasil, SP.
  5. 5. Inteligência Coletiva"Uma rede de pessoas interessadas pelos mesmos temas é não só mais eficiente do que qualquermecanismo de busca, mas sobretudo do que a intermediação cultural tradicional, que sempre filtrademais, sem conhecer no detalhe as situações e necessidades de cada um” (Pierry Levy ,2002)Fonte: Livro Inteligência Coletiva – Pierry Levy
  6. 6. Inteligência ColetivaAnita Williams Woolley• Professora assistente de Teoria e Comportamento Organizacional em Inteligência Coletiva• PhD em Comportamento Organizacional na Universidade de Harvard.• Suas pesquisas foram publicadas na Science, Organization Science, Academy of Management Review, Journal of Organizational Behavior, Small Group Research, e Research on Managing Groups and Teams e outros.
  7. 7. Inteligência Coletiva Mulheres aumentam a inteligência de um grupo A pesquisadora Anita Woolley e sua equipe, da Universidade Carnegie Mellon em Pittsburgh, mediram a inteligência grupal e as influências dos indivíduos sobre ela. Para medi-la, 699 foram divididas em grupos de 2 a 5 indivíduos e lhe foram dadas taredas simples como brainstorming, raciocínio moral, resolução de quebra- cabeças, digitação e negociação. O resultado demonstrou que a inteligência individual dos integrantes não representou grande papel na inteligência do grupo. Sensibilidade social foi de longe o fator mais importante. Outros pontos de grande influência foram o tempo em que os grupos permaneciam falando e o número de mulheres neles. Wooley acredita que isto se deva ao fato de as mulheres terem uma sensibilidade social maior que os homens.Fonte: New Scientist e Science
  8. 8. Inteligência ColetivaThomas W. Malone• MIT Sloan School of Management• Diretor Fundador do MIT Center for Collective Intelligence• Mais de 75 artigos, trabalhos de pesquisa e capítulos de livros
  9. 9. Inteligência Coletiva “Inteligência coletiva já existe há pelo menos tão longo quanto os humanos. Tribos de caçadores, nações e corporações modernas, todos agem em conjunto, com diferentes graus de inteligência.” (Thomas Malone) “Grupos de indivíduos atuando coletivamente de maneira aparentemente inteligente” (Thomas Malone)Fonte: MIT Center For Collective Intelligence
  10. 10. Inteligência Coletiva • Programa do CCI tem o objetivo de encontrar soluções para o grave problema “The idea is simple: to publish all of our course da mudança climática que a Terra vive. Uma materials online and make them widely comunidade online global analisa e discute available to everyone.” (Dick K.P. algum tema específico, gerando idéias Yue, Professor, MIT School of Engineering) diversas. Por fim, as melhores idéias são • MIT OpenCourseWare (OCW) é uma apresentadas ao Congresso Americano. base de dados online de praticamente todos os conteúdos dos curso MIT, ela está aberta e disponível para o mundo.Fonte: MIT Center For Collective Intelligence
  11. 11. Inteligência Coletiva: CSCW CSCW = Computer Supported Cooperative Work - Trabalho Cooperativo Apoiado por Computador Conduzir as pessoas ao trabalho colaborativo como forma de obter melhores resultados individuais, grupais e organizacionais.
  12. 12. Inteligência Coletiva: Groupware• Groupware = Group + Software• São os sistemas baseados em tecnologias de computação e telecomunicações que auxiliam grupos de usuários a exercer uma atividade.• Lei de Metcalfe – Quanto mais pessoas usam um sistema de comunicação, mais valioso ele se torna
  13. 13. Inteligência Coletiva: GroupwarePORQUE O GROUPWARE É NECESSÁRIO? Para tornar o trabalho em grupo mais eficiente: TEMPO gasto nas atividades em grupo Classificação das formas de interação dos Sistemas Colaborativos CUSTO de realização das atividades em Síncrono Assíncrono grupo Mesmo Lugar Pessoas Computadores Para atingir melhores resultados (Colaboração votando num compartilhados Local) auditório QUALIDADE dos resultados Lugar Diferente Conferências E-mail Para possibilitar certos tipos de tarefas em (Colaboração a Distância) Messengers Workflow grupo que seriam impossíveis (ou quase) de ser realizadas sem o suporte computacional
  14. 14. Inteligência Coletiva: CSCW x Groupware • Apesar de parecerem conceitos semelhantes, o CSCW e o Groupware são atividades distintas, onde a ideia de ambos é auxiliar o trabalho de grupos de usuários.Trabalho Colaborativoe GroupwareporJosé Braz de Araújo Fonte: Trabalho Colaborativo e Groupware por José Braz de Araújo
  15. 15. Inteligência Coletiva: Workflow• Fluxo de trabalho direcionado à alcançar um determinado objetivo• Pode ter diversas etapas e cada uma delas ser realizada por pessoas diferentes• Transforma radicalmente a maneira de toda empresa executar processos, atividades, tarefas, politicas e procedimentos“A automação total ou parcial de um processo denegócio, durante a qual documentos, informações etarefas são passadas entre os participantes doprocesso.” (WfMC, 2006)
  16. 16. Inteligência Coletiva: Workflow D’Accord Music Software • Exportação de Software; • Parcerias de distribuição; • Ambiente Virtua; • Processo de Compra; • Processo de transações.Fonte: Ambiente Virtual de Negócios por Jairo Simião Dornelas
  17. 17. Inteligência Coletiva: CMS• É um software que mantém o controle de cada parte do conteúdo em seu site, bem como sua biblioteca pública local mantém registro de livros e armazena-os.• É uma ferramenta que teve foco na experiência do usuário desde sua criação (engenharia de usabilidade)
  18. 18. Inteligência Coletiva: LMS • LMS = Learning management system • Um sistema de gestão de ensino (Learning Management System - LMS) oferece as ferramentas necessárias para a gestão, criação, programação, treino, ou aprendizagem numa organização. • O LMS normalmente ajuda a gerir tanto a sala de aula presencial, como a aprendizagem on-line (também conhecida como e-learning).
  19. 19. Inteligência Coletiva: Comunidades Online
  20. 20. Inteligência Coletiva: Comunidades Online Obtiveram maior reconhecimento após a maior acessibilidade aos computadores e à internet Reduzem as distâncias geográficas Ampliam as distâncias do conhecimento, selecionando áreas de interesse comum Levam à uma fragmentação social e intelectual (Cyber – Balkanization) Através das Comunidades On Line as pessoas se tornam cada vez mais próximas, ou seja, reduzem seus graus de separação
  21. 21. Inteligência Coletiva: Comunidades Online BALCANIZAÇÃO Global Village vs. Cyber-Balk “ Empowered by search engines, recommender systems, search agents and automatic filters, information technology (IT) users are spending more of their waking hours on the Internet, choosing to interact with information sources customized to their individual interests. But, does the emergence of a global information infrastructure necessarily imply the emergence of the global village -- a virtual community of neighbors freed of geographic constraints? Or, will the borders merely shift from those based on geography to those based on interest?” (Erik Brynjolfsson, 2004)Fonte: VanAlstyne, M., & Brynjolffson, E. (2005). Global village or cyber-balkans? Modeling and measuring the integration ofelectronic communities. Management Science e http://foraadentro.wordpress.com/2011/09/30/100/
  22. 22. Inteligência Coletiva: Comunidades Online IMDB - http://www.imdb.com/ Wikipedia – http://www.wikipedia.org/ Zagat’s Surveys – http://www.zagat.com/Review/Index.aspx
  23. 23. Inteligência Coletiva: Comunidades Online Kevin Bacon – Ator norte-americano que estrelou mais de 50 filmesFonte: Oracle of Bacon - http://www.oracleofbacon.org/
  24. 24. Redes Sociais1995 1997 2002 2003 2004 2004-2006 2007 2009 2009
  25. 25. Redes Sociais e Inteligência Coletiva • Dinâmico compartilhamento de informações, conhecimentos e interesses em busca de objetivos em comum. • O fato de indivíduos estarem em grupos de compartilhamento de informações não significa que haverá uma forma de Inteligência Coletiva. • Inteligência Coletiva-Cooperação e Competição.
  26. 26. Redes Sociais
  27. 27. Redes Sociais
  28. 28. Inclusão Digital• De acordo com Manuel Castells em seu livro, A Galáxia da Internet (2001:296), o desenvolvimento sem a internet nos dias atuais, seria como o desenvolvimento sem energia elétrica na era industrial.
  29. 29. Inclusão Digital• Não se prende ao simples acesso à internet, mas ao acesso de conhecimento;• Em 2007, o Brasil possuía aproximadamente 148 milhões de pessoas sem acesso à internet;• Capacitação de pessoas e incentivo à aceitação de mudanças e utilização das mesmas ;
  30. 30. Inclusão Digital• Apenas 31% dos 52,8 milhões de domicílios brasileiros possuíam, em 2011, simultaneamente energia elétrica, computador com acesso à internet, aparelho de DVD, TV em cores e máquina de lavar, segundo a pesquisa Síntese de Indicadores Sociais, do IBGE. • Folha de São Paulo 28/11/2012 Paulo28/11/2012
  31. 31. Inclusão DigitalEmpresas
  32. 32. Inclusão Digital• Empresas apresentam um grande papel para a inclusão digital – Disponibilização de computadores para uso – Doação de máquinas e equipamentos – Presença na comunidade – Política de capacitação – Voluntariado – Inclusão de pessoas com deficiência
  33. 33. Inclusão Digital• Comitê de Democratização da Informática Fundada em 1995 Pioneira na inclusão digital na América Latina Mobilizar pessoas e transformar comunidades através da tecnologia Capacitar as pessoas à utilização de forma correta da tecnologia Resultados do CDI em 2012 Espaços de Inclusão Digital: 780 Beneficiário desde 1995: 1.538.132 Beneficiários em 2012: 92.084 Educadores em 2012: 1.007 Países com presença CDI: 12
  34. 34. Inclusão Digital• Casa da Cultura Digital Formado por um circulo de pequenas empresas, localizado na região da Bela Vista em São Paulo com o intuito de trocar e circular ideias, projetos e pessoas. Dando ênfase à pesquisas, articulações e formações, envolvendo jornalismo multimídia, redes e plataformas
  35. 35. Inclusão DigitalC.E.S.A.R (Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife)Desenvolve produtos e serviços para empresas e industrias emsetores como telecomunicações, eletroeletrônicos, automaçãocomercial financeiro, mídia, energia, saúde e agronegócios.Procurando realizar a transferência auto-sustentada deconhecimento em tecnologias da informação entre a sociedade ea academia.
  36. 36. Inclusão DigitalProcesso de Inovação (PIC)Estudos e pesquisasIdeaçãoPrototipaçãoAvaliação
  37. 37. O estouro da bolha das empresas ponto-com em 2001 marcou uma virada naWeb.Fonte: Tim O’Reilly-web 2.0
  38. 38. O Colapso ponto com!!Considera-se que o auge da bolha tenha acontecido em 10 demarco de 2000 onde o índice Nasdaq chegou aimpressionantes 5 mil pontos!!!!!!Em 2001 a maioria das empresas ponto com já estavam emprocesso de venda, fusão ou simplesmente quebraram com oestouro da bolhaNasce a Conferencia Web 2.0.Fonte: Tim O’Reilly-web 2.0
  39. 39. Onde surgiu o conceito Web 2.0??O conceito de Web 2.0 começou com uma conferência debrainstorming entre a O’Reilly e a MediaLivre International.Dale Doughherty, pioneiro da web e vice-presidente daO’Reilly, notou que ao contrário de haver explodido, a webestava mais importante do que nunca.Fonte: Tim O’Reilly-web 2.0
  40. 40. O ConceitoA Web 2.0 é um conjunto de princípios e práticas queinterligam um verdadeiro sistema solar de sites quedemonstram alguns ou todos esses princípios e que estão adistâncias variadas do centro.• conceito mais importante é que a Web 2.0 não tem fronteiras rígidas e sim um centro gravitacional.• Se um site ou produto depende de publicidade para tornar-se conhecido nao é web 2.0.Copere nao controleOs aplicativos Web 2.0 sao construidos a aprtir de uma redecooperativa de servicos de dados.Fonte: Tim O’Reilly-web 2.0
  41. 41. Mapa Web 2.0A figura mostra um mapa de noções de Web 2.0 desenvolvidodurante a seção de brainstorming, uma conferencia na O’ReillyMedia.Fonte: Tim O’Reilly-web 2.0
  42. 42. A Web Vem para mudar conceitos como o espaço, o tempo, a perfeição, a interação social, o conhecimento, matéria e moralidade. Quebra a tradicional forma de publicação de conteúdos. No modelo antigo era utilizada apenas para guardar informações e conteúdos no formato em que foi certificado. O novos conceitos de troca de informações, colaboração e organização dos conteúdos da Web ajuda os usuários a torná-la mais dinâmica.Fonte: WEINBERGER, David. Small pieces loosely joined, New York: Basic, c2002
  43. 43. A WebNós estamos nos redefinindo, aprendendo coisas que nãosabíamos que eram possíveis. Com conhecimentodesenvolvemos novas personalidades, novasfilosofias, estamos desenvolvendo novas NOSSASpersonalidades. significativa entre o espaço do mundo real eA diferença maisespaço Web tem a ver com a relação de espaço para ascoisas nele.A Web interfere através da nossa cultura, nossa economia, asnossas idéias sobre informações e como são compartilhadase até mesmo através de instituições como religião e governo.No entanto, nos ensina sobre gestão. É a rede mais complexajá criada. No entanto, ela foi criado sem quaisquer gestores.Fonte: WEINBERGER, David. Small pieces loosely joined, New York: Basic, c2002
  44. 44. A WebWeb pages criam espaços na web. Isto é exatamente como oespaço funciona no mundo real. Espaço medido é o mesmoem toda parte, que é a sua essência. Espaço vivido é diferenteem todos os lugares, que é a sua natureza. Que acabamos dedescrever a World Wide Web - os quartos são páginas da Webe as portas são hiperlinks.Há uma diferença importante na política do espaço. TimBerners-Lee criou a Web para que os cientistas pudessemconsultar o trabalho de outros cientistas sem ter que pedirpermissão.Fonte: WEINBERGER, David. Small pieces loosely joined, New York: Basic, c2002
  45. 45. A WebA Web é gerenciada, permanentemente "emconstrução", necessitamos do perfeccionismo para tornarperceptível no mundo dos negócios, o qual não se podeerrar, cada falha se torna uma humilhação pública. As empresas têm em seus sites como termos de "aderência", que seus visitantes devem permanecer no site.Outras empresas têm adotado uma estratégia diferente parareplicar on-line a inconveniência de mundo real espaço: semlinks que façam o usuário se sentir em um beco sem saída naweb.Fonte: WEINBERGER, David. Small pieces loosely joined, New York: Basic, c2002
  46. 46. Uma das lições chave da era da Web 2.0 é essa: Usuários adicionam valor Portanto, as companhias Web 2.0 programam padrões para agregar dados do usuário e gerar valor como um efeito paralelo ao uso comum do aplicativo. Elas constroem sistemas que ficam melhores quanto mais as pessoas os utilizam.Fonte: Tim O’Reilly-web 2.0
  47. 47. Uma das lições chave da era da Web 2.0 é essa: Usuários adicionam valor Efeitos na rede resultantes das contribuições dos usuáriossão a chave para a supremacia na era Web 2.0A lição da Web 2.0 é alavancar o auto serviço do consumidor ealgoritmos de gerenciamentode dados visando atingir a rede em toda suaextensão e não apenas o centro, até a caudalonga e não apenas a cabeça.Fonte: Tim O’Reilly-web 2.0
  48. 48. BLOGSO permalink foi o dispositivo que transformou os blogs foi aprimeira a apontar e discutir especificamente um post emalgum site pessoal, iniciavam as discuções chats.Sistemas de Redes Sociais como o Friendster, Orkut eLinkedIn, que requerem permissão do receptor a fim de queuma conexão possa ser criada, carecem da mesma“escalabilidade” que a web.Já o Flickr (serviço de compartilhamento de fotos) permite aousuário estabelecer listas de acompanhamento, ouseja, qualquer usuário pode assinar o fluxo de fotografias dequalquer outro, via RSS. O acesso é notificado, mas o usuárionão precisa autorizar a conexão.Fonte: Tim O’Reilly-web 2.0
  49. 49. PERGUNTAS?!
  50. 50. BibliografiaCRUZ, R. ; GONCALVES, B. ; SILVA, C. A. ; WEINGRILL, C. ; PACHI, F. ; SILVA, L. ; COZER, M. T. S. . O QUE AS EMPRESAS PODEM FAZER PELAINCLUSÃO DIGITAL. 1. ed. São Paulo: Instituto Ethos, 2004. v. 7.000. 110 p.BRYNJOLFSSON, E. ; VAN ALSTYNE, M . Electronic Communities: Global Village or Cyberbalkans? MIT Sloan School, 1997MALONE, T ; LAUBACHER, R ; DELLAROCAS, C . Harnessing Crowds: Mapping the Genome of Collective Intelligence MIT Center forCollective Intelligence, 2009WEINBERGER, David. Small pieces loosely joined, New York: Basic, c2002LÉVY, PIERRE. A Inteligência Coletiva. São Paulo: Loyola,1998.LÉVY, PIERRE. A Conexão Planetária: o mercado, o ciberespaço, a consciência. São Paulo: Editora 34, 2001LÉVY, PIERRE. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.Staff (2005), “The economics of sharing,” The Economist.DORNELAS, J. S. ; HOPPEN, N. A Gestão Participativa e o Uso de Sistemas de Apoio à Decisão em Grupo como Propulsores de Novas EstruturasOrganizacionais, v.8 – n.21 – 2011WOOLLEY, A. W. Evidence for a Collective Intelligence Factor in the Performance of Human Groups, Washington, DC – 2010
  51. 51. BibliografiaDisponível em www.collectiveintelligence.info/documents, 2004. Acesso 02/03/2013 às 20:30hDisponível em: www.cdi.org.br. Acesso em 03/03/2013 às 11:30hDisponível em: www.casadaculturadigital.com.br. Acesso em 03/03/2013 às 11:10hDisponível em: www.cetic.br. Acesso em 03/03/2013 às 21:35hDisponível em http://www.cesar.org.br/. Acesso em 03/03/2013 às 12:20hDisponível em: www.serpro.gov.br. Acesso em 04/03/2013 às 19:15hDisponível em: www.ufpa.br . Acesso em 02/03/2013 às 19:45hDisponível em: http://cci.mit.edu . Acesso em 02/03/2013 às 20:00hDisponível em: https://pt.foursquare.com/ . Acesso em 03/03/2013 às 22:00hDisponível em: http://glauco.net.br/glauconet/si/Workflow.pdf Acesso em 03/03/2013 às 20:30hDisponível em: http://www.revista.ufpe.br/gestaoorg/index.php/gestao. Acesso em 03/03/2013 às 22:20hDisponível em: www.oracleofbacon.org Acesso em 05/03/2013 às 23:20hDisponível em: www.climatecolab.org/web/guest Acesso em 02/03/2013 às 20:30hDisponível em: www.imdb.com . Acesso em 05/03/2013 às 23:00hDisponível em: www.zagat.com . Acesso em 05/03/2013 às 23:00hDisponível em: http://www.comunidade.sebrae.com.br/orientador_emp/Cafe+com+Letras/37139.aspx. Acesso em 02/03/2013 às 21:20hDisponível em http://oreilly.com/web2/archive/what-is-web-20.html. Acesso em 06/03/2013 às 23:00hDisponível em http://www.revista.ufpe.br/gestaoorg/index.php/gestao/article/viewFile/66/58. Acesso em 08/03/2013 às 16:00hDisponível em http://www.ufpe.br/gepec/exemplos/09_artigo05(jairodornelas).pdf. Acesso em 08/03/2013 às 16:30hDisponível em http://www.economist.com/node/3623762. Acesso em 08/03/2013 às 17:00hDisponível em http://foraadentro.wordpress.com/2011/09/30/100/. Acesso em 09/03/2013 às 22:00hDisponível em http://www.newscientist.com/article/dn19530-social-sensitivity-trumps-iq-in-group-intelligence.htm. Acesso em 08/03/2013 às 15:00hDisponível em https://twitter.com. Acesso em 09/03/2013 às 23:00hDisponível em http://www.groundreport.com. Acesso em 09/03/2013 às 23:00hDisponível em http://www.kickstarter.com. Acesso em 09/03/2013 às 23:00hDisponível em http://asap.me. Acesso em 09/03/2013 às 23:30hDisponível em http://www.meetup.com/find/. Acesso em 09/03/2013 às 23:30hDisponível em https://www.quora.com. Acesso em 09/03/2013 às 23:30hDisponível em http://hunch.com. Acesso em 09/03/2013 às 23:30h

×