Planejamento 2014 Secretaria Municipal de Marília
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Planejamento 2014 Secretaria Municipal de Marília

on

  • 1,172 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,172
Views on SlideShare
550
Embed Views
622

Actions

Likes
0
Downloads
8
Comments
0

6 Embeds 622

http://secretariamunicipalmarilia.blogspot.com.br 606
http://secretariamunicipalmarilia.blogspot.com 10
http://secretariamunicipalmarilia.blogspot.nl 3
http://secretariamunicipalmarilia.blogspot.pt 1
http://www.secretariamunicipalmarilia.blogspot.com.br 1
http://secretariamunicipalmarilia.blogspot.gr 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Planejamento 2014 Secretaria Municipal de Marília Presentation Transcript

  • 1. ORIENTAÇÕES E REFLEXÕES
  • 2. Retomar / Analisar
  • 3.  Informes sobre Planejamento Escolar
  • 4.  4º ano – 1ª edição do SAREM  3º ano – ANA (Avaliação Nacional de Alfabetização)  5º ano – em 2014 participará do SARESP
  • 5. A principal diferença do programa refere-se aos conteúdos que serão trabalhados durante a formação, cuja ênfase será na Alfabetização Matemática, associado ao reforço de conceitos visto no Ano 1, relativos à Língua Portuguesa. Outra mudança importante para todos os bolsistas é que o módulo utilizado no SIMEC para gestão do programa será o SisPacto 2014. Documento de Orientação
  • 6.  As operações de multiplicação e divisão nas séries iniciais do Ensino Fundamental - Kátia N. V. Souza  MARTINS, Fernanda Medeiros Alves Besouchet. Dos blocos aos números: as operações lógicas e o desenvolvimento do raciocínio lógico-matemático da criança. In: Anais do IV Simpósio sobre Formação de Professores – SIMFOP Universidade do Sul de Santa Catarina, Campus de Tubarão, 2012.  Escuta do texto ou leitura? Élie Bajard. Revista na Ponta do Lápis. Ano VI. Número 13. Fevereiro de 2010
  • 7. É o documento norteador da escola em sua totalidade  O processo de reflexão do projeto político pedagógico, necessariamente deve ser fruto de uma participação coletiva, interagindo regularmente a comunidade intra-escolar com a comunidade extra-escolar.  Dentre os participantes da confecção do projeto político pedagógico, figura a família como uma parte indispensável na concepção do mesmo.
  • 8. A participação ativa na construção deste documento ainda é um ponto polêmico quer por conta dos próprios pais, quer por conta da escola que não raras vezes entende de forma parcial o real sentido da participação coletiva propriamente dita.  Articular as diversas categorias envolvidas na elaboração do Projeto Político Pedagógico implica conhecer a realidade sobre a qual se deseja atuar. É necessário, que se conheça os conflitos e contradições enfrentados pela escola e seus interlocutores para que se estabeleçam as reais prioridades para o projeto.
  • 9.  Frequência em reuniões de pais e mestres?  Auxílio em atividades extra-classe (lição de casa)?  Participação em eventos promovidos pela UE?  O MEC publicou a cartilha: Educar é tarefa de todos nós: um guia para a família participar, no dia-a-dia, da educação de nossas crianças (Brasil, 2002) ; em um esforço de motivar a participação das famílias nas atividades escolares.
  • 10.  Neste sentido a avaliação (institucional / diagnóstica) assume um papel de policiamento diagnóstico permanente do desenvolvimento do Projeto Político Pedagógico enquanto elo entre o planejado e o que, de fato, foi possível alcançar ao longo do processo.  Temos desafios ainda por trilhar que demandam a superação de velhos paradigmas; visto que a escola ainda permanece fechada ao diálogo frente às questões pedagógicas e as próprias tomadas de decisão.
  • 11.  Não existem receitas prontas aplicáveis a realidades distintas quando se trata de ações educacionais que promovam a participação da família na escola. Tais relações, só serão concebidas se gestadas na escola como um todo (com todas as instancias colegiadas).  É necessário que a própria escola, como organizadora e gestora do projeto esteja segura e convicta da importância de tal parceria.
  • 12.  Há que se convocar a família por que de fato acredita-se na importância desta contribuição.  O diálogo em torno das questões pedagógicas denota parceria, cumplicidade, excluindo a subordinação e o exercício do poder sobre os chamados “leigos”.
  • 13. Data da entrega – até 24/04/2014 – quarta-feira (em duas vias) - Impreterivelmente Nome da Escola PPP Inteiro Término 2014 Américo Capelozza Antonio Egéa Antonio Moral Antonio Ribeiro Cecília Guelpa Célio Corradi Chico Xavier Edméa Sola Geralda Vilardi Mário Covas Isaltino de Campos Myrthes Pupo Nelson Gabaldi Nicácia Gil Nivando Mariano Olímpio Cruz Paulo freire Reny Pereira Roberto Cimino 2012 2012 2012 2012 2011 2012 2013 2011 2012 2011 2012 2012 2012 2012 2012 2012 2012 2012 2013 2015 2015 2015 2015 2014 2015 2016 2014 2015 2014 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2016 Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos Adendos
  • 14.   http://www.ufgd.edu.br/faed/nefope/publicac oes/a-participacao-da-familia-no-projetopolitico-pedagogico-da-escola Acesso em janeiro de 2014 BRASIL, MEC. Secretaria de Educação Fundamental. Educar é uma tarefa de todos nós: um guia para a família participar, no dia a dia, da Educação de nossas crianças. Brasília: Assessoria Nacional do Programa Parâmetros em ação, 2002.