Your SlideShare is downloading. ×
Sintese T3 Sessao 4
Sintese T3 Sessao 4
Sintese T3 Sessao 4
Sintese T3 Sessao 4
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Sintese T3 Sessao 4

135

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
135
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Práticas e Modelos de Avaliação em Bibliotecas Escolares Síntese da Sessão 4 Foram objectivos desta sessão: • Entender as ligações do processo de auto-avaliação à escola. • Perspectivar a gestão da informação e o processo de comunicação com a escola/ agrupamento. • Perceber o papel e a necessidade de liderança por parte do professor coordenador. As tarefas propostas em alternativa consistiram: Tarefa 1 Construa um Power Point para apresentar no Pedagógico/ Escola/ agrupamento que evidencie: - O papel e mais-valias da auto-avaliação da BE; - O processo e o necessário envolvimento da escola/ agrupamento; - A relação com o processo de planeamento; - A integração dos resultados na auto-avaliação da escola. OU Tarefa 2 1 – Faça uma análise à realidade da sua escola e à capacidade de resposta ao processo e identifique os factores que considera inibidores do mesmo. 2 – Delineie um plano de acção que contemple o conjunto de medidas necessárias à alteração da situação e à sua consecução com sucesso. Na fase final da sessão, foi solicitado a cada formando que seleccionasse o contributo de um dos colegas e fizesse um comentário fundamentado à proposta/análise por ele efectuada.
  • 2. Realização das tarefas: Em relação à realização das tarefas, 32 formandos participaram na unidade e elaboraram uma das tarefas desta acção. 28 dos formandos optaram pela tarefa nº 1 e 4 pela tarefa nº 2. Todos os formandos fizeram, independentemente da sua heterogeneidade, algum tipo de comentário ao trabalho de um colega. Na realização do seu trabalho, os formandos continuam a reflectir na sua maioria as leituras realizadas, notando-se um maior domínio do “Modelo de Auto-avaliação da BE” e das suas potencialidades, não só ao nível da organização e gestão da BE, mas também como instrumento pedagógico e de indução de outras práticas na escola. Para esta sessão, eram sugeridas em opção duas tarefas que se relacionavam, de forma directa, com os objectivos implicados nesta sessão: • Entender o processo e desenvolver a necessária visão integradora; • Problematizar a implementação do Modelo no contexto da escola; • Considerar os processos e estratégias implicados: planeamento, estratégia, liderança e comunicação (entre outros). A maioria dos formandos optou pela construção de um Power Point para apresentar no Pedagógico/ Escola/ Agrupamento. Síntese do Fórum 1 Objectivos: Perspectivar a integração do processo de auto-avaliação no contexto da escola/ agrupamento implica que o professor bibliotecário divulgue o processo e envolva os diferentes actores. A elaboração do Power Point como base da apresentação do Modelo foi realizada pelos formandos, respeitando as regras básicas desta ferramenta (número mínimo de diapositivos, texto simples utilizando marcas ou frases curtas, adequado tamanho e tipo de letra, elementos gráficos para ajudar a transmitir a mensagem, alto contraste entre cor do fundo / cor do texto e verificação da ortografia e da gramática). Quanto aos principais aspectos que deveriam ser evidenciados na apresentação, verificámos que todos foram aflorados, com mais ou menos profundidade, sendo o necessário
  • 3. envolvimento da escola agrupamento e a integração dos resultados na auto-avaliação da escola as questões mais negligenciadas em algumas apresentações. No entanto, pensamos que os objectivos fundamentais desta tarefa ficaram concretizados com sucesso pois muitos dos comentários espelham essa reflexão crítica sobre o seu trabalho e sobre o dos colegas. Síntese do Fórum 2: A integração do processo de auto-avaliação no contexto da escola é crucial. A ausência de práticas de avaliação e também de uso estratégico da informação recolhida no processo de planificação e de melhoria tem estado igualmente ausente das práticas de muitas bibliotecas. Integrar o processo de auto-avaliação no processo de avaliação interna e externa da escola requer, também, envolvimento e compromisso da escola/órgão de gestão e uma liderança forte da parte do professor-bibliotecário. As quatro formandas que optaram pela tarefa do fórum 2 não responderam plenamente ao que lhes era pedido. Foi elaborada a análise da realidade das escolas, mas não foi devidamente explorada a questão da capacidade de resposta ao processo de auto avaliação e a identificação dos factores considerados inibidores desse processo. No que diz respeito à delineação do plano de acção constataram-se algumas dificuldades na sua elaboração, pelo que recordamos que o plano de acção é um documento por excelência de planeamento do desenvolvimento da Biblioteca Escolar. No plano de acção devem ser considerados as áreas em que é necessário efectivamente intervir para ultrapassar os constrangimentos antecipados, os objectivos cuja prossecução se torna imprescindível para a mudança e as acções de melhoria que a irão efectivar. O importante, após a identificação dos principais problemas e, tendo em conta as finalidades da BE, é definir objectivos e acções que possam ser levadas à prática sempre na tentativa de melhorar o processo de aplicação do Modelo. A título de conclusão gostaríamos de reforçar as seguintes ideias: Pensar o processo de auto-avaliação da biblioteca escolar implica pensar de forma integrada, englobando e envolvendo de forma directa a escola a quem direccionamos serviços. A escola deve estar envolvida em todo o processo de gestão e funcionamento da BE. Deve sê-lo, não apenas porque precisamos contar com a colaboração de todos na inquirição
  • 4. que constitui o processo de avaliação, mas porque o envolvimento de todos significará um passo decisivo no percurso que a biblioteca tem que realizar, com vista à inscrição nas práticas de docentes e alunos e, muito importante, no reconhecimento do seu valor. Os processos de planeamento estratégico e operacional, assim como a gestão pedagógica da BE, têm que estar relacionadas com as políticas, objectivos e projectos em desenvolvimento na escola, devendo a avaliação da biblioteca escolar acompanhar e integrar a avaliação da escola. Há ainda a considerar que a auto-avaliação é ela própria uma excelente oportunidade para nos tornarmos visíveis e sustentar as práticas que efectivamos. Quer os resultados sejam mais ou menos positivos, podemos usá-los para validar a nossa acção ou para reivindicar relativamente ao que está menos bem. Felicitamos o conjunto da turma pelo trabalho desenvolvido e desejamos a todos a continuação de um bom trabalho! As formadoras Júlia e Margarida

×