01 gpme - atividade empreendedora

2,494 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,494
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

01 gpme - atividade empreendedora

  1. 1. G. de Pequenas e Médias Empresas Prof. Ricardo B. GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Introdução A disciplina Novos Negócios, ou iniciação empresarial, foi desenvolvida com base em pesquisas com empreendedores, realizadas pelo autor e ministradas por ele no período de 1981 a 1987 no Curso de Especialização em Administração para Graduados (CEAG) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas. O grande êxito alcançado pela matéria – cujos indicadores mais patentes foram as classes sempre lotadas e a gama de negócios iniciados pelos alunos a partir dos ensinamentos do curso, como ilustra a Figura 1 – levou o autor a escrever este livro. Pretende com isso auxiliar os colegas professores na adoção da disciplina em outras instituições de ensino superior, com a repetição do sucesso em favor da livre iniciativa. O autor pretende, também, incentivar leitores alheios ao contexto universitário a considerarem a possibilidade de se tornarem empreendedores e abrir seu negócio como uma alternativa à profissão como empregado em empresas. As experiências contadas por empreendedores foram escritas, sob a coordenação do professor Álvaro Augusto Araújo Mello, por Mônica Nogueira e Helton Haddad da Silva, da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, contratados pela revista EXAME, da Editora Abril e colocados à disposição dos autores. A ATIVIDADE EMPREENDEDORA O empreendedor é o agente do processo de destruição criativa que, de acordo com Joseph A. Schumpeter é o impulso fundamental que aciona e mantêm em marcha o motor capitalista, constantemente criando novos produtos, novos métodos de produção, novos mercados e, implacavelmente, sobrepondo-se aos antigos métodos menos eficientes e mais caros. Atividade empreendedora como opção de carreira O desenvolvimento de novos empreendimentos é fundamental, não só para aqueles que decidem viver diretamente de seu trabalho como empreendedores, mas também para os executivos que atuam em
  2. 2. 2 empresas. Isto porque as empresas precisam manter sua vitalidade empreendedora desenvolvendo novos negócios a fim de continuarem a crescer e não se tornarem obsoletas, como podemos ver nos seus estágios de crescimento apresentados em seguida. ESTÁGIOS DE CRESCIMENTO DA EMPRESA As empresas, de acordo com pesquisas do autor, passam por uma sucessão de estágios no desenvolvimento dos seus negócios, conforme mostra a Figura 2. Nem todas evoluem igualmente, algumas saltam estágios, outras desenvolvem estágios paralelamente, outras, ainda, param de crescer e pouquíssimas chegam a percorrer todos os estágios. Como o objetivo não é analisar os estágios de crescimento das empresas, mas falar sobre novos negócios vamo-nos limitar a dar, em seguida, uma breve descrição de cada um deles. Acumulando Recursos A maioria das empresas é iniciada por um ou mais empreendedores que acumulam recursos financeiros e técnicos para iniciar um empreendimento e vencer as barreiras á entrada no negócio escolhido. Explorando Oportunidade Todo negócio é iniciado explorando-se uma oportunidade identificada pelo empreendedor no mercado. A habilidade em evitar o rápido esgotamento da oportunidade, promovendo sua ampliação até se obter um negócio estabilizado, representa o sucesso neste estágio. Explorando Nicho de Mercado A maioria dos negócios começa explorando um nicho de mercado. Assim, para crescer, devem vencer as barreiras do esgotamento do nicho, isto é, expandir-se para além dos limites dessas barreiras. Explorando Mercado Conforme o empreendimento se desenvolve, explorando todo o mercado, encontra a barreira imposta pelo esgotamento do mercado. A empresa, então, para continuar a crescer, precisa diversificar. Explorando Negócios com Sinergia A maioria das empresas procura iniciar a diversificação explorando negócios com sinergia, podendo continuar a crescer até o esgotamento dos negócios com sinergia. Explorando Negócios sem Sinergia A empresa que quiser crescer, depois do esgotamento dos negócios com sinergia, deve orientar sua diversificação explorando negócios sem sinergia. A barreira a este tipo de crescimento é o esgotamento da capacidade gerencial da empresa, assim como a perda de criatividade para identificar novas oportunidades. Cada estágio de crescimento tem duas fases consecutivas: a primeira é a fase administrativa e a segunda, a fase empreendedora.
  3. 3. 3 Fase Administrativa de Baixo Risco A fase administrativa começa com cada novo estágio, e é nela que a empresa cresce, explorando o negócio definido no estágio anterior. O enfoque é otimizar a orientação estratégica básica, procurando aumentar a eficiência da empresa. Esta fase é considerada de baixo risco porque nela são feitos somente ajustes internos na organização e operações da empresa, à procura da maior eficiência possível. Como os ajustes são internos, eles estão inteiramente sob controle da empresa. Eventuais erros são difíceis de acontecer e podem ser corrigidos
  4. 4. 4 sem grandes conseqüências. O máximo que, normalmente, pode ocorrer é a perda do élan de crescimento. A fase administrativa termina com o esgotamento do potencial de crescimento do estágio e, se a empresa pretende continuar a crescer, deve entrar na fase seguinte, que é a fase empreendedora. Fase Empreendedora de Alto Risco A fase empreendedora começará quando o potencial de crescimento do estágio estiver esgotado e a empresa quiser continuar a crescer. Para isto, ela precisa redefinir seu negócio. O enfoque é mudar a orientação estratégica básica, procurando aumentar a eficácia da empresa. Esta fase é considerada de alto risco, uma vez que nela são feitos ajustes fundamentais na relação da empresa com o seu ambiente, à procura de maior eficácia. Como os ajustes são externos, eles não estão inteiramente sob controle da empresa, dependem da aceitação dos consumidores, reação dos concorrentes etc. Com isto, é muito mais fácil a ocorrência de eventuais erros e suas conseqüências são bem mais graves. Um erro na redefinição do negócio geralmente acarreta grandes prejuízos e, não raro, risco para a própria sobrevivência da empresa. A fase empreendedora termina com a definição de nova orientação estratégica básica para a empresa e, conseqüentemente, com a entrada num novo estágio de crescimento. Cada estágio de conjunto de estágios tem a sua estratégia de crescimento. ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO DOMINANTES Na parte inferior da Figura 2, estão representadas as estratégias de crescimento dominantes para o desenvolvimento lógico da empresa nos diversos estágios: Identificar Oportunidades Os empreendedores, no primeiro estágio de crescimento, acumulam recursos e procuram identificar oportunidades de negócios para iniciar um empreendimento. Atender a uma Necessidade Após identificar uma oportunidade e vencer as barreiras à entrada no negócio, a empresa se desenvolve, realizando e atendendo a uma necessidade do mercado. Desenvolver Negócio Dominante A empresa se desenvolve enfocando todo potencial do negócio desde sua consolidação num nicho de mercado, no terceiro estágio de crescimento, sua expansão para todo mercado, no quarto estágio, até a diversificação para negócios com sinergia, no quinto estágio. Todo o crescimento da empresa nesses estágios se desenvolve com um único negócio. Por isso, chamamos essa estratégia de crescimento de desenvolver negócio dominante. Mesmo a diversificação para atividades com sinergia é uma complementação do negócio dominante. Diversificar A última estratégia de crescimento é a diversificação. É a mais perigosa, porque tende a fazer com que a empresa perca sua orientação estratégica básica, isto é, a cultura que orienta informalmente a organização. Por isso, sua adoção só será recomendada quando a empresa esgotar o seu mercado, no quarto estágio de crescimento, e tiver razões muito fortes para querer continuar a crescer. Mesmo assim, recomenda-se que a empresa comece a diversificar para negócios com sinergia com o seu original, a fim de preservar, durante o maior tempo possível, sua orientação estratégica básica e só quando as razões superarem a prudência é que deve diversificar para negócios sem sinergia. Descritos os estágios de desenvolvimento dos negócios de uma empresa e suas estratégias de crescimento dominantes, alertamos os executivos para a importância de manterem a vitalidade empreendedora, atualizando-se com os conceitos aqui expostos, a fim de conseguirem superar, sem mais riscos do que os necessários, as fases empreendedoras de sua empresa.
  5. 5. 5 A IMPORTÂNCIA DO EMPREENDEDOR NA FORMAÇÃO DA RIQUEZA DO PAÍS A riqueza de uma nação é medida por sua capacidade de produzir, em quantidade suficiente, os bens e serviços necessários ao bem-estar da população. Por este motivo, acreditamos que o melhor recurso de que dispomos para solucionar os graves problemas sócio-econômicos pelos quais o Brasil passa é a liberação da criatividade dos empreendedores, através da livre iniciativa, para produzir esses bens e serviços. Processo de Destruição Criativa O economista Joseph A. Schumpeter descreveu a contribuição dos empreendedores, na formação da riqueza do país, como o processo de “destruição criativa”. Este processo que, de acordo com Schumpeter, é “o impulso fundamental que aciona e mantém em marcha o motor capitalista’‘, gera constantemente novos produtos, novos métodos de produção e novos mercados; revoluciona sempre a estrutura econômica, destrói sem cessar a antiga e, continuamente, cria uma nova. Foi o processo de destruição criativa que tornou obsoleta a caneta-tinteiro em favor da esferográfica, a válvula eletrônica em favor do transistor, a régua de cálculo em favor da calculadora eletrônica, a locomotiva a vapor em favor da elétrica ou a diesel etc. Em todos estes casos e em muitos outros, foi a criatividade dos empreendedores que substituiu um produto ou serviço mais caro e menos eficiente por outro mais barato, que executa melhor sua função. As vantagens para todos são evidentes. Constantemente somos beneficiados por bens e serviços melhores e mais acessíveis. Com o processo de destruição criativa estamos desenvolvendo a capacidade do país em produzir, em quantidade suficiente e a preços cada vez mais acessíveis, os bens e serviços necessários ao bem-estar da nossa população. Estatização e Capitalismo “Selvagem” Infelizmente, existem no Brasil duas correntes que inibem o processo de destruição criativa, que forma a riqueza do país. Uma é a estatização ou o excessivo controle sobre a atividade empreendedora, criando privilégios em beneficio de minorias, como no caso da informática. A outra é o capitalismo “selvagem”, ou oligopolista, que se manifesta na sua forma mais negra, através da comercialização e abastecimento das nossas grandes cidades com produtos agrícolas. Tanto a estatização como o capitalismo “selvagem”, forçam a população a pagar mais caro por produtos menos eficientes. A ambição dos empreendedores em vencer todas as barreiras e dificuldades, inclusive todos os empecilhos estatizantes, no desenvolvimento de seu empreendimento é decorrente da sua necessidade de realização. NECESSIDADE DE REALIZAR Ser empreendedor significa ter, acima de tudo, a necessidade de realizar coisas novas, pôr em prática idéias próprias, característica de personalidade e comportamento que nem sempre é fácil de se encontrar. Psicologicamente, as pessoas podem ser divididas em dois grandes grupos, de acordo com David McClelland: uma minoria que, quando desafiada por uma oportunidade, está disposta a trabalhar arduamente para conseguir algo, e uma maioria que, na realidade, não se importa tanto assim. As pessoas que têm necessidade de realizar se destacam porque, independente de suas atividades, fazem com que as coisas aconteçam. Bernard Shaw foi muito feliz ao descrever o inconformismo com o “status quo” daqueles que têm grande necessidade de realizar. De acordo com ele: “O homem racional adapta-se ao mundo, irracional tenta adaptar o mundo a si. Portanto, todo progresso depende do homem irracional”. FATORES INIBIDORES DO POTENCIAL EMPREENDEDOR Há muitos fatores que inibem o surgimento de novos empreendedores. Os três mais importantes são: imagem social, disposição de assumir riscos e capital social dos potenciais empreendedores.
  6. 6. 6 Imagem Social A maioria das pessoas que têm sucesso em suas carreiras profissionais nunca pensou seriamente na possibilidade de iniciar um negócio próprio. Não é que elas não gostariam de se tornar empreendedores bem-sucedidos, mas por não estarem dispostas a dar um passo, na sua opinião, para trás, imprescindível ao sucesso, que significa abandonar o conforto de sua carreira bem-sucedida, para sujar as mãos com atividades necessárias para iniciar um empreendimento próprio. A realidade é que todo empreendedor que deseja ter sucesso precisa estar disposto a, no início, desenvolver ele mesmo todas as atividades na sua empresa. É preciso fazer as compras, atender pessoalmente a clientes e fornecedores, vender, entregar, fazer contabilidade e, eventualmente, até limpeza. Não há nenhuma vergonha no trabalho honesto. Porém, muitos pensam que, após terem atingido uma boa posição como empregados, as tarefas necessárias para iniciar um novo negócio vão prejudicar a sua imagem social. Por este motivo, acabam preferindo permanecer no “conforto” do emprego. Aqueles incautos que tentam trazer para seu pequeno negócio as mesmas facilidades e mordomias das grandes empresas poucas chances têm de sucesso. Fariam melhor se continuassem na segurança dos seus bons empregos. A carreira de empreendedor não é para eles. Disposição Para Assumir Riscos Nem todas as pessoas têm a mesma disposição para assumir riscos. Muitos precisam de uma vida regrada, horários certos, salário garantido no fim do mês e assim por diante. Esse tipo de pessoa não foi feita para ser empreendedor. O empreendedor, por definição, tem de assumir riscos, e o seu sucesso está na sua capacidade de conviver com eles e sobreviver a eles. Os riscos fazem parte de qualquer atividade, e é preciso aprender a administrá-los. O empreendedor não é malsucedido nos seus negócios porque sofre revezes, mas porque não sabe superá-los. De outro lado, o risco financeiro e profissional, para aqueles que decidem iniciar o seu próprio negócio, será muito menor do que se imagina, se esse início for bem-planejado. O risco financeiro pode ser limitado a uma quantia predeterminada, suportável pelo empreendedor, não só pelo planejamento, mas também pela divisão desse risco com sócios e, eventualmente, até com fornecedores e clientes, como veremos no decorrer deste livro. Já o risco profissional é quase inexistente, porque uma experiência empreendedora, mesmo que malsucedida, normalmente enriquece o curriculum vitae e ajuda a encontrar um novo emprego. Qual o empreendedor que não quer ter um gerente que já teve a sua própria empresa e, por isso mesmo, conhece a fundo todos os percalços desse tipo de negócio? Capital Social Todos herdamos da nossa formação familiar, religiosa e escolar algo que, por facilidade, vamos chamar de “capital social”. São os valores e idéias que subliminarmente nos foram incutidos por nossos pais, professores, amigos e outros que influenciaram na nossa formação intelectual e que, inconsciente- mente, orientam nossas vidas. Um pai, engenheiro de uma grande empresa, pode, por exemplo, despertar nos filhos o ideal de seguir a mesma carreira, devido à natural admiração que têm por ele. Dificilmente vão considerar a opção de serem empreendedores, pois o sucesso, para eles, está ligado ao desenvolvimento de suas carreiras como engenheiros em grandes organizações. Outro exemplo do capital social como fator inibidor de potenciais empreendedores é uma forte formação religiosa que leva muitos a considerarem o lucro como imoral. Essas pessoas têm vergonha de desenvolver um negócio pelo lucro e, na eventualidade de se aventurarem a fazê-lo, procuram outras razões para justificar o seu negócio, desprezando o lucro. Como conseqüência acabam perseguindo objetivos que nada têm que ver com a realidade dos negócios e, por isso, fracassam. Por outro lado, o filho de um empreendedor aprende desde cedo o valor e os riscos de um negócio próprio. Para ele, ser empreendedor é tão natural como é ser médico para o filho de um médico. Além de participar de muitos problemas e alegrias do pai empreendedor, ouviu numerosas discussões sobre negócios entre os amigos da família, a ponto de, desde criança, sonhar em ser empreendedor.
  7. 7. 7 Há ainda um sem número de pessoas cujo capital social os leva a ser artistas, militares, esportistas, marinheiros, pilotos etc. e, por isto mesmo, raramente vão vislumbrar ou ter interesse pela carreira de empreendedor, apesar de que, na maioria dos casos, artistas ou esportistas de sucesso são, na realidade, empreendedores do seu próprio talento. PERÍODO DE LIVRE ESCOLHA PARA O POTENCIAL EMPREENDEDOR Para as pessoas com necessidade de realizar, cuja imagem social não está em conflito com as atividades necessárias para iniciar um negócio próprio, com disposição de assumir riscos e cujo capital social é favorável a ser empreendedor, há dois tipos de condições que, de acordo com Patrick R. Liles se tornam críticas: a primeira é como elas se vêem preparadas para o empreendimento, e a segunda é o número de outros interesses e obrigações que elas vêem inibindo sua decisão. Liles dá ênfase ao fato de que o importante é como as pessoas se vêem, já que não há nenhuma forma de medir a sua preparação ou o nível de outros interesses e obrigações. Preparo Para Empreender um Negócio Próprio A avaliação mais objetiva do nosso preparo para empreender um negócio próprio é a percepção que temos de nós próprios, que se reflete em nossa autoconfiança. Por analogia, é raro alguém ousar fazer uma travessia a nado, se não se considerar razoavelmente preparado para realizá-la, tendo, por isto mesmo, a autoconfiança necessária. O mesmo acontece com o potencial empreendedor. Ele se sente preparado para iniciar um negócio próprio, em função do domínio que possui sobre as tarefas que deverá desenvolver nesse negócio. O que aprendemos na escola, no trabalho e através da observação do mundo à nossa volta é acumulado ao longo de nossa vida. A maioria aprende mais rapidamente na juventude, quando tudo é novidade, diminuindo esse ritmo à medida que os anos avançam. Portanto, o preparo de um indivíduo para iniciar um negócio próprio cresce com seu domínio sobre as tarefas necessárias para o seu desenvolvimento, com o aumento de sua capacidade gerencial e com o crescimento de sua visão empreendedora refletida no seu domínio sobre a complexidade do negócio, como ilustra a Figura 3.
  8. 8. 8 Outros Interesses e Obrigações O sucesso e a satisfação no emprego e na vida particular são os fatores que mais inibem as pessoas a tomar a decisão de se tornar empreendedores. Elas não têm nenhuma motivação de assumir a incerteza e o risco de um negócio próprio, se tudo vai bem. Além disso, com sucesso no emprego surgem as obrigações normais da classe média, como aquisição da casa própria, gastos com automóveis, empregados, filhos na escola, clubes, rodas sociais, que acabam envolvendo as pessoas a ponto de, sem a garantia do salário, se sentirem inseguras. Para elas é aterrorizante a idéia de ter de abrir mão de algumas dessas conquistas, devido a um possível revés num negócio próprio. Do exposto, concluímos que todo potencial empreendedor está sujeito a duas condições: a primeira é sua percepção sobre seu preparo, que aumenta sua autoconfiança em iniciar um negócio próprio e a segunda é sua visão de outros interesses e obrigações que minam esta autoconfiança. Como, geralmente, estas duas condições estão deslocadas no tempo, a maioria dos potenciais empreendedores tem um período de livre escolha. E o período em que se sentem preparados antes de estarem demais comprometidos com outros interesses e obrigações, como ilustra a Figura 4. MOTIVOS PARA INICIAR UM NEGÓCIO PRÓPRIO Existe uma grande variedade de motivos que levam as pessoas a ter seu próprio negócio. Alguns dos mais comuns são: vontade de ganhar muito dinheiro, mais do que seria possível na condição de empregado; desejo de sair da rotina e levar suas próprias idéias adiante; vontade de ser seu próprio patrão e não ter de dar satisfações a ninguém sobre seus atos; a necessidade de provar a si e aos outros de que é capaz de realizar um empreendimento e o desejo de desenvolver algo que traga benefícios, não só para si, mas para a sociedade. Para cada um, os motivos são uma ponderação dos expostos, acrescidos de algumas particularidades próprias. Mas é importante observar que, aparentemente, a maioria das empresas de sucesso foi iniciada por homens ou mulheres motivados pela vontade de ganhar muito dinheiro e, em alguns casos, pelo desejo de sair da rotina a que estavam submetidos. Desenvolver um Negócio Próprio não é Difícil
  9. 9. 9 Há boas razões por que pessoas talentosas e ambiciosas deveriam considerar a opção de iniciar um negócio próprio. A principal, é que desenvolver um negócio próprio não é tão difícil como pensa a maioria. Além disso, o atual momento econômico brasileiro é extremamente favorável ao desenvolvimento de novos negócios, porque a recessão do início dos anos 80 alterou os hábitos de consumo da população, tornando obsoletas, rapidamente, as indústrias implantadas para a realidade ilusória do milagre econômico dos anos 70 e criando oportunidades para o surgimento de outras, orientadas para satisfazer os novos padrões de consumo que surgem. Como se isto não bastasse, a recessão provocou ociosidade na capacidade produtiva, que pode ser utilizada com grande facilidade para o desenvolvimento de novos produtos. Quem tiver uma boa idéia pode ter certeza de que encontrará centenas de empresas prontas para desenhar, fabricar e distribuir seus produtos. Do mesmo modo, há grande disponibilidade de talentos que não estão sendo aproveitados plenamente e podem ser facilmente engajados num novo empreendimento. Portanto, o que na realidade está faltando são empreendedores que criem novos negócios, a fim de satisfazer a demanda e utilizar a capacidade ociosa produtiva e de pessoal disponível. É nossa intenção, desafiar nossos leitores a considerar a atividade empreendedora como opção de carreira e, assim, preencher a lacuna gerada pela falta de empreendedores para desenvolver o futuro do Brasil. Procuramos demonstrar, também, através das experiências de empreendedores, que desenvolver um negócio próprio pode ser divertido, além de lucrativo, e que é muito mais fácil ser bem-sucedido do que se imagina. Ser Empreendedor Também tem seu Custo Ser empreendedor não é só ganhar muito dinheiro, ser independente ou realizar algo. Ser empreendedor também tem um custo que muitos não estão dispostos a pagar. E preciso esquecer, por exemplo, uma semana de trabalho de 40 horas, de segunda a sexta, das 8 às 18 horas e com duas horas para o almoço. Normalmente, o empreendedor, mesmo aquele muito bem-sucedido, trabalha de 12 a 16 horas por dia, não raro 7 dias por semana. Ele sabe o valor do seu tempo e procura utilizá-lo trabalhando arduamente na consecução dos seus objetivos. Normalmente, quem investe tantas horas em trabalho sacrifica muitos aspectos de sua vida, principalmente o lazer e a família, O preço da independência econômica pode ser muito alto. Para muitos, alto demais. Mas para poucos, vale a pena arriscar. Sucesso Depende de Três Etapas O sucesso na criação de um negócio próprio depende basicamente do desenvolvimento, pelo empreendedor, de três etapas: a primeira consiste em identificar a oportunidade de negócio e coletar informações sobre ele; a segunda, em desenvolver o conceito do negócio, com base nas informações coletadas na primeira, identificar os riscos, procurar experiências similares para avaliar esses riscos, adotar medidas para reduzi-los, avaliar o potencial de lucro e crescimento e definir a estratégia competitiva a ser adotada; e a terceira consiste em implementar o empreendimento, iniciando pela elaboração do plano de negócio, definição das necessidades de recursos e suas fontes, até sua completa operacionalização.
  10. 10. 10 As etapas de criação de um negócio próprio e as suas fases, representadas esquematicamente no ciclo de criação de um negócio próprio, apresentado na Figura 5. A apresentação seqüencial das etapas e suas fases no ciclo de criação de um negócio próprio, apresentado na Figura 5, tem por objetivo ordenar as idéias dos potenciais empreendedores, apesar de que, na prática, esta ordem nunca é seguida rigorosamente. Os empreendedores desenvolvem fases paralelas ou até pulam algumas, através do que chamamos “curto-circuito criativo”. E o fenômeno pelo qual, de repente, o negócio fica claro e sua implementação muito fácil. É também a razão por que poucos negócios têm sucesso real, e a maioria não consegue sair da mediocridade. Nesse caso, faltam análise e visão para o empreendedor empolgado pelo “curto-circuito criativo”.
  11. 11. 11 QUESTÕES 1- Segundo Joseph A. Schumpeter o que é empreendedor? 2- Porque o desenvolvimento de novos empreendimentos é fundamental? 3- Quais são os estágios de crescimento da empresa? 4- Cada estágio de crescimento possui duas fases, quais são estas fases e o que reza cada uma? 5- Quais são as estratégias de crescimento dominantes? 6- Quais são as duas correntes que inibem de destruição criativa? Por quê? 7- Quais são os principais fatores inibidores do potencial empreendedor? E por que inibem o potencial empreendedor? 8- Quais são os motivos mais comuns para iniciar o negócio próprio? 9- Quais são as três etapas, a que depende o sucesso na criação de um negócio próprio?

×