Your SlideShare is downloading. ×
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Questionario contabil administrando custos

6,156

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
6,156
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
100
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. Capítulo 1 – Administração de Capital de Giro QUESTÕES 1. Sobre que elementos de seu ciclo operacional a empresa tem liberdade de ação? Prazo de fabricação/estocagem, prazo de pagamento e prazo de recebimento. A empresa tem liberdade de ação total sobre o prazo de fabricação/estocagem. Os prazos de pagamento e recebimento são determinados pelo mercado e, para modificá-los, a empresa precisa assumir o custo financeiro e dificuldades negociais decorrentes do retardamento do pagamento ou da antecipação do recebimento. 2. Por que um ciclo financeiro curto acarreta alto giro de caixa? Porque o giro de caixa é igual a um valor constante (360) dividido pelo ciclo financeiro. Desse modo, quanto menor o divisor - o ciclo financeiro -, maior será o quociente - o giro de caixa. 3. Que medida poderia trazer redução permanente e eficaz do ciclo financeiro? A redução do prazo de fabricação/estocagem. 4. Qual o ciclo financeiro de uma empresa que tem giro de caixa de quatro vezes por ano?
  2. 90 dias. (360 ÷ 4) 5. Uma empresa tem um prazo de fabricação/estocagem de 50 dias, prazo de pagamento de 40 dias e prazo de recebimento de 20 dias. Qual seu ciclo de caixa? 30 dias. (50 + 20 - 40) 6. Qual a principal limitação do índice de liquidez corrente? Considerar que os estoques representam disponibilidade financeira imediata, sem levar em conta a provável dificuldade de convertê-los em dinheiro. 7. Que índice tenderia a ser mais estável ao longo do tempo: o índice de participação das disponibilidades, ou o índice de participação dos estoques? O índice de participação dos estoques. O valor das disponibilidades varia muito mais do que o valor dos estoques, tanto no longo, como no curto prazo. 8. Demonstre que o capital de giro é igual ao passivo permanente menos o ativo permanente (contas reclassificadas). Pela classificação tradicional temos que: capital de giro = ativo circulante - passivo circulante
  3. Precisamos demonstrar que, pelas contas reclassificadas, capital de giro = passivo permanente - ativo permanente Temos: passivo permanente = exigível de longo prazo + patrimônio líquido ou passivo permanente = passivo total - passivo circulante (1) e ativo permanente reclassificado = realizável de longo prazo + ativo permanente não reclassificado ou ativo permanente reclassificado = ativo total - ativo circulante (2) Logo, passivo permanente - ativo permanente é igual a (1) - (2)
  4. ou (1) - (2) = passivo total - passivo circulante - (ativo total - ativo circulante) e (1) - (2) = passivo total - ativo total - passivo circulante + ativo circulante Logo, (1) - (2) = ativo circulante - passivo circulante Assim, capital de giro = passivo permanente - ativo permanente = ativo circulante - passivo circulante 9. Qual a relação existente entre a necessidade de capital de giro e o próprio capital de giro quando o efeito tesoura é zero? E quando o efeito tesoura é negativo? São iguais. A necessidade de capital de giro é maior do que o capital de giro. 10. Uma necessidade de capital de giro elevada acarreta alto índice de liquidez corrente. Certo ou errado?
  5. Errado. Nem sempre existe a correlação mencionada entre os dois parâmetros. EXERCÍCIOS 1. Análise do capital de giro O Quadro 1.4 representa o balanço da empresa Q-Giro, recentemente levantado. Os principais dados desse balanço mostram clara tendência de estabilidade quando comparados com os balanços dos dois anos anteriores. Com base nos dados desse balanço, responda às seguintes questões: a) Qual o valor do capital de giro da empresa? b) Alguma parcela do capital de giro está sendo financiada com recursos de longo prazo (exigível a longo prazo ou patrimônio líquido)? c) Qual o valor do índice de liquidez seca? Como você interpreta o índice calculado? d) Considerando que no setor em que atua essa empresa, a relação entre capital de giro e capital total (ativo circulante sobre ativo total) é, e média, 0,27, como você avalia essa relação na Q-Giro? e) Com base apenas nos dados apresentados, seria possível avaliar a adequação do volume de estoques dessa empresa? Quadro 1.4 Balanço patrimonial da empresa Q-Giro – R$ 1,00. Ativo Passivo Circulante Circulante
  6. Caixa e bancos 1.455,00 Fornecedores 26.888,00 Aplicações financeiras 11.345,00 Impostos e contribuições 8.679,00 Contas a receber 28.323,00 Instituições financeiras 51.435,00 Estoques 35.665,00 Outras contas a pagar 1.968,00 Total do ativo circulante 76.788,00 Total do passivo circulante 88.970,00 Realizável a longo prazo 4.025,00 Exigível a longo prazo 42.111,00 Permanente Patrimônio líquido Participações 11.438,00 Capital social realizado 67.666,00 Imobilizado 123.444,00 Lucros acumulados 16.948,00 Total do ativo permanente 134.882,00 Total do patrimônio liquido 84.614,00 Total do ativo 215.695,00 Total do passivo 215.695,00 Solução Análise do capital de giro a) R$ 76.788,00 b) Não, pois o capital de giro líquido é negativo. (- R$ 12.182,00) c) 0,46. O valor do índice está abaixo do recomendado. d) Alta. (0,356 contra 0,27 da média setorial) e) Não, pois faltam dados operacionais. 2. Necessidade de capital de giro e efeito tesoura
  7. Uma empresa apresenta os seguintes dados em seu balanço: Ativo Passivo Caixa 1.000,00 Empréstimos 2.000,00 Aplicações financeiras 2.000,00 Fornecedores 1.000,00 Contas a receber 3.000,00 Salários e encargos 3.000,00 Estoques 4.000,00 Impostos e taxas 1.000,00 Realizável a longo prazo 2.000,00 Exigível a longo prazo 4.000,00 Imobilizado 8.000,00 Patrimônio líquido 9.000,00 Total 20.000,00 20.000,00 Com base nesses dados, calcule: a) A necessidade de capital de giro. b) O efeito tesoura. Solução Necessidade de capital de giro: 2.000,00. (7.000,00 - 5.000,00). Efeito tesoura: 1.000,00. (3.000,00 - 2.000,00).
  8. Capítulo 2 – Administração de Contas a Receber QUESTÕES E PROBLEMAS 1. Que condições precisam ser atendidas para que um afrouxamento nos padrões de concessão de crédito acarrete aumento dos lucros da empresa vendedora? Que os lucros decorrentes das vendas adicionais ocasionadas pelo afrouxamento dos padrões de crédito superem as perdas decorrentes do crescimento da inadimplência de clientes. 2. As perdas decorrentes de liberação dos padrões de crédito podem ser compensadas com o aumento do custo financeiro embutido no preço para pagamento a prazo? Teoricamente, sim, às custas de uma maior exposição ao risco de inadimplência de clientes. 3. As vendas de uma empresa têm a seguinte distribuição: 20% a vista, 38% a 30 dias e 42% a 45 dias. Qual é seu prazo médio de cobrança? E seu giro de contas a receber? Prazo médio de cobrança: 30,3 dias. Giro de duplicatas ou giro de contas a receber: 11,88 dias.
  9. 4. A margem de contribuição média de uma empresa é de 35% sobre o valor de suas vendas cujo volume anual é de R$ 720.000,00. Das vendas, 40% são efetuados a vista e 60% para recebimento em 30 dias. Qual o valor de seu investimento em contas a receber? Custo variável de contas a receber (Cv): (1 - margem de contribuição) x vendas (1 - 0,35) x 720.000,00 = 0,65 x 720.000,00 = 468.000,00 Prazo médio de cobrança = (40 x 0) + ((60 x 30) ) ÷ 100 = 18 Giro de contas a receber: 360 ÷ 18 = 20 Investimento em contas a receber: 468.000 ÷ 20 = 23.400,00 5. Uma indústria dispõe de expressiva folga de caixa e, por isso, com o objetivo de aumentar as vendas, decidiu usá-la para alongar o prazo médio de pagamento concedido a seus clientes. Qual o parâmetro apropriado para medir o aumento de custo decorrente dessa decisão? O custo-oportunidade dessa folga de caixa o qual normalmente seria representado pelo rendimento de sua aplicação no mercado financeiro. 6. Uma empresa varejista está com um estoque de produtos para venda excessivamente elevado. Decide aumentar temporariamente o prazo de pagamento concedido a seus clientes, sem promover nenhum acréscimo no preço. Quais são os custos a serem afetados por essa decisão e como eles se comportarão?
  10. O custo de imobilização de estoque (diminuirá com a aceleração das vendas) e o custo de alongamento do prazo de recebimento (aumentará). 7. A margem média de contribuição de uma empresa é de 28% sobre as vendas. Que efeito acarretará sobre seu resultado um aumento de 6% em suas vendas? 6% 8. Que opção teria uma empresa para não estabelecer um valor mínimo de crédito e compensar as perdas acarretadas por um custo de processamento maior do que o lucro da operação de venda a crédito com valor reduzido? Embutir o custo médio de processamento de contas a receber no preço dos produtos. 9. Assinale as afirmações corretas: São elementos de uma política de crédito: (a) Desconto por antecipação de pagamento. (b) Análise dos demonstrativos contábeis. (c) Cruzamento de informações comerciais. (d) Fixação de limite de crédito por cliente. aed
  11. 10. O desconto concedido por antecipação de pagamento pode ter sua taxa de juros fixada num valor igual à taxa média de aplicação financeira sem risco. Por que essa prática pode não ser atrativa para o cliente? Porque essa taxa ele já consegue dos bancos com os quais opera e que lhe dão alguma contrapartida pela realização das aplicações financeiras. 11. A análise das demonstrações contábeis de uma empresa mostrou alto índice de rentabilidade do capital próprio e de grau de endividamento ao lado de baixo índice de liquidez. Uma explicação para essa configuração de índices poderia ser a eficiência na utilização de capital de terceiros? Sim. 12. "O sucesso da análise de crédito exige de quem a elabora um bom conhecimento da macroeconomia do país e a capacidade de formular previsões econômicas acertadas." Está correta essa afirmação? Não, pois o principal conhecimento exigido é de análise financeira. 13. "Uma decisão de crédito baseada num modelo estatístico de análise financeira pode revelar-se inapropriada. Isso acontece porque esses modelos não conseguem eliminar a incerteza subjacente às decisões de crédito." Essa afirmação é correta? Sim, os modelos contêm apenas previsões.
  12. 14. Qual a principal vantagem do sistema de pontuação de crédito em relação ao método tradicional de avaliação de crédito baseado exclusivamente no histórico de pagamentos do proponente? Avalia o proponente de forma mais abrangente. 15. Qual a principal desvantagem econômica para a empresa compradora apresentar a fiança bancária como garantia de crédito para seu fornecedor? O custo de obtenção da garantia de crédito. EXERCÍCIO Decisão sobre ampliação de crédito comercial A empresa ACR é uma indústria de confecções femininas populares, com atuação nacional. Sua produção é vendida em lojas e pequenos magazines. A ACR tem um patrimônio líquido de R$ 1,1 milhão, vendas anuais de R$ 2,4 milhões, margem de contribuição de 12% e lucro líquido de 7% sobre as vendas. Sua administração estabeleceu que a taxa de atratividade da empresa, a ser usada na avaliação econômica das decisões, é de 15% ao ano. A empresa BMF Fashion, uma rede de magazines com seis lojas, é o segundo maior cliente da ACR. Ela solicitou à ACR um aumento de 80% no volume de suas compras para pagamento em 30 dias. Atualmente, as compras da BMF Fashion representam 15% das vendas da ACR. Assim, caso a proposta de aumento das compras seja aceita, ela passará a responder por aproximadamente 24% das vendas da ACR.
  13. Uma vez que a ACR está operando no limite de sua capacidade de produção, só poderá atender ao pleito da BMF Fashion, transferindo para esta parte da produção que é colocada para outros clientes. A área de vendas estima para esse grupo de clientes uma provisão de perdas com dívidas incobráveis da ordem de 2% das vendas. No caso da ACR, esse percentual hoje é nulo. Com base nas informações anteriores, responda às seguintes questões: 1. Considerando que a ACR suspenderia as vendas à BMF Fashion após dois meses de inadimplência, qual o valor máximo da perda que a ACR poderia sofrer, caso não recebesse essas vendas? 2. Tomando-se por base seu patrimônio líquido e lucro anual, a perda citada no item anterior teria impacto significativo para a ACR? 3. Caso a proposta da BMF Fashion venha a ser aceita e supondo que o crédito comercial junto à ACR seja normalmente recebido, qual o resultado financeiro dessa decisão em bases anuais, incluindo a eliminação das perdas com dívidas incobráveis dos clientes que serão substituídos pela BMF Fashion? Solução 1. Valor máximo da perda: Percentual de custo variável sobre vendas: 100 - 12 = 88 Valor da perda referente a dois meses de venda: 0,88 x (0,15 x 2.400.000,00 x 1,8 ÷ 12) x 2 = 95.040,00
  14. 2. A perda teria impacto significativo, já que representaria 56,57% do lucro líquido atual e 8,64 % do patrimônio líquido da empresa. 3. Resultado da decisão: Valor do aumento de vendas = 0,8 x 0,15 x 2.400.000,00 = 288.000,00 Ganho com o aumento de vendas: 0,07 x 288.000,00 = 20.160,00 Ganho com a eliminação de inadimplência na substituição de vendas: 0,02 x 0,88 x 288.000,00 = 5.068,80 Ganho total: 20.160,00 + 5068,80 = 25.228,80.
  15. Capítulo 3 – Administração de Caixa QUESTÕES E PROBLEMAS 1. Assinale as afirmações corretas: a) Para aumentar a precisão do fluxo de caixa, é obrigatório diminuir seu prazo de cobertura. b) Antecipar pagamento a fornecedores é sempre mais vantajoso do que fazer aplicações no mercado financeiro. c) Manter um saldo de caixa permanentemente elevado diminui a rentabilidade do ativo total da empresa. d) O prazo de cobertura mínimo para um fluxo de caixa é uma semana. Alternativa c. 2. Genericamente falando, o valor das receitas financeiras diárias em relação às outras entradas de caixa é significativo? Não. 3. Quando a empresa gera lucro em suas operações, como ele será retratado pelo fluxo de caixa?
  16. Através do aumento do saldo de caixa, observado o prazo para conversão das vendas em dinheiro. 4. Em circunstâncias normais, qual o item de maior valor total ao longo do prazo de cobertura do fluxo de caixa? As entradas de caixa provenientes de vendas. 5. Em determinado mês, em que diferem o valor dos encargos sociais lançados no fluxo de caixa e aquele apropriado pela contabilidade da empresa? No fluxo de caixa são lançados os valores desembolsados (conceito de caixa). Na contabilidade são lançados os valores pelo critério de competência, que em alguns casos só serão desembolsados meses depois. 6. Por que um fluxo de caixa com prazo de cobertura curto não otimiza a aplicação das sobras de caixa? Porque as eventuais sobras de caixa situadas além do prazo de cobertura, por não serem previsíveis, não terão o melhor aproveitamento através de aplicações financeiras de prazo mais longo. 7. Explique como a antecipação de pagamentos a fornecedores pode ser vantajosa para a empresa compradora e vendedora. Através da aplicação de uma taxa de desconto maior do que o taxa de rendimento das aplicações financeiras e menor do que a taxa de captação de recursos financeiros.
  17. 8. Quando é que a antecipação do recebimento de faturas dos clientes é economicamente vantajosa para a empresa vendedora? Quando a taxa de desconto oferecida ao cliente for menor do que a taxa de juros da captação de recursos financeiros da empresa vendedora. 9. Por que os saldos de caixa oscilantes são indesejáveis? Porque geram resultados insatisfatórios em virtude de a taxa de juros de captação de recursos ser bem maior do que a taxa de juros das aplicações financeiras. 10. Uma empresa vende através de cheques R$ 84.000,00 em média por dia e desse total 85% são representados por cheques de valor menor do que R$ 100,00. Uma norma administrativa estabelece que os cheques inferiores a R$ 100,00 sejam depositados no terceiro dia, contado a partir de seu recebimento, para permitir que seu processamento seja mais confiável. Se considerarmos que esses cheques poderiam ser depositados no segundo dia após o recebimento, qual o valor total da perda da empresa com o procedimento atual? O valor dos juros obtidos com a aplicação de R$ 71.400,00 (85% de 84.00,00) durante um dia à taxa de mercado. 11. Numa empresa, ocorrem entradas de caixa durante todos os dias, incluindo fins de semana e feriados. As saídas de caixa só acontecem durante os dias úteis. Seu fluxo de caixa pode abranger apenas os dias úteis?
  18. Pode e é preferível que seja assim. 12. Qual a utilidade do fluxo de caixa para uma empresa em boa situação financeira? Permitir uma eficiente aplicação das sobras de caixas. EXERCÍCIO A AC3 é uma empresa varejista que elabora um fluxo de caixa com prazo de cobertura de seis dias úteis (do ponto de vista bancário), de segunda a segunda (dia 1°- a dia 6) e período de informação diário. Essa empresa funciona de segunda a sábado, embora suas saídas de caixa só aconteçam de segunda a sexta-feira. Por isso, as entradas de caixa ocorridas aos sábados são lançadas no fluxo de caixa na segunda- feira seguinte. Diariamente, as entradas rotineiras de caixa da AC3 originam-se de três fontes: recebimento das administradoras de cartões de crédito das vendas realizadas nessa modalidade; vendas a vista com dinheiro e cheque; recebimento dos cheques pré-datados referentes a vendas anteriores. Os dados históricos da AC3 indicam as seguintes estatísticas: • 0,1% dos cheques recebidos de clientes nas vendas a vista são devolvidos pelo sistema bancário, por algum tipo de problema. Do total desses cheques devolvidos, 40% representam perda definitiva (cheques falsificados, sem fundos etc.). Os outros 60% são reapresentados à compensação e recebidos, em média, 10 dias após a data do primeiro depósito. • 0,3% dos cheques pré-datados referentes a vendas a prazo são devolvidos pelo sistema bancário por falta de fundos. Desses cheques 20% são recuperados 15 dias
  19. após o primeiro depósito. Os outros 80% representam créditos problemáticos, de recebimento incerto e demorado. Todos os cheques com vencimento imediato e o numerário recebidos num dia são depositados no dia seguinte. Por um acordo operacional com o banco onde os cheques são depositados, eles são considerados como disponíveis no dia seguinte, independentemente do valor. A AC3 projeta para o próximo prazo de cobertura (segunda a segunda ou dia 1° a dia 6 do fluxo de caixa) as seguintes entradas e saídas de caixa: • Média diária de vendas avista: R$ 3.600,00 em cheques e R$ 2.100,00 em dinheiro, de segunda a sexta-feira. Aos sábados, há acréscimo de 22% sobre esses valores. • Depósito de cheques pré-datados recebidos: R$ 3.241,00, R$ 3.490,00, R$ 4.233,00, R$ 3.788,00, R$ 2.744,00, R$ 4.570,00 (este último valor refere-se a sábado e segunda-feira). • Recebimento de administradores de cartões de crédito: R$ 2.537,00, R$ 2.890,00, R$ 3.128,00, R$ 2.901,00, R$ 2.837,00 e R$ 5.873,00. • Resgate de uma aplicação de CDB no valor de R$16.320,00 e reaplicação imediata de 40% desse valor, no dia 3. • Recebimento de créditos em atraso: R$ 8.900,00 no dia 4. Saídas de caixa previstas: • Fornecedores: R$ 1.701,00, R$ 1.902,00, R$ 1.990,00, R$ 1.807,00, R$ 2.013,00 e R$ 2.701,00. • Impostos e taxas: R$ 7.300,00 no dia 4. • Folha de pagamento: R$ 42.734,00 no dia 2.
  20. • Juros de financiamento de longo prazo: R$ 2.899,00 no dia 2. • Outras saídas de caixa: R$1.400,00 no dia 2 e R$1.458,00 no dia 5. Com base nos dados fornecidos, elabore o fluxo de caixa da empresa AC3, para informar o saldo de caixa gerado diariamente, o saldo de caixa acumulado dia a dia e o saldo final de caixa no final do sexto dia do fluxo de caixa. O saldo inicial de caixa, no começo do primeiro dia, é R$ 48.276,00. Não devem ser consideradas no fluxo de caixa as despesas bancárias sobre a movimentação financeira nem os rendimentos das aplicações financeiras de liquidez diária. Solução ENTRADAS DE CAIXA Dias 1 2 3 4 5 6 Recebim. de cartões de crédito 2537,00 2890,00 3128,00 2901,00 2837,00 5873,00 Vendas a vista cheques 3596,40 3596,40 3596,40 3596,40 Vendas a vista dinheiro 2100,00 2100,00 2100,00 2100,00 2100,00 Recebimento de cheques pré 3231,28 3479,53 4220,30 3776,64 2735,77 Resgate aplic. Financeira 16320,00 Créditos em atraso 8900,00 Total de entradas de caixa 2537,00 8221,28 28623,93 21717,70 12310,04 14305,17 Saídas de caixa Fornecedores 1701,00 1902,00 1990,00 1807,00 2013,00 2701,00 Impostos e taxas 7300,00 Folha de pagamento 42734,00 Juros de financiam. de longo prazo 2899,00 Aplicação financeira 6528,00 Outras saídas de caixa 1400,00 1458,00 Total de saídas de caixa 1701,00 48935,00 8518,00 9107,00 3471,00 2701,00 Saldo de caixa 836,00 - 20105,93 12610,70 8839,04 11604,17 40713,72 Saldo inicial aplicado 48276,00 49112,00 8398,28 28504,21 41114,91 49953,94 Aplicação/resgate 836,00 - 20105,93 12610,70 8839,04 11604,17 40713,72 Saldo final aplicado 49112,00 8398,28 28504,21 41114,91 49953,94 61558,11
  21. Capítulo 4 – Fundamentos de Cálculo Financeiro EXERCÍCIOS 1. Um débito foi liquidado com 14 dias de atraso. Por esse atraso foram cobrados juros simples de 5,2% ao mês. O valor total do débito mais os juros atingiu R$ 167.964,00. Qual o valor original do débito? R$ 163.984,63. 2. Um empréstimo de R$ 81.000,00 gerou juros de R$ 1.474,20 calculados a uma taxa de juros simples de 4,2% ao mês. Quantos dias foram considerados no cálculo dos juros? 13 dias. 3. Um financiamento de R$ 12.000,00 foi concedido pelo prazo de 120 dias para ser pago a uma taxa de juros simples de 6% ao ano. Determine o valor do montante pago no vencimento do empréstimo. R$ 12.240,00. 4. Um banco concedeu um empréstimo de emergência a seu cliente no valor de R$ 140.000,00 para ser pago 22 dias depois, pelo valor de R$ 143.080,00. Qual a taxa de juros cobrada mensalmente pelo sistema de juros simples?
  22. 3%. 5. Qual o valor dos juros gerados por um capital de R$ 42.000,00, aplicado durante 15 meses, a juros compostos de 1% ao mês? R$ 6.760,69. 6. Um investidor deseja dobrar seu capital, aplicando no mercado financeiro num prazo de cinco anos. Que taxa de juros compostos anual ele precisará conseguir em seus investimentos para atingir esse objetivo? 14,8698%. 7. Quanto deve aplicar hoje um investidor para resgatar R$ 8.300,00 dentro de 24 meses, sabendo-se que sua aplicação renderá 0,5% ao mês pelo sistema de juros compostos? R$ 7.363,64. 8. Um banco concedeu um empréstimo de R$ 3.600,00 a um cliente, pelo prazo de 70 dias. O banco cobra uma taxa de juros compostos de 4% ao mês. Para períodos menores do que um mês, o banco cobra a mesma taxa, só que pelo sistema de juros simples. Qual o valor do pagamento total que esse cliente fará ao banco por ocasião da liquidação do empréstimo?
  23. R$ 3.945,67. 9. Um empréstimo foi concedido a juros compostos de 3% ao mês pelo prazo de quatro meses, tendo gerado juros no valor de R$ 627,54. Qual o valor desse empréstimo? R$ 5.000,00. 10. Foram aplicados R$ 4.800,00 durante 36 meses num investimento que proporcionou uma rentabilidade de 12% ao ano. Qual o valor de resgate dessa aplicação? R$ 6.743,65. 11. Qual a taxa anual equivalente a 4% ao trimestre? 16,98%. 12. Qual a taxa mensal equivalente a 79,59% ao ano? 5%. 13. Partindo de uma taxa de 4% ao mês, calcule a taxa pro-rata temporis para 15 dias, pelo regime de juros compostos.
  24. 1,98%. 14. Em determinado mês, a variação de um índice de atualização monetária foi de 3,24%. Qual a taxa de variação desse índice aplicável por dia útil, considerando que o mês tem 22 dias úteis? 0,145%. 15. Uma aplicação financeira paga uma taxa de juros de 0,5% ao mês. Qual a taxa de juros anualizada? 6,17%. 16. Qual o valor da taxa de 6,12% ao mês descapitalizada para um mês? 0,1981% ao dia. 17. Uma aplicação financeira rendeu em determinado período 6,28% a título de atualização monetária e 5,38% de juros. Qual a rentabilidade nominal da aplicação nesse período? 12%. 18. Um terreno foi comprado por R$ 28.312,00 e vendido 42 meses depois por R$ 50.407,20. Durante esse período, a inflação acumulada foi de 22,62%. Qual a taxa de lucratividade real do imóvel no período?
  25. 45,2%. 19. Um banco concedeu um financiamento a um cliente pelo prazo de um mês e cobrou juros de 5,14% ao mês. Durante esse mês, a taxa de inflação foi de 0,87%. Qual a taxa real de juros anual desse financiamento? 64,46%. 20. Num período de cinco anos, um investimento apresentou uma taxa de rentabilidade nominal de 46,46%. Durante esse período, a inflação acumulada foi de 37,01%. Qual a taxa média real mensal de juros no período? 0,1112% 21. Uma financeira usa um coeficiente de 0,075817 para cada R$1,00 que financia em 18 prestações mensais, iguais e sucessivas, com a primeira vencendo 30 dias após a data da compra. Qual a taxa de juros cobrada nesse financiamento? 3,5% a.m. 22. Uma loja de eletrodomésticos vende uma geladeira a vista por R$ 880,00 ou em quatro parcelas mensais de R$ 233,75, sendo a primeira paga no ato da compra. Qual a taxa de juros cobrada? 4,2% ao mês.
  26. 23. Um financiamento imobiliário no valor de R$ 62.000,00 foi contratado em 144 prestações mensais, iguais e sucessivas, a uma taxa de 1% ao mês. Qual o valor da prestação? R$ 814,32 24. Se uma pessoa investir R$ 200,00 por mês, durante 60 meses consecutivos, começando o primeiro depósito daqui a um mês, quanto terá no final dos 60 meses, sabendo-se que essa aplicação rende 0,5% ao mês? R$ 13.954,01. Capítulo 5 – Inflação e Taxas de Juros EXERCÍCIOS 1. Há três meses, o preço de um serviço era R$ 1.240,00. Faça a atualização monetária desse preço para hoje, considerando que as taxas de inflação foram de 0,21% no primeiro mês, 0,82 no segundo mês e 0,91% no terceiro mês. R$ 1.264,19. 2. Uma dívida com a Prefeitura tinha um valor de R$ 13.333,00 quando a unidade fiscal utilizada em sua correção tinha o valor R$ 0,84. Determine o valor dessa dívida numa data em que o valor dessa unidade fiscal estava em R$ 0,94.
  27. R$ 14.920,26. 3. O valor de um imóvel numa data era R$ 78.000,00. Deflacione esse valor para 24 meses antes, considerando que durante esse período a inflação acumulada foi 13,4%. R$ 68.783,06. 4. O custo de produção de um eletrodoméstico atingiu R$ 345,00 num determinado mês. Deflacione esse valor para três meses antes, considerando que durante esse período ocorreram as seguintes taxas de inflação: mês 1: 1,2% mês 2: - 0,27% mês 3: 1,46% R$ 336,91. 5. Há oito meses, o preço de um produto era de R$1.322,00. Atualize esse preço para a data de hoje, sabendo que os números-índices representativos da inflação no período foram os seguintes: número-índice da data passada = 146,21 número-índice de hoje = 153,22 R$ 1.385,38.
  28. 6. As vendas de uma empresa num determinado mês atingiram R$ 23.000,00. Deflacione o valor dessas vendas para dois meses atrás considerando que os dados de inflação são os seguintes: mês 1: 1,3% mês 2: 0,4% R$ 22.614,37 Capítulo 6 – Financiamentos QUESTÕES E PROBLEMAS 1. Qual é a relação recomendável entre risco econômico e risco financeiro numa empresa? Um alto grau de risco financeiro deve coexistir com um baixo grau de risco econômico e vice-versa. 2. Por que a alavancagem financeira deve ser limitada, mesmo aumentando a rentabilidade do capital próprio? Porque na eventualidade de prejuízo operacional, a perda percentual sobre o capital próprio será maior, o que evidencia o risco financeiro. 3. Como se explica que o custo dos financiamentos de longo prazo seja maior do que os de curto prazo?
  29. Porque os recursos financeiros utilizados nos financiamentos de longo prazo são provenientes de aplicações financeiras também de longo prazo e estas exigem taxas de juros mais elevadas. 4. Em que situação é economicamente vantajoso fazer a liquidação antecipada de empréstimos ou financiamentos? Quando a remuneração ou o custo dos recursos financeiros utilizados na liquidação antecipada dos empréstimos ou financiamentos for menor do que o custos destes. 5. Os lucros gerados pela empresa são também uma fonte de financiamento. Em circunstâncias normais, o custo dessa fonte de financiamento deveria ser maior ou menor do que o custo do capital de terceiros? Maior, já que o retorno empresarial normal (este representa o custo-oportunidade dos lucros usados como financiamento) deve ser maior do que o custo dos financiamentos. 6. Os donos de uma empresa operando com uma mínima utilização de capital próprio (digamos 5%) sobre o capital total utilizado poderiam, teoricamente, obter uma rentabilidade muito alta sobre esse capital próprio. Como os credores da empresa poderiam interpretar esse fato? Como uso excessivo da alavancagem financeira, significando um alto grau de exposição ao risco financeiro.
  30. 7. Poderia ser vantajoso para uma empresa muito bem capitalizada utilizar recursos de terceiros para se financiar? Sim, desde que o custo desses recursos financeiros fosse menor do que o custo- oportunidade do capital disponível. 8. Que outro fator além do custo determina a escolha de um financiamento? O prazo de vencimento. Por exemplo, um projeto deve ser suportado por um financiamento de longo prazo, embora fosse mais barato utilizar financiamentos de curto prazo. O risco da não-renovação de um financiamento de curto prazo justifica a escolha do financiamento de longo prazo, embora a um custo maior. 9. Por que o benefício fiscal do leasing pode ser menor do que aquele proporcionado por um financiamento convencional? Porque o financiamento convencional permite que o bem com ele adquirido seja incorporado ao ativo da empresa e tenha sua depreciação deduzida para cálculo do lucro tributável. Além disso, também os juros do financiamento são dedutíveis para cálculo do lucro tributável. Dependendo, do sistema de amortização do financiamento, a compra de um bem com financiamento pode gerar maior benefício fiscal do que através de leasing. 10. Qual o principal fator de risco para um financiamento internacional? O risco cambial. 11. A inflação alta favorece o endividamento da empresa?
  31. Não, desde que o saldo devedor e os pagamentos sejam indexados, como normalmente acontece. 12. Que relação o custo do capital próprio tem com a rentabilidade da empresa? Variável, pois dependerá da composição do capital total e do custo do capital de terceiros. 13. Que outros fatores além da taxa de juros afetam o custo efetivo de um financiamento? Os impostos sobre os juros remetidos ao exterior e a forma de tributação da empresa (lucro real, lucro presumido ou simples). 14. Quais as alternativas para uma empresa proteger-se contra o risco cambial de seus financiamentos? Operações com derivativos (contratos ou opções de taxa de câmbio) e investimentos em aplicações financeiras atreladas à taxa cambial. 15. Uma empresa com baixo índice de endividamento financeiro estaria numa boa situação financeira? Não necessariamente. A empresa pode, por exemplo, estar sem rentabilidade, não se endividar e estar usando suas reservas financeiras.
  32. 16. Qual o custo efetivo de um financiamento externo contratado a uma taxa de juros de 8,1% ao ano por uma empresa tributada pelo lucro real pela alíquota de 25%, considerando que as remessas para o credor desse financiamento estão sujeitas a uma alíquota de 15%? 7,50%. 17. Determine o custo efetivo de um financiamento contratado no país a uma taxa de juros de 16,2% ao ano por uma empresa tributada pelo lucro real à alíquota de 15%. 13,77%. 18. O capital de uma empresa tem a seguinte composição: 60% é financiado com recursos próprios que têm um custo-oportunidade de 15% ao ano. Os 40% restantes são financiados com capital de terceiros, do qual 30% custa 12% ao ano e os 70% restantes custam 11% ao ano. Qual o custo médio ponderado de capital dessa empresa? 13,52% 19. Uma empresa apresenta os seguintes valores em balanço: R$ 2,1 milhões de passivo circulante, R$ 1,8 milhões de exigível a longo prazo e R$ 4,4 milhões de patrimônio líquido. Determine os índices de endividamento geral e de capital de terceiros sobre capital próprio.
  33. Endividamento geral: 46,98%. Capital de terceiros/capital próprio: 88,64%. 20. Determine a variação de rentabilidade de uma empresa com base nos seguintes dados: Capital próprio de R$ 200.000,00; Capital de terceiros de R$ 400.000,00; Custo do capital de terceiros igual a 12% ao ano; Resultados operacionais de - 20% e 20% sobre o capital total. Rentabilidade do capital próprio com - 20% de resultado operacional: - 84%; Rentabilidade do capital próprio com 20% de resultado operacional: 36%. Capítulo 7 – Análise de Investimentos QUESTÕES E PROBLEMAS 1. Qual a diferença entre fluxo de caixa e fluxo de lucros num projeto de investimento? O fluxo de caixa representa a efetiva disponibilidade de recursos financeiros, traduzindo a diferença entre entradas e saídas de caixa. O fluxo de lucros corresponde aos resultados projetados, independentemente das receitas e despesas terem ou não sido convertidas em disponibilidade financeira. 2. Que tipo de movimentação de caixa para um projeto de investimento representa o valor residual de um ativo? Uma entrada de caixa.
  34. 3. O capital de giro também é um investimento não depreciável. Como ele deve ser tratado no fluxo de caixa? Como uma saída de caixa no início do projeto e uma entrada de caixa no final desse projeto. 4. O período de análise de um projeto de investimento pode ser escolhido livremente? Não, pois é definido pela vida útil dos ativos do projeto. 5. Como deve ser tratada a depreciação num fluxo de caixa de um projeto de investimento? Como uma entrada de caixa. 6. Qual a utilidade de um fluxo de caixa que desconsidera o financiamento utilizado pelo projeto de investimento? Permitir a avaliação econômica intrínseca do projeto. 7. Enumere as limitações da análise de investimentos efetuada pelo critério do tempo de retorno.
  35. Desconsidera o que acontece com o fluxo de caixa após o tempo de retorno calculado; não consegue avaliar projetos de investimento com mais de uma inversão de sinal em seu fluxo de caixa. 8. Qual o tempo de retorno padrão para um projeto de investimento típico, tomando-se por base de cálculo seu fluxo de caixa? 6,66 anos (100 dividido pela retorno padrão, 15% ao ano). 9. O tempo de retorno descontado elimina as limitações do tempo de retorno tradicional? Não. 10. Suponha que uma empresa estabeleceu sua Taxa Mínima de Atratividade (TMA) em 30 % ao ano, por uma decisão de sua administração. Que conseqüência esse nível de TMA teria sobre a avaliação econômica dos projetos dessa empresa? Recusaria a maioria dos projetos de investimentos analisados, pois estes têm uma taxa interna de retorno menor do que 30% ao ano. 11. Determinado projeto tem um Valor Presente Líquido (VPL) igual a zero. Esse valor de VPL significa que esse projeto não apresenta lucros? Significa que o projeto tem lucro econômico zero, ao passo que seu lucro contábil pode ser positivo, nulo ou negativo.
  36. 12. Se um projeto de investimento tem uma Taxa Interna de Retorno (TIR) muito acima da Taxa Mínima de Atratividade (TMA), seu Valor Presente Líquido (VPL) será elevado? Não necessariamente. O VPL será positivo, mas seu valor absoluto dependerá das características do fluxo de caixa. 13. Qual a principal restrição ao uso do Valor Presente Líquido (VPL) na análise de investimentos? Não permite que se conheça a gradação de sua rentabilidade. 14. Existe limitação da Taxa Interna de Retorno (TIR) para avaliar um investimento convencional? Não. 15. Qual o principal uso do critério da Taxa de Retorno Contábil em análise de investimentos? Fazer a avaliação retrospectiva da rentabilidade do projeto. EXERCÍCIOS 1. Análise de projeto de investimento sem financiamento
  37. Um projeto de investimento comercial apresenta as seguintes estimativas de investimentos, entradas e saídas de caixa. • empreendimento funcionará num imóvel alugado. O valor do aluguel é de R$ 6.000,00/mês e o valor do ponto comercial é R$ 180.000,00. Considere que em caso de renovação do contrato (tem um prazo de cinco anos), o valor do ponto permanecerá o mesmo. Na hipótese de encerramento das atividades, o contrato seria repassado, permitindo a recuperação integral do valor investido no ponto. • Haverá investimento em máquinas e equipamentos no valor de R$ 60.000,00, para os quais são estimados uma vida útil de 10 anos e valor residual de 10%. • O valor do investimento em capital de giro (basicamente estoques) é de R$ 50.000,00. • As entradas de caixa estão estimadas em R$ 360.000,00 por ano, líquidas de impostos. • As saídas de caixa, exclusive aluguel, estão estimadas em R$ 220.000,00/ano. Com base nos dados fornecidos, elabore o fluxo de caixa necessário à avaliação desse projeto de investimento pelo método da Taxa Interna de Retorno e Valor Presente Líquido. Questões: • Qual a taxa Interna de Retorno desse projeto? • Considerando que a empresa tem uma Taxa Mínima de Atratividade de 15% ao ano, qual o Valor Presente Líquido do projeto?
  38. • Como eventuais incertezas (valor das luvas na renovação, projeções de receitas e despesas etc.) poderiam ser consideradas nessa avaliação? • Como deve ser tratada a inflação ao longo do período de análise do projeto? • Esse projeto de investimento poderia ser avaliado pelo critério do Tempo de Retorno? E pela Taxa de Retorno Contábil? • Qual seria a Taxa Interna de Retorno caso considerássemos: a) uma redução de 10 % nas entradas de caixa acompanhada de uma redução de 5% nas saídas de caixa; b) um aumento de 10% nas entradas de caixa acompanhado de um aumento de 3% nas saídas de caixa. Solução 1. Análise de projeto de investimento sem financiamento FLUXO DE CAIXA EM BASE ANUAL - R$ 1.000,00 Itens 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Entradas de caixa Entradas de caixa por vendas 360 360 360 360 360 360 360 360 360 360 Valor residual de máquinas e equip. 6 Recuperação de capital de giro 50 Venda do ponto 180 Total das entradas de caixa 0 360 360 360 360 360 360 360 360 360 596 Saídas de caixa Compra do ponto -180 -180 Investimento em máquinas e equip. -60 Investimento em capital de giro -50 Saídas de caixa com despesas oper. -220 -220 -220 -220 -220 -220 -220 -220 -220 -220 Aluguel -72 -72 -72 -72 -72 -72 -72 -72 -72 -72 Total das saídas de caixa -290 -292 -292 -292 -292 -472 -292 -292 -292 -292 -292 Fluxo de caixa -290 68 68 68 68 -112 68 68 68 68 304 - Taxa interna de retorno: 16,5% ao ano.
  39. - Valor presente a 15% ao ano: R$ 20,1 mil. - Incertezas: seriam tratadas através de simulações desses valores. - Tratamento da inflação: ela pode ser desprezada se as entradas e saídas de caixa estiverem sujeitas à mesma taxa de inflação. Em caso contrário, deve-se considerar o crescimento ou decréscimo projetado para as entradas ou saídas de caixa. - Não poderia ser avaliado pelo tempo de retorno. O uso da taxa de retorno contábil daria uma grande variedade de valores. Taxa interna de retorno com - 10% nas entradas e - 5% nas saídas: 7,2% ao ano. Taxa interna de retorno com +10% nas entradas e + 3% nas saídas: 27,5%.ao ano. 2. Análise de projeto de investimento com financiamento Uma indústria está planejando expandir sua capacidade de produção com um projeto de investimento em novas máquinas e equipamentos. Os dados desse projeto de investimento são os seguintes: • Valor do investimento em máquinas e equipamentos: R$1.325.000,00. • Vida útil do investimento: 10 anos. • Valor residual do investimento: 10%. • Entradas mensais de caixa líquidas de impostos: R$ 359.166,00/ano • Saídas mensais de caixa: R$ 88.000,00, exclusive juros. • 20% do valor do investimento serão desembolsados imediatamente, com a utilização de recursos próprios. Os outros 80% (R$1.060.000,00) também serão desembolsados imediatamente e se originarão de um financiamento a uma taxa de juros de 1% ao mês. O principal será amortizado em 60 parcelas mensais, a partir do 13° mês da contratação, pois haverá uma carência de um ano, durante a qual
  40. somente os juros serão pagos. Em face desses dados, o fluxo de desembolso para o financiamento é o seguinte: Meses 1 a 12: pagamento de juros mensais no valor de R$10.600,00. Meses 13 a 72: pagamento de juros de R$ 10.600,00 no mês 13, sendo reduzido mês a mês pelo valor de R$ 176,66. Amortização nos meses 13 a 72: R$ 17.666,66 Com base nesses dados, monte o fluxo de caixa desse projeto de investimento de modo a permitir o cálculo da taxa interna de retorno do capital próprio. Solução 2. Análise de projeto de investimento com financiamento FLUXO DE CAIXA EM BASE ANUAL - R$ 1.000,00 Itens 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1. Entradas de caixa Entradas de caixa por vendas 359,2 359,2 359,2 359,2 359,2 359,2 359,2 359,2 359,2 359,2 Financiamento Valor residual de máquinas e equip. -27 Total das entradas de caixa 0 359 359 359 359 359 359 359 359 359 333 2. Saídas de caixa Investim. em máquinas e equip. -265 Saídas de caixa c/ desp. operac. -88 -88 -88 -88 -88 -88 -88 -88 -88 -88 Amortização de financiamento - -212,00 - - - 212,00 212,00 212,00 212,00 Pagamento de juros - -113,4 -87,981 - - - 127,2 62,542 37,103 11,664 Total das saídas de caixa -265 -215 -413 -388 -363 -337 -312 -88 -88 -88 -88 Fluxo de caixa -265 144 -54 -29 -3 22 48 271 271 271 245 Taxa interna de retorno 23,7%
  41. Capítulo 8 – Administração de Custos QUESTÕES 1. Em relação a um quilômetro voado e a um assento oferecido num vôo, o custo de combustível é, respectivamente: ( ) Um custo fixo e um custo variável. (X) Um custo variável e um custo fixo. ( ) Um custo indireto e um custo direto. ( ) Um custo variável e um custo indireto. 2. Uma gravadora paga 10% do preço de venda de cada CD ao artista a título de direito autoral. Para a gravadora, esse dispêndio é: ( ) Custo indireto. (X) Parcela do custo variável unitário. ( ) Parcela do custo fixo unitário. ( ) Custo afundado. 3. Uma empresa mantém uma linha telefônica exclusiva para o atendimento aos consumidores de todos os seus produtos pelo sistema de ligação gratuita. Em relação a cada produto vendido, o gasto com a conta telefônica dessa linha é um custo:
  42. ( ) Fixo direto. (X) Fixo indireto. ( ) Variável direto. ( ) Variável indireto. 4. Numa determinada sessão de uma peça de teatro existem várias cadeiras vazias. A peça está sendo encenada num teatro do próprio produtor e, assim, não há pagamento de percentagem de bilheteria pelo uso do teatro. Nesta situação, qual o valor do custo marginal incorrido por esse produtor com cada novo espectador que vier assistir à peça nesta sessão? Zero. 5. Uma fábrica produz três tipos de fogão. Classifique cada um dos seguintes itens de custo em relação a cada um desses tipos de fogão. • Chapas de aço usadas na estrutura do fogão. • Depreciação de equipamentos usados na fabricação de todos os fogões. • Prêmio de seguro de uma máquina usada exclusivamente na fabricação do único modelo de fogão de luxo. • Chapas de aço - custo variável direto. • Depreciação de equipamentos usados na fabricação de todos os fogões - custo fixo indireto. • Prêmio de seguro de uma máquina usada exclusivamente na fabricação do único modelo de fogão de luxo - custo fixo direto
  43. 6. Se as empresas só tivessem custos variáveis, como ficaria seu risco econômico? O risco econômico seria nulo. 7. "Os custos unitários totais dos vários produtos fabricados por um empresa são tão mais precisos quanto maior for o peso dos custos indiretos na composição desses custos unitários." Está correta a afirmação? Não. A precisão é maior quando o peso dos custos indiretos é pequeno. 8. A depreciação representa em última análise a diluição ao longo do tempo do custo dos investimentos em determinados ativos. Por que não reconhecer o custo de depreciação de uma só vez, lançando-o pelo valor total dos respectivos ativos? Para seguir o princípio contábil da competência, evitando ter custo muito alto no ano do desembolso e muito baixos após esse primeiro ano. 9. O custo incremental decorrente de uma decisão será fixo ou variável? Poderá ser fixo ou variável. 10. Em circunstâncias normais, o lucro econômico será menor do que o lucro contábil. Você concorda com essa afirmação? Sim, porque o lucro econômico é igual ao lucro contábil menos o custo- oportunidade do investimento.
  44. 11. Uma empresa assistiu à redução continuada dos custos de seus produtos à medida que aumentou seu volume produzido, até atingir sua capacidade máxima de produção. Ainda assim, verificou que possui custos unitários mais elevados do que seus concorrentes. Qual a explicação para esse fato? A empresa não tem economia de escala. 12. A afirmação "Todo custo variável é direto e todo custo fixo é indireto" é correta? Não. Alguns custos fixos são diretos. 13. O custo-oportunidade do investimento não representa um desembolso para a empresa. Não reconhecê-lo aumentaria a competitividade da empresa? Poderia aumentar a competitividade, mas reduziria a lucratividade. 14. O custo-oportunidade deveria ser calculado sobre o custo histórico ou o custo de reposição do investimento? Sobre o custo de reposição. 15. A avaliação de estoques pelo sistema Ueps num ambiente de inflação baixa poderia distorcer o resultado da empresa?
  45. Não. 16. Qual a principal vantagem do sistema de custeio direto? Eliminar as dificuldades de rateio dos custos indiretos. 17. O custeio ABC também faz rateio de custos indiretos? Sim, embora com critérios mais rigorosos. 18. Cite três vantagens da redução de custos espontânea. Não provoca contração nas atividades da empresa, deixa o pessoal motivado e os resultados são mais duradouros. EXERCÍCIO Uma metalúrgica fabrica um produto em três modelos: grande, médio e pequeno. Sua linha de produção é simples, formada pelas seções de corte, montagem, acabamento e pintura. A empresa funciona num imóvel alugado. O investimento em máquinas e equipamentos usados na produção foi de R$ 182.000,00. Eles têm uma vida útil de dez anos e valor residual nulo. A capacidade de produção dessa empresa é a seguinte:
  46. Modelo grande – 300 unidades/mês. Modelo médio – 400 unidades/mês. Modelo pequeno – 200 unidades/mês. Os custos mensais administrativos da empresa são os seguintes: Custos Administrativos Valor em R$ Aluguel 2.800,00 Pessoal administrativo (salários mais encargos sociais) 5.400,00 Gastos administrativos diversos 1.812,00 Serviços contratados 523,00 Impostos e taxas 428,00 Diversos 340,00 Total 11.303,00 Os custos de fabricação, considerando a capacidade de produção da empresa, são os seguintes: Custos de Fabricação Valor em R$ Pessoal de operação (salário mais encargos) 11.340,00 Supervisão (salários mais encargos) 2.880,00 Energia elétrica 1.039,86 Manutenção 455,00 Outros 612,00
  47. Total 16.326,86 O tempo de fabricação de cada modelo de fogão por dia de operação é: Modelo pequeno: 1,6 horas. Modelo médio: 3,6 horas. Modelo grande: 2,8 horas. Os estudos existentes indicam o seguinte quadro de gastos de materiais por cada unidade de produto: Material Preço Modelo grande Modelo médio Modelo pequeno consumido médio consumo – kg consumo – kg consumo – kg Material 1 2,00 20 15 10 Material 2 0,45 2 1,5 1 Material 3 0,82 1 0,7 0,4 Material 4 1,50 0,4 0,3 0,2 Os custos de administração informados são todos indiretos, por serem comuns aos produtos fabricados. Apesar de alguns custos de fabricação (a energia elétrica, por exemplo) poderem ser identificados pelos produtos, optou-se por considerar todos os custos de fabricação como indiretos. Devido à simplicidade do processo de produção e a homogeneidade da composição dos produtos, o tempo de fabricação de cada um deles é considerado como sendo o critério de rateio mais apropriado.
  48. Com base nos dados e informações fornecidos, calcule o custo unitário de cada produto, usando o método da depreciação linear. Solução Custos administrativos 11.303,00 Custos de fabricação 16.326,83 Depreciação (182.00÷120) 1.516,67 Total custos indiretos 29.146,50 Tempo de fabricação Quantidade Horas % Modelo Grande 300,00 2,80 0,35 Modelo Médio 400,00 3,60 0,45 Modelo Pequeno 200,00 1,60 0,20 Total 8,00 Custos diretos Materialconsumido Preço M. grande M. médio M. pequeno Material 1 2,00 20,00 15,00 10,00 Material 2 0,45 2,00 1,50 1,00 Material 3 0,82 1,00 0,70 0,40 Material 4 1,50 0,40 0,30 0,20 Custos M. grande M. médio M. pequeno Custo Direto unitario 42,32 31,70 21,08 Custo Indireto unitario 34,00 32,79 29,15 Custo unitario total 76,32 64,49 50,22 Modelo grande: 76,32; Modelo médio: 64,49;Modelo pequeno: 50,22 Capítulo 9 – Análise e Formação de Preços QUESTÕES 1. Para que determinado produto seja vendido com lucro, a empresa fabricante multiplica o custo da matéria-prima gasta em sua fabricação por 7. Este método de precificação assegura a cobertura dos demais custos do produto?
  49. É possível que para determinada empresa o método assegure a cobertura dos custos. Entretanto, empresas semelhantes, operando no mesmo setor, provavelmente não terão todos os seus custos cobertos por esse método. 2. Uma possível política de preços é aquela que se preocupa basicamente com a cobertura dos custos totais. Esse procedimento permite que alguns produtos possam ser vendidos abaixo do custo, sendo subsidiados por outros mais lucrativos. Do ponto de vista estritamente financeiro, essa política poderia ser adotada por uma empresa? Sim, embora a maioria das empresas tenham resistências a essa política. 3. Praticar margens de lucro reduzidas para conseguir maior volume de vendas pode ser uma política financeiramente correta? Sim, desde que esteja de acordo com a estratégia mercadológica da empresa. 4. Uma empresa fabrica os produtos A, B e C, cujos custos totais unitários (CTU) obedecem à seguinte relação: CTU(A) > CTU(B) > CTU(C) Essa empresa poderia fixar seus preços de modo a verificar as seguintes relações: P(A) > P(B) e P(B) < P(C)?
  50. Sim, conforme a resposta dada para o item 2. 5. Um varejista estabelece seus preços usando um rigoroso critério PEPS (primeiro a entrar, primeiro a sair) para avaliar seus estoques. Assim, se adquire um lote de produtos a R$ 100,00, fixa seu preço de venda em R$ 140,00 (margem de 40% sobre o custo), continuará praticando esse preço até que a última unidade seja vendida, mesmo que o fornecedor aumente o preço. Do ponto de vista financeiro existe algum erro nessa política de preços? Não. Esta pode ser uma estratégia mercadológica coerente com o estabelecido na resposta da questão 3. 6. O custo unitário de um produto é R$ 320,00. Os encargos sobre o preço de venda atingem 22,3% e a empresa fabricante deseja uma margem de lucro de 8% sobre o preço de venda. Qual deve ser o preço de venda? R$ 459,11. 7. O custo unitário de um serviço é R$ 68,00. Os encargos sobre o preço de venda atingem 19,8,% e a empresa prestadora desse serviço deseja uma margem de lucro de 17% sobre o custo. Qual deve ser o preço desse serviço? R$ 99,20.
  51. 8. O preço para venda a vista de determinado produto é R$ 112,00. Qual deverá ser o preço para venda com recebimento em 40 dias, considerando uma taxa de juros de 3% ao mês? R$ 116,50. 9. Uma empresa calcula que o preço de um produto para venda a vista é R$ 434,00. Recalcule esse preço para venda em quatro parcelas iguais sem entrada, a primeira vencendo 30 dias após a compra, considerando uma taxa de juros de 2% ao mês. R$ 113,97. 10. A composição do preço de venda de um serviço tem as seguintes parcelas: custo unitário R$ 322,00; custo de capital R$ 48,88; encargos sobre vendas R$ 94,00. Suponha que a empresa prestadora queira manter esse preço, mas passar a referenciá-lo na forma de uma margem sobre o custo unitário. Mantidos todos os elementos dados inalterados, qual deverá ser a margem sobre o custo para chegar ao preço? 44,373 %. 11. Em que situação o preço atualizado de um contrato é menor do que o preço base-zero? Quando o ocorre deflação, gerando um fator de atualização de preço menor do que um.
  52. 12. Qual a diferença entre preço ajustado e preço base-zero? O preço ajustado é o preço base-zero acrescido de estimativas de perdas ao longo do contrato. 13. O preço básico de um contrato pode ser igual ao preço base-zero? Sim, quando não há ajustes a fazer no preço base-zero. 14. Que motivo poderia levar uma empresa a praticar um preço básico menor do que o preço ajustado? Necessidade de ganhar o contrato. 15. Quando um contrato tem seus preços reajustados anualmente, que elemento tem maior potencial de perda para quem recebe esses preços? A taxa de inflação acumulada ao longo do prazo contratual. 16. Em que situação praticar um preço-proposta menor do que o preço base-zero é economicamente justificável? Quando a proponente está com capacidade ociosa e espera continuar assim ao longo do período em que praticará esse preço proposta.
  53. EXERCÍCIOS 1. Formação de preço no varejo Dois irmãos estão planejando a montagem de uma pequena empresa varejista do ramo de utilidades para o lar. Eles desejam estabelecer uma margem única de lucro a ser aplicada sobre o custo de aquisição dos produtos vendidos para fins de formação dos preços de venda desses produtos. Como os sócios dessa empresa pretendem obter determinado valor de lucro mensal, a fixação da margem de lucro sobre o custo dos produtos vendidos permitirá determinar o volume de vendas necessário e ao mesmo tempo fornecer os preços que precisarão ser praticados. Com essas duas informações eles poderão ter uma boa avaliação da viabilidade do empreendimento. Os dados de compras, custos, despesas e impostos dessa empresa são os seguintes: Compras de produtos 102.000,00 Despesas de Aluguel 3.900,00 Pessoal e encargos 8.904,00 Energia elétrica 712,00 Água 150,00 Telefone 390,00 Seguros 277,00 Manutenção 541,00 Serviços contratados 320,00 Outros custos 1.237,00
  54. Imposto de renda 1,2% Contribuição social 0,96% PIS 0,65% Cofins 3% ICMS – alíquota média 15,1% Com base nos dados informados, que margem de lucro sobre o custo de compra dos produtos a empresa deverá utilizar para calcular o preço de venda de cada produto, considerando que os donos da empresa desejam obter um lucro líquido de R$ 5.500,00/mês? Que críticas podem ser feitas ao critério de fixação do lucro líquido pretendido? Solução Compras de produtos 102.000,00 Despesa de Aluguel 3.900,00 Pessoal e encargos 8.904,00 Energia elétrica 712,00 Água 150,00 Telefone 390,00 Seguros 277,00 Manutenção 541,00 Serviços contratados 320,00
  55. Outros custos 1.237,00 Total (1) 118.431,00 Lucro fixado (2) 5.500,00 Encargos sobre vendas Percentual Imposto de renda 1,20 Contribuição social 0,96 PIS 0,65 Cofins 3,00 ICMS – alíquota média 15,10 Total (3) 20,91 Receita necessária ((1) + (2)) ÷ ((1 - (3)) 156.696,17 Margem sobre o custo de aquisição (%) 53,62 Crítica: o método de fixação de preço adotado pressupõe que o nível de custos da empresa e margem desejada são absorvíveis pelo mercado. 2. Formação de preço com base no retorno sobre o investimento Uma empresa especializada em manutenção de automóveis está estudando a viabilidade de realização de determinado tipo de teste em motores.
  56. O teste em questão exigirá um investimento de R$ 842.000,00 em equipamentos que têm uma vida útil de 10 anos e valor residual de 5%. Sobre o preço do serviço incidirão encargos de vendas de 23,5%. Os custos operacionais referentes ao teste são os seguintes: Manutenção do equipamento: 3% ao ano sobre o preço de aquisição. Energia elétrica: R$ 245,00/mês. Custo de pessoal mais encargos com a operação: R$ 12.348,00. Despesas de administração alotadas aos testes: R$ 1.342,00/mês. A empresa estima que realizará 250 testes por mês. Considerando que essa empresa utiliza uma taxa de juros de 15% ao ano para cálculo do custo de capital, calcule o preço de cada teste para recebimento a vista. Solução Planilha de custos para formação do preço Investimento 842.000,00 Valor presente do valor residual -10.406,48 Investimento líquido 842.000,00 Custo-oportunidade/ano do investimento 167.770,24 Custo-oportunidade/mês do investimento 13.980,85 Manutenção mensal do equipamento (1/12 de 3% de 842.000) 2.105,00 Energia elétrica 245,00
  57. Custo de pessoal mais encargos com a operação 12.348,00 Despesas de administração alocadas 1.342,00 Total dos custos 30.020,85 Custo total unitário (p/250 exames/mês) 120,08 Encargos sobre o preço de venda 23,55 Preço de venda 157,07 3. Preço para capacidade ociosa Uma metalúrgica pode produzir 100 unidades/mês de determinado produto. Até recentemente ela vinha utilizando 100% de sua capacidade de produção e vendia no mercado brasileiro toda a sua produção. Devido a uma retração do mercado, a empresa sofreu uma redução de 50% em suas vendas. Quando esse fato aconteceu, ela recebeu uma proposta para exportar 30 unidades/mês do produto durante dois meses consecutivos pelo preço de R$ 6.000,00 por tonelada. O quadro seguinte apresenta os dados básicos de produção, preço e custos dessa empresa. ITEM VALOR Capacidade de produção – unidades/mês 100 Preço de venda 12.000,00 Custo fixo mensal 320.000,00 Custo fixo unitário 3.200,00 Custo variável unitário 3.800,00
  58. Com base nos dados apresentados, esta empresa deveria aceitar essa proposta? Justifique numericamente a resposta. Solução Sim, porque o preço R$R4 6.00,00 é maior do que o custo variável unitário. Justificativa: Item País Exterior Receita 600.000,00 180.000,00 Custo fixo 320.000,00 Custo variável 160.000,00 96.000,00 Resultado 1.080.000,00 276.000,00 A aceitação da proposta proporciona um resultado extra de R$ 276.000,00. Capítulo 10 - Administração do lucro QUESTÕES 1. Qual a principal diferença metodológica entre a projeção do resultado com base no planejamento orçamentário e no método direto?
  59. A projeção de resultado pelo método orçamentário é feita com base na projeção da demonstração de resultados (demonstrativo contábil). A projeção de resultado pelo método direto não usa demonstrativo contábil e apenas as estimativas de receitas e despesas. 2. Se uma empresa tem um ponto de equilíbrio baixo em relação à sua capacidade de vendas, qual o efeito sobre sua rentabilidade? Positivo, pois a rentabilidade é alta. 3. O que pode ser feito para reduzir o ponto de equilíbrio de uma empresa? Se considerarmos os preços como dados pelo mercado, a redução do ponto de equilíbrio pode ser obtida com a redução dos custo fixos e variáveis em conjunto ou isoladamente. 4. Um baixo ponto de equilíbrio significa que a rentabilidade do capital próprio é elevada? Não, pois não existe relação entre o ponto de equilíbrio e a rentabilidade do capital próprio. 5. Uma empresa tem um ponto de equilíbrio de caixa muito abaixo do ponto de equilíbrio econômico. Que conclusão podemos tirar desse fato? Uma parte significativa de seus custos fixos não é desembolsável.
  60. 6. Por que uma empresa possui alavancagem operacional? Por causa da existência de custos fixos. 7. Qual o principal benefício da alavancagem operacional? Permitir que o aumento do volume de produção ou operação acelere a lucratividade da empresa. 8. O grau de alavancagem operacional é único para toda a empresa? Não, ele pode ser calculado por produto ou serviço específico. 9. Duas empresas de setores diferentes podem ter seu desempenho econômico comparado com base no retorno sobre o ativo? Não, porque o retorno sobre o ativo varia de setor para setor. 10. Para fins de avaliação comparativa do desempenho econômico de duas empresas, qual a limitação do índice de retorno sobre vendas? Só pode ser utilizado para comparar empresas do mesmo setor e do mesmo porte.
  61. 11. O índice de retorno sobre o patrimônio líquido pode ser usado indistintamente para qualquer empresa? Sim, porque é um índice universal de desempenho. 12. O índice DuPont é, em última análise, o mesmo índice de retorno sobre o ativo. Por que usar o índice DuPont e não o retorno sobre o ativo? Porque o índice Du Pont é mais rico em informação, já que informa além do retorno sobre o ativo, o grau de eficiência na utilização desse ativo (rotação). 13. Qual a diferença entre lucro econômico e lucro contábil? O lucro econômico é menor do que o lucro contábil porque também considera os custos de oportunidade em seu cálculo. 14. Qual a principal vantagem da utilização da margem de contribuição para avaliar a lucratividade de produtos? Elimina a necessidade de rateios de custos indiretos. 15. Que tipo de redução de custos seria de difícil implementação para uma empresa com lucro insatisfatório? Redução de custos espontânea.
  62. 16. Que condição precisa ser verificada para que uma redução de preços proporcione uma recuperação de lucro? Que o volume extra de vendas obtido pela redução de preços gere um resultado maior do que a perda provocada pelo receita menor. 17. Qual a medida mais eficaz para a recuperação dos lucros de uma empresa? Não há resposta única para a questão, já que as medidas a serem adotadas dependerão das causas do lucro insatisfatório. 18. Apenas o saneamento financeiro é suficiente para a recuperação do lucro de uma empresa? Não. As condições que criaram a necessidade de saneamento financeiro precisam ser removidas. EXERCÍCIO Uma empresa tem os seguintes dados de produção, vendas e custos diretos: Produtos Unidades a Custo Direto Preço Encargos vender Unitário de s/vendas venda A 4.000,00 16,00 40,00 6,70 B 3.000,00 22,00 50,00 6,70
  63. C 2.500,00 26,00 60,00 6,70 Além desses dados, essa empresa tem os seguintes valores de custos indiretos e despesas financeiras: Custos fixos indiretos: R$ 128.020,00 Despesas financeiras: R$ 23.300,00 Com base nos dados fornecidos, calcule: • lucro anual da empresa. • A rentabilidade de cada produto. Solução Rentabilidade por produto Produto vendas c. direto encargos lucro direto lucro direto unitário A 160.000,00 64.000,00 26.800,00 69.200,00 17,3 B 150.000,00 66.000,00 20.100,00 63.900,00 21,3 C 150.000,00 65.000,00 16.750,00 68.250,00 27,3 Lucro anual da empresa
  64. vendas c. direto encargos c. indireto desp. financ. lucro 460.000,00 195.000,00 63.650,00 128.020,00 23.300,00 50.030,00

×