Rumo ao Sistema de Produção Limpa

3,572 views
3,463 views

Published on

Artigo publicado na Revista do CREA 56, Jan-Fev, 2006. "Engenharia de Produção: Rumo ao Sistema de Produção Limpa".

Published in: Career, Technology, Automotive
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,572
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
18
Actions
Shares
0
Downloads
39
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Rumo ao Sistema de Produção Limpa

  1. 1. Engenharia de Produção Engenharia de Produção: rumo ao sistema de “produção limpa” A decisão por um determinado curso universitário está cada vez mais difícil. Antigamente a escolha levava em consideração a chamada “vocação” e a orientação familiar, resumindo- se em eliminar aquelas áreas em que se tinha menos aptidão. Como a variedade de cursos em oferta era bem menor, a escolha quase sempre recaía naqueles chamados clássicos. Fora das universidades públicas, alguns cursos eram financeiramente inviáveis para a maioria das pessoas, como Engenharia e Medicina, só para citar dois dos mais conhecidos e prestigiados. Atualmente, com a ampliação da oferta de cursos, ao se optar pela Engenharia, por exemplo, o estudante passa a ter como alternativas cerca de 50 diferentes habilitações, que vão desde aquelas tradicionais, como a Engenharia Civil e Mecânica, até as habilitações mais recentes como a Engenharia Mecatrônica (junção entre mecânica, eletrônica e informática), a Engenharia de Petróleo (enfoque em geologia, química e física), Engenharia Ambiental (multidisciplinar) e a Engenharia de Produção. 30 jan / fev / 2006
  2. 2. Devido a esta grande variedade de habilitações A decisão por um determinado curso no ramo da Engenharia, muitos alunos, talvez a maioria, iniciam um curso sem saber exatamente a universitário está cada vez mais difícil. qual delas seu perfil melhor se adapta ou que tipo Antigamente a escolha levava em de atividade ele vai exercer quando formado. Porém a questão principal com que os alunos deveriam consideração a chamada “vocação” se preocupar é: “Quais os conhecimentos e com- e a orientação familiar petências que eu devo adquirir para exercer uma atividade profissional que me traga prazer no dia a dia, e que, além disso, me proporcione o padrão de na fabricação de peças. Taylor, apesar de ser consi- vida que eu desejo?”. derado o “pai da administração” era de fato enge- A seguir, busca-se mostrar um pouco do que é nheiro. Os métodos desenvolvidos por ele foram a Engenharia de Produção para diminuir dúvidas posteriormente aplicados em larga escala na indús- daqueles que têm interesse nessa área, aproveitando tria automobilística por Henry Ford, que introdu- para destacar a evolução da indústria automobilís- zindo o sistema de Produção em Massa através do tica, que acaba de completar um século desde o conceito de linha de montagem seriada, reduziu os primeiro modelo fabricado na Ford, em Detroit, custos de produção, elevando de maneira fantástica desta que é considerada “a máquina que mudou o as taxas de produtividade e, principalmente, seus mundo”. lucros. Antes, os carros eram produzidos apenas de forma artesanal, na Europa, pelos pioneiros Emile O QUE É ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Levassor e Gottlieb Daimler, este último, fundador Fugindo das definições mais formais, pode-se dizer da Mercedes-Benz. que Engenharia de Produção busca criar, desenvolver O primeiro automóvel fabricado pela Ford foi o e aplicar conhecimento científico e tecnológico para Modelo A, em 1903, bem simples e com motor de solução de problemas de desempenho de sistemas dois cilindros sob o banco do motorista. Seguindo produtivos de bens e serviços, englobando questões a ordem alfabética, vieram modelos cada vez mais de natureza estratégica, tática e operacional das aprimorados, até a chegada daquele que mudaria empresas e organizações em geral. Para tanto, são o mundo: o Modelo T, em 1908 (Foto 1). Compa- adotados critérios como produtividade, qualidade, rando a um modelo atual de automóvel (Foto 2), rapidez, flexibilidade e confiabilidade, considerando podemos perceber a evolução fantástica da indús- fatores técnicos, econômicos, humanos, ambientais e tria automobilística desde o primeiro modelo pro- sociais. Nesse sentido, a Engenharia de Produção, ao duzido em série, através deste produto que é hoje considerar tanto o ponto de vista do produto como um verdadeiro ícone da capacidade do homem em o do mercado, lida com problemas de como colocar criar tecnologia. o produto certo, no lugar certo, na hora solicitada e A idéia de Ford era fazer um carro simples e com a qualidade e preço que o consumidor, cliente resistente, que muitos pudessem comprar, mas o ou usuário esteja disposto a pagar. Essa é a filosofia “pulo do gato” aconteceu em 1913, quando o pro- Just in Time, desenvolvida pela Toyota desde a década cesso de produção foi reformulado. As peças pas- de 60 e que tem se expandido por todos os tipos de saram a seguir por esteiras rolantes e cada operá- negócio. rio fazia um trabalho repetitivo instalando sempre componentes do mesmo tipo (padronização), num ORIGENS DA ENGENHARIA determinado tempo. Nascia então a chamada “linha DE PRODUÇÃO de montagem ou “linha de produção”. A Engenharia de Produção é derivada da chamada En- Desde então, a Engenharia de Produção teve genharia Industrial do início do século passado, quan- progressivamente seu foco ampliado e aprofunda- do pioneiros, como Frederick Taylor, desenvolveram do, devido ao aumento da complexidade dos pro- estudos sobre o aumento da produtividade e métodos blemas, ampliação dos mercados e ao próprio pro- de redução de tempos e movimentos dos operários cesso concorrencial. creaRJ em revista 31
  3. 3. O conceito de linha de montagem ainda hoje TÉCNICAS E MÉTODOS DO ENGENHEIRO é utilizado (ver Foto 3), contudo, através de siste- DE PRODUÇÃO mas organizacionais modernos, com trabalhadores Diferentemente de outras engenharias, em que a ha- executando diversas funções, o que exige alta quali- bilitação profissional fica vinculada a um ramo indus- ficação e treinamento para operar sistemas compu- trial (naval, civil, petróleo etc) ou a uma área técnica tacionais e robôs cada vez mais complexos, dentro dentro de uma empresa (química, elétrica, mecânica, das chamadas “células de produção” (ver Foto 4). etc), com tendência à especialização com foco cada vez específico, a Engenharia de Produção busca aliar conhecimentos da engenharia tradicional a conceitos de gestão empresarial e métodos matemáticos avan- çados, envolvendo administração, economia e tecno- logia da informação, para que o profissional adquira uma visão global do negócio da empresa, com compe- tência para entender, aplicar e desenvolver métodos e ferramentas para melhorar o desempenho ao longo de toda a cadeia produtiva de produtos e serviços de uma empresa. Pode-se dizer que as principais técni- cas e métodos estudados e aperfeiçoados na Engenha- ria de Produção surgiram de três fontes principais: (i) a indústria automobilística (controle estatístico Foto 1 – Ford Modelo T, que mudou o mundo do processo, qualidade total, just in time, projeto e produção auxiliados por computador - CAD/CAM etc); (ii) o meio militar (programação matemática, logística, planejamento estratégico, planejamento e de projetos - PERT/CPM etc), e; (iii) empresas e institutos de alta tecnologia (sistemas de informações empresariais - ERP, lógica nebulosa (fuzzy logic), al- goritmos genéticos etc). Foto 2 – Exemplo de automóvel moderno Foto 3 - Linha de produção atual Foto 4 - Linha de produção atual 32 jan / fev / 2006
  4. 4. ‘‘A decisão por um determinado curso universitário está cada vez mais difícil. Antigamente a escolha levava em consideração a chamada vocação e a orientação familiar’’ PORQUE CURSAR ENGENHARIA DE PRODUÇÃO do crescimento da indústria do petróleo e gás, a A Engenharia de Produção teve uma verdadeira explosão cidade de Campos, por exemplo, se tornou o prin- na oferta de cursos nos últimos dois anos. Dados de cipal pólo universitário do estado do Rio, passando sites especializados (ver, por exemplo, www.abepro. por um verdadeiro boom de novos cursos de Enge- org.br e www.mec.gov.br) dão conta de cerca de 100 nharia de Produção. Atualmente, cinco instituições cursos oferecidos por instituições em todo o Brasil. oferecem o curso nível de graduação, além de um Reportagens recentes de revistas como Exame, Isto É em nível de mestrado e doutorado. A tendência é e Veja, e de jornais como Folha de São Paulo, apontam a que em breve todos estejam recomendados pelo Engenharia de Produção como a Engenharia com as me- MEC, tornando a cidade além de um pólo univer- lhores perspectivas de mercado de trabalho, juntamente sitário, um centro de excelência na Engenharia de com Agroindustrial, Telecomunicações e de Materiais. Produção. Para isso é necessário não só ensino, mas Em grandes universidades (como, por exemplo, na também pesquisa. Nesse sentido é importante que UFRJ), Engenharia de Produção é um dos cursos mais as instituições locais atentem para a necessidade de disputados no vestibular. Situação semelhante ocorre em investimento na formação de núcleos de pesquisa e muitas outras universidades do país, como se verifica passem a prestigiar professores pesquisadores, pois nos Estados de São Paulo e Paraná. o conceito de “Universidade” só se sustenta com Os cursos de Engenharia de Produção mais base no tripé Ensino, Extensão e Pesquisa. Esse é o tradicionais foram criados a partir de alguma outra principal fator a diferenciar uma Universidade de modalidade da Engenharia já existente na Universi- um Centro de Ensino. dade, pela disponibilidade interna de laboratórios e competência de professores de cursos anteriormente RUMO A UM SISTEMA DE “PRODUÇÃO LIMPA” existentes. Esse processo deu origem a cursos híbridos Por fim, pode-se afirmar que o curso de Engenharia como Produção Mecânica, Produção Elétrica, Produ- de Produção se coloca como um dos que mais abre ção Química e Produção Civil, por exemplo, comuns portas no mercado de trabalho atual, por capacitar em universidades paulistas. Por outro lado, algumas o aluno a tratar de forma abrangente as questões instituições privilegiam características externas, fundamentais para a sobrevivência das empresas, como a demanda de atividades econômicas regionais como a otimização de processos e a qualidade dos e locais específicas. Por exemplo, na PUC do Paraná, produtos, de forma a agregar valor à cadeia logística um dos cursos mais procurados é o de Engenharia de das empresas e dos negócios, considerando não só Produção Agroindustrial, formado com o propósito aspetos econômicos, mas também os ambientais e de suprir a demanda de formação técnica em nível humanos. superior dessa forte atividade econômica da região. Desse modo, todo o profissional deve ter em Contudo, atualmente a tendência é a criação de cursos mente que a qualidade de vida das gerações futuras de Engenharia de Produção plena ou “pura”, levando-se depende, sobretudo, da forma como tratamos os em consideração tanto aspectos de capacidade interna recursos naturais do planeta e de como produzimos de oferta da universidade como a demanda regional hoje. Portanto, a tendência atual é chamada “pro- de setores econômicos, porém através de ênfases ao dução limpa”, baseada em conceitos e princípios final do curso e disciplinas optativas, sem vinculação ambientalmente sustentáveis. explícita no nome do curso. Sebastião Décio Coimbra de Souza O crescimento da Engenharia de Produção tem Doutor em Engenharia de Produção e Professor da ocorrido também fora dos grandes centros. Na esteira Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) creaRJ em revista 33

×