Your SlideShare is downloading. ×
0
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
A idade media e as universidades
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A idade media e as universidades

5,298

Published on

Idade Media e as Universidades

Idade Media e as Universidades

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
5,298
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
126
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A Idade Média, as Catedrais e as Universidades Prof. Raul Pessolani (TEM-UFF)
  • 2. A revolução das Catedrais Hoje não é fácil imaginar o que uma igreja significava para as pessoas daquele período. A igreja era, geralmente, o único edifício de pedra em toda a redondeza; constituía a única construção de considerável envergadura, e seu campanário era um ponto de referência para todos os que vinham de longe. Aos domingos e durante a Missa, todos os habitantes da cidade ali podiam encontrar-se. Não admira que toda a comunidade estivesse interessada na construção e se orgulha-se da sua decoração. A construção levava anos e devia transformar uma cidade inteira. A extração de pedra e seu transporte, a ereção de andaimes adequados, o emprego de artífices itinerantes, tudo isso constituía um acontecimento importante nesses dias remotos E.H. Gombrich - A História da Arte
  • 3. Igrejas Românicas paredes grossas, altura limitada, escuras. • Esquema estrutural: peso, pórticos e tirantes internos
  • 4. Catedrais Góticas: Luz, Verticalidade, Beleza Catedral de Vezelay Catedral de Amiens
  • 5. Gótico - Nova concepção estrutural: + Aumentar a altura + Aliviar o peso + Introduzir janelas + Nervuras resistentes + Painéis mais leves - Resultado: gaiola de vidro - Maravilhosa combinação: + partido arquitetônico + esquema estrutural.
  • 6. Solução estrutural: Arco Botante
  • 7. alturas externas (torres) altura ano Reims 82 1220 Salisbury 122 Chartres 123 Estrasburgo 142 Beauvais 153 (Queops 148) Ulm 160 Cluny 171
  • 8. Vitrais: Da luz natural à Luz imortal. " Meu objetivo era fazer com que, através da luz natural, filtrada pelos vitrais, se abrisse para os homens o caminho para a verdadeira luz". "Banhado pela luz contínua e maravilhosa de seus vitrais claros resplandece a beleza".  
  • 9. Esculturas: Ensinar por imagens  Bíblia de Pedra – capitéis, colunas, tímpanos
  • 10. Planejamento - Mestres de obras, pedreiros, canteiros, britadores, escultores - Planos e Cálculo das abóbadas - Esboços nas paredes: matemática: geometria espacial, trigonometria, ... - Instrumentos de desenho: tira-linhas, esquadro, compasso
  • 11. Construção  Transporte de pedras “Do séc XI ao XIII na França transportou-se mais pedras do que no Egito em qualquer período da sua história” Jean Ginpel – A Revolução Industrial da Idade Média  Emprego de Máquinas Construtivas: o guindaste "Dizem que foi a fé quem construiu as Catedrais na Idade Média. De acordo, mas também a Geometria“ (Etienne Gilson) Villard de Honnecourt (Engenheiro e Arquiteto) (primeiros desenhos)
  • 12. * Carrinho de mão ou padiola ? - Uma lição ... Arquiteta ou Mestra de obras ?
  • 13. Início da Educação  Criança na Grécia e em Roma  Visão errada da Idade Média:  Era de ignorancia, superstição e repressão intelectual?  Mosteiros:  Organizam-se as primeiras escolas  Ensino fundamental: igrejas e mosteiros  Os pais se reuniam e pagavam os professores  Universal, sem distinção de classes: nobres e plebeus. Gratuita
  • 14. Ensino médio Escolas monacais e catedrais  Disciplinas básicas:  Trivium: gramática, retórica e lógica  Quadrivium: astronomia, geometria, aritmética e teoria musical  Duração da aula: 45 ou 90 minutos.
  • 15. Séculos X e XI  Gerbert de Aurillac (Papa Silvestre II 999-1003) “O homem vive da Fé, mas é bom que a conjugue com a Ciência, pois Deus deu ao homem o grande dom do conhecimento, e quem não o tem são os que são chamados de tolos”  Fêz o primeiro Relógio em 996.  No séc XIV, Peter Lightfoot, monge do mosteiro de Galstonbury, construiu um dos mais antigos relógios que ainda existem e que está na London´s Science Museum.
  • 16. Árabes (Sécs VII a XII)  Invadem a Palestina, África e Espanha.  Em Alexandria tomam contato com as obras gregas.  Destaque:  Matemática  Al-Khwarizmi: sistema de numeração, algebra polinomial  Filosofia:  Avicena, Averróis, Maimônides (1000dc).  Tradução de Aristóteles  Séc XII: século das traduções  Traduz-se a Lógica de Aristóteles para o Latim.
  • 17. O nascimento das Universidades  Não há nenhuma instituição similar no mundo antigo.  Nascem das Catedrais  Reúnem-se artesãos, escultores, arquitetos, geômetras, “engenheiros”  Dedicam-se a ensinar  Primeiras Universidades (Séc XII)  Paris, Bolonha, Oxford,...(não tem sede material)  Estrutura: exposição, dúvidas, debates e conclusão  Critério de certeza: Racionalidade
  • 18. Escola da Catedral de Chartres (Séc XII)  Thierry de Chartres (1140), Abelardo Bath, William de Conches.  Esculpida na fachada oeste pode-se extrair algo do que estudaram: Aristóteles, Boécio, Cicero, Euclides, Ptolomeu, Pitagoras.  Lançam as bases filosóficas da ciência  Rejeitam a concepção dos Gregos de que as estrelas são formadas de substâncias semi-divinas.  A natureza é autônoma. Deus a criou com as suas causas naturais e os fenômenos ocorrem segundo leis estabelecidas.  Rejeitam a idéia de que a investigação racional pudesse ser uma afronta a Deus, e que o comportamento de Deus é restrito pelas leis.  Não se deve recorrer a milagres para explicar Fenômenos naturais  “É por causa da razão que nós somos homens e devemos emprega- la para conhecer a beleza do mundo criado”
  • 19. Formulando as premissas filosóficas; definindo os conceitos básicos do cosmos a partir do qual as ciências particulares cresceriam; reconstruindo sistematicamente o conhecimento do passado (...) no período de 15 a 20 anos na metade do séc XII, uns poucos homens se esforçaram por lançar as bases da ciência ocidental. Thomas Goldstein (Historiador da Ciencia)
  • 20. Sécs XII-XIII Séc XIV
  • 21. Caracteristicas  Biblioteca com uma relação mínima de livros que devem ser lidos e estudados.  Curriculum de matérias bem definido, que levavam normalmente de 4 a 5 anos.  Recebiam a chancela e aprovação do Papa ou dos reis, ou do imperador.  Independentes e autônomas em relação às autoridades locais, “internacionais”.  De fato, o Papa intervém várias vezes para garantir a sua autonomia.  Sem sede material.  Abertas para pessoas de todas as classes sociais e condições.
  • 22. Cursos  Faculdades Clássicas:  Artes liberais, Direito (civil e canônico), Medicina, filosofia natural (ciências) e Teologia  O graduado saia com o título de Bacharel, que lhe possibilitava trabalhar na área ou lecionar em escolas de nível básico e médio.  Aos professores das universidades era exigido que tivessem o título de master.  Deveria ler uma série de livros dos antigos; Aritóteles, Virgílio, Cícero, Euclides, etc.  Defender uma questão diante de uma banca de professores.
  • 23. Nova Metodologia Científica  Sentenças de Pedro Lombardo (Sec XII)  Define a Escolástica (Filosofia da Escola)  Utilização da Dialética. (Lógica de Aristóteles)  Confrontação franca entre razões contrarias.  Enumeram-se e confrontam-se as razões de cada uma  Conseqüência:  Produzirá uma grande revolução e uma popularização no domínio das ciências paralela à transformação da sociedade produzidas pela formação das grandes cidades.  Essa metodologia ficou plasmada nos escritos dos escolásticos e que nos chegam até hoje.
  • 24.  Professores: Anselmo de Canterbury, Pedro Abelardo, Alberto Magno, Tomas de Aquino, Roger Bacon, Raimundo Lulio, Duns Escoto, Boaventura, …  Traduzem-se em toda a parte do árabe as obras gregas.  Tabelas astronômicas, tratados de mecânica, manuais de algebra, geometria e trigonometria, a geografia de Ptolomeu, Avicena Averrois, Maimônides.  Discutem-se os Gregos: traduzem-se obras desconhecidas para os latinos: Platão, Arquimedes, Aristóteles (que irá provocar uma revolução cultural)
  • 25. Aulas  Imagem:  Algo engessado: temas e as lições eram impostos, não havia debates e tudo era influenciado pela Teologia.  Era todo o Contrário:  Expositio – Proposição de um tema  Lectio – Leitura de um texto  Disputatio – Discutiam as diversas temas.  A Lógica como método de demonstração e análise.  Quaestio – Comentário e fechamento do professor.
  • 26. Roberto de Sorbon (1300)  Dicas para ir bem nos estudos:  Ordenar o tempo  Concentrar a atenção  Cultivar a memória  Tomar notas  Discutir com os colegas  Rezar
  • 27. Outros aspectos  Instituiçãodos Colleges  Universalismo medieval:  Permuta de estudiosos, idéias e conhecimentos.  Língua oficial?  O Latim: internacionalidade.
  • 28. Pierre Duhen (1863-1914)  Físico e Historiador  Escreve a Teoria Física com Ernst Mach e se dedica ao estudo de História da Ciência Medieval  Conclusões  As universidades medievais foram grandes centros científicos que possibilitaram os descobrimentos posteriores  Porque não havia imprensa, as descobertas foram registradas em manuscritos pouco divulgados  Os cientistas modernos não se preocuparam em citar, mas em ressaltar a novidade das próprias contribuições.
  • 29. O que é a Universidade?  É onde se adquire uma formação universal.  É conferir não apenas um título A finalidade do sistema educativo, considerado em seu conjunto, não é prover de mão de obra a indústria ou ensinar aos jovens a ganhar a vida... É formar os jovens e promover seu desenvolvimento como seres humanos até a sua máxima possibilidade: capacita-los para que façam o maior uso possível de seus dons Robert M. Hutchins – A Universidade da Utopia .
  • 30. Formar o Homem O Sistema educativo deve promover o desenvolvimento moral, intelectual, estético e espiritual. (Robert Hutchins)  Formação Integral:  Ensinar o verdadeiro (intelectual)  Facilitar a prática do bem (Ética e moral)  Ensinar a apreciar o belo, a arte (Estética)
  • 31. Como era a ciência medieval?  Contemplativa, especulativa, filosófica.  Filosofia da Natureza.  Ex: Busca do que está por trás => Metafísica do Ser  Não se preocupa em resolver problemas práticos, mas procura ir até o fundo.  Movimento: o que é?  Não há a preocupação de descrever
  • 32. Tomás de Aquino (1225-1274)  Progresso Científico:  É bom, pois leva a conhecer a Deus, como através de um quadro se conhece o artista.  A Ciência deve se basear na observação e não na filosofia.  O progresso científico consiste em “salvar as aparências”.  Em cada época gera explicações de acordo com os instrumentos que dispõe: Cada Ciência é filha do seu tempo!  Física:  O universo começou a existir, e é contingente.  Não existem “seres celestes perfeitos”. (Contra Aristóteles)  Não se pode afirmar que uma teoria é definitiva  Porque talvez também possam ser explicadas mediante outra teoria que ainda não conhecemos.
  • 33. Stanley Jaki (1924- )  Físico e Historiador da Ciência  Grandes Culturas da Antiguidade:  A ciência passou por sucessivas mortes prematuras  Não havia um ambiente cultural adequado para desenvolver-se.  Obstáculos:  Politeísmo: deuses caprichosos que submetiam os fenômenos naturais.  Grécia, Egito, Babilônia=> atribuíam a divindades que os provocavam.  Panteísmo: Concepção da história como um eterno ciclo que se repete  China e India => Taoísmo e panteísmo.  Árabes:  As poucas descobertas se fizeram a contra-gosto, pois “a autonomia de Alah não poderia ser restrita pelas leis naturais”
  • 34. Porque a Ciência se desenvolveu no Ocidente?  Ambiente Cultural Favorável:  Monoteísmo: Deus pessoal criador, que cria livremente o mundo e é separado do mundo. - A Incarnação do Verbo enfatiza essa separação. - O mundo é reflexo da sabedoria de Deus. - Logo => está perfeitamente ordenado por meio de leis eternas, imutáveis e universais. - Deus criou o homem à sua imagem e semelhança: - Participa da inteligência divina e é capaz de conhecer o mundo e tem a missão de transforma-lo. Matriz Cultural Cristã
  • 35. Física dos Séculos XIII-XIV Universidade de Paris  Roger Bacon (1214-1292)  A terra é redonda e se pode circunavegar  Trabalhos em ótica: lentes, reflexão, refração  Jean Buridan (1300-1385)  Impetus: Primórdios da Inércia  O mundo teve um início.  O movimento dos astros foi dado na criação e dura até hoje por não encontrar nenhuma resistência, que o faça parar.
  • 36. Nicole Oresme (1380-1382)  Movimento relativo.  O homem no navio acredita que ele está parado e tudo está se movendo e é ao contrário.  Estende à Terra: um observador na Terra não dispõe de qualquer meio para saber se o alvorecer e o pôr do sol são resultantes da rotação do sol ou da terra.  Pergunta-se:  Não será que a terra é que está girando? Antecessor de Copérnico!
  • 37. Os calculadores (Merton College)  Incorporação da matemática à Física.  A realidade empírica deve ser analisada com o auxílio de métodos quantitativos, ou, conforme a terminologia da época, deve ser “calculada”.  Thomas Bradwardine (1328)  Há uma proporção entre Força, resistência e velocidade.  Se a velocidade aumenta aritmeticamente, a relação entre F e R aumenta geometricamente. Pela primeira vez, aplica-se a algebra à Física.
  • 38. Uma pintura muito elucidativa  Jan Van Eyck  Retrato de Giovanni Arolfini e sua mulher  Perspectiva  Luz e Sombras  Regras de reflexão óticas Em que ano foi feito o quadro?

×