Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
A idade media e as universidades
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

A idade media e as universidades

  • 4,821 views
Published

Idade Media e as Universidades

Idade Media e as Universidades

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
4,821
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
101
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A Idade Média, as Catedrais e as Universidades Prof. Raul Pessolani (TEM-UFF)
  • 2. A revolução das Catedrais Hoje não é fácil imaginar o que uma igreja significava para as pessoas daquele período. A igreja era, geralmente, o único edifício de pedra em toda a redondeza; constituía a única construção de considerável envergadura, e seu campanário era um ponto de referência para todos os que vinham de longe. Aos domingos e durante a Missa, todos os habitantes da cidade ali podiam encontrar-se. Não admira que toda a comunidade estivesse interessada na construção e se orgulha-se da sua decoração. A construção levava anos e devia transformar uma cidade inteira. A extração de pedra e seu transporte, a ereção de andaimes adequados, o emprego de artífices itinerantes, tudo isso constituía um acontecimento importante nesses dias remotos E.H. Gombrich - A História da Arte
  • 3. Igrejas Românicas paredes grossas, altura limitada, escuras. • Esquema estrutural: peso, pórticos e tirantes internos
  • 4. Catedrais Góticas: Luz, Verticalidade, Beleza Catedral de Vezelay Catedral de Amiens
  • 5. Gótico - Nova concepção estrutural: + Aumentar a altura + Aliviar o peso + Introduzir janelas + Nervuras resistentes + Painéis mais leves - Resultado: gaiola de vidro - Maravilhosa combinação: + partido arquitetônico + esquema estrutural.
  • 6. Solução estrutural: Arco Botante
  • 7. alturas externas (torres) altura ano Reims 82 1220 Salisbury 122 Chartres 123 Estrasburgo 142 Beauvais 153 (Queops 148) Ulm 160 Cluny 171
  • 8. Vitrais: Da luz natural à Luz imortal. " Meu objetivo era fazer com que, através da luz natural, filtrada pelos vitrais, se abrisse para os homens o caminho para a verdadeira luz". "Banhado pela luz contínua e maravilhosa de seus vitrais claros resplandece a beleza".  
  • 9. Esculturas: Ensinar por imagens  Bíblia de Pedra – capitéis, colunas, tímpanos
  • 10. Planejamento - Mestres de obras, pedreiros, canteiros, britadores, escultores - Planos e Cálculo das abóbadas - Esboços nas paredes: matemática: geometria espacial, trigonometria, ... - Instrumentos de desenho: tira-linhas, esquadro, compasso
  • 11. Construção  Transporte de pedras “Do séc XI ao XIII na França transportou-se mais pedras do que no Egito em qualquer período da sua história” Jean Ginpel – A Revolução Industrial da Idade Média  Emprego de Máquinas Construtivas: o guindaste "Dizem que foi a fé quem construiu as Catedrais na Idade Média. De acordo, mas também a Geometria“ (Etienne Gilson) Villard de Honnecourt (Engenheiro e Arquiteto) (primeiros desenhos)
  • 12. * Carrinho de mão ou padiola ? - Uma lição ... Arquiteta ou Mestra de obras ?
  • 13. Início da Educação  Criança na Grécia e em Roma  Visão errada da Idade Média:  Era de ignorancia, superstição e repressão intelectual?  Mosteiros:  Organizam-se as primeiras escolas  Ensino fundamental: igrejas e mosteiros  Os pais se reuniam e pagavam os professores  Universal, sem distinção de classes: nobres e plebeus. Gratuita
  • 14. Ensino médio Escolas monacais e catedrais  Disciplinas básicas:  Trivium: gramática, retórica e lógica  Quadrivium: astronomia, geometria, aritmética e teoria musical  Duração da aula: 45 ou 90 minutos.
  • 15. Séculos X e XI  Gerbert de Aurillac (Papa Silvestre II 999-1003) “O homem vive da Fé, mas é bom que a conjugue com a Ciência, pois Deus deu ao homem o grande dom do conhecimento, e quem não o tem são os que são chamados de tolos”  Fêz o primeiro Relógio em 996.  No séc XIV, Peter Lightfoot, monge do mosteiro de Galstonbury, construiu um dos mais antigos relógios que ainda existem e que está na London´s Science Museum.
  • 16. Árabes (Sécs VII a XII)  Invadem a Palestina, África e Espanha.  Em Alexandria tomam contato com as obras gregas.  Destaque:  Matemática  Al-Khwarizmi: sistema de numeração, algebra polinomial  Filosofia:  Avicena, Averróis, Maimônides (1000dc).  Tradução de Aristóteles  Séc XII: século das traduções  Traduz-se a Lógica de Aristóteles para o Latim.
  • 17. O nascimento das Universidades  Não há nenhuma instituição similar no mundo antigo.  Nascem das Catedrais  Reúnem-se artesãos, escultores, arquitetos, geômetras, “engenheiros”  Dedicam-se a ensinar  Primeiras Universidades (Séc XII)  Paris, Bolonha, Oxford,...(não tem sede material)  Estrutura: exposição, dúvidas, debates e conclusão  Critério de certeza: Racionalidade
  • 18. Escola da Catedral de Chartres (Séc XII)  Thierry de Chartres (1140), Abelardo Bath, William de Conches.  Esculpida na fachada oeste pode-se extrair algo do que estudaram: Aristóteles, Boécio, Cicero, Euclides, Ptolomeu, Pitagoras.  Lançam as bases filosóficas da ciência  Rejeitam a concepção dos Gregos de que as estrelas são formadas de substâncias semi-divinas.  A natureza é autônoma. Deus a criou com as suas causas naturais e os fenômenos ocorrem segundo leis estabelecidas.  Rejeitam a idéia de que a investigação racional pudesse ser uma afronta a Deus, e que o comportamento de Deus é restrito pelas leis.  Não se deve recorrer a milagres para explicar Fenômenos naturais  “É por causa da razão que nós somos homens e devemos emprega- la para conhecer a beleza do mundo criado”
  • 19. Formulando as premissas filosóficas; definindo os conceitos básicos do cosmos a partir do qual as ciências particulares cresceriam; reconstruindo sistematicamente o conhecimento do passado (...) no período de 15 a 20 anos na metade do séc XII, uns poucos homens se esforçaram por lançar as bases da ciência ocidental. Thomas Goldstein (Historiador da Ciencia)
  • 20. Sécs XII-XIII Séc XIV
  • 21. Caracteristicas  Biblioteca com uma relação mínima de livros que devem ser lidos e estudados.  Curriculum de matérias bem definido, que levavam normalmente de 4 a 5 anos.  Recebiam a chancela e aprovação do Papa ou dos reis, ou do imperador.  Independentes e autônomas em relação às autoridades locais, “internacionais”.  De fato, o Papa intervém várias vezes para garantir a sua autonomia.  Sem sede material.  Abertas para pessoas de todas as classes sociais e condições.
  • 22. Cursos  Faculdades Clássicas:  Artes liberais, Direito (civil e canônico), Medicina, filosofia natural (ciências) e Teologia  O graduado saia com o título de Bacharel, que lhe possibilitava trabalhar na área ou lecionar em escolas de nível básico e médio.  Aos professores das universidades era exigido que tivessem o título de master.  Deveria ler uma série de livros dos antigos; Aritóteles, Virgílio, Cícero, Euclides, etc.  Defender uma questão diante de uma banca de professores.
  • 23. Nova Metodologia Científica  Sentenças de Pedro Lombardo (Sec XII)  Define a Escolástica (Filosofia da Escola)  Utilização da Dialética. (Lógica de Aristóteles)  Confrontação franca entre razões contrarias.  Enumeram-se e confrontam-se as razões de cada uma  Conseqüência:  Produzirá uma grande revolução e uma popularização no domínio das ciências paralela à transformação da sociedade produzidas pela formação das grandes cidades.  Essa metodologia ficou plasmada nos escritos dos escolásticos e que nos chegam até hoje.
  • 24.  Professores: Anselmo de Canterbury, Pedro Abelardo, Alberto Magno, Tomas de Aquino, Roger Bacon, Raimundo Lulio, Duns Escoto, Boaventura, …  Traduzem-se em toda a parte do árabe as obras gregas.  Tabelas astronômicas, tratados de mecânica, manuais de algebra, geometria e trigonometria, a geografia de Ptolomeu, Avicena Averrois, Maimônides.  Discutem-se os Gregos: traduzem-se obras desconhecidas para os latinos: Platão, Arquimedes, Aristóteles (que irá provocar uma revolução cultural)
  • 25. Aulas  Imagem:  Algo engessado: temas e as lições eram impostos, não havia debates e tudo era influenciado pela Teologia.  Era todo o Contrário:  Expositio – Proposição de um tema  Lectio – Leitura de um texto  Disputatio – Discutiam as diversas temas.  A Lógica como método de demonstração e análise.  Quaestio – Comentário e fechamento do professor.
  • 26. Roberto de Sorbon (1300)  Dicas para ir bem nos estudos:  Ordenar o tempo  Concentrar a atenção  Cultivar a memória  Tomar notas  Discutir com os colegas  Rezar
  • 27. Outros aspectos  Instituiçãodos Colleges  Universalismo medieval:  Permuta de estudiosos, idéias e conhecimentos.  Língua oficial?  O Latim: internacionalidade.
  • 28. Pierre Duhen (1863-1914)  Físico e Historiador  Escreve a Teoria Física com Ernst Mach e se dedica ao estudo de História da Ciência Medieval  Conclusões  As universidades medievais foram grandes centros científicos que possibilitaram os descobrimentos posteriores  Porque não havia imprensa, as descobertas foram registradas em manuscritos pouco divulgados  Os cientistas modernos não se preocuparam em citar, mas em ressaltar a novidade das próprias contribuições.
  • 29. O que é a Universidade?  É onde se adquire uma formação universal.  É conferir não apenas um título A finalidade do sistema educativo, considerado em seu conjunto, não é prover de mão de obra a indústria ou ensinar aos jovens a ganhar a vida... É formar os jovens e promover seu desenvolvimento como seres humanos até a sua máxima possibilidade: capacita-los para que façam o maior uso possível de seus dons Robert M. Hutchins – A Universidade da Utopia .
  • 30. Formar o Homem O Sistema educativo deve promover o desenvolvimento moral, intelectual, estético e espiritual. (Robert Hutchins)  Formação Integral:  Ensinar o verdadeiro (intelectual)  Facilitar a prática do bem (Ética e moral)  Ensinar a apreciar o belo, a arte (Estética)
  • 31. Como era a ciência medieval?  Contemplativa, especulativa, filosófica.  Filosofia da Natureza.  Ex: Busca do que está por trás => Metafísica do Ser  Não se preocupa em resolver problemas práticos, mas procura ir até o fundo.  Movimento: o que é?  Não há a preocupação de descrever
  • 32. Tomás de Aquino (1225-1274)  Progresso Científico:  É bom, pois leva a conhecer a Deus, como através de um quadro se conhece o artista.  A Ciência deve se basear na observação e não na filosofia.  O progresso científico consiste em “salvar as aparências”.  Em cada época gera explicações de acordo com os instrumentos que dispõe: Cada Ciência é filha do seu tempo!  Física:  O universo começou a existir, e é contingente.  Não existem “seres celestes perfeitos”. (Contra Aristóteles)  Não se pode afirmar que uma teoria é definitiva  Porque talvez também possam ser explicadas mediante outra teoria que ainda não conhecemos.
  • 33. Stanley Jaki (1924- )  Físico e Historiador da Ciência  Grandes Culturas da Antiguidade:  A ciência passou por sucessivas mortes prematuras  Não havia um ambiente cultural adequado para desenvolver-se.  Obstáculos:  Politeísmo: deuses caprichosos que submetiam os fenômenos naturais.  Grécia, Egito, Babilônia=> atribuíam a divindades que os provocavam.  Panteísmo: Concepção da história como um eterno ciclo que se repete  China e India => Taoísmo e panteísmo.  Árabes:  As poucas descobertas se fizeram a contra-gosto, pois “a autonomia de Alah não poderia ser restrita pelas leis naturais”
  • 34. Porque a Ciência se desenvolveu no Ocidente?  Ambiente Cultural Favorável:  Monoteísmo: Deus pessoal criador, que cria livremente o mundo e é separado do mundo. - A Incarnação do Verbo enfatiza essa separação. - O mundo é reflexo da sabedoria de Deus. - Logo => está perfeitamente ordenado por meio de leis eternas, imutáveis e universais. - Deus criou o homem à sua imagem e semelhança: - Participa da inteligência divina e é capaz de conhecer o mundo e tem a missão de transforma-lo. Matriz Cultural Cristã
  • 35. Física dos Séculos XIII-XIV Universidade de Paris  Roger Bacon (1214-1292)  A terra é redonda e se pode circunavegar  Trabalhos em ótica: lentes, reflexão, refração  Jean Buridan (1300-1385)  Impetus: Primórdios da Inércia  O mundo teve um início.  O movimento dos astros foi dado na criação e dura até hoje por não encontrar nenhuma resistência, que o faça parar.
  • 36. Nicole Oresme (1380-1382)  Movimento relativo.  O homem no navio acredita que ele está parado e tudo está se movendo e é ao contrário.  Estende à Terra: um observador na Terra não dispõe de qualquer meio para saber se o alvorecer e o pôr do sol são resultantes da rotação do sol ou da terra.  Pergunta-se:  Não será que a terra é que está girando? Antecessor de Copérnico!
  • 37. Os calculadores (Merton College)  Incorporação da matemática à Física.  A realidade empírica deve ser analisada com o auxílio de métodos quantitativos, ou, conforme a terminologia da época, deve ser “calculada”.  Thomas Bradwardine (1328)  Há uma proporção entre Força, resistência e velocidade.  Se a velocidade aumenta aritmeticamente, a relação entre F e R aumenta geometricamente. Pela primeira vez, aplica-se a algebra à Física.
  • 38. Uma pintura muito elucidativa  Jan Van Eyck  Retrato de Giovanni Arolfini e sua mulher  Perspectiva  Luz e Sombras  Regras de reflexão óticas Em que ano foi feito o quadro?