Perfil | Profile
38 Ano XI - nº 33Destaque
empresarial
A
os dez anos, Angelo Perugini deixou a casa dos pais em Jacutinga ...
recursos do Governo Federal para fazer investimentos necessários.
A expansão do setor industrial de Hortolândia durante su...
Você foi presidente do Conselho da RMC (2006-2008) e sua gestão foi con-
siderada um divisor de águas, pelo relacionamento...
Faltam mobilizações como essa pela sociedade e políticos paulistas quanto aos
pedágios?
De fato, não existe uma tradição d...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Destaque33

254 views
203 views

Published on

Published in: Technology, News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
254
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Destaque33

  1. 1. Perfil | Profile 38 Ano XI - nº 33Destaque empresarial A os dez anos, Angelo Perugini deixou a casa dos pais em Jacutinga (MG) para dedicar-se ao sacerdócio. Os seminários de Pouso Alegre (MG) e Taubaté (SP) formaram o teólogo que, como seminarista, partiu para o nordeste brasileiro em 1978. Com o correr dos fatos, entretanto, Perugini dei- xou o ministério para atuar na política. O mineiro foi vereador de Sumaré em meados de 1990 e vice-prefeito de Hortolândia entre 1997 e 2000. Cumpre cargo de prefeito do município desde 2004, atingindo 78% dos votos na re- eleição. Sob única legenda, a caminhada política de Perugini foi atrelada ao Partido dos Trabalhadores (PT). O rebento político é marcado pela liderança de mo- vimentos populares, como o Movimento Sem Terra (MST), onde foi secretário estadual em 1985. Morador de Hortolândia desde 1981, é casado com a de- putada estadual Ana Lúcia Perugini (PT), união que gerou as filhas Angela e Mariana. Sob a administração do gestor, Hortolândia deixou alcunhas negativas para galgar outros destaques. Índices como o número de empregos com carteira de trabalho assinada, atração de indústrias e obras sociais ganharam peso no mu- nicípio, que tem planos ambiciosos para os próximos anos. Do seu gabinete no paço Palácio das Águas, o sereno Perugini comenta sobre sua gestão, relações de governos, lideranças e algumas opiniões pessoais. Você começou a se dedicar ao sacerdócio aos dez anos. Por que deixou essa condição? Foi uma circunstância. Minha fase da Teologia se envolveu muito com a Teologia da Libertação, que questionava a forma do trabalho e o envolvimento social do religioso na comunidade. Isso me fez ir ao nordeste, para conhecer a igreja comprometida com a classe mais pobre do País. Esse envolvimento se tor- nou cada vez mais intenso a tal ponto que falei: Ora! O que posso fazer como cidadão é basicamente o que quero fazer como padre. Então, misturaram de tal maneira esses compromissos, que fiz a opção de continuar com o trabalho leigo, não sacerdotal. Esse período como seminarista, então, o ajudou na política? A passagem pelo seminário foi fundamental para eu aprender a relacionar- me com as pessoas, aprender a fazer o trabalho coletivo. E o trabalho social nasceu desse trabalho, ligado a igreja. Você obteve na última eleição 78% dos votos, ocasião em que foi reeleito. A que credita esse porcentual? Nós fizemos um trabalho que atendeu aos compromissos que assumimos em campanha. Nosso comando foi muito próximo da comunidade, falando com a comunidade. Eu creio que o governo conseguiu dar resposta para as princi- pais demandas da população. Atribuo também ao fato do meu governo ser no mandato do presidente Lula (PT), onde as administrações municipais tiveram A t age 10, Angelo Perugini left his family home in Jacutinga, MG to devote himself to the priesthood. Seminars in Pouso Alegre, MG and Taubaté, SP formed the theologian who, as a seminarian, departed to the northeast of Brazil in 1978. As life unraveled, however, Perugini left the ministry to act in politics. The Minas native was councilman in Sumaré in the mid 1990’s and deputy mayor of Hortolândia between 1997 and 2000. Currently holds office as mayor of the city since 2004, receiving 78% of the votes during the reelection. Under a single subtitle, Perugini’s political career has consistently been tied to the Workers’ Party (PT). The political blossom is marked by the leadership of popular movements, such as the Movimento Sem Terra (MST – Landless Workers Movement), where he was state secretary in 1985. Hortolândia resident since 1981 is married to state Rep. Ana Lucia Perugini (PT), a union that begot daughters Angela and Mariana. Under his administration, Hortolândia shed negative nicknames to gain spotlight. Indices as the number of registered jobs, the attracting of industries and social work gained weight in the city, which has ambitious plans for the coming years. From his office at the Palácio das Águas state building, the serene Perugini talks about his administration, government relations, leadership and some personal opinions. You went into the priesthood at the age of ten. Why did you leave? It was circumstance. My theological phase got involved with the Theology of Liberation, which questioned the working practices and social involvement of the clergy in the community. This took me go to the northeast, to see the church committed to the poorest class of the country. This involvement became increasingly intense to the point where I said: Well! That which I can do as a citizen, is basically the same I want to do as a priest. Then, those commitments got mixed together in such a way that I made the choice of continuing the secular work and not the priestly. Did your time as seminarian help you in politics? The time I spent at the seminary was crucial for me to learn to associate myself with people, learn to do collective work. And the social work was result of the church related work. You received 78% of the votes during the last election, at the time you were reelected. What do you attribute that percentage to? We developed a project that met the commitments we made during the campaign. Our government plan was very close to the community, listening to what they had to say. I believe that my office was able to meet the key demands of the population. I also give credit to the fact of my term taking place under President Lula (PT) administration, where municipal administrations received funds from the Federal Government to make Political Clergy Clérigo político Raphael Vaz AssessoriadeImprensa
  2. 2. recursos do Governo Federal para fazer investimentos necessários. A expansão do setor industrial de Hortolândia durante sua gestão é visível. A atração de novas indústrias é um dos segredos do crescimento municipal? Com toda razão. O desenvolvimento que Hortolândia viveu nesse período foi majestoso. Em 15 anos de município, havia aqui 200 indústrias. Com cinco anos de governo nós mais que dobramos esse número. As pessoas passaram a ter oportunidade de emprego, renda. O investimento feito na cidade somado ao desenvolvimento feito pelas indústrias, com a empregabilidade das pessoas, formou um conjunto que mudou o caráter da cidade. A educação brasileira tem sido questionada se capaz de formar cidadãos aptos a dar continuidade ao boom econômico e sustentar essa ascendência. Hortolândia é hoje o segundo maior produtor nacional de eletrodomésticos da linha branca; nova unidade de produção da espanhola Construcciones y Au- xiliar de Ferrocarriles (CAF) foi sediada no município e corresponde a um setor chave no Brasil para os próximos anos; a Dell tem aumentado sua produção de componentes eletrônicos. A força de trabalho local está capacitada para sustentar o crescimento do município? A força de trabalho está sendo preparada e está havendo evolução. Estamos num pólo muito forte de formação de pessoas, que é a RMC, com grandes universidades e as metas que tínhamos de atingir em 2011, já atingimos em 2009. Temos feito investimentos na Educação Básica, Profissionalizante, até o nível Superior, com a implantação do Instituto Federal, que está em obras. A Prefeitura disponibiliza vários cursos profissionalizantes, além de empresas par- ceiras que também formam turmas. Em 2010, estamos capacitando mais de 25 mil pessoas, treinadas para ocupar vagas que as empresas estão abrindo. Naturalmente que não só da cidade, há muita mão de obra de fora também, mas Hortolândia não tem deixado as empresas com falta; temos conseguido atender essa demanda. necessary investments. The expansion of the industrial sector in Hortolândia during your administration is visible. Is the attracting new industries one of the secrets for local growth? I am sure. The development that Hortolândia underwent during this period was majestic. In 15 years as a town, there were only 200 industries here. In five years in office we have more than doubled that number. People have been given employment opportunities, income. The investments made in the city coupled with the development achieved by the industries, along with the employability of people formed a mixture that changed the character of the city. Brazilian education has been questioned, whether or not is capable of forming citizens who are ready to continue the economic boom and sustain that progress. Hortolândia is today the second largest domestic producer of white-line home appliances, the new production unit of Spain’s Construcciones y Auxiliar de Ferrocarriles (CAF) was headquartered in the city and represents a key sector in Brazil for the coming years, Dell has increased its production of electronic components. Is the local workforce able to sustain the growth in the city? We are empowering the workforce and there’s been progress. We are in a very strong people training hub, which is the MRC, with major universities, and the goals that we had to reach by 2011, we reached in 2009. We have made investments in Elementary, Vocational and even Higher Education, with the implementation of the Federal Institute that is now under construction. The City offers various trade courses in conjunction with partner companies who also produce professionals. So far in 2010, we are training more than 25,000 people to fill positions that companies are opening. Of course that not all manpower is from our city, there is a lot of outside labor too, but Hortolândia has not let these companies down, we have succeeded in meeting their demand. 39Destaque empresarial Ano XI - nº 33 AssessoriadeImprensa Perugini negotiates PAC resources for investment in the city Perugini negocia recursos do PAC para investimentos no município
  3. 3. Você foi presidente do Conselho da RMC (2006-2008) e sua gestão foi con- siderada um divisor de águas, pelo relacionamento que se estabeleceu entre os governos estadual e federal. Que influência teve essa abertura para a região? Pela primeira vez, o Governo Federal encarou a RMC como parceira. Foi o primeiro convênio de sentar a mesa e, em conjunto, negociarmos. Na época, conseguimos R$ 500 milhões para investimentos. E a discussão, a questão do Trem de Alta Velocidade (TAV) teve uma influência muito grande do prefeito de Campinas, Hélio [de Oliveira (PDT)] e dos prefeitos da RMC, mostrando a importância da integração regional. Com a iniciativa, que começou três anos atrás, o que aconteceu? O Governo Federal encarou Campinas - São José dos Campos (SP) como primeira etapa e não São Paulo (SP) - Rio de Janeiro (RJ). E aqui foi fundamental essa organização política e de iniciativa. Quanto ao governo estadual, a cidade ganhou representatividade política na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). Hoje, pela nossa estimativa, somen- te 40 municípios do estado tem representantes na Alesp e de 645 municípios, somos um dos que tem. Esse apoio tem sido fundamental. Por ele conseguimos um fórum, INSS, Vara Trabalhista... Conquistas que permitem aos moradores resolverem seus problemas dentro do município. Foi sua iniciativa criar uma Frente Regional que acompanha obras na Ro- dovia Jornalista Francisco Aguirra Proença (SP-101), pedagiada recentemente. You were chairman of the board of the MRC (2006-2008) and your management was considered a watershed because of the relationship that was established between the state and federal governments. What influence did this openness have on the region? For the first time, the Federal Government faced the MRC as a partner. It was the first agreement to sit at the table to negotiate. At that time, we were able to get R$ 500 million for investments. And discussions about the High Speed Train (TAV) had a very strong influence from the mayor of Campinas, Hélio [de Oliveira (PDT)] and from mayors of the MRC, showing the importance of regional integration. With the initiative, which began three years ago, what happened? The federal government saw Campinas - São José dos Campos, SP as a first phase, rather than São Paulo, SP - Rio de Janeiro, RJ. And this is where political and initiative organization was essential. As for the state government, the city gained political representation in the Legislative Assembly of the State of São Paulo (ALESP). Today, by our estimate, only 40 out of 645 municipalities in the state have representatives in the ALESP and we are one of those who have. This support has been fundamental. Because of it, we were able to get a forum, INSS, Labor department ... Achievements that enable residents to solve their problems locally. It was your initiative to create a Regional Front to oversee improvements along Highway Journalist Francisco Aguirre Proença (SP-101), recently tolled. Are there 40 Destaque empresarial Ano XI - nº 33 Residents make use of Chico Mendes park facilities, the first linear park in Hortolândia Moradores utilizam instalações do Parque Chico Mendes, primeiro parque linear de Hortolândia Perfil | Profile AssessoriadeImprensa
  4. 4. Faltam mobilizações como essa pela sociedade e políticos paulistas quanto aos pedágios? De fato, não existe uma tradição de fazer movimentação de prefeituras, de toda sociedade para exigir que o pedágio seja modificado. Hoje nossa possibi- lidade de modificação ainda é trocar administradores. Por isso defendo a troca desse Governo do Estado, que está aí há 27 anos e que implantou esse sistema. A que sistema você se refere? O pedágio em São Paulo tem dois equívocos profundos. Primeiro, o custo muito alto. Esse custo é devido ao tipo de contrato feito com as concessioná- rias, chamado contrato oneroso, onde a empresa precisa fazer um depósito antecipado pra assumir a rodovia. Por exemplo, a SP-101, que é um desastre de rodovia, uma das piores do estado. A concessionária tem que depositar R$ 520 milhões - está depositando ainda - para assumir a rodovia. Ora! Todo recurso de investimento que teria para melhorar a rodovia é colocado na mão do Estado, que usa para outras finalidades que não o investimento local. Essa concessão onerosa atrapalha o investimento inicial das obras e obriga o pedá- gio ser muito elevado. Outro gargalo é que existem praças exageradas e esse número excessivo, além de encarecer, atrapalha a circulação de pessoas. Ainda acrescento a forma de cobrança, não por quilômetro rodado, mas por estimati- va. Você entra na rodovia e paga o quilômetro que não rodou. Você defende a criação de um pólo de defesa do meio ambiente na RMC. Paralelo a isso, é presidente do Consórcio das Bacias dos Rios Piracicaba, Ca- pivari e Jundiaí (PCJ). O verde é uma das suas prioridades políticas? O verde se tornou uma preocupação por conta do nome da cidade, Hor- tolândia. Um nome tão bonito, que significa “terra do horto” e a cidade foi totalmente devastada. A forma de resgatá-lo era olhar para questão ambiental. Por isso, se tornou prioridade para o nosso governo; e daí meu envolvimento com essa questão das Bacias do PCJ. Hortolândia é apenas um pequeno galho dessa grande região metropolitana, que está doente, que tem problemas com a questão ambiental. Mas nasceu dessa relação que temos aqui na cidade. O diretório do PT vem flertando com temas emblemáticos no seu plano de governo, como aborto. Qual sua opinião sobre essa questão? Minha veia religiosa e até humana me faz questionar esse tema. Não sou favorável ao aborto, mas entendo que há, naturalmente, casos de estupro, de problemas, que têm de ser estudados. Não é a lei que vai resolver isso. Esse é um problema de saúde, que tem de ser resolvido do ponto de vista profissio- nal, do ponto de vista médico. Nas circunstâncias muito delicadas e que tem problemas de saúde, devem ser levados para medicina indicar o procedimento correto. Esse documento também toca na criação de um órgão regulamentador de mídia. O que acha dessa intenção? É um ponto delicado porque quando se trata de fiscalizar e o Estado intervir, parece que você está tentando colocar uma mordaça. Agora, quando se dá a pessoa a autonomia para dizer, ela tem de ter responsabilidade. Você pode dizer, mas tem que pagar por aquilo que diz. Muitas vezes, a mídia destrói a vida de uma pessoa e ninguém é responsabilizado. Isso tem que ter um contro- le. Temos liberdade? Temos. Eu tenho liberdade total; posso ir e matar você? Não! Não se pode deixar que alguém destrua a vida de uma pessoa, seja com arma ou palavra. Em 2004, Hortolândia possuía 205 indústrias. Cinco anos depois esse núme- ro passou a 438. Quais suas previsões para Hortolândia até 2012? Quero concluir a emancipação, processo que começamos em 1991. Quan- do pedimos emancipação, pedimos para que a cidade tivesse asfalto, esgo- to, qualidade de vida, emprego. E vamos entregá-la em 2012 emancipada. Vai estar 100% asfaltada, com 100% de esgoto e água; vamos entregar com praças, áreas de lazer; parques, universidade, garantindo escolas, garantindo qualidade de vida. Queremos entregar Hortolândia emancipada. missing more actions such as this from society and politicians in São Paulo regarding Toll Roads? In fact, there is no tradition for the city hall of every society take action to demand that toll roads be modified. Today our power to modify something still lies in the ability to change political leaders. This is why I support the change of the current state government, which has been around for 27 years and is responsible for implementing that system. What system are you referring to? Tolls in Sao Paulo have two profound errors. First, the very high cost. This cost is due to the type of contract that is made with concession companies, called the onerous contract, where the concessionaire needs to make a deposit upfront before they are awarded the highway. e.g.: SP-101, which is a shame as a highway, one of the worst in the state. The concessionaire has to deposit R$ 520 million – and it is still making deposits - to be granted the highway. Now! All investment funds they would have available for improvements are handed over to the state, which uses the funds for purposes other than local investments. This onerous concession hinders initial investment projects and drives toll fares very high. Another bottleneck is that there are exaggerated turnpikes and that excessive number, besides increasing the cost, also impairs the mobility of people. Not to mention the way tolls are collected, not per kilometer, but by an estimate. You enter the highway and end up paying for kilometers you didn’t drive. You advocate for the creation of an environmental protection pole in the MRC. Parallel to this, you are chairman of the Consortium of the Piracicaba, Capivari and Jundiai River Basins (PCJ). Is going Green one of your political priorities? Going Green has become a concern on account of the city name, Hortolândia. Such a pretty name, which literally means “Garden Land” and the city, was totally devastated. One way to rescue the name was to look at environmental issues. Therefore it became a priority for our administration, and hence my involvement with the PCJ Basins. Hortolândia is just a small branch of this large metropolitan region, which is ill and has environmental related problems. This was born out of that relationship that we have here in our city. The directory of the worker’s party (PT) has been flirting with emblematic topics in its government plan, such as abortion. What is your opinion on the issue? My religious and even human nature makes me question this issue. I do not support abortion, but of course I understand that there are cases of rape and other kinds of problems which need to be analyzed. The law will not solve this. This is a health issue that needs to be resolved from a professional medical point of view. Very delicate circumstances involving health issues should be addressed by medicine to determine the proper procedure. The document also talks about the creation of a media regulatory body. What do you think of this intention? It is a delicate issue, because when it comes to monitor and have the state intervene, it seems you are trying to thrust a gag. Now, when someone is given freedom of speech, he or she has to take responsibility. You can say anything, but you have to pay for what you say. Often, the media destroys a person’s life and nobody is held accountable. There has to be some sort of control. Do we have freedom? We do. I have total freedom; can I go ahead and kill you? No! We can not let someone destroy a person’s life, whether with a gun or with words. In 2004, Hortolândia had 205 industries. Five years later this number rose to 438. What are your predictions for Hortolândia in 2012? I want to complete the emancipation process we began back in 1991. When we ask for emancipation, we ask that the city had paved roads, sewer, quality of life, jobs. And we will deliver it emancipated in 2012. It will be 100% paved, with 100% sewer and water, we will deliver it with public squares, recreational areas, parks, university, guaranteeing schools, ensuring quality of life. We want to handover an emancipated Hortolândia. 41Destaque empresarial Ano XI - nº 33

×