Your SlideShare is downloading. ×
Bullying na adolescência
Bullying na adolescência
Bullying na adolescência
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Bullying na adolescência

12,307

Published on

Trabalho apresentado como tema livre no XI Congresso Brasileiro de Psicomotricidade: Dias 6, 7 e 8 de setembro de 2010 …

Trabalho apresentado como tema livre no XI Congresso Brasileiro de Psicomotricidade: Dias 6, 7 e 8 de setembro de 2010
UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro Teatro Odylo Costa, filho Rua São Francisco Xavier, 524 - Maracanã - RJ. Publicado nos anais do congresso.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
12,307
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
61
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 1 BULLYING NA ADOLESCÊNCIA – A TERAPIA PSICOMOTORA COMO FORMA DE INTERVENÇÃO. . RAPHAELA QUEIROZ MARQUES Psicomotricista (IBMR) 1. OBJETIVO Desenvolver, através da Terapia Psicomotora e da orientação familiar, o resgate das dificuldades relacionais como o desenvolvimento do equilíbrio emocional, da aprendizagem e da reestruturação familiar com adolescentes vítimas e autores de bullying. 2. JUSTIFICATIVA A relevância do estudo encontra-se na necessidade de resgatar os jovens que apresentam transtornos de comportamento nas escolas antes que estes se transformem em importantes distúrbios de conduta decorrente do agravamento e persistência dos atos. A proposta do trabalho consiste num estudo que visa descrever através da análise dos casos os efeitos da terapia psicomotora, relacionando-a com o desenvolvimento escolar e a reestruturação da família através do acompanhamento em paralelo das relações com os pais. O impacto social do estudo decorre da própria freqüência com que atualmente estes comportamentos - bullying - estão sendo expressos no meio estudantil. Espera-se que com o desenrolar do processo terapêutico os adolescentes apresentem uma reestruturação de suas relações interpessoais, resgatando sua relação familiar, corroborado pela melhora no seu desenvolvimento escolar. 3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 3.1 ADOLESCÊNCIA E BULLYING – BREVE INTRODUÇÃO A adolescência é uma fase conturbada na vida do indivíduo, na qual ocorre a mudança da mentalidade infantil para a mentalidade adulta. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a adolescência situa-se entre os 10 e os 19 anos de idade. A evolução da imaturidade para a maturidade configura um período fundamental da maturação psicológica da pessoa. As estruturas da personalidade não se encontram completamente sedimentadas e é nesse período que ela se moldará. Alterações físicas e psíquicas corroboram para um período de instabilidade emocional e de conflitos pessoais. É uma época marcada pela falta de aceitação pessoal e de avaliação do seu papel nas relações interpessoais e na sociedade. Diante desse turbilhão de emoções e mudanças, o adolescente necessita de modelos com os quais se identifiquem, mas nem sempre os encontram na família. Núcleos familiares desestruturados com pais opressores, agressivos e muitas vezes violentos, produzem adolescentes agressivos na medida em que os modelos se
  • 2. 2 copiam. Na busca da identidade física e psicológica, muitos adolescentes encontram na agressão uma forma de afirmação de poder interpessoal – o bullying. O Termo bullying é utilizado para qualificar comportamentos violentos no âmbito escolar, ocorrendo principalmente dentro de sala de aula e no recreio. Corresponde a um conjunto de atitudes de violência física e/ou psicológica, de caráter intencional e repetitivo, praticado por um agressor contra uma ou mais vítimas que se encontrem impossibilitadas de se defender. A escola representa um dos principais ambientes sociais em que o jovem está inserido. Diante disto é de fácil observação acompanhar o surgimento ou o fortalecimento de atitudes ligadas ao bullying. Normalmente, conforme o transtorno se apresenta, o nível de sociabilidade do aluno decai seguido de um rápido declínio em seu rendimento escolar. (TEIXEIRA, 2006) Apesar de ser um fenômeno antigo, no Brasil o tema só agora começa a ganhar atenção de forma mais enfática. Desde 2001 a Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e à Adolescência (Abrapia) se dedica a estudar, pesquisar e divulgar o bullying. Um estudo realizado no estado do Rio de Janeiro em 2003 pela Abrapia aponta um cenário alarmante: 40,5% dos entrevistados admitiram ter tido algum tipo de envolvimento direto na prática do bullying, seja como vítima, seja como agressor. Os estudos mostram também que ambos os sexos se envolvem nos comportamentos de bullying. O que difere é que as meninas tendem a praticar agressões na forma de terror psicológico, enquanto os meninos tendem a utilizar a força física para firmarem seu poder sobre os demais. (SILVA, op cit.) O tema é complexo, existe muita dificuldade em produzir consenso; entretanto pode-se inferir que nas intra e inter-relações familiares encontram-se, indubitavelmente, as explicações para os mais diversos tipos de transtornos de comportamento onde as relações sociais se estruturam. 3.2 A TERAPIA PSICOMOTORA A Psicomotricidade é um complexo mosaico de práticas e vertentes teóricas interligadas. Estuda o psiquismo e a motricidade num todo global e individual. De acordo com a Sociedade Brasileira de Psicomotricidade, “é a ciência que tem como objeto de estudo o homem através do seu corpo em movimento e em relação ao seu mundo interno e externo. Está relacionada ao processo de maturação, onde o corpo é a origem das aquisições cognitivas, afetivas e orgânicas. É sustentada por três conhecimentos básicos: o movimento, o intelecto e o afeto. Psicomotricidade, portanto, é um termo empregado para uma concepção de movimento organizado e integrado, em função das experiências vividas pelo sujeito cuja ação é resultante de sua individualidade, sua linguagem e sua socialização.” Aucouturier define o psicomotricista como um especialista da ajuda à maturação psicológica pela via da expressividade motora a partir do prazer de agir. A Terapia Psicomotora é uma prática de mediação corporal e abordagem relacional que foca nas potencialidades da pessoa, auxilia o indivíduo a elaborar novas estratégias e soluções próprias para enfrentar os problemas, reforçando a confiança em si mesmo e favorecendo uma melhor atuação na vida cotidiana. Favorece os aspectos físico, mental, afetivo-emocional e sócio-cultural, buscando estar sempre condizente com a realidade do ser. Por ter o bullying uma repercussão corporal, seja no âmbito do agressor ou da vítima, a Terapia Psicomotora faz-se pertinente, possibilitando através da via
  • 3. 3 motora a expressão da agressividade e de suas angústias relacionadas. O processo terapêutico favorecerá o encontro do indivíduo, seja o agressor, seja a vítima, com seu próprio “eu”, ajudando-o a melhor definir suas emoções, seus desejos e seus medos, viabilizando uma melhor expressão destes sem que com isso precise ferir o outro. 4. CONCLUSÃO As relações humanas estão cada vez mais descartáveis, gerando um isolamento social quase patológico. Nas escolas e nos relacionamentos afetivos a intolerância e a indiferença ganham cada vez mais espaço. O mundo contemporâneo diz que para você ser feliz precisa ostentar bens materiais e te incita a buscar uma felicidade externa. Quanto mais vamos em busca dessa felicidade, menos a encontramos e fica um vazio. Ficamos tão hipnotizados pelo poder oferecido pelos altos padrões que nos esquecemos de olhar para dentro, de prestar atenção aos nossos sentimentos e inevitavelmente às pessoas que nos cercam. Mas não é apenas isso. Além de trabalhar exaustivamente para conquistar o padrão exigido pela mídia, temos que ser bons pais, maridos, esposas, filhos. Pais e filhos reclamam da falta de tempo juntos e entram num jogo de chantagem e permissividade para compensar essa falta que nem se dão conta do mal que estão fazendo uns com os outros. Insatisfação, revolta, desejo de chamar atenção, falta de limites, agressividade entre outros são características da adolescência que se não forem devidamente cuidadas podem transformar-se em bullying e futuramente em graves distúrbios de conduta. É preciso dar atenção aos nossos adolescentes e em suas estruturas familiares. A escola deve ser parte atuante nesse processo. É possível através de medidas simples como debates e dramatizações sobre o tema diminuir os casos que chegam aos consultórios. Mas os que chegam precisam ser ouvidos com atenção e sem julgamentos, independente do seu papel no drama escolar e familiar. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. Aramis, A. Lopes Neto.Bullying: comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de Pediatria (RJ) vol 81 n.5 suppl 0. Porto Alegre Nov 2005 – www.scielo.br Aucouturier, B. O Método Aucouturier: fantasmas de ação e prática psicomotora. Aparecida, SP: Idéias & Letras, 2007. Castillo, G. Violência Escolar. http://educacao.aaldeia.net/violencia-escolar/, ativo em 16/08/10. Lira, F. C. Etapas da Adolescência. http://educacao.aaldeia.net/etapas- adolescencia/, ativo em 16/08/10 Medipédia: www.medipedia.pt, ativo em 16/08/10 Organização Mundial de Saúde: www.who.int, ativo em 16/08/10. Sei Centro de Desenvolvimento e Aprendizagem: http://sei- online.net/especialidades/psicologia-psicomotora.html Silva, Ana Beatriz B. Bullying: mentes perigosas nas escolas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

×