Your SlideShare is downloading. ×

Procedimento de montagem elétrica

6,756
views

Published on


0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,756
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
151
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PROCEDIMENTO TÉCNICO PARA MONTAGEM DE SISTEMAS ELÉTRICOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. ALCANCE 3. RESPONSABILIDADE 4. NORMAS DE REFERENCIAS 5. RECURSOS 6. PROCEDIMENTO 7. SEGURANÇA 8. DISTRIBUIÇÃO 1. OBJETIVO Esta instrução define as diretrizes e parâmetros necessários para a montagem elétrica de instalação aparentes, leitos e cabos, aterramento, lançamento de cabos, ligações, iluminação, subestações e motores e redes subterrânea em envelopes de concreto. 2. ALCANCE Aplicável para todo serviço de montagem elétrica. 3. RESPONSABILIDADE 3.1 DO PESSOAL DA EXECUÇÃO Executar a montagem elétrica de acordo com a presente Instrução Técnica. 3.2 DO PESSOAL DO CONTROLE DE QUALIDADE Efetuar o controle e orientação quando necessário da correta aplicação deste procedimento.
  • 2. 4. NORMAS DE REFERENCIA NR-10 – Instalações e serviços em eletricidade. 5. RECURSOS • EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS - Dobradeira; - Rosqueadeira; - Chave grifo; - Chave de corrente; - Máquina de solda; - Maçaricos. • HUMANOS - Encarregado; - Eletricista montador; - Soldador; - Maçariqueiro; - Ajudante. 6. INSTRUÇÕES GERAIS: 6.1 ELETRODUTOS RÍGIDOS – ( AÇO GALVANIZADO E ALUMÍNIO) O tipo de suporte, sua fixação e o espaçamento entre suportes destinados à fixação de eletrodutos devem ser conforme desenhos de projeto. Quando não indicado em projeto, devem ser adotados suportes espaçados no máximo 2,5m para eletrodutos de 3/4 e 3m para as demais bitolas. No caso de se ter eletrodutos de varias bitolas, no mesmo suporte deve ser obedecido o espaçamento máximo para o de menor bitola. Os suportes devem ser instalados após sofrerem limpeza mecânica e pintura de base. Os eletrodutos devem ser instalados cuidando-se de seu nivelamento, alinhamento,
  • 3. posicionamento e paralelismo, mantendo-se o afastamento entre si de acordo com o projeto. O raio mínimo de curvatura deve atender a especificação de projeto, na ausência deste, deve-se adotar no mínimo 12 vezes o ø externo do eletroduto. O afastamento entre eletrodutos e linhas ou equipamentos com temperatura externa acima do ambiente deve ser conforme especificação e desenho de projeto. Quando não indicado em projeto, deve ser adotado o seguinte critério: - No caso de temperatura até 70 ºC, deve-se usar afastamento mínimo de 5cm. - Para temperatura acima de 70 ºC, deve-se usar afastamento mínimo de 30cm, conforme N-1600 item 5.1.1.5 a: • Os casos anteriores, quando o suporte for fixado em peça aquecida, deve ser isolado termicamente dos eletrodutos. 6.1.1 AS CONEXÕES E ACESSÓRIOS ROSCADOS DE AÇO CARBONO GALVANIZADO, ALUMÍNIO E PVC, DEVEM SEGUIR OS SEGUINTES CRITÉRIOS: • Devem ser feitas utilizando-se no máximo 2 passes. • Devem ser removidas todas as rebarbas após a confecção de roscas; • Nenhum fio de rosca deve estar danificado; • Deve ser aplicada tinta anti-corrosiva nas roscas, antes do acoplamento; • Devem ser inserido um mínimo de 5 fios de roscas conforme recomendações do NEC. O afastamento entre dutos de telefone e de energia deve ser conforme recomendações de projeto. As curvas fabricadas no empreendimento, devem ser feitas obedecendo as especificações da NBR-5597 e não devem apresentar falhas a camada galvanizada.
  • 4. O roscamentodevem ser feito exclusivamente no trecho reto. A quantidade de curvas entre dois pontos de puxamento deve atender as especificações e desenho de projeto. Quando não indicada, deve ser observado que o somatório das deflexões não ultrapasse a 270º. Deve ser verificada a existência de amassamentos e danos interno e externo na galvanização devido ao manuseio incorreto de equipamento ou ferramentas. 6.2 ELETRODUTOS FLEXÍVEIS – (PVC) O comprimento, posicionamento e o raio mínimo de curvatura dos eletrodutosdevem atender aos desenhos e especificações do projeto caso não seja indicado em projeto, deve-se adotar no mínimo 12 vezes o diâmetro externo do eletroduto. A disposição adotada deve permitir a absorção das vibrações dos componentes ou equipamento a eles conectados. Nos eletrodutos flexíveis a prova de tempo com revestmento externo em PVC as terminações montadas no empreendimento devem estar perfeitamente ajustadas. Deve ser garantida a continuidade elétrica da instalação. 6.3 REDES SUBTERRÂNEAS EM ENVELOPES DE CONCRETO Registrar elevações dos envelopes elétricos para cadastrar nos desenhos de elétrica. Prever verificação do estado do interno dos eletrodutos antes e depois da concretagem. Na execução da abertura de valas, deverá ser verificada pela equipe de topografia a posição do eixo do envelope, cotas, dimensões das secções. A abertura de vala deve ser adequada a execução dos serviços e de forma a permitir a movimentação dos montadores. O alinhamento e a elevação da vala no trecho compreendido entre 2 caixas de passagem deve ser medidas no máximo a cada 50 metros com desvio máximo de 5cm em relação aos valores de projeto.
  • 5. Deverá ser feito regularização e compactação no fundo da vala para receber 5cm de espessura de concreto magro e 5cm de cada lado da base do envelope. Quando prevista colocação de drenagem ao longo do envelope deve ser observada as exigências de projeto. O topo do envelope do concreto deve ficar no mínimo a 60cm abaixo do nível do solo ou 45cm em caso de interferências. Os eletrodutos a serem colocados na vala, devem ser alinhados e posicionados com a utilização de espaçadores de aço. A distância dos espaçadores quando não indicado em projeto, deve ser de 2,5 m. O alinhamento e a declividade dos eletrodutos devem ser conforme desenho de projeto, admitindo um desvio máximo de 5cm com relação ao valor de projeto. A posição relativa e afastamento entre eletrodutos nos envelopes devem ser conforme projeto. O afloramento de eletrodutos ao nível do piso deve ter no mínimo 15cm entre o início da rosca e a ponte de afloramento. Nos envelopes de concreto o posicionamento dos eletrodutos de espera deve ser executado através de gabarito e verificação de verticalidade dos mesmos através de prumo ou nível de bolha. 6.4 CONCRETAGEM DO ENVELOPE A característica do concreto deverá estar de acordo com a especificação de projeto. Antes de iniciar a concretagem a rede de eletroduto deve estar limpa, isenta de ferro e outros materiais estranhos, onde se necessário a limpeza pode ser executado com jato de água. Na concretagem, o concreto deve ser lançado sem queda livre para não deslocar ou danificar o eletroduto e utilizar vibrador compatível de modo a obter um melhor
  • 6. adensamento. Sempre que possível, o trecho entre 2 caixas de passagem deve ser concretado de uma só vez, caso haja necessidade de interrupção da concretagem, a extremidade do concreto deve formar um ângulo de 90º. A identificação do envelope deve estar conforme especificado em projeto. Quando não indicado em projeto, deve ser aplicado o óxido de ferro (vermelhão) diretamente sobre o concreto para identificação em redes elétricas. Em razão do concreto não ser estrutural, a desforma será processada após 24 horas da concretagem, logo após a desforma a cava será reaterro com areia umedecida. Nas interrupções de concretagem e na necessidade de reaterro, deve ser observado o seguinte item: • As extremidades dos eletrodutos devem ser tampondados com luvas galvanizados ou PVC e as roscas protegidas com tinta anticorrosiva; • Os trechos excedentes devem ser protegidos com madeira e areia. 6.5 DESFORMA E REATERRO Deverá ser executado conforme procedimento específico. 6.6 CONEXÕES E ACESSÓRIOS As conexões e acessórios devem ser instalados de modo a atender as especificações e desenhos de projeto. 6.6.1 NA INSTALAÇÃO DE UNIÕES, DEVEM SER ATENDIDAS AS SEGUINTES RECOMENDAÇÕES: • As uniões não devem ficar sujeitas a esforços horizontais ou verticais. • Devem ficar afastadas de qualquer obstáculo, no mínimo, de 1,5 vezes o diâmetro externo do tubo. • Quando possível, a parte móvel da união em lances verticais devem ficar
  • 7. na posição superior. • A conexão entre as partes móveis e fixas das uniões deve estar perfeitamente ajustada promovendo aperto adequado entre as partes. 6.6.2 NA INSTALAÇAO DE UNIDADES SELADORAS DEVEM SER ATENDIDAS AS SEGUINTES EXIGENCIAS: • A unidade seladora deve ser instalada próximo quando possível do invólucro a prova de explosão, respeitando o afastamento Máximo de 45cm. • Nos casos que vários eletrodutos a uma mesma caixa, as unidades seladoras, se necessários, podem ficar defasada entre si, respeitando contudo o espaçamento máximo de 45cm até a caixa. • Deve-se verificar o correto posicionamento das unidades seladoras verticais e horizontais. • A gaxeta de vedação (cordão de amianto ou similar) deve ser colocada de forma a assegurar um afastamento dos condutores entre si e entre condutores e a superfície interna da unidade seladora. Deve ser aplicada de modo a evitar o escoamento da massa de selagem para o interior das tubulações ou caixas. • Deve-se verificar a condição de utilização dos componentes da massa seladora. • Somente após a enfiação e teste dos condutores, deve-se executar o enchimento das unidades seladoras, respeitando que a espessura da massa seladora deve ser, igual ao diâmetro nominal do eletroduto e nunca menor que 16mm. • As extremidades dos eletrodutos devem ter o acabamento indicado no projeto, mediante buchas de acabamento, seladoras, ou de aterramento,
  • 8. tampões e bujões. • As caixas de junções de passagem ou comunicações devem ser montadas cuidando para o correto alinhamento e verticalidade. • Posicionamento das caixas devem ser feitos de tal forma a facilitar a entrada do cabos e/ou tubos, considerando-se: - Quantidade de entradas; - Raios mínimos de curvatura dos cabos; - Dobramento dos tubos em ângulo não superior a 90º; - Acesso a facilidade de manutenção; - Facilidade de trafego de maquinas e pessoas; - Abertura e fechamento das portas de acesso; - Não existências de interferências. • As furações não utilizadas para a entrada de eletroduto devem ser tamponadas com tampões ou bujões metálicos. • As caixas de purgamento tipo “pull-box” devem ser montadas efetuando-se o nivelamento da base das mesmas. Este alinhamento deve ser baseado no paralelismo entre caixas e verticalidade dos eletrodutos que as sustentam. • Todas as caixas devem estar ligadas entre si por um cabo de aterramento. Se houver alguma necessidade de alteração nas furações, os furos obsoletos devem ser fechados por meio de bujões. 6.7 LEITOS PARA CABOS Os leitos, dutos ou bandejas para cabos, devem ser montados conforme projeto, observando-se que os mesmos sejam instalados devidamente alinhados e nivelados. Os acabamentos em interligações, curvas de trechos retos, não devem apresentar cantos vivos ou rebarbas, de forma a se preservar o isolamento externo dos cabos.
  • 9. Nos eventuais cortes das bandejas ou dutos, estes devem sofrer limpeza mecânica e pintura conforme a norma N-1374. Os suportes devem ser instalados de acordo com instruções de projeto, ou conforme tabela abaixo, nos casos de insuficiendias de informações: • Bandejas ou leitos até 100m 1,5m • Bandejas ou leitos até 300m 2,0m • Bandejas ou leitos acima de 300m 3,0m As distancias mínimas de afastamento dos dutos e bandejas em superfícies aquecidas devem ser: • 5,0cm para temperatura até 70ºC • 30,0cm para temperatura superior a 70ºC Os dutos de sinal elétricos e bandejas devem ser adequadamente separados dos dutos de forca. As mínimas distancias permitidas devem estar de acordo com especificações do projeto e onde não houver previsão, conforme tabela a seguir: CABOS DE FORÇA TENSAO CORRENTE ESPAÇAMENTO Até 130V Até 10A 300mm 130V até 250 Até 50A 450mm 250V até 480 Até 200A 600mm 480V até 6000 Até 800A 1400mm 6000V até 13800 Até 1500A 1800mm Deve ser evitada a circulação de pessoal diretamente sobre os leitos, que também, devem ser identificados conforme projetos. Todo leito deve ser identificado conforme projeto.
  • 10. 6.8 ATERRAMENTO O aterramento deve ser feito de acordo com o projeto, mantendo sempre a profundidade mínima recomendada de 60cm. A rede principal deve ser de ser de no mínimo bitola de 70mm² e as derivações de acordo com o projeto. As emendas subterrâneas devem ser do tipo solda exotérmica, não sendo permitido o uso de conectores. A execução das soldas deve seguir as seguintes recomendações básicas; • Verificar prazo de validade e estado de conservação dos moldes e seguir orientações de uso do fabricante dos moldes. • Limpeza com escova de aço e lixa na parte a soldar; • Posicionamento correto no molde, através de alicate; • Fechamento a pressão do molde, com o clip de arame e vedação com massa plástica. O afloramento da malha através do piso ser protegido contra danos mecânicos com eletrodutos de PVC. Em caso de subida da malha em estruturas, caso não esteja indicado no projeto, esta será feita por eletroduto em trechos retos e fixados por meio de braçadeiras (tipo unha) As emendas aéreas devem ser feitas por meio de conectores apropriados. O aterramento de equipamentos, estruturas, tubulações, leitos de cabos e sistemas páraraios deve ser executado atendendo aos desenhos e especificações de projeto. As superfícies de contato dos equipamentos a serem aterrados devem estar rigorosamente limpas. Após a conexão e aperto, devem ser untados os terminais com pasta antioxidante. Quando não for indicados em projeto os eletrodutos metálicos nas caixas de passagem
  • 11. subterrânea, entrada em subestação e afloramento sob painéis devem ser aterrados através de buchas de aterramento e conectores apropriados ligados em malha geral de terra. Quando não for indicada em projeto a haste devem ser enterradas a uma profundidade mínima de 2,5m e ter um espaçamento Maximo entre si de 25m. Deve ser atingido o valor da resistência especificado em projeto. 6.9 LANÇAMENTO DE CABOS Antes de ser iniciada a enfiação, devem ser verificado e executado os seguintes itens: • Esgotamento e limpeza das caixas de passagem e eletrodutos; • Existência de buchas de aterramento nos eletrodutos de aço galvanizado; • Existência de arame guia galvanizada nos eletrodutos; • Inspeção visual dos cabos quanto ao tipo, bitola, classe de tensão, estado de conservação e quantidade, de acordo com o plano de enfiação; • Utilização dos eletrodutos deve estar de acordo com o projeto. • Teste de verificação do estado interno dos eletrodutos e (certificados de liberação doseletrodutos); • Plano de corte das bobinas de cabo; Para lançamento de cabos deve ser necessária uma planilha que contenha: • Numero do circuito; • Bitola do cabo e classe de tensão; • Trajeto (de/para); • Comprimento. Devem ser retiradas do estoque e colocadas próximas ao local de inicio de passagem, somente as bobinas necessárias. Toda bobina que não for totalmente consumida deve ser medida e fechada, as pontas dos cabos vedadas com fitas de alta fusão ou elemento
  • 12. apropriado para evitar a entrada de umidade e retomadas ao local de estocagem. Devem ser utilizados cavaletes ou macacos apropriados para desenrolar as bobinas sem produzir torção ou danificar os cabos. Os cabos devem ser puxados a mão e se necessário devem ser usados equipamentos como roletes, destorcedores, tornos e etc. Que também devem ser atendidas, sobre a utilização de talco industrial ou vaselina a fim de diminuir o atrito durante a enfiação. Puxamento deve ser de forma lenta, uniforme evidenciando-se esforços bruscos. Os cabos devem ser identificados em ambos os externos de forma provisória até sua locação, arrumação e amarração definitiva, quando devem ser identificados com elementos apropriados e conforme instrução da projetista. Deve ser deixada uma folga no comprimento dos cabos que permita acomodação dos mesmos nas caixas de passagem e corte de suas extremidades para confecção de emendas e terminações. Os cabos devem ser desenrolados de forma que o sentido do movimento, na parte superior da bobina, coincida com o sentido do puxamento. Durante a passagem, devem ser respeitados os raios mínimos de curvatura conforme as recomendações de norma. Durante a passagem, o cabo deve ser inspecionado a fim de se detectar qualquer falha na proteção mecânica. Para o lançamento em bandejas ou duto, deve ser feita uma limpeza geral da mesma, com retoque de pintura, caso necessário, já feitos. Deve-se verificar parafusos nos suportes e emendas das bandejas e que os mesmos estejam devidamente apertados. A instalação de cabos em leitos deve atender as especificações e desenhos de projeto e do fabricante nos seguintes itens: • A distribuição de condutores, quanto ao tipo de serviços e tensão de operação;
  • 13. • Fixação de cabos, quanto ao tipo de espaçamento; • Identificação. Em caso de lançamento mecânico controlar através de dinamômetro aferidos. Tanto o lançamento mecânico como o manual os cabos não podem sofrer esforço superior a tensão máxima de puxamento de cabo definido pelo fabricante. Deve ser provido meio de sustentação e proteção mecânica dos cabos quando estes passam dos leitos para outro sistema de distribuição. 6.10 DISTRIBUIÇÃO As ligações devem atender ao projeto e as especificações a serem feitas por pessoal qualificado. 6.10.1 PARA EXECUÇAO DE TERMINAÇOES NOS SEGUINTES CRITERIOS DEVEM SER OBSERVADOS: • Teste dos cabos com Megger e/ou Hy-Pot, após a execução da terminação no caso Hy-Pot; • Continuidade dos circuitos, inclusive na blindagem; • Polaridade (se necessário); • Faseamento; • Checar as condições de entrada no painel ou equipamento; • Conferir bitola do terminais; • Verificar as condições de corte mínimo do cabos; • Utilizar álcool absoluto ou acetona para remoção de óleo gordura ou pasta inibidora de oxidação para terminais; • Posicionar os cabos em relação à régua de blocos terminais; • Efetuar anilhamento de acordo com as prescrições de projeto.
  • 14. • Prensar os terminais com auxilio de alicates-prensa e matrizes, apropriados às bitolas e tipos de terminais. 6.10.2 OS CABOS NOS PAINEIS E CAIXAS DE JUNÇAO, DEVEM SER ARRANJADOS DENTRO DAS CANALETAS (SE HOUVER) E NELAS FIXADOS ATRAVES DE FITAS PERFURADAS OU DENTADAS. Nos painéis sem canaletas e caixas de junção, os chicotes dos cabos devem ser arranjados de forma a não excederem os raios mínimos de curvatura permitidos nos cabos e a amarração deve ser feita com fita perfurada ou dentada. A execução dos chicotes em caixas de junção e painéis, devem ser feita de tal modo que não provoque esforço nos bornes. Os cabos de alta tensão devem ter suas terminações feitas de acordo com o projeto e seguindo-se as instruções do fabricante. Devem ser observados os seguintes pontos: • Tipo de classe de tensão; • Seqüência de fases do sistema; • Distancia entre a fase e a estrutura; • Posicionamento e fixação da terminação; • Ligação de cordoalha de aterramento à malha de terra, no caso de cabos blindados. 6.11 ILUMINAÇAO A instalação de luminárias, lâmpadas, tomadas, dispositivos de proteção e demais acessórios deve ser conforme especificação do projetista e/ou fabricante. A instalação de outros elementos do sistema de iluminação devem ser conforme os seguintes itens: Eletrodutos item 4
  • 15. Leitos para cabos item 5 Enfiação de cabos item 7 Ligações de cabos item 8 Aterramento item 6 A instalação de iluminação industrial deve ser feita de acordo com o projeto, classificação de área e dando especial atenção ao alinhamento. Em montagem de pipe-rack os eixos devem ser estabelecidos pela topografia. A fabricação de postes tipo pescoço de ganso deve ser feita com o Maximo cuidado para se evitar amassamento ou esfoliação do galvanizado. Os transformadores e painéis de iluminação devem ser fixados de acordo com suas características físicas e segundo o projeto. 6.12 SUBESTAÇÃO CONDIÇOES GERAIS PARA MONTAGEM Todos os equipamentos a serem montados devem ser previamente liberados pelo CQ na inspeção de recebimento mediante a emissão de informe de recebimento (IR) As etapas de montagem dos equipamentos e seus acessórios, relacionados abaixo devem ser feitos atendendo aos desenhos, especificações e recomendações da projetista e do fabricante, e normas aplicáveis: • Suportação; • Alinhamento; • Travamento; • Nivelamento; • Fixação; • Conexões com cabos, eletrodutos, prensa-cabos e demais acoplamentos;
  • 16. • Interligação e identificação dos circuitos de proteção, medição, sinalização, aquecimento, comando e alarme e intertravamento. NOTA: O local da montagem deve ser devidamente limpo. Após a montagem dos equipamentos, deve ser dadas reaperto adequado em todas as partes aparafusadas e conexões. Todos os equipamentos assim como a estrutura metálica a cercas deve estar conectada à malha de terra, conforme o projeto. Os cabos e terminações devem ser feitos atendendo Manual do fabricante, tendo o cuidado de manter o lugar de execução das muflas seco, limpo e abrigado. As “meias canas” que protegem os cabos devem ser montadas sem nenhum esforço lateral nem folgas. 6.13 CONDIÇOES ESPECIFICAS PARA MONTAGEM DE: 6.13.1 TRANSFORMADORES DE POTENCIA • Não devem existir folgas ou esforços entre as partes acopladas tais como flanges de acoplamento com dutos de barras, conexões com eletrodutos de meia-cana. • Na conexão dos barramentos ao transformador, os “links” devem estar posicionados e apertados de forma a manter o mesmo espaçamento entre eles. • Na conexão dos barramentos das terminações dos cabos aos transformadores devem ser observados os seguintes pontos: Tipo de classe de tensão; Sequência de fase de sistema; Distancia entre a fase e a estrutura; Posicionamento e fixação da terminação Ligação da cordoalha de aterramento à malha de terra, no caso de cabos blindados ou armados.
  • 17. • Para transformadores imersos em óleo o enchimento ou complementação do nível de óleo, deve ser executado conforme e recomendação do fabricante. A rigidezdieltrica do óleo isolante deve ser previamente medida de acordo com o procedimento de teste. • Resistores de aterramento. • O cabo de interligação entre a bucha de neutro do transformador e o resistor de aterramento deve passar pelo TC, de neutro. 6.13.2 DUTOS DE BARRAMENTO • O caminhamento dos dutos de barramento deve ser verificado quanto a eventuais interferências, antes da montagem. • Caso necessário, devem ser instalados suportes adicionais para dutos de barramentos, e os pontos de passagem de dutos por paredes devem ser vedados. • Todos os parafusos deve ser reapertados observando o torque recomendado pelo fabricante. 6.13.3 PAINEIS, PAINEIS AUXILIARES, RETIFICADORES E INVERSORES • Os barramentos devem ser verificados quanto ao alinhamento, conexões e fixação de acordo com desenhos de fabricante. • A movimentação dos disjuntores e gavetas, alavancas de acionamento dos contatos auxiliares, fim de curso, operação manual e sistema de tração deve ser verificados quanto ao comportamento mecânico no interior do cubículo, observando o acoplamento das garras de encaixe, deve se verificar também a abertura e o fechamento das portas, ajustá-las se necessário. • Devem ser verificados todos os componentes do painel no que se refere a sua característica, formas de fixação ou encaixe, grupo de ligação, conexões e
  • 18. aterramento conforme especificações do projetista e desenhos de fabricante certificado. • Interligação. Terminações e identificações dos circuitos de força e controle devem atender as especificações de projeto e desenhos de fabricante. 6.13.4 BATERIA DE ACUMULADORES • A suportação, colocação de separadores e isoladores, numero de elementos e ligações entre o mesmos, devem atender às especificações do projeto e instruções do fabricante. • Para baterias alcalinas sem eletrolito o mesmo deve ser preparado conforme instruções do fabricante. O eletrólito deve ser colocado nos elementos somente quando o conjunto de baterias puder ser alimentado pelo retificador ou carregador de bateria, para aplicar carga de equalização e/ou manter em flutuação, conforme instruções do fabricante. Após a preparação do equipamento, o sistema de corrente deve ser testado conforme o procedimento de testes. 6.14 MOTORES 6.14.1 O rotor do motor com mancais de bucha deve ser mantido travado, durante qualquer movimentação do equipamento. 6.14.2 Os sistemas de excitação, regulação de velocidade e tensão, aterramento, lubrificação, refrigeração e proteção contra incêndio devem ser montados conforme as especificações de projeto e desenhos do fabricante. 6.14.3 Devem ser verificados os seguintes itens, de modo que satisfaçam, as especificações de projeto e desenhos do fabricante: • Tampas, revestimentos e juntas de vedação do equipamento;
  • 19. • Termostatos, pressostatos, indicadores de água e óleo e sensores de temperatura; • Espaçamento do anéis coletores; • Porta-escovas; • Resistores de aquecimento; • Dispositivos de proteção contra vibração; • Dispositivo de proteção contra deslocamento axial do eixo; • Dispositivo de aterramento dos mancais. 6.15 O Controle de Montagem dos Cabos e equipamentos está conforme Anexo I 7. SEGURANÇA – Montagem de elétrica, tubulação, painéis, suportes, postes, equipamentos, outros. Tomar medidas de segurança de acordo com o grau de risco de cada material ou equipamento a ser manuseado, içado, tracionado ou instalado na área. Ex.: Profissional qualificado para a tarefa, uso ferramenta adequada, avaliação quanto ao uso de máquinas, confecção de andaimes etc. - Somente deverão ser autorizadas a instalar , operar, inspecionar ou executar reparos em instalações elétricas, profissionais qualificados conforme NR-10. - No desenvolvimento de serviços em instalações elétricas deverão ser utilizadas sinalizações de isolamento físico, aterramento provisório e outros similares nos trechos onde os serviços estiverem sendo realizados. - Todos os painéis, chaves e tomadas elétricas deverão ser identificadas de acordo com a voltagem. - Todos os funcionários para instalar, operar, inspecionar ou reparar instalações elétricas devem está aptos a prestar primeiros socorros a acidentados , especialmente em técnicas de reanimação cárdio respiratória, bem como a manusear e operar equipamentos de
  • 20. combate a incêndio, utilizados nas instalações. - Deverá ser proibida a ligação de mais de um aparelho na mesma tomada de corrente com a utilização de acessórios que aumentem o número de saídas salvo se a instalação for projetada com esta finalidade. - Somente poderão ser realizados serviços de reparos em instalações elétricas em sistemas desenergizados. - Os aparelhos portáteis de iluminação devem possuir isolações nas partes que possam vir a sofrer contato físico acidental. - Deverão ser utilizadas tomadas industriais, e devem possuir caixa protetora que impossibilite a entrada de água ou objetos estranhos estando ou não o plug inserido nas mesmas. - As ferramentas elétricas manuais utilizadas nos serviços em instalações elétricas devem ser eletricamente isoladas, merecendo especiais cuidados com as ferramentas e outros equipamentos destinados a serviços em instalações elétricas sob tensão. - Durante a construção ou reparos de instalações sob tensão devem ser tomados cuidados especiais quanto ao risco nas partes das instalações elétrico quanto dos trabalhos sob tensão. - Deverão ser colocadas placas de advertência, bandeirolas e demais meios de sinalização que chamem atenção dos riscos nas partes das instalações elétricas quanto dos trabalhos sob tensão. - Sempre que for executado algum serviço próximo a equipamento energizado o executante deverá estar ciente dos riscos existente no local, através de placas e/ou treinamento. - Antes da execução dos serviços deverá ser feita uma Analise Preliminar de Riscos – APR. - Quando um trabalho for executado em um circuito não energizado ao lado de outro
  • 21. energizado, os cabos de tensão deverão ser cobertos com material isolante. - Quando o equipamento possuir chave magnética ao invés de disjuntor, esta deverá ser aberta e etiquetada, e os fusíveis retirados pelo responsável pela intervenção. - Se não for possível retirar o disjuntor, este deverá ser isolado e etiquetado. - O executante do serviço deve fazer uso de luvas para eletricistas de acordo com a tensão do equipamento. - O aterramento dos equipamentos e seus acessórios devem ser instalados em um ponto seguro. - Somente instalar equipamento elétrico de acordo com as instruções do manual do fabricante específico. - Assegurar se todas as conexões elétricas estão bem apertadas, limpas e secas. - Antes de o executante iniciar o serviço preencher o chek-list em anexo. - Em caso de dúvida paralisar imediatamente as atividades e solicitar apoio do supervisor imediato. - Nos serviços específicos de montagem de elétrica, e necessário que os profissionais envolvidos estejam aptos a executá-lo. - Ex. solda exotérmicos, os profissionais envolvidos devem conhecer os materiais e ferramentas descrito no procedimento de montagem de elétrica, para que o trabalho seja executado com segurança. TIPOS: - Molde adequado; - Isolamento da área de trabalho; - Uso de EPI’s , mais luva de cano longo, para evitar fagulhas. 8 DISTRIBUIÇÃO - Engenheiro de Elétrica
  • 22. - Supervisor de Elétrica - Encarregado de Elétrica - Inspetor de Elétrica - ArquivoTécnico

×