• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Modelos Matemáticos para Epidemias
 

Modelos Matemáticos para Epidemias

on

  • 923 views

Colóquio apresentado no dia 11 de abril de 2013 do Instituto de Física da USP.

Colóquio apresentado no dia 11 de abril de 2013 do Instituto de Física da USP.

Statistics

Views

Total Views
923
Views on SlideShare
923
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
17
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Modelos Matemáticos para Epidemias Modelos Matemáticos para Epidemias Presentation Transcript

    • Modelos Matemáticos para Epidemias Roberto André Kraenkel, IFT-UNESP http://www.ift.unesp.br/users/kraenkel São Paulo, 11 de Abril de 2013 IFUSP
    • Outline 1 Um pouco de história A peste de Atenas Peste A pandemia de influenza de 1918 - gripe espanhola 2 Modelos O modelo SIR 3 Modelos para doenças transmitidas por vetores Malária Modelo de Ross-MacDonald 4 Contribuições Recentes Condicionantes Ecológicos da Malária 5 Comentários Finais
    • Epidemias históricas A Peste de Atenas A Peste de Atenas foi uma epidemia que atingiu Atenas ∼ 430 AC, durante a guerra do Peloponeso. Foi descrita pro Tucídides: calores na cabeça, tosse forte, bile, espasmos violentos, ... 1/3 da população morreu, inclusive Péricles. Nem os médicos eram capazes de enfren- Não se sabe ao certo que doença tar a doença, já que de início tinham de provocou esta epidemia. Pesquisas tratá-la sem lhe conhecer a natureza e que a mortalidade entre eles era maior por es- recente apontam para tifo tarem mais expostos a ela, nem qualquer epidêmico, cujo agente infeccioso é outro recurso humano era da menor valia. uma bactéria ( Rickettsia prowazekii) As preces feitas nos santuários, ou os ape- transmitida por piolhos. los aos oráculos e atitudes semelhantes, foram todas inúteis e afinal a população Sabe-se que sua origem foi africana. desistiu delas, vencida pelo flagelo.
    • Epidemias históricas Cito, longe, tarde. Peste A peste é uma doença infecciosa causada pela bactéia Yersinia pestis. Há várias formas de peste: peumônica, afeta os pulmões e é transmissível de humano para humano diretamente. bubônica, ataca os gânglios linfáticos e é transmitida pela pulga Xenopsylla cheopis (a pulga do rato). A pulga adquire a bactéria ao picar um rato. septicêmica, passa à corrente sanguínea e infecta diversos orgãos. Se não tratada, a peste induz alta mortalidade. Antibióticos são eficientes. Se aplicados em algumas horas!
    • Histórias da Peste. Tamanho medo e pensamentos fantasiosos tomavam conta das pessoas que todos recorriam à mesma atitude, que era de evitar totalmente os doentes e as suas posses. Assim fazendo, pensavam que poderiam salvar a sua vida (Bocaccio, Decameron). A Peste. Três pandemias ; Peste de Justiniano, (541 DC,), Espalhou-se a partir de Constantinopla e provocou a morte de 25 % da população do Mediterrâneo. No entanto, pouco se propagou para dentro do continente. A Peste Negra, (1347), entrando na Europa pela Sicília, matou 1/3 da população européia. A terceira pandemia, começando na China em 1855 matou 12 milhões de pessoas na China e na Índia Paul Louis Simond; "Naquele dia de 2 de junho de 1898, experimentei uma emoção inexprimível ao pensar que havia acabado de desvendar um segredo que angustiava a humanidade desde a aparição da peste no mundo". A peste ainda existe em níveis muito baixos hoje, sobretudo nas regiões áridas dos EUA. Usualmente não leva à morte, devido ao uso de antiobióticos.
    • Epidemics: history Aqueles dias, ninguém que os tenha vivido poderá jamais esquecê-los. (Pedro Dantas) A pandemia de influenza de 1918 A pandemia de influenza de 1918 foi devida a uma forma particularmente severa do virus influenza A. Durou de 1918 a 1919. Atingiu praticamente todas as regiões do mundo. Aproximadamente 50 milhões de pessoas morreram devido à doença. 500 milhões (quase 1/3 da população mundial) de pessoas foram atingidas. É transmitida diretamente de pessoa à pessoa. Em São Paulo, a primeira morte aconteceu em 21 de outubro de 1918. No fim de novembro, a epidemia havia passado..
    • Modelos Matemáticos As bases da epidemiologia matemática Comecemos com algumas simplificações. A população é "bem-misturada", E espacialmente homogênea, O que define implicitamente as escalas de tempo e espaço da validade dos modelos., Vamos classificar indivíduos em três classes: S susceptíveis; I infectantes ( ou infecciosos, ou ainda, infectados); R recuperados (pode incluir imunes e mortos)
    • Modelos Matemáticos Modelo mais simples Não estamos interessados na dinâmica da população em si. Queremos saber a dinâmica da passagem entre as classes S,I,R. Queremos sobretudo caracterizar uma possível epidemia: condições para que ocorra, sua prevalência, se chegará a um fim ou não. Vamos supor que o tamanho da população é constante, N. É va’lida essa aproximação para doenças cujo tempo característico de infecção é pequeno. Isso vale para muitas doençaa: gripe, rubéola, sarampo, ....
    • Kermack & McKendrick (1927) A taxa per capita de variação no número de susceptíveis é propocional ao número de infectados: dS = −rSI dt onde r é a taxa de infecção e pode depender de N.
    • Kermack & McKendrick (1927) A taxa per capita de variação do número de infectados é propocional ao número de susceptíveis menos um fator representando a passagem para a classe dos removidos dS = −rSI dt dI = rSI − aI dt
    • Kermack & McKendrick (1927) A taxa de variação dos recuperados é proporcional ao número de infectados . dS = rSI dt dI = rSI − aI dt dR = aI dt
    • Kermack & McKendrick (1927) Três equações, três variáveis. Ótimo!: dS = −rSI dt dI = rSI − aI dt dR = aI dt Vamos agora tirar algumas conclusões a partir destas equações
    • Modelo SIR dS dI dR dt = −rSI dt = rSI − aI dt = aI Vamos ser mais precisos sobre qual pergunta queremos responder: Digamos que em t = 0, temos: S(0) = S0 , I (0) = I0 and R(0) = 0 . Ou seja, temos um certo número de infectados (I0 ) e de susceptíveis (S0 ). Dados r , a, S0 e I0 , queremos saber se haverá ou não uma epidemia. Caracterizamos uma epidemia por I (t) > I0 durante algum tempo.
    • Modelo: resultados dS dI dR dt = −rSI dt = rSI − aI dt = aI Se S0 > a/r teremos uma epidemia, e se S0 < a/r , não teremos. Ou: S0 r R0 ≡ >1 a é a condição para que haja uma epidemia R0 é chamado de razão reprodutiva básica. Mesmo em modelos mais complexos define-se essa quantidade .
    • Modelo SIR Gráficos Vamos olhar para dinâmica no espaço de fase. Como temos três variáveis, mas S + I + R = N, o espaço de fase é na prática bi-dimensional. Note que todas as trajetórias terminam em I = 0 quando t → ∞. A epidemia cessa por si mesma. Veja que S(t → ∞) = 0. Nem todo mundo adquiriu a doença.
    • Modelos para doenças transmitidas por vetores Malária Muitas doenças não são transmitidas diretamente de pessoa a pessoa. Há um agente transmissor, que é chamdo de vetor da doença. Mosquitos, carrapatos, pulgas... Para muitas situações é preciso levar em conta a dinâmica do vetor. São inúmeras doenças deste tipo: malária, dengue, febre amarela, doença de Lyme, leishmaniose, doença do sono. A doença mais bem estudada neste caso é a malária. Fatos sobre a malária A malária é causada por um protozoário chamado Plasmodium. Plasmodium é transmitido por mosquitos do genus Anopheles.
    • Modelo de Ross-MacDonald Humanos e mosquitos! Agora consideramos uma população contante de humanos, uma população constante de mosquitos, ambos divididos em duas classes, S e I, sem imunidade.
    • Modelo de Ross-MacDonald Medidas de Saúde Pública O modelo de Ross-MacDonald também tem um limiar epidêmico caracterizado por uma razão reprodutiva básica R0 . É uma expressão grande que omitimos aqui. Do modelo se conclui que: Diminuir pela metade o número de mosquitos, diminue R0 pela metade; Diminuir pela metade a taxa de picadas, diminue R0 por um fator 4.! Para dimunir o número de mosquitos usam-se larvicidas. Para diminuiro o número de picadas, usam-se redes de proteção sobre as camas.
    • Malaria: condicionantes ecológicos Malária na Mata Atlântica Os casos de malária na Mata Atlântica são raros. Porém, uma espécie de Anopheles é bastante abundante, A. cruzii. E ele é um vetor da malária. Por que não há malaria na Mata Atlântica? A Ilha do Cardoso Estudamos um caso concreto: a Ilha do Cardoso. Não há caso de malária há 30 anos. Usamos dados de coletas de campo sobre abundância de mosquitos. O modelo de Ross-MacDonald prevê um R0 > 1. Por que não há malaria na Ilha do Cardoso?
    • Malaria: condicionantes ecológicos A dinâmica populacional dos mosquitos Construímos um novo modelo que leva em conta a competição de Anopheles com outros mosquitos, a existência de outros animais de sangue quente na mata. Os efeitos disso são: a competição diminui a taxa de picadas infectantes, a presença de outros animais, por um lado, aumenta a taxa de reprodução do mosquito, por outro lado, elimina Plasmodium do sistema (o ciclo do patógeno só se completa em humanos). O modelo usa parâmetros reais, medidos ou inferidos de coletas.
    • Modelo epidemiológico para malária Laporta, G.Z. et alli, PLoS Neglected Tropical Diseases 7(3) e2139 (2013).
    • Malaria: condicionantes ecológicos A dinâmica populacional dos mosquitos: efeito de competição Figura : A abundância de mosquitos não-vetores abaixa R0 , diminuindo a possibilidade de uma epidemia.
    • Malaria: condicionantes ecológicos A dinâmica populacional dos mosquitos: efeito dos não-hospedeiros Figura : A abundância de outros animais de sangue tem pouco efeito no caso da Ilha do Cardoso.
    • Comentários finais Modelos matemáticos simples podem levar ao entendimento de diversas características de epidemias: Existe um limiar para que uma epidemia possa acontecer; Epidemias se esgotam por si mesmas Nem todas a pessoas são afetadas Quais parâmetros são mais importantes para que haja uma epidemia Para modelos em casos reais é necessário um maior refinamento dos modelos básicos. Condicionantes ecológicos e/ou ambientais Sazonalidade Estrutura de contactos entre pessoas Períodos de incubação ....
    • Muito obrigado pela atenção kraenkel@ift.unesp.br