Your SlideShare is downloading. ×
0
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Epidemias Em Um Mundo Interligado

2,706

Published on

Trabalho dos estudantes do Curso de Verão em Métodos Matemáticos em Biologia de Populações, Fev de 2008.

Trabalho dos estudantes do Curso de Verão em Métodos Matemáticos em Biologia de Populações, Fev de 2008.

Published in: Education, Health & Medicine
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,706
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
75
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Epidemias em um Mundo Interligado Carolina Scatena (Unifesp) Eduardo Pereira (ITA) Marcelo Gomes (UFRGS) Rachel Cabral (UFF) Rebeca Cabral (UFPE) Ygor Speranza (UFRJ)
  • 2. Sumário Conceitos Básicos <ul><li>Epidemias e epidemiologias </li></ul><ul><li>Modelando diferentes transmissões </li></ul><ul><li>O vírus Influenza e sua modelagem </li></ul>SIR e Variações <ul><li>SIR clássico </li></ul><ul><li>SIR com dinâmica vital </li></ul><ul><li>SIR com dinâmica sazonal </li></ul>Modelos SIR acoplados em Rede <ul><li>Epidemias e globalização </li></ul><ul><li>Modelo SIR em rede </li></ul>Experimentos com uma Rede SIR <ul><li>Dispersão do pico de infecção </li></ul><ul><li>Efeito de bloqueios sanitários </li></ul>
  • 3. Epidemias e Epidemiologia <ul><li>Uma doença é dita uma epidemia se o número de casos por unidade de tempo superar o valor da incidência máxima esperada. </li></ul><ul><li>M odelos epidemiológicos permitem prever a evolução temporal e/ou espacial de uma infecção, possibilitando às autoridades a tomada de medidas para controlá-la. </li></ul>CONCEITOS BÁSICOS Epidemias Período P este de Atenas 428 a.C. Peste Negra S éculo XIV Dengue Século XVII (Brasil) Gripe Espanhola Século XX Gripe Aviária Século XX E bola 1976 (Zaire) Hantavirose 1977 (Coréia) Aids 1981 (EUA) Hepatite C 1989 (EUA) Doença da “Vaca Louca” 1986 (Reino Unido)
  • 4. Modelos e Transmissões <ul><li>Para desenvolver um modelo matemático em epidemiologia, deve-se conhecer a biologia da propagação de doença para, então, empregar métodos de quantificação dos aspectos essenciais da dinâmica da transmissão do agente infeccioso. </li></ul>Tipos de Transmissão Vertical Contato Direto Horizontal Contato Indireto Vetor Fômito CONCEITOS BÁSICOS
  • 5. Exemplo de transmissão direta da Influenza através de um espirro CONCEITOS BÁSICOS
  • 6. A Influenza <ul><li>A Influenza é uma doença causada pelo vírus RNA da família Orthomyxoviridae , transmitida por via direta. </li></ul><ul><li>O modelo SIR se adequa bem à Influenza graças a sua transmissão direta e breve período de recuperação. </li></ul>CONCEITOS BÁSICOS Nome Data Mortes Sorotipo Gripe Espanhola 1910-1920 40- 100 milhões H1N1 Gripe Asiática 1957-1958 1- 1,5 milhão H2N2 Gripe de Hong Kong 1968-1969 0.75- 1 milhão H3N3
  • 7. Modelo SIR <ul><li> : taxa de infecciosidade. </li></ul><ul><li> : taxa de recuperação. </li></ul>S I R   SIR E VARIAÇÕES
  • 8. Modelo SIR SIR E VARIAÇÕES
  • 9. Espaço de fases – Modelo SIR SIR E VARIAÇÕES
  • 10. SIR Vital  : taxa de infecciosidade.  : taxa de recuperação.  : taxa de natalidade. S I R     SIR E VARIAÇÕES
  • 11. SIR Vital SIR E VARIAÇÕES
  • 12. Espaço de fases (dinâmica vital) SIR E VARIAÇÕES
  • 13. SIR com Efeitos Sazonais S I R  (t)    SIR E VARIAÇÕES  : taxa de infecciosidade em função do tempo.  : taxa de recuperação.  : taxa de natalidade.
  • 14. SIR com Efeitos Sazonais SIR E VARIAÇÕES
  • 15. Epidemias e a Globalização <ul><li>A globalização é um fator de propagação de epidemias, devido aos deslocamentos populacionais. </li></ul><ul><li>As epidemias são reportadas rapidamente, o que influencia o risco de difusão além de fronteiras. </li></ul>SIR ACOPLADOS EM REDE
  • 16. Rede SIR SIR ACOPLADOS EM REDE
  • 17. Modelo de Rede SIR <ul><li>P ij : probabilidade do indivíduo do sítio i visitar o sítio j . </li></ul><ul><li>Num modelo de visitas , os indivíduos voltam imediatamente após o contato com indivíduos de sítios vizinhos. </li></ul>N 1 N 1 N 2 N 3 I R S P 12 P 21 P 13 P 31 P 32 P 23 SIR ACOPLADOS EM REDE
  • 18. Estudo de Caso: Duas Populações p 12 p 21 População 1 População 2 SIR ACOPLADOS EM REDE
  • 19. Probabilidade de Infecção 1 1 Sítio 1 Sítio 2 1 1 2 1 2 1 SIR ACOPLADOS EM REDE Sítio 1 Sítio 2 Sítio 1 Sítio 2 Sítio 1 Sítio 2
  • 20. Duas Populações Conectadas SIR ACOPLADOS EM REDE
  • 21. Modelo para Rede SIR SIR ACOPLADOS EM REDE
  • 22. Simulação da Rede: Duas Populações EXPERIMENTOS
  • 23. REDE COM DUAS POPULAÇÕES
  • 24. REDE COM DUAS POPULAÇÕES
  • 25. REDE COM DUAS POPULAÇÕES Itália?!?
  • 26. REDE COM DUAS POPULAÇÕES
  • 27. Estudo de Caso: Quatro Populações P 1 P 3 P 4 P 2 EXPERIMENTOS
  • 28. Caso 1 Caso 2 (k = 2) (k = 3) P 1 P 3 P 4 P 2 P 3 P 4 P 2 P 1 REDE COM QUATRO POPULAÇÕES
  • 29. REDE COM QUATRO POPULAÇÕES
  • 30. SIR sem Rede <ul><li>No modelo SIR básico, se s 0 <β / γ , então dI/dt<0 Vt>0. A vacinação em massa pode tornar s 0 <β / γ e, portanto, evitar a disseminação da infecção. </li></ul><ul><li>O comportamento previsto pelo SIR com sazonalidade reflete o padrão de determinadas epidemias (ex.:surtos de sarampo oscilam com períodos de ~2anos). </li></ul>CONCLUSÕES
  • 31. SIR com Rede <ul><li>Os valores de I 1 e I 2 no auge da infecção nos respectivos sítios depende das constantes ρ ij e da razão entre o tamanho das cidades, porém na população total esta dependência é rapidamente quebrada. </li></ul><ul><li>Quanto antes ocorre o isolamento, mais tarde é o pico de infecção na cidade 2, o que permitiria um tempo maior para estudo de controle. </li></ul>CONCLUSÕES
  • 32. SIR com Rede <ul><li>O número final de removidos, tanto na população total como nas cidades individuais, independe da probabilidade de interação entre as cidades. </li></ul><ul><li>O tempo do pico total de infecção é menor quando a população em que a infecção se inicia possui um número maior de conexões . </li></ul>CONCLUSÕES
  • 33. Agradecimentos <ul><li>Ao Prof. Roberto Kraenkel. </li></ul><ul><li>Aos monitores Daniel e Fran. </li></ul><ul><li>Ao IFT – UNESP pelo apoio. </li></ul><ul><li>Aos colegas do curso. </li></ul><ul><li>VALEU! </li></ul>FINALMENTE...

×