Mestrado em Ensino de Matemática no 3º Ciclo e no Secundário                Raquel Cristina Sousa Camacho    As Repercussõ...
Raquel Cristina Sousa Camacho    As Repercussões do     Currículo Oculto na         Sociedade                             ...
Sumário1. Resumo                      22. Introdução                  33. Desenvolvimento             54. Conclusão       ...
Resumo       O presente trabalho reflecte sobre a importância da construção do currículo esobre a necessidade da sociedade...
Introdução       O termo currículo surge no nosso dia-a-dia de uma forma sistemática e tem umagrande importância na qualid...
Assim, o nosso trabalho incidirá em procurar respostas às questões colocadas,mas dando atenção às dimensões do currículo e...
Desenvolvimento       Ao longo da História, fomos nos surpreendendo com o poder de adaptação dosseres humanos ao meio envo...
cumprir com os objectivos propostos. O esquema de Goodlad ajuda-nos a percebercomo há uma perda de informação entre o que ...
Dentro da sala de aula, é o professor o responsável pela transmissão demensagens ocultas. O professor transmite os seus va...
Conclusão       A partir da investigação efectuada, chegamos a algumas considerações sobre ainfluência do currículo na per...
Terminamos com uma frase do grande filósofo grego Sócrates que faz alusão àsquestões que tratamos neste trabalho: “Não te ...
Referências BibliográficasKelly, A. V. (1981). O currículo. Teoria e Prática. São Paulo: Harbra. Pp. 03-07.PACHECO, José A...
   MOREIRA, António (s.d.). Currículo, Cultura e Sociedade. Consultado a        (2010-05-12) em:        http://www.tvbras...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

As Repercussões do Currículo Oculto na Sociedade

2,458

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,458
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
84
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

As Repercussões do Currículo Oculto na Sociedade

  1. 1. Mestrado em Ensino de Matemática no 3º Ciclo e no Secundário Raquel Cristina Sousa Camacho As Repercussões do  Currículo Oculto na  Sociedade  Funchal 2010 1  
  2. 2. Raquel Cristina Sousa Camacho As Repercussões do  Currículo Oculto na  Sociedade  Trabalho académico apresentado na disciplina de Ciências da Educação III da Universidade da Madeira. Orientadora: Professora Catedrática Jesus Maria Sousa Funchal 2010 2  
  3. 3. Sumário1. Resumo 22. Introdução 33. Desenvolvimento 54. Conclusão 85. Bibliografia 10 3  
  4. 4. Resumo O presente trabalho reflecte sobre a importância da construção do currículo esobre a necessidade da sociedade se apoiar no currículo para garantir a sua própriasobrevivência. Será também importante reflectir sobre as várias dimensões do currículo, parapoder incidir mais especificamente no estudo das repercussões do currículo oculto naconstrução da sociedade futura. Neste trabalho, discutiremos ainda o que é o Efeito Halo, adaptando esteconceito à educação e a sua influência na transmissão de valores e crenças e,consequentemente, na formação dos jovens. 4  
  5. 5. Introdução O termo currículo surge no nosso dia-a-dia de uma forma sistemática e tem umagrande importância na qualidade do ensino. Não podemos negar a familiaridade quetemos com o termo. Mas, afinal, o que é o currículo? O termo currículo surge inicialmente no século XVI, mas é no século XIX quecomeça a ser difundido e a ganhar a importância que lhe é devida. A origem docurrículo, no entanto, é uma incógnita. Qual terá sido o primeiro currículo? Quem oprojectou? Foi seguido por quem? Podemos ter apenas uma certeza: o currículo surgepor necessidade da sociedade. A sociedade exige dos indivíduos a sua própria sobrevivência e esta só épossível através da adaptação. É neste contexto que surge o currículo, de modo afacultar aos indivíduos as capacidades para perpetuarem a sociedade. A questão que secoloca é se esta perpetuação não será a condenação da própria sociedade, já que há umaperpetuação de desigualdades e injustiças. Qual deverá, então, ser o verdadeiro papel docurrículo? Perpetuar a sociedade ou proporcionar a melhoria dessa sociedade? Neste ponto é pertinente estudarmos diversas perspectivas sobre o que é ocurrículo, para podermos responder a perguntas como as colocadas anteriormente. Segundo alguns autores, “currículo” é tudo o que está nos programas escolares.Para outros, é tudo o que se aprende na escola. Segundo outros autores, “currículo” étudo o que se aprende, quer seja na escola, quer seja fora dela. Há uma multiplicidadede perspectivas que, a juntar às várias dimensões do currículo – quer quando falamosem Currículo Oficial ou em Currículo Real, quer quando falamos em CurrículoExpresso ou Currículo Oculto, quer quando falamos em Currículo Formal ou emCurrículo Informal – constituem um verdadeiro desafio para encontrar uma definiçãoúnica e universal para “currículo”. Não será este problema em definir “currículo” que está por detrás do problemaem encontrar uma base firme para o planeamento curricular e, consequentemente, emencontrar, a nível do ensino, uma interacção entre o que é estipulado teoricamente e oque é praticado na realidade? Uma definição relativamente segura e que poderá ser a resposta às perguntaslevantadas anteriormente, é proposta por John Kerr que defende que o currículo é “todaa aprendizagem planeada e guiada pela escola, seja ela ministrada em grupos ouindividualmente, dentro ou fora da escola” (Kerr, 1968; cit. por Kelly, 1981: 6). 5  
  6. 6. Assim, o nosso trabalho incidirá em procurar respostas às questões colocadas,mas dando atenção às dimensões do currículo e, mais especificamente ao currículooculto, que poderá ser definido como uma série de mensagens veiculadas de formaoculta e sinistra pela escola e pelo professor e que não estão explícitas em nenhumdocumento oficial. Neste sentido, teremos em atenção responder a perguntas como “Ocurrículo oculto é oculto para todos?”, “De que formas são transmitidas essasmensagens por parte da escola e do professor?”, “O que é o Efeito Halo?”, “Queimpacto terá o currículo oculto nos alunos e, consequentemente, na sociedade?”  6  
  7. 7. Desenvolvimento Ao longo da História, fomos nos surpreendendo com o poder de adaptação dosseres humanos ao meio envolvente e à sociedade que construíram e modificaram. Essacapacidade de adaptação à mudança é deveras uma característica admirável do serhumano. A educação é a responsável por essa capacidade de adaptação e a necessidadede se adaptar é a responsável pelo surgimento de um currículo, já que será ele que vaifacultar aos seres humanos as características necessárias para essa adaptação. Obviamente que, uma vez que a sociedade está em constante mudança, há anecessidade de reformular o currículo uma e outra vez. Além disso, a diversidadecultural não nos permite falar num só currículo, mas em vários currículos. Nãopodemos, por exemplo, implementar o currículo proposto em Portugal a um paísoriental, simplesmente porque as culturas são diferentes. Culturas diferentes significam,necessariamente, adaptações diferentes e, em consequência disso, existe umamultiplicidade de currículos (Pacheco, 2006). Não será, pois, de admirar as várias definições e perspectivas sobre o que é ocurrículo. A definição que tomaremos como a mais neutra e sólida é a proposta por JohnKerr que defende que o currículo é “toda a aprendizagem planeada e guiada pela escola,seja ela ministrada em grupos ou individualmente, dentro ou fora da escola” (Kerr,1968; cit. por Kelly, 1981: 6). Não podemos, porém, descurar das várias dimensões do currículo. SegundoKelly, podemos dividir o currículo em Currículo Total e Currículo Restrito, sendo oCurrículo Total aquele que define o “programa total de uma instituição de ensino” e queserve de base para a construção do currículo de matérias individuais, sendo estedesignado por Currículo Restrito. Tanto para a construção do currículo das matériasindividuais (programa de cada disciplina), como para o currículo que define o programatotal de uma instituição, podemos falar em Currículo Oficial e Currículo Real. O Currículo Oficial é o que está estipulado teoricamente, ou seja, é oplaneamento de objectivos e conteúdos de formação. Enquanto que o Currículo Real étudo o que se faz na prática (Kelly, 1981). É importante existir uma interacção entre a teoria e a prática, de modo a que aintenção possa vir a ser uma realidade (Stenhouse, 1975; cit. Kelly, 1981: 5).Obviamente que isto nem sempre acontece. É recorrente ouvirmos, por exemplo, que osprogramas de cada disciplina são muito extensos e que os professores não conseguem 7  
  8. 8. cumprir com os objectivos propostos. O esquema de Goodlad ajuda-nos a percebercomo há uma perda de informação entre o que foi idealizado e o que é experimentado. O currículo também pode ser distinguido entre Currículo Formal e CurrículoInformal. O Currículo Formal está na mesma ordem de ideias do Currículo Oficial, ouseja, são os objectivos, conteúdos e actividades propostas na escola e que são passíveisde avaliação. Já o Currículo Informal pode ser visto como toda a actividade que fazparte da vida escolar dos alunos para além das actividades lectivas. São as chamadasactividades extra-curriculares (Kelly, 1981). Por fim, temos que fazer a diferenciação entre o Currículo Expresso e oCurrículo Oculto. O Currículo Expresso segue a mesma linha que o Currículo Oficial eo Currículo Formal, ou seja, é o que está expresso teoricamente. O Currículo Ocultodesigna “as práticas e processos educativos que induzem resultados de aprendizagensnão explicitamente visados pelos planos educativos.” Pode ainda ser visto como “aaquisição de valores, atitudes, processos de socialização e formação moral.” (Ribeiro, 1990 :53) Sucintamente, o Currículo Oculto pode ser designado como um conjunto demensagens veiculadas de forma oculta e sinistra pela escola e pelo professor e que nãoestão escritas em nenhum documento oficial. Existem muitos exemplos destas mensagens ocultas. Durante o Estado Novohavia uma imposição dos valores católicos. Isto estava patente nas salas de aula atravésdos crucifixos nas paredes. Nos dias de hoje, podemos reparar que ainda há umatransmissão dos valores da religião cristã, já que os feriados e festas relacionados comesta religião (Natal, Páscoa, o dia de todos os Santos…) são respeitados pela escola comuma pausa para comemorá-los. Ainda na altura do Estado Novo, os jovens cantavam ohino na sala de aula, o que revela a transmissão do valor da nacionalidade e do amor àpátria. Dentro da escola, reparamos ainda na discriminação social que existe, sendo quehá uma clara diferenciação entre as turmas da manhã e as turmas da tarde.Normalmente, as turmas da manhã são compostas pelos bons alunos, enquanto que asturmas da tarde são constituídas pelos alunos repetentes e pelos alunos com maisdificuldades. A própria diferenciação entre o bar dos professores e o bar dos alunos ou a casade banho dos professores e a casa de banho dos alunos é uma forma de expressar amensagem de que há essa separação social. 8  
  9. 9. Dentro da sala de aula, é o professor o responsável pela transmissão demensagens ocultas. O professor transmite os seus valores e atitudes, o que influencia osalunos positiva ou negativamente. A própria punição em relação aos trabalhos de casa éum exemplo desta mensagem oculta. As ideologias políticas também são uma realidadeno nosso dia-a-dia escolar e uma mensagem oculta. Estes são apenas alguns exemplos de mensagens ocultas transmitidas pela escolae pelos professores. O Currículo Oculto não está expresso em nenhum documentooficial, mas é tão importante como qualquer outra dimensão do currículo, já que há umatransmissão de valores e crenças e até qual deverá ser o papel de cada aluno na sala deaula e futuramente na sociedade. Podemos dizer que o Currículo Oculto só é oculto paraos alunos, os transmissores das mensagens têm consciência disso (Barnes, 1976; cit.Kelly, 1981: 4). Mas porque existem professores que nos são queridos e outros que preferíamosnem ter conhecido? E aqueles professores quem nem nos lembramos? Que fascínio éaquele que alguns professores têm? É algo que nasce connosco ou que adquirimos? É neste contexto que falamos sobre o Efeito Halo. Este termo é utilizado emvários ramos, principalmente na área da Economia, mas também na área da Educação. Éo fenómeno pelo qual concluímos que, se uma pessoa faz bem alguma coisa, fará bemtodas as outras. Ou se fizer mal alguma coisa, fará mal todas as outras. O Efeito Halo refere-se à “áurea” que uma pessoa tem, ou seja, à maneira comoos outros olham para essa pessoa. A primeira impressão é muito importante nestaopinião que se forma. Assim, adaptando este conceito à área da educação, se o professorfor uma pessoa capaz de fascinar os alunos, terá mais poder sobre eles e,consequentemente, será capaz de influenciá-los através dos seus valores pessoais. Será,portanto, um modelo a seguir. O contrário também se verifica, quando o professor nãoconsegue cativar os alunos, torna-se num modelo a não seguir. O Efeito Halo é muito importante quando se fala em Currículo Oculto, já que éessa “áurea” que o professor tem que fará dele um modelo a seguir ou a não seguir. Emqualquer um dos casos, será uma figura marcante que influenciará a formação dapersonalidade dos alunos enquanto pessoas. Serão esses alunos o futuro da sociedade, uma sociedade marcada pelos valores,atitudes e ideologias transmitidas na sala de aula, mas que não estavam escritos emnenhum documento oficial. 9  
  10. 10. Conclusão A partir da investigação efectuada, chegamos a algumas considerações sobre ainfluência do currículo na perpetuação da sociedade e, particularmente, sobre o papel docurrículo oculto na formação pessoal das gerações vindouras. É um facto que, ao longo da história, a humanidade tem vindo a adaptar-se amudanças impostas pelo ambiente envolvente e pela própria sociedade. Isto só foipossível porque o ser humano criou condições para conseguir se adaptar. A criação docurrículo foi uma dessas formas. Vimos que a diversidade cultural é um dos motivos pelos quais não podemos terum currículo único e universal. A beleza da humanidade está na diversidade e nacapacidade de adaptação à mudança. O currículo surge dessa necessidade de adaptaçãoe tem uma multiplicidade de definições e perspectivas devido, entre outros factores, àdiversidade cultural. Ao longo da investigação apercebemo-nos das várias dimensões do currículo eincidimos o nosso estudo nas repercussões que o Currículo Oculto tem na sociedadeactual e na sociedade futura. O Currículo Oculto tem um papel fundamental na transmissão de valores ecrenças aos jovens. Serão estes jovens os cidadãos da sociedade futura. Há, portanto,uma relação directa entre estas mensagens transmitidas de forma oculta e a sociedadeque estamos a construir. A transmissão de valores, crenças e tradições por parte daescola e dos professores estará presente na sociedade de amanhã. E se os valores transmitidos forem pouco altruístas? Como travar a transmissãodesses valores? Será impossível, pois a nossa investigação levou-nos a estudar ochamado Efeito Halo que, sucintamente, é a capacidade que uma pessoa tem para noscativar ou não. Um professor que tenha essa “áurea” terá nas suas mãos a capacidade deinfluenciar positiva ou negativamente os seus alunos, formando a sua personalidade econstruindo, desta forma, a sociedade futura. Nunca a escola teve um papel tão activo na construção da sociedade como agorae se os valores transmitidos ajudarem a vencer as desigualdades e injustiças, entãoteremos uma sociedade da qual nos poderemos orgulhar. No entanto, se tivermospessoas igualmente cativantes mas que influenciem negativamente os jovens,poderemos ter uma sociedade não tão brilhante como se poderia desejar. 10  
  11. 11. Terminamos com uma frase do grande filósofo grego Sócrates que faz alusão àsquestões que tratamos neste trabalho: “Não te contentes em admirar uma pessoa, imita-a.” Talvez seja isso que devamos fazer, imitar quem admiramos, mas não deixandode ser activos e críticos na nossa própria educação.                        11  
  12. 12. Referências BibliográficasKelly, A. V. (1981). O currículo. Teoria e Prática. São Paulo: Harbra. Pp. 03-07.PACHECO, José Augusto (2006). Componentes do Processo de Desenvolvimento doCurrículo. Minho: Minho UniversitáriaSítios da Internet:  GONÇALVES, Maria Fernanda (s.d.). Currículo Oculto e Cultura(s) de Aprendizagem na formação de Professores. Consultado a (2010-05-10) em: http://www.ipv.pt/millenium/inv6_3.htm  CORREIA, Paula (2006). O Currículo. Consultado a (2010-05-10) em: http://www.google.pt/url?sa=t&source=web&ct=res&cd=1&ved=0CBUQFjAA &url=http%3A%2F%2Fbiblioteca.esjbv.pt%2Fficheiros%2Fcurriculo%2Fcurric ulo_escolar.pps&ei=XG_xS-- DMJmf_Qbf0dGACQ&usg=AFQjCNHDhM1OjSSgNCD4WCDFZ2VQdQ0U AQ&sig2=04rpjRHUSYE55HBygy7rxA   Efeito Halo (s.d.). Consultado a (2010-05-11) em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Efeito_halo  O Efeito Halo (s.d.). Consultado a (2010-05-11) em: http://opiniaoenoticia.com.br/economia/negocios/o-efeito-halo/  Relação entre o Currículo Oculto e a Sociedade (2007). Consultado a (2010-05- 12) em: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070925160738AAAmwlu 12  
  13. 13.  MOREIRA, António (s.d.). Currículo, Cultura e Sociedade. Consultado a (2010-05-12) em: http://www.tvbrasil.org.br/fotos/salto/series/155518Indagacoes.pdf#page=20   CEREZER, Osvaldo (2007).Documentos de identidade.Consultado a (2010-05- 12) em: http://www.unicamp.br/~aulas/pdf3/resenha03.pdf  RIBEIRO, Patrícia (s.d.). Currículos Alternativos. Consultado a (2010-05-13) em: http://www.slideshare.net/guestb20a74/curriculos-alternativos  FEKETE, Bete (s.d.). Teorias críticas: currículo escolar como reprodutor das desigualdades. Consultado a (2010-05-13): http://pt.shvoong.com/social-sciences/education/1805554-teorias- cr%C3%ADticas-curr%C3%ADculo-escolar-como/  FONSECA, João (s.d.). Visões de Currículo. Consultado a (2010-05-14) em: http://www.slideshare.net/joaojosefonseca/teorias-do-curriculo 13  

×