Esboço de artigo científico   ética
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Esboço de artigo científico ética

on

  • 4,107 views

A good article to read.

A good article to read.

Statistics

Views

Total Views
4,107
Views on SlideShare
4,040
Embed Views
67

Actions

Likes
1
Downloads
29
Comments
0

4 Embeds 67

http://blogdormachado.blogspot.com.br 42
http://www.blogdormachado.blogspot.com.br 21
http://blogdormachado.blogspot.com 2
http://www.blogger.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Esboço de artigo científico ética Document Transcript

  • 1. ESBOÇO DE ARTIGO CIENTÍFICO LIVRO: O QUE É ÉTICA AUTOR: ÁLVARO L. M. VALLS Disciplina: Legislação e Ética no Jornalismo Prof(a). : Vânia Tajra Aluno: Raimundo Machado FA7 – Jornalismo - Manhã 1Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version.
  • 2. A ética pode ser refletida de forma científica ou filosófica e, em muitos casos, até como uma ciência teológica afirma Valls. De forma mais abrangente, podemos considerar a palavra em questão como: o estudo das ações ou costumes de uma sociedade. “A ética não seria por si só uma simples listagem das convenções sociais provisórias? Não seria nada mais do que um comportamento adequado aos costumes vigentes, e enquanto vigentes, isto é, enquanto estes costumes tivessem força para coagir moralmente, o que aqui quer dizer, socialmente.” (Valls, Álvaro – O que é ética – pág. 10). Os valores e as condutas das pessoas vão mudando constantemente. Max Weber, pensador alemão do início do nosso século, mostra que a ética não era, em todo caso, simples, clara e acessível para todos. Isso em relação, principalmente, a ética religiosa. “Embora os gregos não gostassem dos questionamentos, Sócrates foi chamado, muitos séculos depois, “o fundador da moral”, porque a sua ética (e a palavra moral é sinônimo de ética, acentuando talvez apenas o aspecto de interiorização das normas) não se baseava simplesmente nos costumes do povo e dos ancestrais, assim como nas leis exteriores, mas sim na convicção pessoal, adquirida através de um processo de consulta aos seu “demônio interior” (como ele dizia), na tentativa de compreender a justiça das leis.” (Valls, Álvaro – O que é ética – pág. 17) Outro pensador veio a acrescentar e estudar as formas de compreensão deste termo em específico. Trata-se do estudioso Kant, em que dizia que uma ética se prevalece através da igualdade fundamental entre os homens. Este era um crítico que acreditava na ideia de que a moralidade deve ser única e racional para todos. Segundo Kant, a moral é a racionalidade do sujeito, portanto ele age de acordo com o dever e somente por respeito ao dever: porque é dever, e o único motivo válido da ação moral. Platão e Aristóteles entre os anos 500 e 300 a.C, desenvolveram muitas ideias relacionadas a este campo de pesquisa. O contexto religioso é onde podemos encontrar o nascer de muitas ideias éticas. Para o Platão, Deus é a medida de todas as coisas. Para ele, as principais virtudes são as seguintes: 2Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version.
  • 3. Ø “Justiça (dike), a virtude geral, que ordena e harmoniza, e assim nos assemelha ao invisível, divino, imoral e sábio. Ø Prudência ou sabedoria é a virtude própria da alma racional, a racionalidade como o divino homem: orientar-se para os bens divinos. Esta virtude, que para Platão equivale à vida filosófica como uma música mais elevada, é aquela que põe ordem, também, nos nossos pensamentos. Ø Fortaleza ou valor (andreia) é a que faz com que as paixões mais nobres predominem, e que o prazer se subordine ao dever; Ø Temperança (sofrosine) é a virtude da serenidade, equivalente ao autodomínio, à harmonia individual. (Valls, Álvaro – O que é ética – pág. 27) A ética aristotélica é finalista e eudemonista, quer dizer, marcada pelos fins que devem ser alcançados para que atinja a felicidade. Segundo Aristóteles, as virtudes são importantes para o viver racionalmente. Para ele, a felicidade verdadeira é conquistada pela virtude. Sendo esta virtude uma espécie de segunda natureza adquirida pela razão livre. O autor também aborda questões relacionadas a outras tendências que, por si só, conseguiram ser difundidas como, podemos citar, o pragmatismo. Onde, de certo modo, ele quer questionar que, em muitas situações, resultados teóricos são concluídos com experiências, aliás, resultados do tipo prático. É nesse processo que, segundo Valls, os humanos conseguem entrar, digamos assim, em uma estabilidade profissional e, por que não ético. A consciência moral é um processo que, conforme Valls exemplifica, deve ou, pelo menos, deveria ser uma espécie de critério a ser levado como imediato. Com esse pensamento, este diz que devemos agir com nossa própria consciência. O ego é algo particular, mas a ética deve ser vista como algo coletivo. Ele até deixa uma pergunta em questão para nível de reflexão, trata-se exatamente sobre o que seria ideal para nós, entenda-se como cidadãos, podermos se tornar dignos de respeito e termos uma vida ética. Hoje em dia, os grandes problemas da ética se encontram em três da eticidade (família, sociedade civil e Estado), e uma ética concreta não pode ignorá-los. Segundo 3Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version.
  • 4. Hegel, as figuras tradicionais, paterna e materna, sofreram transformações histórico- sociais que exigem hoje reformulações nas doutrinas tradicionais éticas sobre o relacionamento dos pais com os filhos. Em relação à sociedade civil, continua a forma histórica da sociedade burguesa, ou seja, os problemas atuais ainda referem-se ao trabalho e a propriedade. “Em relação ao Estado, os problemas éticos são muito ricos e complexos. A ética política revisou, entre outros, os ideais de um cosmopolitismo indeterminado de um Kant, e soube reconhecer as análises de um Hegel a respeito do significado da nacionalidade e da organização estatal como o ápice do edifício da liberdade. A liberdade do indivíduo só e completa como liberdade do cidadão de um Estado livre e de direito.” Acredito que, o autor tem o intuito demonstrar e deixar claro um posicionamento o qual deve ser refletido e analisado cuidadosamente. Já que em muitos casos deixamos de ser éticos, para podermos conseguir uma notícia. Os jornalistas que tem uma mente apurada, costumam em muitas situações, fazer algo que, na opinião dele, é correto mas que, para uma sociedade como a nossa, pode (aquela situação) ser vista como desrespeitosa. Logo, fica o questionamento: até que ponto, somos levados a sério e merecemos ganhar créditos? Em determinado período do texto, o autor comenta que sermos ético é também, termos liberdade de expressar nossos sentimentos e os fatos de uma maneira verídica e sem que agrida a moral, a privacidade e até mesmo, os aspectos sociais e culturais de certo ser ou instituição. Ser ético nem sempre significa ser responsável. Até porque muitas vezes, um responsável deixa de levar a sério a questão ideológica ou o aspecto temperamental de determinada pessoa. Pois o determinismo e o ato de ser responsável, segundo diz Valls, é algo completo e que muitas vezes vem de forma automática. A pessoa torna-se responsável e com capacidade de ministrar sua ética, a partir do momento em que ela consegue enxergar os métodos de ação e do modo de agir de cada ser. Os idealistas subjetivos procuravam que qualquer sujeito por mais puro que ele fosse, deveria ser somente racional, infinito e livre. Porém, sabemos que nos dias atuais não é bem assim. Um ser livre, não significa exatamente que ele tenha a capacidade de falar o que quer, na hora que quer e, no momento que em bem entender. É necessário ter 4Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version.
  • 5. um pequeno tempo, digamos assim, para uma autocrítica e compreensão daquilo que este irá expor em nível de acabar tornando suas palavras, algo que podemos chamar de público aos demais. Liberdade nem sempre significa estar apto a escrever o que pensa. É necessário, portanto, a ponderação. Em resumo, podemos finalizar este texto e definir ambos os termos estudos: ética e moral, através da seguinte citação: “Moral é um conjunto de normas que regulam o comportamento do homem em sociedade, e estas normas são adquiridas pela educação, pela tradição e pelo cotidiano. Durkheim explicava Moral como a “ciência dos costumes”, sendo algo anterior a própria sociedade. A Moral tem caráter obrigatório. Já a palavra Ética, Motta (1984), defini como um “conjunto de valores que orientam o comportamento do homem em relação aos outros homens na sociedade em que vive, garantindo, igualmente, o bem-estar social”, ou seja, Ética é a forma que o homem deve se comportar no seu meio social. (FIRMINO, THIAGO – COLA DA WEB, - SEÇÃO DE FILOSOFIA) 5Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version.