2º ano história   rafa  - escravidão
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

2º ano história rafa - escravidão

  • 193 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
193
On Slideshare
193
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
4
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. HTTP://HISTORIAEATUALIDADE.BLOGSPOT.COM PROFESSOR.FAEL@TERRA.COM.BR Material Único 1 História e Atualidades Professor Rafael Magno Noronha =]
  • 2. Escravidão Africana 2
  • 3. 3
  • 4. 4
  • 5. 5
  • 6. 6
  • 7. 7
  • 8. 8
  • 9. ESCRAVOS E ESCRAVISMOS. Escravidão: situação da pessoa Escravismo: situação da sociedade. “A Escravidão elimina da pessoa qualquer vestígio de sua humanidade, mas não acaba com a sua inteligência” 9
  • 10. TORNANDO-SE ESCRAVO... Vencidos numa Guerra. Endividamento. Tráfico de Escravos. “Os europeus não inventaram o comércio de escravos, mas só se aproveitaram de um estado de coisas que vinha de tempos remotos” 10
  • 11. ESCRAVIDÃO NO BRASIL Registro mais antigo: 1533. Legalização em 1559. 11
  • 12. ROTA DA ESCRAVIDÃO (ECONOMIA) 12 Brasil Portugal África
  • 13. TRANSPORTE DO ESCRAVO 13 Navio Negreiro – as peças em questãoNavio Negreiro – as peças em questão são os próprios negros, trazidos desão os próprios negros, trazidos de forma desumana, como qualquerforma desumana, como qualquer outro tipo de peça, como alimentos eoutro tipo de peça, como alimentos e instrumentos de trabalho.instrumentos de trabalho. Geralmente o escravo ficava na parteGeralmente o escravo ficava na parte menos nobre do navio:menos nobre do navio: o porão.o porão.
  • 14. NAVIO NEGREIRO – CASTRO ALVES Era um sonho dantesco... o tombadilho Que das luzernas avermelha o brilho. Em sangue a se banhar. Tinir de ferros... estalar de açoite... Legiões de homens negros como a noite, Horrendos a dançar... 14
  • 15. NAVIO NEGREIRO – CASTRO ALVES Presa nos elos de uma só cadeia, A multidão faminta cambaleia, E chora e dança ali! Um de raiva delira, outro enlouquece, Outro, que martírios embrutece, Cantando, geme e ri! 15
  • 16. NAVIO NEGREIRO – CASTRO ALVES Ontem a Serra Leoa, A guerra, a caça ao leão, O sono dormido à toa Sob as tendas d'amplidão! Hoje... o porão negro, fundo, Infecto, apertado, imundo, Tendo a peste por jaguar... E o sono sempre cortado Pelo arranco de um finado, E o baque de um corpo ao mar... 16
  • 17. NAVIO NEGREIRO – CASTRO ALVES Ontem plena liberdade, A vontade por poder... Hoje... cúm'lo de maldade, Nem são livres p'ra morrer. . 17
  • 18. VOCABULÁRIO Dantesco: infernal Tombadilho: cabine do comandante Luzernas: clarão ou frestas Tinir: soar Amplidão: Extensão, imensidão Peste por jaguar: a doença como inimiga 18
  • 19. ELIMINANDO O PRECONCEITO HISTÓRICO... África: o continente africano possui uma rica História sem a presença do branco europeu. Para o Brasil vieram diferentes origens de africanos. (pág.82) Escravo Negro: as mãos e os braços do Brasil. 19
  • 20. IDENTIDADE [Do lat. tard. identitate.] S. f. 1. Qualidade de idêntico. 2. Conjunto de caracteres próprios e exclusivos de uma pessoa: nome, idade, estado, profissão, sexo, defeitos físicos, impressões digitais, etc. 3. O aspecto coletivo de um conjunto de características pelas quais algo é definitivamente reconhecível, ou conhecido. 20
  • 21. IDENTIDADE AFRO-BRASILEIRA Alimentação Religião Cultura Artes 21
  • 22. IDENTIDADE BRASILEIRA “Todo brasileiro, mesmo o alvo, de cabelo loiro, traz na alma, quando não na alma e no corpo, a sombra ou pelo menos a pinta do indígena ou do negro...” Gilberto Freyre, Casa Grande e Senzala. 22
  • 23. FAZENDA DE AÇÚCARFAZENDA DE AÇÚCAR 23 Lavoura Senzala Casa Grande Capela Engenho de Açúcar
  • 24. TIPOS DE ESCRAVIDÃO escravo de ganho escravo junto ao senhor – doméstico escravo na mineração escravo na lida A escravidão assumiu várias formas, permitindo-nos analisar um contexto mais amplo ou mais específico. 24
  • 25. ZUMBI 25
  • 26. MOVIMENTOS SOCIAIS CONTRA A ESCRAVIDÃO Grande Violência contra o escravo As fugas Quilombos Revoltas Resistência Cotidiana 26
  • 27. QUILOMBOS  Os quilombos, que na língua banto significam "povoação", funcionavam como núcleos habitacionais e comerciais, além de local de resistência à escravidão, já que abrigavam escravos fugidos de fazendas.  Criado no final de 1590 a partir de um pequeno refúgio de escravos localizado na Serra da Barriga, em Alagoas, Palmares se fortificou, chegando a reunir quase 30 mil pessoas. Transformou-se num estado autônomo, resistiu aos ataques holandeses, luso-brasileiros e bandeirantes paulistas, e foi totalmente destruído em 1716. 27
  • 28. PENSE UM POUCO O estudo sobre a escravidão também deve nos fazer entender a questão do preconceito hoje. 28
  • 29. PARA PENSAR “Todo brasileiro, mesmo o alvo, de cabelo loiro, traz na alma, quando não na alma e no corpo, a sombra ou pelo menos a pinta do indígena ou do negro...” Gilberto Freyre, em Casa Grande & Senzal 29
  • 30. LEIS ABOLICIONISTAS Lei de 7 de novembro de 1831 – Lei Feijó Art. 1º. Todos os escravos, que entrarem no território ou portos do Brasil, vindos de fora, ficam livres. 30
  • 31. BILL ABERDEEN Em 1845, o parlamento britânico aprovou a Bill Aberdeen, lei que autorizava a Marinha do Reino Unido a interceptar os navios negreiros brasileiros e submetia suas tripulações a tribunais ingleses. A lei foi um golpe de morte no comércio de escravos entre a África e o Brasil. 31
  • 32. BILL ABERDEEN Em 8 de Agosto 1845, o parlamento britânico aprovou a Bill Aberdeen, lei que autorizava a Marinha do Reino Unido a interceptar os navios negreiros brasileiros e submetia suas tripulações a tribunais ingleses. A lei foi um golpe de morte no comércio de escravos entre a África e o Brasil. 32
  • 33. LEIS ABOLICIONISTAS  Lei nº. 581 – de 4 de setembro de 1850 – Lei Eusébio de Queiroz  Art. 1º. As embarcações brasileiras encontradas em qualquer parte, e as estrangeiras encontradas nos portos, nseadas, ancoradouros, ou mares territoriais do Brasil, tendo a seu bordo escravos, cuja importação é proibida pela Lei de sete de novembro de mil oitocentos e trinta e um, ou havendo-os desembarcado, serão apreendidas pelas autoridades, ou pelos navios de guerra brasieliros e consideradas importadoras de escravos. Aquelas que não tiverem escravos a bordo, porém que se encontrarem com os sinais de se empregarem no tráfico de escravos, serão ingualmente apreendidas, e consideradas em tentativa de importação de escravos. 33
  • 34. LEIS ABOLICIONISTAS  Lei nº. 2040 – de 28 de setembro de 1871 – Lei do Ventre Livre Declara de condição livre os filhos de mulher escrava que nascerem desde a data desta lei, libertos os escravos da Nação e outros, e providencia sobre a criação e tratamento daqueles filhos menores e sobre a libertação anual de escravos. 34
  • 35. LEIS ABOLICIONISTAS  Lei n.º 3.270 de 28 de Setembro de 1885  Art. 1° Proceder-se-á em todo o Império a nova matrícula dos escravos, com declaração do nome, nacionalidade, sexo, filiação, se for conhecida, ocupação ou serviço em que for empregado idade e valor calculado conforme a tabela do §3º 35
  • 36. LEIS ABOLICIONISTAS  Lei Áurea (Lei Imperial n.º 3.353) de 13 de Maio de 1888  Declara extinta a escravidão no Brasil:  A Princesa Imperial Regente, em nome de Sua Majestade o Imperador, o Senhor D. Pedro II, faz saber a todos os súditos do Império que a Assembleia Geral decretou e ela sancionou a lei seguinte:Art. 1.º: É declarada extinta desde a data desta lei a escravidão no Brasil.Art. 2.º: Revogam-se as disposições em contrário.Manda, portanto, a todas as autoridades, a quem o conhecimento e execução da referida Lei pertencer, que a cumpram, e façam cumprir e guardar tão inteiramente como nela se contém. 36
  • 37. 37