Práticas e tendências da mídia social na esfera do Jornalismo Digital

  • 742 views
Uploaded on

Palestra ministrada no 1º Seminário de Redes Sociais do Comunique-se, realizado em abril.

Palestra ministrada no 1º Seminário de Redes Sociais do Comunique-se, realizado em abril.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
742
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
9
Comments
0
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Práticas e tendências de mídia social na esfera do Jornalismo global
  • 2. Cenário
  • 3. Quem faz uso das redes sociais?- Você usa o Twitter?- Você usa o Facebook?- Você usa o Orkut?- Você usa o Foursquare?- Você usa o Instagram?- Você usa o Pinterest?
  • 4. Tempo para atingir 50 milhões de consumidoresRádio: 50 anos TV: 13 anos Internet: 4 anos iPod: 3 anos Facebook: 200 milhões em um ano. Se o Facebook fosse um país, seria o 3º mais populoso do planeta
  • 5. Importância- Twitter: 500 milhões de cadastrados, com 100 milhõesde usuários ativos- Orkut: mais de 60 milhões de usuários ativos*- Facebook: 845 milhões de usuários ativos- Foursquare: mais de 15 milhões de usuários cadastrados- Instagram: mais de 35 milhões de usuários Fonte: Twopcharts, Twitter, Facebook, Foursquare e Instagram
  • 6. Pensar em rede
  • 7. Mas que Sociedade é essa mesmo?- Segundo estudo conduzido na Escola de Comunicação daUniversidade do Sul da Califórnia e publicado na Science emfevereiro de 2011, recebemos informação equivalente a 174jornais por dia. Em 1986, este número era cinco vezes menor.- A quantidade de fontes – e dispositivos tecnológicos usadospara informar – aumentou. Proporcionalmente cresce o volumede conteúdo que chega até nós: internet, emails, televisão,telefone, telefones celulares, rádio, redes sociais, SMS...- Hoje, 90% de todos os dados no mundo são armazenadosdigitalmente- Vivemos – ou viveremos – em uma sociedade interconectada
  • 8. “Darwinismo Jornalístico”• Para quem deseja trabalhar na áreadigital: o ambiente seleciona o melhoradaptado.• Portanto, não pense que exercer afunção é saber apenas escrever, ler,fazer pautas, apurar e produzirreportagens. Transcende essascaracterísticas – que sãoimprescindíveis, claro. Obs: caso vocêqueira também desbravar o mundovirtual• É necessário conhecer APIs,Colaboração, Creative Commons, DataVisualization, Facebook, plataformasApple, Mashups, SEO, “Mídia Social”,Twitter e Wordpress.
  • 9. A importância de Paul Baran- Diagrama de Paul Baran é o combustível que reforça aimportância de uma publicação mais próxima ao leitor:menos centralizada e mais distribuída
  • 10. Jornalismo Digital- Plataformas de redes sociais: novas vitrines do JornalismoDigital- A página principal não tem mais o poder de dez anos atrás- Twitter, Facebook e tantas outras redes sociais sãoplataformas de comunicação – posteriormente, deconteúdo. É importante diferenciar esses dois conceitos.
  • 11. API- Usar as APIs (Application Programming Interface) paraproduzir conteúdos para o site- Se Twitter e Facebook fossem um bolo, a API seria ofermento: desenvolvedores criam serviços atrelados ao site.Twitter gastou 48 milhões de dólares em duas plataformascriadas por terceiros: buscas e clients de postagem.- “No mundo da tecnologia, tornar-se uma plataforma naqual os aplicativos de terceiros possam operar é comoencontrar o Santo Graal e dispor de todos os seus poderessobrenaturais” (KIRKPATRICK, David, 2010)
  • 12. API- “Queremos um ecossistema que não favoreça nossospróprios aplicativos”, já dizia Mark Zuckerberg em 2007- O Jornalismo ganha muito com as APIs públicas- O 1º passo da criação de perfis, conversas em plataformasjá foi executado. Falta, agora, saber reunir essasinformações e apresentá-las como conteúdo na suapublicação digital- Jornalismo + Dados escondidos nos porões da web + APIs =mensura, em tempo real, os anseios e gostos de seusleitores
  • 13. Mapas, infográficos e Jornalismo • “Dados e mapas sozinhos não são mesmo jornalismo. A diferença é o tratamento que damos a eles.”
  • 14. The New York Times• O ambiente seleciona o melhor adaptado.• Aron Pilhofer é um jornalista adaptado: editor de interatividade do TheNew York Times. Coordena uma equipe de 13 jornalistas e programadoresresponsável por desenvolver aplicativos ou serviços dinâmicos para aversão digital do jornal.• Entre tantos projetos desenvolvidos, um chama atenção:
  • 15. Isso é jornalismo?
  • 16. The New York Times• Mapa de calor apresenta informação e, ao mesmo tempo, parte daopinião pública sobre um dos fatos mais comentados por americanos noano. Você precisa reter a atenção do leitor.• Pilhofer tem uma equipe de 13 desenvolvedores – e 13 jornalistas. Sim, oeditor de interatividade do The New York Times contratou programadoresque conhecem bem o Jornalismo. “Eles sabem de programação e eu ensinono dia-a-dia o Jornalismo”, explica. No entanto, os profissionais tambémsão graduados em outras áreas – Antropologia, História, Inglês, Arte eDesign e Arquitetura.
  • 17. Economia de atenção- Ao lado da privacidade, um dos temas maisimportantes ao Jornalismo- Como fazer com que seu leitor fique maistempo em seu site e não se distraía com“parceiros” que, às vezes, são “rivais”, comoGoogle e Facebook?- Em The Shallows – What the Internet is Doingto Our Brains (traduzindo, ao pé da letra: NoRaso - O que a Internet Está Fazendo com osNossos Cérebros), o americano é alarmista,mas coerente: “a praticidade para encontrarnovas coisas na rede e, ao mesmo tempo, sedistrair com elas estaria nos tornando,digamos, burros.”
  • 18. Economia de atenção- Já dizia Nicholas Carr: “O negócio do Google é vender distração”- Em maio de 2010, Pac-Man, talvez o mais famoso game de todos ostempos, completou 30 anos. E para comemorar a data, o Google colocouuma versão executável do jogo em sua página principal de buscas- Estudo de monitoramento comprovou que 4.820 horas de trabalho foramdesperdiçadas por causa do game
  • 19. Economia de atenção- O usuário passou uma média de 36s a mais do que o habitual noGoogle.com no dia 21 de maio;- O “Google Pac-Man” consumiu precisamente 4.819.352 horas dentrodo ambiente de trabalho;- O tempo dedicado ao jogo criou perdas que totalizaram mais de 120milhões de dólares. Essa quantia é suficiente para pagar 19.835funcionários do Google durante seis semanas.- Alguns, contudo, perguntaram: “O que eu iria procurar no Googlemesmo?”- O Jornalismo, portanto, deve reconhecer a importância da Economiade atenção na web.
  • 20. Obrigado! @rafaelsbarai http://derepente.com.br http://flavors.me/rafahttp://slideshare.com/rafaelsbarai