Your SlideShare is downloading. ×
0
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Conversa afiada
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Conversa afiada

1,402

Published on

A serie CONVERSA AFIADA traz cinco ótimas entrevistas com profissionais que fazem diferenças no setor de franquias. Com temas como finanças; operações; sustentabilidade; mercado imobiliaário e …

A serie CONVERSA AFIADA traz cinco ótimas entrevistas com profissionais que fazem diferenças no setor de franquias. Com temas como finanças; operações; sustentabilidade; mercado imobiliaário e desenvolvimento de pessoas.

Published in: Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,402
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
10
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CONVERSA AFIADAwww.franqueando.wordpress.com
  • 2. CONEXÕES DE CONHECIMENTOCaro Leitor,Escrevo esta apresentação com a contagem regressiva para o final do ano eparando para pensar quando comecei a fazer a primeira entrevista para oblog, eu idealizava trocar no mínimo algumas experiências de quementende para quem quer entender cada vez mais sobre o mundo dofranchising.Acompanhando a evolução do setor e o crescimento dos números muitoacima do crescimento do PIB nos últimos anos , não tem como não brilharos olhos, e ler atentamente a cada entrevista com o pensamento de possofazer mais.Agradeço a todos os entrevistados que investiu o seu tempo emcompartilhar seus conhecimentos para que você agora possa enriquecerainda mais o seu conhecimento com todas as entrevistas em um únicomaterial.Aproveite a leitura e que venha 2013!Rafael RochaIdealizador do blog: franqueando.wordpress.com
  • 3. A SUSTENTABILIDADE COMO MODELO DE GESTÃO Para falar sobre o tema, conversamos com Claudio Tieghi, diretor presidente da AFRAS e também colunista da revista Pequenas Empresas Grandes Negócios que fala na entrevista abaixo um pouco sobre as dificuldades das marcas e também sobre a atenção que cada empresa deve manter no desenvolvimento dos projetos sustentáveis: A responsabilidade social no franchising é algo que deve estar no planejamento estratégico das franqueadora? Sim! A responsabilidade social das empresas deve ser totalmente inserida no modelo de gestão. Há alguns anos era comum as empresas desenvolverem ações sociais ou ambientais de forma esporádica, muitas delas por iniciativa de seus proprietários ou acionistas, baseadas em seus anseios os valores pessoais. Com o advento do filme “ Uma verdade Inconveniente”, produzido em 2006 pelo então ex-presidente dos EUA que trouxe à tona a problemática do aquecimento global, temos visto o tema evoluir de forma mais expressiva mas empresas através doO franchising brasileiro vem se entendimento que uma gestão sustentável envolve toda a cadeia defortalecendo nos últimos anos com um relacionamento das empresas. Além dos clientes e a comunidade, as empresas devem adotar práticas junto a seus colaboradores, meiocrescimento na casa dos dois dígitos e ambiente, governo, fornecedores, acionistas entre outros. O nascimentoessa realidade deve ser percebida da AFRAS – Associação Franquia Sustentável, braço de responsabilidadetambém em novas áreas de atuações que social da ABF, ocorrido em 2005 foi um marco para o segmento. Desdevem desenvolvidas no setor, como por então temos visto a evolução das franqueadoras brasileiras nesseexemplo a AFRAS (Associação Franquias quesito. Para se ter uma noção mais exata, em 2008 em parceria com oSolidárias) que trabalha em conjunto com Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social criamos osa ABF (Associação Brasileira de Franquias) Indicadores Ethos-ABF-AFRAS que contribuem para a realização decom o desafio de vencer a cada dia os um auto diagnóstico para as empresas e ainda oferecem pistas para tomadas de decisões que equilibrem os aspectos econômicos, sociais edesafios de atuar com responsabilidade ambientais no negócios.social no franchising.
  • 4. Empresas que nunca tiveram trabalhos envolvidos no franchising, como podem começar a desenvolverum projeto?Como falamos de um modelo de gestão para a sustentabilidade, considero fundamental o uso dos indicadorescitados na questão anterior. Eles estão disponíveis no site da AFRAS e do Instituto Ethos. Possuem umalinguagem própria para o franchising e trazem questões pertinentes a todos os ramos de atuação, produtos ouserviços. Foram desenvolvidos em parceria com mais de 13 franqueadoras, fornecedores, parceiros,representantes da sociedade civil e consultores especializados. O uso dos indicadores é 100% gratuito e abertopara todas as empresas associadas à ABF.Franqueadoras que pensam em sustentabilidade e/ou responsabilidade social simplesmente comomarketing e publicidade estão desperdiçando tempo e recursos sem construir nada?Acredito que projetos bem feitos sempre trazem resultados. De toda forma, fico muito preocupado quando vejoempresários e executivos reduzindo essa esse tema tão importante à práticas assistencialistas muitas vezesdesconectadas do negócio e, portanto, distantes da missão e valores das empresas. Não há nada de errado emdivulgar as ações que as empresas realizam, porém, elas devem estar conectadas ao negócio e inseridas nomodelo de gestão. Resumindo: devem apresentar resultados efetivos para as partes interessadas. Quando issoacontece, a comunicação fica mais fácil e transparente. Temos que agregar valor às marcas e as práticassustentáveis contribuem muito. Claro que não estou dizendo que precisamos ser perfeitos em tudo, mas temosque ser éticos e transparentes – quesitos básicos do conceito de responsabilidade social empresarial.
  • 5. Para marcas que já tem áreas especificas pensando na responsabilidade social, o que elasdevem pensar para os próximos 10 anos?Não haverá futuro para os negócios insustentáveis. Por outro lado, não há empresas 100% sustentáveis. O estilo de vidacontemporâneo e a produção de produtos e serviços deixam pegadas ecológicas que exigem processos compensatórios.O desenvolvimento de uma gestão baseada em valores mais perenes será cada vez mais a chave do sucesso. Asempresas precisam refletir constantemente sobre qual o real motivo de existirem. Se a resposta for somente: gerarlucro… atenção! A sustentabilidade é dinâmica, exige renovação e inovação. Com uma boa dose de tecnologia, formaçãoe valorização do capital humano teremos empresas preparadas para o futuro. Tive a oportunidade de conceituar umanovo momento no franchising brasileiro, o qual denominei, Franchising de Sexta Geração que, entre diversos aspectos,destaca a necessidade de revisarmos a missão, visão e valores das empresas à luz de uma nova realidade social,econômica e ambiental. Nunca tivemos 7 bilhões de pessoas no mundo, além disso esbarramos constantemente emlimites naturais. Precisamos contar com empreendimentos que reduzam seus impactos ambientais e incluam cada vezmais aqueles que estão à margem da sociedade. O desafio é grande, mas o resultado é e sempre será compensador.
  • 6. FINANÇAS PARA FRANQUEADOS Victor, a área de FINANÇAS é uma das maisContinuando com a importantes na hora de investir em um negócioprojeto de entrevistascom profissionais do sendo ou não uma franquia. Por isso, o que osfranchising, o blog investidores devem se atentar na análise doFranqueando PLANO DE NEGÓCIO?aproveitou omomento de euforiado setor de franquias Oi Rafael, primeiramente, agradeço o convite e o parabenizo pelopara falar sobre um trabalho que desenvolve no Blog. Gosto muito e sou um leitorassunto que costuma frequente!tirar o sono demuitos franqueados: Bom, o empreendedor, antes mesmo de decidir investir emFinanças. qualquer negócio, necessariamente precisa elaborar o seu próprio plano de negócios. Uma franquia, que é uma operação formatada,Continuando com a projeto de entrevistas com não dispensa esse planejamento, ao contrário. Além da questãoprofissionais do franchising, o blog Franqueando financeira, que envolve estimar custos, preço, margem, lucro,aproveitou o momento de euforia do setor de rentabilidade, prazo de retorno e etc, existe a questão estratégica,franquias para falar sobre um assunto que a pesquisa de mercado, do publico em potencial, da concorrência,costuma tirar o sono de muitos franqueados: dados de desempenho do segmento e assim por diante. UmFinanças. Finanças é algo que muitos grande – e importante – fator é ter afinado ao que se propõe a fazer. Tente imaginar uma pessoa que não goste de animaisfranqueados se preocupam na hora de investir e gerindo um pet shop, ou ainda, alguém ligado ao mundo da modaconstruir o plano de negócio, mas com o tempo é investindo no ramo automotivo. Ambos os exemplos podem terquase que esquecido na operação de um cases de sucesso, talvez pela habilidade de gestão dessenegócio. empreendedor, mas certamente a chance de êxito quando háPara falarmos sobre esse assunto conversamos afinidade é muito maior.com Victor
  • 7. Pois bem, com o plano de negócios de uma franqueadora em mãos, é fundamental atentar para a coerência dasinformações, principalmente no que tange ao valor investido x prazo de retorno, assim como, para as projeções deevolução dessa loja, para o capital de giro exigido para manter a operação durante os primeiros meses, quais ospagamentos periódicos para a franqueadora e, naturalmente, qual a capacidade que essa empresa terá de gerar lucro.Ainda assim, para a obtenção de mais lastro para a escolha de uma franquia, solicite a indicação de alguns franqueadosde unidades em operação que tenham alcançado o desempenho traçado no plano de negócios. Avaliar quais foram osméritos e dificuldades de outros franqueados será um interessante norteador para o investidor.É muito comum qualquer administrador enxergar a área de finanças resumidamente como contas apagar/receber, sendo que muito do próprio planejamento estratégico está ligado a saúde financeira daunidade, quais outros pontos a se atentar?Rafael, infelizmente, é muito comum. Temos hoje um enorme “analfabetismo financeiro” nas pessoas físicas, que são osempreendedores de micro e pequenas empresas; se é difícil organizar e planejar a vida de uma pessoa, da mesmamaneira é em uma empresa.No cotidiano os administradores acabam apenas registrando pagamento e recebimento, quando o fazem. É um desafiopara as franqueadoras conscientizar e capacitar seus franqueados em áreas em que ele não tenha habilidades, entreelas, a área financeira. Essa capacitação pode ser através de treinamentos, convenções, whokshops e do suporte daconsultoria de campo, que deve levar know how e competência profissional para auxiliar e orientar esses franqueados.Desta forma, o franqueado compreende que ter segurança financeira – capital de giro – para “bancar” o negócioenquanto ele estiver engatinhando, contribui para um crescimento sustentável. Ter capacidade de pagamento oferece aele mais poder de negociação e subsídios para tomadas de decisões mais fundamentadas, principalmente diante desituações adversas.Todo empresário, independente do tamanho, precisa ter um fluxo de caixa, com previsões confiáveis para no mínimodois meses, bem como, com os registros das movimentações diárias/realizadas. Essencial medir e acompanhar umconjunto mínimo de indicadores de desempenho (faturamento, volume de itens vendidos, ticket médio, lucratividade,gastos/faturamento, taxa de conversão, por exemplo) e ter um DRE, que mostrará o resultado operacional em umdeterminado período. Resumindo, empresários que utilizam essas ferramentas e sabem administrar suas finanças terãonegócios mais lucrativos.
  • 8. Quais as principais erros que podem levar o caos financeiro de uma unidade franqueada?O mandamento sagrado em finanças é: Não gastar mais do que gera de receitas. Além disso, é importante que emhipótese alguma o franqueado misture as contas pessoais com as contas da empresa. Isso é muito comum e distorcetotalmente a análise do desempenho da franquia. Para evitar isso o franqueado deve estabelecer um pró-labore e essaretirada deve ser adequada à realidade financeira da empresa, inclusive, eis outro erro muito comum, que é ofranqueado ter uma retirada muito além do que a empresa pode pagar, onerando o caixa da unidade.Dividas que acarretam juros, inadimplência alta, descontos frequentes nas vendas, gastos descontrolados, saberdistinguir o que se “quer” do que se “pode”, falta de gerenciamento de estoques, de capital de giro e de planejamentosão erros determinantes que podem levar ao caos.Um dica para evitar isso?Rafael, eu costumo brincar que a “Gestão Estratégica DEIXO A VIDA ME LEVAR” só deu certo uma vez: Com o ZecaPagodinho, que gravou a música e fez muito sucesso (e dinheiro) com ela. Brincadeiras a parte, é possível resumir a dicaem três passos:Conhecimento – Como falamos anteriormente, nem todo empresário possuí conhecimento para lidar com dinheiro.Sugiro, portanto, buscar capacitação em cursos e escolas de negócios, contratar profissionais que possuam esseconhecimento, assim como, contar com auxilio dos consultores de campo e/ou de consultorias do mercado.Planejamento – Planejar as finanças permite construir uma estrada que será seguida nos próximos meses. Inicia-se naprevisão das vendas em período, dos custos variáveis que elas resultam, das despesas administrativas, financeiras demarketing e outras, das provisões necessárias para reformas, treinamentos, expansão, 13º salário e, claro, do ponto deequilíbrio ou lucro desejado. Trata-se do planejamento orçamentário, que resultará em um fluxo de caixa e em um DREprevisto e com isso, o empresário terá condições de “ver o futuro”.Disciplina – Ter conhecimento, desenvolver o planejamento e não ter disciplina para colocar em prática, não serásuficiente. Isto demandará envolvimento e dedicação por parte do Gestor para fazer acontecer o que foi planejado,utilizando adequadamente as ferramentas citadas nas questões anteriores.
  • 9. AS OPORTUNIDADES DO SETORIMOBILIÁRIO A série de entrevistas CONVERSA AFIADA tem sido um projeto muito interessante para o blog e temos recebidos diversos contatos solicitando cada vez mais temas específicos que envolvam o universo do franchising. A conversa de hoje tem o setor imobiliário como foco e aconteceu com Guilherme Carnicelli, que é formado em publicidade e propaganda pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) com especialização em Marqueting e vendas pela ESPM/SP e Gestão Estratégica na Universidade de São Paulo (USP). Trabalhou como consultor para diversas empresas nacionais e internacionais do setor de franchising e hoje é responsável pela expansão no Brasil da franquia imobiliária Coldwell Banker. Guilherme, alguns anos o Brasil encontra-se com um mercado imobiliário aquecido, fruto de uma economia que vem crescendo e a visibilidade do país como um grande player mundial já é realidade. E isso se reflete como oportunidades para franquias do setor imobiliário. Com eventos como Copa do Mundo e as Olimpíadas, é normal que tenhamos um crescimento na demanda por negócios e também no valor dos imóveis. O jornal Valor Econômico apresentou que somente a região de Itaquera em São Paulo tem hoje mais de 52 favelas e o valor do imóvel cresceu 40% nos últimos tempos. Quais os desafios e os cuidados para quem busca investir em regiões com esse cenário?
  • 10. Você acredita que grandes construtoras podem enxergar o setor de franchising como umcaminho a ser explorado para expansão dos seus negócios assim como empresas do porte deAmbev e Havaianas fizeram nos últimos anos?Eu acredito que o setor de franchising pode ser um importante aliado para as grandes construtoras no futuro. Osegmento de franquia imobiliária é algo recente no Brasil, as grandes marcas internacionais aportaram por aqui hápouco tempo e ainda são pouco representativas no setor. Por outro lado é uma tendência de mercado, em países comoos EUA, 25% das imobiliárias pertencem a uma rede de franquia e mais da metade dos corretores trabalham paraalguma unidade franqueada, ou seja, as redes de franquia concentram a mão de obra e se tornam relevantes nomercado. O produto de uma construtora é o imóvel e quem faz a venda desse produto é a imobiliária, por isso acreditoque o crescimento das redes de franquia imobiliária possam ajudar as construtoras a oferecer seus produtos através deuma mão de obra mais qualificada, treinada e dentro de um padrão onde exista controle de operação. Nós na Coldwell Banker, por exemplo, acreditamos muito na capilaridade que uma rede de franquia possui como forma de represar possíveis interessados para um determinado tipo de imóvel e essa sinergia é fundamental para o sucesso de um empreendimento.
  • 11. Quais dicas você daria para quem vai investir no setor imobiliário e também uma para quembusca um novo imóvel / ponto comercial?Essa pergunta é interessante, quando falamos em investir no mercado imobiliário posso dizer queexistem duas maneiras hoje, você pode ser um simples espectador ou se tornar um ator e vou te explicarpor que. A primeira delas, e mais usual, é comprar um imóvel e aproveitar hoje o bom momento que omercado vive apostando na valorização desse patrimônio, minha principal e única dica pra isso é quevocê procure um profissional especializado, um bom corretor de imóveis, porque só ele, com oconhecimento profissional, pode indicar as boas oportunidades, um investimento feito na base doachismo pode ser a ruína do seu capital, nesse caso você investe como um espectador. A segunda delas,e muito lucrativa também, é que com a chegada das redes de franquia imobiliárias é possível investir nomercado imobiliário fazendo parte dele, ou seja, um ator. O que isso quer dizer? Através de umafranquia, alguém com um capital na maioria das vezes menor do que o valor do imóvel pode se tornarum franqueado e participar do boom que estamos vivendo trabalhando e fazendo parte desse mercado.A expectativa de crescimento desse mercado é muito grande, isso dito por grandes especialistas eeconomistas de nome em nosso País, então poder entrar nesse negócio contando com um suporte deuma empresa de franquia é uma grande oportunidade.Sobre os pontos comerciais, esse hoje é um gargalo no crescimento do varejo e do franchising brasileiro,por conta da valorização dos imóveis os preços se tornaram inviáveis e muitas vezes impedem ainstalação de determinado tipo de produtos ou serviços. Para isso, é preciso uma busca com inteligênciaimobiliária, nem sempre os locais mais óbvios são as melhores opções para a viabilidade comercial deum novo negócio. Dentro da Coldwell Banker nós possuímos uma divisão de negócios, chamadaColdwell Banker Commercial, que trabalha através de dados estatísticos e pesquisa a busca de pontoscomerciais em diversas regiões do País, nossa ideia com essa divisão de negócios é poder, a partir dopróximo ano, oferecer esse serviço inclusive para outras redes de franquia dos mais diferentes setores.
  • 12. OPERAÇÃO - A DISCIPLINA PARA ATINGIR Para falar conosco hoje sobre operação, o blog FRANQUEANDORESULTADOS foi buscar algumas respostas com Arlan Roque, gestor em franquias, escritor de alguns principais canais especializados e que escreve quinzenalmente para esse blog: Os melhores investimentos estão em shoppings ou em lojas de rua? E o que você destacaria como principal ponto forte e ponto fraco de cada operação? Esta questão inclusive, foi tema de uma pergunta de uma pessoa em um workshop sobre franquias que estive recentemente. A resposta é clássica: depende. Temos em centros comerciais de rua atualmente, uma atividade econômica fortemente desenvolvida, seja em capitais e cidades pólo ou mesmo em cidades menores. Nos últimos anos, os shopping tem investido em cidades de médio porte e até cidades com população orbitando em aproximadamente 100 mil habitantes, então não considero adequado classificar que o investimento seja melhor em shopping ou rua, pois dependerá do segmento, das características do ponto comercial almejado, e considero principalmente, do perfil de quem irá operar o negócio.O mercado de franquias veem amadurecendo Os shoppings oferecem mídia institucional, segurança aos clientes enos últimos anos e prova disso é o crescimento lojistas e o potencial dos finais de semana, no entanto, em novosdas redes franqueadoras e os números empreendimentos o lojista precisa de fôlego financeiro até o amadurecimento do shopping. Os custos de ocupação muitas vezesapresentados em cada setor. Mas tão são maiores. Em lojas de rua, o lojista tem maior independência,importante quanto à expansão dos negócios é pois deixa de estar sujeito as normas dos shoppings e pode tera solidez que cada marca trará para os seus maior visibilidade de sua marca, no entanto, não conta com asfranqueados. Solidez nesse caso é sinônimo de vantagens oferecidas pelo shopping, mencionadas anteriormente.uma boa operação e para falar sobre operação, Reitero que é fundamental o operador identificar-se com a operação de rua ou shopping pela carga horária e regulamentação.temos que prestar a atenção na junção dadedicação do franqueado e do franqueadorpara um trabalho saudável na operação.
  • 13. É importante o candidato fazer perguntas chaves antes de investir, como por exemplo: sobre o plano denegócio, se há sazonalidade no mercado a investir, investimento inicial e treinamentos. Mas e depois dainauguração? Quais os principais pontos que todo investidor deve ficar atento antes de assinar o contrato?Creio que o público que analisa franquias tem amadurecido no sentido de pesquisar o negócio que irá tornar-separceiro, mas é verdade que precisa também tentar entender como será pós assinatura do contrato e nesteaspecto, considero relevante compreender o suporte que a franqueadora oferecer através de sua consultoria decampo e qual o foco de trabalho desta consultoria; a existência de programa de excelência na rede; comofunciona o abastecimento da rede; quais suas responsabilidades em uma eventual rescisão contratual ourepasse do negócio; planos de marketing da franqueadora; existência de conselho de franqueados eprincipalmente conversar com no mínimo seis franqueados e pelo menos um ex franqueado que estejam emmomentos diferentes do negócio ou seja, alguns que estejam no negócio há menos de dois anos, outros comtempo entre dois e quatro anos e por último que está no negócio por mais de quatro anos. Nesta conversa,também é importante o candidato ter filtro no que ouvir em relação a acontecimentos pontuais e também emrelação a receio de concorrência com a própria rede. O franqueado deve ser encantado pelo tamanho da verba demarketing da rede ou pelo plano de trabalho proposto para noinvestimento?Um volume de recursos mal gerido, torna-se sem efeito, assim, oideal é que haja um plano bem estruturado e também,constância de investimentos, que creio devam ser tanto dofranqueado como do franqueador.
  • 14. Em porcentagem, qual seria a classificação das responsabilidades divididas entre a marcafranqueadora e o investidor / franqueado?Esta pergunta é bastante capciosa, pois a tendência é o franqueador creditar maior percentual ao franqueado evice-versa, mas prefiro atribuir nesta relação pelo menos 60% ao franqueado na busca de transmitir o conceitoque o negócio na ponta, junto ao consumidor final do produto ou serviço está na mão dele. O franqueador tema responsabilidade de pensar estratégias a longo prazo, produzir um produto ou serviço competitivo e capacitara rede, mas não consegue fazer o sorriso acontecer para o consumidor final.
  • 15. O SENHOR DOS ANÉIS Nas oportunidades que já tive de conversarmos, ele declarou que depois de 2 anos de preparação em 2007 ele largou a vida corporativa com todos os benefícios e o status de executivo para se dedicar no desenvolvimento de pessoas. Hoje ele desenvolve e executa workshops, palestras e programas de capacitação de pessoas com o objetivo de alinhar indivíduos através de suas motivações internas e fortalecer o seu contato com as marcas.Foi com o título acima que a revista VOCÊ É assim que ele desenvolveu e desenvolveS/A chamou Nélio Bilate para falar sobre trabalhos para empresas como O Boticário,desenvolvimento de carreiras em 2009. Esse Mcdonalds, Natura, Vale entre outras.carioca trabalhou por mais de 20 anos em O objetivo dessa entrevista é tentar descobrir seempresas como Chocolates Garoto, Coca- as redes de franquias podem contribuir com o desenvolvimento das pessoas através do seuCola e Nissan-Renault, essa última chegando alinhamento de marca muito mais do só com aao posto de vice-presidente de marketing e construção de processos e manuais.vendas no Brasil.
  • 16. Nélio, uma característica do franchising são os padrões Dentro ou não do franchising as empresas tempor meio da comunicação da marca, da arquitetura, dificuldades em desenvolver pessoas, reter talentospelo atendimento entre outros aspectos. Mas como as e passar aos seus colaboradores sua real essência.empresas franqueadoras devem buscam traduzir sua Em sua opinião, qual o principal erro dentro dasessência organizacional para sua rede de franquias? Só empresas para isso e qual seria o melhor caminho?colocar no manual isso basta? O principal erro é não saber da sua essência. Tudo começa a partir da abertura para conhecimento,Claro que não. Os manuais e os padrões ajudam muito, entendimento e propagação da essência, da missão,mas não são suficientes. Para uma aderência maior é da visão e dos valores da empresa. Isso não deve ficarpreciso contar com o treinamento constante da equipe e apenas num quadro pendurado na parede. Devecom a presença da equipe de campo do franqueador permear toda a organização através, principalmentelado a lado com a equipe do front. Deve-se contar do comportamento e das atitudes de seus líderes. Otambém a comunicação eficaz e simples através de melhor caminho está no diálogo e no interesse pela descoberta e prática da essência.vídeos e da internet. Você acredita que os erros e acertos do mundo corporativo hoje são mais reflexos da inercia dasAs empresas são feitas por gente e como as franquias empresas com o despreparo com os novoshoje no Brasil podem começar a pensar em desenvolver profissionais ou a um avanço, uma expectativa talvezas pessoas nos mais diferentes níveis, pensando em maior dos novos profissionais com relação àstoda a sua extensão geográfica (abrangência e empresas?dimensão do território brasileiro)? As duas coisas se encontraram. De um lado profissionais mais interessados e mais preparados. De outro lado, empresas se preparando e aprendendo com os próprios erros, tendo que mudar seu modeloIsso é possível através do treinamento à distância e de gestão, de negócio e de liderança.também da presença de gente capacitada no campo.Nada substitui o corpo a corpo, tendo como focoprincipal a motivação e o engajamento através dascaracterísticas e essência da marca/empresa, bem comoatravés das boas práticas do mercado.
  • 17. CONHEÇA MAIS Para conhecer mais sobre Victor Marques acesse o seu blog: http://vmfinancas.blogspot.com Para conhecer melhor Arlan Roque acesse seus artigos em http://guiadofranchising.flegoo.com/au Acesse o site tor/arlan-roque/ http://www.nbheart.com.br e conheça melhor os seus trabalhos. Para conhecer melhor os trabalhos e a atuação da AFRAS (Associação Franquias Solidárias) www.afras.com.br e para ler as colunas sobre responsabilidade social de Claudio Para conhecer melhor Guilherme Tieghi acesse o site da revista Grandes Carnicelli acesse Empresas Grandes Negócios http://gdcarnicelli.wordpress.com/ revistapegn.globo.com.
  • 18. ATUALIZE-SEAbaixo alguns dos principais sites e portais com noticias e informações no Brasil:• http://www.suafranquia.com/• http://guiadofranchising.flegoo.com/• http://www.portaldofranchising.com.br• http://empreendedor.com.br/• http://exame.abril.com.br/topicos/franquias
  • 19. www.franqueando.wordpress.com

×