Your SlideShare is downloading. ×
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Agrishow 2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Agrishow 2012

632

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
632
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 1 Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 2. 2 Revista Canavieiros - Maio de 2012
  • 3. Editorial 3 Sucesso da Agrishow 2012 O s 152 mil visitantes que estiveram presentes durante os 5 dias da Agrishow 2012 realizada em Ribeirão Preto, de 30 de abril a 04 de maio -, puderam conferir os diversos setores que fizeram parte da feira como: agricultura familiar, centros de pesquisas, equipamentos de segurança, implementos agrícolas, sementes, veículos, ferramentas, máquinas agrícolas, fertilizantes e defensivos, armazenagem, peças, software e hardware, equipamentos para irrigação, entre outros. Foram negociados R$ 2,15 bilhões, superando as expectativas dos organizadores. Acompanhe na Reportagem de Capa desta edição e fique por dentro dos principais lançamentos da Agrishow 2012. Esse mês a Revista Canavieiros traz uma entrevista que não diz respeito especificamente ao setor sucroenergético, porém, extremamente importante para todos os profissionais. Com o fácil acesso a tecnologia e a quantidade de informações que os profissionais recebem a cada hora, como organizar a mente para selecionar o que é aproveitável? Quem responde é Dr. Augusto Jorge Cury, médico, psiquiatra, psicoterapeuta e escritor. Três artigos estão na secção “Ponto de Vista”: O presidente da Canao- este, Manoel Ortolan assina o artigo “Rio +20: A agricultura será a peça principal”; o diretor adjunto da Canaoeste, José Mario Paro escreveu sobre “Para onde os ventos sopram?”; e o advogado da Canaoeste, Juliano Bortoloti, assinou o artigo “Sanciona Dilma. Em respeito aos poderes da República”, o advogado também assina “Assuntos Legais” que trata dos procedimentos a serem adotados em caso de incêndio de origem desconhecida na palha da cana-de-açúcar. Desde o mês passado, a Canavieiros conta com uma coluna especial: “Caipirinha”, assinada pelo professor titular de planejamento e estratégia na FEA/USP Campus Ribeirão Preto e coordenador científico do Markestrat, Marcos Fava Neves. As Notícias Canaoeste trazem a reinauguração de 2 escritórios de atendimento aos associados nas cidades de Viradouro (dia 27 de abril) e Bebedouro (dia 8 de maio). As filiais passaram por uma completa reestruturação para melhorar o atendimento aos associados. Em Notícias Copercana é possível conferir a reunião entre a Copercana, Syngenta e a Oricana (Associação de Fornecedores de Cana da região de Orindiúva), que reuniu cerca de 50 Conselho Editorial: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson Há ainda os artigos técnicos: “Sorgo Sacarino: a bola da vez”, assinado pelo engenheiro agrônomo do IAC / Centro de Engenharia e Automação, Jair Rosas da Silva; e “Orientação do uso de defensivos agrícolas”, assinado pelos profissionais da Canaoeste, engenheiros agrônomos Antonio Carlos Cussiol Junior; Daniela Aragão Santa Rosa; Danilo Fonseca Mazoni. Em “Destaque”, o leitor vai encontrar a palestra proferida pelo ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, que esteve em Ribeirão Preto, no dia 13 de abril, e falou para capacitação dos professores das escolas municipais de Ribeirão Preto e região, que durante todo o ano de 2012 trabalharão com o tema agronegócio dentro da sala de aula. O evento foi realizado no Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio de Cana – IAC/ Apta (Instituto Agronômico/Agência Paulista). Além disso, não deixe de conferir as Informações Setoriais com o consultor agronômico da Canaoeste, Oswaldo Alonso, Dicas de Leitura e Português. Boa leitura! Conselho Editorial RC Expediente: fornecedores de cana e engenheiros agrônomos, no Teatro Municipal de Orindiúva. O intuito foi apresentar e difundir a cooperativa para os produtores rurais da cidade. Equipe de redação e fotos: Carla Rodrigues, Fernanda Clariano, Murilo Sicchieri e Rafael H. Mermejo Comercial e Publicidade: Marília F. Palaveri (16) 3946-3311 - Ramal: 2008 atendimento@revistacanavieiros.com.br Impressão: São Francisco Gráfica Editora: Carla Rossini - MTb 39.788 Tiragem DESTA EDIçÃO: 20.000 exemplares Projeto gráfico e Diagramação: Rafael H. Mermejo ISSN: 1982-1530 A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred. As matérias assinadas e informes publicitários são de responsabilidade de seus autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. Endereço da Redação: A/C Revista Canavieiros Rua Augusto Zanini, 1591 Sertãozinho – SP - CEP:- 14.170-550 Fone: (16) 3946 3300 - (ramal 2190) redacao@revistacanavieiros.com.br www.revistacanavieiros.com.br www.twitter.com/canavieiros www.facebook.com/RevistaCanavieiros Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 4. 4 Ano VI - Edição 71 - Maio de 2012 - Circulação: Mensal Índice: Capa - 26 Agrishow 2012: negócios realizados durante a feira superaram as expectativas A 19ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação, foi realizada em Ribeirão Preto, de 30 de abril a 04 de maio Foto Capa: Rafael Mermejo E mais: Coluna Caipirinha 05 - Entrevista Dr. Augusto Jorge Cury Médico, psiquiatra, psicoterapeuta e escritor. Qualidade de Vida: como enfrentar o estresse do dia-a-dia? 10 - Ponto de Vista Juliano Bortoloti Advogado da Canaoeste Sanciona Dilma. Em respeito aos poderes da república. 14 - Notícias Copercana .................página 08 Pontos de Vista .............página 12-13 Notas .................página 25 Informações Setoriais .................página 32 Artigo Técnico .................página 34 - Copercana realiza reunião em Orindiúva 15 - Notícias Sicoob Cocred - Balancete Mensal 18 - Notícias Canaoeste - Canaoeste reinaugura escritórios em Viradouro e Bebedouro 36 - Artigo Técnico Jair Rosas da Silva Engenheiro agrônomo do IAC / Centro de Engenharia e Automação Sorgo Sacarinio: a bola da vez O sorgo sacarino apresenta as vantagens do ciclo curto, de cerca de quatro meses, de efetuar o plantio por sementes. Revista Canavieiros - Maio de 2012 Agende-se .................página 38 Cultura .................página 39 Classificados .................página 40 Selo Verde .................página 42
  • 5. 5 Entrevista Qualidade de Vida: como enfrentar o estresse do dia-a-dia? Dr. Augusto Jorge Cury Carla Rodrigues Esse mês a Revista Canavieiros traz uma entrevista que não diz respeito especificamente ao setor sucroenergético, porém, extremamente importante para todos os profissionais. Com o fácil acesso a tecnologia e a quantidade de informações que os profissionais recebem a cada hora, como organizar a mente para selecionar o que é aproveitável. Dr. Augusto Jorge Cury é médico, psiquiatra, psicoterapeuta e escritor. Ao longo de mais de 20 mil sessões de trabalho de psicoterapia, desenvolveu uma teoria inovadora sobre o funcionamento da mente, os fenômenos conscientes e inconscientes, a formação dos pensamentos e de pensadores, que, atualmente, é objeto de doutorado e mestrado nos EUA e na Espanha, pós-graduações no Brasil, além de teses de doutorado e mestrado no país. Dr. Augusto Cury publicou mais de 30 obras na área de psicologia aplicada, educação e ficção, presentes em mais de 60 países, e foi considerado, pelo jornal Folha de São Paulo e pela revista Isto é, o autor mais lido da última década com mais de 16 milhões de livros vendidos somente no Brasil. Desenvolveu a inédita metodologia da Escola da Inteligência para o desenvolvimento das funções mais complexas da inteligência, da promoção da saúde emocional e para a paz com relações saudáveis que apresenta resultados fantásticos. Confira a íntegra da entrevista que ele concedeu à Revista Canavieiros! Revista Canavieiros: Como lidar com o acumulo de informações que recebemos todos os dias? Dr. Augusto Jorge Cury: Esse é um problema mundial, as pessoas não têm sabido lidar com acúmulos de informações. No passado o número de informações dobrava a cada dois ou três séculos, hoje, dobra-se a cada ano. Esse excesso de informação satura o centro do córtex cerebral levando a produção da síndrome do pensamento acelerado, que tive a felicidade de descobrir e a infelicidade de saber que grande parte da população mundial é cometida por ela, e que gera uma série de sintomas que crianças, adolescentes e adultos estão apresentando: dores de cabeça, dores musculares, queda de cabelo, irritabilidade, flutuação emocional - em um momento está tran- quilo no outro está tenso -, insatisfação crônica, perda de paciência, baixo limiar para suportar frustrações, déficit de concentração, déficit de memória ou esquecimento, além de outros sintomas. “Não devemos querer ser heróis, acumular tudo que temos contato com os nossos sentidos, em especial, visão e audição. Devemos nos perguntar o que é prioritário?” As pessoas que perceberem que estão com esses sintomas precisam ficar em alerta, selecionar a quantidade de informações e a qualidade das informações que têm acesso. É como se fosse fazer compra em um supermercado e uma pessoa querer colocar no seu carrinho tudo que vê pela frente, muitas vezes, você vai estar comprando produtos em excesso, de má qualidade ou então desnecessários, que é o que ocorre na atualidade. Funcionários nas empresas, produtores rurais, líderes empresariais, estudantes, professores, psicólogos, médicos e outros profissionais fazem do seu córtex cerebral em especial da sua memória a terra de ninguém, entra tudo, eles não selecionam as informações e não focam as informações. Não devemos querer ser heróis, acumular tudo que temos contato com os nossos sentidos, em especial, visão e audição. Devemos nos perguntar o que é prioritário? Que tipo de informação de conhecimenRevista Canavieiros - Maio 2012
  • 6. 6 Entrevista to devemos ter para atingir as metas e quais são as escolhas? Que perdas estão relacionadas a essas escolhas? Porque todas escolhas tem perdas. Se começarmos a fazer essas perguntas, vamos metaforicamente no supermercado do conhecimento, selecionar o nosso eu e deixar de lado o que não é prioritário. Dar importância para aquilo que é relevante, agora, isso é um treinamento. Revista Canavieiros: Mudando de foco, o setor sucroenergético busca aumentar e diversificar-se cada vez mais. Qual é a melhor maneira de transmitir todo acesso de tecnologia para a classe produtora? Dr. Cury: A curva de aprendizado e o processo de incorporação de conhecimento têm que estar em primeiro lugar, as ideias tem que ser claras, tem que haver uma socialização das informações. Não adianta falar de maneira rebuscada, de maneira complexa, por que quem tem acesso, produtor rural, por exemplo, ou os trabalhadores das empresas ou até na agro business vai acabar não assimilando e não utilizando de maneira adequada as informações. Tem que haver clareza e foco nas transmissões do conhecimento, transmitir de maneira inteligente e objetiva para que as pessoas que quase não tem tempo possam fazer do seu pouco tempo uma experiência solene. Em uma revista, uma universidade ou um conferencista deve ter muito claro em sua mente qual é o objetivo e aonde quer chegar e que tipo de formação deve ter. No caso da tecnologia, se transmitirmos de maneira clara, objetiva e focada nos vários tipos de interesse de cada produtor, então certamente seremos eficientes, caso contrário, vamos como a chuva, vamos derramar gotas, torrentes de água e muitas delas acabam se perdendo porque não terão reservatório para ser utilizado. Aliás, grande parte das informações transmitidas em especial nas escolas, mais de 90%, não são utilizadas ao longo do traçado da existência e do desempenho profissional, é um desperdício muito grande porque se acha que a memória é um depósito infinito de informação, isso é uma bobagem. Me desculpem, é até uma estupidez intelectual, estressamos o cérebro das pessoas que nos ouvem, dos nossos alunos, dos técnicos que preparamos, dos líderes que estamos formando e, além de estressá-los, produzimos a síndrome do pensamento acelerado com toda aquela sintomatologia. Revista Canavieiros: O Senhor acredita que a população está preparada para viver a era da tecnologia? Dr. Cury: Eu acredito que vamos formar a tecnologia a serviço do homem, mas, do jeito que está, seremos servos da tecnologia, gravitamos na órbita de múltiplas informações, de computadores, da internet e não conseguimos utilizá-los de maneira adequada. Para termos uma ideia, esperávamos no século 21 que a tecnologia fornecesse mais tempo para os pais abraçar os seus filhos, trocar experiência, mas não é o que tem ocorrido. Nunca os pais tiveram tão pouco tempo. Esperávamos que os professores falassem das experiências mais cálidas, das suas alegrias, das suas tristezas, do seu drama, da sua comedia com os seus alunos, mas raramente os professores se humanizam e “...funções mais complexas da inteligência, para que o eu se torne autor da própria história, para que o eu possa proteger a emoção, possa se doar sem exigir muito das pessoas...” Revista Canavieiros - Maio de 2012 transmitem a personalidade como um mestre, usam a tecnologia, transmitem dados sobre o mundo de fora, mas se calam sobre o mundo de dentro, formando pessoas mentalmente adestráveis e não autônomas, como a mente brilhante, livre humanística e capaz de ter um território da emoção saturado de prazer, serenidade e tranquilidade. Bom, quero dizer que a tecnologia que deveria facilitar a vida tem, em certo sentido, asfixiado o ser humano. O carro que deveria nos levar a visitar os nossos amigos, não apenas o nosso trabalho, não nos leva aos nossos amigos, às vezes, nem aos parentes mais próximos, morando na mesma cidade. Então, infelizmente o homo sapiens tem sido um servo da tecnologia, não tem tido sabedoria para poder se conduzir num mundo onde o conhecimento se tornou ferramenta fundamental para sobrevivermos na era digital. É preciso reverter isso e eu quero aproveitar e dizer que elaboramos a academia de inteligência, que foi pensada durante 20 anos, elaborada durante 10 anos e aplicada nos últimos 2 anos. Revista Canavieiros: O que é a academia de inteligência? Dr. Cury: A academia da inteligência objetiva voltar crianças, adolescentes e adultos para as funções mais complexas da inteligência, para que o eu se torne autor da própria história, para que o eu possa proteger a emoção, possa se doar sem exigir muito das pessoas, sem esperar excessivamente a contra partida do retorno, para que o eu possa criticar cada ideia perturbadora para que essa ideia não seja registrada, pois uma vez registrada nunca mais será deletada. Temos que entender que quando investimos na felicidade dos outros é a melhor maneira de investir na nossa felicidade, para que possamos administrar nosso estresse e gerenciar a nossa ansiedade. Enfim, a academia de inteligência é uma escola para o desenvolvimento das funções mais complexas do intelecto e da emoção, já há mais de 30 mil alunos vivenciando a academia de inteligência e agora em Ribeirão Preto, montamos o primeiro centro mundial dessa academia. Há mais de 20 países interessados, vamos ter franquias no Brasil todo, onde as academias serão montadas para
  • 7. 7 que não apenas crianças e adolescentes, mas profissionais também, como os produtores rurais, possam ter a possibilidade de desenvolver qualidade de vida numa sociedade altamente estressante. Hoje, 50% das pessoas, cedo ou tarde, desenvolvem um transtorno emocional. Quem quiser ter acesso a academia de inteligência, pode consultar o site www.academiadainteligencia.com.br O telefone é (16) 3602-9430. Estamos super animados porque vamos aplicar isso também para os orfanatos do Brasil, gratuitamente. O objetivo é que as crianças que não tiveram pais tenham acesso a melhor educação e vamos exportar isso para muitos outros países para que os alunos e os adultos possam ter a oportunidade de ter saúde psíquica e uma mente brilhante. Como eu disse, numa sociedade altamente asfixiante pela informação excessiva e pelo excesso de preocupação, excesso de atividades. Revista Canavieiros: Alguns países mais desenvolvidos buscam atingir o conhecimento máximo. Quais os desafios que esses países vão enfrentar? Dr. Cury: Ter conhecimento objetivo não quer dizer ter maturidade psíquica. Países nórdicos, que tem excelência educacional, como a Suíça, Noruega e Dinamarca, os índices de suicídio são muito altos, os índices de depressão também são altos, as doenças psicossomáticas se afloram e as relações são frágeis e falta troca de experiência. Raramente um pai tem coragem de falar das suas lágrimas para levar os seus filhos aprenderem a chorar as deles. Raramente os professores falam dos seus fracassos para que seus alunos entendam que ninguém é digno do pódio se não utilizá-los para alcançá-lo. Então essa educação que é o padrão mais excelente do conhecimento não tem sido o padrão mais excelente da qualidade de vida emocional, intelectual e interpessoal. Para desenvolver essas funções, estamos preconizando uma compleição mais profunda do funcionamento da mente e do proces- so de construção de pensamentos, do processo de formação de pensadores. Entre essas funções está a capacidade de pensar e agir, outra delas é a capacidade de se colocar no lugar dos outros, outra fundamental é a capacidade de trabalhar perdas, frustrações e decepções, porque drama e comédia cedo ou tarde atinge a nossa história, aplausos e vaias farão parte da nossa historicidade, e é possível escrever os capítulos mais importantes da nossa história nos momentos mais difíceis da nossa vida. Então estamos também tentando contribuir com esses países para que possamos ter uma educação mais nobre, mais profunda, mais inteligente, capaz de levar as pessoas a pensar como espécie e não como grupos sociais apenas, não como grupo religioso apenas, ou cultural, acadêmico, científico e nem racial, mas pensar como espécie, ter um caso de amor com a nossa história e ter um caso de amor com a humanidade para vivermos dias mais felizes, solidários e generosos. RC Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 8. 8 Coluna Caipirinha Joga pedra na Gení... O mês: este último mês de abril foi muito danoso ao agro brasileiro. Por conta das confusões do código florestal, um conjunto muito bem orquestrado de pessoas, vindas de organizações nacionais, internacionais e parte da imprensa sem muito preparo conseguiu atrelar a imagem de desmatador ao agricultor brasileiro, em parte da nossa população. Um verdadeiro apedrejamento, que me lembrou a música título da coluna caipirinha deste mês. Agricultura virou a Gení, boa de apanhar, boa de cuspir. Usando-se do argumento que o novo código será grande estimulador do desmatamento, a campanha “Veta Dilma” ganhou apoio de pessoas públicas, desde políticos, artistas, universitários, caindo nas graças da população. Vetar por vetar. A ligação com o agro foi imediata. Uma pena, mas é inegável a capacidade de dano, de apedrejamento, que estas pessoas midiáticas têm. Se engajam facilmente nestas causas, de maneira unilateral e muitas vezes superficial. Chego a pensar que seu universo está apenas restrito ao festivo e maravilhoso circuito Barra da Tijuca/ Leblon, Galeão/Charles de Gaulle. Seria legal inserir Chapecó, Itápolis, Lucas do Rio Verde, Luís Eduardo Magalhães, Balsas ao circuito cultural deste pessoal, visando ampliar seus horizontes e mostrar de onde vem o Baby-Beef, o suco de laranja, o galetinho, a saladinha que eles comem e as enormes dificuldades dos produtores para produzi-los em excedente, exportar e trazer US$ 100 bi ao Brasil, para possibilitá-los importar e usar celular, carro importado, tablets, vinhos e outros mais. Agronegócio e a meta dos US$ 100 bilhões em exportações em 2012: Apesar da queda nas exportações no mês de abril, o valor exportado acumulado no ano (US$ 26,4 bilhões) aumentou 2,5% quando comparado o mesmo período de 2011 (US$ 25,8 bilhões), o que contribui para um saldo positivo de US$ 20,8 bilhões na balança (2,4% maior que o mesmo período em 2011). Economia: novo alento ao agro brasileiro vem da desvalorização do real. Neste momento onde termino a coluna US$ 1 beirou a R$ 2. Os efeitos ao agro e a cana são positivos, pois as exportações de açúcar geram mais renda em real compensando um pouco o preço internacional mais baixo, a pressão para aumento no preço da gasolina fica maior, o etanol americano fica mais caro. Qual o problema principal? O dragão da inflação volta forte. O ideal seria estacionar entre 1,90 e 2,00 e o Governo ir promovendo as reformas que possibilitarão a redução de tributos. Pessoas Canavieiras: momento emocionante participar como palestrante do evento de 20 anos do Grupo Fitotécnico de cana, um maravilhoso exemplo de ação coletiva, compartilhando conhecimento. Dividir o palco com o Augusto Cury e falando para tanta gente de primeira, cientistas que estão fazendo o possível e o impossível pela cana foi inesquecível. Quero homenagear a todos nos nomes do querido Prof. Casagrande e do Marcos Landell. Aprendizado de Viagem: este mês viagens interessantes, destaco o bate papo com Diretores e fornecedores da Copercana e Coplana em Orindiúva, Revista Canavieiros - Maio de 2012 Marcos Fava Neves sentindo os problemas, e também uma apresentação e debate com 25 companhias agrícolas que manejam já quase 4 milhões de hectares no Brasil. É a nova super-agricultura empresarial, concentrara, especializada e globalizada. Mercado de Cana:começou uma safra mais alcooleira (quase 60%) e com ATR mais de 5% maior. Além disto, a UNICA divulgou as estimativas do Centro-Sul, 509 milhões de toneladas de cana (3% a mais). Produziremos 21,5 bilhões de litros de etanol (5,7% a mais) e 33,10 milhões de toneladas de açúcar (8,5% a mais). Arrisco dizer que será um pouco mais alcooleira até o final. O triste é que vamos mais uma vez perder participação no mercado internacional do açúcar. Haja limão: com apenas duas novas unidades industriais previstas para serem inauguradas nesta safra, vale a pena até convidar e ter a presença da Presidente e de diversos Ministros. Duas novas unidades... Que enorme perda de oportunidade a toda a sociedade brasileira. RC Até a próxima! MARCOS FAVA NEVES é professor titular de planejamento e estratégia na FEA/USP Campus Ribeirão Preto e coordenador científico do Markestrat.
  • 9. 9 Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 10. 10 Ponto de Vista Sanciona Dilma. Em respeito aos poderes da república. *Juliano Bortoloti P rezados leitores, sob o enfoque do profissional das ciências jurídicas e sociais, venho acompanhando a (in)aplicabilidade do Código Florestal há mais de 15 anos e, para entender a resistência da maioria dos produtores rurais em cumprir suas normas, me detive ao estudo da legislação florestal pátria, onde pude concluir que esta foi elaborada, principalmente nas últimas décadas através de medidas provisórias da alcunha do Poder Executivo, desatrelada ao histórico da ocupação territorial brasileira. Esta falta de sintonia entre a ocupação territorial perpetrada no Brasil e as normas ambientais de proteção da flora, forçou com que a minoria afetada por elas, no caso os produtores rurais, solicitassem de forma desesperada adequações legislativas visando corrigir estas distorções, batendo à porta do Congresso Nacional, poder da república originário e legítimo para tal pleito, pois parte da sociedade estava a impor-lhes injustamente a pecha de criminosos ambientais pelo simples fato de produzirem onde sempre foi permitido. Aprovado recentemente o projeto de lei que cria o Novo Código Florestal por ampla maioria nas duas casas legislativas (Senado e Câmara), corrigindo parcialmente este descompasso, foi enviado à sanção da presidenta Dilma, que tem até o dia 25/05/2012 para sancioná-lo, vetá-lo total ou parcialmente (desde que justificadamente). Vem agora alguns radicais – eles existem em todos os setores – solicitar que à representante máxima do Poder Executivo vete integralmente o texto elaborado pelo Congresso, pois nos seus entenderes, (1) há retrocesso ambiental, (2) não houve participação da comunidade científica, (3) foi fruto de “lobby”, (4) dentre outros inúmeros argumentos, que reputo inconsistentes, haja vista que o Congresso Nacional está debatendo isso há mais de 12 anos. O experiente professor, economista e ex-ministro da Fazenda, Agricultura e Planejamento, Antonio Delfin Netto, recentemente resumiu bem a questão ao dizer que “O mesmo fenômeno, num nível diferente, explica a enorme disputa que cercou o Código Florestal aprovado no Congresso. Um discurso de surdos. O lado mais vocal supostamente apoiado numa “ciência” duvidosa defendeu interesses difusos e nem sempre honestos como os patrocinados por algumas ONGs. O outro, com mais poder político no Congresso defendeu, sem sutilezas, seus interesses econômicos concretos. O Código tem pouco a ver com o aquecimento global e a tentativa de misturá-lo com a Rio+20 não ajudará em nada. Ele tem tudo a ver com o uso inteligente de nossos recursos naturais para continuarmos a construir uma economia sustentável e economicamente eficiente, mas não tem nada a ver com a anistia sugerida a quem, deliberada e maliciosamente, infringiu a lei vigente”. (Fonte: Valor Econômico) Revista Canavieiros - Maio de 2012 Juliano Bortoloti Advogado da Canaoeste Ao não aceitar o que fora decidido democraticamente por um Poder da República, vem agora diversas ONG’s utilizar-se de pessoas com visibilidade na mídia televisiva e boa inserção nas redes sociais, que sequer conhecem superficialmente do assunto em debate, engendrar um movimento para veto total do projeto de lei. Ora, esquecem que para isso ela terá que desrespeitar a forma de administração estatal estabelecida a partir da Constituição Federal de 1946, estendendo-se pelos textos de 1967 (com as alterações de 1969) e 1988, onde firmou-se a tradição de dividir-se tripartidicamente o Estado em Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, independentes e harmônicos entre si, solução atualmente prevista no art. 2º da Constituição da República. No Brasil, suas Constituições sempre determinaram esta estrutura governamental idealizada na Antiguidade pelo pensador Aristóteles, que dividiu as funções estatais em deliberativa, executiva e judicial. Maquiavel, no Século XVI, em sua obra “O Príncipe”, também participou da formação desta ideia, revelando uma França com três poderes bastante distintos: Legislativo (representado pelo Parlamento), Executivo (materializado na figura do Rei) e um Judiciário autônomo. No Século XVII, John Locke esboçou de
  • 11. 11 Assuntos Legais alguma forma a separação de funções no exercício do poder, ao propor a classificação entre funções legislativa, executiva e federativa. Todavia, só com Montesquieu se tem a Teoria da Separação de Poderes tal qual se conhece hoje, trazendo a indicação destes como sendo o Legislativo, o Executivo e o Judiciário, bem como a ideia de que estes poderes são harmônicos e independentes entre si, divisão esta sempre adotada nas Constituições do Brasil. Neste interregno, para nortear os pensamentos que devem prevalecer nesta questão, me utilizarei da lição de um grande jurista, filósofo e humanista, o saudoso mestre Miguel Reale, nos ensinando que o “valor ecológico”, a mais recente das “invariantes axiológicas”, é dos mais relevantes, mas deve subordinar-se às necessidades essenciais da pessoa humana, pois é em razão desta que se protege o meio ambiente e não em si e por si mesmo”. Então, afirmar que há a necessidade de vetar totalmente um projeto de lei sob a justificativa (1) da necessidade de mais tempo para se discuti-lo e, também, (2) que não foram ouvidos ou, se foram, suas sugestões não aceitas, nada mais é do que (1) assumir a culpa pela omissão ou (2) não aceitar a decisão da maioria, pois os legítimos representantes do povo o discutiram democraticamente durante mais de 12 anos. Entendendo haver falhas ou distorções no novo texto legal, que se utilize da via normal para sua correção, qual seja, provocação ao Poder Legislativo para legislar à respeito, jamais exigindo que o Poder Executivo o desrespeite e o ignore, pondo em risco a harmonia entre os Poderes da República, criando novo e odioso regime de exceção ferozmente combatido pela própria Presidente, em passado recente. *Advogado da Canaoeste – Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo QUEIMA DE CANA Procedimentos a serem adotados em caso de incêndio de origem desconhecida. E stimados produtores de cana-de-açúcar, inobstante as autorizações de queima de palha a serem obtidas junto à Secretaria do Meio Ambiente, os produtores de cana de açúcar podem sofrer autuações administrativas decorrentes de incêndios descontrolados, originados por terceiras e desautorizadas pessoas, que atingem os canaviais. Nesse caso, por precaução, deve o produtor de cana-de-açúcar buscar produzir o maior número possível de provas negativas, ou seja, àquelas capazes de demonstrar que o produtor rural não teve intenção de utilizar-se do fogo na lavoura atingida pelo incêndio. Provas essas que servirão em prováveis defesas administrativas e judiciais. Mais uma vez, venho enumerar alguns exemplos de provas que o produtor DEVE fazer: · Fazer análise da cana queimada para poder constatar que o rendimento industrial, medido em quilos de ATR, não está no ponto ideal, ou seja, a cana queimada não estava no seu nível de maturação máximo para ser colhida, não sendo justificável, portanto, o uso do fogo como auxiliar da colheita; · Pedir declaração da unidade industrial e ou prestadora de serviços que enviou o caminhão tanque (bombeiro), onde conste que o produtor assim solicitou para apagar um incêndio de origem desconhecida ocorrido em seu canavial; · Tirar fotos dos aceiros existentes na propriedade, bem como do não plantio em áreas proibidas de serem exploradas (abaixo das linhas de transmissão de energia elétrica, por exemplo), demonstrando com isso obediência à legislação pertinente; · Caso possua autorização, informar ao agente autuador, caso esse apareça, que não estava programada a queima, tanto que sequer efetuou as comunica- ções aos confrontantes e à Secretaria do Meio Ambiente; · Caso não possua autorização, informar ao agente autuante que não possuía interesse em utilizar-se do fogo em sua lavoura, tanto que sequer buscou referida autorização; · Demonstrar, através de fotos, testemunhas e laudo pericial, que a área queimada estava preparada para o corte mecânico, não justificando, portanto, o seu interesse em utilizar-se do fogo, assim como a correta área atingida pelo fogo. · Demonstração de que a queima na área ocorreu em um período inferior a 12 meses. Isso pode ser feito através de documento que comprove a data da colheita da área queimada na safra anterior, inclusive por meio da comunicação de queima feita à secretaria do meio ambiente. · Apresentação de laudo técnico, assinado por profissional habilitado, demonstrando a origem desconhecida do fogo ou a origem provocada por terceiros que poderá ser solicitado pelo Escritório Regional da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral – CATI (casa da agricultura), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento Estadual. · Apresentar o histórico da colheita mecanizada e/ou evolução desta nas última três safras. Portanto, estes são alguns exemplos de provas que o produtor rural deverá produzir em caso de incêndio acidental ou criminoso em sua propriedade, devendo, ainda, caso receba a visita de um Policial Ambiental ou agente ambiental, informar esses fatos para que sejam apostos no respectivo Boletim de Ocorrências ou Auto de Infração, além de procurar orientação jurídica adequada, onde o Departamento Jurídico da Canaoeste estará à inteira disposição do associado para defendê-lo nestes casos. RC Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 12. 12 Ponto de Vista Para onde os ventos sopram? *José Mario Paro F oi em maio de 2010, nesta revista, que escrevi sobre feiras agropecuárias. Na oportunidade, afirmei que as boas feiras são um termômetro do setor, balizando as tendências em curso. Escrevi que a Agrishow daquele ano de 2010 apontava claramente para duas direções: o aumento do tamanho, potência e automação das máquinas agrícolas e o incremento da agricultura de precisão. A Agrishow deste ano, recém realizada, esteve estupenda: em organização; número de expositores; variedade e qualidade de tudo que foi exposto; número de visitantes e, em especial, volume dos negócios realizados. As tendências do agronegócio, ali percebidas, acentuaram fortemente o que já se via na Agrishow 2010: a potência; o tamanho; a automação e a eficiência das máquinas expostas apontaram indubitavelmente para os grãos e para o algodão. Em particular, para as extensas propriedades dos estados de Mato Grosso, Goiás e da nova fronteira agrícola, a região denominada MATOPIBA: Maranhão, Tocantins, Piauí e Oeste da Bahia. A forte presença dos expositores de equipamentos para armazenagem de grãos e de agricultura de precisão reforçaram esta constatação. Formou-se, assim, um circulo virtuoso: grandes propriedades exigem equi- pamentos de alta performance e precisão que, dado ao investimento necessário, só se viabilizam nas grandes propriedades, onde a intensa utilização das sementes transgênicas completa o quadro. Em junho de 2010, visitei a região de Luiz Eduardo Magalhães, no Oeste da Bahia, onde me foi possível visualizar a aparentemente inexorável marcha desta estratégia da produção agrícola nas terras brasileiras. Todavia, causou-me estranheza, à época, o fato de não se ver gente. Andava-se; andava-se pelas imensas planícies e, de quando em vez, encontravam-se algumas máquinas trabalhando, todas grandes. Mas gente, só os operadores – poucos! E, recentemente, o ex-ministro da agricultura, engenheiro agrônomo, Roberto Rodrigues, fez a mesma constatação, em conceituada publicação: falta gente; falta o médio produtor nestas novas fronteiras agrícolas. Ao que ele acrescenta: são estas pessoas que formam e dão vida às cidades que estão nascendo e àquelas que nascerão, nestas regiões. Fato que poderá ser um contraponto negativo em meio à tanta grandiosidade. Não seria então, o momento certo para que as Cooperativas Agropecuárias; os Sindicatos Rurais e as Revista Canavieiros - Maio de 2012 José Mario Paro Associações de Produtores se mobilizassem para viabilizar núcleos de produção por lá (grãos, aves, suínos, etc.), levando os inúmeros pequenos produtores e suas famílias, que por aqui não tem mais perspectivas de progresso? Estas pessoas, tal como aconteceu com os pequenos produtores gaúchos em décadas passadas, que foram para o Mato Grosso, poderiam dar sequência ao histórico de gerações anteriores dedicadas à agricultura, possibilitando ainda que seus filhos continuassem na atividade, coisa que por aqui está cada vez mais difícil. Afinal, é para lá que os ventos estão soprando! Até uma próxima oportunidade.RC José Mario Paro é diretor adjunto da Canaoeste e conselheiro da Sicoob Cocred
  • 13. 13 Ponto de Vista Rio +20: A agricultura será a peça principal *Manoel Ortolan A Rio+20 - Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, vai acontecer 20 a 22 de junho de 2012, no Rio de Janeiro, 20 anos depois da primeira cúpula histórica no Rio de Janeiro em 1992, e 10 anos depois do encontro de Johanesburgo, em 2002. Ao contrário do que aconteceu em 92, onde a conferência tratou apenas do meio ambiente, a Rio+20 tem como objetivo principal debater o desenvolvimento sustentável e a segurança alimentar. Cerca de 50 mil pessoas são esperadas para participar da conferência, entre mais de 100 presidentes e primeiros-ministros, parlamentares, prefeitos, jornalistas, funcionários da ONU (Organização das Nações Unidas), executivos, líderes de ONGs (Organizações Não-Governamentais), acadêmicos e sociedade civil. O objetivo da conferência é assegurar um comprometimento político renovado para o desenvolvimento sustentável, avaliar o progresso feito até o momento e as lacunas que ainda existem na implementação dos resultados dos principais encontros sobre desenvolvimento sustentável, além de abordar os novos desafios emer- gentes. Os dois temas em foco na Conferência serão: a economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza; e o quadro institucional para o desenvolvimento sustentável. Sobre a economia verde, a referência óbvia às causas ambientais, o verde, nesse caso, representa o modelo almejado em que o uso dos recursos do planeta se dá de forma sustentável, sem riscos a espécies e ecossistemas, mas também sem inviabilizar o avanço dos negócios e o bem-estar social. Mas quando o assunto se refere a segurança alimentar, tudo se torna ainda mais complexo. A FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), estima que 925 milhões de pessoas passam fome no mundo, o que representa a média de 1 a cada 7 pessoas. Essa trágica realidade não nos dignifica como humanidade. Os gargalos para resolver a questão da segurança alimentar representam um desafio enorme. As desigualdades sociais, a seca em algumas regiões e os conflitos armados em países do Oriente Médio, por exemplo, estão entre as causas predominantes da insegurança alimentar. Produzir mais e com mais eficiência é de fundamental importância porque projeta-se que a população mundial será de cerca de 9 bilhões de pessoas em 2050. Para alimentar adequadamente essas pessoas, a produção deve crescer mais de 70%. E como fica o Brasil diante deste cenário que se desenha? A contribuição do Brasil para o futuro da segurança alimentar mundial é enorme. Falar em segurança alimentar é falar em agricultura e disso o Brasil entende. Manoel Ortolan Em meados de abril, o MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, divulgou um comunicado confirmando que o Brasil aumentou sua participação nas exportações mundiais de 1,36%, em 2010, para 1,44%, em 2011. Os dados foram obtidos da OMC - Organização Mundial do Comércio. Em 2011, o Brasil exportou o equivalente a US$ 256 bilhões, valor 27% maior do que o do ano anterior. Os alimentos, que estão entre os principais produtos exportados pelo País, tiveram participação importante na alta das vendas externas no ano passado. O café em grãos, por exemplo, registrou aumento de 54,3%, enquanto as exportações de soja cresceram 47,8%. No entanto, temos de nos preocupar, nesse momento, com a forma que o agronegócio brasileiro é visto pelos seus concorrentes no mercado internacional. Um dos meios é a participação em encontros e conferências mundiais como a Rio+20. Essa é uma ótima oportunidade para os nossos líderes governamentais apresentarem o agronegócio como ele é de fato e, com isso, desfazer alguns conceitos e levar a informação correta ao mercado internacional. Vamos torcer para que o bom senso fale mais alto na Rio+20! RC *presidente da Canaoeste – Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 14. 14 Notícias Copercana Copercana realiza reunião em Orindiúva A reunião contou com parceria da Syngenta e da Oricana Fernanda Clariano N o dia 26 de abril, a Copercana em parceria com a Syngenta e a Oricana (Associação de Fornecedores de Cana da região de Orindiúva), reuniu cerca de 50 fornecedores de cana e engenheiros agrônomos, no Teatro Municipal de Orindiúva, para uma reunião com o intuito de apresentar e difundir a cooperativa para os produtores rurais da cidade. A Copercana montou um escritório para atender os futuros cooperados em Orindiúva. O evento teve como convidado, Marcos Fava Neves- FEA/USP Campus Ribeirão – Coordenador Científico da Markestrat, que ministrou palestra sobre “O Cenário Atual e Futuro da Agricultura”. Estiveram presentes no encontro, o diretor da Copercana, Pedro Esrael Bighetti, o gerente comercial da cooperativa, Frederico José Dalmaso, o pre- Henrique (Syngenta), Frederico Dalmaso e Pedro Esrael Bighetti (Copercana), Roberto Cestari (Oricana) e Marcos Fava Neves (FEA/USP) sidente da Oricana, Roberto Cestari e o representante da Syngenta, Henrique Mourão, além de outros profissionais destas empresas. Após a reunião, um jantar de confraternização foi oferecido aos convidados no salão de festas municipal de Orindiúva. RC Pedro Esrael Bighetti falou ao público presente sobre os benefícios de fazer parte de uma cooperativa Revista Canavieiros - Maio de 2012 Filial da Copercana em Orindiúva
  • 15. 15 Notícias Sicoob Cocred Balancete Mensal COOP. CRÉDITO PRODUTORES RURAIS E EMPRESÁRIOS DO INTERIOR PAULISTA - BALANCETE - ABRIL/2012 Valores em Reais Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 16. 16 Revista Canavieiros - Maio de 2012
  • 17. 17 Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 18. 18 Notícias Canaoeste Canaoeste reinaugura escritórios em Viradouro e Bebedouro As filiais passaram por reestruturação para melhorar o atendimento aos associados Carla Rossini A Canaoeste reinaugurou 2 escritórios de atendimento aos associados nas cidades de Viradouro (dia 27 de abril) e Bebedouro (dia 8 de maio). As filiais passaram por uma completa reestruturação para melhorar o atendimento aos associados. “QueFachada do escritório de Viradouro remos atender nossos associados cada vez melhor e para isso montamos uma estrutura mais adequada e com mais conforto. Essas cidades são muito importantes para a Canaoeste e temos que oferecer toda a estrutura para os produtores rurais associados”, disse Luiz Carlos Tasso Júnior, diretor da Canaoeste. Em Viradouro, aproximadamente 60 pessoas, entre diretores, associados e autoridades compareceram ao café da manhã de reinauguração, entre elas, o prefeito municipal da cidade, Paulo Camilo Guiselini e a 1ª dama de Viradouro, Márcia Regina Mendes Guiselini; o presidente da Câmara Municipal, Edson Luiz Franco; os vereadores, Luiz Pedro Zanata e Sebastião Mantelle; o presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural de Viradouro, José Carlos Porcionato; o representante da CATI (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral) de Viradouro, Claudionor Gianelo; o venerável da Loja Maçônica União e Trabalho, Orival Zanqueta e o representante da Usina Virálcool, Fábio Tonielo. Já em Bebedouro, aproximadamente 40 pessoas, entre diretores, associados e autoridades compareceram ao evento. Fizeram uso da palavra, o diretor Luiz Carlos Tasso Júnior, que Fachada do escritório de Bebedouro Decerramento da placa reinaugural de Viradouro Decerramento da placa reinaugural de Bebedouro Luiz Carlos Tasso Jr. falou aos associados durante a reinauguração de Viradouro brevemente falou sobre o início da associação e também da satisfação de ver o escritório pronto para atender os produtores da região. O diretor adjunto da Canaoeste, José Mario Paro, aproveitou a oportunidade para relembrar o início e a importância do setor sucroalcooleiro no Brasil, principalmente Revista Canavieiros - Maio de 2012 para o Estado de São Paulo. Da mesma forma, o diretor da Copercana, Pedro Esrael Bighetti agradeceu a presença de todos e reforçou a importância dos serviços prestados pela Canaoeste na região de Bebedouro, assim como os serviços oferecidos pela Copercana e SicoobCocred.
  • 19. 19 Entre as autoridades presentes estavam a vereadora, Sebastiana Camargo; o representante da LDC Sev Bioenergia, José Nogueira dos Santos; o diretor da Coopercitrus, José Vicente Silva e os representantes da unidade Andrade do Grupo Guarani, Paulo Roberto Mantovani e Gustavo Guethi Manhani. Os diretores da Canaoeste, Paulo Canesin e Plácido Heitor Castro Boechat também participaram da reinauguração que teve um coquetel de encerramento.RC José Mario Paro destacou a trajetória da Canaoeste desde o seu início ao público presente durante reinauguração de Bebedouro o Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 20. 20 Revista Canavieiros - Maio de 2012
  • 21. 21 Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 22. 22 Revista Canavieiros - Maio de 2012
  • 23. 23 Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 24. 24 Revista Canavieiros - Maio de 2012
  • 25. 25 Notas Agronegócio na Escola Através do programa educacional, o ex-ministro Roberto Rodrigues realizou palestra para professores Carla Rodrigues O ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, esteve em Ribeirão Preto, no dia 13 de abril para proferir a palestra de capacitação dos professores das escolas municipais de Ribeirão Preto e região, que durante todo o ano de 2012 trabalharão com o tema agronegócio dentro da sala de aula. O evento foi realizado no Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio de Cana – IAC/Apta (Instituto Agronômico/Agência Paulista). Este ano estão participando do programa “Agronegócio na Escola” desenvolvido pela ABAG/RP (Associação Brasileira do Agronegócio de Ribeirão Preto) 25 municípios da região, 75 escolas e aproximadamente 120 professores, envolvendo mais de 14 mil alunos. Em 12 anos de realização, o programa já atingiu mais de 130 mil estudantes. O objetivo deste programa é mostrar aos professores a importância do agronegócio brasileiro, tanto para a economia do país quanto para a vida em sociedade para que eles transmitam isso aos alunos, tornando-se multiplicadores de informação e conhecimento. Roberto Rodrigues Na ocasião foi entregue o 1º Prêmio “Escola Destaque” referente aos trabalhos desenvolvidos nas escolas De acordo com Roberto Rodrigues, o país se urbanizou muito rapidamente e as pessoas perderam um pouco a memória da sua origem e para ele esta é a maior diferença entre o Brasil e os outros países. “Este é um país que nasceu agrícola, como qualquer outro país do mundo. Nenhum país nasceu industrial, começou com a agricultura, passando pela indústria e depois vieram os serviços, mas infelizmente, aqui no Brasil, as pessoas têm desprezo pelo setor, e isso acontece justamente por não saberem o que é o agronegócio e o que este setor faz pelo país”, disse. logia e também de gestão industrial, daí a importância da ABAG mostrar para os professores a existência da cadeia produtiva dentro do setor. “É necessário que todos saibam o funcionamento do processo de produção, que não é simplesmente plantar e colher. Tudo começa lá na prancheta do cientista, que evolui para o projeto e para a parte de insumos, sementes, máquinas, defensivos e serviços de crédito e seguro rural. Quando tudo isso estiver disponível, o agricultor pode plantar e colher. Depois a produção vai passar pelas etapas de armazenagem, embalagem, distribuição e exportação, sendo que o centro de todo este processo é a agricultura, pois sem ela não seria necessário ter adubo, semente, máquina, etc”, explicou Rodrigues. Durante sua palestra, o ex-ministro destacou que a agricultura é uma atividade de capital intensivo, de tecno- Na ocasião foi entregue o 1º Prêmio “Escola Destaque” referente aos trabalhos desenvolvidos nas escolas refe- rentes ao ano de 2011. A escola premiada foi a EMEF Prof.ª Maria Sylvia Traldi de Marco, que incentivou os alunos criarem projetos relacionados ao agronegócio através de boas práticas sustentáveis. “Através deste programa, nós, professores passamos a dar uma atenção maior ao assunto durante as aulas e começamos a mostrar para os alunos o que o agronegócio pode fazer por eles e principalmente o que eles poderiam fazer pelo agronegócio e a partir daí foram surgindo ideias sobre como concretizar aquilo que aprendiam em sala de aula, como por exemplo, o desenvolvimento de uma produção de aipim, desde o plantio até a comercialização e, além disso, criaram um blog para discutir as dúvidas e curiosidades entre eles”, disse Marídia Ferreira, professora responsável pelo programa dentro da escola. RC Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 26. 26 Reportagem de Capa Agrishow 2012: negócios realizados durante a feira superaram as expectativas A 19ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação, foi realizada em Ribeirão Preto, de 30 de abril a 04 de maio Carla Rodrigues 2 5% do valor do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro se deve a participação do agronegócio nacional, mas para atingir este número, os produtores cada vez mais buscam por tecnologias e serviços de crédito ideais para sua produção e principalmente para seu bolso. Estas ferramentas puderam ser encontradas na Agrishow - 19ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação, realizada em Ribeirão Preto, de 30 de abril a 04 de maio. Para a cerimônia de abertura oficial da feira, várias autoridades estiveram presentes para prestigiar a 3ª maior feira agrícola mundial. Entre elas estiveram o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, os ministros da Agricultura Pecuária e Abastecimento do Estado e do Esporte, Mendes Ribeiro Filho e Aldo Rebelo, respectivamente, a secretária de Agricultura do Estado, Mônika Bergamaschi, a presidente da CNA (Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil), Kátia Abreu, o presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, Barros Munhoz, o ex- ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado, Fábio Meirelles, além de deputados e lideranças do setor. Um dos grandes momentos da solenidade foi o anúncio feito pelo gover- nador sobre a concessão que consolida a feira por mais 30 anos na cidade de Ribeirão Preto. “A Agrishow tem casa própria pelos próximos 30 anos, já que esta é hoje a maior feira da América Latina e vai crescer ainda mais, e nada mais justo, depois de tanto esforço do estado, juntamente com a prefeitura de Ribeirão, do que ela permanecer aqui onde é a capital da indústria de máquinas agrícolas, da inovação, enfim, um importante centro do agronegócio”, aclamou o governador. Além deste, Alckmin assinou mais dois decretos, sendo eles: Projeto Estadual de Subvenção do Prêmio de Seguro Rural e o projeto estadual do Poupatempo do Produtor Rural, assim como a secretária de Agricultura do Estado, Mônika Bergamaschi, que assinou duas resoluções de sua pasta: a criação do Pró-implemento – permite ao produtor de financiar seu equipamento ou implemento pelo Banco do Brasil com juros subsidiados -, e as normas complementares do programa pró-trator. Revista Canavieiros - Maio de 2012 Este ano o cargo de presidente da Agrishow foi ocupado pelo empresário Maurílio Biagi. Para ele a feira traz vantagens para toda a cidade de Ribeirão Preto e região, tendo em vista que em 2011 a cidade teve uma movimentação econômica de R$ 150 milhões em 15 dias. Além disso, a feira aconteceu em um momento bom para o agronegócio brasileiro. “O milho e a soja estão bem, a cana-de-açúcar não está bem em relação à produção, mas na questão de remuneração está relativamente bem e esses são os carros chefes da feira. É a feira que teve mais crédito da história e com juros mais baixos. Acredito que esse foi um dos motivos que levou a feira a ter resultados excepcionais”, disse Biagi durante a coletiva de encerramento. Foram negociados R$ 2,15 bilhões, superando as expectativas dos organizadores Para receber as 780 marcas expositoras nacionais e internacionais foram necessários 360 mil m², sendo 210 mil m² de área de exposição estática, 2.250 m² de área para os pavilhões cobertos e 120 hectares dedicados a demonstrações de campo. Além dos 20 mil empregos que foram gerados diretos e indiretos durante a feira. Assim como no ano passado, a planta da
  • 27. 27 feira foi regionalizada para facilitar as visitações, concentrando os diferentes segmentos – aviação, irrigação, ferramentas, caminhões/ônibus/transbordos, máquinas para construção, agricultura de precisão, armazenagem, pecuárias, pneus e automobilístico - em uma determinada área. Os 152 mil visitantes que estiveram presentes durante os 5 dias do evento, puderam conferir os diversos setores que fizeram parte da feira como: agricultura familiar, centros de pesquisas, equipamentos de segurança, implementos agrícolas, sementes, veículos, ferramentas, máquinas agrícolas, fertilizantes e defensivos, armazenagem, peças, software e hardware, equipamentos para irrigação, entre outros. LANÇAMENTOS Durante a feira várias empresas apresentaram suas novidades. Tratores, colhedoras, aplicadores, sistemas de gestão e logística para a cultura canavieira e também para grãos, foram algumas das ferramentas que se destacaram na Agrishow 2012. Confira alguns lançamentos registrados pela Revista Canavieiros, que estava presente na feira com um estande para receber seus leitores. Manoel Ortolan, presidente da Canaoeste MakSolo A empresa MakSolo levou para a feira uma Distribuidora de Agroquímico, Calcário e Fertilizante, que realiza a aplicação a lanço de produto em pó através de uma cortina d’água, impedindo a deriva. Segundo Mateus Mar- José Mario Paro, diretor da Canaoeste rafon, da área de pesquisa e desenvolvimento da empresa, esta máquina possui uma barra de aplicação, que é levantada no momento da operação até a extremidade, criando uma cortina d’água que abafa este pó. “Quando o agricultor não está utilizando essa máquina para aplicar esses produtos a lanço, ele pode utilizá-la como pulverizador, porque ela tem uma capacidade de carga”, explicou Marrafon. A máquina tem capacidade de cinco toneladas, é considerada pequena, mas vem acompanhada por um software de agricultura de precisão, ou seja, atingindo uma agricultura de escala. Pensando no grande produtor, ela também pode ser desenvolvida com uma capacidade de até 20 toneladas. Luiz Carlos Tasso Jr. diretor da Canaoeste Massey Ferguson Carlos Eduardo Martinatti Neste ano, a Massey Ferguson levou para a Agrishow novidades nos tratores com alta potência e com grande quantidade embarcada. São dois modelos: a linha 8670 de 320 cavalos e a linha 8690 de 370 cavalos. Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 28. 28 Reportagem de Capa “Os tratores são para grandes áreas, mercado de grãos e o mercado canavieiro. O diferencial desse produto é a transmissão CVT (Transmissão Continuamente Variável), onde não há a troca de marchas, o trator fica constantemente engrenado, dispensando o uso das pernas para a embreagem”, explicou o coordenador de marketing de tratores, Carlos Eduardo Martinatti. Quando há a troca de marchas, ocorre um corte entre a transmissão e o motor. No caso destes tratores, como ficam em constante engrenamento é possível evitar desgaste no sistema, sempre aumentando a velocidade. te, usar menos equipamentos para fazer a sua safra”, disse Assis. Ainda são considerados tratores de tecnologia de ponta por possuírem câmbios de CVT, ou seja, sem escalonamento de marcha e, também, vem com piloto automático de série. Por meio de sinal de um satélite, o produtor mapeia primeiramente a área que vai trabalhar com o trator e através deste mapeamento o trator realiza suas funções automaticamente. logia veio para acelerar o desempenho da máquina, culminando numa operação mais segura e rentável”, explicou o gerente de contas estratégicas da John Deere, Marcelo Pimenta. Jacto John Deere Marcelo Pimenta Valtra Alexandre Vinicius Assis Também com novidades em tratores, a Valtra expôs seus lançamentos, os modelos S293, com 325 cavalos e o S353, que possui 375 cavalos, ambos fazem parte da linha CRS. São tratores importados para atender a demanda do setor canavieiro e de grãos. Por serem tratores de alta potência, são indicados para puxar implementos maiores, otimizando o trabalho no campo e aumentando a produtividade. De acordo com o gerente de marketing da Valtra, Alexandre Vinicius Assis, estes tratores são voltados para alguns segmentos específicos, no caso da cana, é usado durante a operação de preparo de solo, e na lavoura de grãos, pode ser usado tanto na preparação de solo quanto no plantio. “Ele permite puxar plantadeiras de até 40 linhas, então são grandes máquinas com alta capacidade, e isso com certeza, acelera o trabalho do produtor, que pode usar um trator e um implemento maior, e, consequentemen- Lançado em 2011, o trator 6180 da empresa John Deere, voltou a ser destaque na Agrishow deste ano. Com eixo de 3 metros e um sistema de freio pneumático que já vem de fábrica, é indicado para o preparo da cultura da cana-de-açúcar, que junto com uma colhedora faz um conjunto de colheita. Aliado a isso, a empresa também possui o sistema de agricultura de precisão, onde todos os equipamentos já saem de fábrica com o sistema de piloto automático. Na lavoura da cana, este sistema ajuda na eficiência, tirando da responsabilidade do operador muitas funções. “Este ano o mercado vai girar em torno de 900 a 1000 máquinas entre John Deere e os outros segmentos. Se considerarmos a quantidade de operadores que serão necessários para trabalhar com estas máquinas estamos falando de no mínimo 4 operadores por máquina, ou seja, 4.000 postos de trabalho. Hoje não temos este número de pessoas capacitadas, não existe um banco de profissionais já especializados para este novo mercado, então a tecno- Revista Canavieiros - Maio de 2012 Uma das novidades da feira mostrada pela empresa Jacto, foi uma máquina para aplicação de fertilizante sólido granulado na cultura canavieira. Além de toda tecnologia que já está embarcada no equipamento, como o corte de sessões, a aplicação numa área mapeada pode ser realizada através do controle via GPS, sendo assim, ao chegar ao fim do talhão, a máquina vai parando a aplicação automaticamente. Outra novidade desta máquina é a aplicação realizada via sensor de reflectância (sensor verde). Este sensor, como princípio, emite uma luz numa faixa de frequência e capta a sua reflexão ao incidir sobre as plantas, esta reflexão da luz medida tem uma forte correlação com o nível de nitrogênio da planta, permitindo sentir a sua deficiência. “Esta é uma forma de gestão de aplicação de fontes nitrogenadas bastante diferentes e mais eficientes. Devido a este sensor, é possível disponibilizar mais nutrientes nas áreas que precisam mais e menos nas áreas que precisam menos, ou seja, vai utilizar a dosagem de produto necessária. Também com este monitoramento, é possível identificar a melhor época de entrada na cultura da cana para fazer a aplicação, convertendo numa maior produtividade”, esclareceu o gerente de produtos da Jacto, Wanderson Tosta.
  • 29. 29 Case IH uma colheitadeira nossa, então ele passa a depender muito mais dessa máquina e o impacto dela parada é muito maior”, disse o responsável pela área de Serviços América Latina da Case, Rafael Miotto. - O principal lançamento de uma empresa agrícola é um serviço e não um produto. Foi pensando assim que a empresa Case IH lançou durante a Agrishow 2012 o sistema de atendimento a emergência Max Case IH, voltado para máquinas paradas no campo, que por algum motivo diminuíram seu desempenho, prejudicando a produção da lavoura. Vale ressaltar que as máquinas atendidas por este novo sistema são tops de linha, isto é, as máquinas de maior potência de cada linha. “A máquina trabalhando mais horas por dia ela se paga mais rápido e não tem perdas. Quanto mais tempo demora em colher, mais problema aparece. Se for uma usina de cana-de-açúcar será menos cana para a usina, se for um plantio, ele será realizado com atraso e isso irá prejudicar o produtor lá na frente. Nossos clientes são muito profissionais. Às vezes eles trocam três máquinas por Rafael Miotto Fábio Balaban - Na parte de lançamentos mais voltados para o mercado canavieiro, a Case levou para a feira os novos tratores Magnum, que foram remodelados com uma série de recursos que trazem benefícios para o setor, como os motores e transmissões eletrônicos. É um serviço de 24 horas, durante 7 dias na semana à disposição do cliente que compra o produto através da central de atendimento ou concessionária. Seu objetivo é garantir que a máquina volte a trabalhar o mais rápido possível, e para isso não existe limites, todos os recursos são colocados a disposição. O principal benefício é o aumento da disponibilidade operacional, que hoje é um conceito que os agricultores profissionais medem e valorizam muito, que é o tempo que a máquina está efetivamente disponível para trabalhar, colher e plantar, aumentando a produtividade e a rentabilidade. - Em relação à colhedora de cana, a Case desenvolveu para o ano de 2012 uma máquina que traz uma série de inovações e melhorias do produto, principalmente no que diz respeito ao uso e otimização do combustível. Everton Fim “Com a entrada deste novo modelo, conseguimos agregar um acessório, que se chama APM (Gestão Automática de Produtividade), que seleciona automaticamente a melhor e mais eficiente combinação entre marcha e velocidade do motor, ou seja, uma vez que escolheu a velocidade de deslocamento, ele vai trocar a marcha sozinho e tudo isso vai dosar sempre com a melhor situação possível de consumo de combustível. Com esse sistema conseguimos uma redução do consumo de combustível de até 24%”, explicou o especialista de marketing de produto da Case IH, Everton Fim. Já numa faixa de potência de trator específico que a empresa ainda não tinha, a novidade é a linha Puma, que são tratores de 195 a 210 cavalos. Esta linha vai trabalhar em preparo de solo, em plantio para puxar plantadoras de cana e transbordos. O diferencial desta linha é que já vem com um eixo dianteiro reforçado, próprio para atender as aplicações de cana que são mais severas. Assim como o Magnum, o motor e a transmissão também são eletrônicos. A máquina 2012 vem com um sistema de Smart Cruise, que é um software que trabalha diretamente na rotação do motor mediante a carga e demanda hidráulica que a máquina necessita. À medida que a máquina passa a colher em canaviais de baixa e alta produtividade, o uso desse combustível vai ser mediante a necessidade de todo sistema de colheita da máquina. Em canaviais de maiores produtividade, é preciso maiores rotações para garantir todo o desempenho que a máquina possui. Já em canaviais de baixa produtividade, a rotação de motores cai, sem interferir em nenhuma função específica de colheita da máquina. É simplesmente uma redução da rotação para configurar o menor consumo de combustível, de acordo com aquilo que o canavial exige. “Sabemos que a produtividade por hectare de cana-de-açúcar vem caindo ao longo dos anos, hora por fatores climáticos, hora por falta de investimentos no cultivo da cana. Então nossa máquina tem a versatilidade de atender a demanda do mercado, além disso, tem um melhor desempenho no circuito hidráulico, pois possui um radiador extra de óleo e também um bloco hidráulico no sistema duplicador de maior vazão, dissipando o maior e aumentando a vida útil dos componentes”, explicou o especialista de marketing de produtos para colhedoras de cana da América Latina, Fábio Balaban. Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 30. 30 Reportagem de Capa Embraer são o baixíssimo custo operacional e o menor impacto ambiental. Uma das grandes vantagens deste avião a etanol é com relação ao custo, uma diferença que é de aproximadamente 30% menor. Além disso, o uso do etanol como combustível também proporciona 7% a mais de potência no avião, o que significa maior rendimento, maior capacidade de carga e flexibilidade para o cliente. A Embraer (Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A) esteve presente na Agrishow 2012 apresentando o programa Ipanema, mais especificamente o avião, que é o primeiro e único avião do mundo que utiliza o etanol como combustível. Suas principais características tivo, então se conseguirmos bater nossa meta de 60 aeronaves este ano estaremos de acordo com as perspectivas da empresa”, comentou Carreto. De acordo com o gerente comercial Embraer – programa Ipanema - , Flávio Bertoldi Carreto, em 2011 foram concluídas 58 vendas do modelo ao longo do ano e para 2012 a meta é equilibrar este número. “Se compararmos com o ano de 2010 quando vendemos 40 aeronaves, tivemos um crescimento muito significa- Este crescimento se deve a conscientização dos produtores de que o avião é uma solução versátil, rápida e que não provoca amassamento na lavoura. O avião Ipanema é largamente utilizado nas culturas de soja, milho e algodão. Já no Estado de São Paulo, as culturas predominantes são cana-de-açúcar, café e arroz. Ainda há culturas em testes, que o estão utilizando cada vez mais, como a batata e o feijão, além, evidentemente, das culturas de citros e eucalipto, que até pelo próprio porte da cultura, obrigatoriamente tem usado o avião como seu meio de pulverização, quer seja de produtos sólidos, quer seja de produtos líquidos. principais fins deste tipo de energia é o suprimento de eletricidade para demandas isoladas da rede elétrica. “Se fizermos uma análise podemos constatar que ¼ de toda a força energética nacional é gerada através da cana-de-açúcar. Isso quer dizer que, mais do que nunca, o agronegócio já está ligado à sustentabilidade”, afirma o responsável pelos projetos de biomassa desenvolvidos pela New Holland, Samir de Azevedo Fagundes. a palha permanece exposta ao tempo por um período de até dez dias para que seque. Quando o material estiver com cerca de 10% de umidade é feito o aleiramento, que reúne a palha em linhas (leiras). Em média, há cerca de 150 quilos de palha seca para cada tonelada colhida, o que totaliza, aproximadamente, 15 toneladas de palha por hectare por ano, dos quais são retirados do campo de 50-60%, de acordo com as condições edafo-climáticas do local. “Estamos caminhando para um cenário de colheita 100% mecanizada, sem queima, então é fundamental o aproveitamento da biomassa na geração de energia”, afirma Fagundes. Segundo dados da UNICA - União da Indústria da Cana-de-Açúcar, a estimativa é que em aproximadamente 10 anos a bioeletricidade gere energia equivalente a 3 usinas Belo Monte. Os investimentos para produção de bioeletricidade também são mais baixos: de acordo com a ANEEL, o processo de geração de bioeletridade é R$16,65/MWh mais barato do que a produção energia hidrelétrica. Após o acúmulo da palha em leiras, uma enfardadora BB9000 acoplada ao trator passa recolhendo o material e fazendo os fardos. Chamados de “gigantes”, cada um tem cerca de 2 metros de comprimento e 450 quilos. Por último, a carreta recolhedora de fardos encaminha o material para o ponto de carregamento, de onde seguem para a usina. New Holland Unindo o conceito de biomassa ao agronegócio, a New Holland está aplicando no Brasil um projeto que permite gerar energia sustentável através da palha da cana-de-açúcar. Desenvolvido em parceria com o CTC - Centro de Tecnologia Canavieira, o projeto busca utilizar a palha da cana-de-açúcar (gerada na colheita mecanizada) para produção de energia. A pesquisa, baseada na aplicação da enfardadora BB9000 da New Holland, está sendo desenvolvida desde maio de 2010 e já apresenta resultados favoráveis. O CTC realiza diversos estudos nesta área há mais de 40 anos e representa mais de 60% das indústrias do setor sucroalcooleiro. A utilização de biomassa na geração de energia por sistemas de co-geração vem crescendo ano após ano. Um dos O processo se divide em uma série de etapas, começando pelo acúmulo da palha gerada após a colheita mecanizada da cana-de-açúcar. Após a colheita, Revista Canavieiros - Maio de 2012 Fagundes ressalta que a Agrishow 2012 foi a primeira oportunidade que o cliente teve para conhecer de perto todas as máquinas que compõe a solução agrícola do recolhimento de palha: o Aleirador H5980, a enfardadora BB9080 e a carreta acumuladora de fardos PT2010. RC Fonte: Assessoria de Imprensa da New Holland
  • 31. 31 Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 32. 32 Informações Setoriais Chuvas de abril e Prognósticos Climáticos de junho e julho 2012 Chuvas anotadas durante o mês de abril de 2012 Engº Agrônomo Oswaldo Alonso Técnico Agronômico da Canaoeste A média das chuvas anotadas durante o mês de abril (88mm) “ficou” ligeiramente acima da média das normalidades climáticas de todos os locais informados (75mm). Chuvas acima das normais climáticas ocorreram em Barretos, C.E. Moreno, LDCSEV MB e Santa Elisa e Usina Ibirá; enquanto que, bem abaixo, na Fazenda. Santa Rita, CATI Franca e São Simão e Centro Cana IAC, evidenciando, como nos cinco meses anteriores, a irregularidade de distribuição das chuvas. O Mapa 1 mostra, pela “colcha de retalhos” a tamanha dispersão e irregularidades das chuvas que vem ocorrendo no estado de São Paulo. Não fosse a estreita faixa de baixa Disponibilidade de Água no Solo no Oeste do Estado, permitiria dizer que as posições de acumulados de Água no Solo, aos finais de abril de 2011 e 2012, ficaram invertidas. Durante a segunda quinzena de abril de 2012 foram se acentuando as condições críticas de água no solo nas regiões Nordeste do Estado de São Paulo e faixa entre Ca- Mapa 1:- Água Disponível no Solo entre 16 a 18 de abril de 2012 Revista Canavieiros - Maio de 2012 tanduva e Bauru; como também, persistia baixa umidade no solo no extremo Oeste, que não se prolongaram, graças às chuvas do finalzinho do mês. Para subsidiar planejamentos de atividades futuras, a Canaoeste resume o prognóstico climático de consenso entre Mapa 2:- Água Disponível n
  • 33. 33 INMET-Instituto Nacional de Meteorologia e INPE-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais para os meses de abril a junho, conforme mostrado no Mapa 4. • Para os meses junho e julho, prevê-se temperaturas médias próximas das respectivas médias históricas para os estados de Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso e Rio de Janeiro. Idem, para os estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Região Sul do Brasil; entretanto, com possibilidade de ocorrências de quedas acentuadas de temperatura. Sem, ainda, poder assinalar ocorrência de geada, a não ser nos estados sulinos; • O consenso INMET-INPE assinala que, durante o mesmo período, poderá ocorrer iguais probabilidades de chuvas de abaixo a acima das respectivas médias históricas em toda área sucroenergética da Região Centro Sul, exceto na área amarela do Mapa 4-Sul do Brasil e a faixa litorânea nordestina, onde está previsto ficar abaixo das respectivas normais climáticas; • Como referência de normais climáticas para Ribeirão Preto e municípios vizinhos, pelo Centro de Cana-IAC, as médias históricas de chuvas são: 25mm em junho e julho. no Solo ao final de abril 2011 Por sua vez, a SOMAR Mapa 4:- Adaptação pela CANAOESTE do Prognóstico de Meteorologia, com a qual a Consenso entre INMET e INPE para o bimestre junhoCanaoeste mantém convênio, julho de 2012. Este prognóstico difere do anterior, apenas prevê que para esta região na faixa litorânea - sul da Bahia ao Rio Grande do Norte. poderá ocorrer (para a época) bom volume de chuvas no início de junho, além do que já pode ter ocorrido neste final de maio e, como havíamos assinalado em edições anteriores (“E, repetindo, com possível surpresa para julho, que será revisada em meses mais próximos”), significativas chuvas poderão acontecer durante julho. A SOMAR Meteorologia prevê, ainda, com exceção de agosto, que este inverno (julho e setembro) poderá vir a ser semelhante ao de 2009. Logo, mantém-se previsão de que não haverá escassez de evitar também pisoteios, perdas de cana chuvas (mas possivelmente, até exce- e de sua qualidade. dentes) nos meses que se seguem. Estes prognósticos serão revisados na Face estas previsões climáticas para Revista Canavieiros. Os prognósticos ou estes próximos meses e à elevada de- fatos climáticos relevantes serão noticiamanda por matéria-prima (cana), a dos em nosso site www.canaoeste.com.br. Canaoeste recomenda muitas atenções aos produtores para que evitem matoPersistindo dúvidas, consultem os -competição, (controláveis) danos por Técnicos mais próximos ou através do pragas. E, por ocasião das colheitas, Fale Conosco Canaoeste. RC Mapa 3:- Água Disponível no Solo ao final de abril de 2012. RC Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 34. 34 Artigo Técnico Orientação do uso de defensivos agrícolas O Defensivo Agrícola necessário a produção é tratado no Brasil por forma de lei (Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1.989) como agrotóxico. Antonio Carlos Cussiol Junior; Daniela Aragão Santa Rosa; Danilo Fonseca Mazoni – agrônomos da Canaoeste O s agrotóxicos são produtos químicos utilizados rotineiramente na agricultura convencional para controle de plantas invasoras, pragas e doenças. Por serem tóxicos ao homem e ao meio ambiente, devem ser manuseadas com o máximo cuidado, em todas as etapas de utilização, desde seu transporte até a propriedade, o armazenamento, o preparo da calda, a utilização, a deposição dos resíduos de calda e a lavagem e a devolução de embalagens. Todo agrotóxico apresenta risco para saúde e para o meio ambiente, mas existem diferentes graus de toxicidade, que é dado pela classe toxicológica do produto, indicada pela cor impressa na embalagem. Utilizados na agricultura a partir do final dos anos 40, os agrotóxicos proporcionaram aos agricultores um considerável aumento de produtividade. Mas logo os efeitos danosos foram percebidos, pelo uso indiscriminado, armazenamento e descartes de embalagens vazias de forma inadequada. De acordo com a Andef (2001) Lei Federal nº 9.974 e Decreto nº 4.074 de 04/01/2002, a obrigatoriedade do destino final seguro das embalagens vazias de agrotóxicos e afins, é de responsabilidade dos usuários, comerciantes, fabricantes e poder público. Para disciplinar a destinação segura desses resíduos a nova legislação brasileira de agrotóxicos determina responsabilidade de todos os segmentos. A fiscalização fitossanitária tem estado presente em diversas regiões, com aplicações de multas para aqueles que estão fora das normas. Alguns produtores já foram autuados por falta de informação e conhecimento, o que preocupa a todos os envolvidos nesta cadeia de produção, pois gera um impacto negativo diante da opinião pública. É importante que haja uma fis- Depósito de armazenamento de defensivos agrícolas da Copercana calização de caráter educacional, com troca de informações entre as partes envolvidas. Pensando nisso, a Canaoeste resolveu orientar produtores e aplicadores dos cuidados necessários durante todas as etapas de uso dos defensivos agrícolas, desde sua aquisição até a devolução das embalagens. Aquisição do Produto A aquisição do produto deve ser precedida de uma avaliação da real necessidade de sua aplicação, por um engenheiro agrônomo ou florestal, que emitirá a receita adequada para cada caso específico, que deverá conter as orientações quanto ao uso e à dosagem a ser utilizada, época de aplicação, cultura indicada, período de carência e forma adequada de disposição das embalagens vazias, assim como os cuidados de proteção ao aplicador e ao meio ambiente. Na aquisição, é preciso verificar se a embalagem está perfeita, com o rótulo totalmente legível, se o produto não Revista Canavieiros - Maio de 2012 está vencido ou se o prazo de vencimento não está muito próximo. Transporte O transporte quando realizado pelo agricultor, também deve ter cuidados: carregar na carroceria, não transportando juntos com alimentos ou pessoas; o transporte acima da quantidade isenta, exige que o motorista seja profissional e que tenha o curso para transporte de produtos perigosos. Em pequenas quantidades é recomendado o transporte em caminhonetes, onde os produtos devem ser cobertos por lona e presa a carroceria. Deve organizar as cargas e manter em ordem o Kit de emergência, documentos do carro, nota fiscal e receituário agronômico. O veículo para transporte dos produtos deve estar em perfeitas condições (luz, freio, pneus, etc). Armazenamento Cuidados do local de armazenamento: devem ser distante de residências, hospitais, fontes de água e circulação de pessoas, com permissão da entrada de pessoas autorizadas. Deve ter um
  • 35. 35 local exclusivo para os produtos e EPI, separando por classes (herbicidas, fungicidas, inseticidas), o local deve permitir a circulação de ar, sem vazamentos e infiltrações, deve ser coberto, com portas. Não deixar em local aberto, de preferência fazer prateleiras por classes e não deixar em contato com o chão, e indicando na porta de entrada uma placa: PERIGO, VENENO. Utilização Ler atentamente as instruções da receita agronômica, da bula do produto e folheto complementar. Regular corretamente o equipamento de aplicação. A pulverização deve ser feita nas horas mais frescas do dia e sempre a favor do vento, usando o equipamento de proteção individual (EPI) desde o preparo da calda até o final da aplicação. No momento da aplicação não deverá permanecer pessoas desnecessárias, nem crianças. A lavagem das embalagens vazias é uma prática feita no mundo inteiro para reduzir os riscos de contaminação de pessoas, proteger o ambiente e aproveitar o produto. Tríplice lavagem Esvazie o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador; adicione água limpa à embalagem até ¼ do seu volume; tampe bem a embalagem e agite-a por 30 segundos; despeje a água de lavagem no tanque do pulverizador; faça esta operação 3 vezes; inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo. Menores de 18 anos, gestantes e idosos não podem manusear ou aplicar agrotóxico. É proibido por lei. Respeitar o período de carência e o período de reentrada na lavoura. O uso de EPI é obrigatório durante o manuseio e aplicação de agrotóxicos, pois protege o trabalhador contra o risco de intoxicação. Exemplos: luvas e avental impermeáveis, máscaras, óculos, camisas de manga compridas e calças tratadas com produto repelente à calda tóxica. Devolução de embalagens A legislação determina como responsabilidade do usuário do agrotóxico, o preparo das embalagens vazias para devolvê-las e comprovar a devolução nas unidades de recebimento. Aos revendedores compete receber e armazenar em local seguro, de acordo com a legislação estadual específica, as embalagens devolvidas pelos usuários. Os fabricantes têm a obrigação de providenciar o recolhimento nos locais onde foram devolvidas, bem como dar destino final as embalagens vazias. O período previsto para o armazenamento das embalagens na propriedade é de um ano, a partir da data de aquisição do produto. Entretanto, se o usuário não utilizou todo o conteúdo e este ainda se encontra no prazo de validade, a devolução poderá ocorrer em até 6 meses após vencimento da validade. O usuário quando transportar as embalagens para devolução deve levá-las com suas respectivas tampas, para a unidade de recebimento. Ao entregá-las, exigir os comprovantes de entrega das embalagens, os quais deverão ser mantidos junto com a nota fiscal de compra do produto e o respectivo receituário agronômico, à disposição dos órgãos de fiscalização. Responsabilidades previstas na legislação Todos os procedimentos fazem parte da Legislação com a Lei nº7.802 11/07/1.989 que foi substituída pelo Decreto 4.074 de 04/01/2012 que tem normas para aquisição, transporte, armazenamento, manuseio e devolução de embalagens de agrotóxicos A NR – 31 Norma Regulamentadora 31 do Ministério do Trabalho diz que o empregador rural ou equiparado deve fornecer equipamentos de proteção individual e vestimentas adequados aos riscos, que não propiciam desconforto térmico prejudicial ao trabalhador. Para melhor segurança e prevenção, o aplicador deve estar munido sempre do certificado do treinamento e do re- Foto: Divulgação Inpev ceituário agronômico dos produtos que estiver usando, com as especificações dos cuidados necessários que deve estar assinado por um engenheiro agrônomo. O empregador tem por responsabilidade fiscalizar se o empregado esta usando os equipamentos de proteção. O não cumprimento acarreta em responsabilidades para ambas as partes. O empregador poderá ser multado e responder civil e criminalmente, e o funcionário poderá ser demitido por justa causa. Campanha do Governo de São Paulo A Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo, representada pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária e Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, junto com a Secretaria do Meio Ambiente (CETESB), a Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP) e outras entidades como ANDAV, OCESP, SESCOOP/ SP e INPEV criou o Grupo de Trabalho Interdisciplinar de Destinação Final de Agrotóxicos (GT) para organizar o descarte de agrotóxicos que não são utilizados nas atividades agrícolas do Estado de São Paulo. Para dar uma solução a esse problema mundial sem risco de multa, declare os resíduos de BHC, DDT, entre outros, que estão em sua propriedade rural no Estado de São Paulo até a data de 24/07/2012. Os associados da Canaoeste podem procurar a orientação dos agrônomos caso tenham dúvidas.RC Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 36. 36 Artigo Técnico Sorgo Sacarino: a bola da vez Jair Rosas da Silva, engenheiro agrônomo do IAC / Centro de Engenharia e Automação O sorgo é planta originária da África, tendo sido introduzido no Brasil por volta de 1850, sendo as principais regiões produtoras situadas nos Estados de Goiás e Minas Gerais. Em regiões da África é usado como alimento humano, bem como no sul da Ásia e na América Central. Nos Estado Unidos, Austrália e América do Sul constitui importante base da alimentação animal. industrial, pode ser empregada na alimentação de bovinos, suínos e aves. O sorgo granífero é o mais cultivado no mundo inteiro. O sorgo sacarino ou Sorghum bicolor (L) Moench tem sido objeto de plantios experimentais no Brasil e no exterior com o objetivo de estender o período de operação industrial de usinas e destilarias e, por essa razão, o sorgo sacarino ser considerado no Brasil uma cultura complementar à cana-de-açúcar para a produção de etanol. Os colmos do sorgo sacarino contêm entre 33-40% de ATR, portanto de conteúdo semelhante ao da cana-de-açúcar. Por essa razão, tal quantidade tem condições de ser conduzida à esteira de moagem, passar por processo fermentativo e produzir etanol de forma econômica, de modo idêntico à cana-de-açúcar. Plantio experimental de sorgo sacarino, visando à produção de etanol, foi realizado pelo grupo industrial Cerradinho na Usina Porto das Águas, em Chapadão do Céu, Estado de Goiás. O experimento abrangeu área de 1.800 hectares, obtendo a produção de 25 t/ha de biomassa, gerando 35 litros de etanol por tonelada. Aduzem que, para a produção ser econômica, devem ser produzidos 60 t/ha de biomassa e 50 litros de etanol por tonelada. O sorgo sacarino apresenta as vantagens do ciclo curto, de cerca de quatro meses, de efetuar o plantio por sementes, sistema mais rápido e barato que o modo vegetativo usado pela cana, a possibilidade de colheita parcial dos grãos ou integral, usando as mesmas máquinas e veículos de colheita da cana, incluindo transbordos de tipos variados, veículos e caminhões-oficina, de apoio e bombeiro. Usa também as mesmas instalações de processamento industrial da cana-de-açúcar para obtenção de etanol. Após passar pelo processo de industrialização, na forma de bagaço, o material fibroso tem condições de ser empregado como combustível na alimentação de caldeiras, produzindo o vapor necessário para consumo nas diversas operações industriais ou produzir energia elétrica por cogeração. A biomassa do sorgo, além do uso A semeadura do sorgo é realizada de novembro a dezembro. Conforme a cultivar, o ciclo vegetativo varia entre 105-120 dias e a colheita é efetuada em março ou abril. Em 2011 foi realizado na República Dominicana plantio experimental comparativo entre as culturas de sorgo sacarino e cana-de-açúcar, esta tradicional no País, usando espaçamento duplo no sorgo de 0,50x1,20 m, irrigado pelo sistema em sulcos. O custo de produção em plantio direto foi R$1.400/ha, idêntico ao da cana nas condições locais. A velocidade usada na colheita foi de 6,5 km/h. A capacidade operacional foi 0,66 ha/h e o custo, de R$900/ha. A produtividade do sorgo esteve compreendida entre 43-50 t/ha e, a da cana, de 82,4 t/ha. Informe aduz que o período de colheita do sorgo é muito curto, de cerca de 30 dias e que a colheita efetuada fora da época resulta em perda de qualidade do produto. A densidade do produto de colheita do sorgo mostrou ser cerca de 30% menor que o da cana, representando o custo de R$12,00/t, sem considerar a depreciação de equipamentos. O custo unitário de colheita do sorgo foi R$24,00/t e o da cana registrou R$21,00/t. Revista Canavieiros - Maio de 2012 O ATR do sorgo foi de 112 Kg/t, ao passo que a cana apresentou 140 kg/t. Do ponto de vista industrial, por ser alto o índice de açúcares redutores, o sorgo sacarino é próprio para produção de etanol. O custo de produção do etanol, de R$0,94/litro, revelou ser ligeiramente abaixo do da cana, este de R$1,00/l. A conclusão desse estudo experimental é que a cultura do sorgo sacarino agrega cerca de 6% ao lucro da cultura de cana-de-açúcar, podendo assim ser considerado como atividade complementar à cana para a produção de etanol, contudo sem a intenção de substitui-la. Tem a vantagem de reduzir o período de entressafra da cana e a ociosidade das usinas, além de aumentar o período de fornecimento de energia elétrica devido ao prosseguimento na alimentação de caldeiras usadas na cogeração. De um modo geral, em todos os plantios experimentais relatados, as principais pragas da cultura do sorgo sacarino foram as seguintes: a) Lagarta Spodoptera, no início do ciclo vegetativo; b) Lagarta do cartucho, que ataca outras gramíneas, como o milho; c) Lagarta Agrotis, que atua principalmente na emergência das plântulas; d) Broca Diatraea, atacando da floração a colheita; RC (continua na próxima edição)
  • 37. 37 Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 38. 38 Eventos e Cursos Junho 2012 Curso: II Curso de Produção de Mudas de Alta Qualidade Data: 04 e 05 de junho de 2012 Inscrição: As inscrições são realizadas na página do curso na Internet. http://www.infobibos.com/prodmudas Local: Sala de Eventos do Diplomata Hotel, em Campinas - SP Mais Informações: Valor parcelado em até três vezes Valor: R$ 390,00 a R$ 540,00 Evento: Ciclo de Palestras – Soja Livre Data: 04 junho de 2012 das 19:00h às 22:00h Inscrição: As inscrições validadas após envio de ficha de inscrição – presente na página do ciclo -para o e-mail: cdt@fealq.org.br http://www.fealq.siteprofissional.com Local: Anfiteatro do Pavilhão de Química – Departamento de Ciências Exatas – ESALQ/USP em Piracicaba-SP Mais Informações: e-mail: cdt@fealq.org.br ou para o fax: (19) 3422-2755 Valor: Gratuito (Disponível 120 vagas). Evento: Workshop – Mudanças Climáticas e Problemas Fitossanitários Data: 12 a 14 de junho de 2012 Inscrição: Para se inscrever é necessário acessar formulário de inscrição online, na página do evento na Internet. http://www.cnpma.embrapa.br Local: Auditório Paulo Choji Kitamura Embrapa Meio Ambiente - Rod. Campinas Mogi-Mirim Km 127,5 – Tanquinho Velho - Jaguariúna-SP Mais Informações: climapest@cnpma.embrapa.br e/ou (19) 3311-2700 Curso: Comunicação e Responsabilidade Socioambiental Data: 16 a 17 de junho de 2012 Inscrição: As inscrições são realizadas em formulário de inscrição online e o valor é pago por entrada e mais duas parcelas. - http://posugf.com.br/cursos Local: São Paulo - SP Mais Informações: Carga horária 20 horas - (11) 2714-5665 Valor: R$ 340,00 – R$ 355,00 Curso: II Curso Prático de Fertirrigação Data: 21 de junho de 2012 - 07:30h às 12:30h Inscrição: As inscrições são realizadas em formulário online, direcionado a partir da página do curso na Internet. Há desconto para as inscrições realizadas até o dia 16 de junho de 2012. - http://fepaf.org.br Local: Botucatu - SP Mais Informações: (14) 3882-6300 Valor: R$ 30,00 – R$ 60,00 Curso: Manejo de Solo e Controle de Pragas Data: 23 de junho de 2012 - 08:00h às 18:00h Inscrição: As inscrições podem ser feitas por formulário onRevista Canavieiros - Maio de 2012 line ou por atendimento telefônico e são validadas após comprovação de depósito bancário no valor da taxa de inscrição. http://aao.org.br/aao/cursos Local: Mairiporã - SP Mais Informações: e-mail: cursos@aao.org.br e/ou (11)3875-2625 Valor: R$ 80,00 – R$ 100,00 Evento: XIX Jornada de Atualização em Agricultura de Precisão Data: 25 a 29 de junho de 2012 Inscrição: As inscrições são realizadas na página do curso na Internet com pagamento por boleto bancário ou por ficha de inscrição e pagamento por depósito bancário http://www.fealq.org.br Local: Piracicaba - SP Mais Informações: Carga horária: 50 horas - E-mail: cdt@fealq.org.br e/ou (19) 3417-6604 – (19) 3417-6601 Valor: R$ 1.100,00,00 Evento: SIMTEC 2012 Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia e Energia Canavieira Data: 25 a 27 de junho de 2012 Inscrição: para participação no evento serão realizadas na página do simpósio na Internet. http://www.simtec.com.br Local: Piracicaba - SP Mais Informações: (19) 3417-8604 Valor: Indefinido Evento: VI Workshop Agroenergia Data: 27 e 28 de junho de 2012 Inscrição: As inscrições são realizadas em formulário online na página do workshop na Internet. Serão aceitas inscrições no dia do evento. http://www.infobibos.com/agroenergia Local: Ribeirão Preto - SP Mais Informações: E-mails: eabramides@terra.com.br jrscarpellini@gmail.com - mbidoia@iac.sp.gov.br e/ou (16) 3637-1091 / (16) 3919-5959 / (16) 3637-1849 / (19) 30140148 / (19) 8190-7711 / (19) 9112-1952 Valor: R$ 90,00 - R$ 300,00 Curso: Perícias Agrícolas Data: 29 e 30 de junho de 2012 Inscrição: As inscrições podem ser feitas por formulário online ou por atendimento telefônico. http://www.ibape-sp.org.br Local: São Paulo – SP - IBAPE-SP – Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo Mais Informações: Carga horária: 12 horas - e-mail: pce@uol.com.br e/ou (11) 3054-9545 e (11) 9175-9939 Valor: Indefinido
  • 39. 39 “General Álvaro Tavares Carmo” Contabilidade Rural Cultivando a Língua Portuguesa Esta coluna tem a intenção de maneira didática, esclarecer algumas dúvidas a respeito do português. “ Ocupei-me o tempo todo para disfarçar a saudade.” Clarice Lispector Renata Sborgia 1) Pedro comprou o presente para a sua namorada: uma bela “JÓIA”, A “jóia” será bela se for escrita de forma correta, segundo o Novo Acordo Ortográfico. Correto: JOIA (sem acento). Regra fácil: não existe mais o acento dos ditongos (quando há duas vogais na mesma sílaba) abertos “éi” e “ói” das palavras paroxítonas (as que têm a penúltima sílaba mais forte), segundo o Novo acordo Ortográfico. “Este texto, utilizando-se de uma abordagem atual, prática e objetiva, vem preencher uma lacuna na bibliografia de Contabilidade Rural, no Brasil, e atender à necessidade de um texto com conteúdo programático adequado ao ensimo e à prática profissional. Em primeiro lugar, trata da Contabilidade Agrícola, onde são destacadas as diferenças básicas na contabilização das culturas temporárias e permanentes, bem como é analisado o tratamento contábil que deve ser dado ao desmatamento e preparo do solo para cultivo. Um dos pontos altos aqui abordados é o tratamento da depreciação na agropecuária. Além disso, o Autor introduz um plano de contas para empresas agrícolas e faz comentários sobre o funcionamento das principais contas. Em segundo lugar, discorre sobre a Contabilidade Pecuária e trata pormenorizadamente do método de custo, do custo da pecuária, bem como do método do valor de mercado. Em terceiro lugar, trata do Imposto de Renda aplicado à atividade rural.” (Trecho extraído da contracapa do livro) MARION, José Carlos. Contabilidade rural: contabilidade agrícola, contabilidade da pecuária, imposto de renda pessoa jurídica. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2007. 251 p. ISBN 97885-224-4915-6. Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros podem procurar a Biblioteca da Canaoeste. novo endereço: Rua Frederico Osanan, nº842 - Sertãozinho-SP 2) A “platéia” ficou entusiasmada com o espetáculo. ...mas a Língua Portuguesa não com o erro na grafia! O correto é : plateia (sem acento). Regra fácil: não existe mais o acento dos ditongos (quando há duas vogais na mesma sílaba) abertos “éi” e “ói” das palavras paroxítonas (as que têm a penúltima sílaba mais forte), segundo o Novo acordo Ortográfico. 3) SAIBA MAIS PARA NÃO ERRAR: a) Ela é uma das que “pensa” ou “pensam” assim? Correto: tópico gramatical: Concordância - A expressão “uma das que” faz concordancia no plural. Portanto, o correto é: Ela é uma das que pensam assim. (das que pensam assim, ela é uma). Outros exemplos corretos: O amigo foi uma das pessoas que mais o apoiaram. Não sou dos que acham isso. (daqueles que acham isso) PARA VOCÊ PENSAR: “ Vivo no quase, no nunca e no sempre. Quase, quase—e por um triz escapo.” Clarice Lispector “Fique de vez em quando só, senão será submergido. Até o amor excessivo pode submergir uma pessoa.” Clarice Lispector * Advogada, Prof. de Português, Consultora e Revisora, Mestra USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, Pós-Graduada pela FGV/RJ, com MBA em Direito e Gestão Educacional, autora de vários livros como a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras), em co-autoria. Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 40. 40 VENDEM-SE - Mudas de seringueira da variedade RIM600 com borbulheira registrada; - Porta enxertos para mudas cítricas de todas as variedades; - Mudas de limão e laranja de todas as variedades; - Mudas de manga e abacates. Tratar pelos telefones: (17) 9133.5717 / 9629.5456 / 8101.8767 ou branco.estufas@yahoo.com.br - Cleiton Bulgo Verdeiro (BRANCO) 23 anos de experiência. VENDEM-SE - VW 13-180 / 06 toco comboio lubrificação e abastecimento Gascom - VW 16-170bt / 95 toco, munk mod. 8.000 e comboio para lubrificação e abastecimento, Gascom. - VW 26-260 / 06 traçado, betoneira Liebherr 8m³ nova. - VW 26-260 / 06 traçado, no chassi. - VW 14-220 / 97 truck, munk IMAP mod. 20.000. - VW 15-180 / 03 toco, tanque de água 10.000L Pipa, Bombeiro. - VW 13-180 / 08 toco, tanque de água 10.000L Pipa, Bombeiro. - VW 15-180 / 07 toco, no chassi. - VW 13-180 / 06 toco, baú oficina. - MB 1313 / 82 toco, tanque de água 9.000L Pipa, Bombeiro. - MB 1318 / 89 truck, munk ARGOS mod. 20.500. - MB 1113 / 72 toco, tanque de água 9.000L Pipa, Bombeiro. - MB 2013 / 75 truck, munk MADAL mod. 10.000. - MB 1620 / 03 truck, carroceria. - MB 1316 / 80 truck e traçado, tanque de água 15.000L bombeiro, pipa. - MB 1516 / 85 truck, munk IMAP mod. 20.000. - Ford Cargo 2626 / 05 tanque de água 16.000L Gascom novo, bombeiro, pipa. - Ford Cargo 2425 / 02 tanque de água 16.000L Gascom novo, bombeiro, pipa. - Ford F19000 / 81 toco, tanque de água 9.000L pipa, bombeiro. - Ford F11000 / 90 e 92 toco, tanque de água, pipa, bombeiro. - Caçamba basculante p/ caminhão toco, semi nova. - Tanque de fibra, 16.000L. - Reboque 2 eixos com tanque de fibra 22.000L. - Munk ARGOS mod. 20.500. - Munk MOTOCANA mod. 10.000. - Baú para caminhão 3/4, toco e truck. - Tanque de água 7.000L usado. - Poly guindaste bruk, para caminhão toco, com carrinho. - Carroceria para caminhão toco, Facchini semi nova. - Tanque de água 20.000L novo. Contato: Alexandre (16) 39451250 / 97669243 oi / 78133866 id 96*81149 COMPRA-SE - Tubos de irrigação de todos os diâmetros, Motobombas, Rolão Autopropelido, Pivot, etc; Pagamento á vista. Tratar com Carlos pelos telefones: (19) 91661710/(19) 81280290 ou pelo e-mail:cyutakam@ hotmail.com VENDEM-SE - Sítio localizado na área de expansão urbana de Ribeirão Preto com 111.848,52 m² às margens da antiga estrada Ribeirão Preto/Serra Azul em frente à Vila do Lago e a 550 m. da Via Anhanguera Km. 305. Tratar com o proprietário pelo telefone: (16) 92751172 e/ou (16) 9275-1443. VENDE-SE - Chevrolet, ano 1959 com seis cilindros. Tratar pelos telefones: (34) 99357184 ou (34) 3332-0525. VENDE-SE - Propriedade com 13 alqueirões, localizada a 20 km da cidade de FrutalMG, entre as usinas Frutal e Cururipe. Formada em pasto, com terra boa para plantio de soja e cana-de-açúcar. Possui barracão fechado de 250m² coberto Revista Canavieiros - Maio de 2012 com estrutura metálica, tanque combustível e bomba. Também possui casa sede com 03 dormitórios, 02 banheiros, lajeada mais duas casas para funcionários. Ainda possui mina d’água com roda, poço artesiano, curral com embarcador, chiqueiro, represa, paiol, campo de futebol, pomar e área verde (APP). Tratar com Francisco pelos telefones: (16) 8843-1179 ou (16) 3023-5166. VENDEM-SE - Trator Cafeeiro - Massey Ferguson 265 – 4x2 – ano 2001 com 3600 horas de uso (pneus, motor e pintura novos); - Trator Massey Ferguson 50X; - 02 quadriciclos – 90 cilindradas – 4 tempos para criança. Tratar com João Marcelo pelo telefone: (16) 9245-2252. VENDE-SE - 01 carregadeira Santal, modelo CMP 1200 master, acoplada ao trator BM 85 4X4 Valtra – Ano 2006/2007. Tratar com Cláudio pelo telefone: (16) 9109-8693. VENDEM-SE - 01 transformador de 45 KVA; - 01 transformador de 112 KVA; - bag vazio usado; - arame farpado usado; - telha francesa usada. Tratar com Wilson pelo telefone: (17) 9739-2000 – Viradouro SP VENDEM-SE - Fazenda em João Pinheiro – 150 alqueires, formada em pasto (9 divisões de pasto), cerca paraguaia, energia elétrica. As margens do rio Paracatu - 100% plana - Valor é pedido R$2.000.000,00 - Fazenda de 82 alqueires na região de Guaraçari-SP. Planta 69 alqueires de cana preço: R$35.000,00 o alqueire. - Fazenda de 84 alqueires na região
  • 41. 41 de Auriflama-SP .Planta 75 alqueires de cana preço sob consulta. - Fazenda de 165 alqueires na região de Sud Menuci-SP. Planta 155 alqueires de cana . Preço: R$40.000,00 o alqueire. - Fazenda de 300 alqueirões em Quirinopolis-GO. Está em pasto, terra roxa. Serve para cultivo de cana preço: R$50.000,00 o alqueirão. - Fazenda de 3.000 hectares, em Goiás, com 06 pivôs de irrigação. Pode cultivar: soja, milho, feijão. Só não planta os 20% de reserva. Contato: Wilson e Amaral: (16) 97399340 – 82171255 - 91748183. VENDE-SE - Imóvel rural com área de 9, 1960 hectare (3,8 alqueires paulista) em mata nativa, própria para compensação, Bacia do Rio Pardo, na cidade de Cajuru, Região de Ribeirão Preto-SP, a 4 Km do centro da cidade, cercada, Escritura ok. Exclusividade com Marco Antonio Goulart, CRECI 71.631. Fone (16) 9174.5593 ou 8111.6666. VENDEM-SE - Grade aradora, 16x32, Baldan e em ótimo estado. Também troco por aradora 18x32 em bom estado; - D-20-S, ano 1994, na cor branca, com ar turbo, trava e alarme; - D-20, na cor vermelha, Marchador, cabine estendida, ano 1993, com turbo, alarme e trava; - VW-16-210, na cor azul, ano 1990 e com 12 pneus radiais. Tratar com João Carlos pelos telefones: (16) 9137-8389 / 3957-1254 (17) 3343-7203/9166-0041. VENDE-SE 01 – S10 Executive 2009/2010, Prata, Flex. Contato: Alexandre Moré (16) 9254-7879. VENDEM-SE - Kit de Ar (Trator) para Transbordo R$ 3.000,00. - Cabine Semi Nova para Trator MF 680 R$ 6.000,00. Contato: Junio Balieiro – Tel: (16) 9158-0303. VENDE-SE - Silos – Silagem de milho para apro- ximadamente 100 toneladas. Viradouro – SP - E-mail: jtortorelli@uol.com.br Nome: Júnior Tortorelli Telefone: (17) 9124-9217 VENDEM-SE - Porta-enxerto e mudas cítricas de diversas variedades, produzidos em viveiros devidamente registrados na Secretaria, com cadastro atualizado e atendendo a legislação vigente. - Também prestamos serviços de Engenheiro Agrônomo, emissão de documentos como CFO, documentação para citrículas entre outros. Contato: Esc.(17) 3563-1282 Kátia Eng. Agrônomo: (17) 8111-4747 Leandro Rosa Martines Site: www.estufasperico.com.br Localização: Cajobi-SP VENDE-SE - 01 caminhão Ford Cargo 6332 E Ano: 2009 Valor: 170.000,00 Contato: Lucas Pereira - (16) 78144135 E-mail: lucaspereira01@uol.com.br Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 42. 42 Notícia do Setor Ceise Br lança Programa Selo Verde Através da Prefeitura de Sertãozinho, programa certificará empresas que praticam a sustentabilidade Carla Rodrigues N o dia 19 de abril, o CeiseBr (Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis) realizou o lançamento do Programa Selo Verde “Empresa Ambientalmente Saudável”, que certificará as empresas que possuem boas práticas ambientais sustentáveis. Este programa é uma iniciativa da Prefeitura Municipal de Sertãozinho em parceria com a Secretaria de Meio ambiente. O objetivo principal é incentivar o setor produtivo a dar mais atenção à preservação ambiental, delegando responsabilidades e propondo ações. O prefeito de Sertãozinho, Nério Costa, esteve presente durante o lançamento e acredita ser esta uma iniciativa importante para a socialização do meio ambiente. “O setor industrial é o setor que leva o país para fora e nada mais justo do que começar esta educação ambiental por ele”, disse. A certificação será mediada de acordo com o interesse da empresa. Aquelas que estiverem interessadas deverão solicitar à Secretaria do Meio Ambiente o formulário do programa, que posteriormente será avaliado. As empresas que obterem nota igual ou superior a 70 pontos nas diretivas do formulário serão certificadas com o selo verde. Estas diretivas que serão avaliadas correspondem as atividades ambientais que já são realizadas pela empresa, como: tratamento adequado dos resíduos industriais, política interna de coleta seletiva de resíduos, controle de poluição de ar e sonora, plano de gerenciamento de resíduos sólidos, apoio a entidades que trabalham em defesa do meio ambiente, ações de educação ambientais, iniciativas de apoio a arborização e produção de mudas no município, existência de profissional responsável pelo controle ambiental e a reutilização de água pluvial. O segundo vice-presidente do Ceise Br, Osvaldo Mazer, disse que as exigências no mercado externo são grandes e para que o país cresça, é necessário que toda a cadeia produtiva se adéque à elas. “É importante fazer o melhor que pudermos, pois se a sociedade via bem, nós também vamos. Temos que nos unir e fazer com que as coisas aconteçam de maneira eficaz e sustentável”, articulou Mazer. RC Acompanhe a Revista Canavieiros nas redes sociais: www.facebook.com/revistacanavieiros Revista Canavieiros - Maio de 2012 www.twitter.com/canavieiros www.revistacanavieiros.com.br
  • 43. 43 Revista Canavieiros - Maio 2012
  • 44. 44 Revista Canavieiros - Maio de 2012

×