• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Ed65novembro11
 

Ed65novembro11

on

  • 166 views

 

Statistics

Views

Total Views
166
Views on SlideShare
166
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Ed65novembro11 Ed65novembro11 Document Transcript

    • 1 Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 2 Revista Canavieiros - Novembro de 2011
    • 3 Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • Editorial 4 Expediente: Conselho Editorial: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson Editora: Carla Rossini - MTb 39.788 Projeto gráfico e Diagramação: Rafael H. Mermejo Equipe de redação e fotos: Carla Rodrigues - MTb 55.115 Murilo Sicchieri Rafael H. Mermejo Comercial e Publicidade: Marília F. Palaveri (16) 3946-3300 - Ramal: 2008 atendimento@revistacanavieiros.com.br comercial@revistacanavieiros.com.br Impressão: São Francisco Gráfica e Editora Ltda Tiragem: 11.000 exemplares ISSN: 1982-1530 A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred. As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. Endereço da Redação: A/C Revista Canavieiros Rua Augusto Zanini, 1591 Sertãozinho – SP - CEP:- 14.170-550 Fone: (16) 3946 3300 - (ramal 2190) www.revistacanavieiros.com.br Copercana e Canaoeste inauguram novas instalações D uas novas lojas de ferragens da rede Copercana e escritórios técnicos da Canaoeste foram inaugurados em novembro: no dia 10, as portas foram abertas na cidade de Morro Agudo e no dia 17, foi a vez de Ituverava. Diretores, autoridades locais e cooperados prestigiaram as novas instalações. Com as inaugurações, as instituições levam para as cidades e suas regiões, seus serviços de atendimento e os produtos necessários para as atividades rurais, como fertilizantes, adubos, defensivos, produtos veterinários, ferramentas, implementos, entre outros. Confira a íntegra desta matéria na “Reportagem de Capa” de novembro. A personalidade entrevistada desta edição é a secretária de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Mônika Bergamaschi, que falou sobre os trabalhos que vem sendo realizados pela Secretaria nos últimos 4 meses. A secretária também falou da quebra de produção da safra canavieira e da preocupação com a recuperação agrícola dos canaviais. Confira! Dois artigos “Ponto de Vista” estão sendo publicados nesta edição: “Mensagem aos produtores de cana”, assinado pelo diretor adjunto da Canaoeste e conselheiro da Sicoob Cocred, José Mário Paro e, “Etanol: parou por quê?”, assinado pelo presidente do SIMESPI – Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas, de Material Elétrico, Eletrônico, Siderúrgicas e Fundições de Piracicaba, Saltinho e Rio das Pedras e do APLA – Arranjo Produtivo Local do Álcool, Tarcisio Angelo Mascarim. Em “Notícias Copercana” o leitor encontrará 4 reportagens: 1) Antonio Eduardo Tonielo é eleito CanaSauro Rex 2012; 2) Agrônomos da Coper- RC www.twitter.com/canavieiros redacao@revistacanavieiros.com.br Revista Canavieiros - Novembro de 2011 cana participam de treinamento sobre fungicidas da Basf; 3) Copercana inaugura loja de comércio eletrônico; 4) Febre aftosa: meta de vacinação é atingir 205 milhões de animais. Já em “Notícias Canaoeste” uma reportagem sobre os escritórios técnicos para atendimento dos seus associados (mais especificamente na cidade de Pitangueiras) e a recente inauguração em Ituverava, que também contará com os serviços oferecidos em técnica agronômica, planejamento, topografia, auditoria, consultoria tecnológica nas áreas agronômica, jurídica e de comunicação. Os “Destaques” desta edição são a Reunião Ridesa de Variedades 2011 – Centro-Sul, que contou com a participação do presidente da Copercana e Sicoob Cocred, Antonio Eduardo Tonielo, e o VIII Seminário Sicoob Central Cocecrer, que teve como tema “Economia e Recursos Humanos” e contou com a participação de aproximadamente 350 pessoas. Em “Assuntos Legais”, duas matérias são publicadas sobre o andamento da votação do Código Florestal: “Desdobramentos do Novo Código Florestal no Congresso” e “Implicações do Código Florestal Sobre os Pequenos Produtores Rurais”. O “Artigo Técnico” mostra o acompanhamento da safra 2011/2012, que está na primeira quinzena de novembro. O artigo é assinado pelo assistente de controle agrícola da Canaoeste, Thiago Silva. Além disso, não deixe de conferir as “Informações Setoriais” com o técnico agronômico da Canaoeste, Oswaldo Alonso, dicas de leitura e gramática, agenda de eventos e os classificados. Boa leitura! Conselho Editorial
    • 5 Ano V - Edição 65 - Novembro de 2011 Índice: Capa - 20 Copercana inaugura lojas de ferragens em Morro Agudo e Ituverava As novas filiais levarão atendimento técnico e produtos agrícolas para os cooperados das cidades e região E mais: Circular Consecana .................página 17 06 - Entrevista Mônika Bergamaschi Secretária de Agricultura de São Paulo “O etanol é importante para São Paulo, mas é importantíssimo para o Brasil” 08 - Ponto de Vista Destaque .................página 24 Informações Setoriais .................página 26 José Mario Paro diretor da Canaoeste e Conselheiro da Sicoob Cocred Mensagem aos produtores de cana Artigo Técnico .................página 28 12 - Notícias Copercana - Antonio Eduardo Tonielo é eleito CanaSauro Rex 2012 - Agrônomos da Copercana participam de treinamento sobre fungicidas da BASF - Copercana inaugura loja de comércio eletrônico - Febre aftosa: meta de vacinação é atingir 205 milhões de animais 16 - Notícias Canaoeste - Canaoeste leva conhecimento e informação aos seus associados Assuntos Legais .................página 32 Cultura 18 - Notícias Sicoob Cocred .................página 36 - Balancete Mensal 24 - Destaque Agende-se .................página 37 Reunião Ridesa de Variedades 2011 – Centro-Sul O encontro reuniu representantes das universidades que participam do Programa de Melhoramento Genético da Cana-de-açúcar Classificados .................página 38 Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 6 Entrevista com: “O etanol é importante para São Paulo, mas é importantíssimo para o Brasil” Mônika Bergamaschi Carla Rossini A frase é da secretária de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Mônika Bergamaschi, que concedeu entrevista à Canavieiros e falou sobre os trabalhos que vem sendo realizados pela Secretaria nos últimos 4 meses. A secretária também falou da quebra de produção da safra canavieira e da preocupação com a recuperação agrícola dos canaviais. Confira! Revista Canavieiros: Quais são os ção, fomentar de novo o programa de trabalhos que a senhora vem reali- microbacias, agora na fase 2, ter aceszando a frente da Secretaria de Agri- so aos mercados, desenvolver melhor a cultura e Abastecimento do Estado de parte de crédito, de financiamento e de São Paulo desde quando assumiu o seguro. Muita coisa em pouco tempo. cargo? Estamos num processo de estruturar e Mônika Bergamaschi: Nesses 4 acredito que a partir do ano que vem a meses que estou a frente da Secretaria, gente comece a colher o resultado. viajei bastante para conhecer um pouco mais a estrutura que é muito grande. Revista Canavieiros: Os pequenos Nós temos os institutos de pesquisa, e médios produtores rurais terão apoio o pessoal de assisda Secretaria? tência, de defesa, “...temos agora, Bergamaschi: enfim, um universo um grande desafio Terão sim, sem dúbastante diferente e O Estado não com a parte agrí- vida. “pernas” para muito mais amplo tem inclusive do que eu cola do setor cana- fazer sozinho um imaginava. Temos vieiro. Ele decorre grande trabalho do inúmeros programas tamanho da imporformando um grupo de crises, de falta tância do agronegómuito grande. Estou de investimento...” cio paulista. Então tentando conhecer os maiores produtoessa estrutura e a partir daí trazendo as res geralmente conseguem por outras pessoas, recompondo a equipe e trazen- vias ou se organizam em cooperativas do de volta o espírito de corpo. Acho e associações e conseguem se desenque a Secretaria deve ser levada como volver bastante. um time mesmo, agregando todo munO pequeno e o médio produtor predo e padronizando algumas coisas. cisam até desse incentivo para que se Agora estamos num trabalho amplo organizem melhor, então, esse é um de informatizar para levar um serviço dos nossos trabalhos e a partir desses melhor para o produtor rural e conse- alguns outros instrumentos de políticas guir, também, canalizar melhor as de- públicas que podemos colocar a servimandas que vem dos produtores. Que- ço deles. Um deles, por exemplo, é o remos reduzir algumas burocracias com FEAP (Fundo de Expansão do Agronepapeis, guias e construir alguns outros gócio Paulista), que é um financiamenprojetos, por exemplo, algumas outras to com juros menores e prazos maiores questões para facilitar a comercializa- para que o produtor possa se inserir, Revista Canavieiros - Novembro de 2011 além de outros programas dentro das diversas áreas que temos. E claro, aos demais produtores, trabalhar com pesquisa, defesa, com aquilo que estiver ao nosso alcance. A minha ideia é sempre trabalhar com parceria. Trazer a parceria também do setor privado para poder trabalhar sempre mais e melhor. Revista Canavieiros: Esse ano houve uma quebra de produção na safra de cana-de-açúcar. Como a Secretaria está enxergando a situação desta cultura? Existe uma preocupação com o desabastecimento? Bargamaschi: Existe, claro. Além do fato da própria Secretaria, o próprio consumidor está alerta, atento para isso. Felizmente, temos isso bem detectado. Os fundamentos do setor são muito importantes, muito sólidos e sabemos que o crescimento é certo no futuro. Mas, temos agora, um grande desafio com a parte agrícola mesmo, o nosso problema hoje é agrícola. Ele decorre de crises, de falta de investimento no setor e de uma série de aconteci-
    • 7 Mônika durante posse da Secretaria da Agricultura mentos climáticos de toda ordem. Foi chuva de mais e chuva de menos, frio, florada, ou seja, uma série de fatores. Avaliamos tudo e não há muito que se possa fazer diretamente. É uma questão de que os produtores podem contar conosco para trabalharmos juntos com o governo federal, porque o etanol é estratégico para o Brasil. Ele é importante para São Paulo, mas é importantíssimo também para o Brasil. Revista Canavieiros: Existe alguma outra cultura paulista que também esteja passando por uma crise? Bergamaschi: As culturas oscilam, os preços estão caindo, mas continuam altos nas demais commodities, salvo algumas questões conjunturais, por exemplo, o preço pontual de trigo, agora mais recente, algum problema de liberação de estoque ou formação de estoque, ou então outras culturas que são mais sazonais. Agora, eu diria que o problema maior, de mais difícil solução de fato, é a parte mesmo da lavoura canavieira, essa que está realmente bastante sofrida e já vem de bastante tempo e a recuperação não é tão simples por ser uma semi-perene. As outras culturas são anuais, de ciclo mais curto, e essa conjuntura de oscilação de preço é absolutamente normal no setor, estamos acostumados. Agora vivemos uma época de preços menores, mas como o dólar também deu uma mexida, então temos uma compensação. Os preços pela demanda, inclusive, seguirão razoáveis gerando imagem positiva para o setor e isso é bastante importante. RC Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 8 Ponto de Vista José Mario Paro* Mensagem aos produtores de cana A o ocupar este espaço, nesta data, imaginei falar diretamente aos produtores de cana, companheiros de jornada, para compartilhar minhas dúvidas e apreensões sobre o futuro da atividade. Antiga máxima do setor reza que cada safra é uma safra, mas esta tem sido muito diferente. Para pior. Já no final do mês de setembro, tivemos as primeiras unidades industriais parando por falta de cana. Estima-se um déficit de 100 a 120 milhões de toneladas de cana, na região Centro-Sul, considerando-se a capacidade total de moagem instalada. Sabemos todos que a partir de 2008 as dificuldades para se produzir cana só tem aumentado. De sorte que não é exagero afirmar que estamos diante de um quase colapso anunciado. Sabemos também que a reversão deste quadro será tarefa árdua, que demandará muito esforço e capital, como tem sido dito e anunciado à exaustão. Ocorre que há um sério complicador neste quadro: os custos de produção vêm crescendo de forma persistente, na área agrícola e industrial, desembocando na situação atual, em que o etanol hidratado perdeu a competitividade frente à gasolina, tornando sua produção antieconômica. Como se não bastasse, no front externo o etanol da cana vem sendo substituído por aquele originário do milho. Percebe-se então a grande dificuldade atual: se não se resolver esta questão – viabilidade econômica do etanol hidratado – estaremos diante de um impasse no setor. Resolver este impasse é a questão do momento, em que além da necessidade de aumentar fortemente os investimentos; da necessidade de maximizar o emprego das tecnologias disponíveis; da necessidade de poder dispor de grande capacidade técnica e gerencial, haverá ainda a necessidade de ação coordenada de todos aqueles que têm partici- pação na atividade, desde a produção da cana-de-açúcar até a distribuição e comercialização do etanol hidratado. Sem esta ação coordenada, que ainda não está à vista, a solução do referido impasse se tornará extremamente difícil. Isto porque será necessário reduzir os custos de produção da canade-açúcar e do etanol. Será também necessário rever a política de preços dos combustíveis fósseis, definidos pelo Governo. A incidência de impostos sobre a cadeia do etanol terá de ser reequacionada. E será altamente desejável que os fabricantes dos motores flex os tornem mais eficientes, possibilitando aumentar o rendimento dos veículos, em quilômetros rodados por litro de etanol. Seremos capazes de viabilizar empreitada de tal envergadura? Este é o grande desafio do presente. E como sabemos, quem não tem presente não tem futuro. E foi com este pano de fundo que participei, como conselheiro da Sicoob Cocred, do VIII Seminário Sicoob Central Cocecrer, que reuniu em Campinas nos dias 31/10 e 01/11, os dirigentes das principais cooperativas de crédito do Estado de São Paulo. Seminário este que foi um sucesso: pela organização; pelos temas abordados – economia e recursos humanos; pelo calibre dos palestrantes. Viu-se, uma vez mais, que em termos macroeconômicos, o Brasil desfruta hoje de posição privilegiada no concerto das nações. Por outro lado, constata-se, também uma vez mais, que nós, produtores de cana estamos patinando, engessados por problemas que talvez remontem ao ano de 1532, quando Martin Afonso de Souza introduziu o cultivo comercial da cana-de-açúcar na Capitania Hereditária de São Vicente, região hoje abrangida pelo Estado de São Paulo. Revista Canavieiros - Novembro de 2011 José Mario Paro, diretor Adjunto da Canaoeste e Conselheiro da Sicoob Cocred E não se trata aqui de mero exercício de erudição. Tenho em mente a imagem distorcida e negativa que o setor tem junto à sociedade brasileira, em geral e, em particular, junto às correntes de pensamento que tem embasado os governos petistas, imagem esta que vem sendo construída desde aquela época. Era isto que queria dizer aos companheiros produtores de cana para, como afirmei, compartilhar minhas dúvidas e apreensões sobre as questões aqui listadas. Mas também para compartilhar a esperança de que consigamos mobilizar esforços; de que tenhamos habilidade e competência para retomar o caminho do crescimento e do progresso econômico, para que não fiquemos à margem do desenvolvimento do país, como parece que estamos hoje. Aproveito a oportunidade para desejar a todos nós um Santo Natal e que 2012 seja o ano da retomada da lucratividade do nosso negócio: a produção de cana-de-açúcar. RC *Diretor Adjunto da Canaoeste e Conselheiro da Sicoob Cocred
    • 9 Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 10 Ponto de Vista Tarcisio Angelo Mascarim* Etanol: parou por quê? E nquanto diretor da Dedini S/A Indústrias de Base, em 2005, acompanhei a expectativa de crescimento sustentado do setor sucroalcooleiro, em função da ratificação do Protocolo de Kyoto e do aumento da produção de carros flex nas montadoras de veículos, que objetivava a redução da emissão de gases para a atmosfera. Vamos verificar a consequência desta falta na produção de açúcar e álcool. Como todos sabem, os maiores causadores do efeito estufa são os combustíveis de origem mineral, principalmente o óleo diesel e a gasolina. Na época, o setor projetava aumentar, até 2010, a produção de cana-de-açúcar para atingir um bilhão de toneladas, necessário para atender o mercado de açúcar e do álcool. Se a meta de um bilhão de toneladas na safra de 2010/11 tivesse sido atingida, o resultado seria o seguinte (mantendo a mesma relação açúcar/ álcool): 44.200.000 metros cúbicos de álcool (etanol) e 61.000.000 toneladas de açúcar. Por esses números, verifica-se que o setor estava preparado para atingir o objetivo: um bilhão de toneladas. Porém, em 2008, a “marolinha” da crise jogou por terra aquela meta, tendo atingido, na safra de 2009/10, 603.056.367 toneladas e, na safra de 2010/11, 624.501.165 toneladas, deixando não apenas de cumprir o objetivo, mas faltando, ainda, 375.498.835 toneladas. Além disso, teriam sido acrescentadas ao parque de usinas mais de 120 novas unidades espalhadas pelo Brasil, gerando energia elétrica excedente, mercado para as nossas indústrias, emprego para a nossa gente e renda para o nosso país. Ao contrário, com a omissão do governo para o setor sucroalcooleiro, vamos continuar importando álcool (etanol) para os nossos veículos ou usando a gasolina originária do petróleo, poluindo cada vez mais a natureza. Sem falar na utilização do diesel (maior poluidor) em vez do biodiesel, cujo Projeto está parado também. Em consequência, vamos perder a oportunidade de exportar o nosso álcool (etanol), principalmente para os Estados Revista Canavieiros - Novembro de 2011 Assessoria de Imprensa Simespi Assim, o setor se preparou para atingir aquela meta, como é verificado pelas produções de cana-de-açúcar nas safras de 2006/07 (428.816.021 toneladas), 2007/08 (495.843.192 tons.) e 2008/09 (572.738.489 tons.), sendo que, na safra de 2005/06, a produção foi de 382.482.002 toneladas (dados da DCAA/SPAE/MAPA). Na safra de 2010/11, a produção de cana-de-açúcar foi de 624.501.165 toneladas, o que resultou na produção de 27.604.120 metros cúbicos de álcool (etanol) e 38.069.510 toneladas de açúcar. Unidos, e de aproveitar com mais eficiência o carbono renovável existente na cana e em outros produtos como o plástico e até o diesel. O que precisamos saber é que a cana é a fonte mais barata de energia renovável do mundo. Este foi apenas um desabafo para reflexão do nosso governo. RC (Tarcisio Angelo Mascarim é presidente do SIMESPI – Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas, de Material Elétrico, Eletrônico, Siderúrgicas e Fundições de Piracicaba, Saltinho e Rio das Pedras e do APLA – Arranjo Produtivo Local do Álcool)
    • 11 Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 12 Notícias Copercana Antonio Eduardo Tonielo é eleito CanaSauro Rex 2012 O objetivo do prêmio é homenagear os empresários e colaboradores que trabalham há mais de 30 anos no setor Carla Rossini O presidente da Copercana e Sicoob Cocred, Antonio Eduardo Tonielo foi eleito o CanaSauro Rex 2012. Tonielo aceitou o convite feito pelo presidente executivo da UDOP (União dos Produtores de Bioenergia), Antonio Cesar Salibe, e se disse honrado com a distinção, principalmente por suceder ícones do setor, como o ex-ministro Roberto Rodrigues (CanaSauro Rex em 2008); o empresário Cícero Junqueira Franco (2009); e os executivos Pedro Mizutani (2010) e Plínio Nastari (2011). “Recebi o convite e me senti muito honrado. Apesar de estar trabalhando dentro do setor há mais de 40 anos, eu não esperava ser eleito CanaSauro Rex, mas é muito bom ser lembrado, principalmente quando pessoas tão importan- tes dentro do setor já foram laureadas com esse título”, disse Tonielo. O prêmio CanaSauro foi instituído pela Safra Eventos em 2008, com o objetivo de homenagear os empresários e colaboradores do setor da bioenergia que trabalham há mais de 30 anos no segmento. O CanaSauro Rex é eleito anualmente, dentre os CanaSauros, e recebe honraria especial, por ser considerado uma liderança que se destaca e muito contribui para o progresso do setor de bioenergia. CanaSauro O jantar de outorga do prêmio CanaSauro e CanaSauro Rex 2012 acontecerá no dia 6 de março, no recinto de exposições da Feicana, em Araçatuba. O evento faz parte da semana Feicana/FeiBio, que no próximo ano acontecerá entre os dias 6 e 8 de março. RC Agrônomos da Copercana participam de treinamento sobre fungicidas da BASF Da redação A Basf realizou, no dia 21 de outubro, um treinamento com a equipe comercial da Copercana, em Sertãozinho. Na ocasião foram apresentados os resultados dos produtos Regent 800 WG e Comet. Regent é destinado ao controle de Cupins e Migdoluscom supressão na infestação da Broca da cana, que atacam a cultura durante todo seu desenvolvimento. Já Comet é utilizado no sulco de plantio para o tratamento de tolete para controle de doenças. Além do controle fitossanitário, Comet oferece ainda os chamados benefícios Representantes da Basf e o gerente comercial da Copercana, Frederico Dalmaso, apresentaram os produtos Revista Canavieiros - Novembro de 2011 AgCelence, que proporcionam plantas mais sadias, melhor desenvolvimento radicular e maior arranque. Comet é um fungicida com amplo espectro que apresenta maior proteção contra as doenças, contribuindo para um melhor estabelecimento da cultura. RC Arquivo Basf Equipe de agrônomos da Copercana que participaram do treinamento
    • 13 Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 14 Notícias Copercana Copercana inaugura loja de comércio eletrônico O objetivo é conquistar novos mercados e consumidores, além de atender um público diferenciado Carla Rossini A s lojas virtuais surgiram em meados dos anos 90 e representam uma verdadeira revolução no comércio. Pensando na evolução dos benefícios do cooperativismo e no aprimoramento das suas atividades, a Copercana colocou em funcionamento, desde o dia 7 de novembro, sua loja de comércio eletrônico que disponibiliza aos clientes produtos das lojas de ferragens e automotivos. Transmitir informações precisas ao comprador, além da confiabilidade, segurança e facilidade de navegação encontrada também pode fazer a diferença na hora da compra virtual. Por isso, a Copercana possui um Certificado de Segurança com criptografia de dados, garantindo o sigilo total e absoluto das informações cadastrais do cliente. As lojas virtuais desempenham um papel estratégico para qualquer negócio na Internet. “Através destas lojas, o visitante é apresentado aos produtos. Se o produto atender sua necessidade e o preço for justo, provavelmente ele efetuará a compra”, afirma Ricardo Meloni, gerente de comercial da Copercana. Com a inauguração da loja virtual, a Copercana tem como objetivo conquistar novos mercados e consumidores, além de atender um público diferenciado. “Será um marco na forma de atendimento aos cooperados e aos clientes”, garante Ricardo Meloni. Revista Canavieiros - Novembro de 2011 Ricardo Meloni, gerente de comercial da Copercana
    • 15 Essa nova ferramenta faz parte da evolução da cooperativa, que é uma das mais tradicionais do agronegócio e reconhecida internacionalmente pelo modelo de negócios aplicado. Outra novidade que a loja virtual proporcionará aos clientes é a lista de presentes, que permitirá ao usuário cadastrar os itens de desejos, para qualquer ocasião. “Essa opção facilita a procura pelo presente ideal. Ela é prática de montar e sem limitação para a quantidade de produtos inseridos”, explica Meloni e complementa: “A Copercana realizada a entrega do produto na casa do cliente”. RC Você encontra na loja de comércio eletrônico da Copercana: Acessórios Piscina Geradores Aditivos Automotivos Hidráulicos Ar Condicionado Split Jardinagem / Agrícola Bateria Lavadoras Bombas Lubrificantes Compressores Pneus Ferramentas Elétricas Solda Ferramentas Manuais Febre aftosa: meta de vacinação é atingir 205 milhões de animais Segunda etapa da vacinação teve início em novembro Carla Rodrigues A febre aftosa é uma doença altamente contagiosa que atinge animais como bovinos, ovinos, suínos, equinos e até alguns animais silvestres. O principal disseminador da doença é o contato com animais infectados, que pode ser transmitido através de objetos, roupas e até mesmo de veículos (por exemplo, a transmissão que ocorre nas fronteiras dos países). De acordo o veterinário da Copercana, Gustavo Lopes, o animal que é afetado pela doença, apresenta elevação de temperatura, diminuição do apetite e feridas localizadas principalmente na boca, membros e úbere. “Essas feridas tornam o dia-a-dia do animal muito doloroso, com isso ele apresenta dificuldade para se locomover e se alimentar, emagrecendo rapidamente”, explica Lopes. Ainda segundo o veterinário, quando as fêmeas são afetadas o prejuízo do criador pode ser bem maior já que “as fêmeas em gestação podem abortar e as vacas leiteiras têm sua produção diminuída drasticamente”, completa o veterinário. Desde o dia 01 de novembro entrou em vigor a segunda etapa da Campa- nha Nacional de Vacinação contra a Febre Aftosa, que nesta fase deve vacinar animais com até 24 meses de idade nos estados de Minas Gerais, Bahia, Goiás, Rio Grande do Sul, Tocantins e Distrito Federal. Já no Estado de São Paulo serão vacinados todos os animais de mamando a caducando. Neste ano, segundo a previsão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, é esperada a vacinação de cerca de 160 milhões de bovinos e bubalinos nesta fase. A meta anual é de aproximadamente 205 milhões de animais vacinados, superando o índice do ano passado, que foi de 97,4%. A cooperada Maria Teresa Guidi cria gado leiteiro da raça “Jersey” há 24 anos numa área correspondente a 40 hectares. Atualmente possui 300 cabeças de animais de mamando a caducando e chega a produzir em média 1.200 litros de leite por dia. Para manter seu gado sempre saudável, a cooperada toma todos os devidos cuidados, inclusive com a vacinação contra a febre aftosa. “Sou totalmente a favor da obrigatoriedade desta campanha. Se o país fosse mais firme em seu controle sanitário, hoje poderia estar Maria Teresa Guidi, cooperada muito mais avançado, e a única forma de se conseguir isso é através da vacina”, disse Maria Teresa. Ela também explica que é importantíssimo o criador acompanhar o seu gado durante a vacinação, desde a compra dos produtos até a aplicação, que no seu caso, é realizada pelos funcionários da fazenda. “Todo o material e medicamentos necessários para esta vacinação eu encontro na Copercana e daqui já posso começar a vacinação direto, agilizando este processo”, explicou a cooperada. RC Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 16 Notícias Canaoeste Canaoeste leva benefícios aos seus associados Os produtores rurais estão satisfeitos com resultados obtidos através dos serviços e atendimentos prestados pela associação Carla Rodrigues D esde sua fundação, em 1945, a Canaoeste sempre lutou para conquistar o seu principal objetivo: unir os fornecedores de cana-de-açúcar para defender seus direitos e interesses junto às unidades industriais, órgãos públicos e privados, manter relações com as demais associações congêneres, e, além disso, transmitir conhecimentos técnicos importantes aos seus associados. Hoje a Canaoeste possui escritórios técnicos para atendimento dos seus associados nas cidades de Sertãozinho (matriz), Barretos, Bebedouro, Cravinhos, Morro Agudo, Pitangueiras, Pontal, Serrana, Severínia, Viradouro e o mais recente inaugurado no último dia 17, em Ituverava, que também contará com os serviços oferecidos pela Canaoeste em técnica agronômica, planejamento, topografia, auditoria, consultoria tecnológica nas áreas agronômica, jurídica e de comunicação. Em Pitangueiras, a associação está presente há mais de 20 anos e há pouco mais de um ano passou por reformas para melhor atender os seus 350 produtores, que estão localizados em várias cidades da região, como Ibitiúva e Jaboticabal. O engenheiro agrônomo da filial, Marcelo de Felício, acredita que com a atuação da Canaoeste na cidade, os produtores conseguem uma maior rentabilidade. “A Canaoeste agrega informações aos seus associados, procurando sempre orientá- Marcelo de Felício, agrônomo da filial de Pitangueiras Fachada da filial de Pitangueiras los da melhor maneira possível para ter uma boa produtividade com baixo custo de produção”, explicou o agrônomo. O produtor rural de Pitangueiras, Valderes Consoli, se sente amparado por fazer parte de uma associação como a Canaoeste e acredita que esse é o melhor caminho para fortificar o setor diante dos obstáculos. “Em 2008 quando o setor passou por uma terrível crise, eu pensei até em parar com a atividade rural, mas fui muito bem orientado pela associação, que me trouxe estímulo para atravessar esse difícil período”, lembrou Consoli. Para o associado Dionízio Amorim, a presença da Canaoeste na cidade que tem a agricultura como principal economia, Valderes Consoli, produtor rural de Pitangueiras Revista Canavieiros - Novembro de 2011 trouxe vários benefícios para os produtores rurais da região. “Aqui na associação, conseguimos resolver os problemas em um único lugar. Tudo o que precisamos, encontramos aqui, principalmente o apoio e a orientação que vai desde o plantio até a colheita”, explicou Amorim. Ituverava No dia 17 de novembro foi inaugurado o escritório de atendimento técnico da Canaoeste na cidade de Ituverava. Os diretores da associação, Luiz Carlos Tasso Júnior e Paulo César Canesin participaram da inauguração. Os associados que necessitarem de informações técnicas e agronômicas poderão procurar o escritório da Canaoeste na cidade. RC Dionízio Amorim, associado da Canaoeste
    • 17 Consecana A CIRCULAR Nº 09/11 DATA: 31 de outubro de 2011 Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo seguir, informamos o preço médio do kg do ATR para efeito de emissão da Nota de Entrada de cana entregue durante o mês de OUTUBRO de 2011. O preço médio do kg de ATR para o mês de OUTUBRO, referente à Safra 2011/2012, é de R$ 0,4984. O preço de faturamento do açúcar no mercado interno e externo e os preços do etanol anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, levantados pela ESALQ/CEPEA, nos meses de abril a outubro de 2011 e acumulados até OUTUBRO, são apresentados a seguir: Os preços do Açúcar de Mercado Interno (ABMI) incluem impostos, enquanto que os preços do açúcar de mercado externo (ABME e AVHP) e do etanol anidro e hidratado, carburante (EAC e EHC), destinados à industria (EAI e EHI) e ao mercado externo (EAE e EHE), são líquidos (PVU/PVD). Os preços líquidos médios do kg do ATR, em R$/kg, por produto, obtidos nos meses de abril a outubro de 2011 e acumulados até OUTUBRO, calculados com base nas informações contidas na Circular 01/11, são os seguintes: Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 18 Notícias Sicoob Cocred Balancete Mensal COOP. CRÉDITO PRODUTORES RURAIS E EMPRESÁRIOS DO INTERIOR PAULISTA - BALANCETE - OUTUBRO/2011 Valores em Reais Revista Canavieiros - Novembro de 2011
    • 19 Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 20 Copercana inaugura lojas de ferra Morro Agudo As novas filiais levarão atendimento técnico e produtos agrícolas para os cooperados das cidades e região Carla Rossini D uas novas lojas de ferragens da rede Copercana foram inauguradas em novembro: no dia 10, as portas foram abertas na cidade de Morro Agudo e no dia 17, foi a vez de Ituverava. Diretores, autoridades locais e cooperados prestigiaram as novas instalações. As lojas de ferragens já estavam presentes nas cidades de Sertãozinho (matriz), Pontal, Serrana, Pitangueiras, Cravinhos, Severínia, Campo Florido, Frutal, Santa Cruz das Palmeiras, Descalvado, Porto Ferreira, Santa Rita do Passa Quatro e Santa Rosa do Viterbo. Morro Agudo e Ituverava representam 14ª e 15ª lojas, respectivamente. Com as inaugurações, a Copercana leva para as cidades e suas regiões, seus serviços de atendimento e os produtos necessários para as atividades rurais, como fertilizantes, adubos, defensivos, produtos veterinários, ferramentas, implementos, entre outros. Em Morro Agudo, participaram da cerimônia de inauguração, o presidente da Câmara, vereador Darci Martins da Silva e os vereadores Flávio Bueno de Camargo, José Roberto Berti e Márcia Moreira Garcia da Silva. Representando o prefeito municipal, Gilberto César Barbeti, que não pode estar presente na inauguração, compareceu à cerimônia a secretária de Administração e Planejamento, Maria Aparecida de Souza Barbeti. Tanto o presidente da Câmara quanto a repre- Revista Canavieiros - Novembro de 2011 sentante do prefeito, destacaram em seus discursos, a importância de receber uma loja da Copercana na cidade. Também participou da inauguração o presidente do Sindicato Rural de Morro Agudo, Gaspar Carmanhan da Silveira. Já em Ituverava, compareceram para a cerimônia o vice-prefeito municipal, Alcides Antonio Maciel Júnior (na ocasião representando o prefeito, Mário Takayoshi Matsubara), o secretário de obras, José Carlos da Costa Mirândola Filho e os vereadores Reinaldo Silva e Luís Antonio de Araújo. Diretores e gerentes do sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred prestigiaram as inaugurações.
    • agens em Morro Agudo e Ituverava 21 Ituverava Para o presidente da Copercana, Antonio Eduardo Tonielo, a abertura de mais duas lojas da rede, demonstra a solidificação do sistema cooperativista nas regiões e a preocupação que a Copercana tem com os produtores rurais. “Estamos muito felizes com as inaugurações de mais duas lojas, principalmente por sabermos que tudo o que os nossos cooperados precisam, podem encontrar na cooperativa. A Copercana vai de encontro com as necessidades do produtor, buscando sempre facilitar a vida de quem vive do campo”, disse Tonielo. O diretor da cooperativa, Pedro Esrael Bighetti, explicou que o objetivo da Copercana é estar cada vez mais próxima dos seus cooperados. “Queremos nos aproximar cada vez mais dos nossos cooperados, levando toda a assistência e os produtos que a Co- percana oferece para beneficiá-los. Em contra partida, esperamos que os cooperados prestigiem a cooperativa, comprando produtos e utilizando os seus serviços”, disse Bighetti. Os cooperados que prestigiaram as inaugurações se mostraram bastante satisfeitos com a chegada das lojas nas cidades. “Essa loja é uma reivindicação antiga dos cooperados de Morro Agudo, que agora foi atendida. Além de gerar emprego para o nosso povo, ela vai atender todas as necessidades dos produtores rurais”, explicou o cooperado Carlos Roberto Rosa. O presidente do Sindicato Rural de Morro Agudo, Gaspar Carmanhan da Silveira, explicou que o município é o maior produtor de cana do Brasil e a loja vai atender as necessidades dos agricultores. “Temos muitos produtores canavieiros aqui na cidade e a loja vai facilitar o dia-a-dia dos agricultores, permitindo a compra de produtos com mais comodidade”, alegou o sindicalista. “Sem dúvida nenhuma, uma loja de ferragens da Copercana contribui muito para o desenvolvimento de toda a região, devido à confiabilidade dos produtos que a cooperativa vende, da garantia e pontualidade de entrega destes produtos. A cooperativa também oferece o financiamento com crédito rural o que beneficia muitos produtores da região. Gostaria de agradecer toda a diretoria da Copercana pelo empenho nesta loja aqui no município de Ituverava”, falou o gerente de suprimentos da Usina Alta Mogiana, Rogério Soares Junqueira de Mattos. “Sou cooperado da Copercana há mais de 20 anos e sinto que a cooperativa deu Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 22 Gaspar Carmanhan da Silveira, Presidente do Sindicato Rural de Morro Agudo Antonio Eduardo Tonielo e Pedro Esrael Bighetti durante as bençãos do Padre Silvio César Aguilar em Morro Agudo um presente para Ituverava, uma loja muito boa, que oferecerá venda de agroquímicos, assistência técnica e veterinária. Vai ser muito interessante para o município. Ituverava estava precisando é uma cooperativa voltada ao setor canavieiro já que o perfil da cidade tem mudado nos últimos anos, focando mais para o setor canavieiro. Como Ituveravense, quero agradecer o presente que a cooperativa está dando para nossa cidade”, disse o cooperado Antonio Sérgio Cury. Rogério Soares Junqueira de Mattos, gerente de suprimentos da Usina Alta Mogiana Antonio Sérgio Cury, cooperado de Ituverava “A Copercana já mantinha na região de Ituverava um agrônomo que fazia regularmente os atendimentos aos cooperados, mas com a inauguração da loja aumenta a sinergia para que o nosso agrônomo tenha acesso direto aos produtos que ele mesmo indica quando vai às propriedades rurais. A loja traz também para o cooperado, a presença física do profissional, ou seja, o cooperado pode ir até a loja, que o agrônomo vai atendê-lo e demonstrar a tecnologia que a Copercana pretende difundir no campo. Nossos agrônomos e técnicos agrícolas orientam os cooperados desde o plantio da cana, indicando o que deve usar e como deve aplicar os produtos. Tudo isso com a segurança de sempre que a Copercana oferece”, afirmou o gerente comercial agrícola da Copercana, Frederico José Dalmaso. “Hoje, os cooperados de Morro Agudo e Ituverava encontram nas lojas da Copercana, tudo que utilizam em suas propriedades, tanto da parte agrícola, como veterinária, selaria, cutelaria e maquinários. O Revista Canavieiros - Novembro de 2011 Carlos Roberto Rosa, cooperado de Morro Agudo Frederico José Dalmaso, gerente comercial agrícola da Copercana agricultor não precisa mais se locomover para cidades vizinhas para comprar equipamentos ou receber assistência técnica. A cooperativa leva até ele seus produtos e equipamentos”, disse o gerente comercial da Copercana, Ricardo Meloni. RC
    • 23 O diretor da Copercana, Pedro Esrael Bighetti fez abertura e o encerramento da inauguração de Ituverava Descerramento da fita inaugural de Morro Agudo Equipe de colaboradores da filial de Morro Agudo Paulo Bighetti, agrônomo da filial de Ituverava Ricardo Meloni, gerente comercial da Copercana Descerramento da fita inaugural de Ituverava Os diretores da Canaoeste, Luiz Carlos Tasso Júnior e Paulo César Canesin estiveram presentes na inauguração em Ituverava Cooperados e autoridades locais, de Morro Agudo e Ituverava, prestigiaram as inaugurações Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 24 Destaque Reunião Ridesa de Variedades 2011 – Centro-Sul O encontro reuniu representantes das universidades que participam do Programa de Melhoramento Genético da Cana-de-açúcar Carla Rossini N o dia 26 de outubro, a Ridesa – Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro, realizou uma reunião no Hotel JP em Ribeirão Preto, sobre as variedades de cana-de-açúcar 2011. O presidente da Copercana e Sicoob Cocred, Antonio Eduardo Tonielo, participou da abertura do evento, ao lado do diretor do Centro de Ciências Agrárias da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), Norberto Lavorenti; do professor e coordenador do Programa de Melhoramento Genético da Cana-de-açúcar (PMGCA) da UFSCar, Hermann Paulo Hoffmann; do coordenador geral da Ridesa, professor Edelclaiton Daroz; do professor da Universidade Federal de Viçosa, Márcio Henrique Pereira Barbosa; do professor da Universidade Federal de Alagoas, Geraldo Veríssimo de Souza Barbasa; do professor da Universidade Federal de Goiás, Américo José dos Santos Reis e do professor da Universidade Federal de Mato Grosso, Antonio Marcos Iaia. Durante a reunião, foram discutidos os seguintes assuntos: 1) O papel da Ridesa no desenvolvimento do setor sucroenergético; 2) Censo varietal e clones potenciais para os Estados do Paraná, Goiás, Alagoas, Pernambuco, Minas Gerais e São Paulo; 3) Participação das variedades RB e seu manejo em empresas e usinas. Em seu discurso, Antonio Tonielo falou sobre a importância das pesquisas realizadas pelas universidades para o desenvolvimento do setor sucroenergético. “Essa rede é uma demonstração de sucesso e do potencial brasileiro quando o assunto é o desenvolvimento de novas variedades de cana-de-açúcar, adequadas as mudanças climáticas e ambientais, resistentes a pragas e doenças e com produtividade melhor”, lembrou Tonielo. A RIDESA É uma rede de universidades federais que atua no desenvolvimento tecnológico da cana-de-açúcar, principalmente no desenvolvimento de novas variedades. Depois que o Planalsucar (Programa Nacional de Melhoramento da Cana-de-açúcar) foi extinto, na década de 80, as universidades federais continuaram o trabalho desenvolvido por esse instituto em pesquisas e lançamentos de novas variedades de cana. Hoje, a variedade mais plantada e a mais cultivada no Brasil, é a RB 867515, que foi desenvolvida pela Universidade Federal de Viçosa. RC Lideranças do setor prestigiaram o evento Hermann Paulo Hoffmann da UFSCar e Antonio Eduardo Tonielo, presidente da Copercana Revista Canavieiros - Novembro de 2011
    • 25 Diretores e colaboradores da Sicoob Cocred participam de Seminário sobre “Economia e Recursos Humanos” O evento aconteceu em Campinas e reuniu aproximadamente 350 convidados Carla Rossini com informações da assessoria de imprensa da Sicoob Cocecrer A Sicoob Central Cocecrer realizou nos dias 31 de outubro e 1º de novembro, o VIII Seminário Sicoob Central Cocecrer, que teve como tema “Economia e Recursos Humanos” e contou com a participação de aproximadamente 350 pessoas. O evento foi realizado no Royal Palm Plaza Resort, em Campinas. Diretores e colaboradores da Sicoob Cocred estiveram presentes no Seminário, entre eles, o presidente da cooperativa de crédito, Antonio Eduardo Tonielo e os diretores Manoel Ortolan, Pedro Esrael Bighetti, Francisco César Urenha, Luiz Carlos Tasso Júnior, José Mário Paro e Márcio Fernando Meloni. O primeiro dia de palestras foi aberto pelo treinador da seleção brasileira de vôlei masculino, Bernardinho Rezende, que tratou da motivação e formação de equipes vencedoras. Na sequência, falaram ao público Wilson Carnevalli Filho (IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa), Sílvio Giusti (OCB – Organização das Cooperativas Brasileiras), Caio Tibério Dornelles da Rocha (MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), Lúcio César de Faria (BACEN – Banco Central do Brasil) e o apresentador e economista Ricardo Amorim, do canal GloboNews. No segundo dia, a abertura ficou por conta do ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, que ministrou a palestra “Cenário econômico mundial: reflexos na economia nacional, com destaque para o cooperativismo de crédito”. Ainda na terça-feira palestraram Alberto Borges Matias (INEPAD / FEA-USP), Amílcar Barca Teixeira Júnior, David Forli (INEPAD) e o professor, filósofo e escritor Mário Sérgio Cortella, que encerrou o Seminário levando o público a reflexão sobre o tema “Da oportunidade ao êxito – mudar é complicado? Acomodar é perecer”. Lideranças cooperativistas e o Dep. Federal, Duarte Nogueira (PSDB-SP) Pedro Esrael Bighetti, Rita e Márcio Meloni, Francisco e Maria José Urenha Antonio Eduardo e Neli Tonielo e Sandra Bighetti José Mário e Maria do Carmo Paro, Sandra e Manoel Ortolan e Luiz Carlos e Patrícia Tasso Sobre o Sicoob Central Cocecrer O Sicoob Central Cocecrer é uma sociedade cooperativa central de responsabilidade limitada, sem fins lucrativos, com o objetivo de prestar serviços econômico-financeiros e assistenciais de interesse das cooperativas de crédito pertencentes ao seu quadro social. Integra e orienta as atividades de 18 cooperativas de crédito singulares, de forma autônoma e independente, por meio de instrumentos previstos pela legislação e normas do Banco Central, além de viabilizar e promover ações des- sas singulares que integram o Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob), beneficiando os cooperados com eficiência, segurança e credibilidade. Por estar no segundo nível do Sistema Cooperativo, o Sicoob Central Cocecrer cumpre o papel de facilitadora em tarefas e funções das cooperativas singulares, conquistando mais vantagens em conjunto, e também funciona como um ponto central: fornece recursos de crédito, fiscaliza e concentra a liquidez do Sistema Cooperativo de São Paulo. RC Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 26 Informações Setoriais Chuvas de outubro e Prognósticos Climáticos de novembro a janeiro No quadro a seguir, são apresentadas as (poucas)chuvas do mês de outubro Engº Agrônomo Oswaldo Alonso Técnico Agronômico da Canaoeste O A média das observações de chuvas durante o mês de outubro (183mm), “ficou” uma vez e meia acima da média das normalidades climáticas de todos os locais informados (121mm). Em alguns locais chegou a ser o dobro, como em Dumont, CFM, Copercana-Uname, IAC e LDCSEV-Santa Elisa, ou seja, no entorno de Sertãozinho e Ribeirão Preto. Mapa 1, já no período de 13 a 16 de outubro mostra que houve quase total reversão do quadro crítico de Água Disponível no Solo que se apresentava ao final de setembro. Entretanto, ainda persistia condição desfavorável de Umidade no Solo no extremo Noroeste do Estado e no entorno de Barretos-Olímpia. Observando-se os Mapas 2 e 3, referentes aos finais dos meses de outubro de 2010 e de 2011, nota-se grandes inversões dos índices de Disponibilidades de Água no Solo em toda área sucroenergética do Estado, com exceção do Sul-Sudoeste de São Paulo. Mapa 1:- Água Disponível no Solo entre 13 a 16 de outubro de 2011. Revista Canavieiros - Novembro de 2011 Para subsidiar planejamentos de atividades futuras, a Canaoeste resume o prognóstico climático de consenso entre INMET-Instituto Nacional de Meteorologia e INPE-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais para os meses de novembro 2011 a janeiro 2012, conforme mostrado no Mapa 4. Mapa 2:- Água Disponível no S
    • 27 • Para os meses novembro a janeiro, as temperaturas médias deverão ser próximas das respectivas médias históricas em toda Região Centro Sul; • Com relação às chuvas, como média durante o período de novembro a janeiro, “ficarão” em torno das normais climáticas, mas com probabilidades de ocorrerem entre acima até abaixo das respectivas médias em alguns destes meses, exceto para o Estado do Rio Grande do Sul, onde a tendência será de “ficarem” pouco abaixo das normais climáticas. Efeitos estes, já como consequência “da volta” do fenômeno La Niña; • Como referência de normais climáticas de chuvas para Ribeirão Preto e municípios vizinhos, pelo Centro Apta-IAC, são de 170mm em novembro e 270mm em dezembro e 280mm em janeiro. A SOMAR Meteorologia também prevê que, para a região de abrangência da Canaoeste as chuvas poderão “ficar” próximas às respectivas médias climáticas e com as mesmas variações acima assinaladas. Embora com muita antecedência, a possível condição climatológica para fevereiro e março será a de ocorrer chuvas acima da média. Solo ao final de outubro de 2010. Face estas previsões climáticas para estes próximos meses, a Canaoeste recomenda aos produtores de cana que efetuem os necessários e aprimorados tratos culturais e até (serem mais generosos na) utilização de insumos - adubações e atenções – e muitas atenções mesmo - em monitoramentos das pragas (leia-se, cigarrinhas), doenças e ervas daninhas, visando às crescentes demandas por matéria prima nas próximas safras. Mapa 4:- Adaptação pela CANAOESTE do Prognóstico de Consenso entre INMET e INPE para o trimestre novembro/2011 a janeiro/2012. Cabendo lembrar que é praticamente igual ao Prognóstico anterior. Entretanto, canaviais depauperados por pisoteios, falhas, pragas, doenças, ervas daninhas exigem renovações, visando melhor produtividade em atenção às safras futuras. Mas, atenção! Qualidade das mudas é fundamental para assegurar produtividade e longevidade dos canaviais. A relação custo/benefício é muito favorável quando se empregam mudas sadias. Estes prognósticos serão revistos a cada edição da Revista Canavieiros e fatos ou prognósticos climáticos relevantes serão noticiados em nosso site: www.canaoeste.com.br Persistindo dúvidas, consultem os Técnicos mais próximos ou através do Fale Conosco Canaoeste. RC Mapa 3:- Água Disponível no Solo, 50cm de profundidade, ao final de outubro de 2011. RC Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 28 Artigo Técnico Acompanhamento da safra 2011/2012 A safra 2011/2012, iniciada em março de 2011, encontra-se na 1ª quinzena do mês de novembro e, neste trabalho, são apresentados os dados obtidos até a 2ª quinzena de outubro, em comparação com os obtidos na safra 2010/2011. Na Tabela 1, encontra-se o ATR médio acumulado (kg/tonelada) do início da safra até a 2ª quinzena de outubro, em comparação com o obtido na safra 2010/2011, sendo que o ATR da safra 2011/2012 está 5,34 Kg abaixo do obtido na safra 2010/2011 no mesmo período. Tabela 1 – ATR (kg/t) médio da cana entregue pelos fornecedores de cana da Canaoeste das safras 2010/2011 e 2011/2012 As tabelas 2 e 3 contém detalhes da qualidade tecnológica da matéria-prima nas safras 2010/2011 e 2011/2012. Tabela 2 – Qualidade da matéria-prima entregue pelos fornecedores de cana da Canaoeste, até a 2ª quinzena de outubro, da safra 2010/2011. Thiago de Andrade Silva Planejamento, controle e topografia Canaoeste A pureza do caldo da safra 2011/2012 ficou muito abaixo da obtida na safra 2010/2011, do início da safra até a 2ª quinzena de abril, com maior acentuação na 2ª quinzena de março, ficando próximo do mês de maio em diante, se igualando, praticamente, a partir da 2ª quinzena de julho. Tabela 3 – Qualidade da matéria-prima entregue pelos fornecedores de cana da Canaoeste, até a 2ª quinzena de outubro, da safra 2011/2012. O Gráfico 4 contém o comportamento da FIBRA da cana na safra 2011/2012 em comparação com a 2010/2011. De modo geral, a FIBRA da cana na safra 2011/2012 ficou abaixo da obtida na 2010/2011, com exceção da 1ª quinzena de abril, ficando bem abaixo na 2ª quinzena de março e de forma menos acentuada na 2ª quinzena de maio. Gráfico 1 – BRIX do caldo obtido nas safras 2 O Gráfico 1 contém o comportamento do BRIX do caldo da safra 2011/2012 em comparação com a 2010/2011. O BRIX do caldo da safra 2011/2012 ficou abaixo em todas as quinzenas, em relação à safra 2010/2011, sendo de forma mais acentuada na 2ª quinzena de março, exceto no mês de outubro que ficou acima. O Gráfico 2 contém o comportamento da POL do caldo na safra 2011/2012 em comparação com a safra 2010/2011. Pode-se observar que a POL do caldo apresentou o mesmo comportamento do BRIX do caldo. O Gráfico 3 contém o comportamento da pureza do caldo na safra 2011/2012 em comparação com a safra 2010/2011. Revista Canavieiros - Novembro de 2011
    • 29 O Gráfico 5 contém o comportamento da POL da cana na safra 2011/2012 em comparação com a 2010/2011. Gráfico 2 – POL do caldo obtida nas safras 2011/2012 e 2010/2011 A POL da cana obtida na safra 2011/2012 está muito abaixo daquela obtida na 2010/2011 em todas as quinzenas, sendo a diferença mais acentuada na 2ª quinzena de março, exceto nas duas quinzenas de outubro, tendo ficado bem acima na 1ª quinzena. O Gráfico 6 contém o comportamento do ATR na safra 2011/2012 em comparação com a 2010/2011. Gráfico 3 – Pureza do caldo obtida nas safras 2011/2012 e 2010/2011 O ATR apresentou um comportamento semelhante ao da POL da Cana. O Gráfico 7 contém o comportamento do volume de precipitação pluviométrica registrado na safra 2011/2012 em comparação com a 2010/2011. A precipitação pluviométrica média ficou acima dos valores observados em 2010, nos meses de fevereiro, março, abril, junho, agosto e outubro de 2011, sendo que nos meses de março e outubro a precipitação pluviométrica ficou muito acima, quando comparada com a de 2010; Nos meses de janeiro, maio, julho e setembro a precipitação pluviométrica desta safra ficou abaixo daquela observada em 2010, de forma mais acentuada no mês de setembro. Gráfico 4 – Comparativo das Médias de FIBRA da cana O Gráfico 8 contém o comportamento da precipitação pluviométrica acumulada por Trimestre na safra 2011/2012 em comparação com a 2010/2011. 2011/2012 e 2010/2011 Em 2011, observa-se um volume de chuva muito acima no 1º e 4º Trimestres e um pouco maior no 2º Trimestre, se comparado aos volumes médios de 2010. O 3º Trimestre, praticamente se igualou ao volume médio observado em 2010. Gráfico 5 – POL da cana obtida nas safras 2011/2012 e 2010/2011 Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 30 Houve uma pequena recuperação do teor médio de ATR na 1ª quinzena de outubro em relação ao mês de setembro, porém muito acima se comparado com a mesma da safra 2010/2011, invertendo a situação, pois o teor de ATR estava abaixo em todas as quinzenas anteriores da safra 2011/2012 em relação a 2010/211; mesmo assim, ainda existe uma diferença considerável entre o teor médio de ATR da safra 2011/2012 e o da safra 2010/2011 da ordem de 5,34 kg de ATR. RC Gráfico 7 – Precipitação pluviométrica (mm de chuva) registrada em 2010 e 2011 Revista Canavieiros - Novembro de 2011 Gráfico 6 – ATR obtido nas safras 2011/2012 e 2010/2011 Gráfico 8 – Precipitação pluviométrica (mm de chuva) por Trimestre, em 2010 e 2011.
    • 31 Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 32 Assuntos Legais Desdobramentos do Novo Código Florestal no Congresso O governo reconhece avanços no projeto de novo Código Florestal a partir das mudanças já aprovadas no Senado, mas ainda espera que sejam feitos ajustes antes da votação final do texto, conforme afirmou Bráulio Ferreira Dias, secretário de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente. Ele participou nesta sexta-feira (11) de audiência pública na Comissão de Meio Ambiente (CMA). Na opinião do secretário, pelo menos seis aspectos precisariam ser melhorados: incentivos econômicos para manutenção de florestas; parâmetros para a recuperação de mata ciliar; regramento para suspensão de multas por desmatamento ilegal; critérios para compensação florestal; estímulos para recuperação de área degradada; e normas para evitar incêndios florestais. Quanto aos incentivos econômicos, Bráulio Dias pondera que o projeto do novo Código Florestal (PLC 30/2011) não pode avançar na identificação de fontes para a concessão dos benefícios, por ser essa uma prerrogativa do Executivo. No entanto, ele considera possível incluir no texto critérios para nortear a implementação de incentivos para os que cumprem a lei florestal. “Seria injusto estabelecer mecanismos apenas para estimular a recuperação. Temos que estimular também todos aqueles que mantêm as florestas”, disse. Essa também é a opinião de José Carlos Carvalho, ex-ministro do Meio Ambiente e superintendente-geral da Fundação Amazônia Sustentável. Ele entende que o pagamento por serviços ambientais deve ser direcionado aos agricultores que protegerem as Áreas de Preservação Permanente (APP) e de reserva legal. Para o ex-ministro, os produtores interessados em recompor áreas desmatadas poderão se beneficiar de outros instrumentos, como condições favoráveis de crédito, por exemplo. Recuperação de APP Entre as expectativas do governo está um dos aspectos polêmicos do novo código: os parâmetros mínimos para recomposição de APPs ao longo dos rios. O substitutivo em exame no Senado já prevê obrigação de o proprietário que desmatou recompor pelo menos 15 metros de mata ciliar em rios com até dez metros de largura. No entanto, de acordo com Bráulio Dias, o governo quer incluir regras também para rios mais largos. Nesse sentido, o presidente da CMA, senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), apresentou emenda propondo faixas de mata a serem recuperadas, em dimensões que variam conforme a largura dos rios. O parlamentar busca acordo entre os senadores para incluir a emenda no relatório sobre o projeto que o senador Jorge Viana (PT-AC) apresentará na CMA, onde o texto tramita neste momento. O projeto já recebeu substitutivo do senador Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC), aprovado nas Comissões de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), de Agricultura (CRA), e de Ciência e Tecnologia (CCT). Regularização de atividades em APPs O governo também defende regras mais claras quanto aos aspectos práticos dos Programas de Regularização Ambiental (PRAs). Esses programas devem balizar as ações necessárias a tornar regulares as chamadas áreas consolidadas em APPs, ou seja, aquelas em que foram desenvolvidas atividades agrícolas de maneira irregular ao longo dos anos. Conforme Bráulio Dias, a manutenção de áreas consolidadas não pode comprometer as funções ecológicas das APPs. “Se perdermos o solo, a água, a biodiversidade, os recursos genéticos, e os polinizadores, a própria atividade agrícola se torna insustentável”, alertou. Já a preocupação de André Lima, do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia, e de Roberto Smeraldi, diretor da Revista Canavieiros - Novembro de 2011 organização Amigos da Terra, é com o risco de a suspensão das multas com a criação dos PRA se traduzir em anistia. Para eles, o benefício deve estar atrelado ao compromisso de recomposição da vegetação. André Lima lembra que legislação em vigor desde 1998 estabelece como crime a ocupação de APP, sendo incorreto regularizar de forma geral essas ocupações. “A consolidação de uso de áreas abertas precisa ser restrita, principalmente em bacias hidrográficas que já estejam comprometidas”, opinou. Compensação Quanto à possibilidade de compensação de área desmatada em propriedade fora do estado onde ocorreu o desmatamento, Bráulio Dias considera necessário o aprimoramento dos critérios para permitir a compra de nova área ou de cota de reserva florestal. Originalmente, a previsão era que isso fosse feito dentro da microbacia, mas constatou-se que seria muito restritivo. Mas também não se pode ampliar em demasia. A definição de critérios é essencial para que isso seja implementado de forma correta. O secretário também defendeu a inclusão de estímulos à ampliação do uso de recursos florestais, à agregação de valor e à estruturação de mercados de produtos ou subprodutos florestais. “A Floresta Amazônica, por exemplo, não será sustentável se continuar sendo exportadora de matéria prima. Temos que estimular a agregação de valor e gerar emprego e renda, valorizando a floresta e seu aproveitamento”, afirmou. No debate, Jorge Viana voltou a destacar a importância de se considerar as florestas como ativos econômicos e não como obstáculos ao desenvolvimento. Incêndios florestais Frente à gravidade dos incêndios florestais ocorridos no país nos últimos anos, Bráulio Dias disse que o governo quer complementar a parte do novo código que trata dessa questão. Conforme ressaltou, será necessário detalhar melhor os mecanismos claros para ação de controle de incêndios. RC Fonte: Agência Senado
    • 33 Implicações do Código Florestal Sobre os Pequenos Produtores Rurais A Por Ignez Vidigal Lopes e Daniela de Paula Rocha, Pesquisadoras do IBRE/FGV s propriedades ou posses até 4 (quatro) módulos fiscais abrangem um grupo muito diferenciado de produtores que incluem tanto o pequeno estabelecimento produtivo típico do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, quanto um contingente numeroso de produtores de subsistência, a maioria sobrevivendo em situação de pobreza absoluta. Estudos do IBRE da FGV, baseado nos micro-dados do último Censo Agropecuário do IBGE de 2006, revelam: • Dos 5,1 milhões de estabelecimentos rurais censitados, 4,5 milhões (88% do total) caem na categoria de pequenos (até 4 módulos) e ocupam 28% da área total ocupada pela agricultura no país (Tabela 1). • Médios produtores (entre 4 e 15 módulos) somam 238 mil produtores (4,6% do total) e grandes (acima de 15 módulos) representam menos de 100.000, isto é, 1, 78% do total de estabelecimentos rurais. Médios e grandes ocupam 72% da área. • Do total de 4,5 milhões, cerca de 3,2 milhões atende aos requisitos da agricultura familiar. Destes, o subgrupo dos pequenos estabelecimentos produtivos representa apenas 534 mil propriedades ou posses. É o mais desenvolvido e integrado ao mercado (Tabela 2). • Ainda nesses 3,2 milhões, há 2,8 milhões de estabelecimentos, onde se pratica uma agricultura de semi-subsistência, muitos dos quais sobrevivem em níveis extremos de pobreza. • O estudo da Fundação Getulio Vargas também identificou um subgrupo de aproximadamente 1,3 milhão de pequenos agricultores que possuem menos de 4 módulos rurais, mas não são incluídos na agricultura familiar para efeito do Pronaf, por não preencherem todas as condições previstas na Lei 11.326/2006. • Com relação à renda da produção agropecuária os dados do Censo mostram Tabela 1 – Brasil. Número de estabelecimentos e área total (%), segundo grupos de módulos fiscais Participações (%) Número de Módulos fiscais estabelecimentos (un) Número de Área total estabelecimentos 0 a 1 3.778.723 73,0 11,8 1 a 2 538.932 10,4 8,3 2 a 4 272.793 5,3 8,2 4 a 15 238.425 4,6 20,1 15 a 30 52.569 1,0 12,6 30 a 60 24.259 0,5 11,9 Mais de 60 14.916 0,3 27,3 Não informantes 255.019 4,9 0,0 Total 5.175.636 100,0 100,0 Fonte: Estudo da FGB – IBGE – Censo Agropecuário 2006 Tabela 2 – Brasil. Número de estabelecimentos, área e valor bruto de produção (%), segundo grupos de pronaf Participações (%) Enquadráveis e não Número de E nquadráveis no Pronaf estabelecimentos (un) Número de Área total Valor bruto estabelecimentos produção Pronaf A 382.146 7,4 2,3 1,3 Pronaf B 2.320.037 44,8 10,2 5,4 Pronaf AF 532.971 10,3 4,9 13,2 Total enquadráveis 3.235.154 62,5 17,4 19,8 T otal não enquadráveis 1.685.463 32,6 82,6 79,5 P equenos (até 4 módulos) 1.355.294 26,2 10,9 24,7 M édios (acima de 4 a 15 mód.) 238.425 4,6 20,1 16,6 G randes (acima de 15 mód.) 91.744 1,8 51,7 38,3 Não informantes 255.019 4,9 0,0 0,7 Total 5.175.636 100,0 100,0 100,0 Fonte: Estudo da FGB – IBGE – Censo Agropecuário 2006 Tabela 4 – Brasil: Contribuição dos Pequenos Estabelecimentos (até 4 módulos fiscais) para a cesta básica segundo os Sebgrupos (%do VBP) Produtos Subgrupo Subgrupo Subgrupo Total Médios e VBP pobre do produtivo do não enquadrável (até 4 mód.) grandes (mais Total PRONAF PRONAF (até 4 mód.) de 4 mód) Horticultura 7 26 51 85 15 100 Fruticultura 2 11 52 65 35 100 Cana-de-açúcar 2 2 7 12 88 100 Mandioca 27 26 36 89 11 100 Batata 3 16 17 36 64 100 Café 3 14 41 58 42 100 Laranja 1 8 30 39 61 100 Arroz em casca 10 13 13 36 64 100 Feijão total 22 27 24 73 27 100 Milho em grãos 12 18 20 50 50 100 Soja em grãos 1 7 9 16 84 100 Trigo 0 12 10 23 77 100 Bovinos e bubalinos 4 8 14 27 73 100 Leite 17 26 26 69 31 100 Suínos 14 21 37 72 28 100 Aves 11 13 42 66 34 100 Ovos 5 4 53 62 38 100 *inclui não informantes Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 34 uma forte disparidade entre os subgrupos componentes da agricultura familiar: os mais pobres (2,3 milhões de estabelecimentos) geram uma renda familiar média anual de R$ 4.346,00 e metade deles sobrevivem com renda menor que R$ 1.267,00/ano. Esse grupo representa uma população de quase dez milhões de agricultores familiares que sobrevivem em situação de pobreza extrema. • O subgrupo mais produtivo gera um valor da produção anual médio de R$ 41.163,00, sendo que a metade deles atinge valor menor que R$ 25.680,00/ ano. Trata-se da renda bruta familiar sem a dedução das despesas de plantio, o que sugere que também sobrevivam em condições de pobreza. • A sobrevivência do grupo mais pobre (2,8 milhões de estabelecimentos) tem forte dependência de outras fontes de renda: 45% da renda provêm de aposentadorias e pensões; 15% de trabalho fora do estabelecimento e apenas 25% da renda são provenientes da produção no estabelecimento; • Outro resultado da pesquisa da FGV foi mostrar a contribuição dos grupos de até 4 módulos fiscais (entre eles a agricultura familiar) para a produção da cesta básica (Tabela 4) • Um subgrupo não delimitado no estudo da FGV e que merece também atenção é o de propriedades ou posses muito pequenas, com área maior que 20 ha e menor (ou igual) a 50 hectares, localizadas em municípios onde o módulo fiscal Assuntos Legais mede entre 5 e 12 hectares. Embora pequenas (área menor que 50 ha) elas excedem o critério de 4 módulos ficais. Conclusão: Os dados da pesquisa do IBRE-FGV com os dados do Censo não deixam qualquer dúvida de que, quando se fala de pequena propriedade ou posse rural, na realidade se está falando de um conjunto muito numeroso e heterogêneo que, além da agricultura familiar, envolve numero expressivo de pequenos produtores que nela não se enquadram mas que têm participação até mais expressiva do que ela na cesta básica . Todos esses subgrupos devem ser considerados como frágeis e de interesse social, e entre eles sobressai um grupo numeroso de pobreza absoluta. Pontos para reflexão sobre a realidade encontrada nos estudos da FGV: • Apesar de não ser o alvo principal do Código Florestal – o pequeno produtor é tão numeroso que corre o risco de se tornar o mais atingido: representa 88% contra 4,6% do médio e 1,78% do grande produtor (em relação ao total de 5,1 milhões de estabelecimentos). • O pior problema de uma negociação é desconhecer os números e não saber o que se está negociando. Corre-se o risco de “atirar no que se vê e matar o que não se vê” • A situação de pobreza extrema revelada no estudo abrange uma população de cerca de 10 milhões de pessoas Revista Canavieiros - Novembro de 2011 (média de 3 pessoas por família rural), totalmente incapaz de suportar qualquer ônus adicional, muito menos a subtração da área da qual depende seu sustento, sem a contrapartida de uma compensação financeira. • Outra revelação do Censo é que existe um universo bem maior de pequenas propriedades (até 4 módulos), além do grupo enquadrado na agricultura familiar, e que esse grupo ampliado não pode ser excluído do tratamento diferenciado que sua situação de renda impõe ao Código Florestal. • Esse pequeno produtor que não se enquadra no Pronaf contribui com uma parcela bem mais expressiva para a cesta básica e necessita de tratamento diferenciado para ser capaz de cumprir com as exigências do Código sem o risco de diminuir sua participação em relação ao médio e grande produtores. • No caso de tratamento diferenciado, a pergunta é onde realizar o corte de forma adequada à realidade, sem deixar que questões políticas se sobreponham às necessidades, aos fatos e números? • Há riscos de que a regulamentação excessiva e burocrática – com a qual o pequeno produtor está pouco familiarizado, aliada à baixa capacidade operacional dos órgãos ambientais – torne inviável a atividade para o pequeno produtor, aumentando ainda mais a concentração dos meios de produção no setor. RC Fonte: Fund. Getúlio Vargas
    • 35 Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 36 36 “General Álvaro Tavares Carmo” Apresentação da publicação “Cálculos” de autoria de Antonio Carlos Fernandes: Cultivando a Língua Portuguesa Esta coluna tem a intenção de maneira didática, esclarecer algumas dúvidas a respeito do português. “ A vida é a infância da nossa imortalidade.” Goethe 1) Pedro está “tranquilo” com o seu novo emprego. ... e a Língua Portuguesa também! Segundo o Novo Acordo Ortográfico, o trema deixará de existir na regra geral. Portanto, correto a expressão tranquilo. 2) Eles “ lêem” muitos livros ligados à literatura. Agora, precisam ler sobre o Novo Acordo Ortográfico. O correto é: leem - sem acento Segundo o Novo Acordo Ortográfico, desaparecerá em palavras com duplo “E” o acento circunflexo. Antes: lêem Novo Acordo: leem “O objetivo deste manual de consulta é o de reunir, senão todas, quase todas as fórmulas e equações mais empregadas pelo setor sucroenergético. As explicações e exemplos visam facilitar as aplicações das fórmulas e equações, devendo, pois, serem utilizados para entendimentos dos assuntos em pauta no setor sucroenergético, sem a intenção de avaliar ou explicar o desempenho de uma ou outra empresa do ramo.” (Trecho apresentado pelo autor) 3) Ela disse; - “Pára” de falar alto, Pedro! ...e Pedro não parou com a grafia escrita com acento. Segundo o Novo Acordo Ortográfico, não se usará mais acento para diferenciar para (verbo) de para (preposição). O correto na frase: para PARA VOCÊ PENSAR: “Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?” Fernando Pessoa “Às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido.” Fernando Pessoa Citação: FERNANDES, Antônio Carlos. Cálculos na agroindústria da cana-de-açúcar. 3ª Ed. Piracicaba: STAB, 2010. Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros podem procurar a Biblioteca da Canaoeste, na Rua Augusto Zanini, nº1461 em Sertãozinho, ou pelo telefone : (16)3946-3300 - Ramal 2016 Dicas e sugestões, entre em contato: renatacs@convex.com.br * Advogada, Prof. de Português, Consultora e Revisora, Mestra USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, Pós-Graduada pela FGV/RJ, com MBA em Direito e Gestão Educacional, autora de vários livros como a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras), em co-autoria. Revista Canavieiros - Novembro de 2011
    • 37 Eventos em Novembro e Dezembro de 2011 10ª Seminário sobre Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira Data: de 30 de Novembro a 01 de Dezembro Inscrições: Até o dia 28 de Novembro Local: Centro de Convenções de Ribeirão Preto/SP Endereço: Rua Bernardino de Campos Bairro: Centro CEP: 14015-000 Mais informações: 16 3514 0631 // 3211 4770 E-mail: eventos@ideaonline.com.br Valor: EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO E PESSOAS FÍSICAS, valor para inscrições até 18/11/2011 R$ 680,00 e até 28/11/2011 R$ 750,00 Valor: FILIADOS: CEISE, IAC, ORPLANA E ÚNICA, valor para inscrições até 18/11/2011 R$ 600,00 e até 28/11/2011 R$ 680,00. Cana Show 2011 Empresa Promotora: CTC – Centro de Tecnologia Canavieira Tipo de Evento: Lançamento Data: 07/12/2011 Horário de início: 08h30 Estado: SP Cidade: Piracicaba Localização do Evento: CTC - Piracicaba Site: www.ctc.com.br Telefone: (19) 3422-9383 // 9700-2513 E-mail: confirmação@manifestacerimonial.com.br Seminário Fitotécnico e Sistema de Produção de Cana e Colheita Mecanizada Data: 13 de dezembro Local: Auditório Canaoeste Endereço: Rua Dr. Pio Dufles, 532 Cidade: Sertãozinho/SP Bairro: Jardim Soljumar Realização: Stab, Copercana, Canaoeste, Coplacana e Afocapi Apoio: Udop Mais informações e inscrições: (19) 3433- 3311 ou pelo site www.stab.org.br. 18ª Jornada de Atualização em Agricultura de Precisão Empresa Promotora: Departamento de Engenharia Rural, ESALQ/USP Tipo de Evento: Seminário / Jornada Início do Evento: 12/12/2011 Fim do Evento: 16/12/2011 Estado: SP Cidade: Piracicaba Localização do Evento: ESALQ/USP- Av. Centenário, 1080 Informações com: FEALQ Site: www.agriculturadeprecisao.org.br Telefone: (19) 3417-6604 E-mail: cdt@fealq.org.br Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 38 VENDE-SE - Ordenhadeira WEST FALIA completa com contenção, programador de lavagem, aquecedor de água e etc, contendo 08 cj de teteiras, 08 lavadores, 04 coletores de 350ml, 04 coletores de 150ml, 08 balanças, 04 pulsadores eletrônicos, sendo 02 da West Falia e 02 da Eurolatte, duas bombas, sendo uma de 850 litros da West Falia e outra da Eurolatte de 1.050 litros. Preço R$ 23.000,00. Tratar com o Lydio pelos telefones: (11) 8447-0058 ou (11) 7357-4400. com 4.200 horas na cor azul, equipado com pá e lamina Tatu. Valor: R$ 52.000,00; - 01 trator New Holland TM 120 4X4, ano 2001, com 5.500 horas. Valor: R$ 50.000,00. Tratar com Fabrício Mascaro pelos telefones: (16) 9235-2937 ou (16) 9725-8475. VENDEM-SE - 95 alqueires de cana arrendado e o restante em pastagem, 50 alqueires totalmente mecanizado, sede muito boa com piscina e sauna, toda mobilhada, três casas de empregado, duas represas, pomar, trator, muitos implementos, curral com balança e brete, 60 cabeças de gado, localizado a 80km de Ribeirão Preto, sendo 5 Km de chão. Valor: R$ 7.500.000,00. Aceita-se oferta. - Sítio de 21 alqueires, a 45 KM de Ribeirão Preto, formado em pasto, sede, casa muito boa, piscina, sauna seca e molhada, sede toda cercada em alambrado, laser e lucratividade. Valor: R$1000.000,00. Oportunidade única. Tratar com Junio Balieiro pelo telefone: (16) 9158-0303 ou pelo e-mail: juniobalieiro@yahoo.com.br VENDEM-SE - 01 caixa d’água modelo australiana para 50.000 lts; - 01 caixa d’água modelo australiana para 5.000 lts; - 01 transformador de 30 KVA; - 01 transformador de 45 KVA; - 01 transformador de 112 KVA; - mourões de aroeira; - coxos de cimento; - porteiras; - arame farpado usado. Tratar com Wilson pelo telefone: (17) 9739-2000 – Viradouro/SP VENDEM-SE - Caminhão Pipa-Ford 22.000, traçado, ano 1984, tanque 13.500 litros, todo reformado, com bomba e canhão (Andrade) novos. Preço: R$ 75.000,00. - Caminhão Chevrolet D-60, ano 1980 toco, todo reformado. Preço:R$ 20.000,00. - Trator MF 292 - 4x4, ano 1989, original, pneus seminovos. Preço: R$ 40.000,00 - Trampulo Ford 5610, ano 1991, com 2 tanques laterais de 600 cada e barras hidráulicas. Preço: R$ 70.000,00. Tratar com Alex pelos telefones: (16) 9997-0166 ou (16) 9298-9629. VENDEM-SE - 01 trator Valtra BM 110 4X4, ano 2001, VENDE-SE - Trator New Holland 6630, ano 1995, ótimo estado de conservação, 4x2. Tratar pelos telefones: (34) 9972-3073 ou (34) 3332-0525. VENDEM-SE - 01 plantadeira PHT 8/7 Tatu, completa, com uma planta de uso, super conservada; - 01 cultivador articulado mca 22x8 - Munari , sem uso, encontra-se à 20-km de Uberaba. Tratar com Zémario pelo telefone: (34) 9177- 0027. VENDEM-SE: - 01 grade com controle remoto 16x26” reformada; - 01 arado reversível de 3 relhas aiveca reformado; - 03 arados reversíveis de discos reformados; - 01 sulcador de cana DMB completo, caixa 400 kg, marcador de sulco 2 pistões; - 01 arrancador de amendoim seminovo - pronto para uso; - 02 plataformas traseiras para tratores bem reforçadas; - 01 conjunto de gradinha para cultivador de cana mod. OP; - 01 grade aradora civemasa 14x34”, Revista Canavieiros - Novembro de 2011 espaçamento 420mm; - 01 grade niveladora com controle de 48x22” semi-nova; - 01 enleirador de palha. Valor: R$2.800,00, reformado; - 01 distribuidor de adubo/calcário a lanço nogueira soft 900; - 01 carreta distribuidora de calcário bertanha 6 toneladas; - 01 roçadeira lateral semi-nova. Valor: R$ 2.500,00, completa. Tratar com Marco ou Eduardo pelos telefones: 3942-2895 / 81366830. VENDE-SE - Curral, esteios todos de aroeira, tronco, balança marca Filizola, capacidade 2000 kg. Muito barato. Tratar com Marco pelo telefone: (16) 9138-4955 ou pelo e-mail: afciciliati@gmail.com COMPRA-SE - Tubos de irrigação de todos os diâmetros, motobombas, rolão autopropelido, pivot, etc; pagamento a vista; Tratar com Carlos pelos telefones: (19) 9166-1710 / (19) 8128-0290 ou pelo e-mail: cyutakam@hotmail.com VENDEM-SE - 13 alqueirões planta 10,5, formado pasto, terra boa para plantio de cana, soja etc; - Represa água de mina de excelente qualidade, roda d’água, casa da sede lajeada com dois quartos sendo um suíte, mas duas casas para funcionários, barracão 300mt2 fechado coberto com estrutura metálica, tanque de combustível, bomba, poço artesiano, curral, chiqueiro, paiol, campo de futebol, pomar, extensa área verde. Excelente localização estrada FRUTAL/PIRAJUBA KM 20, prestes a ser asfaltada até 2012, ao lado de 02 Usinas sendo uma FRUTAL e a outra CURURIPE valor R$1.300,000,00. Tratar com Francisco pelos telefones: (16) 8843-1179 ou (16) 3013-9192. Vende-se Colheitadeira de soja slc ano 89, ar cond., boca de 14 pés, ótimo estado de conservação. Tratar com Júlio (16) 91965852.
    • 39 Revista Canavieiros - Novembro 2011
    • 40 Revista Canavieiros - Novembro de 2011