Ed45março10
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Ed45março10

on

  • 203 views

 

Statistics

Views

Total Views
203
Slideshare-icon Views on SlideShare
203
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Ed45março10 Ed45março10 Document Transcript

    • Revista Canavieiros - Março de 2010 1
    • 2 Revista Canavieiros - Março de 2010
    • Editorial As expectativas da nova safra N a Reportagem de Capa desta edição o leitor vai conhecer a chamada cana bisada, que é a cana que ficou em pé de uma safra para outra. Devido ao excesso de chuvas que ocorreram no segundo semestre de 2009, cerca de 10% (aproximadamente 50 milhões de toneladas de cana) dos canaviais da região Centro-Sul do Brasil, não foram colhidos na safra 2009/10. Essa sobra será processada em 2010, o que irá gerar um excedente de matéria prima da ordem de 10 a 12% para esta nova safra. O presidente da Orplana – Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil, é o entrevistado deste mês e fala sobre as perspectivas para a safra 2010/11. Ele também comentou sua preocupação em relação às mudanças no Código Florestal, já que, segundo ele, a questão vem sendo muito discutida e interpretada de maneira ideológica, colocando em risco os produtores frente ao judiciário no valor da agropecuária nacional. O presidente da Associação e do Sindicato Rural de Ribeirão Preto, Joaquim Augusto Azevedo Souza, expõe seu Ponto de Vista sobre o Código Florestal Brasileiro. Para ele, é necessário que se façam mudanças urgentes no código para adequá-lo a realidade do Brasil. Em Assuntos Legais, o advogado da Canaoeste, Juliano Bor- toloti, traz dois artigos: STF declara inconstitucional a cobrança do Funrural; Ato Declaratório Ambiental. A secção Notícias Copercana traz uma reportagem sobre o 1º lote de cordeiros do confinamento da cooperativa que foi abatido. 34 animais foram levados para o Frigorífico Gilberto Francisco Ruy, na cidade de Descalvado, para o abate. Já em Notícias Canaoeste estão às reportagens sobre o Dia de Campo realizado na Fazenda Santa Rita; a circular do Consecana com o preço do ATR de fevereiro e a participação dos associados na Feicana e no X Encontro Anual da Orplana, realizado em Araçatuba no dia 9 de março. Nesse mês, a Canavieiros traz um importante Artigo Técnico intitulado “Potencial Produtivo e contribuição financeira de cultivares de cana-de-açúcar”. Em Novas Tecnologias, a revista aborda a dificuldade com o acesso a informação. Alguns produtores já utilizam a internet para se manterem informados, mas essa não é a realidade de todos. Confira a reportagem na página 32. Além disso, você pode conferir também as dicas de leitura, Língua Portuguesa e as Informações Setoriais do mês de fevereiro de acordo com o assessor técnico da Canaoeste, Oswaldo Alonso. Boa leitura! Conselho Editorial Revista Canavieiros - Março de 2010 Revista Canavieiros - Março de 2010 3 3
    • Indice EXPEDIENTE Capa CONSELHO EDITORIAL: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson Cana Bisada: a primeira a ser processada em 2010 Em 2009, o excesso de chuva comprometeu a colheita e cerca de 10% dos canaviais continuaram em pé 22 Pag. Pag. OUTRAS DESTA DESTA QUES Entrevista Ismael Perina Júnior Pag. CIRCULAR 1 2 CONSECANA Presidente da Orplana Dias melhores para os produtores de cana Pag. Pag. Pag. 05 Pag. Ponto de vista Joaquim Augusto S. S. Azevedo Souza 15 16 SAFRA DE GRÃOS ASSUNTOS LEGAIS INFORMAÇÕES Pag. 26 SETORIAIS presidente da Associação e do Sindicato Rural de Ribeirão Preto A aguardada metamorfose florestal Pag. Pag. Notícias 08 08 Pag. 11 Canaoeste - Canaoeste realiza dia de campo na Fazenda Santa Rita - Associados da Canaoeste participaram do X Encontro Anual da Orplana Notícias Cocred - Balancete Mensal NOVAS 3 2 TECNOLOGIAS DIAGRAMAÇÃO: Rafael H. Mermejo EQUIPE DE REDAÇÃO / FOTOS: Carla Rodrigues - MTb 55.115 Carla Rossini Rafael H. Mermejo COMERCIAL E PUBLICIDADE: (16) 3946-3311 - Ramal: 2008 comercial@revistacanavieiros.com.br IMPRESSÃO: Pluss.br. Grafica e Editora Ltda TIRAGEM: 11.000 exemplares ISSN: 1982-1530 REPERCUTIU 10 Copercana - 1º lote de cordeiros da Copercana é abatido Notícias Pag. EDITORA: Carla Rossini – MTb 39.788 Pag. 34 CULTURA Pag. 36 Pag. AGENDE-SE Pag. CLASSIFICADOS Pag. Pag. 37 38 18 A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. ENDEREÇO DA REDAÇÃO: Rua Dr. Pio Dufles, 532 Sertãozinho – SP - CEP:- 14.170-680 Fone: (16) 3946 3311 - (ramal 2190) www.revistacanavieiros.com.br Artigo Técnico Potencial produtivo e contribuição financeira de cultivares de cana-de-açúcar 4 4 Revista Canavieiros - Março de 2010 Revista Canavieiros - Março de 2010 Pag. Pag. 28 www.twitter.com/canavieiros redacao@revistacanavieiros.com.br
    • Entrevista Ismael Perina Júnior Presidente da Orplana - Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil. Dias melhores para os produtores de cana Carla Rossini É assim que o presidente da Orplana – Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil, Ismael Perina Júnior, enxerga a safra 2010/11. Em entrevista a Revista Canavieiros, Ismael falou sobre os problemas enfrentados pelos produtores de cana nas últimas três safras e também sobre a expectativa de melhora nos preços de cana, açúcar e etanol. O presidente também comentou sua preocupação em relação às mudanças no Código Florestal, já que, segundo ele, a questão vem sendo muito discutida e interpretada de maneira ideológica, colocando em risco os produtores frente ao judiciário. Confira, na íntegra, a entrevista: Revista Canavieiros: Como deve ser a safra 2010/11 para os fornecedores de cana? Ismael Perina Júnior: Depois de praticamente três anos, em que os preços tiveram comportamento muito ruim, a safra 2010/11 deve se iniciar com preços bem melhores. São previstas quedas durante o período, mas não tão acentuadas. As empresas se encontram em situação um pouco mais estável, voltando a recuperar a remuneração no final de safra e início de entressafra. Com a redução dos preços ao consumidor, o etanol deve voltar a ser consumido fortemente e a expectativa é de preços mais estáveis. O mesmo deve ocorrer com o açúcar. Assim, teremos, no fechamento da safra, preços melhores para a cana. Revista Canavieiros - Março de 2010 5
    • Entrevista Revista Canavieiros: Os fornecedores ainda sentem os reflexos da crise que afetou o setor em 2008 e 2009? Ismael: Sem dúvida que sim. Além dos baixos preços, tivemos um componente fundamental para a agricultura que é o crédito, bastante afetado neste período. Isso dificultou o acesso a recursos e aumentou o custo financeiro aos produtores. O problema se repetiu nas usinas e algumas não efetuaram o acerto com os produtores, aumentando as dificuldades. Felizmente, boa parte desses acertos vem sendo feita, e acredito que esta safra permitirá uma acomodação na situação, mas lembrando que o estrago foi grande. determinar o mix, mas é importante ressaltar que a flexibilidade de produção não é tão grande como se imagina. O setor tem o compromisso de produzir etanol, pois o consumo está extraordinário, mas não pode produzir com prejuízos. O mesmo vale para o mercado de açúcar. Ao longo desta safra, pequenas alterações poderão ser notadas, mas nunca fugindo muito dos 43% x 57%, 45% x 55% ou 40% x 60%, índices que representam a capacidade instalada das empresas. O determinante mesmo será o comportamento do mercado durante o início e meio de safra, Revista Canavieiros: Como deve produtividade bastante razoável e ser a postura do fornecedor de cana qualidade da matéria prima. Com um diante da internacionalização do regime de chuvas dentro da normalisetor? Vai haver alguma mudança dade, será bem melhor que a safra nessa atividade? passada. Ismael: Boa parte "Com a redução dos preços ao das regiões mais tradiRevista Canavieiros: cionais tem no produtor consumidor, o etanol deve voltar a ser Sobre o Código Floresrural uma quantidade consumido fortemente e a expectativa é tal, quais mudanças derepresentativa da sua vem ocorrer para que o de preços mais estáveis". produção. É hora de produtor possa continunos aproximarmos desar a produzir com sustensas empresas e mostrar o quanto é embora já se tenha boa parte dos tabilidade? interessante adquirir matéria prima compromissos de produção firmados. Ismael: Essa questão vem sendo do produtor. Acredito que, neste asmuito discutida e interpretada de mapecto, as empresas com capital interRevista Canavieiros: Quais são neira ideológica, colocando em risco nacional acabem tendo melhor estru- os principais desafios que o setor os produtores frente ao judiciário. turação financeira e maior controle deve enfrentar em 2010? Nesse aspecto, estamos trabalhando sobre a comercialização e, assim, os Ismael: Como teremos preços re- muito para que um novo código flopreços devam ser melhores. Precisa- muneradores, certamente haverá algu- restal seja elaborado, levando-se em mos também tentar nos adaptar aos ma tranquilidade em relação à parte consideração aspectos técnicos, que novos cenários. Para isso, é impor- financeira. Os principais problemas, possam realmente contribuir para a tante que as pessoas frequentem acredito, estarão centrados nas ques- melhoria ambiental e o desenvolvisuas associações e se informem so- tões ambientais e trabalhistas. Existe mento agropecuário. Deve ficar clabre o que vem acontecendo. Não uma discussão muito grande em tor- ro também qual o papel dos proprievejo, entretanto, grandes mudanças no desses dois temas, com interpre- tários rurais, do poder público e da nessa área. Acredito mais que o se- tações muito mais ideológicas do que sociedade. Somos plenamente favotor produtivo terá uma pressão mai- técnicas por alguns segmentos. ráveis à conservação ambiental e, or de mudança por conta das quesportanto, precisamos ter condições tões ambientais. Revista Canavieiros: Como será financeiras para continuar produzina produtividade da matéria-prima do de maneira sustentável. Revista Canavieiros: A safra que neste ano, já que em muitas regiões se iniciou em março deve ser mais choveu acima do esperado? Revista Canavieiros: Uma das açucareira ou alcooleira? Por quê? Ismael: Certamente as chuvas principais reclamações dos consumiIsmael: É importante dizer que a que prejudicaram a realização da sa- dores, que abastecem seus veículos safra que se inicia está com estoques fra anterior e reduziram bastante a com etanol, é a oscilação no preço. de passagem muito baixos, tanto de qualidade foram benéficas para a sa- Quais medidas devem ser tomadas açúcar como de etanol. O mercado vai fra atual. Entendo que teremos uma para que este problema se resolva? “ 6 Revista Canavieiros - Março de 2010
    • Entrevista Ismael: Um problema tão simples de ser resolvido acaba, por tanto tempo, trazendo grande insatisfação, tanto aos consumidores como aos produtores. Infelizmente, nesse aspecto, quem sempre perde são os consumidores e os produtores, criando uma rede de intermediários (distribuidoras e governo), que em muitas situações ganham e se mostram pouco interessados em resolver a ques- "...o governo tem obrigação de disponibilizar recursos ou ser o próprio agente para formação de estoques (de etanol), que serão disponibilizados em épocas de escassez..." “ tão. É obvio que o etanol, de uma maneira ou de outra, tem de fazer parte da matriz energética com algumas garantias de mercado e preços para os produtores. Obvio também, que o governo tem obrigação de disponibilizar recursos ou ser o próprio agente para for- mação de estoques, que serão disponibilizados em épocas de escassez. Infelizmente, não dar atenção a esses pontos, tornou uma cadeia produtiva importante como a sucroenergética, extremamente frágil, e deixou realmente o consumidor muito descontente. Sobre a Orplana A Orplana é uma entidade que visa a organização dos produtores, a gestão do conhecimento técnico do setor e sua representativida de diante da sociedade, mercado e esferas públicas. Sua sede está localizada em Piracicaba, interior de São Paulo e, atualmente, conta com 28 associações, com abrangência nos estados de São Paulo, Mato Grosso, Minas Gerais e Goiás. O atual presidente da Orplana, Ismael Perina Júnior assumiu o cargo em março de 2007, com o objetivo de promover avanços na entidade, que a tornem apta aos atuais desafios de mercado e produção. Como exemplos, a mudança do padrão da colheita para a cana crua, a exigência de promover o equilíbrio entre preservação ambiental e agricultura, além da co-geração de energia e os consequentes movimentos e ajustes da economia globalizada. Revista Canavieiros - Março de 2010 7
    • Ponto de Vista A aguardada metamorfose florestal Joaquim Augusto S. S. Azevedo Souza* E mbora ainda em águas turbulentas, a nave das esperadas mudanças no Código Florestal Brasileiro continua navegando na busca da melhor solução para os inúmeros problemas suscitados na legislação ambiental. Uma boa mostra dessa nova situação, instrumentalizou-se na Audiência Publica realizada no último dia 3 de fevereiro em Ribeirão Preto, oportunidade em que verificamos uma forte tendência, também dos parlamentares da Comissão Especial da Câmara, de preservar as terras em desenvolvimento produtivo da famigerada reserva legal. Isso representa um avanço extraordinário, que não deve e não pode ser desprezado, posto que a produção agropecuária, de tanta relevância nacional, é o alvo predileto do radicalismo ideológico ambiental. Alias, curiosamente, torna-se importante destacar que não há no ordenamento jurídico de nenhum outro país do planeta, o conceito de reserva legal particular, figura confiscatória e refletiva do atraso cultural de políticos incompetentes, que agem demagogicamente em detrimento do setor produtivo rural. A nosso favor, as velhas teses do bom senso e da praticidade, que fazem naufragar aquelas falsas idéias ecológicas, direcionadas não à real defesa do meio ambiente como a apregoam, mas, muito ao contrário, perseguem o fim do modelo econômico que abriga a agricultura brasileira. Certamente não prevalecerão, já que as mudanças pleiteadas estão voltadas para os parâmetros técnicos e científicos, maneira correta de nortear a defesa do meio ambiente, compatibilizando-a com as necessidades de produção rural do país. E isso poderá ser 8 Revista Canavieiros - Março de 2010 feito, simplesmente através de zoneamento econômico-ecológico, diferenciando-se as potencialidades e características regionais, de forma a mostrar qual a melhor opção para cada quadrante do Brasil. A implementação de um trabalho sério nesse sentido sem a odiosa máscara do esquerdismo inconsequente e manipulador, especialmente das massas carentes, sem qualquer sombra de dúvida, virá ao encontro dos elevados interesses nacionais. Nesse contexto, os Estados estarão investidos de poderes, como preceitua a Constituição Federal, para disciplinar as questões ambientais segundo suas próprias peculiaridades. O bom equacionamento dos sérios problemas e entraves atualmente enfrentados, particularmente pelos produtores rurais, hoje vitimados por ações de autoridades ideologicamente comprometidas com as doutrinas contrárias à democracia, a liberdade e ao capitalismo, é hoje mais que um sonho distante, é uma aspiração muito perto de tornar-se uma grata realidade palpável. Para isso, entretanto, é preciso que nos unamos em torno do objetivo comum de mudanças na atual legislação ambiental, para torná-la mais justa e exequível, mais sensata e viável, de maneira a atender não só aos reclamos preservacionistas, mas as condições básicas que permitam a produção rural, como requerido pela nação brasileira. Torna-se de fundamental importância a atuação serena e firme da classe produtora, que deve trabalhar com afinco e determinação no apoio das teses que defendemos, sem passionalismos desnecessários mas com a convicção de que estamos ajudando construir um Brasil melhor. Não percamos de vista que o meio ambiente deve ser preservado e a mãe natureza merece todo nosso respeito. Lembremos, contudo, também que o adequado abastecimento alimentar é condição básica para garantir a tranquilidade social, a ordem pública e o processo de desenvolvimento econômico social. Um país rico é um país de gente feliz e não há gente feliz com fome! Nosso país é detentor de extraordinário potencial produtivo e, por conseguinte, tem suficiente capacidade para abastecer o mercado interno e gerar excedentes exportáveis, que trazem divisas e progresso, auxiliando a economia e a geração de empregos. Dispomos de excelente tecnologia agrícola e maquinaria de ponta, com a utilização de insumos modernos que nos permitiram melhorar sensivelmente a produtividade e os volumes produzidos. Isso tudo em não mais de cerca de 7 % do território nacional. Se
    • Ponto de Vista considerarmos também as áreas utilizadas com a pecuária, que abrigam perto de 200 milhões de reses e elevaram o país ao primeiro lugar nas exportações de carne bovina, chegamos aos 30% a 32% da superfície nacional. Além disso, detemos a maior e mais densa floresta tropical do mundo e a maior e mais extensa bacia hidrográfica do globo terrestre. É pouco? Audiência Publica realizada no último dia 3 de fevereiro em Ribeirão Preto Se alguém achar que ainda assim não preservamos o meio ambiente, por favor, visitem a Europa, percorram-na de ponta a ponta e verifiquem quanto de floresta são conservadas. E observem se lá também as propriedades rurais são obrigadas a abandonarem plantações em favor de matagais... Talvez por isso, é que determinados países exportam ONG’s para financiarem grupos e infernizarem a vida de quem produz abaixo da linha do Equador. Será porque os incomodamos com nossas produções ou é só uma questão de inveja? Por tudo isso, prezados leitores, não encontramos justificativas plausíveis para que a legislação ambiental continue engessando a nossa agropecuária! restal Brasileiro adequando-o à nossa realidade, de forma inteligente, racional e, principalmente, com um mínimo de patriotismo. É preciso, portanto, que se façam mudanças urgentes no Código Flo- * presidente da Associação e do Sindicato Rural de Ribeirão Preto Revista Canavieiros - Março de 2010 9
    • Notícias Copercana 1º lote de cordeiros da Copercana é abatido Carla Rossini Os animais abatidos fazem parte do Projeto Copercana/Sebrae N o início de março, o 1º lote de cordeiros do confinamento da Copercana foi abatido pelo Frigorífico Giberto Francisco Ruy, da cidade de Descalvado. Ao todo, 34 animais foram levados para o abate. Desses animais, 6 eram de propriedade da Copercana e os outros 28 eram de cooperados que fazem parte do Projeto Copercana/Sebrae. Segundo o veterinário da Copercana, Gustavo Lopez, os animais ficaram no confinamento, em média, 98 dias e tiveram um bom ganho de peso. “Os cordeiros entraram no confinamento com peso entre 17 e 20 quilos e saíram para o abate com peso entre 34 e 42 quilos”, disse Gustavo. Outro ponto positivo apontado pelo veterinário foi o rendimento da carcaça, já que os animais da raça Santa Inês tiveram rendimento de 41% e os animais de cruzamento (Santa Inês/ Dorper), renderam 43%, em média. O lote foi enviado para o abate e posteriormente retornou ao Supermercado Copercana de Sertãozinho para ser preparado com cortes específicos para a comercialização – per- 10 Revista Canavieiros - Março de 2010 O veterinário da Copercana, Gustavo Lopez, acompanhou o 1º lote de Cordeiros abatido nil, paleta, costela, reck (ossobuco) e carrer (lombo). nitários fossem os mais rigorosos possíveis”, disse Gustavo. Segundo Gustavo, os consumidores e apreciadores de cordeiro vão poder adquirir esses cortes que estarão identificados no Supermercado Copercana de Sertãozinho e, posteriormente, nos outros supermercados da rede. “A carne desses animais é diferenciada pela qualidade. Durante todo o processo de engorda, cuidamos para que os tratos sa- Para aqueles consumidores que apreciam a carne de cordeiro, mas não sabem como prepará-la, a Copercana preparou uma boa sugestão. Em breve, nas gôndolas estarão fixadas receitas e dicas de preparo. “Pensamos em algo diferente para os consumidores, que já vão estar comprando uma carne de excelente qualidade”, finalizou o veterinário.
    • Notícias Canaoeste Canaoeste realiza Dia de realiza Dia Campo na Fazenda Santa Rita Da redação Novas variedades e recomendação de manejo foram os temas discutidos A Canaoeste, em parceria com a UNESP (Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Campus de Jaboticabal) e o CTC (Centro de Tecnologia Canavieiro), promoveu no dia 1º de março, um Dia de Campo que reuniu produtores de cana e 40 alunos da universidade. O evento foi realizado na Fazenda Santa Rita, localizada no município de Terra Roxa, e teve como objetivo mostrar aos participantes as novas variedades de cana, bem como suas características e manejo. Dentre os temas discutidos, o engenheiro agrônomo da CTC, Rodrigo Mahlmann de Almeida e o Gerente do Departamento Técnico da Canaoeste, Gustavo Nogueira, relataram sobre a importância da produção de mudas sadias no viveiro da associação, bem como as características de cada uma das variedades disponibilizadas aos fornecedores. Segundo Gustavo Nogueira, esse tipo de evento é mui- to proveitoso porque proporciona a transmissão informações diretamente aos produtores. "No evento os associados podem receber as informações diretamente dos técnicos que dominam o assunto e podem tirar dúvidas também", disse Gustavo. Revista Canavieiros - Março de 2010 11
    • Notícias Canaoeste Consecana CIRCULAR Nº 14/09 DATA: 26 de fevereiro de 2010 Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo A seguir, informamos o preço médio do kg do ATR para efeito de emissão da Nota de Entrada de cana entregue durante o mês de FEVEREIRO de 2010 e ajuste parcial da safra 2009/2010. O preço médio do kg de ATR para o mês de FEVEREIRO, referente à Safra 2009/2010, é de R$ 0,3482. O preço de faturamento do açúcar no mercado interno e externo e os preços do etanol anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, levantados pela ESALQ/CEPEA, nos meses de abril de 2009 a fevereiro de 2010 e os acumulados até FEVEREIRO, são apresentados a seguir: Os preços do Açúcar de Mercado Interno (ABMI) incluem impostos, enquanto que os preços do açúcar de mercado externo (ABME e AVHP) e do etanol anidro e hidratado, carburante (EAC e EHC), destinados à industria (EAI e EHI) e ao mercado externo (EAE e EHE), são líquidos (PVU/PVD). Os preços líquidos médios do kg do ATR, em R$/kg, por produto, obtidos nos meses de abril de 2009 a fevereiro de 2010 e os acumulados até FEVEREIRO, calculados com base nas informações contidas na Circular 01/09, são os seguintes: 12 Revista Canavieiros - Março de 2010
    • Revista Canavieiros - Março de 2010 13
    • Notícias Canaoeste Associados da Canaoeste participaram do X Encontro Anual da Orplana Carla Rossini O evento foi realizado durante a Feicana/FeiBio 2010 A Orplana - Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil, realizou no dia 9 de março, o seu X Encontro Anual. O evento aconteceu em Araçatuba durante a Feicana/FeiBio 2010 e reuniu produtores e autoridades do setor sucroalcooleiro. As palestras apresentaram estratégias e temas variados pertinentes ao setor. A Canaoeste, através do seu departamento técnico, levou um ônibus de fornecedores à Araçatuba. Após a reunião, os produtores visitaram a feira. O secretário adjunto da Secretaria da Agricultura e Abastecimento de São Paulo, Antonio Julio Junqueira de Queiroz, fez a abertura da reunião. Queiroz destacou os projetos que a secretária conseguiu realizar nos últimos 3 anos e falou sobre a importância do sistema Consecana. “Esse sistema deveria ser seguido por outras culturas além da cana-de-açúcar, mas é importante lembrar que ele precisa sempre estar sendo atualizado”, disse. O secretário também alertou os produtores na questão de administração das suas atividades. “Os produtores tem de aderir a gestão de negócios para administrar seus custos de produção e garantir melhores resultados”, finalizou Queiroz. Em seguida foi realizada uma palestra com o tema: “Legislação Ambiental e o Código Florestal”, ministrada pela Dra. Samanta Pineda, consultora jurídica da Frente Parlamentar da Agricultura. A advogada mostrou os problemas que o Código Florestal que está em vigência apresenta. Segundo ela, “hoje, o maior problema é a insegurança jurídica que os produtores enfrentam, já que órgãos como o IN14 Revista Canavieiros - Março de 2010 Associados da Canaoeste em visita a Feicana/Feibio 2010 após o encontro realizado pela Orplana CRA, FUNAI e os Ministérios da Agricultura e Meio Ambiente não se entendem sobre a política ambiental do país”, afirmou Samanta. No final da sua apresentação, a advogada deixou um recado aos produtores: “o setor produtivo precisa se mobilizar, caso contrário, estará sujeito a enfrentar sérias consequências pela falta de iniciativa”, finalizou. Para finalizar, o presidente da Orplana, Ismael Perina Júnior, fez uma convocação aos produtores para se mobilizarem em relação as mudanças no Código Florestal. “Precisamos nos unir e ir à Brasília, para mostrar aos nossos deputados que precisamos de mudanças urgentes no Código Florestal Brasileiro”, disse Ismael. A terceira apresentação do encontro, foi ministrada pela Dra. Mirian Rumenos Piedade Bacchi, da Esalq/Cepea, que abordou o tema “Indicadores de Preços do Açúcar e do Etanol no Estado de São Paulo”. A diretora executiva da Abag, Mônica Bergamaschi, que estava presente na reunião, também fez uso da palavra para pedir aos produtores mais ação em relação às mudanças nas questões ambientais. Público presente durante o X Encontro Anual da Orplana
    • Safra de Grãos Produção de grãos é de quase 144 milhões de toneladas A safra de grãos 2009/10, divulgada pela Conab no início de março, foi estimada em 143,95 milhões de toneladas. O resultado, do sexto levantamento do ano, continua como o segundo melhor da história e 6,5% superior às 135,13 milhões de toneladas da última temporada. É, ainda, 0,6% a mais que a do mês passado (143,09 milhões de toneladas). O recorde da produção é do ciclo 2007/08, que chegou a 144,1 milhões de toneladas. Boa produtividade e estabilidade das chuvas nas áreas de maior produção são as responsáveis pela melhor avaliação desta edição. A soja foi beneficiada pelo clima e deve alcançar 67,57 milhões de toneladas, 18,2% ou 10,40 milhões de toneladas a mais que o período anterior, mil toneladas, e o algodão cresceu 2,1%, o equivalente a 40 mil toneladas. de 57,16 milhões de toneladas. A colheita nos estados de maior produção, como Mato Grosso, Goiás e Rio Grande do Sul, já supera os 50%. O milho segunda safra também registra aumento, graças ao crescimento da produtividade de 9,7%. No total, o milho cresceu 0,7%, com 379 mil toneladas a mais que a safra passada. Outras culturas também ganharam com o clima. O feijão primeira safra teve aumento de 10,6% e produção de 142,1 Área – A área total plantada é de 47,65 milhões de hectares, inferior 19,3 mil ha à anterior. A soja e o feijão primeira safra tiveram aumento de área, ao contrário de outras culturas como o algodão (-25,6 mil ha), o arroz (- 113,9 mil ha), o milho primeira safra (-1,11 milhão ha) e o milho segundo safra (-164,2 mil ha). Para reajustar os números os técnicos da Conab conversaram com representantes de cooperativas e sindicatos rurais, órgãos públicos e privados, no período de 22 a 26 de fevereiro. Fonte: Conab Revista Canavieiros - Março de 2010 15
    • Assuntos Legais Funrural - STF declara inconstitucional a cobrança do Funrural N o dia 03 de fevereiro de 2010, o Supremo Tribunal Federal (STF), instância máxima do Judiciário Nacional, julgou o Recurso Extraordinário nº 363.852, interposto por um frigorífico, decretando a inconstitucionalidade do FUNRURAL. Referido tributo é uma contribuição que substitui a cota patronal do encargo previdenciário (20%) mais o percentual do RAT – Riscos Ambientais do Trabalho (3%) dos produtores rurais pessoas físicas, jurídicas e também das empresas agroindustriais. O FUNRURAL custeia a previdência do segurado especial, servindo para aposentadoria e outros benefícios junto ao INSS (Instituto Nacional da Seguridade Social). A alíquota do FUNRURAL, para o produtor pessoa física, é de 2,1%, sendo 2,0% para o INSS e 0,1% para o RAT. Já a contribuição ao SENAR (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), de 0,2% sobre o valor da comercialização da produção e que é recolhida na mesma Guia da Previdência Social do Funrural, não foi analisada pelo STF e, portanto, deve ser recolhida normalmente. Referida decisão do STF abre caminho aos produtores rurais para ajuizar ações visando se desobrigar do recolhimento do Funrural de 2,1% sobre a comercialização de seus produtos, assim como para recuperar os valores pagos indevidamente dos últimos cinco anos, no mínimo. AQUELE QUE NÃO AJUIZAR AÇÃO CONTINUARÁ RECOLHENDO O FUNRURAL NORMALMENTE, pois a referida decisão somente beneficiou o frigorífico que a provocou. Deve-se atentar para o fato de que o não recolhimento do FUNRURAL sobre a comercialização dos produ- 16 Revista Canavieiros - Março de 2010 tos, autorizado por decisão judicial, sujeitará o produtor rural ao recolhimento da contribuição do INSS sobre a folha de salários, na alíquota de 23% (20% ao INSS e 3% ao RAT – Riscos Ambientais do Trabalho), razão pela qual deve-se fazer as contas antes de ingressar com a ação judicial, para verificar se compensa continuar recolhendo o FUNRURAL, que incide sobre a comercialização, ou passar a recolher o INSS, que incide sobre a folha de salários. Para tanto, a conta a ser feita é a seguinte: · FUNRURAL: total da comercialização anual x 2,1% · INSS: total anual dos salários pagos aos empregados x 23% (12 meses + 13º + férias x 23%). Dito isso, deve o produtor rural analisar as conseqüências que podem advir de um pedido judicial para ser dis- pensado do pagamento do FUNRURAL, já que em muitos casos este tributo pode ser menos custoso com relação ao recolhimento tributário sobre a folha de pagamento de salários. Juliano Bortoloti - Advogado Departamento Jurídico Canaoeste Os produtores rurais que solicitarem a restituição dos valores já recolhidos deverão apresentar os documentos que comprovem a qualidade de produtor, as vendas e as retenções feitas pelas empresas que adquiriram os produtos, tais como: 1cópia do RG; 2- cópia do CPF/MF.; 3cópia da capa do Bloco de Produtor; 4- comprovante de residência; 5comprovante que o produtor é empregador; 6- cópias das Notas Fiscais de Produtor Rural e Notas de Entrada (contra nota).
    • Assuntos Legais ADA - C Ato Declaratório Ambiental omo já afirmado n’outras edições desta Canavieiros, o ADA (Ato Declaratório Ambiental), é uma declaração da situação ambiental da propriedade rural, onde será informado OBRIGATORIAMENTE ao IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), as áreas de preservação permanente, reserva florestal legal e outras áreas de proteção ambiental (área de reserva particular do patrimônio natural RPPN, área de declarado interesse ecológico, área com plano de manejo florestal, áreas cobertas por Floresta Nativa –AFN, áreas alagadas de usinas hidrelétricas – AUH, etc.), caso existam no imóvel rural e desde que declaradas no DIAT (Distribuição da Área do Imóvel Rural), entregue quando do preenchimento da DITR (Declaração do Importo Territorial Rural). Tal declaração possibilita a redução do pagamento do ITR (Imposto Territorial Rural) em até 100% de seu valor. Ressaltamos, ainda, que o envio do ADA desde o exercício 2007, É EXIGIDO ANUALMENTE e feito por meio eletrônico, via internet (ADAweb), através do site www.ibama.gov.br/adaweb/. Para este ano, já se encontra disponível no site do IBAMA o formulário eletrônico do Ato Declaratório Ambiental (ADA) e o prazo para sua entrega é de 1/01 a 30/09 (extensivo até 31/12 para declarações retificadoras). No preenchimento eletrônico do ADA ou em caso de retificação, devese observar fielmente o que foi declarado no formulário do DITR, protocolizado perante a Secretaria da Receita Federal, pois as informações ali contidas devem guardar relação com as que forem prestadas no ADA, tendo em vista que, visando um maior controle administrativo das propriedades rurais, o IBAMA compartilha suas informações com a Receita Federal e o INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, responsáveis pelo controle e recolhimento anual do ITR. Para dirimir dúvidas relacionadas ao ADA, basta acessar o sitio eletrônico do Ibama (www.ibama.gov.br) e clicar nos seguintes links: IN IBAMA Nº 5, DE 25 03 2009 ADA; ADA-PROSPECTO 2010; MANUALDE PERGUNTAS E RESPOSTAS DO ADA 2010 e MANUAL DE PREENCHIMENTO DO ADA 2010. Ainda segundo o sitio eletrônico do Ibama, “para preenchimento do formulário eletrônico do Ato Declaratório Ambiental – ADA, Sistema ADAWeb, é necessário que o declarante seja um usuário dos ‘Serviços on-line’, pessoa física ou jurídica, cujas informações pessoais ou institucionais estejam atualizadas junto ao Cadastro Técnico Federal – CTF. O acesso ao ADAWeb é feito por meio de senha única para CPF ou CNPJ, gerada e fornecida pelo CTF”. Revista Canavieiros - Março de 2010 17
    • Notícias Cocred Balancete Mensal Cooperativa de Crédito dos Plantadores de Cana de Sertãozinho BALANCETE - JANEIRO/2010 Valores em Reais 18 Revista Canavieiros - Março de 2010
    • Revista Canavieiros - Março de 2010 19
    • 20 Revista Canavieiros - Março de 2010
    • Revista Canavieiros - Março de 2010 21
    • Cana Bisada: a primeira a ser processada em 2010 Carla Rossini Em 2009, o excesso de chuva comprometeu a colheita e cerca de 10% dos canaviais continuaram em pé A chamada cana bisada é a cana que ficou em pé de uma safra para outra. Devido ao excesso de chuvas que ocorreram no segundo semestre de 2009, cerca de 10% (aproximadamente 50 milhões de toneladas de cana) dos canaviais da região Centro-Sul do Brasil, não foram colhidos na safra 2009/10, segundo dados da UNICA – União da Indústria de Canade-Açúcar. Essa sobra será processada em 2010, o que irá gerar um excedente de matéria prima da ordem de 10 a 12% para esta nova safra. mento, brotação lateral, maior infestação de pragas e doenças, colmos secos ou mortos, além de aumento de impurezas. Esses fatores, entre outros, contribuem para menor qualidade da matéria prima, o que exige muita atenção do fornecedor de cana”, disse Alonso. Essa cana começará a ser colhida em abril. Gustavo explica que “o melhor a se fazer é colher a cana bisada desde o início da safra, já que prolongar ainda mais a vida deste canavial pode ser desvantajoso”, disse. Segundo o agrônomo Gustavo Nogueira, gerente do departamento técnico da Canaoeste, a cana bisada conta com uma produtividade maior, mas com qualidade inferior. “Ela (a cana) 22 passou todo o período de entre safra se desenvolvendo, então vai ter uma produtividade agrícola alta, mas a qualidade pode deixar a desejar porque os canaviais já estavam em ponto de maturação e voltaram a se desenvolver”, afirma Gustavo. O consultor agronômico da Canaoeste, Oswaldo Alonso, reforça a opinião de Gustavo e explica que a cana bisada tem apresentado algumas características negativas como “tombamento, enraiza- Os especialistas apontam, ainda, para um cuidado adicional para a safra 2010/11, qual seja, no transcorrer da safra 2009/10, a crise econômica levou muitos produtores a reduzir adubação, tratos culturais e renovação dos canaviais, que em razão das abundantes chuvas poderá não comprometer significativamente a produtividade nesta safra que está iniciando, mas poderá impactar nas safras seguintes. Revista Canavieiros - Março de 2010
    • Reportagem de Capa Gustavo e Alonso mostram um canavial sadio. A Cana foi plantada no início de 2009 e será colhida na safra 2010/11 Os Agrônomos também mostraram um canavial bisado. A Cana deveria ter sido colhida na safra 2009/10, mas será colhida na safra 2010/11 Plantio No Estado de São Paulo, fornecedores filiados à Orplana – Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil, já iniciaram o plantio de cana nas chamadas áreas de reforma (renovação), que deveria ser ao redor de 200 mil hectares. “Os canaviais resistem de 5 a 7 cortes e depois demandam renovação para manter a produtividade da cana”, explica Alonso. O plantio que está sendo realizado agora é para a safra de 2011/12. “A cana que plantamos hoje será industrializada em 2011. A safra que teve início no começo deste mês está utilizando canaviais plantados no início de 2009, além das canas bisadas”, disse Gustavo. Ainda segundo o agrônomo, estimase que houve diminuição nas áreas de reforma dos fornecedores independentes de cana, devido as condições climáticas ocor- Qualidade da matéria-prima ridas em 2009 que permitiram uma melhor brotação e desenvolvimento dos canaviais, como também os fatores econômicos. “Nós tivemos um 2009 muito chuvoso e isso fez com que os canaviais brotassem e se desenvolvessem bem, portanto teremos uma boa produtividade agrícola em 2010”, conclui Gustavo. O setor sucroenergético aguarda, das principais entidades e consultorias, previsões ou prognósticos para a safra deste ano, mas as expectativas já se mostram melhores que no início da safra passada. Usinas iniciam nova safra Na última quinzena de fevereiro, o número de empresas em produção na Região Centro-Sul totalizava 47 usinas, sendo que 5 delas haviam encerrado a safra 2009/2010 no final de dezembro e já iniciaram a produção da nova safra. Com isso, a moagem acumulada na safra 2009/2010 até o final de fevereiro chegou a 535,30 milhões de toneladas. A cana processada pelas unidades que iniciaram esta nova safra (2010/2011) alcançou 270 mil toneladas. Na segunda quinzena de fevereiro, a moagem na Região Centro-Sul atingiu 2,27 milhões de toneladas, apresentando uma pequena queda em relação os 3 milhões de toneladas processadas na primeira quinzena do mês. Apesar do avanço da moagem, no acumulado até o final de fevereiro a quantidade de produtos obtidos a partir da cana processada na safra 2009/2010 permanece 1,50% inferior ao volume disponível no mesmo período da safra passada. Isto ocorreu devido à menor quantidade de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) obtidas por tonelada de cana na safra 2009/2010, que até o momento é de 130,51 kg de ATR/tonelada de cana, ou seja, 10,4 quilos abaixo do apurado no mesmo período do ano anterior (2008/09). Mix e produção de açúcar e etanol Tendo como fonte a UNICA, tem-se que do total da cana processada na safra 2009/2010 até o momento (535,3 milhões de toneladas), 42,9% destinou-se à produção de açúcar e 57,1% ao etanol. No acumulado, desde abril de 2009, a produção de etanol alcançou 23,33 bilhões de litros, sendo 17,13 bilhões de etanol hidratado - crescimento de 3,74% sobre a safra anterior e 6,19 bilhões de etanol anidro, com queda de 26,93% relativamente à safra 2008/2009. Apesar dos preços mais remuneradores, a produção acumulada de açúcar cresceu apenas 6,86% na safra 2009/2010, totalizando 28,53 milhões de toneladas. A produção acumulada desta nova safra (2010/2011) até o final de fevereiro já totaliza 2,10 mil toneladas de açúcar e 13,80 milhões de litros de etanol. Fonte: Unica Revista Canavieiros - Março de 2010 23
    • 24 Revista Canavieiros - Março de 2010
    • Revista Canavieiros - Março de 2010 25
    • Informações Setoriais CHUVAS DE FEVEREIRO e Prognósticos Climáticos e Prognósticos Climáticos No quadro abaixo, são apresentadas as chuvas do mês de FEVEREIRO de 2010. Engº Agrônomo Oswaldo Alonso Assessor Técnico Canaoeste E m FEVEREIRO, a média das observações de chu vas “ficou” bem abaixo (70%) da média da normalidade climática. Porém, mostrou somas de chuvas próximas às médias históricas na Açúcar Guarani, Algodoeira Donegá-Dumont, Franca, e Usina S Francisco. Por outro lado, na Unidade LDC-SEV Santa Elisa, somente nos dois últimos dias de fevereiro choveu quase que o equivalente à normal climática do mês. Mapa 1:- Água Disponível no Solo entre 15 a 17 de FEVEREIRO de 2010. O Mapa 1 ao lado, mostra que o índice de Água Disponível no Solo, no período de 15 a 17 de FEVEREIRO, apresentava-se como médio a alto na faixa Sudoeste/ Oeste da área sucroenergética do Estado de São Paulo e estreitas faixas do Leste divisando com Minas Gerais. Nas demais áreas canavieiras, a Disponibilidade de Água no solo mostrava-se entre baixa a crítica (Centro do Estado e faixa Piracicaba-Sorocaba) e com muita semelhança com o de final de fevereiro de 2009 (Mapa 2). 26 26 Revista Canavieiros - Março de 2010 Revista Canavieiros - Março de 2010 ÁGUA, usar s Protejam e preservem as n
    • Informações Setoriais Mapa 2:- Água Disponível no Solo ao final de FEVEREIRO de 2009. · A temperatura média poderá ficar ligeiramente acima das médias em todos os estados da Regiões Centro Oeste / Sudeste e próximas às normais nos estados da Região Sul do Brasil; · Para os meses de março a maio, como ilustrado pelo Mapa 4 (abaixo), mesmo com previsibilidades dificultadas face às oscilações dos modelos climáticos, as chuvas poderão “ficar” próximas às médias históricas em, praticamente, todos estados das Regiões Centro Oeste / Sudeste e acima das respectivas médias na Região Sul do Brasil; · Como referência de normais climáticas de chuvas para Ribeirão Preto e municípios vizinhos, pelo Centro Apta-IAC, são de 165mm em março, 70mm em abril e 55mm em maio. Mapa 4:- Os prognósticos pelo Consórcio INMET e INPE, para o trimestre março a maio de 2010, é de que as chuvas possam ser próximas à normalidade climática na faixa cinza e acima da média na área verde do mapa. Mapa 3:- Água Disponível no Solo, 50cm de profundidade, ao final de FEVEREIRO de 2010. Pelos mapas 2 e 3, nota-se que os índices de Disponibilidade de Água no Solo aos finais de FEVEREIRO de 2009 e de 2010 foram muito bem diferentes na área Sucroenergética do Estado de São Paulo. Ao final de FEVEREIRO de 2010, ocorria praticamente o inverso do que se observou em meados do mês (Mapa 1) e ao final de FEVEREIRO de 2009 (Mapa 2), notava-se maiores Disponibilidades na faixa Centro Norte e próximo do índice crítico no extremo Sudoeste do Estado. Para subsidiar planejamentos de atividades futuras, a CANAOESTE resume o prognóstico climático de consenso entre INMET-Instituto Nacional de Meteorologia e INPE-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais para os meses de março a maio (vide Mapa 4). sem abusar ! A SOMAR Meteorologia, com a qual a CANAOESTE mantém convênio, assinala que as temperaturas médias entre março a maio poderão ser ligeiramente acima das normais climáticas. Com relação às chuvas, para os mesmos meses e Região de abrangência CANAOESTE, poderão ser entre próximas a ligeiramente abaixo das respectivas médias. Em função destes prognósticos climáticos, dos custos das operações de plantio, dos recomendados insumos e utilização de tecnologia de produção, a CANAOESTE sugere que evitem plantios tardios. Quanto aos meses de safra - abril e maio, as previsões mostram que se deve aproveitar, ao máximo, os dias e tempos disponíveis para colheita e entrega de cana. Estes prognósticos serão revistos a cada edição da Revista Canavieiros e fatos ou prognósticos climáticos relevantes serão noticiados em nosso site www.canaoeste.com.br . Continuem acompanhando ! Persistindo dúvidas, consultem os Técnicos mais próximos ou através do Fale Conosco CANAOESTE. nascentes e cursos d’água. Revista Canavieiros - Março de 2010 Revista Canavieiros - Março de 2010 27 27
    • Artigo Técnico Potencial produtivo e contribuição financeira de cultivares de cana-de-açúcar Hélio Francisco da Silva Neto* Luiz Carlos Tasso Júnior** Marcos Omir Marques*** Gustavo de Almeida Nogueira**** Fábio Camilotti***** I ntrodução Devido a constante liberação de novos cultivares o produtor obteve ganhos em produtividade agrícola e industrial (Landell & Vasconcelos, 2006), proporcionado a cada reforma de canavial a substituição de cultivares (Gheller 1996), sendo esta a maneira mais econômica de se elevar o rendimento (Alvarez et al., 1983). Com melhoramento genético é possível obter ganhos de 30% na produtividade e na recuperação de quilogramas de açúcar por tonelada de cana (Barbosa et al., 2000). Neste sentido, Landell et al (1999) revelou variações consideráveis na tonelada de cana e pol por hectare na mudança de ambientes, sendo realizado, a partir de 1983, estudos em diversas regiões produtoras, constatando a interação genótipo-ambiente (Landell, 1999). As características agronômicas e agroindustriais refletem as diferenças genéticas entre os cultivares (Ramalho 2001), portanto baseado nestes parâmetros recomendam-se para cada região produtora, com seu respectivo ambiente de produção, o cultivar de melhor desempenho (Bassinelo et al, 1984; Landell e Bressiani 2008). Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi verificar o comportamento de diferentes cultivares de canade-açúcar, na Região de Ribeirão Preto, e identificar seu potencial produtivo e as estimativas de sua contribuição financeira. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi realizado no ano de 2008, na cidade de Jaboticabal, si28 Revista Canavieiros - Março de 2010 tuada na macro-região de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, na Fazenda de Ensino, Pesquisa e Produção FCAV/UNESP. O solo utilizado no experimento foi um Latossolo Vermelho eutroférrico (LVef) textura muito argilosa A moderado, (Embrapa, 2006). O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado, com 6 tratamentos e 3 repetições. Os tratamentos foram os cultivares de ciclo de maturação precoce: IACSP93-3046, SP80-1842, CTC 16, CTC 7, CTC 9 e SP91-1049; e de ciclo de maturação no final de safra: IAC94-2101, RB72454, RB867515, CTC 2, CTC 6 e CTC8. As parcelas experimentais foram compostas por 5 linhas de cana com 12 metros de comprimento, espaçadas de 1,5 m, totalizando 90 m², sendo considerada como área útil as 3 linhas centrais, descartando-se 1 metro nas extremidades, totalizando 45 m². As amostragens foram realizadas de acordo com o ciclo de maturação de cada cultivar, sendo classificados em precoce e tardio (Landell et al., 2008). Os cultivares precoces foram avaliados no dia 29 de maio de 2008, nas condições de cana planta de ano e meio, que apresentava 14 meses e 20 dias após o plantio, e para os tardios no dia 21 de novembro de 2008, aos 19 meses e 26 dias após o plantio. Em cada parcela foi coletado um feixe de cana contendo 10 colmos industrializáveis, retirados em sequência na linha, que foram despontados, despalhados e encaminhados ao Laboratório de Tecnologia do Açúcar e Álcool da FCAV/UNESP, para poste- rior análise. No laboratório, foi determinada a fibra e a pol, e em seguida foi cálculo o ATR segundo as normas operacionais definidas pelo CONSECANA-SP, (2006) para cada cultivar, na sua respectiva época de análise. Para determinar a produtividade, foram contados nas 3 linhas centrais da parcela o número de colmos presentes, e no momento da colheita, a parcela útil foi pesada, para estimar o cálculo da produtividade. Os resultados obtidos foram submetidos à análise de variância pelo teste F, e as médias foram comparadas pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade. De posse destes resultados, estimou-se a produção de açúcar especial e VHP e álcool anidro e hidratado, de acordo com CONSECANA-SP (2006). Associados aos valores de mercado dos respectivos produtos na data da análise, coletados no CPEA (2009) foram estimados suas contribuições financeiras. RESULTADOS E DISCUSSÃO Na tabela 1 são apresentados os valores de TCH, TPH, e ATR dos cultivares de cana-de-açúcar com ciclo de maturação precoce. Para todos os parâmetros agroindustriais foram encontradas diferenças significativas. Bressiani et al., (2002) e Silva et al. (2002) assim como neste trabalho também encontraram diferenças entre as famílias de cana-de-açúcar estudadas para TCH e TPH. Os melhores resultados foram encontrados pelo cultivar CTC 7, sendo observado sua superioridade em todas as variáveis. O pior desempenho foi observado para o SP80-1842, que
    • Artigo Técnico apresentou produtividade de cana inferior a estimativa da média brasileira, da região sudeste e do estado de São Paulo 80,36, 81,75 e 83, 67, respectivamente. (Agrianual, 2009). Este baixo desempenho também foi observado para o cultivar IACSP93-3046. O cultivar SP91-1049 apresentou alta produtividade de cana, porém teve redução no seu acúmulo de sacarose, resultados inversos foram encontrados pelo CTC 9, que teve menor produção de colmos por área, porém obteve alto valor de açucares totais recuperáveis. Um possível causa para estas ocorrências seria o fato de que a concentração de açúcar ocorre devido à redução no crescimento vegetativo e vice-versa (Agrianual, 2008). Na tabela 2 são apresentados os valores de TCH, TPH, e ATR dos cultivares de cana-de-açúcar com ciclo de maturação tardia. Para a produção de colmos por área, não houve diferença entre os cultivares, diferente dos trabalhos realizados por Bressiani (2001); Santos et al., (2004) e Melo, (2006). No entanto recomenda-se avaliar a safra pelo mesmo padrão da sua remuneração que seria em toneladas de açúcar por hectare colhido (AGRIANUAL, 2008). Neste quesito destaca-se o cultivar CTC 6 com os maiores valores de TPH, (18,68 t ha-1) produção e produtividade de ATR (158,96 kg t-1 e 17,99 t ha -1, respectivamente). Os demais cultivares tiveram comportamentos semelhantes. Alvarez et al., 1983, também verificou diferenças entre cultivares para TPH e ATR e com os resultados considerou os mais promissores como novos cultivares IAC. Tabela 1: Valores Médios1 estimados de TCH, TPH e ATR para os cultivares de ciclo de maturação precoces de cana-de-açúcar. Cultivares Precoces CTC 9 SP91-1049 IACSP93-3046 CTC 16 CTC 7 SP80-1842 Teste F CV (%) TCH (t ha1) 104,77 ab 111,69 a 87,46 c 90,87 bc 109,78 a 87,36 c 14,27** 6,58 TPH (t ha1) 13,77 a 11,09 b 9,49 b 9,66 b 13,01 a 10,12 b 52,68** 7,17 ATR (kg t1) 128,24 a 87,91 d 96,78 c 104,06 b 125,54 a 89,98 d 374,48** 1,94 ATR (t ha1) 14,53 a 11,32 b 11,14 b 11,23 b 13,95 a 11,77 b 57,82** 6,91 Médias seguidas da mesma letra na coluna, não diferem entre si pelo teste de Tukey. ** Significativo ao nível de 1 % de probabilidade, pelo teste F. TCH - tonelada de cana por hectare; TPH - tonelada pol por hectare; ATR - açúcar total recuperável. Tabela 2: Valores Médios-1 estimados de TCH, TPH e ATR para as cultivares de ciclo de maturação tardia de cana-de-açúcar Cultivares Precoces CTC8 CTC 6 RB72454 RB867515 IAC94-2101 CTC 2 Teste F CV (%) TCH (t ha1) 117,00 113,20 111,00 108,29 106,48 101,61 0,10NS 5,52 TPH (t ha1) 14,93 b 18,68 a 14,49 b 15,75 b 15,77 b 14,77 b 8,71** 5,73 ATR (kg t1) 125,70b 158,96 a 128,47 b 140,58 ab 142,63 ab 139,27 ab 4,55* 6,91 ATR (t ha1) 14,71 b 17,99 a 14,25 b 15,19 b 15,16 b 14,09 b 6,54** 6,33 Médias seguidas da mesma letra na coluna, não diferem entre si pelo teste de Tukey. NS, * e ** - Não significativo e significativo ao nível de 5 e 1 % de probabilidade, pelo teste F, respectivamente. TCH - tonelada de cana por hectare; TPH - tonelada pol por hectare; ATR - açúcar total recuperável. precoces destacaram-se o CTC 7 e CTC 9, e entre os tardios o CTC 6, sendo que os demais cultivares também obtiveram valores elevados. A maior produção de açúcar e álcool faz parte das características favoráveis visadas pelos programas de melhoramento (Landell e Bressiani 2008). Na média, os cultivares tardios obtiveram maior potencial produtivo que os precoces. Landell e Bressiani (2008) revelam que no início da safra a colheita de matéria-prima é de pior qualidade, devido às características desfavoráveis para uma maturação. Figura 1: Estimativa do potencial produtivo dos cultivares precoces para açúcar especial e açúcar VHP (expressos em kg por tonelada cana) e para álcool anidro e hidratado (expressos em litros por tonelada cana). Nas figuras 1 e 2 são apresentados as estimativas dos potenciais produtivos, dos cultivares precoces e tardios, para açúcar especial e VHP e de álcool anidro e hidratado. Os cultivares precoces apresentaram comportamento semelhante ao dos tardios, obtendo maior potencial na produção de álcool hidratado, seguido do ATR, álcool anidro e açúcar especial e VHP. Entre os cultivares Revista Canavieiros - Março de 2010 29
    • Artigo Técnico Figura 2: Estimativa do potencial produtivo dos cultivares tardios para açúcar especial e açúcar VHP (expressos em kg por tonelada cana) e para álcool anidro e hidratado (expressos em litros por tonelada cana). CONCLUSÕES Os cultivares precoces CTC 9 e CTC 7 e o tardio CTC 6 apresentaram maior potencial produtivo e contribuição financeira em relação as demais. Os cultivares precoces IACSP933046 e SP80-1842 apresentaram o pior desempenho, com baixa produção de açúcar e álcool e baixa produtividade de cana. Os cultivares tardios CTC 8, CTC 2, RB72454, RB867515 e IAC94-2101 não apresentaram diferenças entre si, e obtiveram elevados valores para os parâmetros agroindustriais avaliados. Nas figuras 3 e 4 são apresentados as estimativas da contribuição em reais por hectare dos cultivares precoces e tardios para açúcar especial e VHP e de álcool anidro e hidratado. Para os cultivares precoces, o maior retorno financeiro foi obtido pela produção de álcool anidro, seguido do açúcar especial, álcool hidratado e por ultimo do ATR. Para os cultivares tardios, a maior renda foi encontrada na produção de açúcar especial, seguido, em igualdade pelo açúcar VHP e álcool hidratado, e no final o ATR. Também neste caso, na média, a maior renda foi obtida nos cultivares tardios. Figura 3: Estimativa da contribuição financeira dos cultivares precoces. No geral, os cultivares tardios apresentaram maior potencial produtivo e contribuição financeira em relação aos precoces. Devido a variação de preços no mercado, os cultivares colhidos inicialmente obtiveram maior renda na produção de álcool anidro, e os tardios na produção de açúcar especial. AGRADECIMENT.OS A CAPES (coordenação de aperfeiçoamento de pessoal de nível superior) pela bolsa concedida ao primeiro e segundo autor. A FCAV/UNESP pela seção da área experimental e apoio técnico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Figura 4: Estimativa da contribuição financeira dos cultivares tardios. 30 Revista Canavieiros - Março de 2010 AGRIANUAL: Anuário da agricultura brasileira. São Paulo: Instituto FNP, 2009. p. 235-258. AGRIANUAL: Anuário da agricultura brasileira. São Paulo: Instituto FNP, 2008. p. 244-248. ALVAREZ, R,; BASTOS, C. R.; SEGALLA, A. L.; OLIVEIRA, H; GODOY JR., G.; POMMER, C. V. BRINHOLI, O.; DALBEN, A. E. Melhoramanto da cana-de-açúcar. II Experimentos regionais com clones obtidos em 1967. Bragantia, Campinas, v.42, n.3, p. 27-36, 1983. BASSINELO, A. I.; ABRAHÃO, J. S.; VALADÃO, M. B.; BARCELLOS, J. E. T.; PICCOLO, C. R. Primeiros resultados de estudos de novas variedades de cana-de-açúcar em solos de cerrado. In: Congresso Nacional da STAB, 3., e CONVENÇÃO DA ACTALAC, 5., 1984, São Paulo. Anais... São Paulo: STAB, 1984. p.206-214. BARBOSA, G.V.S.; SOUZA, A.J.R.; ROCHA, A.M.C.; RIBEIRO, C.A.G.; FERREIRA, J.L.C.; SOARES, L.; CRUZ, M.M.; SILVA, W.C.M. Novas variedades RB de canade-açúcar para Alagoas. Maceió: UFAL; Programa de Melhoramento Genético de Cana-
    • Artigo Técnico de- Açúcar, 2000. 16p. (Boletim Técnico Programa de Melhoramento Genético de Cana-de-Açúcar, 1). BRESSIANI, J. A. interação entre famílias de cana-de-açúcar e locais: efeito na resposta esperada com a seleção. Bragantia, Campinas, v.61, n.1, 2002. BRESSIANAI, J. A. Seleção seqüencial em cana-de-açúcar. 2001. 133p. Tese (Doutorado). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba. CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA – CEPEA. Disponível em : http:// www.cepea.esalq.usp.br. Acessado em: 10 de dezembro de 2009. CONSELHO DOS PRODUTORES DE CANA-DE-AÇÚCAR, AÇÚCAR E ÁLCOOL DO ESTADO DE SÃO PAULO. Manual de Instruções. Piracicaba: Consecana, 2006. 112p. EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisa de Solos 1999. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa. Produção de informação, Embrapa solos, 1999, 412p. GHELLER, A. C. A.; GARCIA, A. A. F. ; MENDES, J. M. Variedades RB: Comportamento de variedades comerciais e clones promissores na Região Norte do Estado de São Paulo, em três épocas de colheita. In: Congresso Nacional da Sociedade dos Técnicos Açucareiro e Alcooleiros do Brasil – STAB, 6., 1996, Maceió. Anais... Maceió:STAB, 1996, p.181-187. LANDELL, M. G. A.; BRESSIANI, J. A. Melhoramento genético, caracterização e manejo varietal. In: DINARDO-MIRANDA, L. L.; VASCONCELOS, A. C. M.; LANDELL, M. A. G. Cana-de-açúcar. Campinas: Instituto Agronômico, 2008. p.791-806. Landell, M. G. A.; Xavier, M. A.; Campana, M. P.; Bressiani, J. A. Atualidades em cultivares de cana-de-açúcar. In: MARQUES M.O., MUTTON, M.A., NOGUEIRA, T.A.R., TASSO JÚNIOR, L.C., NOGUEIRA, G.A., BERNARDI, J.H. Tecnologias Na Agroindústria Canavieira. Jaboticabal: FCAV, 2008. p.61-72. LANDELL, M. A. G.; VASCONCELOS, A. C. M. (Org.). Atas das reuniões 2006. Ribeirão Preto: Grupo Fitotécnico de Canade-açúcar, 2006 (Cd-ROM). LANDELL, M. G. A.; ALVAREZ R.; ZIMBACK, L.; CAMPANA, M. P.; SILA, M. A.; PEREIRA, J. C. V. N. A.; PERECIN, D.; GALLO, P. B.; MARTINS, A. L. M.; KANTHACK, A D..; FIGUEIREDO P.; VASCONCELOS, A. C. M. Avaliação final de clomes IAC de cana-de-açúcar da série 1982, em Latossolo Roxo da Região de Ribeirão Preto. Bragantia, Campinas, v. 58, n.2, p.113, 1999. MELO, L. J. O. T.; OLIVEIRA, F. J.; BASTOS, G. Q.; ANUNCIAÇÃO FILHO, C. J.; REIS, O. V. Interação genótipo x ciclos de colheita de cana-de-açúcar da Zona da Mata Norte de Pernambuco. Bragantia, Campinas, v.65, n.2, p.197-205, 2006. RAMALHO, M. A. P.; SANTOS, J. B.; PINTO, C. A. B. P. Genética na agropecuária. 2 ed, Lavras: UFLA, 2001. 472p. SANTOS, M. S. N.; MADALENA, J. A.; SOARES, L.; FERREIRA, P. V.; BARBOSA, G. V. S. Repetibilidade de características agroindustriais em cana-de-açúcar. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.39, n.4, p.301306, 2004. SILVA, M. A.; GONÇALVES, P. S. ; LANDELL, M. G. A.; BRESSIANI, A. J. Estimates of parameters and expected gains from selection of yield traits in sugarcane families. Crop Breeding and Applied Biotechnology, v.2, p.569-57, 2002. * Engenheiro Agrônomo, Mestrando em Produção Vegetal UNESP/Jaboticabal SP. ** Engenheiro Agrônomo, Pós-Doutorando em Produção Vegetal UNESP/ Jaboticabal SP. *** Engenheiro Agrônomo, Professor Adjunto em Tecnologia do Açúcar e Álcool UNESP/Jaboticabal SP. **** Engenheiro Agrônomo, Gerente do departamento técnico – CANAOESTE, Sertãozinho SP. ***** Engenheiro Agrônomo, Professor Faculdade de Tecnologia FATECJaboticabal. Revista Canavieiros - Março de 2010 31
    • Novas Tecnologias Agronegócio Brasileiro: acesso à informação pode mudar a rotina dos produtores rurais Carla Rodrigues H oje o mundo vive a era da tecnologia, tudo aquilo que transmite agilidade e praticidade atrai os olhos do homem. No Brasil isso não é diferente. Cada vez mais é possível ter infinitas informações sobre variados assuntos com apenas um click na internet. Pensando em negócios, pode-se dizer que a palavra informação vem acompanhada de conhecimento e lucro. No caso do Brasil, um país que tem a economia baseada no agronegócio, menos de 6% dos produtores rurais acessam a internet como ferramenta de trabalho. Atualmente, mesmo com os baixos custos de acesso, questões culturais e de infraestrutura precária ainda são os principais responsáveis pela pouca utilização da internet, embora isso esteja mudando rapidamente. Essa mudança já é realidade na vida de alguns agricultores que viram a rotina do seu diaa-dia mudar radicalmente. Este é o caso do produtor de cana, José Mário Tanga, 69 anos, de Salles Oliveira. Ele conta que há 5 anos acessa a internet todos os dias para se manter informado sobre as tendências do setor sucroalcooleiro. “Busco informações sobre o clima e também notícias econômicas do mercado de cana, açúcar e etanol. Isso me ajuda bastante na hora de tomar decisões sobre a minha lavoura. É uma grande evolução”, afirma José Mário. Mas nem sempre foi assim. “Antes não podíamos contar com a internet e nossa rotina era distante das informações digitais”, completa Tanga. O setor do agronegócio no Brasil é responsável por 1/3 do PIB do país, com tendência de crescer 25% nos próximos três anos, já que ainda há 90 milhões de 32 Revista Canavieiros - Março de 2010 hectares para exploração econômica. Entretanto, a falta de acesso a informação pode gerar grandes problemas para o produtor, como por exemplo, não saber qual é o produto mais indicado para a próxima safra e, além disso, esse mesmo produtor pode acabar vendendo a sua produção por um preço inferior ao valor do mercado, e consequentemente, ter menos lucratividade. recursos favoráveis a nossa balança comercial”, explica Macchi. Macchi acredita ser fundamental uma maior difusão dos benefícios que a internet pode trazer aos seus usuários e a melhor maneira de fazer isso é através dos profissionais que estão no dia-a-dia da produção primária, no desempenho das suas atividades: engenheiros agrônomos e técnicos agrícolas, além de outros profissionais, são exemplos claros desse perfil. De acordo com o diretor de Operações da empresa Safras & Mercado, empresa especializada em consultoria para o agronegócio, Carlos Macchi, a informação correta, tempestiva e confiável é essencial para o sucesso de qualquer atividade. “Manter-se permanentemente informado pode ser o grande diferencial no planejamento da Com base nesatividade e, no caso Carlos Macchi, diretor de Operações da tas características, empresa Safras & Mercado dos produtores rua empresa desenrais, passa a ser decisivo na hora de volveu o programa “Agrônomos Pardecidir qual a commodity propícia a ceiros”, em que esses profissionais poproduzir, o que se repete principalmen- dem auxiliar na difusão dos sistemas te no momento de comercializar a safra de informação e, sem alterar sua rotina colhida. O resultado disso para o au- e sem qualquer compromisso com a mento da competitividade e, para o país, Safras, auferir ganhos que complemenseria o crescimento da produção agro- tam sua renda através da venda ou de pecuária, proporcionando maiores ex- simples indicações de interessados em cedentes exportáveis e o ingresso de aderir aos sistemas de informação.
    • Revista Canavieiros - Março de 2010 33
    • Repercutiu Repercussão do uso do etanol na Formula Indy é positiva Representantes do governo, das usinas e organizadores e patrocinadores do evento falam sobre a importância da exposição do biocombustível na Indy 2010 Foto por: Ron McQueeney A temporada 2010 da Fórmula Indy, que utiliza o etanol de cana-deaçúcar como combustível oficial, é uma grande oportunidade para promover a imagem do biocombustível brasileiro dentro e fora do país. Os resultados das parcerias firmadas entre a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), fornecedora do etanol, a Indy Racing League (IRL), organizadora da Fórmula Indy, e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), patrocinadora do evento, puderam ser vistos logo na primeira prova da corrida, a “São Paulo Indy 300”, ocorrida no domingo (14/03). Presidentes de usinas, representantes da Apex e organizadores do evento falam sobre a importância de um evento com a Fórmula Indy para exposição do etanol de cana-de-açúcar. 34 Marcelo Ometto, conselheiro do Grupo São Martinho “O etanol de cana permite melhor rendimento com muito menos emissão de CO2. O uso do etanol pela Indy mostra ao mundo o caso de sucesso que é o etanol brasileiro de cana-de-açúcar.” Terry Angstadt, presidente da Indy Racing League (IRL) “O Brasil é um grande produtor de etanol. Portanto, existe uma plataforma perfeita para a promoção deste combustível e ajudar a transformá-lo em uma commodity internacional. Isso é muito importante, principalmente após o crescimento recentes nas relações estabelecidas entre a Apex, a UNICA e a Indy Race Series.” Luiz Pogetti, presidente do Conselho de Administração da Copersucar S.A “O uso do etanol de cana em uma situação que exige alto desempenho, como a Indy, afasta qualquer dúvida sobre a viabilidade de nosso biocombustível em situações de tecnologia de ponta. A eficiência do etanol na Indy é o reconhecimento das qualidades de nosso etanol, um combustível pronto para a modernidade.” Revista Canavieiros - Março de 2010 Renato Meirelles, diretor de Relações Institucionais da Abengoa Bioenergia, empresa de origem espanhola dona de usinas no Brasil “É uma grande vitória para o setor e para o Brasil a Fórmula Indy ter acreditado no etanol de canade-açúcar, o mesmo etanol que vai mover as corridas nos Estados Unidos e em outros países. Isso é um imenso passo para realmente transformar o etanol em uma commodity.” Herminio Ometto, presidente da usina São João de Araras (SP) “Motores de alta performance exigem combustíveis de alta octanagem, como o etanol de cana-de-açúcar. A exemplo da Fórmula Indy, em breve veremos esse mesmo raciocínio chegando com força também aos motores aeronáuticos a pistão” Mauricio Borges, vicepresidente da Apex-Brasil “Vários investidores têm perguntado e procurado por empresas que respeitam o meio ambiente, que seguem o conceito de sustentabilidade. O etanol de cana-deaçúcar tem todas as características e nos dá esse aval. Usar esta chancela da UNICA, do etanol, coloca-nos mais fortes mostrando que as empresas brasileiras, de diversos segmentos, têm respeito ao meio ambiente. Essa união favorece muito as exportações brasileiras nos mercados japonês, canadense e americano (onde vão acontecer provas da Indy).” Foto por: Ron McQueeney Fonte: Unica Orlando Silva, ministro dos Esportes “Demonstra (o uso do etanol) a capacidade do Brasil. Somos um País que tem responsabilidade ambiental, uma agenda muito forte neste sentido. Acredito que a Fórmula Indy, correndo com etanol, mostra a potência deste combustível, o que garante não somente a sustentabilidade ambiental, mas também financeira. É uma boa demonstração de capacidade do País na apresentação de um produto, que espero rapidamente chegue em todo o mundo, pois quem tem responsabilidade com o meio ambiente deve estimular o seu consumo. Desejo que as barreiras comerciais cedam ao longo do tempo em benefício do planeta” José Pilon, presidente da usina Santa Maria, em Cerquilho (SP) “Mostramos para o mundo o nosso etanol de cana, que além de ser um biocombustível produzido de maneira sustentável, também contribui para reduzir emissões de carbono e melhorar o desempenho, já que a octanagem é mais alta do que a da gasolina. Isso tem um efeito ainda mais perceptível quando os carros são de alto desempenho, como os da Indy.”
    • Revista Canavieiros - Março de 2010 35
    • Biblioteca Cultura Cultivando a Língua Portuguesa Esta coluna tem a intenção de maneira didática, esclarecer algumas dúvidas a respeito do português “GENERAL ÁLVARO TAVARES CARMO” Estratégias para a Cana no Brasil Um negócio classe mundial Marcos Fava Neves Marco Antonio Conejero " Não tenho tempo algum porque a felicidade me consome" Adélia Prado 1) Pedro? “Freqüenta” todos os anos o Carnaval do Rio, da Bahia... Um verdadeiro folião! Renata Carone Sborgia* Falso. Prezado amigo leitor para ser um verdadeiro folião frequentador de Carnavais retomaremos a nova regra, segundo o Novo Acordo Ortográfico: o trema foi abolido (regra geral). Assim, verdadeiro frequentador de Carnavais “pula” sem o trema! 2) Maria disse à expressão popular: - Pedro pisou no meu “calcanhar-de-aquiles” namora minha melhor amiga. Pedro pisou duas vezes no calcanhar de aquiles de Maria: usou o hífen na expressão e namora a melhor amiga de Maria! Dica sobre o hífen, segundo o Novo Acordo Ortográfico: calcanhar de aquiles é uma locução, portanto não recebe hífen. “Deus nos acuda” com a situação acima! (expressão popular, locução, usá-la sem hífen) Quanto à amiga, deixo meus prezados amigos leitores sugerirem à dica! 3) Datas festivas e/ou casa nova. Os queridos parentes sempre nos visitam e “vêem” detalhes interessantes, disse Maria. Alguns feriados “atraem” parentes com casa nova! Uma alegria para todos? Com o verbo ver escrito com acento, com certeza, não. Os parentes desistirão das visitas. Regra nova, segundo o Novo Acordo Ortográfico, em especial, com o verbo ver: o hiato “eem” da terceira pessoa do plural do presente do indicativo do verbo ver não será mais acentuado. O correto é: VEEM (verbo ver). PARA VOCÊ PENSAR: “Nada mais poderoso do que uma ideia que chegou no tempo certo” Victor Hugo “Não sou do tamanho da minha altura, mas da estrutura daquilo que posso ver” Fernando Pessoa Dicas e sugestões, entre em contato: renatacs@convex.com.br * Advogada,Profa. de Português, Consultora e Revisora, Mestra USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, Pós-Graduada pela FGV/RJ, com MBA em Direito e Gestão Educacional, autora de vários livros como a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras), em co-autoria. 36 Revista Canavieiros - Março de 2010 Autores: muitos sistemas agroindustriais recebem admiração, mas a cana-de-açúcar é especial, pela sua história, pelo benefício que traz para o Brasil, pela liderança mundial e por ver o desenvolvimento das regiões produtoras. A competitividade do Brasil na produção de etanol, açúcar, bioeletricidade e outros produtos derivados da cana é ponto pacífico. Sua manutenção, contudo, depende de planejamento. Procurou-se, neste livro, debater apenas algumas ideias, a partir do trabalho dos autores em mais de dez projetos no setor, visando olhar estrategicamente os “caminhos para a cana”. Muitas delas vêm sendo divulgadas há tempos. Algumas já vem sendo implementadas, seja pelas organizações existentes como a UNICA, ou por Governo e outros. Nossa proposta é deste esforço de planejamento visando à sustentabilidade do setor, para que o Brasil fique cada vez mais competitivo e numa confortável posição em suprimento energético para o mundo. Num momento em que o mundo precisa de água, de alimento, de energia, a cana-de-açúcar, sem sombra de dúvida, é uma resposta principalmente brasileira, para ajudar a suprir essas necessidades. APLICAÇÃO Esta obra é útil para profissionais e acadêmicos envolvidos com o agronegócios e bioenergia, nas áreas de Gestão da Cadeia de Suprimentos, Gestão de Canais de Distribuição, Responsabilidade Social Corporativa, Direito Econômico e Ambiental, Certificações Socioambientais, Sustentabilidade Empresarial, Políticas Públicas, Estratégias Empresariais e Planejamento de Associações de Interesse Privado. Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros podem procurar a Biblioteca da Canaoeste, na Rua Augusto Zanini, nº1461 em Sertãozinho, ou pelo telefone (16)3946-3300 - Ramal 2016 marcia.biblioteca@canaoeste.com.br
    • Agende-se Abril de 2010 I SIMPÓSIO PAULISTA DE MECANIZAÇÃO EM CANA-DE-AÇÚCAR Empresa Promotora: LAMMA E GIEU - UNESP/JABOTICABAL Tipo de Evento: Simpósio Início: 07/04/2010 Fim: 08/04/2010 Cidade: Jaboticabal - SP Localização do Evento: Centro de Convenções "Ivaldo Melito" UNESP Jaboticabal Informações: www.fcav.unesp.br/spmec E-mail: spmec2010@fcav.unesp.br Telefone: (16)3203 3341 Obs:- O SPMEC se constituirá em um evento focado no aprimoramento das técnicas que envolvem as operações mecanizadas na cultura da cana-de-açúcar, no qual serão proferidas palestras por especialistas, mesas-redondas e rodadas de negócios, configurando-se como uma excelente oportunidade para a efetiva troca de experiências entre seus participantes. RIBEIRÃO CANA INVEST Local: Teatro Pedro II - Ribeirão Preto Programação: Dia 5 de abril - das 15h00 às 17h00 Apresentações culturais de grupos de dança, balé, coral e banda mantidos por unidades sucroenergéticas. O público será formado por alunos e professores das escolas municipais de Ribeirão Preto Dia 6 de abril de 2010 08h00 às 09h00 - Recepção e retirada de material 09h00 às 09h15 - Abertura com a Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto e boas-vindas com a Prefeita Dárcy Vera 09h15 às 10h00 - Expectativas sobre a safra 2010/11 10h00 às 10h30 - Intervalo para café 10h30 às 11h30 - Evolução na lavoura canavieira motomecanização - do preparo de solo ao transporte 11h30 às 12h30 - Evolução na lavoura canavieira fitossanidade Tomaz Caetano Rípoli - professor/pesquisador da Esalq/USP; Leila Luci Dinardo Miranda - diretoria do Núcleo de P&D do IAC-Campinas 12h30 às 14h00 - Intervalo para almoço 14h00 às 15h00 - 0 melhoramento genético e cana transgênica 15h00 às 16h30 - A evolução na indústria sucroenergética - as melhorias na primeira geração e a expectativa da segunda 16h30 às 17h00 - Intervalo para café 17h00 às 18h00 - A bioeletricidade como negócio 18h00 às 19h00 - A participação dos fornecedores de cana no segmento sucroenergético Dia 7 de abril de 2010 08h30 às 10h00 - Investimentos, crédito e gestão no setor sucroenergético 10h00 às 10h30 - a Intervalo para café 11h00 às 12h30 - Expectativas do mercado sucroenergético e novos negócios 12h30 às 14h00 - Intervalo para Almoço 14h00 às 15h30 - A articulação política no setor sucroenergético e as ações para resolver os temas pertinentes ao setor 15h30 às 16h00 - Intervalo para café 16h00 às 17h30 - A cana-de-açúcar na matriz energética nacional: como ficam os biocombustíveis com o pré-sal? Dia 8 de abril de 2010 8h30 às 10h00 - Cana Sustentável - debate sobre a sustentabilidade no setor sucroenergético, a aplicação do Projeto RenovAção, formação e qualificação profissional e a imagem do setor na comunidade. 10h00 às 10h30 - Intervalo para café 10h30 às 12h30 - A cana e o meio ambiente - protocolo agroambiental, reserva legal, zoneamento agrícola e a cana na redução do efeito estufa AGRISHOW 2010 Data: 26 a 30 de abril de 2010 Horário: Das 8h às 18h Local: Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo - Pólo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronégócios do Centro-Leste / Centro de Cana (Rodovia Antonio Duarte Nogueira Km 321 - Ribeirão Preto - SP) Área Global de Exposição: 360 mil m2 Revista Canavieiros - Março de 2010 Revista Canavieiros - Março de 2010 37 37
    • VENDEM-SE - 1 reprodutor CMC0505, nascido em 24/11/2005. Filho de Magnun CMC 0357 - PROV II - Valor R$ 2.000,00; - 1 reprodutor AVM0163, nascido em 19/07/2008. Filho de CMC0505 - BASE - Valor R$ 1.000,00 - 1 reprodutor AVM 0228, nascido em 26/06/2009. Filho de CMC0505 - BASE - Valor R$ 800,00. Tratar com Juliano (16) 3946 4200 ou Gustavo Lopes (16) 3946 3300 VENDEM-SE: - 01 Colhedora CASE IH 2388, Ano 2001, excelente estado de conservação, baixo no horas Rotor e Motor, com plataforma de soja 25 pés e Kit para colheita de feijão; - 01 Colhedora SLC JOHN DEERE 1175 Hidro, cabinada, ano 2000, excelente estado de conservação, com plataforma de soja 16 pés; - 01 Plataforma de milho Stara para espaçamento 10 linhas de 50 cm, ano 2009; - Conjunto de Silo Granel com Elevador / 2 Tambores 5.500 sc cada / Conjunto de Pré Limpeza / Painel de comando / Ventiladores de aeração; - 01 máquina beneficiadora / selecionadora de grãos; - 01 Carroceria 5,5m com sobregrade para 7 animais e uma divisão, ótimo estado de conservação. Tratar com Júnior - (34) 9972 3242 VENDE-SE Sítio em Descalvado, 7,2 alqueires no asfalto a 8 km da usina Ipiranga, muita água com duas linhas de força. Tratar com Beto pelo telefone (19) 9249 5529 VENDEM-SE - Carreta de torta de filtro otta c/ motor hidráulico, completa - R$ 38.500,00 - 7 discos de grade de 34" x 9mm Falar com Marco pelo telefone (16) 3942 2895 38 Revista Canavieiros - Março de 2010 VENDE-SE 01 Caminhão Ford Cargo 2422 1993/1993 - branco, 4x6, traçado. Está trabalhando no plantio de cana. Preço a combinar. Falar com Fernando pelo telefone (19) 9843 0818 - ou e-mail: dorivalfernando@yahoo.com.br - 2 sulcadores de uma linha - plataforma traseira para trator - pse 8 Semeato - arado Aiveca - grade de 36 x 20" Tatu - grade quebra-lombo Falar com Zezé ou Eduardo pelo telefone (16) 3942 3987 VENDEM-SE - Comboio de Óleo Diesel 3.000 litros acoplado com medidor FM 200L, bomba Gascon M-150S, bomba elétrica 12 volts e bico de abastecimento em bom estado de uso - valor R$ 6.000,00. - 1 Carroceria Galego em ótima condição de uso, ano 2006, para plantio ou transporte de cana. - 1 Carroceria Fachine em ótima condição, ano 2005, transporte de cana. - 1 Cobridor de cana DMB Interessados ligar para (17) 3281-5120 falar com Marcus ou Nelson VENDEM-SE - 02 caminhões canavieiros Mercedes Benz, modelo 2635 Top Break 6x4 c/ 3º eixo, ano 1997, Km 175.000. Carroceria CAMAQ cana inteira, muito reforçada. Descrição: novíssimos, usados apenas 3 a 4 meses por ano em safra particular do proprietário. Quilometragem original, sem batida ou tombo, comprados na concessionária MB de Jaboticabal/SP, todas as revisões a manutenções feitas na autorizada. Manual todo carimbado. Nunca abriu motor, diferencial, etc. Valor: R$189.000,00 cada com carroceria. Tratar com Fernando pelo telefone (16) 9103.1071 VENDE-SE Fazenda 513 hectares, entre PrataMG e Ituiutaba-MG, faz divisa com canavial, várias benfeitorias. Tratar com Ozires pelos telefones (34) 9974 7500 ou (34) 3214 9703 VENDEM-SE - Carregadeira de Cana CBT 8060/4, máquina em bom estado, trabalhando R$ 35.000,00. - Ônibus rural, motor Mercedes, documento OK - R$ 12.000,00. - NH TL 70 simples ano 2000 - R$ 20.000,00. - Valtra BH 180/4 ano 2003, máquina em bom estado - R$ 65.000,00 Tratar com José Paulo Prado, pelos telefones (19) 3541 5318 ou 99154 8674 VENDEM-SE - Trator MF 275 ano 79 - cultivador DMB - enleirador de palha leve VENDEM-SE - 01 caixa d'água modelo australiana para 50.000 lts de água - 01 caixa d'água modelo australiana para 5.000 lts de água - 01 transformador de 15 KVA - 01 transformador de 45 KVA - 01 transformador de 75 KVA - tijolos antigos e telhas - lascas, palanques e mourões de aroeira - 01 sulcador de 2 linhas DMB - postes de aroeira - terças, caibros e porteiras - 01 moto CBR 1000, ano 2008, com 3000 km - coxos de cimento Tratar com Wilson - 17.9739.2000 Viradouro SP
    • Revista Canavieiros - Março de 2010 39
    • 40 Revista Canavieiros - Março de 2010