Ed41novembro09
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Ed41novembro09

on

  • 190 views

 

Statistics

Views

Total Views
190
Views on SlideShare
190
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Ed41novembro09 Document Transcript

  • 1. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 1
  • 2. 2 Revista Canavieiros - Novembro de 2009
  • 3. Editorial Rumo a Copenhague M aturidade. Segundo o empresário Maurílio Biagi Filho essa é a principal característica que falta para o setor sucroalcooleiro desenvolver. Apesar de ser exemplo no que diz respeito à produção de etanol, o Brasil ainda é precário em sua comunicação. Na entrevista deste mês, o empresário expõe sua visão do setor e demonstra preocupação com a postura do país no encontro em Copenhague. Em Assuntos Legais, o advogado da Canaoeste, Juliano Bortoloti, fala sobre a incompetência dos municípios em aplicarem as leis que proíbem a queima de cana mesmo quando há legislação federal e estadual autorizada. E também traz novidades sobre a renegociação das dívidas rurais, informando o novo prazo de parcelamento e prorrogação. O ATR Relativo da safra é o assunto tratado no artigo técnico desta edição pelo assistente de Controle Agrícola da Canaoeste, Thiago Silva, que mostra o impacto das chuvas na qualidade da cana e também no ajuste do ATR. A Reportagem de Capa traz a cobrança pelo uso da água na região que deverá ser iniciada a partir de 1º de janeiro de 2011. O principal objetivo desta nova cobrança é a conscientização do uso racional da água, e também a captação de recursos que deverão ser destinados para projetos a serem desenvolvidos na mesma bacia hidrográfica em que foram arrecadados. O presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan, dá sua opinião sobre os problemas atuais, sendo o mais recente deles, o apagão nacional ocorrido no dia 10 de novembro. Para ele, isso mostra a fragilidade do sistema brasileiro. No artigo, ele também aborda a importância dos canaviais brasileiros, que têm o potencial de produção de energia de duas Itaipus. A senadora Kátia Abreu está no Ponto de Vista e expõe o que pensa sobre o encontro em Copenhague, a se realizar no próximo mês, onde as nações irão discutir suas metas e planos para a redução de gás carbônico. Ela acredita que a solução está na política interna de cada um. Em Notícias Canaoeste você poderá conferir o prêmio MasterCana 2009, que destaca as pessoas mais influentes do setor. Este ano, os presidentes da Copercana, Antônio Eduardo Tonielo, e da Canaoeste, Manoel Ortolan, foram os premiados nas categorias “Empresarial” e “Representação de Classe”, respectivamente. Em Destaque, temos a entrega do título de “Cidadão Ribeiraopretano” ao Sr. Antônio Eduardo Tonielo, presidente da Copercana. A Câmara Municipal de Ribeirão Preto homenageou-o no último dia 5. Familiares, amigos, autoridades estaduais e da cidade participaram da cerimônia. Já nas Notícias Copercana você poderá conferir o encontro para produtores de amendoim, realizado pela Unidade de Grãos da Copercana, no dia 26 de outubro. Os professores da Unesp apresentaram resultados de estudos e pesquisas feitos durante a safra 2008/2009 e também discutiram um possível cenário para 2010. O mês de outubro também foi marcado pela reinauguração do Supermercado Copercana e da Loja Magazine de Pitangueiras. Com uma estrutura ampla e moderna, agora a estrutura tem capacidade para atender toda a necessidade dos clientes e cooperados da região. Além disso, não deixe de conferir as Informações Setoriais com o Assessor Técnico da Canaoeste, Oswaldo Alonso, dicas da Língua Portuguesa e leitura. Boa leitura! Conselho Editorial Revista Canavieiros - Novembro de 2009 3 3
  • 4. Indice EXPEDIENTE Capa CONSELHO EDITORIAL: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson Uso da água: cobrança na região deve começar em janeiro de 2011 Recursos deverão ser empregados em projetos na mesma bacia hidrográfica em que foram arrecadados 22 Pag. Pag. OUTRAS DESTA DESTA QUES Entrevista Maurílio Biagi Filho OPINIÃO - MANOEL Pag. 16 ORTOLAN Conselheiro de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República (CDES) "O setor precisa alcançar a maturidade empresarial" Pag. Pag. DESTAQUE Pag. 05 Pag. Ponto de vista Kátia Abreu Senadora da República (DEMTO) e Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil O Brasil real e Copenhague Pag. Pag. Notícias Cocred - Balancete Mensal 28 30 Pag. ARTIGO TÉCNICO ASSUNTOS LEGAIS 32 10 DIAGRAMAÇÃO: Rafael H. Mermejo EQUIPE DE REDAÇÃO / FOTOS: Carla Rodrigues - MTb 55.115 Carla Rossini Cristiane Barão Rafael H. Mermejo COMERCIAL E PUBLICIDADE: Janaina Bisson (16) 3946-3311 - Ramal: 2008 comercial@revistacanavieiros.com.br IMPRESSÃO: São Francisco Gráfica e Editora TIRAGEM: 11.000 exemplares Pag. ISSN: 1982-1530 CULTURA DE 33 ROTAÇÃO CULTURA Pag. Pag. Pag. 36 AGENDE-SE Pag. 18 37 CLASSIFICADOS Pag. 38 ERRATA: Na edição passada, a Canavieiros publicou na matéria sobre o Dia de Campo da Case IH, que sua colhedora A4000 permite ao produtor colher até 58 toneladas por hectare e sua produtividade gira em torno de 20 toneladas por hora, quando na verdade esta colhedora permite uma produtividade média de 85 toneladas por hectare. 4 4 JORNALISTA RESPONSÁVEL: Carla Rossini – MTb 39.788 REPERCUTIU Pag. 14 Canaoeste - Manoel Ortolan e Antonio Tonielo estão entre os mais influentes do setor Notícias INFORMAÇÕES 26 SETORIAIS Pag. 08 08 Copercana - Copercana realiza encontro para produtores de amendoim - Supermercado Copercana de Pitangueiras é reinaugurado Notícias Pag. 24 EDITORA: Cristiane Barão – MTb 31.814 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. ENDEREÇO DA REDAÇÃO: Rua Dr. Pio Dufles, 532 Sertãozinho – SP - CEP:- 14.170-680 Fone: (16) 3946 3311 - (ramal 2190) www.revistacanavieiros.com.br www.twitter.com/canavieiros redacao@revistacanavieiros.com.br
  • 5. Entrevista Maurílio Biagi Filho Presidente do Conselho do Grupo Moema Açúcar e Álcool, Sistema COC de Educação, CELEX e diversas outras empresas ; Presidente do Grupo Maubisa, Presidente da Bioenergética Aroeira, Conselheiro de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República (CDES) "O setor precisa alcançar a maturidade empresarial", diz Maurílio Biagi Carla Rossini O empresário Maurílio Biagi Filho acredita que as oscilações no preço do etanol serão resolvidas quando o setor organizar sua oferta e alcançar a maturidade empresarial, o que, segundo ele, significa perseguir menos os recordes de produção e mais a melhora dos índices de rentabilidade. Ele afirma também que falta comunicação ao setor, que a internacionalização está em um ritmo mais rápido do que previa e que os grupos estrangeiros terão um bom relacionamento com os fornecedores independentes de cana. Leia, a seguir, a entrevista que ele concedeu à Canavieiros em seu escritório, em Ribeirão Preto. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 5
  • 6. Entrevista Revista Canavieiros: A participa- comercial e trading e não pelo “farRevista Canavieiros: Essas oscilação do capital estrangeiro do setor é ming”. Preferem construir parcerias ções no preço na bomba não acabam crescente. Até onde podemos chegar? com fornecedores, o que pode benefi- desgastando a cadeia produtiva e, de Maurílio Biagi Filho: A internaci- ciar os produtores independentes. certa forma, reduzindo a eficácia dos onalização e concentração do setor são trabalhos que vem sendo feitos para crescentes. Hoje os trinta maiores gruRevista Canavieiros: Existe uma melhorar a imagem do setor? pos econômicos controlam 91 usinas, solução definitiva para as oscilações Maurílio: Sim, essas oscilações processam quase 50% da cana e são no preço do etanol? desgastam a cadeia e enfraquecem a responsáveis por 54% da oferta de álMaurílio: Reitero o que tenho dito imagem do setor junto à opinião públicool da região Centro-Sul. O aumento nos últimos anos. O setor precisa al- ca nacional, como o próprio consumida concentração é reflexo da crise vivi- cançar a maturidade empresarial, o que dor. Mais uma vez aqui aponto a neda em 2008 e da grande excessidade fundamental de "As tradings preferem construir pansão que fizemos sem organização da oferta. respaldo econômico imeparcerias com fornecedores, pois não diato. A tendência é que Precisamos nos esforpossuem interesse em atuar as unidades menos produçar para consolidar a imativas e que se endividagem positiva do etanol junno farming (na lavoura)" ram sejam incorporadas. to à opinião pública nacioNo início dessa década nal e internacional, através previ que em 2012, algo em torno de significa perseguir menos os recordes da consolidação de medidas já em an20% de toda a cana processada no país de produção e mais a melhora dos ín- damento, como o zoneamento agroeestaria nas mãos de grupos estrangei- dices de rentabilidade. Considero fun- cológico da cana e a consolidação dos ros. Agora vejo que, com os últimos damental, ainda, que o setor organize marcos regulatórios. negócios realizados e os que estão em a sua oferta, ou seja, aprenda a venandamento, este percentual será ultra- der em doze meses aquilo que é proÉ preciso que tenhamos habilidade passado ainda em 2010. duzido em oito. de comunicar, de forma clara e integraPor que agora o preço do etanol vai da, ou seja, diversas entidades envolSou absolutamente favorável ao ficar alto? Porque os estoques são pe- vidas num mesmo projeto de comunicapital estrangeiro. Obviamente trata- quenos. cação, todos os benefícios ambientais se de um setor estratégico e seria muiE vai ficar tão mais alto que vai do etanol. Não basta ser, é preciso ser to desejável que fosse predominante- obrigar o governo a intervir como já e aparecer. mente nacional, até porque não sabe- fez no passado. O governo tem papel mos exatamente os reais interesses de importante no problema, pois não cumO que é preciso comunicar? Que quem está chegando. pre uma lei que existe, que é a dos es- apenas 2% da área agrícola brasileira é toques estratégicos. O governo já dis- ocupada pela cultura da cana; que o Vou te dar um exemplo. Quando nós se que não cumpri essa lei, sendo as- aumento da produção está ligado ao administrávamos a SantaelisaVale, a sim só nos resta organizarmos o nos- aumento da produtividade; que as usiprefeitura de Sertãozinho tinha uma so estoque, considerando que o inte- nas não estão instaladas no bioma amaverdadeira parceria conosco, porque resse é nosso. zônico ou no Pantanal. Há uma série repassávamos verbas de arrecadação para ajudar no desenvolvimento da cidade. Talvez essa não fosse a forma mais correta do ponto de vista administrativo, mas o nosso carinho pela cidade falava mais alto. Os administradores que vêm provavelmente só vão pensar nos resultados da empresa. A mesma coisa acontecia no caso dos fornecedores de cana, suas associações e cooperativas. “ Revista Canavieiros: Quais os desafios que a internacionalização do setor impõe para os produtores independentes de cana? Maurílio: As empresas estrangeiras se interessam pela parte industrial, 6 Revista Canavieiros - Novembro de 2009
  • 7. Entrevista “Eu acho que o etanol tem um futuro garantido com perspectiva de aumento da demanda no exterior” “ produtos finais da cana, como o açúcar e o etanol. Vários investimentos para o aumento da produção de açúcar nas usinas e, ainda, para sua produção nas destilarias, de maneira geral já ocorrem, juntamente com um saneamento do setor, bem como a retomada de alguns investimentos paralisados ou semi-paralisados. infindável de benefícios que não são conhecidos pela opinião pública. O Brasil é o único país do mundo em que o consumidor pode escolher que combustível usar, um de origem fóssil, mais caro, e outro, de fonte renovável, mais barato. Porém, o benefício procurado pelo consumidor é o preço e não a busca por maior sustentabilidade ambiental. Essa motivação equivocada é decorrência da falta de informação sobre todos os benefícios ambientais e sociais do etanol. O etanol deveria custar mais do que a gasolina, considerando seu custo de produção. tunidade de firmar-se em Copenhague como liderança mundial, com base nas vantagens comparativas que possui (água, florestas, cana-deaçúcar, etc). Tais vantagens possibilitam que o país possua a matriz energética mais limpa do mundo, considerando que 50% dela é composta por fontes renováveis. A cana pode absorver em seu desenvolvimento, grandes volumes de CO2 ( na proporção de 650 Kg de CO2 para cada tonelada de cana) e o etanol, em uso veicular, emite 90% menos CO2 que a gasolina. Desde 1975 o uso do etanol em substituição à gasolina permitiu a redução de emissões de 600 milhões de toneladas de CO2, o equivalente ao plantio de 2 bilhões de árvores e ao dobro da meta estabelecida pelo Brasil a ser apresentada em Copenhague. Revista Canavieiros: Como deve ser a postura do Brasil no encontro de Copenhague? Maurílio: O governo brasileiro apontou na semana passada que pretende levar a Copenhague o compromisso de reduzir entre 36,1% e 38,9% suas emissões de gases de efeito estufa até 2020. A redução resultará na diminuição de 300 milhões de toneladas de gases ante o que o país emitiu em 2005. Para atingir o objetivo, o governo fixou como meta reduzir o desmatamento da Amazônia em 80% e do cerrado em 40%. Trata-se de uma meta voluntária que prevê medidas na área de energia, siderurgia e agricultura. Revista Canavieiros: A economia brasileira dá sinais de que se recupera dos reflexos da crise financeira mundial. E o setor? Maurílio: Sim, o Brasil dá sinais de que já se recuperou da crise, tendo em vista todos os indicadores econômicos positivos, como o crescimento do PIB, a retomada do crédito, o aumento das vendas no varejo, entre outros. Frente à posição da China e dos EUA, o Brasil tem uma grande opor- O setor também se recupera, graças aos preços remuneradores dos Revista Canavieiros: As chuvas atrasaram a moagem nos meses de setembro e outubro. Isso pode fazer com que uma safra emende à outra? Maurílio: Não acredito que uma safra emende à outra. Acredito que haverá volume significativo de cana no pé, fazendo com que tenhamos mais matéria prima para moagem no próximo ano. Mas a safra vai parar antes do Natal e deve voltar mais cedo porque teremos falta de produto, de etanol. Revista Canavieiros: É possível traçar um cenário para o setor em 2010? Maurílio: A primeira coisa que previ para 2010 e que não irá acontecer será a quebra do ciclo de 10 anos de crescimento da produção tanto de etanol como de açúcar. Como moemos menos cana esse ano, em decorrência das chuvas, teremos mais matéria –prima disponível para o próximo ano. Estimativas indicam que serão processadas mais de 600 milhões de toneladas de cana durante a safra 2009/2010. O ano de 2010 continuará a ser um ano de fusões e aquisições para o setor. Vejo que a volta do interesse das grandes tradings agrícolas do mundo pelos benefícios ambientais do etanol da cana-de-açúcar concede à agroenergia brasileira papel de destaque no cenário internacional. Nesse sentido, cabe a nós nos posicionarmos de forma estratégica diante dos grandes grupos internacionais, de forma a trazer retornos importantes para o setor. As perspectivas estão traçadas para o próximo ano. Temo, esperando estar errado, que sejamos capazes de estragar a festa, aqui e lá fora, pois teremos pouco álcool e muito açúcar. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 7
  • 8. Ponto de Vista O Brasil real e Copenhague Kátia Abreu* A lguém disse certa vez, com muita propriedade, que a guerra é um assunto sério demais para ficar a cargo apenas dos militares. O que isso certamente significa: a guerra é um processo não só complexo, mas abrangente, gerando consequências que afetam a vida econômica, social e política das nações. Querer reduzi-la aos aspectos militares é uma perigosa simplificação. Penso que o mesmo raciocínio se aplicaria hoje às tormentosas e polêmicas questões da defesa do meio ambiente. Também aqui me parece justo dizer que essas questões são sérias demais para serem deixadas a cargo apenas dos ambientalistas e suas organizações particulares ou governamentais. Todos temos consciência de que o crescimento demográfico e o aumento generalizado da renda e do consumo das populações dos países pobres e dos emergentes, além dos hábitos de consumo extravagantes das classes afluentes em todo o mundo, estão a exercer pressão perigosa ou até crítica sobre os recursos naturais. Há também consciência de que é preciso abrandar essa pressão e reverter as tendências destrutivas das últimas décadas. O Protocolo de Kyoto foi até agora pouco mais que um conjunto de generosas intenções e a nova Conferência de Copenhague parece prestes a ser vítima dos mesmos erros. A decisão de cortar ou reduzir emissões de carbono não é escolha trivial. Ao contrário, trata-se de dolorosa opção econômica que implica a substituição de energia abundante e barata por fontes alternativas muito mais caras e tecnologicamente ainda inseguras e incipientes. Embora injusta, não queremos desobedecer à lei, mas mudá-la. É inegável que uma forma de funcionamento da economia está sendo posta em questão e o preço da mudança recairá sobre todos, ricos, pobres e miseráveis. Trata-se, ainda, em alguns dos arranjos 8 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 aventados, da contenção da expansão da produção de alimentos, justamente no momento em que a maior parte da população do mundo começa a ter pela primeira vez, desde o aparecimento do homem sobre a Terra, a oportunidade de se alimentar mais, melhor e com mais prazer. São questões que precisam do equilíbrio, da abrangência de perspectivas e da capacidade de compromisso que só a política e as instituições da democracia representativa podem fornecer. Acontece que no âmbito do governo, sem nenhuma participação do Congresso, ou de outras instâncias, o Ministério do Meio Ambiente anuncia a redução de 40% de nossas emissões de carbono, afastando-se das cautelosas posições de nossos pares emergentes, como China e Índia, e ganhando em audácia até dos países ricos mais ecologicamente corretos. É na esteira dessa frivolidade, pois é frivolidade ignorar o que isso significa em termos do interesse nacional, que o ministro, com os olhos voltados para Copenhague e desviados de nossa terra e de nosso povo, quer resolver a seu modo a grave questão que ameaça a nossa agricultura: a recomposição de cobertura original em parte substancial das áreas hoje em exploração produtiva. Trata-se de exigência legal que não tem similar em nenhum país relevante do mundo e poderá causar redução de 20% a 30% da produção no campo. Além de injusta, uma vez que onera apenas um segmento econômico, em nome de um benefício que é coletivo, a lei é irrealista por lançar na ilegalidade milhões de produtores de alimentos, tornando-os criminosos ambientais. Não queremos, no entanto, desobedecer à lei. Queremos, pelos processos previstos na nossa ordem constitucional, mudar a lei. Propomos abertamente a mudança do Código Florestal para dispensar os produtores da obrigação de recompor as áreas que exploram, com a exceção das áreas de proteção permanente - geralmente margens de cursos d’água - e outras áreas sensíveis. Há quem chame isso de anistia. E nos acusa e condena por isso. Não há mal em que se chame essa providência tão razoável de anistia, porquanto nela estão incluídos uma grande maioria que agiu ao amparo da lei e outros que agiram com a condescendência geral do Estado. A anistia, o esquecimento ou o perdão por atos contrários à lei positiva, é praticada pelas sociedades desde os tempos mais remotos. Recorre-se à anistia sempre que o perdão é mais útil ou conveniente do que a punição. As anistias quase nunca são um erro. São privilégio de sociedades maduras, civilizadas e que têm consciência de seus verdadeiros interesses. Portanto, se uma nova lei legalizar as áreas de produção rural, o que se deve perguntar é se essa é a melhor solução do ponto de vista do interesse coletivo. Ou se, ao contrário, seria melhor punir produtores de alimentos que se encontram desenquadrados em face da norma em vigor, mas que, de resto, são cidadãos
  • 9. Ponto de Vista os olhos voltados para o futuro. O contrário disso é voltar o relógio da História e tentar recriar um ambiente natural que já não existe. O Brasil real não é uma paisagem cenográfica. Usar o pretexto de Copenhague para evitar uma solução correta e razoável para esse contencioso é mais do que um erro. É uma triste demonstração de complexo de inferioridade, próprio de culturas colonizadas. Temos de resolver nossos conflitos com base em nossos interesses e nossas condições próprias, não para fazer boa figura em Copenhague. Acordos internacionais, infelizmente, por mais vistosos que sejam, não resolvem problemas. Políticas internas adequadas e que gozem do necessário consenso em cada país é que podem fazê-lo. corretos, produtivos e cumpridores da lei. Bons brasileiros, em suma. O que estamos propondo não é um perdão puro e simples ou uma licença para desmatar. O que propomos é a consolidação das áreas de produção há lon- go tempo exploradas e incorporadas ao capital produtivo da Nação e, ao mesmo tempo, a reafirmação das normas de conservação e proteção florestal que vigorarão plenamente daqui para a frente, com o apoio de todos os agentes interessados. Isso é conservação com *Senadora da República (DEMTO) e Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil. Artigo publicado no Jornal O Estado de S. Paulo de SegundaFeira - 09/11/2009. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 9
  • 10. Notícias Copercana Copercana realiza encontro para produtores de amendoim Carla Rodrigues Professores da Unesp apresentaram resultados de estudos e pesquisas feitos durante a safra 2008/2009; cenário para 2010 também foi discutido A Unidade de Grãos da Copercana realizou, no dia 26 de outubro, a Reunião Técnica para Produtores de Amendoim. O evento aconteceu no auditório da Canaoeste e reuniu mais de 60 pessoas. Para o encontro, professores da Unesp estiveram presentes e apresentaram resultados de estudos e pesquisas feitos durante a safra 2008/2009, tendo como referências, insetos (Prof. Dr. Odair Aparecido Fernandes – Unesp/FCAV), doenças (Prof. Dr. Modesto Barreto UNESP/FCAV) e herbicidas (Prof. Dra. Núbia Maria Correia – Unesp/FCAV). Foram destacados alguns pontos que os resultados dos experimentos apresentaram: o professor Fernandes ressaltou a ineficiência do ingrediente ativo metamidofós no controle do tripes do amendoim, também alertou para uma praga que vem se tornando problema sério nos últimos anos, prejudicando o produto acabado que é o percevejo preto (Cyrtomenus mirabilis) e será o foco de pesquisa para a próxima safra. O professor Barreto destacou que as marcas comerciais do ingrediente ativo Clorotalonil se apresentaram eficientes 10 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 no controle das cercosporioses. A professora Núbia ressaltou a necessidade das empresas produtoras de herbicidas registrarem seus produtos para utilização na cultura do amendoim, visto que o número de registros é pequeno e não atende às necessidades da cultura. Os trabalhos de pesquisa continuarão na safra 09/10 buscando obter resultados que possibilitem orientar os produtores de maneira segura e eficaz. Os colaboradores dos Departamentos Técnico e de Qualidade da Uname também conversaram com os produtores sobre qualidade, rastreabilidade e BPA (boas práticas agrícolas) na cultura do amendoim. Foram feitas palestras informando ao produtor a importância de cada etapa desde o plantio com a adoção das boas práticas agrícolas até as etapas de beneficiamento. Uma cartilha contendo as recomendações para adoção das BPA, detalhando todas estas práticas será entregue aos produtores do projeto pelo Departamento Técnico da Copercana. Dentre estas práticas pode-se citar a utilização de sementes certificadas, dimensionamento de estruturas de produção e colheita, época de plantio e ponto de maturação para colheita, utilização de produtos registrados para cultura do amendoim, adoção de práticas de colheita a fim de reduzir a quantidade de impurezas no produto colhido, diminuindo assim os descontos e também problemas de desgastes e quebras de equipamentos. Prof. Dr. Odair Fernandes Prof. Dra. Núbia Maria Correia Prof. Dr. Modesto Barreto
  • 11. Notícias Copercana Também foi ressaltada a importância do registro de todas as informações de campo no Caderno de Campo com a finalidade de garantir a rastreabilidade do amendoim e as evidências que as BPA foram seguidas. Todas estas práticas são fundamentais para garantir a qualidade do amendoim de forma a atender os mercados interno e externo e a Instrução Normativa N° 3, de 28 de janeiro de 2009 do MAPA, que estabelece os critérios e procedimentos para controle higiênicosanitário do amendoim e seus subprodutos ao longo de toda cadeia produtiva. Vânia Junqueira Dep. de Qualidade da Uname Márcio Fernandes Dep. Técnico da Uname Além disso, o gerente da Uname, Augusto Strini, teve a oportunidade de esclarecer dúvidas sobre as perspectivas do mercado atual e futuro. Durante a reunião ele informou que os baixos preços da safra 2008/2009 foram devidos à crise econômica mundial que se instalou em outubro de 2008, causando o adiamento de contratos e a posterior baixa cambial. Em relação à safra 2009/2010, lembrou que devido à redução de áreas de plantio nos EUA e na China tem-se uma boa expectativa para a safra brasileira. Jonas Rodrigues do Nascimento Dep. de Qualidade da CAP Augusto Strini Gerente da Uname Revista Canavieiros - Novembro de 2009 11
  • 12. Notícias Copercana Supermercado Copercana de Pitangueiras é reinaugurado Carla Rodrigues Espaço foi reestruturado para proporcionar maior conforto para seus clientes E m dezembro de 1994 foi inaugurado o Supermercado Copercana na cidade de Pitangueiras, o primeiro da rede - que hoje conta com quatro unidades na região- a entrar em funcionamento. Com o desenvolvimento da cidade, a procura pelos produtos oferecidos pelo supermercado também cresceu. Em razão disso, foi necessária a ampliação da estrutura. Depois de onze meses de trabalho, a reforma foi concluída e no dia 30 de outubro aconteceu a reinauguração do supermercado e da Loja Magazine. Para o gerente de Compras da Copercana, Ricardo Meloni, a cidade agora conta com tudo o que há de mais moderno em mix de produtos, layout de loja, estacionamento e dez checkouts, que possibilitam maior visibilidade, acesso e condições de escolha de produtos. “Pitangueiras é uma cidade que cresceu bastante e nós não poderíamos deixar de oferecer comodidade aos nossos clientes. Por isso, reformulamos a estrutura, com ambiente climatizado, uma loja de magazine bem moderna, enfim, tudo à altura de nossos cooperados e clientes da cidade e região”, explicou. Márcio, Antônio Roberto, Nilson, Juliano, Pedro Esrael Bighetti (diretor da Copercana), Ricardo Meloni, Pedro, Rogério, Frederico Dalmaso e Valnei durante a reinauguração do Supermercado e Magazine Copercana em Pitangueiras Meloni ainda ressaltou que no mesmo local onde o supermercado está localizado, a Copercana dispõe de um posto de combustíveis, um banco (Cocred) e também a loja de ferragens, que será a próxima a passar por mudanças na estrutura. De acordo com o encarregado do Supermercado, Marcio José Pires da Costa, com a reforma, a área de vendas da Copercana aumentou de 950 m² para 1479 m², levando-os a planejar novas contratações. Além disso, há uma boa expectativa para o aumento das vendas, de 15% a 20%. “Agora nós temos um supermercado amplo, com estrutura para atender a população de Pitangueiras e região. Continuaremos privilegiando a qualidade dos produtos e, principalmente, o atendimento para satisfazer nossos clientes”, disse Marcio. O diretor da Copercana, Pedro Esrael Bighetti, espera que a população de Pitangueiras, que tão bem recebeu a Copercana na cidade, desfrute dessa nova instalação. “Espero que agora, com esta nova estrutura, os clientes de Pitangueiras aco- 12 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 Estrutura e comunicação visual reformuladas lham ainda mais os serviços e produtos oferecidos pela Copercana. Refizemos o mercado e a loja Magazine com instalações modernas e de qualidade para proporcionar conforto e atender todas as necessidades de nossos clientes”, disse. O nosso objetivo é atender cada vez melhor os nossos clientes/cooperados, e assim poder ampliar a rede de serviços que oferecemos”, resumiu Antonio Eduardo Tonielo, presidente da Copercana.
  • 13. Notícias Canaoeste Manoel Ortolan e Antonio Tonielo estão entre os mais influentes do setor Da redação O s presidentes da Copercana, Antonio Eduardo Tonielo, e da Canaoeste, Manoel Ortolan, receberam o prêmio MasterCana 2009 os mais influentes do setor. A premiação aconteceu no Grand Hyatt Hotel São Paulo, na noite de 20 de outubro, e fez parte da programação do Brazilian Sugar & Ethanol Dinner Tendo em vista as profundas mudanças no perfil atual do setor sucroenergético e, consequentemente, de seus principais players e agentes indutores, a ProCana teve a iniciativa de fazer uma pesquisa sobre quais seriam as personalidades que atualmente e efetivamente influenciam as decisões e ações deste grande mercado, em todas as áreas. Toninho Tonielo recebeu o prêmio na categoria “Empresarial”. Já Manoel Ortolan foi agraciado na categoria “Representação de Classe”. O Prêmio MasterCana Brasil foi encerrado com o espetáculo “Magia Sustentável”, do ilusionista brasileiro, Issao Imamura. Consecana CIRCULAR Nº 10/09 DATA: 30 de outubro de 2009 Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo A seguir, informamos o preço médio do kg do ATR para efeito de emissão da Nota de Entrada de cana entregue durante o mês de OUTUBRO de 2009. O preço médio do kg de ATR para o mês de OUTUBRO, referente à safra 2009/2010, é de R$ 0,3102. O preço de faturamento do açúcar no mercado interno e externo e os preços do etanol anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, levantados pela ESALQ/CEPEA, nos meses de abril a outubro e os acumulados até OUTUBRO, são apresentados a seguir: Os preços do Açúcar de Mercado Interno (ABMI) incluem impostos, enquanto que os preços do açúcar de mercado externo (ABME e AVHP) e do etanol anidro e hidratado, carburante (EAC e EHC), destinados à indústria (EAI e EHI) e ao mercado externo (EAE e EHE), são líquidos (PVU/PVD). Os preços líquidos médios do kg do ATR, em R$/kg, por produto, obtidos nos meses de abril a outubro e os acumulados até OUTUBRO, calculados com base nas informações contidas na Circular 01/09, tabela a cima. 14 Revista Canavieiros - Novembro de 2009
  • 14. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 15
  • 15. Opinião Os problemas da vez Manoel Carlos de Azevedo Ortolan* C om tantas prioridades a serem resolvidas, o país não consegue se desvencilhar da rotina do “problema da vez”. São ciclos de discussões exaustivas que contaminam todo o noticiário e que são sempre deflagrados por um fato de grande impacto. O país passa dias ou semanas focado no assunto, até que apareça um novo problema. E discutir não significa resolver ou encaminhar alguma solução. Infelizmente. Tanto é que os assuntos vão se repetindo. Com o apagão do início de novembro, o problema da vez é o sistema elétrico nacional. Segundo o governo, o mau tempo teria causado a desativação de três linhas de transmissão no Paraná e em São Paulo. Como o sistema é interligado e automático, um problema localizado provoca um efeito dominó por todo o país. No final das contas, dezoito Estados e o Distrito Federal ficaram sem energia e o sistema só foi restabelecido totalmente sete horas depois da pane, que ocorreu por volta das 22h13 de terça-feira, dia 10. E se ficar sem energia elétrica por alguns minutos dentro de casa já é um transtorno, para os serviços públicos os prejuízos são gigantescos. Grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro praticamente pararam. Na região, segundo a CPFL, Sertãozinho foi uma das cidades mais atingidas e ficou no escuro até às 3h da madrugada de quarta, 11. Com as discussões sobre os motivos do apagão, vamos descobrindo que o sistema não é tão robusto como alega o governo e que o país está mais vulnerável do que imaginávamos. Uma pequena sabotagem 16 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 em uma das linhas de transmissão para o país. Simples assim. E não era para ser desse jeito porque já tivemos outros apagões. Em março de 99 dez Estados ficaram sem luz por causa de um raio e em 2002 passamos por mais um apagão e enfrentamos um racionamento de energia por conta da estiagem. São históricos que deveriam servir de lição. Os especialistas já elencaram uma série de fragilidades a serem resolvidas no sistema energético. Por suas especificidades técnicas, não cabe a nós, que somos leigos, discutirmos. Mas um ponto deve ser destacado, que é a necessidade da diversificação das fontes de energia e o potencial que dispomos nessa área. O Brasil é fortemente dependente das hidrelétricas – 90% da energia gerada vem dos rios – e os grandes centros consumidores dependem de Itaipu – responsável por cerca de 20% da produção nacional e 60% da energia consumida no Estado de São Paulo. Até 2017 prevê-se a construção de 71 hidrelétricas na região norte do país, todas sem reservatórios, o que, em tempos de aquecimento global e iminência de estiagens, não traduz muita segurança. Por outro lado, os canaviais brasileiros têm o potencial de produção de energia de duas Itaipus, segundo levantamento da Unica, que representa as unidades industriais. E são várias as vantagens: as usinas estão concentradas nos centros de grande demanda de energia e nas regiões Sudeste e Centro-Oeste o potencial de eletricidade da biomassa é maior entre os meses de abril a novembro, época mais seca do ano e quando os reservatórios estão baixos. Assim, poderíamos ter usinas geradoras de energia em várias regiões, reduzindo a dependência de Itaipu. Isso sem contar que se trata de uma fonte limpa e renovável. É um potencial extraordinário que o Brasil dispõe em um setor estratégico, que é a geração de energia. No entanto, pouca atenção tem sido dada a isso. Daqui a pouco o problema da vez será outro e serão precisos novos apagões para voltarmos à discussão sobre o setor energético. E, enquanto isso, o país vai perdendo oportunidades de ouro. *presidente da Canaoeste (Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo)
  • 16. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 17
  • 17. Notícias Cocred Balancete Mensal Cooperativa de Crédito dos Plantadores de Cana de Sertãozinho BALANCETE - SETEMBRO/2009 Valores em Reais 18 Revista Canavieiros - Novembro de 2009
  • 18. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 19
  • 19. 20 Revista Canavieiros - Novembro de 2009
  • 20. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 21
  • 21. Reportagem de Capa Uso da água: cobrança na região deve começar em janeiro de 2011 Cristiane Barão Recursos deverão ser empregados em projetos na mesma bacia hidrográfica em que foram arrecadados A partir de 1º de janeiro de 2011, a cobrança pelo uso da água deverá ser iniciada na região. De acordo com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente, a cobrança é instrumento de gestão que tem como um dos objetivos principais incentivar o uso racional e sustentável da água, além de obter recursos financeiros para aplicação em programas e intervenções contemplados nos planos de recursos hídricos. A lei 12.183, que estabelece a cobrança pelo uso da água de domínio do Estado, foi regulamentada em março de 2006 por meio do decreto 50.667. Em 2007, a cobrança começou a ser aplicada nas bacias dos rios Piracicaba-Capivari-Jundiaí e Paraíba do Sul e em 2010, deverá começar nas bacias do Sorocaba e Médio Tietê. A lei também determina que os recursos sejam destinados à bacia hidrográfica em que forem arrecadados, devendo ser aplicados em planos, projetos e obras que tenham por objetivo gerenciar, controlar, fiscalizar e recuperar os recursos hídricos. São medidos três elementos para aferir o uso da água: a captação, que representa todo o volume de água bruta (antes do tratamento) retirado diretamente dos rios ou do subsolo, o volume devolvido e o lançamento de efluentes, que é o volume restituído aos rios, associado à carga da poluição nele contida. A cobrança total é calculada através da soma do volume de água captado, do volume de água não devolvido e do tipo de poluente lançado nas águas. O preço da água é definido pelos Comitês de Bacias Hidrográficas, de acordo com a necessidade de custeio dos planos e projetos aprovados para um período de quatro anos. 22 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 Também são levados em consideração a quantidade de água disponível, o número de consumidores pagadores e sua média de consumo. Devem pagar pelo uso da água os usuários: industrial (aquele que utiliza recurso hídrico em empreendimento industrial); urbano público (que utiliza recurso hídrico para abastecimento público, em regime de concessão ou permissão como SABESP, empresas municipais de saneamento e serviços autônomos de água e esgoto) e usuário urbano privado: utiliza água destinada principalmente ao consumo humano e captada diretamente dos rios, reservatórios e poços profundos como hotéis, condomínios, clubes, hospitais e shoppings centers, entre outros. Para se ter uma ideia, nas bacias do PCJ (Piracicaba, Capivari e Jundiaí) é cobrado R$ 0,01 por metro cúbico para a captação; R$ 0,02 para o consumo (que não retorna ao rio nem mesmo em forma de esgoto), e R$ 0,10 por quilo de carga orgânica lançada, chamado de DBO (demanda bioquímica de oxigênio). Em 2007, primeiro ano da cobrança, foram arrecadados R$ 8,7 milhões e no ano passado, R$ 12,5 milhões. Nessas bacias, a cobrança sobre os produtores rurais ficou para mais tarde. De acordo com o engenheiro agrônomo da Canaoeste, Rodrigo Zardo, que acompanha as discussões sobre a cobrança na região, na PCJ a cobrança sobre os agricultores começará só no ano que vem. “A cobrança começou pelos maiores consumidores, como indústrias, e há a percepção de que os agricultores utilizam menos. Por isso, ficaram para depois”, disse. De acordo com o advogado da Canaoeste, Juliano Bortoloti, a associação acompanha as discussões nos cinco comitês de abrangência da Canaoeste, que são os comitês do Pardo, Baixo Pardo – Grande, Mogi Guaçu, Sapucaí – Grande e Turvo-Grande. Ele explica que os produtores também poderão apresentar projetos, por intermédio da associação ou das entidades que representam o setor nos comitês, a serem desenvolvidos com os recursos obtidos pela cobrança. Discussão no âmbito dos comitês – desde 2008, há um grupo de trabalho formado por representantes de todos os segmentos envolvidos discutindo o assunto no Comitê da Bacia Hidrográfica do Pardo. De acordo com o secretário-executivo do comitê, Carlos Eduardo Nascimento Alencastre, as discussões estão adiantadas e o comitê trabalha agora na unificação dos cadastros da Cetesb e do DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) para que possam ser
  • 22. Reportagem de Capa feitas simulações do número de usuários e o valor a ser arrecadado. Domínio das Águas Com base nesse cadastro, os usuários que têm outorgas para captação de água serão contactados para que façam, se necessário, ajustes. “Há casos em que o usuário solicita autorização para a captação de um volume muito maior do que ele realmente usa. Nesse caso, ele pagará por isso. No chamamento que faremos, ele terá a oportunidade de reenquadrar as outorgas para que venha a pagar apenas pelo que ele precisa”, disse. Os valores a serem cobrados estão em estudo. De acordo com Alencastre, a proposta para a cobrança será discutida em audiências públicas setoriais. Só depois, será apreciado pelo comitê e enviado para discussão no âmbito do Conselho Estadual de Recursos Hídricos. Depois de aprovado no conselho, será encaminhado ao governador José Serra, que baixará decreto autorizando o início da cobrança. Segundo Alencastre, os produtores rurais também começarão a pagar pelo uso da água a partir de janeiro de 2011. No entanto, ele diz que a apreensão dos agricultores é desnecessária. Ele cita exemplos de produtores rurais que estão nas bacias onde a cobrança já é feita e que pagam R$ 30 por ano. E na região ainda há um detalhe: os usuários que captam água de rios sob domínio federal, que é o caso do Pardo, Sapucaí e Mogi Mirim, começarão a pagar daqui a três ou quatro anos, somente depois que o comitê que integrará as bacias de Minas Gerais e São Paulo estiver em funcionamento. Empresas de saneamento – Os maiores usuários de água devem ser as empresas municipais de saneamento e serviços autônomos de água e esgoto. Essas empresas pagarão pela captação e também pela carga orgânica que despejarem nos rios. Estima-se que os municípios onde o esgoto é 100% tratado, o valor a ser pago chega a ser seis vezes menor do que onde não há tratamento. Essas empresas poderão ou não repassar o valor pelo uso da água aos consumidores que elas atendem. Para fins de ilustração, uma família de quatro pessoas, considerando o consumo diário per capta de 250 litros de água, pagaria por ano R$ 3,65. Águas de domínio estadual – são as águas superficiais quando nascem e deságuam dentro do mesmo Estado (no mar ou como afluente de rio federal) e todas as águas subterrâneas. Águas de domínio federal - são águas de domínio da União dos rios (portanto, águas superficiais) quando atravessam mais de um Estado e/ou são fronteiras com outros Estados ou países, ou águas acumuladas em reservatórios decorrentes de obras da União. A gestão dos recursos hídricos no Estado Em São Paulo, o sistema de gestão está ancorado em três instâncias interdependentes: - Plano estadual de recursos hídricos: elaborado a partir dos planos de bacia preparados pelos comitês e atualizado a cada quatro anos; - Fundo financeiro: Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FEHIDRO), com recursos financeiros do tesouro do Estado, dos royalties do setor elétrico e da cobrança pelo uso da água; - Colegiados de decisão: integrados por representantes de órgãos e entidades do Estado, dos municípios e da sociedade civil, com igual número por segmento. Há um colegiado central – o Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CRH), constituído por 11 representantes de cada segmento e os colegiados regionais – os Comitês de Bacias Hidrográficas (CBHs), igualmente constituídos de forma tripartite, mas com número total de integrantes variável, segundo as características de cada bacia. Há em funcionamento no Estado 21 Comitês de Bacias. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 23
  • 23. Destaque Antonio Eduardo Tonielo recebe Título de Cidadão Ribeirãopretano Carla Rossini A honraria, concedida pela Câmara Municipal de Ribeirão Preto, é um reconhecimento à atuação de Tonielo em favor da cidade O presidente da Copercana e Cocred, Antonio Eduardo Tonielo, recebeu na quinta-feira, 5 de novembro, o título de cidadão ribeirãopretano. A sessão solene para a entrega da homenagem ocorreu na Câmara Municipal de Ribeirão Preto e contou com a presença de cerca de 300 pessoas, entre prefeitos e vereadores de toda a região, lideranças, familiares e amigos do homenageado. Compuseram a mesa de trabalhos o presidente da Câmara, Cícero Gomes da Silva, o deputado estadual, Davi Zaia, o ex-prefeito de Ribeirão Preto, Welson Gasparini, o vice-prefeito de Ribeirão Preto, Marinho Sampaio - que na ocasião representou a prefeita Dárcy Vera, e o prefeito Municipal de Sertãozinho, Nério Costa. Todos fizeram uso da palavra para homenagear e lembrar a trajetória de sucesso, trabalho e dedicação de Antonio Eduardo Tonielo. O título foi uma iniciativa do vereador Léo Oliveira e foi aprovado por unanimidade. “É uma forma de reconhecimento à atuação de Toninho Tonielo em prol da cidade de Ribeirão Preto. Aqui, como em toda nossa região, este homem empreendedor vem fazendo história”, disse o vereador. 24 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 Rogério Magrini, Nicanor Lopes, Silvana Resende, Léo Oliveira, Capela Novas e Valter Gomes entregam o título de Cidadão Ribeirãopretano a Antonio Eduardo Tonielo O empresário Toninho Tonielo, líder do Grupo Tonielo, possui cinco empresas de comércio de veículos em Ribeirão Preto: Atri Fiat e Atri Locadora, Ortovel Veículos e Ortovel Caminhões, Pegeout Orleans e, em 2010, será inaugurada uma concessionáPrefeito Municipal de Sertãozinho Nério Costa, relembrou a trajetória de ria Honda na cidade. As dedicação de Antonio Eduardo Tonielo ao lado das autoridades: Welson empresas geram empreGasparini, Cícero Gomes da Silva, Marinho Sampaio e Davi Zaia gos, renda, desenvolvimento econômico e volvido na cidade e região. A entrega da Público presente social, além de arrecaplaca em homenagem a Toninho Toniedação de impostos lo foi realizada pelos vereadores de Ripara o município de beirão, Léo Oliveira, Capela Novas, NiRibeirão. canor Lopes, Silvana Resende e Walter Gomes. Representando o Legislativo de O presidente da Sertãozinho, o presidente da Câmara, Câmara, Cícero Go- Rogério Magrini, participou da entrega. mes da Silva, abriu a cerimônia parabeniTonielo também recebeu homenazando o empresário gens do sistema Copercana, Canaoeste pelo trabalho desen- e Cocred pelas mãos dos diretores Ma-
  • 24. Destaque noel Ortolan, Pedro Esrael Bighetti e Francisco César Urenha. Representando as empresas do Grupo Tonielo, a homenagem foi realizada pelos sobrinhos do empresário, Tiago e Alessandro Tonielo. Manoel Ortolan, em nome do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred, ressaltou a admiração das pessoas que convivem com Toninho Tonielo. “Este título de cidadão ribeirãopretano é sem dúvida um reconhecimento do seu trabalho, dos seus valores, da sua liderança e contribuição para o desenvolvimento da agricultura e, em especial, do setor sucroalcooleiro da nossa região”, afirmou. Em nome da família, discursou a filha e vereadora de Sertãozinho, Rita de Cássia Tonielo Felício. “Faltam-me palavras para descrever tudo o que meu pai nos representa. Sinto-me honrada em falar em nome de nossa família nesse momento especial que o senhor recebe um título tão merecedor”, discursou Rita. Ao som do Coral Vozes do Campo, da Virálcool, a vereadora Silvana Resende entregou flores a Neli Tonielo, esposa do homenageado. Em seu discurso de agradecimento, muito emocionado, Toninho Tonielo, lembrou das boas vindas que recebeu quando da decisão de instalação de algumas de suas empresas em Ribeirão. “Quando Oliveira Jr. (ao fundo) aplaude Tonielo que exibe com minha família, através orgulho o título de cidadão Ribeirãopretano do Grupo Toniello, decidiu instalar algumas de nossas em- tentado, com o trabalho, com o equilípresas em Ribeirão Preto, fomos aco- brio, inovação e o espírito empreendelhidos com respeito e entusiasmo, e pu- dor, o que traduz Ribeirão Preto como demos perceber que as lideranças ri- autêntica metrópole em nossa região”. beirãopretanas são diferenciadas em Ele finalizou seu discurso dizendo: “me seu compromisso com a administração orgulho de ser o mais novo filho de pública, com o desenvolvimento sus- Ribeirão Preto”. Francisco Urenha, Pedro Esrael Bighetti e Manoel Ortolan entregam homenagem do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred a Antonio Eduardo Tonielo Silvana Resende entrega flores a Neli Tonielo, esposa de Antonio E. Tonielo Família Tonielo assisti a cerimônia de entrega do título Os sobrinhos Tiago e Alessandro Tonielo fizeram uma homenagem em nome do Grupo Toniello Revista Canavieiros - Novembro de 2009 25
  • 25. Informações Setoriais CHUVAS DE OUTUBRO e Prognósticos Climáticos e Prognósticos Climáticos No quadro abaixo são apresentadas as chuvas do mês de OUTUBRO de 2009. Engº Agrônomo Oswaldo Alonso Assessor Técnico Canaoeste A média das observações de chuvas durante o mês de OUTUBRO (126mm) "ficou" muito próxima da média das normais climáticas (121mm). Entretanto, observaram-se chuvas bem aquém das médias na Açúcar Guarani e Bebedouro (EECB) e muito acima em Franca e nas Usinas da Pedra, Batatais e Andrade. Mapa 1:- Água Disponível no Solo entre 15 a 18 de OUTUBRO de 2009. O Mapa 1 ao lado, mostra que o índice de Água Disponível no Solo, no período de 14 a 16 de OUTUBRO, apresentava-se como médio a alto na região Centro-Sul do Estado até Bauru e na região fronteiriça com o Estado de Minas Gerais. Entretanto, níveis críticos foram observados na faixa entre o Noroeste do Estado até a Região de Piracicaba. 26 26 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 ÁGUA, usar s ÁGUA, usar s Protejam e preservem as n Protejam e preservem as n
  • 26. Informações Setoriais Mapa 2:- Água Disponível no Solo ao final de OUTUBRO de 2008. · Prevê-se que a temperatura média nas Regiões Centro-Oeste e Sudeste poderá ser acima das normais climáticas e “ficar” entre próxima a abaixo da normalidade climática na Região Sul; · Quanto às chuvas, o Mapa 4, abaixo, ilustra os prognósticos de consenso INMET-INPE para estes próximos três meses; · Como referência, as médias históricas das chuvas, pelo Centro de Cana-IAC - Ribeirão Preto, são de 170mm em novembro, 270mm em dezembro e 280mm em janeiro. Mapa 4:- Prognóstico de chuvas de consenso entre INMET–INPE para os meses de novembro 2009 a janeiro 2010. Mapa 3:- Água Disponível no Solo ao final de OUTUBRO de 2009. As previsões elaboradas pela SOMAR Meteorologia mostram, especificamente para região de abrangência CANAOESTE (na oval em branco), que a média das chuvas em novembro será bem próxima da normalidade, enquanto que, em dezembro e janeiro, as chuvas poderão ser inferiores às respectivas médias históricas. Quanto às temperaturas médias, prevê-se que durante estes três próximos meses, serão bem próximas das respectivas normais climáticas. É notável a semelhança de localizações dos Índices de Água Disponível entre os dois anos: praticamente se remontam, porém com maiores índices de umidade do solo ao final de OUTUBRO deste ano. Para subsidiar planejamentos de atividades futuras, a CANAOESTE resume o prognóstico climático de consenso entre INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) e INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) para os meses de novembro 2009 a janeiro 2010 sem abusar ! sem abusar ! Como já ocorre e prevê-se que, doravante, a umidade do solo deverá se manter entre média a alta, a CANAOESTE recomenda aos associados ainda em safra, que fiquem atentos a pisoteios durante as operações de colheita (carregamento) e transporte da cana, que poderão comprometer produtividades futuras. Persistindo dúvidas, consulte o Técnico da CANAOESTE mais próximo. nascentes e cursos d’água. nascentes e cursos d’água. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 27 27
  • 27. Artigo Técnico ATR Relativo na safra 2009/2010 Impacto das chuvas na qualidade da cana e no ajuste do ATR Thiago de Andrade Silva Assistente de Controle Agrícola da CANAOESTE O ATR relativo tem a finalidade de proporcionalizar (linearizar) o fornecimento de cana em relação à moagem da unidade industrial. O Termo de Acordo, assinado em maio de 2005 pelos representantes dos fornecedores de cana e industriais, faculta às unidades industriais a aplicação do ATR relativo (r), que é calculado pela equação abaixo: ATRr = ATRfq – ATRuq + ATRus, onde: ATRfq = ATR da cana entregue pelo fornecedor, por fundo agrícola, durante a quinzena; ATRuq = ATR médio das canas entregues pelos fornecedores e próprias. Cana própria é toda cana, menos as de fornecedores; ATRus = ATR médio de toda cana processada pela unidade industrial na safra, no período de abril a novembro; ATRr é o ATR relativo das cana entregues pelos fornecedores, por fundo agrícola, durante a quinzena. Os valores de ATR relativo, mensais e da safra, são obtidos pela ponderação dos valores quinzenais. 28 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 Para a aplicação do ATR relativo, inicialmente obtém-se o ATRus, que é calculado pela média das canas próprias e de fornecedores das últimas cinco safras, compreendidas no período de abril a novembro, se houver. O valor assim obtido é o ATRus provisório durante a safra, que é estabelecido e que pode ser alterado, sempre de comum acordo entre a unidade industrial e a associação de classe dos fornecedores de cana. Ao encerrar a moagem, calcula-se o ATRus da safra, sendo considerado como o efetivo apurado, a partir do qual efetuam-se as necessárias correções, para mais ou para menos, de todos os ATRr provisórios anteriormente calculados. Entretanto, durante a presente safra (2009/2010), como fator imponderável, ocorreram muitas chuvas a partir de junho e, os excepcionais volumes em agosto e setembro, impactando negativamente a qualidade (ATR) da cana. Até o fechamento da edição desta revista, o diferencial de ATR acumulado até outubro, comparativamente ao mesmo período da safra anterior, é superior a 10 kg de ATR/tonelada de cana, na região de abrangência da CANAOESTE. Este diferencial, que possivelmente venha a ser o mesmo ao se apurar o ATRus efetivo desta safra, certamente será (bem) menor que o ATRus adotado como provisório ao se iniciar a moagem, devendo haver correção dos ATR relativos calculados e pagos no decorrer da safra. Logo, os fornecedores de cana deverão se atentar para o ajuste do ATR relativo ao final da moagem, no qual será percebido o impacto das excepcionais chuvas que ocorreram de junho a setembro. Persistindo dúvidas, recomenda-se contatar o Departamento de Planejamento e Controle ou Técnicos Regionais CANAOESTE da Filial mais próxima.
  • 28. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 29
  • 29. Assuntos Legais QUEIMA DE CANA Poder Judiciário vem pacificando o entendimento da incompetência dos municípios legislarem, proibindo a queima de cana quando houver legislação federal e estadual autorizadora E stão pulando nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná, principalmente, diversas leis municipais que proíbem imediatamente a queima de palha de cana-deaçúcar, desrespeitando, inclusive, o prazo para eliminação gradativa de tal prática, previsto no Decreto Federal nº 2.661/98 (que deve ser utilizado quando o Estado não possua legislação própria), assim como os prazos previstos nas legislações estaduais. Como já vimos informando em várias edições desta revista, o STF (Supremo Tribunal Federal) vem concedendo liminares para suspender os efeitos das leis municipais, conforme o fez o ministro Eros Grau, do STF, concedeu liminar em novembro de 2008 para suspender os efeitos de lei municipal de PaulíniaSP, que proibia a queima de cana. Outra decisão nesse sentido foi dada pelo presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, que em janeiro de 2009 fez o mesmo em relação à Lei 3.963/2005, de Limeira-SP. Esta última decisão determinou, ainda, que se observe a Lei nº 11.241/ 2007, do Estado de São Paulo, que dispõe sobre a eliminação gradativa do uso do fogo como método despalhador da cana-de-açúcar. Seguindo o mesmo entendimento, o Tribunal de Justiça paulista, que tutela a maior lavoura de cana-de-açúcar do país, também vem pacificando o entendimento de que o município não pode criar lei proibindo a queima da palha da cana se há legislação estadual e/ou federal que autoriza referido procedimento. Esse entendimento foi refletido nos recentes julgamentos das ADINs 30 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 (Ações Diretas de Inconstitucionalidades) ajuizadas pelo Siaesp (Sindicato da Indústria do Açúcar de São Paulo) e pelo Sifaesp (Sindicato da Indústria de Fabricação de Álcool de São Paulo), contra as leis municipais de MogiMirim e Americana que proibiam a queima da cana. Anteriormente, o mesmo tribunal já se manifestara em ações semelhantes, declarando a inconstitucionalidade das leis municipais de Ribeirão Preto e Cedral. Primeiro, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo, por 14 votos a 7, em 28.01.2009, declarou inconstitucional a Lei nº 4.518/07, do município de Mogi Mirim, que impedia a queima da palha da cana-de-açúcar como método de pré-colheita. Depois, em 04.02.2009, tomou decisão no mesmo sentido, por 16 votos a 6, em desfavor da Lei nº 4.504/2007, do município de Americana. Na ADIN de Mogi Mirim, relatada pelo desembargador Paulo Travain, firmou o entendimento de que cabe à União criar normas gerais sobre meio ambiente e aos estados legislar sobre normas suplementares. Já a ADIn de Americana, relatada pelo desembargador Oscarlino Moeller, fixou que cabe à União criar normas gerais sobre meio ambiente e aos estados legislar sobre normas suplementares. Em seu voto de 14 páginas, o desembargador Juliano Bortoloti - Advogado paulista Oscarlino Departamento Jurídico Canaoeste Moeller defendeu que o município não pode tratar de questões ambientais quando já existem normas federais e lei estadual tratando do mesmo tema, no que complementou o desembargador Palma Bisson, ao dizer que “tratase de uma brutal inconstitucionalidade das leis municipais”. Já o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, ao julgar improcedente em maio de 2009, por maioria, sua primeira Ação Direta de Inconstitucionalidade (processo nº 1.0000,07,4549429/000) contra lei municipal que proibiu imediatamente a queima da palha de cana, mesmo não havendo peculiaridade regional que justificasse tal proibição, veio na contramão do entendimento do Supremo Tribunal Federal, do Superior Tribunal de Justiça e do Tribunal de Justiça de São Paulo, pioneiro em ações desta natureza. Cabe, então, às entidades representativas de classe mineira reverter tal situação perante o próprio Poder Judiciário, visto que a questão envolve outras questões de ordem constitucional e de cunho social (direito dos trabalhadores, manutenção do emprego e da continuidade da atividade, etc.),evitando-se, assim, insegurança jurídica no setor produtivo em detrimento de interesses meramente ideológico-eleitoreiros apartados da realidade econômico-ambiental-social.
  • 30. Assuntos Legais Renegociação de dívidas rurais: reaberto o prazo para parcelamento e prorrogação O Conselho Monetário Nacional (CMN), ao regulamentar a Lei nº 12.058, de 14 de agosto de 2009, reabriu o parcelamento e a prorrogação das dívidas rurais dos programas em que o Tesouro Nacional assume o risco das operações, sendo eles: Securitização 1 e 2, Programa de Revitalização de Cooperativas de Produção Agropecuária (Recoop), Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), Fundo Geral do Cacau, Programa Especial de Saneamento de Ativos (Pesa), crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para custeio da reforma agrária e crédito de investimento dos Fundos Constitucionais. Para os demais programas não listados, manteve-se o prazo de 12 de dezembro de 2008. A partir desta nova legislação, a data limite para a adesão, que havia terminado em 12 de dezembro de 2008, fica adiada para 30 de novembro de 2009 e, o prazo para fazer o pagamento mínimo, expirado em 30 de junho de 2009, agora vai até 30 de dezembro de 2009. O secretário-adjunto de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Gilson Bittencourt, segundo Welton Máximo, da Agência Brasil (www.agenciabrasil.gov.br), esclareceu que isso se deu porque “a renegociação das operações com risco bancário [empréstimos rurais concedidos pelos bancos oficiais] andou mais rapidamente que as operações com risco da União”, frustrando as expectativas do governo. A adesão do produtor rural é de suma importância para possibilitar que torne a ficar regular perante o sistema financeiro nacional, deixando de ser inadimplente e, consequentemente, podendo contrair novos créditos para utilizá-los em sua atividade. Bittencourt afirmou, no entanto, que “essa será a última chance para que os agricultores regularizem a situação”. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 31
  • 31. Repercutiu "Nesses últimos sete anos o que nós fizemos de linha de transmissão equivale a 30% de tudo que já tinha sido feito em 123 anos". Presidente Lula, rebatendo as críticas de José Aníbal. "O sistema elétrico brasileiro, loteado politicamente pelo governo Lula, está à deriva. Não há segurança para hospitais, cidadãos, cidades, empresas. O apagão histórico de 9/11 evidenciou a incapacidade gerencial do governo petista. Não foi o clima". José Aníbal, líder do PSDB na Câmara dos Deputados. "Dilma vendia uma imagem de técnica competente, mas agora mostrou que é incompetente na área em que ela tratava como a menina de seus olhos". Deputado Ronaldo Caiado (GO), líder do DEM "Além do dito pelo ministro Edison Lobão, não temos nada a falar do acidente em si. Tudo o que o governo sabe é o que o Lobão está dizendo". Ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), pré-candidata do PT à sucessão presidencial 32 32 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 "Buscamos a causa do problema e resolvemos. O problema está encerrado. Cada parte do sistema se empenhou em resolver o problema a tempo. Todos chegaram à conclusão que foram descargas atmosféricas, ventos e chuvas muito fortes na região de Itaberá (SP). Houve uma concentração desses fenômenos atmosféricos ali. O que provocou um curto circuito nos três circuitos que levam a Itaberá, que vêm de Itaipu". Edison Lobão, ministro de Minas e Energia, reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, em 12/11. Fonte: Assessoria de Imprensa Fotos: Agência Brasil
  • 32. Cultura de Rotação Soja é a cultura que mais cresce na safra atual A opção dos produtores pelo plantio da soja na temporada agrícola 2009/10 vai levar o Brasil a colher, no próximo ano, entre 62,50 e 63,60 milhões de toneladas da oleaginosa. Se confirmado o intervalo superior, que representa 11,4% a mais que o período passado, este será o melhor resultado da história. Quando somadas às demais culturas, a safra total de grãos ficará entre139,04 e 141,69 milhões de toneladas, ou 3% a 5% a mais que as 135 milhões de toneladas da anterior. Os números foram divulgados no início de novembro pela Conab e fazem parte do segundo levantamento da produção nacional. Este incremento se deve, principalmente, à recuperação da produtividade das principais culturas e à estabilidade do clima prevista para os próximos meses, o que beneficiará a semeadura das lavouras, que ocorre até o final de dezembro nos estados do Centro-Sul. A previsão é de que a área a ser plantada em todo o país fique entre 47,44(-0,5%) e 48,18 (+1,1%) milhões de hectares. A projeção do milho primeira safra, que teve o plantio iniciado em agosto e será colhido a partir de janeiro, é de 32,79 (-2,6%) a 34,06 (1,2%) milhões de toneladas. Já o feijão primeira safra, em fase de frutificação e maturação em algumas regiões, está entre 1,39(+2,9%) e 1,43 milhão t (+6,3%). O arroz, por outro lado, tem redução média de 3,8%, ficando entre 12,06 e 12,18 milhões de toneladas. O algodão em pluma segue a mesma tendência, oscilando entre 1,13 e 1,21 milhões de toneladas, ou uma queda média de 2,1%. Para avaliar o comportamento das culturas de verão nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, a Conab utilizou os dados da pesquisa realizada com produtores, agrônomos, cooperativas rurais, secretarias de estado da agricultura, órgãos de assistência técnica e agentes financeiros. Nos estados onde o plantio ainda não começou, como nos do Nordeste, o estudo manteve a área da safra anterior e, para fins de produção, levou em consideração a produtividade média dos últimos cinco anos, descartando-se os períodos atípicos. Trigo– O trigo, uma das culturas de inverno, vem sofrendo com o excesso de chuva na fase final do cultivo. A produção registra diminuição e deve fechar em 5,04 milhões de toneladas (-14,3%). Em São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal a colheita já foi concluída. No Paraná resta uma pequena parcela e, no Rio Grande do Sul, está em fase inicial. A maior parte do cereal está concentrada no Paraná (1,29 milhão de hectares), seguido do Rio Grande do Sul (882,3 mil ha), Santa Catarina (121,1 mil ha) e São Paulo (61,3 mil ha). A pesquisa foi realizada entre os dias 19 e 23 de outubro. Fonte: Conab Revista Canavieiros - Novembro de 2009 33
  • 33. 34 Revista Canavieiros - Novembro de 2009
  • 34. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 35
  • 35. Biblioteca Cultura Cultivando a Língua Portuguesa “GENERAL ÁLVARO TAVARES CARMO” TEORIA BÁSICA DAS ANÁLISES SUCROALCOOLEIRAS Esta coluna tem a intenção de maneira didática, esclarecer algumas dúvidas a respeito do português Celso Caldas "Pode-se ter vocação e não ter talento, isto é, pode-se ser chamado e não saber como ir" Clarice Lispector 1) Maria apreciou o voo do “ Bem te Vi” pela janela... Sem tirar a paisagem poética de Maria e o pássaro, prezado Renata Carone Sborgia* amigo leitor, o vôo não aconteceu. Com o Novo Acordo Ortográfico para o Bem-te-Vi voar há uma regra: compostos que designam espécies botânicas e zoológicas como bem-te-vi, porco-daíndia, ipê-do-cerrado... emprega-se o hífen. O correto: BEM-TE-VI. 2) Dizem que o gênero feminino aprecia um “blá blá blá”... Prezado amigo leitor, em especial a “ala feminina”, isto é “ intriga da oposição”! O gênero masculino adora também um blá-blá-blá ! A nova regra ortográfica, quanto ao uso do hífen diz: emprega-se o hífen nos vocábulos onomatopaicos (uso de palavras ou formação de palavras que imitam os sons ligados aos objetos e ações a que elas se referem. Ex.: bum!) formados por elementos repetitivos, com ou sem alternância de vogal ou consoante. Ex.: blá-blá-blá, tique-taque... Caso alguém insista no blá-blá-blá feminino, dizemos do lenga-lenga masculino!!!(corretas as ortografias de ambos) Brincadeirinha, meus queridos amigos leitores! 3)Bateu o carro? O “ pára-choque” quebrou? Depende, prezado amigo leitor... Com acento ou sem acento? Segundo o Novo Acordo Ortográfico, quanto à acentuação gráfica, quando usado como diferencial em para, flexão do verbo parar, como em para-choque, para-brisa... foi eliminado o acento agudo (mas não o hífen: “traço” entre as palavras). Portanto, prezado amigo leitor, para-choque para (preposição) estar quebrado: SEM ACENTO. PARA VOCÊ PENSAR: Lua Adversa Cecília Meireles Tenho fases, como a lua. Fases de andar escondida, fases de vir para a rua... Perdição da minha vida. Perdição da vida minha. Tenho fases de ser tua, tenho outras de ser sozinha. Fases que vão e vêm, no secreto calendário que um astrólogo arbitrário inventou para meu uso. E roda a melancolia seu interminável fuso. Não me encontro com ninguém tenho fases como a lua... No dia de alguém ser meu não é dia de eu ser sua... E, quando chega esse dia, o outro desapareceu... * Advogada e Prof.ª de Português e Inglês Mestra—USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, Consultora de Português, MBA em Direito e Gestão Educacional, escreveu a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras) com Miriam M. Grisolia 36 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 E ste livro traz aspectos de grande importância dos processos de fabricação de açúcar e álcool, assim como em outros processos produtivos, que possuem suas particularidades e são fundamentais para a fábrica como um todo, que vai desde a plantação da cana-de-açúcar até sua análise em laboratório. Nesta obra, o autor, Celso Caldas, em parceria com a Usina Coruripe, buscou trazer crescimento profissional e melhoria no processo de controle de qualidade. Durante a leitura, você encontrará diversos temas abordados, como: soluções, densimetria, refratometria, polarimetria, espectrofotometria, potenciometria, gravimetria, titrimetria, neutralização, oxiredução, precipitação, complexação, condutimetria, fotometria de chama e turbidimetria. Como adquirir: STAB www.stab.org.br (19) 3433-3311 Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros podem procurar a Biblioteca da Canaoeste, na Rua Augusto Zanini, nº1461 em Sertãozinho, ou pelo telefone (16)3946-3300 - Ramal 2016 marcia.biblioteca@canaoeste.com.br
  • 36. Agende-se Dezembro de 2009 7º TREINAMENTO AVANÇADO DE NUTRIÇÃO DE BOVINOS Empresa Promotora: FEALQ Tipo de Evento: Curso / Treinamento Início do Evento: 01/12/2009 Fim do Evento: 03/12/2009 Estado: SP Cidade: Piracicaba Localização do Evento: Centro de Treinamento de R.H., Esalq/USP - Av. Pádua Dias, 11 Informações com: FEALQ Site: www.fealq.org.br Telefone: (19) 3417-6604 E-mail: cdt@fealq.org.br I ENCONTRO PECUÁRIACOMPETITIVA: GESTÃO, TECNOLOGIAE SUSTENTABILIDADE Empresa Promotora: Coan Consultoria e Scot Consultoria Tipo de Evento: Encontro / Simpósio Início do Evento: 02/12/2009 Fim do Evento: 04/12/2009 Estado: SP Cidade: Jaboticabal Localização do Evento: Unesp Informações com: Coan Consultoria e Scot Consultoria Site: www.coanconsultoria.com.br Telefone: (16) 3209-1300 E-mail: coanconsultoria@coanconsultoria.com.br BIONAT EXPO 2009 Empresa Promotora: Produtores Sem Fronteiras Tipo de Evento: Exposição / Feira Início do Evento: 03/12/2009 Fim do Evento: 06/12/2009 Estado: RS Cidade: Porto Alegre Localização do Evento: Armazéns A e B do Cais do Porto Mauá Informações com: Vera Marsicano Site: www.bionatexpo.com Telefone: (51) 3228-8692 E-mail: info@bionatexpo.com VISITATÉCNICA: LEITE ORGÂNICO, HORTICULTURA, TURISMO RURAL Empresa Promotora:Associação deAgricultura Orgânica -AAO Tipo de Evento: Curso / Treinamento Início do Evento: 05/12/2009 Fim do Evento: 05/12/2009 Estado: SP Cidade: Serra Negra Localização do Evento: Fazenda Sula Informações com: AAO Site: www.aao.org.br Telefone: (11) 3875.2625 E-mail: cursos@aao.org.br CLASSIFICAÇÃO E ANÁLISE DE GRÃOS (TURMA 4) Empresa Promotora: CENTREINAR - Centro Nacional de Treinamento em Armazenagem Tipo de Evento: Curso / Treinamento Início do Evento: 07/12/2009 Fim do Evento: 11/12/2009 Estado: MG Cidade: Viçosa Localização do Evento: Sede do CENTREINAR Informações com: Centreinar Site: www.centreinar.org.br Telefone: (31) 3899-2783/3891-2270 E-mail: jussara@centreinar.org.br 3º LEILÃO DORPER CHRISTMAS Empresa Promotora: VPJ Pecuária, Fazenda Alvorada, RHO, Cabanha Interlagos e AC Agromercantil Tipo de Evento: Leilão / Remate Início do Evento: 08/12/2009 Fim do Evento: 08/12/2009 Estado: SP Cidade: São Paulo Localização do Evento: Gallery Eventos - Rua Haddock Lobo, 1.626 Informações com: Agreste Leilões Site: www.vpjpecuaria.com.br Telefone: (19) 3867-7007 E-mail: controle.pecuaria@vpjpecuaria.com.br SHOW RURAL COOPAVEL 2010 Empresa Promotora: Coopavel Cooperativa Agroindustrial Tipo de Evento: Exposição / Feira Início do Evento: 08/02/2010 Fim do Evento: 12/02/2010 Estado: PR Cidade: Cascavel Localização do Evento: Show Rural Coopavel Informações com: Coopavel Site: www.showrural.com.br Telefone: (45) 3225-6885 E-mail: showrural@coopavel.com.br 4º TREINAMENTO EM MANEJO DE PRAGAS DE CANA-DE-AÇÚCAR Dias: 11 e 12 de dezembro Local: Centro Universitário Moura Larcerda. Cidade: Ribeirão Preto Mais informações: www.mouralacerda.edu.br Revista Canavieiros - Novembro de 2009 37
  • 37. VENDEM-SE - 01 caminhão canavieiro, Scania, ano e modelo 84, traçado - 01 reboque canavieiro, Rondon, ano e modelo 82. Tratar com Marcelo Benedini pelo telefone: 3662-6052 - Batatais. VENDE-SE - Caminhão Mercedes Benz Axor 2831 - Branco, 2006/2006 Chassis Tratar com Alexandre pelo telefone: (16) 9254 7879 VENDEM-SE - 02 caminhões canavieiros - Mercedes Benz - Modelo: 2635 Top Break 6x4 c/ 3º eixo, Ano: 1997, Km: 175.000 - Carroceria: CAMAQ cana inteira, muito reforçada. Descrição: novíssimos, usados apenas 3 a 4 meses por ano em safra particular do proprietário. Quilometragem original, comprados na concessionária MB de Jaboticabal/SP, todas as revisões a manutenções feitas na autorizada. Manual todo carimbado. Valor: R$ 215.000,00 cada com carroceria. - 01 carregadeira - Massey Fergusson - 290R 4x4 Ano: 1994 - Horas: 2.900horas Descrição: novíssima, cabinada com ventilador, usada de 3 a 4 meses por ano em safra particular do proprietário. Comprada na concessionária MF de Jaboticabal/SP, todas as revisões a manutenções feitas na autorizada. Valor: R$ 49.900,00 Tratar com Fernando pelo telefone: (16) 9103-1071 VENDEM-SE - 1 Plantadeira Jumil, 9 linhas, ano 2000; - 1 Tanque de água de 6000 Lts; - 1 Tanque de água de 3000 Lts; - 1 Bomba de Pulverização Jacto de 600 Lts; 38 Revista Canavieiros - Novembro de 2009 - 1 Grade Niveladora Piccin de 32 discos (de arrasto); - 1 Enleiradeira de palha EMB; - 1 Pá Carregadeira traseira; - 1 D-20 Custom, ano 1994, turbo, cor vinho, completa. Tratar com Valdemir Dandaro pelo telefone (16) 3942-4486. VENDEM-SE - 1 Colhedora de Cana Case A7000 ano 2004 - 1 trator New Holland TM 180 ano 2006 com cabine cambio semi Power shifit - 1 Trator Massey Ferguson 680 ano 2007 com cabine Ribcardam - 1 Trator Massey Ferguson 265 ano 1975 Tratar com Marcelo pelos telefones (16) 3957 1238 ou 3957 1227 ARRENDAMENTO Fazenda de 1.280,00 hectares no município de Santa Fé de Minas - MG, possui 2 casas, barracão, curral, energia. A Fazenda é toda plana e boa de água, montada para pecuária, com cochos cobertos, curral, pastagens. É ideal para lavoura, pivot ou reflorestamento. Se o arrendamento for realizado através de imobiliária ou corretor, pago comissão de 10% sobre o valor do arrendamento. O valor do arrendamento é de R$ 120,00 por hectare por ano. Mais informações pelos telefones: (34) 3214 9703 ou (34) 9974 7500, e-mail ozireseduardo@netsite.com.br ou pelo site www.fazendaplana.com.br VENDEM-SE - cultivador de cana DMB - pulverizador jacto 600 - semeato ph 2700 5 linhas - grade tatu 44x22 e 36x20 - transbordo de amendoim 3000kg - colhedora Double Master 2003 - 3un. Tratar com Eduardo pelo telefone (16) 3942 2895 VENDE-SE - Barra de irrigação Metal Lavras de 54 metros com carrinho - R$ 12.000,00 Tratar com Antonio José pelo telefone (16) 8122 2472. VENDEM-SE - Cobridor de cana - modelo CCC 2L, marca Civemasa - Cultivador adubador de cana, com disco de corte, modelo CATP 2L - marca Civemasa - Kit Sulcador OBS - Nunca foram usados (estão guardados). O custo dos implementos (todos) é R$ 20.000,00. Tratar com Valmir Domingos pelo telefone (14) 9707 3732 das 07:00 às 12:00 hrs. VENDE-SE - Caminhão Cargo 2428E Truck Caçamba, 12M3, Ano 2006. Tratar com Elias, pelo telefone: (11) 4359 9022 ou pelo email: elias@aptacaminhoes.com.br VENDE-SE - caminhao traçado; mb 2213, mb 2318, vw 26260. Tratar com Patito pelo telefone:(16) 9187 1901 ou pelo email: paulistacaminhoes@uol.com.br VENDE-SE - fabrica de aguardente. 02 ternos 18/24 completos, 02 colunas para aguardente capacidade 1000 lts/hora, dornas de madeira para deposito, dornas de chapa para deposito. Vendo completo ou parcial. Tratar com Marcio Viana pelo telefone: (31) 9932 3470 ou pelo email: aguardenteurucania@bol.com.br VENDE-SE - Julieta de cana, ano 1986, marca Rodoviária para cana inteira. Valor: R$17.000,00. Tratar com Otavio pelo telefone: (14) 9651 2917 ou pelo email: biabauer@hotmail.com
  • 38. Revista Canavieiros - Novembro de 2009 39
  • 39. 40 Revista Canavieiros - Novembro de 2009