Revista Canavieiros - Junho de 2009

1
2

Revista Canavieiros - Junho de 2009
Editorial

Feira de bons
negócios

A

edição deste mês da Canavieiros destaca
a realização da quinta edição da Agronegócio...
Indice

EXPEDIENTE

Capa

CONSELHO EDITORIAL:
Antonio Eduardo Tonielo
Augusto César Strini Paixão
Clóvis Aparecido Vanzell...
Entrevista

Marcos Fava Neves
Professor da FEA (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade), da USP, de Ribeirão...
Entrevista
com relação ao etanol. E em relação aos
novos usos, já estão bastante avançados em relação ao diesel feito a pa...
Revista Canavieiros - Junho de 2009

7
Ponto de Vista

O cooperativismo e o setor
O cooperativismo e o setor
sucroalcooleiro
sucroalcooleiro
Márcio Lopes de Frei...
Repercutiu

"Escolheram o rabinho de capeta e agora fingem
defender a agricultura familiar. É conversa para boi
dormir. Nã...
Notícias
Copercana

Abicab lança novo selo de
Abicab lança novo selo de
qualidade
qualidade
Da Redação

Segundo a associaç...
Notícias
Copercana

Projeto Soja 09/10:
expectativa de
expectativa de
expansão de plantio
expansão de plantio
Da Redação

...
Notícias
Cocred
Balancete Mensal
Cooperativa de Crédito dos Plantadores de Cana
de Sertãozinho BALANCETE - ABRIL/2009
Valo...
Consecana

Notícias
Canaoeste
CIRCULAR Nº 05/09
DATA: 29 de maio de 2009

Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúca...
Notícias
Canaoeste

Netto Campello Hospital
Netto Campello Hospital
& Maternidade amplia a
& Maternidade amplia a

qualida...
Revista Canavieiros - Junho de 2009

15
Valor ATR

Safra 2008/2009: Valor do
ATR e da tonelada para
fornecimento
Thiago de Andrade Silva - Assistente de Controle ...
Revista Canavieiros - Junho de 2009

17
Reportagem de Capa

V Agronegócios C
Carla Rodrigues

Feira promete bons negócios com preços e condições de pagamentos
mel...
Reportagem de Capa

Copercana
O produtor de cana Sérgio Galdeano, por exemplo, é presença garantida em todas as edições da...
Opinião

Os prazos da Lei 10267
Luís Antônio dos Santos*

A

té o dia 23 de novembro de
2011, todas as propriedades
com ár...
Revista Canavieiros - Junho de 2009

21
22

Revista Canavieiros - Junho de 2009
Revista Canavieiros - Junho de 2009

23
Informações Setoriais

CHUVAS DE MAIO
e Prognósticos Climáticos
e Prognósticos Climáticos
No quadro abaixo, são apresentad...
Informações Setoriais
Mapa 3:- Água Disponível no Solo, a 50cm de profundidade, ao final de
MAIO de 2009.

Para subsidiar ...
Artigo Técnico

Lições das crises
Lições das crises
Cleber Moraes, consultor da CANAOESTE
e M. Moraes Consultoria Agronômi...
Artigo Técnico
Figura 3 - Evolução dos Preços de Açúcar em NY e dos Estoques Mundiais de Açúcar

safra em 2002/2003 que ai...
Artigo Técnico II

Perdas de cana e impurezas
vegetais e minerais na
colheita mecanizada
Mauro Sampaio Benedini
Gerente Re...
Artigo Técnico II
Perdas visíveis

Figura 5: Componente das perdas
denominado cana inteira.

As perdas visíveis estão asso...
Artigo Técnico II
Figura 9: Componente das perdas
denominado pedaço.

cana que são diretamente influenciados pela rotação ...
Novas Tecnologias

Embrapa investe em
cana tolerante à seca
Da Redação

Variedade transgênica é voltada às novas fronteira...
Novas Tecnologias II

CTCSat – Mais um produto
CTCSat
Mais um produto

do CTC disponibilizado aos
do CTC disponibilizado a...
Novas Tecnologias II
OUTROS PRODUTOS CTC
Os produtores filiados às Associações de Fornecedores de cana associadas ao CTC t...
Assuntos Legais

Art - anotação de responsabilidade
técnica: Obrigatoriedade

A

Lei Federal Nº 6.496, de 07 de dezembro d...
Destaque

Safra de grãos
será 6,9% menor
Da redação

Estiagem no Sul e o excesso de chuvas no Nordeste reduziram previsão ...
Biblioteca

Cultura

Cultivando
a Língua Portuguesa

“GENERAL ÁLVARO
TAVARES CARMO”
História da Cana-de-açúcar
José Robert...
VENDEM-SE
-01 Cobridor de cana de duas linhas
marca DMB, em ótimo estado, valor R$
5.000,00.
-01 Triturador marca Penha TH...
Agende-se
Julho

de 2009

Simtec 2009 - Simpósio Internacional e Mostra de
Tecnologia da Agroindústria Sucroalcooleira
Per...
Revista Canavieiros - Junho de 2009

39
40

Revista Canavieiros - Junho de 2009
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Ed36junho09

146

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
146
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ed36junho09

  1. 1. Revista Canavieiros - Junho de 2009 1
  2. 2. 2 Revista Canavieiros - Junho de 2009
  3. 3. Editorial Feira de bons negócios A edição deste mês da Canavieiros destaca a realização da quinta edição da Agronegócios Copercana, entre os dias 24, 25 e 26, e que promete ser uma ótima oportunidade de bons negócios para aos cooperados e associados do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. Apesar da crise, é preciso garantir uma boa produção e a feira reunirá mais de 60 expositores de insumos, máquinas e equipamentos para as culturas de amendoim, milho, soja e cana-de-açúcar. E por falar em crise, o assunto ainda está em pauta. Por isso, a entrevista deste mês é com o professor da FEA (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade), da USP, de Ribeirão Preto, Marcos Fava Neves. Ele faz um resumo das novidades apresentadas no Ethanol Summit, realizado pela Unica no início deste mês, analisa os gargalos que devem ser vencidos e anuncia a realização de uma radiografia de toda a cadeia produtiva da cana. O Notícias Copercana deste mês destaca o lançamento do novo selo de qualidade da Abicab (Associação Brasileira da Indústria de Chocolate, Cacau, Amendoim, Bala e derivados) realizado em São Paulo com a presença de representantes do setor da Qualidade da Copercana e da CAP. Também são apresentados os primeiros resultados do Projeto Soja da Copercana em parceira com a Uname (Unidade de Grãos) iniciado na safra 08/09. O Netto Campello Hospital e Maternidade traz em Notícias Canaoeste a ampliação da qualidade hospitalar por meio da humanização, que veio com o objetivo de amenizar os receios, medos e ansiedades das crianças que necessitam de hospitalização. O presidente do Sistema OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), Márcio de Freitas, está no Ponto de Vista, onde aborda a importância e o significado de um sistema cooperativista para a economia do país em meio a turbulências que vivemos. Os artigos técnicos desta edição são assinados pelo consultor da Canaoeste, Cleber Moraes, e pela equipe do CTC. O primeiro trata das lições das crises ocorridas ao longo dos anos de produção no Brasil. Já o segundo artigo aborda as perdas de cana e impurezas vegetais e minerais existentes na colheita mecanizada. A seção Novas Tecnologias traz o investimento da Embrapa em variedade de cana tolerante à seca, que é feito desde agosto do ano passado, e também o lançamento do CTCSat, mais uma novidade do CTC para o setor canavieiro, que vai ser disponibilizado aos seus fornecedores. O advogado da Canaoeste, Juliano Bortoloti, aborda em Assuntos Legais explicação sobre a obrigatoriedade da ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) e também esclarece temas referentes à certificação sócio-ambiental, que é de extrema importância para a comercialização da produção agrícola. Além disso, o engenheiro agrimensor e analista de geoprocessamento da Canaoeste, Luís Antônio dos Santos, apresenta os prazos da lei 10267, que trata da obrigatoriedade do georreferenciamento do perímetro do campo em propriedades com área abaixo de 500 hectares. Já o assistente de controle agrícola da Canaoeste, Thiago Silva, analisa o valor do ATR e da tonelada para fornecimento da safra 2008/2009. O destaque deste mês é a estimativa de colheita de grãos da safra 2008/2009, que deverá ter uma queda de 6,9% em relação ao ciclo anterior, provocada pela estiagem no Sul e excesso de chuvas no Nordeste. V também não pode deixar de conferir as ocê informações setoriais do Assessor Técnico da Canaoeste, Oswaldo Alonso, dica da leitura e a agenda com eventos do setor para o mês de julho. Boa leitura! Conselho Editorial Revista Canavieiros Junho de 2009 Revista Canavieiros -- Junho de 2009 3
  4. 4. Indice EXPEDIENTE Capa CONSELHO EDITORIAL: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson V Agronegócios Copercana Feira promete bons negócios com preços e condições de pagamentos melhores que no ano passado Pag. Pag. 18 EDITORA: Cristiane Barão – MTb 31.814 JORNALISTA RESPONSÁVEL: Carla Rossini – MTb 39.788 DESTA DESTAQUES OUTRAS Entrevista REPERCUTIU DIAGRAMAÇÃO: Rafael H. Mermejo CONSECANA FOTOS: Carla Rossini Rafael H. Mermejo VALOR ATR COMERCIAL E PUBLICIDADE: (16) 3946-3311 - Ramal: 2008 comercial@revistacanavieiros.com.br INFORMAÇÕES SETORIAIS DEPARTAMENTO DE MARKETING E COMUNICAÇÃO: Ana Carolina Paro, Carla Rodrigues, Carla Rossini, Daniel Pelanda, Janaina Bisson, Letícia Pignata, Rafael H. Mermejo, Roberta Faria da Silva. Marcos Fava Neves Professor da FEA (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade), da USP, de Ribeirão Preto O pior já passou 05 P a g . P a g . P a g . P a g . 09 13 P a g . 16 P a g . 24 P a g . 26 P a g . 3 1 TECNOLOGIAS Ponto de vista Márcio Lopes de Freitas Presidente do Sistema OCB e Sescoop O cooperativismo e o setor sucroalcooleiro 08 NOVAS P a g . P a g . Notícias 10 Copercana - Abicab lança novo selo de qualidade - Projeto Soja 09/10: expectativa de expansão de plantio Notícias Cocred - Balancete Mensal Notícias P a g . P a g . P a g . 34 ASSUNTOS LEGAIS DESTAQUE P a g . 12 37 P a g . AGENDE-SE P a g . 38 4 4 Revista Canavieiros - Junho de 2009 TIRAGEM: 12.000 exemplares ISSN: 1982-1530 A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. ENDEREÇO DA REDAÇÃO: Rua Dr. Pio Dufles, 532 Sertãozinho – SP - CEP:- 14.170-680 Fone: (16) 3946 3311 Artigo Técnico II Perdas de cana e impurezas vegetais e minerais na colheita mecanizada - A mudança no sistema de colheita da cana, resultou inicialmente em elevação acentuada nas perdas de cana e aumento nas impurezas vegetais e minerais. IMPRESSÃO: São Francisco Gráfica e Editora 35 CLASSIFICADOS P a g . 13 Canaoeste - Netto Campello Hospital & Maternidade amplia a qualidade hospitalar por meio da humanização do cuidado ARTIGO TÉCNICO Pag. 28 w w w.r evistacanavieiros.com.br redacao@revistacanavieiros.com.br
  5. 5. Entrevista Marcos Fava Neves Professor da FEA (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade), da USP, de Ribeirão Preto O pior já passou A turbulência que atingiu o setor sucroenergético já está se dissipando e os fundamentos são muito bons para o açúcar, etanol e energia. Essa é a opinião do professor da FEA (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade), da USP, de Ribeirão Preto, Marcos Fava Neves, que também é fundador do grupo Markestrat (Centro de Pesquisas e Projetos em Marketing e Estratégia). Segundo ele, que participou do Ethanol Summit, realizado pela Unica no início do mês, há muitas boas notícias para o setor e uma constatação: de que há muito ainda a ser feito com a cana e dela ainda surgirá muitos produtos. Nesta entrevista, que ele concedeu à Canavieiros na sede do Markestrat, ele também falou sobre o trabalho contratado pela Unica e que irá mapear toda a cadeia produtiva. Leia a íntegra, a seguir. Cristiane Barão Canavieiros: As discussões do Ethanol Summit acabam produzindo uma fotografia do momento do setor. Como é essa foto? Marcos Fava Neves: É uma fotografia que mostra que o fundo do poço já foi. Os projetos já estão sendo anunciados e os fundamentos são muito bons para o açúcar, para o álcool e para a energia. Foi uma mensagem de ligeiro otimismo e de que a turbulência pelo qual o setor passou já está se dissipando. As notícias foram boas em muitas áreas. Canavieiros: Quais foram essas notícias? Fava Neves: Os motores grandes a etanol, por exemplo. Duas empresas mostraram que estão com a tec- nologia praticamente em ordem e que neste ano ou no máximo no ano que vem esses motores devem estar competitivos na ótica até econômica, não somente ambiental. Para as usinas, isso seria muito interessante. É um novo mercado que se abre porque o diesel representa 50% do nosso consumo de combustível. Outra notícia veio da Petrobras, que acredita que, dentro de cinco a oito anos, 80% do combustível vendido no Brasil será etanol e, portanto, a Petrobras irá se tornar uma grande exportadora de gasolina e para isso ela vem se preparando. A Petrobras também anunciou que 80% dos seus investimentos serão voltados ao etanol e que a empresa irá participar como minoritária nas usinas. Canavieiros: Em relação a novos produtos, há boas notícias? Fava Neves: Houve uma declaração do presidente da Amyris (empresa americana especializada em desenvolvimento de biocombustíveis) de que a cana é a melhor planta que existe para fornecer bioenergia. E isso também foi confirmado pelo José Goldemberg , que mostrou que a produtividade da cana tem condições para saltar para mais de 200 toneladas por hectare em volume, sem considerar a modificação genética, que permitiria dobrar o teor de sacarose dentro desse volume. Ou seja, é uma opinião que eu sempre tive: que há muito ainda o que se fazer com a cana. Eu compartilho com a opinião que foi colocada de que nós temos pelo menos mais dez anos de supremacia Revista Canavieiros - Junho de 2009 5
  6. 6. Entrevista com relação ao etanol. E em relação aos novos usos, já estão bastante avançados em relação ao diesel feito a partir de cana e eles (Amyris) também estão pesquisando a gasolina feita a partir de cana. Assim, para a cana, há um cenário bem mais confortável do que para o etanol porque é da cana que vai sair boa parte das coisas novas. Dificilmente vamos ter um competidor para a cana nos próximos dez ou 15 anos. grandes fornecedores mundiais de açúcar. Se esses países adotarem a mistura de etanol no combustível, e alguns já a adotam, um pouco da cana deles vai se transformar em etanol, o que vai trazer um aumento no preço do açúcar no mercado internacional. Todo mundo ganha com isso. Temos de desenvolver um pensamento estratégico mais forte. Canavieiros: Depois da radiografia do leite, do milho e da laranja, vocês irão fazer a da cana. Como vai ser feito esse trabalho? Fava Neves: Esse trabalho que a Unica contratou é muito interessante. A ideia é pegar e mapear o tamanho da cadeia produtiva no ano de 2008 e atualizar a cada ano. A Unica nos pediu até o final de agosto. Nós sempre teremos o retrato a ca"Para a cana, há um cenário bem mais do que movimenta todos deia produtiva em Canavieiros: Os paí- confortável do que para o etanol porque é da os seus elos. Vai ser leses reconhecem os benevantado desde pedágio, fícios do etanol, mas re- cana que vai sair boa parte das coisas novas" até empresas de pesquisistem em abrir seus mersa, de bens de capital, a cados. O que ainda precisa ser feito? parte dos produtores, insumos, deFava Neves: Temos de analisar país Canavieiros: No mercado interno, fensivos, a parte industrial. É um traa país. Com os Estados Unidos, a situ- as usinas estão desovando mais eta- balho de fôlego, que vai envolver uns ação é mais confortável. Eles têm uma nol para fazer caixa e isso está pro- 10 pesquisadores em tempo integral. meta de 36 bilhões de galões até 2017 e vocando um desequilíbrio na cadeia. Nesse aspecto de mapeamento da caeles fixaram em 15 bilhões (quota em Como resolver isso? deia produtiva, esse trabalho nunca galões) para o etanol de milho. O resFava Neves: Eu vejo duas formas: foi feito para a cana. tante é para os outros produtos. Se es- que é o BNDES com essa questão do ses produtos não surgirem economifinanciamento dos estoques de álcool Canavieiros: Onde estão os garcamente, nós vamos poder entrar com e também a Petrobras entrando com galos ao longo da cadeia? o etanol de cana nos Estados Unidos capital e adquirindo participação acioFava Neves: Em todos os setores, porque eles precisarão. Acho que nós nária desses grupos que estão em mai- seja no elo agrícola ou no industrial, temos de mudar um pouco a agenda: ores dificuldades. Acho que a Petro- ainda há gorduras para serem cortanão podemos nos confrontar com o bras foi muito lenta. Ela deveria ter fei- das. Esse é um gargalo ainda. A agenpessoal do milho, mas trabalhar junto to esse movimento a partir de agosto/ da do produtor de cana já é bem avancom eles. O tamanho para eles já foi setembro do ano passado. Mas acho çada, como já comentei - que é partifixado e acho que temos muito mais a que o fundo do poço também já pas- cipar de associação, fazer as coisas ganhar ao se juntar com eles. Acho que sou e a ideia é que a reestruturação em conjunto, compartilhar - , mas dá para buscar mercado nos Estados esteja vindo. sempre tem mais coisa para fazer. As Unidos com o blendagem (mistura). Lá usinas, com renovação de equipaeles utilizam 10% e eles têm medo que Canavieiros: Já que o cenário para mentos, também tem chances de gao aumento (da mistura) estrague os a cana é mais positivo do que para o nhos. E para esse setor também sou motores dos carros. Então, precisamos próprio etanol, o fornecedor de cana defensor de uma ideia meio polêmica de que não faz sentido as usinas não mostrar que isso não prejudica. pode respirar com mais alívio? Fava Neves: Eu acredito na melho- dominarem a distribuição. Estamos Canavieiros: E em relação ao mer- ria nos próximos anos. É normal que caminhando para um cenário em que cado europeu? em dez anos, haja dois ou três não muito não será mais posto de gasolina, será Fava Neves: Os europeus já estão bons. O fornecedor tem toda uma agen- posto de etanol. Um outro gargalo é comprando e o principal desafio, colo- da típica, que ele nunca pode esque- tributário: a questão de acertar os tricado até pelo Bill Clinton (durante o cer, que é o controle absoluto de cus- butos na distribuição, para não haEthanol Summit), é um trabalho de for- tos, fazer coisas junto com outros pro- ver sonegação, e fazer com que o miginha para convencê-los de que o dutores, diminuir os seus ativos, com- ICMS nos outros Estados fosse de, etanol é sustentável. E para isso, as partilhar mais máquinas, participar mais no máximo, 12%. Os outros gargalos estratégias são as mais distintas. É ter forte das associações, negociar em a Unica já está trabalhando, que é selos, fazer organizações multilaterais conjunto. O fornecedor é muito impor- abertura de mercado internacional, a de certificação, começar a reconhecer tante para essa cadeia produtiva. Eu certificação, o lindo trabalho que eles as usinas que a Unica tem trabalhado sempre defendo esse elo e acho que estão fazendo de requalificação, june, com isso, se começa a abrir esse mer- os modelos mais modernos no futuro to com as empresas associadas, o cado. É trabalhar um pouco mais a co- são aqueles onde as usinas não domi- próprio marketing do etanol. Aqui municação. Temos de trabalhar também nam a cana. A cana é produzida por mesmo no Brasil é efervescente o que com a indústria de cana da Austrália, agentes especializados. Nós já estamos está acontecendo com o etanol, mas há muita gente a ser conquistada. da Tailândia, da Índia, que são países vendo isso acontecer. 6 Revista Canavieiros - Junho de 2009 “
  7. 7. Revista Canavieiros - Junho de 2009 7
  8. 8. Ponto de Vista O cooperativismo e o setor O cooperativismo e o setor sucroalcooleiro sucroalcooleiro Márcio Lopes de Freitas* O Sistema Cooperativista Brasileiro tem se consolidado como grande força da economia do país, por meio do desenvolvimento sustentável e da geração de emprego e renda para seus associados, contribuindo também para o crescimento das comunidades onde se faz presente. Hoje, vivenciando os reflexos de uma crise financeira internacional, o cooperativismo tem se organizado e buscado novas oportunidades nesse cenário. O objetivo é minimizar esses impactos e trabalhar para manter seus indicadores. Resultado desse comportamento se comprova com os dados das exportações das cooperativas brasileiras no primeiro quadrimestre de 2009. O segmento sentiu os efeitos da crise, registrando uma queda de 8,6% quando comparado ao mesmo período do ano anterior, porém, com retração menor que o total exportado pelo País, contabilizada em 17,53%. Esse é um posicionamento também do setor sucroalcooleiro, representado nacionalmente por cooperativas consolidadas, com gestão profissionalizada e foco no negócio. Mesmo com as dificuldades geradas pela crise financeira, como a retração dos mercados e da oferta de crédito, decorrente da saída das traddings e, acima de tudo, uma crise de credibilidade, o setor, mais uma vez, apresentou aumento de produção. Sua participação no total exportado pelo cooperativismo brasileiro, de janeiro a dezembro de 2008, foi também expressiva. O segmento sucroalcooleiro aparece com um dos principais grupos de produtos, respondendo por 26,91% do total (US$ 1,08 bilhão), que correspondem ao açúcar e ao álcool etílico. Já no primeiro trimestre de 2009, o destaque ficou para o açúcar, com 91% em 2009 (US$ 150,9 milhões), frente a 59% no primeiro trimestre de 2008 (US$ 86,4 milhões), e crescimento de 13,5%, totalizando US$ 165,8 milhões. E as tendências para o setor são positivas. O etanol, mesmo com preços depressivos no momento, se apresenta com uma alternativa de energia limpa, caminho que deve ser seguido mundialmente. Isto implica dizer que a participação do produto tende a crescer consideravelmente, com retornos cada vez mais positivos. Já o açúcar está em franca expansão no mercado mundial. A Índia, um dos principais produtores, vive uma crise, com uma queda de safra ocasionada por problemas climáticos, e abre espaço para outros países. Com isso, o Brasil tende a aumentar a produção de açúcar, que ganha mercado hoje frente ao etanol. Em momentos de crise, as dificuldades são diversas, ainda mais quando vivenciadas individualmente. Esses efeitos podem ser mitigados pelo processo cooperativo, com a organização dos produtores em suas cooperativas, que, fortalecidas, geram ganho de escala e maior poder de negociação. O mesmo acontece com as cooperativas que atuam na comercialização de produtos das cadeias de açúcar e álcool. É importante fortalecer o cooperativismo, forma de organização e ferramenta mais adequada para mitigar os efeitos da crise, como propõe o tema do 87º Dia Internacional do Cooperativismo: "Impulsionar a recuperação global por intermédio das cooperativas". *presidente do Sistema OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras) e Sescoop (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo) 8 Revista Canavieiros - Junho de 2009
  9. 9. Repercutiu "Escolheram o rabinho de capeta e agora fingem defender a agricultura familiar. É conversa para boi dormir. Não se deixem enganar. São vigaristas." Do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, sobre a bancada ruralista, em discurso durante a manifestação Grito da Terra "Estou firme, firmíssimo. Poluidores, tremei." Do ministro Carlos Minc, sobre se ficará no cargo, depois de ter ouvido uma "bronca" do presidente Lula pelas declarações contra os ruralistas "Esses 'vigaristas' dão um terço dos empregos do Brasil. Esses 'vigaristas' são responsáveis por um terço das exportações brasileiras. Esses 'vigaristas' fazem o setor que mantém a balança comercial do Brasil com um superávit de 26 bilhões de dólares. O Brasil pode viver muito bem sem o senhor, mas o Brasil sentirá muito se perder os seus produtores rurais." Da senadora Kátia Abreu (DEMTO), presidente da CNA, em discurso no Senado, em resposta ao ministro "Como responder a um desqualificado moral como esse? Esse homem não tem estatura, é irresponsável por tratar um segmento, o setor produtivo rural, com essas palavras. É um palavreado característico dele, nos morros do Borel e da Rocinha com traficantes. Não venha trazer esse palavreado para cá." Do deputado federal Ronaldo Caiado (DEM-GO), sobre Minc Revista Canavieiros - Junho de 2009 9
  10. 10. Notícias Copercana Abicab lança novo selo de Abicab lança novo selo de qualidade qualidade Da Redação Segundo a associação, a crise financeira não terá reflexos para o setor N o dia 14 de Maio, a Abicab (Associação Brasileira da Indústria de Chocolate, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados) realizou em São Paulo o lançamento oficial do novo selo do Programa PróAmendoim e de seu portal na internet. Representantes do setor da Qualidade da Copercana e da CAP também participaram do evento, que reuniu mais de 80 pessoas, entre especialistas, jornalistas, associados da ABICAB, pesquisadores, laboratórios e convidados. O vice-presidente do setor de amendoim da Abicab, Renato Fechino, apresentou dados sobre a safra, exportação, e expectativa em relação às festas juninas. Segundo ele, a crise mundial não afetará o setor de amendoim, já que nesses momentos o consumidor acaba comprando mais produtos mais acessíveis. Além disso, um dos fatores relevantes para o desenvolvimento da indústria de produtos à base de amendoim no país está no aumento da safra do grão. A colheita deste ano tem projeção de alcançar 330 mil toneladas, aumento de 8% em relação ao último período. Outra questão importante, está relacionada ao fato do Brasil exportar produtos de amendoim para outros países e adquirir aceitação internacional. Pé-de-moleque e a paçoca são exemplos de produtos campeões de venda no Brasil e com grande aceitação internacional. Selo e portal: O selo SELO QUALIDADE CER TIFICADA PRÓAMENDOIM- ABICAB ganhou um novo formato e cores que reforçam melhor o posicionamento do progra10 Revista Canavieiros - Junho de 2009 Representantes do setor da Qualidade da Copercana e da CAP compareceram ao evento. Da esquerda para direita Nádia Strini -(Supervisora Industrial CAP, Presidente da Abicab Getulio Ursulino Neto, Ercilia Silva Ferreira Mazza - Qualidade Copercana, Renato Fechino - Vice Presidente Área de Amendoim, Vania Junqueira - Qualidade Copercana ma, além de gerar maior visibilidade e reconhecimento junto ao consumidor final. O selo começou a ser utilizado em 2002 e a partir de então, a quantidade de lotes que apresentaram nãoconformidade na qualidade caiu de 40 para apenas 7%. Já o novo portal, lançado em março de 2009, tornou-se mais interativo e atraente, com uma linguagem coloquial que atinge todos os tipos de público, desde a dona de casa ao pesquisador de amendoim. O portal aumenta o seu número de visitas diariamente. Segundo dados colhidos do administrativo do site, o portal PróAmendoim espera atrair cerca de 10.000 visitas por mês. O endereço é www.proamendoim.com.br
  11. 11. Notícias Copercana Projeto Soja 09/10: expectativa de expectativa de expansão de plantio expansão de plantio Da Redação Na safra 08/09, Copercana recebeu cerca de 320 mil sacas; projeto é feito em parceria a safra 08/09, a Copercana, por meio da UNAME - Unidade de Grãos, iniciou um projeto com a cultura da soja, que funciona nos mesmos moldes do projeto de amendoim: a cooperativa fornece, para pagamento pós-safra a juros de crédito rural, o adubo, sementes, defensivos e recursos para o custeio e o produtor tem o compromisso de entregar sua produção para a cooperativa. N Segundo Zarinello, semanalmente foram coletadas amostras de folhas nas lavouras e levadas para análise nos laboratórios da universidade. A partir dos resultados, o produtor foi orientado a fazer ou não as aplicações para o controle da doença. Grande parte dos produtores conseguiu reduzir uma aplicação no final do ciclo da cultura, resultando em redução de custos de sua lavoura, sem prejudicar a produtividade. De acordo como agrônomo Thiago Zarinello, a Copercana recebeu cerca de 320.000 sacas. Os produtores contaram com assistência técnica capacitada de agrônomo e, por meio de uma parceria firmada com a Unesp de Jaboticabal, que permitiu o apoio do professor Modesto Barreto, fez-se um acompanhamento da ferrugem da soja. Para a próxima safra, os objetivos do projeto serão: aumentar a área de plantio para cerca de 10.000 hectares, estender as parcerias com órgãos de pesquisas na área de adubação, escolha de variedades que proporcionem melhores resultados, além da continuidade do monitoramento da ferrugem asiática. Projeto Soja 09/10: expectativa de expansão de plantio. Os produtores interessados em participar do Projeto Soja 09/10 devem, para obter maiores informações, procurar no Departamento Técnico de Grãos na Uname os agrônomos Thiago e Edgard. Revista Canavieiros - Junho de 2009 11
  12. 12. Notícias Cocred Balancete Mensal Cooperativa de Crédito dos Plantadores de Cana de Sertãozinho BALANCETE - ABRIL/2009 Valores em Reais
  13. 13. Consecana Notícias Canaoeste CIRCULAR Nº 05/09 DATA: 29 de maio de 2009 Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool do Est ado de São Paulo A seguir, informamos o preço médio do kg do ATR para efeito de emissão da Nota de Entrada de cana entregue durante o mês de MAIO de 2009. O preço médio do kg de ATR para o mês de MAIO, referente à Safra 2009/2010, é de R$ 0,2884. O preço de faturamento do açúcar no mercado interno e externo e os preços do etanol anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, levantados pela ESALQ/CEPEA, no mês de MAIO, são apresentados a seguir: O preço de faturamento do açúcar no mercado interno e externo e os preços do etanol anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, levantados pela ESALQ/CEPEA, no mês de ABRIL, são apresentados a seguir: Os preços do Açúcar de Mercado Interno (ABMI) incluem impostos, enquanto que os preços do açúcar de mercado externo (ABME e AVHP) e do etanol anidro e hidratado, carburante (EAC e EHC), destinados à industria (EAI e EHI) e ao mercado externo (EAE e EHE), são líquidos (PVU/PVD). Os preços líquidos médios do kg do ATR, em R$/kg, por produto, obtidos no mês de MAIO, calculados com base nas informações contidas na Circular 01/09, são os seguintes:
  14. 14. Notícias Canaoeste Netto Campello Hospital Netto Campello Hospital & Maternidade amplia a & Maternidade amplia a qualidade hospitalar por meio da qualidade hospitalar por meio da humanização do cuidado humanização do cuidado Da redação A internação hospitalar, na maioria das vezes, vem acompanhada de receios, medos, irritação e ansiedade. As crianças, quando necessitam de hospitalização, estão passando por um intenso sofrimento e situações de estresse. A humanização é um termo que vem sendo usado com frequência na área da saúde. Seu objetivo é melhorar a qualidade de assistência prestada, aprimorando as relações entre profissionais, usuários e profissionais e entre o hospital e a comunidade. Ela depende da capacidade de falar e de ouvir, não apenas como técnica de comunicação verbal, mas como forma de conhecer o outro, compreendê-lo e atingir o estabelecimento de metas conjuntas, promovendo, assim, o bem-estar no ambiente hospitalar entre as crianças e a equipe multiprofissional. “O HNC (Netto Campello Hospital & Maternidade) apoia esta nova temática e, na grande maioria de seus setores, encontramos um ambiente humanizado. Dentre as estratégias adotadas e implementadas está a construção de uma pediatria totalmente humanizada, com um amplo espaço destinado às crianças no qual está instalada a Brinquedoteca”, afirmam Cíntia Sicchieri Toniolo, terapeuta ocupacional, e Fábio Veiga Schiaveto, enfermeiro coordenador da Vigilância Sanitária. Segundo eles, a Brinquedoteca é um ambiente confortável, onde as crianças esquecem, por algum período, que estão em um hospital. Nesse local, elas realizam atividades lúdicas e artísticas desenvolvidas e orientadas pela terapeuta ocupacional, com rotinas e brinquedos aprovados pela CCIH (Comissão de Controle de Infecção Hospitalar). “Isso significa que tudo o que é realizado dentro desse local é pensado nos mínimos detalhes para oferecer segurança às crianças e acompanhantes”, afirmam. Em datas comemorativas são realizadas atividades temáticas, objetivando a diminuição do impacto ao qual as crianças são submetidas com a quebra do cotidiano, sendo que algumas atividades de sua rotina são reportadas dentro do hospital. “Brincar é a atividade mais importante da infância, que permite o desenvolvimento psicológico, cognitivo Cíntia Sicchieri Toniolo, terapeut a ocupacional do Netto Campello e social, colaborando, assim, com o tratamento. Além da pediatria, as unidades de UTI neonatal e pediátrica também são contempladas com essas atividades e, de acordo com o quadro clínico da criança, algumas atividades são trazidas da Brinquedoteca até o leito da UTI, sendo que a criança sente-se mais segura expressando suas emoções e sentimentos por meio das atividades realizadas”, explicam Cíntia e Schiaveto. De acordo com eles, algumas crianças passam um tempo prolongado na UTI e acontecimentos importantes são realizados também nesse período. Os médicos e equipe valorizam muito a comemoração destes momentos. Em alguns casos são realizados batizados e aniversários de uma forma segura. “São por meio desses atos e com o apoio da diretoria que o Netto Campello Hospital & Maternidade demonstra sua preocupação e qualidade na assistência desses pequenos e importantes pacientes”, finalizam. 14 Revista Canavieiros - Junho de 2009
  15. 15. Revista Canavieiros - Junho de 2009 15
  16. 16. Valor ATR Safra 2008/2009: Valor do ATR e da tonelada para fornecimento Thiago de Andrade Silva - Assistente de Controle Agrícola da CANAOESTE o final da safra 2008/2009 foi observada uma queda expressiva dos preços de etanol, principalmente o do hidratado. N 0,93% no teor de ATR, verificou-se aumento de 14,61% no valor (em reais) do kg de ATR e 13,61% no valor da tonelada de cana na Safra 2008/2009. Nessa safra os produtores filiados à CANAOESTE forneceram cerca de 11,2 milhões de toneladas de cana, com teor médio de 145,63 kg de ATR analisado. O valor médio do ATR foi de R$ 0,2864 / kg, resultando em um preço médio de R$ 41,73 / t. A Tabela 1 traz a quantidade de cana, o teor médio de A e os valores do A TR TR de fechamento da safra 2008/2009 de acordo com o “mix” de produção de cada unidade industrial. As Regiões 2 e 3 tiveram valor do ATR de fechamento maior que R$ 0,2864 / kg de ATR, sendo que na Região 2 as Usinas Santa Elisa e Santo Antônio foram as únicas que tiveram valor superior à média do Estado de São Paulo. Na Região 3, de uma forma geral, todas as usinas contribuíram para apresentarem os maiores valores de ATR, comparativamente as demais regiões. Apenas relembrando que, na safra 2007/2008, a quantidade, o valor médio de ATR e o da tonelada de cana foram respectivamente 146,99 kg de ATR/t, R$ 0,2499 / kg de ATR e R$ 36,73 / t. Entretanto, mesmo com uma redução de TABELA 1 - ENTREGA DE CANA POR ASSOCIADOS CANAOESTE NA SAFRA 2008/2009 E VALORES DE FECHAMENTO DO ATR 16 Revista Canavieiros - Junho de 2009 A Tabela 2 apresenta o ranking das unidades industriais da Região de Abrangência da CANAOESTE em função dos valores (em Reais) do ATR. Pode-se observar que, em relação ao valor do ATR, a unidade industrial que mais se destacou foi a Usina Moreno. Todas as unidades industriais que fecharam com valor do ATR abaixo da média paulista, que foi R$ 0,2782 / kg de ATR, ajustaramse à média do Estado.
  17. 17. Revista Canavieiros - Junho de 2009 17
  18. 18. Reportagem de Capa V Agronegócios C Carla Rodrigues Feira promete bons negócios com preços e condições de pagamentos melhores que no ano passado O Agronegócios Copercana chega à sua quinta edição. As boas condições de compra e de pagamento oferecidos aos cooperados são o grande diferencial da feira, que acontece nos dias 24, 25 e 26 de junho, no Clube de Campo Vale do Sol, localizado na Rodovia Atílio Balbo, Km 331- Sertãozinho. O horário de funcionamento será das 10h às 18h. Nesta edição, a feira vai contar com mais de 60 expositores, que vão comercializar diversos materiais para o mercado agrícola, como adubos, calcário, defensivos agrícolas, equipamentos e implementos para as culturas de amendoim, milho, soja e cana-de-açúcar. Desde sua primeira edição, o Agronegócios Copercana é realizado no mesmo período. Isso se deve ao fato do mês de junho representar o final do primeiro semestre, que é tradicional para as transações do setor canavieiro. Para o presidente da Copercana e da Cocred, Antonio Eduardo Tonielo, os preços estarão melhores. “Os preços caíram bastante, fazendo com que o produtor faça um negócio muito melhor que no ano passado”, disse (leia entrevista nesta página). Edição de 2008 do Agronegócios Copercana De acordo com o presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan, principalmente em momentos de crise, como esse, o fundamental é manter uma boa produção. “Promover uma feira numa fase como essa pode até causar estranhamento, mas é exatamente neste momento que o produtor deve garantir sua produção e um dos fatores é investir em fertilização. E a feira oferece melhores condições para o produtor adquirir insumos e equipamentos”, disse. O diretor da Copercana, Lelo Bighetti, acredita que a feira será de suma importância aos cooperados e associados, pois oferecerá a eles o prazo que o agricultor precisa para passar por esta fase de turbulência. “Nós estamos fazendo esta feira pelo diferencial que ela traz para os produtores que necessitam de preços, prazos e condições de pagamentos especiais”, assegura. Em relação à crise financeira mundial, Lelo acredita que todo o setor agrícola foi atingido pela escassez de crédito. “Os bancos simplesmente cortaram o dinheiro do dia para noite, deixando esse pessoal sem saber para que lado ir. Hoje há muitas promessas sobre o fim da escassez de crédito, mas somente promessas. Felizmente nós, aqui da Copercana, Presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan Diretor da Copercana, Lelo Bighetti estamos conseguindo apoiar esses trabalhadores no que é necessário. Prova disso é a realização desta feira”, disse. Assim como o ano passado, durante a feira será realizado um rali voltado aos cooperados e associados do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. A prova dá direito a participar do sorteio de três televisões LCD de 42 polegadas mas, para isso, é necessário que o cooperado ou associado visite os estandes e preencha toda a cartela que será entregue na entrada do evento. Vitrine - A feira será uma verdadeira vitrine de produtos e equipamentos para serem usados nas lavouras. Além disso, durante o evento haverá palestras técnicas e os produtores terão atendimento especial com os agrônomos da Canaoeste. 18 Revista Canavieiros - Junho de 2009 Revista Canavieiros - Junho de 2009
  19. 19. Reportagem de Capa Copercana O produtor de cana Sérgio Galdeano, por exemplo, é presença garantida em todas as edições da feira. “Compareço a esta feira desde sua primeira edição. Lá encontramos facilidade de compra de insumos, com preços mais acessíveis e financiamentos mais baratos’, disse. O produtor completa que, com a chegada da crise econômica no Brasil, a insegurança tomou conta tanto dos produtores quanto dos usineiros, mas garante que o otimismo vai superar esse momento delicado. “Temos esperança que em breve tudo vai se normalizar, a produção será boa e teremos um bom preço. São eventos como este da Copercana que temos que aproveitar para adquirir novos produtos no período certo”, destacou. Assim como Galdeano, o produtor de cana Beto Bachega, cooperado e associado à Canaoeste há mais de dez anos, participou de todas as edições do Agronegócios Copercana e acredita na importância desta feira para poder melhorar e qualificar seu trabalho. “Vou à feira todos os anos para conferir os produtos, preços, prazos e condições de pagamentos oferecidos. É sempre vantagem para nós, cooperados, aguardarmos este evento para fazermos novas aquisições”, acredita Beto. Presidente da Copercana e da Cocred, Antonio Eduardo Tonielo Entrevista com Antonio Eduardo Tonielo, presidente da Copercana e da Cocred presidente da Copercana e da Cocred "Preço melhor será a grande novidade" Qual a importância da realização desta quinta edição do Agronegócios Copercana? É muito importante por causa da dificuldade de crédito. Acredito que, de um modo geral, vamos conseguir essa parte de crédito, junto aos nossos bancos e financiadores. Eu acho que os preços caíram bastante, fazendo com que o produtor faça um negócio muito melhor que no ano passado. Quais as novidades presentes na feira este ano? Eu acho que a grande novidade que vamos ter é o preço, que está melhor que o ano passado. Essa é a novidade mais importante. A feira terá os mesmos produtos da edição passada: adubos, inseticidas, ferramentas, máquinas. A crise atrapalhou muito o produtor de cana? Os nossos preços caíram muito, as compras ficaram caras para fazer esse plantio e, desde então, viemos nos recuperando um pouco com a soja e açúcar, razoavelmente. Mas ainda tivemos muitos respingos: má remuneração, preços terríveis para o amendoim, trazendo até o produtor prejuízos significantes. O pior da crise já passou? Eu acho que o pior da crise já passou, mas ainda continuamos em crise. Ainda temos bastante dificuldade com a falta de crédito, muita preocupação, cana com preço ruim e isso sempre acaba nos distanciando do mercado. A oferta de crédito já voltou ao normal ou ainda há escassez? Acho que não voltou ao normal. Ainda temos um longo caminho para percorrer. Muita conversa de jornal e televisão quanto ao BNDS, Banco do Brasil, bancos particulares, mas o dinheiro ainda é muito curto pelo valor de negócios que temos em nosso país e isso faz com que a gente deixe de fazer outros negócios. É claro que a Copercana faz um negócio a prazo, de acordo com o que ela pode. Esperamos que agora, nos meses de junho/julho, nós teremos bas- tante pagamento para fazer às empresas e, com isso, esperamos receber de nossos cooperados para pagar os bancos, fazendo com que esse dinheiro retorne para, assim, voltarmos a financiar nossos produtores ano que vem. É possível fazer alguma previsão para o preço da cana nesta safra? Qual a tendência? Eu acho que não. Qualquer coisa que se fale em junho é muito prematura. De acordo com o meu conhecimento de tantos anos como produtor agrícola e comercial, acredito que vamos ter uma expectativa até boa para a cana, mas não podemos ter muita pressa. A tendência é ter um fechamento melhor que 2008. Estamos com o açúcar com um preço bom e quem sabe a partir de agosto não teremos uma recuperação com o álcool, que é o grande peso no preço da cana. Mesmo com a crise, vale a pena investir na cana? Quem está na cana, não sai dela. Eu acho que você tem que entrar na cana ou em qualquer produto ou cultura no momento em que está ruim porque quando você começa a colher vai ter uma melhora. É claro que quando o cenário está muito bom, acontece o que está acontecendo com muitos: todos produziram e o preço caiu. Foi assim com o amendoim, foi assim com a cana. Então eu acho que agora não é hora de sair da cana. É hora de permanecer, sempre com muita atenção. Não é porque o preço está ruim que quer dizer que vai ficar melhor ou pior amanhã. É hora de permanecer com os pés no chão. O senhor, que é uma liderança e conhece profundamente o setor sucroenergético, qual o conselho que o senhor daria para o produtor de cana? Cautela. Não adianta querer sair para outro lugar que também não vai ter grandes fortunas. Tem que se adequar, ir devagar, mas permanecer no setor e a hora que dar a virada você estará preparado pra ganhar dinheiro. Revista Canavieiros - Junho de 2009 19
  20. 20. Opinião Os prazos da Lei 10267 Luís Antônio dos Santos* A té o dia 23 de novembro de 2011, todas as propriedades com área abaixo de 500 hectares terão de dispor, conforme a lei 10267/01 e decreto 5570/05, do georreferenciamento de seu perímetro segundo os padrões apresentados na Norma Técnica para Georreferenciamento de Imóveis Rurais elaborada pelo INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). O INCRA, órgão ligado historicamente à reforma agrária e à colonização, não tem estrutura tecnológica e nem recursos humanos disponíveis e preparados para atender a sociedade brasileira nesta empreitada que mesmo vultos da História, como Napoleão Bonaparte, fracassaram. Sendo que a França é um país muito menor e menos complexo que o Brasil. Georreferenciar é medir as propriedades e apresentar as coordenadas dos seus vértices amarradas (no jargão da mensuração) ao SGB (Sistema Geodésico Brasileiro). O SGB é uma rede de precisão de pontos que estão distribuídos pelo território brasileiro e é utilizada para qualquer tido de levantamento topográfico ou científico. A solução seria a criação de um órgão nacional de cadastro e geodésia totalmente desvinculado das questões fundiárias referentes à colonização e reforma agrária. Mas, como as soluções não são fáceis e a lei 10267 está sendo aplicada normalmente, somos obrigados a conviver com a morosidade dos processos de certificação e com a percepção que todo esse trabalho será inútil, pois o dinamismo das propriedades rurais compra, venda, desmembramentos, expansão da fronteira agrícola - é muito maior que a capacidade do governo de obter, processar e gerenciar essa informação. A idéia básica do georreferenciamento é trabalhar com informações geográficas distintas que estão separadas em camadas ou feições, mas que tenham origem comum, proporcionando a possibilidade do cruzamento dessas camadas de dados para produzir uma série de informações relevantes para várias áreas do conhecimento. O georreferenciamento dos imóveis rurais visa cruzar informações do cadastro do INCRA com as dos registros dos Cartórios de Imóveis para combater principalmente a grilagem de terras e a sobreposição de títulos que poderão ser usados para obter financiamentos. Todo o processo que envolve o georreferenciamento dos imóveis rurais tem como fundamento histórico a formação e ocupação do território brasileiro, marcado por uma desorganização fundiária - com latifúndios, minifúndios, terras devolutas federais e estaduais, além de um vazio cartográfico, como o da região amazônica - que inviabiliza projetos de desenvolvimento. 20 Revista Canavieiros - Junho de 2009 Diante do que está disponível, atualmente alguns otimistas falam em trinta anos para completar este trabalho, sendo que os extremamente pessimistas - baseados nos dados do próprio INCRA em relação ao que foi feito até o momento e o que falta fazer - estimam quatrocentos anos. Podemos dizer que não será nem oito nem oitenta, desde que alguma coisa seja feita de forma rápida para revolucionar o processo de certificação e mudar o paradigma dos gestores que estão conduzindo o trabalho do georreferenciamento. O programa Terra Legal, divisão do Ministério do Desenvolvimento Agrário, responsável por colocar em prática um texto polêmico em discussão no Congresso – que é a Medida Provisória 458/2009, que dispõe so- bre a regularização fundiária da Amazônia Legal -, dá claros sinais de que, apenas seguindo a lei 10267 e a Norma do INCRA, não vamos chegar a lugar algum. Ou então, vamos chegar tarde demais. Conversando com alguns profissionais que se especializaram em projetos de georrefernciamento de imóveis rurais em São Paulo, constatamos que a lentidão é a verdadeira norma. Não vamos contar todos os casos, mas há profissional que desde 2001, ano em que começou a certificação, protocolou sessenta processos, mas apenas 10 chegaram ao seu destino final, que é a geração de uma nova matrícula retificada no registro de imóveis. Outro profissional, em três anos, certificou e registrou 30 processos, uma média de 10 por ano. Tentamos obter dados estatísticos sobre a evolução dos processos de certificação, mas fomos informados que estes dados não estão disponíveis e que para obtê-los seria necessário fazer um requerimento à Superintendência do INCRA. Portanto, a ideia de se fazer o georreferenciamento a “toque de caixa” certamente vai esbarrar na morosidade e na burocracia do trabalho em si, no processo de certificação e no próprio órgão responsável. Lembrando que a burocracia pode fazer com que outros interesses se tornem parte do processo. *engenheiro agrimensor e analista de geoprocessamento da Canaoeste
  21. 21. Revista Canavieiros - Junho de 2009 21
  22. 22. 22 Revista Canavieiros - Junho de 2009
  23. 23. Revista Canavieiros - Junho de 2009 23
  24. 24. Informações Setoriais CHUVAS DE MAIO e Prognósticos Climáticos e Prognósticos Climáticos No quadro abaixo, são apresentadas as chuvas do mês de Maio de 2009. Engº Agrônomo Oswaldo Alonso Assessor Técnico Canaoeste Com exceção de FrancaIAC/Ciagro, Usinas Batatais, da Pedra e Ibirá (nesta, foi muito acima), em todos os demais locais observados, as chuvas anotadas durante o mês de MAIO deste ano "ficaram" abaixo das respectivas médias históricas, possibilitando muito boa operacionalidade de colheita de cana. Mapa 1:- Água Disponível no Solo entre 18 a 20 de MAIO de 2009. O Mapa 1, acima, mostra que, no período de 18 a 20 de MAIO, o índice de Água Disponível no Solo já se apresentava como médio a crítico em quase toda área sucroalcooleira do Estado de São Paulo. Excetuando-se as regiões extremo Noroeste, Leste (entre Franca e São João da Boa Vista) e parte da região Sudoeste (Ourinhos a Avaré). 24 24 Revista Canavieiros - Junho de 2009 Revista Canavieiros - Junho de 2009 Mapa 2:- Água Disponível no Solo ao final de MAIO de 2008. O Mapa 2 - MAIO de 2008 - mostra que a Disponibilidade Hídrica do Solo encontrava-se crítica em partes das faixas Norte e Leste do estado. Ao final de MAIO de 2009 (Mapa 3), acentuou-se a baixa e até crítica Disponibilidade Hídrica do Solo observada até meados de MAIO (Mapa 1), estendendo-se para quase toda área Sucroalcooleira do Estado. ÁGUA, usar s ÁGUA, usar s Protejam e preservem as n Protejam e preservem as n
  25. 25. Informações Setoriais Mapa 3:- Água Disponível no Solo, a 50cm de profundidade, ao final de MAIO de 2009. Para subsidiar planejamentos de atividades futuras, a CANAOESTE resume o prognóstico climático de consenso entre INMET-Instituto Nacional de Meteorologia e INPE-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais para os meses de junho a agosto. · A temperatura média e as chuvas para os meses de junho a agosto deverão ser próximas das normais climáticas em praticamente toda área canavieira da Região Centro Sul; · Como referência de chuvas na região:- as médias históricas, pelo Centro Apta-IAC - Ribeirão Preto, são de 25mm em junho e de 20mm em julho e agosto. Mapa 4:- Prognósticos de chuvas - Consórcio INMET e INPE - no trimestre junho a agosto, onde azul corresponde a normalidade climática e, em verde, entre próxima a acima da média histórica. A área em verde corresponde à quase toda faixa sucroalcooleira da Região Nordeste do Brasil. Elaboração CANAOESTE. Especificamente para a Região de abrangência CANAOESTE, a SOMAR Meteorologia mostra que, na média dos meses junho a agosto, o seu prognóstico será de chuvas dentro das médias históricas, a exemplo do INMET e INPE. Quanto às temperaturas, a SOMAR assinala que, até agosto, poderão se manifestar mais dois episódios intensos de frio. Entretanto, sem poder afirmar, no momento, que ocorrerá geadas. A CANAOESTE estará divulgando as proximidades destes episódios. Neste início de safra, evitem dúvidas quanto as sequências e procedimentos de colheita, tratos mecânicos e químicos de soqueiras. Consultem os Técnicos CANAOESTE. sem abusar ! sem abusar ! nascentes e cursos d’água. nascentes e cursos d’água. Revista Canavieiros - Junho de 2009 Revista Canavieiros - Junho de 2009 25 25
  26. 26. Artigo Técnico Lições das crises Lições das crises Cleber Moraes, consultor da CANAOESTE e M. Moraes Consultoria Agronômica Ltda J á discutimos em outras edições deste mesmo periódico a componente cíclica das crises do setor sucroalcooleiro. Figura 1 – Preços do Açúcar na Bolsa de Nova York na década de 70 e início da década de 80: No livro “A Desregulamentação do Setor Sucroalcooleiro do Brasil”, de Márcia Azanha Ferraz Dias de Moraes (2000), é apresentado o gráfico abaixo que ilustra as crises dos anos de 1976/1977 e 1981/1982. Posteriormente a essas crises vieram as de 1990/1991, 1999/2000 e, a mais recente delas, a de 2007/2008. Exceto entre as crises de 1976/ 1977 e 1981/1982, cujo intervalo foi de cinco anos, nas demais os intervalos circularam entre sete e nove anos, dependendo do momento em que se entende que as crises tenham se iniciado. No gráfico da figura 2 ao lado, pode-se observar a produção brasileira de cana-de-açúcar a partir da safra 1990/1991. É possível notar que, após os momentos de crise, há uma redução significativa da produção canavieira e que se reflete na recuperação dos preços, que pode ser observado na figura 3. Figura 2 – Produção Brasileira de Cana-de-açúcar: Note-se também no gráfico 3 que, quando há dois anos seguidos de acréscimos significativos de açúcar (maiores do que 4 milhões de toneladas) nos estoques mundiais de açúcar (barras em vermelho no gráfico 3), o setor passa por uma crise. Os piores momentos da crise de oferta e demanda do setor sucroalcooleiro, no histórico que estamos tratando, são as três safras seguintes ao pico de preços. A repetir-se este cenário, as safras de 2007/2008, 2008/ 2009 e 2009/2010 são as que maiores estragos podem causar no setor. Já é voz corrente nas principais consultorias de mercado do setor sucroalcooleiro, que na safra 2010/ 26 Revista Canavieiros - Junho de 2009 Fonte: UNICA/CONAB 2011 deverá haver uma queda na moagem de cana no Brasil e que esse cenário provocará uma recuperação de preços. Entretanto, cumpre relembrar o ocorrido entre as safras 2000/ 2001 e 2001/2002, em que o mesmo cenário de recuperação dos preços do açúcar em dólares, conjugado com uma excelente condição climática no Brasil, ocasionou uma super-
  27. 27. Artigo Técnico Figura 3 - Evolução dos Preços de Açúcar em NY e dos Estoques Mundiais de Açúcar safra em 2002/2003 que ainda foi favorecida por uma maxidesvalorização do real frente ao dólar, mas que teve todos os reflexos negativos na safra 2003/2004. Passados os três anos iniciais de crise e com a recuperação dos preços, na história destes mais de 30 anos do setor observa-se uma corrida ao ouro com aumento das reformas dos canaviais que fazem por reforçar a recuperação de preços e uma forte expansão que redundará na crise seguinte. É de suma importância que os produtores de cana-de-açúcar te- nham consciência desse ciclo e se preparem para entrar mais fortalecidos na próxima crise que virá. Os volumes de produção e os montantes em valores monetários do setor são cada vez maiores e as crises tendem a ser cada vez mais intensas com picos, que levam à euforia, e vales, que podem levar à falência. É importante que na próxima fase de recuperação do setor sucroalcooleiro, os produtores reduzam seus níveis de endividamento, evitem grandes expansões e aumentem suas escalas. Parece ambígua a condição proposta, pois evitar expansões significa manter a escala de produção, mas o aumento de escala deverá ocorrer pela composição de sociedades onde dois, três ou mais produtores formem uma nova empresa e atuem como sócios da mesma participando de sua gestão ou do seu conselho. Em abril de 2003, logo após a fase mais difícil da crise de 1999/2000, fizemos um estudo e uma série de palestras em todas as filiais da CANAOESTE. O momento é muito parecido e voltamos a reforçar o que já foi dito naquela data. O tema das palestras foi “Estudo de escala de Produção – Produtor de Cana-de-açúcar” e as recomendações finais eram: · Fornecedores agruparem-se em pools de no mínimo 50.000 ton; · Evitar a terceirização de atividades fins: - Plantio; - Tratos Culturais. · Envolver os herdeiros nas atividades da propriedade; · Manter controle dos principais indicadores da empresa agrícola. As recomendações continuam as mesmas e serão importantes para que um maior número de produtores usufrua da recuperação que virá e sobreviva à nova crise do setor. Revista Canavieiros - Junho de 2009 27
  28. 28. Artigo Técnico II Perdas de cana e impurezas vegetais e minerais na colheita mecanizada Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional de Produto – CTC José Guilherme Perticarrari Coordenador de Pesquisa Tecnológica - CTC Fernando Pedro Reis Brod Pesquisador – Engº Agrícola – CTC I ntr odução - A mudança no siste ma de colheita da cana, do corte manual com carregamento mecanizado para totalmente mecanizado com colhedoras e mais recentemente, corte mecanizado sem queimar (cana crua), resultou inicialmente em elevação acentuada nas perdas de cana, podendo ultrapassar a 15% e aumento nas impurezas vegetais e minerais enviados à indústria. A quantidade de matéria vegetal (palha, ponteiros e folhas verdes) na cana crua é bem maior comparada à cana queimada. Se não for expelida pela colhedora durante o processo de co- lheita, a densidade de carga diminui, aumentando custos de transportes, bem como a eficiência de extração do caldo na indústria é menor. Desta maneira, a quantificação de perdas é indispensável para gerenciar o processo de colheita. Com o início da safra de 2009, vêm as dúvidas: colher mais cana e impurezas vegetais e minerais ou cana mais limpa com maiores perdas no campo? Avaliações rotineiras de campo são necessárias para definir melhor qual o procedimento a ser tomado. Tipos de perdas de cana As perdas de cana durante a colheita podem ser classificadas em visíveis e invisíveis. As perdas visíveis são aquelas que podem ser detectadas no campo e ocorrem na forma de cana inteira, toco, tolete e pedaço de cana e são facilmente identificadas e coletadas no campo. Além das perdas visíveis, outra parcela de cana é perdida na colheita mecanizada, cha- 28 Revista Canavieiros - Junho de 2009 Caldo mada de perdas invisíveis que ocorrem na forma de caldo, serragem e pequenos estilhaços, durante o processamento interno da matéria-prima na colhedora, devido aos impactos mecânicos dos sistemas de corte, picagem, transporte e limpeza. O CTC(Centro Tecnologia Canavieira) vem estudando e quantificando estes parâmetros visando minimizá-los. Perdas invisíveis A denominação “perdas invisíveis” se deve ao fato destas serem difíceis de serem identificadas e principalmente quantificadas no campo. A magnitude das perdas invisíveis é função de vários parâmetros, dentre os quais merecem maior destaque: estado das facas dos discos de corte de base e facão picador; tipo de lâmina do corte de base ou modelo de facão picador (síncrono ou rotativo); velocidade de rotação dos extratores; tamanho do tolete; variedade de cana Figura 1: Perdas invisíveis na forma de caldo, serragem e estilhaços. Serragem (propriedades físicas); tipo de colheita (com ou sem queima), e modelo de colhedora. Seus valores podem se situar entre 2,0 e 5,5%. O CTC realiza ensaios (em condições controladas) para quantificar estas perdas invisíveis objetivando conhecer as origens ou causas das perdas e atuar no processo e efetuar as correções necessárias para a sua incidência (Figura 1). Estilhaço
  29. 29. Artigo Técnico II Perdas visíveis Figura 5: Componente das perdas denominado cana inteira. As perdas visíveis estão associadas às características da área a ser colhida: 1- Varietais (produtividade, tombamento, teor de fibra, comprimento do palmito, quantidade de palha, isoporização, etc.), 2- Preparação da área (padronização do espaçamento entre linhas, comprimento da área, sistematização do plantio, depressões e torrões, quebras de lombo, qualidade de cultivo, dificuldade de visualização, etc.); e também à operação em si da colheita que envolve treinamento dos profissionais, velocidade da colhedora compatível com o estado do canavial e em sincronismo com o reboque ou caminhão, situação dos equipamentos da colhedora, principalmente facas de corte de base e do rolo picador de toletes, velocidade do exaustor primário da colhedora, altura da carga, altura de corte de base, manutenção do equipamento, desponte, horário da colheita, altura de carga, etc. Figura 2: Demonstrativo do esquema de amostragem. Figura 3: Aspecto visual da área após a coleta do material. A quantificação destas perdas facilita as correções de falhas operacionais. As referentes às características do canavial poderão ser apenas minimizadas, principalmente com a redução da velocidade da colheita. a) Metodologia de amostragem - A representatividade de uma amostragem depende da homogeneidade da área, das repetições e do tamanho das parcelas. Deve-se amostrar no mínimo 10 pontos aleatórios por área liberada de colheita e uma amostragem não deve ultrapassar três hectares de representatividade. O CTC adota uma área de parcela de 10 m2 (Figura 2 e Figura 3) abrangendo duas linhas de cana (3,3m x 3,0m = 2 linhas de 1,5m). Cana Inteira - pedaço de cana igual ou maior que 2/3 do tamanho normal da cana do canavial avaliado, podendo ou não estar presa às raízes Figura 6: Componente das perdas denominado cana-ponta. Cana Ponta - pedaço de cana agregada ao ponteiro. A retirada de cana ponta é feita quebrando-se manualmente o colmo no ponto de menor resistência Figura 7: Componente das perdas denominado tolete. Espaçamento entre linhas As perdas são calculadas de forma absoluta (t/ha) multiplicando-se o valor final em peso por 1.000, para a área de 10 m2. Para o valor em porcentagem dividese este valor pela produtividade + o valor: Na área demarcada, as sobras de cana são coletadas e os componentes são separados e pesados da seguinte forma: cana inteira, pedaços de cana, lascas, toletes, toco e cana ponta (cana agregada ao ponteiro). Estes componentes estão apresentados a seguir (Figura 4 a Figura 9): · Figura 4: Componente das perdas denominado toco. Tocos - pedaço de colmo preso à soqueira, acima do solo e menor que 20cm. Acima desse tamanho é considerado pedaço (Figura 4): Toletes - pedaço de cana esmagado ou não com corte característico do facão picador ou corte de base em ambas as extremidades Figura 8: Componente das perdas denominado lascas. Lascas - São fragmentos de cana totalmente dilacerados Revista Canavieiros - Junho de 2009 29
  30. 30. Artigo Técnico II Figura 9: Componente das perdas denominado pedaço. cana que são diretamente influenciados pela rotação do extrator primário. Á medida em que se aumenta a rotação, os toletes são succionados junto com a palha e a terra. Ao passarem pelo exaustor são dilacerados em pedaços, lascas, serragem e caldo, estes dois últimos perdas invisíveis. Impurezas mineral e vegetal Pedaços - variações de cana que não se encaixam nas definições anteriores; sem as características de toco, canas inteiras, tolete, lasca e cana ponta Após a separação do material, cada um dos itens é pesado e os resultados são anotados em planilhas padronizadas. Nestas planilhas devem ser anotadas as características da cana e do terreno onde os levantamentos foram feitos. Também devem ser anotadas quaisquer variáveis que podem interferir no resultado das perdas, tais como irregularidades do terreno como sulco fundo, infestação de mato, curvas de nível, abertura de aceiro, área com queda de toletes dos transbordos, pedras na área de colheita, declividade do terreno, etc. Para efeito de comparação, levanta-se a participação das perdas de acordo com as categorias apresentadas anteriormente (tolete, cana inteira, lascas, pedaço, toco e cana ponta). A participação é expressa em porcentagem e facilita a identificação de onde as perdas são originadas. Após a obtenção dos índices de perdas, pode-se fazer a classificação dos resultados em perda alta, média ou baixa, de acordo com os valores médios apresentados a seguir (Tabela 1). O conhecimento dos tipos de perdas facilita a interpretação dos resultados e direcionam as correções. Percebe-se que o fator mais representativo nas perdas são os pedaços (lascas) de Tabela 1: Classificação das perdas Nível de Perdas Baixo Médio Alto 30 Percentual de Perdas (%) < 2,5 2,5 < 4,5 > 4,5 Revista Canavieiros - Junho de 2009 A carga resultante da colheita mecanizada deveria ser composta apenas de cana. No entanto, ela apresenta também outros materiais indesejados, denominados impurezas que podem ser de duas origens: mineral e vegetal. A presença desse material na carga causa interferência no processo de fabricação de açúcar e álcool, causando desgastes em equipamentos e interferindo na qualidade do produto final. Como a limpeza do material é realizada pelos extratores primário e secundário, há uma relação direta entre perdas e impurezas. Caso a redução das perdas seja priorizada, uma maior quantidade de palha irá seguir para a usina junto com a cana, reduzindo a densidade de carga e tornando o transporte mais oneroso. A tomada de decisão neste caso é utilizar uma rotação dos extratores condizente com a variedade da cana e as condições do canavial. A impureza mineral é composta por terra e pedriscos e a vegetal compõese de palha e ponteiros vindos da matéria-prima. O sistema de limpeza da colhedora tem como função separar esses materiais da carga. No entanto, parte ainda permanece junto com a cana, sendo levada para a usina onde pode alterar a qualidade do açúcar. A impureza mineral é extremamente danosa à indústria. Causa desgaste excessivo em inúmeros equipamentos industriais por abrasão, aumenta a perda de sacarose, aumenta as paradas da usina pelo desgaste, quebras de equipamentos e exige mudanças no processo. Valores aceitáveis (Tabela 2) de impurezas minerais estão entre 3 a 6 kg t-1 cana (0,3 a 0,6%). Tabela 2: Classificação de Impurezas minerais Classificação das impurezas minerais Baixo Médio Alto Percentual de impurezas minerais (%) < 0,3 0,4 < 0,6 > 0,6 A impureza vegetal resulta em menor peso de carga no transporte e menor eficiência de extração de caldo por parte da indústria e a classificação utilizada pelo CTC está na Tabela 3. Tabela 3:Classificação de Impurezas vegetais. Classificação das impurezas vegetais Baixo Médio Alto Percentual de impurezas vegetais (%) <3 4a6 >7 Considerações finais A velocidade de rotação do extrator primário é o principal elemento nas magnitudes das perdas de cana e impurezas na matéria-prima, assim ressalta-se a importância de se planejar a regulagem da colhedora diante das diferentes condições que serão encontradas na colheita. Variedades com alta presença de massa foliar exigiriam maior velocidade de rotação, enquanto canaviais com menor produtividade e consequentemente massa vegetal reduzida, poderiam ser colhidos com regulagens distintas da condição anterior. Avaliações periódicas das perdas e impurezas podem ajudar na definição de rotações ótimas, em função das diferentes condições de colheita. A influência do componente “lascas”, que basicamente são toletes que foram succionados pelo fluxo de ar, sendo assim dilacerados pelo choque com as pás do extrator apresenta a maior variação conforme a rotação do extrator primário. Para a redução das perdas o CTC sugere treinamento dos operadores de colhedora e acompanhamento da operação durante a safra por técnico da área de Treinamento e Capacitação Tecnológica analisando as condições do talhão, tombamento da cana, comprimento de trabalho, sistema de caminhamento e aceiro, altura de trabalho do corte de base/ corte de ponta, velocidade da colhedora, sincronização colhedora/caminhão, distribuição dos equipamentos na área, cultivo e quebra do meio (lombo).
  31. 31. Novas Tecnologias Embrapa investe em cana tolerante à seca Da Redação Variedade transgênica é voltada às novas fronteiras para a cultura Foto: Leonardo Ferreira A Embrapa Agroenergia desde agosto de 2008 trabalha com a transformação genética de cana-de-açúcar para tolerância à seca. Em uma perspectiva técnica de até sete anos, o setor sulcroalcooleiro poderá contar com esta nova variedade. Atualmente, ainda não existe variedade de cana-de-açúcar transgênica comercial. De acordo com o pesquisador da Embrapa Agroenergia, Hugo Molinari, o método de transformação mediado por biobalística é mais utilizado atualmente na produção de cana geneticamente melhorada devido à maior simplicidade e praticidade de aplicação. “Quando se trabalha com transgênicos, é preciso fazer vários estudos para provar que eles podem ser utilizados e que são equivalentes a uma outra planta que não sofreu a inserção da característica desejada”, salienta Molinari. caso da pesquisa em andamento, o aumento da tolerância à seca. O melhoramento clássico de canade-açúcar convencional é um processo demorado e trabalhoso. Atualmente, com este processo são necessários de 12 a 15 anos para obter uma nova variedade. Por meio da transgenia é possível a redução do período para sete anos. Este método oferece vantagem de modificar somente a característica de interesse, no A tecnologia desenvolvida pode ser uma alternativa para o melhor aproveitamento de muda e eficiência de planta, visando impulsionar a produção de cana-de-açúcar no Brasil para as áreas de expansão. De forma geral, estas áreas têm como características solos com baixa fertilidade, altas temperaturas e baixa precipitação pulviométrica. Laboratório da Embrapa serve de base para o desenvolvimento de variedade de cana tolerante à seca. As pesquisas são desenvolvidas em parceria nos laboratórios da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília/DF), que possuem todas as características exigidas pelas normas da CTNBio para estudos com organismos geneticamente modificados. Além dessa parceria, a Unidade conta com o apoio da Japan Internacional Research Center for Agricultural Sciences, Jircas, empresa de pesquisa vinculada ao governo japonês. Revista Canavieiros - Junho de 2009 31
  32. 32. Novas Tecnologias II CTCSat – Mais um produto CTCSat Mais um produto do CTC disponibilizado aos do CTC disponibilizado aos fornecedores fornecedores Mauro Sampaio Benedini - Gerente Regional (CTC) Jorge Luis Donzelli - Coordenador de Pesquisa Tecnológica (CTC) I NTRODUÇÃO – O CTC (Centro de Tecnologia Canavieira) atua há mais de 30 anos no desenvolvimento de tecnologias inovadoras para o setor canavieiro, realizando pesquisas para toda a cadeia produtiva da canade-açúcar, do campo à indústria. Essa ampla atuação garante que os esforços no desenvolvimento de novas tecnologias para o mercado se convertam em benefícios para todo o setor, o que garante seu desenvolvimento equilibrado e permite acumular ganhos de eficiência nas diversas etapas do processo produtivo. O NOVO PRODUTO CTCSat O Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto aplicado à Cana-deAçúcar é uma das linhas de pesquisa do CTC, que faz parte da Coordenadoria de P&D em Agronomia. Nesse programa são desenvolvidos trabalhos com o objetivo de se obter ferramentas e metodologias para auxílio na tomada de decisão a partir do monitoramento e gerenciamento agrícola utilizando geotecnologias como imagens de satélite, sistemas de informação geográfica, GPS entre outras. Essa área de pesqui- PRODUTOS CTC O CTC se destaca por disponibilizar aos seus filiados além das variedades de cana melhoradas, também toda a tecnologia da cadeia produtiva da cana. Desde a sua fundação em 2004, o CTC vem inovando no atendimento aos associados com lançamento de produtos CTC. O atendimento às associações é realizado pelos gerentes regionais (Figura 1). sa resultou no CTCSat - Monitoramento com Imagens de Satélite. Esse novo produto institucional tem como objetivo contribuir para maior competitividade de nossos associados por meio de um melhor controle da extensa área plantada, aumentando a eficiência no gerenciamento, visando redução dos custos de produção e maior agilidade na tomada de decisão. Os trabalhos foram iniciados em maio de 2009 por meio do recebimento dos mapas de propriedades de filiados às associações que aderiram ao programa e que, após o processamento com imagens de satélite, deverão resultar em Mapas Gerenciais mostrando alterações no desenvolvimento/crescimento/produção da cana-de-açúcar. Figura 2 – CTCSat. Maior agilidade no gerenciamento das propriedades. Figura 1 – Associações de fornecedores filiadas ao CTC e atividades desenvolvidas. 32 Revista Canavieiros - Junho de 2009 BENEFÍCIOS – Inúmeros são os retornos econômicos esperados com a visualização precoce de problemas de produção nas áreas de um determinado produtor tais como, redução do número de amostragens para controle de pragas e outras ocorrências; redução no tempo de correção pela identificação precoce do problema com cana-deaçúcar; redução do custo de produção agrícola; aumento da produtividade agrícola; auxiliar na tomada de decisão para o planejamento das áreas de reforma e monitoramento sistemático de toda a área; entre outros.
  33. 33. Novas Tecnologias II OUTROS PRODUTOS CTC Os produtores filiados às Associações de Fornecedores de cana associadas ao CTC tem direito ao acesso às tecnologias desenvolvidas pelo CTC, dentre elas: Variedades CTC - O Programa de Melhoramento Genético da Cana-deAçúcar, desenvolvido pelo Centro de Tecnologia Canavieira, foi iniciado em 1969 pela Copersucar que até 2004 lançou 53 variedades SP. Entre 2005 e 2008, foram liberadas comercialmente 18 variedades CTC, com rápida expansão na área (Figura 3). Muda Sadia - O produto Muda Sadia, com sua equipe regionalizada, iniciou em 2006 a orientação e treinamento de técnicos das associadas com uma série de atividades: disponibiliza os clones promissores que serão futuras variedades CTC; acompanha e auxilia na condução técnica dos viveiros de mudas; tratamento térmico, roguing; capacita o corpo técnico da associada com diagnóstico, mapeamento e controle de pragas e doenças, auxilia no planejamento varietal e ainda oferece diversos treinamentos. Estima-se que haja um ganho em torno de 3 tc/h/ano com a utilização deste produto. Carta de Solos e Ambientes de Produção - A partir de maio de 2008, todas as associadas ao CTC tiveram o direito ao início do mapeamento e classificação dos solos em suas áreas com a implantação do produto "Carta de solos e Ambientes de Produção". Todas as associadas que aderirem ao programa terão 100% da área mapeada em cinco anos, visando alocação das variedades nos ambientes de produção recomendados, utilizando-os de forma otimizada, aumentando a produtividade. Cursos pela internet (à distância) - Desde o início de 2008, o CTC vem disponibilizando em seu site www.ctcanavieira.com.br cursos diversos, seminários, palestras e artigos técnicos, com acesso permitido a todos os fornecedores de Figura 3 – Previsão de plantio de variedades comerciais em 2009. cana das associações filiadas ao CTC. São mais de 20 cursos disponibilizados e 18 artigos técnicos, estes com enfoque exclusivo aos fornecedores de cana. Proficiência interlaboratorial - O programa de controle de qualidade do caldo é oferecido pelo CTC desde 1992, e nesta safra teve a participação de seis associações de fornecedores, que são as que possuem laboratórios próprios de análise de cana. Este programa tem como objetivo determinar o desempenho dos laboratórios das associadas e contribuir na ampliação da credibilidade dos resultados nas análises realizadas. NOVAS FORMAS DE ATUAÇÃO DO CTC O CTC apresentada as seguintes novidades para o ano de 2009: Ambientes de produção edafocli- tindo maiores incrementos na promáticos – Devido à alta diversidade dutividade. A análise dos novos climática da região canavieira atual- materiais genéticos via validação mente atendida pelo CTC, um mesmo agronômica em todas as associaambiente edafo submetido a regimes das, aliada ao melhoramento e enclimáticos diferentes apresentam pro- saios experimentais regionais, produtividades diferentes. O CTC irá porcionará resultados significaticaracterizar todos os ambientes cli- vos na seleção regionalizada. máticos das associadas no ano de Nova Biofábrica - Devido à cres2009 e disponibilizá-los aos que estiverem caracterizando seus ambientes cente demanda por mudas de variede produção pelo produto Carta de dades, o CTC irá disponibilizar anualmente alguns milhões de mudas de Solos. meristema com a sua nova biofábrica Pólos de pesquisa em cada as- que irá acelerar a multiplicação de sociada - Desenvolver variedades variedades, conforme solicitação anperfeitamente adaptadas às condi- tecipada e com maior segurança fições edafoclimáticas e de manejo tossanitária e redução de custos com de cada associada do CTC, permi- o tratamento térmico. Revista Canavieiros - Junho de 2009 33
  34. 34. Assuntos Legais Art - anotação de responsabilidade técnica: Obrigatoriedade A Lei Federal Nº 6.496, de 07 de dezembro de 1977, instituiu em nosso sistema a ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), documento que deve ser emitido para a execução de obras ou prestação de quaisquer serviços profissionais referentes à Engenharia, à Arquitetura e à Agronomia. A AR T define para os efeitos legais os responsáveis técnicos pelo empreendimento de engenharia, arquitetura e agronomia, sendo expedida pelo profissional ou pela empresa no CREA (Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia), de acordo com Resolução própria do CONFEA (Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia), órgão incumbido de fixar os critérios e os valores das taxas da ART ad referendum do Ministro do Trabalho. Referida legislação determina que a falta de registro de ART em empreendimentos nessas áreas ensejará a notificação por exercício ilegal da profissão, se não houver participação de profissional habilitado ou de notificação por falta de ART, se houver a presença de profissional legalmente registrado no sistema CONFEA-CREA. Cumpre esclarecer que os valores arrecadados com a ART se prestam a cobrir os custos de registro e viabilizar as ações de fiscalização, normatização da legislação, dentre outras atinentes ao CONFEA e aos CREAs, bem como as ações de desenvolvimento técnico e social dos profissionais. Os profissionais do próprio Sistema CREACONFEA poderão fiscalizar se a legislação está sendo respeitada e aplicar as penalidades legais (notificação, multa, etc.), dando prazo para que o fiscalizado possa se defender. Juliano Bortoloti - Advogado Departamento Jurídico Canaoeste Em vista do exposto, cumpre-nos esclarecer que, na área rural, quando o produtor for contratar profissionais para a prestação de serviços agronômicos, deverá exigir a expedição da ART, sob pena de ser notificado e, após, multado por estar desrespeitando a legislação. Certificação sócio-ambiental: A chave para comercialização da produção P rezados produtores rurais e industriais, é pública e notória a pressão que a sociedade vem fazendo junto ao setor do agronegócio para que a produção seja sócio, econômico e ambientalmente sustentável. Isso está se refletindo na comercialização dos produtos oriundos da terra. O mercado consumidor, principalmente o internacional, exige que o produto final seja produzido de acordo com determinadas regras de conduta sócio-econômico-ambientais. Reportagem veiculada no jornal Valor Econômico, de 29/05/2009, de Bettina Barros, denominada “Cana-de-açúcar agora terá certificação global”, informa que o Brasil está liderando um movimento para “lançar mão de certificação global que garanta melhores práticas agrícolas, ambientais e sociais ”, em razão de pressão da comunidade internacional sobre a sustentabilidade da produção do setor sucroalcooleiro. Na mesma reportagem, a assessora internacional da União da Indústria de Cana-deAçúcar (Unica), Geraldine Kutas, informa que “a certificação deve começar em 2010” e que “Cerca de 70% do setor mundial de cana-deaçúcar está envolvida na iniciativa. Queremos que seja um negócio ´mainstream´ (global) e não apenas de nicho ” 34 Revista Canavieiros - Junho de 2009 Ainda segundo o jornal, para obter a certificação do Imaflora (Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola), único apto a auditar projetos no Brasil até o momento, visando obter o selo Rainforest Alliance, criado pela Rede de Agricultura Sustentável nos anos 90, há a necessidade de seguir dez princípios e 100 critérios nas áreas ambiental, social e agronômica e, ainda, que já há duas empresas brasileiras que demonstraram interesse na certificação: o grupo Balbo, de Sertãozinho (SP) e o Adecoagro, com sua usina em Angélica (MS). a compatibilidade desses programas e, para isso, o Brasil precisa apresentar o realizado aqui para um debate junto à União Europeia”. Nesse sentido, em reportagem veiculada no sítio eletrônico ambientebrasil.com.br, de 04.06.2009, cuja fonte é o Estadão Online, tem-se a notícia que a União Européia, convencida de que não conseguirá produzir e terá que importar biocombustíveis para cumprir a meta de adicionar 10% de renováveis em sua matriz de combustíveis até 2020, já se manifestou por meio do conselheiro da delegação da Comissão Europeia no Brasil, Fabian Delcros, de que o combustível, incluindo o etanol, terá de ser certificado e dentro dos padrões da União Europeia, pois “Quem quiser exportar para a Europa precisa ter sustentabilidade e o Brasil até tem um programa nesse sentido”, acrescentando que “a questão é se há Nesse sentido, os produtores rurais terão de se adequar às referidas normas, sob pena de não conseguirem, em um futuro próximo, comercializar sua produção junto às unidades industriais, tendo em vista que estas, ao se certificarem, certamente irão exigir o mesmo de seus fornecedores. Verificamos, então, que os empreendimentos certificados, inclusive a produção agrícola da cana-de-açúcar, poderão se utilizar da certificação em materiais de divulgação, o que permite ao consumidor identificar produtos agrícolas de origem responsável e, certamente, abrir portas para uma melhor comercialização. Nessa esteira, o Protocolo de Cooperação Agroambiental, entabulado pelo governo do Estado de São Paulo e o setor sucroalcooleiro (UNICA e ORPLANA), se torna um importante instrumento para comprovar a sustentabilidade sócio-econômico-ambiental do produtor rural e do industrial, com vistas a uma melhor comercialização de seus produtos.
  35. 35. Destaque Safra de grãos será 6,9% menor Da redação Estiagem no Sul e o excesso de chuvas no Nordeste reduziram previsão de colheita A safra de grãos 2008/2009 deve alcançar 134,1 milhões de tonela das, queda de 6,9% na colheita em relação à safra 2007/08, quando foram colhidas 144,1 milhões/toneladas, quase 10 milhões de toneladas a menos, por conta da estiagem no Sul e o excesso de chuvas no Nordeste. No entanto, a área plantada aumentou de 47,4 para 47,6 milhões de hectares. É o que mostra levantamento da Conab divulgado no último dia 8. A região Sul, responsável por 39,8% da produção nacional, foi a área mais afetada pelo clima, com diminuição de 10,2% da produção, estimada agora em 53,5 milhões/toneladas. No Centro-Oeste a safra será de 48 milhões/toneladas, no Sudeste 16,7 milhões/toneladas e Norte com 3,8 milhões/toneladas. No Nordeste, as chuvas nos estados do Maranhão, Piauí e Bahia, comprometeram a produção, que será 4,9% menor, com 11,9 milhões de toneladas. Amendoim – a produção total de amendoim (primeira e segunda safras) deve atingir 294,2 mil toneladas, de acordo com o levantamento divulgado dia 8. Na safra 2007/08, a produção foi de 303,1 mil toneladas. Em São Paulo, a safra 08/09 está prevista em 227,8 mil toneladas, enquanto no ciclo passado foi de 236,4 mil/ton. Soja - As lavouras de soja também serão reduzidas em 4,8%, passando de 60 para 57,1 milhões de toneladas. O estado que mais sofreu foi o Paraná, que colheu 9,5 milhões de toneladas, queda de 20%. Revista Canavieiros - Junho de 2009 35
  36. 36. Biblioteca Cultura Cultivando a Língua Portuguesa “GENERAL ÁLVARO TAVARES CARMO” História da Cana-de-açúcar José Roberto Miranda Esta coluna tem a intenção de maneira didática, esclarecer algumas dúvidas a respeito do português “Ser feliz não é uma obra do destino, mas uma conquista de quem sabe viajar para dentro do seu próprio ser” ad 1) O chefe do departamento tem que olhar a sua equipe “sobre o ponto de vista” humano... Com o erro da preposição, o chefe não está olhando nada! Renata Carone Sborgia* Lembrando: “a expressão “ponto de vista” tem origem nas artes plásticas. O ponto de vista é aquele escolhido por um pintor ou por um desenhista para melhor observar um objeto ou para colocá-lo em perspectiva. Esse sentido ganhou extensão figurativa e passamos a empregar a expressão como a maneira de considerar ou de entender um assunto.” Entretanto, não quer dizer que qualquer preposição possa ser empregada para indicar o ponto do qual se observa ou considera algo. O uso “sobre o ponto de vista” quer dizer em cima do ponto de vista e se fosse “sob o ponto de vista” o sentido é abaixo do ponto de vista. Não estamos nem em cima nem embaixo do ponto de vista.Assumimos um ponto de vista e dele observamos a paisagem ou a questão ou algo em debate. O ideal é empregar a preposição DE com a expressão PONTO DE VISTA. Ex. :O chefe do departamento tem que olhar sua equipe “do ponto de vista” humano. 2) A surpresa: Maria está grávida! Apenas com alguns “enjôos”... Prezado amigo leitor com o Novo Acordo sem enjoos! Regra Nova-Novo Acordo: paroxítonas (a sílaba tônica é a penúltima da direita para a esquerda) com acento circunflexo no penúltimo O do hiato oo(s) (hiato:é o encontro de dois sons vocálicos, um dos quais pronunciado numa sílaba e o outro na sílaba imediatamente posterior) perdem o acento. Ex.: Maria está grávida! Apenas com alguns enjoos 3) Eles “crêem” na política brasileira... Cada um tem a sua crença! Com o “crêem” escrito ANTES do Novo Acordo Ortográfico, poderíamos crer em tudo! Depois do Novo Acordo ,para a crença valer, prezados amigos leitores, usar SEM acento. Regra Nova: paroxítonas (a sílaba tônica é a penúltima da direita para a esquerda) com acento circunflexo no penúltimo E do hiato ee(s) (hiato:é o encontro de dois sons vocálicos , um dos quais pronunciado numa sílaba e o outro na sílaba imediatamente posterior) perdem o acento. Antes: crêem Depois: creem PARAVOCÊ PENSAR: “Para dobrar o índice de sucessos, triplique seu índice de fracassos” (Wolf J. Rink) “A história tem mostrado que os mais notáveis vencedores normalmente encontraram obstáculos dolorosos antes de triunfarem. Venceram porque se negaram a serem desencorajados por suas derrotas.” ( B.C.Forbes) * Advogada e Prof.ª de Português e Inglês Mestra—USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, Consultora de Português, MBA em Direito e Gestão Educacional, escreveu a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras) com Miriam M. Grisolia 36 Revista Canavieiros - Junho de 2009 C om o objetivo de revelar um pouco mais sobre uma das mais importantes plantas de nosso país, o autor do livro "História da cana-de-açúcar", José Roberto Miranda, com o apoio da Syngenta, trás informações úteis para aqueles que a plantam e cultivam, e também àqueles que só a conhecem após virar garapa, aguardente, açúcar, fermentos, dentre outros. Trazendo informações de onde se originou a cana e quem foram seus primeiros produtores, esse livro também aborda outros temas, tais como a criação dos engenhos, o mercado brasileiro, do monopólio à crise, as influências dos índios, brancos e negros na gastronomia e nas sobremesas brasileira. Além disso, esta obra também destaca o presente e o futuro da cana-de-açúcar, nos dando, assim, uma visão mais rica e ampla sobre o assunto. Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros podem procurar a Biblioteca da Canaoeste, na Rua Augusto Zanini, nº1461 em Sertãozinho, ou pelo telefone (16)3946-3300 - Ramal 2016
  37. 37. VENDEM-SE -01 Cobridor de cana de duas linhas marca DMB, em ótimo estado, valor R$ 5.000,00. -01 Triturador marca Penha TH-3.500, Motor 15 AP, c/chave triangulo, valor R$1.000,00. -01 Moto Bomba de 15 AP, valor R$ 1.000,00. -01 Carroceria de ferro de 8 MTS p/ plantio de cana, valor de R$ 4.000,00. -01 Carroceria de ferro de 8 MTS p/ cana inteira c/cambão e cabos de aço (completa), valor R$ 5.000,00. -01 Carroceria de ferro p/plantio de cana, nova e reforçada. -01 Carroceria de ferro p/cana inteira, marca FACHINI c/cabos de aço e cambão, ano 2000. -01 Cambão p/descarga de cana inteira de 7 MTS, valor R$ 200,00. -01 Cultivador de cana, Marca DMB de 2 linhas completo, valor R$ 1.500,00. -01 Caminhão Ford Cargo Plataforma, modelo 2626 e ano 2003, semi-novo com 120.000 KM, cor Prata, pneus seminovos, com facilidade p/pagamento. -Pneus p/caminhão 1000 / 1100 c/câmaras e protetores. Tratar com Marcus ou Nelson pelos telefones: (17) 3281-5120 ou 3281-8556 Olímpia-SP VENDE-SE -01 Colhedeira de Amendoim, Dobler Master II, ano 2001. Tratar com Sérgio pelos telefones: 3942-2856 ou 9773-3334. VENDEM-SE -01 Colheitadeira de Grãos Massey Fergunson 5650 Advanced, ano 2003 com 1560 horas, com plataforma de soja de 19 pés e plataforma de milho PL-80 de 5 linhas; -01 Trator Massey Fergunson 650, ano 2003 com 3000 horas e uma Grade Aradora de 14 discos de 32 polegadas Baldan. Tratar com Mauro pelo telefone: (34) 9937-0810 ou 3821-1724. VENDE-SE -01 Caminhão chevrolet D-60, ano 78, com motor e câmbio do MB-1113, todo revisado em excelente estado de conservação. Tratar com Milton pelo telefone 91749650 ou Leonardo pelo telefone 91776227. - 01 sulcador de 2 linhas DMB - postes de aroeira - terças, caibros e porteiras - tambores plásticos vazios de 200 lts Tratar com Wilson - 17.9739.2000 Viradouro - SP VENDEM-SE -Lascas e roliços de aroeira; -Curral aroeira e ipê roxo, mais brete, balança, completo. Próximo a Jaú. R$45.000,00; -Sulcador/Cultivador para três linhas, tríplice operação, R$18.000,00; - Cobridor de cana com tanque aplicador de inseticida para três linhas, R$7.500,00; -Rolo faca "icma" 10 facas, super pesado, R$ 28.000,00; -Carreta para plantio de cana, um eixo, pneus 1.000 x 20, R$5.500,00; Tratar com João Ferreira pelo telefone: (14) 9792 1571 VENDEM-SE -V ALTRA 1880-S, ANO 1998 - VALTRA 1880-S, ANO 2001 c/ serviço de reboque -V ALTRA BH-180, ANO 2002 -V ALTRABH-180, ANO 2003 c/ serviço de reboque -V ALTRABH-160, ANO 2005 c/ serviço de reboque -V ALTRABH-160, ANO 2006 c/ serviço de reboque - Tratores c/ kits de freio + Cab Parts -V ALTRA BH-180, ANO 2008 Cabine original, 280hrs, tanque p/ diesel, 5000 lts c/ bomba, filtro, bico e mangueira. Baú p/ transporte de pessoas(16), marca Rio Preto, novo. Tratar com João Carlos Martins de Freitas pelos telefones (17) 3343-7203/ (16) 3957-1254 / 9137-8389. VENDEM-SE Curral de Aroeira para trabalhar com 1.000 bois - Idade: + ou - 35 anos Tábua de aroeira e ipê, sendo 10 repartições,tronco e seringa -02 barracões, sendo um que cobre o tronco e o outro para leite. Preço a combinar Obs: Aceita-se como pagamento tratores, caminhões e semoventes. Localidade: Município de Mesopolis na região de Jales - SP Tratar com Marco Aurélio Junqueira pelos telefones: (17) 9611-1480 ou (17) 9777-4678. VENDEM-SE - F350 ano 2001 com baú - 01 Transformador de 15 KVA -01 Transformador de 45 KVA - 01 Transformador de 75 KVA - Tijolos antigos e telhas - Lascas, palanques e mourões de aroeira VENDE-SE - 01 caminhão mercedes benz Axor 2831 ano 2007 Em caso de interesse, entre em contato com o Sra. Nair Francisca, Pelo telefone:(14) 9753 3666 ou pelo email: nfrancisca55@itelefonica.com.br. VENDE-SE - Carroçaria cana picada p/ Scania, comprimento 8200mm, Altura do giro Mancal 3900mm, Lado tombador Motorista Altura total 4300mm R$8.000,00 +32x1160, consórcio cor Amarelo. Em caso de interesse, entre em contato com o Sr. Noel Rosa, Pelo telefone:(19) 9697 7408 ou pelo email: noelrosasilva@gmail.com. Revista Canavieiros - Junho de 2009 37
  38. 38. Agende-se Julho de 2009 Simtec 2009 - Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria Sucroalcooleira Período: 30/06/2009 a 03/07/2009 Segmentos: Encontro, Exposição Cidade: Piracicaba/SP País: Brasil Telefone: 19 3417-8604 E-mail: simtec@simtec.com.br 24º SEMINÁRIO COOPLANTIO Empresa Promotora: Cooplantio - Cooperativa dos Agricultores de Plantio Direto Tipo de Evento: Seminário / Jornada Início do Evento: 01/07/2009 Fim do Evento: 03/07/2009 Estado: RS Cidade: Gramado Localização do Evento: Hotel Serrano Informações com: Cooplantio Site: www.cooplantio.com.br/seminario Telefone: 51 3481-3333 E-mail: cooplantio@cooplantionet.com.br EXPOSIÇÃOAGROPECUÁRIA - LUZ Início do Evento: 02/07/2009 Fim do Evento: 05/07/2009 Segmentos: Exposição Cidade: Luz/MG País: Brasil E-mail: sinluz@catedralnet.com.br] EAPIC - EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA, INDUSTRIAL E COMERCIAL - SÃO JOÃO DABOA VISTA Início do Evento: 03/07/2009 Fim do Evento: 12/07/2009 Segmentos: Exposição Cidade: São João da Boa Vista/SP País: Brasil EXPOAGRÍCOLA DE LINS E REGIÃO Início do Evento: 03/07/2009 Fim do Evento: 13/07/2009 Segmentos: Exposição Cidade: Lins/SP País: Brasil Telefone: (14) 3522-3855 38 38 Revista Canavieiros - Junho de 2009 Revista Canavieiros - Junho de 2009 FEXPOAN - EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA, COMERCIAL E INDUSTRIAL DE ANDRADINA Início do Evento: 03/07/2009 Fim do Evento: 13/07/2009 Segmentos: Exposição Cidade: Andradina/SP País: Brasil Telefone: (18) 3722-3469 IV SIMPÓSIO DE TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR Promotora: GAPE - Grupo de Apoio a Pesquisa e Extensão Tipo de Evento: Encontro / Simpósio Início do Evento: 06/07/2009 Fim do Evento: 08/07/2009 Estado: SP Cidade: Piracicaba Localização do Evento: Teatro Unimep - Campus Taquaral Informações com: GAPE - Grupo de Apoio a Pesquisa e Extensão Site: www.gape-esalq.com.br/simposios/cana/ Telefone: 19 3417-2138 E-mail: gape@esalq.usp.br simposiocana2009@hotmail.com CURSO DE GESTÃO TRANSFORME SUA FAZENDA: GESTÃO, LIDERANÇA E TECNOLOGIA Empresa Promotora: CRV Lagoa Tipo de Evento: Curso / Treinamento Início do Evento: 06/07/2009 Fim do Evento: 10/07/2009 Estado: SP Cidade: Sertãozinho Localização do Evento: Sede da Central Informações com: CRV Lagoa Site: www.crvlagoa.com.br Telefone: 16 2105-2299 E-mail: renata.ribas@crvlagoa.com.br EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA DE ARAÇATUBA Início do Evento: 08/07/2009 Fim do Evento: 18/07/2009 Segmentos: Exposição Cidade: Araçutuba/SP País: Brasil Telefone: (18) 3607-7826
  39. 39. Revista Canavieiros - Junho de 2009 39
  40. 40. 40 Revista Canavieiros - Junho de 2009

×