Ed26agosto08
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Ed26agosto08

on

  • 240 views

 

Statistics

Views

Total Views
240
Views on SlideShare
240
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Ed26agosto08 Ed26agosto08 Document Transcript

  • Revista Canavieiros - Agosto de 2008 1
  • 2 Revista Canavieiros - Agosto de 2008
  • Editorial Consciência ambiental O uso de materiais plásticos, tão comuns no dia-a-dia, se transformou em um problema. É que depois de usados vão para os lixões, quase sempre com sua capacidade esgotada, e muitas vezes são jogados na natureza, demorando décadas para se decompor. O que fazer diante dessa situação? Pesquisadores tentam encontrar alternativas para problemas rotineiros, mas que podem fazer uma diferença enorme quando solucionados. Foi buscando uma dessas alternativas que uma equipe de técnicos e engenheiros da Usina da Pedra, de Serrana, conseguiu montar uma plantapiloto para desenvolver o plástico biodegradável. Os resultados desse trabalho são o assunto da reportagem de capa desta edição da Canavieiros. O entrevistado deste mês é o presidente da Copercana, Cocred e Sindicato Rural de Sertãozinho, Antonio Eduardo Tonielo. Ele falou sobre as feiras Agrocana & Fenasucro, que acontecem simultaneamente de 2 a 5 de setembro em Sertãozinho. Tonielo aponta o aumento na demanda mundial de alimentos como uma oportunidade para o Brasil, que tem área e condições para crescer e produzir. A editoria Notícias Copercana traz reportagem sobre o Biocoop, departamento da cooperativa que faz a coleta seletiva de materiais, que são enviados a usinas de reciclagem de lixo. Nas páginas da Canaoeste, uma reportagem sobre a Semana Mundial de Aleitamento Materno que contou, em Sertãozinho, com o apoio do Netto Campello Hospital e Maternidade. O destaque deste mês vai para a Fenasucro e Agrocana 2008. Nos quatro dias dos eventos, são esperados cerca de 30 mil visitantes no Centro de Eventos Zanini, onde mais de 420 empresas colocarão em exposição tudo que há de mais moderno em máquinas e equipamentos voltados à indústria (Fenasucro) e à área agrícola (Agrocana). De acordo com a organização das feiras, a previsão é que os negócios realizados no período cheguem a R$ 2 bilhões, R$ 200 mil a mais do que no ano passado. O artigo técnico desta edição é assinado pelo assistente de Controle Agrícola da Canaoeste, Thiago de Andrade Silva, que traz o acompanhamento da safra 2008/2009. Para completar, o agrônomo da filial da Canaoeste em Pitangueiras, Marcelo de Felício, ensina como evitar uma praga que assusta os produtores da região: o migdolus. A Canavieiros traz, ainda, os prognósticos climáticos do dr. Oswaldo Alonso, os artigos sobre legislação do dr. Juliano Bortoloti, dicas de português, indicação de livros, agenda de eventos, repercutiu, classificados e muito mais. Boa Leitura! Conselho Editorial Revista Canavieiros - Agosto de 2008 3
  • Indice EXPEDIENTE Capa CONSELHO EDITORIAL: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson Plástico Biodegradável é de cana-de-açúcar A descoberta pode se tornar uma alternativa viável contra a poluição; produto é desenvolvido na Usina da Pedra, em Serrana Pag. Pag. 20 DESTA DESTA QUES OUTRAS Entrevista ARTIGO DO Pag. PRESIDENTE 14 Antonio Eduardo Tonielo Presidente da Copercana, Cocred e Sindicato Rural de Sertãozinho CONSECANA Pag. "Ninguém produz ganhando pouco" Pag. Pag. 05 Pag. Pag. Oportunidades de negócios associadas à expansão do setor sucroalcooleiro Pag. Pag. Notícias 08 08 10 Copercana - Copercana investe em coleta seletiva de lixo Pag. INFORMAÇÕES SETORIAIS 26 Pag. 28 ARTIGOS TÉCNICOS LEGISLAÇÃO Pag. 30 Pag. 32 Canaoeste - Netto Campello participa de campanha da amamentação Pag. Notícias Pag. PRAGAS E DOENÇAS 4 4 Revista Canavieiros - Agosto de 2008 COMERCIAL E PUBLICIDADE: (16) 3946-3311 - Ramal: 2008 comercial@revistacanavieiros.com.br DEPARTAMENTO DE MARKETING E COMUNICAÇÃO: Ana Carolina Paro, Carla Rossini, Daniel Pelanda, Janaina Bisson, Letícia Pignata, Marcelo Massensini, Rafael Mermejo, Roberta Faria da Silva. TIRAGEM: 12.000 exemplares 35 36 AGENDE-SE 37 38 Destaque Fenasucro & Agrocana 2008: Sertãozinho no centro do mundo FOTOS: Marcelo Massensini Rafael Mermejo IMPRESSÃO: São Francisco Gráfica e Editora CLASSIFICADOS Pag. DIAGRAMAÇÃO: Rafael H. Mermejo CULTURA Pag. 12 16 Cocred - Demonstração de resultado do 1ºsemestre de 2008 - Balanço patrimonial COLABORAÇÃO: Marcelo Massensini REPERCUTIU Pag. Notícias JORNALISTA RESPONSÁVEL: Carla Rossini – MTb 39.788 15 Ponto de vista Eduardo Antonio Licco e Fabricio Dorado Soler EDITORA: Cristiane Barão – MTb 31.814 Pag. Pag. 22 ISSN: 1982-1530 A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. ENDEREÇO DA REDAÇÃO: Rua Dr. Pio Dufles, 532 Sertãozinho – SP - CEP:- 14.170-680 Fone: (16) 3946 3311 www.revistacanavieiros.com.br
  • Entrevista Antonio Eduardo Tonielo Presidente da Copercana, Cocred e Sindicato Rural de Sertãozinho "Ninguém produz ganhando pouco" Carla Rossini A afirmação é do presidente da Copercana, Cocred e Sindicato Rural de Sertãozinho, Antonio Eduardo Tonielo, que concedeu entrevista exclusiva à Canavieiros. Toninho Tonielo falou sobre as feiras Agrocana & Fenasucro, que acontecem simultaneamente de 2 a 5 de setembro em Sertãozinho. O empresário e cooperativista também comentou suas expectativas em relação aos preços e mercados de cana, açúcar e álcool. Tonielo aponta a alta nos preços dos alimentos como uma oportunidade para o Brasil, que tem espaço e condições para crescer e se desenvolver. Leia, a seguir, a íntegra da entrevista. Revista Canavieiros: O que os produtores rurais que visitarem a Fenasucro & Agrocana vão encontrar de novidades? Toninho Tonielo: A cada ano que passa, os produtores encontram cada vez mais novidades. Atualmente, os sistemas de plantio e cultivo estão muito desenvolvidos, então, teremos plantadeiras de cana, GPS e mais uma série de equipamentos para a produção. As feiras, que são as maiores do mundo nesse segmento, apresentam muitas novidades interessantes para que nosso produtor de cana-de-açúcar possa melhorar seus Conselho Editorial Revista Canavieiros -Agosto de 2008 Revista Canavieiros Julho Revista Canavieiros -- Agosto de 2008 3 5
  • Entrevista equipamentos, suas tecnologias e suas condições de trabalho. ser vamos começar o ano de 2009 com um valor de ATR bem melhor do que o que nós começamos esse ano. apesar de estar longe ainda. O europeu e o americano têm muito dinheiro e protegem os seus produtores, querem segurar o emprego e a produção nos países deles e nós que pagamos, já que somos países emergentes. Revista Canavieiros: Os cooperados da Copercana, Canaoeste e CoRevista Canavieiros: Nesse períocred vão conseguir comprar com pre- do mais difícil, como devem proceder ços melhores na feira ? os produtores de cana? Tonielo: Eu acredito que eles enTonielo: O conselho para o produRevista Canavieiros: Como estão contrarão excelentes preços em máqui- tor de cana é o que falamos sempre: é as condições do açúcar no mercado nas e equipamentos porque na área de um ano que não se deve investir muito mundial? produtos químicos já é rotina da coo- e trabalhar com bastante cautela. Mas Tonielo: O açúcar no mercado munperativa praticar bons preços. E tam- eu acredito que a fase ruim da cana, do dial já começou a melhorar e esperamos bém, recentemente, realizamos o IV açúcar e do álcool está passando. que melhore ainda mais. Os preços coAgronegócios Copercana, que faturou Quem trabalhou com economia e está meçaram a subir a partir de julho e isso mais de R$ 100 milhões – quem tinha atento às mudanças deve se recuperar é muito bom para o Brasil. A Índia deve que comprar insumos, já comprou. mais fácil e terminar essa safra com fô- ter uma queda muito grande na produMas a Agrocana deve apresentar li- lego para começar a próxima. ção de açúcar e não vai conseguir parnhas de financiamento ticipar muito do mercado. para implementos, tratores, O que o governo tem que fazer é apoiar a Isso vai ajudar bem o Bramáquinas e caminhões sil. Vários países não têm exportação, criar condições de para que o produtor posmais condições de crescer, sa melhorar sua frota e seu que são os casos da Ausfinanciamento, mas sem intervenção sistema de transporte. trália e Indonésia, por exemplo. Quem tem açúcar Revista Canavieiros: Para SertãoRevista Canavieiros: O senhor mais abundante é o Brasil e essa mezinho o que significa receber essas fei- acha que haveria alguma forma de in- lhora vai ajudar o preço do álcool e a ras, que são as maiores do mundo em tervenção do governo para fazer rea- cana vai junto. O mercado de açúcar se tratando de cana-de-açúcar? gir os preços da cana? mundial atravessou dois anos muito Tonielo: Qualquer cidade gostaria de Tonielo: Acho que não porque, ruins, mas deverão vir anos melhores. ter feiras iguais à Fenasucro & Agroca- quando o governo intervém, ele só atra- Agora, a Índia, que produzia 32 milhões na, que são muito bem organizadas e vi- palha. Na minha opinião, a interven- toneladas, vai produzir 20 milhões apesitadas por pessoas de mais de 30 paí- ção do governo é ruim para qualquer nas, uma queda muito grande. Como lá ses. Para Sertãozinho significa muito de- setor. O que o governo tem que fazer é o plantio é de subsistência, eles comesenvolvimento e alavanque na nossa apoiar a exportação, criar condições de çaram a deixar a cana de lado e isso ajueconomia. Conseqüentemente, as em- financiamento, mas sem intervenção. da bastante o Brasil, que ainda é o maipresas da nossa cidade estão cada vez or exportador de açúcar no mundo. mais equipadas para poder oferecer mais Revista Canavieiros: Muito se faempregos e tecnologia ao setor sucroal- lou sobre a Rodada de Doha. O seRevista Canavieiros: O senhor cooleiro. É motivo de orgulho para Ser- nhor acha que, se as negociações ti- acha que a produção de biocombustãozinho receber essas feiras. vessem obtido êxito, haveria algum tíveis vai competir com a produção benefício para o produtor de cana? de alimentos? Revista Canavieiros: Falando em Tonielo: Claro. Se alguma coisa de Tonielo: Não concordo. Até acho cana, o valor do ATR continua bai- melhor tivesse acontecido, com certe- que os biocombustíveis tiveram uma xo, essa é uma tendência até o final za melhoraria a vida do produtor de boa participação para subir os preços deste ciclo? cana. Se eles tirassem um pouco dos das commodities, porque estávamos Tonielo: Eu era muito pessimista subsídios, os nossos preços melhora- com preços muito ruins de soja e micom o valor do ATR, principalmente no riam muito, tanto para o álcool como lho, o que viabilizava produzir biocominício dessa safra, mas hoje estou mais para o milho, a soja, etc. Se a Rodada bustível. Mas agora até o biodiesel otimista. E quem está dentro do ramo e tivesse dado certo, não tinha coisa está inviável porque tivemos um auacompanha o que está acontecendo melhor no mundo para que a gente pu- mento do diesel baseado em 2% que com o álcool e com o açúcar no Brasil e desse competir com igualdade, porque foi colocado de biodiesel. Nos preços no mundo, sabe do que eu estou falan- nós competimos no mundo contra um em que estão as commodities hoje, o do. Poucas pessoas podem mostrar ou monte de subsídios absurdos, que atra- biodiesel ficou inviável porque compodem enxergar um cenário mais favo- palham nosso produtor porque somos pramos o diesel muito mais barato. Mas rável, mas acredito que o valor do ATR um país pobre, onde o governo não tudo isso para o Brasil é muito bom ainda vai surpreender muitos produto- tem condições de subsidiar a agricul- porque o produtor precisa ganhar dires. O valor que o ATR está apresen- tura. Então nós ainda pagamos por nheiro para produzir mais. Ninguém tando hoje é ridículo, mas se Deus qui- isso. Mas uma hora isso vai acabar, produz ganhando pouco. “ 6 Revista Canavieiros - Agosto de 2008
  • Revista Canavieiros - Agosto de 2008 7
  • Ponto de Vista Oportunidades de negócios associadas à expansão do setor sucroalcooleiro Eduardo Antonio Licco¹ Fabricio Dorado Soler ² A expansão do setor sucroalcooleiro tem incrementado o número de usinas de açúcar e álcool e, por conseqüência, demandado maior rigor dos órgãos ambientais para o licenciamento ambiental de instalação de novas plantas agroindustriais e/ou ampliações das já existentes. No Estado de São Paulo, cumpre ao Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental (DAIA) e à CETESB (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) analisar impactos ambientais associados a esses empreendimentos responsáveis pela produção de açúcar, etanol e energia. Durante a avaliação dos estudos ambientais apresentados para a obtenção das licenças (LP, LI e LO), o DAIA conta com o suporte da CETESB para avaliar estudos de dispersão atmosférica, balanço de massas dos poluentes emitidos pelos empreendimentos sucroalcooleiros. Como se tem observado, os impactos sobre a qualidade do ar, associados à operação de usinas, têm sido enormemente mitigados desde a edição do Decreto Estadual nº 47.700/03, que regulamenta a eliminação gradativa da queima da palha da cana-de-açúcar, bem como pela adesão do setor ao Protocolo Agroambiental e, principalmente, em virtude da Resolução SMA/SP nº 33/07, que determina que os licenciamentos de empreendimentos sucroalcooleiros somente serão emitidos quando estiver estabelecido no processo de licenciamento ambiental, ausência da queima da palha da cana-de-açúcar como prática de pré-colheita. O Estado de São Paulo tem atuado no sentido de estabelecer procedimentos rígidos destinados a combater efeitos e minimizar o lançamento de emissões de poluentes atmosféricos. No entanto, com a modernização do sistema de licenciamento ambiental e gerenciamento da qualidade do ar por meio dos Decretos nº 48.523/04 (“Decreto de Bacias Aéreas”), nº 50.753/06 e nº 52.469/07, abrem-se oportunidades de NEGÓCIO às usinas de açúcar e álcool. As normas mencionadas trazem a definição de conjunto de ações para incentivar reduções de emissões de poluentes atmosféricos de empreendi- Fabricio Dorado Soler mentos instalados em sub-regiões classificadas como saturadas (SAT) e em vias de saturação (EVS), considerando, para tanto, que o grau de saturação da qualidade do ar é determinado a partir do cotejamento de concentrações verificadas nos últimos anos, com os padrões de qualidade do ar (PQAR) estabelecidos pelo Decreto nº 8.468/76. Os padrões de qualidade do ar, por sua vez, são instrumentos de controle ambiental de poluentes atmosféricos, cuja aplicação encontra-se associada a critérios de capacidade de suporte do meio ambiente, ou seja, relacionada ao grau de saturação da sub-região em que se encontra instalada determinada fonte de emissão. Insta salientar que em sub-regiões classificadas como SAT e EVS, a CETESB estabelecerá Programa de Redução de Emissões Atmosféricas - PREA e a renovação da Licença de Operação (LO) dos empreendimentos condicionar-se-á às seguintes exigências técnicas: I) utilização de sistemas de controle de poluição do ar baseados na melhor tecnologia prática disponível; II) implementação de Plano de Monitoramento de Emissões Atmosféri- 8 Revista Canavieiros - Agosto de 2008
  • Ponto de Vista cas; e III) cumprimento de metas de redução de emissões, em termos de prazo e quantidades estabelecidas pela CETESB, que poderá ser atendido por meio da compensação. de poluição do ar baseados na melhor tecnologia prática disponível, ou por meio da aquisição de CEAR’s, no âmbito da delineada Câmara Paulista de Compensação de Emissões Atmosféricas (CPCEA – www.cpcea.com.br). Essa compensação de emissões se viabilizará por meio de transações de Créditos de Emissões Atmosféricas Reduzidas (CEAR’s), gerados a partir de reduções de emissões de determinados poluentes, quais sejam: material particulado (MP), óxidos de nitrogênio (NOx), compostos orgânicos voláteis (COVs), óxidos de enxofre (SOx) e monóxido de carbono (CO), sendo que ao setor sucroalcooleiro a demanda tende a residir em emissões de NOx e MP. Trata-se de relevante oportunidade às unidades agroindustriais que, com a mecanização da colheita da cana-deaçúcar em substituição às queimadas, podem aproveitar do período de excepcionalidade e gerar Créditos de Emissões em virtude de “medidas que, comprovadamente, resultem na redução de emissão de poluentes para a atmosfera”, como de fato ocorre com a mecanização da colheita. Vale atentar que tanto as fontes novas de poluição como no caso da ampliação das já existentes que pretendam instalar-se ou operar no território paulista, em sub-regiões SAT e EVS, serão obrigadas a compensar suas emissões atmosféricas adicionais, seja por meio da utilização de sistemas de controle Acrescenta-se que a validação desses CEAR’s está condicionada à avaliação da metodologia empregada para o cálculo da redução de emissão e do respectivo fator de conversão de cada medida empregada, que leva em conta o fator de incerteza de cada metodologia utilizada. Finalmente, diante dessa evolução no tratamento das questões ambientais, torna-se imperioso que os empreendedores do setor sucroalcooleiro atentem às novas regras e promovam investimentos na geração de créditos de emissões atmosféricas reduzidas, sejam eles para uso próprio visando ampliação de usinas de açúcar e álcool, ou para futura comercialização (curto e médio prazo) no âmbito da Câmara Paulista de Compensação de Emissões Atmosféricas. 1. Doutor em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da USP, Master of Science In Engineering pela University of Washington. Engenheiro Químico e Sanitarista. Professor do Instituto Mauá de Tecnologia e do Centro Universitário SENAC. Diretor da EALicco Consultoria. 2. Especialista em Gestão Ambiental pela Faculdade de Saúde Pública da USP, Pósgraduado em Gestão Ambiental e Negócios do Setor Energético pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP, cursando MBA Executivo de Infra-Estrutura na Escola de Economia da FGV. Advogado do Setor Ambiental do escritório Siqueira Castro Advogados. Revista Canavieiros - Agosto de 2008 9
  • Notícias Copercana Copercana investe em coleta seletiva de lixo Marcelo Massensini Cooperativa contrata funcionária especializada, para ampliação de programa O sistema Copercana, Canaoeste e Cocred (incluindo a Cred Copercana, Copercana Seguros e o Netto Campello Hospital e Maternidade), que sempre deu grande importância a assuntos relacionados à preservação do meio ambiente, ampliou, no último mês de junho, o serviço de coleta seletiva de lixo que já realizava desde abril de 2005. O BioCoop, departamento responsável pela separação de materiais recicláveis, passou a ser coordenado pela bióloga Priscila de Oliveira, que ficará responsável por realizar a ampliação do serviço de coleta seletiva. Hoje, o BioCoop conta com mais dois funcionários, que realizam a seleção e o armazenamento dos materiais advindos da matriz e das filiais todos os locais em que esses materiais são usados para explicar aos funcionários como descartar o material. No BioCoop é realizada a triagem de papéis, papelões, plásticos e caixas de madeira que são descartados pelo sistema, tanto na matriz quanto nas filiais. Estes materiais, após serem separados, são prensados e enfardados para, posteriormente, serem repassados para usinas de reciclagem. “Para que não haja confusão quanto à função desempenhada pelo BioCoop, é necessário esclarecer que reciclagem é o processo de transformação do lixo sólido, tipicamente domiciliar, em novos produtos e que esse tipo de transformação não é feita na sede. Nós focamos na logística que permitisse o transporte, separação e venda desses materiais”, esclarece Priscila. O BioCoop ainda armazena caixas de madeira, sacarias e “chapaflex” (chapas de madeira sintética) que são descartadas pelos supermercados da Copercana e que são vendidas para locais que os reutilizam. Além da separação, o outro grande trabalho do departamento é o de conscientização dos colaboradores das empresas sobre a reciclagem. Em julho, o BioCoop lançou uma campanha para a coleta seletiva de copos descartáveis, que terá o mesmo destino dos papelões e plásticos que já eram separados no setor. Cartazes foram afixados em 10 Revista Canavieiros - Agosto de 2008 Estão previstos ainda para 2008 a melhoria da coleta seletiva de papéis de escritório, a inclusão de filiais no escopo de recolhimento de materiais, intensificação dos programas de conscientização junto aos funcionários e o estudo de uma mudança do local sede do BioCoop. “Há, ainda, um projeto em fase de conclusão sobre os tubos de soros que são utilizados pelo Netto Campelo. Se bem manuseado, este tubo não corre risco de contaminação e seu plástico é de primeira qualidade. Portanto, será separado e, posteriormente, direcionado a locais de reciclagem”, adianta Priscila. O BioCoop foi implantado pelo sistema a partir de um projeto de faculda- Processo de “enfardamento” do papelão de de Gianne Maria Sant’ Ana Martelo, funcionária da Cocred, e, desde 2007, a BASF (empresa multinacional do setor químico) colocou à disposição do projeto recursos financeiros para sua expansão e melhoria. “Apesar de o BioCoop ser um projeto que tem seu pilar econômico sólido, é fundamental frisarmos que seu maior objetivo é a conscientização dos colaboradores internos sobre a importância da reciclagem e como cada um pode contribuir com pequenas atitudes para a construção de um mundo melhor”, explica Gianne. MAS AFINAL, POR QUE RECICLAR? Visto que o destino do lixo é um problema constante em quase todos os municípios, os “lixões” continuam sendo o destino da maior parte dos resíduos urbanos produzidos no Brasil, com graves prejuízos ao meio ambiente, à saúde e à qualidade de vida da população. O depósito em locais inadequados torna o lixo um grande risco à saúde da população que o cerca. A poluição de córregos e rios causa enchentes e a proliferação de vetores de ampla variedade de doenças. Mesmo em aterros sanitários, o “chorume” – líquido resultante da decomposição do lixo – que se forma causa a contaminação de aqüíferos do lençol freático e muitas vezes escorrem ao longo de ruas adjacentes. A situação exige soluções para o destino final do lixo no sentido de reduzir o seu volume. Ou seja: no destino final, é preciso ter menos lixo. É aí que entra a reciclagem. “Transformar resíduos dando-lhes características de um novo material, ou de um material que possa ser consumido novamente, além de diminuir o volume dos aterros sanitários, proporciona a redução de impactos ambientais nas etapas de fabricação e de industrialização”, explica Gianne.
  • Revista Canavieiros - Agosto de 2008 11
  • Notícias Canaoeste Netto Campello participa de Netto Campello participa de campanha da amamentação campanha da amamentação Marcelo Massensini Duas funcionárias do hospital ministraram palestras para profissionais da saúde, mães e gestantes E ntre os dias 1 e 7 de agosto foi comemorada, em mais de 120 países, a 11ª Semana Mundial do Aleitamento Materno. Na cidade de Sertãozinho, pelo segundo ano consecutivo, a data foi lembrada com um evento que, além de conscientizar pais e mães sobre a importância da amamentação, reuniu membros das principais instituições de saúde da cidade, entre elas o Netto Campello Hospital e Maternidade. A campanha, que teve o slogan “Se o Assunto é Amamentar Apoio à Mulher em Primeiro Lugar”, teve seu ponto alto no ciclo de palestras que aconteceu na quinta e sexta-feira, dias 7 e 8, no auditório da ISOS (Instituto de Saúde Ocupacional de Sertãozinho). “Durante os primeiros meses, a mãe precisa de muito apoio para amamentar. Por isso este curso orienta também os profissionais da saúde para poder ajudar todas as mães”, explica Paula Parducci, coordenadora da Maternidade do Netto Campello Hospital e Maternidade. A primeira palestra da quinta-feira, intitulada “A Importância do Aleitamento Materno”, foi ministrada pela coordenadora de enfermagem da Secretaria Municipal de Saúde de Sertãozinho, Andréa Karla Rustici, que falou sobre os pontos positivos para a mãe que amamenta. Ainda no dia 7, a coordenadora do Departamento de Saúde Preventiva da Sermed, Fabiana Paula Vieira Campamine, proferiu palestra sobre técnicas de amamentação e posicionamento do bebê para o aleitamento. A última palestrante do dia foi a nutricionista Alessandra Rodrigues Pratti, que deu orientações nutricionais às mulheres que amamentam. Aproximadamente 100 pessoas participaram dos dois dias Na sexta-feira, a primeira palestrante foi a coordenadora da Maternidade do Netto Campello Hospital e Maternidade, Paula Miranda da Silva Parducci. Ela falou sobre traumas mamilares. Logo em seguida, Adriana Renata Recco, supervisora da Maternidade da Santa Casa de Sertãozinho, abordou a ordenha mamária. cerrar os trabalhos, Gustavo F. Pacca, médico pediatra e neonatologista, falou sobre os direitos da mulher que amamenta. No dia 09, junto com a Campanha do Aleitamento e a segunda etapa da Vacinação contra a Pólio, a Secretaria da Saúde organizou a pesquisa Amamunic, com objetivo de detectar o perfil da alimentação de menores de 1 ano. O levantamento servirá para avaliar a situação no município e nortear as políticas de saúde. No ano passado, a Amamunic pesquisou 831 crianças, sendo que 564 haviam recebido leite materno nas últimas 24h. O gerente administrativo do Netto Campello, Marcos Paula Parducci e Marli Medeiros: os profissionais da saúde são Lopes, considera a união de importantes para a conscientização grande valia. “Podemos entender essa semana com um marco de enCláudia Bis Furlan, auditora em A supervisora da UTI neonatal da Santa Casa de Sertãozinho, Cristiane qualidade do Netto Campello Hospi- tendimento entre as instituições de saúSanches Lucato Ravásio, por sua vez, tal e Maternidade, ministrou palestra de. Nós, do Netto Campello, gostaríamos abordou os pontos positivos para o sobre o papel do profissional de en- de reforçar que estamos sempre abertos fermagem na amamentação. E para en- às iniciativas de educação em saúde bebê amamentado. 12 Revista Canavieiros - Agosto de 2008
  • A UTI Móvel do Netto Campello estava de plantão durante todo o evento mana a Secretaria Municipal de Saúde, a Santa Casa de Sertãozinho, a Sermed, o Rotary Club Aparecida, o Grupo Balbo e o Rotary Club Sertãozinho. PORQUE AMAMENTAR? O aleitamento caracteriza-se como a primeira vacina do bebê. Portanto, essencial para seu desenvolvimento. De acordo com o Ministério da Saúde, a alimentação do bebê, exclusiva com leite do peito, tem que ocorrer até os seis meses e a manutenção até os dois anos de vida. como esta, pois nosso objetivo é ser mais: ser mais parceiro, companheiro e presente na vida e na saúde dos cidadãos sertanezinos e cidades vizinhas”, diz Lopes. Uma das mães participantes, Marli de Medeiros Maciel, que deu à luz na Maternidade do Netto Campello, considera o evento “muito importante para conscientizar as mães sobre a impor- tância do leite materno, que não tem custo e faz muito bem para a saúde dos bebês”, diz. “É importante que as mães participem para adquirirem conhecimento. Entendendo a necessidade da criança, você vai evitar doenças e deixar a criança mais feliz”, completa. Além do Netto Campello Hospital e Maternidade, contribuíram com a se- “O leite materno é um alimento rico, que tem tudo que o bebê precisa, falando nutricionalmente. Além de fortalecer muito o vínculo mãe e bebê. Como essa semana é voltada para o apoio, notamos a importância dos profissionais de saúde ajudando as mães a amamentar. O leite materno é um alimento feito para o bebê. Não é preciso dar outro leite para o bebê senão o leite materno”, completa Paula Parducci. Revista Canavieiros - Agosto de 2008 13
  • Artigo do Presidente Canaoeste De perto não é o que De perto não é o que parece parece Manoel Carlos de Azevedo Ortolan* T ravestida de prosperidade, a realidade do setor sucroalcooleiro brasileiro é mais dramática do que aparenta. Para os grandes grupos industriais e investidores, que têm capital para esperar o vento mudar de direção, a situação é mais tranqüila. No entanto, para os de menor porte e, principalmente, para os fornecedores de cana, que não têm fôlego financeiro para agüentar períodos mais longos de crise, a água começa a bater no nariz. Já havíamos, em oportunidades anteriores, abordado essa questão, mas o problema tem se agravado muito rapidamente e cabe a nós, enquanto dirigentes de associação, manifestar a nossa preocupação com os rumos que se delineiam para o setor e para o produtor de matéria-prima. Amargamos uma crise de preços. As cotações do açúcar estão em baixa porque há mais oferta do que demanda. O etanol também está remunerando menos porque estamos em plena safra. Além disso, a produção está em franco crescimento já que há mais usinas em operação. Nas três safras anteriores à atual, entraram em atividade 52 indústrias. Para esta, a 2008/09, a estimativa é que comecem a moer outras 32. Assim, se na safra 2005/06, a região Centro-Sul produziu 14,3 bilhões de litros, nesta, a estimativa chega a 24,3 bilhões de litros. Os veículos flexíveis aqueceram sobremaneira o mer- 14 Revista Canavieiros - Agosto de 2008 cado doméstico, mas o externo continua fechado. E pelas leis do mercado, se a oferta aumenta, o preço diminui. E como as cotações dos produtos acabam definindo a da cana, a remuneração do fornecedor independente está em queda livre e com um agravante: os custos de produção sofreram forte alta neste último ano. Assim, para produzir uma tonelada de cana, o fornecedor investiu R$ 49,00 e recebe por ela R$ 35,00, tendo ainda de descontar do pagamento o custo da colheita, feita pela usina, via de regra que representa entre R$ 18,00 a R$ 20,00 por tonelada. Além disso durante os meses da safra recebe 80% do valor, ficando 20% para parcelar entre janeiro e abril, esse é o motivo da nossa preocupação: a conta não fecha pela segunda safra consecutiva e, pelo visto, o próximo ciclo também será de preços nada animadores. O resultado dessa matemática é o endividamento crescente dos produtores, especialmente dos pequenos e médios, cujo perfil é bem definido: grande parte está na atividade há gerações, a propriedade rural é, muitas vezes, seu único patrimônio e fonte de renda. E, além desses reflexos “dentro da porteira”, há também os da “porteira para fora”, já que o fornecedor de cana irriga a economia local e estimula a distribuição de renda. Em situações de crise, muitos setores sentem os reflexos e numa região como a de Sertãozinho, notadamente marcada pelo setor sucroalcooleiro, esses impactos são bem mais marcantes. O certo é que a médio e longo prazo as perspectivas são as melhores para o agronegócio da cana por motivos exaustivamente abordados. No entanto, essa crise de preços poderá desanimar o produtor e tirá-lo do caminho. Nas duas últimas safras, o fornecedor praticamente pagou para produzir e por mais que ele aposte no futuro e acredite na atividade, chega uma hora em que ele não tem mais como continuar trabalhando. Fazemos esse alerta porque, visto à distância, o setor sucroalcooleiro brasileiro é um dos mais promissores. No entanto, num olhar mais atento, avistamos uma crise silenciosa e perigosa. *presidente da Canaoeste (Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo)
  • Consecana Notícias Canaoeste CIRCULAR Nº 07/08 DATA: 31 de julho de 2008 Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo A seguir, informamos o preço médio do kg do ATR para efeito de emissão da Nota de Entrada de cana entregue durante o mês de JULHO de 2008. O preço médio do kg de ATR para o mês de JULHO, referente à Safra 2008/2009, é de R$ 0,2470. O preço de faturamento do açúcar no mercado interno e externo e os preços do álcool anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, levantados pela ESALQ/CEPEA, nos meses de ABRIL a JULHO e acumulados até JULHO, são apresentados a seguir: Os preços do Açúcar de Mercado Interno (ABMI) e os do álcool anidro e hidratado destinado à industria (AAI e AHI), incluem impostos, enquanto que os preços do açúcar de mercado externo (ABME e AVHP) e do álcool anidro e hidratado, carburante (AAC e AHC) destinados ao mercado externo (AAE e AHE), são líquidos (PVU/PVD). Os preços líquidos médios do kg do ATR, em R$/kg, por produto, obtidos nos meses de ABRIL a JULHO e acumulados até JULHO, calculados com base nas informações contidas na Circular 01/07. Revista Canavieiros - Agosto de 2008 15
  • Notícias Cocred Demonstração de resultado do 1ºsemestre de 2008 Valores 16 Revista Canavieiros - Agosto de 2008 em Reais Balanço patrimonial CNPJ: 71.328.769/0001-81 Valores em Reais
  • Revista Canavieiros - Agosto de 2008 17
  • 18 Revista Canavieiros - Agosto de 2008
  • Revista Canavieiros - Agosto de 2008 19
  • Reportagem de Capa Plástico Biodegradável é de cana-de-açúcar Carla Rossini A descoberta pode se tornar uma alternativa viável contra a poluição; produto é desenvolvido na Usina da Pedra, em Serrana S acolas, garrafas, embalagens de alimentos, brinquedos. Enfim, produtos que facilitaram a vida das pessoas, se tornaram parte do cotidiano e que são feitos de plástico. O uso é tão rotineiro que muitas vezes as pessoas não param para pensar o quanto esse material faz parte do dia-a-dia. Mas, depois de usado, onde será que tudo isso vai parar? A resposta é simples. Em lixões e aterros sanitários que estão com a capacidade de recebimento praticamente esgotada. Além disso, estima-se que o plástico demore quase um século para se decompor. Produtos fabricados pela BioCycle O que fazer diante dessa situação? Pesquisadores estão tentando encontrar alternativas para problemas rotineiros, mas que podem fazer uma diferença enorme quando solucionados. Foi buscando uma dessas alternativas, mais precisamente na década de 90, com a extinção do IAA (Instituto do Açúcar e do Álcool), que uma equipe de técnicos e engenheiros da Usina da Pedra, de Serrana, conseguiu montar uma planta-piloto para desenvolver o plástico biodegradável. Até então, o material era pouco conhecido e a nova tecnologia precisou de investimento e dedicação para ser desenvolvida. Desde 2000 existe a empresa PHBISA, que tem como sócios as Usinas Santo Antonio e São Francisco - da família Balbo -, e a Pedra Agroindustrial – da família Biagi. O plástico biodegradável desenvolvido na Usina da Pedra é composto por carbono, oxigênio e hidrogênio e denomina-se polihidroxibutirato (PHB). Dele pode derivar um copolímero polihidroxibutirato-valerato (PHB-HV) sendo os dois pertencentes à família dos polihidroxialcanoatos, descritos como poliésteres de origem natural similar. “Plásticos biodegradáveis são feitos com matéria-prima renovável, como a cana-de-açúcar, com compleEtapas do plástico bruto ta biodegrabilidade (não poluidora), além de sua capacidade de ser produzido por processos que usam tecnologia limpa. Esse plástico é um produto biocompatível e ecologicamente correto”, explica o diretor executivo da Biocycle (marca do plástico fabricado pela PHBISA), Sylvio Ortega. O ciclo do carbono para o plástico biodegradável se completa em um período muito mais curto quando comparado com os plásticos originados de combustíveis fósseis. Ele se dá por meio da compostagem do plástico biodegradável, que libera CO2 e que é resgatado pelas plantas para o crescimento vegetativo. Já o ciclo do plástico que tem o petróleo como matéria-prima começou há milhões de anos por meio da formação do petróleo pelo lento proces- 20 Revista Canavieiros - Agosto de 2008
  • Reportagem de Capa que é empregado como extrator do biopolímero. No seu processo de produção, o bagaço da cana-de-açúcar é usado como fonte para a produção de energia elétrica e de vapor. Os efluentes são basicamente água e matéria orgânica da bactéria que, por sua vez, é lançada na lavoura de cana-de-açúcar, como fertilizante orgânico”, garante Sylvio. Os plásticos biodegradáveis são produtos estáveis como os plásticos comuns, só que para eles se degradarem é preciso uma atividade bacteriana que vai transformá-los em CO2 e água. “O Ciclo de vida do PHB tem seu fim após sua biodegradação, onde é transformado em CO2 e água. O CO2 é reabsorvido pela plantação de cana, produzindo um efeito positivo para o meio ambiente, na ordem de 4,4 toneladas de CO2 por tonelada de Biocycle produzido”, afirma o diretor. Sylvio Ortega, diretor executivo da Biocycle so de fossilização. Além disso, a utilização em larga escala desses combustíveis fósseis tem agravado as condições para o aquecimento global, uma vez que aumenta a concentração de gás carbônico na atmosfera. “O petróleo retirado do subsolo e disponibilizado no meio ambiente libera CO2, que é o grande causador do aquecimento global. Já os bioplásticos resgatam CO2 do meio ambiente, contribuindo para a preservação do mesmo”, observa Ortega. para produzir 60 toneladas por ano. Atualmente está sendo projetada uma planta comercial na Usina da Pedra que entrará em operação em 2011 e terá capacidade de produção de 30 mil toneladas. “Dependendo da aceitação do produto no mercado, nosso objetivo é aumentar gradativamente essa capacidade de produção”, explica Sylvio. Qualquer produto que dependa de altas ou baixas temperaturas para o seu armazenamento, podem se utilizar do plástico biodegradável. Desde fevereiro, o Brasil passou a contar com a norma brasileira - ABNT número 15.488-1-2 – que regulamenta os ensaios para definir se um polímero é biodegradável e compostável. Um dos pontos mais importantes para os produtores do plástico é que ao final da biodegradação e da compostagem vai sobrar um composto orgânico com qualidade suficiente para que uma planta nasça e cresça nele. “Isso mostra que o composto tem uma qualidade de fertilizante”, afirma otimista Sylvio. A planta de produção do Biocycle é pioneira e tem capacidade O tempo de decomposição varia de acordo com o tamanho da peça do plástico em questão, mas a norma define prazos entre 90 e 120 dias para que o plástico desapareça. O Biocycle já obteve essa certificação pelas normas européias equivalentes às normas brasileiras. Ele explica que a produção do plástico desenvolvido pela Biocycle é feita a partir de açúcar e energia, que são transformados por uma bactéria natural (Alcaligeness s.p.) – sem modificação genética – que se alimenta do açúcar e o transforma em poliéster. “No processo também se utiliza um álcool superior como solvente, O Ciclo de vida do PHB tem seu fim após sua biodegradação, onde é transformado em CO2 e água. O CO2 é reabsorvido pela plantação de cana Uma única desvantagem é apontada: o lado econômico. “A desvantagem é ainda o desenvolvimento da tecnologia comparada com o plástico comum, o que torna o produto um pouco mais caro aqui no Brasil em função das cargas tributárias, desconsiderando as vantagens ambientais”, explica Sylvio. Revista Canavieiros - Agosto de 2008 21
  • Destaque Fenasucro & Agrocana 2008 Marcelo Massensini Organização prevê aumento de público e faturamento; rally a pé dará direito de concorrer a um carro E ntre os dias 2 e 5 de setembro Sertãozinho voltará a ser o destino obrigatório de todos os profissionais – brasileiros e estrangeiros – envolvidos no setor de cana, açúcar e álcool. Pela quarta vez consecutiva acontecem, simultaneamente, as duas maiores feiras do setor sucroalcooleiro: a XVI Fenasucro e a VI Agrocana. Nos quatro dias de eventos, espera-se que cerca de 30 mil pessoas passem pelo Centro de Eventos Zanini, onde mais de 420 empresas colocarão em exposição tudo que há de mais moderno em máquinas e equipamentos voltados à indústria (Fenasucro) e à área agrícola (Agrocana). De acordo com a organização das feiras, a previsão é que os negócios realizados no período cheguem a R$ 2 bilhões, R$ 200 mil a mais do que no ano passado. “Com o etanol na ordem do dia em escala mundial, seja por questões energéticas ou ambientais, nossas expectativas são otimistas”, afirma Fernando Barbosa, diretor da promotora Multiplus. A Fenasucro será realizada dentro do Pavilhão I, (16 mil metros quadrados de área), no Pavilhão II e numa área externa do Centro de Eventos Za- Agrocana 2007 nini (com mais de 8 mil metros quadrados). Lá os visitantes encontrarão estandes das principais empresas fornecedoras do setor, com produtos ligados às áreas de utilidades, serviços, automação e instrumentação, elétrica, caldeiraria e mecânica pesada, química e derivados, energia e outros. Já a Agrocana ocupará o espaço externo do recinto, numa área de aproximadamente 18 mil metros quadrados. Os destaques são os equipamentos e insumos voltados para o preparo de solo, plantio, tratos culturais e colheita da cana-de-açúcar. A Agrocana conta, ainda, com o apoio do sistema Fenasucro 2007 Copercana, Canaoeste e Cocred, que terá um estande na feira para mostrar todas as vantagens oferecidas a seus cooperados e associados. O Centro de Eventos fica localizado às margens da Rodovia Armando de Salles Oliveira, na saída de Sertãozinho para Bebedouro. O horário de funcionamento das feiras é das 13h às 20h, mas a entrada de visitantes pré-credenciados acontecerá somente até as 19 horas. O evento é direcionado apenas para convidados já credenciados ou profissionais que possam comprovar sua atuação direta no setor sucroalcooleiro. Para os demais, serão vendidos os passaportes que valerão para os 4 dias de feira. Até o dia 27/08 os passaportes custarão R$130,00 e durante a feira, na bilheteria, R$ 150,00. A Fenasucro & Agrocana 2007 têm o patrocínio da ABB, Promac, Toyota, Brumazi, Banco do Brasil e SEW Eurodrive. A Fenasucro é uma realização do Ceise Nacional e conta com o apoio do Ciesp, Fiesp, Stab, Sebrae-SP, Unica, Prefeitura Municipal de Sertãozinho e Abimaq. Já a Agrocana é uma realização do Sindicato Rural de Sertãozinho e tem o apoio da Copercana, Canaoeste, Cocred, Unesp (Jaboticabal) e Prefeitura Municipal de Sertãozinho. 22 Revista Canavieiros - Agosto de 2008
  • Revista Canavieiros - Agosto de 2008 23
  • Destaque Rally vai sortear carro entre cooperados da Copercana A edição deste ano terá uma novidade especial para os cooperados e associados do sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. Uma parceria entre a organização da Agrocana 2008, Orplana, Copercana e a Revista Canavieiros, vai sortear um carro zero km entre os 15 mil produtores filiados à Orplana e ao sistema. Estande da Copercana na Agrocana 2007 Com isso, a organização da feira espera qualificar ainda mais o público do evento, levando ao centro o maior número possível de pessoas ligadas ao setor, aumentando ainda mais as possibilidades de negócios durante a realização dos Eventos. Para concorrer ao carro, o produtor deverá percorrer, a pé, os PCs (pontos de controle). Cada ponto será em um estande de uma empresa apoiadora do Rally. A cada PC que o associado passar, ele terá seu selo carimbado. Após con- seguir todas as carimbadas, ele vai depositar o selo na urna – que ficará no estande do sistema Copercana, Canaoeste e Cocred – para concorrer ao carro que será sorteado ao final da Agrocana. As empresas já oficializaram seu apoio ao Rally e serão Pontos de Controle: Multiplus Eventos, Copercana e Orplana, Fiat, Valtra, AGCO e Ansell. Programação paralela Como de costume, durante as feiras, acontecerão eventos simultâneos, como o Fórum Internacional sobre o Futuro do Álcool, o Brasil Cana Show, o Encontro de Negócios, o Prêmio MasterCana e o Seminário Gegis. tembro no Teatro Municipal de Sertãozinho e contará com a presença de diversas autoridades e lideranças do setor. O assunto principal deste ano será a internacionalização do etanol e sua transformação em commoditie agrícola. O Fórum Internacional sobre o Futuro do Álcool acontecerá no dia 1º de se- A oitava edição do Brasil Cana Show – organizado pela Stab –, que também reúne as atividades do Simpósio Internacional, acontecerá durante todos os dias das feiras e, desta vez, vai intercalar palestras técnicas e visitas externas. Mais informações sobre as feiras e as palestras nos sites: www.fenasucro.com.br e www.agrocana.com.br Fórum Internacional para o Futuro do Álcool em 2007 24 Revista Canavieiros - Agosto de 2008
  • Comércio internacional Cresce a participação do Brasil no comércio mundial Da Redação B rasília (14.8.2008) - O comércio mundial do agronegócio cresceu 57% entre os anos de 1997 e 2006. Nesse período, o valor exportado em todo o mundo subiu de US$ 388,6 para US$ 609,8 bilhões. Em igual intervalo, a participação do Brasil nesse mercado subiu dois pontos percentuais, passando para 6,9%. A média de crescimento das exportações brasileiras do agronegócio no período foi de 9,6% ao ano. Os dados fazem parte do estudo Intercâmbio Comercial do Agronegócio Principais Mercados de Destino, organizado pela Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SRI/Mapa), lançado nesta quinta-feira (14). Em 2007, as exportações do agronegócio brasileiro atingiram a cifra de US$ 58,4 bilhões, valor 2,5 vezes maior que o registrado há dez anos, quando o Brasil exportou US$ 23,4 bilhões. Esse crescimento, no entanto, não foi regular devido às oscilações dos preços internacionais das commodities. A evolução do valor das exportações do agronegócio brasileiro apresenta dois períodos distintos. O primeiro vai de 1997 a 2000 e se caracteriza pela queda de 12% das exportações, influenciada pela redução acumulada de 22,5% nos preços. De 2001 a 2007, o crescimento do valor exportado torna-se contínuo. Até 2002, esse incremento é moderado por conta dos preços ainda baixos. Só no ano seguinte, com a conjugação de pre- ços mais elevados e o aumento da quantidade exportada, é que a curva de crescimento das exportações se acentua. PREÇO X QUANTIDADE A relação entre preço e quantidade ajuda a explicar melhor o comportamento das exportações do agronegócio brasileiro entre 1997 e 2007. A queda das exportações, registrada de 1997 a 2000, foi determinada pela redução dos preços de 8,2% ao ano, ainda que a quantidade exportada tenha crescido a uma média de 4,4% nesse período. Nos últimos três anos o crescimento anual de 14% no valor das exportações do agronegócio é conseqüência, principalmente, do incremento de 68% dos preços, no período, e menos pelo aumento da quantidade exportada, 32%. Revista Canavieiros - Agosto de 2008 25
  • Informações Setoriais CHUVAS DE JULHO e Prognósticos Climáticos e Prognósticos Climáticos No quadro abaixo, são apresentadas as chuvas do mês de julho de 2008. Engº Agrônomo Oswaldo Alonso Assessor Técnico Canaoeste Durante este mês, não houve registro de chuvas na região de abrangência da CANAOESTE. Mapa 1:- Mapa 1:- Água Disponível no Solo entre 14 a 16 de JULHO de 2008. O Mapa 1, mostra que o índice de Água Disponível no Solo, no período de 14 a 16 de julho, apresentava-se bem semelhante ao que ocorreu no final de junho, ou seja, de baixo a crítico em toda faixa centro-norte do Estado. Bons níveis de umidade de solo ainda eram observados nas regiões canavieiras de Assis e Ourinhos. O Mapa 2, mostra que ao final de julho de 2007, com exceção de pequenas áreas, o índice de Água Disponível no Solo encontrava-se como médio a alto nas regiões canavieiras do Estado. Contrariamente, ao final de julho de 2008, como mostrado no Mapa 3, somente a região extremo sul do Estado de São Paulo apresentava alta ou melhor umidade do solo, enquanto que o índice de Água Disponível no Solo, mostrava-se baixo a crítico para toda a região sucroalcooleira paulista, explicando, também, a recuperação da qualidade da cana (comparativamente à safra anterior) no decorrer deste mês. ÁGUA, usar sem abusar ! Protejam e preservem as nascentes e 2 6 Revista Canavieiros - Agosto de 2008 cursos d’água.
  • Informações Setoriais Mapa 2:- Água Disponível Solo ao final de julho de 2007. Para subsidiar planejamentos de atividades futuras, a CANAOESTE resume o prognóstico climático de consenso entre INMET-Instituto Nacional de Meteorologia e INPE-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais para os meses de agosto a outubro. Os efeitos dos fenômenos La Niña e El Nino já são apontados como em equilíbrio ou neutralidade, significando, para os próximos meses, normalidade climática em toda região Centro-Sul do Brasil. · Prevê-se que a temperatura média nas regiões Centro-Oeste e Sudeste ficará entre próxima a acima da normalidade climática e dentro das médias históricas na região Sul. Se bem que existe, ainda, possibilidade de ocorrências de eventos extremos de temperaturas; Mapa 3:- Água Disponível no Solo ao final de julho de 2008. · Quanto às chuvas, são previstas como próximas das respectivas médias históricas em todos os Estados da região Centro-Sul; · Como referência, as médias históricas das chuvas, pelo Centro Apta-IAC - Ribeirão Preto e municípios próximos são de 20mm em agosto, pouco mais de 50mm em setembro e 125mm em outubro. · As previsões elaboradas pela SOMAR Meteorologia mostram que, para esta região de abrangência da CANAOESTE, é provável que as chuvas de agosto fiquem só nas que ocorreram na semana de 3 a 9 (de agosto) e, que as de setembro e outubro “ficarão” próximas das respectivas médias históricas. Como na região de abrangência da CANAOESTE a umidade do solo deverá se manter baixa, dificilmente ocorrerá pisoteio durante as operações de colheita (carregamento) e transporte da cana, dispensando cultivos mecânicos profundos das áreas recém-colhidas. Persistindo dúvidas, consultem os Técnicos CANAOESTE mais próximos. Revista Canavieiros - Agosto de 2008 27
  • Artigo Técnico Acompanhamento da safra 2008/2009 Thiago de Andrade Silva Assistente de Controle Agrícola da CANAOESTE J á estamos na 1ª quinzena de agosto da safra 2008/2009, com os da dos até a 1a quinzena de julho. Na Tabela 1, podemos observar os teores médios de ATR do início da safra até a 1a quinzena de julho em Kg/tonelada das safras 2007/2008 e a atual 2008/2009, sendo que o teor de ATR da safra 2008/ 2009 até a 1ª quinzena de julho está com 5 Kg de ATR/tonelada abaixo do teor médio de ATR da safra 2007/2008 no mesmo período. Tabela 1 – Teor médio de ATR (Kg/ton) por safra das Canas Entregues por Fornecedores da CANAOESTE entre a Safra 2007/ 2008 e a Safra atual 2008/2009 As tabelas 2 e 3, trazem mais detalhes da qualidade tecnológica média da matéria-prima da safra 2007/2008 e da safra atual, a 2008/2009. Gráfico 1 – Comparativo das Médias de Brix (%) Tabela 2 – Dados Tecnológicos Médios das Canas Entregues até a 1ª quinzena de julho por Fornecedores da CANAOESTE na safra 2007/2008 O mesmo comportamento do Brix ocorreu com o Pol do Caldo (%). Gráfico 2 – Comparativo das Médias de Pol do Caldo (%) Tabela 3 – Dados Tecnológicos Médios das Canas Entregues até a 1ª quinzena de julho por Fornecedores da CANAOESTE na safra 2008/2009 O Brix (%) da safra 2008/2009 começou abaixo do Brix (%) da safra 2007/2008, acentuando queda até a 1ª quinzena de junho. Já a partir da 2ª quinzena de junho houve uma recuperação tendendo a ficar igualado ao Brix (%) da safra 2007/2008. 28 Revista Canavieiros - Agosto de 2008 A fibra (%) da safra 2008/2009 começou abaixo da safra 2007/2008, se equiparando a esta na 2ª quinzena de abril e no mês de junho, caindo gradativamente no mês de maio e com a mesma situação a partir da 1ª quinzena de julho, em comparação com a safra 2007/2008.
  • Artigo Técnico Gráfico 3 – Comparativo das Médias de Fibra (%) Os volumes de precipitação média dos meses de janeiro, maio e julho da safra 2008/2009 ficaram muito abaixo dos valores obtidos na safra 2007/2008. Porém, nos meses de fevereiro, março e abril houve praticamente o dobro do volume de chuva em relação à safra 2007/2008. Gráfico 7 – Comparativo das Médias de Chuvas (mm) O Pol da cana (%) da safra 2008/2009 começou abaixo da safra 2007/2008, caindo bruscamente na 2ª quinzena de abril, se recuperando até o final do período, ficando muito parecido, na 1ª quinzena de julho, com o Pol da cana (%) da safra 2007/2008. Gráfico 4 – Comparativo das Médias de Pol da Cana – PC (%) Na safra 2008/2009 tem-se, assim, um volume maior de chuva no 1º e 2º trimestres se comparado aos volumes médios da safra 2007/2008. Gráfico 8 – Comparativo das Médias de Chuvas (mm) por Trimestre A pureza (%) da safra 2008/2009, exceto na 1ª quinzena de maio que ficou igual, do início da safra até a 2ª quinzena de junho, ficou abaixo da Pureza (%) da safra 2007/2008. Somente na 1ª quinzena de julho ficou superior, como pode ser observado no gráfico 5. Gráfico 5 – Comparativo das Médias de Pureza (%) Observa-se que a chuva acima da média nos meses de fevereiro a abril foi responsável pela queda no teor de Brix (%), Pol (%), consequentemente no Pol da cana (%) e no teor de ATR. Isso fez com que o teor de ATR médio ficasse 5 kg abaixo do teor da safra 2007/2008 para o mesmo período. O mesmo comportamento do Pol da cana (%) ocorreu com o teor de ATR. Gráfico 6 – Comparativo das Médias de Açúcares Totais Recuperáveis - ATR (Kg/tonelada) Revista Canavieiros - Agosto de 2008 29
  • Legislação DITR - Declaração do Imposto DITR - Declaração do Imposto Sobre a Propriedade Sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR) Territorial Rural (ITR) A través da Instrução Normativa RFB nº 857, de 14 de julho de 2008, a Secretária da Receita Federal disciplina o prazo, a forma e o procedimento para entrega da DITR (Declaração do Imposto sobre a Propriedade Rural) do exercício 2008, requisito obrigatório para manter devidamente regularizada a propriedade rural. Está obrigada a entregar a DITR (Declaração do Imposto sobre a Propriedade Rural) toda pessoa física e/ ou jurídica que, em relação ao imóvel a ser declarado, seja, na data da efetiva entrega, proprietária ou possuidora, condômina, expropriada a partir de 1º janeiro de 2008, inventariante, compossuidora, etc., independente de estar imune ou isenta do ITR (Imposto Territorial Rural). No caso de morte do proprietário do imóvel, como já dito, a declaração deverá ser feita pelo inventariante, enquanto não terminada a partilha ou, se ainda não foi nomeado inventariante, está obrigado o cônjuge, o companheiro ou o sucessor do imóvel a qualquer título. Cumpre informar que na referida DITR está obrigada a apurar o ITR (Imposto Territorial Rural) toda pessoa física ou jurídica, desde que não seja imune ou isenta, sendo certo que a DITR corresponde a cada imóvel rural e é composta dos seguintes documentos: DIAC (Documento de Informação e Atualização Cadastral) do ITR, mediante o qual devem ser prestadas à Secretaria da Receita Federal as informações cadastrais correspondentes a cada imóvel rural e a seu titular (obrigatório para todos os proprietários rurais); DIAT (Documento de Informação e Apuração do ITR), onde devem ser prestadas à Secretaria da Receita Federal as informações necessárias ao cálculo do ITR e apurado o valor do imposto correspondente a cada imóvel (que se torna dispensável em caso de o imóvel ser imune ou isento do ITR). 30 Revista Canavieiros - Agosto de 2008 O valor do imposto é apurado aplicando-se sobre o Valor da Terra Nua Tributável (VTNT) uma alíquota (variável de 0,02% a 4,50%), levando-se em consideração a área total do imóvel e o grau de utilização (GU) desta, não podendo ser o valor nunca inferior a R$ 10,00. Demais disso, a propriedade rural localizada no Estado de São Paulo que possuir área de até 30 hectares, estará imune do ITR desde que o seu proprietário a explore só ou com sua família, além deste não possuir outro imóvel (urbano ou rural). Por seu turno, estão isentos de ITR os imóveis rurais compreendidos em programa oficial de reforma agrária oficial, bem como o conjunto de imóveis rurais de um mesmo proprietário, cuja área total não exceda os 30 hectares e desde que o proprietário os explore só ou com sua família (admitida ajuda eventual de terceiros) e não possua imóvel urbano. O prazo para a apresentação da DITR de 2008 será de 11 de agosto a 30 de setembro de 2008, podendo ser feita de três formas, conforme o seu tamanho e localização: pela internet, (www.receita.fazenda.gov.br); por disquete a ser entregue nas agências do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal; ou em formulário próprio, a ser entregue nas agências da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). Se o imóvel estiver localizado no Estado de São Paulo e tiver área superior a 200 hectares a declaração deverá ser feita pela internet ou por disquete. Se a declaração for apresentada após o prazo, o proprietário terá de pagar multa de 1% do valor do imposto ao mês. Nos casos de imóvel rural imune ou isento do ITR, a multa será de R$-50,00. O pagamento do imposto (ITR) apurado poderá ser realizado em até 4 (quatro) quotas, mensais e sucessivas, desde que: nenhuma quota possua valor inferior a R$ 50,00; o imposto de valor inferior a R$ 100,00 será pago de uma só vez; a primeira cota deverá ser paga até 30.09.2008 e as demais quotas serão pagas até o último dia útil de cada mês, acrescidas de juros com base na taxa Selic, calculaJuliano Bortoloti - Advogado da a partir de outuDepartamento Jurídico Canaoeste bro de 2008 até o mês anterior ao do pagamento e, ainda, de 1% no mês do pagamento. Por fim, deve ainda o contribuinte protocolizar o ADA (Ato Declaratório Ambiental) perante o IBAMA, observando-se a legislação pertinente, com a informação de áreas não-tributáveis, inclusive no caso de alienação de área parcial. Isto porque, as áreas consideradas como sendo de preservação permanente (mata ciliar) e de Reserva Florestal Legal (20% da propriedade averbada na matrícula do imóvel com vegetação nativa) são isentas da tributação do ITR (Imposto Territorial Rural), desde que devidamente informadas no formulário ADA (Ato Declaratório Ambiental), que, a partir do exercício de 2007, é obrigatoriamente enviado por meio eletrônico, via internet (ADAweb), através do site www.ibama.gov.br/adaweb Portanto, para efeito de obtenção do benefício da isenção tributária do ITR (Imposto Territorial Rural) em áreas de preservação permanente e de reserva florestal legal, basta ao proprietário rural preencher e enviar ao IBAMA o formulário do ADA (Ato Declaratório Ambiental), informando referidas áreas de uso restrito. Importante enaltecer, ainda, que visando um maior controle administrativo das propriedades rurais, o IBAMA começou a cruzar suas informações com a Receita Federal e o INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), responsáveis pelo controle e recolhimento anual do ITR.
  • Legislação Canaoeste adere ao Canaoeste adere ao protocolo agroambiental protocolo agroambiental do setor canavieiro do setor canavieiro C aros associados, a CANAOESTE, a exemplo de outras associações e unidades industriais, aderiu na primeira semana do mês de agosto/2008, ao Protocolo de Cooperação Agroambiental avençado entre a ORPLANA (Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro Sul do Brasil) e o Governo Estadual que, como dito n’outras oportunidades, visa à adoção de ações destinadas a consolidar o desenvolvimento sustentável das atividades dos fornecedores independentes de cana-de-açúcar. Referido protocolo que, aliás, é de adesão voluntária por parte dos produtores de cana-de-açúcar, traz uma série de diretivas técnicas que devem ser cumpridas, tais como obediência aos limites das áreas de preservação permanente e sua vegetação, adoção de práticas para conservação de recursos hídricos e de solo, observância ao descarte correto de embalagens de agrotóxicos, antecipação do fim da queima da palha como método despalhador da cana para o ano de 2014 em áreas passíveis de mecanização e 2017 em áreas não mecanizáveis e/ou inferiores a 150 hectares, dentre outras exigênci- as que, inclusive, já estão sendo adotadas pelos industriais e que, via reflexa, deverão ser respeitadas pelos fornecedores. Com a noticiada adesão da CANAOESTE ao protocolo, que a capacita a prestar mais um serviço ao seu associado interessado, esta tem o prazo de 90 (noventa) dias para apresentar seu Plano de Ação, onde deverá constar as ações que seus associados deverão seguir no intuito de cumprirem integralmente as citadas diretivas técnicas constantes do Regulamento do Protocolo, para receberem o Certificado de Conformidade Agroambiental concedido pelo Governo Estadual, documento este que representa uma imagem positiva do produtor e do setor sucroalcooleiro, além de ser útil nas relações comerciais, nas relações financeiras, nas relações institucionais junto aos próprios órgãos governamentais, dentre outras. A adesão dos associados ao referido protocolo será voluntária e deverá ser feita diretamente perante à CANAOESTE, ficando ressalvado que é a associação, por delegação do Estado, quem concederá o Certificado de Conformidade Agroambiental ao fornecedor associado, ficando a fiscalização das ações por conta dos diversos órgãos do Poder Público. Esta é, a nosso ver, uma novidade bem-vinda que visa fortalecer o sistema associativo no setor canavieiro paulista, pois a qualidade de associado a uma entidade representativa de classe de fornecedores de cana é condição fundamental para a concessão do Certificado de Conformidade Agroambiental que, como visto, não poderá ser concedido aos fornecedores de cana-de-açúcar não associados. Porém, após a conclusão do Plano de Ação, que está sendo elaborado pela CANAOESTE, e sua apresentação à Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, é que será possível a adesão do fornecedor associado, ressalvando que neste interregno de tempo estarão sendo realizadas reuniões técnicas regionais para maiores esclarecimentos. Juliano Bortoloti Advogado Revista Canavieiros - Agosto de 2008 31
  • Pragas e Doenças Migdolus! Uma preocupação com a praga oculta na região de Pitangueiras/SP C omo já publicado anterior mente na revista “Canavieiros”, a cana-de-açúcar é atacada por cerca de 80 pragas, porém pequeno número causa prejuízos à cultura. Dependendo da espécie da praga presente no local, bem como do nível populacional dessa espécie, as pragas de solo podem provocar importantes prejuízos à cana-de-açúcar, com reduções significativas nas produtividades agrícola e industrial. Marcelo de Felício O Migdolus fryanus é um besouro da Engenheiro agrônomo da Canaoeste família Cerambycidae, que, em sua fase larval, ataca e destrói o sistema radicular de várias culturas, como café, eucalipto, mandioca, feijão, uva, amora, pastagens, cipós nativos e a cana-de-açúcar. As perdas provocadas por esse inseto podem variar de algumas toneladas de cana por hectare até, na maioria dos casos, a completa destruição da lavoura, resultando na reforma antecipada mesmo de canaviais de primeiro corte. Larva de Migdolus fryanus. Além das dificuldades normais de controle de qualquer praga de solo, o desconhecimento de várias fases do ciclo desse coleóptero complica ainda mais o seu combate. Entretanto, os esclarecimentos atuais, fruto dos avanços tecnológicos alcançados nos últimos cinco anos, têm possibilitado, de certa forma, obter resultados satisfatórios de controle dessa praga. As condições de seca, bem como a redução ou mesmo a eliminação do uso de inseticidas organoclorados (Aldrin, Heptacloro, Thiodan), anotadas em muitas usinas e destilarias, resultaram num aumento significativo das áreas atacadas pelo Migdolus fryanus, principalmente nos Estados de São Paulo e Paraná. Comportamento do inseto A fêmea de Migdolus. fryanus tem vida praticamente subterrânea. Já o macho é bastante ativo, voa bem, ambos são escavadores e estão presentes fora do solo a partir do mês de outubro, assim que se iniciam as primeiras chuvas. O aparecimento dos machos é estimulado pelas fêmeas, que liberam um feromônio de atração sexual, provocando o fenômeno denominado de “revoadas de Migdolus” que ocorrem, após as priCiclo Biológico de meiras chuvas de outubro, variando uma região para outra, podendo acontecer até o mês de março. A fase larval é longa, quase sempre de um ano, podendo prolongar-se em dois ou três. As larvas de Migdolus. fryanus têm hábito subterrâneo, podendo atingir até de 4 (quatro) a 5 (cinco) metros de profundidade. Esse comportamento tem dificultado estudos biológicos do inseto. O que se conhece sobre esse coleóptero refere-se apenas aos primeiros 60 cm de profundidade no solo. Concomitantemente, em função da dificuldade de realizar estudos nas camadas mais profundas, presume-se que as informações até agora obtidas sobre o inseto sejam apenas de uma parte da população, aspecto que pode estar dificultando o emprego de métodos de controle eficientes. O macho é preto, apresentando asas posteriores desenvolvidas. A fêmea é marrom, com asas posteriores atrofiadas, e não voam. Ambos medem cerca de 18 a 25 mm de comprimento. 32 Revista Canavieiros - Agosto de 2008 A fêmea, após o acasalamento, penetra no solo, cavando galerias novas ou utilizando-se dos mesmos canais abertos para sua saída. Alguns dias depois, elas realizam suas posturas que podem ocorrer até as grandes profundidades. Sua larva é branca leitosa, chegando a medir cerca de 40 mm de comprimento, que, no final de seu estágio larvas, penetram a grandes profundidades, constroem no final da galeria uma câmara pupal e transformam-se em pupa. O ataque normalmente ocorre em reboleiras, em cana-planta e também nos contes subseqüentes. As larvas se alimentam tanto dos toletes como dos rizomas. Os rizomas atacados emitem poucas raízes, provocando o secamento de touceiras nas reboleiras infestadas, os prejuízos causados na produção final são grandes.
  • Pragas e Doenças Prejuízos e danos causados pela larva do Migdolus fryanus. As larvas do Migdolus destroem o sistema radicular da cana-de-açúcar de qualquer idade, perfurando-os em todos os sentidos e alimentandose dele. Em cana-de-açúcar, atacam o rizoma, podendo destruí-lo totalmente. Em canas jovens, as touceiras aparecem parcial ou totalmente secas e as falhas podem ser numerosas. Em canas mais velhas, as touceiras atacadas apresentam aspectos e canas afetadas por seca ou fogo. Os efeitos são mais evidentes durante os períoSintomas do ataque de Migdolus em cana soca. dos em que as plantas estão sujeitas a déficit hídrico, quando é possível encontrar números elevados de larvas junto às touceiras atacadas. Os adultos também podem fazer orifícios nos toletes. Por viver debaixo da terra e só sair na superfície por um curto período de tempo - para as revoadas de acasalamento - a praga é difícil de ser encontrada, o que prejudica seu controle. Os danos ao canavial são irreparáveis: de queda da produtividade à perda da plantação. Sintomas do ataque de Migdolus em cana planta. Controle da Praga O controle do besouro Migdolus é difícil e trabalhoso. Isso se deve ao fato de, aliado ao desconhecimento do seu ciclo biológico, o que impossibilita antever com exatidão o seu aparecimento em uma determinada área, a larva e mesmo os adultos passarem uma etapa da vida em grandes profundidades no solo (2 a 5 metros), o que proporciona a esse inseto uma substancial proteção às medidas tradicionais de combate. Apesar do modo de vida pouco peculiar desse inseto, o mesmo apresenta algumas características biológicas favoráveis ao agricultor, as quais devem ser exploradas no sentido de aumentar a eficiência do controle. Entre essas características merecem destaque as seguintes: - a baixa capacidade reprodutiva (cerca de 30 ovos por fêmea); - a fragilidade das larvas no que se refere a qualquer interferência mecânica no seu habitat; - o curto período de sobrevivência dos machos (1 a 4 dias); - a ausência de asas funcionais nas fêmeas, o que restringe, sobremaneira, a disseminação. Revista Canavieiros - Agosto de 2008 33
  • Pragas e Doenças O controle integrado do besouro Migdolus fryanus consiste no emprego concomitante de três métodos: mecânico, químico e cultural. Mas antes de fazer o controle na área, devemos levar em consideração a identificação correta da praga, por se tratar de um método de controle Na instalação das armadilhas precisamos de: 1 cavadeira, 1 garrafa de refrigerante, iscas (feromônio) e a armadilha. com alto custo, tanto na parte operacional quanto na compra dos produtos químicos. Para isso consiste no uso de armadilhas com pastilhas de feromônio sintético. Estes feromônios capturam os besouros machos - que são atraídos até a armadilha porque as pasti- lhas têm o mesmo cheiro dos besouros fêmeas - consequentemente caindo dentro da garrafa. Além do efeito de controle dessas armadilhas, deve-se ressaltar também a possibilidade de monitorar um grande número de fazendas, o que proporcionará, em breve, antever ataque de larvas nas raízes. Controle Mecânico O controle mecânico está vinculado à destruição do canavial atacado e, nesse aspecto, dois pontos importantes devem ser considerados: a época de execução do trabalho e os implementos utilizados. Estudos da flutuação populacional do Migdolus mostraram que a época do ano, na qual a maior porcentagem de larvas se concentra nos primeiros 20 a 30 cm do solo, coincide com os meses mais frios e secos, ou seja, de março a agosto. Desse modo, do ponto de vista do controle mecânico, a destruição das touceiras de cana, quando efetuada nessa época, mesmo que parcialmente, é muito mais efetiva. Aliada à época de reforma, o tipo de destruição também tem influência na mortalidade das larvas. Experimentos conduzidos em áreas infestadas revelaram que o uso de diferentes implementos por ocasião da reforma do canavial apresenta efeitos variados no extermí- nio das larvas de Migdolus. A grade aradora, passada apenas uma vez, atinge níveis de mortalidade ao redor de 40%, enquanto o uso de eliminador de soqueira, modelo Copersucar, hoje chamado de CTC (Centro de Tecnologia Canavieira), pode reduzir a população das larvas em mais de 80%. Outros trabalhos executados em condições de plantio comercial de cana-de-açúcar confirmaram a eficiência do destruidor de soqueira no controle das larvas do Migdolus. Os mesmos estudos assinalaram também bons resultados com o arado de aiveca, não só no aspecto relativo à mortandade de larvas, mas também na eficiente destruição dos canais usados pelas larvas na sua movimentação vertical durante o ano. Ainda no tocante ao método de reforma dos canaviais, alerta-se para a inconveniência do emprego do cultivo mínimo nas áreas infestadas com Migdolus. Controle Químico O método mais simples e prático de controle é o químico, aplicado no sulco de plantio. Essa forma de aplicação de inseticidas tem revelado resultados promissores no combate a essa praga. Experimentos mostraram que o emprego de inseticidas organoclorados (Endosulfan 350 CE) apresentou reduções significativas na população e no peso das larvas de Migdolus, quando comparadas a uma testemunha não tratada. A aplicação desses produtos resultou na proteção das touceiras de cana durante o primeiro corte da cultura, com aumentos na produção da ordem de 19 toneladas de cana por hectare. Os números mais expressivos de controle foram alcançados nas soqueiras subseqüentes. Os acréscimos de produtividade registraram valores superiores a duas ou três vezes aos encontrados nas parcelas-testemunhas, como conseqüência do uso de inseticidas. 34 Revista Canavieiros - Agosto de 2008 Estudos com o inseticida Endosulfan 350 CE, mostraram um retorno econômico altamente significativo, tanto em doses isoladas como quando associado a outros produtos. Uma outra forma de controle é a aplicação de inseticidas de longo poder residual no preparo do solo, através de bicos colocados atrás das bacias do arado de aiveca. Esse método, que implica no consumo de 300 a 1000 litros de solução por hectare, apresenta a vantagem de depositar o inseticida a aproximadamente 40 cm de profundidade, formando uma faixa protetora contínua. Os resultados atuais de pesquisa recomendam o controle químico através do emprego do inseticida Endosulfan 350 CE, aplicado no arado de aiveca na dosagem de 12 litros/ha, mais uma complementação com o inseticida Fipronil 800 WG, utilizado na dosagem de 300 g/ ha, colocado no sulco de plantio, no mo- mento de cobertura da cana. Vale lembrar que o Migdolus tem controle e é possível zerar a população de larvas do solo, mas para que isso aconteça é necessária a adoção de todas as técnicas e métodos de controle (mecânico + químico + cultural). No caso de apenas uma dessas técnicas ou métodos serem adotados isoladamente o produtor não terá a máxima eficiência no controle da larva, podendo ter prejuízos na próxima implantação do canavial. O método ou técnica correta para eliminar a larva de Migdlous no solo é: 1° destruição total da soqueira antiga com grade, arado ou eliminador de soqueiras. 2º aplicação do inseticida (endosulfan 12 litros/há) em sub superfície do solo. 3° aplicação do inseticida (fipronil 300 gramas/há) na cobrição dos toletes de cana.
  • Repercutiu Foto: Agência Brasil “Todos sabemos que é idéia de jerico produzir etanol do milho, como fazem os Estados Unidos. Mas temos que continuar produzindo porque em algum momento o mercado vai se abrir”, Do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. Ele frisou que a tendência é de que o álcool brasileiro consiga derrubar barreiras que atualmente restringem a exportação do produto a partir do momento que outros países começarem a se destacar na produção de etanol. Foto: Agência Brasil “A Unica lamenta profundamente a chance perdida de integrar, ao menos parcialmente, o etanol no sistema mundial de comércio, mesmo que o combustível fosse considerado ´produto sensível´, como solicitado pela União Européia”. Do presidente da Unica Marcos Jank. Com o fracasso das negociações na Rodada Doha após nove dias de intensas discussões em Genebra, na Suíça, a UNICA (União da Indústria da Cana-de-Açúcar), entende que perde-se mais uma excepcional oportunidade para fazer a rodada avançar, assim como a possibilidade de integrar um pouco mais o etanol no sistema mundial de comércio. “Com a constituição desta empresa, acreditamos ter instrumento para fazer crescer a agricultura familiar, e desenvolver a cadeia do biocombustível, contribuindo para o conseqüente desenvolvimento da humanidade, na medida em que vamos produzir um combustível mais limpo”, O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, sobre a criação da Petrobras Biocombustível, empresa que administrará os projetos de produção de biocombustíveis da Petrobras. As exportações do agronegócio brasileiro bateram recorde e atingiram US$ 33,8 bilhões, no primeiro semestre do ano, aumento de 16,3% em relação ao mesmo período de 2007. Apenas em junho, as vendas externas somaram US$ 6,5 bilhões, maior valor registrado para o mês. Relatório divulgado no dia 17 pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Revista Canavieiros - Agosto de 2008 35
  • Cultura Cultivando a Língua Portuguesa Biblioteca “GENERAL ÁLVARO TAVARES CARMO” "Novas Fronteiras do Etanol Os desafios da energia no século 21" Esta coluna tem a intenção de maneira didática, esclarecer algumas dúvidas a respeito do português Unica 1) Pedro disse: Maria está “ELEGANTÉRRIMA” no evento! Prezados amigos leitores não tenho nada contra algumas Renata Carone Sborgia* palavras, mesmo que não sejam usadas conforme a norma culta. Só não vou empregá-las quando estiver falando e/ou escrevendo em tom mais formal e/ou profissional. As palavras, como os seres humanos, têm o direito de existir! Dica: setores da imprensa, principalmente ligados à moda e ao colunismo social, passaram a usar liberalmente o sufixo ÉRRIMO, criando formas como chiquérrimo, riquérrimo, elegantérrimo. Mas existe uma que seria mais elegante utilizar? Esse é o verdadeiro segredo de quem usa bem o Português: não se trata apenas de escolher uma forma correta e uma errada, mas sim escolher, entre duas formas corretas, a mais adequada para a situação. ELEGANTÍSSIMO (a) podemos usar sempre, em qualquer contexto, em qualquer nível de linguagem. 2)Ficar fazendo algo inútil é uma “PERCA” ou “PERDA” de tempo? É o famoso ócio... quantas críticas, não? Prezado amigo leitor não perca esta explicação! O correto é PERDA DE TEMPO. São substantivos nascidos a partir de um verbo (deverbais) são formados pelo acréscimo de um elemento terminal: as vogais A, E ou O ao radical do verbo. Exemplos corretos: perder - perda, comprar – compra, vender - venda, trocar troca, resgatar - resgate, estudar - estudo. A forma PERCA existe, sim, mas é o presente do subjuntivo do verbo PERDER. Ex.: Pedro não quer que eu perca horas preciosas arrumando os arquivos antigos. 3) ...muitos não participaram da palestra porque estavam trabalhando. Maria teve “uma dó” dos amigos. E a Língua Portuguesa teve UM DÓ com o erro de Maria!!! Dica: a palavra DÓ, no sentido de pena, piedade, é um substantivo masculino. O correto é um dó. Ex.: Maria teve um dó dos amigos. Estou com muito dó da menina. * Advogada e Prof.ª de Português e Inglês Mestra—USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, Consultora de Português, MBA em Direito e Gestão Educacional, escreveu a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras) com Miriam M. Grisolia 36 Revista Canavieiros - Agosto de 2008 O São Paulo Ethanol Summit foi concebido para gerar bons e sadios debates acerca do presente e do futuro da energia renovável no planeta. Sede do mais bem-sucedido programa de conversão da energia solar em combustível via fotossíntese, o Brasil reúne todas as condições para catalisar o debate inevitável que acompanha qualquer trajetória inovadora nesse campo vital para o futuro da humanidade. Era imprescindível tratar do assunto a sério, identificando as querelas substantivas que, com alguma assiduidade, freqüentam circuitos acadêmicos ou foros multilaterais. A própria organização dos debates seguiu as grandes linhas em que se colocam os temas centrais da discussão sobre o potencial das energias renováveis. Salas temáticas específicas concentraram as três linhas de conhecimento que o Protocolo de Kyoto reconheceu como elementos da Sustentabilidade: o progresso econômico, a promoção social e a proteção ambiental. Os documentos originais dessas contribuições estão registrados em som e imagem. São arquivos que servirão à História, mas cujos destaques podem ser aproveitados desde já, reunidos nesta seleção oficial e que, além de oferecer elementos para reflexão, servem desde já como inspiração às futuras edições do SP Ethanol Summit. Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros podem procurar a Biblioteca da Canaoeste, na Rua Augusto Zanini, nº1461 em Sertãozinho, ou pelo telefone (16)3946-3300 - Ramal 2016
  • Agende-se Setembro de 2008 FENASUCRO 2008 - XV FEIRA INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA SUCROALCOOLEIRA Data: 02 a 05 de setembro de 2008 Local: Centro de Exposições Zanini - Sertãozinho - SP Temática: O maior evento tecnológico mundial de açúcar e álcool A FENASUCRO acontece desde 1993, quando o CEISE - Centro das Indústrias de Sertãozinho e o CIESP - Centro das Indústrias do Estado de São Paulo, convidaram a Multiplus Produções e Empreendimentos Ltda. para realizarem juntos uma feira de fornecedores de equipamentos e serviços para Usinas e Destilarias de açúcar e álcool de todo país. O objetivo era fazer um evento técnico e comercial capaz de reunir num único lugar, em um curto espaço de tempo, os profissionais do setor, apresentar as últimas novidades e "alavancar" futuros negócios. Mais Informações: (16) 3623-8936 AGROCANA 2008 - VI FEIRA DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA DA AGRICULTURADACANA-DE-AÇÚCAR Data: 02 a 05 de setembro de 2008 Local: Centro de Exposições Zanini - Sertãozinho - SP Temática: A Agrocana - Feira de Negócios e Tecnologia da Agricultura de Cana-de-Açúcar é um evento voltado para produtores de cana e profissionais que atuam na área agrícola das usinas. Sua primeira edição foi em 2003 e em 2005 passou a ser promovida simultaneamente à Fenasucro - Feira Internacional da Indústria Sucroalcooleira. A Feira apresenta lançamentos, novidades e informações voltadas para uma melhor produtividade no canavial, com produtos, insumos e equipamentos destinados ao preparo do solo, tratos culturais, plantio, colheita e transporte da cana. Com periodicidade anual, a Agrocana tornou-se referência para produtores que buscam implantar ou atualizar tecnologia na lavoura. Mais Informações: (16) 3623-8936 SEMINÁRIO"IMPACTOSSOCIOAMBIENTAIS-EQUÍVOCOS,ENTRAVES E PROPOSIÇÕES CONTEMPORÂNEAS Data: 11 e 12 de setembro de 2008 Local: Antonios Palace Hotel - Piracicaba - SP Temática: Com o intuito de reunir experiências, problematizar práticas metodológicas e instrumentos tradicionais de planejamento e avaliação de impactos ambientais e compartilhar proposições contemporâneas que auxiliem nas tomadas de decisão dos diversos atores comprometidos com a questão ambiental, a Casa da Floresta está organizando o seminário "IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS - Equívocos, entraves e proposições contemporâneas". Mais Informações: (19) 3433-7422 III SIMPÓSIO BRASILEIRO DE CITRICULTURA Data: 18 e 19 de setembro de 2008 Local: ESALQ-USP - Anfiteatro do Pavilhão da Engenharia – Piracicaba – SP Temática: Será dividido em quatro painéis: 1- Aspectos econômicos; 2º: Resistência genética de citros a patógenos; 3º: Fitossanidade e fisiologia da Produção; Huanglongbing - histórico e perspectivas de controle no Brasil e E.U.A - Reinaldo Donizete Corte (sanicitrus); 4º:custos de implantação e produção - Dr. Maurício Lemos Mendes da Silva (FNP) Mais Informações: (19) 3417-6604 Revista Canavieiros - Agosto de 20082008 Revista Canavieiros - Agosto de 37
  • Vende-se Vende-se Caminhão MB 2635 traçado, 98/99, 2213 super-conservado, raridade, traçapronto. R$ 175.000,00. Tratar com o Fur- do e reduzido de fabrica, pneus 90% lan pelo telefone (66) 9988-4267 bons, com gaiola, semi-nova. Ótimo preço. Tratar com Wladimir pelo telefone Vendem-se (16) 3664- 1535 ou 8141-3813 - Sítio de 21 alqueires no município de São Carlos - Tratar com Paula (17) 9618 Vende-se 5127 ou (17) 3395 1926 54000 há, ótima para grãos e cana na re- Sítio de 17 alqueires no município de gião de Uruçuí-Piaui, vizinho de cerca da Taquaral - Tratar com Roberto (17) 3918 Bunge, preço de 45 sacas de soja/ha à vista 5130 ou (17) 3395 1926 ou 55 sacas/ha 50% de entrada e o restante em 1 ano. Tratar com José Paulo Prado pelo Vende-se telefone (19) 3541-5318 ou 9154-8674 Trator Ford, modelo 5610, ano 84 em bom estado. Tratar com João Luiz Ferreira pelo Vende-se telefone (17) 3347- 11-90 Jaborandi Caminhão ano 82/83, truck, caçamba reduzido, bom de cabine caçamba iderol Vende-se de 8 metros muito boa, mecânica boa e Ford Cargo 2831, traçado, ano 2005/06, tra- pneus bons. Tratar com Junior Gazoti balhando. Canavieiro com ou sem reboque, pelo telefone (18) 9749-5042 2 eixos. Urgente. Aceito troca. Tratar com contato Vicente pelo telefone (34) 9102-5798 Vende-se ou Welton pelo telefone (34) 9903-6885 1 Grade niveladora 32x20 Pitcin; 1 Enleirador de amendoim, Vende-se 1 Grade aradora 14x20 Baldan; Carroceria canavieira, cana inteira, pron- 1PlantadeiraJM2900Exactacom6linhasJummil; ta para o trabalho. R$ 17.000,00 Tratar com 1 Pulverizador Jatao 600 Export Jacto; Alexandre pelo telefone (16) 9248-1575 1 Cultivador tipo gradinhas para cana. Semi-novos. Todos com preços espeVende-se ciais. Tratar com Carlos Biagi pelo teleMB 1113 toco. Ano 72, mod. 84, cara preta, fone (16) 3946-4200. hidráulico, turbinado, freio ar, rodoar, pneus 1000, motor novo. Tratar com Cléber pelo Vende-se telefone (16) 3951-6982 ou 9132-0006 Carroceria canavieira nova para Scania 124, com fueiros removíveis. Preço de Vende-se ocasião R$18 mil. Tratar com Otávio pelo MB 1113/74, traçado, motor 352 a bom- telefone (14) 8134-3377 ba e caixa de direção do 1620, bomba injetora com lda e mais. Ótimo preço Vendem-se R$40.000.00. Tratar com José Luiz pelo 01Camionete S-10, 2008, 4x4, turbo, telefone (18) 9733-8510 4600km, equipada, cabine simples. 01 Caçamba p/ esparramar torta de filVende-se tro p/ caminhões 01 Triplece São Francisco (DMB) 01 Semeato PAR-3000, 7/9, plantio dire- 02 Linhas to em palha, nova - Nova Tratar com João Carlos de Freitas pelo Tratar com Marcelo (16) 9245-2252 telefone (16) 9137-8389 / 3957-1254 38 Revista Canavieiros - Agosto de 2008 Vendem-se Engenho: 01 terno de moenda 18/24 ; 02 esteiras para cana; 01 picador; 01 guindaste Tratar com Márcio Viana pelo telefone (31) 8484-0612 ou 9946-9267 Vende-se Caminhão Mercedez Benz 2635, revisado, câmbio novo na garantia, motor com 10 mil km (trocados kits original Mercedez), 10 pneus borracudos Pirelli 80%, nenhum ressolado, freios novos. Tratar com Mateus pelo telefone (14) 3441-2149 ou 9784-1122 Vende-se Caminhão Mercedes Benz L2220, ano 1988, na cor branca, caminhão está trabalhando. Preço R$65.000,00. No chassis, pego carro no negócio. Tratar com Luis Carlos Forte pelo telefone (16) 33432640 ou 9721-3731 Vendem-se 01 Transformador de 15 KVA 01 Transformador de 45 KVA 01 Transformador de 75 KVA Lascas, palanques e mourões de aroeira Tratar com Wilson pelo telefone (17) 9739-2000 Vende-se 01 plantadeira JUMIL JM 2880 8/7, ano 2004. Nova. Tratar com Marcio Sarni pelo telefone (16) 3946-4200.
  • Revista Canavieiros - Agosto de 2008 39
  • 40 Revista Canavieiros - Agosto de 2008