Revista Canavieiros - Maio de 2008

1
2

Revista Canavieiros - Maio de 2008
Editorial

Ganhando
produtividade
e eficiência
A edição da Canavieiros deste
mês traz na capa reportagem sobre a fertirrig...
Indice

EXPEDIENTE

Capa

CONSELHO EDITORIAL:
Antonio Eduardo Tonielo
Augusto César Strini Paixão
Clóvis Aparecido Vanzell...
Entrevista

Evaristo de Miranda
Chefe-geral da unidade de pesquisa da EMBRAPA
Cristiane Barão

A

cana-de-açúcar retira da...
Entrevista
Canavieiros: Qual a importância
desse estudo?
Evaristo Miranda: Ajuda as pessoas a entenderem que, além da cont...
Entrevista
lar isso porque não houve desmatamento na região. Se eu fosse na
Amazônia para calcular quanto pesava um hectar...
Ponto de Vista

Sertãozinho no contexto do
Etanol
Por Almir Torcato - Planejamento e Controle Canaoeste

O

setor sucroalc...
Ponto de Vista
Sertãozinho conta atualmente com 39 indústrias exportadoras, segundo
informações da SECEX, mas o número de ...
Ponto de Vista

Sertãozinho, então, concentra
grande parte de empresas de pequeno a grande porte da região de Ribeirão Pre...
Notícias
Copercana

Copercana incorpora
Coopervam
Carla Rossini

Cooperativa, com sede em Descalvado, passa a se chamar Co...
Notícias
Canaoeste

Contra números não há
argumentos
Manoel Carlos de Azevedo Ortolan*

A

pesar da ofensiva do governo e
...
Notícias
Canaoeste

Consecana

CIRCULAR Nº 02/08
DATA: 30 de abril de 2008

Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açú...
Notícias
Canaoeste

Canaoeste odontologia
Canaoeste odontologia
Marcelo Massensini

Convênio também beneficia os funcionár...
Revista Canavieiros - Maio de 2008

15
Notícias
Cocred
Balancete Mensal
Cooperativa de Crédito dos Plantadores de Cana
de Sertãozinho BALANCETE - Março/2008
Valo...
Revista Canavieiros - Maio de 2008

17
18

Revista Canavieiros - Maio de 2008
Revista Canavieiros - Maio de 2008

19
Feiras do Setor

Revista Canavieiros na
Agrishow 2008
Marcelo Massensini

P

ela primeira vez em quase dois
anos de circul...
Feiras do Setor

IV Agronegócios Copercana
com força total
Carla Rossini

Feira exclusiva aos cooperados do sistema Coperc...
Reportagem de Capa

Fertirrigação por
gotejamento e produtividade
Cristiane Barão

Necessidades de otimizar o uso da água ...
Reportagem de Capa
ta a quantidade de açúcar por hectare
e amplia a vida da lavoura e é possível, por meio do gotejamento,...
Novas Tecnologias

Vôo alto do Etanol
Marcelo Massensini

S

Mas é verdade. Por mais difícil que
seja acreditar – principa...
Reportagem de Capa
“É um incentivo para a modernização da nossa agricultura, para o aumento
da produtividade e para fortal...
Informações Setoriais

CHUVAS DE ABRIL
e Prognósticos Climáticos
e Prognósticos Climáticos
No quadro abaixo, são apresenta...
Informações Setoriais
Mapa 2:- Água Disponível no Solo ao final de ABRIL de 2007.

Mapa 3:- Água Disponível no Solo, a 50 ...
Legislação

Queima de palha de cana-de-açúcar
.
Precauções necessárias
para se evitar autuações
ambientais e ações judicia...
na legislação de queima ou, mais gravemente, efetuar a queima sem a devida autorização, fica evidente que não
lhe restará ...
Artigo Técnico

Grau de maturidade da cana:
Alguns valores de referência

A

maturação da cana-de-açúcar, como se sabe, é ...
Revista Canavieiros - Maio de 2008

31
Artigo Técnico

Entenda o que está
acontecendo com o preço
do kg de ATR
Thiago de Andrade Silva - Assistente de Controle A...
crescer 27% e atingir 3,9 bilhões
de litros, tendo como principais
destinos os Estados Unidos (direto ou via Caribe) e Eur...
Pragas e Doenças

Vírus do Mosaico da
Cana-de-açúcar
*Sizuo Matsuoka

O

vírus do mosaico da canade-açúcar causa nas folha...
Pragas e Doenças
mados afídeos, que são capazes de
transmitir esse vírus e que, curiosamente, não é o pulgão que especific...
Biblioteca

Cultura

Cultivando
a Língua Portuguesa

“GENERAL ÁLVARO
TAVARES CARMO”
"Revenda competitiva no Agronegócio: C...
Revista Canavieiros - Maio de 2008

37
Vende-se
01 Pá Carregadeira CASE, modelo W7E
ano 80, em excelente estado de
conservação.Tratar com Júnior ou Maurício pelo...
Revista Canavieiros - Maio de 2008

39
40

Revista Canavieiros - Maio de 2008
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Ed23maio08

443 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
443
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ed23maio08

  1. 1. Revista Canavieiros - Maio de 2008 1
  2. 2. 2 Revista Canavieiros - Maio de 2008
  3. 3. Editorial Ganhando produtividade e eficiência A edição da Canavieiros deste mês traz na capa reportagem sobre a fertirrigação por gotejamento, mais uma técnica que pode ser adotada com o intuito de elevar a produtividade. O uso dessa tecnologia nos canaviais promete, sobretudo pela necessidade de otimizar o uso da água e insumos. O objetivo da reportagem é mostrar as vantagens e os investimentos necessários e também o que o produtor deve analisar antes de adotar a fertirrigação. O entrevistado deste mês é Evaristo de Miranda, chefe geral da Embrapa Monitoramento por Satélite. Ele fala sobre o estudo realizado em parceria com a ABAG-RP (Associação Brasileira do Agronegócio da Região de Ribeirão Preto) e com a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). De acordo com o estudo, a cana-de-açúcar retira da atmosfera dióxido de carbono – causador do efeito estufa – e o incorpora na fitomassa (massa vegetal) em quantidades que chegam a ser de três a 12 vezes maiores do que as demais culturas desenvolvidas no nordeste paulista. No Ponto de Vista, o funcionário do departamento de Planejamento e Controle da Canaoeste, Almir Torcato, aborda a importância da cidade de Sertãozinho no mercado nacional e internacional. Importância essa atingida graças ao bom momento do etanol. O “Notícias Copercana” relata a assembléia de Incorporação da Copervam (Cooperativa Agropecuária do Vale do Mogi-Guaçu). Com sede em Descalvado e filiais em cinco municípios, a cooperativa passa a se chamar Copercana. Nas páginas da Canaoeste o leitor encontra um artigo do presidente da associação, Manoel Ortolan, intitulado “Contra números não há argumentos”. Ortolan aborda a recente controvérsia sobre a produção de biocombustíveis e de alimentos. O destaque deste mês vai para as feiras do setor: pela primeira vez em quase dois anos de circulação, a Revista Canavieiros participou, com um estande, da Agrishow-Ribeirão Preto. E recebeu mais de 7 mil pessoas. Além disso, uma reportagem traz a prévia do IV Agronegócios Copercana. A feira, exclusiva para cooperados e associados do sistema Copercana, Canaoeste e Cocred, acontece em junho e deve movimentar mais de R$80 milhões. A Canavieiros traz, ainda, dicas sobre Pragas e Doenças com Sizuo Matsuoka, um artigo técnico sobre o preço do ATR, os prognósticos climáticos do Dr. Oswaldo Alonso, o artigo jurídico do Dr. Juliano Bortoloti, dicas de português, indicação de livros, agenda de eventos, repercutiu, classificados e muito mais. Boa Leitura! Conselho Editorial Revista Canavieiros Maio de 2008 Revista Canavieiros -- Maio de 2008 3
  4. 4. Indice EXPEDIENTE Capa CONSELHO EDITORIAL: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson Fertirrigação por gotejamento e produtividade Necessidades de otimizar o uso da água e insumos e crescer verticalmente devem estimular a expansão da técnica; o que o produtor precisa analisar antes de implantá-la Pag. Pag. EDITORA: Cristiane Barão – MTb 31.814 22 DESTA DESTA QUES OUTRAS Entrevista JORNALISTA RESPONSÁVEL: Carla Rossini – MTb 39.788 CONSECANA Evaristo de Miranda Pag. 13 Chefe-geral da unidade de pesquisa da EMBRAPA Pag. “A cana está produzindo um antiefeito estufa”, diz Miranda. Pag. Pag. 05 COLABORAÇÃO: Marcelo Massensini 20 DIAGRAMAÇÃO: Rafael H. Mermejo FEIRAS DO SETOR FOTO CAPA: BOTHANICA SISTEMA DE IRRIGAÇÃO REPERCUTIU FOTOS: Carla Rossini Marcelo Massensini Pag. 25 Pag. 26 Pag. 28 Pag. 30 ARTIGOS TÉCNICOS Copercana - Copercana incorpora Coopervam Pag. 34 PRAGAS E DOENÇAS IMPRESSÃO: São Francisco Gráfica e Editora AGENDE-SE Notícias Pag. TIRAGEM: 7.500 exemplares CULTURA ISSN: 1982-1530 Ponto de vista Por Almir Torcato LEGISLAÇÃO Sertãozinho no contexto do Etanol Pag. Pag. Notícias 08 08 11 Pag. 12 Pag. Canaoeste - Contra números não há argumentos - Canaoeste odontologia Notícias Cocred - Balancete Pag. 16 Pag. 4 4 Revista Canavieiros - Maio de 2008 DEPARTAMENTO DE MARKETING E COMUNICAÇÃO: Ana Carolina Paro, Carla Rossini, Daniel Pelanda, Letícia Pignata, Marcelo Massensini, Rafael Mermejo, Roberta Faria da Silva. 35 36 CLASSIFICADOS Pag. 38 Tecnologias Novas Tecnologias Vôo alto do Etanol “Esse motor representa um verdadeiro salto tecnológico, pois alia redução de custo com aumento de produtividade”. COMERCIAL E PUBLICIDADE: (16) 3946-3311 - Ramal: 2008 comercial@revistacanavieiros.com.br Pag. Pag. 24 Foto divulgação Embraer Planejamento e Controle Canaoeste INFORMAÇÕES SETORIAIS A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. ENDEREÇO DA REDAÇÃO: Rua Dr. Pio Dufles, 532 Sertãozinho – SP - CEP:- 14.170-680 Fone: (16) 3946 3311 www.revistacanavieiros.com.br
  5. 5. Entrevista Evaristo de Miranda Chefe-geral da unidade de pesquisa da EMBRAPA Cristiane Barão A cana-de-açúcar retira da atmosfera dióxido de carbono - causador do efeito estufa - e o incorpora na fitomassa (massa vegetal) em quantidades que chegam a ser três a 12 vezes maiores do que as demais culturas desenvolvidas no nordeste paulista. Enquanto a cana imobiliza 107,2 toneladas de carbono por hectare/ano, a soja e o milho incorporam 31,6 ton/ha; o eucalipto, 21,3 ton/ ha; as pastagens, 11,7 ton/ha; o café, 10,3 ton/ ha e os citrus, 8,4 ton/ha. É o que revela o estudo realizado pela Embrapa - Monitoramento por Satélite em parceria com a ABAG-RP (Associação Brasileira do Agronegócio da Região de Ribeirão Preto) e a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e apresentado pelo chefegeral da unidade de pesquisa, Evaristo de Miranda, no início deste mês, em Ribeirão Preto. O levantamento comparou, com base em fotos de satélite, a área ocupada pelas culturas em 1.988 e em 2.003 em 125 cidades da região e concluiu que em 118 delas houve elevação do carbono acumulado na fitomassa devido à incorporação de áreas de pastagens pela cana-deaçúcar. “A cana está produzindo um antiefeito estufa”, diz Miranda. Além disso, o estudo concluiu que no período analisado houve um aumento de cerca de 60% no carbono imobilizado na fitomassa dos agrossistemas. Em 1.988, 170 milhões de toneladas de CO2 foram incorporados e em 2.003, 217 milhões/ton, sendo a cana a cultura que mais contribuiu para esse acúmulo - a quantidade de carbono incorporado dobrou no mesmo período. De acordo com Miranda, a cana produz um antiefeito estufa, ao contrário do que muita gente pensa. Segundo ele, que é ecólogo, agrônomo e autor de vários livros, o estudo será aprofundado e é bem provável que os resultados apresentados agora estejam subestimados e que o desempenho da agricultura na incorporação de carbono pode ser maior. A seguir, a entrevista do chefe-geral da Embrapa - Monitoramento por Satélite. Revista Canavieiros - Maio de 2008 5
  6. 6. Entrevista Canavieiros: Qual a importância desse estudo? Evaristo Miranda: Ajuda as pessoas a entenderem que, além da contribuição que a cana dá ao substituir a gasolina pelo etanol e o gás da Bolívia por meio da co-geração de energia elétrica, ela nos ajuda porque ela retira e armazena o gás carbônico da atmosfera. Tem muito mais carbono atmosférico numa plantação de cana-de-açúcar do que existe na soja, no milho, nas pastagens. Quer dizer, no tocante ao carbono atmosférico, a cana apresenta um ganho muito importante. Eu brinco dizendo o seguinte: os nossos avós abriram essa região, desbravaram esse sertão, e quando fizeram isso, eles jogaram muito carbono na atmosfera. Os netos, ao expandir a cana, estão recuperando da atmosfera quase um quarto do carbono que os avós jogaram naquela época. A cana está produzindo um antiefeito estufa. As pessoas querem apagar o rastro de carbono. Aí, um banco (referindo-se a uma propaganda de uma instituição bancária) convida: plante uma árvore, três. Se plantar cana, também é possível apagar o rastro de carbono. áreas. Então há também um outro carbono que a cana está trazendo, que é dessa vegetação natural, cuja recuperação está se aumentando devido à mecanização da cultura. Canavieiros: Isso pode ser contabilizado no mercado de crédito de carbono? Miranda: Não. Eu até brincava: o que vamos precisar fazer para que isso possa contar no mercado de carbono? Bom, primeiro é preciso arrumar algum exemplo na Europa. Porque se um modelo lá der certo e os europeus acreditarem, aí rapidamen- “ emissões deles porque, pela metodologia, aquilo não vale. Canavieiros: Esse levantamento pode, de alguma forma, contribuir na discussão sobre a reserva legal? Miranda: Não muito. Acho que o que deveria contribuir nessa questão é discutir para quê existe uma reserva legal. Eu não sei para quê. Não há justificativa séria para isso. A APP é muito clara e qualquer agrônomo defende que a APP tem que ser preservada. É importante ter vegetação, é importante para a água, para a conservação de solo. Agora, a reserva legal é para quê? Para manter testemunho da vegetação antiga? É para preservar a fauna? E não tem biodiversidade na área da agricultura? Tem muita biodiversidade. Temos exemplos de áreas agrícolas na região de Ribeirão Preto que têm uma diversidade faunística maior do que em muitas áreas de reserva. Essa discussão da biodiversidade poderia contribuir com a questão da reserva legal. "Nessa região nós temos mais de 100 milhões de toneladas de carbono a mais na vegetação" Canavieiros: Esse estudo pode valer como um começo para um selo de sustentabilidade da cana? Miranda: Deveria. Além da cana substituir os combustíveis não-renováveis, quando ela ocupa áreas de pastagens, traz ganhos em matéria de carbono. Porque na realidade, na região de Ribeirão Preto e também na de Barretos, quando o pasto vira cana, ele não vira todo cana: se havia mil hectares de pasto, serão 800/ ha de cana porque ela (cana) não vai nos morros nem na beira do rio. Já o boi desce o rio, sobe o morro. Em toda a fazenda onde a pastagem virou cana, 80, 85% viraram cana. O restante é APP (Área de Preservação Permanente). A cana está levando a uma recomposição da mata ciliar, da vegetação natural nas encostas porque as máquinas não vão até essas 6 Revista Canavieiros - Maio de 2008 te vai dar certo no resto do mundo. Enquanto for só coisa nossa vai ser difícil porque, na verdade, hoje as regras de emissões de carbono usam critérios de países europeus, da América do Norte e países temperados e não do nosso. Acabam superestimando a nossa emissão e subestimando a deles. Quando as pessoas vêem aqueles incêndios na Califórnia, aquilo não entra na conta das Canavieiros: Qual a incorporação de carbono pela cana em comparação a outras culturas? Sistema da ABAG-RP já produziu outros estudos O estudo “Dinâmica espaço-temporal do carbono aprisionado na fitomassa dos agroecossistemas do nordeste do Estado de São Paulo”, apresentado no início do mês, é o terceiro originado a partir do Sistema de Gestão Territorial da ABAG-RP, desenvolvido em parceria com a Embrapa-Monitoramento por Satélite e Fapesp, que mapeou toda a cobertura da terra na região noroeste do Estado de São Paulo. O primeiro estudo foi focado no uso e ocupação das terras e indicadores sociais e o segundo, nas questões ambientais, abrangendo animais e ocupação das classes de solo. “Esse sistema de gestão é uma ferramenta que permite uma resposta científica para questões que, às vezes, estão carregadas de ideologia”, disse a diretora-executiva da ABAG-RP, Mônika Bergamaschi.
  7. 7. Entrevista lar isso porque não houve desmatamento na região. Se eu fosse na Amazônia para calcular quanto pesava um hectare de floresta na épo- Miranda: A cana normalmente tem de três a oito vezes mais carbono do que a maioria das culturas. Ela gera muito todo ano, enquanto nas outras culturas a produção é muito lenta. O carbono da vegetação agrícola é mais do que isso - raiz, tronco, folhas - porque esse nosso número seria o mínimo, mas é mais. Em relação a florestas, não há muito sentido em fa- “Tem muito mais carbono atmosférico numa plantação de cana-de-açúcar do que existe na soja, no milho, nas pastagens. Quer dizer, no tocante ao carbono atmosférico, a cana apresenta um ganho muito importante” “ ca em que o Cabral chegou e fosse lá hoje para ver quanto pesa, seria a mesma coisa. Não aconteceu nada, só renovou as folhas que caíram. Na agricultura, essa área é dinâmica. Canavieiros: Essa é a terceira fase da pesquisa com base no Sistema de Gestão Territorial da ABAGRP. Qual o próximo passo? Miranda: Nós vamos melhorar esse estudo e sabemos que menos do que isso não é, mas provavelmente é um pouco mais. Nós não medimos o carbono que a agricultura vai armazenando no solo. Com a redução da queima da cana, aumenta o carbono do solo. Essa conta precisa ser feita. Lá na Amazônia, o que tinha de carbono no solo na época do Cabral é o mesmo que tem hoje. Na agricultura, não, quando você muda o sistema de produção. Vamos fazer a sintonia fina no estudo. Mas o grande número está aí: nessa região nós temos mais de 100 milhões de toneladas de carbono a mais na vegetação. Se colocássemos na balança toda a vegetação agrícola que havia em 1.988 e em 2.003, tem mais 100 milhões toneladas a mais. O carbono está aí na vegetação agrícola. Revista Canavieiros - Maio de 2008 7
  8. 8. Ponto de Vista Sertãozinho no contexto do Etanol Por Almir Torcato - Planejamento e Controle Canaoeste O setor sucroalcoo leiro brasileiro se tornou alvo diário da mídia nacional e internacional. À medida que o setor ganha notoriedade internacional – gerando expectativa quanto ao crescimento do mercado sucroalcooleiro – a atenção se volta, principalmente, para a área tecnológica. O sucesso com as crescentes vendas internas de veículos leves bicombustíveis e o fato do etanol ganhar cada vez mais espaço no mundo – graças às preocupações ambientais e incertezas em relação ao petróleo – têm sido os motivos para tamanha euforia e fomento de especulações a respeito do setor. Sertãozinho, por sua vez, conhecida como pólo industrial e tecnológico, acompanha tal desenvolvimento apoiada em suas indústrias de base. A ascensão inicial aconteceu por ocasião do apoio ao Programa Nacional do Álcool – PROÁLCOOL – hoje com mais de 30 anos, que buscava reduzir a dependência do petróleo, devido aos altos preços. O projeto trouxe um forte crescimento da indústria sucroalcooleira nacional, principalmente de Sertãozinho e Piracicaba. Diante da crescente redução da oferta de petróleo e novas tecnologias para produção de energia, propicia-se, então, um mercado em potencial bastante aquecido, onde hoje colhemos os frutos plantados pelo etanol: as indústrias específicas de equipamentos destinados para a produção de açúcar, álcool e bioenergia. A partir de dados referentes à balança comercial da cidade de Sertãozinho por um período de 10 anos, observa-se o crescimento de suas exportações. 8 Revista Canavieiros - Maio de 2008 Sertãozinho, exportou US$ 192 milhões, ou seja, 60% do valor de Ribeirão Preto, que é cinco vezes maior e que totaliza US$ 311 milhões exportados. Nota-se um incremento de aproximadamente 350% em um intervalo de 10 anos, baseados, principalmente, no setor sucroalcooleiro, que possibilita um saldo positivo de US$ 160 milhões em 2007.
  9. 9. Ponto de Vista Sertãozinho conta atualmente com 39 indústrias exportadoras, segundo informações da SECEX, mas o número de empresas voltadas para a atividade industrial sucroalcooleira é ainda maior, de aproximadamente 90 empresas, segundo relação fornecida pelo CEISE. gia: são empresas também constituídas por um número pequeno de funcionários, mas atuam única e exclusivamente no desenvolvimento de projetos, pesquisa e tecnologia, que destinam seus serviços para empresas do tipo 1, que não possuem Pesquisa e Desenvolvimento próprio. TIPO 3 – Empresas de Tecnologia e Serviço: normalmente empresas constituídas por um grande número de funcionários, que possuem pesquisa, desenvolvimento e tecnologia própria, aptas a atuar diretamente no mercado externo. Justamente através de tal característica, o campo industrial sertanezino se fortalece. Através de alianças e parcerias, juntas, conseguem oferecer um produto completo. Ainda na questão montante de exportação, usando domicílio fiscal como fator determinante, qualificamos as 39 empresas exportadoras em 3 classes, sendo elas: · Exportação de até US$ 1 milhão · Exportação entre: US$ 1 e 10 milhões · Exportação entre US$ 10 e 50 milhões. Divididas da seguinte forma: É possível classificar as empresas sertanezinas relacionadas à produção de equipamentos para a área industrial de produção de açúcar, álcool e energia, em três classes distintas: TIPO 1 – Empresas Prestadoras de Serviços: normalmente constituí- das por um número pequeno de funcionários, sem possuir trabalho de pesquisa, desenvolvimento e tecnologia, que em sua maioria cooperam ou prestam serviço para as empresas do tipo 3. TIPO 2 – Empresas de Tecnolo- Revista Canavieiros - Maio de 2008 9
  10. 10. Ponto de Vista Sertãozinho, então, concentra grande parte de empresas de pequeno a grande porte da região de Ribeirão Preto, fornecedoras de serviços e tecnologia, sendo possível, comprar, em um único dia, componentes para uma usina inteira, (das máquinas aos fertilizantes, das caldeiras aos parafusos). Poderemos observar no relatório ao lado, os principais produtos exportados: De acordo com a expansão e fomento internacional, apresentam-se os principais blocos econômicos – com valor e comparativo 2006/2007 – dos importadores de produtos produzidos em Sertãozinho. Sem dúvida, já é comprovado o interesse internacional em nossa tecnologia, não apenas pelas exportações, mas também pelas freqüentes visitas internacionais. Reafirma-se, então, a necessidade do empenho de nossas indústrias na diversificação dos mercados e investimento em novas tecnologias e tendências para acompanhar as mudanças, a fim de atender as necessidades para continuarmos detendo o potencial. 10 Revista Canavieiros - Maio de 2008
  11. 11. Notícias Copercana Copercana incorpora Coopervam Carla Rossini Cooperativa, com sede em Descalvado, passa a se chamar Copercana A Copervam (Cooperativa Agropecuária do Vale do MogiGuaçu), com sede em Descalvado e filiais em cinco municípios, foi incorporada pela Copercana (Cooperativa dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo). A incorporação foi aprovada por unanimidade em Assembléia Geral Extraordinária Conjunta das duas cooperativas realizada no dia 23 de abril, no auditório da Canaoeste, com a presença de 163 associados. A Coopervam tem filiais nas cidades de São Carlos, Santa Rita do Passa Quatro, Porto Ferreira, Santa Cruz das Palmeiras e Santa Rosa do Viterbo, contando com 1.142 cooperados e para onde a Copercana, com a incorporação, expandirá seus negócios, levando produtos e serviços para suprir as necessidades dos produtores daquela região. 163 cooperados prestigiaram a Assembléia responsabilidade com a certeza de que é um bom negócio para ambas as cooperativas. Quem conhece a Copercana sabe da nossa seriedade administrativa e os cooperados da Coopervam terão o mesmo tratamento dado aos nossos cooperados da Copercana”, afirmou Tonielo. Pelo processo de incorporação, a Copercana absorverá o patrimônio, receberá os cooperados, assumirá todas as obrigações e investirá em todos os direitos da cooperativa incorporada, com transferência total, em resumo, do ativo e passivo da Coopervam para a Copercana. O presidente da Copercana, Antonio Eduardo Tonielo, deu boasvindas aos cooperados da Coopervam que, a partir de agora, passam a inte- Luciano Gavião: “No processo de globalização, não há espaço para pensar pequeno” grar o quadro associativo da Copercana, falando da importância do ato da incorporação. “Assumimos essa Antônio Tonielo: “Assumimos essa responsabilidade com a certeza de que é um bom negócio” O presidente da Coopervam, Luciano José de Almeida Gavião, também se mostrou satisfeito com a incorporação, explicando que “no processo de globalização, não há espaço para pensar pequeno e que a Copercana, como grande e forte cooperativa que é, trará muito mais benefícios aos cooperados da Coopervam, pois tem melhores condições para atender e suprir as necessidades dos produtores”. Ao final, os cooperados aplaudiram a incorporação e, logo após, foram recepcionados em festa de confraternização oferecida pela Copercana. Revista Canavieiros - Maio de 2008 11
  12. 12. Notícias Canaoeste Contra números não há argumentos Manoel Carlos de Azevedo Ortolan* A pesar da ofensiva do governo e do setor produtivo brasileiro em relação às acusações de que a produção de biocombustíveis compromete a de comida e contribui para o aumento da fome, ainda há muitas dúvidas e desinformação sobre a capacidade brasileira de fornecimento de alimentos e energia. Pelo que acompanhamos pela imprensa, há um intenso fluxo de delegações estrangeiras, especialmente nas últimas semanas, para conhecer o agronegócio brasileiro e a produção de biocombustíveis. Uma comitiva do Parlamento Europeu esteve no Congresso Nacional e no Ministério da Agricultura na semana passada para colher informações. Há dez dias veio uma delegação da Suécia e nas próximas semanas virá uma da Alemanha. No entanto, as próprias estimativas de safra divulgadas semanas atrás pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) já respondem às dúvidas: a área e a produção de cana e de grãos seguem em crescimento. Se as críticas tivessem fundamento, a cana teria avançado ferozmente sobre os grãos que, por sua vez, teriam produção menor. A estimativa divulgada no início de abril aponta para uma safra recorde de grãos, com 140,8 milhões de toneladas, superior em 6,8% à anterior, quando foram colhidas 131,7 milhões/ton. As condições climáticas ajudaram e o aumento na produtividade do milho e da soja, impulsionado pelos bons preços e pelo uso de novas tecnologias, também contribuiu. A soja saiu dos 58,4 milhões/ton da safra passada para 59,9 milhões/ton, enquanto o milho, segunda safra, passará de 14,8 milhões/ton a 17,4 milhões/ton. O feijão, segunda safra, terá um aumento de 40%, passando de 996,6 mi/ton para 1,4 milhão. Em relação ao arroz, houve diminuição de área nos Estados, com exceção do Rio Grande do Sul, que é o maior produtor brasileiro. A área total plantada será de 46,7 milhões de hectares, um aumento de 1,1% 12 Revista Canavieiros - Maio de 2008 em relação à safra anterior, que foi de 46,2 milhões/ha. A produção de trigo, que foi de 1,5 milhão/ton, passará a 3,8 milhões/ton. Também em relação à cana-de-açúcar, a safra será a maior da história, de acordo com a estimativa divulgada na Agrishow - Ribeirão Preto. O volume a ser processado pela indústria deverá ficar entre 558,1 e 579,8 milhões de toneladas, um aumento entre 11,3% e 15,6% em relação à safra anterior. A área ocupada pela cultura será 7,8 milhões de hectares, contra 7 milhões na safra passada. Já a produção de etanol deverá crescer entre 14,9% e 19,4% e ficar entre 26,4 e 27,4 bilhões de litros. A estimativa para exportação é de 4,2 bilhões de litros, especialmente para os Estados Unidos, para onde deverão ser destinados 2,5 bilhões de litros. O crescimento na produção baseia-se principalmente na evolução da frota de carros flexíveis: no ano passado, foram comercializadas 2 milhões de unidades e estima-se que hoje 5 milhões desses veículos estejam nas ruas. O avanço da cana se dará principalmente sobre áreas de pastagens, sem prejuízo à produção de grãos ou à pecuária. É verdade que, nesses últimos dias, as críticas em relação à produção de etanol no Brasil foram abrandadas, talvez porque os organismos internacionais começaram a perceber o potencial brasileiro e também pelas respostas dadas às questões. Como comércio mundial é uma briga de gigantes e o Brasil tem um potencial extraordinário, é natural que sejamos analisados com lupa. No entanto, os números comprovam que estamos crescendo nas duas frentes. E contra isso, não há argumentos. *presidente da Canaoeste (Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo)
  13. 13. Notícias Canaoeste Consecana CIRCULAR Nº 02/08 DATA: 30 de abril de 2008 Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo A seguir, informamos o preço médio do kg do ATR para efeito de emissão da Nota de Entrada de cana entregue durante o mês de ABRIL de 2008. O preço médio do kg de ATR para o mês de ABRIL, referente à Safra 2008/2009, é de R$ 0,2538. O preço de faturamento do açúcar no mercado interno e externo e os preços do álcool anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, levantados pela ESALQ/CEPEA, no mês de ABRIL, são apresentados a seguir: Os preços do Açúcar de Mercado Interno (ABMI) e os do álcool anidro e hidratado destinado à industria (AAI e AHI), incluem impostos, enquanto que os preços do açúcar de mercado externo (ABME e AVHP) e do álcool anidro e hidratado, carburante (AAC e AHC) destinados ao mercado externo (AAE e AHE), são líquidos (PVU/PVD). Os preços líquidos médios do kg do ATR, em R$/kg, por produto, obtidos no mês de ABRIL, calculados com base nas informações contidas na Circular 01/07, são os seguintes: Média do mês de abril = 0,2538 Revista Canavieiros - Maio de 2008 13
  14. 14. Notícias Canaoeste Canaoeste odontologia Canaoeste odontologia Marcelo Massensini Convênio também beneficia os funcionários de associados “ “ Um ambiente familiar”. É que as sim que Sônia Torres Toneti define o Canaoeste Odontologia: um convênio odontológico voltado aos associados da Canaoeste e seus funcionários. Sônia freqüenta o consultório há quase 18 anos e se diz fiel ao convênio, graças ao “serviço muito profissional e de qualidade e com um atendimento muito pessoal. Nos tornamos amigos de todos que trabalham aqui”, diz. Enquanto atendia o filho de Sônia, Nilson Toneti de 9 anos, Marlei Seccani – uma das dentistas que presta serviços no consultório – diz que essa grande fidelidade por parte dos pacientes existe devido a uma série de vantagens oferecidas, como os preços, a qualidade dos materiais e os profissionais. Segundo ela, essa fidelidade existe tanto por parte dos profissionais quanto por parte dos clientes. “Se existe fidelidade é porque estão satisfeitos”, opina. Ivanete Aparecida Pereira também traz a família no consultório há mais de 20 anos e não pretende mudar. “Em relação aos outros serviços, a diferença de preço é enorme”, conta. Patrícia Soares Selegato Tasso – outra dentista que atende no consultório – acredita que a facilidade em relação aos horários de agendamento e o tipo de serviço prestado também contam muito para a satisfação dos usuários. “O consultório fica aberto das 7h às 20h e o agendamento é sempre rápido, você não precisa esperar uma semana para ser atendido”, elogia. “Um ponto importante a respeito do Canaoeste Odontologia é o fato de que os funcionários dos fornecedores não pagam nada pelo atendimento”, diz Marlei. Para ela, é importante que o fornecedor associado à Canaoeste divulgue para seus funcionários, para que eles usufruam desse benefício, que traz ganhos para ambos os lados. “Além de deixar o funcionário mais satisfeito e feliz, o empregador ainda evita que o trabalhador falte do trabalho com dor de dente e coisas do tipo”, completa. O atendimento começou a ser oferecido há mais de 40 anos no Hospital Netto Campello – que é mantido pela Canaoeste – e alguns anos depois foi transferido para a sede da Canaoeste, na rua Dr. Pio Dufles. Em 2002, o serviço passou por uma série de mudanças Marlei Seccani, Nilton e Sônia Toneti: Fidelidade ao serviço. Revista Canavieiros - Maio de 2008 Sônia é uma destas beneficiadas, o marido dela trabalha para um associado da Canaoeste e ela e os filhos têm direito ao atendimento. “Esse convênio é muito importante para minha família. Nós não teríamos condições de pagar um dentista particular para fazer um acompanhamento do tipo que fazemos aqui”, conta. O CONVÊNIO: O programa Canaoeste Odontologia disponibiliza profissionais renomados, com instalações e materiais de qualidade, atendimento diferenciado e todos os recursos possíveis para garantir o bem-estar de seus usuários. Patrícia Tasso e Ivanete Pereira: “O preço e o atendimento são os principais diferenciais”. 14 Fachada do consultório odontológico da Canaoeste para ampliação e modernização de suas instalações e equipamentos e hoje está disponível em nove cidades atendidas pela Canaoeste. Nestes últimos cinco anos já foram realizados mais de 31.760 procedimentos, uma média superior a 7.000 atendimentos por ano. Entre os serviços oferecidos pelo Programa Odontológico da Canaoeste estão: exames clínicos e planos de tratamento; profilaxia, limpeza e aplicação de flúor, aplicação de selante; restaurações; endodontia (canal); radiografias e extrações.
  15. 15. Revista Canavieiros - Maio de 2008 15
  16. 16. Notícias Cocred Balancete Mensal Cooperativa de Crédito dos Plantadores de Cana de Sertãozinho BALANCETE - Março/2008 Valores em Reais 16 Revista Canavieiros - Maio de 2008
  17. 17. Revista Canavieiros - Maio de 2008 17
  18. 18. 18 Revista Canavieiros - Maio de 2008
  19. 19. Revista Canavieiros - Maio de 2008 19
  20. 20. Feiras do Setor Revista Canavieiros na Agrishow 2008 Marcelo Massensini P ela primeira vez em quase dois anos de circulação, a Revista Canavieiros participou, com um estande, da Agrishow-Ribeirão Preto. A feira, que aconteceu entre os dias 28 de abril e 3 de maio, é o maior evento do setor na América Latina e o terceiro mais importante do mundo. Segundo a organização, mais de 130 mil pessoas – 2,5 mil estrangeiras – passaram pela Estação Experimental, local que abriga a Agrishow há 15 anos. marketing de suas respectivas empresas. No local, esses profissionais puderam conhecer a história da Revista e os benefícios trazidos pelos anunciantes da publicação. “A Canavieiros é uma revista que chega direto a mais de 7,5 mil produtores rurais e todas as usinas e destilarias do Brasil. Foi isso que esclarecemos aos nossos possíveis anunciantes que visitaram o estande”, explica Carla Rossini, jornalista responsável pela Revista Canavieiros. Presente com um estande de 12m2, no Pavilhão Coberto II, a Revista Canavieiros recebeu aproximadamente 7 mil pessoas, muitas delas, gerentes e responsáveis pelos departamentos de Além de ganhar uma edição da Revista, os visitantes aproveitavam o ambiente aconchegante oferecido pela Canavieiros, para descansar e degustar doces feitos com amendoins plantados pelos coope- O presidente da Canaoeste, Manoel Carlos de Azevedo Ortolan, e o diretor da Copercana, Pedro Esrael Bighetti, estiveram presentes no estande da Canavieiros durante a Agrishow 2008 rados da Copercana e beneficiados na Unidade de Grãos da cooperativa. Orplana, Copercana e Multiplus fecham importante parceria A Orplana – Organização de Plantadores de Cana da Região Centro-sul do Brasil, a Copercana – Cooperativa dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo e a Multiplus Eventos fecharam, no dia 14 de março, uma parceria para a Fenasucro & Agrocana 2008. Estiveram na reunião o presidente da Orplana- Ismael Perina Júnior, o presidente da Canaoeste - Manoel Ortolan , o diretor da Multipus Eventos - Augusto Balieiro e o gerente de TI da Multiplus Eventos - William Silva. plana e cooperados da Copercana. Aqueles que fizerem a sua inscrição para participação das Feiras antecipadamente concorrerão a um excelente prêmio que será sorteado pela promotora Multipus. Para Ismael Perina Júnior, “essa é uma ótima oportunidade para nossos associados participarem de Feiras tão importantes, com a vantagem Israel do pré-credencimento e ainda concorrerem a um prêmio”, afirmou o presidente da Orplana. Com isso, as entidades vão promover um evento relacionado ao setor durante a realização das Feiras. Este evento será no Teatro Municipal e o tema será definido e divulgado em uma data mais próxima à realização da Fenasucro & Agrocana. A parceria teve 100% de adesão por parte das 26 associações da Orplana e cooperados da Copercana. Os vinculados às entidades terão facilidades como recebimento em suas residências das credencias, acesso exclusivo ao Evento e informações atualizadas sobre a Fenasucro & Agrocana, entre outros benefícios. Outro aspecto tratado durante a reunião foi o pré-credenciamento dos cerca de 15 mil plantadores associados a Or20 Revista Canavieiros - Maio de 2008 A intenção é qualificar cada vez mais o público visitante, levando até Pereira Jr., Manoel Ortolan, William Silva e Augusto Balieiro durante reunião na Orplana as Feiras pessoas realmente ligadas ao setor sucroalcooleiro. A comissão organizadora investe maciçamente para gerar um número de visitantes cada vez maior e mais focado no que o expositor quer: o público alvo. A VI edição da Agrocana e a XVI edição da Fenasucro acontecem de 02 a 05 de setembro de 2008 no Centro de Eventos Zanini, em Sertãozinho. Para mais informações sobre as Feiras acesse os sites: www.agrocana.com.br e www.fenasucro.com.br.
  21. 21. Feiras do Setor IV Agronegócios Copercana com força total Carla Rossini Feira exclusiva aos cooperados do sistema Copercana, Canaoeste e Cocred apresenta excelentes oportunidades de compras para os produtores rurais O mento do 1º semestre de 2008, período tradicional de negócios para o setor canavieiro, principalmente na área de agroquímicos. Neste ano a feira conta com mais de 60 expositores e um sistema facilitado de compra de insumos com oferta de créditos e condições vantajosas de pagamento. O evento marca o encerra- Em 2007, o volume de negócios realizado no Agronegócios Copercana foi na ordem de R$ 85 milhões - 42% a mais que no ano anterior. Para essa edição, os organizadores do evento esperam um faturamento igual/superior a edição de 2007. “Para essa edição esperamos superar expectativas IV Agronegócios Copercana já tem uma data, horário e local certos para acontecer: 25, 26 e 27 de junho, com horário de funcionamento das 10h às 18h no Clube de Campo Vale do Sol, localizado na Rodovia Atílio Balbo, Km 331 – Sertãozinho. e conseguir um excelente volume de negócios”, afirma Pedro Esrael Bighetti, diretor da Copercana. Os cooperados que visitarem a feira encontrarão uma verdadeira vitrine de produtos e serviços para uso nas lavouras de cana-de-açúcar e grãos. Os expositores também levarão para o Agronegócios Copercana, novidades tecnológicas em máquinas e equipamentos para os pequenos e médios produtores. Revista Canavieiros - Maio de 2008 21
  22. 22. Reportagem de Capa Fertirrigação por gotejamento e produtividade Cristiane Barão Necessidades de otimizar o uso da água e insumos e crescer verticalmente devem estimular a expansão da técnica; o que o produtor precisa analisar antes de implantá-la N as áreas tradicionais de cana, onde praticamente não há mais espaço para expansão, a saída é ganhar produtividade. E nesse desafio de crescer verticalmente, a tecnologia é a grande aliada. Assim, além das técnicas já conhecidas, uma outra deve ganhar força nos canaviais, sobretudo pela necessidade de otimizar o uso da água e insumos: a fertirrigação plena ou irrigação por gotejamento. O método consiste em tubulações subterrâneas dispostas logo abaixo do sistema radicular da planta a uma pro- fundidade que permite a mecanização do corte e plantio e a queimada, se necessária. Por meio dos tubos gotejadores se faz a fertirrigação, aplicação de água e nutrientes no volume e regularidade ideais para a planta. De acordo com o professor Rubens Duarte Coelho, do Departamento de Engenharia Rural da Esalq/USP, a fertirrigação oferece a possibilidade de trabalhar em novos horizontes tecnológicos jamais sonhados na agricultura de sequeiro. Segundo ele, a possibilidade de acesso rápido ao sistema radicular das plantas diariamente a partir de uma central de controle no campo permite reduzir perdas de insumos fertilizantes. “Apenas para citar um exemplo, no caso dos adubos nitrogenados, é possível reduzir a quantidade aplicada por tonelada de cana produzida em até 25% da dose recomendada para a cana de sequeiro. Além do benefício econômico, temos também o ambiental”, disse. No Brasil, a Netafim, empresa israelense com fábrica no Brasil desde 1997 e líder no segmento da fertirrigação por gotejamento, está presente em 7.000 hectares de cana irrigada, distribuídos em 50 projetos em várias regiões do país. No entanto, a empresa aposta na expansão da técnica: dos 50 mil hectares a serem irrigados por gotejamento neste ano no Brasil pela empresa, 23 mil hectares devem ser de cana-de-açúcar. Com base nessa expansão, a empresa projeta um crescimento de 178% no faturamento deste ano, que deverá chegar a R$ 150 milhões. De acordo com Duarte Coelho, o custo de implantação é o principal limitador do uso da fertirrigação, mas contribui também o fato de a tecnologia ainda ser pouco conhecida no Brasil. “A expansão das áreas de plantio de cana-de-açúcar em zonas sujeitas a um maior déficit hídrico no solo ao longo do ano, o aumento nos custos de arrendamento de terra e de transporte, são suficientes para despertar novos olhares sobre esta tecnologia, pois ela possibilita o aumento de produção nas áreas já implantadas, sem a necessidade de aumento de expansão de área”, disse o professor da Esalq/USP. De acordo com o gerente nacional da Divisão de Bioenergia e Novos Negócios da Netafim, Flávio Aguiar, o sistema de irrigação localizada aumen- 22 22 Revista Canavieiros - Maio de 2008 Revista Canavieiros - Maio de 2008
  23. 23. Reportagem de Capa ta a quantidade de açúcar por hectare e amplia a vida da lavoura e é possível, por meio do gotejamento, fazer até 12 colheitas sem reforma do canavial e a produtividade pode chegar a 120 toneladas/ha. Segundo ele, a área fertirrigada alcança um rendimento de 12 a 13 mil litros de etanol por hectare cultivado, enquanto no sequeiro não passa dos 6,5 mil/l. “O gotejamento garante de 30% a 40% de eficiência quando comparado aos métodos tradicionais de irrigação e utiliza apenas 30% a 50% da energia consumida por um pivô central”, afirma Aguiar. Os custos para a implantação da tecnologia, segundo ele, dependem da topografia e da fonte de água. No entanto, em média, variam de R$ 4.800,00 a R$ 7.000,00 por hectare, incluindo todos os componentes do sistema e supervisão de implantação. Estima-se, em média, que o produtor também tenha de dispor de R$ 800,00 a R$ 1.200,00 para cobrir as demais obras e mão-deobra para implantar. O investimento é alto, mas Aguiar defende que compensa. “Dependendo das condições, é possível que em cada hectare irrigado em cinco cortes produza-se o dobro de cana ou mais na mesma área. Isso significa que poderia se deixar de plantar em áreas distantes ou que tenham baixa produtividade e a economia deste plantio que não foi feito corresponde a quase 60 ou 70% dos investimentos necessários para adotar a tecnologia”, disse. O produtor Luiz Fernando Feltre, de Mineiros do Tietê, instalou um projeto-piloto de fertirrigação por gotejamento em 35 hectares no início de 2006. No sequeiro, produzia 90 ton/ha. Em 2007, no primeiro corte, a produtividade dobrou e no segundo, atingiu 160 toneladas/hectare. Segundo ele, o retorno do investimento que precisou fazer para adotar a técnica está estimado de duas safras e meia a três somente com o ganho em produtividade. De acordo com o professor da Esaq/USP, a resposta da cana-de-açúcar à fertirrigação é variável em função do clima local, do tipo de solo e da variedade plantada. Em algumas situações, o uso desta tecnologia é bastante atraente do ponto de vista econômico. Em outras condições menos favoráveis, o benefício não cobre o custo de implantação. “Cada caso deve ser analisado particularmente. Nos casos em que a resposta prevista é viável economicamente, o uso da tecnologia deve ser incentivado, pois o retorno econômico é bastante atrativo ao produtor. Temos casos de sucesso no Estado de São Paulo, com aumento de 40 a 50% na produtividade da área com o uso da fertirrigação por gotejamento”, disse. O que o deve ser analisado antes de se decidir pela fertirrigação por gotejamento? Segundo o professor Duarte Coelho, o produtor deverá analisar a necessidade de irrigação de sua propriedade e o potencial de aumento produção com a implantação do sistema de irrigação / fertirrigação. Este estudo é feito da seguinte maneira: 1) Determinação da Capacidade de Água Disponível (CAD) do solo, com base na coleta de amostras indeformadas de terra (anéis de aço inox), tiradas de diferentes horizontes no perfil de solo até a profundidade máxima do sistema radicular no campo. 2) Simulação em computador do déficit hídrico que as plantas estiveram sujeitas no campo, nos últimos anos, Prof. Dr. Rubens Duarte Coelho, Esalq/USP em função de dados meteorológicos disponíveis para a região. O ideal seria utilizar os dados de precipitação real observados na própria fazenda. 3) Cálculo do aumento de produção que teria ocorrido nos anos analisados, caso a tecnologia da irrigação / fertirrigação já tivesse sido implantada na área. 4) Análise econômica: Aumento de produção x Custo da irrigação/ fertirrigação. Quantificação da viabilidade econômica da tecnologia no campo. Serviço: maiores informações sobre fertirrigação e irrigação por gotejamento e pivô central podem ser obtidas na Esalq/USP, que oferece um curso mensal de pequena duração (5 horas) sobre os detalhes do uso desta tecnologia na cultura da cana. O contato pode ser feito pelo e-mail gotejo@terra.com.br Tipos de fertirrigação que podem ser aplicados na cana-de-açúcar 1) Vinhaça (autopropelido) - Aproximadamente 25 % da área colhida na Usina recebe este tipo de aplicação de água residuária. 2) Fertirrigação Parcial (pivô central) - Aplicação de 25 – 50 % dos fertilizantes na água de irrigação. 3) Fertirrigação Plena (gotejamento) - Aplicação de 75 – 100 % dos fertilizantes na água de irrigação Fonte: Prof. Dr. Rubens Duarte Coelho, Esalq/USP Revista Canavieiros - Maio de 2008 23
  24. 24. Novas Tecnologias Vôo alto do Etanol Marcelo Massensini S Mas é verdade. Por mais difícil que seja acreditar – principalmente para quem acompanhou a ascensão e o declínio dos carros a álcool no final do século passado – esse avião existe e, segundo os fabricantes, é 5% mais potente do que o movido à gasolina. Dono da imensa fatia de 75% do mercado interno de aviação agrícola, o Ipanema é fabricado pela Neiva (subsidiária da Embraer) há quase 40 anos e, desde 2005, vende o modelo que utiliza o etanol para voar. De acordo com o gerente comercial da Embraer/Neiva, Márcio Astolfi Pedro, o álcool foi escolhido graças à experiência do Brasil na produção de canade-açúcar, que faz o combustível ser de três a quatro vezes mais barato que a gasolina de aviação (Aviation Gasoline - “AvGas”). Além da economia, os motores de avião movidos a álcool são mais limpos e poluem menos que a gasolina de aviação, porque não possuem chumbo em sua composição, o que torna o etanol ecologicamente correto. “Esse motor representa um verdadeiro salto tecnológico, pois alia redução de custo com aumento de produtividade” diz Pedro. Desde 2005, já foram feitos 160 pedidos de conversões do Ipanema de gasolina para álcool. Originalmente movida a gasolina, a aeronave é a primeira produzida em série no mundo a sair de fábrica certificada para voar com álcool. Até agora já foram produzidas 41 unidades a etanol e 155 kits de conversão. 24 Revista Canavieiros - Maio de 2008 Foto divulgação Embraer e uma pessoa despertasse hoje de um coma que o manteve “dormindo” por dez anos, se espantaria com as notícias sobre os números de carros flex e que o álcool anda competindo de perto com a gasolina. Esse “dorminhoco” dificilmente acreditaria, ainda, que em 2008 existem quase 200 aviões “rodando” a etanol. Medidas como a criação desta aeronave fizeram da Embraer a primeira do setor aeronáutico mundial a obter a certificação internacional de gestão ambiental ISSO 14001. “Buscamos, por meio da consolidação das iniciativas já existentes na área industrial, em conjunto com a procura de materiais e tecnologias alternativas, saídas para diminuir o impacto ambiental de nossas atividades e da operação de nossos aviões”, comenta o vice-presidente executivo de Planejamento Estratégico e Desenvolvimento Tecnológico, Satoshi Yokota. O Ipanema: O Ipanema é um avião monoposto e monoplano de asa baixa. Sua fuselagem é toda construída com tubos metálicos de aço especial, que absorve impactos em caso de colisão e os painéis externos são de fácil remoção para limpeza. gens e já foi usado contra vetores endêmicos, como no combate da larva da dengue sobre o rio Pinheiros, São Paulo, em 2006, pulverizando produtos biológicos de substrato orgânico para eliminação de impurezas . A aeronave foi homologada e certificada junto à Agencia Nacional de Aviação Civil (ANAC) para aplicação de defensivos líquidos ou sólidos como fungicidas ou no combate das diversas pragas em todas as culturas. Outra aplicação é a fertilização, seja de alto impacto ou na adubação folheada em florestamento, na semeadura de pasta- O Ipanema é fundamentalmente um utilitário e um meio de pulverização, para diversas aplicações. Pode ser utilizado para nucleação de nuvens com elementos precipitadores de chuva artificial, o povoamento de rios e lagos com alevinos em rios, lagos e represas, útil sobre áreas de difícil acesso e quando se espera resultados rápidos e precisos. Vantagens do avião a álcool • Menor agressão ao meio ambiente; • Motor roda mais frio; • Possível extensão da Revisão Geral do Motor (TBO); • Aumento de potência; • Diminuição considerável do custo operacional. Considerando uma frota de 600 aviões Ipanema, o motor a álcool: • Elimina demanda de 16,8 milhões de litros de AvGas por ano; • Gera demanda de 21,6 milhões de litros de Álcool por ano; • Gera redução de US$13,5 milhões por ano no custo operacional da frota de aviões Ipanema.
  25. 25. Reportagem de Capa “É um incentivo para a modernização da nossa agricultura, para o aumento da produtividade e para fortalecer o pequeno e médio produtor.” Do governador José Serra, ao anunciar, na Agrishow, medidas para o setor agrícola, como financiamento para aquisição de tratores, equipamentos de informática e recursos para obras de infra-estrutura nas propriedades “É preciso que façamos a lição de casa e que haja uma política de renda, com a adoção efetiva do seguro rural, mudanças na logística e uma definição final do endividamento agrícola. Já o produtor tem de investir em uma agricultura sustentável, pois não podemos perder a oportunidade inédita de levar o Brasil para o primeiro mundo.” Do pres. da Agrishow e ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues. “Há um discurso de combate ao programa de energia renovável e a crise de alimentos. Quero dizer que não há crise de alimentos no Brasil. O que há é uma crise mundial com a demanda em crescimento.” O presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Wagner Rossi, em coletiva durante a Agrishow “Após um apagão tecnológico, houve o reconhecimento do governo, já que corríamos o risco de perder a mais eficiente tecnologia de agricultura tropical do mundo.” O ex-ministro da Agricultura (1974 a 1979), Alysson Paulinelli, sobre os investimentos do governo na Embrapa, estimados em R$ 914 milhões. “O agronegócio representa 26% do PIB brasileiro, 37% dos empregos, 36% das exportações brasileiras e grande parte do saldo da balança comercial. Hoje temos 72 milhões de hectares cultivados, mas podemos chegar a 150 milhões, dobrando a área e gerando renda, emprego e desenvolvimento para o País.” Deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), presidente da Câmara dos Deputados “A agropecuária é a atividade responsável pelo desenvolvimento nacional, mas são necessárias políticas econômicas sólidas para a agricultura. Não há risco de não conseguirmos abastecer 190 milhões de habitantes.” Fábio Meirelles, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP) e da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). Revista Canavieiros - Maio de 2008 25
  26. 26. Informações Setoriais CHUVAS DE ABRIL e Prognósticos Climáticos e Prognósticos Climáticos No quadro abaixo, são apresentadas as chuvas do mês de ABRIL de 2008. Engº Agrônomo Oswaldo Alonso Assessor Técnico Canaoeste Em todos os locais observados, as chuvas de ABRIL foram superiores (chegando a ser o dobro e, em alguns locais, até o triplo) às respectivas médias históricas. Cabe aqui informar que, desde janeiro deste ano, a média das chuvas que ocorreram na região já somaram 930 mm. No ano, a média das somas mensais é bem próxima de 1.500 mm. Mapa 1:- Água Disponível no Solo entre 14 a 16 de ABRIL de 2008. O Mapa 1, ao lado, mostra que o índice de Água Disponível no Solo, tanto a 25 como a 50 cm de profundidade, no período de 14 a 16 de ABRIL deste ano, apresentava-se como médio a baixo em quase toda faixa Oeste do Estado de São Paulo, enquanto que, nas demais áreas canavieiras do Estado, a Disponibilidade Hídrica do Solo mostrava-se favorável. 26 Revista Canavieiros - Maio de 2008 ÁGUA, usar s ÁGUA, usar s Protejam e preservem as n Protejam e preservem as n
  27. 27. Informações Setoriais Mapa 2:- Água Disponível no Solo ao final de ABRIL de 2007. Mapa 3:- Água Disponível no Solo, a 50 cm de profundidade, entre 01 a 04 de MAIO de 2008 (como final do período chuvoso deste início de outono). O Mapa 2, mostra que, em ABRIL de 2007, a Disponibilidade Hídrica do Solo encontrava-se baixa a crítica nos extremos Oeste e Leste do Estado de São Paulo e nas regiões próximas de Araraquara e Sorocaba. Em ABRIL / MAIO de 2008, como mostrado no Mapa 3, o baixo índice de Água Disponível no Solo concentrou-se num “círculo” no Centro do Estado de São Paulo e nas regiões próximas a Barretos, Franca e Presidente Prudente. sem abusar ! sem abusar ! nascentes e cursos d’água. nascentes e cursos d’água. Para subsidiar planejamentos de atividades futuras, a CANAOESTE resume o prognóstico climático de consenso entre INMET-Instituto Nacional de Meteorologia e INPE-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais para os meses de maio e junho. Embora menos intensos, permanecem ainda os efeitos do fenômeno La Niña (contrário ao El Nino), que corresponde ao esfriamento da superfície das águas do Oceano Pacífico, ao longo da faixa equatorial. Quanto mais próximo da costa oeste da América do Sul, na altura do Equador, Peru e Colômbia, mais sensíveis serão os efeitos das condições climáticas para o Brasil, como tem ocorrido pelas freqüentes (até intensas) chuvas na faixa Norte e Nordeste brasileiro (Maranhão e Piauí). Enquanto que, entre a região Central do Estado de São Paulo, Sul do Mato Grosso do Sul e os Estados da Região Sul do Brasil, as chuvas poderão ser até inferiores às médias históricas e previsão de períodos com temperaturas mais baixas que as normais climáticas. · Nas Regiões Centro-Oeste e Sudeste a temperatura poderá ficar entre próxima a ligeiramente acima da normalidade climática. Na Região Sul, prevê-se que a temperatura ficará ao redor da média histórica; · Quanto às chuvas, a previsão é que “ficarão” próximas das respectivas médias históricas na Região Centro Sul. Com exceção dos Estados da Região Sul do Brasil, Centro-Sul de São Paulo e sul do Mato Grosso do Sul, onde as chuvas poderão ser inferiores às normais climáticas; · Como referência, as médias históricas das chuvas, pelo Centro AptaIAC, para Ribeirão Preto e municípios vizinhos, são de 55 mm em maio e de 25 mm em junho. · Considerando-se as previsões elaboradas pela SOMAR Meteorologia, com a qual a CANAOESTE mantém convênio, a estimativa é que, para esta região, as chuvas de maio e junho “ficarão” abaixo da média histórica. Mas, em julho poderá chover até o dobro do normal (a acompanhar). Persistindo dúvidas em tratos culturais da cana-planta (recém-instalada) e das soqueiras, consultem os Técnicos CANAOESTE mais próximos. Revista Canavieiros - Maio de 2008 27
  28. 28. Legislação Queima de palha de cana-de-açúcar . Precauções necessárias para se evitar autuações ambientais e ações judiciais. A Canaoeste, em virtude de mais um início de safra canavieira, preocupada em orientar o seu associado acerca da necessidade de adequação à legislação sobre queima de palha de cana-de-açúcar, vem reforçar o alerta sobre a obrigatoriedade de se cumprir algumas providências que deverão ser tomadas no decorrer desta safra canavieira para evitar pesadíssimas multas dos órgãos ambientais (Polícia Ambiental e CETESB) e ações judiciais (cíveis e criminais), em virtude da não observação dos requisitos legais para a utilização do uso do fogo como método despalhador da cana-de-açúcar. Isto porque, em caso de descumprimento do que dispõe o Decreto Estadual nº 47.700/2003, regulamentador da Lei Estadual nº 11.241/2002, o produtor de cana-de-açúcar poderá ser autuado pela Polícia Ambiental em 30 (trinta) UFESPs (Unidade Fiscal do Estado de São Paulo), aproximadamente R$ 444,90 por hectare queimado sem as observâncias legais, além de poder, também, ser autuado pelos agentes fiscalizadores da CETESB (Companhia de Tecnologia e de Saneamento Ambiental) em valores que variam de 5.000 a 10.000 UFESPs, aproximadamente R$ 74.150,00 a R$ Juliano Bortoloti - Advogado 148.300,00, indeDepartamento Jurídico Canaoeste pendentemente do tamanho da área queimada. Fica registrado, portanto, que para aquele produtor de cana-de-açúcar que não cumprir os requisitos prescritos TABELADE RESTRIÇÕES DE QUEIMA CONTROLADA. *Obs.: (1) Pode-se plantar, mas não utilizar o fogo - (2) As áreas cultivadas com cana-de-açúcar onde é proibida a queima não serão consideradas para o cálculo do percentual de vinte por cento de eliminação da queima. 28 Revista Canavieiros - Maio de 2008
  29. 29. na legislação de queima ou, mais gravemente, efetuar a queima sem a devida autorização, fica evidente que não lhe restará quase nenhuma possibilidade de defesa, tanto administrativa (multas) como judicial (cível e penal). Logo, para cumprir o que dispõe a legislação sobre a queima e evitar as autuações da CETESB e Polícia Ambiental, devemos satisfazer os seguintes requisitos já realizados na safra passada: 1. Todo produtor, grande ou pequeno, que se utilizar do fogo como método despalhador da cana-de-açúcar, mediante a prévia e obrigatória autorização concedida pela Secretaria do Estado do Meio Ambiente, deverá recolher, para tanto, o Preço de Análise do requerimento, no valor de R$ 226,84 por requerimento de autorização de queima; 2. Deve, também, efetuar duas comunicações formais (por escrito) aos lindeiros (vizinhos) de sua la- voura de cana-de-açúcar, uma no início da safra e outra com antecedência de até 96 (noventa e seis) horas da queima, conforme modelos que poderão ser obtidos nas filiais regionais e/ou no Departamento Jurídico da Associação; 4. Observar e respeitar fielmente a não utilização do fogo em áreas de restrição, conforme quadro em anexo, assim como os aceiros subjacentes, pois a Secretaria do Meio Ambiente possui condições de fiscalização através de fotos de satélite atualizadas. 3. Deve, ainda, impreterivelmente, efetuar a comunicação da queima, com antecedência mínima de 96 (noventa e seis) horas, à Secretaria de Estado do Meio Ambiente, através do “site” www.ambiente.sp.gov.br. Em caso da queima ser efetuada pela unidade industrial (usina/destilaria/engenho) ou por empresa terceirizada, deve-se exigir destas as datas em que será utilizado o fogo na sua propriedade para posterior comunicação à Secretaria do Meio Ambiente, pois essa responsabilidade é do proprietário ou possuidor do imóvel e não da unidade industrial. Se, por qualquer motivo ocorrer alteração na data do uso do fogo, deve ser novamente comunicada a Secretaria do Meio Ambiente acerca da referida alteração da data da queima; Com relação à comunicação a ser feita à Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, disposta no item 3 acima delineado, informamos que a Canaoeste prestará esse serviço ao seu associado, bastando apenas que este, de posse da data e horário em que se efetuará a queima de sua lavoura, informe ao Departamento Técnico (agrônomos) da Canaoeste e/ou as secretárias lotadas na matriz ou nos escritórios regionais, possibilitando, assim, o envio eletrônico (Internet) das informações à Secretaria do Meio Ambiente. Porventura, se persistir dúvidas a respeito do assunto, o Departamento Jurídico está à inteira disposição dos associados para esclarecê-las, através do telefone (0xx16) 3946-3313. Revista Canavieiros - Maio de 2008 29
  30. 30. Artigo Técnico Grau de maturidade da cana: Alguns valores de referência A maturação da cana-de-açúcar, como se sabe, é um processo fisiológico que depende de vários fatores, como o clima (umidade e temperatura), o solo, a variedade cultivada, a utilização de maturadores, etc. Há alguns anos passados, costumava-se, nas análises preliminares (pré-aná- lises) dos talhões, utilizar valores de referência para o Brix, a pol, os açúcares redutores e a pureza do caldo. Tais valores eram utilizados como tais, ou eram convertidos em uma escala de pontos, indicando a conveniência ou não da colheita. Com a evolução da qualidade da cana-de-açúcar, resultante dos programas de seleção de novas variedades, vá- Tabela 1. Valores de ATR por Associação: meses de abril e Maio (1ª e 2ª quinzenas); safras de 1998/99-2006/07 Relativamente, às regiões canavieiras do Estado de São Paulo, os dados foram os seguintes (Tabela 2): Tabela 2.- Resultados por Região Canavieira de São Paulo Tabela 3.- Resultados para o Estado de São Paulo É necessário que se enfatize que tais cifras dependem de inúmeros fatores, de caráter regional, motivo porque não podem ser generalizados. Representam, apenas, valores de referência esperados para o inicio de safra, originados de centenas de resultados colhidos nas safras acima referidas e processados pela ORPLANA. 30 Revista Canavieiros - Maio de 2008 rios critérios de avaliação da qualidade da cana-de-açúcar tornaram-se, obviamente, obsoletos. Acresce, também, que o parâmetro de qualidade da cana-de-açúcar, atualmente, é expresso em termos de ATR (Açúcar Total Recuperável). Houve, Enio Roque de Oliveira também, uma Assessor Técnico da ORPLANA mudança do período de moagem adotado pelo CONSECANA-SP, hoje compreendendo os meses de abril a novembro. Com o processamento dos dados tecnológicos da cana dos fornecedores efetuado pela ORPLANA, das safras de 1998/99 até a de 2006/07, foi possível levantar valores de ATR apurados nos meses de abril (1ª e 2ª quinzenas) e maio (1ª e 2ª quinzenas) daquelas safras, permitindo ter uma idéia do grau de maturidade dos talhões por ocasião da colheita, no inicio do período de moagem, dados, particularmente interessantes, em relação ao critério de pagamento da matéria-prima pelo ATR Relativo, que é, atualmente, adotado em São Paulo. A Tabela 1 mostra os valores médios obtidos para as Associações de Fornecedores de Cana, filiadas à ORPLANA. As regiões consideradas, em São Paulo, abrangem as seguintes associações: Araraquara: Araraquara; Arenito: Catanduva, General Salgado, Monte Aprazível, Novo Horizonte e Orindiuva; Jaú: Barra Bonita, Jaú e Lençóis Paulista; Oeste: Andradina e Valparaiso; Piracicaba: Capivari, Piracicaba, Porto Feliz e Santa Bárbara; Ribeirão Preto: Guariba, Igarapava e Sertãozinho; Vale do Paranapanema: Assis, Chavantes e Ourinhos. Em termos do Estado de SP, os resultados são os que se seguem na tabela 3.
  31. 31. Revista Canavieiros - Maio de 2008 31
  32. 32. Artigo Técnico Entenda o que está acontecendo com o preço do kg de ATR Thiago de Andrade Silva - Assistente de Controle Agrícola da CANAOESTE V amos começar este artigo falando sobre a Crise Imobiliária Americana do Crédito “Subprime” (Segunda Linha), ou hipotecas de risco, onde vários bancos e financeiras norte-americanas, com o preço elevado dos imóveis americanos e com a alta disponibilidade de dinheiro para empréstimos (Alta Liquidez) no mercado internacional, começaram a emprestar mais dinheiro a pessoas com histórico de crédito ruim, para que estas pudessem adquirir um imóvel. O tamanho da crise é proporcional à expansão do setor “Subprime”, que ganhou força e cresceu muito. O começo da crise e da tensão mundial se deu através de uma notícia vinda da Europa de que o banco francês BNP Paribas, um dos principais da região, congelou o saque de três de seus fundos de investimentos aplicados em créditos “subprime” nos Estados Unidos. A instituição alegou dificuldades em contabilizar as reais perdas desses fundos devidos às inadimplências. Com o aumento da inadimplência dos clientes, os investidores decidiram resgatar seu investimento a curto prazo, gerando uma crise de liquidez (retração de crédito), onde num mundo de incertezas, o dinheiro pára de circular, pois quem tem dinheiro não quer emprestar, e quem não tem dinheiro, não tem de quem emprestar. A crise dos créditos “Subprime” obrigou numerosos bancos a se recapitalizarem, captando recursos de investidores, medida que vem sendo tomada desde então, mas, de outro lado, muitos investidores e fundos de pensão preferiram investir no mercado futuro de commodities com menor risco, do que em ações de empresas, aumentando assim os preços futuros das commodities. 32 Revista Canavieiros - Maio de 2008 Aliado a este problema, houve também o aumento da utilização do milho produzido para produção de etanol, que mesmo com área de plantio crescente, causou uma diminuição da disponibilidade do produto destinado à produção de ração, principal alimento animal, e para consumo humano de forma geral, por ser este um dos produtos mais consumidos no mundo todo. Com o aumento na produção de milho, houve a diminuição da área para produção de outras commodities nos Estados Unidos, no caso da soja e do trigo, conforme mostra o gráfico de Área Planta- da, causando o aumento das commodities não só nos Estados Unidos, mas em todo o mundo. Área Plantada: Milho, Trigo e Soja nos Estados Unidos Deve-se levar em consideração também o aumento da demanda de produtos agrícolas dos países em desenvolvimento como China, Índia, Brasil, entre outros. Se de um lado gera inflação, de outro é favorável, pois aumenta o consumo interno e a possibilidade de exportação dos nossos produtos para diversos países. Segundo a primeira estimativa da UNICA – União das Indústrias de Cana-de-Açúcar, divulgada em abril de 2008, a produção na região Centro/Sul nesta safra será de aproximadamente 498 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, volume 16% acima do realizado na safra 2007/2008, estando prevista a produção de 28,6 milhões de toneladas de açúcar, re- presentando um aumento de 9% em relação à safra 2007/2008 e de 24,3 bilhões de litros de álcool, com aumento de 19% em relação à safra 2007/2008, sendo 7,65 bilhões de litros para álcool anidro (6% superior à da safra passada) e 16,6 bilhões de litros para álcool hidratado, aumentando 27% em relação à safra passada. As exportações de etanol devem
  33. 33. crescer 27% e atingir 3,9 bilhões de litros, tendo como principais destinos os Estados Unidos (direto ou via Caribe) e Europa. Já as exportações de açúcar devem ter incremento de 15%, chegando a 18,9 milhões de toneladas e os principais mercados serão Rússia, Arábia Saudita e Emirados Árabes. Com os preços das commodities em alta, poderíamos ter um preço melhor dos produtos. Porém, como existem muitos dólares entrando no país, através do aumento das exportações e dos investimentos estrangeiros, a cotação do dólar está em baixa, impactando na queda dos preços das commodities em reais, uma vez que os produtos são vendidos em dólar, que é a moeda principal de comercialização, atingindo assim também o mercado interno de açúcar e o álcool, produtos que afetam diretamente o preço do kg do ATR Podemos observar que: o aumento da demanda do mercado interno do álcool, pelo uso cada vez mais crescente dos carros bicombustíveis; a expectativa do crescimento da demanda do mercado externo do álcool (mais acentuado para os Estados Unidos, levando em conta o preço do etanol de milho que torna o etanol brasileiro mais competitivo); bem como o aumento da demanda do mercado interno e externo de açúcar, podem contribuir para um aumento no preço do kg do ATR, pois interferem diretamente na curva de comercialização dos produtos, que é utilizada para formação do preço do kg do ATR e que depende do dólar que, como visto anteriormente, tem influenciado diretamente e para baixo o preço destes produtos. Na safra 2007/2008 houve aumento na produção de açúcar e álcool em relação à safra 2006/2007. Este excedente foi gerado devido à expectativa irrealista em relação à demanda de açúcar e álcool, causando baixa dos preços dos produtos no mercado interno e externo, já que a oferta fora maior que a capacidade de demanda do mercado, o que dificultou o enxugamento destes excedentes. A safra 2007/2008 começou com o preço do ATR de R$ 0,3217 o kg de ATR, em Abril/2007, e finalizou com o preço do ATR acumulado, na média do Estado de São Paulo, de R$ 0,2443 o kg de ATR, queda de 31,68 % do começo ao fim da safra. Foi uma safra mais alcooleira e com preços melhores para o àlcool do que para o açúcar. A expectativa de crescimento da exportação do álcool na velocidade dos anos anteriores não ocorreu conforme esperado, aumentando a disponibilidade de álcool no mercado interno. Já a safra 2008/2009 começou com o preço do ATR de R$ 0,2538 e os preços do álcool indicam uma recuperação no mês de maio, apontando para um aumento de preço de ATR para este mês, com uma posterior baixa, estabilizando em outubro e a partir daí, em novembro, uma pequena recuperação, segundo dados obtidos da BM&F – Bolsa de Mercadorias & Futuros. O preço do açúcar apresentase estável e permanece assim no mercado interno até o final da safra, segundo dados obtidos da BM&F – Bolsa de Mercadorias & Futuros. Também são estáveis os preços do açúcar no mercado externo, segundo dados obtidos das bolsas de NY e Londres. Revista Canavieiros - Maio de 2008 33
  34. 34. Pragas e Doenças Vírus do Mosaico da Cana-de-açúcar *Sizuo Matsuoka O vírus do mosaico da canade-açúcar causa nas folhas das plantas infetadas o impedimento da formação normal de cloroplastos. Nestes cloroplastos é que se dá o milagre da natureza, que é a captação da energia solar e transformação do gás carbônico (CO2) do ar, na presença de água e de oxigênio, em compostos orgânicos que alimentam os seres vivos. Se eles não se formam normalmente, aquela síntese fica prejudicada, ou seja, a planta não sintetiza na sua capacidade normal, o que resulta em crescimento reduzido da planta. Na essência, o que o vírus faz é tomar o DNA da célula e fazê-lo seu próprio. O resultado desse distúrbio que nós podemos visualizar na folha é a descoloração do verde normal no conjunto das células onde o vírus está alojado, se multiplicando, dando à folha o aspecto de um mosaico. O vírus do mosaico da cana-de-açúcar pertence a um grupo que é chamado de vírus Y da batata que, dentre os vírus de plantas, é um dos maiores grupos e que, infetando um grande número de espécies de plantas, muitas delas de grande valor comercial, acaba consequentemente sendo um grupo muito importante economicamente. É um vírus alongado e apresenta particularidades interessantes como alguns que serão aqui apresentados. Especificamente o vírus do mosaico da cana-de-açúcar, como o próprio nome indica, afeta a cana-deaçúcar e daí a sua importância, mas afeta outras gramíneas cultivadas, como o milho, o sorgo e o capim ci34 Revista Canavieiros - Maio de 2008 dreira, como também vários capins. Todavia, o hospedeiro mais importante é a própria cana-de-açúcar. O mosaico foi causador de uma das grandes epidemias históricas de plantas cultivadas. Isto ocorreu nas décadas de 20 e 30 do século XX, nas principais regiões canavieiras do mundo, inclusive no Brasil. Naquela época, os canaviais eram formados com variedades suscetíveis na sua grande maioria, porque a doença era desconhecida e, tante açucarado, sendo a famosa cana caiana um dos representantes mais conhecidos. As substitutas eram novos híbridos que alguns programas de melhoramento pioneiramente estavam produzindo, especialmente em Java, hoje, Indonésia, e na Índia. Folha de cana-de-açúcar afetada pelo Mosaico por isso mesmo, se disseminou livremente até se perceber que algo estava afetando seriamente as plantas. Quando se deu conta os canaviais estavam totalmente depauperados, e muitas indústrias foram à falência no mundo todo. O mal pôde ser debelado através da substituição das variedades. Aquelas eram da espécie Saccharum officinarum, a cana dita “nobre”, por ser uma cana vigorosa, de muito caldo, bas- O vírus do mosaico da cana-de-açúcar é disseminado de um local para outro através do próprio propágulo que é o colmo. Assim ele se disseminou de país para país naquela epidemia citada. Porém, uma vez estabelecido num local, ele se transmite de planta para planta através de um vetor, o pequeno inseto pulgão. Este é um inseto sugador, que introduz na célula da planta o seu estilete bucal e suga o líquido celular. Ao fazer isso numa célula infetada pelo vírus, as partículas virais aderem na superfície daquele estilete. Se este inseto picar em seguida outra planta sadia, terá introduzido as partículas virais que, então, passam a se multiplicar na nova planta. Existe aí um aspecto muito interessante a ser observado. Existem várias espécies de pulgões, também cha-
  35. 35. Pragas e Doenças mados afídeos, que são capazes de transmitir esse vírus e que, curiosamente, não é o pulgão que especificamente tem a cana-de-açúcar como hospedeira. São pulgões que atacam diversas outras plantas, várias de outras gramíneas, mas também de plantas dicotiledôneas como a batata, o algodão, a maria-pretinha, a serralha, etc. O que ocorre é que quando esses pulgões formam uma grande colônia numa planta, aparecem os indivíduos alados (com asa) para migrarem para outra planta e lá formar nova colônia. Esses pulgões alados, todavia, praticamente não têm vôo próprio e, sim, são levados pela corrente do vento. Uma vez no ar, são atraídos pela cor da faixa do amarelo e descem. Notem que as plantas infetadas são justamente mais amareladas pela deficiência de clorofila. Picando nessas plantas, no que é denominado de “picada de prova”, ao perceberem que aquela planta não lhe é adequada porque não é uma hos- pedeira sua, alçam novo vôo, descem novamente procurando a sua hospedeira e, ao picar esta nova planta, ali deixam as partículas virais. Assim, vários indivíduos alados que não têm a cana-de-açúcar como hospedeira, ao repetirem reiteradas vezes as picadas de prova, acabam eficientemente transmitindo o vírus de planta para planta. Então, eliminar as plantas hospedeiras dos pulgões seria uma solução? Sim, seria. Porém, tantas são essas hospedeiras que, na prática, é difícil. O melhor é eliminar a fonte de vírus. E a variedade suscetível da própria cana-de-açúcar é sempre a maior fonte. No rol de variedades comerciais atuais existem algumas que não são totalmente resistentes. E então sempre existe o recrudescimento da doença quando a área plantada dessas variedades passa a ter proporção significativa. Há, nestes casos, a necessidade de monitoramento constante e a adoção de uma medida complementar, que é a formação de viveiros de mudas sadias. Esses viveiros são formados inicialmente a partir de plantas comprovadamente sadias e constantemente inspecionadas para se proceder a eliminação de toda planta que manifestar sintomas. Quanto mais rápido essas plantas forem detectadas e eliminadas menor será a chance da ação transmissora dos pulgões. Para se conseguir controle mais eficiente e seguro desse vírus se devem plantar variedades resistentes. Esta é mais uma das prioridades do Programa de Melhoramento Genético da CanaVialis, que tem como prioridade desenvolver variedades com alto teor de sacarose, associadas a alta produtividade e resistência a doenças, entre ela o mosaico. * Responsável pelo Programa de Melhoramento Genético da CanaVialis Agende-se Junho de 2008 CONBAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE AGRICULTURA DE PRECISÃO Data: 04 a 06 de junho de 2008 Local: Departamento de Engenharia Rural - ESALQ/USP – Piracicaba – SP Temática: O Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão (ConBAP), que será realizado entre os dias 4 a 6 de junho de 2008, pelo departamento de Engenharia Rural, da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (USP/ ESALQ), para discutir os resultados de pesquisas desenvolvidas nessa área, já está com inscrições abertas para os interessados em apresentar seus trabalhos científicos. Mais Informações: (19) 3447-8502 11ª EXPOCACHAÇA - FEIRA E FESTIVAL INTERNACIONAL DA CACHAÇA Data: 05 a 08 de junho de 2008 Local: Expominas - Pavilhões 2 e 3 – Belo Horizonte – MG Temática: A Expocachaça, hoje incorporada como âncora da SuperAgro Minas, vai ganhar na 11ª Edição em 2008, um projeto de valorização de sua natureza e escopo. O novo formato agrega valor à Feira e ao Festival, através de uma concepção mais moderna, com foco na “entretenização” do espaço e no “mixing” de atividades e produtos. Uma concepção que adota a visão atual da aceitação de conceitos de “evento-entretenimento” e “evento-espetáculo”, que amplia enormemente o seu escopo. Mais Informações: (31) 3284-6315 / 3287-5243 ACESSE: WWW.REVISTACANAVIEIROS.COM.BR E TENHA A RELAÇÃO DOS PRINCIPAIS EVENTOS QUE ACONTECEM NO MÊS DE JUNHO Revista Canavieiros -- Maio de 2008 Revista Canavieiros Maio de 2008 35 35
  36. 36. Biblioteca Cultura Cultivando a Língua Portuguesa “GENERAL ÁLVARO TAVARES CARMO” "Revenda competitiva no Agronegócio: Como melhorar sua rentabilidade" Esta coluna tem a intenção de maneira didática, esclarecer algumas dúvidas a respeito do português Matheus Kfouri Marino Marcos Fava Neves 1) Ligue, que ganhará “de grátis” um ingresso para o Show. Com o Português incorreto, com certeza, você perderá o ingresso, prezado amigo leitor. Dica importante: o verbo ganhar com o uso do adjetivo grátis: se vai ganhar algo, não pagará por isso, então já é grátis (dedução óbvia.) Renata Carone Sborgia* E mais, prezado amigo leitor, a expressão de grátis não existe. O correto é apenas grátis, o advérbio gratuitamente ou a locução de graça. Exemplos certos: 1) Ligue, que ganhará um ingresso para o Show. 2) Ligue, que terá um ingresso de graça para o Show. 3) Ligue, que terá grátis um ingresso para o Show. 4) Ligue, que conseguirá gratuitamente um ingresso para o Show. 2) Frio. Vinho e queijo saboroso. Que tal uma “MUSSARELA”? Indigesta em todos os sentidos. Confusão entre: MUSSARELA, MUÇARELA e MOZARELA? MUÇARELA ou MOZARELA, derivam do italiano “mozzarella”. Do italiano “mozzarela”, surgiu, no nosso idioma, a palavra MOZARELA(com um Z na escrita). É totalmente inadequado ao padrão culto da Língua escrever MUSSARELA. Portanto: com o frio... vinho e queijo saboroso: muçarela ou mozarela! 3)Maria disse: - Eu não “COMPITO” com o meu namorado. Parabéns! Maria, você está duplamente correta! Na relação afetiva e no Português. Sem titubear: VERBO COMPETIR - conjugado no Presente do Indicativo Eu compito Tu competes Ele compete Nós competimos Vós competis Eles competem PARA VOCÊ PENSAR: “Se podes olhar vê. Se podes ver repara.” Livro dos conselhos “Saber morrer é a maior façanha” ensinava Pe. Antônio Vieira 36 Revista Canavieiros - Maio de 2008 * Advogada e Prof.ª de Português e Inglês Mestra—USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, Consultora de Português, MBA em Direito e Gestão Educacional, escreveu a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras) com Miriam M. Grisolia O livro contempla fatores críticos que im pactam a competitividade das revendas de insumos agropecuários. O texto que abre a coletânea trata das tendências da distribuição de insumos agropecuários, com destaque para os setores de defensivos, fertilizantes, máquinas e implementos, sementes e crédito. Na seqüência, os autores discutem um método de planejamento e gestão estratégica, ferramenta gerencial que permite a identificação dos principais pontos críticos das revendas e o desenvolvimento de estratégias. Os capítulos seqüentes exploram cada um dos principais pontos críticos para o sucesso das revendas com o objetivo de torná-la mais competitiva. A obra discute também a importância do estreitamento da relação das revendas com os fornecedores de insumos, as técnicas de gestão da força de vendas, os possíveis conflitos de uma gestão familiar, a estruturação de um processo eficiente de compras, os 5 principais problemas existentes nas vendas. Apresenta indicadores de performance (faturamento médio, número de vendedores, faturamento por funcionário, e outros.), discute o caso da cooperativa C. Vale e os entraves no processo de implementação de estratégias. Os últimos capítulos abordam o merchandising nas revendas e as técnicas de gestão de clientes. A obra encerra-se com a consolidação dos pontos de aprendizado para aumentar a competitividade das revendas. Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros podem procurar a Biblioteca da Canaoeste, na Rua Augusto Zanini, nº1461 em Sertãozinho, ou pelo telefone (16)3946-3300 - Ramal 2016
  37. 37. Revista Canavieiros - Maio de 2008 37
  38. 38. Vende-se 01 Pá Carregadeira CASE, modelo W7E ano 80, em excelente estado de conservação.Tratar com Júnior ou Maurício pelos telefones (16) 3947 2158 ou (16) 9179 7585. NAL. Aparelho de maçarico completo,etc. Semi-novos. Todos com preços espeTratar com Ronaldo Belezine, pelo tele- ciais. Tratar com Carlos Biagi pelo telefone (16) 9143-7380 fone (16) 3946-4200. Vende-se Julieta 3 eixo, ano 2007, cana inteira marca goydo, com os cabos de aço, pode ser Vende-se usado na direita ou esquerda reforçada, 01 Caminhão 2428, canavieiro, traçado, medindo 10,5 metros. Valor R$ 60,000,00 ano 2004. Tem 78,00km rodados. Tratar com José Ovídio pelo telefone 01 Trator Valtra 1180, ano 1999 com / ou (17) 3361-2474 sem a pá dianteira Stara. Tratar com Marco Aurélio ou Emiline Vende-se pelos telefones (17) 3325-2608 / 8121-9113 1 Trator Valmet, 118 Série Prat,a Ano/ / 9619-3333 Mod. 1985. Tratar com Luis Fernando, pelo telefone (16) 3851-1641 ou 9968-7941 Vende-se 01 Carreta cana inteira com 02 eixos, 8 Vende-se metros, com pneus 1100, excelente es- Vendo MB1113, ano 74, traçado, trabatrutura. Tratar com Hélio pelo telefone lhando motor 352a do 1518, turbina e bom(16) 3945 8132 ba do 1618, direção hidráulica do 1620, ótimo custo beneficio, caminhão a toda proVende-se va R$ 45.000.00 Tratar com José Luiz pelo Mb 1620 2001, entrada R$ 5 mil + R$ telefone (18) 9733-8510 ou 8111 3525 2.955,00 mensais. Toco, motor novo, câmbio revisado, 6 pneus novos. Tratar Vende-se com Patito, pelo telefone (16) 9187-1901 1 Grade niveladora 32x20 Pitcin; 1 Enleirador de amendoim, Vende-se 1 Grade aradora 14x20 Baldan; MB 1113 84 toco. Cara preta, freio ar, 1 Plantadeira JM 2900 Exacta com 6 liturbinado, hidráulico, no chassi. Tratar nhas Jummil; com Cleber, pelo telefone:(16) 3951-6982 1 Pulverizador Jatao 600 Export Jacto; ou 9132-0006. 1 Cultivador tipo gradinhas para cana. Vende-se 1113, raridade. Motor cambiu na garantia. Ótimo preço. Tratar com Wladimir, pelo telefone (16) 3664-1535 ou 8126-0933 Vende-se 3 Carregadeiras Cana, Valtra, modelo MB 100 4x4, implemento Santal, conjunto 2007 1 Carregadeira Cana, Massey, modelo 290 RM 4x4, implemento Santal, conjunto 2007 3 Tratores Ford, modelo 8630, ano 94 com kit de freio e cabine semi fechada 1 Trator Ford, modelo 8830, ano 94 com kit de freio e cabine semi fechada 1 Trator EsteiraKomatsu, modelo D60, ano 1980 Tratar com Leandro pelo telefone (19) 3813-4800 ou 9604-7171 Vende-se Mercedez Bens (Canavieira), modelo 2428, ano 2004 - Traçado - R$ 200.000,00 Tratar com Marco ou Emilene pelo telefone (17) 9619-3333 ou 9607-8300 Vende-se 1 Arado Ikeda com desarme automático com sistema para aplicação de regente, ano 2007, R$ 9.500,00 1 Trator 680 - HD, ano 2006 1 Muck 3.750 ton, R$ 20.000,00 1 Arado Ikeda 4 aivecas 20014 Tratar com José Adão pelo telefone(16) 9158-0303 Vende-se Vende-se 01 plantadeira TATU PST PLUS 7/7, ano 2004. Nova. Tratar com Marcio Sarni pelo telefone (16) 3946-4200. 01 plantadeira JUMIL JM 2880 8/7, ano 2004. Nova. Tratar com Marcio Sarni pelo telefone (16) 3946-4200. Vende-se Caminhão Ford Cargo, traçado, modelo, 2630, ano 2001/2001, ótimo estado. 2º dono, pneus fg 85 ,oportunidade. R$115000,00 Tratar com Edilei, pelo tel. (14) 9788-3202 Vende-se 01 carroceria baú 3/4 oficina, equipado com um grupo gerador Banbose, máquina de solda e gerador 12.5 KVA ORIGI38 Revista Canavieiros - Maio de 2008
  39. 39. Revista Canavieiros - Maio de 2008 39
  40. 40. 40 Revista Canavieiros - Maio de 2008

×