Your SlideShare is downloading. ×
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Arcadismo ou neoclassicismo

698

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
698
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
19
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ARCADISMO OU NEOCLASSICISMO (SÉC. XVIII) Época do Iluminismo, da Revolução Industrial Oposição ao Barroco rafabebum.blogspot.com
  • 2. BUSCA A SIMPLICIDADE; MÍMESIS (IMITAÇÃO) Faz a imaginação de um bem amado, Que nele se transforme o peito amante; (Cláudio Manuel da Costa) Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito imaginar; (Luís Vaz de Camões) “L'amante nel amato se transforma” (Petrarca) rafabebum.blogspot.com
  • 3. Inutilia truncat (“corte-se o inútil”) Alguém há de cuidar que é frase inchada, Daquela que lá se usa entre essa gente, Que julga que diz muito e não diz nada. O nosso humilde gênio não consente, Que outra coisa se diga, mais que aquilo Que só convém ao espírito inocente. (Cláudio Manuel da Costa, Glauceste Satúrnio) rafabebum.blogspot.com
  • 4. http://pt.wikipedia.org/wiki/Cl%C3%A1udio_Manuel_da_Cos ta http://pt.wikipedia.org/wiki/Tom%C3%A1s_Ant%C3%B4nio_Gonza ga rafabebum.blogspot.com
  • 5.  Carpe diem (“aproveite o dia”), Omnia fluent Ah! Não, minha Marília, aproveite-se o tempo, antes que faça o estrago de roubar ao corpo as forças e ao semblante a graça. (Tomás Antônio Gonzaga, Dirceu) http://pt.wikipedia.org/wiki/Mar%C3%ADlia_de_Dirceu rafabebum.blogspot.com
  • 6.  Fugere urbem (“fugir da cidade”), Locus amoenus (“local ameno”) Aquele adore as roupas de alto preço, Um siga a ostentação, outro a vaidade; Todos se enganam com igual excesso. Eu não chamo a isto já felicidade: Ao campo me recolho, e reconheço, Que não há maior bem, que a soledade. (Cláudio Manuel da Costa) rafabebum.blogspot.com
  • 7. Pastoralismo Bucolismo rafabebum.blogspot.com
  • 8.  Aurea mediocritas (“equilíbrio do ouro”) O ser herói, Marília, não consiste Em queimar os Impérios: move a guerra, Espalha o sangue humano, E despovoa a terra Também o mau tirano. Consiste o ser herói em viver justo: E tanto pode ser herói pobre, Como o maior Augusto. (Tomás Antônio Gonzaga) rafabebum.blogspot.com
  • 9. BRASIL: 1768 – 1836 Época da mineração Poetas líricos: inconfidentes rafabebum.blogspot.com
  • 10. CLÁUDIO MANUEL DA COSTA Obras Poéticas (1768, poesia lírica) – sonetos – musa principal: Nise – tema fundamental: Amor rafabebum.blogspot.com
  • 11. Não vês, Nise, este vento desabrido, Que arranca os duros troncos? Não vês esta, Que vem cobrindo o céu, sombra funesta, Entre o horror de um relâmpago incendido? rafabebum.blogspot.com
  • 12. Destes penhascos fez a natureza O berço, em que nasci! oh quem cuidara, Que entre penhas tão duras se criara Uma alma terna, um peito sem dureza! Amor, que vence os tigres por empresa Tomou logo render-me; ele declara Contra o meu coração guerra tão rara, Que não me foi bastante a fortaleza. Por mais que eu mesmo conhecesse o dano, A que dava ocasião minha brandura, Nunca pude fugir ao cego engano: Vós, que ostentais a condição mais dura, Temei, penhas, temei; que Amor tirano, Onde há mais resistência, mais se apura. rafabebum.blogspot.com
  • 13. rafabebum.blogspot.com
  • 14. Vestígios do Barroco – natureza rude – vocabulário rebuscado – presença de antíteses rafabebum.blogspot.com
  • 15. Às vezes expressa saudade da Metrópole (Portugal) rafabebum.blogspot.com
  • 16. TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA rafabebum.blogspot.com Liras de Marília de Dirceu (poesia lírica) − tematiza o pastoralismo; ideal de propriedade autossuficiente − presença do narcisismo e do epicurismo Epicuro pregava a busca equilibrada dos prazeres; carpe diem a) 1.ª parte: lirismo do noivado
  • 17. rafabebum.blogspot.com Eu, Marília, não sou algum vaqueiro, Que viva de guardar alheio gado; De tosco trato, d’ expressões grosseiro, Dos frios gelos, e dos sóis queimado. Tenho próprio casal, e nele assisto; Dá-me vinho, legume, fruta, azeite; Das brancas ovelhinhas tiro o leite, E mais as finas lãs, de que me visto. Graças, Marília bela, Graças à minha Estrela!
  • 18. rafabebum.blogspot.com Eu vi o meu semblante numa fonte, Dos anos inda não está cortado; Os Pastores, que habitam este monte, Respeitam o poder do meu cajado. Com tal destreza toco a sanfoninha, Que inveja até me tem o próprio Alceste: Ao som dela concerto a voz celeste Nem canto letra que não seja minha. Graças, Marília bela, Graças à minha Estrela!
  • 19. rafabebum.blogspot.com Casa de Marília, Ouro Preto - MG
  • 20. rafabebum.blogspot.com Fonte onde se encontravam Marília e Dirceu, Ouro Preto - MG
  • 21. rafabebum.blogspot.com − fingimento (o amor a Marília é pretexto para a prática poética) b) 2.ª parte (escrita na prisão) − atribulações pré-românticas
  • 22. rafabebum.blogspot.com Eu, Marília, não fui nenhum Vaqueiro, Fui honrado Pastor da tua Aldeia; Vestia finas lãs e tinha sempre A minha choça do preciso cheia. Tiraram-me o casal e o manso gado, Nem tenho, a que me encoste, um só cajado.
  • 23. rafabebum.blogspot.com Cartas Chilenas (poesia satírica) − Critilo (Tomás) escreve a Doroteu (Cláudio) criticando Fanfarrão Minésio (gov. de Minas D. Luís da Cunha Meneses)
  • 24. POESIA ÉPICA DO ARCADISMO E PRÉ-ROMANTISMO  Basílio da Gama  Santa Rita Durão rafabebum.blogspot.com (Termindo Sipílio) (Frei José de Santa Rita Durão)
  • 25. rafabebum.blogspot.com O Uraguai, de Basílio da Gama Marquês de Pombal Tratado de Madri (1750): Sete Povos das Missões (RS) Espanha → Portugal
  • 26. rafabebum.blogspot.com − Gen. Gomes Freire de Andrade X − jesuíta Balda − Cacambo (guerreiro) − Lindoia ______________________________________________________________________ − episódio principal: “morte de Lindoia” − crítica ao jesuitismo − versos decassílabos brancos
  • 27. rafabebum.blogspot.com − 1510: náufrago Diogo Álvares Correia Caramuru, de Santa Rita Durão − Paraguaçu − Moema ____________________________________________________________________ − episódio principal: “morte de Moema” − versos decassílabos em oitava-rima
  • 28. rafabebum.blogspot.com Perde o lume dos olhos, pasma e treme, Pálida a cor, o aspecto moribundo, Com mão já sem vigor, soltando o leme, Entre as salsas escumas desce ao fundo. Mas na onda do mar, que irado freme, Tornando a aparecer desde o profundo: "Ah Diogo cruel!" disse com mágoa, E, sem mais vista ser, sorveu-se n’água. A B A B A B C C
  • 29. Portugal (1756 – 1825) Bocage rafabebum.blogspot.com (Elmano Sadino)
  • 30. rafabebum.blogspot.com (casa da infância de Bocage, Setúbal–PT)
  • 31. rafabebum.blogspot.com (casa onde Bocage terminava seus dias de vida, Lisboa-PT)
  • 32. BOCAGE rafabebum.blogspot.com Camões, grande Camões, quão semelhante Acho teu fado ao meu, quando os cotejo! − boêmio e jogador − vida e obra similares a Camões Modelo meu tu és... Mas, oh tristeza!... Se te imito nos transes da ventura, Não te imito nos dons da Natureza. − grande sonetista
  • 33. rafabebum.blogspot.com a) Poesia lírica − Idílios Marítimos − fingimento − várias musas: Marília, Anarda, Urselina, Gertrúria... − mitologia − locus amoenus (Arcadismo)
  • 34. rafabebum.blogspot.com Olha, Marília, as flautas dos pastores Que bem que soam, como estão cadentes! Olha o Tejo a sorrir-se! Olha, não sentes Os Zéfiros brincar por entre as flores? Vê como ali beijando-se os Amores Incitam nossos ósculos ardentes! Ei-las de planta em planta as inocentes, As vagas borboletas de mil cores. Naquele arbusto o rouxinol suspira, Ora nas folhas a abelhinha para, Ora nos ares sussurrando gira. Que alegre campo! Que manhã tão clara! Mas ah! Tudo o que vês, se eu não te vira, Mais tristeza que a morte me causara.
  • 35. rafabebum.blogspot.com a) Poesia lírica − Rimas − pessimismo; prenúncios de morte − religiosidade (cristã) − locus horrendus (pré-Romantismo) − autopiedade
  • 36. rafabebum.blogspot.com Já Bocage não sou!... À cova escura Meu estro vai parar desfeito em vento... Eu aos Céus ultrajei! O meu tormento Leve me torne sempre a terra dura. Conheço agora já quão vã figura Em prosa e verso fez meu louco intento; Musa!... Tivera algum merecimento Se um raio de razão seguisse pura! Eu me arrependo; a língua quase fria Brade em alto pregão à mocidade, Que atrás do som fantástico corria. Outro Aretino fui... A santidade Manchei - ... Oh! Se me creste, gente impia, Rasga meus versos, crê na eternidade!
  • 37. rafabebum.blogspot.com b) Poesia satírica − tom obsceno e erótico − ironia ao clero e à nobreza
  • 38. rafabebum.blogspot.com Da grande Manteigui, puta rafada, Se descreve a brutal incontinência; Do cafre infame a porra desmarcada, Do cornífero esposo a paciência; Como, à força de tanta caralhada, Perdendo o negro a rígida potência, Foge da puta, que sem alma fica, Dando mil berros por amor da pica. Ana Jacques Mondtegui, natural do Damão
  • 39. rafabebum.blogspot.com Pau-brasil
  • 40. rafabebum.blogspot.com É pau, e rei dos paus, não marmeleiro, Bem que duas gamboas lhe lobrigo; Dá leite, sem ser árvore de figo, Da glande o fruto tem, sem ser sobreiro: Verga, e não quebra, como zambujeiro; Oco, qual sabugueiro tem o umbigo; Brando às vezes, qual vime, está consigo; Outras vezes mais rijo que um pinheiro: À roda da raiz produz carqueja: Todo o resto do tronco é calvo e nu; Nem cedro, nem pau-santo mais negreja! Para carualho ser falta-lhe um U; Adivinhem agora que pau seja, E quem adivinhar meta-o no cu.

×