Tc pulmão parte i 03.11.11

2,256
-1

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,256
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
32
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tc pulmão parte i 03.11.11

  1. 1. Seminário: DOENÇAS PULMONARES PARTE I 03/11/2011 MR2 ROBERTO CORRÊA
  2. 2. Doença Pulmonar Focal Numerosas condições pulmonares benignas se apresentam como nódulos ou massas únicos ou múltiplos; Essas condições incluem anomalias congênitas,doenças inflamatórias, infecções pulmonares, lesões vasculares entre outras; A radiografia convencional de tórax serve como técnica primária em sua identificação; Desafio: diferenciar benigno de maligno!!!
  3. 3. Anomalias Congênitas 1. Sequestro pulmonar;2. Malformação arteriovenosa pulmonar; 3. Cisto broncogênico
  4. 4. Sequestro pulmonar Definição: segmento de tecido pulmonar que é separado da árvore brônquica e recebe seusuprimento sanguíneo de uma artéria sistêmica; Dois tipos: intralobar e extralobar; A maioria dos sequestros são tipo intralobar; O suprimento vascular em 80-90% dos casos provêm da artéria aorta descendente; Complicações: hemoptise e BCP repetição; Diagnóstico: identificação do vaso anômalo.
  5. 5. Sequestro intralobar com infecções recorrentes
  6. 6. Malformação arteriovenosa(MAV) MAV congênitas: fístulas vasculares comcomunicação entre a artéria e a veia pulmonar(95%) ou de uma artéria sistêmica e a veia pulmonar com by-pass do leito capilar; Cerca de 50% das MAVs estão associadas com Síndrome de Rendu-Osler-Weber(teleangiectasia hemorrágica hereditária); O diagnóstico costuma ser bem direto pela TC;
  7. 7. Malformação arteriovenosa(MAV) TC: o aspecto típico é de uma massa regular, lobulada, redonda ou oval, ou até o de umaformação serpenginosa, com menos de 1 cm avários cm de tamanho, associada a uma artéria nutriz visivelmente aumentada e uma veia de drenagem alargada; Uma ANGIO-TC geralmente faz o diagnóstico; Tratamento pode ser realizado com terapia embólica.
  8. 8. MAV complexa
  9. 9. Cisto Broncogênico(CB) É de longe a forma mais comum de cisto deduplicação do intestino anterior resultante de uma má separação ventral com a árvore traqueobrônquica; Cerca de 80% dos casos ocorrem nas regiões paratraqueal ou subcarinal; Os CB são malformações císticas congênitas dos pulmões raras e apenas de 10-30% apresentam localização intrapulmonar;
  10. 10. Cisto Broncogênico(CB) Todos os CB apresentam uma camada de epitélio respiratório e podem conter cartilagem;Caracteristicamente, os CB não se comunicam com a árvore traqueobrônquica até que se tornem infectados; Os CB n parênquima pulmonar podem estar associados à hiperinsuflação e ao aprisionamentoaéreo, como resultado de um mecanismo de válvula ou atelectasia pós-obstrutiva.
  11. 11. Nível hidroaéreo: leite de cálcio
  12. 12. Doença inflamatória: Granuloma Granulomas pós inflamatórios devido à TBC ouinfecção fúngica são os nódulos pulmonares mais comuns; A TC com cortes finos é mais sensível que a radiografia para identificar calcificações em um nódulo; Na TC sem contraste: um nódulo pulmonarcircunscrito e calcificado que mede abaixo de 2cm em diâmetro é habitualmente um granuloma calcificado benigno.
  13. 13. Doença inflamatória: Granuloma Padrões de calcificação: Benignidade: calcificação homogênea por todo onódulo, calcificação anelar laminada ou concêntricae com aspecto em “pipoca”; exceção: metástase de sarcoma osteogênico: são tipicamente calcificadas com padrão homogêneo!! Malignidade: padrões diferentes. Granulomas benignos inativos: pouco ou nenhum realce pelo meio de contraste.
  14. 14. Hamartoma Hamartoma e outros nódulos com gordura; Áreas focais de gordura dentro de um nódulo com valores de atenuação de -40 a -120HU, algumas vezes associados à calcificação condroide(em pipoca), são indicadores confiáveis de hamartoma;Pacientes com história de rinite crônica e/ou uso deóleo mineral ou medicações nasais que contêm óleoe que apresentem áreas focais de gordura dentro de uma massa pulmonar ou consolidação focal: diagnóstico de pneumonia lipoídica exógena.
  15. 15. Lesões vasculares O sinal do vaso nutridor é definido como um vasoque corre diretamente para dentro de um nódulo; O sinal indica que a lesão tem uma origemhematogênica ou que o processo patológico ocorre próximo a pequenos vasos pulmonares; Um número de doenças não neoplásicas dospulmões relacionadas a vasos produz doença focal, incluindo infarto pulmonar, embolia séptica, aspergilose pulmonar angioinvasiva, vasculites pulmonares e embolia pulmonar.
  16. 16. Infarto Pulmonar Está relacionado à obstrução tromboembólica deuma artéria pulmonar de tamanho médio e implica necrose do tecido pulmonar;Os achados radiológicos clássicos incluem o sinal de Westermark(hipoperfusão focal) e a corcova de Hampton(densidade periférica em formato triangular acima do diafragma); TC: atelectasia seg ou subsegmentar e atenuação focal mal definida em vidro fosco ou consolidação parenquimatosa(periférica e triangular).
  17. 17. Êmbolo SépticoEmbolia pulmonar séptica se apresenta com quadro insidioso de febre, tosse e opacidades pulmonares; Comumente visto em portadores de cateteres permanentes, endocardite da tricúspide, etilismo, infecções de pele e usuários de drogas IV; Manifestação radiográfica: opacidades nodulares bilaterais, com dimensões variadas que, em geral, apresentam escavações;A embolia séptica é com frequência complicada com empiema.
  18. 18. Êmbolo Séptico TC: modalidade importante para confirmar apresença de êmbolos sépticos quando a radiografia convencional de tórax permanece negativa; TC: nódulos bilaterais mais numerosos nas regiões periféricas dos pulmões e nas bases; Os nódulos podem ser bem circunscritos ou maldefinidos e com frequência apresentam escavações; O sinal do vaso nutriz pode estar presente em 60- 70% dos casos.
  19. 19. Aspergilose broncopulmonar invasiva A aspergilose broncopulmonar angioinvasiva é a infecção pulmonar fúngica mais comum;Fatores de risco maiores são: neutropenia severa ou prolongada(<500 células), terapia prolongada comcorticoides, doença enxerto versus hospedeiro após TMO alogênico e estágios tardios de SIDA; Sintomas não específicos: febre, tosse e dispneia; Diagnóstico: dados clínicos, radiológicos e micológicos.
  20. 20. Aspergilose broncopulmonar invasiva A trombocitopenia pode impedir biópsias percutâneas;As culturas dos LBA são positivas em 30-68% dos pacientes infectados;A detecção de galactomanas e ácido nucleico nosoro ou no LBA é útil na identificação precoce de aspergilose angioinvasiva no paciente imunossuprimido; Diagnóstico definitivo: presença do fungo nos espécimes de tecido.
  21. 21. Aspergilose broncopulmonar invasiva Radiografias: múltiplos nódulos periféricos, mal definidos que medem de 1 a 3 cm de tamanho e gradualmente coalescem em massas maiores ou áreas de consolidação.Um achado precoce na TC é a borda de opacidadeem vidro fosco que circunda nódulos(sinal do halona TC): o halo representa hemorragia ao redor deuma área focal de infarto pulmonar causado pelo Aspergillus, que invade os vasos pulmonares. Halo: outras infecções, TB, mucormicose, MTX hemorrágica e Wegener.
  22. 22. Vasculite Pulmonar A granulomatose de Wegener é uma doença multissistêmica caracterizada clinicopatologicamente pela combinação de umprocesso granulomatoso necrotizante e ulcerativo do trato respiratório e dos órgãos internos; Pode ocorrer uma forma limitada ao trato renal; Vasculiteisquemia/infartos cicatrizes parenquimatosas
  23. 23. Granulomatose de Wegener TC: nódulos ou massas subpleurais ou peribroncovasculares(1 a 4 cm de diâmetro), algumas vezes espiculados; em aprox. 50% dos casos, as massas podem escavar; TC: opacidades bilaterais difusas em vidro fosco,áreas de consolidação do espaço aéreo bilaterais não-segmentares ou peribroncovasculares,espessamento peribrônquico e pequenos nódulos centrolobulares e padrão em árvore em brotamento.
  24. 24. Embolia Pulmonar Patologia comum e representa a terceira causa de morte nos EUA;Resulta de um trombo formado nos sistema venoso; Radiografia de tórax tem valor limitado: tem mais valor em excluir outras condições; Exame de escolha: angio-TC(MD);Acurácia da TCMD depende: do tamanho da artéria afetada e do tamanho do êmbolo;
  25. 25. Embolia PulmonarDiagnóstico de embolia aguda na TC com contraste é baseado na visualização direta de falhas de enchimento parciais ou completas dentro das artérias pulmonares; Sinal da “rosca”; Sinal do “trilho de trem”;Outro sinal útil: formação de ângulos agudos com aparede vascular, a perda completa da opacificação e o aumento do diâmetro do vaso acometido.
  26. 26. Embolia Pulmonar Trombos crônicos: com frequência aparecem como defeitos de enchimento em forma de crescente ou laminares aderidos às paredes da artéria pulmonar; Calcificações podem estar presentes; Armadilhas: tempo de delay, volume de contraste,sangue não opacificado oriundo da veia cava inferior e do átrio direito( interrupção transitória de contraste);
  27. 27. Embolia Pulmonar não- Trombótica Condição incomum; Associada com achados específicos: 1. Nódulos com cavitações(séptica); 2. Áreas homogêneas ou heterogêneas com aumento da atenuação 12-24 horas pós trauma (embolia gordurosa); 3. Opacidades tubulares ramificadas(injeção de metilmetacrilato);4. Finos nódulos miliares que coalescem(talcose).
  28. 28. Embolia Pulmonar Tumoral Manifestação incomum das neoplasias; Diagnóstico de êmbolo tumoral é difícil em basesclínicas e pelos estudos radiográficos convencionais; TC: dilatação multifocal múltipla e no aspecto de “contas de rosário” nas artérias pulmonares periféricas, primariamente com distribuição subsegmentar; Uma causa vascular do padrão “árvore em brotamento” foi descrita em um paciente com angiopatia trombótica tumoral pulmonar.
  29. 29. Atelectasia Redonda Forma de colapso pulmonar periférico nãosegmentar que pode simular um câncer primário de pulmão; Sempre encontrada a uma área adjacente de espessamento pleural; Processo parece se iniciar com uma efusão pleural adesiva ou uma reação pleural que encarcera o pulmão atelectasiado adjacente; Relação com asbesto.
  30. 30. Atelectasia RedondaEsse pseudotumor pulmonar pode ser diferenciado: 1. Massa arredondada ou acunhada que forma ângulo agudo com a pleura; 2. Sinal da cauda de cometa;3. Broncograma central visível na porção central da massa; 4. Realce homogêneo pelo contraste; 5. Redução no volume do hemitórax ipsilateral. OBS: biópsia ou ressecção.
  31. 31. Hérnia de Morgagni
  32. 32. Hérnia de Morgagni
  33. 33. scimitar vein
  34. 34. Mucormicose
  35. 35. Mucormicose
  36. 36. BIBLIOGRAFIA
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×