Lesões císticas intracranianas não neoplásicas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Lesões císticas intracranianas não neoplásicas

on

  • 5,430 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,430
Views on SlideShare
5,369
Embed Views
61

Actions

Likes
0
Downloads
13
Comments
0

1 Embed 61

http://radiologiaufsm.com.br 61

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Lesões císticas intracranianas não neoplásicas Lesões císticas intracranianas não neoplásicas Presentation Transcript

    • Lesões Císticas Intracranianas Não- Neoplásicas Acd. Norberto Weber Werle Profª Carlos Jesus Pereira Haygert
    • CONTEXTO • Diagnóstico diferencial por imagem é desafiador; • Etiologia e histopatologia dos achados é muito distinta; • Determinação anatômica precisa é essencial para a determinação diagnóstica; • Análise acurada por RM ou TC pode indicar tratamento cirúrgico ou clínico;
    • CISTO ARACNÓIDE Etiologia: • Mais prevalente em homens; • Diagnosticado em torno dos 10-30 anos; • Usualmente esporádicos e únicos; • 1% das neoplasias IC; LEPTOMENÍNGEO CONGÊNITO A duplicação da aracnóide na embriogênese predispõe ao acúmulo de coleção líquida benigna.
    • EVOLUÇÃO CÍSTICA • Usualmente são estacionários; • Na primeira década podem crescer; • Esporadicamente podem regredir; CISTO LEPTOMENÍNGEO ADQUIRIDO Secreção Celular Válvula Unidirecional Crescimento Cístico Secundário à trauma com laceração ou aprisionamento de folhetos aracnoides e consequente acúmulo de líquor;
    • LOCALIZAÇÃO PREFERENCIAL • Maioria é supratentorial, predominando à esquerda; • 50% se localiza em fossa média, com extensão ao opérculo temporal; • Cisterna suprasselar, fissuras sylviana e interhemisférica são também locais comuns; • Cisterna magna; • Cisterna quadrigeminal; • Cisterna pontocerebelar; INFRATENTORIAL
    • ACHADOS CLÍNICOS E LABORATORIAIS • Usualmente assintomáticos; • Cefaléia, proptose, macrocrania, hidrocefalia e convulsões podem ser a apresentação clínica; • Cisto de cisterna suprasselar cursa com hidrocefalia, por obstrução de forame de Monro ou aqueduto; • Cisto de fossa média tem maior risco de rompimento, usualmente cursando com hemorragia pericística ou higroma;
    • CISTO ARACNÓIDE À TC Cisto Aracnóide Roto com hemorragia intracística e subdural
    • ACHADOS DE IMAGEM • TC – Formação arredondada, extra-axial, ovóide, acom atenuação de líquor; – Não há impregnação pelo contraste em parede; – Osso adjacente é normal ou remodelado; • RM – Isointensidade ao líquor. FLAIR ajuda bastante, pois suprime o sinal do LCR; – Se cistos com conteúdo protéico ou hemorrágico, usualmente hiperssinal em T1 e FLAIR;
    • CISTO ARACNÓIDE ROTO
    • CISTO ARACNÓIDE EM FMD
    • CISTO ARACNOIDE DIFUSÃOFLAIR
    • CISTO INTRA E SUPRASSELAR
    • CISTO ARACNÓIDE 3D CISS
    • RECOMENDAÇÕES • Abaulamento da tábua óssea escamosa do temporal por mecanismo valvar do cisto; • Diminuição volumétrica do parênquima adjacente não é compressiva. (Ex.: Hipoplasia temporal em cisto de fossa média e hipoplasia hemisférica cerebelar em fossa posterior); • Assintomáticos  Acompanhamento; • Sintomáticos Derivação Cistoperitoneal; • Estudo pré-op de fluxo liquórico ou acompanhamento préop CISTERNOTOMOGRAFIA COM IODO INTRATECAL
    • DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL • Cisto Epidermóide  A difusão é útil porque a difusibilidade de água é restrita nesta doença; • Cisticercose Subaracnóidea  Usualmente tem realce mural significativo; – A dúvida diagnóstica é quando escólex não é mais visualizado por hidropisia do cisticerco;
    • CISTICERCOSE
    • CISTO COLÓIDE • 15-20% das lesões intraventriculares; • Derivado do endoderma, contendo mucina; • 90% encontra-se anterossuperior ao 3º ventrículo, adjacente ao Monro; • Média de 1,5 cm; • VL e 4º ventrículo são topografias pouco comuns;
    • CLÍNICA • A maioria é assintomática até a idade adulta, quando então manifestam-se com cefaléia que tem relação com a posição da cabeça; • Tamanho não estima prognóstico! Hidrocefalia Aguda Herniação Morte Súbita AP mostra cisto de mucina e colesterol, com epitélio colunar simples
    • ACHADOS DE IMAGEM • Lesão é mais densa que LCR, sendo comumente bem visualizada a TC; – Arredondada, adjacente ao Monro, sem impregnação pelo contraste; – Usualmente hiperdenso e bem definido;
    • TC
    • RM • 66% são espontaneamente hiperintensos em T1 e isointenso em T2; • Depende bastante do nível de hidratação do cisto; • Situa-se usualmente atrás da coluna dos fórnices; Se líquido isointenso ao líquor TC com cortes finos ( hiperdenso)
    • Cisto Colóide de 3º V
    • ANALISANDO O SINAL! • Cisto com maior sinal de T2 e menor sinal em T1 são mais hidratados. Tem maior risco de expansão e hidrocefalia aguda; • Cisto com menor sinal em T2 são mais viscosos e difíceis de se retirar por neuroendoscopia;
    • TC
    • DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL • Artefato de fluxo  Reverberação em forame de Monro ao FLAIR; • Neurocisticercose Ventricular Obstruem mais o aqueduto e 4º V; • Craniofaringioma Hiperssinal em T1;Pode ter origem ventricular ou se estender para o 3ºV; • Tumores do plexo corióide, subependimoma, e astrocitoma subependimário;
    • CRANIOFARINGIOMA
    • CISTO DERMÓIDE • Cisto de inclusão ectodérmico benigno; • Defeito no tubo neural com sequestro de remanescentes; • Usualmente crescem por proliferação e secreção epiteliais, além do processo descamativo; • 0,3% das neoplasias IC; CLÍNICA: Cefaléia +Hidrocefalia+Convulsão Complicações: Meningite Química Asséptica Vasoespasmo AP demonstra conteúdo lipídico por secreção apócrina e sebácea;
    • LOCALIZAÇÃO • Preferencialmente em linha mediana; – Região Selar; – Parasselar; – Frontonasal; – 4º Ventrículo; – Fissura de Sylvius; – Cisterna pontocerebelar;
    • ACHADOS DE IMAGEM • Lesões bem definidas, com focos de hiperssinal em T1, hipossinal em T2 secundárias à presença de conteúdo lipídico; • Na TC, usualmente são hipodensos. Podem ter calcificação central; • Ruptura mostra focos de hiperssinal em T1, no espaço SA, geralmente nos cornos anteriores; • Pode haver focos isquêmicos;
    • CISTO DERMÓIDE
    • CISTO DERMÓIDE
    • RECOMENDAÇÕES • Hiperssinal em T1 subaracnoide pode permanecer por anos, suscitando a busca por cisto dermóide; • Devido a boa definição e plano de clivagem a ressecção microcirúrgica é de fácil execução; Manter acompanhamento neurorradiológico com RM pesada em T1 ( Recidiva, Lesão Residual?)
    • Diagnóstico Diferencial • Cisto Epidermóide  Tem localização mais cisternal e isossinal ao líquor em T1 e T2; • Craniofaringioma: Seu componente cístico pode ser hiperssinal em T1 e realce pelo contraste; • Teratoma: Mais localizado na pineal e tem muito conteúdo heterogêneo (hemorragia, cisto e calcificações); • Lipomas: Metaplasias de remanescentes. Usualmente não são císticos. São cisternais;
    • RUPTURA
    • CISTO EPIDERMÓIDE • Inclusão ectodérmica de epitélio no fechamento do tubo neural (3ª-5ª sem); • Só tecido epidérmico Diferente do Dermóide; • Pode ser iatrogênico  Punções lombares; • Usualmente em região parasselar ou pontocerebelar; • As lesões crescem lentamente, por acúmulo descamativo epidérmico; • 0,3-1,8% das neoplasias IC;
    • ACHADOS CLÍNICOS • Diagnóstico em torno dos 40 anos; • Usualmente assintomático; • Paralisia de nervo craniano compressiva ou hidrocefalia são possíveis manifestações; • Diferente dos cistos dermóides, ruptura é rara, assim como meningite asséptica; AP: Tecido colágeno revestido por epitélio escamoso estratificado queratinizado, com material descamativo, água e cristais de colesterol;
    • IMAGEM • TC  Usualmente se visualiza área de hipoatenuação, sem realce pelo contraste, alargando cisterna pontocerebelar; • Focos de calcificação 10-25% dos casos; • RM Hipossinal em T1 > que o LCR/ Hiperssinal em T2, sem realce; • FLAIR Muito útil, representando lesão tipo “líquor sujo à RM; Na DIFUSÃO cisto epidermóide apresenta intensa restrição ao movimento de água, evidenciando HIPERSSINAL!
    • DIFUSÃO Efeito T2 shine-through ou restrição verdadeira à movimentação hídrica;
    • FLAIR
    • T2
    • RECOMENDAÇÕES • Recidiva é muito comum devido à incapacidade de ressecção completa  Difusão é útil; • Acometimento de nervos e estruturas vasculares dificulta cirurgia; • Cisto branco é lesão hiperprotéica, aumentando densidade à TC e levando à hiperssinal em T1 e hipossinal em T2;
    • CISTO EPIDERMÓIDE BRANCO
    • DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL • Cisto aracnóide congênito  Usualmente facilmente diferenciado por ter densidade liquórica. Em casos de cisto hiperprotéico, a diferenciação é mais difícil; • Cisto Dermóide  Localização mediana e hiperssinal em T1. Dúvida em epidermóide branco; • Cisto Neuroentérico  Localizado entre o tronco e o dorso do clivo; • Cisticercose Subaracnoidea  Pode confundir bastante. Buscar por septações. Difusão não tem hiperssinal;
    • CISTO DE PINEAL • Achado comum em neurorradiologia, mostrando prevalência de 40 % em autópsias; • Mais em adultos, com predominância feminina. Acontece em qualquer idade; • Produto da degeneração isquêmica pineal? CLÍNICA A maioria é assintomática. Podem cursar com efeitos compressivos como hidrocefalia, vertigem e distúrbio da motilidade ocular extrínseca; AP  1. Cápsula Fibrosa 2. Parênquima Pineal 3. Tecido Glial
    • IMAGEM • TC  Lesão bem definida em topografia pineal, com densidade variável. A maioria de atenuação parecida com líquor; • Calcificação anelar ou nodular pode ser vista em 25% dos casos; • Realce pode ser visto; • RM Cisto típico de < 1cm, com parede de até 2 mm, sinal em T1 > LCR e FLAIR; • Cisto atípico  TUMOR?????
    • CONTRASTE • Como a lesão cística não tem barreira hematoencefálica funcionante, mais de 50% dos cistos apresenta contraste periférico, assim como aumento do sinal em T1 e FLAIR do conteúdo por extravasamento; O QUE É UM CISTO ATÍPICO? Cisto com mais de 1 cm, geralmente com múltiplas septações
    • CISTO TÍPICO
    • T11 FLAIR
    • Diagnóstico Diferencial • Pineocitoma cístico: Em lesões maiores, suscita muita dúvida. O ideal é acompanhar, pois o tumor cresce rápido; • Astrocitoma Pilocítico  Componente sólido com realce e distorção mesencefálica; • Aneurisma de veia de galeno; • Cisto do cavo do véu; • Cisto Dermoide/Epidermoide T1 ajuda/Difusão!
    • CISTO DO PLEXO CORIOIDE • Encontrados em metade das autópsias! • 0,1-2% das gestações  Achado incidental; • Usualmente se localiza no glomus corioide do átrio dos ventrículos laterais; • Oriundo da descamação epitelial e acúmulo lipídico; Cisto Xantogranulomatoso do plexo corioide é análogo ao cisto simples, exceto pelo conteúdo xantomatoso!
    • Aspectos Clínicopatológicos • Maioria é assintomática  Achado Incidental; • Cisto típico é aderido ao plexo, mas pode ter alguma mobilidade; • Se no 3º ventrículo  AP Epitélio corióide com cisto único ou agrupado, com material proteináceo e colesterol, associado à infiltrado linfocitário crônico
    • IMAGEM • Pequenas áreas de isoatenuação com o LCR, arredondas, bilaterais e algo simétricas, podendo apresentar calficações glômicas associadas; Pode haver realce pela inexistência de BHE no local; • RM  Comumente lesões bem definidas com isossinal ao LCR, podendo apresentar variação de acordo com o conteúdo. Cistos hiperproteicos apresentam hiperssinal no FLAIR; • Xantogranulomatoso  Hiperssinal na Difusão!
    • Bilateral com realce parietal fino
    • T2 FLAIR
    • DIFUSÃO  Cisto xantomatoso à direita!
    • À USG ANTENATAL
    • DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL • Cisto ependimário ou aracnóide IV  Usualmente únicos, sem realce, em superfície ependimária; • Hiperplasia vilosa  Extremo do papiloma. Tem muito realce; • Hemorragia perinatal, se resolvendo com cistos; • Cisto Colóide: Maior dificuldade em cisto de plexo adjacentes ao forame de Monro; • Metástases, plexite, histiocitoses...
    • CISTO EPENDIMÁRIO • Originado no sequestro do neuroectoderma na embriogênese; • Achado raro, podendo ocorrer no interior das leptomeninges, IV ou no parênquima; • Maioria dos achados é incidental  Assintomáticos! • Se obstruir drenagem  Cefaleia, Convulsão e Hidrocefalia; • AP Epitelio colunar secretor de fluido análogo ao LCR; Pode ser cílios;
    • IMAGEM • TC  Lesão de paredes finas com isoatenuação ao líquor. Pode ser bem sutil. Muitas vezes só assimetria dos trígonos ventriculares; • RM  Isossinal em relação ao LCR; • 3D CISS  Tira dúvida sobre a delimitação do cisto e diagnóstico diferencial; • Hipossinal à difusão!
    • Ausência de impregnação mural. Realce do plexo corióide apenas;
    • CISTO EPENDIMÁRIO GIGANTE
    • DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL • Cisto do plexo: Usualmente bilaterais, múltiplos, simétricos e menores; • Neurocisticercose IV: 3D CISS é a melhor sequência para a análise do escólex; • Distorção isolada dos Ventrículos laterais: Disfunção do Monro ou aderências locais. TC pode não ser conclusiva. 3D CISS tira a dúvida!
    • CISTO NEUROGLIAL • Lesão congênita rara ( 1% das lesões císticas IC). • Deriva de componente glial e ependimário sequestrado na SB durante a embriogênese; • Pode ocorrer em qualquer lugar. Mais comum em lobos frontais;
    • CLÍNICA E PATOLOGIA • Maioria é assintomática, mas podem ter convulsão, cefaléia e déficits neurológicos focais; • AP  Parede fina com misto de células colunares (ependimárias) e cubóides ( plexo), secretando líquido análogo ao LCR;
    • IMAGEM • TC e RM evidenciam formação cística intraparenquimatosa, de tamanho variável, atenuação e sinal = ao LCR, sem impregnação pelo gadolíneo, sem comunicação com o espaço IV ou subaracnóideo, sem alterações do parênquima adjacente;
    • DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL • Espaços de Virchow-Robin  Lesão comum, benigna, assintomática, podendo-se ver vaso no seu interior; • Neurocisticercose  Geralmente múltiplas, associadas a inflamação perilesional e escólex; • Cisto Porencefálico: Mimetiza muito, mas geralmente tem gliose perilesional por encefalomalácia;
    • FIM