Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Baço e pâncreas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Baço e pâncreas

  • 519 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
519
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
10
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Baço e Pâncreas Profº Carlos Jesus Pereira Haygert Monitor Norberto Weber Werle
  • 2. PROGRAMAÇÃO-AULABaço Pâncreas Casos
  • 3. ABORDAGEM GERAL DO BAÇO• O baço configura-se como o maior órgão linfático do organismo, assim como a estrutura intra-abdominal mais frágil, justificando sua localização.• Localização: Quadrante Abdominal Superior Esquerdo, protegido pela Caixa Torácica;• Função: Sistema Imune- Proliferação Linfocítica Fetal  Hematopoese Pós-Natal  Remoção de Eritrócitos  Destruição de Plaquetas
  • 4. CONTINUANDO...• ATENÇÃO: O baço não é um orgão vital!• Além disso, funciona como reserva sanguínea a ser mobilizada, em determinadas situações. Ex: Choque Hipovolêmico; Tem tipicamente estrutura macia, ricamente vascularizada, com cápsula fibroelástica moderadamente frágil. É órgão intraperitoneal, sendo revestido por 2 lâminas peritoneais, exceto na região hilar, sem revestimento.Lembre: Estrutura Macia + Cápsula Frágil 
  • 5. ROTINA DE ABDOMEM AGUDO• TORAX PA• ABDOME AP ortostático• ABDOME AP em decúbito dorsalEspeciais:• DECUBITO LATERAL ESQUERDO
  • 6. LIMITANDO O BAÇOAnterior • Estômago; Medial • Rim Esquerdo; • Diagrama, Pleura, PulmãoPosterior e 9-11ª costela; • Flexura Esplênica doInferior Cólon;
  • 7. Baço RimSCF
  • 8. PROPORÇÕES ESPLÊNICAS• Usualmente o baço adulto tem proporções de até 12 cm de comprimento por 7 de largura. • É grande a lista de diagnósticos diferenciais de Esplenomegalia:• Endocardite Subaguda;• Neoplasias;• Doença de Chagas;• Talassemia;• Leishmaniose;• Mononucleose Infecciosa;• ICC;• Hipertensão Portal...
  • 9. 10,3 cm
  • 10. Esplenomegalia• A esplenomegalia é o aumento de volume do baço, com ou sem alteração da sua função.• Classificação de Adams (dependente do volume) – Aumento ligeiro: 1 a 2 cm – Aumento moderado: 3 a 7 cm – Aumento marcado: > 7 cm• Classificação segundo o peso – Esplenomegalia ligeira: < 500 g – Esplenomegalia moderada: 500 a 1000 g – Esplenomgalia maciça: > 1000 g
  • 11. DEMARCAÇÕES EXTERNAS• A superfície anterosuperior do baço costuma mostrar-se com reentrâncias ( apregueamento).• A superfície inferoposterior geralmente é bem arredondada.• A porção superolateral esplê-nica é convexa, adaptando-se àconcavidade do hemidiafragma,enquanto a superfície medialtem impressões de órgãos ad-jacentes.
  • 12. AS IMPRESSÕES ESPLÊNICAS• LEMBRE DOS LIMITES!!• As impressões estão na porção medial do baço, nas circunvizinhança do hilo; Gástrica • Anterior; Renal • Posterior; Cólica • Inferior;
  • 13. IMPRESSÃO GÁSTRICA
  • 14. IMPRESSÃO CÓLICA
  • 15. IMPRESSÃO RENAL
  • 16. PERITÔNIO E SEUS LIGAMENTOS• Ligamento Gatroesplênico:• Ligamento Esplenorrenal:• A porção inferomedial do baço usualmente está na proximidade da cauda prancreática, ambos constituindo o limite lateral da bolsa omental, estrutura virtual revestida por peritônio. Bolsa Omental
  • 17. IRRIGAÇÃO ARTERIAL ESPLÊNICA• A irrigação arterial do baço se dá predominantemente pela artéria esplênica, ramo esquerdo do tronco celíaco.• Tem aspecto tortuoso, passando através da bolsa omental, anteriormente ao rim esquerdo e pela borda superior pancreática. Anteriormente ao hilo, costuma de dividir em cerca de 5 ramos. A artéria esplênica é um ramo bem calibroso do tronco celíaco. Por quê? R: Pense na função do baço!
  • 18. Arteriograma Celíaco
  • 19. DRENAGEM VENOSA ESPLÊNICA• As veias intraesplênicas se unem e acabam tributando na veia esplênica, que percorrendo trajeto medial, posterior ao pâncreas, recebe a Mesentérica Inferior, e posteriormente a Mesentérica Superior a nível de istmo pancreático, originando a Veia Porta Hepática; Há conexão com a gastromental esquerda junto à saída hilar;• À veia esplênica, tributam as veias pancreáticas e as veias gástricas curtas.• Calibre Usual da Veia Esplênica : 0,45 cm;• Cablibre Usual da Veia Porta: até 1,2 cm;
  • 20. V ANo hilo esplênico a veia costuma estar anteriorizadaem relação à artéria; A artéria está contrastada;
  • 21. DENSIDADE ESPLÊNICA
  • 22. NERVOS E VASOS LINFÁTICOS• Os nervos tem maior ação sobre a artéria esplênica, apresentando predomínio simpático;
  • 23. PALPAÇÃO DO BAÇO• O baço em pessoas normais usualmente não é palpável, uma vez que não é suficientemente anterior; Esplenomegalia Posição de Schuster
  • 24. E a clássica RUPTURA ESPLÊNICA!• O baço situa-se nas proximidades da 9-11ª costela, as quais apesar de protegê-lo de traumas menores, quando fraturadas ou pressionadas, podem lacerar a cápsula esplênica, implicando sua ruptura. Lembre das características do tecido esplênico! Ruptura Hemorragia Trauma Esplênica Profusa Abdomem Choque! Agudo H.
  • 25. PÂNCREAS• Constitui-se em um glândula digestiva acessória, com função endócrina e exócrina:• Endócrina Insulina e Gucagon• Exócrina Suco Pancreático ( ductos)• Localização: Extraperitoneal, transversamente alocado na parede abdominal posterior, predominantemente à esquerda; T12-L2• Usualmente subdivido, em cabeça, colo, corpo e cauda. A glândula diminui com a idade, lipossubstituindo-se.
  • 26. Corpo Colo CaudaAntro Pilórico Colédoco Transição T12-L1
  • 27. OS MÉTODOS E SUAS UTILIDADES Radiografia • Pouco Uso- Calcificações pancreáticas e gás Simples de abscessos • Ótimo para corpo e cabeça de pâncreas.Ultrassonografia Cauda é prejudicada por ar. • Excelente visualização global da glândula. Tomografia Bom para pancreatite e tumores pancreáticos. • Restrito. Útil para determinar tumores bem RM pequenos em ilhotas. CPRE • Tem valor inestimável para avaliar os ductos;
  • 28. LIMITANDO O PÂNCREAS...Anterior • Estômago • Aorta,Vasos Esplênicos, RenaisPosterior e Mesentéricos e Rim Esquerdo; Direito • DuodenoEsquerdo • Baço
  • 29. Fígado-VB LE Porta Coluna VCI Aorta -L1
  • 30. CABEÇA E PROCESSO UNCINADO• O processo uncinado percorre trajeto esquerdo medial contornando a Artéria Mesentérica Superior.• A cabeça do pâncreas repousa posteriormente sobre a VCI, artéria e veia renal direitas e veia renal esquerda. No seu caminho para a abertura na parte descendente do duodeno, o colédoco situa- se numa ranhura na superfície posterior da cabeça pancreática, ou penetra no tecido.• Os diâmetros máximos do TC são 3,0, 2,5 e 2,0 cm para a cabeça, corpo e cauda, respectivamente. O pâncreas não têm uma cápsula distinta e, portanto, a inflamação e neoplasias podem prontamente infiltrar os tecidos pancreáticos.
  • 31. Cabeça PancreáticaVeia VRERenalDARD ARE VCI
  • 32. COLO DO PÂNCREAS• O colo do pâncreas é curto (1.5-2 cm) e recobre os vasos mesentéricos superiores, que formam um sulco posterior. A superfície anterior do colo, coberto com o peritônio, é adjacente ao piloro. O VMS junta-se à veia esplênica posteriormente para formar a veia porta. CORPO DO PÂNCREAS• A superfície anterior do corpo do pâncreas é coberto com peritônio e encontra-se no chão da bolsa omental fazendo parte do leito do estômago. (L2).A superfície posterior do corpo pancreático é desprovido de peritônio e está em contacto com a aorta, a AMS, glândula supra-renal esquerda, e rim esquerdo e vasos renais.
  • 33. VASOS MESENTÉRICOS L1
  • 34. G.SupraRE
  • 35. CAUDA PANCREÁTICA• A cauda do pâncreas reside anteriormente ao rim esquerdo, onde ele está intimamente relacionado com o hilo do baço e do flexura cólica esquerda. A cauda é relativamente móvel e passa entre as camadas do ligamento esplenorrenal com os vasos esplénicas. AP FEC VCI GSRE
  • 36. DUCTOS PANCREÁTICOS• Ducto Pancreático Principal;• Ducto Pancreático Acessório;
  • 37. O DUCTO PANCREÁTICO PRINCIPAL• O ducto pancreático principal começa na cauda do pâncreas e vai até o parênquima da glândula da cabeça do pâncreas: então se prolonga inferiormente e está intimamente relacionado com o ducto biliar.Na maioria das vezes, o ducto pancreático principal e do ducto biliar se unem para formar a ampola hepatopancreática dilatada (de Vater), que abre na parte descendente do duodeno na cúpula da papila duodenal maior.• O ducto pancreático principal é de 3 mm de diâmetro e, gradualmente, diminui em direção a cauda. Um ducto pancreático normal pode ser visto em um US de alta qualidade ou tomografia computadorizada com cortes finos
  • 38. DUCTO PANCREÁTICO ACESSÓRIO• Um ducto pancreático acessório abre para o duodeno na cúpula da papila menor do duodeno. Geralmente (60%), a conduta de acessório comunica com o canal pancreático principal. LEMBRAR!!!: Há inúmeras variações embriológicas que podem implicar em inúmeras formações anatômicas diferentes dos ductos.
  • 39. PROPORÇÕES PANCREÁTICAS• Tamanho: 15 cm em média no maior eixo, podendo apresentar consideráveis variações;• INTENSIDADE (HU)- TOMOGRAFIA 35 +/ - 10 HURepare no tecidopancreático aoultrassom, o qualapresentaecogenecidade 14,8 cmhomogênea em suatopografia.Isso é extremamenteúltil para a diferenciaros cistos, tumores egranulomaspancreáticos.
  • 40. IRRIGAÇÃO ARTERIAL PANCREÁTICA• Corpo e Cauda Ramos da Esplênica, principalmente a Artéria Pancreática Magna;• Cabeça e Colo Artérias Pancreaticoduodenais ArtériasPancreaticoduodenais Ramos da Gastroduodenal, Superior que é ramo da hepática comum
  • 41. ArtériasPancreaticoduodenais Ramo da AMS, que é Inferiores ramo direto da aorta abdominal;
  • 42. Artérias e Cadeia de Linfonodos
  • 43. Antro PilóricoAGDAPDI
  • 44. DRENAGEM VENOSA E LINFÁTICA PANCREÁTICA• Grande parte das veias acaba tributando na veia esplênica, e o restante na Veia Mesentérica Superior, confluindo para a veia Porta.• Vasos Linfáticos e Linfonodos• Acompanham a topografia dos vasos esplêncios, na borda superior pancreática, confluindo para os vasos mesentéricos e celíacos e nodos pilóricos.• Importante: Analisar a cadeia de linfonodos, quando há suspeita de doença mieloproliferativa e/ou infecciosa
  • 45. INERVAÇÃO• Os nervos do pâncreas são derivados a partir dos nervos vago e esplâncnicos abdominopélvicos que passam através do diafragma. As fibras parassimpáticas e simpáticas chegar ao pâncreas, passando ao longo das artérias do plexo celíaco e plexo mesentérico superior.• Plexo celíaco e e Esplâncnico Abdominopélvico
  • 46. CASOS CLÍNICOS-Helicóptero Águia,Comandante Hamilton,CHEGA DE TEORIA !
  • 47. CASO CLÍNICO 1• História:• SMF., branca, 16 anos, residente em Pirapó-RS.• Queixa-se de dolorimento em hipocôndrio esquerdo, há 20 min, pós queda da sacada sobre o lado dolorido. Refere ainda dor lombar ao toque e edema sobre as costelas. Relata astenia e dor abdominal de forte intensidade, associada a rigidez abdominal. Refere náusea.• Ao Exame Físico:Mucosas Descoradas 3+/4, PA 88/52 mmHg, FC 168 bpm, FR 32 mpm.Pulsos Finos e Simétricos.Ao exame abdominal, constatou-se rigidez abdominal, sendoinviabilizada a palpação. RHA diminuídos. Dor à compressão emhipocôndrio esquerdo.Tecido cutâneo com erosão lombar posterior, edema e dor ao toque decostelas.
  • 48. Qual é o provável diagnóstico: Fratura de Costela com Pneumotórax Ulcera Péptica Rompida por Trauma Fratura Costal com Desidratação Ruptura Esplênica com Hemoperitônio
  • 49. Qual é o provável diagnóstico: Fratura de Costela com Pneumotórax Ulcera Péptica Rompida por Trauma Fratura Costal com Desidratação Ruptura Esplênica com Hemoperitônio
  • 50. • Dr. Levy Fidelix para confirmar o diagnóstico no Hospital Terciário, resolveu pedir uma tomografia computadorizada.• Como a hipótese de fratura costal era forte, resolveu pedirRx de Tórax e des-cartar pneumotórax.
  • 51. TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
  • 52. Nesta TC não se vê: Ruptura Esplênica Anterior Coleção Sanguínea Periesplência Líquido Livre na Cavidade Múltiplas áreas de fratura costal
  • 53. Nesta TC não se vê: Ruptura Esplênica Anterior Coleção Sanguínea Periesplência Líquido Livre na Cavidade Múltiplas áreas de fratura costal
  • 54. CASO CLÍNICO 2• JBP, 18 anos, moreno, natural de Santa Maria-RS.• Relata dor em orofaringe, associada a membranas amigdalianas bilaterais, com odinofagia e linfonodomegalia cervical. Refere febre baixa, indisposição, cefaléia, náuseas e vômito.• Ao Exame Físico:• Descorado (+/4), PA: 122/76, FR 22 mpm, FC 98 bpm. Orofaringe com membranas e hiperemiada. Linfonodomegalia cervical bilateral. Tax: 38,1 ºC.• Fígado palpável à 2 cm do rebordo costal e baço palpável à 5 cm do rebordo.• Ap C e R : sp.• Diagnóstico Dr. LEVY- Faringoamigdalite Estreptocóccica.• TTO: Penicilina Benzatina 1,2 UM IM
  • 55. • Apesar do tratamento, o paciente não melhorou, apresentando RASH cutâneo. Dr. Datena entrou em ação e pediu uma USG. 22,2 cm
  • 56. O provável diagnóstico é: Linfoma Portal, com hipertensão e esplenomegalia Mononucleose Infecciosa Toxoplasmose com Esplenomegalia Talassemia Maior
  • 57. O provável diagnóstico é: Linfoma Portal, com hipertensão e esplenomegalia Mononucleose Infecciosa Toxoplasmose com Esplenomegalia Talassemia Maior
  • 58. CASO CLÍNICO 3• FGT, 48 anos, homem, natural de Iraí.• Paciente relata distensão abdominal, constipação, dor profunda e perda de peso de 12 kg em 2 meses, sendo justificada, segundo o paciente, pela anorexia. Refere surgimento de linfonodomegalias cervicais e inguinais; Refere febre diária;• Paciente relata edema em MMII bilateral, simétrico, assim como astenia e indiposição.• Exame Físico: Descorado 2+/4• PA: 144/88, FC: 112 bpm, FR 22 mpm, Tax 38,9 ºc.• Linfonodomegalias generalizadas inguinais, cervicais e axilares. IMC: 19,2 Dr. Levy solicitou uma TC de abdome!
  • 59. Podem-se ver na TC, exceto: Lesões Hipodensas Esplênicas Linfonodomegalia Retroperitoneal Compressão VCI Distensão VB compressiva
  • 60. Podem-se ver na TC, exceto: Lesões Hipodensas Esplênicas Linfonodomegalia Retroperitoneal Compressão VCI Distensão VB compressiva
  • 61. Qual o provável diagnóstico: Linfogranuloma Venéreo Abscesso Periaórtico, com disseminação esplênica Linfoma Tumor Duodenal com Invasão Retroperitoneal e Esplênica
  • 62. Qual o provável diagnóstico: Linfogranuloma Venéreo Abscesso Periaórtico, com disseminação esplênica Linfoma Tumor Duodenal com Invasão Retroperitoneal e Esplênica
  • 63. CASO 4• RTG., feminina, 58 anos, natural de Anta Gorda.• Paciente queixa-se de dor em hipocôndrio direito pós- alimentação com predominância lipídica há cerca de 1 ano. Há 48 horas a dor piorou, irradiando-se para a região lombar bilateralmente, associada à intenso prurido cutâneo. Icterícia de conjuntiva, colúria e esteatorréia estavam presentes. Há 6 horas, o quadro piorou, mostrando-se astênica e dispneica.• Exame Físico: MUC Ictéricas 3+/4. FC: 158 FR: 30• PA: 80/44 mmHg. IMC: 35 Kg/m2• Tax: 38,5 ºC,RHA diminuídos, sem alterações à percussão, sem organomegalias.• Paciente com dificuldade de deambular, devido à astenia e com sinais de hiporresponsividade.
  • 64. À TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
  • 65. Diante deste quadro, qual a suahipótese diagnóstica: Coledocolitíase SIRS + Pancreatite Aguda Calculosa Tumor de cabeça de pâncreas, obstruindo colédoco. Abscesso Peripancreático, obstruindo o colédoco
  • 66. Essa é barbada, hein Lombardi! Pra nossa alegria!Diante deste quadro, qual a suahipótese diagnóstica: Coledocolitíase SIRS + Pancreatite Aguda Calculosa Tumor de cabeça de pâncreas, obstruindo colédoco. Abscesso Pancreático, obstruindo o colédoco
  • 67. Essa é barbada, hein Lombardi! Pra nossa alegria!Diante deste quadro, qual a suahipótese diagnóstica: Coledocolitíase SIRS + Pancreatite Aguda Calculosa Tumor de cabeça de pâncreas, obstruindo colédoco. Abscesso Pancreático, obstruindo o colédoco
  • 68. CASO CLÍNICO 5• TIH., 64 anos, natural de Silveira Martins.• Queixa-se de icterícia, colúria e acolia há 22 dias, náusea, febre baixa (37,9ºC), e anorexia, perdendo 3 Kg em 1 Mês e meio. Refere dor leve pós-prandial em hipocôndrio direito, ultimamente associados a vomitos frequentes.• Exame Físico:• MUC Ictéricas 2+/4. FC: 100, FR: 19, PA: 142/98, Tax: 38,1ºC, Sopro Sistólico Mitral 2+/4, irradiado para a axila. Murphy -, Distensão Abdominal Leve, RHA diminuídos, Palpação não dolorosa de borda hepática. Percussão sp. Sem organomegalias.• Ap R e MMII sp.
  • 69. EXAME CONSTRASTADO DE TGI S!
  • 70. Diante deste caso, qual a suahipótese diagnóstica: Linfoma com Linfonodomegalias Peripancreáticas obstrutivas Neoplasia de Pâncreas, obstruindo duodeno e colédoco Abscesso Pancreático obstruindo duodeno e colédoco Grande cálculo biliar obstruindo tecidos adjacentes
  • 71. Diante deste caso, qual a suahipótese diagnóstica: Linfoma com Linfonodomegalias Peripancreáticas obstrutivas Neoplasia de Pâncreas, obstruindo duodeno e colédoco Abscesso Pancreático obstruindo duodeno e colédoco Grande cálculo biliar obstruindo tecidos adjacentes
  • 72. AAAACABOU! É TETRA! FIM!
  • 73. BIBLIOGRAFIA• Fundamentals of Diagnostic Radiology;• Paul & Juhl;• Anatomia Orientada Para a Clínica – Moore;• Atlas Ultravist de Radiologia;