1ª aula tcar

  • 1,633 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
1,633
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
55
Comments
0
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. TCAR- Opacidades ParenquimatosasNorberto Weber WerleServiço de Radiologia do HUSMwww.radiologiaufsm.com.br
  • 2. Doenças Caracterizadas por Opacificação do Parênquima• Pneumonite por Hipersensibilidade;• Doença Pulmonar Eosinofílica;• Bronquiolite Obliterante com PNM em Organização;• Pneumonia Intersticial Inespecífica;• Bronquiolite Respiratória e BR-Doença Pulmonar Intersticial;• Pneumonia Intersticial Descamativa;• Pneumonia Intersticial Aguda;• Proteinose Alveolar;• Pneumonia Lipóide; 1ª Aula• Pneumonia Difusa; 2ª Aula• Hemorragia Pulmonar Difusa;• Edema Pulmonar e SARA
  • 3. DIVISÃO DIDÁTICA BOOP, Pneumonia Eosinofílica Crônica e Pneumonia BacterianaPneumonite Por Hipersensibilidade, PID, BR-DPI, PIA, PII, Proteinose Alveolar, Pneumonias Difusas como Pneumocystis jiroveci. Edema Pulmonar, SARA, Doença Fúngica, Pneumonite por Irradiação, TB, Pneumonias Virais
  • 4. Pneumonite por Hipersensibilidade Alveolite Alérgica Extrínseca• Causada pela inalação de antígenos com poeiras orgânicas;• Muito comum em fazendeiros, criadores de aves, jardineiros (casca de árvores), trabalhadores de malte e pacientes com tórax em tonel; Clínica:Aguda: Febre, calafrios, tosse seca e dispneia;Crônica: Amplo Predomínio da Dispneia
  • 5. ANORMALIDADES RADIOGRÁFICAS• Dependente do Estágio da Doença CONSOLIDAÇÃO INFILTRADO POR AGUDA MAL DEFIINIDA PMN DIFUSA EDEMA ASPECTO GRANULOMAS SUBAGUDA NODULAR PEQUENOS FINO ALVEOLITE FIBROSE SEQUELA CRÔNICO FAVEOLAMENTO* EVOLUTIVA ANOS
  • 6. PH AGUDA• Consolidação Bilateral do Espaço Aéreo;• Pequenas Opacidades Arredondadas (1-3cm);• Opacidades Mal Definidas; LEMBRE: Nestes casos a TCAR acrescenta pouco à radiografia convencional. Diagnóstico Por RX
  • 7. ACHADOS Paciente 6 dias Pós- Estudante de JardinagemExposição a Galinheiro Pós-Estágio
  • 8. SUBAGUDA• Semanas ou Meses pós-exposição;Achados:• Opacidades em VF difusas, esparsas e bilaterais, predominando em campos inferiores (73%);• Nódulos mal definidos (4mm), predominando em campos médios e bases, centrolobulares (40%);• Superposição Destes Achados;• Áreas Lobulares de Diminuição da Atenuação; • Perfusão em Mosaico;• Cortes em Expiração com Aprisionamento; – Bronquiolite associada;• Fibrose;
  • 9. TCARAcompanham Vasculatura Centrolobulares
  • 10. ANATOMOPATOLOGIA Nódulo Centrolobular em Vizinhança a Bronquíolo
  • 11. ACHADOSMulher de 34 anos, em reforma de seu banheiro. Inalação de fungos
  • 12. Homem criadorde aves, 54 anos, com dispneia, taquipneia e sibilância
  • 13. ACHADOS Mulher, agricultora, 68 anos, ASMA de início recente e dispneia.
  • 14. Homem, 45 anos,plantador de fumo. Dispneia e emagrecimento. Suspeita de CA pulmão.
  • 15. HP CRÔNICAUsualmente, sintomas há mais de 1 ano.• Achados de fibrose – Espessamento Intersticial Intralobular – Interfaces Irregulares – Espessamento Irregular dos Septos Interlobulares – Faveolamento(23%) +Subpleral – Bronquiectasias de tração e Bronquiolectasias
  • 16. ACHADOS Reexposições com padrões sobrepostos• Opacidades em Vidro Fosco superposta ou nódulos centrolobulares (94/62%);• Distribuição Esparsa das Anormalidades;• Ausência de predominância específica dos achados de fibrose;• Ângulos costofrênicos e regiões basais usualmente poupados x FPI;• Áreas hipodensas de aprisionamento aéreoPodem ocorrer
  • 17. FPI X HP Crônica Repare para as Bases Pulmonares! XAté 31 % das HP Crônicas podem acometer bases, mas FPI na maior parte das vezes acomete.
  • 18. ACHADOS Sobreposição Homem, criador de aves, comreagudização de dispneia crônica
  • 19. UTILIDADE DA TCAR• Remy-Jardin et al AMOSTRA=21 33% dos pacientes com HP subaguda tinham RX alterado, mas todos TCAR anormal.• Linch el al AMOSTRA = 11 45% dos pacientes com biópsia ou lavado indicativo de HP, tinham TCAR anormal. 9% tinham RX anormal.• Swensen el al AMOSTRA=85 TCAR alterada + Clínica 78% dosradiologistas firmaram o diagnóstico e 100% delesincluiram HP nas suas 3 principais HD’s.
  • 20. DOENÇA PULMONAR EOSINOFÍLICA• Impregnação de eosinófilos no interstício e via aérea. Eosinofilia RX/TC Sugestivo LBA Diagnóstico Firmado
  • 21. DOENÇA PULMONAR EOSINOFÍLICA IDIOPÁTICA• Eosinofilia Pulmonar Simples;• Pneumonia Eosinofílica Crônica;• Pneumonia Eosinofilia Aguda• Síndrome Hipereosinofílica;• Síndrome de Churg-Strauss
  • 22. Eosinofilia Pulmonar Simples• Síndrome de Loeffler Parasitária• Reações a Drogas• Consolidações Focais em Geral Transitórias visíveis ao RX.• As consolidações em geral são migratórias e desaparecem em 1 mês;• TCAR pode apresentar VF/ Consolidações com nódulos e sinal do halo, predominantes na peri-feria.
  • 23. ACHADOS
  • 24. Pneumonia Eosinofílica Crônica• Preenchimento de Alvéolos por infiltrado de eosinófilos.• Geralmente duram 3 ou mais meses.• Respondem muito bem à terapêutica com esteróides, sendo justificada como teste diagnóstico/terapêutico.• Não necessitam biópsia pulmonar; Ao RX, o padrão sugestivo Consolidações Periféricas
  • 25. ACHADOS À TCAR• Consolidações periféricas em geral esparsas;• VF periférica e esparsa, podendo ter pavimentação em mosaico;• Opacidades lineares/bandas Subpleurais Resolução; Correspondem a Microatelectasias• Predomínio das Anormalidades em lobossuperiores; Diagnóstico Diferencial com S. de Loeffler. Esta desaparece usualmente em 7 dias. BOOP predomina em áreas inferiores. Sarcoidose, PII, PID simulam mas não tem eosinofilia.
  • 26. ACHADOSMulher, 43 anos, faxineira
  • 27. ACHADOS
  • 28. Pneumonia Eosinofílica Aguda• Afecção febril aguda, rapidamente progressiva, podendo implicar em falência respiratória.• Manifestações radiográficas análogas ao edema pulmonar. Opacidades reticulares, linhas B de Kerley, incluindo para consolidação do espaço aéreo predominantemente inferiores e pequenos derrames pleurais.
  • 29. Síndrome Hipereosinofílica• 40 % dos casos denotam acometimento pulmonar; • Opacidades Mal RX Definidas transitórias. • Áreas de Consolidação; • Nódulos 1cm bilaterais. TCAR • VF na em volta de nódulos periféricos;
  • 30. ACHADOSUniversidade da Coreia. Seul.
  • 31. Síndrome de Churg-Strauss Histórico de Atopia, Eosinofilia, Anormalidades Sinusais, rash,Eosinófilos à Biópsia, Opacidades Pulmonares Migratórias e Transitórias
  • 32. ACHADOSHomem com 52 anos, asmático, com história de rinite e pólipos nasais
  • 33. DOENÇA ETIOLÓGICA ESPECÍFICA• Doenças Relacionadas a Drogas;• Infecções Parasitárias;• Doença Fúngica;• Granulomatose Broncocêntrica;
  • 34. BRONQUIOLITE OBLITERANTE COM PNEUMONIA EM ORGANIZAÇÃO (BOOP)• Pólipos de granulação dentro da via aérea e áreas esparsas de pneumonia em organização;• Geralmente idiopática ou ( G. Wegener, drogas, inalação de fumaça?); Dispneia, Tosse, Fraqueza, Febre Baixa
  • 35. ACHADOS• Consolidações Esparsas (80% dos casos), Bilaterais (74%);• Opacidades em VF peribrônquicas ou subpleurais (60% dos casos);• Nódulos pequenos e mal definidos peribrônquicos ou peribronquiolares;• Grandes nódulos ou massas;• Espessamento das paredes brônquicas ou dilatação em áreas pulmonares anormais;• Mosaico + VF e Espessamento Septal Interlobular; AMPLO PREDOMÍNIO DE PORÇÕES PULMONARES INFERIORES
  • 36. ACHADOSMulher de 64 anos, febre e tosse seca.
  • 37. ACHADOS• As opacidades nodulares com 1 a 10 mm de diâmetro são comuns e encontradas em 50 % dos pacientes distribuídas mais em região subpleural ou peribroncovascular;• As massas ou nódulos pulmonares usualmente são bastante irregulares e apresentam broncograma aéreo (45%), espiculados (35%);• Pequenos derrames pleurais ( 35%);• Faveolamento é incomum, mas possível;
  • 38. RESUMINDO BOOP ACHADOS PRINCIPAISCONSOLIDA- SUBPLEURAL/ ÇÃO PERIBRONCO DIAGNÓSTICO ESPARSA VASCULAR VIDRO FOSCO MOSAICO
  • 39. Mulher, 65 anos, dispneiaPoupando regiões subpleurais
  • 40. ACHADOS
  • 41. ACHADOS
  • 42. ACHADOSMulher, 81 anos, tosse crônica
  • 43. ACHADOSDistribuição Predominante Peribrônquica
  • 44. PNEUMONIAINTERSTICIAL INESPECÍFICA• Caracterizada por inflamação e fibrose envolvendo as paredes alveolares, mas sem algumas características específicas de outras patologias.• Pode ser idiopática ou reacional por PH ou doenças colágeno-vasculares. Dispnéia e Tosse por 8 meses. Pacientes com média de 50 anos. FPI OU PII?
  • 45. ACHADOS- RX• Opacidades consolidativas predominantes e zonas inferiores;• Padrão reticular ou combinação de intersticial e alveolar;• 10 % dos RX são normais.
  • 46. TCAR + comum achado• Opacidades em Vidro Fosco Esparsas; + Periféricas• Consolidações do Espaço Aéreo ( 71%);• Opacidades Reticulares Irregulares ( 29%);• Faveolamento (incomum); PIU é bem mais;• Predominância Periférica e nas zonas pulmonares inferiores;• A maioria dos achados são subpleurais;Apesar disso, o diagnóstico é difícil pela imagem,Devido à sobreposição de achados da PIU, PIA,PID e BOOP;
  • 47. Homem de 60 anos comdispneia. Envolvimento difuso e subpleural
  • 48. UTILIDADE• Diagnóstico geralmente não consegue ser firmado pela TCAR.• Paciente com VF e Consolidações Subpleurais  Valorizar mais PII à PIU. Neste caso, indica-se biópsia.• Se faveolamento, considerar PIU à PII. Geralmente biópsia não é indicada.• TCAR é bom exame para acompanharEvolução do tto. 85% dos casos confirmados por biópsia apresentam significativa melhora radiológica pós tto
  • 49. BRONQUIOLITE RESPIRATÓRIA• BR é Típica de tabagistas;• Geralmente não está associada a sintomas específicos;• Acúmulo de macrófagos nos broquíolos repletos de substância marrom oriunda dos cigarro;.• Pode predispor os pacientes a anormalidades crônicas das vias aéreas ou enfisema centrolobular;
  • 50. ACHADOS TCAR-BR• Na maioria dos pacientes TCAR normal;• Quando alterada, aparecem nódulos centrolobulares de 3 a 5 mm mal definidos ( 10%) e VF multifocal (28%);• Achados esparsos, predominantes em lobos superiores e zonas médias;• Enfisema centrolobular;
  • 51. ACHADOS
  • 52. BR-DOENÇA PULMONAR INTERSTICIAL• Acomete o parênquima de forma esparsa, contudo pode preservar lóbulos isoladamente; Pacientes na 4º década de vida, dispnéia e tosse crônica há 1 ano; Dificuldade de difusão pronunciada PROGNÓSTICO BOM!
  • 53. CONSIDERAÇÕES• Parar de fumar melhora a sintomatologia de grande parte dos pacientes;• Aqueles com queixas persistentes melhoram com esteróides VO.• RX usualmente normal ou opacidades irregulares, bilaterais, predominantemente inferiores.
  • 54. ACHADOS TCAR DA BR-DPI• Normal ou• Nódulos Centrolobulares (76%) ;• Opacidades em VF ( 82%);• Espessamento das Paredes brônquicas ( 94%);• Predomínio nos lobos superiores ( 59%);• Raramente fibrose ( padrão reticular) mais em zonas pulmonares inferiores;
  • 55. ACHADOS
  • 56. ACHADOSEnfisema simulando cistos de parede em uma BR-DPI J. bras. pneumol. vol.30 no.6 São Paulo Nov./Dec. 2004
  • 57. PNEUMONIA INTERSTICIAL DESCAMATIVA• Presença maciça de macrófagos no interior da via aérea;• 90% dos pacientes são fumantes;• Envolvimento difuso dos espaços aéreos, mas pode simular BR-DPI com predomínio peribronquiolar. 30-50 anos de idade Dispneia de esforço e tosse seca RX possui opacidades em VF em zonas pulmonares inferiores. 20% das PID confirmadas tem RX normal
  • 58. ACHADOS TCAR- PID• Opacidades em VF, esparsas, bilaterais, com fibrose mínima;• Predominância basal e subpleural;• Opacidades reticulares;• Faveolamento;• Associação com fumo, predispõe para enfisema centrolobular; O padrão relativamente análogo entre BR, BR-DPI e PID sugerem que essas entidades clinico-radiológicas integram diferentes espectros da mesma doença
  • 59. Homem, 39 anos, PID comprovada por biópsiaVF não está associado àatelectasias de decúbito
  • 60. ACHADOS Homem, 71 anos.Homem, 45 anos.
  • 61. ACHADOSHomem de 74 anos, dispneico.
  • 62. FIM DA PARTE 1
  • 63. FIM DA PARTE 1