AGRISSÊNIOR
NOTICIAS
Pasquim informativo e virtual.
Opiniões, humor e mensagens
EDITORES: Luiz Ferreira da Silva
(luizferr...
Um povo “supimpa”, pleno de energia,
Saudável e instruído,
Pronto para, um dia, dominá-lo.
E, se todos os estímulos
Forem ...
calha do rio, não se levando em conta os
fatores fisiográficos, climáticos (evaporação) e
pedológicos (solos rasos, pedreg...
risca ao meio, à moda nazareno. A sua barba,
da mesma cor da cabeleira, e encaracolada,
não longa e também repartida ao me...
outrora. A flor da idade ficou no pó da estrada.
Então, para que se preocupar?! Guarde os
bisturis e toca a vida.
Você sab...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

483 an 09_julho_2014.ok

1,782

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,782
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "483 an 09_julho_2014.ok"

  1. 1. AGRISSÊNIOR NOTICIAS Pasquim informativo e virtual. Opiniões, humor e mensagens EDITORES: Luiz Ferreira da Silva (luizferreira1937@gmail.com) e Jefferson Dias (jeffcdiass@gmail.com) Edição 483 – ANO X Nº 47 – 09 de julho de 2014 ECOS DA COPA Aix, meu contemporâneo da UFRRJ, pena cortante, luta pela dignidade de um país pródigo e ético e nunca se esconde ante as excrescências dos políticos e outros maus brasileiros. Caríssimo Luiz Ferreira, Com passadas trôpegas, A “seleção” briosa nossa, Caminha em direção do “pódio” Dos ufanismos nacionais. Estarão consagradas, então, As “políticas” socioeconômicas Que norteiam o destino, Claro e límpido, Desta nação varonil. Serão cantados, Com o “aurífero caneco” nas mãos, E louvadas intensamente, As “políticas de educação” do povo nosso, Que fornecem, além de salas bem equipadas, E higiênicas até, Livros didáticos de prima qualidade, Responsabilidade com autoridade Aos professores e diretores Das inúmeras “escolas públicas”, E a eles, também, salários condizentes. Com o “luzidio caneco” nas mãos, Desmistificaremos os detratores, Da nossa “briosa república”, Porque, com a “taça” em poder nosso, Bradaremos, com os pulmões Inflados de um nacionalismo populista, Que a “saúde pública” É assaz pimpona, A julgar pelas “pernas varonis”, Que correm céleres os gramados, Resistindo patrioticamente às trombadas. Essas pernas tornar-se-ão, no futuro, Símbolos da qualidade Do “sistema público de saúde”, Ofertado a milhões de brasileiros. Com o “caneco” nas mãos, Justificar-se-ão os médicos recém-importados E as inúmeras “bolsas família”, Fonte e celeiro de alimentos Àqueles que galgaram a “seleção”. Serão “elas” tidas como exemplo, De uma correta “política de alimentação popular”, Enrijecendo “músculos e ossos” das “pernas” Símbolos da saúde nacional. Com passos trôpegos, Estamos “batendo” adversários, Bem nutridos - e mais educados -, Desmistificando a velha teoria De que “educação” é, sim, necessária Para o progresso de uma nação. Estamos chegando ao “pódio”, Numa caminhada assaz colorida Por faces jovens e delicadas, Por corpos “apolíneos”, Mostrando ao mundo que somos, sim,
  2. 2. Um povo “supimpa”, pleno de energia, Saudável e instruído, Pronto para, um dia, dominá-lo. E, se todos os estímulos Forem percebidos e absorvidos, Pela briosa “seleção” nossa, Será ela recepcionada e brindada, Com pompas e circunstâncias, Pelo “poder executivo” nacional, Em pleno “planalto central” Terra do “cruzeiro”. É de se prever discursos Exaltando, mais uma vez, Os investimentos em “arenas” gigantescas, Em obras embora inacabadas, e coisas tais, Tidas como recompensador “legado” Para gerações que surgirão. Nesse dia, em que a “recepção” será florida, Presume-se que todos, em sinal de alegria, Rolarão pelas “rampas” do Palácio, Tal como foi feito um dia, Saudando as autoridades nacionais, Numa sutil mensagem De que somos, sim, um grande “circo”. Com o “caneco” nas mãos, Diremos ao mundo, alto e bom som, Que vale mais investir Em “ginásios esportivos” a “céu aberto”, Dando às crianças e jovens Nacos de pão e carne de “segunda”, Estimulando-os a correrem, pés desnudos, Até alcançarem, mesmo que uns poucos, A glória nacional em “arenas” suntuosas. Provavelmente, pelo que se espalha À “boca pequena”, em derredor, O “vermelho” será a cor gloriosa, Exaltando as virtudes De uma nação com “chuteiras nos pés” Embora com a “cabeça vazia”. Vejo hoje no “O Globo”, O “the guardian” tupiniquim nosso, E em letras garrafais, que “Júlio Cesar salva o Brasil”. Como diria um renomado escritor: “a ignorância é tão grande que transforma pigmeus em gigantes, e relega ao ostracismo os verdadeiros gênios”. Estamos chegando lá, ao “pódio” Das alegrias infinitas, E, com elas embutidas em nossas almas, Deixar-nos-emos ficar placidamente deitados, Tal qual um inofensivo, Mas portentoso “gigante adormecido”. Abraços, Luiz, E rumemos para as “quartas de final”! O VELHO CHICO Luiz Ferreira da Silva Nesta época de Copa, os problemas do país foram esquecidos, o que é bom para os políticos. O Rio São Francisco está secando e o canal do Lula capenga. O nosso dinheiro evapora tal a água que vai encher a calha artificial. Aliás, pelo comprometimento com as hidrelétricas, de onde virá esse precioso líquido, considerando a redução da vasão do grande rio? O velho Chico está morrendo de sede. Não tem água para ser evaporada em canais. Precisa de uma revitalização que passa pela despoluição, desassoreamento, recomposição da mata ciliar, uso racional da irrigação para produtos de grande retorno, interligação de bacias. O problema do NE é de distribuição espacial em pequenos núcleos em nível de comunidades. Água represada tem demais em grandes açudes, uma burrice, mas que enriqueceu muitos. E, adicionalmente, o uso atual de suas águas (geração de energia, irrigação e uso humano) já compromete grande parte do seu potencial, devendo-se considerar também a elevada taxa de evaporação, as alterações ambientais e a salinização, que é um grande problema dos solos do Nordeste seco. Não é de hoje que se gasta bastante dinheiro na construção de açudes, barragens e aquedutos, sempre na intenção, pouco inteligente, de se levar a água para longe da
  3. 3. calha do rio, não se levando em conta os fatores fisiográficos, climáticos (evaporação) e pedológicos (solos rasos, pedregosos e salinizados), além dos elevados custos operacionais. É muito simples a coisa. A lógica manda aproveitar a água a partir de suas margens, ocupando primeiramente os diques e os terraços, originados do processo de formação da paisagem hídrica, pela maior facilidade de manejar a água e pela existência dos solos de influência aluvionar (mais profundos e mais ricos), com custos mais reduzidos. Só mais tarde, é que se vai interiorizando a exploração (solo/água), à medida da geração de riqueza (aplicar mais além), da pressão social, mensurando-se os fatores de riscos, o esgotamento e a capacidade dos recursos naturais, sem se negligenciar os custos estipendiários. Dessa forma, ao invés de se estar pensando em levar a água do rio São Francisco, como se fez até gora, para alhures, é importante se estabelecer um projeto integrado de agricultura, para ocupação das suas margens, delimitando uma faixa, de cada lado, de 10 km (como exemplo), propiciando a utilização de quatro milhões de hectares de agricultura irrigada, que seriam transformados em áreas de interesse público, para fins de reforma agrária, indenizadas pelo Governo Federal. Seria um assentamento agrícola, de fato, (não confundir com os atuais dos sem terra, que é só para manter a miséria no campo) com toda a infraestrutura produtiva, técnica, física, social, agroindustrial e mercadológica, absorvendo todo o pessoal espalhado no semiárido, que começaria trabalhando como peão, aprendendo em serviço e treinando-se, para posteriormente receber o seu lote pronto, estruturado, pagando-o em 15 a 20 anos. Nesse sistema, que tem sido desenvolvido na Malásia (The Federal Land Development Autority/FELDA), com êxito, sendo considerado o mais eficaz em termos de agricultura de pequenos produtores, o poder público implanta o projeto agrícola, organiza a produção, associa os assentados e insere a pequena produção num contexto macro (agronegócio), possibilitando o uso de tecnologia de ponta. Amadurecido projeto, o Governo cede, paulatinamente, a sua gerência às empresas associativas dos pequenos ruralistas. Imagine uns 4 milhões de hectares irrigados, num complexo de “agribusines”, absorvendo 800.000 famílias, cuja riqueza gerada iria permitir acabar de vez com toda a miséria nordestina, considerando a diversificação de produtos, com enfoque para consumo da própria população, de alta demanda reprimida, e exportação de culturas específicas. COMO ERA A PESSOA DE JESUS CRISTO O Governador da Judéia, Públius Lentulus, ao César Romano: Soube ó César, que desejavas informações acerca desse homem virtuoso que se chama Jesus, que o povo considera um profeta, e seus discípulos, o filho de Deus, criador do céu e da terra. Com efeito, César, todos os dias se ouvem contar dele coisas maravilhosas. Numa palavra, ele ressuscita os mortos e cura os enfermos. É um homem de estatura regular, em cuja fisionomia se reflete tal doçura e tal dignidade que a gente sente obrigado a amá-lo e temê-lo ao mesmo tempo. A sua cabeleira tem até as orelhas, a cor das nozes maduras e, daí aos ombros tingem-se de um louro claro e brilhante; divide-se uma
  4. 4. risca ao meio, à moda nazareno. A sua barba, da mesma cor da cabeleira, e encaracolada, não longa e também repartida ao meio. Os seu olhos severos têm o brilho de um raio de sol; ninguém o pode olhar em face. Quando ele acusa ou verbera, inspira o temor, mas logo se põe a chorar. Até nos rigores é afável e benévolo. Diz-se que nunca ninguém o viu rir, mas muitas vezes foi visto chorando. As suas mãos são belas como seus traços, toda gente acha sua conversação agradável e sedutora. Não é visto amiúde em público e, quando aparece, apresenta-se modestamente vestido. O seu porte é muito distinto. É belo. Sua mãe, aliás, é a mais bela das mulheres que já se viu neste país. Se o queres conhecer, ó César, como uma vez me escreveste, repete a tua ordem e eu te o mandarei. Se bem que nunca houvesse estudado, esse homem conhece todas as ciências. Anda descalço e de cabeça descoberta. Muitos riem, quando ao longe o enxergam; desde que, porém, se encontram face a face com ele, tremem e admiram-no. Dizem os hebreus que nunca viram um homem semelhante, nem doutrinas iguais às suas. Muitos crêem que ele seja Deus, outros afirmam que é teu inimigo, ó César. Diz-se ainda que ele nunca desgostou ninguém, antes se esforça para fazer toda gente venturosa. Obs 1. Esta descrição foi traduzida de uma carta de Públius Lentulus a César Augusto, imperador de Roma. Públius Lentulus foi predecessor de Pôncio Pilatos como governador da Judéia, na época em que Jesus Cristo iniciou seu ministério. O texto original encontra-se na biblioteca do Vaticano. Comprovada sua autenticidade, tornou-se, fora da Bíblia, o documento mais importante sobre a pessoa do Senhor Jesus. Obs 2. Sabemos também que após a crucificação de Cristo, Públius Lentulus tornou-se seu seguidor e, juntamente com sua filha Lívia, levava a palavra de Deus aos povos da época. Fonte:http://arcadoconhecimento.blogspot. com.br/2011/07/como-era-pessoa-de-jesus- cristo.html ENVELHECER Autoria de um excelente professor de física e matemática que também sabe escrever. Estamos envelhecendo. Não nos preocupemos! De que adianta, é assim mesmo. Isso é um processo natural. É uma lei do Universo conhecida como a 2ª Lei da Termodinâmica ou Lei da Entropia. Essa lei diz que: “A energia de um corpo tende a se degenerar e com isso a desordem do sistema aumenta”. Portanto, tudo que foi composto será decomposto, tudo que foi construído será destruído, tudo foi feito para acabar. Como fazemos parte do universo, essa lei também opera em nós. Com o tempo os membros se enfraquecem, os sentidos se embotam. Sendo assim, relaxe e aproveite. Parafraseando Freud: “A morte é o alvo de tudo que vive”. Se você deixar o seu carro no alto de uma montanha daqui a 10 anos ele estará todo carcomido. O mesmo acontece a nós. O conselho é: Viva. Faça apenas isso. Preocupe-se com um dia de cada vez. Como disse um dos meus amigos a sua esposa: “use-me, estou acabando!”. Hilário, porém realista. Ficar velho e cheio de rugas é natural. Não queira ser jovem novamente, você já foi. Pare de evocar lembranças de romances mortos, vai se ferir com a dor que a si próprio inflige. Já viveu essa fase, reconcilie com a sua situação e permita que o passado se torne passado. Esse é o pré-requisito da felicidade. “O passado é lenha calcinada. O futuro é o tempo que nos resta: finito, porém incerto.” , como já dizia Cícero. Abra a mão daquela beleza exuberante, da memória infalível, da ausência da barriguinha, da vasta cabeleira e do alto desempenho pra não se tornar caricatura de si mesmo. Fazendo isso ganhará qualidade de vida. Querer reconquistar esse passado seria um retrocesso e o preço a ser pago será muito elevado. Serão muitas plásticas, muitos riscos e mesmo assim você verá que não ficou como
  5. 5. outrora. A flor da idade ficou no pó da estrada. Então, para que se preocupar?! Guarde os bisturis e toca a vida. Você sabe quem enche os consultórios dos cirurgiões plásticos? Os bonitos. Você nunca me verá por lá. Para o bonito, cada ruga que aparece é uma tragédia, para o feio ela é até bem vinda, quem sabe pode melhorar, ele ainda alimenta uma esperança. Os feios são mais felizes, mais despreocupados com a beleza, na verdade ela nunca lhes fez falta, utilizaram-se de outros atributos e recursos. Inclusive tem uns que melhoram na medida em que envelhecem. Para que se preocupar com as rugas, você demorou tanto para tê- las! Suas memórias estão salvas nelas. Não seja obcecado pelas aparências, livre-se das coisas superficiais. O negócio é zombar do corpo disforme e dos membros enfraquecidos. Essa resistência em aceitar as leis da natureza acaba espalhando sofrimento por todos os cantos. Advêm consequências desastrosas quando se busca a mocidade eterna, as infinitas paixões, os prazeres sutis e secretos, as loucas alegrias e os desenfreados prazeres. Isso se transforma numa dor que você não tem como aliviar e condena a ruína sua própria alma. Discreto, sem barulho ou alarde, aceite as imposições da natureza e viva a sua fase. Sofrer é tentar resgatar algo que deveria ter vivido e não viveu. Se não viveu na fase devida o melhor a fazer é esquecer. A causa do sofrimento está no apego, está em querer que dure o que não foi feito para durar. É viver uma fase que não é mais sua. Tente controlar essas emoções destrutivas e os impulsos mais sombrios. Isso pode sufocar a vida e esvaziá-la de sentido. Não dê ouvidos a isso, temos a tentação de enfrentar crises sem o menor fundamento. Sua mente estará sempre em conflito se ela se sentir insegura. A vida é o que importa. Concentre- se nisso. A sabedoria consiste em aceitar nossos limites. Você não tem de experimentar todas as coisas, passar por todas as estradas e conhecer todas as cidades. Isso é loucura, é exagero. Faça o que pode ser feito com o que está disponível. Quer um conselho? Esqueça. Para o seu bem, esqueça o que passou. Têm tantas coisas interessantes para se viver na fase em que está. Coisas do passado não te pertencem mais. Se você tem esposa e filhos experimente vivenciar algo que ainda não viveram juntos, faça a festa, celebre a vida, agora você tem mais tempo, aproveite essa disponibilidade e desfrute. Aceitando ou não o processo vai continuar. Assuma viver com dignidade e nobreza a partir de agora. Nada nos pertence. Tive um aluno com 60 anos de idade que nunca havia saído de Belo Horizonte. Não posso dizer que pelo fato de conhecer grande parte do Brasil sou mais feliz que ele. Muito pelo contrário, parecia exatamente o oposto. O que importa é o que está dentro de nós, a velha máxima continua atual como nunca: “quem tem muito dentro precisa ter pouco fora”. Esse é o segredo de uma boa vida. (Enviada por Geraldo Carletto) A PIADA AS SEMANA Querido, o que você prefere? Uma mulher bonita ou uma mulher inteligente? Nem uma, nem outra. Você sabe que eu só gosto de você. oOo Acessar: www.r2cpress.com.br PS. JULHO, 10 ANOS DO AN, EDIÇÃO COMEMORATIVA.

×