Your SlideShare is downloading. ×
0
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Meu primeiro beijo blog
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Meu primeiro beijo blog

230

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
230
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. OLHAR APURADO PARA A DIVERSIDADE Trabalho desenvolvido com 8ª série
  • 2. QUE TIPO DE BEIJO VOCÊ JÁ DEU OU GANHOU HOJE? QUAL A SUA RELAÇÃO COM A PESSOA BEIJADA? O QUE O BEIJO REPRESENTA PRA VOCÊ?
  • 3. TEXTO: MEU PRIMEIRO BEIJO Antônio Barreto
  • 4.  EM SUA OPINIÃO, QUAL O TEMA QUE O TEXTO VAI ABORDAR?  DE QUE FORMA SERÁ ABORDADO?  ONDE E COM QUEM VOCÊ ACHA QUE ACONTECE A HISTÓRIA?
  • 5. Meu Primeiro Beijo - Antonio Barreto É difícil acreditar, mas meu primeiro beijo foi num ônibus, na volta da escola. E sabem com quem? Com o Cultura Inútil! Pode? Até que foi legal. Nem eu nem ele sabíamos exatamente o que era "o beijo". Só de filme. Estávamos virgens nesse assunto, e morrendo de medo. Mas aprendemos. E foi assim... Não sei se numa aula de Biologia ou de Química, o Culta tinha me mandado um dos seus milhares de bilhetinhos: " Você é a glicose do meu metabolismo. Te amo muito! Paracelso" E assinou com uma letrinha miúda: Paracelso. Paracelso era outro apelido dele. Assinou com letrinha tão minúscula que quase tive dó, tive pena, instinto maternal, coisas de mulher...E também não sei por que: resolvi dar uma chance pra ele, mesmo sem saber que tipo de lance ia rolar. No dia seguinte, depois do inglês, pediu pra me acompanhar até em casa. No ônibus, veio com o seguinte papo: - Um beijo pode deixar a gente exausto, sabia? - Fiz cara de desentendida. Mas ele continuou: - Dependendo do beijo, a gente põe em ação 29 músculos, consome cerca de 12 calorias e acelera o coração de 70 para 150 batidas por minuto. - Aí ele tomou coragem e pegou na minha mão. Mas continuou salivando seus perdigotos: - A gente também gasta, na saliva, nada menos que 9 mg de água; 0,7 mg de albumina; 0,18 g de substâncias orgânica; 0,711 mg de matérias graxas; 0,45 mg de sais e pelo menos 250 bactérias... Aí o bactéria falante aproximou o rosto do meu e, tremendo, tirou seus óculos, tirou os meus, e ficamos nos olhando, de pertinho. O bastante para que eu descobrisse que, sem os óculos, seus olhos eram bonitos e expressivos, azuis e brilhantes. E achei gostoso aquele calorzinho que envolvia o corpo da gente. Ele beijou a pontinha do meu nariz, fechei os olhos e senti sua respiração ofegante. Seus lábios tocaram os meus. Primeiro de leve, depois com mais força, e então nos abraçamos de bocas coladas, por alguns segundos. E de repente o ônibus já havia chegado no ponto final e já tínhamos transposto , juntos, o abismo do primeiro beijo. Desci, cheguei em casa, nos beijamos de novo no portão do prédio, e aí ficamos apaixonados por vária semanas. Até que o mundo rolou, as luas vieram e voltaram, o tempo se esqueceu do tempo, as contas de telefone aumentaram, depois diminuíram...e foi ficando nisso. Normal. Que nem meu primeiro beijo. Mas foi inesquecível! BARRETO, Antonio. Meu primeiro beijo. Balada do primeiro amor. São Paulo: FTD, 1977. p. 134-6
  • 6.  AS HIPÓTESES LEVANTADAS PREVIAMENTE SE CONFIRMARAM NO TEXTO LIDO? COMENTE.  QUAL O TEMA CENTRAL DO TEXTO “MEU PRIMEIRO BEIJO”?  DE ACORDO COM O TEXTO COMO INICIOU A APROXIMAÇÃO DAS PERSONAGENS?  ONDE O BEIJO ACONTECEU?  RELENDO O ÚLTIMO PARÁGRAFO, O QUE PODEMOS CONCLUIR DO RELACIONAMENTO DELES APÓS O BEIJO?  VOCÊ ACHA QUE ESSE RELACIONAMENTO DUROU MUITO TEMPO? POR QUÊ?
  • 7. O primeiro beijo Clarice Lispector Os dois mais murmuravam que conversavam: havia pouco iniciara-se o namoro e ambos andavam tontos, era o amor. Amor com o que vem junto: ciúme. - Está bem, acredito que sou a sua primeira namorada, fico feliz com isso. Mas me diga a verdade, só a verdade: você nunca beijou uma mulher antes de me beijar? Ele foi simples: - Sim, já beijei antes uma mulher. - Quem era ela? - perguntou com dor. Ele tentou contar toscamente, não sabia como dizer. O ônibus da excursão subia lentamente a serra. Ele, um dos garotos no meio da garotada em algazarra, deixava a brisa fresca bater-lhe no rosto e entrar- lhe pelos cabelos com dedos longos, finos e sem peso como os de uma mãe. Ficar às vezes quieto, sem quase pensar, e apenas sentir - era tão bom. A concentração no sentir era difícil no meio da balbúrdia dos companheiros. E mesmo a sede começara: brincar com a turma, falar bem alto, mais alto que o barulho do motor, rir, gritar, pensar, sentir, puxa vida! como deixava a garganta seca. E nem sombra de água. O jeito era juntar saliva, e foi o que fez. Depois de reunida na boca ardente engulia-a lentamente, outra vez e mais outra. Era morna, porém, a saliva, e não tirava a sede. Uma sede enorme maior do que ele próprio, que lhe tomava agora o corpo todo. A brisa fina, antes tão boa, agora ao sol do meio-dia tornara-se quente e árida e ao penetrar pelo nariz secava ainda mais a pouca saliva que pacientemente juntava. E se fechasse as narinas e respirasse um pouco menos daquele vento de deserto? Tentou por instantes mas logo sufocava. O jeito era mesmo esperar, esperar. Talvez minutos apenas, talvez horas, enquanto sua sede era de anos. Não sabia como e por que mas agora se sentia mais perto da água, pressentia-a mais próxima, e seus olhos saltavam para fora da janela procurando a estrada, penetrando entre os arbustos, espreitando, farejando.
  • 8. O instinto animal dentro dele não errara: na curva inesperada da estrada, entre arbustos estava... o chafariz de onde brotava num filete a água sonhada. O ônibus parou, todos estavam com sede mas ele conseguiu ser o primeiro a chegar ao chafariz de pedra, antes de todos. De olhos fechados entreabriu os lábios e colou-os ferozmente ao orifício de onde jorrava a água. O primeiro gole fresco desceu, escorrendo pelo peito até a barriga. Era a vida voltando, e com esta encharcou todo o seu interior arenoso até se saciar. Agora podia abrir os olhos. Abriu-os e viu bem junto de sua cara dois olhos de estátua fitando-o e viu que era a estátua de uma mulher e que era da boca da mulher que saía a água. Lembrou-se de que realmente ao primeiro gole sentira nos lábios um contato gélido, mais frio do que a água. E soube então que havia colado sua boca na boca da estátua da mulher de pedra. A vida havia jorrado dessa boca, de uma boca para outra. Intuitivamente, confuso na sua inocência, sentia intrigado: mas não é de uma mulher que sai o líquido vivificador, o líquido germinador da vida... Olhou a estátua nua. Ele a havia beijado. Sofreu um tremor que não se via por fora e que se iniciou bem dentro dele e tomou-lhe o corpo todo estourando pelo rosto em brasa viva. Deu um passo para trás ou para frente, nem sabia mais o que fazia. Perturbado, atônito, percebeu que uma parte de seu corpo, sempre antes relaxada, estava agora com uma tensão agressiva, e isso nunca lhe tinha acontecido Estava de pé, docemente agressivo, sozinho no meio dos outros, de coração batendo fundo, espaçado, sentindo o mundo se transformar. A vida era inteiramente nova, era outra, descoberta com sobressalto. Perplexo, num equilíbrio frágil. Até que, vinda da profundeza de seu ser, jorrou de uma fonte oculta nele a verdade. Que logo o encheu de susto e logo também de um orgulho antes jamais sentido: ele... Ele se tornara homem.  http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-2/primeiro-beijo-634373.shtml
  • 9. Primeiro Beijo Art Popular "Para de tanta bobagem, só pra me esquecer Seus olhos dizem várias coisas que você não vê Não dá pra entender, Quanta vaidade há em você O orgulho mata, O sonho que nos faz viver Hoje acordei tão cedo Pensando em você, Ensaiei aquelas velhas frases Pra te convencer, não Não dá pra entender Você mente mesmo, pra você O orgulho mata, O sonho que nos faz viver Eu olho pra você E você não me quer mais Eu pego em suas mãos, Você não quer tentar, tentar Recomeçar do abraço E do primeiro beijo Não vou desistir, Nem desanimar, Sei que a vida passa Se a gente parar de lutar"
  • 10. Eu era jovem, por incrível que pareça eu era jovem. Tinha talvez sete anos quando o coração bateu pela primeira vez. O nome dele era Paulo. Ele era lourinho e lindinho e a gente namorou um tempinho,o coração batia, ele para mim era simplesmente um monstro , não um Deus , como parecem ser os amados de hoje em dia. Um monstro, um monstro que morava perto da praça onde um dia eu brinquei muito. Porque depois do dia que conheci o tal menino , ir até a praça era a morte. Só me lembro dessa angustia. As amigas querendo ir até lá brincar e eu fugindo feito louca .Sentia dor de barriga, chorava. E fazia até cocô nas calças. Com sete anos.Cocô nas calças .Hoje realmente não tenho toda esta liberdade. Nunca mais vi o Paulo depois do dia em que minha mão me arrastou para a festa de aniversario dele e, quando me dei conta, tinha entrado no quarto dele com mamãe: o menino estava trocando de roupa! Na mesma hora saí correndo e fui para trás das cortinas do quarto.
  • 11. Fui morar em outro lugar. E os monstros apareciam com frequência. Barra da Tijuca .Lugar de muita praia e muito vento e chuva de verão. Ninguem sabe qual é a sensação de andar de bicicleta na chuva de verão. As ruas do condomínio ficavam alagadas e a vida era uma verdadeira e maravilhosa piscina. E aí muita coisa aconteceu. Muito correio do amor , muito "pede para a Renata dizer para ele que o que a Gabi disse pra ele era mentira. Diz o que eu mandei. To lá em casa escondida esperando ". E a vida era isso, brincar com o jogo do amor, sonhar com a realização e pronto. O primeiro beijo foi muito marcante, graças a Deus! Este era um assunto muito comum, comum mesmo. No dia que eu dei o primeiro beijo tive uma conversa longa e sincera com uma amiga. Debaixo de uma árvore .A gente falava...falava...e chegamos a várias conclusões . Sendo assim, naquele dia eu estava feliz, calma, segura de mim mesma, achando que entendia tudo sobre o amor, que eu era muito inteligente e minha família era perfeita. Achando que o beijo era uma bobagem e que o amor chegaria um dia... Sempre chega. Aquele dia era o dia ideal para me apaixonar pela primeira vez. Mas eu não sabia disso e fui para uma festa; na verdade, nem queria muito ir. Sei exatamente como estava vestida: uma blusa com o escrito Rata da Praia , rosa fosforescente, e também um lencinho verde amarrado no pé.
  • 12. Era uma festa exatamente como qualquer outra :cinco ex paixões, sete novas possibilidades de paixão , três grandes amigos apaixonados, dez meio-paixão, meio-amigo, meio- ex possibilidades nova. Ou seja, 25 homens interessantes! Eu dançando no meio desse harém com cara de quem não quer nada de ninguém. Dançando, olho para imagem de um menino sentado no sofá de chinelo, bermuda e cara muda. A carinha muda me olhava, olhava bastante, tremendo mole. Ele era bonito demais. Mário o nome dele. Ja conhecia de ouvir falar. Ele era o monstro de uma amiga minha. Mas o monstro da amiga me olhava , e o mostro era lindo. Fui sair do salão. Passar por ele? Ai que desespero. Baixei os olhos, depois a cabeça, prendi o cabelo molhado no alto só para estar fazendo alguma coisa com as mãos enquanto passava por aquele lugar tenso. Passei, e ele disse sem inibição: "essa menina é muito gata"! Só não sai correndo porque seria muito ridículo. Dez minutos depois uma amiga veio falar comigo: -Carol...sabe o Mário? -Sei, um loirinho bonitinho. -Quer ficar com você lá na piscina. Até hoje me lembro da bochecha dele acariciando a minha. A paixão por ele tinha uma grandeza que nunca mais senti. Sentou ao meu lado e disse: -Quer ficar comigo? -Sim. E ele me beijou. O beijo achei muito estranho. Era bom, mas aquela língua atrapalhada um pouco.
  • 13. Confissões de Adolescente Maria Mariana: Nasceu no dia 15 de março de 1973, em Teresópolis , RJ. Filha única por parte de pai- sua mãe já tinha três filhos quando ela nasceu(dois com 9 anos e um com 8),cresceu mimada e tímida . Para vencer a timidez e a insegurança foi fazer teatro, incentivada pelo pai, que já trabalhava no meio teatral. Dos exercícios de representação nasceu a peça que ela e mais três amigas - Patrícia Perrone, Carol Machado e Ingrid Guimarães - criaram e representaram por muito tempo na década de 1990, Confissões de adolescente. AGIR - 128 páginas O livro traz revelações íntimas de uma adolescente - o súbito interesse pelo sexo, a questão das drogas, a importância dos amigos, a relação com os pais. Uma montanha-russa de emoções turbinadas pelos hormônios. Essa é a matéria-prima deste 'Confissões de adolescente', da atriz e escritora Maria Mariana.
  • 14. Vada Sultenfuss (Anna Chlumsky) é uma garota de 11 anos obcecada com a morte, já que a sua mãe morreu e o seu pai, Harry Sultenfuss (Dan Aykroyd) é um agente funerário que não lhe dá muita atenção. Apaixonada pelo seu professor de inglês Jake Bixler (Griffin Dunne), Vada é a melhor amiga de Thomas J. Sennett (Macaulay Culkin), um garoto alérgico a tudo. Dirigido por Howard Zieff, é interessante citar que no filme acontece o primeiro beijo em cena dado pelo Macaulay Culkin em sua trajetória como ator. É difícil não se emocionar com as cenas do filme, que carrega um roteiro repleto de inocência, e que certamente marcou a vida de muitas pessoas, de uma forma ou de outra. Afinal, o primeiro amor a gente nunca esquece.
  • 15.  QUE RELAÇÃO HÁ ENTRE OS ÚLTIMOS TEXTOS E O TEXTO “MEU PRIMEIRO BEIJO”, DE ANTONIO BARRETO? COMENTE.  ELENQUE AS SEMELHANÇAS E AS DIFERENÇAS ENTRE OS TEXTOS LIDOS.  COM QUAL TEXTO VOCÊ MAIS SE IDENTIFICOU? POR QUÊ?

×