Your SlideShare is downloading. ×
0
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Ecologia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Ecologia

831

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
831
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Ecologia Prof.  Paulo  Vitor 1domingo, 10 de junho de 12
  • 2. Nível trófico ou nível alimentar Cada  componente  de  uma  cadeia  alimentar  cons1tui  um  nível  trófico. CONSUMIDOR  TERCIÁRIO (Quarto  nível  trófico) CONSUMIDOR  SECUNDÁRIO (Terceiro  nível  trófico) DECOMPOSITOR CONSUMIDOR  PRIMÁRIO (Segundo  nível  trófico) PRODUTOR (Primeiro  nível  trófico)domingo, 10 de junho de 12
  • 3. Decompositores Devolvem  ao  ambiente  os  átomos  que  fizeram  parte  das  moléculas   orgânicas  de  seres  mortos  ou  mesmo  de  seus  resíduos  e  excreções.  domingo, 10 de junho de 12
  • 4. Decompositores Devolvem  ao  ambiente  os  átomos  que  fizeram  parte  das  moléculas   orgânicas  de  seres  mortos  ou  mesmo  de  seus  resíduos  e  excreções.  domingo, 10 de junho de 12
  • 5. Teia alimentar ou rede alimentar É  o  nome  dado  ao  conjunto  de  cadeias  ou  relações   alimentares  que  existem  em  um  ecossistema  domingo, 10 de junho de 12
  • 6. Fluxo de energiadomingo, 10 de junho de 12
  • 7. Fluxo de energiadomingo, 10 de junho de 12
  • 8. Fluxo de energia Devido a perda de parte da energia a cada nível trófico, nos ecossistemas mais complexos, o número máximo de níveis é cinco.domingo, 10 de junho de 12
  • 9. Pirâmides de Energiadomingo, 10 de junho de 12
  • 10. Magnificação trófica Transferência   de   pequenas   quan1dades   dos   compostos   presentes   em   águas,   alimentos,   etc,   e   que  apresentam  a  sua  concentração  aumentada  a   medida   que   vão   sendo   transferidos   para   níveis   mais  altos  da  cadeia  alimentar. Os   efeitos   da   magnificação   são   devido   ao   aucumulo   de   compostos   não-­‐biodegradáveis,   como   por  exemplo  produtos   agroquímicos   como  o   DDTdomingo, 10 de junho de 12
  • 11. Relações ecológicasdomingo, 10 de junho de 12
  • 12. domingo, 10 de junho de 12
  • 13. domingo, 10 de junho de 12
  • 14. CLASSIFICAÇÃOdomingo, 10 de junho de 12
  • 15. CLASSIFICAÇÃOdomingo, 10 de junho de 12
  • 16. CLASSIFICAÇÃO INTRA-ESPECÍFICAdomingo, 10 de junho de 12
  • 17. CLASSIFICAÇÃO INTRA-ESPECÍFICAdomingo, 10 de junho de 12
  • 18. CLASSIFICAÇÃO INTRA-ESPECÍFICA INTERESPECÍFICAdomingo, 10 de junho de 12
  • 19. CLASSIFICAÇÃO INTRA-ESPECÍFICA INTERESPECÍFICA Interação entre seres da mesma espécie.domingo, 10 de junho de 12
  • 20. CLASSIFICAÇÃO INTRA-ESPECÍFICA INTERESPECÍFICA Interação entre seres da mesma espécie.domingo, 10 de junho de 12
  • 21. CLASSIFICAÇÃO INTRA-ESPECÍFICA INTERESPECÍFICA Interação entre Interação entre seres da mesma seres de espécies espécie. diferentes.domingo, 10 de junho de 12
  • 22. CLASSIFICAÇÃO INTRA-ESPECÍFICA INTERESPECÍFICA Interação entre Interação entre seres da mesma seres de espécies espécie. diferentes.domingo, 10 de junho de 12
  • 23. domingo, 10 de junho de 12
  • 24. domingo, 10 de junho de 12
  • 25. INTRA-ESPECÍFICA / INTERESPECÍFICAdomingo, 10 de junho de 12
  • 26. INTRA-ESPECÍFICA / INTERESPECÍFICAdomingo, 10 de junho de 12
  • 27. INTRA-ESPECÍFICA / INTERESPECÍFICA HARMÔNICASdomingo, 10 de junho de 12
  • 28. INTRA-ESPECÍFICA / INTERESPECÍFICA HARMÔNICAS DESARMÔNICASdomingo, 10 de junho de 12
  • 29. INTRA-ESPECÍFICA / INTERESPECÍFICA HARMÔNICAS DESARMÔNICAS Não há prejuízo para nenhuma das partes associadas. Podem gerar interações do tipo: (+/+) ou (+/0)domingo, 10 de junho de 12
  • 30. INTRA-ESPECÍFICA / INTERESPECÍFICA HARMÔNICAS DESARMÔNICAS Não há prejuízo Pelo menos um para nenhuma indivíduo sai das partes prejudicado. associadas. Podem gerar Podem gerar interações do interações do tipo: tipo: (+/+) ou (+/0) (+/-), (0/-) ou (-/-)domingo, 10 de junho de 12
  • 31. domingo, 10 de junho de 12
  • 32. domingo, 10 de junho de 12
  • 33. RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS HARMÔNICASdomingo, 10 de junho de 12
  • 34. RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS HARMÔNICAS COLÔNIA : Relação do tipo +/+domingo, 10 de junho de 12
  • 35. RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS HARMÔNICAS COLÔNIA : Relação do tipo +/+ Agrupamento de indivíduos da mesma espécie que são estruturalmente ligados uns aos outros.domingo, 10 de junho de 12
  • 36. RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS HARMÔNICAS COLÔNIA : Relação do tipo +/+ Agrupamento de indivíduos da mesma espécie que são estruturalmente ligados uns aos outros.domingo, 10 de junho de 12
  • 37. RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS HARMÔNICAS COLÔNIA : Relação do tipo +/+ Agrupamento de indivíduos da mesma espécie que são estruturalmente ligados uns aos outros.domingo, 10 de junho de 12
  • 38. domingo, 10 de junho de 12
  • 39. domingo, 10 de junho de 12
  • 40. HETEROMORFAS: Com diferenciação morfológica entre os indivíduos e divisão de trabalho.domingo, 10 de junho de 12
  • 41. HETEROMORFAS: Com diferenciação morfológica entre os indivíduos e divisão de trabalho.domingo, 10 de junho de 12
  • 42. HETEROMORFAS: Com diferenciação morfológica entre os indivíduos e divisão de trabalho. ISOMORFAS: Todos indivíduos são iguais e não há divisão de trabalho.domingo, 10 de junho de 12
  • 43. HETEROMORFAS: Com diferenciação morfológica entre os indivíduos e divisão de trabalho. ISOMORFAS: Todos indivíduos são iguais e não há divisão de trabalho.domingo, 10 de junho de 12
  • 44. domingo, 10 de junho de 12
  • 45. domingo, 10 de junho de 12
  • 46. SOCIEDADES: Relação do tipo +/+domingo, 10 de junho de 12
  • 47. SOCIEDADES: Relação do tipo +/+ Caracteriza-se pela cooperação entre indivíduos da mesma espécie que têm independência física uns dos outros.domingo, 10 de junho de 12
  • 48. SOCIEDADES: Relação do tipo +/+ Caracteriza-se pela cooperação entre indivíduos da mesma espécie que têm independência física uns dos outros.domingo, 10 de junho de 12
  • 49. SOCIEDADES: Relação do tipo +/+ Caracteriza-se pela cooperação entre indivíduos da mesma espécie que têm independência física uns dos outros.domingo, 10 de junho de 12
  • 50. domingo, 10 de junho de 12
  • 51. domingo, 10 de junho de 12
  • 52. HETEROMORFAS: diferentes funções são exercidas por indivíduos anatomicamente diferentes.domingo, 10 de junho de 12
  • 53. HETEROMORFAS: diferentes funções são exercidas por indivíduos anatomicamente diferentes.domingo, 10 de junho de 12
  • 54. HETEROMORFAS: diferentes funções são exercidas por indivíduos anatomicamente diferentes. ISOMORFAS: apesar de haver divisão de trabalho não há diferenças significativas entre os seus membros componentes.domingo, 10 de junho de 12
  • 55. HETEROMORFAS: diferentes funções são exercidas por indivíduos anatomicamente diferentes. ISOMORFAS: apesar de haver divisão de trabalho não há diferenças significativas entre os seus membros componentes.domingo, 10 de junho de 12
  • 56. domingo, 10 de junho de 12
  • 57. domingo, 10 de junho de 12
  • 58. RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS HARMÔNICASdomingo, 10 de junho de 12
  • 59. RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS HARMÔNICAS MUTUALISMO: Relação do tipo +/+domingo, 10 de junho de 12
  • 60. RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS HARMÔNICAS MUTUALISMO: Relação do tipo +/+ Relação entre espécies diferentes onde ambas são beneficiadas e não podem viver separadamente.domingo, 10 de junho de 12
  • 61. RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS HARMÔNICAS MUTUALISMO: Relação do tipo +/+ Relação entre espécies diferentes onde ambas são beneficiadas e não podem viver separadamente.domingo, 10 de junho de 12
  • 62. domingo, 10 de junho de 12
  • 63. domingo, 10 de junho de 12
  • 64. domingo, 10 de junho de 12
  • 65. Líquens: Associação de algas e fungodomingo, 10 de junho de 12
  • 66. Líquens: Associação de algas e fungodomingo, 10 de junho de 12
  • 67. domingo, 10 de junho de 12
  • 68. domingo, 10 de junho de 12
  • 69. Micorrizas- fungo/raízesdomingo, 10 de junho de 12
  • 70. Micorrizas- fungo/raízesdomingo, 10 de junho de 12
  • 71. Micorrizas- fungo/raízesdomingo, 10 de junho de 12
  • 72. Micorrizas- fungo/raízes Ruminantes / Bactérias do seu trato digestivo.domingo, 10 de junho de 12
  • 73. domingo, 10 de junho de 12
  • 74. domingo, 10 de junho de 12
  • 75. PROTOCOOPERAÇÃO: Relação do tipo +/+domingo, 10 de junho de 12
  • 76. PROTOCOOPERAÇÃO: Relação do tipo +/+ Relação entre espécies diferentes, na qual ambas se beneficiam; contudo, tal associação não é obrigatória, podendo cada espécie viver isoladamente.domingo, 10 de junho de 12
  • 77. PROTOCOOPERAÇÃO: Relação do tipo +/+ Relação entre espécies diferentes, na qual ambas se beneficiam; contudo, tal associação não é obrigatória, podendo cada espécie viver isoladamente.domingo, 10 de junho de 12
  • 78. domingo, 10 de junho de 12
  • 79. domingo, 10 de junho de 12
  • 80. domingo, 10 de junho de 12
  • 81. domingo, 10 de junho de 12
  • 82. domingo, 10 de junho de 12
  • 83. domingo, 10 de junho de 12
  • 84. domingo, 10 de junho de 12
  • 85. INQUILINISMO: Relação do tipo +/0domingo, 10 de junho de 12
  • 86. INQUILINISMO: Relação do tipo +/0 Associação entre indivíduos de espécies diferentes, onde um ser vivo utiliza o outro, como moradia - suporte ou abrigo.domingo, 10 de junho de 12
  • 87. INQUILINISMO: Relação do tipo +/0 Associação entre indivíduos de espécies diferentes, onde um ser vivo utiliza o outro, como moradia - suporte ou abrigo.domingo, 10 de junho de 12
  • 88. INQUILINISMO: Relação do tipo +/0 Associação entre indivíduos de espécies diferentes, onde um ser vivo utiliza o outro, como moradia - suporte ou abrigo. As epífitas ( as bromélias e as orquídeas ) que vivem sobre os troncos de árvores.domingo, 10 de junho de 12
  • 89. domingo, 10 de junho de 12
  • 90. domingo, 10 de junho de 12
  • 91. COMENSALISMO: Relação do tipo +/0domingo, 10 de junho de 12
  • 92. COMENSALISMO: Relação do tipo +/0 Envolve indivíduos de espécies diferentes, na qual um deles se alimenta das sobras ou restos da alimentação do outro, sem qualquer prejuízo.domingo, 10 de junho de 12
  • 93. COMENSALISMO: Relação do tipo +/0 Envolve indivíduos de espécies diferentes, na qual um deles se alimenta das sobras ou restos da alimentação do outro, sem qualquer prejuízo.domingo, 10 de junho de 12
  • 94. COMENSALISMO: Relação do tipo +/0 Envolve indivíduos de espécies diferentes, na qual um deles se alimenta das sobras ou restos da alimentação do outro, sem qualquer prejuízo.domingo, 10 de junho de 12
  • 95. domingo, 10 de junho de 12
  • 96. domingo, 10 de junho de 12
  • 97. RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS DESARMÔNICASdomingo, 10 de junho de 12
  • 98. RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS DESARMÔNICAS COMPETIÇÃO: Relação do tipo -/-domingo, 10 de junho de 12
  • 99. RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS DESARMÔNICAS COMPETIÇÃO: Relação do tipo -/- Relação em que indivíduos da mesma espécie lutam por algum componente do ambiente.domingo, 10 de junho de 12
  • 100. RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS DESARMÔNICAS COMPETIÇÃO: Relação do tipo -/- Relação em que indivíduos da mesma espécie lutam por algum componente do ambiente.domingo, 10 de junho de 12
  • 101. RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS DESARMÔNICAS COMPETIÇÃO: Relação do tipo -/- Relação em que indivíduos da mesma espécie lutam por algum componente do ambiente.domingo, 10 de junho de 12
  • 102. domingo, 10 de junho de 12
  • 103. domingo, 10 de junho de 12
  • 104. •Animais competem pelo território, pelo alimento e por parceiros na reprodução.domingo, 10 de junho de 12
  • 105. •Animais competem pelo território, pelo alimento e por parceiros na reprodução. •Vegetais competem pelos nutrientes do solo, luz, água, etc.domingo, 10 de junho de 12
  • 106. •Animais competem pelo território, pelo alimento e por parceiros na reprodução. •Vegetais competem pelos nutrientes do solo, luz, água, etc. A competição é um dos fatores limitantes do crescimento das populações naturais e está intimamente relacionada com o processo evolutivo por seleção natural.domingo, 10 de junho de 12
  • 107. domingo, 10 de junho de 12
  • 108. domingo, 10 de junho de 12
  • 109. CANIBALISMO: Relação do tipo +/-domingo, 10 de junho de 12
  • 110. CANIBALISMO: Relação do tipo +/- É uma relação entre indivíduos da mesma espécie na qual um indivíduo se alimenta do outro.domingo, 10 de junho de 12
  • 111. CANIBALISMO: Relação do tipo +/- É uma relação entre indivíduos da mesma espécie na qual um indivíduo se alimenta do outro.domingo, 10 de junho de 12
  • 112. CANIBALISMO: Relação do tipo +/- É uma relação entre indivíduos da mesma espécie na qual um indivíduo se alimenta do outro.domingo, 10 de junho de 12
  • 113. domingo, 10 de junho de 12
  • 114. domingo, 10 de junho de 12
  • 115. RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS DESARMÔNICASdomingo, 10 de junho de 12
  • 116. RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS DESARMÔNICAS PREDATISMO: Relação do tipo +/-domingo, 10 de junho de 12
  • 117. RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS DESARMÔNICAS PREDATISMO: Relação do tipo +/-domingo, 10 de junho de 12
  • 118. RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS DESARMÔNICAS PREDATISMO: Relação do tipo +/- Relação em que o indivíduo predador captura e mata um indivíduo de outra espécie, a presa, que lhe servirá de alimento.domingo, 10 de junho de 12
  • 119. RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS DESARMÔNICAS PREDATISMO: Relação do tipo +/- Relação em que o indivíduo predador captura e mata um indivíduo de outra espécie, a presa, que lhe servirá de alimento.domingo, 10 de junho de 12
  • 120. domingo, 10 de junho de 12
  • 121. domingo, 10 de junho de 12
  • 122. Quando o animal utiliza plantas como alimento, fala-se em herbivoria.domingo, 10 de junho de 12
  • 123. Quando o animal utiliza plantas como alimento, fala-se em herbivoria.domingo, 10 de junho de 12
  • 124. Quando o animal utiliza plantas como alimento, fala-se em herbivoria. Plantas carnívoras são um raro exemplo em que o predador é uma planta.domingo, 10 de junho de 12
  • 125. Quando o animal utiliza plantas como alimento, fala-se em herbivoria. Plantas carnívoras são um raro exemplo em que o predador é uma planta.domingo, 10 de junho de 12
  • 126. Quando o animal utiliza plantas como alimento, fala-se em herbivoria. Plantas carnívoras são um raro exemplo em que o predador é uma planta. O predatismo é um fator limitante do crescimento das populações naturais.domingo, 10 de junho de 12
  • 127. domingo, 10 de junho de 12
  • 128. domingo, 10 de junho de 12
  • 129. O predatismo é fundamental também nos processos evolutivos por seleção natural.domingo, 10 de junho de 12
  • 130. O predatismo é fundamental também nos processos evolutivos por seleção natural. No processo evolutivo a relação PRESA-PREDADOR favoreceu, em ambos, a perpetuação de características que garantem ora o sucesso do predador ora o da presa.domingo, 10 de junho de 12
  • 131. Mimetismo: Algumas espécies não-venenosas apresentam certas características, preservadas por seleção natural, que lhes conferem semelhanças com espécies venenosas ou não palatáveis. Camuflagem: Um organismo se assemelha a outro ou a um aspecto do meio ambiente, de modo que fique imperceptível pelo menos quando não está em movimento.domingo, 10 de junho de 12
  • 132. Mimetismo: Algumas espécies não-venenosas apresentam certas características, preservadas por seleção natural, que lhes conferem semelhanças com espécies venenosas ou não palatáveis. Camuflagem: Um organismo se assemelha a outro ou a um aspecto do meio ambiente, de modo que fique imperceptível pelo menos quando não está em movimento.domingo, 10 de junho de 12
  • 133. domingo, 10 de junho de 12
  • 134. Mimetismo ou camuflagem?domingo, 10 de junho de 12
  • 135. domingo, 10 de junho de 12
  • 136. domingo, 10 de junho de 12
  • 137. domingo, 10 de junho de 12
  • 138. domingo, 10 de junho de 12
  • 139. domingo, 10 de junho de 12
  • 140. domingo, 10 de junho de 12
  • 141. domingo, 10 de junho de 12
  • 142. domingo, 10 de junho de 12
  • 143. domingo, 10 de junho de 12
  • 144. domingo, 10 de junho de 12
  • 145. domingo, 10 de junho de 12
  • 146. domingo, 10 de junho de 12
  • 147. domingo, 10 de junho de 12
  • 148. domingo, 10 de junho de 12
  • 149. domingo, 10 de junho de 12
  • 150. domingo, 10 de junho de 12
  • 151. domingo, 10 de junho de 12
  • 152. domingo, 10 de junho de 12
  • 153. domingo, 10 de junho de 12
  • 154. domingo, 10 de junho de 12
  • 155. domingo, 10 de junho de 12
  • 156. PARASITISMO: Relação do tipo +/-domingo, 10 de junho de 12
  • 157. PARASITISMO: Relação do tipo +/- Relação entre seres de espécies diferentes, em que um deles (parasita) vive no corpo do outro (hospedeiro), do qual retira alimentos.domingo, 10 de junho de 12
  • 158. PARASITISMO: ECTOPARASITAS Relação do tipo +/- (externos) Relação entre seres de espécies diferentes, em que um deles (parasita) vive no corpo do outro (hospedeiro), do qual retira alimentos.domingo, 10 de junho de 12
  • 159. PARASITISMO: ECTOPARASITAS Relação do tipo +/- (externos) Relação entre seres de espécies diferentes, em que um deles (parasita) vive no corpo do outro (hospedeiro), do qual retira alimentos.domingo, 10 de junho de 12
  • 160. PARASITISMO: ECTOPARASITAS Relação do tipo +/- (externos) Relação entre seres de espécies diferentes, em que um deles (parasita) vive no corpo do outro ENDOPARASITAS (internos) (hospedeiro), do qual retira alimentos.domingo, 10 de junho de 12
  • 161. PARASITISMO: ECTOPARASITAS Relação do tipo +/- (externos) Relação entre seres de espécies diferentes, em que um deles (parasita) vive no corpo do outro ENDOPARASITAS (internos) (hospedeiro), do qual retira alimentos.domingo, 10 de junho de 12
  • 162. domingo, 10 de junho de 12
  • 163. domingo, 10 de junho de 12
  • 164. Embora os parasitas possam causar a morte do hospedeiro, em muitos casos trazem-lhes apenas prejuízos.domingo, 10 de junho de 12
  • 165. Embora os parasitas possam causar a morte do hospedeiro, em muitos casos trazem-lhes apenas prejuízos. Os herbívoros que consomem plantas inteiras são considerados predadores e parasitas quando consomem partes das mesmas sem porém causar-lhes a morte.domingo, 10 de junho de 12
  • 166. domingo, 10 de junho de 12
  • 167. domingo, 10 de junho de 12
  • 168. AMENSALISMO OU ANTIBIOSE: Relação do tipo +/-domingo, 10 de junho de 12
  • 169. AMENSALISMO OU ANTIBIOSE: Relação do tipo +/- Associação em que uma espécie libera substâncias tóxicas que inibem o crescimento ou não deixa a outra espécie se reproduzir.domingo, 10 de junho de 12
  • 170. AMENSALISMO OU ANTIBIOSE: Relação do tipo +/- Associação em que uma espécie libera substâncias tóxicas que inibem o crescimento ou não deixa a outra espécie se reproduzir.domingo, 10 de junho de 12
  • 171. domingo, 10 de junho de 12
  • 172. domingo, 10 de junho de 12
  • 173. COMPETIÇÃO: Relação do tipo -/-domingo, 10 de junho de 12
  • 174. COMPETIÇÃO: Relação do tipo -/-domingo, 10 de junho de 12
  • 175. COMPETIÇÃO: Relação do tipo -/- Ocorre quando duas populações de espécies diferentes, em uma mesma comunidade, apresentam nichos ecológicos semelhantes.domingo, 10 de junho de 12
  • 176. Ciclo da Águadomingo, 10 de junho de 12
  • 177. Ciclo do Carbonodomingo, 10 de junho de 12
  • 178. Ciclo do Oxigêniodomingo, 10 de junho de 12
  • 179. Ciclo do Nitrogêniodomingo, 10 de junho de 12
  • 180. Os Problemas Ambientais e seus Impactosdomingo, 10 de junho de 12
  • 181. POLUIÇÃO Introdução  no  meio  ambiente  de   qualquer   matéria  ou  energia  que   venha   a   alterar   as   propriedades   Bsicas   ou   químicas   ou   biológicas   desse   meio,   afetando,   ou   podendo  afetar,   por   isso,   a   "saúde"   das   espécies   animais   ou   vegetais   que   dependem   ou   tenham   contato   com   ele,   ou   que   nele   venham   a   provocar   modificações   Bsico-­‐ químicas  nas  espécies  minerais  presentes.domingo, 10 de junho de 12
  • 182. POLUIÇÃO  ATMOSFÉRICA -­‐  Três  milhões  de  pessoas  morrem,  anualmente,  devido  aos   efeitos  da  poluição  atmosférica  no  mundo  (OMS). Principais  poluentes: Óxidos  d e  nitrogê nio Par1culados  enxofre  (SO2) Dióxido  de arbono orc Monó loroflu xido  d C e  carb ono  ( CO)domingo, 10 de junho de 12
  • 183. Efeito  Estufadomingo, 10 de junho de 12
  • 184. domingo, 10 de junho de 12
  • 185. Gases  do  Efeito  Estufa  (GEE)domingo, 10 de junho de 12
  • 186. Causasdomingo, 10 de junho de 12
  • 187. Consequênciasdomingo, 10 de junho de 12
  • 188. Consequênciasdomingo, 10 de junho de 12
  • 189. Camada  de  Ozônio  (O3) O   O3   absorve   luz   Ultravioleta   solar,   o   que   o   torna   um   ‘escudo’   natural   da   Terra,   protegendo  os   seres  humanos   e   a  outras   formas  de  vida,  para   o  qual   esses  raios  são  nocivos.domingo, 10 de junho de 12
  • 190. RADIAÇÃO  UV Penetra  profundamente  nas  camadas  da pele  causando  danos  à  saúde. Penetração  substancial  na  pele  causando poucos  danos  a  saúde Totalmente  absorvida  pelo  oxigênio  e   o  ozônio  da  atmosfera  (bactericida)domingo, 10 de junho de 12
  • 191. RADIAÇÃO  UV Penetra  profundamente  nas  camadas  da pele  causando  danos  à  saúde. Penetração  substancial  na  pele  causando poucos  danos  a  saúde Totalmente  absorvida  pelo  oxigênio  e   o  ozônio  da  atmosfera  (bactericida)domingo, 10 de junho de 12
  • 192.  Clorofluorcarbonetos  CFCs -­‐  solventes  orgânicos,   -­‐  gases  para  refrigeração   -­‐  propelentes  em  exUntores  de  incêndio  e  aerossóis. Cl  +  O3  →  ClO  +  O2 ClO  +  [O]  →  O2  +  Cldomingo, 10 de junho de 12
  • 193. Chuva  Ácidadomingo, 10 de junho de 12
  • 194. Reações  Químicasdomingo, 10 de junho de 12
  • 195. Reações  Químicas Chuva  naturalmente  ácida: CO2  (g)  +  H2O  (l)  →  H2CO3  (aq)domingo, 10 de junho de 12
  • 196. Reações  Químicas Chuva  naturalmente  ácida: CO2  (g)  +  H2O  (l)  →  H2CO3  (aq)Chuva  ácida  causada  pela  queima  de  combus`veis  que  contêm  enxofre(gasolina  e  óleo  diesel):I  -­‐  Queima  do  enxofre:S  (g)  +  O2  (g)  →  SO2  (g)II  -­‐  Transformação  do  SO2  em  SO3:SO2  (g)  +  ½  O2  (g)    →    SO3  (g)III  -­‐  Reações  dos  óxidos  com  água:SO2    (g)  +  H2O  (l)    →    H2SO3    (g)SO3    (g)  +  H2O  (l)    →    H2SO4  (g)domingo, 10 de junho de 12
  • 197. Reações  Químicas Chuva  naturalmente  ácida: CO2  (g)  +  H2O  (l)  →  H2CO3  (aq)Chuva  ácida  causada  pela  queima  de  combus`veis  que  contêm  enxofre(gasolina  e  óleo  diesel):I  -­‐  Queima  do  enxofre:S  (g)  +  O2  (g)  →  SO2  (g)II  -­‐  Transformação  do  SO2  em  SO3:SO2  (g)  +  ½  O2  (g)    →    SO3  (g)III  -­‐  Reações  dos  óxidos  com  água:SO2    (g)  +  H2O  (l)    →    H2SO3    (g)SO3    (g)  +  H2O  (l)    →    H2SO4  (g)Chuva  ácida  causada  pelos  óxidos  de  nitrogénio  (NOx):I  -­‐  Reacção  entre  N2  e  O2  nos  motores  dos  automóveis  (devido  à  temperatura  elevada):N2      (g)  +  2O2      (g)    →  2NO2    (g)II  -­‐  Reacção  do  óxido  com  água:2NO2    (g)  +  H2O    (g)  →  HNO2    (g)    +  HNO3    (g)domingo, 10 de junho de 12
  • 198. Reações  Químicas Chuva  naturalmente  ácida: CO2  (g)  +  H2O  (l)  →  H2CO3  (aq)Chuva  ácida  causada  pela  queima  de  combus`veis  que  contêm  enxofre(gasolina  e  óleo  diesel):I  -­‐  Queima  do  enxofre:S  (g)  +  O2  (g)  →  SO2  (g)II  -­‐  Transformação  do  SO2  em  SO3:SO2  (g)  +  ½  O2  (g)    →    SO3  (g)III  -­‐  Reações  dos  óxidos  com  água:SO2    (g)  +  H2O  (l)    →    H2SO3    (g)SO3    (g)  +  H2O  (l)    →    H2SO4  (g)Chuva  ácida  causada  pelos  óxidos  de  nitrogénio  (NOx):I  -­‐  Reacção  entre  N2  e  O2  nos  motores  dos  automóveis  (devido  à  temperatura  elevada):N2      (g)  +  2O2      (g)    →  2NO2    (g)II  -­‐  Reacção  do  óxido  com  água:2NO2    (g)  +  H2O    (g)  →  HNO2    (g)    +  HNO3    (g)domingo, 10 de junho de 12
  • 199. Causasdomingo, 10 de junho de 12
  • 200. Consequênciasdomingo, 10 de junho de 12
  • 201. Inversão  Térmicadomingo, 10 de junho de 12
  • 202. Inversão  Térmicadomingo, 10 de junho de 12
  • 203. Alternagvas ENERGIA  SOLAR ENERGIA  EÓLICA BIOCOMBUSTÍVEIS ENERGIA  NUCLEAR ENERGIA  ELÉTRICAdomingo, 10 de junho de 12
  • 204. Protocolo  de  Kyotodomingo, 10 de junho de 12
  • 205. Poluição  de  Águasdomingo, 10 de junho de 12
  • 206. Maré  Negradomingo, 10 de junho de 12
  • 207. Maré  Negradomingo, 10 de junho de 12
  • 208. Maré  Negradomingo, 10 de junho de 12
  • 209. Maré  Negradomingo, 10 de junho de 12
  • 210. Eutrofização Enriquecimento   das   águas   superficiais   por   compostos   nutrientes   que   levam   a   um   grande   crescimento   de   algas   e   outras  espécies  vegetais  aquáUcas.   As  principais  fontes  : -­‐  Esgotos  humanos -­‐  Fezes  de  animais  domésUcos,  em  parUcular  bovino,  suíno -­‐  FerUlizantes -­‐papel  e  pasta  de  celulose -­‐  produtos  eliminados  na  produção  de  álcool  e  bebidas   alcoólicas,   -­‐  resíduos  de  abatedouro  e  processamento  de  produtos  de   origem  animal.domingo, 10 de junho de 12
  • 211. Eutrofizaçãodomingo, 10 de junho de 12
  • 212. Problemas  Urbanosdomingo, 10 de junho de 12
  • 213. Poluição  do  Solodomingo, 10 de junho de 12
  • 214. Lençol  Freágcodomingo, 10 de junho de 12
  • 215. Lençol  Freágcodomingo, 10 de junho de 12
  • 216. Lençol  Freágcodomingo, 10 de junho de 12
  • 217. Lençol  Freágcodomingo, 10 de junho de 12
  • 218. Desmatamentodomingo, 10 de junho de 12
  • 219. FIMdomingo, 10 de junho de 12

×