Mobilidade e Transportes


                                                              Convenção Distrital Autárquica
  ...
Mobilidade e Transportes
                         Mobilidade e Transportes
Fundamental no desenvolvimento económico do Paí...
Mobilidade e Transportes


               INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES

                 • Na economia portuguesa o sec...
Mobilidade e Transportes


           NÍVEIS DE ACTUAÇÂO TERRITORIAL




Internacional

Espanha

Nacional

Metropolitano

...
Mobilidade e Transportes




1. Sector Ferroviário
2. Sector Marítimo-Portuário
3. Sector Aeroportuário
4. Sector Logístic...
Mobilidade e Transportes

                     Novo rumo para o sector ferroviário
   Definição de um quadro estratégico d...
Mobilidade e Transportes

As Orientações Estratégicas para o Sector Ferroviário definiram acções
prioritárias para Rede Co...
Mobilidade e Transportes


                Infra-estruturas Ferroviárias: Rede Convencional
                              ...
Mobilidade e Transportes


                         Investimentos na Rede Convencional

 Linha do Minho: Variante da Trof...
Mobilidade e Transportes

… e também para a Rede Ferroviária de Alta Velocidade, numa aposta clara da
integração de Portug...
Mobilidade e Transportes

Trata-se de ligar as principais cidades portuguesas e europeias e de garantir uma
aproximação en...
Mobilidade e Transportes

O Governo Português definiu os Eixos Prioritários e calendarizou a sua entrada
em funcionamento,...
Mobilidade e Transportes

Ligação Porto-Vigo constitui uma opção fundamental para potenciar o
desenvolvimento de toda a re...
Mobilidade e Transportes


                  Infra-estruturas Ferroviárias: Rede Convencional - Nível de Ocupação
        ...
Mobilidade e Transportes

Ligação Lisboa-Porto permitirá ligar 70% da população e da economia
portuguesa com tempos de per...
Mobilidade e Transportes


                  Infra-estruturas Ferroviárias: Rede de Alta Velocidade

Estação AV
Aeroporto ...
Mobilidade e Transportes




1. Sector Ferroviário
2. Sector Marítimo-Portuário
3. Sector Aeroportuário
4. Sector Logístic...
Mobilidade e Transportes

Existe uma nova e ambiciosa visão para o sector marítimo-portuário, com 6
objectivos estratégico...
Mobilidade e Transportes

O Sistema Portuário Nacional é composto por 5 portos principais que
movimentam mais de 63 Milhõe...
ILUSTRATIVO
                                                                                                           Mob...
Mobilidade e Transportes

De forma a potenciar a competitividade nacional foram seleccionados 3 eixos
estratégicos de actu...
Mobilidade e Transportes



           PRINCIPAIS INVESTIMENTOS EM CURSO E PROGRAMADOS




Porto de       • Terminal de Cr...
ILUSTRATIVO
                                                                    Mobilidade e Transportes

Portugal tem uma...
Mobilidade e Transportes


              Principais Infra-estruturas Portuárias na Região Norte



Porto de Viana do Caste...
Mobilidade e Transportes


                       Infra-estruturas Portuárias: Porto de Leixões

 Perfil Estratégico

•  ...
Mobilidade e Transportes


Infra-estruturas Portuárias: Porto de Leixões
                Portaria Única do Porto de Leixõe...
Mobilidade e Transportes


             Infra-estruturas Portuárias: Porto de Viana do Castelo




Acesso rodoviário ao po...
Mobilidade e Transportes




1. Sector Ferroviário
2. Sector Marítimo-Portuário
3. Sector Aeroportuário
4. Sector Logístic...
Mobilidade e Transportes



           ESTRATÉGIA PARA O SECTOR AEROPORTUÁRIO

                • Reforçar a centralidade e...
Mobilidade e Transportes


                                                                                               ...
Mobilidade e Transportes




1. Sector Ferroviário
2. Sector Marítimo-Portuário
3. Sector AeroportuárioSector Aeroportuári...
Mobilidade e Transportes

Um novo paradigma para o sector logístico como contributo essencial para
assegurar o desenvolvim...
Mobilidade e Transportes

A Rede Nacional de Plataformas Logísticas é constituída por 12 plataformas
logísticas, complemen...
Mobilidade e Transportes

O investimento estimado para a concretização da RNPL é de cerca de 1.600
milhões de euros, dos q...
Mobilidade e Transportes


                              Infra-estruturas no Sector Logístico




Plataforma Transfronteir...
Mobilidade e Transportes




1. Sector Ferroviário
2. Sector Marítimo-Portuário
3. Sector Aeroportuário
4. Sector Logístic...
Mobilidade e Transportes


                          INTEGRAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTES / INTERMODALIDADE


 • Portos: L...
Mobilidade e Transportes


                      INTEGRAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTES / INTERMODALIDADE

•   Portos: Leixõ...
Mobilidade e Transportes

39
 Articulação da Alta Velocidade com o Aeroporto Sá Carneiro




                             ...
Mobilidade e Transportes


                  Investimentos na Infra-estrutura Rodoviária




Galiza                       ...
Mobilidade e Transportes


           INTEGRAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTES / INTERMODALIDADE




       Coesão de rede e i...
Mobilidade e Transportes

O grande vector de mudança é introduzido pela diminuição das distâncias,
medidas em tempo de per...
Mobilidade e Transportes




1. Sector Ferroviário
2. Sector Marítimo-Portuário
3. Sector Aeroportuário
4. Sector Logístic...
Mobilidade e Transportes

Investimentos no Transporte
   Urbano: Metro do Porto
            Metro do Porto: 2ª e 3ª Fases...
Mobilidade e Transportes


Estratégia para o Transporte Urbano: STCP

                 Rede da STCP
                 Aume...
Mobilidade e Transportes


                           Infra-estruturas de Transportes


 Transporte
                •   Si...
Mobilidade e Transportes


                                                              Convenção Distrital Autárquica
  ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Apresentação Dep. Ana Paula Vitorino

3,282 views

Published on

Convenção Autárquica Distrital do PS Porto

Published in: News & Politics
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,282
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
73
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação Dep. Ana Paula Vitorino

  1. 1. Mobilidade e Transportes Convenção Distrital Autárquica 2010 Regionalizar Descentralizar Desconcentrar Ana Paula Vitorino Secretária Nacional do Partido Socialista 19 de Junho de 2010 Deputada – Coordenadora do PS na Comissão de Obras Públicas, Transportes e Comunicações 1
  2. 2. Mobilidade e Transportes Mobilidade e Transportes Fundamental no desenvolvimento económico do País e na melhoria das condições de vida das populações GRANDES DESAFIOS Energética Eficiência Ambiental Sustentabilidade Económica Veículos Infra-estruturas Intermodalidade Acções Operação Manutenção Co-modalidade Regulação / Regulamentação 2
  3. 3. Mobilidade e Transportes INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES • Na economia portuguesa o sector dos transportes representa um valor próximo de 4% do PIB Economia • O conjunto do sector tem um V.A.B. de 4.3 mil milhões € a preços correntes • A população com emprego no sector representa cerca de 3% da Emprego população activa empregada • O investimento em transportes representa cerca de 3% do investimento total da economia portuguesa Investimento • O Estado mantém-se como o principal providenciador de infra- estruturas de transportes em progressiva parceria com o sector privado 3
  4. 4. Mobilidade e Transportes NÍVEIS DE ACTUAÇÂO TERRITORIAL Internacional Espanha Nacional Metropolitano 4
  5. 5. Mobilidade e Transportes 1. Sector Ferroviário 2. Sector Marítimo-Portuário 3. Sector Aeroportuário 4. Sector Logístico 5. Integração do sistema de transportes / Intermodalidade 6. Mobilidade urbana 5
  6. 6. Mobilidade e Transportes Novo rumo para o sector ferroviário Definição de um quadro estratégico de referência claro, global e coerente ESTRATÉGIA PARA O SECTOR FERROVIÁRIO • Melhorar a eficácia global do sistema, de modo a responder às Visão necessidades de mobilidade das populações, potenciando a utilização de TP e promovendo a intermodalidade de passageiros e mercadorias • Melhorar a Acessibilidade e a Mobilidade • Garantir padrões adequados de Segurança, de Interoperabilidade e de Objectivos Sustentabilidade Ambiental Estratégicos • Modelo de Financiamento Sustentável e promotor da Eficiência • Promover a ID&I • Densidade da rede  418 m/103 hab. e 47 m/km2 • 60% da população a ≤ 2h dos principais centros urbanos e 90% a ≤ 3h Metas 2015 • 10% em passageiros e em pkm de aumento da procura (ano base 2005) • 70%, em ton.km, de crescimento do volume de mercadorias • -60% de n.º de acidentes materiais em PN • Assegurar a contratualização progressiva, até 2010, do serviço público 6
  7. 7. Mobilidade e Transportes As Orientações Estratégicas para o Sector Ferroviário definiram acções prioritárias para Rede Convencional… INFRA-ESTRUTURAS FERROVIÁRIAS: REDE CONVENCIONAL Principais Investimentos Linha do Douro • Porto - Régua Área Metropolitana de Lisboa • Linha de Sintra Linha do Norte • Linha de Cascais • Alfarelos-Pampilhosa • Linha do Alentejo • Mato Miranda-Entroncamento • Variante de Santarém Área Metropolitana do Porto • Linha do Minho Linha do Sul • Variante de Alcácer Ligação aos Portos e U. Fabris • Ligação ao Porto de Aveiro - Cacia Linha da Beira Baixa • Ligação Porto de Sines-Elvas • Castelo Branco-Guarda) • Siderurgia Nacional 7
  8. 8. Mobilidade e Transportes Infra-estruturas Ferroviárias: Rede Convencional  Linha do Minho • Troço Nine-Valença com infra-estrutura degradada. • Traçado sinuoso e com problemas de inserção urbana. Tempo de percurso Porto-Vigo 3h30m 8
  9. 9. Mobilidade e Transportes Investimentos na Rede Convencional  Linha do Minho: Variante da Trofa  Centro de Comando Operacional do Porto  Modernização da Linha do Douro (Caíde-Marco)  Quadruplicação da via entre Contumil - Ermesinde  Modernização das Linhas do Tâmega e do Corgo  Modernização da Linha do Douro até à Régua  Revitalização do troço Pocinho-Barca d’ Alva 9
  10. 10. Mobilidade e Transportes … e também para a Rede Ferroviária de Alta Velocidade, numa aposta clara da integração de Portugal no espaço ibérico e europeu INFRA-ESTRUTURAS FERROVIÁRIAS: REDE DE ALTA VELOCIDADE 2020 Rede Transeuropeia de Alta Velocidade Ferroviária • Objectivos de coesão, competitividade e reforço do mercado único • Alicerce para o Desenvolvimento Sustentável • Descongestionamento dos principais eixos europeus • Sucesso comprovado nos projectos já em serviço Rede Europeia de Alta Velocidade Previsão para 2020 Novas Linhas Melhoramento de Linhas V ≥ 250 km/h V ≥ 230 km/h V < 250 km/h V ≤ 200 km/h Informação fornecida pelos Caminhos de Ferro UIC – High-Speed Updated 17.11.2006 - IB 10
  11. 11. Mobilidade e Transportes Trata-se de ligar as principais cidades portuguesas e europeias e de garantir uma aproximação entre os principais centros populacionais e económicos INFRA-ESTRUTURAS FERROVIÁRIAS: REDE DE ALTA VELOCIDADE • Sistema de transportes moderno, sustentável e eficiente • Integração de Portugal no espaço ibérico e europeu • Motor de desenvolvimento regional • Fachada atlântica como eixo competitivo à escala europeia • Projecto potenciador de emprego, desenvolvimento económico e tecnológico • Alavanca para competitividade do sistema portuário, aeroportuário e Rede Ibérica de Alta Velocidade logístico Fonte: Cimeira Ibérica de 2003 Figueira da Ffoz 11
  12. 12. Mobilidade e Transportes O Governo Português definiu os Eixos Prioritários e calendarizou a sua entrada em funcionamento, em parceria com o Governo Espanhol INFRA-ESTRUTURAS FERROVIÁRIAS: REDE DE ALTA VELOCIDADE • Eixo Prioritário Lisboa-Porto, destinado a tráfego de passageiros, com início de exploração em 2017 • Eixo Prioritário Porto-Vigo, destinado a tráfego misto, com início de exploração em 2015 • Eixo Prioritário Lisboa-Madrid, destinado a tráfego misto, com início de exploração em 2014 • Terceira Travessia sobre o Tejo, no alinhamento Chelas-Barreiro, NAL para o cumprimento do tempo de percurso de 2h45 na ligação directa Lisboa-Madrid • Terceira Travessia sobre o Tejo terá as valências ferroviária, para Alta Velocidade e rede Convencional, e rodoviária 12
  13. 13. Mobilidade e Transportes Ligação Porto-Vigo constitui uma opção fundamental para potenciar o desenvolvimento de toda a região Norte Peninsular INFRA-ESTRUTURAS FERROVIÁRIAS: REDE DE ALTA VELOCIDADE Eixo Porto-Vigo Tráfego Misto Tempo de Viagem 1h00 (directo) Velocidade de Projecto 250 km/h Extensão (1ª fase e 2ª fase) 55 km + 45 km Investimento (1ª fase) 845 M€ Investimento (total) 1,4 mil M€ Estações (1ª fase) Porto-Campanhã, Braga, Valença Estações (2ª fase) Aeroporto Sá Carneiro, Porto de Leixões Entrada em Serviço (1ª fase) 2013 13
  14. 14. Mobilidade e Transportes Infra-estruturas Ferroviárias: Rede Convencional - Nível de Ocupação Linha do Norte 17  C to A Linha do Norte está saturada? or -P 15 a nj ra a nj G • ra G r- 11 va Linha do Norte está saturada apesar do intenso esforço de investimento O r va -O realizado nos últimos 12 anos e considerando também os efeitos das ro 7 ei Av i ro ve melhorias em curso ou programáveis para alguns dos troços; -A a 11 os • lh a os pi m lh pi Pa Não é possível lançar mais oferta de serviços ferroviários sem comprometer am 11 -P B B Níveis de Ocupação: a regularidade e padrões actuais de qualidade de serviço; a a br br m m oi • oi 7 -C C s s lo lo re Será impossível no médio/longo prazo responder ao acréscimo de tráfego re Médio fa l fa Al -A 10 a de mercadorias o que poderá comprometer o Projecto Portugal Logístico a os os Elevado ar ar m am La -L 11 em curso; Próximo do to to en en • Limite am am nc nc 10 t ro ro O crescimento dos níveis de tráfego implica um maior esforço e exigências nt No Limite En il -E et -S t il Se em matéria de manutenção da infra-estrutura ferroviária, o que origina a ja bu 14 am ja Az bu interrupção da circulação durante períodos nocturnos, afectando-se assim a m za 17 -A ra capacidade de circulação de comboios de mercadorias; ra ei ei nh nh ta • ta as as 20 C -C ca A capacidade utilizada em toda a Linha do Norte, está próxima ou a er rc lv ve -A Al 28 e ultrapassa os valores máximos admissíveis de utilização para garantir nt e rie nt O rie O oa adequados níveis qualidade e fiabilidade dos serviços fornecidos (índices de a sb 13 bo Li is a -L at Pr capacidade utilizada acima dos 80%). a at de 0 5 10 15 20 25 30 Nº de com boios Pr ço de ra o -B aç Br SA oa sb Li 14
  15. 15. Mobilidade e Transportes Ligação Lisboa-Porto permitirá ligar 70% da população e da economia portuguesa com tempos de percurso de 1h15 na ligação directa INFRA-ESTRUTURAS FERROVIÁRIAS: REDE DE ALTA VELOCIDADE Eixo Lisboa-Porto Tráfego Passageiros Tempo de Viagem 1h15 (directo) Velocidade de Projecto 300 km/h Extensão 290 km Investimento 4,5 mil M€ Estações Lisboa, Leiria, Coimbra, Aveiro, Porto Entrada em Serviço 2015 NAL 15
  16. 16. Mobilidade e Transportes Infra-estruturas Ferroviárias: Rede de Alta Velocidade Estação AV Aeroporto São Estação AV Bento Campanhã Porto Estação AV Campanhã General Linha do Norte Torres AV Devesas Ponte Lisboa/Porto São João Aveiro AV Lisboa/Porto Linha do Norte Coimbra Entrada no Porto Lisboa 16
  17. 17. Mobilidade e Transportes 1. Sector Ferroviário 2. Sector Marítimo-Portuário 3. Sector Aeroportuário 4. Sector Logístico 5. Integração do sistema de transportes / Intermodalidade 6. Mobilidade urbana 17
  18. 18. Mobilidade e Transportes Existe uma nova e ambiciosa visão para o sector marítimo-portuário, com 6 objectivos estratégicos ESTRATÉGIA PARA O SECTOR MARÍTIMO-PORTUÁRIO • Reforçar a centralidade euro-atlântica de Portugal, aumentar a Visão competitividade do sistema portuário nacional e do transporte marítimo • Aumentar a movimentação de mercadorias nos portos nacionais • Garantir que os portos nacionais se constituem como uma referência para as cadeias logísticas da fachada atlântica da Península Ibérica Objectivos • Assegurar padrões de nível europeu Estratégicos • Melhorar o equilíbrio económico-financeiro dos portos nacionais • Promover o ensino, a qualificação profissional e a ID&I • Apoiar o posicionamento competitivo da frota nacional • 70% de crescimento da movimentação de mercadorias Metas 2015 • 22% de aumento da taxa média de utilização das instalações portuárias (ano base 2005) • Programa de concessões e licenciamento de serviços portuários (2010) • Vários indicadores quantitativos de gestão para as AP 18
  19. 19. Mobilidade e Transportes O Sistema Portuário Nacional é composto por 5 portos principais que movimentam mais de 63 Milhões de toneladas de mercadorias por ano O SISTEMA PORTUÁRIO NACIONAL Viana do Castelo APDL Total Douro e Dimensão dos portos APA APL APSS APS Leixões Cais acostável 5.173 1.200 5.514 2.796 1.9211 16.604 m Aveiro Figueira da Terraplenos 56,5 16,0 49,6 72,1 130,1 324 ha Foz 17.1652 Área molhada 120 778 32.000 1.475,5 51.338,5 ha Concessões/Licenças 11 4 20 19 8 54 Lisboa Movimentação mercadorias (2007) 14.948 3.329 13.979 6.834 26.299 65.389 1000 t Setúbal e Movimentação TEU 1.150.67 Sesimbra (2007) 433.437 0 554.774 12.425 150.038 4 TEUs Sines Volume de Negócios (2007) 39,4 12,4 49,4 18,6 35,2 155 M€ Portimão Faro fonte: Portos, dados 2006. Portos Principais 1 A este valor acrescem 9 postos de atracação para movimentação de granéis líquidos com capacidade para Portos Secundários navios até 350 000 Dwt. Plataformas Logísticas 2 Corresponde à área de jurisdição da APSS que inclui uma extensa área de SAPAL. Rede de Alta Velocidade 19
  20. 20. ILUSTRATIVO Mobilidade e Transportes Os portos nacionais estão a menos de 24h das principais cidades da Península Ibérica servindo 54 Milhões de Habitantes com um PIB de 1.132 mil Milhões de € HINTERLAND DOS PORTOS NACIONAIS – mapa de isócronas para tráfego rodoviário 12H* 24H* 54 Milhões População** 12H* de Habitantes 24H* 1 132 mil PIB** Milhões de € 55 mil Exportações** Milhões de € 12H* 111 mil Milhões Importações** de € 12H* * Considerando tráfego rodoviário, com dois motoristas e uma média horária de 70 Km percorridos ** Total de Portugal e Espanha, Fonte: Eurostat, dados 2006 20
  21. 21. Mobilidade e Transportes De forma a potenciar a competitividade nacional foram seleccionados 3 eixos estratégicos de actuação Eixos estratégicos de alavancagem competitiva Acessibilidades Marítimas • VTS 1 • Transporte Fluvial • Dragagens Aumento da competitividade Acessibilidades Terrestres Questões Portuárias e nacional administrativas • Melhorias das ligações 3 2 ferroviárias e rodoviárias • Infra-estruturas portuárias • Rede Nacional de • Simplificação administrativa Plataformas Logísticas (PCom, PIPe, Janela Única Logística) • Competitividade Fiscal Auto-Estradas do Mar 21
  22. 22. Mobilidade e Transportes PRINCIPAIS INVESTIMENTOS EM CURSO E PROGRAMADOS Porto de • Terminal de Cruzeiros de Leixões Leixões • Plataforma Logística Porto de • Reconfiguração da Barra do Porto de Aveiro Aveiro Porto de • Terminal de Cruzeiros de Santa Apolónia Lisboa Porto de • Aprofundamento do acesso à barra de -12 para -14 ZH Setúbal • Recuperação do terminal Eurominas Porto de • Expansão do Terrapleno e do Cais, do terminal de contentores Sines • Ampliação do molhe leste 22
  23. 23. ILUSTRATIVO Mobilidade e Transportes Portugal tem uma posição Geo-Estratégica fundamental para algumas das principais rotas marítimas mundiais POSIÇÃO GEO-ESTRATÉGICA DE PORTUGAL NAS PRINCIPAIS ROTAS MUNDIAIS Os portos portugueses são a porta Atlântica da Europa! 23
  24. 24. Mobilidade e Transportes Principais Infra-estruturas Portuárias na Região Norte Porto de Viana do Castelo Constituído por 2 lanços de cais multiusos, com um desenvolvimento total de 487 m, fundados à cota -9.00 m (ZH) Trata-se de um porto moderno, bem equipado, movimentando granéis sólidos, granéis líquidos, carga geral fraccionada e carga roll-on/roll-off Porto de Leixões Maior infra-estrutura portuária do Norte de Portugal e uma das mais importantes do País Apresenta 5 km de cais, 55 ha de terraplenos e 120 ha de área molhada Para a movimentação de cargas o porto dispõe de terraplenos e cais fundados até -12 m (ZH) 24
  25. 25. Mobilidade e Transportes Infra-estruturas Portuárias: Porto de Leixões  Perfil Estratégico • A afirmação como principal porto do noroeste peninsular; • A vocação multipurpose; • O desenvolvimento no segmento da carga contentorizada, pela aquisição de condições que permitam alargar o mercado servido; • A consolidação no segmento dos granéis líquidos, nomeadamente no abastecimento de produtos energéticos na região Norte; • A consolidação da posição nacional do porto em relação aos granéis sólidos alimentares; • A afirmação como referência do sistema logístico nacional, através da integração do porto de Viana do Castelo e da ligação à plataforma polinucleada de Leixões, à plataforma urbana nacional Maia/Trofa e à plataforma transfronteiriça de Valença; • No segmento dos cruzeiros turísticos. 25
  26. 26. Mobilidade e Transportes Infra-estruturas Portuárias: Porto de Leixões Portaria Única do Porto de Leixões Revitalização do Molhe Sul e Espaços Adjacentes Aumento da Capacidade de Navegabilidade do Porto Centro de Coordenação e Segurança Terminal de Cruzeiros 26
  27. 27. Mobilidade e Transportes Infra-estruturas Portuárias: Porto de Viana do Castelo Acesso rodoviário ao porto de Viana do Castelo Construção de uma via de ligação entre o porto comercial e o IC1/A28, com cerca de 8 km de extensão Concessão da Marina de Receio 27
  28. 28. Mobilidade e Transportes 1. Sector Ferroviário 2. Sector Marítimo-Portuário 3. Sector Aeroportuário 4. Sector Logístico 5. Integração do sistema de transportes / Intermodalidade 6. Mobilidade urbana 28
  29. 29. Mobilidade e Transportes ESTRATÉGIA PARA O SECTOR AEROPORTUÁRIO • Reforçar a centralidade euro-atlântica de Portugal, aumentar a Visão competitividade do sistema aeroportuário e do transporte aereo • Garantir a sustentabilidade e coesão solidária do sistema de aeroportos nacionais, incentivando o seu funcionamento em rede integrada • Reforçar o quadro regulatório do sector e de gestão do tráfego aéreo, a Objectivos nível nacional e internacional Estratégicos • Dotar o sistema aeroportuário de infra-estruturas com capacidade para acolher, com segurança e qualidade de serviço, o potencial de mercado de que dispõem • Construir o Novo Aeroporto de Lisboa no Campo de Tiro de Alcochete • Fortalecer a estratégia de hub de Lisboa Metas • Desenvolver o centro logístico de carga aérea no aeroporto Sá Carneiro • Consolidar políticas de segurança e ambientais nos aeroportos 29
  30. 30. Mobilidade e Transportes Infra-estruturas Aeroportuárias Francisco Sá Vocação: tráfego internacional de negócios e de turismo; aeroporto de origem/destino; catchment Carneiro area de 5,38 milhões de pessoas Passageiros / P ro c u ra 3M 5M 6M ano C a p a c id a d e 6M 8M 11M 41m Carga (ton.) / P ro c u ra 28m 47 m ano C a p a c id a d e 40m 75m Capacidade movimentos 20 32 aeronaves hora: Actual Evolução prevista até… 2015* 2025* • Crescimento contínuo do número de ligações directas e destinos internacionais • Boas acessibilidades viárias (rede viária, metro, oferta estacionamento) 30
  31. 31. Mobilidade e Transportes 1. Sector Ferroviário 2. Sector Marítimo-Portuário 3. Sector AeroportuárioSector Aeroportuário 4. Sector Logístico 5. Integração do sistema de transportes / Intermodalidade 6. Mobilidade urbana 31
  32. 32. Mobilidade e Transportes Um novo paradigma para o sector logístico como contributo essencial para assegurar o desenvolvimento económico e territorial do País ESTRATÉGIA PARA O SECTOR LOGÍSTICO • Transformar Portugal numa Plataforma Atlântica de entrada de Visão movimentos internacionais no mercado ibérico e europeu. Servir necessidades nacionais e regionais • Racionalizar a actividade logística • Fomentar a intermodalidade Objectivos • Promover ganhos ambientais Estratégicos • Contribuir para o desenvolvimento da economia nacional e de alguns espaços territoriais específicos • Aumentar a competitividade • 2 milhões de toneladas de captação de novos tráfegos Principais • Cobertura de mais de 98% da economia e da população portuguesa Metas • Mais de 15 mil postos de trabalho • 10% de redução média dos custos logísticos 32
  33. 33. Mobilidade e Transportes A Rede Nacional de Plataformas Logísticas é constituída por 12 plataformas logísticas, complementadas por 2 centros de carga aérea INFRA-ESTRUTURAS LOGÍSTICAS: PORTUGAL LOGÍSTICO Plataformas • Dinamizar a actividade económica do País Valença Chaves Urbanas • Reordenar o sistema logístico e os fluxos de Nacionais transporte CCA Porto Maia/Trofa Leixões • Potenciar a actividade portuária e expandir a sua Guarda Plataformas área influência, nomeadamente para Espanha Aveiro Portuárias • Fomentar a intermodalidade e a utilização dos modos ferroviário e marítimo F. da Foz • Dinamizar a economia regional CCA Lisboa Elvas/Caia Plataformas Transfronteiriças • Captar fluxos e investimento industrial espanhol Poceirão • Expandir o hinterland dos portos nacionais Lisboa • Garantir a coesão da rede Sines Plataformas Regionais • Reordenar o sistema logístico e dos fluxos transporte Tunes 33
  34. 34. Mobilidade e Transportes O investimento estimado para a concretização da RNPL é de cerca de 1.600 milhões de euros, dos quais cerca de 200 milhões são relativos a acessibilidades INFRA-ESTRUTURAS LOGÍSTICAS: PORTUGAL LOGÍSTICO Nacionais Urbanas • Maia/Trofa 258 M€ Valença Chaves • Poceirão 517 M€ CCA Porto Maia/Trofa • Leixões (Gatões/Guifões e Gonç.) 136 M€ Leixões Portuárias Guarda • Aveiro (pólo intraportuário e Cacia) 95 M€ Aveiro • Figueira da Foz 23 M€ • Lisboa (Bobadela e C. do Ribatejo) 310 M€ • Sines (pólo A e B) 59 M€ F. da Foz fronteiriças • Valença 71 M€ CCA Lisboa Elvas/Caia Trans • Chaves 7 M€ Poceirão • Guarda 34 M€ Lisboa • Elvas/Caia 59 M€ Sines Regional • Tunes 46 M€ Tunes Inv. Total > 1.600 M€ 34
  35. 35. Mobilidade e Transportes Infra-estruturas no Sector Logístico Plataforma Transfronteiriça de Valença Plataforma Transfronteiriça de Chaves Centro de Carga Área do Porto Plataforma Urbana Nacional da Maia/Trofa Plataforma Portuária de Leixões 35
  36. 36. Mobilidade e Transportes 1. Sector Ferroviário 2. Sector Marítimo-Portuário 3. Sector Aeroportuário 4. Sector Logístico 5. Integração do sistema de transportes / Intermodalidade 6. Mobilidade urbana 36
  37. 37. Mobilidade e Transportes INTEGRAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTES / INTERMODALIDADE • Portos: Lisboa, Setúbal e Sines • Plataformas Logísticas: Castanheira do Ribatejo, Elvas/Caia, Poceirão, Sines • Rede Ferroviária Convencional e AV • N.A.L AV Caia Lisboa/Porto NAL AV Lisboa/Madrid Plataforma TTT Vendas Logística Novas de Elvas Porto de Plataforma Nova Linha Lisboa Logística Sines-Elvas/Caia do Poceirão Évora Casa Branca Porto de Setúbal Variante de Alcácer do Sal Grândola Nova Linha Sines-Elvas/Caia BEJA Porto de Sines 37
  38. 38. Mobilidade e Transportes INTEGRAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTES / INTERMODALIDADE • Portos: Leixões, Aveiro e Viana do Castelo • Plataformas Logísticas: Leixões, Maia/Trofa, Valença, Chaves • Rede Ferroviária Convencional e AV • Aeroporto Sá Carneiro Puerto del Estado Pontevedra Aeroporto Vigo Puerto del Estado Vigo Estação AV Vigo Estação AV Valença PL Valença Rede AV Porto de Viana PL Chaves do Castelo Estação AV Braga Aeroporto Sá Carneiro +Estação AV CCA Porto PL Maia/Trofa PL Leixões Estação AV Rede Porto de Campanhã Convencional Leixões 38
  39. 39. Mobilidade e Transportes 39 Articulação da Alta Velocidade com o Aeroporto Sá Carneiro Valença 39
  40. 40. Mobilidade e Transportes Investimentos na Infra-estrutura Rodoviária Galiza Concessão Norte Litoral Galiza Concessão Costa De Prata Concessão Grande Porto Concessão Douro Litoral Concessão Norte Concessão Brisa Concessão Túnel do Marão 40
  41. 41. Mobilidade e Transportes INTEGRAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTES / INTERMODALIDADE Coesão de rede e intermodalidade • Portos principais • Plataformas Logísticas da RNPL • Rede Rodoviária • Rede Ferroviária Convencional e AV • Principais aeroportos 41
  42. 42. Mobilidade e Transportes O grande vector de mudança é introduzido pela diminuição das distâncias, medidas em tempo de percurso INTEGRAÇÃO NA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES União Europeia Península Ibérica Portugal Mapa considerando tempo de Mapa considerando tempo de Mapa Base (60km/h) viagem por ferrovia (1993) viagem por ferrovia (2020) Fonte : “Acessibility and Economic Development in Europe” ; Vickerman & Spiekermann & Wegener, 1997 Coesão Desenvolvimento Competitividade 42
  43. 43. Mobilidade e Transportes 1. Sector Ferroviário 2. Sector Marítimo-Portuário 3. Sector Aeroportuário 4. Sector Logístico 5. Integração do sistema de transportes / Intermodalidade 6. Mobilidade urbana 43
  44. 44. Mobilidade e Transportes Investimentos no Transporte Urbano: Metro do Porto  Metro do Porto: 2ª e 3ª Fases 1 Ligação ao concelho da Trofa 2 Ligação ao concelho de Gondomar •Antas – Venda Nova •Campanhã – Gondomar / Valbom 3 Prolongamento da ligação no concelho de Gaia – Vila d’ Este 4 Reforço de ligações circulares nos concelhos de Matosinhos e do Porto •Linha do Campo Alegre •Linha de S. Mamede 5 Reforço de ligações circulares externas e das ligações ao aeroporto 44
  45. 45. Mobilidade e Transportes Estratégia para o Transporte Urbano: STCP Rede da STCP Aumento de frequência das linhas e diminuição da sua extensão média, com melhores ligações a locais centrais e a outros transportes Acompanhar a evolução da ocupação do território na AMP e a evolução ocorrida nos restantes modos de transporte público – Metro do Porto e Caminho-de-Ferro Renovação de Frota da STCP Continuar a renovação da frota tornando-a ambientalmente mais sustentável Bilhética Facilidade e modernidade Informação ao Público “Não se ama aquilo que não se conhece” 45
  46. 46. Mobilidade e Transportes Infra-estruturas de Transportes Transporte • Sistema de Metro Ligeiro de Superfície: Metro do Porto Urbano • Rede de Autocarros: STCP Sistema • IC29 – Via Rápida de Gondomar, A41/IC24 – Freixieiro/Alfena, Rodoviário A4/IP4 Sendim/Águas Santas, IC23 Nó da Barrosa, etc. Sistema • Porto Principal: Porto de Leixões Marítimo- Portuário • Porto Secundário: Porto de Viana do Castelo Sistema • Plataforma Portuária de Leixões (Gonçalves e Gatões/Guifões) Logístico • Plataforma Nacional Urbana da Maia/Trofa Sistema • Aeroporto Francisco Sá Carneiro Aeroportuário Sistema • Rede Convencional (Linha do Norte, Linha do Minho, etc.) Ferroviário • Rede de Alta Velocidade (Eixos Prioritários) 46
  47. 47. Mobilidade e Transportes Convenção Distrital Autárquica 2010 Regionalizar Descentralizar Desconcentrar Ana Paula Vitorino Secretária Nacional do Partido Socialista 19 de Junho de 2010 Deputada – Coordenadora do PS na Comissão de Obras Públicas, Transportes e Comunicações 47

×