Your SlideShare is downloading. ×
Vigilância Sanitária
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Vigilância Sanitária

14,450
views

Published on

Published in: Health & Medicine

0 Comments
8 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
14,450
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
489
Comments
0
Likes
8
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. As Ações de Vigilância Sanitária
  • 2. Vigilância Sanitária Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Entende-se por vigilância sanitária um conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação de bens e da prestação de serviços de interesse da saúde, abrangendo:
  • 3. I - o controle de bens de consumo que, direta ou indiretamente, se relacionem com a saúde, compreendidas todas as etapas e processos, da produção ao consumo; e II - o controle da prestação de serviços que se relacionam direta ou indiretamente com a saúde. Vigilância Sanitária – Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990 - Continuação
  • 4. Sistema Nacional de Vigilância Sanitária
  • 5. O Sistema Nacional de Vigilância Sanitária é constituído pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), o Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (CONASS), o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (CONASEMS), os Centros de Vigilância Sanitária Estaduais, do Distrito Federal e Municipais (VISAS), os Laboratórios Centrais de Saúde Pública (LACENS), o Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS), a Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), e os Conselhos Estaduais, Distrital e Municipais de Saúde, em relação às ações de vigilância sanitária. Composição do Sistema
  • 6. Atribuições e Competências do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária
  • 7. Atividades Desenvolvidas na Área de Produtos  Registro de Produtos  Autorização de Funcionamento  Licenciamento de Estabelecimentos Industriais e Comerciais  Análise Prévia, de Controle e Fiscal de Produtos  Monitoramento da Qualidade
  • 8.  medicamentos de uso humano, suas substâncias ativas e demais insumos, processos e tecnologias;  alimentos, inclusive bebidas, águas envasadas, seus insumos, suas embalagens, aditivos alimentares, limites de contaminantes orgânicos, resíduos de agrotóxicos e de medicamentos veterinários;  cosméticos, produtos de higiene pessoal e perfumes;  saneantes destinados à higienização, desinfecção ou desinfestação em ambientes domiciliares, hospitalares e coletivos; São Bens e Produtos Submetidos ao Controle e Fiscalização Sanitária
  • 9. Sistema Nacional de Vigilância Sanitária São bens e produtos submetidos ao controle e fiscalização sanitária - Continuação  conjuntos, reagentes e insumos destinados a diagnóstico;  equipamentos e materiais médico-hospitalares, odontológicos, hemoterápicos e de diagnóstico laboratorial e por imagem;  imunobiológicos e suas substâncias ativas, sangue e hemoderivados;  órgãos, tecidos humanos e veterinários para uso em transplantes ou reconstituições;  radioisótopos para uso diagnóstico in vivo, radiofármacos e produtos radioativos utilizados em diagnóstico e terapia;
  • 10. Sistema Nacional de Vigilância Sanitária São bens e produtos submetidos ao controle e fiscalização sanitária - Continuação  cigarros, cigarrilhas, charutos e qualquer outro produto fumígero, derivado ou não do tabaco;  quaisquer produtos que envolvam a possibilidade de risco à saúde, obtidos por engenharia genética, por outro procedimento ou ainda submetidos a fontes de radiação.
  • 11.  aqueles voltados para a atenção ambulatorial, seja de rotina ou de emergência, os realizados em regime de internação, os serviços de apoio diagnóstico e terapêutico, bem como aqueles que impliquem a incorporação de novas tecnologias;  as instalações físicas, equipamentos, tecnologias, ambientes e procedimentos envolvidos em todas as fases de seus processos de produção dos bens e produtos submetidos ao controle e fiscalização sanitária, incluindo a destinação dos respectivos resíduos. São Serviços Submetidos ao Controle e Fiscalização Sanitária
  • 12. Licenciamento de Estabelecimentos de Saúde Estabelecimentos de saúde só podem iniciar suas atividades após o registro e aprovação de sua construção, da forma de organização, da capacidade física das instalações e das condições de funcionamento, entendendo-se como início das atividades qualquer forma de promoção e publicidade dos serviços médico-assistenciais a serem prestados. A concessão da licença de funcionamento dependerá do atendimento dos requisitos e condições estabelecidos no artigo 114 do Decreto nº 1.754/78, na Resolução SES nº 2563 de 25/10/2004 e demais normas vigentes.
  • 13. Ações de Vigilância Sanitária em Estabelecimentos Industriais, Comerciais e de Prestação de Serviço em Saúde
  • 14. Ações de Vigilância Sanitária de Indústrias Farmacêuticas, Farmoquímicas, de Alimentos, Saneantes Domissanitários, Cosméticos e Correlatos Objetivos  Verificar a adoção das Boas Práticas de Fabricação e Controle.  Impedir a comercialização de produtos impróprios para consumo.  Fiscalizar 100% das indústrias em 02 anos. Meta
  • 15. Objetivos Meta Ações de Vigilância Sanitária de Estabelecimentos Comerciais de Produtos de Interesse à Saúde  Verificar a adoção das Boas Práticas de Armazenamento e Distribuição de produtos  Impedir a comercialização de produtos impróprios para consumo.  Fiscalizar 100% dos estabelecimentos em 02 anos.
  • 16. Impedir a comercialização e uso de produtos sujeitos à vigilância sanitária impróprios para o consumo através da coleta sistemática de amostras de produtos com maior risco potencial de dano à saúde da população, para análise fiscal no Laboratório Central Noel Nutels - LCNN e no Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde - INCQS. Objetivos Ações de Monitoramento da Qualidade de Produtos
  • 17.  F iscalizar clínicas e consultórios odontológicos visando a redução do risco de transmissão de doenças por manipulação odontológica e da contaminação ambiental e a adoção das Normas de Biossegurança e de Segurança Química.  Inspecionar 100% das clínicas e consultórios odontológicos em 2 anos. Ações de Vigilância Sanitária de Clínicas Odontológicas Objetivos Meta
  • 18.  Fiscalizar os serviços de terapia renal substitutiva visando a redução do risco de transmissão de doenças da contaminação ambiental e a adoção das normas vigentes.  Inspecionar 100% dos serviços de terapia renal substitutiva anualmente. Ações de Vigilância Sanitária de Serviços de Terapia Renal Substitutiva Objetivos Meta
  • 19.  Fiscalizar as unidades de hemoterapia visando a redução do risco de transmissão de doenças, de reações adversas transfusionais, da contaminação ambiental e a adoção das normas vigentes.  Inspecionar 100% das unidades de hemoterapia anualmente. Ações de Vigilância Sanitária de Unidades de Hemoterapia Objetivos Meta
  • 20.  Fiscalizar os serviços de radiodiagnóstico clínico visando a redução do risco de exposição dos pacientes, do público e dos profissionais à radiação ionizante e a adoção das normas vigentes.  Inspecionar 30% dos serviços de radiodiagnóstico clínico por ano. Ações de Vigilância Sanitária de Serviços de Radiodiagnóstico Clínico Objetivos Meta
  • 21.  Inspecionar 30% dos laboratórios clínicos por ano. Ações de Vigilância Sanitária de Serviços de Laboratórios Clínicos Objetivos Meta  Fiscalizar os serviços de laboratório clínico para verificar a adoção das Boas Práticas de Laboratórios Clínicos e das Normas de Biosegurança visando a redução de riscos de agravo à saúde relacionados com a confiabilidade dos laudos analíticos.
  • 22. Verificação da adoção das normas e regulamentos técnicos federais e estaduais vigentes e a avaliação das condições de funcionamento visando a identificação de riscos e danos a saúde dos usuários e trabalhadores, com a adoção de medidas capazes de impedir a propagação de danos e reduzir a morbi-mortalidade institucional, a taxa de infecção hospitalar e a ocorrência de eventos adversos relacionados a medicamentos, água, alimentos, sangue e componentes, nutrição enteral, nutrição parenteral e a qualquer insumo ou tecnologia médica, assim como investigar e apurar casos de agravos à saúde. Objetivos Vigilância Sanitária em Hospitais
  • 23. Estruturação do Centro de Vigilância Sanitária 1999-2005
  • 24. GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Departamento de Fiscalização de Medicamentos e Afins Setor de Arquitetura Coordenação de Fiscalização Sanitária Departamento de Fiscalização de Estabelecimentos de Saúde
    • Setor de Radiodiagnóstico
    • Setor de Hemoterapia
    Departamento de Fiscalização de Alimentos Assessoria de Projetos Especiais
  • 25. GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Setor de Administração Departamento de Fiscalização de Medicamentos e Afins Setor de Arquitetura e Engenharia
    • Setor de Medicamentos
    • Setor de Correlatos
    • Setor de Saneantes
    • Setor de Cosméticos
    • Setor de Dispensação e Comércio
    Centro de Vigilância Sanitária Deptº de Fiscalização de Estabelecimentos de Saúde
    • Setor de Hospitais e Clínicas
    • Setor de Odontol ogia
    • Setor de Radiodiagnóstico
    • Setor de Hemoterapia
    • Setor de Laboratório de Análise Clínicas
    • Setor de Terapia Renal Substitutiva
    • Setor de Registro de Diplomas e Notificações de Receitas
    • Setor de Indústria
    • Setor de Registro
    • Setor de Nutrição
    Departamento de Fiscalização de Alimentos Assessoria Especial
    • Núcleo de Pessoal
    • Arquivo
    • Apoio Administrativo
    Núcleo de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Núcleo de Controle Setor de Saúde e Meio Ambiente Setor de Denúncia Unidade de Farmacovigilância
  • 26. GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA
    • Serviço de Indústrias de Medicamentos e Insumos Farmacêuticos
    • Serviço de Manipulação de Medicamentos
    • Serviço de Farmacovigilância
    • Serviço de Indústrias de Produtos para à Saúde
    • Serviço de Indústria de Saneantes
    • Serviço de Indústria de Cosméticos
    • Serviço de Importadores e Distribuidores
    • Serviço de Monitoramento de Produtos
    • Serviço de Comércio de Produtos
    • Serviço de Registro e Cadastro de Alimentos
    • Serviço de Indústria de Alimentos
    • Serviço de Monitoramento de Alimentos e Acompanhamento de Laudos
    • Serviço de Investigação de Agravos à Saúde
    • Serviço de Comércio e Manipulação de Alimentos
    • Serviço de Análise Documental, Distribuição e Controle de Expediente
    • Serviço de Documentação e Arquivo
    • Serviço de Logística
    • Serviço de Administração e Orçamento
    • Núcleo de Pessoal
    • Serviço de Vigilância de Hospitais - I
    • Serviço de Vigilância de Hospitais - II
    • Serviço de Vigilância de Hospitais – III
    • Serviço de Farmácia Hospitalar
    • Serviço de Unidades Básicas e de Estabelecimentos de interesse à Saúde
    • Serviço de Radiodiagnóstico e Diagnóstico por Imagem
    • Serviço de Radioterapia e Medicina Nuclear
    • Serviço de Sangue, Tecidos e Órgãos
    • Serviço de Laboratórios Clínicos e Anatomia patológica
    • Serviço de Terapia Renal Substitutiva
    • Setor de Registro de Diploma e Controle de Receituário
    Apoio do Gabinete Centro de Vigilância Sanitária Assessoria Técnica Assessoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Sub-coordernação de Vigilância de Hospitais Sub-coordenação de Vigilância de Serviços de Apoio Diagnóstico e Terapêutico Sub-coordenação de Vigilância de Medicamentos Unidade de Meio Ambiente e Saúde Coordenação de Administração e Logística Coordenação de Vigilância de Serviços de Saúde Sub-coordenação de Vigilância de Produtos Núcleo de Análise e Acompanhamento de Denúncia Assessoria de Controle Normativo Coordenação de Vigilância de Alimentos Unidade de Arquitetura e Engenharia Núcleo de Informática e Informação Núcleo de Desenvolvi-mento de RH Coordenação de Vigilância de Produtos
  • 27. “ Promoção, Proteção e Prevenção dos Riscos à Saúde da população usuária de produtos de interesse à saúde” Matéria-prima Fabricação Importação Produto Distribuição CONSUMO Armazenamento ESTABELECIMENTOS PRODUTOS EVENTOS ADVERSOS DESVIOS DE QUALIDADE CERTIFICAÇÃO BPF INVESTIGAÇÃO PROGRAMAS NOTIFICAÇÃO, AVALIAÇÃO E INVESTIGAÇÃO INSPEÇÃO/ ANÁLISES VIGILÂNCIA PÓS-COMERCIALIZAÇÃO INDICADORES QUALIDADE SEGURANÇA EFICÁCIA