Your SlideShare is downloading. ×
0
Fcm apresentação de relatório em plenário
Fcm apresentação de relatório em plenário
Fcm apresentação de relatório em plenário
Fcm apresentação de relatório em plenário
Fcm apresentação de relatório em plenário
Fcm apresentação de relatório em plenário
Fcm apresentação de relatório em plenário
Fcm apresentação de relatório em plenário
Fcm apresentação de relatório em plenário
Fcm apresentação de relatório em plenário
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Fcm apresentação de relatório em plenário

264

Published on

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
264
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO À ACTUAÇÃO DO GOVERNO EM RELAÇÃO À FUNDAÇÃO PARA AS COMUNICAÇÕES MÓVEIS APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL “parceria público-privada sui generis…” Freitas do Amaral
  2. PRINCIPAIS CONCLUSOES O Governo - e não os Operadores - decidiu criar a Fundação para as Comunicações Móveis O Governo aproveitou o crédito sobre os operadores - resultantes das contrapartidas decorrentes da atribuição de licenças UMTS – para “obrigar” estes agentes comerciais privados a uma missão, fora daquilo que seriam obrigações exclusivamente pecuniárias, procurando assegurar talvez um modelo mais expedito de acção discreta e longe da fiscalização directa incidente sobre as entidades públicas.
  3. DEVERIA TER HAVIDO CONCURSO PÚBLICO… O Governo controlava directamente e integralmente a Fundação. Não foi um mero regulador ou fiscalizador, esteve na génese dos processos, definiu-os (até ao detalhe) e tem inclusivamente a faculdade exclusiva dos pagamentos e autorizações de despesas através do Conselho de Administração da FCM por si integralmente controlado. Daí que a sua actuação seja em tudo, a de uma entidade adjudicante.
  4. A ACTUAÇÃO DA FUNDAÇÃO… Três anos depois, Não existe um documento oficial de prestação de contas consolidadas sobre a execução e.escolas. Os actos de gestão, as transacções, as transferências financeiras e as vendas de bens e serviços associados a este programa permanecem por demonstrar, numa intrincada rede de financiamentos cruzados que envolve operadores de telecomunicações e Estado, estudantes e suas famílias, fornecedores de computadores e software. Verifica-se uma grave falta de transparência na gestão pública da Fundação e dos programas e iniciativas que lhe incumbe gerir.
  5. AINDA HÁ DÍVIDAS AOS OPERADORES… € 4 Milhões € 9 Milhões € 96 Milhões € 100 mil TOTAL = € 109,1 Milhões de euros AINDA NÃO HÁ UMA CABAL PRESTAÇÃO DE CONTAS!! 5
  6. COMO TUDO ACONTECEU… Compras de computadores“e-escolinha” foram feitas segundo as especificações transmitidas pela FCM aos operadores, e onde se encaixava apenas um fabricante e um computador: A J. P. Sá Couto e o “Computador Magalhães”, onde se junta o processador Intel, e curiosamente têm acordos assinados em que o Estado serve de “chapéu” para a cobertura a dar ao negócio. Governo criou uma situação de monopólio por parte do fabricante J. P. Sá Couto e do respectivo ‘Computador Magalhães’, concluindo-se que a sua acção directa neste negócio, distorceu as normais condições de mercado.
  7. O Memorando de Entendimento assinado entre a Intel e o Governo português, motivou a cerimónia realizada no Pavilhão Atlântico a 30 de Julho de 2008, e a vinda a Portugal do Presidente da multinacional norte-americana Intel, Craig Barret. Estranhamente é dado por ambas as partes como não executado, apesar do SEOPTC indicar claramente que este memorando se referia especificamente ao Magalhães. A verdade é que foi noticiado em todo o mundo que por um lado com uma só operação (com 500 mil computadores Magalhães) a Intel apanhava os rivais da OLPC, ao mesmo tempo que o Governo obtinha vantagens financeiras para os utilizadores do processador Intel. Sem dúvida uma operação off-balance-sheet 7
  8. RECOMENDAÇÕES RECOMENDA-SE QUE O GOVERNO DE FUTURO, PROMOVA E ADOPTE O ACESSO ÀS TIC, COM INCLUSÃO DE TECNOLOGIAS ABERTAS E DE SOFTWARE LIVRE RECOMENDA-SE O ENVIO DESTE RELATÓRIO PARA O TRIBUNAL DE CONTAS E À COMISSÃO EUROPEIA, DUAS INSTANCIAS ONDE DECORREM PROCESSOS ABERTOS À INVESTIGAÇÃO DESTA FUNDAÇÃO RECOMENDA-SE QUE DEPOIS DO CUMPRIMENTO DE TODAS AS OBRIGAÇÕES LEGAIS, O GOVERNO PROCEDA À EXTINÇÃO DA FCM, INCUMBINDO O MINISTERIO DA EDUCAÇÃO DE ASSEGURAR A COORDENAÇÃO DESTE TIPO DE INICIATIVAS
  9. O PUZZLE da FCM O CAMINHO LÓGICO…
  10. COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO À ACTUAÇÃO DO GOVERNO EM RELAÇÃO À FUNDAÇÃO PARA AS COMUNICAÇÕES MÓVEIS “parceria público-privada sui generis…” Freitas do Amaral

×