• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Mielite transversa
 

Mielite transversa

on

  • 272 views

Mielite tranversa

Mielite tranversa

Statistics

Views

Total Views
272
Views on SlideShare
272
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Mielite transversa Mielite transversa Presentation Transcript

    • Neurofisiologia 2012/2013 Mielite Transversa Neurologia Docente: Diana Tavares Ana Pinho nº10110178 Prune Mazer nº10110195
    • Diagnóstico História Clinica + Exame Físico + Exame Neurológico Os sintomas neurológicos sugerem ao médico um amplo leque de doenças possíveis. Para ir afastando as possibilidades, o médico pode fazer vários exames: • Punção lombar (extração de líquido cefalorraquidiano para a sua avaliação). • Os exames de imagem são realizados para excluir a presença de fatores que levam à compressão da medula espinhal e sintomatologia semelhante.
    • Diagnóstico Diferencial • • • • • • • • • • Tumores Traumas Lesões agudas por compressão (metástases e abcessos) Hérnias discais Abcessos LES Infeção por HIV Deficiência da vitamina B12 Enfarte da medula espinal Estenose
    • Tratamento
    • Incidência • • • • • Esta doença pode aparecer em qualquer idade. O maior número de casos de Mielite Transversa parece estar entre 10 a 19 anos e após 40 anos de idade. Pessoas de ambos os sexos parecem ser diagnosticadas igualmente. Estima-se que esta doença rara afecte por ano 1 a 4 indivíduos entre cada 1 milhão. Não há predisposição familiar e nem sexual.
    • Prognóstico • A recuperação pode ser ausente, parcial ou completa e geralmente inicia-se entre um a três meses. Uma recuperação significante é improvável se nenhuma melhora ocorrer por três meses. • • • 1/3 Recuperação boa/completa 1/3 Recuperação moderada/parcial 1/3 Não recuperam após o período inicial Após a recuperação, em muitos pacientes persiste a debilidade motora e o entorpecimento. Quando o tratamento é estabelecido precocemente, os pacientes podem recuperar-se completamente.