Your SlideShare is downloading. ×
Plantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Plantas em vias de extinção em portugal

35,047

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
35,047
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
15
Actions
Shares
0
Downloads
293
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Agrupamento de Escolas do Vale de São Torcato <br />3016885255270-483016255665<br />Plantas em vias de extinção em Portugal<br />Curso de Educação e Formação de Jardinagem<br />Ano Lectivo 2010/2011<br />Índice<br />EspéciePáginaTuberaria major…………………………………………….3Ilex aquifolium ……………………………………………..4Quercus robur, Quercus faginea, Quercus pyrenaica ...5Convolvulus fernandesii ………………………………….6Plantago algarbiensis ……………………………………..7Plantago almogravensis ………………………………….8Linaria ricardoi ……………………………………………..9Omphalodes kuzinskyanae ………………………………10Narcissus scaberulus ……………………………………..11Marsilea quadrifolia ………………………………………12<br />29679902681605-35623526816052958465-42545-356235-42545 <br />Nome científico: Tuberaria major.<br />Nome vulgar: Álcar-do- -algarve. <br />Descrição: Planta vivaz de pequenas dimensões, com toiça lenhosa ramificada e folhas dispostas na base do caule. As flores são amarelas e apresentam-se em cimeiras terminais. A floração e a frutificação decorrem de Fevereiro a Maio.<br />Distribuição geográfica: Prefere solos arenosos, ácidos e ocorre em clareiras de matos adaptados a condições de secura (xerófilos).<br />29203652548255-4038602538730-403860-1568452920365-156845 <br />Nome científico: Ilex aquifolium.<br />Nome vulgar: Azevinho.<br />Descrição: é um arbusto de folha (botânica) persistente da família das Aquifoliaceae, cultivado normalmente para efeitos ornamentais devido aos seus frutos vermelhos. Estes frutos também são denominados de azevinhos, ou de bagas. O azevinho comum é um arbusto de crescimento muito lento, atingindo em adulto de quatro a seis metros de altura. Alguns pés chegam a formar autênticas árvores. Pode viver 100 anos ou mais.<br />Distribuição geográfica: Nativo em quase toda a Europa, Norte de África e Sudoeste da Ásia, o Azevinho é uma espécie autóctone rara, que enfrenta uma séria ameaça de extinção em Portugal, sendo por isso totalmente proibida a sua colheita. A principal causa do seu desaparecimento deve-se à excessiva procura para fins ornamentais durante a quadra Natalícia.<br />-403860255778029203652557780-403860-1568452920365-156845 <br />Nome científico: Quercus robur, Quercus faginea, Quercus pyrenaica, etc.<br />Nome vulgar: Carvalho.<br />Descrição: Outrora, nas florestas portuguesas abundavam os carvalhos. Mas quando se descobriu que a qualidade da madeira destas árvores era boa, os seus troncos foram utilizados na indústria do mobiliário e na construção civil. Por outro lado, também muitas florestas não conseguiram resistir ao fogo destruidor. Hoje, os carvalhos passaram para a lista das espécies mais ameaçadas. Amanhã, talvez deixem mesmo de existir.<br />Distribuição geográfica: Carvalho é a designação comum das cerca de seiscentas espécies de árvores do género Quercus da família Fagaceae e de outros géneros relacionados, nomeadamente Lithocarpus. O género é nativo do hemisfério norte e inclui tanto espécies caducas como perenes que se estendem desde latitudes altas até a Ásia tropical e a América. Em geral, as espécies de folha caduca distribuem-se mais para o norte e as de folha persistente para o sul. Os frutos do carvalho chamam-se bolotas ou landes.<br />33559752138680-27051024530053042285-242570-270510-242570 <br />Nome científico: Convolvulus fernandesii.<br />Nome vulgar: Corriola-do-espichel.<br />Descrição: É um arbusto ramificado de flores brancas. Habita fendas de afloramentos calcários e substratos instáveis ao longo das arribas com exposição predominantemente Sul. A floração decorre de Fevereiro a Junho.<br />Distribuição geográfica: Cabo Espichel e ao litoral da Serra da Arrábida.<br />-3562352643505296799026530303263265-347345-356235-52070 <br />Nome científico: Plantago algarbiensis.<br />Nome vulgar: Diabelha-do-algarve.<br />Descrição: Planta vivaz, arrosetada, com toiça lenhosa raramente dividida em duas. As folhas são lineares e agudas. Floresce de Maio a Agosto.<br />Distribuição geográfica: Ocorre em solos argilosos, por vezes sujeitos a encharcamento temporário. Prefere zonas a jusante de pequenas nascentes de água ou clareiras de matos baixos acidófilos. É de salientar o comportamento ruderal da espécie em depósitos de entulhos resultantes das explorações de argila.<br />29679902681605-35623526816052967990-42545-356235-42545 <br />Nome científico: Plantago almogravensis.<br />Nome vulgar: Diabelha-do-almograve.<br />Descrição: É um arbusto de pequenas dimensões, com forma almofadada, de ramos curtos que terminam em rosetas foliares estreladas. As folhas são lineares e bicudas.<br />Distribuição geográfica: Esta espécie ocorre na faixa costeira, em solos arenosos pouco desenvolvidos com elevado teor em argila e ferro. Coloniza as clareiras de matos litorais, ocupando locais com água disponível nas camadas sub-superficiais do solo no Inverno e na Primavera. <br />291084024625302910840-242570-4229102462530-422910-242570 <br />Nome científico: Linaria ricardoi.<br />Nome vulgar: <br />Descrição: É uma planta anual, de folhas lineares e carnudas, com a margem um tanto enrolada. As inflorescências formam um cacho com cerca de 17 flores, de corola pequena (9-12 mm) e cor violácea. A floração e frutificação desta espécie decorrem entre Fevereiro e Junho.<br />Distribuição geográfica: Herbácea endémica de Portugal continental associada aos ecossistemas agrícolas do Baixo Alentejo.<br />-2990852672080301561526720803025140-52070-299085-52070 <br />Nome científico: Omphalodes kuzinskyanae.<br />Nome vulgar: Miosótis-das-praias.<br />Descrição: Planta anual de pequenas dimensões (6 a 20 cm) e flores branco-azuladas. A germinação tem início em Novembro e prolonga-se até Fevereiro ou Março. A época de floração decorre de Março a Junho. O período de frutificação coincide parcialmente com o período de floração e a maioria das plantas morre antes de Julho.<br />Distribuição geográfica: A área de distribuição da espécie é muito restrita. As populações conhecidas estão incluídas na sua totalidade na área do Parque Natural de Sintra-Cascais. Nesta área, a espécie encontra-se em zonas com condições ecológicas variadas, desenvolvendo-se em dunas consolidadas, junto ao mar, assim como no topo das arribas costeiras em solos calcários, graníticos ou de areia. A espécie mostra, no entanto, uma clara preferência por solos arenosos e locais ensombrados. <br />303466525863553034665-118745-2990852586355-299085-118745 <br />Nome científico: Narcissus scaberulus.<br />Nome vulgar: Narciso-do-mondego.<br />Descrição: É uma planta bolbosa, com duas a sete flores amarelas. O período de floração é muito curto, decorrendo de Fevereiro a Abril em função das condições climatéricas.<br />Distribuição geográfica: Esta espécie ocorre geralmente em áreas abertas e clareiras florestais e apenas em substratos graníticos.<br />-3657602681605294894026816052948940-42545-356235-42545 <br />Nome científico: Marsilea quadrifolia.<br />Nome vulgar: Trevo-de-quatro-folhas.<br />Descrição: É um feto semi-aquático que se assemelha a um trevo, apresentando folhas compostas por quatro folíolos.<br />Distribuição geográfica: Habita locais, periódica ou permanentemente, inundados, margens de rios ou reentrâncias fluviais onde a velocidade da água é moderada.<br />

×